O CANAL DE NAVEGAÇÃO LAGUNA A PORTO ALEGRE 2 INTRODUÇÃO 2 1) VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES NO BRASIL AGRÁRIO 2 2) O PROJETO DA CONSTRUÇÃO DO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CANAL DE NAVEGAÇÃO LAGUNA A PORTO ALEGRE 2 INTRODUÇÃO 2 1) VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES NO BRASIL AGRÁRIO 2 2) O PROJETO DA CONSTRUÇÃO DO"

Transcrição

1 O CANAL DE NAVEGAÇÃO LAGUNA A PORTO ALEGRE 2 INTRODUÇÃO 2 1) VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES NO BRASIL AGRÁRIO 2 2) O PROJETO DA CONSTRUÇÃO DO CANAL LAGUNA A PORTO ALEGRE 4 3) A CONSTRUÇÃO DO TRECHO CATARINENSE DO CANAL 11 REFERÊNCIAS 15

2 O CANAL DE NAVEGAÇÃO LAGUNA A PORTO ALEGRE LUIZ CLAUDIO DE FREITAS 1 INTRODUÇÃO O presente artigo discute e analisa o projeto de construção do canal de navegação entre Laguna e Porto Alegre apresentado em 1879 pelo engenheiro Eduardo José de Moraes, o Canal Príncipe Dom Affonso. O texto está dividido em três partes: (1) uma introdução sobre a navegação fluvial e seu desenvolvimento no Brasil; (2) como estava estruturado o transporte de navegação em Santa Catarina, e (3) o desenvolvimento do Canal de navegação Laguna-Porto Alegre. O projeto do Canal Laguna-Porto Alegre se insere dentro de um contexto que, na segunda metade do século XIX, foi um momento de estímulos à navegação. O projeto previa a ligação entre as lagoas existentes ao longo do litoral sul-catarinense até o Rio Grande do Sul. Com o tempo, o projeto passou por várias modificações. Foi concluída tão-somente a sua primeira parte, em 1920, chegando até a cidade de Jaguaruna. 1) VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES NO BRASIL AGRÁRIO A navegação e ferrovia formavam a base dos transportes no Brasil da segunda metade final do século XIX até a execução das políticas destinadas ao sistema rodoviário na década de Com a expansão do complexo cafeeiro houve uma pressão sobre a estrutura dos transportes, exigindo modificações, pois os mesmos apresentavam entraves para a acumulação capitalista no país. Através de concessões e garantias de juros o Estado estimulava investimentos nessas áreas, sendo que muitas vezes o próprio Estado teve que intervir diretamente em algumas empresas. As condições externas apresentavam favorável nesse período garantido pela Pax Britânica e a Haute Finance. 2 São algumas característica importantes desse período: a) a bases geográficas das economias centrais tornaram-se mais amplas; b) a Inglaterra deixou de ser a única potencia industrial; c) concentração e centralização de capital 3. E foi nesse contexto que o Brasil intensificou a sua inserção no mercado mundial por meio da divisão internacional do trabalho como uma economia que se especializava no abastecimento de produtos primários para os países centrais. 1 Acadêmico do Curso de Economia da Unesc. Pesquisa orientada pelo prof. Dr. Alcides Goularti Filho. Financiada pelo CNPQ/FAPESC e Art POLANIY, Karl. A grande transformação: das origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus, HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios Rio de Janeiro: Paz e Terra,

3 Foram incorporadas ao transporte brasileiro algumas inovações trazidas ainda pela Primeira Revolução Industrial como a ferrovia, grandes navios, o vapor, enfim, dando mais agilidade à circulação de mercadorias. Na Primeira República, houve uma expansão dos transportes provocada pela diversificação do capital cafeeiro e a penetração acentuada do capital estrangeiro 4. Novos portos foram construídos, e outros melhorados, como os de Santos, Rio Grande e Pará, novas companhias de navegação foram ampliadas, como a Lloyd Nacional, que foi a pioneira na navegação transoceânica, e houve uma expansão ferroviária. Na navegação fluvial, tentou-se construir canais que ligassem rios, possibilitando a comunicação de regiões importantes e melhorar vias existentes que não permitiam a navegação dos novos barcos, com ajuda de uma draga e outros equipamentos, constituindo também companhias responsáveis pela navegação interior. O início do século XX foi o período de maior expansão ferroviária, chegando a quase todos os Estados da Federação, ligados às atividades locais ou ao abastecimento das regiões produtora de café, que concentravam 59,0% dos trilhos 5. A via marítima, apesar de problemas relacionados à manutenção e ao melhoramento dos portos, estava sempre em crescimento, quando ainda os trilhos não podiam substituir essa via. Mas a via fluvial sofreu a concorrência direta da ferrovia, havendo um decréscimo deste tipo de transporte, como se vê no sistema conjugado existente entre a ferrovia Paulista em relação ao Rio Mogi Guaçu, a Sorocabana ao Piracicaba e ao Tiête, a Rede Sul Mineira ao Rio Grande, a Estrada de Ferro Santa Catarina ao Itajaí-Açu, que foram malogrados devido à preferência pela ferrovia. Segundo Matos: A não adaptação da rede fluvial a condições de circulação, mais eficiente, implicou no abandono cada vez maior dessa pequena e quase primitiva navegação fluvial, a ponto de desaparecer completamente. 6 Houve uma a progressiva decadência da navegação fluvial, permanecendo apenas nas regiões onde as dificuldades eram grandes para implantação de outra via, como a região do Amazonas. A Revolução de 1930 inaugurou um período de maior participação estatal na economia. Em 1934, foi aprovado o primeiro Plano de Viação Nacional. A infra-estrutura da economia passou por grandes modificações a partir da década de 1950, e os grandes investimentos no setor dos transportes concentraram-se mais nas rodovias em detrimento das outras modalidades, principalmente da ferrovia e da navegação fluvial. 4 SAES, Flavio Azevedo Marques de. A grande empresa de serviços públicos na economia cafeeira São Paulo: Huncitec, BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas Francisco Sá no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1924, p. 07. Disponível em: Acesso em 4 de out MATOS, Nogueira de, Historia geral da civilização Brasileira: O Brasil monárquico. 5ª ed. Rio de Janeiro: BCD União de editoras S.A, 1997, v. 4º. 59p 3

4 2) O PROJETO DA CONSTRUÇÃO DO CANAL LAGUNA A PORTO ALEGRE O presente artigo tem como foco o estudo do canal de navegação projetado no último quartel do século XIX que ligaria as cidades de Laguna a Porto Alegre através de rios e lagoas existentes ao longo do litoral de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Canal cujo projeto foi malogrado com o tempo e que serve hoje para entendermos certas transformações que caracterizam as opções da política de transporte no Brasil no século XIX e no início do XX. A idealização do referido canal era resultado da nova dinâmica da economia nacional, atrelada à expansão da economia cafeeira em meados do século XIX. A idéia de criar canais de navegação vinha como alternativa de uma via de transporte para pôr em contato regiões produtoras de bens importantes para economia nacional. Assim, o projeto do Canal de Laguna a Porto Alegre se insere no contexto de elaborações de estudos e planos para resolver o problema das vias de comunicação no País. Esses planos e estudos eram realizados por engenheiros ligados indiretamente ao governo, e não pelo ministério responsável pela viação e obras públicas. Tais planos eram estimulados pelo interesse do governo em promover vias de comunicação, mas nos quais se colocava apenas como árbitro, com uma participação sutil através de concessões e garantias de juros. Foi nessa euforia que surgiu o projeto do Canal de Junção da Laguna a Porto Alegre, elaborado pelo tenente-coronel do Corpo de Engenheiros Eduardo José de Moraes em 1879, o mesmo que já tinha promovido o Plano Morais de 1869, que previa a integração do País através da conjugação entre o meio fluvial e a ferrovia 7. O Canal era uma resposta para ligação do sul do País através da conexão de seus principais centros da região. O projeto do Canal se baseava nos relatórios feitos isoladamente pelas províncias do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, que Moraes reproduz dentro de seus estudos. Por parte do Rio Grande do Sul, Moraes se baseia no relatório entregue ao presidente da província no ano 1856, elaborado por uma comissão formada pelo engenheiro major José Maria Pereira de Campos e o 1º tenente Jerônimo Francisco Coelho Junior a fim de investigar a possibilidade e meios de comunicar as lagoas da Província do Rio Grande, com o fim de facilitar e ampliar a navegação interna até Porto Alegre 8. Esse relatório continha uma descrição detalhada das lagoas existentes ao longo do litoral e mostrava que não haveria maiores dificuldades para pôr em contato essas lagoas em comunicação entre si. Quanto a Santa Catarina, Moraes se deteve no ofício entregue ao seu presidente da província no ano de 1868, elaborado pelo engenheiro Rodolfo von Brause a fim de verificar a possibilidade de ligar as lagoas e os rios existentes de Laguna até 7 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. Planos de Viação: evolução histórica ( ). Brasília: Conselho Nacional dos Transportes, MORAES, Eduardo José de. Canal de junção da Laguna a Porto Alegre: memória justificativa de seu projeto. São Paulo: Tipografia de Jorge Seckler, 1879, p. 12 4

5 o Rio Mampituba, divisa com o Rio Grande do Sul. Também esse relatório tinha um parecer positivo quanto à realização desta obra. Portanto, anteriormente ao projeto já havia o interesse pelas duas províncias de explorar seus meios hidrográficos, dada a disposição natural dos rios e das lagoas. Então, foi a partir da sistematização desses estudos que Moraes propôs um canal de junção entre Laguna a Porto Alegre, tento em vista o interesse de ambas as províncias, pois mesmo depois desses levantamentos nada de concreto tinha se realizado, e a idéia de uma ligação fluvial entre os Estados de Santa Catarina e o Rio Grande do Sul era desacreditada pela insuficiência dos estudos até então realizados, como pode ser notado no relatório do Estado de Santa Catarina: Não há estudos sérios e conscienciosos sobre esse fato, que por isso torna-se problemático, nenhum trabalho de balizamento existe, nem se sabe que despesa seria preciso pra realiza-o.9 Apenas em Santa Catarina foi editada a Lei nº 636 de 28 de maio de 1870 a fim de conceder privilegio a quem melhores condições oferecessem para abertura de um canal entre a cidade da Laguna e a Freguesia do Araranguá 10. Chegou-se até a organizar a Companhia Fluvial Lagunense por empresário particular, mas a concessão, por falta de recursos, acabou caducando. E por parte do Rio Grande, após a troca de presidente da província, não houve tanto interesse na questão. E por isso, Moraes, como defensor do transporte fluvial, procurou resolver o problema de comunicação do extremo sul do Brasil. O projeto envolvia todo o litoral da região do sul de Santa Catarina e o norte do Rio Grande até Porto Alegre. A região sul de Santa Catarina tinha Laguna como centro, devido à colonização, onde a região contava com aspectos naturais para o estabelecimento de povoamento, principalmente pelo fato de ter uma enseada que permitia a entrada de navios com segurança. Essa característica persistia ainda no final do século XIX, e o porto se apresentava como o único ponto de contato com o centro do País. A região do extremo sul catarinense no período do projeto era formada, além de Laguna, basicamente pela região de Tubarão e o Vale do Araranguá, onde o governo começava a fazer o trabalho de demarcação de terra para fixação de imigrantes, que mais tarde formariam os vários núcleos coloniais de Criciúma, Nova Veneza, Urussanga e outros. Essa região é situada entre a Serra Geral e o oceano, sendo cortada por vários rios; os principais eram os Rios Tubarão, Urussanga, Araranguá e Mampituba, e contava com uma série de lagoas, com destaque para Laguna pelo seu complexo lagunar, como também as Lagoas do Sombrio e Caverá, em função da extensão. Era uma região parcamente povoada, com uma produção quase de subsistência, que exportava seus excedentes pelo porto de Laguna. E com o aumento de excedentes, 9 SANTA CATARINA. Relatório apresentado pelo 2º Vice-Presidente de Santa Catarina Manuel do nascimento da Fonseca Galvão ao Presidente André Cordeiro de Araújo Lima em 3 de janeiro de Desterro: Tipografia J. J. Lopes, 1870, p MORAES, Eduardo José de. Canal de junção da Laguna a Porto Alegre: memória justificativa de seu projeto. São Paulo: Tipografia de Jorge Seckler, 1879, p

6 provocado pela crescente demanda no centro do País, o mecanismo de exportação encontrava entrave nos meios de transporte, como podemos observar na citação de Moraes: para conduzir mantimentos do Araranguá até a Laguna é preciso ser em carretas, sendo o transito longo (principalmente pela praia) e penoso pelos maus caminhos 11. No Rio Grande, a situação não se diferenciava muito, apenas por estar ligado a Porto Alegre e, diferentemente da região catarinense, na sua maioria cortada por rios, era formada por lagoas extensas como as de Itapeva e dos Barros, com 90 e 40 km, respectivamente. Contava com os já municípios: Rio Grande, Pelotas e Jaguarão, Santo Antônio da Patrulha e Conceição do Arroio. Portanto, eram esses os aspectos gerais que caracterizavam as regiões dos dois Estados antes da elaboração do projeto. Contudo, o projeto deste canal tinha como base aproveitar as condições hidrográficas oferecidas pela região. O desenvolvimento geral do canal proposto tinha como ponto de partida a margem direita do rio Tubarão, no Estado de Santa Catarina até a foz do rio Capivari, na Lagoa dos Patos [...] paralelo à direção da costa do oceano, com um total de 304 km 12. Ao todo, o Canal se dividia em 188 km de navegação livre, em 83km exigiam-se melhoramento, e 33 km exigiam a abertura de desvios ou construções de canais, ou seja, cerca de 10% a construir. O canal também era dividido em duas grandes partes, ficando entre o norte e o sul do Rio Mampituba, divisa dos dois Estados e também em quatro seções a concluir: (1) da Laguna ao Rio Araranguá, (2) do Rio Araranguá ao Mampituba, (3) do Rio Mampituba à Lagoa do Barros e, (4) da Lagoa dos Barros à foz do Rio Capivari, na dos Patos. A primeira seção, de Laguna ao Rio Araranguá, contaria com o desenvolvimento de 65 km, passando pelos Rios Tubarão, Congonhas, Sangão, Miguel Rabelo, Urussanga, Cocal e dos Porcos, até a sua confluência no Araranguá, sendo ligados através de cinco canais artificiais, com cerca de 14 km. A relação entre a extensão total da seção e a total a construir era de 22%, a mais forte em todas as seções do canal, portanto a seção que precisaria de maiores serviços. Do Rio Araranguá ao Mampituba, o desenvolvimento seria de 76 km, passando pelas Lagoas da Serra, do Caverá e do Sombrio, e mais os sangradouros destas lagoas. Nesta seção, não haveria a necessidade de canais, apenas a desobstrução e a limpeza de seus sangradouros. Na terceira seção, do Rio Mampituba à Lagoa dos Barros, com um desenvolvimento de 124 km, atravessando grandes lagoas, do Forno, Itapeva, Quadros, Palmitar e Pinguela, Negra, do Peixoto, do Marcelino e finalmente a dos Barros, era necessária a abertura de três canais artificiais, com 10 km de comprimento. 11 Ibidem, p MORAES, Eduardo José de. Pedido de privilegio do canal de junção da Laguna a Porto Alegre. Rio de Janeiro: Tipografia Montenegro, 1886, p

7 Na ultima seção, da Lagoa dos Barros à foz do Rio Capivari, na dos Patos, a extensão desta seção é de 42 km. Contaria com a construção de um canal de cerca de 8 km, através de uma variante entre a Lagoa dos Barros e o Rio Gravataí, que deságua acima e perto de Porto Alegre. Quadro 1: Seções do Canal Laguna a Porto Alegre (em km) Seções Livre Melhoramentos fluviais Canais a construir Total Da Laguna ao Araranguá 44,7 6,0 14,30 65 Do Araranguá ao Mampituba 37,6 38,5-76 Do Mampituba à Lagoa dos Barros 105,4 5,5 10, Da Lagoa dos Barros à dos Patos - 33,0 8,58 42 Total ,0 304 Fonte: MORAES, Eduardo José de. Canal de junção da Laguna a Porto Alegre: memória justificativa de seu projeto. São Paulo: Tipografia de Jorge Seckler, 1879, p. 11. O canal proposto era destinado à pequena navegação a vapor, tendo que ser preenchida em todo o trajeto uma profundidade mínima de 2 metros, com 14 metros de largura para barcos de 1,6 metros de calado e até 5 metros de largura, permitindo a passagem de dois barcos ao mesmo tempo, mas que colocava a possibilidade de ampliar o projeto para barcos maiores. Os melhoramentos fluviais consistiam em retificação de curvas agudas dos rios e sangradouros das lagoas, desobstrução de bancos destes sangradouros, seu alargamento e aprofundamento, e para construção dos canais haveria o serviço de abertura na mata através de derrubadas e roçadas, o processo de extração de terras e também a construção de obras classificadas como simples, como bueiros, valetas longitudinais e outras mais complexas, como a construção de comportas. Além desses serviços, seriam necessários a dragagem constante, a construção de cais, trapiches ou armazéns, pontes e estações, e os vapores usados seriam rebocadores, saveiros ou chatas de ferro e sobressalentes. Enfim, uma obra de grandes proporções, para a qual o projeto previa oito anos para sua conclusão com uma despesa total de 3.000:000$000 para uma via utilizável por barcos pequenos. Alguns fatores que justificavam esta grande obra eram o de ligar os dois principais centros da região, as disposições naturais dos rios e canais, a baixa relação entre os canais a construir e a extensão total atingida pelo canal. Pode-se perceber o entusiasmo de Moraes em relação a esses meios hidrográficos: As condições de situação da linha do canal são as mais favoráveis, não só por nela compreender-se um desenvolvimento de rios, lagoas e sangradouros naturalmente navegáveis, medindo quase 90% de sua extensão total, como por se apoiarem os seus pontos extremos nas duas grandes lagoas, a denominada Laguna (...) e a dos Patos (...) 7

8 que se acha em comunicação com o oceano. Além disso, a posição das outras lagoas intermediarias, admiravelmente dispostas em relação a linha do canal, proporcionarão magníficos portos e ancoradouros aos navios que tiverem de o freqüentar e servirão, com grande proveito à navegação que nele for estabelecida. 13 E também, mais que apenas colocar em contato Laguna e Porto Alegre, que já se comunicavam por via marítima, estava em vista desenvolver vias de comunicação para regiões interiores que ficavam nos pontos intermediários do canal. Segundo Moraes, um dos objetivos era dotar de meios de comunicação e transporte a toda região por onde se desenvolve o seu traçado, a qual até hoje se acha deles privada e também servir ao estabelecimento de imigrantes 14. Outro fator que justificava a construção do canal eram os problemas nas barras dos rios de acesso da região, que não permitiam uma comunicação pela orla marítima de outras localidades mais ao interior, como as barras dos Rios Urussanga, Araranguá e Mampituba. Se as entradas destas barras não tivessem problemas, segundo Moraes, o projeto do canal apresentado não teria nenhuma razão de ser 15. O Rio Araranguá era o que apresentava melhores condições da região intermediaria do canal, onde se desenvolveu uma pequena navegação pelo seu porto, mas que acabou sendo considerada impraticável pelas grandes dificuldades que as embarcações enfrentavam para conseguir entrar na barra. Porém, o problema nas barras se estendia também a Laguna e ao Rio Grande, pois ambos enfrentavam dificuldades na praticagem nos canais de acesso. A barra de Laguna permitia somente acesso a navios de pequeno calado. Já a barra do Rio Grande contava com um canal que permitia a entrada de navios de grande calado, mas que também sofria com problemas constantes de assoreamento. Portanto, a partir dessa situação o projeto abria a possibilidade, se não fosse possível o melhoramento destas barras, de construir um porto em Torres, o qual já foi objeto de estudo por outros, mas o que julgava mais satisfatório era estender uma linha férrea até o Porto de São Francisco do Sul, com intuito de aproveitar o melhor porto do Estado e também integrar todo o litoral catarinense. As idéias do projeto não paravam por aí, ele previa também que, com a conclusão da linha férrea entre Porto Alegre e Uruguaiana, e o desenvolvimento da região compreendida pelo canal já estabelecido há algum tempo, poderia ser construída a Estrada de Ferro D. Pedro I, à qual foi decretada concessão em 1871 e que se estendia paralela à linha do canal estudado, porém não tinha saído do papel na época da realização do projeto. 13 MORAES, Eduardo José de. Canal de junção da Laguna a Porto Alegre: memória justificativa de seu projeto. São Paulo: Tipografia de Jorge Seckler, 1879, p Ibidem p MORAES, Eduardo José de. Pedido de privilegio do canal de junção da Laguna a Porto Alegre. Rio de Janeiro: Tipografia Montenegro, 1886, p

9 Pela importância que já deveria ter adquirido a região compreendida entre a vila do Mirim e Porto Alegre, com o trafego do canal, teria então razão de ser a construção da maior parte da projetada estrada de ferro D. Pedro I. 16 Isso resolveria um eventual problema nas barras e promoveria a integração da região desde o norte do Estado de Santa Catarina até o Rio Uruguai, fronteira com a Argentina, com um desenvolvimento total de km de linha férrea e após também um prolongamento de Jaguarão, no extremo sul do riograndense, até Montevidéu, no Uruguai, com fim tanto estratégico militar quanto comercial. Portanto, outra justificativa para a construção do canal estava em substituir num primeiro momento a Estrada de Ferro D. Pedro I, que, por sua vez, tinha sua concessão caduca. O seu trajeto era entre as capitais dos dois Estados, o que pretendia também resolver o problema de comunicação do sul do País, mas, segundo Moraes, era obra precipitada por enfrentar grandes dificuldades técnicas e econômicas que não compensariam a sua realização devido à baixa rentabilidade obtida após a sua conclusão. Essa baixa rentabilidade se devia ao fato de seu traçado estar em uma região sem expressão econômica, que contava com apenas uma pequena produção de produtos primários básicos de baixo valor, na qual o frete cobrado pela estrada de ferro para cobrir seus custos seria muito caro para aqueles produtores, que prefeririam continuar com seu antigo transporte. Então, a alternativa apontada era a construção primeiramente de uma via mais barata, como podemos ver nessa passagem de Moraes: do que mais necessita o país e que ele tanto reclama, é antes a existência de vias de comunicação que oferecerão transporte fácil e barato aos gêneros de sua produção e aos de importação, do que a grande velocidade com que estes podem ser transportados 17. Moraes defendia sempre a idéia do aproveitamento dos meios fluviais por serem naturais e menos dispendiosos, e via a estrada de ferro como um auxiliar da linha de navegação aonde essa não podia chegar. Comprovou em seu estudo que o capital necessário para realização do canal seria cinco vezes menor que a ferrovia, e com isso se teria um frete mais acessível. Essa posição de aproveitamento das condições fluviais era um contraponto à idéia dominante na época, na qual a estrada de ferro era vista como a única solução para os transportes, como se percebe num trecho do artigo de um jornal citado por Moraes: a estrada de ferro não é tudo, não pode ser tudo, não deve se tudo 18. Nota-se que a política era oposta a uma articulação aos meios de transportes, e a proposta de Moraes era a manifestação da negação desse modelo, que se apresentava incoerente e inconsistente aos estabelecimentos de ferrovias em qualquer região do País, que em sua maioria não apresentavam 16 MORAES, Eduardo José de. Canal de junção da Laguna a Porto Alegre: memória justificativa de seu projeto. São Paulo: Tipografia de Jorge Seckler, 1879, p Ibidem p MORAES, Eduardo José de. Pedido de privilegio do canal de junção da Laguna a Porto Alegre. Rio de Janeiro: Tipografia Montenegro, 1886, p

10 condições econômicas para sua realização, privando esses locais de transportes mais eficientes e concentrando-os nas regiões centrais. Essa negação pode ser vista não como força capaz de influenciar na formação das vias de comunicação, mas sim como uma linha de resistência baseada na falência de projetos e obras. Primeiramente, a Estrada de Ferro D. Pedro I não pôde ser viabilizada nessa região periférica, e o outro ponto que serve para esse caso é a Estrada de Ferro Dona Tereza Cristina, que foi motivada pelo interesse do carvão na região sul de Santa Catarina, mas que, após se constatar que o carvão era de baixa qualidade, automaticamente com perda dessa mercadoria, a estrada entrou em uma letargia até a nova fase de exploração de carvão. No entanto, mesmo com argumentos fortes e até mesmo com consciência de alguns governantes, o problema dos transportes era condicionado pela própria configuração da economia nacional, a qual consistia em uma ideologia liberal que tinha por base a livre alocação dos recursos, o que pode ser ilustrado através da política de concessões do governo, descrita pelo próprio relatório do Ministério da Agricultura transcrito por Moraes: As concessões em vigor não têm a vista senão o imediato interesse dos empresários, e é só por feliz coincidência, não por efeito de um plano, que algumas se coadunam aquele pensamento. Em regra, eles não so se não preocupam de concorrer para a realização desse projeto, mas nem buscam acordar a atividade agrícola onde se não acha organizado. O natural interesse induz os empresários a procurarem ligar pelo mais curto e fácil traçado os centros de produção aos de consumo e dai resulta que no o futuro é não poucas vezes sacrificado aos cálculos interesseiros do presente. 19 Com isso, o caráter de desenvolvimento desarticulado e desintegrado dos transportes já se mostrava presente em meados do século XIX, quando configurou o seu desenvolvimento posterior até o final da Primeira República, em que a posição compartilhada por Moraes e outros não se confirmou. O desdobramento do projeto é a forma aparente do movimento geral do desenvolvimento dos transportes nacionais. Após o projeto realizado, Moraes providenciou um pedido de privilégio de concessão, destacando as conclusões a que chegou em seu estudo, e conseguiu obter através do Decreto de 4/9/1887 a concessão para a companhia que organizou para construção do canal, que passou a se chamar Canal Príncipe D. Afonso. Mas vista a impossibilidade de o engenheiro conseguir concretizar tal projeto, a concessão foi transferida para a companhia francesa Societé Anonyme de Travaux et D Entreprises au Brésil através do Decreto de 11/10/1888, que encontrou dificuldades no cumprimento de itens do contrato. No início do período republicano, na Societé nada se tinha realizado, tendo prorrogado por mais seis meses o prazo para o início dos estudos definitivos do canal através do Decreto 1062 de 22/11/1890 e que agora se denominava Canal da Laguna a Porto Alegre. No mesmo ano, o privilégio foi transferida a 19 MORAES, Eduardo José de. Canal Príncipe D. Afonso. Rio de Janeiro: Tipografia Montenegro, 1887, p

11 outra companhia, a Companhia Industrial e de Construções Hidráulicas através do Decreto 1.078, a qual chegou a concluir alguns estudos, mas que também não se efetivaram. Nota-se a dificuldade que uma empresa privada tinha de executar uma obra de certa envergadura numa região periférica, mesmo que menos custosa em relação a uma ferrovia. E no desenrolar da década de 1890, não se verificou mais nenhuma medida em relação ao projeto. Pois era uma época de maior penetração do capital estrangeiro e início da maior expansão ferroviária ocorrida no País, sendo o transporte fluvial cada vez mais relegado ao passado. O próprio Estado do Rio Grande do Sul, através do melhoramento de seu principal porto e assumindo uma dinâmica interna autônoma, perdeu o antigo interesse de articulação com Santa Catarina. E assim se encerrou a idéia original do projeto do Canal Laguna a Porto Alegre em seu último suspiro em 1890, caindo cada vez mais no descrédito na mesma medida que o transporte fluvial. 3) A CONSTRUÇÃO DO TRECHO CATARINENSE DO CANAL Na década seguinte, se aprofundou a perda do interesse de ligação do litoral sul catarinense com o litoral norte do Rio Grande do Sul devido à integração interna do Rio Grande do Sul assim como a queda da importância das atividades comerciais em Laguna para o sul do País. Mas o problema de comunicação entre as regiões interiores dos Estados ainda persistia, e eles teriam que se responsabilizar em saná-los. Vamos nos prender às medidas tomadas por Santa Catarina para dar continuidade à antiga concessão, preservando a parte que correspondia ao seu território, e, por parte do Rio Grande do Sul, as soluções tomadas se desprendiam do projeto original, este não sendo mais citado como referência para resolver o seu problema de integração de seu território. Em Santa Catarina, os problemas de vias de comunicação se tornavam cada vez mais urgentes, nos quais o processo de povoamento com a fundação de novas localidades e núcleos coloniais e uma maior diversificação da produção agrícola pressionavam para a criação de vias de comunicação mais eficientes. As localidades compreendidas mais ao sul de Laguna, como Urussanga, Criciúma, Nova Veneza, Araranguá, etc., sofriam com as dificuldades de transportar seus produtos por ficarem longe de Laguna, que, por sua vez, contava com uma linha férrea que chegava apenas às regiões das minas existentes no período, e, além disso, para tais mercadorias os valores cobrados eram altos. Em torno disso e com base na antiga concessão do canal, o Estado de Santa Catarina resolveu encampar a construção do canal da parte do seu território. Sob a direção de uma comissão delegada pelo governo do Estado de Santa Catarina, foram realizados os estudos definitivos do primeiro trecho entre os Rios da Madre e Sangão até Jaguaruna, e a partir de 9 de julho de 1908, foram realizados os primeiros trabalhos para a construção do canal, o qual se pretendia 11

12 agora chegar até o Mampituba 20. Mesmo com avanços obtidos por Santa Catarina, era presente a dificuldade da realização de tal projeto sem ajuda do governo federal, o qual tinha preferência pela ferrovia, o que pode ser visto nesta reclamação do engenheiro-chefe da comissão: Julgo esse canal de tanta importância que me parecia que o Governo Federal deveria intervir com mais eficácia, a fim de lhe dar maiores proporções e presteza em sua conclusão, pois, se o Governo Federal despende em viação terrestre para colonização, não haveria inconveniente de, para o mesmo fim e em terrenos fertilíssimos, despender na viação marítima ou fluvial 21. Essa dificuldade na realização do canal era sentida pela lentidão do processo de construção, que se arrastava pelos anos seguintes e caracterizava essa obra encabeçada pelo Estado de Santa Catarina. Dessa forma, o Estado deu continuidade à construção, e a partir de 1908 foram realizadas as primeiras desobstruções no antigo leito do Rio Tubarão, denominado Rio da Madre, a fim de chegar ao Rio Gongonhas 22. Nos dois anos que se seguiram, as obras se encontraram paralisadas por falta de recursos e recomeçaram em 1911 com os serviços de limpeza e escavação entre os Rios da Madre e Gongonhas. A partir desse ano, a construção do canal se limitaria a chegar até Araranguá 23. No ano seguinte, foi dada continuidade ao canal através da ligação do Rio Gongonhas ao Rio Morto e este ao Rio Sangão, situado na margem direita da Vila de Jaguaruna, localizada entre Criciúma e Tubarão, e paralelamente à construção do canal foram realizados os trabalhos de limpeza, desobstruções e também dragagem dos rios. A profundidade mínima estabelecida do canal até então era de 1,6 m, com uma largura média de 6 m e com um comprimento de 20,5 km. Com este trecho do canal construído até Jaguaruna, o trajeto percorrido por embarcações até Laguna já tinha diminuído consideravelmente; se com o antigo percurso tendo que seguir o curso dos rios e lagoas, o tempo necessário de ida e volta até Laguna era de 5 a 12 dias, com o novo trajeto, além de embarcações com maior calado, o mesmo percurso era feito no máximo em 16 horas por 181 embarcações que passaram pelo canal neste ano 24. No ano de 1913, os trabalhos se limitaram ao alargamento e à limpeza do canal, e o trabalho de dragagem se encontrava paralisado por problemas na draga. Também no mesmo ano, foram iniciados os estudos 20 SANTA CATARINA. Mensagem lida pelo Coronel Gustavo Richard no Congresso Representativo em 2 de agosto de Joinville: Tipografia Boehm, BRASIL. Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1909, p Disponível em: Acesso em 4 de out Ibidem p BRASIL. Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1912, p Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1913, p Disponível em: Acesso em 4 de out

13 para ligação do trecho seguinte até o Rio Urussanga, no qual existia diferença de níveis entre os rios 25. No ano seguinte, continuaram os trabalhos de manutenção do canal e também a desobstrução do Rio Sangão com um avanço de 19 km, passando pela Vila de Jaguaruna até a localidade chamada Pontão, situado à margem direita do centro da Vila de Jaguaruna. O canal contava com um comprimento total de 39,8 km, sendo navegado por embarcações durante este ano, e continuavam os estudos de nivelamentos do trecho seguinte 26. Em 1915, foram feitos serviços de limpeza, dragagem e alargamento do canal, e continuaram os estudos para ligação dos Rios Sangão e Urussanga, a fim de ultrapassar a localidade de Morro Grande, onde seria necessária a construção de um canal de 5 km com comportas, devido aos desníveis entre os rios, para desviar do morro ali existente. Nesse mesmo ano, passaram pelo canal embarcações, sendo transportados produtos das regiões de Jaguaruna, Garopaba do Sul, Gongonhas, Lageado, e a partir desse ano, produtos de Cocal e Criciúma 27. Nos dois anos seguintes, também não foi dada continuidade à construção do canal, e apenas continuaram os mesmos trabalhos realizados anteriormente. Em , passaram pelo canal embarcações, e nelas foram transportadas 49 toneladas de carvão de Criciúma destinadas a experiência, e em um total de embarcações. Já em 1918, as obras foram paralisadas, e, segundo o relatório do governo, o tráfego pelo canal continuava a aumentar, sendo transportadas durante esse ano mais de mil toneladas de carvão 30. No ano de 1919, houve a continuação dos serviços na parte do canal já construída, sendo relatado aumento do tráfego do canal devido às regiões de Criciúma e Cocal, nas quais foram iniciados os serviços de exploração do carvão 31. Nesse mesmo ano, a Estrada de Ferro Tereza Cristina teve concluída a sua ampliação até a localidade de Criciúma para o transporte do carvão. Em 1920, os serviços realizados se limitaram à construção de mais 3 km de canal, concluindo deste modo o primeiro trecho do canal proposto, sendo navegável de Laguna até a Vila de Jaguaruna com uma 25 SANTA CATARINA. Mensagem apresentada ao Congresso Representativo do Estado de Santa Catarina pelo Governador Vidal José de Oliveira Ramos. Florianópolis: Tipografia do Dia, 1913, p. 58. Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Barbosa Gonçalves no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1915, p Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas Augusto Tavares de Lyra Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917, p Disponível em: Acesso em 04 de out BRASIL. Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1918, p Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1919, p Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1920, p Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1921, p Disponível em: Acesso em 4 de out

14 extensão total em torno de 40 km 32. No ano de 1921, apenas continuaram alguns serviços de alargamento e dragagem do canal, no qual circularam nesse ano cerca de 685 embarcações, e até o final da década não foram mais relatados quaisquer trabalhos e informações sobre o canal 33. Após 1930, com a industrialização alavancada por uma centralização do poder do Estado nacional e sua participação mais efetiva na economia nacional, através do órgão federal Departamento Nacional de Portos e Navegação, que mais tarde passou a se chamar Departamento Nacional de Portos, Rios e Canais, tentou-se a partir de 1941 dar continuidade à construção do canal Laguna-Araranguá. O interesse da construção do canal por parte do governo federal estava em ajudar no escoamento da produção de carvão, que, por sua vez, a partir da industrialização foi objeto de grandes incentivos para a produção nacional, e também se apontava a probabilidade de se encontrar o mineral às margens do canal 34. Contudo, até o final da década de 40 os serviços se limitaram ao melhoramento do canal já existente, na exploração do trecho entre Araranguá e Mampituba, e nos estudos relativos à construção do canal até Araranguá. Em relação ao canal Laguna-Jaguaruna, os trabalhos consistiram na retilinização de alguns pontos, assim como limpeza, desobstruções e dragagens, e no que diz respeito ao trecho Araranguá- Mampituba, foi dada continuidade a serviços já iniciados pela prefeitura de Araranguá, por consistir em trecho onde não se necessitava a construção de canais, apenas limpezas e alargamento, e a partir deste canal também se iniciou uma pequena navegação 35. Porém, em relação à continuidade do canal até Araranguá, não houve prosseguimento, e essa tentativa de uma ligação fluvial de toda a região sul catarinense foi dada por encerrada no final da década com o advento das rodovias. A partir desse período, não são mais relatados obras e estudos sobre o canal, assim como houve o abandono relativo do uso do trecho entre Laguna e Jaguaruna. O canal foi uma via importante para as localidades em torno dele, as quais usufruíram de uma via fácil e barata até o único porto da região. Mesmo com a ferrovia ampliada até Criciúma em 1919, e depois até Araranguá em 1927, o canal continuou sendo usado para escoar a pequena produção agrícola da região devido ao custo dos fretes. A importância do canal para a região é observada através da entrevista realizada com dois canoeiros que trabalharam no transporte de mercadorias até Laguna nas décadas de 30 e 40, na qual relatam que, entre Garopaba, Jaguaruna e Pontão, existiam de 50 a 60 canoas, e que 32 BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1922, p Disponível em: Acesso em 4 de out BRASIL. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1922, p Disponível em: Acesso em 4 de out MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS. Relatório dos serviços executados no ano de 1941 pelo Departamento Nacional de Portos e Navegação apresentado ao Ministro da Viação e Obras Públicas João de Mendonça Lima pelo Diretor Frederico Cezar Burlamaqui. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943, p MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS. Relatório dos serviços executados pelo Departamento Nacional de Portos e Navegação apresentado ao Ministro da Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional,

15 transportavam produtos de toda a região, melancia, cachaça, milho, carne de porco, feijão, mel, butiá, farinha, etc., e saíam desde a divisa com o Rio Grande do Sul, passando por Praia Grande, Meleiro, Sombrio, Maracajá e Araranguá. Assim, o Canal Laguna- Jaguaruna se manteve, mesmo com a demora e dificuldade do estabelecimento de tal via, uma alternativa para uma região interior de um Estado periférico. Portanto, confirma-se através do desenrolar do projeto e da construção do canal o descaso do poder público quanto ao desenvolvimento dos meios fluviais de transportes, o que é justificado até o final da Primeira República por um Estado pouco intervencionista, sem qualquer política de transporte sistemática. A construção do primeiro trecho nesse período só foi possível pelo esforço do Estado de Santa Catarina em promover uma via de comunicação para solucionar a sua total falta na região, mas que esbarrou na primeira grande dificuldade de continuação do canal, na transposição de Morro Grande, o qual exigia recursos mais vultosos. E após 1930, com o início de um período de planejamento estatal atrelado à promoção da industrialização, as transformações mais profundas na infra-estrutura nacional se retardaram até a década de 50, quando ainda se faziam presentes na maioria das regiões do País transportes arcaicos herdados da época colonial, mas que, mesmo com uma política nacional de transportes, e, apesar de haver posteriormente a integração da economia nacional através das rodovias, não se procurou a articulação entre os meios de transporte existentes, tornando a ferrovia cada vez mais inutilizável e a navegação interior em total esquecimento. REFERÊNCIAS BRASIL. Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Barbosa Gonçalves no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas Augusto Tavares de Lyra Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out

16 . Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas José Pires do Rio no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas Francisco Sá no ano de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Disponível em: Acesso em 4 de out HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios Rio de Janeiro: Paz e Terra, MATOS, Nogueira de, Historia geral da civilização Brasileira: O Brasil monárquico. 5ª ed. Rio de Janeiro: BCD União de editoras S.A, 1997, v. 4º. 59p MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS. Relatório dos serviços executados no ano de 1941 pelo Departamento Nacional de Portos e Navegação apresentado ao Ministro da Viação e Obras Públicas João de Mendonça Lima pelo Diretor Frederico Cezar Burlamaqui. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Relatório dos serviços executados pelo Departamento Nacional de Portos e Navegação apresentado ao Ministro da Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, MORAES, Eduardo José de. Canal de junção da Laguna a Porto Alegre: memória justificativa de seu projeto. São Paulo: Tipografia de Jorge Seckler,

17 MORAES, Eduardo José de. Pedido de privilegio do canal de junção da Laguna a Porto Alegre. Rio de Janeiro: Tipografia Montenegro, MORAES, Eduardo José de. Canal Príncipe D. Afonso. Rio de Janeiro: Tipografia Montenegro, POLANIY, Karl. A grande transformação: das origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus, SAES, Flavio Azevedo Marques de. A grande empresa de serviços públicos na economia cafeeira São Paulo: Huncitec, SANTA CATARINA. Relatório apresentado pelo 2º Vice-Presidente de Santa Catarina Manuel do nascimento da Fonseca Galvão ao Presidente André Cordeiro de Araújo Lima em 3 de janeiro de Desterro: Tipografia J. J. Lopes, Mensagem lida pelo Coronel Gustavo Richard no Congresso Representativo em 2 de agosto de Joinville: Tipografia Boehm, Mensagem apresentada ao Congresso Representativo do Estado de Santa Catarina pelo Governador Vidal José de Oliveira Ramos. Florianópolis: Tipografia do Dia, Disponível em: Acesso em 04 de out

68/'(6$17$&$7$5,1$ /XL]&OiXGLRGH)UHLWDV. 5HVXPR: O objetivo deste texto é discutir a inserção das vias de comunicação e dos

68/'(6$17$&$7$5,1$ /XL]&OiXGLRGH)UHLWDV. 5HVXPR: O objetivo deste texto é discutir a inserção das vias de comunicação e dos 9,$6'(&2081,&$d 2(0(,26'(75$163257(612 68/'(6$17$&$7$5,1$ /XL]&OiXGLRGH)UHLWDV 5HVXPR: O objetivo deste texto é discutir a inserção das vias de comunicação e dos meios de transportes na região sul de Santa

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

ESTRADA DE FERRO BAHIA E MINAS RELATÓRIOS DE PEDRO VERSIANI

ESTRADA DE FERRO BAHIA E MINAS RELATÓRIOS DE PEDRO VERSIANI 1 FERNANDO DA MATTA MACHADO ORGANIZADOR (Organização, introdução e notas) ESTRADA DE FERRO BAHIA E MINAS RELATÓRIOS DE PEDRO VERSIANI Fotografia de Pedro Versiani, com retoques de Ivens Guida Copyright

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Sede Monárquica Água e Esgoto As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Em 12 de agosto de 1834, o Rio de Janeiro foi designado município neutro, por ato adicional à Constituição

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X Sumário Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X 1. Introdução Centro da investigação 01 Delimitação do campo de estudo e aproximação metodológica 02 Os percursos da investigação: o Rio Grande

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

O fim dos lotações e dos bondes

O fim dos lotações e dos bondes Distrito Federal Transportes O fim dos lotações e dos bondes O período entre 1950 e 1964 foi um dos mais prolíficos em regulamentos para o transporte coletivo, a maior parte deles fixando as condições

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1. Relatório Florianópolis, Dezembro de 2013

Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1. Relatório Florianópolis, Dezembro de 2013 Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1 Janice Maria Waintuch Reiter Marcia Mondardo Luiz Carlos Mior Dilvan Luiz Ferrari Tabajara Marcondes Luís Augusto

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira 1. Veja, 28/6/2006 (com adaptações).27 Com base nessas informações, assinale a opção correta a respeito do pedágio nas cidades mencionadas. a) A preocupação comum entre os países

Leia mais

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA Aracruz Celulose e a Estrada de Ferro Vitória Minas Esse estudo tem como objeto de análise uma região caracterizada pela influência de dois sistemas de infra-estrutura:

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz Estamos certamente acostumados a ouvir a indicação horário de Brasília quando a hora é anunciada na rádio. Esta indicação refere-se

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

ATIVIDADE PORTUÁRIA E A FORD BAHIA: QUESTÕES OPERACIONAIS NA MOVIMENTAÇÃO DE CARGA

ATIVIDADE PORTUÁRIA E A FORD BAHIA: QUESTÕES OPERACIONAIS NA MOVIMENTAÇÃO DE CARGA ATIVIDADE PORTUÁRIA E A FORD BAHIA: QUESTÕES OPERACIONAIS NA MOVIMENTAÇÃO DE CARGA Ricardo Bahia Rios Mestre em Geografia/UFBA Instituto Federal da Bahia Campus Salvador E-mail: ricardorios@ifba.edu.br

Leia mais

Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços

Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços Apesar da pompa dos dizeres Patrimônio Histórico Cultural, prédio parece, na verdade, um imóvel abandonado ao tempo. (Foto: Celso Ribeiro)

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal.

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. Porto de leixões O que é o porto de Leixões O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. História do porto de Leixões O porto de Leixões foi construído na foz do rio leça, aproveitando três

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações

Leia mais

A Cooperação Energética Brasil-Argentina

A Cooperação Energética Brasil-Argentina 9 A Cooperação Energética Brasil-Argentina + Sebastião do Rego Barros + Rodrigo de Azeredo Santos Os atuais desafios brasileiros na área energética fizeram com que as atenções de técnicos, investidores,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 2726 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 71260001 1220 Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1ª QUESTÃO Analisar a atuação das Entradas e Bandeiras entre os séculos XVI e XVIII na expansão do território da América Portuguesa, concluindo

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

É Presidente do Comitê de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação da Amcham - SP, Câmara Americana de Comércio de São Paulo.

É Presidente do Comitê de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação da Amcham - SP, Câmara Americana de Comércio de São Paulo. Direitos de Passagem e Termos de Permissão de Uso de Vias Públicas O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre direitos de passagem e termos de permissão de uso de

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL DIFICULDADES DE ACESSO AO PORTO DE SEPETIBA QUE AFASTAM CLIENTES POTENCIAIS SUPERPOSIÇÃO DO FLUXO DA CARGA COM O TRÁFEGO DA BR-101, TIPICAMENTE DE AUTOMÓVEIS, GERA CONFLITOS INDESEJÁVEIS O PORTO FOI CONCEBIDO

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

Órgão / Empresa: Pett Arte Itapevi. E-mail: solangelgn@gmail.com. Órgão / Empresa: Jornal Alternativo. E-mail: redação@oalternativa.com.

Órgão / Empresa: Pett Arte Itapevi. E-mail: solangelgn@gmail.com. Órgão / Empresa: Jornal Alternativo. E-mail: redação@oalternativa.com. Corredor Metropolitano Itapevi Cotia Iremos ter várias empresas de antes fazendo este trajeto ou somente a EMTU, iremos também ter ônibus que ira fazer o trajego cotia itapevi ao aeroportos de S Paulo.

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL. Prof. Clésio

CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL. Prof. Clésio CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL Prof. Clésio 1 MOBILIDADE DAS FORNTEIRAS Tratado de Tordesilhas (1494) 2.800.000 km² Trecho oriental da América do Sul Brasil atual 8.514.876,5 km² 47,3% da superfície

Leia mais

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Prof. Gilberto Cugler 1 Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues 2 Resumo: O estudo da erosão marginal aqui proposto,

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário no Brasil sofreu, durante um grande período, talvez devido à grande concorrência do transporte rodoviário, a falta de incentivo com relação à ampliação do

Leia mais

ALL - América Latina Logística S. A.

ALL - América Latina Logística S. A. ALL - América Latina Logística S. A. A América Latina Logística S. A., vencedora do leilão de desestatização da Malha Sul da RFFSA em 13 de dezembro de 1996 iniciou suas atividades como Ferrovia Sul Atlântico

Leia mais

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo SONDAGEM DE OPINIÃO Outubro de 2006 1 Características da Pesquisa Objetivos: Identificar as principais formas utilizadas pelas empresas

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior propostas de política comercial Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior Marcelo Souza Azevedo O Brasil não pode cair na armadilha de acreditar que o mercado consumidor

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais