PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados sobre 20 Programas de Governo executados na base municipal de SABINÓPOLIS/MG em decorrência do 5º Evento do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos. 2. As fiscalizações tiveram como objetivo analisar a aplicação dos recursos federais no Município sob a responsabilidade de órgãos federais, estaduais, municipais ou entidades legalmente habilitadas. 3. Os trabalhos foram realizados in loco no Município, no período de 15/09/2003 a 19/09/2003, sendo utilizados em sua execução as técnicas e procedimentos como inspeções físicas e documentais, realização de entrevistas, circularização, testes, aplicação de questionários e registros fotográficos. 4. Os Programas de Governo que foram objeto das ações de fiscalização, estão apresentados no quadro a seguir, por Ministério Supervisor, discriminando a quantidade de fiscalizações realizadas e os recursos aproximados aplicados, por Programa. 4.1 Recursos recebidos e quantidade de fiscalizações realizadas. Ministério Supervisor Ministério da Fazenda Ministério da Educação Programa/Ação Fiscalizado Quantidade de Fiscalizações Recursos Aplicados (R$) BB Programa de Governo 1 - Participação em Programas Municipais de Garantia de Renda Mínima Associados a Ações Sócioeducativas - Bolsa Escola Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE , ,40 SAS Q. 1 Bl A, Ed. Darcy Ribeiro, 9º andar, Brasília - DF - CEP: (61) Fax (61)

2 Ministério Supervisor Ministério de Minas e Energia Programa/Ação Fiscalizado Quantidade de Fiscalizações Recursos Aplicados (R$) Luz no Campo ,91 Ministério da Saúde Ministério do Trabalho e Emprego Ministério do Desenvolviment o Agrário Ministério da Assistência Social Atendimento a População com Medicamentos para Tuberculose e Outras Pneumopatias Controle da Tuberculose e Outras Pneumopatias de Interesse Sanitário Tratamento da Hanseníase e Outras Dermatoses Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados a Parte Variável do Piso de Atenção Básica - PAB, para Ações de Prevenção e Controle das Doenças Transmissíveis Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados a Parte Variável do Piso de Atenção Básica - PAB, para a Saúde da Família - PSF Construção e Ampliação ou Melhoria dos Serviços de Abastecimento de Água para Controle de Agravos Assistência Financeira a Família Visando a Complementação da Renda para Melhoria da Nutrição Bolsa Alimentação Atendimento Assistencial Básico Referente a Parte Fixa do Piso de Atenção Básica - PAB, nos Municípios em Gestão Plena da Atenção Básica Modernização e Adequação da Rede de Serviços do Sistema Único de Saúde - Reforsus Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados a Parte Variável do Piso de Atenção Básica Farmácia Básica FGTS- Fundo de Garantia do Tempo de Serviço Financiamento e equalização de juros para a agricultura familiar Pronaf (Lei nº 8.427, de 1992) Atendimento a Criança em Creche ou Outras Alternativas Comunitárias Atendimento a Criança e ao Adolescente em Jornada - PETI , , , , , , , , ,00 2

3 Ministério Supervisor Ministério da Previdência Social Ministério das Comunicações Programa/Ação Fiscalizado Quantidade de Fiscalizações Recursos Aplicados (R$) Pagamento de Aposentadorias 1 - Qualidade dos Serviços Postais 3 - TOTAL ,53 5. Ressalta-se que os quatro convênios firmados no ano de 2002 pelo Ministério da Saúde, por meio da Funasa e do FNS, com o município, até o presente momento não teve os respectivos recursos financeiros liberados. Tratam-se de três convênios firmados diretamente com o poder executivo do município e um com entidade privada, totalizando R$ , Verificou-se que na área de Saúde, de um modo geral, o município vem realizando as ações de forma regular e satisfatória, exceto por algumas impropriedades como nas premissas do PSF não se adequarem às peculiaridades da cobertura total e a falta de atendimento médico regular ocasionado pela rotatividade de médicos do PSF. 7. Da mesma forma, na área de Educação, de um modo geral, o município vem realizando as ações de forma regular e satisfatória, exceto pela atuação precária do Conselho de Alimentação Escolar CAE. 8. Por fim, na área de Assistência Social, ressalta-se as impropriedades como ausência de supervisão no Programa de Ação Continuada - PAC pela Secretaria Municipal de Ação Social e pelo Conselho Municipal de Ação Social CMAS; ausência de controle da freqüência das crianças do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI, gerando informações errôneas da meta executada no município; crianças beneficiadas pelo PETI que não se enquadram no público meta do programa; atividades da Jornada Ampliada incompatíveis com os critérios definidos pelo programa; ausência de monitoramento e supervisão do PETI pelo poder público municipal; e ausência de pagamento da Bolsa Criança Cidadã por meio de cartão magnético, não obstante a boa atuação das entidades prestadoras de serviços envolvidas. Belo Horizonte, 26 de setembro de

4 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DA FAZENDA 5º Sorteio do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

5 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS MG Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15 a 19/09/2003 a seguinte Ação sob responsabilidade do Ministério da Fazenda: - BB - Programa de Governo Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. 1 - Programa/Ação: - BB - Programa de Governo Objetivo da Ação de Governo: Financiar a implantação, ampliação, modernização, racionalização, e relocalização da infra-estrutura; dinamizar o Setor Produtivo e assegurar a Sustentação ao Desenvolvimento Rural Objeto Fiscalizado: Diversos e referentes a financiamentos concedidos a pequenos produtores rurais - custeio ou investimento. Agente Executor Local: Banco do Brasil - Agência de Sabinópolis. Qualificação do Instrumento de Transferência: Concessão de Financiamento por meio de contratos individuais. Montante de Recursos Financeiros: Não se aplica. Extensão dos exames: 10 dossiês relativos a financiamentos de PRONAF. 1.1) Constatação da Fiscalização: Fato: Ausência de documentos comprobatórios das despesas realizadas com investimentos, envolvendo riscos de desvios e de classificação nas contas nacionais, dos valores envolvidos. Os dossiês referentes às operações de números 97/250-X e 97/257-7 não contêm documentos comprobatórios que embasem as concessões de financiamentos para investimento a que se relacionam. Para os valores fixados inicialmente em R$9.500,00 e R$10.000,00, respectivamente, foram acrescentados aos processos comprovações de R$5.003,03, no primeiro caso e de R$6.400,00, no segundo. 1

6 As diferenças de R$4.496,97 e R$3.600,00 representam percentuais de 47,33 e 36% dos valores aplicados e que inicialmente foram registrados como investimentos, mas para os quais não há comprovações. Segundo as informações obtidas, todavia, os montantes foram aplicados em custeio, o que implicaria em aplicação dos recursos em finalidade diversa da prevista. Análise dos Dossiês referentes às Operações de Pronaf números 97/250-X e 97/257-7 realizadas pela Agência Sabinópolis do Banco do Brasil. 1.2) Constatação da Fiscalização: Fato: Renovação de crédito do PRONAF a proprietário cujas propriedades ultrapassam o limite máximo de 06 módulos rurais previstos para o Programa. Entre os dossiês analisados encontramos o que trata das operações realizadas entre o Banco do Brasil e o Sr. Deobaldino Marques de Pinho, cuja última renovação de crédito recebeu o número de operação Solicitamos ao Cartório de Registro de imóveis de Sabinópolis que se manifestasse formalmente sobre o total de área rural pertencentes a diversos beneficiários do Pronaf, inclusive o agricultor retrocitado. Em resposta fomos informados de que estão registradas em seu nome as seguintes propriedades: Propriedade (sic) Matrícula Tamanho Folhas Livro Congo-Turvo Grande ha 93 a e 23 ca GongoTurvo litros (76835 m²) (7,6 ha) Grota do Congo hectares Turvo Grande hectares Total 288 hectares Segundo informações da responsável pela unidade da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais - Emater no município de Sabinópolis, o módulo rural na região é previsto em 26 hectares. As regras do Programa, todavia, limitavam em 04 módulos rurais o total de terras em posse do beneficiário. Deste modo, no caso em questão, a concessão do financiamento só poderia atingir proprietários cujas propriedades, somadas, alcançassem apenas 104 hectares. Para a conversão de medidas: para os nomes e medidas das propriedades: ofício do cartório de registro de imóveis de Sabinópolis. Para as regras do Pronaf: 2

7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 5º sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

8 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15/09 a 19/09/2003 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério da Educação: - Toda Criança na Escola/Alimentação Escolar - Toda Criança na Escola/Participação em programas municipais de garantia de renda mínima associados a ações sócio-educativas - Bolsa Escola Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. 1 Programa/Ação: Toda Criança na Escola/Alimentação Escolar Objetivo da ação de governo: Suprir parcialmente as necessidades nutricionais dos alunos, com vistas a contribuir para a melhoria do desempenho escolar, para a redução da evasão e da repetência e para formar bons hábitos alimentares. Objeto fiscalizado: Recursos repassados ao município para merenda escolar por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. Agente executor local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis. Qualificação do instrumento de transferência: Transferência voluntária. Montante de recursos financeiros aplicados: R$ ,50. Extensão dos exames: analisados os recursos aplicados no período de junho, julho e agosto de ) Constatação da Fiscalização: Fato: Distribuição regular e controle adequado da merenda escolar. Para o PNAE, até a data de nossa fiscalização, o município de Sabinópolis recebeu do FNDE repasses mensais de R$ 3.642,50, bem como complementou com recursos próprios o valor correspondente à aquisição de 100 quilos de carne bovina, por mês, conforme previsto em contrato de locação do frigorífico municipal e sua exploração comercial. O município efetuou a distribuição dos produtos alimentícios às escolas municipais, conforme visitas realizadas nas Escolas Municipais: Governador 1

9 Valadares, 18 de Setembro, Padre Joaquim Maria, José Barroso Neto, Serafim de Pinho, Marcos dos Santos e do Torra. Em relação aos controles de distribuição das mercadorias e de seu estoque por parte do Departamento Municipal de Educação - DME, informamos que é adotado o seguinte procedimento: as escolas, por meio de suas respectivas direções, solicitam os produtos ao DME que realizam o devido registro de movimentação dos bens em seu controle das entradas e das saídas, processando a retirada dos gêneros alimentícios nos supermercados e armazéns vencedores do certame licitatório para fornecimento de merenda e, em seguida, entregando-os às escolas requisitantes. Evidências: Verificação "in loco" do controle de estoque do Departamento Municipal de Educação e das Escolas Municipais Governador Valadares, 18 de Setembro, Padre Joaquim Maria, José Barroso Neto, Serafim de Pinho, Marcos dos Santos e do Torra. Entrevistas com alunos selecionados por amostragem, cantineiras e diretoras das Escolas supramencionadas. 1.2) Constatação da Fiscalização: Fato: Atuação precária do Conselho de Alimentação Escolar CAE. Quanto ao Conselho de Alimentação Escolar - CAE, criado pela Lei Municipal 1.546, de 28/08/2000, constatamos que sua participação tem sido deficiente no tocante à divulgação dos recursos financeiros do PNAE, bem como quanto à participação fiscalizadora nos processos licitatórios de aquisição dos alimentos. Acrescentamos que seus integrantes não são assíduos nas visitas às escolas. Assim sendo, a freqüência de comparecimento dos membros do conselho em tela, junto aos estabelecimentos de ensino, limita-se, em média, a uma vez no semestre. Por outro lado, observamos que o CAE possui em seus quadros nutricionista que formula sugestões para a elaboração do cardápio preparados pelas escolas, além de promover palestras para as responsáveis pela elaboração das refeições. Evidências: Análise dos seguintes documentos: - atas das reuniões e Regimento Interno do CAE; e, - Lei Municipal 1.546, de 28/08/200. Justificativa do Gestor Municipal: O gestor reconhece a situação constatada, entretanto, os conselheiros já receberam todas as orientações quanto à importância da presença deles nas escolas, bem como a atuação dos mesmos nos processos licitatórios, além de lhes ter sido entregue o Regimento Interno do CAE, para que cada um conheça minuciosamente suas atribuições. Posicionamento da Controladoria: Acatamos a justificativa e recomendamos ao gestor que se empenhe para que os conselheiros cumpram, devidamente, suas atribuições. 2 Programa/Ação: Toda Criança na Escola/Participação em programas municipais de garantia de renda mínima associados a ações sócio-educativas - Bolsa Escola. 2

10 Objetivo da ação de governo: Incentivar financeiramente o processo educacional das crianças de famílias de menor renda, estimulando a universalização do ensino e contribuindo para a redução da evasão escolar e da repetência. Objeto fiscalizado: funcionamento do programa no município e pertinência quanto ao recebimento do benefício. Agente executor local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis PMS. Qualificação do instrumento de transferência: transferência voluntária. Montante de recursos financeiros aplicados: R$ ,00 Extensão dos exames: junho, julho e agosto de ) Constatação da Fiscalização: Fato: Falta de incentivo à participação comunitária no controle da execução do programa. O município de Sabinópolis realizou cadastro para o Programa Bolsa Escola em julho e agosto de Foram contempladas 736 famílias, escolhidas pelo Departamento Municipal da Educação, a partir das mais carentes, por meio de elenco de renda per capita crescente, conforme determina o Manual do Programa Nacional de Bolsa Escola (versão 2.0 Dez/2002). O teto utilizado para o cadastro foi de R$ 90,00 per capita, de acordo com o art. 1º do Decreto nº 4.313, de 24/07/02. Há registro em atas do Conselho de Controle Social (CCS) de aprovação do Cadastro do Bolsa escola. Em relação às competências do CCS, estabelecidas no art. 4º da Lei Municipal 1.574, de 16/04/01, não houve, principalmente, cumprimento dos incisos IV e VI, ou seja, o Conselho não estimula a participação comunitária no controle da execução do programa no âmbito do município e não conta com Regimento Interno, inexistindo, por conseguinte, calendário para reuniões. A Caixa Econômica Federal - CEF está desenvolvendo atualmente módulo informatizado de manutenção do Cadastro Único, voltado exclusivamente para a realização das alterações no cadastro. Quando implementado, este módulo permitirá que o gestor municipal do Programa faça as alterações diretamente no sistema, de maneira descentralizada e segura, garantindo a rapidez e eficiência do procedimento. Por isso é muito importante que também as famílias que já recebem o Bolsa Escola façam parte do Cadastro Único. Evidências: - Lei nº , de 11/04/ Lei Municipal n.º 1.574, de 16/04/ Relatórios de Freqüência Escolar do 1º e do 2º trimestre de Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Justificativa do Gestor Municipal: O gestor aceitou as constatações e informa já estar implementando as recomendações feitas. Posicionamento da Controladoria: Mantemos nosso posicionamento. 2.2) Constatação da Fiscalização: 3

11 Fato: Melhoria na gestão da base de dados referente ao cadastramento das famílias com o advento do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. No que tange às atualizações e alterações dos dados cadastrais das famílias, observou-se que o Departamento Municipal de Educação DME da prefeitura de Sabinópolis, até agosto do corrente ano enviava ofícios para o Departamento Nacional do Bolsa Escola com vistas a solicitar alterações nos dados cadastrais dos beneficiários (tais como mudanças de escola, de endereço e de município), bem como informar os alunos e/ou famílias que não mais se enquadram aos pré-requisitos do Programa Bolsa Escola-PBE. Tal fato acarretava demora na atualização da base cadastral. A partir de 1º de setembro as alterações passaram a ser efetivadas por meio de sistema informatizado conhecido como Cadastramento Único versão 5.0, fato este que significou melhora na gestão da base de dados. Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. 2.3) Constatação da Fiscalização: Fato: Falhas formais e impropriedades na elaboração, pela DME, dos Relatórios de Freqüência Escolar, relativamente ao Programa Bolsa Escola. Verificou-se que os Relatórios de Freqüência Escolar têm sido realizados por meio do sistema SIBES, entretanto, o rol de alunos, pertinente ao primeiro trimestre do corrente ano, catalogados por escola, apresentava inúmeros erros, uma vez que grande parte dos estudantes cadastrados em determinado colégio pertenciam, na verdade, a outros estabelecimentos de ensino, gerando grande confusão. Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal; Relatórios de Freqüência Escolar do exercício de 2002 e do 1º trimestre de 2003; e, Diários de Classe das escolas pertencentes à amostra. 4

12 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 5º Sorteio do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

13 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS MG Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15 a 19/09/2003 a seguinte Ação sob responsabilidade do Ministério de Minas e Energia: - Luz no Campo Dos resultados das ações das fiscalizações não foram evidenciados fatos relevantes que indiquem impropriedades/irregularidades na execução dos programas/ações relacionados. 1

14 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DA SAÚDE 5º Sorteio do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

15 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 18 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS MG Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15 a 19/09/2003 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério da Saúde: - Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados a Parte Variável do Piso de Atenção Básica PAB, para a Saúde da Família PSF; - Incentivo Financeiro a Município Habilitação a Parte Variável do Piso de Atenção Básica PAB para a Assistência a Farmácia Básica; - Atendimento Assistencial Básico Referente a Parte Fixa do Piso de Atenção Básica PAB nos Municípios em Gestão Plena da Atenção Básica; - Tratamento da Hanseníase e Outras Dermatoses - Controle da Tuberculose e Outras Pneumopatias de Interesse Sanitário; - Atendimento a População com Medicamentos para Tuberculose e Outras Pneumopatias; - Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados a Parte Variável do Piso de Atenção Básica - PAB, para Ações de Prevenção e Controle das Doenças Transmissíveis; - Assistência Financeira a Família Visando a Complementação da renda para Melhoria da Nutrição - Bolsa Alimentação; - Construção e Ampliação ou Melhoria dos Serviços de Abastecimento de Água para Controle de Agravos; - Modernização e Adequação da Rede de Serviços do Sistema Único de Saúde Reforsus Nacional. Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. 1 - Programa/Ação: Incentivo financeiro a municípios habilitados à parte variável do PAB para a Saúde da Família. Objetivo da Ação de Governo: ampliar o acesso da população aos serviços básicos de saúde tendo as equipes de saúde da família como eixo estruturante. Objeto Fiscalizado: Existência e funcionamento do PSF, aferindo a efetividade do atendimento às famílias nas quantidades, prazos e especificações previstas e o vínculo aos objetivos pactuados. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Sabinópiolis. Qualificação do Instrumento de Transferência: repasse direto ao Fundo Municipal de Saúde. Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,65 (no exercício de 2003). 1

16 Extensão dos exames: análise da atuação das equipes de saúde da família no exercício de ) Constatação da Fiscalização: Fato: Premissas do PSF não se adequam às peculiaridades da cobertura total realizada pelo município de Sabinópolis. A Administração municipal adotou a decisão de cobrir, com o PSF, 100% da população, urbana e rural. Tal situação acarreta que o atual número de agentes comunitários de saúde - ACS da zona rural não permite condições de cumprimento da produção mensal, em virtude das distâncias a serem percorridas, quase sempre à pé, e das dificuldades de acessos até as residências da população. Para cumprimento da produção programada pelas equipes de saúde da família ESF, os ACS da zona urbana ficam sobrecarregados no atendimento às famílias, principalmente aquelas residentes em bairros mais populosos, mais carentes de saneamento básico e de menor renda, e que, por isso, oferecem maiores riscos à saúde. Na análise do relatório da produção mensal, e visita in loco. 1.2) Constatação da Fiscalização: Fato: Falta de atendimento médico regular ocasionado pela rotatividade de médicos do PSF. Todos os postos do PSF ficaram sem médicos por algum período nos anos 2002 e 2003, em virtude do rompimento do contrato, pois a cláusula de rescisão contratual é muito flexível, permitido rompimento sem prévia comunicação e previsão de multa. Entrevista com responsáveis pelo PSF e com ACS. Justificativa do Gestor Municipal: O gestor informa o seguinte: solicito da Assessoria Jurídica a possibilidade de atender a referida recomendação para as próximas renovações contratuais e eventuais contratos novos. Posicionamento da Controladoria: Mantemos nosso posicionamento. 2 - Programa/Ação: Incentivo financeiro a municípios habilitados a parte variável do Piso de Atenção Básica PAB para assistência farmacêutica básica. Objetivo da Ação de Governo: garantir o acesso da população a medicamentos básicos. Objeto Fiscalizado: aplicação dos recursos na aquisição de medicamentos para farmácia básica. Agente Executor Local: Fundo Municipal de Saúde de Sabinópolis Qualificação do Instrumento de Transferência: Fundo a Fundo. Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,68 (no exercício de 2003). Extensão dos exames: analisado o total dos recursos repassados à Prefeitura Municipal nos exercícios de 2002 e ) Constatação da Fiscalização: 2

17 Fato: Descumprimento do Estado de Minas Gerais na participação do Programa Farmácia Básica. Nos anos de 2002 e 2003, até a data da nossa visita, a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais deixou de enviar os valores de R$4.652,05 e R$8.791,46, respectivamente, em medicamentos básicos para o município de Sabinópolis, comprometendo o planejamento e por conseguinte a distribuição à população. Cabe ressaltar que a Fundação Ezequiel Dias FUNED, órgão estadual responsável pela fabricação e distribuição dos itens da farmácia básica, não atende ao demandado nem em termos de quantidade de cada medicamento, nem em termos da listagem dos 45 medicamentos. Constatamos que a distribuição realizada para o trimestre abril, maio e junho de 2003, é referente ao período abril, maio e junho de Análise dos documentos de solicitação de medicamentos pela prefeitura e de envio pela FUNED. 3- Programa/Ação: Atendimento Assistencial Básico Referente à Parte Fixa do Piso de Atenção Básica PAB nos Municípios em Gestão Plena da Atenção Básica. Objetivo da Ação de Governo: a cobertura das ações básicas, de prevenção de doenças, assistência ambulatorial, e das ações correlacionadas aos programas descentralizados pelo Ministério da Saúde. Objeto Fiscalizado: Aplicação dos recursos destinados ao Piso de Atenção Básica. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis. Qualificação do Instrumento de Transferência: Fundo Nacional de Saúde para o Fundo Municipal de Saúde. Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,00 (no exercício de 2003). Extensão dos exames: Foram verificados os gastos com ações básicas de saúde nos meses de maio, junho, julho e agosto de ) Constatação da Fiscalização: Fato: Realização de despesas com recursos do PAB em dispêndios que não coadunam com os objetivos do Programa, apesar de eficiente controle do Departamento Municipal de Saúde. As despesas com recursos do PAB são realizadas conforme a legislação. A ordenadora de despesas da saúde é a Diretora Municipal de Saúde. Contudo o bom controle nos proporcionou verificar que foram aplicados o valor de R$2.912,55, na realização da 4º Conferência e o valor de R$2.716,84 e na contrapartida da farmácia básica nos meses maio, junho, julho e agosto de Análise dos comprovantes de despesas do PAB dos meses maio, junho, julho e agosto de Justificativa do Gestor Municipal: O gestor aceitou as constatações e se compromete a implementar as recomendações feitas. Posicionamento da Controladoria: Mantemos nosso posicionamento. 4 Programa/Ação: Tratamento da hanseníase e outras dermatoses. 3

18 Objetivo da Programa de Governo: eliminar a hanseníase como problema de saúde pública e controlar dermatoses de interesse sanitário Objeto Fiscalizado: avaliação dos procedimentos adotados pelo município relativos à coleta de dados, registro e transmissão destes na forma regularmente prevista, bem como a consolidação dos dados provenientes das unidades de saúde. Execução de campanhas de prevenção e esclarecimento a respeito da doença, realização de exames e tratamento dos pacientes, além de capacitação e treinamento das equipes de saúde por parte do município. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis - MG Qualificação do Instrumento de Transferência: Fundo a fundo Montante de Recursos Financeiros Aplicados: valores contidos no Programa PAB Fixo Extensão dos exames: analisados os mecanismos de prevenção e tratamento da doença, além da fidedignidade de registro e transmissão dos dados epidemiológicos à SES, relativos ao período entre 1999 e ) Constatação da Fiscalização: Fato: Falta de treinamento freqüente para todos os profissionais de saúde que realizam a identificação e o diagnóstico da hanseníase. Por falta de habilitação/capacitação constante para identificação e diagnóstico da hanseníase, apenas um dos cinco postos do PSF tem profissionais treinados neste sentido. Informação do Diretora do Departamento de Saúde e da responsável pelo único PSF com pessoas treinadas. 5 Programa/Ação: Controle da tuberculose o outras pneumopatias de interesse sanitário. Objetivo do Programa de Governo: prevenir e controlar a incidência da tuberculose e outras pneumopatias de interesse sanitário Objeto Fiscalizado: execução das ações implementadas pelo município quanto à prevenção e controle da tuberculose, segundo as diretrizes e metas estabelecidas pelo Programa Nacional de Controle da Tuberculose PNCT Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis - MG Qualificação do Instrumento de Transferência: Fundo a fundo Montante de Recursos Financeiros Aplicados: valores contidos no Programa PAB Fixo Extensão dos exames: análise dos mecanismos de prevenção e tratamento da doença, além da fidedignidade de registro e transmissão dos dados epidemiológicos à SES relativos ao período entre 2000 e ) Constatação da Fiscalização: Fato: Cumprimento pelo município das premissas do Programa de Combate à Tuberculose. Através dos postos do PSF, o município faz a cobertura do Programa em 100% do município, realizando busca ativa, diagnóstico e exames de escarro e radiológicos nos contatos comunicantes. Além disso, realizam campanhas educativas com a promoção de palestras em todas as áreas dos PSF, afixação de cartazes, publicação de folders e divulgação em três rádios da região. 4

19 Informações dos responsáveis pelos PSF e análise das fichas de pacientes e entrevista com a população. 6 Programa/Ação: Incentivo financeiro a municípios habilitados a parte variável do piso de atenção básica PAB, para ações de prevenção e controle das doenças transmissíveis. Objetivo da Ação de Governo: Reduzir a morbimortalidade por doenças transmitidas por vetores. Objeto Fiscalizado: Gestão municipal dos recursos relacionados ao controle da dengue Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis Qualificação do Instrumento de Transferência: repasse direto ao Fundo Municipal de Saúde. Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,00. Extensão dos exames: Recursos repassados à Prefeitura Municipal no último trimestre. 6.1) Constatação da Fiscalização: Fato: Cumprimento pelo município das premissas do Programa de Combate à Dengue. As ações de epidemiologia e controle de doenças, de mobilização/esclarecimento da população, de capacitação de pessoal, de monitoramento entomológico e combate ao vetor, e a recepção e utilização dos insumos são realizadas pelo município, conforme determina o Programa de Combate à Dengue. Informações dos responsáveis pelos PSF e análise das fichas de pacientes, verificação de material da última campanha, entrevista com a população. 7 Programa/Ação: Assistência Financeira a Família Visando a Complementação da Renda para Melhoria da Nutrição Bolsa Alimentação Nacional. Objetivo da Ação de Governo: Reduzir e controlar a desnutrição, as carências por micronutrientes nos serviços de saúde e promover a alimentação saudável nos diferentes ciclos de vida garantir as necessidades nutricionais diárias dos alunos Objeto Fiscalizado: Bolsas distribuídas; nas quantidades, nos prazos e nas especificações previstas e o atendimento ao vinculo com os objetivos pactuados. Agente Executor Local: Caixa Econômica Federal Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ 5.190,00 aplicados mensalmente no pagamento de 346 benefícios. Extensão dos exames: Foram realizadas 15 entrevistas com beneficiários do programa e verificado o cumprimento da agenda de compromissos prevista no programa. 7.1) Constatação da Fiscalização: Fato: Conselho não analisa cadastro do Programa. O Conselho Municipal de Saúde - CMS não analisou a elaboração da lista dos beneficiários do Programa Bolsa Alimentação, não constando nas atas das reuniões do CMS a apreciação da lista de beneficiários do Programa Bolsa Alimentação. Análise das atas do CMS de 2002 e 2003 e informação de um integrante do CMS. Justificativa do Gestor Municipal: 5

20 O gestor afirma desconhecer legislação que obrigue o Conselho Municipal de Saúde a analisar o cadastro do programa em questão. Este cadastro já é feito pelo Departamento Municipal de Saúde. Mesmo assim, segundo afirma, acatará de bom grado a sugestão de apresentar a lista de beneficiários ao Conselho. Posicionamento da Controladoria: Mantemos nosso posicionamento. 8 - Programa/Ação: Construção e Ampliação ou Melhoria dos Serviços de Abastecimento de Água para Controle de Agravos. Objetivo da Ação de Governo: Fomentar as ações de saneamento a partir de critérios epidemiológicos para prevenção e controle de agravos, bem assim atender municípios com até habitantes. Objeto Fiscalizado: Obra (construção de adutora de água bruta) Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Sabinópolis Qualificação do Instrumento de Transferência: Convênio n.º 1360/2000 Montante de Recursos Financeiros: R$ ,00 Extensão dos exames: verificação da execução da construção em toda sua extensão (valor total dos recursos) 8.1) Constatação da Fiscalização: Fato: Impropriedades em licitações para aquisição de materiais para construção de adutora de água bruta (Convênio n.º 1360/2000), bem como na documentação comprobatória das despesas. Os Convites nºs 007/2001, 10/2001 e 15/2001, referentes à aquisição de materiais para construção da adutora de água bruta, objeto do convênio n.º 1360/2000, apresentam as seguintes impropriedades que, no entanto, não comprometeram a realização do objeto com relação às disposições da Lei n.º 8.666/93: - Mesmo não estando caracterizada limitação do mercado ou manifesto desinteresse dos convidados, as licitações da modalidade convite prosseguiram sem a obtenção do número mínimo de três propostas válidas, o que fere o disposto no 7.º, do art. 22, consagrado pela jurisprudência do Tribunal de Contas da União; - Não consta do processo estimativa de preços, instrumento essencial para subsidiar o enquadramento na modalidade adequada, bem como para aferir a compatibilidade da contratação com os valores de mercado; - Não há referência à aprovação e à apreciação pela assessoria jurídica dos instrumentos convocatórios dos convites, o que contraria o parágrafo único do art. 38; - Os instrumentos convocatórios não especificam de forma clara o tipo da licitação (há indefinição no que se refere a hipótese de o objeto ser adjudicado por itens ou de forma global), fator que interfere na elaboração das propostas e contraria as disposições do caput e do inciso VII do art. 40; - Não há, no instrumento de convocação, clara definição sobre as condições para participação na licitação, no tocante às exigências da fase de habilitação, o que fere o inciso VI do art. 40 (impropriedade ocorrida somente no Convite n.º 07/2001); - As propostas apresentadas não foram assinadas pelos licitantes presentes e pela Comissão, o que fere o disposto no 2.º do art

21 Com relação ao cumprimento das IN/STN n.º 01/97, que disciplina a celebração de convênios que tenham por objeto a execução de projetos ou a realização de eventos, constatamos que as notas fiscais não continham identificação referente ao título e ao número do convênio, o que contraria o art. 30 desse normativo. Documentos que compõem os Convites n.º 007/2001, 10/2001 e 15/2001. Justificativa do Gestor Municipal: O gestor afirma que foram convidadas mais de três empresas para participarem dos processos licitatórios. Quanto às impropriedades citadas, alegou urgência para o prosseguimento dos processos pela comissão de licitação, além de o material adquirido só ser comercializado por empresas especializadas. O exposto, segundo o gestor, caracteriza urgência, embasado no art. 24, inciso IV da Lei 8.666/93. Posicionamento da Controladoria: Em que pesem as justificativas apresentadas, continuamos com nosso posicionamento. Se realmente houvesse a urgência alegada pelo gestor, a licitação poderia ter sido dispensada, conforme preceitua o citado dispositivo legal. Mas optou-se por licitação na modalidade de convite. Então, o gestor público deve seguir a legislação pertinente à modalidade de licitação escolhida. Não se pode iniciar e dar prosseguimento a processo licitatório, desrespeitando os dispositivos legais atinentes, sob quaisquer alegações, inclusive urgência e especialização. 8.2) Constatação da Fiscalização: Fato: Atendimento dos objetivos pactuados em convênio referente à construção de adutora de água bruta. Em que pese a não existência de relatórios que comprovem a realização de vistorias por parte do concedente, a obra objeto do Convênio n.º 1360/2000 (adutora de água bruta) foi executada conforme especificações do plano de trabalho, atingiu o objetivo proposto e está atendendo toda a população urbana do município. Processo referente ao convênio, analisado na Funasa e demais documentos que compõem os Convites n.º 007/2001, 10/2001 e 15/2001. Visita ao local. 9- Programa/Ação: Modernização e Adequação da Rede de Serviços do Sistema Único de Saúde Reforsus Nacional. Objetivo da Ação de Governo: Elevar o padrão de qualidade e eficiência do atendimento prestado à população por meio da modernização gerencial, física e tecnológica do Sistema Único de Saúde SUS. Objeto Fiscalizado: Obra (construção de lavanderia) e respectivos equipamentos. Agente Executor Local: Associação de Caridade Hospital São Sebastião. Qualificação do Instrumento de Transferência: Contrato de Repasse n.º 045/98 Montante de Recursos Financeiros: R$ ,52 Extensão dos exames: verificação da execução da construção e dos equipamentos adquiridos. 9.1) Constatação da Fiscalização: 7

22 Fato: Atendimento dos objetivos pactuados em contrato de repasse, com vistas a fortalecer o desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (Reforsus). Em que pese a não existência de relatórios que comprovem a realização de visitas de supervisão por parte do concedente para verificação dos equipamentos adquiridos (a única vistoria limitou-se ao exame da obra), as ações para efetivação do objeto do contrato de repasse n.º 045/98 foram adequadamente executadas - conforme especificações do plano de trabalho - e atingiram o objetivo proposto. Ressalva deve ser feita, no entanto, ao não cumprimento do art. 30 da IN/STN n.º 01/97 (que disciplina a celebração de convênios que tenham por objeto a execução de projetos ou a realização de eventos), no tocante à ausência de identificação referente ao título e ao número do convênio nos documentos comprobatórios da despesas (notas fiscais). Documentos apresentados pelo convenente e exame da execução física da obra e dos equipamentos. 8

23 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 5º Sorteio do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

24 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS MG Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15 a 19/09/2003 a seguinte Ação sob responsabilidade do Ministério do Trabalho e Emprego: - FGTS/Fundo de Garantia do Tempo de Serviço Dos resultados das ações das fiscalizações não foram evidenciados fatos relevantes que indiquem impropriedades/irregularidades na execução dos programas/ações relacionados. 1

25 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO 5º Sorteio do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

26 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 018 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS UF Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15 a 19/09/2003 a seguinte Ação sob responsabilidade do Ministério do Desenvolvimento Agrário: - Financiamento e equalização de juros para a agricultura familiar PRONAF (Lei nº 8.427, de 1992) Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. 1 - Programa/Ação: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF. Objetivo da Ação de Governo: Financiar a implantação, ampliação, modernização, racionalização, e relocalização da infra-estrutura; dinamizar o Setor Produtivo e assegurar a Sustentação ao Desenvolvimento Rural Objeto Fiscalizado: Diversos e referentes a financiamentos concedidos a pequenos produtores rurais - custeio ou investimento. Agente Executor Local: Banco do Brasil - Agência de Sabinópolis. Qualificação do Instrumento de Transferência: Concessão de Financiamento por meio de contratos individuais. Montante de Recursos Financeiros: Não se aplica. Extensão dos exames: 10 dossiês relativos a financiamentos de PRONAF. 1.1) Constatação da Fiscalização: Fato: Renovação de crédito do PRONAF a proprietário cujas propriedades ultrapassam o limite máximo de 06 módulos rurais previstos para oprograma. Entre os dossiês analisados encontramos o que trata das operações realizadas entre o Banco do Brasil e o Sr. Deobaldino Marques de Pinho, cuja última renovação de crédito recebeu o número de operação Solicitamos ao Cartório de Registro de imóveis de Sabinópolis que se manifestasse formalmente sobre o total de área rural pertencentes a diversos beneficiários do Pronaf, inclusive o 1

27 agricultor retrocitado. Em resposta, fomos informados de que estão registradas em seu nome as seguintes propriedades: Propriedade (sic) Matrícula Tamanho Folhas Livro Congo-Turvo Grande ha 93 a e 23 ca GongoTurvo litros (76835 m²) (7,6 ha) Grota do Congo hectares Turvo Grande hectares Total 288 hectares Segundo informações da responsável pela unidade da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais - Emater no município de Sabinópolis, o módulo rural na região é previsto em 26 hectares. (As regras do Programa prevêem, todavia, limitavam em 04 módulos rurais o total de terras em posse do beneficiário) FRASE NÃO ENTENDIDA. Deste modo, no caso em questão, a concessão do financiamento só poderia atingir proprietários cujas propriedades, somadas, alcançassem apenas 104 hectares. Para a conversão de medidas: para os nomes e medidas das propriedades: ofício do cartório de registro de imóveis de Sabinópolis. Para as regras do Pronaf: 2

28 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 18 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS - MG MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 5º Sorteio do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos 03/SETEMBRO/2003

29 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 18 MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS MG Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 15/09 a 19/09/2003 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério da Assistência Social: - Atendimento à Criança em Creche - Atendimento à Criança e ao Adolescente em Jornada Escolar Ampliada Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. 1 - Programa/Ação: Atenção à Criança/Atendimento à Criança em Creche. Objetivo da Ação de Governo: Assegurar o atendimento a crianças carentes de até seis anos em creche, pré-escolas ou outras alternativas comunitárias. Objeto Fiscalizado: Verificação do Atendimento à Criança em Creche Agentes Executores Local: ONG - Bem Estar do Menor e OG - Prefeitura Municipal de Sabinópolis Qualificação do Instrumento de Transferência: repasse direto à prefeitura (Fundo a Fundo) Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,40 Extensão dos exames: analisado o total dos recursos repassados à Prefeitura Municipal de janeiro até julho de ) Constatação da Fiscalização: Fato: Descrição da execução do PAC no município de Sabinópolis. A Prefeitura Municipal de Sabinópolis assumiu a responsabilidade pela gestão do Atendimento à Criança em Creche, programa desenvolvido no município. Foi elaborado o Plano Municipal de Assistência Social, conforme preceituado pelas normas de habilitação à gestão municipal. A Prefeitura Municipal recebe recursos correspondentes ao atendimento mensal de 410 crianças. Desse total, os recursos referentes ao quantitativo de 60 crianças são remetidos em forma de alimentação à creche da Prefeitura, Creche Municipal Sagrada Família, que executa seu trabalho efetivamente com 120 crianças de zero a seis anos. Os recursos referente às outras 350 crianças do programa são enviados à Entidade Bem Estar do Menor, para atendimento de crianças não só de 1

30 Sabinópolis como também de outros 4 municípios vizinhos, situação que será tratada à frente na constatação de cada entidade. Os recursos referentes ao PAC oriundos da transferência do Fundo Nacional de Assistência Social são recebidos e repassados à Bem Estar do Menor. A Creche Municipal Sagrada Família pertencente à Prefeitura recebe alimentos e material didático que são utilizados junto às crianças. Dados dos extratos bancários onde constam os valores repassados à Bem Estar do Menor pela Prefeitura, Relatórios mensais enviados pelas creches, Quadro de Acompanhamento Físico das entidades e informações prestadas pelo próprio município. 1.2) Constatação da Fiscalização: Fato: Ausência de supervisão no PAC pela Secretaria Municipal de Ação Social. A Secretaria Municipal de Ação Social não realiza supervisões nas duas entidades executoras do PAC. Apenas é elaborado o quadro de Acompanhamento Físico das entidades, que são encaminhados mensalmente ao gestor estadual, com base nos relatórios mensais enviados pelas creches. A Secretária de Ação Social do município informou que a supervisão do programa é responsabilidade da Secretaria de Educação. Em contato com a Secretária de Educação confirmamos que essa supervisão é só pedagógica. Informações prestadas pela Secretária Municipal de Ação Social e pela Secretária de Educação. Justificativa do Gestor Municipal: Segundo o gestor, de acordo com a Lei 9034 LDB em seu art. 11 inciso V a educação infantil é de responsabilidade da área de educação, portanto cabe a mesma supervisionar a área pedagógica, art. 12, inciso II, administrar seu pessoal e seus recursos financeiros. Posicionamento da Controladoria: O PAC Programa de Atendimento à Criança em Creche é parte do SAC Serviços de Ação Continuada e recebe recursos transferidos do FNAS Fundo Nacional de Assistência Social. A Secretária de Educação nos informou que realiza somente supervisão pedagógica, o que nos parece correto. Mas, no caso em tela, a supervisão quanto aos demais aspectos, incluindo a supervisão sistemática das entidades executoras, deve ser feita pela Secretaria Municipal de Ação Social, o que não tem acontecido, sob a alegação de a educação infantil ser responsabilidade da área de educação. No caso deste programa, não é. Fica mantido, assim, nosso posicionamento. 1.3) Constatação da Fiscalização: Fato: Ausência de supervisão no PAC pelo CMAS. O Conselho Municipal de Ação Social - CMAS de Sabinópolis foi instituído pela Lei n.º 1.366/1995, de 27/12/95. A Portaria de Designação dos membros do CMAS é a Portaria nº 116 de , que determinou o mandato de dois anos. Constatamos a existência de 3 atas em 2003 ( , e ). Apesar da secretária municipal de Ação Social ter informado que o conselho executa supervisões periódicas no PAC, não conseguimos comprovar a execução, principalmente porque não há registro em nenhuma ata de que as mesmas tenham sido realizadas. 2

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PINDOBAÇU/BA 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE AGUIARNÓPOLIS/TO 1. Trata o presente

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados

Leia mais

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA.

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Relatório de Demandas Externas n 00213.000058/2010-38 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO GOIÁS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO GOIÁS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO GOIÁS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SANCLERLÂNDIA/GO 1. Trata o presente

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE GOIATINS/TO 1. Trata o presente

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ROCA SALES /RS

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ROCA SALES /RS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ROCA SALES /RS 1.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE UIRAPURU-GO 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PIRATININGA/SP 1. Trata o

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DO MUNICÍPO DE URUPÁ Palácio Senador Ronaldo Aragão PROCURADORIA JURÍDICA

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DO MUNICÍPO DE URUPÁ Palácio Senador Ronaldo Aragão PROCURADORIA JURÍDICA LEI Nº 581/2013 DE 18 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a criação do Programa de Gestão Financeira Escolar ESCOLA FORTE, orienta sua implantação e adota outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IAPU/MG 1. Trata o presente

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010346/2010-14 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SÃO THOMÉ DAS LETRAS/MG

Leia mais

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Relatório de Demandas Externas n 00213.000123/2010-25 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES A Lei 8.666/93 foi alterada em 11 de julho de 2011 (artigos 27 e 29), pela Lei 12.440, sendo implementada a exigência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01365 MUNICIPIO DE NOVA CANAA PAULISTA - SP E02º Sorteio do Projeto de Fiscalização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 00217.000181/2008-02 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE RELATO GERENCIAL ESTADO DO ACRE 1. Trata o presente Relato

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE CLARO DOS POÇÕES/MG

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE CLARO DOS POÇÕES/MG PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE CLARO DOS POÇÕES/MG 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR 1 Justificativa O Observatório Social do Brasil lança uma ação conjunta para a Rede de Observatórios Sociais que consistirá num

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS/RJ

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS/RJ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS/RJ 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TANGUÁ/RJ 1. Trata o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.332, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

Projeto do Fórum Paranaense de Economia Solidária que define a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Paraná.

Projeto do Fórum Paranaense de Economia Solidária que define a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Paraná. Projeto do Fórum Paranaense de Economia Solidária que define a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Paraná. Artigo 1. Fica instituída a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 Solicitação de Trabalho nº 252/2014 CONOF Solicitante: Deputado Pauderney Avelino ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS SOBRE A INCLUSÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COMO DESPESA DE MANUTENÇÃO

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PENAMBUCO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PENAMBUCO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PENAMBUCO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BUENOS AIRES PE 1. Trata o

Leia mais

Número: 00190.001435/2011-42 Unidade Examinada: Município de Pindamonhagaba/SP.

Número: 00190.001435/2011-42 Unidade Examinada: Município de Pindamonhagaba/SP. Número: 00190.001435/2011-42 Unidade Examinada: Município de Pindamonhagaba/SP. Relatório de Demandas Externas n 00190.001435/2011-42 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE 1 ASSIST. AMBULAT. E HOSPITALAR ESPECIALIZADA 1.1 ATENÇÃO À SAÚDE DA POP NOS MUNICÍPIOS 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS 1.1.1.1

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO PARÁ

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO PARÁ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO PARÁ RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BANNACH/PA 1. Trata o presente Relato

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO EM ALAGOAS. Curso de Fiscalização de Programas da Área da Saúde e. Educação

CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO EM ALAGOAS. Curso de Fiscalização de Programas da Área da Saúde e. Educação CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO EM ALAGOAS Curso de Fiscalização de Programas da Área da Saúde e Palestrantes: José William Gomes da Silva Chefe da CGU-Regional/AL Lúcio de Oliveira Técnico de Finanças

Leia mais

A seguir, são listados alguns problemas que não podem ocorrer, de forma alguma, na proposição ou na execução do convênio ou contrato de repasse:

A seguir, são listados alguns problemas que não podem ocorrer, de forma alguma, na proposição ou na execução do convênio ou contrato de repasse: CUIDADOS DURANTE A EXECUÇÃO DE UM CONVÊNIO 1 As transferências voluntárias formam um sistema de cooperação entre a União e os demais entes da Federação, além das chamadas organizações nãogovernamentais,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

Ação Governamental Fiscalizada

Ação Governamental Fiscalizada PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BONINAL/BA 1. Trata o presente

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

a autarquia, de forma a evitar dependência em relação ao prestador, bem como garantir a segurança das informações. Acórdão 1937/2003 Plenário

a autarquia, de forma a evitar dependência em relação ao prestador, bem como garantir a segurança das informações. Acórdão 1937/2003 Plenário a autarquia, de forma a evitar dependência em relação ao prestador, bem como garantir a segurança das informações. Acórdão 1937/2003 Plenário Cumpra fielmente as cláusulas pactuadas nos contratos, evitando

Leia mais

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde A Regulamentação 9 anos de tramitação no Congresso Nacional A Lei foi editada com a seguinte estrutura: - Disposições preliminares;

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador PLANEJAMENTO DO SUS Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador FINANCIAMENTO DA

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA OBJETIVANDO GARANTIR MERENDA ESCOLAR DE QUALIDADE PARA TODOS

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA OBJETIVANDO GARANTIR MERENDA ESCOLAR DE QUALIDADE PARA TODOS TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA OBJETIVANDO GARANTIR MERENDA ESCOLAR DE QUALIDADE PARA TODOS que firmam o MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL, por meio da Promotoria de Justiça de... e o MUNICÍPIO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA RESOLUÇÃO Nº. 007/11, de 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a Captação de Recursos através do Fundo da Infância e Adolescência

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CECÍLIA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CECÍLIA GABINETE DO PREFEITO Lei Nº 181/2014 Dispõe sobre a utilização de equipamentos e máquinas doados ao município no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento PAC2, assim como os equipamentos e máquinas objetos de compra

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PIAUÍ

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PIAUÍ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PIAUÍ RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SIMPLÍCIO MENDES/PI 1. Trata o

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 11.261, DE 16 DE JUNHO DE 2003. Estabelece normas para celebração de convênios e instrumentos similares por órgãos e entidades do Poder Executivo, e dá outras providências. Publicado no Diário

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Município de Niterói Prefeitura Municipal de Niterói Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos Processo Seletivo Simplificado EDITAL 001/2013 O Município de Niterói, através da Secretaria

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

Orientações Estruturantes

Orientações Estruturantes Ministério do Esporte Programa Esporte e Lazer da Cidade PELC & Vida Saudável Orientações Estruturantes 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E PROJETO TÉCNICO PEDAGÓGICO...3 3. RELAÇÃO

Leia mais

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar Projeto Consumo Responsável e Coletivo Oficina de Campina Grande, 21 de Novembro de 2011 Ana Flávia Badue, Danuta Chmielewska e Viviany Félix Instituto Kairós - Ética e Atuação Responsável www.institutokairos.net

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE MONGAGUÁ/SP 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATO GERENCIAL MdUNICÍPIO DE NILÓPOLIS/RJ 1. Trata

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PIRACICABA Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 71000.002060/2007-90

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOCIAIS

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOCIAIS PORTARIA N 035, 10 DE JUNHO DE 2008 DISPÕE SOBRE O EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DA REDE EXECUTORA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS 2.008 O Secretário Municipal de Políticas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE APIAÍ/SP 1. Trata o presente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 12.234, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. (publicada no DOE nº 09, de 14 de janeiro de 2005) Dispõe sobre normas para

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Descentralização mediante convênio.

Descentralização mediante convênio. PARCERIAS PÚBLICAS Descentralização A descentralização é um princípio administrativo consagrado pelo art. 10 do Decreto-lei n 200, de 1967, que firmou, como uma das práticas principais, descentralizar

Leia mais

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014.

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2015 e da outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL Faço saber que a Câmara Municipal decreta e

Leia mais

Ação Governamental Fiscalizada. Transferência de Renda Diretamente às Famílias em Condições de Pobreza e Extrema Pobreza (Lei nº 10.

Ação Governamental Fiscalizada. Transferência de Renda Diretamente às Famílias em Condições de Pobreza e Extrema Pobreza (Lei nº 10. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ORTIGUEIRA/PR 1. Trata o presente

Leia mais

Estimativa de valor da contratação

Estimativa de valor da contratação Estimativa de valor da contratação A As contratações públicas somente poderão ser efetivadas após estimativa prévia do seu valor, que deve obrigatoriamente ser juntada ao processo de contratação e, quando

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O MOVIMENTO DAS DONAS DE CASA E CONSUMIDORES DE MINAS GERAIS MDC, doravante denominada OSCIP, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o n. 20.966.842/0001-00, com

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE COQUEIRO BAIXO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Município da Canção Italiana CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº 44/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE COQUEIRO BAIXO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Município da Canção Italiana CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº 44/2015 CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº 44/2015 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A MERENDA ESCOLAR O MUNICÍPIO DE COQUEIRO BAIXO-RS, pessoa jurídica de direito público interno,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA 003/06

RESOLUÇÃO NORMATIVA 003/06 RESOLUÇÃO NORMATIVA 003/06 Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. O DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições legais e constitucionais; Considerando que

Leia mais

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org.

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

36ª Etapa do Programa de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos. Sumário Executivo Santo André/PB. Introdução

36ª Etapa do Programa de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos. Sumário Executivo Santo André/PB. Introdução 1 de 29 Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 36ª Etapa do Programa de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 36015

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ATOS DO PODER EXECUTIVO Decreto nº 7.499, de 16 de junho de 2011 Regulamenta dispositivos da Lei no 11.977, de 7 de julho de 2009, que dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida, e dá outras providências.

Leia mais

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas Componentes: Clari Souza Daniela Boniatti

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 16/2011 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília, 23 de maio de 2011. PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE 1. INTRODUÇÃO: O Programa Academia da Saúde foi instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde através

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais