Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais"

Transcrição

1 Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Banco de Dados 1

2 Agenda Modelo Entidade-Relacionamento UML Exercício Prático 1 Jogos Digitais - Banco de Dados 2

3 Modelo Entidade-Relacionamento Jogos Digitais - Banco de Dados 3

4 Modelo Entidade-Relacionamento Em relacionamentos M-N onde são muitos para muitos é possível transformar o relacionamento em uma entidade associativa. Esta entidade então assumira o relacionamento 1-M um para muitos. Diferentes autores definem que o DER deve ou não possuir relacionamentos M-N. Jogos Digitais- Banco de Dados 4

5 Modelo Entidade-Relacionamento Jogos Digitais- Banco de Dados 5

6 Modelo Entidade-Relacionamento Neste caso é possível que o relacionamento matricula seja transformado em uma nova entidade chamada matricula. Que então terá os relacionamentos de registra e concede com o aluno e o oferecimento. De forma que a cardinalidade será 1 para muitos ao invés de muitos para muitos. Jogos Digitais- Banco de Dados 6

7 Modelo Entidade-Relacionamento Jogos Digitais- Banco de Dados 7

8 Hierarquias de Generalização Permitem que tipos de entidades sejam relacionados pelo nível de especialização. A entidade de estiver acima é conhecida como supertipo e as entidades abaixo são chamadas de subtipos. O relacionamento entre essas entidade é sempre o mesmo, portanto é representado apenas com uma seta. Jogos Digitais- Banco de Dados 8

9 Hierarquias de Generalização O relacionamento é conhecido como ISA (em inglês is a significa é um ). É feito a leitura do relacionamento subtipo para o supertipo, pois todo subtipo é também um supertipo. Os atributos de um subtipo não são mostrados no DER, uma vez que o subtipo sempre terá os atributos do supertipo. Jogos Digitais- Banco de Dados 9

10 Hierarquias de Generalização Jogos Digitais- Banco de Dados 10

11 Hierarquias de Generalização Como a cardinalidade não é necessária uma vez que sempre é a mesma as restrições podem ser exibidas. Disjunção: significa que os subtipos de uma hierarquia não tem nenhuma entidade em comum. Ou seja, uma entidade de um subtipo não pode participar de qualquer outro subtipo do mesmo nível, se tornando exclusivo a uma determinada categoria. Jogos Digitais- Banco de Dados 11

12 Hierarquias de Generalização Completude: significa que as entidades de um supertipo deve ser uma entidade em um dos subtios na generalização. Ou seja, todos os subtipos identificados foram representados, assim uma entidade do supertipo sempre tem representação em uma entidade do subtipo. Jogos Digitais- Banco de Dados 12

13 Hierarquias de Generalização Neste exemplo existe uma restrição de disjunção que garante que um funcionário ou seja mensalista ou horista ou nenhum dos dois. Jogos Digitais- Banco de Dados 13

14 Hierarquias de Generalização Neste exemplo existe uma restrição de disjunção e completude que garante que um funcionário ou seja mensalista ou horista. Jogos Digitais- Banco de Dados 14

15 Jogos Digitais- Banco de Dados 15

16 DER Regra de Negócio Identificação de entidade Conexões entre entidades de negócio Número de entidades relacionadas Representação no DER Chaves primárias para tipo de entidade, dependência de identificador, documentação informal sobre atributos únicos Relacionamentos Cardinalidade mínima e máxima Jogos Digitais- Banco de Dados 16

17 DER Regra de Negócio Inclusão entre grupos de entidades Valores razoáveis Completude de coleta de dados Representação no DER Hierarquias de generalização Documentação informal sobre restrições de atributo Documentação informação sobre valores nulos e valores padrão. Jogos Digitais- Banco de Dados 17

18 Regras de Completude e Consistência Completude: 1. Regra da chave primária: Todos os tipos de entidade têm uma chave primária (direta, emprestada ou herdada). 2. Regra do nome: Todos os tipos de entidade, relacionamentos e atributos têm um nome. 3. Regra da cardinalidade: É dada uma cardinalidade para os dois tipos de entidade em um relacionamento. 4. Regra da participação da entidade: Todos os tipos de entidade exceto aqueles em uma hierarquia de generalização que participam em pelo menos um relacionamento. Jogos Digitais- Banco de Dados 18

19 Regras de Completude e Consistência Completude: 5. Regra da participação da hierarquia de generalização: Cada hierarquia de generalização participa em pelo menos um relacionamento com um tipo de entidade que não está na hierarquia de generalização. Consistência: 1. Regra do nome da entidade: Os nomes dos tipos de entidade são únicos. 2. Regra do nome do atributo: Os nomes dos atributos são únicos dentro dos tipos de entidade e relacionamentos. Jogos Digitais- Banco de Dados 19

20 Regras de Completude e Consistência Consistência 3. Regra do nome de atributo herdado: Os nomes de atributo em um subtipo não correspondem aos nomes de atributos herdados (diretos ou indiretos). 4. Regra de conexão de relacionamento / tipo de entidade: Todos os relacionamentos ligam dois tipos de entidade (não necessariamente distintos). 5. Regra de conexão relacionamento: Os relacionamentos não se ligam a outros relacionamentos. Jogos Digitais- Banco de Dados 20

21 Regras de Completude e Consistência Consistência 6. Regra de entidade fraca: Entidades fracas têm pelo menos um relacionamento identificador. 7. Regra do relacionamento identificador: Para cada relacionamento identificador, pelo menos um tipo de entidade participante deve ser fraco. 8. Regra de cardinalidade da dependência de identificador: Para cada relacionamento identificador, as cardinalidades mínima e máxima devem ser 1 na direção da filha (entidade fraca) para o tipo de entidade pai. 9. Regra da chave estrangeira redundante: Chaves estrangeiras redundantes não são usadas. Jogos Digitais- Banco de Dados 21

22 UML Jogos Digitais - Banco de Dados 22

23 UML A Linguagem de Modelagem Unificada, é a representação padrão para modelagem orientada a objetos. Geralmente os processos são valorizados nas modelagens, na representação orientada a objetos os objetos são a ênfase do modelo. Os objetos são definidos e em seguida suas características e então a interação dinâmica entre os projetos. Jogos Digitais- Banco de Dados 23

24 UML A UML contém diagramas de classes, diagramas de interface e diagramas de interação, todos de suporte a modelagem orientada a objetos. A notação diagrama de classe pode ser utilizada como alternativa a notação DER. O diagrama de classe é formado por: Classes Associações Características das classes Jogos Digitais- Banco de Dados 24

25 UML Classe Jogos Digitais- Banco de Dados 25

26 UML Atributos Jogos Digitais- Banco de Dados 26

27 UML Operações Jogos Digitais- Banco de Dados 27

28 UML Jogos Digitais - Banco de Dados 28

29 Associação UML Jogos Digitais- Banco de Dados 29

30 Cardinalidade UML Jogos Digitais- Banco de Dados 30

31 Nome da função UML Jogos Digitais- Banco de Dados 31

32 UML As associações da UML são muito semelhantes aos relacionamentos do DER. Para relacionamentos com cardinalidade muitos para muitos fornece uma classe de associação. Para exemplificar o relacionamento da matricula do aluno em um oferecimento pode ser representado da seguinte forma. Jogos Digitais- Banco de Dados 32

33 UML Jogos Digitais- Banco de Dados 33

34 UML Ao contrário da notação DER, a UML possui generalização desde de o princípio. A representação é uma seta aberta relacionando a generalização. A UML suporta nomes e restrições na generalização, o status pode ser informado definindo que tipo de restrição, no caso uma restrição completa, garantindo que cada Classe pai tenha apenas uma das generalizações. Jogos Digitais- Banco de Dados 34

35 UML Jogos Digitais- Banco de Dados 35

36 UML No diagrama de classe a UML permite que os relacionamentos de composição tenham um símbolo especial. A representação garante que a classe filha pertencem somente a classe pai. Em caso de exclusão da classe pai causa a exclusão dos objetos filhos relacionados. Normalmente a chave primeira é composta com a da classe pai, porém a UML não controla essa dependência. Jogos Digitais- Banco de Dados 36

37 UML Jogos Digitais- Banco de Dados 37

38 Composição UML Jogos Digitais- Banco de Dados 38

39 Exercício Prático 1 Entrega: 18/09/2015 Grupo de até 5 pessoas. Descrição do jogo que será utilizado para o exercício prático. A descrição deve explicar o funcionamento do jogo de forma que explique a utilização das entidades escolhidas. Criar a representação com notação DER Criar a representação com notação UML (Diagrama de classe) Nota: Deverão existir no mínimo 10 entidades. Deverá existir pelo menos uma generalização. Enviar para em formato Word com a descrição, os diagramas e o nome dos integrantes do grupo. Assunto: PBDJD Exercício Prático 1 Jogos Digitais- Banco de Dados 39

40 Perguntas? Introdução a SQL Próxima aula: Definição de dados (DML) Jogos Digitais - Banco de Dados 40

41 Referências NAVATHE, Shamkant B.; ELMASRI, Ramez E. Sistemas de Banco de Dados. 6.ed. Addison- Wesley, MANNINO, M V. Projeto Desenvolvimento de Aplicações e Administração de Banco de Dados. McGraw-Hill, Jogos Digitais - Banco de Dados 41

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Sumário Fases do Projeto de BD Conceitos Básicos do Modelo ER Tipos de entidade, atributos e chaves Tipos de relacionamento Restrições estruturais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO Professor: Prof. Christiano Martino Otero Avila Disciplina: Engenharia da Informação Código:

Leia mais

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: BDA1-3º SEMESTRE. Modelagem de Dados

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: BDA1-3º SEMESTRE. Modelagem de Dados DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: BDA1-3º SEMESTRE Modelagem de Dados Modelagem de Dados é a atividade de especificação das estruturas de

Leia mais

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos Sumário Modelagem de Processos Módulo 4 1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Modelagem de Sistemas MP

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU: (X) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Apresentar os modelos de dados em rede, hierárquicos, relacionais e orientados a objetos. Demonstrar as etapas de desenvolvimento de um projeto de banco

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

Banco de Dados. MER Estendido. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. MER Estendido. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados MER Estendido Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina D. A. Ciferri e Elaine Parros Machado MER Estendido

Leia mais

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento O modelo Entidade-Relacionamento Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento 1 Antes de começarmos: A modelagem conceitual é uma fase muito importante no plamejamento de um

Leia mais

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta.

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta. CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Podemos definir UML

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados.

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados. Roteiro Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico)

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico) Modelo Relacional 2. Modelo Relacional (Lógico) Derivado do modelo conceitual; Depende do SGBD escolhido; Independe dos dispositivos de armazenamento; Primitivas: tabelas, linhas e colunas; Transformação

Leia mais

Banco de Dados. Aula 5 - Prof. Bruno Moreno 06/09/2011

Banco de Dados. Aula 5 - Prof. Bruno Moreno 06/09/2011 Banco de Dados Aula 5 - Prof. Bruno Moreno 06/09/2011 Diagrama ER - Limitação Conceitos são suficientes para representar dados de aplicações de BD tradicionais Para aplicações mais complexas, a notação

Leia mais

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho.

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho. :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Diagrama de Seqüência e Prototipação :: Fase / Etapa Fase 4 Desenho do Projeto e Interligação

Leia mais

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1 Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Processo do Projeto de um Banco de Dados A criação de uma aplicação de banco de dados envolve várias tarefas Projeto do

Leia mais

QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE

QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE TURMA: / CÓDIGO: CCT0071 PERGUNTAS PARA ESTUDO MODELAGEM DE SISTEMAS DATA: NÃO ENTREGAR CAMPUS: SANTO ANDRÉ PERÍODO: NOTURNO VALOR = 0,0 PROFESSOR: CELSO CANDIDO QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados ER Estendido Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação -

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento. MODELAGEM DE DADOS USANDO O MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO Carga horária Quatro horas EAD 3ª semana. Objetivos UNIDADE 2 Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Leia mais

Modelo Relacional. Aécio Costa

Modelo Relacional. Aécio Costa Aécio Costa O Modelo de Dados Relacional foi introduzido por Codd (1970). Entre os modelos de dados de implementação, o modelo relacional é o mais simples, com estrutura de dados uniforme, e também o mais

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

III. Projeto Conceitual de Banco de Dados. Pg. 1 Parte III (Projeto Conceitual de Banco de Dados)

III. Projeto Conceitual de Banco de Dados. Pg. 1 Parte III (Projeto Conceitual de Banco de Dados) III Projeto Conceitual de Banco de Dados 16 páginas INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS ENTIDADES E TIPOS DE ENTIDADES RELACIONAMENTOS E TIPOS DE RELACIONAMENTOS ATRIBUTOS E TIPOS DE ATRIBUTOS ABSTRAÇÕES DE DADOS

Leia mais

:: aula 8. :: Desenvolveremos as seguintes habilidades nesta aula:

:: aula 8. :: Desenvolveremos as seguintes habilidades nesta aula: :: Nome do Curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas :: Nome da Unidade Curricular PI Sistema orientado a objeto :: Tema da aula Diagrama Hierárquico de Funções (D.H.F.) :: Fase / Etapa Fase 2 Design

Leia mais

Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios:

Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios: Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios: 1. Dê ao menos cinco exemplos de cada um dos conceitos básicos da abordagem ER apresentados nesta aula: entidade, relacionamento,

Leia mais

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books Ricardo Pereira e Silva UML 2 Modelagem Orientada a Objetos Visual Books Sumário Parte I - Modelagem em Desenvolvimento de Software Orientado a Objetos...15 1 Modelagem em Desenvolvimento de Software...17

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA 1. COMPETÊNCIAS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Modelar corretamente um sistema de dados; Interpretar e analisar o resultado da modelagem de dados; Conhecer técnicas de modelagem de dados; Compreender

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER)

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd Projeto de BD Uma Visão Panorâmica Página 2 Projeto Conceitual

Leia mais

Banco de Dados I. Tabelas. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Tabelas. Fabricio Breve Banco de Dados I Tabelas Fabricio Breve Dados em Tabelas A representação em Tabelas é a mais usual Possibilita agrupar dados relacionados. Permite armazenar dados de forma compacta Permite recuperar estes

Leia mais

O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional

O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional Vitor Valerio de Souza Campos Modelo de dados relacional OBJETIVOS Apresentar os conceitos do Modelo Relacional Apresentar as

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação, reveja

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

MEMOREX BANCO DE DADOS por Paulo Marcelo

MEMOREX BANCO DE DADOS por Paulo Marcelo MEMOREX BANCO DE DADOS por Paulo Marcelo paulo1410@hotmail.com 10/10/2009 Esse é o terceiro memorex destinado aos concurseiros de TI. Neste material, foram compilados os principais conceitos sobre banco

Leia mais

BANCO DE DADOS MODELAGEM ER GENERALIZAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO. Prof.: Jean Carlo Mendes carlomendes@yahoo.com.br http://www.jeancarlomendes.com.

BANCO DE DADOS MODELAGEM ER GENERALIZAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO. Prof.: Jean Carlo Mendes carlomendes@yahoo.com.br http://www.jeancarlomendes.com. BANCO DE DADOS MODELAGEM ER GENERALIZAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO Prof.: Jean Carlo Mendes carlomendes@yahoo.com.br http://www.jeancarlomendes.com.br - Além de relacionamentos e atributos, propriedades podem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 12 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Modelagem de dados usando o modelo Entidade-Relacionamento BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Introdução Modelagem conceitual fase de planejamento/projeto de um BD; Modelo Entidade/Relacionamento

Leia mais

Modelo conceitual Aula 08

Modelo conceitual Aula 08 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Modelo conceitual Aula 08 Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin Machado UFMS/FACOM

Leia mais

Relacionamentos entre classes

Relacionamentos entre classes Relacionamentos entre classes Relacionamentos entre classes Relacionamentos estruturais entre classes Precisam ser criteriosamente definidos durante o projeto do software São obtidos a partir da análise

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

MER Modelo de entidade e Relacionamento. Prof. Me. Hélio Esperidião

MER Modelo de entidade e Relacionamento. Prof. Me. Hélio Esperidião MER Modelo de entidade e Relacionamento Prof. Me. Hélio Esperidião MODELO DE DADOS Um modelo de (banco de) dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas em um banco de dados. Por

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br http://www.diemesleno.com.br

Programação Orientada a Objetos. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br http://www.diemesleno.com.br Programação Orientada a Objetos Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br http://www.diemesleno.com.br Programação Orientada a Objetos Na aula passada, vimos: Encapsulamento Programação Orientada

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Modelos de Sistemas Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Classes, Atributos, Métodos e Objetos Programação de Computadores II Professor: Edwar Saliba Júnior 1) Java é uma linguagem orientada a objetos. Para que possamos fazer uso

Leia mais

Generalização e Especialização Banco de Dados

Generalização e Especialização Banco de Dados Generalização e Especialização Banco de Dados Extensões do Modelo ER Possuem o objetivo de aumentar o poder de expressão do modelo provendo novos meios de representações Suporte a Abstrações de Dados características

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) esquema relacional 1 normalização tabela ÑN 1

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) integração Passo3 esquema relacional 1 normalização

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática para

Leia mais

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/gbd2 UFU/FACOM/BCC Plano de Curso Ementa Arquitetura de um Sistema

Leia mais

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE Fabiana Gomes Marinho Faculdade Lourenço Filho Resumo: Na UML, a modelagem conceitual dos dados é descrita pelo diagrama de classes, que através

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Informática

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Informática Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática Qualificação:

Leia mais

e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@gmail.com

e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Ambientes de Programação e Banco de Dados Docente: Éberton da Sl Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@gmail.com

Leia mais

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Modelos de Especificação Modelos para Especificação do Sistema Representações gráficas que descrevem o problema a ser resolvido e o sistema a ser desenvolvido. Perspectivas

Leia mais

UML Diagramas Estruturais Classes

UML Diagramas Estruturais Classes Classes Mostra um conjunto de classes, interfaces e colaborações bem como seus relacionamentos O diagrama de classes representa aspectos estruturais de um software No uso da Orientação a Objetos em última

Leia mais

PCS-409 - ENGENHARIA DE SOFTWARE l MODELAGEM DE DADOS DIAGRAMA ENTIDADE-RELACIONAMENTO

PCS-409 - ENGENHARIA DE SOFTWARE l MODELAGEM DE DADOS DIAGRAMA ENTIDADE-RELACIONAMENTO PCS-409 - EGEHARIA DE SOFTWARE l MODELAGEM DE DADOS DIAGRAMA ETIDADE-RELACIOAMETO Edit Grassiani Lino de Campos 1. ITRODUÇÃO A fase de especificação de um sistema de software inclui, além da atividade

Leia mais

Unidade III MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade III MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade III MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Diagrama UML Visões do Sistema Diagrama UML Objetivo: fornecer múltiplas visões do sistema a ser modelado, analisando e modelando sobre diversos

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br BANCO DE DADOS I Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br Tópicos Conceitos preliminares Definição de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Níveis de Abstração de dados CONCEITOS

Leia mais

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos;

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos; BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br PROJETO LÓGICO Passos

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 04 Modelo Entidade Relacionamento Estendido Modelo ER Estendido Objetivo Estudar abstrações de

Leia mais

Tema 1: Modelo Estático

Tema 1: Modelo Estático Tema 1: Modelo Estático (fonte: http://www.macoratti.net/net_uml1.htm) A Programação Orientada a Objetos (POO) baseia-se na descoberta dos objetos que compõem um determinado escopo e nas trocas de mensagens

Leia mais

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL CURSO DE VERÃO EM BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL Modelagem e projeto de banco de dados Arquitetura de três esquemas [1] USUÁRIOS Nível externo Visão externa Mapeamento

Leia mais

Técnico em Informática. Banco de Dados. Sérgio de Sá Leitão Paiva Júnior Ellen Polliana Ramos Souza

Técnico em Informática. Banco de Dados. Sérgio de Sá Leitão Paiva Júnior Ellen Polliana Ramos Souza Técnico em Informática Banco de Dados Sérgio de Sá Leitão Paiva Júnior Ellen Polliana Ramos Souza 2014 Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Vice-presidente da República Michel Temer Ministro da

Leia mais

Análise e Projeto Orientado a Objetos

Análise e Projeto Orientado a Objetos Análise e Projeto Orientado a Objetos Linguagem UML Modelagem Estrutural Modelagem Estrutural Anderson Belgamo Classes Definição: uma classe é uma descrição de um conjunto de objetos que compartilham os

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido

Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido Prof. Eduardo R. Hruschka * Slides baseados no material elaborado pelas professoras: Cristina D. A. Ciferri Elaine P. M. de Souza MER Estendido (Expandido) Características:

Leia mais

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagramas de Casos de Uso Professor: André Gustavo Bastos Lima DEFINIÇÃO DE CASO DE USO Segundo o RUP: Um Caso de Uso é a relação de uma

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 01 Orientação a Objetos Edirlei Soares de Lima Paradigmas de Programação Um paradigma de programação consiste na filosofia adotada na

Leia mais

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI Diagrama de Entidade-Relação (DER) ou Entidade Associação (DEA) Representa as entidades envolvidas no SI, bem como as relações que existem entre essas entidades. Elementos importantes do diagrama: Entidade

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Administração de Bancos de Dados

Administração de Bancos de Dados Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Rodrigo M. Silva Administração de Bancos de Dados 1 silvars@gmail.com Plano de Aula Modelos de Dados (Revisão) O Modelo Entidade-Relacionamento Entidades Atributos

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Dr. Ítalo S. Vega ES-II/III: Engenharia de Software: Processos Projeto 1 c 2004, ISVega Ferramenta CASE: LiMAOO-PUC CONTEÚDO

Leia mais

SEGURANÇA EM BANCO DE DADOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES

SEGURANÇA EM BANCO DE DADOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES SEGURANÇA EM BANCO DE DADOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES Fábio Crepaldi MARTINS 1 Eli CANDIDO JUNIOR ² RESUMO: Um banco de dados deve ser seguro e confiável. Proteger e garantir a segurança de uma base de dados

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE PARANAENSE - UNIPAR Reconhecida pela Portaria - MEC nº 1580, de 09/11/93 - D.O.U. 10/11/93 Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC UMUARAMA TOLEDO GUAÍRA PARANAVAÍ CIANORTE

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 3º semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 3º semestre EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( ) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( X ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

Herança. Algoritmos e Programação II. Aula 5 Herança

Herança. Algoritmos e Programação II. Aula 5 Herança Algoritmos e Programação II Aula 5 Herança *Adaptado do material do Prof. Júlio Machado Herança Uma característica importante da programação orientada a objetos é permitir a criação de novas classes com

Leia mais

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem com UML Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem Estática (Visão Lógica) Casos

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:09:44 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

2. Conceitos e Arquitetura de Bancos de Dados

2. Conceitos e Arquitetura de Bancos de Dados Bancos de Dados 2. Conceitos e Arquitetura de Bancos de Dados 1 Arquitetura Moderna de SGBD SGBD antigos eram monolíticos e rígidos, voltados para funcionamento em ambientes centralizados (mainframes e

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 3 UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva 1 UML & Padrões Aula 3 Diagrama de Casos de Uso Profª Kelly Christine C. Silva O que vamos tratar: Modelos de Caso de Uso Diagrama de

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais