FOSSA ESTANQUE DESENHO TÉCNICO DADOS TÉCNICOS. Modelo. (mm) (mm) (mm) (mm) (mm) (l) (mm) FEH FEH FEH /160 FEH /160

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOSSA ESTANQUE DESENHO TÉCNICO DADOS TÉCNICOS. Modelo. (mm) (mm) (mm) (mm) (mm) (l) (mm) FEH - 1000 FEH - 2000 FEH - 3000 110/160 FEH - 5000 110/160"

Transcrição

1

2 FOSS ESTNQUE DESENHO TÉNIO Horizontal Vertical Dp DDOS TÉNIOS Modelo V (l) FEH FEH FEH / FEH / FEV FEV FEV / FEV / FEV / FEV / LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; largura/diâmetro; - diâmetro de entrada; - diâmetro da tampa; - altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 2

3 RTERÍSTIS Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; DESRIÇÃO fossa estanque é um equipamento destinado à recepção e armazenamento de águas residuais domésticas, industriais ou agrícolas. É um órgão de tratamento simples. sua estanquidade total é uma evolução em relação aos sistemas mais antigos conhecidos como poços rotos ou de infiltração. Pontos de assentamento na parte inferior de modo a facilitar o nivelamento; ada fossa estanque é dimensionada para a população que serve, em função dos consumos médios de água por habitante e da sua periodicidade de limpeza. Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil instalação e manutenção; PLIÇÕES fossa estanque é aconselhada quando não é permitida a descarga de efluentes residuais em linhas de água ou solo. Para enterrar ou instalar à superfície. Indicada para casas de férias, de fim-de-semana, portarias e outras situações idênticas cuja afluência mensal seja reduzida, bem como em instalações temporárias, como por exemplo num estaleiro de obra. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

4 FOSS ESTNQUE Grandes dimensões DESENHO TÉNIO Entrada DDOS TÉNIOS Modelo V Ne (l) (Un) FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD FEGD LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; largura/diâmetro; - diâmetro de entrada; - diâmetro da tampa; Ne Número de entradas; altura de entradas. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 4

5 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; fossa estanque é um equipamento destinado à recepção e armazenamento de águas residuais domésticas, industriais ou agrícolas. É um órgão de tratamento simples. sua estanquidade total é uma evolução em relação aos sistemas mais antigos conhecidos como poços rotos ou de infiltração. Pontos de assentamento na parte inferior de modo a facilitar o nivelamento; ada fossa estanque é dimensionada para a população que serve, em função dos consumos médios de água por habitante e da sua periodicidade de limpeza. Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil instalação e manutenção; PLIÇÕES fossa estanque é aconselhada quando não é permitida a descarga de efluentes residuais em linhas de água ou solo. Para enterrar ou instalar à superfície. Indicada para casas de férias, de fim-de-semana, portarias e outras situações idênticas cuja afluência mensal seja reduzida, bem como em instalações temporárias, como por exemplo num estaleiro de obra. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

6 DENTDOR DE SÓLIDOS DESENHO TÉNIO Horizontal Vertical Dp E Ds Hs Hs Ds DDOS TÉNIOS Modelo V (l) DSH / 940 DSH / 1265 DSH / 1370 DSH / 1735 DVS DVS DSV / DSV / DSV / DSV / LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; largura/diâmetro; - diâmetro de entrada; - diâmetro da tampa; altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 6

7 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; O decantador de sólidos tem como função a separação física ou gravítica da matéria sólida em suspensão através da sua sedimentação da mesma. É um órgão de tratamento primário que atinge eficiências de remoção de 30 a 35 % de O5 e de 50 a 60 % de SST. Pontos de assentamento na parte inferior de modo a facilitar o nivelamento; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; PLIÇÕES O decantador de sólidos pode ser utilizado: omo decantador secundário, a montante de reactores biológicos para decantação de lamas; Fácil instalação e manutenção; Para enterrar ou instalar à superfície. Na prevenção de filtros, equipamentos electromecânicos e separadores de hidrocarbonetos. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

8 FOSS SÉPTI DESENHO TÉNIO Horizontal Vertical Ø Dp Hs Hs Ds Ds DDOS TÉNIOS Modelo V (l) FSH / 940 FSH / 1265 FSH / 1370 FSH / 1735 FSV FSV FSV / FSV / FSV / FSV / LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; largura/diâmetro; - diâmetro de entrada; - diâmetro da tampa; altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 8

9 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Pontos de assentamento na parte de inferior de modo a facilitar o nivelamento; fossa séptica é um equipamento destinado à recepção e tratamento de águas residuais domésticas, industriais e agrícolas. Efectua um tratamento primário através da conjugação de 2 processos, a decantação de sólidos e a digestão anaeróbia. Na decantação de sólidos as matérias mais pesadas ficam no fundo do reservatório e as menos pesadas ficam em flutuação entrando no pré-filtro onde são digeridas anaeróbiamente através de bio-discos. tinge eficiências de remoção de 35 a 40 % de O5 e de 60 a 70 % de SST. Inalterável à corrosão; Equipamento de baixo custo de instalação e de manutenção/exploração. Total estanquidade; Fácil instalação e manutenção; Para enterrar ou instalar à superfície. ada fossa séptica é dimensionada para a população que serve, em função dos consumos médios de água por habitante e da sua periodicidade de limpeza. PLIÇÕES fossa séptica é aconselhada: Em locais sem saneamento; Onde os regulamentos camarários exigem um pré-tratamento ao efluente, seja ele doméstico, industrial ou agrícola, antes da sua descarga no colector municipal; Para casas de férias, de fim-de-semana ou outros locais de utilização irregular. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

10 FOSS SÉPTI Grandes dimensões DESENHO TÉNIO Saída Entrada Pré-filtro DDOS TÉNIOS Modelo V Ne (l) (Un) FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD FSGD LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; largura/diâmetro; - diâmetro de entrada; - diâmetro da tampa; Ne Número de entradas; altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 10

11 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Pontos de assentamento na parte inferior de modo a facilitar o nivelamento; fossa séptica é um equipamento destinado à recepção e tratamento de águas residuais domésticas, industriais e agrícolas. Efectua um tratamento primário através da conjugação de 2 processos, a decantação de sólidos e a digestão anaeróbia. Na decantação de sólidos as matérias mais pesadas ficam no fundo do reservatório e as menos pesadas ficam em flutuação entrando no pré-filtro onde são digeridas anaeróbiamente através de bio-discos. tinge eficiências de remoção de 35 a 40 % de O5 e de 60 a 70 % de SST. Inalterável à corrosão; Equipamento de baixo custo de instalação e de manutenção/exploração. Total estanquidade; Fácil instalação e manutenção; Para enterrar ou instalar à superfície. ada fossa séptica é dimensionada para a população que serve, em função dos consumos médios de água por habitante e da sua periodicidade de limpeza. PLIÇÕES fossa séptica é aconselhada: Em locais sem saneamento; Onde os regulamentos camarários exigem um pré-tratamento ao efluente, seja ele doméstico, industrial ou agrícola, antes da sua descarga no colector municipal; Para casas de férias, de fim-de-semana ou outros locais de utilização irregular. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

12 FOSS IOLÓGI (compacta com pré-filtro e biodiscos) DESENHO TÉNIO E DS DDOS TÉNIOS Modelo V Ds (l) FH FH FH FH LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; - largura; - diâmetro de entrada; Ds - diâmetro saída; - diâmetro da tampa; - altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 12

13 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Pontos de assentamento na parte de inferior de modo a facilitar o nivelamento; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; fossa biológica é um equipamento destinado à recepção e tratamento de águas residuais domésticas, Industriais e agrícolas. É um sistema inovador e avançado onde existe a conjugação dos seguintes processos: cantação, Digestão anaeróbia e Filtração iológica. Fossa iológica é constituída por dois compartimentos separados. No 1º compartimento realiza-se o processo de decantação onde os sólidos mais pesados sedimentam-se no fundo e o processo de digestão anaeróbia, no qual as bactérias anaeróbias presentes metabolizam a matéria orgânica. No 2º compartimento encontram-se bio-discos que servem de suporte à existência de bactérias aeróbias que irão realizar a oxidação do efluente. Fácil e reduzida manutenção; Fácil Instalação, equipamento pré-fabricado; Elevado rendimento; Filtro carvão activado (eliminação de odores); Sem custos associados, não existem ligações eléctricas. É um sistema de alto rendimento garantindo eficiências de remoção de 80 % de O5 e 85% de SST. ada fossa biológica é dimensionada para a população que serve, em função dos consumos médios de água por habitante e da sua periodicidade de limpeza. PLIÇÕES É recomendado sempre que se exijam elevados índices de qualidade do efluente. umpre com as Normas em vigor, sendo permitida a utilização do efluente para alguns tipos de rega - DL 236/98. Pode ser aplicado em moradias unifamiliares, aldeamentos turísticos, hotéis, resorts. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

14 ROTOX puradora de Oxidação Total pelo sistema SR (puração Sequencial) DESENHO TÉNIO entrada de ar entrada de águas saída de águas depuradas DDOS TÉNIOS Modelo V Ds (l) ROTOX ROTOX ROTOX ROTOX ROTOX LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; - largura; - diâmetro de entrada; Ds - diâmetro saída; - diâmetro da tampa; - altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 14

15 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Sistema de depuração ideal para tratamento das águas residuais provenientes de pequenas habitações familiares, hotéis rurais, escolas, parques de campismo, restaurantes, indústria, etc. s depuradoras de oxidação total, ROTOX, cumprem os requisitos do DL 236/98 bem como a legislação Europeia (Directiva do oncelho 91/271/EE), podendo deste modo ser reutilizada para rega. Pontos de assentamento na parte de inferior de modo a facilitar o nivelamento; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil instalação, equipamento pré- -fabricado; Elevado rendimento; ompressor (injecção de ar atmosférico); O seu funcionamento, consiste em duas fases principais: Oxidação iológica (rejamento e Homogeneização do efluente) Sistema de tratamento biológico (decomposição biológica da matéria orgânica) através da injecção de ar atmosférico que irá gerar micro organismos aeróbios. Durante esta fase é criado um ambiente adequado ao crescimento de colónias de bactérias aeróbias responsáveis pela depuração. Este processo contempla um compressor e difusores de bolha fina. Estabilização e recirculação de lamas activadas s lamas activadas resultantes da decomposição da matéria orgânica são estabilizadas, depositando-se no fundo do reservatório, a partir do qual voltam a circular novamente para o reactor biológico através do sistema de ir lift. Difusores bolha fina; Quadro eléctrico automático; recirculação é muito importante, permitindo manter uma relação óptima entre a quantidade de matéria orgânica que entra e os micro organismos aeróbios que irão realizar a sua decomposição. É um sistema de alto rendimento garantindo eficiências de remoção de 90 % de O5 e 95% de SST. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

16 IMHOFF DESENHO TÉNIO DDOS TÉNIOS Modelo V D (l) IMOHFF / x50 LEGEND: V - volume; - altura; D - diâmetro; - diâmetro de entrada; - altura de entrada, - dimensão da tampa. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 16

17 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricado em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando uma elevada resistência química e mecânica; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil instalação e manutenção; Equipamento de baixo custo de instalação e manutenção/exploração. O tanque IMHOFF é um equipamento destinado à recepção e tratamento de águas residuais domésticas, industriais e agrícolas. Efectua um tratamento primário através da conjugação de 2 processos, a sedimentação de sólidos e a digestão anaeróbia. É composto por duas câmaras comunicantes: - âmara de Sedimentação - âmara de Digestão recepção das águas negras é feita pela câmara de sedimentação, onde são removidos grande parte dos sólidos suspensos. Possui um formato afunilado com paredes inclinadas, reduzindo a turbulência e melhorando a sedimentação. matéria orgânica é transferida por gravidade para o 2º compartimento onde irá sofrer uma digestão anaeróbia. Tem um rendimento depurativo superior ao da fossa séptica, com uma redução aproximadamente de 40% de DO5 e de 80% de SST. É dimensionado para a população que serve, em função dos consumos médios de água por habitante e periodicidade de limpeza. PLIÇÕES O tanque Imhoff é aconselhado para: Locais sem saneamento; utarquias onde é exigido um pré-tratamento ao efluente, seja ele doméstico, industrial ou agrícola, antes da sua descarga no colector municipal; asas de férias, de fim-de-semana ou outros locais de utilização irregular; Ser instalado a montante de um órgão de tratamento secundário. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

18 IMHOFF IOLÓGIO DESENHO TÉNIO DDOS TÉNIOS Modelo V D (l) PERIO / x50 LEGEND: V - volume; - altura; D - diâmetro; - diâmetro de entrada; - altura de entrada; - dimensão tampa. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 18

19 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Inalterável à corrosão; O percolador biológico surge como complemento aos sistemas tradicionais de depuração (fossas sépticas e tanques Imhoff), devendo ser colocado a jusante destes órgãos de tratamento. É um reservatório cilíndrico que se encontra cheio de bio discos, aumentando a superfície onde se alojam os micro-organismos aeróbios, responsáveis pela oxidação de efluente. Total estanquidade; Fácil e reduzida manutenção; Fácil Instalação; Elevado rendimento; Filtro carvão activado (eliminação de odores); Sem custos associados (não existem ligações eléctricas). Quando conjugado com uma fossa séptica ou tanque Imhoff atinge um rendimento de remoção de 80 % de O5 e 85% de SST. PLIÇÕES O percolador biológico é aconselhado para: Ser instalado a jusante de um órgão de tratamento primário; utarquias onde é exigido um pré-tratamento ao efluente, seja ele doméstico, industrial ou agrícola, antes da sua descarga no colector municipal; Quando existe necessidade de infiltração do efluente no solo, visto cumprir os requisitos estabelecidos pelo DL 236/98. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

20 SEPRDOR DE GORDURS Pequenas dimensões (250L) DESENHO TÉNIO DDOS TÉNIOS Modelo V (l) SG LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; - largura. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 20

21 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricado em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem com uma elevada resistência química e mecânica; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil e reduzida manutenção; separação de gorduras baseia-se no princípio da flutuação. maior densidade da água obriga-a a circular no fundo do reservatório, ficando as gorduras retidas à superfície para posterior extracção. ontém um sifão que impede a passagem da gordura para a rede de saneamento e uma tampa de inspecção para controlo dos níveis de gordura. PLIÇÕES O separador de gorduras é um equipamento destinado a separar as gorduras de origem vegetal e animal que se encontram em águas residuais. Fácil Instalação. Pode ser aplicado em todos os locais de descarga de óleos alimentares, nomeadamente restaurantes, cantinas e refeitórios. verá ser instalado a montante de outros dispositivos de tratamento de efluentes. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

22 SEPRDOR DE GORDURS DESENHO TÉNIO Horizontal Vertical Ds Dp E Hs Ds Hs DDOS TÉNIOS Modelo V (l) SGH SGH SGH / SGH / SGV SGV SGV / SGV / SGV / SGV / LEGEND: V - volume; - altura; - comprimento; largura/diâmetro; - diâmetro de entrada; - diâmetro da tampa; altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 22

23 RTERÍSTIS Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Tem pontos de assentamento na parte de inferior de modo a facilitar o nivelamento; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil e reduzida manutenção; DESRIÇÃO separação de gorduras baseia-se no princípio da flutuação. maior densidade da água obriga-a a circular no fundo do reservatório, ficando as gorduras retidas à superfície para posterior extracção. saída da água é feita através de um tubo mergulhado no fundo do reservatório, local isento de gorduras. Inclui um cesto destinado à retenção de féculas ou outros sólidos, reduzindo o número de intervenções de manutenção. PLIÇÕES É um equipamento destinado a separar as gorduras de origem vegetal e animal que se encontram nas águas residuais. Equipamento pré-fabricado de fácil instalação. É aplicado em todos os locais de descarga de óleos alimentares, nomeadamente restaurantes, cantinas e refeitórios. verá ser instalado a montante de outros equipamentos de depuração. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

24 ESTÇÃO ELEVTÓRI DESENHO TÉNIO 2 1 LEGEND: 1 Electrobomba; 2 Tubagem. DDOS TÉNIOS Modelo V D (l) ESTÇÃO ELEVTÓRI / 1150 LEGEND: V volume; altura; D diâmetro; diâmetro da tampa; altura de entrada. Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 24

25 RTERÍSTIS DESRIÇÃO Fabricada em Polietileno de lta nsidade (PED) com protecção UV através do sistema de Rotomoldagem, em moldes nervurados, proporcionando elevada resistência química e mecânica; Inalterável à corrosão; Total estanquidade; Fácil Instalação; Possibilidade de acopular uma 2ª bomba; estação elevatória é utilizada quando existe a necessidade de elevar águas, quer sejam negras, cinzentas ou pluviais, a uma cota superior. PLIÇÕES estação elevatória é aconselhada: Em vivendas unifamiliares de forma a elevar o efluente á cota do colector municipal; Para bombagem de águas residuais em locais públicos (parques de campismo, hotéis, condomínios, parques desportivos); Para escoamento de águas pluviais para cotas superiores. Possibilidade de colocar alarme acústico; Possibilidade de colocação de bóias de nível; Quadro eléctrico automático. Zona Industrial Vale da Goita Paúl Torres Vedras Telf: Fax:

26 ESQUEMS DE FUNIONMENTO VIVEND UNIFMILIR proveitamento Águas Pluviais Recepção Águas Pluviais rmazenamento Águas Pluviais Quadro omando: - descargas autoclismo, máquinas, regas, lavagens. Águas Negras Águas Pluviais proveitamento Águas Residuais Separador de Gorduras Fossa iológica Rotox Reservatório rmazenamento: - regas de jardins e pomares. OFIINS / ESTÇÃO DE SERVIÇO Rede de Águas Pluviais Separador de Hidrocarbonetos acia de Retenção de Óleos aixa aterias Oleão GRNDES EDIFÍIOS (Naves Industriais / Hoteis / etc.) 26 1 Reservatório Modular Grandes Dimensões Utilizado como: - Reservatório armazenamento; - Fossa estanque / séptica; - Fossa biológica; - Rotox; - Separador hidrocarbonetos. 1

27 NORMS DE INSTLÇÃO RESERVTÓRIOS SUTERRÂNEOS Realizar a escavação com as medidas do reservatório adicionada de 50 cm (altura, largura e comprimento). Realizar uma laje de betão de 20 cm de espessura com inserção de malha sol. distância máxima entre o topo do reservatório e a cota 0 (zero) não deverá exceder 25cm. olocar o reservatório de forma nivelada dentro do fosso previamente escavado. olocar uma mistura de cimento e areia de rio (sem adição de água) no espaço envolvente ao reservatório. mistura de areia e cimento deverá ser na proporção de 50kg/1m3. Em situações de níveis freáticos elevados aumentar a proporção para 100kg/m3. Para uma compactação mais eficaz, a mistura deverá ser colocada em 3 fases. Proceder ao enchimento do reservatório com 1/3 de água e colocar 1/3 da mistura de cimento e areia na envolvência e assim sucessivamente até completar o processo. Só poderá ser permitida a passagem de veículos sobre o reservatório caso seja efectuada uma laje em betão com capacidade para suportar a carga. Em situação alguma deverá a laje assentar sobre o reservatório. s entradas ou bocas de homem dos reservatórios deverão estar ao nível do pavimento para permitir eventuais limpezas e manutenções. verão ser deixadas, quando aplicável, infra-estruturas no terreno para passagem das tubagens de ar, cabos eléctricos e tubagens de descarga. RESERVTÓRIOS DE SUPERFíIE instalação do reservatório deve ser efectuada em superfície horizontal plana (laje betão), nivelada, sólida e isenta de quaisquer objectos susceptíveis de agredir ou danificar a base. área de assentamento deve ser superior do que a base do reservatório em 50cm (comprimento e largura). Não deverão ser colocados quaisquer objectos num raio de 15cm do reservatório em toda a sua envolvência. 15cm 15cm 15cm 15cm 15cm 15cm 15cm 15cm Laje com 15cm a 20cm Laje com 15cm a 20cm Todos os produtos são dimensionados e fabricados de acordo com o Manual técnico sanitário para pequenos aglomerados, respeitando o disposto no decreto-lei que define os parâmetros nacionais dos valores de descarga de águas residuais e o respectivo dimensionamento para um correcto funcionamento dos equipamentos - DL 236/98 e o DL 152/97. 27

28

Sector do Meio Ambiente. Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas

Sector do Meio Ambiente. Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas Sector do Meio Ambiente Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas Pág. 2 Introdução Rotomoldagem é um grupo de empresas que se dedica à transformação de polímeros. Estamos inseridos

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. TUBOFURO - Tubos em PVC, S.A.

FOSSAS SÉPTICAS. TUBOFURO - Tubos em PVC, S.A. FOSSAS SÉPTICAS As Fossas são aplicáveis no tratamento biológico de efluentes domésticos (cozinha e casa de banho) sempre que se verifique a impossibilidade de ligação à rede de esgotos municipal. Estes

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 v1.4-300312 -281011 Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 APRESENTAÇÃO As Fossa Séptica, tipo ECODEPUR, são recipientes estanques, destinados ao armazenamento de águas residuais

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Compactos Fossas/Filtro, tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX Digestores com Filtro Biológico (Fossa Biológicas)

Compactos Fossas/Filtro, tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX Digestores com Filtro Biológico (Fossa Biológicas) v1.2-130312 0 Compactos Fossas/Filtro, tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX Digestores com Filtro Biológico (Fossa Biológicas) APRESENTAÇÃO Os equipamentos Compactos Fossa/Filtro (Fossa Biológica), tipo ECODEPUR,

Leia mais

Compactos Fossas/Filtro, tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX Digestores com Filtro Biológico (Fossa Biológicas)

Compactos Fossas/Filtro, tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX Digestores com Filtro Biológico (Fossa Biológicas) Compactos Fossas/Filtro, tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX Digestores com Filtro Biológico (Fossa Biológicas) APRESENTAÇÃO Os equipamentos Compactos Fossa/Filtro (Fossa Biológica), tipo ECODEPUR, Gama BIOFIX,

Leia mais

DEPOSITOS HORIZONTAIS / VERTICAIS

DEPOSITOS HORIZONTAIS / VERTICAIS DEPOSITOS HORIZONTAIS / VERTICAIS 1. INTRODUÇÃO A família de produtos Ecoágua foi criada com o objectivo de responder às carências existentes, ao nível de armazenamento de líquidos diversos. Os depósitos

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Centrais Elevatórias de Efluentes

Centrais Elevatórias de Efluentes Centrais Elevatórias de Efluentes Série Ambibox A P L I C A Ç Õ E S Elevação para a rede pública de colectores Indústria Povoações Loteamentos habitacionais Parques de Campismo Garagens Caves, etc... C

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

Salher Ibérica, S. L. Salher Guadalajara Salher Portugal Salher Polska Salher France Salher México S.A.c.v.

Salher Ibérica, S. L. Salher Guadalajara Salher Portugal Salher Polska Salher France Salher México S.A.c.v. www.salher.com Quem Somos -A SALHER é uma empresa de origem espanhola, fundada em 1980. -Por mais de 30 anos, a SALHER teve como principal objectivo o fabrico e desenvolvimento de sistemas de depuração

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares INDICE Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro G para aspiração directa ou aspiração à distância Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro

Leia mais

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS E FÉCULAS DE MONTAGEM ENTERRADA

SEPARADORES DE GORDURAS E FÉCULAS DE MONTAGEM ENTERRADA DE MONTAGEM ENTERRADA INDICE Separador de Gorduras em aço inoxidável para montagem enterrada Separador de Gorduras em PEAD para montagem enterrada, para aplicação directa no terreno receptor Zonas de tráfego

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

TÉCNICAS DE SEPARAÇÃO DE HIDROCARBONETOS

TÉCNICAS DE SEPARAÇÃO DE HIDROCARBONETOS DE HIDROCARBONETOS INDICE Separador de hidrocarbonetos em PEAD Reforçado 3-15 l/s modelo KESSEL Acessórios para Separadores de hidrocarbonetos em PEAD Reforçado 3-15 l/s modelo KESSEL Separador de hidrocarbonetos

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

COMPACTO FOSSA FILTRO. DRENAGEM O escoamento das águas após tratamento será efectuado através de poços de absorção ou trincheiras infiltrantes.

COMPACTO FOSSA FILTRO. DRENAGEM O escoamento das águas após tratamento será efectuado através de poços de absorção ou trincheiras infiltrantes. Conteúdo COMPACTO FOSSA FILTRO...2 Fossa Biológica em Polietileno...3 Fossa Séptica Biológica...4 Fossa Séptica c/ Pré-Filtro e Filtro Carvão Activo...5 Fossa Séptica Estanque c/ Filtro Carvão Activo...6

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Gama Premier Tech. ÍNDICE Premier Tech

Gama Premier Tech. ÍNDICE Premier Tech 4 Gama Premier Tech ÍNDICE Premier Tech Apresentação 3 Depósitos de superfície 6 Depósito para Enterrar 10 Kit Águas Pluviais 14 Depósitos Dosificadores DSD 16 Depósitos com Tampa DCT 17 Fossas Séticas

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 APRESENTAÇÃO Os Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL, são equipamentos destinados

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Guia de Instalação FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_fossa_septica_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 14:46:27 1. Apresentação

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS Pré-filtro com efeito vortex Bomba submersível Filtro flutuante de aspiração Sistema de adição de água da rede pública Entrada anti-turbulência Indicador de nível de água

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

TABELA PREÇOS 2014 rev02 TABELA DE PREÇOS

TABELA PREÇOS 2014 rev02 TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS DEPÓSITOS HORIZONTAIS HORIZONTAL DE PEQUENA CAPACIDADE Imagem Ref. Vol Diâm Comp Alt Tampa Preço Sup. Preço Ref. Lt mm mm mm mm DHS500 500 750 1250 830 300 192 239 DHS1000 1000 900 1550

Leia mais

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico Tratamento Secundário Tratamento Biológico Tratamentos Biológicos O 2, Elizabeth Duarte Tratamento Secundário Remoção de matéria orgânica biodegradável por processos biológicos 1- Decomposição da matéria

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

SP8 (redes de águas e esgotos) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio 4970-595 Arcos de Valdevez Tel. 258 521 811 Fax 258 521 818

SP8 (redes de águas e esgotos) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio 4970-595 Arcos de Valdevez Tel. 258 521 811 Fax 258 521 818 SP8 (redes de águas e esgotos) 1- REDE DE ESGOTOS DE ÁGUAS RESIDUAIS ( domésticas ) Este artigo destina-se a estabelecer as condições a que devem satisfazer os trabalhos de fornecimento e montagem das

Leia mais

SEPARADOR DE GORDURAS ECODEPUR, GORTECH SELF CLEAN

SEPARADOR DE GORDURAS ECODEPUR, GORTECH SELF CLEAN Rev.1_14.10.15 SEPARADOR DE GORDURAS ECODEPUR, GORTECH SELF CLEAN APRESENTAÇÃO Os Separadores de Gorduras, tipo ECODEPUR, modelo GORTECH SELFCLEAN GS 1850-AST são recipientes estanques, destinados à recepção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.311

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.311 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.311 Regulamenta a atividade de prestação de serviço de limpeza e manutenção de sistemas individuais de tratamento de esgotos domésticos no Município de Vitória. O

Leia mais

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas A) Abastecimento de Água + Drenagem de Águas Residuais Domésticas + Drenagem de Águas Pluviais 1. Requerimento (*) 2. Termo de responsabilidade (*): 2.1 Independente por especialidade apresentada 2.2 Legislação

Leia mais

ACESSÓRIOS em plástico para CHÃO TERRAÇO CAIXA DE VISITA COM TAMPA REFORÇADA CAIXA DE VISITA COM GRELHA REFORÇADA CAIXA DE VISITA DE ÁGUAS PLUVIAIS CAIXA DE VISITA COM TAMPA DE PASSEIO Acessórios em plástico

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: Carla Rolo Antunes Recuperação DL nº 270/2001, 6 out. 2001 (DL nº 340/2007, 12 out. 2007) normas para projeto, exploração, encerramento e desativação

Leia mais

DESDE. Catálogo de Produtos

DESDE. Catálogo de Produtos DESDE Catálogo de Produtos 2004 FILTROS PARA APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA Ciclo 250 Realiza a separação automática de até 99% dos resíduos sólidos; Filtra até 90% da água captada; Fácil manutenção,

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos Química, Ambiente e Qualidade Operações e Processos Unitários

Colégio Internato dos Carvalhos Química, Ambiente e Qualidade Operações e Processos Unitários RESUMO As fossas sépticas quando são desactivadas para ligação à rede de saneamento público podem ser reconvertidas em reservatórios cisterna de armazenagem de água. As águas recolhidas das tubagens colectoras

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT

Leia mais

Separadores de gorduras e de féculas para montagem apoiada Aço inoxidável Polietileno Grupo ACO. Uma forte família em que pode confiar. O líder mundial de drenagem de superfície no interior e exterior

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas Depósitos em Aço Composição Paredes Chapa de aço galvanizada a quente, ondulada em perfil 18/76-R18 de desenho especial que lhe confere grande resistência e capacidade forte da chapa. Isto deve-se essencialmente

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

ELEVAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS

ELEVAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ELEVAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS Águas Negras Gama Ecolift - Montagem enterrada Figura Memória Descritiva KESSEL Ecolift 1 Com secção superior com tampa rebaixada e ralo sifonado (X) 2 - Com secção

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

$!, $-($#!, $$.' "& ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+

$!, $-($#!, $$.' & ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+ $!, $-($#!, $$.' "& ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+ %$#8! &! '!5&$&!)' &(*$#1!'!$"2!1 "% $#1#$0'!&!!'!(&' &!# &'!5&$' &! $#$' '!$ $+ %$#2!' $#! (&'!&$!' '!'! &! '! &!)'&(*$#9 8!'!"% $#9&5 #%#$' '!'!#&!#$!! #'

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

Tratamento de água residual

Tratamento de água residual Tratamento de água residual INDÚSTRIAS INDUSTRI ABATEDOUROS SLAGTERIER DEPURADORES LUFT- RENSNING DE GÁS E REFRIGERAÇÃO FISKEINDUSTRI INDÚSTRIAS PESQUEIRAS INDÚSTRIAS MEJERIERDE LATICÍNIO BEBOELSER MORADIAS

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos Prediais Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

bombas águas limpas acessórios de instalação de bombas bomba auto-ferrante sondas de nível ligação PPAR latão válvula de retenção

bombas águas limpas acessórios de instalação de bombas bomba auto-ferrante sondas de nível ligação PPAR latão válvula de retenção bombas águas limpas acessórios de instalação de bombas sondas de nível ligação PPAR latão válvula de retenção acessórios aperto tubagens tubagens válvula de esfera autoclave quadro protecção e controle

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

TOP 50, 65, 80, 100, 150. Estações elevatórias "chave na mão"

TOP 50, 65, 80, 100, 150. Estações elevatórias chave na mão FLYGT TOP 50, 65, 80, 100, 150 Estações elevatórias "chave na mão" Escolha TOP para fiabilidade, segurança e eficiência Soluções pré-fabricadas chave na mão A ITT Flygt oferece-lhe a melhor solução em

Leia mais

SOLUÇÕES AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS

SOLUÇÕES AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS Equipamentos e Soluções na área do Ambiente SOLUÇÕES AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS VERSÃO JAN/2012 A EMPRESA Pág 2 A Luftec Renováveis surgiu no início do ano 2008 e apartir de 2010 criou parcerias de trabalho

Leia mais

Regulamento de Segurança das Instalações de Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL) com Capacidade até 200 m3 por Recipiente.

Regulamento de Segurança das Instalações de Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL) com Capacidade até 200 m3 por Recipiente. DATA : Terça-feira, 8 de Maio de 2001 NÚMERO : 106 SÉRIE I-B EMISSOR : Ministério da Economia DIPLOMA/ACTO : Portaria n.º 460/2001 SUMÁRIO : Aprova o Regulamento de Segurança das Instalações de Armazenagem

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

Soluções destinadas aos profissionais da indústria da água

Soluções destinadas aos profissionais da indústria da água 2 3 Soluções destinadas aos profissionais da indústria da água Premier Tech Aqua é uma unidade de negócio da Premier Tech, especialista portuguesa em rotomoldagem e em soluções avançadas para o tratamento

Leia mais

Separadores Água/Óleo

Separadores Água/Óleo Separador Água/Óleo Separadores Água/Óleo Tratamento de Água e Efluentes Folheto Técnico Separadores Água-Óleo (SAO) A poluição da água pela presença de hidrocarbonetos oleosos é especialmente danosa a

Leia mais

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS Guiade Projectoe Obra ANEXO II ES CONSTRUTIVOS GUIADEPROJECTOEOBRA GPO- ANEXO II ES CONSTRUTIVOS Ediçãon.º1 Versãon.º0 Data: Nov/10 ÍNDICE PA1 AbastecimentodeÁgua Caixadecontador PA2 AbastecimentodeÁgua

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais