Curso de Engenharia Ambiental Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Engenharia Ambiental Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Pró-Reitoria FABIANA BISPO de Graduação DOS SANTOS Curso de Engenharia Ambiental Trabalho de Conclusão de Curso ELABORAÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS DE DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO UNIFAMILIAR ELABORAÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS DE DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO UNIFAMILIAR Artigo apresentado ao curso de graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para a obtenção de Título de Bacharel em Engenharia Ambiental Autora: Fabiana Bispo dos Santos Orientadora: Maria Albertina Pires Maranhense Costa - PhD Orientadora: Maria Albertina Pires Maranhense Costa PhD. Brasília 201 Brasília - DF 2013

2 FABIANA BISPO DOS SANTOS ELABORAÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS DE DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO UNIFAMILIAR Artigo apresentado ao curso de graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para a obtenção de Título de Bacharel em Engenharia Ambiental Orientadora: Maria Albertina Pires Maranhense Costa PhD. Brasília 2013

3 Artigo de autoria de Fabiana Bispo dos Santos, intitulado ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO UNIFAMILIAR, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília, em 21 de junho de 2013, defendido e aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Prof. Maria Albertina Pires Maranhense Costa - PhD Orientadora Curso de Engenharia Ambiental UCB Prof. Msc. Beatriz Rodrigues de Barcelos Examinadora Curso de Engenharia Ambiental UCB Brasília 2013

4 Dedico esse projeto a mulher que mais me incentivou a ser uma pessoa que trilha caminhos do bem, uma pessoa verdadeira e que tem a honestidade como um princípio inabalável e sobre tudo que coloca Deus em primeiro lugar na vida. Dedico a você, Francisca Bispo, minha mãe.

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente preciso agradecer a Deus, pois é por meio dele que tenho o privilégio de estar realizando este trabalho. À minha mãe, Francisca Bispo, aos meus irmãos: Fábio, Paulo, Mayara e Rafael, que demonstram tanto amor. Ao meu esposo, Anderson, pelo carinho mesmo em meio a tanta correria. Às minhas amigas Fernanda, Keisyane e Olívia que iniciaram esse projeto comigo. À professora Maria Albertina pela atenção nas orientações dadas.

6 6 ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO UNIFAMILIAR FABIANA BISPO DOS SANTOS RESUMO Tendo como base um déficit na parte de infraestrutura do saneamento básico brasileiro, como a falta de rede coletora de esgoto e tratamento do mesmo principalmente em regiões menos desenvolvidas. Tem-se por objetivo desenvolver planilhas eletrônicas, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), para construção de fossas sépticas com vistas ao tratamento dos dejetos gerados em residências de médio a grande porte, e de pós-tratamento como filtros anaeróbios e sumidouros. O projeto foi realizado de acordo com as normas que regem a construção e operação de todos os sistemas. Visando facilitar o uso do dimensionamento desses sistemas foi elaborada uma planilha eletrônica onde contém os cálculos desses dimensionamentos conforme é exigido pela ABNT, NBR 7229/93 que trata do Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos e a NBR 13969/97 que rege as Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos, onde o usuário irá apenas substituir dados, referente à construção do sistema de tratamento que atende no máximo onze pessoas, e os valores serão apresentados na escala em que foi pedida, dando assim a informação do volume útil para cada sistema que se deseja implantar. Foi agregado ao estudo a relação da condutividade hidráulica do solo do DF com a vulnerabilidade a contaminação. Palavras-chave: Fossa Séptica. Pós-Tratamento. Planilha de Dimensionamento. Vulnerabilidade do Solo. 1. INTRODUÇÃO Segundo a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB) de 2008, feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a situação do esgotamento sanitário no Brasil é deficiente quanto a oferta de serviço. A PNSB indicou a falta de coleta de esgoto em municípios, distribuídos pelos estados brasileiros, exceto pelo Estado de São Paulo, onde apenas uma cidade não apresentava o serviço de esgotamento através de rede coletora. Em relação aos dados gerais do Brasil 34,8% das pessoas não tem acesso à rede coletora de esgoto, segundo as grandes regiões.

7 7 A solução de construção de fossas sépticas para destinação do esgoto doméstico são as alternativas para a população, que não tem o serviço de esgotamento sanitário, evitar o lançamento de dejetos em corpos hídricos e no solo, causadores de grande impacto ao meio ambiente e na saúde, devido a presença de nutrientes (processo de eutrofização) e organismos patogênicos (doenças de veiculação hídrica) (IBGE, 2008). A vulnerabilidade do solo e o risco a contaminação também devem ser observados quando se trata de esgoto sanitário, considerando que a destinação inadequada desses materiais levam a proliferação frequente de doenças e impactos no meio ambiente. As fossas sépticas são alternativas seguras para a destinação dos esgotos domésticos, contudo o que se observa são construções e operações de fossas e tanques sépticos de maneira inadequada. De modo geral, a construção destas fossas são realizadas por profissionais não capacitados quanto as normas e instruções técnicas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que determina Normas Brasileiras Regulamentadoras (NBRs) que discorrem sobre construção e operação de sistemas de tanques sépticos e disposição final dos efluentes (ABNT, 1993, 1997). As NBRs são importantes para padronizar a construção de fossas sépticas, visando garantir a qualidade do projeto implantado. A não implantação destas implicam no aumento do volume de esgoto causando infiltrações e contaminação no lençol freático e no solo. De acordo com a comunicação verbal, em 2013, com o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Distrito Federal- Brasília (CREA-DF), não exige que o engenheiro responsável registre as obras relacionadas à execução de fossas sépticas. Portanto, não há nenhum tipo de registro no CREA-DF a esse respeito. Outro problema a ser considerado é que os serviços públicos de tratamento de esgoto muitas vezes são sobrecarregados em algumas épocas do ano, recebendo volume de esgoto maior do que são previstos, como em épocas de chuvas em que as águas pluviais são direcionadas para as Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs). Ao aumentar o volume de esgoto recebido as ETEs são obrigadas a descartar parte do esgoto antes de ser tratado, lançando-os em corpos d água gerando impacto ao meio ambiente (IBGE, 2008). A solução para descentralização do tratamento do esgoto pelos serviços públicos seria a promoção desses tratamentos em estações unifamiliares, usando tratamentos simples e aplicáveis em residências, principalmente em áreas rurais que não contam com o serviço coletor de esgoto. O objetivo deste projeto de pesquisa é estudar a viabilidade por meio de levantamento bibliográfico para o tratamento de esgoto doméstico e desenvolver planilhas eletrônicas, segundo a ABNT, para construção de tanques sépticos. 2. MATERIAL E MÉTODOS 2.1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO Fossa Séptica O tanque séptico é destinado ao tratamento primário de esgoto doméstico prediais e de condomínios onde ainda não há rede coletora de esgoto. Dessa forma, a fossa tem como principal atividade a remoção da maior parte dos sólidos suspensos presentes no esgoto. Esse material grosseiro é sedimentado e passa por um processo de digestão anaeróbia no fundo do tanque, ocorrendo assim sua estabilização sob condições desse processo. As unidades de

8 8 tanques sépticos podem ser de forma cilíndrica ou retangular e são de fluxo horizontal. O sistema de tanque séptico deve funcionar obedecendo as distancias mínimas de três metros para árvores e qualquer ponto de rede coletora abastecimento de água e quinze metros de distância de poços freáticos e corpos de água de qualquer natureza para que haja a preservação da qualidade das águas superficiais e subterrâneas (ABNT, 1993). Para o dimensionamento da fossa, Figura 1, são adotados alguns valores mínimos tabelados pela norma para se calcular o volume útil. Sendo assim, a norma diz que para se obter a contribuição de esgoto em L/hab.dia junto com a contribuição de lodo fresco em L/hab.dia se utiliza a Tabela 1. Quanto ao período de detenção dado em dias é determinada pela contribuição em L/dia encontrados na Tabela 2 e a taxa de acumulação de lodo dados em dias por intervalo de limpeza estão disponíveis na Tabela 3, todas presentes neste trabalho. O dimensionamento do tanque séptico se dá pela equação 1: Equação 1 Onde: V= Volume útil, em litros N= Número de pessoas ou unidade de contribuição C= Contribuição de despejos, em litros/ pessoa x dia, ou em litros/ unidade x dia T= Período de detenção, dias K= Taxa de acumulação de lodo digerido em dias, equivalente ao tempo de acumulação de lodo fresco Lf= Contribuição de lodo fresco, em litros/ pessoa x dia ou litros/ unidade x dia Figura 1 - Detalhes e dimensões de um tanque séptico de câmara única Fonte: ABNT (1993)

9 9 SUMIDOURO É uma das formas de pós-tratamentos mais utilizada para a depuração de efluentes final das fossas sépticas. Conhecidos por poços absorventes, os sumidouros geralmente tem formas cilíndricas, e suas paredes são revestidas de alvenaria, onde os efluentes das fossas sépticas são lançados diretamente nos sumidouros, permitindo assim, a infiltração no solo. De acordo com a ABNT (1997, p ) tem-se: Os sumidouros deverão ter as paredes revestidas de alvenaria de tijolos, assentes com juntas livres, ou anéis pré-moldados de concretos, convenientemente furados, podendo ter, ou não, enchimento de cascalho, pedra britada, coque, com recobrimento de areia grossa. As lajes de coberturas dos sumidouros deverão ficar ao nível do terreno, serão de concreto armado, e dotada de abertura de inspeção com tampão de fechamento de hermético, cuja menor dimensão, em seção, será de 0,60 m. As dimensões dos sumidouros serão determinadas em função da capacidade de absorção do terreno, calculada segunda as indicações constantes do Item 10.5, devendo ser considerada como superfície útil de absorção a do fundo e das paredes laterais até o nível de entrada do efluente da fossa. Os sumidouros não deverão atingir o lençol freático. O sumidouro, Figura 2, ou poços absorventes, devem ser construídos com distância mínima de três metros de distância da fossa séptica, e em um ponto com maior declive, que facilitará o escoamento do efluente. Figura 2 Detalhes e dimensões de um Sumidouro Fonte: ABNT (1997) FILTRO ANAERÓBIO DE LEITO FIXO COM FLUXO ASCENDENTE Utilizado para tratamento de esgotos quando o solo tem sua capacidade reduzida de absorção, e o espaço no terreno é pouco. Indicados para esgotos de baixa carga orgânica e resíduos solúveis, pois se houver muitos sólidos suspensos, maior a possibilidade de entupimento. O filtro anaeróbio é feito de tanques com leito de meio filtrante, onde o efluente da fossa séptica se escoa no sentido ascendente, a parte que possui o meio suporte como filtrante que fica contida no tanque. Com o funcionamento do filtro ficam retidas no material filtrante as bactérias anaeróbias. Segundo Dacach (1990) algumas experiências realizadas, indicam que os filtros anaeróbios de fluxo ascendente, removem do efluente da fossa séptica cerca de 65 a 75% da

10 10 demanda bioquímica de oxigênio, aproximadamente 64% de sólidos em suspensão, e de 55 a 68% da demanda química de oxigênio. Ao considerar a ação conjunta de fossa séptica e do filtro anaeróbio são removidos do esgoto bruto de 65% a 82% de demanda química de oxigênio, de 89% a 98% de sólidos em suspensão, de 88% a 97% de sólidos em suspensão voláteis e de 60% a 73% de coliformes fecais (DACACH, 1990). Todo o processo de pós-tratamento com filtro anaeróbio deve ser muito criterioso, pois pode sofrer alterações de acordo com as variações de temperatura do esgoto. O efluente do filtro anaeróbio pode exalar odores. Dimensionamento, conforme a ABNT (1997): a) Volume útil (V) V=1,60.N.C.T Equação 2 N= número de contribuintes C= contribuição de esgoto, em litro/pessoa.dia T= período de detenção, em dia b) Seção horizontal (S) S= V/1,80 O diâmetro(d) e a largura (L), não devem exceder a três vezes a profundidade útil (h) de 1,80m. Figura 3 Detalhes e dimensionamento do Filtro Anaeróbio tipo circular Fonte: ABNT (1997) 2.2 MATERIAIS Segue abaixo o material utilizado neste estudo: a) Levantamento bibliográfico incluindo normas brasileiras para construção de sistemas de tratamento de esgoto doméstico; b) Levantamento bibliográfico dos solos presentes no Distrito Federal (DF);

11 11 c) Identificação do software Microsoft Office Excel para a elaboração das planilhas eletrônicas. 2.3 MÉTODOS Os métodos adotados para o desenvolvimento deste estudo foram: a) Aplicação dos sistemas de tratamento e pós-tratamento tendo como base a bibliografia e a ABNT, onde foram elaboradas normas referentes quanto: ao dimensionamento; a distância exigida para construção dos sistemas referente aos corpos d água e a vegetação; ao tipo de construção, entre outros. b) Mapa Pedológico Digital do DF (2004) adotado para identificar os principais tipos de solos existentes no DF, quanto à vulnerabilidade a infiltração e a contaminação, segundo o critério de condutividade hidráulica. c) O Programa usado para a construção das planilhas é o Microsoft Office Excel, por ser um programa de planilha eletrônica de cálculo e de fácil manuseio. c.1) Planilhas eletrônicas As planilhas estudadas para o uso preferencialmente unifamiliar é para no máximo 11 pessoas. A contribuição de esgoto e lodo fresco foram observadas por meio da tabela 1 de contribuição diária de esgoto, onde se destacaram dois tipos de padrão de residência: os padrões médios e baixos. Foi automatizado as planilhas para atender o número máximo de pessoas em 11 contribuintes, portanto a faixa de contribuição diária em litros de esgoto chega ao limite de 1500 L/d e o tempo de detenção dos despejos é de apenas um dia. Para a tabela de taxa de acumulação total de lodo em dias por intervalo entre limpezas, optou-se para adotar a média de temperatura ambiente acima de 20º C, tomando como média temperatura ambiente de clima tropical. Após as determinações estabelecidas conforme a situação de tratamento e pós-tratamentos unifamiliar, foi feito o agrupamento destas informações para a planilha de Fossa. c.2) Planilha da Fossa Séptica Na planilha de fossa séptica foi estruturado com base nos dados das Tabelas 1, 2 e 3 da ABNT (1993), para no máximo11 (onze) contribuintes de esgoto por residência. Inserindo a fórmula de volume útil total do tanque séptico (ABNT, 1993, p.4) na planilha e utilizando as informações disposta nas tabelas é possível dimensionar o tanque séptico. A planilha conta também com informações das dimensões por numero de pessoas por residência e a contribuição diária (CREDER, 2006). Para dimensionar a fossa séptica foi feita a planilha de cálculo que utiliza as informações das tabelas e das fórmulas para obter o resultado das dimensões da fossa séptica.

12 12 Tabela 1 - Contribuição diária de esgoto (C) e de lodo fresco (Lf) por tipo de prédio e de ocupante Cod. Descrição Unidade Contribuição esgoto ( C ) Contribuíção de lodo fresco (Lf) 1 Residência alto padrão litros/pess 160 1,00 2 Residência médio padrão litros/pess 130 1,00 3 Residência baixo padrão litros/pess 100 1,00 4 Alojamento provisório litros/pess 80 1,00 5 Fábrica litros/pess 70 0,30 6 Escritório litros/pess 50 0,20 7 Edifícios públicos ou comerciais litros/pess 50 0,20 8 Escolas litros/pess 50 0,20 9 Restaurantes e similares litros/ref 25 0,10 10 Cinemas, teatros e similares litros/lugar 2 0,02 11 Sanitário públicos litros/vaso 480 4,00 Fonte: ABNT (1993) Tabela 2 Período de detenção dos despejos, por faixa de contribuição diária Período de detenção Contribuição diária (L) Intervalo Tempo de detenção (T) COD. Dias Horas ,00 24, ,92 22, ,83 20, ,75 18, ,67 16, ,58 14, ,50 12,00 Fonte: ABNT (1993) Tabela 3 - Taxa de acumulação total de lodo (K), em dias, por intervalo entre limpezas e temperatura do mês mais frio Fonte: ABNT (1993)

13 13 c.3) Planilha do Sumidouro A planilha de pós-tratamento sumidouro é composta pela tabela de Possíveis Faixas de variação de Coeficiente de Infiltração dependendo do tipo de solo (CREDER, 2006, p. 260). A tabela de coeficiente de infiltração é uma alternativa simples para os testes de percolação, que são necessários nas etapas de implantação do sumidouro segundo a ABNT (1997), com essa tabela e o resultado do Volume útil da fossa séptica, é calculada a fórmula de Área de Infiltração necessária para o sumidouro (CREDER, 2006, p. 258). Para o cálculo das dimensões usou-se uma segunda fórmula da área de infiltração que é utilizado como parâmetros o diâmetro (D) e altura (h) (DACACH, 1990, p.143); usando a área de infiltração pode-se calcular as dimensões do sumidouro. Quadro1 Faixa indicando os valores de absorção Faixa Possíveis faixas de variação de absorção (tabela 3.13 Creder) Características da constituição dos solos Rochas,argilas compactadas de cor branca, cinza ou preta, variando a rochas alteradas e argilas medianamente compactadas de cor avermelhada Argilas de cor amarela, vermelha ou marrom medianamente compactas,variando a argilas, pouco siltosas e/ou arenosas Argilas arenosas e/ou siltosa, variando a areia argilosa ou silte argiloso de cor amarela, vermelha ou marrom 4 Areia ou silte argiloso, ou arenoso com humos e turfas, variando a solos constituídos predominantemente de areias e siltes Areia bem selecionada e limpa, variando a areia grossa com 5 cascalhos Fonte: CREDER (2006) Coeficiente de infiltração m²x dia (Ci) menor que a a a 90 maior que 90 Tabela 5 - Cálculo de área de infiltração para sumidouro Área de infiltração necessária para sumidouro A= V/Ci A = πd² + π x D x h 4 Fonte: CREDER (2006) c.4) Planilha do Filtro Anaeróbio Na construção da planilha de filtro anaeróbio foi usado a ABNT (1997) como instrumento para os cálculos de dimensionamento, considerando o uso unifamiliar obtém-se o numero máximo de 11 pessoas por residência, por meio dessa informação foi possível montar a tabela de contribuição diária de dejetos e de carga orgânica por tipo de prédio e de ocupantes, destacando para a planilha o tipo de residência de padrão médio e padrão baixo.

14 14 Como a vazão em litros por dia não ultrapassa 1500 L/d, na tabela de tempo de detenção hidráulica de esgotos por faixa de vazão e temperatura do esgoto foi destacado apenas a faixa de até 1500 L/d de vazão considerando apenas as temperaturas entre 15 C e 25 C e temperaturas maiores que 25 C. Com a fórmula do volume útil do leito filtrante em litros foi capaz de dimensionar o reservatório do filtro anaeróbio utilizando a fórmula da seção horizontal e do lado da seção horizontal (DACACH, 1990). Cruzando as informações na planilha de dimensionamento é possível obter o resultado do cálculo das dimensões do filtro anaeróbio. 2 RESULTADOS E DISCUSSÃO 2.1 RESULTADOS a ) Automatização das NBRs abaixo visando sua eventual aplicação: - NBR n 7229/1993 que dispõe sobre projeto, construção e operação de sistema de tanques sépticos; - NBR n 13969/1997 que dispõe sobre tanques sépticos - unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos- projeto, construção e operação. b) Vulnerabilidade do Solo no DF Ao analisar os principais solos do DF por meio do Mapa Pedológico Digital (2004), os resultados obtidos foram três classes de solo: os Latossolos, que são mais de 50% da área, os Argilossolos que correspondem a 2,89% e os Cambissolos que ocupam 30,98%. Segundo estudos de GOMES (2002) sobre a condutividade hidráulica natural de varias classes de solo, foi possível desenvolver a tabela 6, que indica os valores de condutividade hidráulica ( porosidade ) correlacionados com as classes de vulnerabilidade dos solos do DF. Ao relacionar a condutividade hidráulica com o potencial de possível infiltração é observado que a vulnerabilidade do Latossolo é alta, a do Argilossolo é moderada e a do Cambissolo pode ser classificada como baixa. Logo, a possibilidade de eventual contaminação do solo no DF, por uso inadequado de fossa séptica, é expressiva, pois o Latossolo constitui mais de 50% de sua área. Tabela 6 - Classes de Condutividade Hidráulica dos Solos Classes de Condutividade Hidráulica (kv) Valores em Kv em m3/s Classes de Solo Área correspondente no DF (%) Alta Latossolos 54,50 Moderada Argissolos 2,89 Baixa Cambissolos 30,98 Fonte: Barbado (2008), adaptado de Gomes et al., c) Automatização do dimensionamento de tanques sépticos (segundo as NBRs) As NBRs n 7229/1993 e n 13969/1997 identificadas no resultado a foram automatizadas visando facilitar o seu eventual uso.

15 15 O resultado dessa automatização foi o desenvolvimento das seguintes planilhas eletrônicas: (1) para tratamento primário do esgoto a planilha de fossa séptica e, (2) para pós-tratamentos as planilhas de filtro anaeróbio e de sumidouro. A Tabela 7 que indica o calculo de dimensionamento (até 11 pessoas), foi desenvolvida a partir das Tabelas 1, 2 e 3. Na Tabela 1, nos códigos 2 e 3 estão indicando o padrão das residências, já na Tabela 2, foi usado o código 1 para contribuição diária e o tempo de detenção e na Tabela 3 foi usado a taxa de acumulação de lodo conforme o intervalo de limpeza da fossa. Tabela 7 Exemplo de cálculo de Dimensionamento de fossa para 5 pessoas N de pessoas 5 Unidade Contribuição por tipo de prédio 130 Litros/dia Contribuição diária de esgoto 650 Litros/dia Taxa de acumulação de lodo(k) 97 - Volume útil calculado (V) 2135 Litros A Figura 4 apresenta o junção das Tabelas 1, 2 e 3 para o desenvolvimento da Tabela 7 indicando o calculo de dimensionamento de fossa séptica para 5 pessoas. Figura 4 - Planilha fossa séptica no EXCEL, substituição dos dados para obtenção de resultados de dimensionamento. Resultados obtidos automaticamente com as mudanças dos dados

16 16 A partir das Tabelas 1, 2 foi desenvolvida a Tabela 8, que exemplifica o calculo de dimensionamento de filtro anaeróbio. Na Tabela 1, nos códigos 2 e 3 estão indicados o padrão das residências, já a Tabela 2, foi usado código 1 para a contribuição diária e tempo de detenção hidráulica do lodo e da temperatura. Na medida em que os parâmetros número de pessoas(n), contribuição de esgoto(c) e tempo de detenção (T) forem alterados o volume útil (V), a secção transversal e o lado da seção horizontal serão automaticamente modificados. Tabela 8 Exemplo de cálculo de dimensionamento para 5 pessoas TABELA DE CALCULO DE DIMENSIONAMENTO N de pessoas (N) 5 Unidade Contribuição de esgoto ( C) 100 L/dia Tempo de detenção (T) 1 - Volume útil (V) 800 m³ Seção Transversal 444,44 m² Lado da seção horizontal 21,08 m Figura 5 - Planilha Filtro Anaeróbio no EXCEL, substituição dos dados para obtenção de resultados de dimensionamento. O cálculo da planilha de Sumidouro foi desenvolvido, a partir do Quadro 1 e das Tabelas 5 e 7 onde o volume, diâmetro e altura poderão ser modificados de acordo com a dimensão do projeto. 3.2 DISCUSSÕES A NBR (1997) dispõe de Tanques sépticos - Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos - Projeto, construção e operação. Esta Norma faz parte de uma série de três normas referentes ao Sistema de tratamento de esgotos, sendo a primeira desta série a NBR 7229: Projeto, construção e operação de

17 17 sistemas de tanques sépticos, e complementa a parte referente ao tratamento e disposição dos efluentes de tanques sépticos. O benefício das NBRs n 7229/1993 e n 13969/1997 é oferecer aos usuários do sistema local de tratamento de esgotos, que têm tanque séptico como unidade preliminar, alternativas técnicas consideradas viáveis para proceder ao tratamento complementar e disposição final do efluente. Contudo, até a presente automatização das NBRs n 7229/1993 e n 13969/1997 não foram observadas na literatura planilhas contendo os cálculos de dimensionamento de tanques sépticos de forma sistêmica em Excel. Considerando o uso adequado das normas devido a sua automatização, problemas como contaminação por efluente de esgoto doméstico possivelmente serão minimizados em regiões que adotarem os sistemas de tratamento unifamiliar conveniente. A vulnerabilidade do solo tem sido alvo de pesquisas devido aos frequentes problemas de contaminação. Segundo Carvalho (2002) a condutividade hidráulica é um parâmetro que traduz a facilidade com que a água se movimenta ao longo do perfil do solo. Segundo o Mapa Pedológico Digital do DF (2004), o solo do DF é formado por algumas das classes já avaliadas por Gomes (2002) e suas respectivas condutividades hidráulicas. Portanto, este estudo adotou a classificação de solo de Gomes (2002) para identificar o grau de vulnerabilidade natural dos solos do DF, que é formado em sua maioria de Latossolo (54,50%), Cambissolo (30,98%) e Argilossolo (2,98%). Desta forma a classificação do grau de vulnerabilidade natural do solo do DF é representada por alto (Latossolo), moderado (Argilossolo) e baixo (Cambissolo). Enquanto Alves (2009) estudou os solos do Goiás, segundo a classificação de Gomes (2002), para identificar a estimativa da vulnerabilidade natural e risco dos solos à contaminação nas áreas de recarga do Aqüífero Guarani, no sudoeste do Estado de Goiás (SAG/GOIÁS). Alves (2009) verificou que a área classificada como vulnerabilidade muito alta se encontra coberta por Neossolos Quartzarênicos e Latossolos. A conclusão do estudo de Alves (2009) indicou que a vulnerabilidade e risco da área de recarga do SAG em Goiás são elevados devido ao tipo de solo e suas característas com relação a condutividade hidráulica e infiltração e por isso inspiram cuidados, sobretudo preventivos, com o uso, manejo e conservação dos solos. Já Pessoa (2006) estudou a vulnerabilidade natural das bacias hidrográficas brasileiras à tendência potencial de contaminação de águas por agrotóxicos em função dos seus tipos de solos predominante, e concluiu que os solos: Latossolos Argilossolos e Cambissolos, por terem alta permeabilidade, indicaram tendência natural a contaminação de águas subterrâneas e superficiais.

18 18 O estudo relacionando o tratamento de esgoto utilizado com as características do solo, diminuirá possíveis contaminações, portanto adotar tais normas e procedimentos, citados neste estudo, previnirá eventuais danos ao meio ambiente e saúde. 3 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES a) CONCLUSÕES A contribuição da automatização das NBRs n 7229/1993 e n 13969/1997 facilitará a padronização no desenvolvimento de projetos a serem implantados, considerando que os cálculos poderão ser ajustados para suas respectivas aplicações. O grau de vulnerabilidade dos solos é mais um parâmetro que deve ser agregado as NBRs n 7229/1993 e n 13969/1997 devido a possibilidade de contaminação em solos mais permeáveis. b) RECOMENDAÇÕES A continuação deste estudo deve constar à elaboração de uma planilha para outros póstratamentos como vala de filtração e infiltração e planilha orçamentária dos materiais utilizados na construção do tratamento e dos pós-tratamentos na utilização em esgoto unifamiliar, visando facilitar e padronizar a construção de outros eventuais sistemas de tratamento. A avaliação dos padrões de contaminação dos sumidouros devem obedecer a legislação ambiental vigente, visando a proteção do manancial hídrico da área circunvizinha e do solo. DEVELOPMENT OF ELECTRONIC SPREADSHEE SIZING OF TREATMENT SYSTEMS UNIFAMILIAR ABSTRACT: Based on a deficit in the infrastructure of the Brazilian basic sanitation, the lack of sewage collection system and treatment of the same especially in less developed regions. Has the objective of developing spreadsheets, according to the Brazilian Association of Technical Standards (ABNT), for construction of septic tanks with views to the treatment of waste generated in households of medium to large size, and post-treatment as anaerobic filters and sinks. The project was conducted in accordance with the rules governing the construction and operation of all systems. To facilitate the use of dimensioning these systems we created a spreadsheet which contains these sizing calculations as required by ABNT NBR 7229/93

19 19 which deals with the design, construction and operation of septic tank systems and NBR 13969/97 which governs units for additional treatment and disposal of wastewater, where the user will only replace data for the construction of the treatment system serving a maximum of eleven people, and the values are shown on the scale that was requested, thus giving information useful volume for each system you want to deploy. Was added to study the relationship of hydraulic conductivity of the DF with vulnerability to contamination. Keywords: Septic Tank, Post-Processing, Spreadsheet Sizing, Vulnerability soil. REFERÊNCIAS ALVES, Thaís Moreira. Vulnerabilidade e risco à contaminação dos solos da área de recarga do Aquífero Guarani no estado de Goiás. Boletim Goiano de Geografia. V.29, n. 1: , ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229: Projeto, Construção e Operação de Sistemas de Tanques Sépticos. Rio de Janeiro, p.. NBR 13969: Tanques Sépticos - Unidades de Tratamento Complementar e Disposição Final dos Efluentes Líquidos - Projeto, Construção e Operação. Rio de Janeiro, p. CARVALHO, Laercio Alves de. Condutividade hidráulica di solo no campo: as simplificações do método do perfil instantâneo Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, Disponível em: Acesso em: CREADF- Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Distrito Federal. Setor de comunicações. Brasília, 2013.

20 20 CREDER, Hélio, Instalações Hidráulicas e Sanitárias. 6ª ed. Rio de Janeiro : LTC, p. DACACH, Nelson Gandur. Saneamento Básico. 1º edição Editora Didática e Cientifica 1979, Rio de Janeiro. 293p... 3 edição Editora Didática e Cientifica p. GOMES, M.A.F.: SPADOTTO, C.A.: PESSOA, M.C.P.Y. Avaliação da vulnerabilidade natural do solo em áreas agrícolas: subsídio à avaliação do risco de contaminação do lençol freático por agroquímicos. Pesticidas: R. Ecotoxicol. e Meio Ambiente, Curitiba, v. 12, jan./ dez IBGE- Pesquisa Nacional de Saneamento Básico. In: SANEAMENTO BÁSICO. Brasil: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb2008/pnsb_2008.p pd>. Acesso em: 01 abr JORDÃO, Eduardo Pacheco Jordão; PESSÔA, Constantino Arruda. Tratamento de esgotos domésticos. 3 edição Editora ABES, PESSOA, Maria Conceição Peres Young; GOMES, Marco Antonio F.; SILVA, Aderaldo de Souza; GUSSAKOV, Karim Cazeris. Vulnerabilidade natural das grandes bacias brasileiras à tendência de contaminação de águas por agrotóxico em função dos tipos de solos predominantes. Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia. e Meio Ambiente, Curitiba, v.16, jan/dez.2006.

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

TRATAMENTO LOCALIZADO DE ESGOTOS

TRATAMENTO LOCALIZADO DE ESGOTOS Soluções individualizadas, não sistêmicas Operações e processos Tratamento primário: tanques sépticos (fossa) Remoção DBO: 30% e SST: 50% Pós-tratamento: filtro anaeróbio Remoção DBO: 60-70% e SST: 70%

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA FOSSAS SÉPTICAS Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Apresentaçã ção 2-O que é a fossa séptica e como funciona 3-Restrições ao uso, Localização e Distâncias Mínimas 4-Aspectos

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO FOSSAS SÉPTICAS: ÁGUA PURA NA TORNEIRA JARAGUÁ DO SUL 2014 RESUMO As deficiências

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS CONJUNTO DE ATIVIDADES, INFRAESTRUTURAS E INSTALAÇÕES OPERACIONAIS que envolvem: COLETA DISPOSIÇÃO FINAL ADEQUADA TRANSPORTE TRATAMENTO Esgoto doméstico Efluentes industriais,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

COORDENADORIA TÉCNICA. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima. Coordenadoria de Perícias e Análises

COORDENADORIA TÉCNICA. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima. Coordenadoria de Perícias e Análises LAUDO PERICIAL Nº 001/2012 PR-RR/MPF Em 16 de abril de 2012, na COORDENADORIA DE PERÍCIAS E ANÁLISES da de Roraima PR.RR, designada pela Coordenadora Substituta do Setor de Perícias, Perita MARTA ALVES

Leia mais

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO Versão MMF 05/2014 MANUAL DE INSTRUÇÃO SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO MANUAL DE INSTRUÇÃO MAXFOSSA A Mondialle, tradicional fabricante de banheiras de hidromassagem em fibra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Introdução A coleta e o tratamento de esgotos contribuem

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

Aula 2 O SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO. 2.1 Objetivos do sistema

Aula 2 O SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO. 2.1 Objetivos do sistema Sistema de Esgoto Aula 2 O SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO 2.1 Objetivos do sistema a) Objetivos Sanitários: Coleta e remoção rápida e segura das águas residuárias; Eliminação da poluição e contaminação de

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia.

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia. APRESENTAÇÃO A presente apostila foi elaborada para servir de material de apoio para as aulas da disciplina de Instalações. A apostila pretende fornecer elementos suficientes para a elaboração do projeto

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de propostas com vistas

Leia mais

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural Tecnologias e Ações Socioeducativas Saneamento Rural abril/ 2013 OBJETIVO DO SANEAMENTO RURAL Desenvolver e coordenar atividades relacionadas com obras e serviços de engenharia voltados para o Saneamento

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL ANDRADE NETO, C O de; HAANDEL, A van ; MELO, H N S. (2002). O Uso do Filtro Anaeróbio para Pós-Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios no Brasil. In: X SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo;

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte REATORES ANAERÓBIOS Divididos em dois grupos: Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Sistemas de Alta Taxa:

Leia mais

fi>~'t:alhes DE LlGAC;OES OAS "lugulac;oes 7 : I""." 1---- ~;J-LlJ-'-U-\D-C -VENTIL.AC na ATE A <, : : concn TUliA (()PC1Cru\L) 15 Cl1\ ."... _ v.

fi>~'t:alhes DE LlGAC;OES OAS lugulac;oes 7 : I. 1---- ~;J-LlJ-'-U-\D-C -VENTIL.AC na ATE A <, : : concn TUliA (()PC1Cru\L) 15 Cl1\ .... _ v. :;.,. -.. - 39 fi>~'t:alhes DE LlGAC;OES OAS "lugulac;oes.. v '4' ~.. ~ "r;:... ;.;. ~,... ~ '........,.." 5 Cl\ DE VENTLACAO '.. 7 : ""." ---- ~;J-LlJ-'-U-\D-C -VENTL.AC na ATE A

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos SECRETARIA DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE SECTMA Secretário: Cláudio José Marinho Lúcio AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EFLUENTES OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00005

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE Cinthia Monteiro Hartmann (1) Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital PROJETO VIDA Recomposição e Preservação do Ambiente Vital Justificativas Considerando que os diversos tipos de plásticos levam 50, 100 ou mais anos para se decomporem; Considerando que 67,8 m3 por segundo

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO

ANEXO I PROJETO BÁSICO ANEXO I PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Constitui o objeto do presente Termo de Referência para a contratação de Fornecimento e Instalação de Unidade Sanitária Individual (USI), para tratamento de esgoto unifamiliar

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

Capítulo 3 Esgotamento Sanitário

Capítulo 3 Esgotamento Sanitário 39 Soluções Coletivas para Tratamento e Destinação Final dos Esgotos À medida que as comunidades e a concentração humana tornam-se maiores, as soluções individuais para remoção e destino do esgoto doméstico

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA FASB CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AMANDA FERNANDES RIBEIRO DIEGO CARDOSO LIMA FABIO LOPES RODRIGUES VICTOR AUGUSTO SOUZA SANTOS

FACULDADE DO SUL DA BAHIA FASB CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AMANDA FERNANDES RIBEIRO DIEGO CARDOSO LIMA FABIO LOPES RODRIGUES VICTOR AUGUSTO SOUZA SANTOS 1 FACULDADE DO SUL DA BAHIA FASB CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AMANDA FERNANDES RIBEIRO DIEGO CARDOSO LIMA FABIO LOPES RODRIGUES VICTOR AUGUSTO SOUZA SANTOS UTILIZAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA COM SUMIDOURO NA CONSTRUÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Edificações - instalações de esgoto e águas pluviais

Edificações - instalações de esgoto e águas pluviais MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas

Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas Seminário Soluções Inovadoras de Tratamento e Reuso de Esgotos em Comunidades Isoladas 21/06/2013 Diretoria de Sistemas Regionais

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.311

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.311 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.311 Regulamenta a atividade de prestação de serviço de limpeza e manutenção de sistemas individuais de tratamento de esgotos domésticos no Município de Vitória. O

Leia mais

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Resp. Técnico: Carlos A. N. Viani MD-1944/02-HP-001 Rev. 0 1. OBJETIVO Este memorial

Leia mais

"Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão"

Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão "Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão" Mostra Local de: Campo Mourão Categoria do projeto: I Projetos

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

Diagnóstico sobre a disposição do esgoto doméstico na Bacia do Manancial Alagados, Ponta Grossa/PR

Diagnóstico sobre a disposição do esgoto doméstico na Bacia do Manancial Alagados, Ponta Grossa/PR Diagnóstico sobre a disposição do esgoto doméstico na Bacia do Manancial Alagados, Ponta Grossa/PR Marcelo De Julio Engenheiro Civil pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Especialista em Gestão

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais