FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA. Brasil & Estados Unidos: embate na OMC pelo suco de laranja

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA. Brasil & Estados Unidos: embate na OMC pelo suco de laranja"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA Brasil & Estados Unidos: embate na OMC pelo suco de laranja Fernando Mascaro e Silva Nogueira Monografia de Conclusão do Curso apresentada à Faculdade de Economia para obtenção do título de graduação em Relações Internacionais, sob a orientação da Profa. Peggy Beçak São Paulo, 2012

2 NOGUEIRA, Fernando. BRASIL & ESTADOS UNIDOS: EMBATE NA OMC PELO SUCO DE LARANJA. São Paulo, FAAP, 49 p. (Monografia apresentada ao curso de graduação em Relações Internacionais da Faculdade de Economia da Fundação Armando Alvares Penteado) Palavras-chave: 1. Brasil. 2. Estados Unidos. 3. Sistema Multilateral de Comércio. 4. OMC. 5. Suco de laranja, 6. Embate comercial.

3 Dedicatória Dedico este trabalho a meu avô, Manoel, que fez da sua história de vida minha inspiração em todas as minhas lutas, sejam elas vitoriosas ou não.

4 Agradecimentos Gostaria de agradecer inicialmente a meus pais, que em momento algum mediram esforços para que meus sonhos se concretizassem e nos momentos de dúvida, fizeram com que eu acreditasse na minha capacidade. A minha mãe, Claudia, que me acompanhou em todas as decisões da minha vida inclusive na mudança para São Paulo para fazer a faculdade, mostrando que quando a saudade aperta, o amor materno conforta mesmo que distante. Meu pai, Wagner que me ensinou a respeitar a ética acima de tudo, em qualquer momento. E mostrou que não são necessárias muitas palavras pra confortar ou motivar, suas atitudes demonstram por si só. Agradeço também a Julia, minha irmã, que não importando o momento que fosse sempre me alegrou tornando minha estadia em São Paulo e na FAAP mais engraçada. Não poderia deixar de citar, minha tia Ana, que sempre foi tão carinhosa comigo (e com todos meus amigos que acabaram por se tornar sobrinhos dela também) me ajudando na distância de casa. Minha orientadora, Peggy Beçak pela sua dedicação, zelo e compreensão em todos os momentos da execução do nosso trabalho. Gostaria ainda de agradecer a todos meus mestres ao longo dos 4 anos de faculdade transmitindo conhecimento profissional e pessoal, além da ajuda de todos os funcionários da FAAP em especial, os da Biblioteca que me ajudaram nesse e em tantos outros trabalhos. Não teria chego aqui, sem o apoio de todos meus amigos de Rio Claro que me mostraram que manter antigas amizades é tão importante quanto fazer novas. Por fim, agradeço ao Daniel, Felipe, Nicolas, Wagner, Alan, Renato, Gui que acabaram por se transformar em eternos amigos através de todo o período de 4 anos da faculdade.

5 Resumo Este trabalho tem por objetivo analisar os embates ocorridos no âmbito da OMC em relação às barreiras comerciais impostas pelos Estados Unidos ao suco de laranja brasileiro. E as razões pelas quais, os produtos agrícolas são importantes para a economia de países em desenvolvimento como o Brasil. Para isso, defende-se a hipótese que os subsídios e as taxas norte-americanas aplicadas ao suco de laranja brasileiro resultam em perdas comerciais e consequentemente, econômicas para a nação produtora. E ainda, analisasse de que forma a crescente atuação dos países em desenvolvimento na OMC pode ser benéfica para estas nações.

6 Lista de Figuras Figura 1 Divisão das regiões do cinturão citrícola p. 18 Figura 2 Área de produção de citros no Brasil p. 21 Figura 3 Procedimento no Sistema de Solução de controvérsias da OMC p. 32 Figura 4 A forma que o subsídio direto é aplicado em produtos agrícolas p. 38

7 Lista de Tabelas Tabela 1 Posição e participação do Brasil na produção e exportação mundial de produtos agrícolas em 2009 p. 21 Tabela 2 Subproduto e características da laranja p. 23

8 Lista de Gráficos Gráfico 1 Consumo de suco de laranja no mundo em 2009 p. 10

9 Sumário Dedicatória Agradecimentos Resumo Lista de Figuras Lista de Tabelas Lista de Gráficos Introdução 1. Contextualização histórica: a laranja no mundo 1.1. Introdução nos Estados Unidos 1.2. A laranja no Brasil 2. O efetivo estabelecimento de um Sistema Multilateral de Comércio OMC 2.1. Surgimento do GATT 2.2. A agricultura como tema principal de discussão 2.3. Relação dos países em desenvolvimento 3. O fim da hegemonia produtiva e os embates na OMC 3.1. Mudança na estrutura econômica mundial 3.2. Conflito na entrada de suco de laranja brasileiro em território norte-americano 3.3. Início do embate na OMC entre os países Conclusão Referências bibliográficas

10 1 Introdução O tema desta monografia é a cadeia citrícola no Brasil onde será apresentando uma breve contextualização histórica do bem no país até os dias de hoje, assim como as áreas que se tornaram grandes centros produtores do produto e os embates que tem se formado na cúpula da Organização Mundial do Comércio (OMC) por imposição dos Estados Unidos da América (EUA) e que acabam por se tornar uma barreira à entrada do produto brasileiro no comércio internacional. Tendo como objeto de pesquisa a relação Brasil Estados Unidos para comercialização do suco de laranja, a análise do objeto, será apresentado a importância que a produção de laranja tomou nos últimos anos para a economia brasileira, seus aspectos geográficos e condições climáticas que favoreceram a citricultura brasileira. O Brasil se tornou um grande produtor do bem e com reconhecimento mundial pela sua qualidade na atividade, isso ocasionou por parte dos EUA a perda do posto de maior produtor deixando ainda, uma brecha no atendimento do seu mercado interno. Com o intuito de conter a entrada no território americano, altas taxas antidumpings são impostas ao suco de laranja brasileiro, o que fez com que o governo do país fosse à cúpula da OMC para contestar tais medidas. As elevadas taxas protecionistas impostas pelo governo americano ao produto brasileiro implicam em perdas econômicas para o país que tem na exportação de produtos agrícolas uma importante fonte de renda. Em contrapartida, não é somente o Brasil que perde com a imposição dessas tarifas, pois diminuindo a entrada de bens agrícolas os Estados Unidos tem que direcionar parte do seu potencial para essa atividade. E sendo um importante produtor de bens de alto valor agregado, ele poderia focar sua produção nesse setor que detém vantagem comparativa em relação a outros países gerando assim, maior riqueza para o país. Quando se considera o envio de suco de laranja brasileiro para atender o mercado americano, surgem questões pertinentes como, as taxas abusivas impostas pelo governo da Flórida/EUA ao produto brasileiro poderiam representar um empecilho real a produção e a economia brasileira? Mesmo sendo considerado um importante importador de produtos agrícolas oriundos do Brasil, em especial neste caso, o suco de laranja, os Estados Unidos perceberam que nos últimos anos houve uma estagnação nessa atividade comercial e para promover um crescimento no envio de produtos para este país, a melhor maneira seria eliminar as taxas protecionistas impostas ao produto brasileiro e é daí que se levantam as seguintes hipóteses ao problema.

11 2 Hipótese 1: A OMC surge como um órgão que busca institucionalizar o comércio internacional onde todos seus signatários devem ser tratados de forma igualitária e ter seus interesses defendidos, portanto, cabe ao representante brasileiro recorrer a essa instância para assegurar que o comércio internacional do país, neste caso o suco de laranja, seja feito de forma livre e sem empecilhos externos. Hipótese 2: As eliminações das taxas protecionistas tendem a retomar o crescimento das relações comerciais entre os países. Hipótese 3: Se os Estados Unidos figuram como importante comprador de suco de laranja do Brasil e este, vem aos longos dos anos se confirmando como maior produtor mundial do bem, as sucessivas quedas na taxa de importação em decorrência dessas barreiras pode fazer com que a atividade deixe de se tornar atrativa para os produtores brasileiros e que seja abandonada implicando em grandes perdas econômicas ao país. Em relação a justificativa do estudo é que, em função dos países emergentes ao longo da década de 1990 terem se consolidado como grandes potências para a economia internacional eles começaram a ganhar uma notoriedade que nunca existiu antes. Em decorrência disso o Brasil obteve um lugar de destaque em relação a outras nações, o que possibilitou ao país alcançar o prestígio que antigas potências gozaram durante muitos anos. Esse processo de ascensão foi acelerado pela situação econômica que países como Estados Unidos e Itália se encontram em decorrência da Crise de Ao mesmo tempo em que a economia brasileira surge como promissora, a exportação de suco de laranja brasileiro figurou como importante alavancador desse processo por ter se tornado um produto com grande relevância na balança comercial. A entrada do bem no mercado americano, que perdeu favoritismo no segmento, fez com que produtores daquele país impusessem taxas abusivas e antidumping ao Brasil, criando embates na cúpula da OMC para assegurar o livre comércio entre os países. O objetivo geral desse estudo será analisar as barreiras tarifárias criadas pelos Estados Unidos ao suco de laranja brasileiro, que entra em seu território e tem reclamações por parte do Brasil para eliminá-las. Como objetivos específicos pretende-se: contextualizar a importância que a laranja alcançou na economia brasileira no decorrer do século XIX até os dias de hoje;

12 3 demonstrar a qualidade diferenciada do produto brasileiro em relação aos antigos produtores, que capacitou o Brasil como maior exportador de suco de laranja; mensurar a queda no favoritismo do produto americano, que fez com que os produtores deste país criassem imposições tarifárias para dificultar a entrada do produto brasileiro. No primeiro capítulo será feito uma contextualização histórica da laranja no mundo, desde sua origem no continente asiático até a chegada da espécie no território dos Estados Unidos. Ou seja, da evolução da atividade agrícola que mais tarde tornaria aquela nação como a maior produtora até a geada de 1962, que acabou com a hegemonia norte-americana na produção de suco de laranja. Na segunda parte será abordada da atividade citrícola no Brasil desde seu surgimento, onde o foco era atender seu mercado doméstico até o momento em que a atenção se voltou ao mercado externo demonstrando as razões que tornaram o país o maior exportador de suco de laranja. O segundo capítulo focará no processo de institucionalização do Sistema Multilateral de Comércio (SMC) que surgiu nos anos de 1950 através do surgimento do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT), e posteriormente OMC, órgãos reguladores que tendem a tornar mais justo o comércio internacional. Também serão abordadas as importâncias da atividade agrícola para os países em desenvolvimento e as razões que exigiram maior atenção nas rodadas de discussão dos órgãos reguladores em relação ao setor até o surgimento do Grupo dos 20 (G20) que é um grupo composto pelos ministros de finanças e chefe dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo e a União Européia. Por fim no terceiro capítulo, serão apresentadas as formas que o suco de laranja brasileiro, afeta a produção americana, o que faz com que barreiras tarifárias elevadas sejam criadas e impostas para o comércio com o Brasil, o que gera a recorrência à OMC imposições ao livre comércio.

13 4 1. Contextualização histórica: a laranja no mundo A laranja como conhecemos atualmente difere muito da que existiu no passado, ela no seu estado nativo ela consistia em um fruto duro e com casca grossa. Gregos e romanos habitualmente chamavam qualquer fruta de maça, a nossa conhecida romã era chamada de maça da Roma e o que para nós é conhecido como pêssego era denominado de maça da Pérsia e a laranja por sua vez, era a maça de cedro, o nome cedro acabou se tornando citros e intitulando todas as frutas de categoria cítrica. Há uma curiosa confusão histórica entre maça e laranja. Refere-se a um dos doze trabalhos de Hércules, o 11º. O desafio era conseguir algumas maças douradas, que vinham sendo mantidas sob a guarda insuperável do gigante Atlas e suas filhas, as Hespérides. Segundo vários intérpretes da fábula, essas maças douradas eram na verdade maduras laranjas, assim chamadas por causa do costume antigo de chamar toda fruta de maça. Os mesmos hermeneutas vão mais longe e, pela confusão de nomes entre laranja e maça, garantem ter sido a laranja (e não a outra) a fruta do Paraíso, a tal que acabou com a mordomia de Adão e Eva.(RIBEIRO, 1992, p. 51) Considerado o berço das grandes civilizações, o continente asiático também é o berço da laranja no mundo, razão pela qual partiu de lá para sua expansão no mundo. A fruta nasce no Sudeste Asiático, passa pela Malásia e depois rompe o oceano Índico em direção ao este da África. Aí caminha por terra até o Egito, serve aos mouros e um dia, saltando o Mediterrâneo, ganha a Europa. Daí, no movimento das grandes descobertas, cruza o Atlântico rumo ao Novo Mundo. Sua disseminação se deve aos grandes movimentos humanos dos gregos, do Império Romano, dos árabes, dos navegantes portugueses e espanhóis. (RIBEIRO, 1992, p. 118) A utilização do pé de laranja como produtor da fruta para consumo é um efeito recente. Existem referências sobre a laranja em um livro chinês que abordava o imperador Ta Yu de 2201 A.C. e o cultivo de pomares vem desde o ano 1000 antes da nossa era (RIBEIRO, 1992, p. 65). Se considerar que existam menções a fruta como Shu-ching no sexto século antes de Cristo (ZIEGLER, 1961) na história chinesa, porém nesta época ela tinha caráter meramente decorativo como planta de jardim. Da China, a planta teria lentamente se expandido para a África através de viajantes e fluxos migratórios, seguindo em direção ao continente europeu em 310 A.C.. Mas foi durante o período do Império Romano com o crescimento dos mercados e o aumento do fluxo de comércio, que ocorre uma expansão de pés de laranja no Sul da Europa se firmando durante a Idade Média na região. Nessa época a fruta era massivamente utilizada para fins medicinais, passando a ser adotada para consumo posteriormente, principalmente por pessoas ricas que criavam pequenas áreas de produção conhecidas como laranjais. (MORTON, 1987, p. 138)

14 5 No primeiro século D.C. a laranja, que foi designada pelos romanos como fruta indiana em razão do país de origem dos pés, foi cultivada na Palestina e no Egito a fim de alimentar o mercado de Roma, a razão disso era que a viagem entre Itália e Índia era muito longa o que fazia com que muitas das frutas estragassem e chegassem podres ao destino final. Mas não era só no Egito e no Iraque que pés de laranja eram cultivados, no sul da Europa era produzida a laranja-doce muito antes de Vasco da Gama ter chego a Índia em 1498, a evidência mais direta é uma carta escrita em 1483 por Luis XI da França que pedia pés de laranja-doce vindos de Provence para plantar em sua propriedade. (ZIEGLER, 1961) Desde Luís XIV, o Rei Sol da França, que a flor de laranjeira está na moda, tanto ao natural como para perfumes e colônias. Há na Itália uma espécie de mexerica cultivada só para fazer água-de-colônia. As casa de laranja (orangeries) do Palácio de Versalhers, que garantiam flores viçosas o ano inteiro para o rei, deram origem às casas de vegetação (estufas verdes), que os agrônomos e melhoristas do mundo inteiro hoje usam para controlas suas plantinhas e garantir seu experimento. (RIBEIRO, 1992, p. 94) No retorno de sua viagem a Portugal, Vasco da Gama levou um novo exemplar de laranja com qualidade superior a conhecida na época, que fez com que a atividade se tornasse mais profissional. O aperfeiçoamento implicou no desenvolvimento de casas especiais de cultivo, que mais tarde ficaram conhecidas como orangeries, espaços usados durante o inverno que tornava possível o cultivo nesta época do ano e no norte da Europa em função do seu clima. O pioneirismo de Portugal na atividade da laranja fez com que em 1640 a fruta proveniente do país se tornasse o tipo preferido em relação a chinesa, que era mais consumida. A entrada da fruta na América ocorreu durante o período do descobrimento em 1493 na segunda viagem de Cristovão Colombo ao continente americano, o explorador transportou exemplares de pé de limão e laranja oriundos das Ilhas Canárias para implantar nas áreas recém-descobertas. 1.1 Introdução nos Estados Unidos A expansão da laranja pelos Estados Unidos se iniciou com Ponce de Leon, conquistador espanhol considerado o primeiro europeu a visitar o estado da Flórida, e que plantou o pé da fruta pioneiro na região de St. Augustine naquele estado entre 1513 e 1565 (FLORIDA CITRUS MUTUAL, 2011) e em 1579 Menéndez noticiou que laranjas estavam ficando abundantes naquela ali (ZIEGLER, 1961, p. 98). Paralelamente a essa região, os

15 6 franceses introduziram a cultura agrícola também na Louisiana, New Orleans. Esta região em meados de 1872 geraram as sementes que foram distribuídas por todo o território da Flórida. As missões pelo estado do Arizona fizeram com que laranjais surgissem nesta área entre 1707 e Pela mesma ocasião porém mais tarde em 1769, San Diego na Califórnia recebeu exemplares que deram início aos pomares, o pioneiro deles foi a Missão de San Gabriel por volta de 1804 que atualmente é parte de Los Angeles. Algumas sementes coletadas na África do Sul durante uma viagem em 1781 geraram mudas no barco Discovery, e ao atracar em ilhas havaianas foram apresentadas a chefes tribais em Essa iniciativa fez com que a laranja fosse largamente cultivada no Havaí até ser constatada uma mosca que se alimentava do produto que culmina com o abandono da cultura no país. (MORTON, 1987, p. 189). Após a expansão no período acima pelo território americano, a laranja tornou-se o fruto mais cultivado em todo o mundo, abrangendo Extremo Oriente, África do Sul, Austrália e algumas áreas da América do Sul e Caribe. Alguns exemplos de países produtores que merecem destaque são Brasil, Espanha, Argentina, México, Egito dentre outros. Em relação aos Estados Unidos, os estados produtores são Califórnia, Texas e Arizona e outros que produzem também, mas em menor quantidade Louisianna, Mississipi, Alabama e Geórgia. Existiam alguns poucos pomares de laranja cultivados ao longo Rio St. Johns e em torno de Tampa, mas em sua maioria, os pés cresciam de maneira selvagem dentro das florestas. Isso se deve ao fato de que o solo arenoso e o clima sub-tropical serviam perfeitamente para o cultivo daquelas sementes trazidas pelos colonizadores. Para partir desse estágio primário e se tornar uma atividade comercial foram necessários 400 anos. Essa mudança de estágio ocorreu logo depois que a Espanha cedeu a Flórida para a Inglaterra em 1763 e a partir desse momento, se tornando uma colônia inglesa, ela fica submissa as regras deste país que se baseavam principalmente em trocas comerciais favoráveis aos ingleses. Isso fez com que a indústria de laranja expandisse para o Leste, gerando importância para St. Augustine. Este momento de transição foi marcante, mas é só em 1821 quando a Flórida se torna um estado americano que se fortalece a cultura da laranja. Em meio a esse período de ascensão ocorre a primeira peste, dentre muitas que ainda viriam, que ataca entre 1840 e 1870 afetando seriamente citricultura e causando prejuízo aos produtores. Quando se torna efetivamente uma atividade comercial rentável e passa receber mais atenção por parte dos agricultores que iniciaram a atividade, ao fim da Guerra Civil norte-

16 7 americana em 1865 (INFOPEDIA) a produção de citros na Flórida totalizou um milhão de caixas o que progrediu exponencialmente para cinco milhões em meados de A busca por uma bebida que fosse refrescante e saudável ao mesmo tempo por parte da população norte-americana contribuiu para a expansão da atividade, no entanto seria necessário melhorar e aumentar os meios para escoar a laranja, a solução encontrada foi investir nos meios de transporte que se tornaram mais eficazes possibilitando que novos mercados se abrissem no nordeste dos Estados Unidos. Nos anos posteriores a 1870 houve forte expansão em vista do mercado em potencial que se formava, entre 1874 e 1877 o volume total foi de 200 milhões gerando uma receita de US$ 2 milhões. O momento era perfeito para a lavoura de laranja, mais consumidores, melhor rede de distribuição, até que no dia 29 de dezembro de 1894 ocorreu a Great Freeze. Uma mudança drástica na temperatura da Flórida, que tradicionalmente tem altas temperaturas e enfrentava nesse momento uma forte queda que resultou em um severo inverno. Juntamente com esse fenômeno, vieram as nevascas que foram recordes em Tampa, Quincy entre outras cidades. A maioria dos agricultores de laranja acreditou que suas plantações iriam sobreviver a abrupta mudança, o resultado foi que de acordo com o jornal State, com uma estimativa de 2.5 milhões de caixas de laranja nos pomares, a fruta congelou. A perda direta estimada foi de US$ 2 milhões com outros US$500,000 perdido pelas companhias transportadores (CANNON, 2012, p. 67) As mudas mais novas em sua maioria foram destruídas, mas com o efeito passado e as temperaturas voltando a patamares normais as árvores mais antigas ressurgiram com flores, premeditando um recomeço. Em 7 de fevereiro de 1895, enquanto os laranjais se encontravam ainda fragilizados, os termômetros começaram a registrar novamente uma queda de temperatura até que nos dois dias seguintes atingiu níveis abaixo de zero. Porém, dessa vez não foram afetadas somente as frutas, as árvores foram destruídas inclusive aquelas mais antigas que eram o sopro de esperança para a produção daquele ano e agora, a perspectiva de uma boa colheita foi perdida. O resultado desse caos foram vários, as perdas atingiram as cifras de US$ 15 milhões e a produção do Estado caiu para caixas, ainda, o preço do acre 1 na região que no auge da produção atingiu US$1.000 agora passou a custar US$10. Sem maiores perspectivas de um recomeço naquela região, grande parte da população da Flórida caminhou rumo ao Norte do país. 1 Medida agrária utilizada para medir espaços de terra

17 8 Escureceu como uma mortalha funerária que se abateram sobre ele quando todas as árvores de fruta na Flórida, foram mortas. Eu em pé na margem do lago e via os vagões cheios da triste aparência dos homens e mulheres no seu caminho de volta ao norte. Eles haviam construído suas casas e fizeram os seus ídolos e depois, vêlos arrastados por uma noite pelas correntes frias do noroeste. Eles arriscaram tudo e perderam, agora eles estavam abandonandos e só restavam suas casas uma vez belas. (HENDLEY, 1946) Mesmo com a debandada em massa da população, alguns agricultores acreditavam que o investimento feito ali havia sido muito grande para ser abandonado persistindo na região. O resultado foi que seis anos após o desastre, em 1901 os produtores alcançaram a casa de um milhão de caixas exportadas. Somente em 1910 que a produção atingiu os níveis de précongelamento, alcançando em 1915, 10 milhões de caixas e finalmente em 1971 chegou a incrível quantidade de 200 milhões de caixas de frutas. Vários fatores têm influenciado essa mudança fenomenal. Ther é uma área muito grande, com satisfatórias condições climáticas e solo para o sucesso da produção de frutas cítricas. Áreas populosas estão relativamente perto da Flórida, tornando fácil para a comercialização da safra. O desenvolvimento de três sistemas ferroviários principais fora das linhas muitos curtas, construídos durante o século XIX, desde o transporte muito mais eficientes para a cultura do que as rotas de água anteriores oferecidas. E mais recentemente a disponibilidade de boas estradas em toda parte tem permitido o transporte por caminhão para abrir novos mercados e reduzir os custos para transportar muitos pontos. (...). Deve ser creditada com grande parte do desenvolvimento incrível de citros da Flórida, pois sem isso as ações da rápida expansão da indústria nos montes de areia da Flórida Central, dificilmente poderiam ter acontecido. (ZIEGLER, 1961, p.7) Buscando aumentar a demanda pela fruta, os produtores americanos lançam uma campanha incentivando os consumidores a beber a laranja, a razão disso é que para se produzir um copo de suco é necessário de três a quatros unidades. Buscando facilitar a extração do suco que na época era uma atividade muito trabalhosa, eles (os produtores) custearam a produção da máquina de espremer para que elas chegassem bem acessíveis as famílias americanas. Essa campanha é apresentada em um anúncio de jornal em 1916 Beba uma laranja! que dava o preço de um espremedor elétrico: 10 centavos de dólar, menos do que um maço de cigarros (RIBEIRO, 1992, p.45). O resultado foi positivo, durante a década de 1930 o consumo passou de meio litro por pessoa/ano para cinco litros pessoa/ano. (RIBEIRO, 1992) (...) em 1936, 90% das famílias americanas já tinham assimilado o costume uma verdadeira instituição nacional do suco de laranja no breakfast, o reforçado café da manhã dos americanos. Em muitas cidades, o mesmo esquema de distribuição do leite é usado para o suco, que chega à porta das casas cedinho, gelado, confiável, seguro, insubstituível.. (SICONGEL, p.1)

18 9 Visando aumentar a comercialização do produto, iniciou-se o processo de enlatamento de suco natural. Essa nova forma de apresentação do produto teve seu crescimento impulsionado com a eclosão da Segunda Guerra Mundial. Pois dessa forma facilitou-se o envio e durabilidade do produto em campos de combate, permitindo que as indústrias do setor se estabelecessem. Com o segmento se desenvolvendo e tornando mais profissionalizado, seriam necessárias melhores e novas formas de manter os nutrientes e o sabor do produto industrializado como se este tivesse sido extraído no momento em que o consumidor abre a embalagem. Para isso a Engenharia de Alimentação, após estudos, uniu as duas principais características do suco em uma única palavra, saboroma, ou seja, sabor e aroma que captam a essência da fruta, e no caso da laranja esta no óleo essencial. Comprovado que o modo concentrado era o mais viável para transporte foram necessários muitos experimentos a fim de se obter uma massa boa. Porém, quando se misturava novamente água a essa massa para o consumo, derivava uma mistura sem gosto, como disse um jornalista da época parecia um líquido amarelo com duas colheres de açúcar e uma aspirina dissolvida (SICONGEL, p. 2) Isso ocorria pelo fato que durante o processo de perda d água, o produto acabava por perder sua essência o que resultava em um líquido insosso. Para evitar que isso acontecesse se desenvolveu em 1940 o processo de hot Pack, onde o suco concentrado é embalado quente e poucos anos depois, em 1944 substitui-se a comercialização do embalado quente pelo congelado que tinha uma qualidade melhor que a anterior. A busca por um produto melhor era reflexo da ascensão social das famílias norteamericanas, o american way of life estabeleceu o suco de laranja como produto imprescindível ao breakfest. Portanto quanto mais recursos disponíveis a família teriam, mais suco de laranja ela vai consumir exigindo um produto de melhor qualidade. Essa exigência decorre principalmente daquela que administra o lar, a dona de casa, pois inicialmente ela descascava a laranja, depois ela exige um espremedor. Buscando eliminar o trabalho de limpar e lavar o utensílio ela demanda um produto que basta ser adicionada a água e está pronto para consumo. A escala final dessa cadeia é o produto pronto ao consumo, que resulta do processo de pasteurização, usado a mais de vinte anos. Instituído pelo american way of life o suco de laranja no café da manha tornou-se hábito em mais de 70% dos países que o consumem somente no período das sete as nove da manhã. (SICONGEL) O norte-americano dificilmente consome o produto em outro horário do dia, diferentemente do que acontece em países europeus que o tomam por simples prazer ou

19 10 vontade de matar a sede. Isso significa que é um produto tomado ao longo do dia, o que implicaria, teoricamente, em uma taxa de consumo maior nessa parte do mundo. (RIBEIRO, 1992) Gráfico 1: Consumo de suco de laranja no mundo em 2009 Consumo de suco de laranja no mundo (em milhões de tonelada) EUA Alemanha França Inglaterra Canadá Fonte: Citrus BR, Buscando atender essa demanda interna, existe um importante cinturão citrícola, no estado da Flórida que é o de Indian River com pomares que atingem 10 hectares, nele (e em basicamente toda as áreas produtores de laranja no país como Califórnia e Arizona) as plantações exibem pés em plena produção e também esqueletos de laranjeiras vitimadas pelas geadas. O solo é uma problemática, extremamente arenoso (95%) exige muito capital em adubos e fertilizantes, mas a pior delas é a questão da irrigação, as chuvas irregulares exigem sistemas avançados e eficazes que são altamente custosos. Mesmo enfrentando tantos problemas ambientais a indústria da laranja lutou se modernizou e prosperou contando nos dias de hoje com mais de citricultores, hectares de terra empregando pessoas direta e indiretamente mas, sempre sofreu com os efeitos das geadas (nos últimos cem anos foram contabilizadas 54) (WITT) que destruíam a safra do ano e quando mais severa algumas árvores. Nenhuma delas (1917, 1934, ) afetaram como a de 1962 que foi tão severa que chegou a ser considerada na época a pior e mais danosa a cultura da laranja. Foi esse fenômeno que abriu espaço para o Brasil dominar o mercado da fruta no lugar dos EUA. (FLORIDA CITRUS MUTUAL, 2011).

20 11... mais dramática geada da Flórida.Um momento de horror. A imagem dos laranjais secos e torcidos, enrugados de gelo e fumaça, levou dor e sofrimento aos produtores da Flórida. Diante da desgraça que vinha do céu, só lhes restava rezar e esperar. Mas a indústria americana de suco não reza, e não podia esperar. Era preciso encontrar com urgência um lugar livre de catástrofes naturais onde a laranja fosse garantida ano sim, outro também. (...) O lugar do mundo escolhido para ser o pneu estepe da Flórida foi o corredor da margem direita do Tietê, em São Paulo. O eixo Araraquara, Limeira, Matão e daí pra frente, Mina avante. O que era pra ser mero expediente de reserva acabou se tornando patente de comando. A semente jogada na beira do rio Tietê pegou com tanta força, espalhou-se por tantos Estados que hoje apenas 30 anos depois daquela geada- o Brasil é o maior produtor mundial de citros e maior exportador de suco de laranja. Entre nossos clientes preferidos, a própria Flórida, desde então dependente do Brasil para um suprimento de um dos artigos presente quase que religiosamente em seu café da manha, o orange juice. (RIBEIRO, 1992, p.7) O mercado norte-americano hoje é basicamente atendido por laranja brasileira, existem sessenta marcas que vendem o produto e todas elas recebem um percentual de suco proveniente do Brasil. E a forma pela qual o produto brasileiro atingiu essa capacidade será analisado em breve A laranja no Brasil Foi durante o período das Grandes Navegações que a atividade citrícola se inicia no Brasil, durante as viagens que duravam meses, até anos várias doenças dizimavam grande parte dos funcionários dos barcos. O escorbuto era uma delas que causa principalmente hemorragias e inchaços, as pessoas que apresentam essa doença se encontram no estágio de carência da vitamina C. Essa vitamina é essencial para o funcionamento do metabolismo, também fornece antioxidante que auxilia o corpo no combate a outras doenças. (ENCICLOPÉDIA DA SAUDE, 2010). Buscando diminuir essa taxa de mortalidade e assegurar que ao chegar a novas terras existisse quantidade de mão de obra suficiente, em 1501 os portugueses trouxeram as primeiras mudas de laranja para o Brasil, tendo origem espanhola, e sendo importante fonte de Vitamina C, necessária para curar o escorbuto. Inicialmente, a citricultura desenvolveu-se mais nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia (MATTOS JUNIOR, 2005, p. 6). em 1540, já existiam laranjais espalhados pelo nosso litoral, de norte a sul. A mais antiga referência a esse respeito menciona a presença de citrinas em produção na região de Cananéa, litoral sul de São Paulo, naquela data. Gabriel Soares 2, chegado à Bahia em 1567, ali viu e descreveu laranjeiras em produção. (RODRIGUEZ, 1991, p. 2). 2 Era filho de Portugal, passou à Bahia em 1570, fez se senhor-de-engenho e proprietário de roças e fazendas em um sítio entre o Jaguaribe e o Jequiriçá. (SOUZA, 1851, p. 12).

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A FRUTICULTURA DE MESA BRASILEIRA Importância: 73% do volume de produção brasileira se destinam

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Dinâmica da Produção e Circulação da Citricultura no Município de Rio Real Bahia de 1980-2009

Dinâmica da Produção e Circulação da Citricultura no Município de Rio Real Bahia de 1980-2009 Dinâmica da Produção e Circulação da Citricultura no Município de Rio Real Bahia de 1980-2009 Simone de Lisboa Santana 1 symonelysboa@hotmail.com Prof. Robson Lins² rolcaverna@hotmail.com Resumo O Brasil

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS RESUMO Aline Vitti Renata Elise Gaiotto Sebastiani Cinthia Antoniali Vicentini Margarete Boteon Este trabalho buscou avaliar

Leia mais

ESTIMATIVA DA SAFRA DE LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO

ESTIMATIVA DA SAFRA DE LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO ESTIMATIVA DA SAFRA DE LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO 2 2 ÁRVORES DE LARANJA EM POMARES ADULTOS POR REGIÃO 1 ÁRVORES DE LARANJA EM POMARES EM FORMAÇÃO POR

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS. Antonio Juliano Ayres

RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS. Antonio Juliano Ayres RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS Antonio Juliano Ayres ETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS - Cenário Atual - Inventário de Árvores - Estimativa de Safra - Tendências

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

Safra 2013/2014. Primeira Estimativa. Maio/2013. São Paulo e Triângulo Mineiro. Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1

Safra 2013/2014. Primeira Estimativa. Maio/2013. São Paulo e Triângulo Mineiro. Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1 Safra 2013/2014 Primeira Estimativa São Paulo e Triângulo Mineiro Maio/2013 Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Companhia Nacional de

Leia mais

5.4 - Frutas Cítricas

5.4 - Frutas Cítricas 93 5.4 - Frutas Cítricas Os principais países produtores de citros, segundo a FAO, são China, Brasil e Estados Unidos, seguidos por México, Espanha e Itália. Entretanto, por espécie o Brasil é destacadamente

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Nali de Jesus de Souza Esse livro do Banco Mundial (São Paulo, Editora Futura, 2003), supervisionado por

Leia mais

SUGESTÃO EDITORIAL. Sucos naturais impulsionam o mercado. SIG Combibloc. Produção natural, a chave do sucesso

SUGESTÃO EDITORIAL. Sucos naturais impulsionam o mercado. SIG Combibloc. Produção natural, a chave do sucesso SIG Combibloc SUGESTÃO EDITORIAL Sucos naturais impulsionam o mercado São Paulo, Maio de 2010. Graças aos novos hábitos de consumo, os sucos naturais estão se tornando um importante segmento de mercado.

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

O poderio norte-americano

O poderio norte-americano A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O poderio norte-americano Nesta aula vamos estudar os Estados Uni- dos da América, a mais importante economia nacional do planeta, e o Canadá, seu vizinho,

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial São Paulo, 09 de junho de 2011. CONSUMO QUADRO GERAL O suco de laranja representa

Leia mais

BEBIDAS VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007. Tagore Villarim de Siqueira*

BEBIDAS VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007. Tagore Villarim de Siqueira* VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007 Tagore Villarim de Siqueira* * Economista do Departamento Regional Nordeste do BNDES. Nota: As principais fontes dos dados utilizados neste trabalho foram as seguintes:

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura Instrumento de Defesa Sanitária Programa de Seguro Sanitário da Citricultura 1 Reportagem com comentários do Dr. Lourival Monaco e Dr. Juliano Ayres do FUNDECITRUS O setor produtivo e pesquisadores estimam

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

No caminho da logística

No caminho da logística 12 No caminho da logística Cesar Borges de Souza Vice-presidente da Caramuru Alimentos Klaus Kleber, de São Paulo Com fábricas e fornecedores muito longe do litoral, a Caramuru Alimentos, a maior empresa

Leia mais

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.!

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.! Índice Históriadocafé...3 Espéciesbotânicasdecafé...5 OProcessodeTorrefaçãoeMisturadocafé...7 MoagemdoCafé...9 MáquinasdeCafé...10 QueCaféComprar?...11 Qualamelhorformadeguardarocafé?...13 Caféinstantâneo...14

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

Impacto da seca e da economia no setor de HF em 2015

Impacto da seca e da economia no setor de HF em 2015 Impacto da seca e da economia no setor de HF em 2015 Renata Pozeli Sábio Msc.Larissa G. Pagliuca Letícia Julião João Paulo Deleo Cepea março/2015 Pesquisadores da Hortifruti Brasil/Cepea Agenda Projeto

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Marcus

GEOGRAFIA. Prof. Marcus GEOGRAFIA Prof. Marcus Migração e xenofobia Migração Trata-se de um fluxo de pessoas. Existe por diversos motivos, como: Fluxos globais, regiões superpovoadas, desemprego, desorganização, desigualdade,

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

Comunicação. As flores da Bahia

Comunicação. As flores da Bahia As flores da Bahia Andréa Mendes Sampaio Scherer* O mercado de flores O mercado de flores movimenta hoje algo em torno de US$ 64 bilhões por ano. Dois terços dele pertencem à Holanda. Apesar de crescente,

Leia mais

AMANDA GRANDE ALVES RA: A7607C2 GABRIELA DE OLIVEIRA LIMA RA: A819IB0 JOSÉ RICARDO DE ARAÚJO FILHO RA: A941018

AMANDA GRANDE ALVES RA: A7607C2 GABRIELA DE OLIVEIRA LIMA RA: A819IB0 JOSÉ RICARDO DE ARAÚJO FILHO RA: A941018 AMANDA GRANDE ALVES RA: A7607C2 GABRIELA DE OLIVEIRA LIMA RA: A819IB0 JOSÉ RICARDO DE ARAÚJO FILHO RA: A941018 VANESSA LAÍS BARBOSA DE CASTRO RA: B048638 A GRANDE DEPRESSÃO São Paulo Maio 2011 AMANDA GRANDE

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial Capítulo 8 Educador: Franco Augusto EUA: Processo histórico Colônia de povoamento (Reino Unido, em especial a Inglaterra) A ocupação da costa do Atlântico foi baseada

Leia mais