ADELSON MARTINS FIGUEIREDO IMPACTOS DOS SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS DOS ESTADOS UNIDOS NO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADELSON MARTINS FIGUEIREDO IMPACTOS DOS SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS DOS ESTADOS UNIDOS NO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO"

Transcrição

1 ADELON MARTIN FIGUEIREDO IMACTO DO UBÍDIO AGRÍCOLA DO ETADO UNIDO NO CRECIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRAILEIRO Tese apresentada à Unversdade Federal de Vçosa, como parte das exgêncas do rograma de ós- Graduação em Economa Aplcada, para obtenção do título de Doctor centae. VIÇOA MINA GERAI BRAIL 2007

2

3 ADELON MARTIN FIGUEIREDO IMACTO DO UBÍDIO AGRÍCOLA DO ETADO UNIDO NO CRECIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRAILEIRO Tese apresentada à Unversdade Federal de Vçosa, como parte das exgêncas do rograma de ós- Graduação em Economa Aplcada, para obtenção do título de Doctor centae. AROVADA: 06 de junho de 2007.

4 À mnha famíla.

5 Aos mlhares de jovens brasleros que não têm a oportundade de estudar. Não apenas porque a educação se traduz em crescmento ntelectual, cultural e fnancero, mas, sobretudo, porque ela nos permte cultvar e mutas vezes conqustar nossos sonhos com dgndade.

6 AGRADECIMENTO A Deus, por me dar força, coragem, saúde e humldade para lutar muto por todos os meus sonhos. À mnha famíla, enhornha, Antôno (n memoram), Edna, Efgêna, Jennfer, Rafaela, Wanderson, Juscelno e Osmar, pelo apoo, carnho e pela compreensão de mnha ausênca em momentos de grandes dfculdades. À mnha nova Aparecda, pelo grande carnho e pela compreensão em todos os momentos de chateações vvdos durante a realzação deste trabalho. Adconalmente, pelos comentáros e sugestões, que em muto ajudaram na elaboração desta pesqusa. Ao meu orentador Maurnho Luz dos antos, pela dedcação, pela competênca, pelo apoo não só na realzação desta pesqusa, bem como em todos os momentos de dfculdade por que passe, pela atenção dspensada e, prncpalmente, pela confança e amzade. Aos conselheros Antôno Carvalho Campos e Marcelo José Braga, pela amzade conqustada e pela pronta atenção na realzação deste trabalho. Ao professor Erly Cardoso Texera, pelas contrbuções prestadas à realzação deste trabalho e pela prontdão em todos os momentos em que precse de sua colaboração. Aos professores João Eustáquo de Lma e Danlo Rolm Das de Aguar, v

7 os quas muto contrbuíram para mnha formação em especal, ao professor João, pela excelênca e serendade com que mnstra a transmssão de conhecmento em suas aulas. Aos membros da banca examnadora Antôno Carvalho Campos, Erly Cardoso Texera, Eduardo mões de Almeda e Fernando alguero erobell, pelos comentáros e pelas sugestões, que melhoraram sobremanera a qualdade deste trabalho. Ao amgo Eduardo, grande companhero em város trabalhos realzados durante os cursos de mestrado e de doutorado. Ao amgo Jar antos, não só pela amzade conqustada, mas também por compartlhar momentos de alegra e frustrações vvdos durante a realzação deste trabalho. Aos grandes amgos companheros de luta no doutorado, Carlos André, Chrstano Alves, Francsco Cassuce, Govana, Kênya, Leonardo Bornack, Luca Baha e érgo Gomes. Aos amgos Alessandro, Carlos acent, Elane nhero, Jaro, João Rcardo, Joelso, Klmer, Marcelo Brandão, Marcelo Valente e Marco Antôno, pela amzade, pelo companhersmo e pela pacênca dspensada a mm. Aos amgos Lma Júnor, Marcos e Júnor de Mara Edy, Marco Amaro, Marqunhos, Dona Lúca e Lta, pela amzade e pela torcda postva. Aos companheros de repúblca José Ferrera, Leonardo Augusto, Marcos Oranje, Marcos Henrque, Rubcles, érgo Mendes e, em especal, aos amgos Claudney e ílvo Ferrera Jr., por todas as chateações e pelos votos de sucesso. Aos professores do Departamento de Economa Rural, os quas contrbuíram para mnha formação e, portanto, de forma ndreta, para a realzação deste trabalho. Aos funconáros do Departamento de Economa Rural, em especal a Brlhante, Carmnha, Cda, Graça, Helena, Luísa, Ruço, r. Antôno, r. Expedto e Tednha, pelo grande carnho que sempre tveram comgo, além dos servços prestados com tanta dedcação. À Unversdade Federal de Vçosa e ao Departamento de Economa Rural, pela oportundade de desenvolvmento profssonal. v

8 À Coordenação de Aperfeçoamento de essoal de Nível uperor (CAE) e ao Conselho Naconal de Desenvolvmento Centífco e Tecnológco (CNq), pelo apoo fnancero, que tornou possível a contnudade dos meus estudos e vablzou a realzação deste trabalho. v

9 BIOGRAFIA ADELON MARTIN FIGUEIREDO, flho de Antôno da Conceção Fgueredo e enhornha Martns Fgueredo, nasceu em Ladanha, MG, em º de janero de 977. Cursou seus estudos báscos na Escola Estadual de Ladanha MG, formando-se em Técnco em Contabldade e Ensno Normal (Magstéro), em dezembro de 994. Cursou a graduação conclando estudos com trabalho, devdo a dfculdades fnanceras. Em 998, após aprovação em concurso públco, assumu a chefa da Agênca de Correos de Resende Costa, MG. Em abrl de 200, obteve o título de Bacharel em Cêncas Econômcas pela Unversdade Federal de ão João del-re (UFJ), em ão João del-re, MG. Em abrl de 2002, abdcou do emprego nos Correos e se matrculou nas dscplnas Teora Mcroeconômca I e Teora Macroeconômca I, como Estudante Especal no rograma de ós-graduação, em nível de Mestrado, em Economa Aplcada na Unversdade Federal de Vçosa (UFV). Em março de 2003, ncou o mesmo programa como aluno regular, submetendo-se à defesa da dssertação em 8 de julho de Em agosto de 2004, ngressou no programa de Doutorado em Economa Aplcada nesta mesma unversdade. Em março de 2007, aprovou-se em concurso públco para professor da UNIOETE e submeteu-se à defesa de tese em 06 de junho de v

10 UMÁRIO ágna LITA DE TABELA...x LITA DE FIGURA... xx LITA DE QUADRO... xxv LITA DE IGLA... xxv REUMO... xxx ABTRACT...xxx. INTRODUÇÃO..... roblema e sua mportânca Hpótese Objetvo geral Objetvos específcos... 9 v

11 2. LEI AGRÍCOLA E RECENTE MUDANÇA DE OLÍTICA NA AGRICULTURA DO EUA rncpas meddas adotadas nas Les Agrícolas dos EUA rncpas meddas adotadas na Le Agrícola de rncpas meddas adotadas na Le Agrícola de rncpas meddas adotadas na Le Agrícola de ROOTA DE REDUÇÃO DE UBÍDIO À AGRICULTURA NA NEGOCIAÇÕE MULTILATERAI DE COMÉRCIO O GATT e as rodadas de negocações multlateras de comérco ropostas recentes da OMC para redução dos subsídos agrícolas ropostas recentes da OMC referentes ao acesso a mercados IMACTO ECONÔMICO DE UBÍDIO NA AGRICULTURA ubsídos à produção setoral e dstorções alocatvas e dstrbutvas Efetos econômcos dos subsídos à produção agrícola ubsídos às exportações agrícolas e dstorções no comérco Impacto de subsídos sobre os preços relatvos e alterações na balança comercal Tarfas, subsídos à exportação, preços relatvos e fluxos comercas ETRUTURA COMORTAMENTAL, FLUXO E INTERAÇÕE ENTRE O AGENTE ECONÔMICO NO MAEG Fluxos e nterações entre agentes econômcos Representação matemátca do comportamento dos agentes no MAEG Estruturas produtvas rodução, preferêncas, oferta e demanda dos agentes Renda e poupança dos agentes reços, condções de equlíbro e numeráro do modelo Fechamento macroeconômco do modelo Efetos do proteconsmo agrícola sobre o bem-estar Resumo do modelo analítco... x

12 Utldade dos agentes Estruturas produtvas e demanda dos fatores rodução e demandas doméstcas e externas Equações de renda Equações de poupança e nvestmento Equações de dspêndo Equações de preços Condções de equlíbro e fechamento do modelo Numeráro do modelo Meddas de bem-estar Número de equações estmadas e defnção das varáves Formulação dos cenáros smulados Fonte de dados Estrutura e montagem das MC de EUA e Brasl ANÁLIE DA IMULAÇÕE DE REDUÇÃO DE UBÍDIO NA AGRICULTURA NORTE-AMERICANA E EU EFEITO NA ECONOMIA BRAILEIRA Impactos de reduções smuladas nos LD sobre varáves seleconadas Alterações na produção agrondustral e total de EUA e Brasl Alterações nas exportações e mportações Impactos de reduções nos LD sobre a compettvdade da economa braslera Alterações nos preços nternos e recebdos por exportações Impactos de reduções nos LD sobre ndcadores macroeconômcos seleconados e seus efetos sobre o bem-estar Impactos de reduções smuladas nos MLA dos EUA sobre varáves seleconadas Alterações na produção agrondustral e total de EUA e Brasl Alterações nas exportações e mportações Impactos de reduções nos MLA dos EUA sobre a compettvdade da economa braslera Alterações nos preços nternos e recebdos por exportações Impactos de reduções nos MLA dos EUA sobre ndcadores macroeconômcos seleconados e seus efetos sobre o bem-estar x

13 6.7. Impactos de reduções smuladas nos CC dos EUA sobre varáves seleconadas Alterações na produção agrondustral e total de EUA e Brasl Alterações nas exportações e mportações Impactos de reduções nos CC dos EUA sobre a compettvdade da economa braslera Alterações nos preços nternos e recebdos por exportações Impactos de reduções nos CC dos EUA sobre ndcadores macroeconômcos seleconados e seus efetos sobre o bem-estar Impactos de reduções smuladas nos LD, MLA e CC dos EUA sobre varáves seleconadas Alterações na produção agrondustral e total de EUA e Brasl Alterações nas exportações e mportações Impactos de reduções nos LD, MLA e CC dos EUA sobre a compettvdade da economa braslera Alterações nos preços nternos e recebdos por exportações Impactos de reduções nos LD, MLA e CC dos EUA sobre ndcadores macroeconômcos seleconados e seus efetos sobre o bem-estar REUMO E CONCLUÕE REFERÊNCIA AÊNDICE AÊNDICE A AÊNDICE B AÊNDICE C AÊNDICE D x

14 LITA DE TABELA ágna Taxas médas de crescmento anual dos subsídos à produção (Amber) e Amber de mnms em países desenvolvdos, (%) Exportação de produtos seleconados do agronegóco norteamercano e partcpação nas exportações mundas no ano de roduto setoral e total da economa braslera (2004 e 2005) Exportação de produtos seleconados do agronegóco braslero e partcpação nas exportações mundas no ano de Índces de lgação para frente (ILF) e índces de lgação para trás (ILT) de Brasl e EUA no ano de Índces puros normalzados de lgação para frente (ILF), para trás (ILT) e total (IT) de Brasl e EUA no ano de Valores em dólares por undade de produto, estabelecdos no FRIA, para o cálculo do valor dos Drect ayments x

15 8 Target prce em dólares por undade de produto, estabelecdos no FRIA, para o cálculo do valor dos Counter-cyclcal ayments Loan rate ou preços de suporte em dólares por undade de produto, estabelecdos no FAIR Act de 996 e no FRIA Meddas geras de redução da proteção na agrcultura estabelecdas na Rodada Urugua roposta da OMC para redução de subsídos globas à agrcultura, conforme montante de subsídos conceddos roposta da OMC para redução de subsídos amber, conforme montante de subsídos conceddos roposta da OMC para redução tarfára por produto, conforme alíquota pratcada roposta da OMC para redução da alíquota tarfára de produtos sobre tratamento especal e dferencado, conforme alíquota pratcada Alterações na produção setoral devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos LD no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças nas exportações (E) e mportações (M) setoras devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos LD durante o FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços doméstcos, devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços de exportações devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com captal nos EUA e no Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas x

16 20 Mudanças dos custos setoras com trabalho nos EUA e Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças no IB e no bem-estar per capta de Estados Undos e Brasl, em dferentes smulações de redução nos LD da agrcultura norte-amercana Alterações na produção setoral devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos MLA no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças nas exportações (E) e mportações (M) setoras devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos MLA durante o FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços doméstcos devdo à redução na méda e no total acumulado dos MLA, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços de exportações devdo à redução na méda e no total acumulado dos MLA, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com captal nos EUA e no Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos MLA, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com trabalho nos EUA e no Brasl, devdo à redução na méda e no total acumulado dos MLA, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças no IB e no bem-estar per capta de Estados Undos e Brasl, em dferentes smulações de redução nos MLA da agrcultura norte-amercana Alterações na produção setoral devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças nas exportações (E) e mportações (M) setoras devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos CC durante o FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas xv

17 3 Varações nos preços doméstcos devdo à redução na méda e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços de exportações devdo à redução na méda e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com captal nos EUA e Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com trabalho nos EUA e no Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças no IB e no bem-estar per capta de Estados Undos e Brasl, em dferentes smulações de redução nos CC da agrcultura norte-amercana Alterações na produção setoral devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças nas exportações (E) e mportações (M) setoras devdo à redução na méda anual e no total acumulado dos LD, MLA e CC durante o FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços doméstcos devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços de exportações devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com captal nos EUA e no Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças dos custos setoras com trabalho nos EUA e no Brasl devdo à redução na méda e no total acumulado dos xv

18 LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças no IB e no bem-estar per capta de Estados Undos e Brasl, em dferentes smulações de redução nos LD, MLA e CC da agrcultura norte-amercana B Matrz de Contabldade ocal dos EUA para o ano de 999, em mlhões de dólares B 3B 4B 5B 6B 7B C 2C 3C 4C 5C Matrz de Contabldade ocal do Brasl para o ano de 999, em mlhares de reas Elastcdades de substtução entre fatores prmáros na produção setoral de Brasl e Estados Undos Elastcdades de transformação setoras de Brasl e Estados Undos Elastcdades-preço da demanda de exportações por setores da economa braslera e norte-amercana ropensões margnas a consumr e a poupar das economas braslera e norte-amercana Elastcdades de substtução entre demanda presente e futura das economas braslera e norte-amercana Varações na produção setoral devdo a reduções na méda anual e no total dos LD, em conjunturas pessmstas e otmstas 283 Varações nas exportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos LD, em conjunturas pessmstas e otmstas 284 Varações nas mportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos LD, em conjunturas pessmstas e otmstas 285 artcpação relatva dos custos setoras do captal no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos LD artcpação relatva dos custos setoras do trabalho no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos LD xv

19 6C 7C 8C 9C 0C C 2C 3C 4C 5C 6C 7C Varações na produção setoral devdo a reduções na méda anual e no total dos MLA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nas exportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos MLA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nas mportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos MLA, em conjunturas pessmstas e otmstas artcpação relatva dos custos setoras do captal no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos MLA artcpação relatva dos custos setoras do trabalho no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos MLA Varações na produção setoral devdo a reduções na méda anual e no total dos CC, em conjunturas pessmstas e otmstas 293 Varações nas exportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos CC, em conjunturas pessmstas e otmstas 294 Varações nas mportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos CC, em conjunturas pessmstas e otmstas 295 artcpação relatva dos custos setoras do captal no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos CC artcpação relatva dos custos setoras do trabalho no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos CC Varações na produção setoral devdo a reduções na méda anual e no total dos LD, MLA e CC, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nas exportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos LD, MLA e CC, em conjunturas pessmstas e otmstas xv

20 8C 9C 20C Varações nas mportações setoras devdo a reduções na méda anual e no total dos LD, MLA e CC, em conjunturas pessmstas e otmstas artcpação relatva dos custos setoras do captal no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos LD, MLA e CC artcpação relatva dos custos setoras do trabalho no custo setoral total para EUA e Brasl, em dferentes cenáros de redução dos LD, MLA e CC xv

21 LITA DE FIGURA ágna Notfcações de subsídos à OMC no período de 995 a arcela dos pagamentos totas e dos pagamentos dretos do governo dos EUA sobre a renda líquda da agrcultura agamentos emergencas e de suporte de preços va LD e MLA na agrcultura dos Estados Undos Dstrbução dos gastos com Loan Defcency ayment por produto arcela dos pagamentos totas da CCC e dos pagamentos dretos do governo dos EUA sobre a renda agrícola líquda, no período de 996 a arcela de gastos com os prncpas nstrumentos de polítca do FRIA, nos gastos totas da CCC Efetos de uma polítca de subsídos à produção em um sstema smplfcado de equlíbro geral xx

22 8 Implcações da polítca de subsídos às exportações de um grande exportador sobre o comérco nternaconal Balanço de pagamentos smplfcado em modelos de equlíbro geral Efetos de mudanças nos preços mundas na balança comercal. 78 Efetos da adoção de barreras tarfáras em equlíbro geral Estrutura hpotétca de um MAEG para dos países Estrutura smplfcada da produção em cada atvdade, nos Estados Undos Estrutura smplfcada da produção em cada atvdade, no Brasl Árvore de utldade das famílas norte-amercanas Árvore de utldade das famílas brasleras Fluxo crcular da renda smplfcado Matrz de Contabldade ocal Contrbução setoral para a queda na produção agrondustral total dos EUA devdo à redução smulada nos LD Contrbução setoral para o crescmento líqudo da produção agrondustral no BRA, devdo à redução smulada nos LD Contrbução setoral para a queda total nas exportações agrondustras dos EUA, devdo à redução smulada nos LD Contrbução setoral para o aumento total das exportações agrondustras do Brasl, devdo à redução smulada nos LD Varações nos preços relatvos doméstcos de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas xx

23 24 Varações nos preços relatvos recebdos por exportações de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças na taxa de câmbo real blateral de longo prazo entre Brasl e EUA, para dferentes smulações de redução nos LD dos EUA Compettvdade das exportações da economa braslera em dferentes smulações de redução nos LD dos EUA Mudanças em varáves macroeconômcas seleconadas, em dferentes smulações de redução nos LD dos EUA Contrbução setoral para a queda na produção agrondustral total dos EUA devdo à redução smulada nos MLA Contrbução setoral para o crescmento líqudo da produção agrondustral no BRA devdo à redução smulada nos MLA Contrbução setoral para a queda total nas exportações agrondustras dos EUA devdo à redução smulada nos MLA Contrbução setoral para o aumento total das exportações agrondustras do Brasl devdo à redução smulada nos MLA Varações nos preços relatvos doméstcos de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos MLA, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços relatvos recebdos por exportações de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos MLA, no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças na taxa de câmbo real blateral de longo prazo entre Brasl e EUA em dferentes smulações de redução nos MLA dos EUA Compettvdade das exportações da economa braslera em dferentes smulações de redução nos MLA dos EUA Mudanças em varáves macroeconômcas seleconadas, em dferentes smulações de redução nos MLA dos EUA xx

24 37 Contrbução setoral para a queda na produção agrondustral total dos EUA devdo à redução smulada nos CC Contrbução setoral para o crescmento líqudo da produção agrondustral no Brasl devdo à redução smulada nos CC Contrbução setoral para a queda total nas exportações agrondustras dos EUA devdo à redução smulada nos CC Contrbução setoral para o aumento total das exportações agrondustras do Brasl devdo à redução smulada nos CC Varações nos preços relatvos doméstcos de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços relatvos recebdos por exportações de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças na taxa de câmbo real blateral de longo prazo entre Brasl e EUA, para dferentes smulações de redução nos CC dos EUA Compettvdade das exportações da economa braslera em dferentes smulações de redução nos CC dos EUA Mudanças em varáves macroeconômcas seleconadas, em dferentes smulações de redução nos CC dos EUA Contrbução setoral para a queda na produção agrondustral total dos EUA devdo à redução smulada nos LD, MLA e CC Contrbução setoral para o crescmento líqudo da produção agrondustral no BRA, devdo à redução smulada nos LD, MLA e CC Contrbução setoral para a queda total nas exportações agrondustras dos EUA devdo à redução smulada nos LD, MLA e CC xx

25 49 Contrbução setoral para o aumento total das exportações agrondustras do Brasl devdo à redução smulada nos LD, MLA e CC Varações nos preços relatvos doméstcos de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Varações nos preços relatvos recebdos por exportações de Brasl e EUA devdo à redução na méda e no total acumulado dos LD, MLA e CC no FRIA, em conjunturas pessmstas e otmstas Mudanças na taxa de câmbo real blateral de longo prazo entre Brasl e EUA, para dferentes smulações de redução nos LD, MLA e CC dos EUA Compettvdade das exportações da economa braslera em dferentes smulações de redução nos LD, MLA e CC dos EUA Mudanças em varáves macroeconômcas seleconadas, em dferentes smulações de redução nos LD, MLA e CC dos EUA xx

26 LITA DE QUADRO ágna Les agrícolas dos EUA: conjuntura e prncpas meddas adotadas Descrção dos cenáros smulados Agregações das matrzes de nsumo-produto do Brasl Agregações das matrzes de nsumo-produto dos Estados Undos 28 A Matrz de nsumo-produto orgnára do modelo de Leontef A Esquema do sstema de nsumo-produto com setores e produtos. 264 xxv

27 LITA DE IGLA AA AAA AARU ACA AFA ALCA AM AR BACEN BAA BC BEA BID BL BNTs BRA CCC CC Agrcultural Act Agrcultural Adjustment Act Acordo Agrícola da Rodada Urugua Agrculture and Consumer rotecton Act Agrculture and Food Act Área de Lvre Comérco das Amércas Medda Agregada de uporte Annual Acreage Reducton rogram Banco Central do Brasl Banco da Amazôna /A Balança Comercal Bureau Economc Analyss Banco Interamercano de Desenvolvmento Bureau of Labor tatstcs Barreras não-tarfáras Brasl Commodty Credt Corporaton Counter-Cyclcal ayments xxv

28 CD CEE CEEA CE CET CI CM CN CR CRC CR DF D DTG EE ER EUA FAA FAC FACTA FAIR Act FAO FED FMI FND FC F FA FRIA FUNCAFÉ GATT Crop Dsaster rogram Comundade Econômca Européa Centro de Estudos Avançados em Economa Aplcada Elastcdade de substtução constante Elastcdade de transformação constante Crop Insurance rogram Constant-Market-hare Taxa de câmbo nomnal Taxa de câmbo real Curva de renda-consumo Conservaton Reserve rogram Demanda de fatores Defcency ayments Dspêndo total do Governo em bens e servços Export Enhancement rogram Economc Research ervce Estados Undos da Amérca Food and Agrculture Act Food and Agrculture Act Food, Agrculture, Consumpton and Trade Act Federal Agrcultural Improvement and Reform Act Food and Agrculture Organzaton of the Unted Natons Federal Reserve Bank Fundo Monetáro Internaconal Fundo Naconal de Desenvolvmento Frontera de possbldades de consumo Frontera de possbldades de produção Food ecurty Act Farm ecurty and Rural Investment Act Fundo de Defesa da Economa Cafeera Acordo Geral sobre Tarfas e Comérco xxv

29 GTA IBGE ID IE IED II ILF ILT IC IEA ILF ILT IT JN LD LEO LU MAEG MAEGs MA MC MERCOUL MI MLA ML MGE NAFTA NAIC NF OECD Global Trade Analyss roject Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca Impostos dretos Impostos de exportação Investmento Estrangero Dreto Impostos ndretos Índce de lgação para frente Índce de lgação para trás Índce de preço ao consumdor Insttuto de esqusa Econômca Aplcada Índce puro de lgação para frente Índce puro de lgação para trás Índce puro total Japão Loan Defcency ayments Leontef Le do preço únco Modelo Aplcado de Equlíbro Geral Modelos Aplcados de Equlíbro Geral Market Access rogram Matrz de Contabldade ocal Mercado Comum do ul Matrz de Insumo-roduto Marketng Loss Assstance Marketng Loss ayments Mathematcal rogrammng ystem for General Equlbrum North Amercan Free Trade Agreement North Amercan Industry Classfcaton ystem Necessdade de fnancamento do setor públco Organzação para a Cooperação e Desenvolvmento Econômco xxv

30 OGU Orçamento Geral da Unão OIC Organzação Internaconal de Comérco OMC Organzação Mundal do Comérco ONU Organzação das Nações Undas OE Organzação dos aíses Exportadores de etróleo Ds aíses desenvolvdos EDs aíses em desenvolvmento F reço dos fatores FC roducton Flexblty Contracts IB roduto Interno Bruto L 480 ublc Law 480 NAD esqusa Naconal por Amostra de Domcílos C ardade do poder de compra ROEX rograma de Fnancamento às Exportações RONAF rograma Naconal de Fortalecmento da Agrcultura Famlar RG Receta do Governo RM Resto do Mundo RT Recetas de tarfas CM Acordo sobre ubsídos e Meddas Compensatóras &D earch and Development G stema Geral de referêncas MC stema Multlateral de Comérco TGF Transferêncas governamentas às famílas TRIMs Acordos sobre meddas de nvestmentos relaconados ao comérco e servços TRIs Acordos sobre dretos de propredade ntelectual relaconados ao comérco TRUs Tabelas de Recursos e Usos UE Unão Européa UDA Unted tates Department of Agrculture xxv

31 VE VET Varação equvalente Varação de estoques xxx

32 REUMO FIGUEIREDO, Adelson Martns, D.c., Unversdade Federal de Vçosa, junho de Impactos dos subsídos agrícolas dos Estados Undos no crescmento do agronegóco braslero. Orentador: Maurnho Luz dos antos. Co-orentadores: Antôno Carvalho Campos e Marcelo José Braga. Em 994, com a conclusão das negocações multlateras do Acordo Agrícola da Rodada Urugua, estabeleceram-se metas de redução de 20% dos subsídos à produção agrícola nos países desenvolvdos (Ds). Entretanto, mesmo com a assnatura desse acordo os Estados Undos da Amérca (EUA) elevaram os volumes de subsídos à produção agrícola, quase trplcando-os no período de 995 a 200. Assm, a redução desses subsídos nos EUA tem sdo dscutda na Organzação Mundal do Comérco, prncpalmente a partr de novembro de 200 quando se ncou a Rodada Doha. ara o Brasl, a relevânca da dmnução desses subsídos nos EUA e em outros Ds está relaconada à mportânca do agronegóco, o qual é responsável por cerca de um terço do IB do Brasl. Ademas, aproxmadamente 40% das exportações brasleras advêm das vendas externas de produtos agrondustras. No ntuto de contrbur com a dscussão e com o entendmento dos efetos dos subsídos agrícolas dos EUA sobre o crescmento do agronegóco braslero, nvestgou-se a hpótese de esses xxx

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA ADELSON MARTINS FIGUEIREDO; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; JANDIR FERRERA DE LIMA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

MEDIDAS PROTECIONISTAS UTILIZADAS PELOS ESTADOS UNIDOS E UNIÃO EUROPÉIA PARA O AÇÚCAR: IMPACTO SOBRE A ECONOMIA DAS REGIÕES EXPORTADORAS DO BRASIL

MEDIDAS PROTECIONISTAS UTILIZADAS PELOS ESTADOS UNIDOS E UNIÃO EUROPÉIA PARA O AÇÚCAR: IMPACTO SOBRE A ECONOMIA DAS REGIÕES EXPORTADORAS DO BRASIL MEDIDAS PROTECIONISTAS UTILIZADAS PELOS ESTADOS UNIDOS E UNIÃO EUROPÉIA PARA O AÇÚCAR: IMPACTO SOBRE A ECONOMIA DAS REGIÕES EXPORTADORAS DO BRASIL CINTHIA CABRAL DA COSTA Tese apresentada à Escola Superor

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET 48 CRUZ, E.S. et al. A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL Edmlson Santos Cruz 1, Antono Donzette de Olvera 2, José Roberto Soares Scolforo 2, José Lus Perera de Rezende 2 RESUMO: Este estudo

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3).

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3). COMPOSIÇÃO DO AGONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GEAIS ALINE CISTINA CUZ () ; ELY CADOSO TEIXEIA (2) ; MAÍLIA MACIEL GOMES (3).,3.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BASIL; 2.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIçOSA,

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

PROJEÇÕES DOS IMPACTOS ECONÔMICOS DECORRENTES DAS MUDANÇAS DEMOGRÁFICAS NO BRASIL PARA O PERÍODO DE 2010 A 2050

PROJEÇÕES DOS IMPACTOS ECONÔMICOS DECORRENTES DAS MUDANÇAS DEMOGRÁFICAS NO BRASIL PARA O PERÍODO DE 2010 A 2050 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL FLAVIANE SOUZA SANTIAGO PROJEÇÕES DOS IMPACTOS ECONÔMICOS DECORRENTES DAS MUDANÇAS

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL RESUMO

POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL RESUMO POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL Adelar Focezatto Izete Pengo Bagoln 2 RESUMO Este trabalo analsa os efetos de algumas opções

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1 ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS Llan Crstna Anefalos 2 Joaqum J. M. Gulhoto 3 RESUMO: Este trabalho tem como obetvo estudar a estrutura do setor de flores e plantas ornamentas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

The potential to create employment and income from tourism in Brazil

The potential to create employment and income from tourism in Brazil MPR Munch Personal RePEc rchve The potental to create employment and ncome from toursm n Brazl Mlene Taasago and Joaqum José Martns Gulhoto and Mara de Lourdes Rollemberg Mollo and Joaqum Pnto de ndrade

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 0 Unversdade de São Paulo Escola Superor de Agrcultura Luz de Queroz Confguração, reestruturação e mercado de trabalho do setor de celulose e papel no Brasl Adrana Estela Sanjuan Montebello Tese apresentada

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus 20-2003 2003 São Paulo 2003 ESTIMANDO

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 +

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + RODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + Frederco Rocha * Resumo Este trabalho tem como objetvo mensurar a contrbução da mudança estrutural da ndústra braslera para o ncremento

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

ANÁLISE DE DECOMPOSIÇÃO DAS VARIAÇÕES NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR RESIDENCIAL BRASILEIRO. Carla da Costa Lopes Achão

ANÁLISE DE DECOMPOSIÇÃO DAS VARIAÇÕES NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR RESIDENCIAL BRASILEIRO. Carla da Costa Lopes Achão COPPE/UFRJ ANÁLISE DE DECOMPOSIÇÃO DAS VARIAÇÕES NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR RESIDENCIAL BRASILEIRO Carla da Costa Lopes Achão Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em

Leia mais

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1 Determnantes da Adoção da Tecnologa de Despolpamento na Cafecultura 1 Edson Zambon Monte* Erly Cardoso Texera** Resumo: Os cafecultores de Venda Nova do Imgrante, ES, que em sua maora são agrcultores famlares,

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada OS EFEITOS DO E-COMMERCE NA PRODUTIVIDADE DAS FIRMAS COMERCIAIS NO BRASIL Luís Cláudo Kubota; Danele Noguera Mlan Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada; Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada RESUMO O presente

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil A mobldade ocupaconal das trabalhadoras doméstcas no Brasl Resumo Kata Sato Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo Vargas EESP-FGV André Portela Souza Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE REGIONAL

PRODUTIVIDADE DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE REGIONAL PRODUTIVIDADE DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE REGIONAL Camla Krade Kretzmann Mestre em Teora Econômca pelo PCE/UEM Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Estadual de Marngá Dego Fgueredo

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Unversdade Federal de Vçosa Departamento de Economa Rural WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Efetos redstrbutvos e determnantes de recebmento do ICMS Ecológco pelos muncípos mneros Lucany L. Fernandes,

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Câmbio Real, Crescimento e Comércio Internacional: evidências empíricas

Câmbio Real, Crescimento e Comércio Internacional: evidências empíricas Câmbo Real, Crescmento e Comérco Internaconal: evdêncas empírcas Fabríco J Msso Frederco G Jayme Jr José Lus Orero 3 Resumo: O objetvo do trabalho é analsar emprcamente a relação entre taxa real de câmbo

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL E SEUS IMPACTOS SOBRE O USO DA TERRA NO BRASIL. Resumo

PRODUÇÃO DE ETANOL E SEUS IMPACTOS SOBRE O USO DA TERRA NO BRASIL. Resumo PRODUÇÃO DE ETANOL E SEUS IMPACTOS SOBRE O USO DA TERRA NO BRASIL jose.feres@pea.gov.br APRESENTACAO ORAL-Agropecuára, Meo-Ambente, e Desenvolvmento Sustentável JOSE GUSTAVO FERES; EUSTÁQUIO JOSÉ REIS;

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ

Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ Bruno Flora Sales Dssertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE RATING BASEADO NO MODELO ORDERED PROBIT Bruno Flora Sales Dssertação apresentada à Banca Examnadora da Escola

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

PRIORIDADE BRASILEIRA ENTRE ACORDOS DE LIVRE COMÉRCIO: UMA APLICAÇÃO DE EQUILÍBRIO GERAL ALIADO À TEORIA DOS JOGOS

PRIORIDADE BRASILEIRA ENTRE ACORDOS DE LIVRE COMÉRCIO: UMA APLICAÇÃO DE EQUILÍBRIO GERAL ALIADO À TEORIA DOS JOGOS PRIORIDADE BRASILEIRA ENTRE ACORDOS DE LIVRE COMÉRCIO: UMA APLICAÇÃO DE EQUILÍBRIO GERAL ALIADO À TEORIA DOS JOGOS Lucano Menezes Bezerra Sampao Professor Adjunto de Economa, Dept. de Economa/PPGE, UFPB.

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Investigação do desempenho das cooperativas de

Investigação do desempenho das cooperativas de Investgação do desempenho das cooperatvas de crédto de Mnas Geras por meo da Análse Envoltóra de Dados (DEA) Marco Aurélo Marques Ferrera Rosane Mara Lma Gonçalves Marcelo José Braga Resumo Este trabalho

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

Padrões de Especialização e Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro: uma análise estrutural-diferencial

Padrões de Especialização e Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro: uma análise estrutural-diferencial Otavano Canuto e Cléso L. Xaver Padrões de Especalzação e Compettvdade no Comérco Exteror Braslero: uma análse estrutural-dferencal Otavano Canuto * Cléso L. Xaver ** RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE ÁREA: Estrutura Produtvo-Tecnológca avançada e regonalmente artculada: Teora Mcroeconômca, Organzação Industral e Economa Regonal. NOMES DOS AUTORES:

Leia mais

UMA METODOLOGIA MULTICRITÉRIO DE SUBORDINAÇÃO PARA CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS SOB A ÓTICA DO CLIENTE

UMA METODOLOGIA MULTICRITÉRIO DE SUBORDINAÇÃO PARA CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS SOB A ÓTICA DO CLIENTE UMA METODOLOGIA MULTICRITÉRIO DE SUBORDINAÇÃO PARA CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS SOB A ÓTICA DO CLIENTE ANDRÉ LUÍS POLICANI FREITAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE CAMPOS DOS GOYTACAZES

Leia mais