COMPRAS PÚBLICAS NO BRASIL E EUA: Análise da Concorrência segundo o paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPRAS PÚBLICAS NO BRASIL E EUA: Análise da Concorrência segundo o paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho"

Transcrição

1 COMPRAS PÚBLICAS NO BRASIL E EUA: Análise da Concorrência segundo o paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho TEMA 2: TÓPICOS ESPECIAIS EM FINANÇAS PÚBLICAS

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I O MODELO E-C-D E AS COMPRAS PÚBLICAS I.1 VISÃO GERAL DO MODELO ESTRUTURA-CONDUTA-DESEMPENHO I.2 ASPECTOS MACROECONÔMICOS LIGADOS ÀS COMPRAS PÚBLICAS I.3 ASPECTOS MICROECONÔMICOS LIGADOS ÀS COMPRAS PÚBLICAS I.4 O MERCADO RELEVANTE E AS QUESTÕES DO E-C-D CAPÍTULO II COMPRAS GOVERNAMENTAIS NOS ESTADOS UNIDOS II.1 CARACTERÍSTICAS GERAIS II.2 PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO NACIONAL II.2.1 Buy American Act II.2.2 Balance of Payments Program II.3 PREFERÊNCIA PELAS PEQUENAS EMPRESAS II.4 ACORDOS INTERNACIONAIS II.5 PROCEDIMENTO EM LICITAÇÕES II.5.1 Licitação Aberta (sealed bidding) II.5.2 Aquisição Negociada II.5.3 Licitação Simplificada II.5.4 Dispensa de Licitação II.6 INTRODUÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO III COMPRAS GOVERNAMENTAIS NO BRASIL III.1 CARACTERÍSTICAS GERAIS III.2 PROCEDIMENTOS EM LICITAÇÕES III.3 INTRODUÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO IV O SISTEMA DE COMPRAS PÚBLICAS DE EUA E BRASIL ANALISADOS À LUZ DO E-C-D IV.1 DAS CONDIÇÕES BÁSICAS AO DESEMPENHO: PROMOVENDO A COMPETIÇÃO IV.1.1 UM EXEMPLO CONCRETO IV.2 DO DESEMPENHO À CONDUTA DAS FIRMAS E ESTRUTURA DOS MERCADOS:OS EFEITOS DE FEEDBACK IV.3 A POLÍTICA PÚBLICA:ACOMPANHANDO E AVALIANDO AS COMPRAS DO GOVERNO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 78

3 INTRODUÇÃO O aprofundamento da abertura comercial por grande parte dos países periféricos no início dos anos 90 possibilitou um grande avanço nas negociações multilaterais de comércio. Este avanço trouxe consigo a introdução de novos temas na agenda de discussão multilateral, principalmente a partir de uma proposta européia feita na Conferência Ministerial de Cingapura em A proposta incluía quatro novas áreas: políticas de investimento, competição, compras governamentais e facilitação do comércio. Desde então, estes temas, que ficaram conhecidos como Agenda de Cingapura, vêm sendo introduzidos pelos países mais desenvolvidos na pauta de negociação de acordos de livre comércio, como a Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), e discutido mesmo a nível multilateral na Organização Mundial de Comércio (OMC). A área de compras públicas é de especial relevância devido a seu peso na economia mundial [US$ 2.6 trilhões ou 8,7% do PIB mundial em 1998, segundo um estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) 2 ] e particularmente no Brasil (onde as compras do consolidado dos três níveis da federação atingiram o montante de R$ 103 bilhões em ). Estas compras são fruto das aquisições que, em cada país, o governo realiza para prover serviços como defesa, educação e infra-estrutura. Assim, é importante que o Estado tenha um bom 1 A Conferência Ministerial de Cingapura ocorreu de 9 a 13 de dezembro de 1996 e reuniu ministros do comércio, relações exteriores, fazenda (ou, dependo do país, finanças) e agricultura dos 120 membros da Organização Mundial de Comércio (OMC), além de representantes do governo de outros países interessados em ingressar na organização. A Conferência envolveu reuniões plenárias e várias seções de negócios bi, pluri ou multilaterais, avaliando também os dois anos de implementação dos acordos estabelecidos na Rodada Uruguai. Esta foi a primeira conferência que ocorreu após o estabelecimento da OMC em janeiro de Até esta data vigorava o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT, na sigla em inglês), que teve sua primeira versão assinada em 1947, e após uma série de rodadas de negociação deu origem a OMC. Mais informações sobre a conferência podem ser encontradas em: 2 Ver Audet (2002, p. 23). 3 Esta é a soma dos valores encontrados estimando-se as compras a partir do Balanço Geral da União e dos balanços consolidados de estados e municípios disponíveis no FINBRA.

4 sistema de compras de forma a assegurar uma alocação eficiente dos escassos recursos governamentais, que vem em sua maior parte de tributos. Devido a sua natureza, as compras públicas são de algum modo diferente das compras realizadas pelo setor privado. Os governos desenvolveram, ao longo do tempo, regras formais e procedimentos visando aumentar a eficiência de suas compras. Isto foi feito basicamente por meio de uma ampla e detalhada legislação que se aplica a todas as aquisições realizadas pelo setor público 4. Desta forma, as instituições (formais e informais) que atuam sobre as compras tem especial importância, pois é por meio delas que se determina qual será o grau de competição, que fatores extrapreços terão peso nas decisões de compras, entre outros. Um acordo comercial que envolva compras governamentais visa fornecer tratamento nacional ao produto estrangeiro. Assim, o governo de um país que assina este tipo de acordo se propõe a, em compras acima de um certo valor, não estabelecer distinções entre os bens e serviços provenientes de outro(s) país(es) signatário(s) e os nacionais. Desta forma, antes da negociação de um acordo de compras públicas, o governo deve avaliar as normas e procedimentos que regem suas compras, já que, após este, elas estarão submetidas à disciplina multilateral, ou seja, outros países acompanharão as mudanças na legislação relativas às compras e poderão impor sanções comerciais caso sintam-se prejudicados. Esta avaliação poderia envolver a análise dos custos que as firmas incorrem ao fornecer ao governo e os custos administrativos do governo ao realizar suas compras 5, as instituições (normas formais e informais) que atuam sobre o processo de compra e os critérios que serão utilizados para selecionar a melhor proposta. 4 Esta legislação, em alguns países, varia em complexidade de acordo com o nível de governo, mas, de qualquer forma, pode-se colocar que as compras estão sujeitas a procedimentos bem mais complexos que no setor privado. 5 Estes dois custos podem ser entendidos como custos de transação.

5 Uma parte desta avaliação poderia ser feita por meio de uma reflexão utilizando o modelo de Estrutura-Conduta-Desempenho, doravante denominado E-C-D. Principalmente porque a assinatura de um acordo comercial visa alterar a estrutura do mercado que atende a compras governamentais, aumentando o número potencial de fornecedores estrangeiros. No entanto, caso os procedimentos de compra se tornem mais complexos com o acordo, pode-se diminuir o número de pequenos fornecedores nacionais. Ao se atentar para o número e tamanho de fornecedores do governo, assim como seu poder de fixar preços, abandona-se o modelo neoclássico de concorrência perfeita e trabalha-se com uma teoria que deve aceitar poder de mercado e número pequeno de concorrentes. O modelo E-C-D de organização industrial constitui-se como um paradigma alternativo aos modelos neoclássicos para o entendimento de mercados e fornece uma interessante descrição de como acontecerá a concorrência entre as firmas no fornecimento ao governo. Esta pode ser valiosa tanto para agentes públicos responsáveis por processos de compra quanto para legisladores. Sua utilização neste trabalho busca defrontar as normas e procedimentos que regem as compras públicas com as restrições que as mesmas colocam sobre os mercados que poderiam atender a esta demanda. Por exemplo, se a legislação exige que uma firma para estabelecer um contrato com o governo precisa ter um capital mínimo de R$ 100 milhões, as pequenas empresas certamente não poderão fornecer ao governo. Assim, as firmas grandes do setor onde o governo realizará sua compra estarão sujeitas a uma menor competição, que poderá resultar em preços mais altos. Isto vale para todos os entraves existentes no fornecimento ao governo e, desta forma, torna-se importante analisar a contribuição de Bain, que aprofundou o estudo das barreiras à entrada.

6 A versão do paradigma E-C-D aqui utilizada é devida a Scherer e Ross (1990) que apontaram para efeitos de feedback nas relações causais presentes no modelo seminal de Mason (1939) e introduziram novas variáveis ligadas à política pública. Sua aplicação às compras governamentais será feita basicamente como um referencial para reflexão, já que não estão publicados os dados necessários para um teste do modelo. As características gerais do modelo são pertinentes ao estudo das compras públicas em dois sentidos. Primeiro, o governo fixa grande parte das condições básicas necessárias para as firmas que desejem concorrer em suas compras, como os requisitos legais e necessidade de experiência anterior. Desta forma, afeta o número de potenciais fornecedores (estrutura). A diminuição do número de competidores, incentiva as firmas a terem uma política de preços menos agressiva (conduta), o que tende a elevar os custos para o governo (desempenho). Segundo, o governo, ao fixar seus critérios de julgamento das propostas das firmas (desempenho) e criar os mecanismos que influirão sobre as estratégias das firmas (conduta), amplia ou reduz o número de firmas que poderia atender a suas compras (estrutura do mercado). Desta forma, o presente estudo analisa as normas e procedimentos nas compras governamentais de EUA e Brasil, utilizando como referência teórica o modelo de estrutura-conduta-desempenho. Busca-se examinar se estas apresentam diferenças significativas entre os dois países e, neste caso, quais as implicações destas diferenças sobre a concorrência nas aquisições governamentais. É importante ressaltar que este é um setor que responde por uma parte significativa da renda mundial, sendo que nele a legislação que regula as compras tem um papel muito importante. Normas que propiciem a diminuição do custo das aquisições também liberam recursos orçamentários que podem ser utilizados como gasto

7 social, ou mesmo, para o aumento do superávit primário. A escolha dos dois países se deve à opção dos mesmos por estratégias opostas no que diz respeito à realização de suas compras. Os EUA optam por privilegiar a produção nacional, principalmente as pequenas e médias empresas (PME s). Assim, esforçam-se por reduzir os entraves às firmas que pretendem fornecer ao governo (barreiras à entrada) e admitem margens de preferência para os bens e serviços nacionais. O Brasil opta por estabelecer procedimentos complexos para coibir a corrupção e trata todas as firmas de maneira igual, não importando seu tamanho ou nacionalidade. Logo, acaba por possuir poucas medidas de incentivo às firmas para que participem das licitações. Estas diferenças levam a resultados diversos em relação à concorrência no mercado que atenderá as compras governamentais, algo que ficará mais claro no capítulo IV. O estudo da experiência estadunidense é também estratégico para o Brasil, pois os dois países vêm negociando a ALCA e as compras governamentais são um dos assuntos em pauta. Além disso, os EUA são signatários de uma série de acordos comerciais sobre o tema, tanto a nível regional (como o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, NAFTA na sigla em inglês), quanto no âmbito da OMC, que são limitados por dispositivos em sua legislação nacional, que permitem o direcionamento das compras para a produção nacional de pequenas empresas. Estes dispositivos dificultam a negociação e podem mesmo vir a diminuir os benefícios de um acordo do tipo com o país. A prática brasileira também é um importante foco de estudo, pois a introdução das tecnologias da informação possibilitou que compras que levassem em média 2 meses pudessem ser realizadas em até 2 semanas 6. Isto sem contar a redução nos 6 Ver SIASG/ Comprasnet: A Tecnologia da Informação na Gestão das Compras Governamentais na Administração Pública Federal Brasileira, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2002, p. 31.

8 preços dos bens e serviços adquiridos (que oscilam em torno de 20%) 7 e o aumento da concorrência fruto da possibilidade do acesso de micro e pequenas empresas ao mercado de compras governamentais. O trabalho busca avançar nas questões levantadas por Moreira & Morais (2002), principalmente em relação à quantificação deste mercado, à introdução das tecnologias da informação e na discussão do impacto das normas sobre os resultados alcançados pelas aquisições governamentais. Há também uma diferença de foco, pois os autores buscam analisar as políticas e procedimentos tendo em vista sua adequação a acordos internacionais envolvendo compras, enquanto aqui se busca chegar a alguns resultados relativos aos efeitos das normas sobre a concorrência e o número de firmas competindo nas licitações. Outra diferença é que o trabalho citado não utiliza um referencial teórico explícito, ao passo que aqui se utiliza o modelo E-C-D. A utilização de dados se restringe àqueles que estavam disponíveis por meio de publicações. Isto levou a algumas dificuldades principalmente no caso brasileiro, pois os dados disponíveis são muito gerais, não sendo possível saber, por exemplo, qual parcela das compras públicas é apropriada por pequenas empresas, nem por firmas estrangeiras 8. O trabalho está dividido em quatro capítulos. O primeiro traz uma breve descrição do modelo de estrutura-conduta-desempenho, delimitando depois o conceito de compras governamentais e suas especificidades, como a realização das mesmas por meio de licitações. Faz-se uma estimativa de quanto estas representam da renda mundial, assim como uma apresentação geral do processo licitatório. Este capítulo 7 Ver Ferrer (2003, p. 10). 8 No site as informações relativas a cada compra do governo federal estão disponíveis. No entanto, seria preciso um esforço hercúleo para consolidar e classificar estes dados. Informações estas que o governo federal dispõe, mas publica somente de forma muito geral.

9 termina apresentando a metodologia utilizada para determinar o mercado relevante e levantando algumas questões que o modelo E-C-D suscita sobre as compras. O segundo capítulo descreve as normas e procedimentos que regem as compras do setor público nos EUA. Dedica especial ênfase nas medidas que afetam o grau de concorrência nas licitações, como a concessão de preferência à produção nacional e às pequenas empresas, a assinatura de acordos internacionais sobre o tema e a introdução de tecnologias da informação a fim de difundir o acesso de PME s ao mercado de compras governamentais. As diferentes formas segundo as quais o governo realiza suas compras são também apresentadas. O terceiro capítulo segue a mesma metodologia do segundo, agora para o Brasil, no qual é feita uma descrição das características gerais do sistema de compras públicas, dos principais procedimentos adotados e de como vem se dando a introdução das tecnologias da informação. O quarto capítulo utiliza o modelo estrutura-conduta-desempenho para explicitar as diferenças entre os dois sistemas de compras. Estas se dão principalmente na fixação de condições básicas e critérios de desempenho pelo governo e nas políticas públicas que afetam as compras.

10 CAPÍTULO I O MODELO E-C-D E AS COMPRAS PÚBLICAS O governo, ao fixar critérios de entrada e desempenho no mercado de aquisições governamentais 9, atua sobre a estrutura do mercado que atende às suas compras, ampliando ou reduzindo o número de potenciais fornecedores. Desta forma, torna-se interessante utilizar o modelo estrutura-conduta-desempenho (E-C-D) na análise das compras públicas. A aplicação do modelo às compras públicas é o tema deste capítulo. Na seção inicial, faz-se uma breve apresentação do modelo E-C-D. Nas seções seguintes, ressaltam-se aspectos macro e microeconômicos ligados às compras públicas. A nível macro, tem-se que as compras são parte importante do gasto público e podem fazer parte de uma política de desenvolvimento, enquanto, a nível micro, destaca-se o caráter extremamente regulado do mercado que, a exceção de casos determinados em lei, funciona por meio de licitações, que têm seus principais mecanismos brevemente apresentados. A seção final aponta as principais questões que o modelo E-C-D levanta sobre as compras governamentais, mapeando as questões que aparecerão no capítulo IV, que utiliza o modelo para análise dos sistemas de compras públicas do Brasil e EUA. I.1 Visão Geral do Modelo Estrutura-Conduta-Desempenho Para o governo, é importante selecionar produtores de bens e serviços que tenham bom desempenho. Desta forma, se estará reduzindo custos e premiando a eficiência das firmas. Segundo Scherer e Ross (1990, p. 4), o paradigma ou modelo estruturaconduta-desempenho 10 busca identificar um conjunto de atributos ou variáveis que influenciam o desempenho econômico das firmas e construir ligações entre estes 9 Este mercado será definido no final do capítulo.

11 11 atributos e o resultado final. O paradigma foi concebido, por Edward S. Mason, durante a década de 1930 em Harvard 11. O desempenho em um particular mercado depende da conduta de vendedores e compradores. Esta é caracterizada por variáveis como a política de preços das firmas e suas práticas e os acordos tácitos entre elas (como cartéis). Os esforços das empresas para obter inovações, como o gasto em P&D, também são importantes para o desempenho, pois possibilitam a obtenção de produtos tecnologicamente superiores. A conduta dos agentes, por sua vez, vai depender da estrutura do mercado relevante 12, que inclui, entre outros, o número de compradores e vendedores, o nível de diferenciação de produtos e o grau de barreiras à entrada no mercado. A estrutura do mercado depende de uma série de condições básicas, que se aplicam tanto do lado da oferta quanto da demanda. Na oferta, a natureza da tecnologia, as atitudes nos negócios e o ambiente legal do mercado, por exemplo, afetam a estrutura do mercado relevante. Na demanda, podemos citar a presença de produtos bom-substitutos 13 e o método de compra adotado pelos compradores (se aceitam lista de preços ou se barganham, por exemplo). O paradigma é preocupado principalmente com a relação causal que vai das condições básicas e estrutura do mercado para o desempenho nele. Um exemplo destas relações explorado por Scherer e Ross (1990, p. 6) é que quando a 10 O termo paradigma talvez seja mais adequado, devido ao fato que não faremos aqui um teste do mesmo. A denominação de modelo, no entanto, também é corrente na literatura de organização industrial. 11 A contribuição seminal de Mason é Price and Production Policies of Large-Scale Enterprises, American Economic Review, v. 29 (Março, 1939), p O termo é utilizado em defesa da concorrência para identificar o mercado em que atuam os agentes envolvidos. Em compras públicas, pode ser entendido como produtos com alta substitubilidade entre si ofertados em uma área geográfica determinada por até que distância a compra do bem pode ser feita a custos acessíveis. Por exemplo, na compra de livros didáticos há uma boa diversidade de títulos e a dimensão geográfica relevante é nacional, pois livros estrangeiros são em geral inadequados no segmento além de terem o custo a mais da tradução. Para mais informações sobre o conceito de mercado relevante em defesa da concorrência, ver Mello (2001). 13 Neste caso, é importante que a elasticidade cruzada de demanda seja relevante.

12 12 tecnologia corrente incentiva um processo de produção capital-intensivo (condição básica). Decorre da grande intensidade do capital, uma estrutura de custos com altas despesas fixas e pequenos custos variáveis (estrutura), o que estimula uma política de preços agressiva (conduta) mesmo em mercados com poucos vendedores. Esta política, em geral, afeta o mark-up (margem de preço-custo) das firmas, ou seja, o desempenho do mercado. No entanto, o paradigma também admite causalidade no sentido contrário ao descrito anteriormente, ou seja, da conduta dos agentes para a estrutura ou condições básicas do mercado. Por exemplo, vigorosos esforços em pesquisa e desenvolvimento podem alterar a tecnologia predominante na indústria, a estrutura dos custos ou o grau de diferenciação física do produto. Ou então, as políticas de determinação de preços podem encorajar a entrada de novas firmas no mercado ou expulsar as mais fracas e, conseqüentemente, alterar a estrutura de mercado. Scherer e Ross (1990, p. 6) nomearam este segundo sentido da causalidade de efeitos de feedback e apontam que, com eles, as variáveis de condições básicas e estrutura de mercado ficam endógenas ao sistema. Alguns autores, como Jean Tirole, consideram estes efeitos tão fortes que duvidam da capacidade preditiva do paradigma (que utiliza o sentido inicial de causalidade). Embora permaneçam estas dúvidas quanto a sua capacidade preditiva, o paradigma permanece como uma ferramenta útil para organizar teorias e fatos, no que diz respeito à organização de mercados, principalmente em relação à natureza da competição neles. Ele será aqui utilizado com este fim, examinando como se dá a concorrência nas compras governamentais. O paradigma aponta para duas outras importantes contribuições: a multidimensionalidade do conceito de desempenho e a importância das políticas

13 13 públicas. Os critérios de desempenho podem ser múltiplos. Certamente deve-se buscar eficiência produtiva e alocativa, mas também o progresso técnico e equidade na distribuição de renda devem ser considerados ao se avaliar o resultado de um mercado. A política pública deve atuar sobre a estrutura do mercado e a conduta das firmas a fim de melhorar a equidade e a eficiência produtiva e alocativa. O Estado pode utilizar a regulação e política antitruste, com instrumentos mais compulsórios, e/ou de políticas de difusão de informação que fortaleçam a concorrência nos mercados e ampliem a participação das firmas menores. A contribuição de Bain (1956) a luz do paradigma aponta para a importância das barreiras à entrada na formação da estrutura e nos resultados do mercado. Estas, ao dificultar o estabelecimento de eventuais concorrentes, permitem que as firmas do setor tenham uma margem de lucro acima da usual. As barreiras podem ser resultantes, entre outras coisas, de altos custos não recuperáveis (sunk costs) na entrada em um setor. Podem também ter origem em informações assimétricas ou restrições legais que privilegiem as empresas já estabelecidas, como a existência de uma única firma nos monopólios naturais (quando as economias de escala são tais que o setor deve ser explorado por uma única empresa, por exemplo). Estas envolvem custos para o consumidor, já que, com a diminuição da concorrência potencial, as firmas ficam mais livres para determinar preços e aumentar sua margem de lucro.

14 14 Figura 1.1: Paradigma Estrutura - Conduta Desempenho CONDIÇÕES BÁSICAS Oferta Demanda Localização de Elasticidade-preço matéria-prima Tecnologia Bens substitutos Durabilidade do Taxa de crescimento produto da demanda Relação valor-peso Caráter cíclico e sazonal Atitudes nos negócios Ambiente Institucional Métodos de compra Tipos de comercialização ESTRUTURA DE MERCADO Número de compradores e vendedores Diferenciação de produtos Barreiras à entrada Estruturas de custos Integração vertical Diversificação CONDUTA Determinação do preço Estratégia de produto e propaganda Pesquisa e Desenvolvimento Investimentos em plantas Táticas legais POLÍTICA PÚBLICA Tributos e Subsídios Regras de comércio internacional Regulação Controle de preços Política antitruste Provisão de informações DESEMPENHO Eficiência produtiva e alocativa Progresso técnico Pleno Emprego Eqüidade Fonte: Scherer e Ross (1990, p. 5). Como aspecto metodológico, cabe ressaltar que na fase de pesquisa desta monografia outros modelos foram investigados a fim de medir a sua capacidade de análise das compras públicas. Um modelo particularmente importante é o modelo de produção de bens públicos de Samuelson e toda uma linha derivada dele 14. Estes modelos, no entanto, analisam as compras sobre a ótica do consumidor final (o atingido pela ação do Estado) privilegiando a escolha entre fornecer ou não o bem, 14 O modelo de Samuelson é descrito em Rezende (1978, p ).

15 15 em detrimento de sobre como fazê-lo de forma eficiente e nas restrições que os diversos mercados apresentam. Desta forma, o paradigma E-C-D se mostra mais propício ao exercício aqui proposto: examinar como a as normas e procedimentos incentivam a competição nas compras públicas. Desta forma, apontaremos algumas questões levantadas pelo modelo estruturaconduta-desempenho às aquisições públicas, tão logo seja feita a descrição de algumas dos aspectos institucionais das compras relevantes de serem estudadas, tarefa esta destinada às duas próximas seções. I.2 Aspectos Macroeconômicos ligados às Compras Públicas O estudo das compras governamentais envolve aspectos macro e microeconômicos. As compras são importante fração do gasto público e podem estar incluídas em uma política de desenvolvimento, fazendo parte, no entanto, de um mercado fortemente regulado que, a exceção de casos determinados em lei, funciona por meio de licitações, que terão seus principais mecanismos brevemente apresentados. Para início do estudo das compras públicas, pode-se utilizar o conceito de FMI (2002, p ) 15. No entanto, para o presente estudo, foram necessárias algumas alterações tendo em vista, a aproximação à prática brasileira. Entre estas modificações, cabe destacar: a divisão em gasto corrente e de capital e a discriminação dos gastos com a dívida pública. Para a determinação da fração do gasto público destinado às compras, pode-se partir de um modelo simples de determinação da renda (Y), em uma economia aberta e com governo, como o apresentado em Feijó et al. (2001, p. 33): Y = C + I + G + (X-M), onde C = consumo privado, I = investimento, G = gasto público, (X-M) = exportações líquidas 15 O Government and Finance Statistics Manual foi elaborado para harmonizar dados fiscais com o Sistema de Contas Nacionais do FMI de Ele é a base para elaboração do Government and Finance Statistics Yearbook, publicação anual do FMI que reúne dados fiscais dos países membros.

16 16 Embora, para efeito da mensuração do produto (Y), não existam muitos problemas em mensurar o dispêndio público (G) em uma única e ampla variável, para um estudo qualitativo é importante detalhar as formas de realização deste gasto. A primeira distinção que pode ser feita é separar o gasto corrente (relacionado ao consumo) do gasto de capital (relacionado aos investimentos). Nestes termos: G = GC + GK, onde GC = gasto corrente, GK = gasto de capital No entanto, esta desagregação é ainda insuficiente para aprofundar a natureza do gasto estatal. Para se especificar o que os governos realmente compram, é necessário explicitar os componentes do gasto corrente e do gasto de capital. O gasto corrente (GC) pode ser definido como o somatório dos valores destinados a pagamento de salários (incluindo o pagamento de contribuições sociais por parte do governo, nos países em que esta ocorre), pagamento de juros e aluguéis, transferências (a outros níveis de governo, pessoas ou instituições, incluindo subsídios e benefícios sociais 16 ) e outros gastos correntes 17 (que se destinam basicamente à compra de bens e serviços), como se segue: GC = W + J + TC + OGC, onde W = pagamento de salários, J = pagamento de juros e aluguéis, TC = transferências correntes, OGC = outros gastos correntes O gasto de capital (GK) é composto pela aquisição de capital fixo, inversões financeiras (como compras de participação acionária), amortizações da dívida pública e transferências de capital (normalmente fruto de convênios): GK = ACF + IF + A + TK, onde ACF = aquisição de capital fixo, IF = inversões financeiras, A = amortizações da dívida pública, TK = transferências de capital Desta forma, as compras governamentais (CG) podem ser definidas de três formas: a) como a soma dos outros gastos correntes com a aquisição de capital fixo; b) 16 Algumas metodologias incluem o pagamento de juros como uma transferência corrente. 17 Esta rubrica corresponde basicamente ao Uso de Bens e Serviços em FMI (2002, p ).

17 17 como o gasto corrente menos o pagamento de salários, juros e transferências somado ao gasto de capital menos as inversões financeiras, amortizações da dívida pública e transferências; c) como o gasto público total diminuído o pagamento de salários, juros, transferências, inversões financeiras e amortizações da dívida pública. Estas três formas de cálculo podem ser formalizadas como se seguem: CG = OGC + ACF = [GC - W - J - TC] + [GK - IF - A - TK] = G - [W + J + TC] - [IF + A + TK] onde OGC = outros gastos correntes, ACF = aquisição de capital fixo, GC = gasto corrente, W = pagamento de salários, J = pagamento de juros e aluguéis, TC = transferências correntes, GK = gasto de capital, IF = inversões financeiras, A = amortizações da dívida pública, TK = transferências de capital, G = gasto público Este conceito de compras é utilizado na seção III.1 para calcular o total de compras dos três níveis de governo no Brasil. A título de ilustração numérica, as compras foram 46,18% do gasto público, em 1998, que alcançou US$ 5.6 trilhões ou 18,9% do PIB mundial. Isto representou um montante de US$ 2.6 trilhões ou 8,7% do PIB mundial, sendo que em 65% das compras os responsáveis foram governos subnacionais (AUDET, 2002, p. 23). No entanto, mesmo com acordos internacionais que envolvam a liberalização das compras públicas, como o Acordo de Compras Governamentais (GPA, na sigla em inglês) da Organização Mundial de Comércio (OMC) 18, ou com acordos regionais que envolvam aquisições governamentais, como o Acordo de Livre-Comércio da América do Norte 19 (NAFTA, na sigla em inglês) nem todo este mercado será aberto à concorrência internacional, pois parcelas como gasto com defesa e alguns investimentos em pesquisa tendem a ser reservadas a fornecedores nacionais. Excluindo-se os gastos destinados à defesa nacional, o mercado de compras 18 Uma descrição detalhada deste acordo pode ser encontrada em Moreira & Morais (2002, p ). 19 Uma descrição detalhada da parte relativa às compras neste acordo pode ser encontrada em Moreira & Morais (2002, p ).

UMA VISÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS NO BRASIL E EUA:

UMA VISÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS NO BRASIL E EUA: Charles Chaplin UMA VISÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS NO BRASIL E EUA: Abordagem segundo o Modelo Estrutura-Conduta-Desempenho JANEIRO 2004 UMA VISÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE

Leia mais

Comercialização no Mercado Interno e Compras Governamentais

Comercialização no Mercado Interno e Compras Governamentais 2º Conferencia Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Comercialização no Mercado Interno e Compras Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

Nova Lei de Contratação de Serviços de Publicidade Lei Federal nº 12.232/10

Nova Lei de Contratação de Serviços de Publicidade Lei Federal nº 12.232/10 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Secretaria Municipal de Gestão e Controle Departamento de Auditoria Nova Lei de Contratação de Serviços de Publicidade Lei Federal nº 12.232/10 LEI FEDERAL 12.232, DE 29

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS 10.108 - REGULAMENTO SIMPLIFICADO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DATA DE APROVAÇÃO: 12/08/1993 - DATA DE ALTERAÇÃO: 20/09/1995 ÍNDICE PÁGINAS CAPÍTULO

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos. Parte 11. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza CSE-325 / Parte 11

Gerenciamento de Aquisições em Projetos. Parte 11. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza CSE-325 / Parte 11 Gerenciamento de Aquisições em Projetos Parte 11 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais Benefícios para Micro Empresa e Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais I) Objetivo Tópicos II) Avaliação da experiência do Governo Federal III) Principais Pontos da LC nº 123/2006 e do Decreto

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

Como Fazer Negócios com o Governo Business to Government B2G

Como Fazer Negócios com o Governo Business to Government B2G Como Fazer Negócios com o Governo Business to Government B2G Porque fazer negócios com o Governo? Descubra a maneira mais eficiente de fazer negócios com o Governo. Como Fazer Negócios com o Governo Business

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

COMO VENDER PARA O GOVERNO

COMO VENDER PARA O GOVERNO 2 COMO VENDER PARA O GOVERNO Manual prático para as agências de viagens A NOVA LEI GERAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (MPEs) O Congresso Nacional aprovou e a Presidência da República sancionou a Lei

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS Representação no Brasil Setor Fiduciário Ciclo de projetos Cada projeto financiado pelo BID passa por uma série de etapas principalmente as de

Leia mais

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas 1º Simpósio Nacional de Auditoria de PPPs 15/05/2013 Roteiro da Apresentação 1. Motivação 2. Governo e Infraestrutura 3. Quando

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA.

MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA. MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA. 1 Objetivos e Princípios Este Manual tem por objeto o estabelecimento de padrões de conduta e transparência

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

STINAÇÃO DA FERRAMENTA YOU 24H E SEUS SERVIÇOS E/OU PRODUTOS

STINAÇÃO DA FERRAMENTA YOU 24H E SEUS SERVIÇOS E/OU PRODUTOS A FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h é composta por várias páginas web, em HTML e outras codificações, operadas por YOU 24h Tecnologia Ltda., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº 14.994.971/0001-09,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES APROVADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DA BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE

Leia mais

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA 02 DE SETEMBRO DE 2011 DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DA DEFESA ANÁLISE COMDEFESA Nº 003/2011 POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA A alteração da Lei de Licitações (8.666/93) de acordo com a

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act: uma Comparação entre as Determinações para Inserção das MPEs nas Compras Governamentais Autoria: Marina Figueiredo Moreira, José Matias-Pereira

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015 INFORMATIVO n.º 25 MARÇO de 2015 Esta edição do CEBC Alerta lista os principais destaques do Plano de Trabalho do governo chinês para 2015, apresentado pelo Primeiro-Ministro Li Keqiang e divulgado pela

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Inovação tecnológica na reforma do setor público: o sistema eletrônico de aquisições

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Análise realizada em 25/08/2014. Consultores: Maurício Zanin, Maria Aparecida e Mauro

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições A. GERAL Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições Esta operação é um empréstimo de US$ 240 milhões, voltado a diversos setores. Ela contém um componente SWAP de US$ 237 milhões e um componente

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Edição Número 214 de 06/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Seleção Unificada - Sisu. O MINISTRO DE ESTADO DA

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Política de Integridade

Política de Integridade Política de Integridade 1. INTRODUÇÃO Os procedimentos aqui descritos são complementares às diretrizes do Código de Conduta da empresa, e são norteados pelo compromisso assumido junto ao Pacto Empresarial

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA Ao Departamento de Defesa Comercial - DECOM Secretaria de Comércio Exterior SECEX Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC e-mail: consulta1602@mdic.gov.br Prezado Secretário Felipe

Leia mais

MINUTA DE PROJETO DE LEI

MINUTA DE PROJETO DE LEI MINUTA DE PROJETO DE LEI DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL E O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE PENÁPOLIS O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Compras Governamentais: Políticas e Procedimentos na Organização Mundial de Comércio, União Européia, Nafta, Estados Unidos e Brasil

Compras Governamentais: Políticas e Procedimentos na Organização Mundial de Comércio, União Européia, Nafta, Estados Unidos e Brasil LC/BRS/R.130 Setembro de 2002 Original: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório no Brasil Compras Governamentais: Políticas e Procedimentos na Organização Mundial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇAO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇAO DE PESSOA FÍSICA MINISTÉRIO DA PESCA E AQÜICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇAO DE PESSOA FÍSICA 1. TÍTULO Avaliar a eficácia na equiparação do preço do combustível praticado no mercado interno ao mercado externo,

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS Maio 2005 geral@economia-internacional.org Acordo Geral sobre o Comércio - GATS de Serviços I. Enquadramento (histórico) O GATS entrou em vigor em 01/01/1995; juntamente com o GATT e o TRIPS, completam

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 5: Orçamento das Empresas Estatais Federais) Professor: Luiz Guilherme

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais