Prova de Conceito Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prova de Conceito Saúde"

Transcrição

1

2 Prova de Conceito - Saúde Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração Pública Mobilidade e Logística Comércio e Retalho Turismo Media, Entert. e Cultura Monitorização remota Consulta virtual Centro de info. clínica 112 melhorado 1 Cirurgia Virtual VCF na esquadra e tribunal Centro de info. criminal Segurança interactiva Monitorização de espaços públicos Aulas virtuais Tele-presença (Pais) Base de dados de documentação Network schools Virtualização dos serviços públicos e-trabalho Gestão da procura de transporte Condução automática Compra na TV Publicidade interactiva Facilitador do turismo B2B Experiência virtual Realidade aumentada Suporte de turismo virtual Chats melhorados Serviços aumentados Desmaterialização, Vídeo-conferência, Realidade aumentada, Cloud computing, Monitorização, Aplicações de pagamento, Referenciação geográfica, Social Networking interoperabilidade Conectividade Dispositivos Financiame nto Modelo de Negócio Literacia TIC Aceitação Politicas/ Regulação Perspectiva tecnológica Perspectiva de valor Contexto

3 Prova de Conceito - Saúde Health Unified Bus Hub de Informação da Saúde

4 Prova de Conceito Health Unified Bus Hub de Informação da Saúde

5 Tendências actuais na área Foco no utente Mobilidade dos utentes e dos profissionais Envolvimento do utente no processo de saúde Necessidades de racionalização e optimização Melhoria na qualidade e celeridade da prestação de serviços

6 Hoje a informação está dispersa Applicação Applicação D C Applicação EA Applicação B

7 Hoje a informação está dispersa D C X A B E

8 Hoje a informação está dispersa D C A B E

9 Hoje a informação está dispersa D C A B E

10 Hoje a informação está dispersa D C A B E

11 Hoje a informação está dispersa

12 Objectivos da Prova de Conceito Permitir o acesso aos dados independentemente da sua origem e localização física Garantir o nível de segurança e privacidade necessários Incentivar a colaboração Potenciar a utilização de ferramentas, técnicas e processos inovativos Possibilitar a criação de serviços inovadores com base na capacidade de acesso à informação

13 Arquitectura Base Transporte e composição Motor de Regras Gestão Fluxos Gestão Processos Segurança e Privacidade Governo e Monitorização

14 Metodologia de implementação Governance Governo Technical Técnico Definir modelo de Governo Estabelecer um modelo de governo fiável e seguir uma metodologia de gestão do programa Questões legais (segurança/privacidade) Direitos e responsabilidades associados à partilha de dados Adoptar as melhores práticas Adopção de soluções em conformidade com os standards Garantir soluções de arquitectura flexíveis, securas e escaláveis Recompensar os pioneiros na adopção das tecnologias Alinhar objectivos com as necessidades do negócio Garantir o valor do serviço pela necessidade de negócio Negócio Identificar estratégias de financiamento a longo, médio e curto prazo Garantir a sustentabilidade

15 Características da plataforma Implementa os Standards da indústria Segura Redundante e resistente a situações de desastre Integra com outras plataformas Extensível, escalável

16 Benefícios técnicos da plataforma Acesso à informação de cada utente independentemente da sua actual localização e da origem e localização física dos dados Garante modelos distribuídos, centralizados e mistos

17 Benefícios administração pública Optimização e racionalização de recursos Melhoria no atendimento aos utentes Eliminação de duplicação de MCDT Potencia a mobilidade

18 Benefícios profissional de saúde Acesso a mais dados Acesso a dados mais fiáveis, pela possibilidade de avaliar o doente no seu meio, enquanto este realiza as suas actividades diárias Partilha de informação e a interacção entre especialistas e Médicos de Família Permite a criação de novos serviços

19 Benefícios para o utente Melhoria no atendimento e diagnóstico Eliminação de duplicação de MCDT Informação disponível onde e quando necessária Permite a disponibilidade de novos serviços de proximidade

20 Exemplo Prático Interacção com Cuidados de Saúde Primários Registo Nacional Utentes Utente Centro Saúde Zona Centro Tronco Comum - RSE Hospital Privado Zona Centro Hospital Público Zona Sul

21 Exemplo Prático Interacção com Prestadores de Saúde Privados Registo Nacional Utentes Centro Saúde Zona Centro Tronco Comum - RSE Utente Hospital Privado Zona Centro Hospital Público Zona Sul

22 Exemplo Prático Interação com Rede de Urgência Registo Nacional Utentes Centro Saúde Zona Centro Tronco Comum - RSE Hospital Privado Utente Zona Centro Hospital Público Zona Sul

23 Obrigado

Prova de Conceito Segurança e Emergência

Prova de Conceito Segurança e Emergência Prova de Conceito Segurança e Emergência Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração Pública Mobilidade e Logística Comércio e

Leia mais

UM CINEMA COM FIBRA. Guive CHAFAI, Alcatel-Lucent

UM CINEMA COM FIBRA. Guive CHAFAI, Alcatel-Lucent UM CINEMA COM FIBRA Guive CHAFAI, Alcatel-Lucent Prova de Conceito Turismo, Cultura e Lazer Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração

Leia mais

ACESSIBILIDADE DAS TIC PARA O ENSINO SUPERIOR EM CABO VERDE

ACESSIBILIDADE DAS TIC PARA O ENSINO SUPERIOR EM CABO VERDE 1 ACESSIBILIDADE DAS TIC PARA O ENSINO SUPERIOR EM CABO VERDE Resumo: 1-Maria de Lourdes Spencer Lopes dos Santos\ 2-Introduçao As TIC para o Ensino Superior em Cabo Verde cujo aparecimento é bastante

Leia mais

Sistema Colaborativo de Monitorização (PremoGeoU) Mockups da Solução de I&D em Desenvolvimento

Sistema Colaborativo de Monitorização (PremoGeoU) Mockups da Solução de I&D em Desenvolvimento Turismo de Saúde Agenda Enquadramento Sector da Saúde Turismo de Saúde Directrizes sobre ehealth Plataforma Tice.Healthy Sistema Colaborativo de Monitorização (PremoGeoU) Mockups da Solução de I&D em Desenvolvimento

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados ANEXO AO ROTEIRO DE INTERVENÇÃO EM ARTICULAÇÃO E CONTINUIDADE DE CUIDADOS ANEXO II Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Governo da República de Moçambique Ministério da Educação PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Índice 1. Motivação do Plano Tecnológico da Educação (PTE) 2. Trabalhos Desenvolvidos 3. Linhas de Orientação e Pilares

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

Gestão e Inovação em Saúde

Gestão e Inovação em Saúde Gestão e Inovação em Saúde Casimiro Dias Conversas de Fim de Tarde Covilhã, 27 de Setembro de 2007 Índice 1. O Contexto da Inovação em Saúde 2. Modelo Conceptual 3. Duas Questões. Inovação e Flexibilidade

Leia mais

Redes de Nova Geração Impacto económico e social. Oportunidades e desafios

Redes de Nova Geração Impacto económico e social. Oportunidades e desafios Redes de Nova Geração Impacto económico e social. Oportunidades e desafios Julho 2009 Estrutura Estudo Resultados Desafios Estrutura Estudo Resultados Desafios Objectivos ambiciosos Colaborar no desenvolvimento

Leia mais

Conferência. As TIC e a Saúde no Portugal de 2012. APDSI avalia impacto das TIC no setor da Saúde

Conferência. As TIC e a Saúde no Portugal de 2012. APDSI avalia impacto das TIC no setor da Saúde APDSI avalia impacto das TIC no setor da Saúde Lisboa, 11 de dezembro - As oportunidades criadas e os desafios que o futuro apresenta em virtude da aplicação das novas tecnologias à área da Saúde foram

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

Amélia Esteves Ana Paula Eusébio Elisabete Pinheiro Maria Paula Franco Raul Cordeiro Rui Quintino

Amélia Esteves Ana Paula Eusébio Elisabete Pinheiro Maria Paula Franco Raul Cordeiro Rui Quintino Projecto do 2º Curso de Liderança para a Mudança PORTUGAL 2010 Amélia Esteves Ana Paula Eusébio Elisabete Pinheiro Maria Paula Franco Raul Cordeiro Rui Quintino enquadramento Experiência e a percepção

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Problemas típicos das empresas no âmbito da gestão da informação Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 elementos de estudo Empresa (abordagem sistémica) conceptualizada

Leia mais

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1 Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública Março de 2011 14-06-2012 1 Modelo de Gestão em Rede. A Acção Pública deve combinar

Leia mais

Desafios da saúde em Portugal

Desafios da saúde em Portugal www.pwc.pt/saude Desafios da saúde em Portugal 2013 Duas agendas simultâneas: cortes e reformas, com sentido Agenda 16.15h Abertura José Alves, Territory Senior Partner 16.15h 16.55h Apresentação do estudo

Leia mais

Agenda de Investigação em Cuidados Continuados Integrados

Agenda de Investigação em Cuidados Continuados Integrados Agenda de Investigação em Cuidados Continuados Integrados Autores: Manuel José Lopes Universidade de Évora Felismina Rosa Parreira Mendes Universidade de Évora Os Cuidados Continuados Integrados (CCI)

Leia mais

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Linhas deacção / Caminho a Percorrer Monitorização e acompanhamento permanentes, para que as actividades

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Intervenção da Ministra da Saúde de Portugal, Ana Jorge (PECS) Caros Colegas, As vossas intervenções são demonstrativas da nossa

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Estudo da Sustentabilidade das Empresas Recém Criadas Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado

Leia mais

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Infecções e Cuidados de Saúde Hospital Magalhães Lemos 12 Dezembro.2008 Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Porto,12 de Dezembro 2008 Enquadramento do Processo Negocial com os Serviços de Saúde

Leia mais

N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4873

N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4873 N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4873 4.3.2 Áreas de intervenção do Estado A participação e intervenção do Estado deverão ser estabelecidas em três domínios de intervenção distintos:

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

Mobile health A tecnologia no mundo da saúde

Mobile health A tecnologia no mundo da saúde A tecnologia no mundo da saúde Janeiro de 2013 Os desafios da saúde facilitados pela mobilidade dos dias de hoje 2 2013 Deloitte & Touche Auditores, Limitada Principais desafios para o Mobile health Escassez

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

Bolonha e o Papel das Estratégias num Curso em b-learning

Bolonha e o Papel das Estratégias num Curso em b-learning (O Caso do Mestrado/CFE em Multimédia em Educação - 2003/2004) Bolonha E-learning 26 09 06 Organização da apresentação 1 Enquadramento 2 Modelo de funcionamento das disciplinas 1ª Fase: Familiarização/Socialização

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável O seu parceiro de confiança! Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável A NOSSA EMPRESA 2 A CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS é uma empresa pluridisciplinar focalizada

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

Logística e interoperabilidade

Logística e interoperabilidade Workshop Stakeholders Lisboa Logística e interoperabilidade Estratégia tecnológica - logística colaborativa Luís Osório (IPL/ISEL) Lisboa, 9 de Maio de 2012 Tópicos Redes de Empresas/Organizações (E/O)

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS TREINO DA APTIDÃO MUSCULAR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Registo: CCPFC/ACC-61196/09 Válida até: 30-09-2012 Destinado a: Professores dos Grupos 260 e 620 AERÓBICA NA ESCOLA - METODOLOGIA BÁSICA Registo: CCPFC/ACC-61225/09

Leia mais

Perspectivas das TDIC na Educação Superior Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas - Brasil o

Perspectivas das TDIC na Educação Superior Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas - Brasil o Perspectivas das TDIC na Educação Superior Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas - Brasil o Sumário da Intervenção Formatos Digitais para a Educação Superior MOOCs na Educação Superior

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

Projecto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projecto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projecto Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Perspectivas Futuras da Governança dos SI/TI na AP

Perspectivas Futuras da Governança dos SI/TI na AP ERSI 2006 23 de Março de 2006 Perspectivas Futuras da Governança dos SI/TI na AP Luis Magalhães Presidente da UMIC AP Electrónica (egovernment) Foca-se nas relações AP-Cidadãos (G2C), AP-Empresas (G2B),

Leia mais

Out. 2011 Um Edifício Energeticamente Eficiente CONCEITO É um Laboratório de Formação e de Investigação e Desenvolvimento (ID&I) na área da energia. Demonstração Experimentação Investigação Transferência

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção em Tecnologias de Informação e Comunicação (Julho de 2014) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

Seminário Ordem dos Engenheiros Colégio de Engenharia Mecânica 9 de Outubro de 2013

Seminário Ordem dos Engenheiros Colégio de Engenharia Mecânica 9 de Outubro de 2013 Seminário Ordem dos Engenheiros Colégio de Engenharia Mecânica 9 de Outubro de 2013 Inovação Competitividade Financiamento Provas de Conceito Com maior ou menor relevância, há mais de um século, que as

Leia mais

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CAD 8 27/9/7 14:28 Page 6 A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS LUÍS PISCO COORDENADOR DA MISSÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. O Programa do XVII Governo Constitucional (1), na área da saúde,

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Qualidade d em Saúde (Portugal) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Novas realidades na saúde : Organizações muito complexas e sofisticadas Grande aumento das expectativas

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2012

As TIC e a Saúde no Portugal de 2012 As TIC e a Saúde no Portugal de 2012 11 de dezembro de 2012 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinador Ouro Patrocinador Prata Patrocinador Bronze Apoios Patrocinadores Globais OZAKIDETZA Accenture

Leia mais

Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento. Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt

Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento. Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Versão 4.6-2º semestre 2003/04 1996-2004 LMBG, Universidade Fernando Pessoa baseado nos acetatos

Leia mais

Caracterização do Curso de Formação de eformadores

Caracterização do Curso de Formação de eformadores Caracterização do Curso de Formação de eformadores 27 Titulo do Curso Curso de Formação de eformadores Titulo dos Módulos Módulo de Integração Módulo 1: Evolução Histórica e Teorias do Ensino e Formação

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup ATIVAS encerra o ano como a empresa que mais cresceu no mercado brasileiro de serviços de TI ATIVAS é formalmente apresentada ao mercado CEMIG Telecom adquire

Leia mais

HOTELARIA SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios

HOTELARIA SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios HOTELARIA Destinatários Todas as empresas de Hotelaria e Turismo Empresas certificadas ( ISO 9001 ) Todas as empresas que actuam na fileira do Turismo (Restauração e Bebidas, Habitação Periódica, Animação

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

I. Actividade da APAVTForm

I. Actividade da APAVTForm FORMAÇÃO PROFISSIONAL Objectivos I. A actividade da APAVTForm II. O e-learning na Formação dos Profissionais de Turismo III. Projecto Madeira Specialist Email: pmoita@apavtform.pt 1 I. Actividade da APAVTForm

Leia mais

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Equipa de investigação: Ana Escoval (Coordenação) Ana Isabel Santos Rafaela Sousa Susana Moreira Com a colaboração de: Ana Rita Pedro Patrícia Barbosa

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

APCMC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

APCMC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO APCMC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 16º CONGRESSO NACIONAL A Reabilitação Urbana e a Construção das Cidades Inteligentes do Futuro OS DESAFIOS DAS CIDADES NA GLOBALIZAÇÃO:

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO, GESTÃO E DINAMIZAÇÃO DO ÁGUEDA LIVING LAB (ALL) D2. Documento de suporte às reuniões de auscultação com parceiros

APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO, GESTÃO E DINAMIZAÇÃO DO ÁGUEDA LIVING LAB (ALL) D2. Documento de suporte às reuniões de auscultação com parceiros APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO, GESTÃO E DINAMIZAÇÃO DO ÁGUEDA LIVING LAB (ALL) D2. Documento de suporte às reuniões de auscultação com parceiros Junho 2011 Índice INOVAÇÃO ABERTA Enquadramento Objectivos Vantagens

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 1/25 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivos de um Plano Nacional de Saúde... 3 O Plano Nacional de Saúde 2004 2010... 3 Alto Comissariado

Leia mais

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Razões justificativas da acção e a sua inserção no plano de actividades da entidade proponente A sociedade atual exige que os seus cidadãos desenvolvam novas

Leia mais

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO 1 AGENDA DIGITAL 2015 O QUE É A Agenda Digital 2015 é um programa de acção inserido no âmbito do Plano Tecnológico que traduz uma aposta determinada na melhoria dos serviços prestados às pessoas e aos

Leia mais

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ itsmf Conferência Anual 2012 22 de Maio de 2012 Estratégias de racionalização e sustentabilidade das TIC (setores público e privado) Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas

Leia mais

Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações

Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações O PAPEL DAS COMUNICAÇÕES NO CRESCIMENTO ECONÓMICO Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações Apresentaçāo: Ema Maria dos Santos Chicoco PCA Autoridade Reguladora das Comunicações de Moçambique (INCM)

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA JOÃO RICARDO VASCONCELOS

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA JOÃO RICARDO VASCONCELOS A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA JOÃO RICARDO VASCONCELOS JORNADAS CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO PORTO, 21 DE MAIO DE 2013 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR PORTUGAL POSSUI UM PERCURSO RICO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local Da AP Central à AP Local PAULO NEVES PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO 01 JULHO 2014 COMO OS CIDADÃOS VÊEM O SETOR PÚBLICO? 2 3 MAS SERÁ QUE PODEMOS FALAR NUMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? 4 DIVERSIDADE DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

EREI Lisboa - Domínios e Linhas de Ação Prioritárias por Domínio de Especialização

EREI Lisboa - Domínios e Linhas de Ação Prioritárias por Domínio de Especialização EREI Lisboa - Domínios e por Domínio de Especialização Domínio de Especialização: Conhecimento, Prospeção e Valorização de Recursos Marinhos Valorizar as lógicas de parceria, de cooperação com os centros

Leia mais

AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. iap Interoperabilidade na Administração Pública

AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. iap Interoperabilidade na Administração Pública iap Interoperabilidade na Administração Pública AGENDA Conceito de Interoperabilidade - Diferentes níveis de Interoperabilidade iap: Plataforma de Interoperabilidade da AP - Conceito da iap - Plataforma

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais

Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais 23 de Maio de 2015 AGENDA Visão IBM para a Saúde Vantagens de um ERP em contexto hospitalar. A abordagem IBM para a implementação

Leia mais

INDÚSTRIA NACIONAL MOTOR DA MUDANÇA

INDÚSTRIA NACIONAL MOTOR DA MUDANÇA INDÚSTRIA NACIONAL MOTOR DA MUDANÇA no World Trade Center Viana 10 13 DEZEMBRO 2015 10 A 13 DEZEMBRO WORLD TRADE CENTER 10 A 13 DEZEMBRO WORLD TRADE CENTER DE VIANA A grande Exposição Nacional dedicada

Leia mais

Jornada - Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro de 2011

Jornada - Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro de 2011 Jornada - Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro de 2011 António Bento Planeamento e Gestão da Qualidade www.ama.pt Agenda A AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

Análise custo-benefício do SiNErGIC (Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral) 28 Novembro 2007

Análise custo-benefício do SiNErGIC (Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral) 28 Novembro 2007 Análise custo-benefício do SiNErGIC (Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral) 28 Novembro 2007 Objectivos do SiNErGIC (Resolução do Conselho de Ministros nº 45/2006) a) Assegurar

Leia mais

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso)

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Lucília Maria P. T. Santos Universidade de Aveiro Resumo O uso e a aplicação de tecnologias da comunicação e informação, TIC, integram

Leia mais

Metodologia de construção o da co- responsabilidade para o bem estar de todos a nível local

Metodologia de construção o da co- responsabilidade para o bem estar de todos a nível local FORMAÇÃO: : A METODOLOGIA SPIRAL Metodologia de construção o da co- responsabilidade para o bem estar de todos a nível local Divisão I&A Coesão Social do Conselho da Europa Instituto da Segurança Social

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Artigo. Riscos de Segurança em Cloud Computing Questões de segurança e gestão de riscos. Parte 3

Artigo. Riscos de Segurança em Cloud Computing Questões de segurança e gestão de riscos. Parte 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Tecnológico - CTC Departamento de Informática e Estatística - INE Curso Ciências da Computação CCO Disciplina Redes de Computadores I - INE5414 Professor

Leia mais

DOCUMENTO TÉCNICO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

DOCUMENTO TÉCNICO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DOCUMENTO TÉCNICO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Para Além da Segurança da Informação 1 ACTUALMENTE O TRUSTED PLATFORM MODULE (TPM) REPRESENTA A MAIS INOVADORA

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

CENTRO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA Investigação & Desenvolvimento Tecnológico

CENTRO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA Investigação & Desenvolvimento Tecnológico CENTRO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA Investigação & Desenvolvimento Tecnológico Jornada final projecto europeo Muralla Digital Aplicação das TIC à herança cultural Contributos no projecto Muralla Digital Lugo,

Leia mais

Business Value Delivery The IT Challenge

Business Value Delivery The IT Challenge Business Value Delivery The IT Challenge Luis Miguel Porém Country Manager Compuware Portugal Coimbra, Abril de 2004 ustentação do negócio Uma aplicação que funciona e está disponível é o activo principal

Leia mais

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%.

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%. Ficha Técnica: e-health: Inovação em Portugal 2012 Universo: Totalidade de Médicos, Farmacêuticos e Enfermeiros a exercer actividade profissional em Portugal; Amostra: 1.507 questionários (foram realizados

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

TIC e Soberania Tecnológica

TIC e Soberania Tecnológica TIC e Soberania Tecnológica 2012-Info IntEmpres 2012 XII Congresso Internacional de Información Havana 16-20 Abril- 2012 Av. 4 de Fevereiro, Rua das Alfândegas, nº 10, LUANDA ANGOLA P.O. Box: 1323 Telefones

Leia mais

Estudo Integração e Continuidade de Cuidados

Estudo Integração e Continuidade de Cuidados PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-16 Estudo Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro e Assistente do Departamento de Economia e Gestão e Engenharia Industrial

Leia mais

MULTIMÉDIA. Aprendizagem Multimédia. Luís Manuel Borges Gouveia. IM - Instituto Multimédia Porto, 9 de Maio de 1994. Luis Gouveia

MULTIMÉDIA. Aprendizagem Multimédia. Luís Manuel Borges Gouveia. IM - Instituto Multimédia Porto, 9 de Maio de 1994. Luis Gouveia MULTIMÉDIA Aprendizagem Multimédia Luís Manuel Borges Gouveia IM - Instituto Multimédia Porto, 9 de Maio de 1994 Introdução Q Aprendizagem multimédia X Onde a realizar? X Como a concretizar? Q Luís Manuel

Leia mais

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO- GERAL DA EMPRESA INTERCHANGE OF DATA BETWEEN ADMINISTRATIONS PROGRAMME Catálogo IDA de INSTRUMENTOS Interchange of Data between Administrations

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos gerais 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9. Critérios de elegibilidade

Leia mais