MSc Julio Cesar Mota Martins De Almeida Fatec Rubens Lara MSc Álvaro Camargo Prado Fatec Rubens Lara

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MSc Julio Cesar Mota Martins De Almeida Fatec Rubens Lara juliocmma@uol.com.br MSc Álvaro Camargo Prado Fatec Rubens Lara alprado@globo."

Transcrição

1 LIGAÇÕES BIOCEÂNICAS NA AMÉRICA LATINA ESTUDO DO EIXO CENTRAL INTEROCEÂNIICO MSc Julio Cesar Mota Martins De Almeida Fatec Rubens Lara MSc Álvaro Camargo Prado Fatec Rubens Lara Temática: Gestão estratégica da Logística RESUMO O objetivo desse trabalho é realizar, com base nos projetos existentes, tanto de origem na Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul Americana (IIRSA) como na sua atual evolução o Conselho Sul-americano de Infraestrutura e Planejamento (COSIPLAN), um estudo das principais vantagens que o Brasil e, particularmente, a macro região da baixada Santista, auferirão com a integração e o desenvolvimento da América do Sul através dos projetos das Rotas de Integração Bioceânicas. Palavras-Chaves: Ligações Bioceânicas, Integração Regional, IIRSA, COSIPLAN. ABSTRAT The aim of this work is, based on existing projects, from both the Initiative for the Integration of Regional Infrastructure in South America (IIRSA) and in its current evolution, the South American Council of Infrastructure and Planning (COSIPLAN), a study of main advantages that Brazil and, particularly, the macro area of Santos, will receive with the integration and development in South America through projects Interoceanic Integration Routes. Key Words: Bioceanic Corridor, Regional Integration, IIRSA, COSIPLAN. 1. INTRODUÇÃO Historicamente, a América do Sul foi concebida pelos seus descobridores e exploradores para ser um ambiente bipolarizado. No lado ocidental do meridiano imaginário traçado pelo Tratado de Tordesilhas um ambiente espanhol, e, na parte oriental um território português. Porém, na realidade, por séculos vivemos em países distintos, divididos principalmente pelos dois idiomas mais fortemente utilizados, sem nos preocupar com uma real integração. A cordilheira dos Andes foi outro obstáculo natural considerável na união oeste e leste da nossa América. Iniciativas de integração, como as balizadas pelos projetos do IIRSA, são muito bemvindas para que possamos nos fazer vistos e lembrados no mundo globalizado de negócios atuais. A sequencia dos Projetos e estudos do IIRSA possibilitou a criação, pelos países integrantes da União de Nações Sul-americanas (UNASUL), do COSIPLAN (Conselho Sul-americano de Infraestrutura e Planejamento). Tais iniciativas possibilitarão que os países da América do Sul, em blocos econômicos ou individualmente, pudessem melhor competir no mercado globalizado mundial. 2. OS CORREDORES BIOCEÂNICOS Os corredores, definidos pela IIRSA, constituem-se de uma série de investimentos de diversos governos em parceria com organismos nacionais e internacionais em infraestrutura de transportes (rodovia, ferrovia e hidrovia) que têm como objetivo a ligação do Brasil e dos países sul-americanos a portos tanto do litoral Atlântico quanto Pacífico através de um sistema de transportes multimodal. Com essa particularidade as nações sul-americanas enquadram-se na estratégia de domínio dos oceanos Pacífico e Atlântico como condição de defesa, e de desenvolvimento. A denominação bioceânica refere-se à possibilidade da circulação (exportação/importação) de mercadorias, e capital nos dois oceanos que banham o 1

2 continente sul-americano. É um projeto que conta com investimentos públicos e privados, assumindo destaques organismos internacionais como a CAF (Corporação Andina de Fomento); a IIRSA (Iniciativa de Integração Regional Sul Americana); do BID (Banco Internacional de Investimento); FONPLATA (Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Plata); e das ações do ZICOSUL (Zona de Integração do Centro-Oeste da América do Sul) cujos países membros são Argentina, Bolívia, Paraguai, Chile e Brasil. O foco deste trabalho será o de contextualizar a atuação da IIRSA, e da sua atual evolução, no Corredor conhecido como Interoceânico Central. Fig. 1 Eixos de Integração da IIRSA Fonte 2.1 IIRSA Constituição A IIRSA se formou como uma iniciativa de integração multinacional, multissetorial - energia, telecomunicações e transportes - que envolve doze países da América do Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela). Tal organização, em sua carteira de projetos, trabalha com dez Eixos de Integração e Desenvolvimento que tem como objetivo promover o desenvolvimento da infraestrutura sob uma visão regional, assegurando a integração física dos países sul-americanos, tendo sempre em vista a realização do desenvolvimento sustentável e equitativo entre as regiões contempladas. Como Princípio Orientador da IIRSA ressaltam-se os abaixo listados: Regionalismo aberto; Eixos de Integração e Desenvolvimento (EID); Sustentabilidade econômica, social, ambiental e político-institucional; Aumento do valor agregado da produção; Tecnologia da informação; Convergência Normativa compatibiliza os Governos nacionais nas atuações da iniciativa privada e promove a convergência de programas entre os países; Coordenação público-privada. 2

3 3. UM ESTUDO DO EIXO INTEROCEÂNICO CENTRAL Fig. 2 Eixo Interoceânico Central Fonte O Eixo Interoceânico Central possui uma área de influência que atravessa transversalmente a América do Sul, passando pelo Peru, Chile, Bolívia, Paraguai e Brasil, entre aproximadamente os 12 e os 22 graus de latitude sul e incorpora a ligação dos principais portos no Pacífico e Atlântico dos países nessa região. Esta área de influência alcança uma superfície de km2, equivalente a 28,70% da soma de superfície total dos cinco países que formam o EID Eixo de Integração e Desenvolvimento. No ano 2008, a população total estimada da região definida para o Eixo Interoceânico Central era de mais de habitantes, o que representa 36,83% da soma da população total dos cinco países que integram o EID. Além disso, a área do eixo alcançou uma densidade demográfica média de 26,75 habitantes/km2. Este indicador varia de um máximo de 363,25 habitantes/km2 para o estado do Rio de Janeiro, a um mínimo de 2,01 habitantes/km2 correspondente ao departamento de Beni, na Bolívia. 3.1 Interconexão viária bioceânica Este eixo apresenta corredores viários com cerca de quilômetros de extensão que podem facilitar o escoamento da produção e viabilizar o aumento da exportação dos produtos regionais. Possibilita, também, a interconexão da costa do Atlântico ao Pacífico, percorrendo: Brasil, Bolívia e Chile, e, através de uma variante, o Paraguai (Assunção e o norte do país). Propicia, ainda, a conexão com os crescentes e importantes mercados do Sudeste da Ásia, especialmente da Índia e China. Sua total implantação garantirá o acesso eficiente para abastecer as crescentes demandas dos mercados de Bacia do Pacífico, tais como: China, Coréia do Sul, Japão, Tailândia, Malásia, Indonésia, Austrália, Nova Zelândia, México, Estados Unidos e Canadá. Uma infraestrutura viária e logística eficiente para estas regiões poderá impactar, basicamente, os custos de escoamento dos seus produtos, os custos de importação de produtos, a capacidade de viabilizar e atrair investimentos produtivos, a capacidade de atrair crédito e financiamento, além da produção de serviços logísticos (transportes e armazenamento) funcionando como ponto estratégico de passagem de produtos no comércio entre países e regiões da América do Sul e do mundo. Do lado brasileiro, nessa área de interesse do eixo, deve-se considerar a existência dos nossos maiores portos, da melhor malha rodoviária existente no país (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Minas Gerais), além da possibilidade de ampliação e melhor utilização da nossa matriz ferroviária, concessionada e em franco estado de expansão. No modal aquaviário encontramos uma integração de hidrovias bem composta e baseada nos eixos dos rios Tiete e Paraná. 3

4 3.2 Perfil e Potencial do Eixo Apresenta um perfil produtivo orientado tanto à produção primária como à industrial. Possui uma importante superfície cultivada de: soja e oleaginosas, cana de açúcar, mamão e produtos forrageiros, o que permite uma significativa inserção comercial no plano internacional. A economia da região está dominada pelos setores Agropecuário: soja, milho, gado, avicultura, frutas e nozes; Mineração: cobre, ferro, estanho e zinco; Exploração de gás para geração elétrica, consumo doméstico e exportação. Este último setor surge com grande potencial de crescimento, tanto em volume como através do desenvolvimento de processos na cadeia de valor agregado e dos serviços de apoio. Seu potencial de desenvolvimento envolve: A produção de cítricos de enorme competitividade, situada de maneira particular no estado de São Paulo (Exportações de US$ 1,5 bilhão/ano).; Produtos animais com uma destacada participação na produção de carnes de frango, carne de vaca e bezerro (mais de 7 milhões de toneladas anuais); Forte atividade mineral extrativa: estanho, zinco, ferro e cobre; Atividade industrial diversificada, destacando-se o polo produtivo de Belo Horizonte-Rio de Janeiro-São Paulo (maior concentração industrial da América do Sul); Atividade agroindustrial dedicada à elaboração de produtos derivados de leite e de carne no Brasil (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo); Viticultura e vinicultura na Bolívia (Tarija e Chuquisaca); Recursos naturais: gás, petróleo e importantes reservas de minério de ferro, estanho, ouro, lítio e potássio, prata e zinco; Reservas provadas de gás na Bolívia e na Bacia de Santos Pré-sal (Brasil). A produção hidroelétrica desta zona é, também, muito importante; Turismo de uma maneira geral e com ênfase no cultural e ecológico (Pantanal); A própria localização do Eixo é um fator atrativo para a localização de empresas de alcance sul-americano. 3.3 Agenda de Implementação Consensuada AIC Por meio de várias reuniões efetuadas pelos países componentes, surgiu um acordo que elegeu e implementou o desenvolvimento de um grupo de projetos de interesse para a efetivação das ligações em foco. A esses Projetos acordados no ano de 2003 deu-se o título de Agenda de Implementação Consensuada AIC Este documento, embora venha recebendo várias emendas e aditivos na medida em que passam para a fase executiva, tem sido respeitado de uma maneira geral Proporção da alocação dos Projetos dos Eixos IIRSA na AIC

5 Figura 3 - AIC distribuição por modalidades de transporte. Fonte P. Consultoria Observa-se uma forte concentração no modo rodoviário. O modo ferroviário, útil para cargas do tipo commodities ou conteinerizadas, recebeu pouca prioridade para as largas distancias como os da América do Sul. Além disso, ressaltam-se, nos compromissos firmados pelos órgãos financiadores, que os gastos previstos estão concentrados na integração física, deixando a desejar quando se busca uma maior efetividade e clareza nos marcos regulatórios Divisão dos Grupos de Projetos no Eixo Interoceânico Central Grupo Países Projeto s Envolvidos Chile 1 Conexão Chile Bolívia Paraguai - Brasil Bolívia Paraguai - Brasil 2 Otimização do Corredor Corumbá-São Paulo-Santos-Rio de Janeiro Brasil 3 Conexão Santa Cruz Porto Suarez - Corumbá (MS) Bolívia e 4 Conexão Santa Cruz - Cuiabá 5 Conexões com o Eixo do Pacífico: Ilo / Matanari Desaguadero La Paz + Arica La Paz + Iquique Oruro Cochabamba Santa Cruz Brasil Bolívia e Brasil Bolívia Chile Peru 5

6 3.4 Mapa dos Projetos da AIC Eixo Interoceânico Central Figura 4 - Grupos do Eixo Interoceânico Central Fonte 3.5 Estudo dos Grupos de projetos de interesse da AIC para o Eixo Interoceânico Central Grupo 1 - Ligação do Brasil com o Pacífico: Brasil Paraguai Bolívia - Chile (ligação mais ao sul). Função Estratégica do Projeto - interconectar zonas produtivas regionais em transportes, energia e comunicações e também a expansão da hinterlândia dos portos com acesso ao Pacífico, tais como Iquique no Chile. Envolve a ligação de regiões mineiras, como Collahuasi (Norte do Chile, fronteira com a Bolívia) e Potosí (Bolívia), e do Centro-Oeste brasileiro com o Pacífico. A sua implementação final facilitará o acesso permanente á zonas de exploração de mineiras aos mercados regionais e internacionais, promovendo a saída de produtos da Bolívia e do Chaco Central aos portos do Pacífico e aos principais mercados andinos, fomentando o intercâmbio comercial entre os países do grupo, especialmente nos seguintes bens: sal, fosfatos, fertilizantes, vinhos, madeira, frutas, flores, gás, entre outros Grupo 2 Corredor Corumbá - São Paulo Santos - Rio De Janeiro Função Estratégica do Projeto Primeiramente, a redução significativa dos custos de transporte de cargas da Bolívia, Paraguai e Brasil para exportação através do Oceano Atlântico (porto de Santos). Além disso, aumentará a hinterlândia da região de Santos e aumentará a movimentação de produtos entre os países beneficiados pela implementação do Eixo. Como outras funções de destaque, haverá o aumento do ecoturismo na região do Pantanal e a possibilidade do aumento do transporte ferroviário na matriz de transportes da região atendida. Principais obras e seus interesses: Anel Ferroviário de São Paulo (Tramo norte e sul): obra indispensável para o tráfego ferroviário poder enfrentar o atual gargalo de 6

7 transposição da cidade de São Paulo. O arco viário do Rio de Janeiro e o acesso ao Porto de Itaguaí (Sepetiba) - em fase final. O anel viário de Campo Grande. O anel viário de Corumbá - obra já concluída. Construção das Avenidas Perimetrais do Porto de Santos, margem direita pronta, margem esquerda em construção. Dragagem e aprofundamento do canal do Porto de Santos - obras em andamento. O contorno Ferroviário de Campo Grande concluído. A melhora do tramo ferroviário de Bauru Santos (SP), obra em fase adiantada de execução. A melhora do tramo ferroviário Campo Grande (MS) Bauru (SP), projeto elaborado, obra em fase licitatória. E, ainda a melhora do tramo ferroviário Corumbá Campo Grande (Ferrovia do Pantanal) - obra em execução por tramos ferroviários com algumas partes concluídas Grupo 3 - Conexão Santa Cruz Porto Suarez - Corumbá (MS) Função Estratégica do Projeto Completar a conexão Viária e Ferroviária no Eixo. Redução significativa dos custos de transporte para cargas da Bolívia, Paraguai e Brasil, Chile e Peru para exportação através do Pacífico ou do Atlântico Grupo 4 - Conexão Santa Cruz - Cuiabá Função Estratégica do Projeto Conectar a região oriental da Bolívia com o estado brasileiro do Mato Grosso, facilitando o acesso de ambas as regiões aos portos localizados tanto no Pacífico como no Atlântico Grupo 5 - Conexões com o Eixo do Pacífico Função Estratégica do Projeto Aumentar o intercâmbio comercial entre os países componentes e os mercados internacionais. Reduzir os custos de transporte do Eixo, completando as ligações dos Grupos 3 e 4 à Costa do Pacífico, aos portos de Iquique e Arica no Chile. Acrescentará aos componentes do Mercado Comum do Sul MERCOSUL ligações físicas de grande significado prático e estratégico ao bloco. 4. EVOLUÇÃO E ANÁLISE DO ESTUDO SOBRE O EIXO INTEROCEÂNICO CENTRAL Os projetos da AGENDA Consensuada da IIRSA continuam em andamento e evoluíram, no ano de 2011, para a Agenda de Projetos Prioritários de Integração da América do Sul, elaborados pelo Comitê de Coordenação Técnica (CCT) da IIRSA e referendados e apresentados pelos países que integram a União de Nações Sulamericanas (UNASUL) no contexto do Conselho Sul-americano de Infraestrutura e Planejamento (COSIPLAN). A UNASUL foi criada pelos presidentes da América do Sul no ano de 2008 como um espaço de articulação e diálogo político de alto nível que envolve os doze países da região. Neste âmbito institucional, foram formados oito conselhos setoriais de nível ministerial, sendo um deles o COSIPLAN. A Agenda de Projetos Prioritários de Integração (API) é o resultado do trabalho realizado durante 2011 pelos 12 países no âmbito do COSIPLAN. Esta agenda consiste em um conjunto de 31 projetos (na maioria retirados da AIC IIRSA) com um investimento estimado em US$ 14,023 bilhões, de caráter estratégico e de alto impacto para a integração física e o desenvolvimento socioeconômico regional. Seu objetivo é promover a conectividade da região a partir da construção e operação eficiente de infraestrutura, atendendo a critérios de desenvolvimento social e econômico sustentável, preservando o ambiente e o equilíbrio dos ecossistemas. Durante o ano de 2011, o COSIPLAN avançou para a construção dos dois instrumentos que irão estruturar seu trabalho nos próximos dez anos: o Plano de Ação Estratégico (PAE) e a Agenda de Projetos Prioritários de Integração (API). 4.1 Agenda de Projetos Prioritários de Integração (API) Os 31 projetos que integram a AIC (até julho de 2010) ocorreram nos setores de transporte, energia e comunicações, da seguinte maneira: 7

8 2 projetos concluídos - investimento estimado de US$ 22 milhões. 19 projetos em execução - investimento estimado de US$ 7,6774 bilhões. 8 projetos em fase de pré-execução - investimento estimado de US$ 6,3208 bilhões. 2 projetos em fase de perfil - investimento estimado de US$ 2,8 milhões. Conforme a estimativa do Relatório da AIC de 2010, em 2014, 77% dos 31 projetos da Agenda estariam concluídos. Com uma projeção de 14 projetos terminados no final de 2011, 19 no final de 2012, 21 no final de 2013 e 24 no final de 2014 (AIC, Relatório de Avaliação, 2010). No quadro da figura abaixo está exposta a situação de projetos concluídos, referente ao nosso Eixo de Estudo O Interoceânico Central. Figura 5 - Projetos concluídos - Eixo Interoceânico Central. Fonte Cosiplan 4.2 Análise da API para o Eixo Interoceânico Central Dos cinco grupos de projetos, vistos no Capítulo 3, que compõem o Eixo Interoceânico Central, quatro integram a nova Agenda. São eles: G1 - Conexão Chile - Bolívia - Paraguai - Brasil; G2 - Otimização do Corredor Corumbá - São Paulo - Santos - Rio de Janeiro; G3 - Conexão Santa Cruz - Porto Suárez - Corumbá; e G5 - Conexões do Eixo ao Pacífico: Ilo / Matarani - Desaguadero - La Paz + Arica - La Paz + Iquique - Oruro - Cochabamba - Santa Cruz. Figura 6 - Projetos da API no Eixo Interoceânico Central - Fonte Cosiplan 8

9 5. CONCLUSÕES Pelo estudo realizado, pode-se concluir que a implantação dos projetos do corredor Bioceânico Central não se trata de mais um capricho latino ou sonho bolivariano de integrar a América do Sul, mas uma necessidade em todos os aspectos que se possa abordar. A sua total execução e consequente utilização trarão para o Brasil, com especial enfoque na nossa macrorregião, possibilidades imensas em vários campos e setores. Muitos dos projetos, tanto os da AIC (IIRSA) como os da Agenda de Projetos Prioritários de Integração API, da COSIPLAN, já se encontram em funcionamento ou em fase final de execução. Isso nos permite afirmar que, esse Eixo que corta a região mais desenvolvida do nosso país, já é uma realidade no papel de integrar de maneira vantajosa, realista e competitiva as saídas oceânicas do continente. Principais vantagens competitivas (em curso e como cenário futuro): O escoamento, com vantagens logísticas e competitivas, das novas fronteiras da soja brasileira, localizadas a oeste do país, com uma saída via portos do Pacífico. A diminuição das deficiências da infraestrutura de comunicações, energia e transporte da América do Sul, lidando com questões do desenvolvimento regional, risco ambiental, promoção de progresso técnico e distribuição de riqueza. Cumprimento de projetos estudados e aprovados através da Agenda Consensuada (IIRSA) e da Agenda de Projetos Prioritários de Integração API, da COSIPLAN. Possibilidade de, em curto prazo, se articular os polos industriais de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo, com Mato Grosso do Sul, Mato Grosso (Brasil), a região petroleira e de soja (Bolívia) e o Oceano Atlântico; Possibilidade e expansão do parque produtivo, industrial e agrícola, em toda a região do eixo, principalmente com o término das obras de infraestrutura listados nos projetos do Grupo 2 Otimização do corredor Corumbá - São Paulo Santos - Rio De Janeiro (IIRSA). Obras como as do Anel Ferroviário de São Paulo (Tramo norte e sul), uma possibilidade real e factível, com os estudos e trabalhos já retomados, que pode eliminar de vez o atual gargalo da transposição ferroviária pelo interior dos trilhos urbanos da cidade de São Paulo. Para a região portuária da baixada santista, atendida pelo tramo sul do Ferroanel, as ligações permitirão uma possibilidade do aumento da utilização do modo ferroviário, muito mais apto ao escoamento de grandes cargas tanto a granel, como conteinerizadas. Inclui-se também como obra prioritária e necessária nesse corredor o Contorno Ferroviário de Campo Grande. O Arco Viário do Rio de Janeiro, somado ao tramo norte do Ferroanel, darão mais utilidade e agilidade de acesso ao Porto de Itaguaí (Sepetiba), substituto natural e necessário do porto da cidade do Rio de Janeiro, atualmente sucateado e em fase de desocupação; As obras do Anel Viário de Campo Grande, do Anel Viário de Corumbá, assim como as Avenidas Perimetrais do Porto de Santos, nas margens direita e esquerda, possibilitarão menores gargalos e agilidade na utilização do modo rodoviário de cargas; As obras em andamento da dragagem e aprofundamento do canal do Porto de Santos permitirão o aumento do calado dos navios que entram e saem do estuário santista. Para o porto de Santos, já possuidor da hinterlândia mais rica do cenário brasileiro, as ligações terão o efeito de aumentar a área de atuação dos serviços portuários; Com o cenário atual de crescimento da economia brasileira, observa-se a oportunidade de, nesse corredor, ocorrer a geração de novos empregos, ligados à implantação e a manutenção infraestrutural dos projetos industriais e agrícolas; Desenvolvimento da malha e da capacidade do transporte ferroviário no eixo; Explorar as sinergias de desenvolvimento da infraestrutura para a exploração e o transporte de gás natural, das reservas bolivianas e do projeto Pré-Sal no litoral brasileiro. 9

10 O balanço de equilíbrio de forças estratégicas no ambiente Sul-americano, sempre tênue e sujeito a matizes políticas de oportunidade, trazendo, historicamente, um ambiente de corrupções e denuncias, precisa ser ultrapassado. Para tal, a implantação de uma cultura de valores deve ocorrer de imediato. O momento mundial atual, onde as grandes nações e blocos enfrentam dificuldades, é mais que oportuno para que o continente desponte e consagre-se em uma posição de destaque no planeta. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS IIRSA - Iniciativa de Integracion de la Infraestructura de Sudamerica. Planificacion Territorial Indicativa - Construyendo una visión estratégica para la integración física regional Cartera de Proyectos. Disponível em MPOG - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Visão Estratégica Sul- Americana. Brasília: IIRSA/MP, Disponível em PROSPECTIVA CONSULTORIA (2008), Projeto América do Sul: Serviços de logística, IIRSA e Integração Regional, pesquisa elaborada com o apoio da Agência Suíça para o Desenvolvimento e Cooperação. PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO (PAE) do Conselho Sul-americano de Infraestrutura e Planejamento (COSIPLAN) - União de Nações Sul-americanas (UNASUL) no contexto UNASUL COSIPLAN. Agosto de Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em IGLESIAS, Roberto M. (2008), Algunos Elementos para Caracterizar los Intereses Brasileños en la Integración de la Infraestructura en América del Sur, Integración & Comercio, nº.28, pp , Buenos Aires. MESQUITA, Maurício (2005), IIRSA Economic Fundamentals, ITD/INT. VITTE, C. C. S. Integração regional e planejamento territorial: Algumas considerações sobre a IIRSA. Anais do XII Encontro da Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Belém: Anpur, O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade do(s) autor(es). 10

Integração Física da América do Sul: avanços e desafios

Integração Física da América do Sul: avanços e desafios CENTRO BRASILEIRO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Integração Física da América do Sul: avanços e desafios Mauro Marcondes Rodrigues Rio de Janeiro, 15 de março de 2012 Introdução A Iniciativa para a Integração

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

III.7. Eixo Interoceânico Central

III.7. Eixo Interoceânico Central III.7. Eixo Interoceânico Central III.7.1. Localização e Área de Influência do Eixo O Eixo Interoceânico Central foi definido por meio da delimitação de uma área de influência que atravessa transversalmente

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

INICIATIVA PARA A INTEGRAÇÃO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL SUL-AMERICANA PLANEJAMENTO TERRITORIAL INDICATIVO

INICIATIVA PARA A INTEGRAÇÃO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL SUL-AMERICANA PLANEJAMENTO TERRITORIAL INDICATIVO INICIATIVA PARA A INTEGRAÇÃO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL SUL-AMERICANA PLANEJAMENTO TERRITORIAL INDICATIVO CARTEIRA DE PROJETOS IIRSA 2009 NOTA As informações relativas aos projetos da Carteira IIRSA apresentadas

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

INFRAESTRUTURA E INTEGRAÇÃO REGIONAL: A EXPERIÊNCIA DA IIRSA NA AMÉRICA DO SUL 1

INFRAESTRUTURA E INTEGRAÇÃO REGIONAL: A EXPERIÊNCIA DA IIRSA NA AMÉRICA DO SUL 1 INFRAESTRUTURA E INTEGRAÇÃO REGIONAL: A EXPERIÊNCIA DA IIRSA NA AMÉRICA DO SUL 1 Carlos Eduardo Lampert Costa 2 Manuel José Forero Gonzalez 3 RESUMO Este artigo avalia a Iniciativa para a Integração da

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

IQUIQUE, NO SECULO PASSADO, FOI UM DOS PORTOS MAIS IMPORTANTES DO PACIFICO SUL, ISSO DEU-SE AO SURGIMENTO A INDUSTRIA DO SALITRE (NITRATO DE SODIO).

IQUIQUE, NO SECULO PASSADO, FOI UM DOS PORTOS MAIS IMPORTANTES DO PACIFICO SUL, ISSO DEU-SE AO SURGIMENTO A INDUSTRIA DO SALITRE (NITRATO DE SODIO). IQUIQUE, NO SECULO PASSADO, FOI UM DOS PORTOS MAIS IMPORTANTES DO PACIFICO SUL, ISSO DEU-SE AO SURGIMENTO A INDUSTRIA DO SALITRE (NITRATO DE SODIO). O PRODUTO ERA EXTRAIDO EM SUA FORMA NATURAL NO DESERTO

Leia mais

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1 Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Curitiba 2010 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ROBERTO REQUIÃO - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

A Importância da Integração Física no Eixo Amazonas: Transportes e Oportunidades de Desenvolvimento

A Importância da Integração Física no Eixo Amazonas: Transportes e Oportunidades de Desenvolvimento A Importância da Integração Física no Eixo Amazonas: Transportes e Oportunidades de Desenvolvimento Thaís Virga Passos 1 RESUMO Este trabalho ressalta a importância estratégica e econômica da integração

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Seminário Sepetiba: Portal do Atlântico Sul Eliezer Batista

Seminário Sepetiba: Portal do Atlântico Sul Eliezer Batista Seminário Sepetiba: Portal do Atlântico Sul Eliezer Batista Nos anos sessenta, o Porto de Tubarão se propunha a exportar um produto de baixo valor, minério de ferro, para o país mais distante do mundo,

Leia mais

América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais

América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais Yiannos1/ Dreamstime.com América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais Imagem de satélite do continente americano. Allmaps Allmaps Divisão Política (por localização) América do Norte

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Objetivos do Seminário Identificar os marcos regulatórios dos portos (marítimos, fluviais e lacustres), com o objetivo de melhorar

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo Figura importada dos relatórios do PPIAF - Public Private Infrastructure Advisory Facility (http://www.ppiaf.org/)

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

PAN-AMAZONIA: UM FOCO SOBRE OS PROJETOS DA INICIATIVA PARA A INTEGRAÇÃO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL SULAMERICANA NA REGIÃO

PAN-AMAZONIA: UM FOCO SOBRE OS PROJETOS DA INICIATIVA PARA A INTEGRAÇÃO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL SULAMERICANA NA REGIÃO PAN-AMAZONIA: UM FOCO SOBRE OS PROJETOS DA INICIATIVA PARA A INTEGRAÇÃO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL SULAMERICANA NA REGIÃO Edileuza Wischansky 1 RESUMO Em uma sociedade global cada vez mais interdependente,

Leia mais

III.9 Eixo Peru - Brasil - Bolívia

III.9 Eixo Peru - Brasil - Bolívia III.9 Eixo Peru - Brasil - Bolívia III.9.1. Localização e Área de Influência do Eixo O Eixo Peru - Brasil - Bolívia foi definido por meio da delimitação de uma área de influência que incorpora a vinculação

Leia mais

INFRAESTRUTURA CONTINENTAL INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL

INFRAESTRUTURA CONTINENTAL INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL INFRAESTRUTURA CONTINENTAL INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL Introdução A inserção internacional brasileira nos leva a iniciar os comentários pelos idos anos cinquenta e entender que diversos autores têm procurado

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/20 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 6,0 ) Analisar os fatores fisiográficos da América do Sul, concluindo sobre a influências destes fatores na distribuição

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Vantagens e oportunidades da Argentina Alguns dados estruturais Com mais

Leia mais

CONSELHO SUL-AMERICANO DE INFRAESTRUTURA E PLANEJAMENTO III REUNIÃO DO GT SOBRE MECANISMOS DE FINANCIAMENTO E GARANTIAS

CONSELHO SUL-AMERICANO DE INFRAESTRUTURA E PLANEJAMENTO III REUNIÃO DO GT SOBRE MECANISMOS DE FINANCIAMENTO E GARANTIAS COSIPLAN Presidência Pro Tempore 2012-2013 CONSELHO SUL-AMERICANO DE INFRAESTRUTURA E PLANEJAMENTO III REUNIÃO DO GT SOBRE MECANISMOS DE FINANCIAMENTO E GARANTIAS O Projeto Rodovia Lethem-Linden Guiana

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

A ABERTURA COMERCIAL, A INSERÇÃO DE MATO GROSSO NO CENÁRIO INTERNACIONAL E SEUS PRINCIPAIS EIXOS VIÁRIOS

A ABERTURA COMERCIAL, A INSERÇÃO DE MATO GROSSO NO CENÁRIO INTERNACIONAL E SEUS PRINCIPAIS EIXOS VIÁRIOS A ABERTURA COMERCIAL, A INSERÇÃO DE MATO GROSSO NO CENÁRIO INTERNACIONAL E SEUS PRINCIPAIS EIXOS VIÁRIOS Benedito Dias Pereira 1 RESUMO: A economia do Estado de Mato Grosso, mais acentuadamente nos dez

Leia mais

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E Questão 45 alternativa D Entre os recursos naturais importantes para o fortalecimento da economia canadense no século XX temos a taiga (o Canadá encontra-se entre os maiores produtores de madeira, papel

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

8º ANO ATIVIDADES ONLINE

8º ANO ATIVIDADES ONLINE 8º ANO ATIVIDADES ONLINE 1) Analise a tabela e responda. a) Entre os países andinos, qual apresenta maior desenvolvimento, de acordo com o IDH? E menor desenvolvimento? b)que tipo de produto predomina

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra 1. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 Aula 5.1 Conteúdo Bacias Hidrográficas Brasileiras. 3 Habilidade Localizar as diferentes

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

Geografia/Profª Carol

Geografia/Profª Carol Geografia/Profª Carol Recebe essa denominação porque parte dos territórios dos países platinos que constituem a região é banhada por rios que compõem a bacia hidrográfica do Rio da Prata. Países: Paraguai,

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Geografia AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. ANA CONSUELO MARTINS LOPES OLIVEIRA Graduada

Leia mais

MMB Foundation. Nova Zona Geo-econômica do Mercosul. Eng. Eduardo Pedro Bichara

MMB Foundation. Nova Zona Geo-econômica do Mercosul. Eng. Eduardo Pedro Bichara MMB Foundation Nova Zona Geo-econômica do Eng. Eduardo Pedro Bichara Temário 1.1 - Dados iniciais 3 1.1.1.- Corredor Multimodal do Pacífico Sul 1.1.2.- Área Autôoma Geo-econômica de Mercosur - ROGEM 1.2

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE TP 15164T UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE EFICAZ, FIÁVEL E SEGURA www.atlanticgateway.gc.ca A PORTA DO ATLÂNTICO É: Uma rede multimodal protegida, segura e sustentável equipada com instalações especializadas

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

A Eurafrásia A, Afro-Eurásia ou África-Eurásia é formada por: Europa, África e Ásia e estende-se por mais de 84 milhões de km² (quase 60% da superfície sólida da Terra) com uma população de cerca de 5.5

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO. IV Brasil nos Trilhos. Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO. IV Brasil nos Trilhos. Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO IV Brasil nos Trilhos Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS INVESTIMENTOS DA UNIÃO 2000-2010* (RAP + Pago) R$ milhões 2.500 904 998 125 133 112 57 133 279

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras.

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Câncer Por que o Brasil tem vocação agrícola? Capricórnio Zona quente ou Intertropical Quatro fatores são fundamentais para

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o MERCOSUL Nome oficial: Mercado Comum do Sul Estados membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela Idiomas oficiais: Espanhol e Português Estados associados: Chile, Colômbia, Equador,

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Oficina de Integração Aérea Sulamericana

Oficina de Integração Aérea Sulamericana Oficina de Integração Aérea Sulamericana 10 e 11 de setembro de 2014 Rio de Janeiro, Brasil OBJETIVOS DA OFICINA: Analisar o sistema de rede de aeroportos (passageiros e carga) e as tendências operacionais

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Editor responsável Felix Dane. Coordenação Editorial Reinaldo J. Themoteo. Revisão Cristiane Duarte Daltro Santos. Tradução Pedro Maia Soares

Editor responsável Felix Dane. Coordenação Editorial Reinaldo J. Themoteo. Revisão Cristiane Duarte Daltro Santos. Tradução Pedro Maia Soares 1 Editor responsável Felix Dane Coordenação Editorial Reinaldo J. Themoteo Revisão Cristiane Duarte Daltro Santos Tradução Pedro Maia Soares Capa e diagramação Charles Steiman Assistente Márcia Sasson

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais