RESÍDUOS SÓLIDOS DA INDÚSTRIA DE MINERAÇÃO: ESTUDO DO ESTADO DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESÍDUOS SÓLIDOS DA INDÚSTRIA DE MINERAÇÃO: ESTUDO DO ESTADO DE GOIÁS"

Transcrição

1 RESÍDUOS SÓLIDOS DA INDÚSTRIA DE MINERAÇÃO: ESTUDO DO ESTADO DE GOIÁS Rafael de Mesquita Machado 1 Osmar Mendes Ferreira 2 Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental AV. Universitária, Nº 1440 Setor Universitário Fone (62) CEP: Goiânia - GO. RESUMO A preservação do meio ambiente, o uso racional de recursos naturais e a mudança de postura da sociedade frente às questões ambientais têm levado as indústrias a buscar um melhor desempenho nessa área. Aliados a esses fatores, está a constatação de que a geração de resíduos sólidos em grandes e pequenas quantidades sem que haja uma destinação final adequada, resulta em grandes impactos ambientais e sociais. Nesse trabalho foi realizado o levantamento dos dados quantitativos e qualitativos dos resíduos sólidos da Indústria de Mineração. Este trabalho foi desenvolvido através de pesquisas em quatro das principais mineradoras do Estado de Goiás. Os dados resultantes dessa pesquisa foram separados de acordo com o grau a classificação dos resíduos. Verificamos que a maioria dos resíduos gerados tem destinação final adequada, mas deve-se ressaltar que esta pesquisa deverá ter continuidade em decorrência da instalação de novos empreendimentos no Estado e daqueles não contemplados nesse trabalho. Palavras-chave: Resíduos sólidos, indústria de mineração, meio ambiente, destinação final. ABSTRACT He preservation of the environment, the rational use of natural resources and the posture change of the society front to the environmental subjects have been taking the industries to look for a better acting in that area. Allies the those factors, it is the verification that the generation of solid residues in great and small amounts without there is an adapted final destination, it results in great environmental and social impacts. In that work the rising of the quantitative and qualitative data of the solid residues of the Industry of Mining was accomplished. This work was developed through researches in four of the main mineradoras of the State of Goiás. The resulting data of that research were separate in agreement with the degree the classification of the residues. We verified that most of the generated residues, he/she has adapted final destination, but it should be emphasized that this research should have continuity due to the installation of new enterprises in the state and of those no meditated in that work. Key-Word: Solid residues, industry of mining, environment, finishing Destination. Goiânia, 2006/2 1 Acadêmico do curso de Engª Ambiental da Universidade Católica de Goiás. 2 Profº do Dep. de Engª da Universidade Católica de Goiás - UCG

2 2 1 INTRODUÇÃO Os danos ambientais causados pelas catástrofes que ocuparam a mídia, nestes últimos anos, são insignificantes, quando comparados aos danos cumulativos, na maioria das vezes, imperceptíveis, provocados pela grande quantidade de poluentes menores disponibilizados ao meio ambiente de maneira constante e gradativa. Uma postura exaustivamente consumista e descartável poderá inevitavelmente comprometer a qualidade de vida da espécie dominante. As descobertas dos inúmeros danos ambientais resultantes das práticas inadequadas das disposições dos resíduos têm aumentado o conhecimento e a preocupação da população do planeta sobre esta questão. Nos últimos anos, esta preocupação tem sido manifestada e concretizada, através da promulgação de uma série de legislações federais, estaduais e municipais. Com a legislação ambiental cada vez mais rígida, os prejuízos advindos de seu não-cumprimento podem apresentar um custo muito elevado aos infratores. Paralelamente, a conscientização do consumidor impulsiona-os a adquirir produtos que sejam considerados verdes/limpos, ambientalmente corretos, ou seja, produtos que, além de apresentarem boa qualidade, possuam uma linha de produção que não gera comprometimento ambiental. Esses aspectos vêm incentivando, a cada dia, a indústria a procurar sistemas eficazes que provoquem a redução de seus impactos ambientais, com custo de mercado compatível (MACÊDO, 2000). Logo, o crescimento das atividades industriais traz, sem dúvida, benefícios econômicos para os estados e municípios. No entanto, estas atividades geram resíduos que necessitam ser gerenciados adequadamente, a fim de garantir a preservação ambiental. O crescimento desse setor e, conseqüentemente, da quantidade e diversidade de resíduos gerados, aumenta o desafio a ser enfrentado pelas indústrias, já que este gerenciamento é de competência das mesmas. Os despejos que vêm do processamento da mineração são periodicamente tratados por processos que envolvem sedimentação simples e lançamento em lagoas de sedimentação pelos dois tratamentos. Atualmente existem equipamentos muito eficientes nos tratamentos de resíduos e efluentes, alcançando, em determinado caso, 99% de eficiência, como observado em tratamento de gases e ar atmosférico. Em geral, os resíduos sólidos industriais, contêm uma variedade de materiais e substâncias que apresentam periculosidade. Embora represente uma menor parcela dentre os resíduos gerados, esses resíduos constituem, também, um fator de grande importância pois exigem acondicionamento, transporte e destinação especial. Entretanto, o intuito desta pesquisa é inspecionar o potencial de geração de resíduos sólidos da indústria de extração minerária e como é realizada sua destinação final para que não haja danos ao meio ambiente e a saúde da população. E com isto, os objetivos principais foram recolher dados do potencial de geração destes resíduos, verificá-los e separá-los de acordo com sua classe, estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR 1004 (ABNT, 2004). A metodologia utilizada consistiu basicamente na busca de informações no banco de dados da Agência Ambiental de Goiás e nas próprias indústrias de mineração através de visitas, avaliação e esboçamento das informações recolhidas. Salienta-se, por fim, que é imprescindível a continuidade destes estudos, tendo em vista que estas pesquisas são elementos insubstituíveis de avaliação e acompanhamento da evolução da produção de resíduos sólidos oriundos de indústrias de extração mineraria.

3 3 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O problema do volume de resíduos sólidos está ligado à produção industrial de bens de consumo e intimamente ligado ao crescimento populacional e, em todos os países, os problemas decorrentes são semelhantes (BARROS, 2002). Jardim et al (1995) citam que o aumento da população mundial implica no aumento do uso das reservas do planeta, da reserva de produção de bens e também da geração de lixo. Segundo Paulella & Scapim (1996),... tanto nos países industrializados, como nos países em desenvolvimento, aumenta, ano após ano, a quantidade de resíduos e de produtos que se tornam lixo, e apenas o Japão e a Alemanha têm diminuído a quantidade de lixo por habitante. Trabalhos apontam o aumento do volume do lixo sem tratamento, no Brasil, e a elevação de seu teor tóxico. Esta situação tem sido comparada a uma bomba relógio, que poderá explodir, a qualquer momento. Os resíduos sólidos têm recebido tratamento de segunda categoria e ainda não existe vocação e uma consciência política dos governantes, parlamentares e demais autoridades, efetivamente comprometida com a implementação de políticas preventivas e corretivas (BARROS, 2002). Na Companhia Níquel Tocantins de Goiás, em função de suas atividades minerais (extração de minério de níquel), industrial (fabricação de carbonato básico de níquel) e unidades de apoio operacional e de infra-estrutura para os funcionários, é responsável pela geração de diversos resíduos. Brandt (2004) descreve a caracterização, quantificação e qualifica os diversos tipos de resíduos gerados pela empresa em todas as suas atividades, pois através desses estudos de caracterização, qualificação e quantificação será possível evitar vários tipos de Riscos provenientes de Resíduos Sólidos de uma Indústria de Mineração, tais como: Contaminação do Solo, Contaminação da Água, Riscos de Propagação de Doenças, Riscos de Emissões Atmosféricas sem Controle, Destruição da Flora local e afastamento da Fauna, Riscos de Afeto na Imagem Institucional, aumento de materiais particulados contaminados, risco no manejo com o acido sulfúrico, etc. Sendo assim, torna-se necessária a implantação de uma sistema eficiente para a gestão destes resíduos, de forma a controlar as etapas envolvidas desde a geração até sua disposição final. Este sistema, além de evitar danos ao meio ambiente citados acima, permite também a implementação de uma política de reutilização e reciclagem de resíduos, reduzindo o volume a ser disposto em aterros. De acordo com a NBR /04, são considerados resíduos sólidos os resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível. Ainda segundo a NBR /04, os resíduos sólidos são classificados, por sua periculosidade, em: Classe I (perigosos): são aqueles que apresentam periculosidade, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, ou uma das características seguintes: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, ou patogenicidade;

4 4 Classe II-A (não-inertes): são aqueles que não se enquadram nas classificações de resíduos classe I ou de resíduos classe II-B. Os resíduos classe II-A podem ter propriedades tais como: combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade em água; Classe II-B (inertes): quaisquer resíduos que, quando amostrados de forma representativa, segundo a Norma NBR /04 (Amostragem de Resíduos), e submetidos a teste de solubilização, segundo a Norma NBR /04 (Solubilização de Resíduos), não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, excetuando-se os padrões de aspecto, cor, turbidez e sabor. Segundo estimativas da Agência Goiana de Meio Ambiente (AGMA, 2001), do total inventariado de aproximadamente ,82 toneladas de resíduos industriais produzidos mensalmente pelas indústrias situadas no Estado, a maior parte constitui-se de Resíduos não-inertes (classe II-A), seguido de resíduos perigosos (classe I) e, por fim, de resíduos inertes (classe II-B), classificação definida pela NBR 10004/04. Cerca de ,92 toneladas de resíduos perigosos são produzidos no Estado por ano. As principais formas de tratamento e destinação final dos resíduos produzidos no Estado são: reciclagem, aterro municipal, co-processamento, aterro industrial, estocagem, incineração, incorporação, fertilização ou landfarming e aterro de terceiros. A destinação de resíduos perigosos ocorre principalmente por meio de reciclagem ou por deposição em aterros municipais e industriais. Observa-se que muitos dos resíduos industriais perigosos chegam aos vazadouros de lixo misturados com os resíduos industriais de baixa periculosidade (AGMA, 2001). Os aterros municipais são geralmente representados por aterros controlados ou vazadouros de lixo, cuja infra-estrutura não é adequada para a destinação de resíduos com características de periculosidade. Desse modo, pelo menos parte de substâncias consideradas perigosas presentes nos resíduos, tem como destino final o solo desses aterros, podendo ter como possíveis conseqüências, a contaminação ambiental e humana por substancias carcinogênicas. Segundo estudos recentes da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo - CETESB, cerca de 10 milhões de toneladas anuais de resíduos sólidos, produzidos pelas indústrias, no Estado de São Paulo, não são devidamente tratados ou têm destino inadequado, número este que chega a 47% do volume produzido pelas indústrias (SIQUEIRA, 2001). 3 METODOLOGIA O levantamento das informações das indústrias de mineração instaladas no Estado de Goiás, se deu através de consulta ao banco de dados da Agência Ambiental de Goiás, dos empreendimentos com processos de licenciamento ambiental e que recebem monitoramento por técnicos e fiscais desse órgão. Visitas de campo nas Mineradoras do Estado de Goiás como: Complexo Industrial Copebrás, Complexo Industrial Ultrafértil, Companhia Níquel Tocantins e Barro Alto Mineração. E bem como, consultas a outras Mineradoras do Estado. Através das visitas e consultas, foram usados restritamente assuntos ligados a Resíduos Sólidos, sejam eles, Perigosos (Classe I), Não-Inertes (Classe II-A) e Inertes (Classe II-B) ao Meio Ambiente e a Saúde Pública. Estes resíduos foram estudados e classificados de

5 5 acordo com a norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR (ABNT, 2004). Depois do levantamento, classificação e quantificação, os dados foram tabelados e separados de acordo com cada indústria de mineração pesquisada, recebendo também propostas para a destinação final. Com os materiais pesquisados separados de acordo com cada classe estabelecida, foi realizada uma comparação no intuito de verificar em toneladas, o quanto de cada resíduo por classe é gerado em campo de trabalho. 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES 4.1 Companhia Níquel Tocantins Na Companhia Níquel Tocantins CNT, em função de suas atividades minerárias (extração de minério de níquel), industrial (fabricação de carbonato básico de níquel), e unidades de apoio operacional e de infra-estrutura para os funcionários, é responsável pela geração de diversos resíduos, Brandt (2004) descreve a caracterização, quantificação e qualifica os diversos tipos de resíduos gerados pela empresa em todas as suas atividades, como apresentado a seguir. Para permitir uma melhor visualização dos resíduos gerados pela CNT, eles serão apresentados conforme o Quadro 1. Neste quadro é apresentado todo o tipo de resíduos gerado na indústria CNT, em seqüência, é descrito o local de sua geração, sua classe e para onde é designado sua destinação final adequada. Também neste quadro, não foram citados dados quantitativos com relação ao quanto de resíduos foram gerados, pois estes dados não foram fornecidos nos materiais pesquisados. A classificação dos resíduos foi feita de acordo com a norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR (ABNT, 2004), ou seja: Resíduos perigosos (Classe I); Resíduos não-inertes (Classe II-A); Resíduos inertes (Classe II-B). QUADRO 1: Resíduos Sólidos gerados na Companhia Níquel Tocantins Tipo de resíduo Local de geração Classificação Destino Final Atual Baterias diversas de Áreas de manutenção equipamentos móveis mecânica Classe I Recolhimento pelos fabricantes Óleo lubrificante usado Áreas de manutenção Venda para rerrefino (empresa Classe I mecânica Lwart) ou queima na seção 300 Borras de óleo/graxa Áreas de manutenção Classe I mecânica Filtros de óleo Áreas de manutenção Classe I mecânica e troca de óleo Manutenção das edificações Embalagens com resto e áreas de manutenção de tinta mecânica Classe I Venda como sucata metálica Restos de Explosivos Paiol Classe I Coleta pelo exército Embalagens sujas com Áreas de manutenção Classe I óleo/graxa mecânica Áreas de manutenção Serragem suja com óleo Classe I mecânica Toalhas sujas com óleo/graxa e desengraxante Áreas de manutenção mecânica e troca de óleo Classe I Reutilização após lavagem (empresa Tilimpa)

6 6 Tipo de resíduo Local de geração Classificação Destino Final Atual Cartuchos de tinta e tonner de impressora Escritórios Classe I Retorno ao fornecedor Pilhas Áreas em geral Classe I Gases, luvas, algodão, espátula, papel da maca e medicamentos vencidos Armazenamento até definição do destino final Ambulatório Classe I Câmaras de combustão dos fornos Agulhas Ambulatório Classe I Óleo isolante Transformadores Classe I Embalagens de vidros contaminados com produtos químicos Lâmpadas fluorescentes, incandescentes e de mercúrio Laboratório Classe I Manutenção das edificações Classes I e II-A Câmaras de combustão dos fornos após passagem pelo desintegrador de agulhas Recolhimento pela empresa que realiza a manutenção dos transformadores Armazenamento vidros intactos Venda a vapor de mercúrio e outras fluorescentes incandescentes Restos de alimentos Restaurante Classe II-A Doação para fazendeiros Resíduos sanitários Sanitários Classe II-A EPI s usados Áreas em geral Classe II-A Filtro prensa Transformadores Classe II-A Recolhimento pela empresa que realiza a manutenção dos transformadores Lodo Sistema de tratamento de esgoto (fossas) Classe II-A Barragem Jacuba Resíduos de varrição e Áreas em geral Classe II-A jardins Sucatas metálicas não contaminadas (chapas, fiação elétrica, restos de tubulação, parafusos, corpos moedores, roletes Áreas de manutenção Classe II-B Venda (empresa Siderúrgica Barra Mansa e outros) metálicos, peças estruturais, etc.) Pneus e borracha Áreas de manutenção Recolhimento pelo fornecedor (Correia transportadora e Classe II-B mecânica e borracharia (empresa Lameiros) peças) Filtros de ar Área de manutenção Classe II-B mecânica e troca de óleo Tijolos refratários sílico Fornos Classe II-B aluminosos Sucatas de madeira Áreas de manutenção Classe II-B Doação (padaria, sauna, etc.) Mangas dos filtros Filtros de manga Classe II-B Sucata de lã de rocha Edificações Classe II-B Papel Doação (Hospital Araújo Jorge) ou Escritórios, laboratório e Classe II-B restaurantes Embalagens plásticas contaminadas com produtos químicos Laboratório e ares de manutenção Classe II-B (após tríplice lavagem)

7 7 Tipo de resíduo Local de geração Classificação Destino Final Atual Embalagens de vidro Áreas em geral Classe II-B Plásticos em geral Áreas em geral Classe II-B Venda (empresa Politubos) big bags e plásticos de baixa densidade; - demais Restos de produtos químicos vencidos do laboratório Resinas sujas com materiais retirados na purificação da água Laboratório Classe II-B Armazenamento até definição do destino final Baterias de regeneração - Barragem Jacuba Laboratório - Pastilhas de amostras Resíduos de amostras de minério Laboratório - Retorno para o processo (s-200) Resíduos de amostragem de carbonato Laboratório - Retorno para o processo (s-200) Lama Negra Processo produtivo - Barragem Jacuba Sulfeto misto de cobre Processo produtivo - Venda (empresa Produquímica) Carbonato de níquel Limpeza das torres da seção Retorno para o processo (s-200) Resniq Usina metalúrgica de São Armazenamento até definição do - Paulo da CNT destino final Fonte: Adaptado do Plano de Gestão Ambiental-PGA Companhia Níquel Tocantins (2004) 4.2 Barro Alto Mineração Ltda Em atividades minerárias de acordo com Brandt (2005) em relação à Resíduos Sólidos gerados, na área da Mina, deverá gerar no primeiro ano de atividades toneladas de material considerado estéril. Durante a operação, cerca de toneladas de material estéril será retirado anualmente das minas do Projeto Barro Alto. Todo esse material, composto basicamente por rochas de laterita, dunito e calcedônia, será estocado em depósitos controlados até o quinto ano do empreendimento. A partir de então, as áreas utilizadas como depósito serão reabilitadas, recebendo tratamento através de adição de matéria orgânica e cobertura vegetal. A partir do sexto ano, todo o estéril gerado na mina deverá retornar às áreas já lavradas, visando a reconformação do relevo e a reabilitação das áreas degradadas. Também na área das minas, estima-se a geração de 476 Kg/ano de resíduos referentes às embalagens de explosivos utilizados, compostos basicamente por papel, papelão e plásticos. No canteiro de obras, na fase de implantação, é instalada a oficina mecânica, elétrica, instrumentação/automação, para realização das manutenções mais pesadas dos equipamentos e veículos, e também uma área para lavagem, lubrificação e realização de serviços de borracharia. Nestas atividades serão utilizadas toalhas laváveis. As águas de lavagem de peças destas oficinas e das demais áreas citadas serão direcionadas para sistema separador de água e óleo (SAO). O lodo de fundo e o óleo retido no SAO terão destinações adequadas. Nas atividades da oficina mecânica também serão gerados filtros de óleo, baterias e sucatas metálicas.

8 8 Na fase de operação, passarão a ser gerados também os resíduos oriundos dos processamentos do minério na planta metalúrgica, com destaque para o silicato de magnésio gerado na etapa de fusão redutora nos fornos elétricos e a escória da etapa de refino. Com o objetivo de controlar as emissões de poluentes, serão instalados sistemas de controle de emissões atmosféricas e de efluentes líquidos, cujos funcionamentos também gerarão resíduos sólidos. No caso dos sistemas de controle das emissões atmosféricas, os materiais retidos nos sistemas de despoeiramento das etapas de secagem, calcinação e fusão redutora serão reutilizados internamente na etapa do processo produtivo denominada de aglomeração/pelotização. Já os lodos dos lavadores de gases/espessadores dos secadores rotativos serão enviados para um tanque de decantação (bacia de rejeitos). Na Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos e de Água serão gerados resíduos na forma de lodos cujas destinações adequadas fazem parte do Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da própria empresa. Pode-se também destacar outros resíduos que serão gerados e que diferem daqueles relacionados com a etapa de implantação do empreendimento, como, por exemplo, filtros de manga (tecido) usados/danificados, e resíduos de refratários e materiais cerâmicos, dentre outros. No Quadro 2 é apresentado um resumo dos principais tipos de resíduos que serão gerados na empresa, as respectivas estimativas de geração durante a fase de implantação e operação do empreendimento, seguido também de sua classificação. QUADRO 2: Estimativa de geração de resíduos na fase de implantação e operação Tipo de resíduo Estimativa de geração Classificação Baterias (veículos) 100 unidades/ano I Bombonas e embalagens plásticas de produtos químicos diversos 100 unidades/ano I Embalagens de óleos, graxas e tintas 90 unidades/ano I Equipamentos de proteção individuais EPI s usados (luvas, botas, capacetes, máscaras) 12 t/ ano I Toalhas laváveis contaminadas com óleos, graxas e/ou tintas 5 t/ano I Filtros de óleo (veículos) 5 t/ano I Lâmpadas usadas/queimadas unidades/ano I Lodo de fundo das caixas separadoras de água e óleo 400 t/ano I Materiais contaminados com óleos, graxas e tintas 8 t/ano I Óleo de corte e usinagem L/ano I Óleos lubrificantes/hidráulicos e graxas usadas L/ano I Óleo retido nas caixas separadoras de água e óleo L/ano I Resíduos ambulatoriais (restos de curativo, algodão, seringas e etc) 2 t/ano I Solo (terra) contaminado com óleos e graxas Geração eventual I Sucatas de metais ferrosos e não ferrosos (obra, embalagens, peças geradas nas oficinas de manutenção e limalhas) t/ano I Lodo do sistema de tratamento dos efluentes líquidos do laboratório 1,5 t/ano I Tambores metálicos (200L) e embalagens metálicas diversas unidades/ano I Pilhas 700 unidades/ano I Embalagens de produtos de limpeza 100 unidades/ano I Embalagens de reagentes e vidraria de laboratório 500 unidades/ano I Borras de óleo pesado, utilizado na calcinação, durante a limpeza de bicos, vazamentos, serviços de manutenção, etc. 100 t/ano I

9 9 Tipo de resíduo Estimativa de geração Classificação Restos de concreto betuminoso (massa asfáltica) 400 m³/mês I Restos e borras de tintas 1 t/ano I Plásticos (material de escritório, embalagens em geral) 100 t/ano II-A Lodo da estação de tratamento de água ETA t/ano II-A Lodo/material de limpeza das fossas sépticas ou lodo da estação de tratamento de esgoto sanitário (após implantação) t/ano II-A Madeira (material de forma e desforma, embalagens em geral) 150 t/ano II-A Restos de alimentos (preparação e/ou restos das refeições) 90 t/ano II-A Material de capina e limpeza da área incluindo corte e supressão de vegetação 300 t/ano II-A Resíduos de varrição 80 t/ano II-A Resíduos dos sistemas de controle das emissões atmosféricas (precipitador eletrostático e filtros de mangas) 12 t/ano II-A Sólidos carreados e retidos nas redes de drenagem pluvial das áreas de pilhas, silicato de magnésio e escória de refino, t/ano II-A minério e carvão Material diverso não reciclável (lixos sanitários, papéis e plásticos não recicláveis, material de escritório, etc) 150 t/ano II-A Lodo do sistema de lavagem de gases dos secadores rotativo t/ano II-A Lodos dos sistemas de tratamento dos efluentes da granulação de silicato de magnésio e escória da etapa do refino t/ano II-A Lodo do sistema de tratamento dos efluentes da granulação do ferro-níquel 1,5 t/ano II-A Papel/papelão (material de escritório, embalagens em geral) 250 t/ano II-A Entulho de construção (apenas restos de concreto, tijolos, blocos, telhas e placas), sem a presença de materiais 800 t/mês II-B contaminantes Filtros de ar (veículos) 120 unidades/ano II-B Isopor (embalagens) 1 t/ano II-B Material excedente da movimentação de solo (terra), incluindo os oriundos de abertura de vias e abertura de cavas para as Não estimado II-B fundações (infra-estrutura e edificações) Pneus 350 unidades/ano II-B Pedaços e sucatas de borracha 12 t/ano II-B Vidros (embalagens em geral) 20 t/ano II-B Silicato de magnésio (escória da etapa fusão) t/ano II-B Escória da etapa de refino t/ano II-B Filtros de manga usados/danificados (tecido) 400 unidades/ano II-B Resíduos de refratários e materiais cerâmicos 70 t/ano II-B Fonte: Adaptado do Estudo de Impacto Ambiental-EIA Brandt Meio Ambiente (2005) e Plano de Controle Ambiental-PCA Brandt Meio Ambiente (2005) 4.3 Complexo Industrial COPEBRÁS O Complexo Industrial de mineração COPEBRÁS gera uma ampla gama de resíduos sólidos onde se destacam, em volume gerado, os restos de matérias primas e produtos, preferencialmente reincorporados ao processo, e resíduos das unidades de tratamento de águas e efluentes e cinzas oriundas das fornalhas. Logo, devido ao grande número de insumos embalados (reagentes e outros) há uma grande produção de sacarias, bombonas e outras embalagens que requerem cuidados especiais quando relacionadas a produtos químicos. Também há um volume expressivo de resíduos domésticos (restaurante) e de escritórios, estes com destaque para copos descartáveis.

10 Levantamento e Caracterização dos Resíduos Sólidos A origem dos principais resíduos sólidos gerados nas diversas unidades que compõem o Complexo Industrial da COPEBRÁS em Catalão, de acordo com Paulista (2003), encontra-se descrita a seguir: Unidade de Ácido Sulfúrico Os resíduos desta planta incluem o pentóxido de vanádio, catalisador utilizado na etapa de conversão do SO 2 a SO 3, que é trocado em períodos de aproximadamente 2 anos; sacarias de diatomitas e cal, produtos adicionados na etapa de fusão/filtração no processo de fabricação do ácido sulfúrico. A borra de enxofre gerada no processo de filtração está sendo disposta no depósito de gesso, cuja quantidade é de aproximadamente 4 toneladas/dia. O local é impermeabilizado e devidamente controlado Unidade de Ácido Fosfórico O processo tem como subproduto o gesso, que atualmente está sendo enviado ao pátio de gesso. O pátio foi implantado com impermeabilização em manta asfáltica de Polietileno de Alta Densidade (PEAD) e sistema de drenagem de águas pluviais. As águas pluviais do pátio são enviadas à lagoa de percolados e posteriormente tratadas e reutilizadas no processo industrial. Nesta unidade há, também, resíduos de sacarias de diatomita e lixo de escritório Unidade de Produção de Superfosfato Simples e Triplo (Acidulação) Os resíduos são gerados durante o transporte e manuseio de matérias primas e produtos nas instalações industriais, sendo recolhidos e reincorporados ao processo produtivo Unidades de Granulação de Fertilizantes O processo tem como resíduo sólido a cinza da fornalha utilizada como complementação na correção dos solos ácidos, além de restos de produtos que são recolhidos e reaproveitados Unidade de Produção de Fosfato Bicálcico Periodicamente são trocados os filtros mangas do sistema de controle da poluição atmosférica, que se constituem em resíduos sólidos. Há, também, resíduos de escritório e sacaria Utilidades Os resíduos incluem sacarias e diversas embalagens de reagentes. O lodo que poderá ser gerado na estação de tratamento de água será destinado conforme legislação específica. Estudos também poderão ser desenvolvidos visando outras destinações, tais como corretivo do solo.

11 Laboratório Nos laboratórios de controle e apoio de qualidade dos fertilizantes produzidos, os resíduos incluem diversos produtos fosfatados e frascos e restos de reagentes, além de lixo de escritório Sistema de Tratamento de Efluentes Os resíduos produzidos na ETEL incluem embalagens e sacarias, lodo, resíduos de limpeza da caixa de entrada das bombas, lodo de fossa séptica e lodo de desassoreamento das lagoas Áreas de Apoio Os resíduos produzidos na área de apoio são bastante variados, tendo em vista a diversidade de atividades necessárias ao andamento da área do Complexo Industrial COPEBRÁS. Também foi identificada com potencial de produção de resíduos a área reservada aos terceiros, o que inclui resíduos de escritório, embalagens, restos de produtos, como tintas e vernizes Ambulatório O gerenciamento de resíduos no ambulatório inclui processo de segregação de resíduos contaminados e não contaminados e o encaminhamento a empresas s em tratamento de resíduos classificados como perigosos Administração A área administrativa é responsável pela geração de grande parte do lixo de escritório e de lâmpadas fluorescentes que também são geradas em outros setores da empresa. Estes são considerados resíduos perigosos e são adequadamente estocados em local específico até serem destinadas para tratamento. Com relação aos restos de obras e de outros resíduos gerados por terceiros, o gerenciamento dos resíduos sólidos é realizado pelas próprias empresas contratadas. A empresa responsável pela atividade de pintura, p.ex., recolhe latas, embalagens, e encaminha para a sua unidade central, onde os resíduos são enviados para reciclagem e/ou incineração. No Complexo há também um depósito de sucatas que serão encaminhadas para reaproveitamento. No Quadro 3 é mostrado a relação de todos os resíduos pesquisados e levantados no Complexo Industrial COPEBRÁS no município de Catalão e uma estimativa das quantidades produzidas, em seguida, é apresentado como é feitos o tratamento final desses resíduos e a empresa que é responsável por esse procedimento. QUADRO 3: Inventário Anual de Resíduos Sólidos, gerados pelo Complexo Industrial da COPEBRÁS em Catalão GO. Classificação Descrição Quantidade Tratamento Final Empresa Classe I Pentóxido Vanádio 10,0 ton Co-Processamento Suzaquim - Susano (SP) Descontaminação Naturalis Brasil - Jundiai Lâmpada fluorescente 0,8 ton Reciclagem (SP)

12 12 Classificação Descrição Quantidade Tratamento Final Empresa Serviço Saúde 0,2 ton Incineração Serquip - Belo Horizonte (MG) Óleo Lubrificante 6,0 ton Reciclagem Lwart - Goiânia (GO) Borras Oleosas 30,0 ton Incineração Utarp - Goiânia (GO) Baterias Automotivas 1,7 ton Reprocessamento Suzaquim - Susano (SP) Telhas de Amianto 19,0 ton Aterro Industrial Sasa - Tremembé (SP) Borra de Enxofre 1.300,0 ton Reciclagem Carbotex Araçariguama (SP) Cinzas Fornalhas 445,0 ton Reaproveitamento Reflorestamento Copebrás (GO) Lâmpada incandescente 720 unid Descontaminação Naturalis Brasil - Jundiai Reciclagem (SP) Lâmpada Vapor sódio 600 unid Descontaminação Naturalis Brasil - Jundiai Reciclagem (SP) Sacaria diatomita unid Aterro Sanitário Prefeitura de Catalão (GO) Classe II-A Sacaria sulfato alumínio 500 unid Aterro Sanitário Prefeitura de Catalão (GO) Sacaria sal (ETA) 24 unid Aterro Sanitário Prefeitura de Catalão (GO) Gesso ton Agricultura/Indústria -- Lodo ETEL ton Pilha de Gesso Copebrás (GO) Resíduos de Restaurante 155,0 ton Aterro Sanitário Prefeitura de Catalão (GO) Esgoto - Fossas 630,0 ton Lagoas Tr. Biológico Sae Catalão (GO) Mistura de Resinas 15,0 ton Co- Processamento Resicontrol (SP) Papel Papelão 80,0 ton Reciclagem Prefeitura de Catalão (GO) Sucata Tambor polieletrólito 60 unid Co-Processamento Resicontrol (SP) Fonte: Adaptado dos dados do próprio Complexo Industrial Copebrás S.A. (2005) e Relatório de Impacto Ambiental-RIMA Consultoria Paulista (2003) 4.4 Complexo Industrial ULTRAFERTIL No Terminal Rodo-Ferroviário da ULTRAFERTIL, segundo Consultoria Paulista (2004), é gerado resíduo sólido industrial originado pelos diversos processos industriais, manipulação de cargas e atividades administrativas. Sua composição é bastante variável Produção de Resíduos Sólidos Industriais Neste artigo foi feita uma atualização da estimativa da quantidade anual de resíduos gerados pelo Terminal Rodo-Ferroviário, estes resíduos serão expressos no quadro 4 a seguir, incluindo a área da empresa responsável por sua geração. Citam-se também tipos de resíduos gerados, a freqüência de sua geração, a quantidade gerada anualmente e a forma de sua destinação final. A caracterização dos resíduos foi realizada pela indústria através de análises laboratoriais produzidas pela TASQA Serviços Analíticos Ltda, seguindo as metodologias descritas nas NBR /2004 Lixiviação de Resíduos e NBR /04 (PAULISTA, 2004).

13 13 QUADRO 4: Levantamento e Caracterização dos Resíduos Tipo de Resíduo Classificação (NBR ) Freqüência de Geração Área Geradora Previsão de Geração (anual) PILHAS, BATERIAS E CARTUCHOS DE IMPRESSORA Baterias I Anual SEMAN 24 um Pilhas comuns, baterias de lanternas (alcalina); baterias de rádio e celular Cartuchos de impressoras/tonner I Mensal SEADS 50 kg I Diária SEADS 57 um Lâmpadas I Trimestral SEMAN um Resíduo de óleo BPF e GBA Panos; estopa e filtros de máquinas Resíduo das caixas separadoras de água e óleo Solo/serragem contaminados com óleo, combustível e/ou graxa RESÍDUOS OLEOSOS I Mensal SEFER 4,8 t I Mensal Óleo hidráulico I Trimestral Óleo lubrificante usado Resíduo de Embalagens de Agrotóxicos Resíduos de Embalagens de Produtos Químicos Resíduos ambulatoriais Mantas Filtroprensa MGM e SETER 120 kg I Semestral Setores 144 t I Trimestral Setores 20 t MGM e SETER l I Semestral Setores 12 t EMBALAGENS CONTAMINADAS I Semanal SEADS 8 kg I Mensal Setores 3 kg OUTROS RESÍDUOS CLASSE I I Mensal SEMASQ 48 kg I Mensal SEFER 720 um RESÍDUOS CLASSE II-A Carvão, cinza, bidim II-A Diária SETER 436 t Detritos, restos de alimentos, EPI s e Uniformes Restos de tecido - Filtros de Mangas II-A diária SEADS 15 t II-A Mensal SEFER 400 um Tipo de destinação Reciclagem externa empresa Reciclagem externa empresa Reciclagem externa empresa Reciclagem externa empresa Incineração empresa Incineração empresa Incineração empresa Incineração empresa Reprocessamento externo (re-refino) Reprocessamento externo (re-refino) Devolução para centro de coleta revendedor Reciclagem externa empresa Incineração empresa Reciclagem externa empresa Aterro depósito de estéril Aterro depósito de estéril Aterro depósito de estéril

14 14 Tipo de Resíduo Resíduos de óleo de fritura Classificação (NBR ) Freqüência de Geração Área Geradora Previsão de Geração (anual) II-A Mensal SEADS l RESÍDUOS CLASSE II-B Cascalho II-B Diária SETER 29 t Copos plásticos, papel e papelão Vladeira (dormentes) Vladeiras Inservíveis (restos de caixas, pallets) Resíduos de obras civis e varreduras de ruas/áreas II-B Diária SEADS 12 t II-B Mensal SETER 360 t II-B Mensal SEADS 2 t II-B Semanal SEADS 36 t Sucatas de borrachas II-B Anual Setores 370 kg Sucata Metálica II-B Anual Setores 400 t Resíduos de varredura (limpeza de vagões e caminhões) II-A ou II-B Semanal SETER 96 kg Fonte: Adaptado do Relatório de Impacto Ambiental-RIMA Consultoria Paulista (2004) Tipo de destinação Reciclagem fabricação sabão Aterro depósito de estéril Aterro depósito de estéril Reprocessamento interno fornalha Aterro depósito de estéril Aterro depósito de estéril Reciclagem - comercialização Reciclagem - comercialização Aterro depósito de estéril 4.5 Quantidade de Resíduos Sólidos gerados por classe e periculosidade. Na Tabela 1 encontram-se apresentados o total de resíduos sólidos pertencentes às classes I, II-A e II-B gerados pelas empresas inventariadas e seus respectivos dados quantitativos. Tabela 1: Distribuição dos resíduos sólidos por quantidade gerada Quantidade Gerada Resíduos de acordo com a Classe (t/ano) Porcentagem (%) Classe I 3.281,472 0,13 Classe II-A ,961 31,34 Classe II-B ,358 68,53 TOTAL , Na Figura 1 encontram-se apresentados os percentuais obtidos para as três classes avaliadas. Ressalta-se que foram considerados todos os resíduos gerados dentro da área industrial, sejam eles procedentes do processo industrial ou de outras atividades ali desenvolvidas.

15 15 Figura 1: Distribuição do total de resíduos sólidos gerados, por classe de periculosidade. Classe II-B 68,53% Classe I 0,13% Classe II-A 31,34% Na Tabela 2 encontram-se discriminados os diferentes tipos de resíduos classe I gerados pelas empresas inventariadas e suas respectivas quantidades. Tabela 2: Distribuição dos resíduos sólidos Classe I, por quantidade gerada. Quantidade Gerada Descrição do Resíduo Porcentagem (t/ano) (%) Baterias (veículos) 2,2 0,07 Bombonas e embalagens plásticas de produtos químicos diversos para uso industrial 0,02 0,00 Borra de Enxofre 1.300,0 39,62 Borras de óleo pesado, utilizado na calcinação, durante a limpeza de bicos, vazamentos, serviços de manutenção, etc ,27 Cartuchos de impressoras/tonner 0,002 0,00 Embalagens de óleos, graxas e tintas 0,06 0,00 Embalagens de produtos de limpeza 0,009 0,00 Embalagens de reagentes e vidraria de laboratório 0,015 0,00 Equipamentos de proteção individuais EPI s usados (luvas, botas, capacetes, máscaras) 9 0,27 Filtros de óleo (veículos) 5 0,15 Lâmpadas 1,6 0,05 Lodo de fundo das caixas separadoras de água e óleo ,67 Lodo do sistema de tratamento dos efluentes líquidos do laboratório 150 4,57 Mantas Filtro-prensa 0,035 0,00 Materiais contaminados com óleos, graxas e tintas (serragem, papel/papelão, solo, etc) 324 9,87

16 16 Quantidade Gerada Descrição do Resíduo Porcentagem (t/ano) (%) Óleo de corte e usinagem ,58 Óleos lubrificantes/hidráulicos 227,1 6,92 Panos; estopa e filtros de máquinas 0,12 0,00 Pentóxido Vanádio 10 0,30 Pilhas e Baterias 100,05 3,05 Resíduo das caixas separadoras de água e óleo 144 4,39 Resíduo de Embalagens de Agrotóxicos 0,008 0,00 Resíduos ambulatoriais (restos de curativo, algodão, seringas e etc) 90,25 2,75 Resíduos de Embalagens de Produtos Químicos 0,003 0,00 Sucatas de metais ferrosos e não ferrosos (manutenção, embalagens, peças geradas nas oficinas de manutenção e limalhas, etc) 24 0,73 Telhas de Amianto 19 0,58 Toalhas laváveis contaminadas com óleos, graxas e/ou tintas 5 0,15 TOTAL 3.281, De acordo com a Tabela 2, que descreve todos os resíduos sólidos da Classe I, o potencial de geração em toneladas de cada um deles e a porcentagem dos mesmos em relação ao total gerado, o resíduo que obteu o maior índice de produção é a borra de enxofre com 39,62% do total produzido, seguido do óleo de corte e usinagem com 11,58%. Ao contrario desses dados, tem-se os resíduos Cartuchos de impressoras/tonner vazios, que foi menos gerado, com apenas 2 Kg/ano, correspondente a 0% em relação ao total produzido. Na Tabela 3 encontram-se discriminados os diferentes tipos de resíduos classe II- A gerados pelas empresas inventariadas e suas respectivas quantidades. Tabela 3: Distribuição dos resíduos sólidos Classe II-A, por quantidade gerada. Quantidade Gerada Descrição do Resíduo (t/ano) Porcentagem (%) Carvão, cinza, bidim 881 0,11 Esgoto - Fossas 630 0,08 Gesso ,64 Lâmpada incandescente 0,2 0,00 Lâmpada Vapor sódio 0,175 0,00 Lodo ETEL ,31 Lodo da estação de tratamento de água ETA ,30 Lodo do sistema de lavagem de gases dos secadores rotativo ,71 Lodo do sistema de tratamento dos efluentes da granulação do ferro-níquel 1,50 0,00 Lodo/material de limpeza das fossas sépticas 300 0,04 Lodos dos sistemas de tratamento dos efluentes da granulação de silicato de ,89 magnésio e escória da etapa do refino Madeira (embalagens em geral) 15 0,00 Material de capina e poda de manutenção dos jardins 150 0,02 Material diverso não reciclável (lixos sanitários, papéis e plásticos não 150 0,02 recicláveis, material de escritório, etc) Mistura de Resinas 15 0,00 Papel/papelão (material de escritório, embalagens em geral) 105 0,01 Plásticos (material de escritório, embalagens em geral) 10 0,00 Resíduos de Restaurante 185 0,02

17 17 Quantidade Gerada Descrição do Resíduo Porcentagem (t/ano) (%) Resíduos de varrição 80 0,01 Resíduos dos sistemas de controle das emissões atmosféricas (precipitador eletrostático e filtros de mangas) 16 0,00 Restos de alimentos (preparação e/ou restos das refeições) ,84 Sacaria diatomita ,98 Sacaria sal (ETA) 0,006 0,00 Sacaria sulfato alumínio 0,08 0,00 Sólidos carreados e retidos nas redes de drenagem pluvial das áreas de pilhas, silicato de magnésio e escória de refino, minério e carvão ,39 TOTAL , Já na Tabela 3, que descreve os resíduos de Classe II-A, o que mais chama a atenção é o Gesso, que obteve o maior índice de produção com 75,64% do total. Enquanto que os restantes dos resíduos correspondem com apenas 24,36%. Na Tabela 4 encontram-se discriminados os diferentes tipos de resíduos classe II- B gerados pelas empresas inventariadas e suas respectivas quantidades. Tabela 4: Distribuição dos resíduos sólidos Classe II-B, por quantidade gerada. Quantidade Gerada Descrição do Resíduo (t/ano) Entulho de construção (apenas restos de concreto, tijolos, blocos, telhas, placas, embalagens de cimento/cal), sem a presença de materiais contaminantes Porcentagem (%) 40 0,002 Silicato de magnésio (escória da etapa fusão) ,753 Escória da etapa de refino ,162 Filtros de ar (veículos) 0,087 0,000 Filtros de manga usados/danificados (tecido) 0,546 0,000 Isopor (embalagens) 1 0,000 Madeira (embalagens em geral) 15 0,001 Pneus 1 0,000 Resíduos de refratários e materiais cerâmicos 70 0,004 Vidros (embalagens em geral) 10 0,001 Cascalho 29 0,002 Copos plásticos, papel e papelão 12 0,001 Vladeira (dormentes) 360 0,021 Vladeiras Inservíveis (restos de caixas, pallets) 2 0,000 Resíduos de obras civis e varreduras de ruas/áreas 36 0,002 Sucatas de borrachas 0,725 0,000 Sucata Metálica 850 0,050 TOTAL , Observa-se que, de todos os resíduos declarados na Tabela 04, o resíduo Silicato de Magnésio foi o mais gerado, correspondendo com 97,75% do total. O restante dos resíduos equivale a 2,25%. Lembrando que os resíduos de classe II-B são os mais gerados em indústrias deste porte.

18 18 A Figura 2 mostra superiormente como é uma planta industrial de mineração, em visita in loco pode-se dizer que este complexo, em termos de resíduos sólidos, serve de modelo para vários outros, pois a preocupação com uma produção cada vez mais limpa é muito grande. Figura 2: Complexo Industrial COPEBRÁS A Figura 3 mostra onde é a extração dos minérios usados nas indústrias extrativas. Após a exploração total desta área é usado o estéril, que hoje não é considerado como resíduo sólido, para a transformação e recuperação do mesmo. Figura 3: Área de Extração Mineral (cavas) da Indústria Copebrás A figura 4 exemplifica um tipo de resíduo sólido gerado no tratamento de efluentes líquidos. Este resíduo é formado após sua reação no tratamento através de filtros, que por sua vez separa-o totalmente da água, formando blocos de gesso que são amontoados e depois transportados para a pilha de gesso.

19 19 Figura 4: Resíduos de cal usado no tratamento de efluentes líquidos da Indústria Minerária Já na Figura 5 mostra o reaproveitado alguns tipos de resíduos produzidos no processo de uma indústria no ramo extrativa. Este resíduo mostrado na figura é a cinza sobrada na queima de madeira na produção industrial, que é reutilizada como adubo para as florestas de eucalipto. Figura 5: Reaproveitamento da cinza como adubo de plantas na própria Indústria de Mineração 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES De acordo com as informações obtidas por cada indústria de mineração pesquisada e os resultados obtidos a partir dos dados recolhidos das mesmas, podemos concluir que os Resíduos Sólidos de maior geração foi o Classe II-B (resíduos inertes) com 68,53% do total produzido, correspondendo ao esperado, pois a maioria das indústrias extrativas geram, em grandes quantidades, resíduos inertes. Em seguida vem os de Classe II- A (resíduos não-inertes), que correspondeu a 31,34% da geração total. E por ultimo os

20 20 resíduos perigosos, ou seja, Classe I, representando apenas 0,13% do total de resíduos sólidos inventariados nesta pesquisa. Enfim, ressalta-se que é imprescindível a continuidade deste trabalho, haja visto que o mesmo foi elaborado através de pesquisas em apenas 4 indústrias de mineração (extrativas) cadastradas no banco de dados da Agência Goiana de Meio Ambiente, sendo que no Estado possui várias outras indústrias deste tipo, além das inadimplentes com o órgão ambiental. Pois estas pesquisas são uma das ferramentas essenciais para o controle da qualidade do meio ambiente e da saúde pública, e para a elaboração de uma proposta de política mais agressiva para o setor. REFERÊNCIAS AGENCIA GOIANA DE MEIO AMBIENTE. Inventário de Resíduos Sólidos Industriais do Estado de Goiás. AGMA, Goiás, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, NBR Resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro, ABNT, BARROS, C.J. Os resíduos sólidos urbanos na cidade de Maringá Um modelo de gestão. Departamento de Engenharia Química/UEM, Maringá, PR, Brasil, BRANDT Meio Ambiente. Estudo de Impacto Ambiental BAMISA Barro Alto Mineração. Barro Alto GO, 2005, Cap. 4 4p. BRANDT Meio Ambiente. Plano de Gestão Ambiental Companhia Níquel Tocantins. Niquelândia GO, 2004, Cap. 5 10p. CONSULTORIA PAULISTA. Relatório de Impacto Ambiental Complexo Industrial COPEBRAS. Catalão GO, 2003, Cap. 2 4p. CONSULTORIA PAULISTA. Relatório de Impacto Ambiental Complexo Industrial ULTRAFERTIL. Catalão GO, 2004, Cap. 4 4p. FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE. Resíduos Sólidos Rio de Janeiro, FEEMA, JARDIM, N.S. et al., 1995, Lixo Municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), e Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE). MACÊDO, J.A.B. As Indústrias Farmacêuticas e o Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Revista Fármacos & Medicamentos. Editorial Racine. Maio/junho 2000, PAULELLA, E.D.; SCAPIM C.O.; 1996, Campinas: a gestão dos resíduos sólidos urbanos. Campinas, Secretaria de Serviços Públicos, Secretaria da Administração. SIQUEIRA, A. Resíduos sólidos: da classificação à disposição final. Revista Fármacos & Medicamentos. Editorial Racine. Jan/fev 2001;

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

Parecer Técnico GEDIN 257 / 2008 Processo COPAM: 020/2000/036/2007 RESUMO

Parecer Técnico GEDIN 257 / 2008 Processo COPAM: 020/2000/036/2007 RESUMO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. Empreendimento: Expansão da unidade de beneficiamento de resíduos. DN Código Classe Atividade:

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Sílvia Regina Machado Pukasiewicz (CEFET-PR) silviapuk@bol.com.br Prof. Dr. Ivanir Luiz de Oliveira (CEFET-PR)

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO APRESENTAÇÃO O presente guia visa fornecer aos colaboradores, parceiros e fornecedores da Elektro, informações e instruções básicas sobre os procedimentos para o descarte dos

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI Departamento de Administração de Materiais TCM Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS TCM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS 1 Brasil e Estado de São Paulo Valor desconhecido Cerca de 75,4 milhões toneladas por ano Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos

Leia mais

Resíduos Sólidos Industriais Cenário Mundial Atual Toda atividade humana gera resíduos, e eles são indesejáveis triplamente, pois ocupam áreas que poderiam ter finalidades mais nobres, têm grande potencial

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Ciclo Especial de Palestras 45 anos Crea-ES A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Prof. Aurélio A. Barreto Neto aurelio@cefetes.br O Setor de Rochas Ornamentais

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Panorama sobre resíduos sólidos

Panorama sobre resíduos sólidos Panorama sobre resíduos sólidos Brasil Dinamarca: Cooperação em Meio Ambiente Setembro de 2009 Principais conceitos (proposta do setor industrial) Resíduos sólidos: qualquer material, substância, objeto

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico 3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Gestão de Resíduos AES Eletropaulo Vladimir Xavier Escopo Classificação do Resíduos; Procedimento de Gestão de Resíduos; Acondicionamento; Armazenamento;

Leia mais

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico PROCEDIMENTO Página 1 / 38 Histórico Data Revisão Modificação 05/10/05 0 Emissão inicial 03/08/06 1 Inclusão do item 5.10 31/01/08 2 Revisão geral. 08/09/2010 3 22/03/2011 4 02/05/11 5 Alteração da Identificação

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

Postes de Eucalipto Tratados

Postes de Eucalipto Tratados Postes de Eucalipto Tratados - Considerações - Destinação de Resíduos de Madeira Tratada 3º Simpósio Madeira e Construção- Agosto 2015 Flavio C. Geraldo ABPM Workshop Presidente ABRADEE Maio 2015 Flavio

Leia mais

LIXO OU RESÍDUOS SÓLIDOS? Definição:

LIXO OU RESÍDUOS SÓLIDOS? Definição: LIXO OU RESÍDUOS SÓLIDOS? Definição: Resíduos Sólidos: Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades da comunidade, de origem: industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola,

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

Adequação a Legislação - Gerenciamento de Resíduos - Prevenção a Poluição. 1ª Edição - Julho/09

Adequação a Legislação - Gerenciamento de Resíduos - Prevenção a Poluição. 1ª Edição - Julho/09 Adequação a Legislação - Gerenciamento de Resíduos - Prevenção a Poluição 1ª Edição - Julho/09 Ficha Técnica Realização: Associação Brasileira da Indústria Gráfica - Regional Santa Catarina Apoio: Federação

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos 1 Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos Marconi Canuto Brasil (marconic@tce.rj.gov.br) Técnico de Controle Externo (arquiteto) do e auditor ambiental. Ana Lucia Costa Bittencourt

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais.

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2011 Dispõe sobre gerenciamento e disposição final dos resíduos sólidos gerados em unidades de produção industrial, de bens e serviços, assim como os provenientes de atividades

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM OFICINAS MECÂNICAS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM OFICINAS MECÂNICAS 1 SIMPÓSIO SINDIREPA RS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM OFICINAS MECÂNICAS 26 ABRIL 2012 Eng. Quim. VILSON TRAVA DUTRA FILHO SERVIÇO DE EMERGÊNCIA - FEPAM - RS telefone comercial - 51-3288-9457 e-mail: postodecombustivel@fepam.rs.gov.br

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras

Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras Profa. Dra. Adriana Maria Nolasco Laboratório de Movelaria e Resíduos Florestais LCF/ESALQ/USP amnolasc@usp.br Telefone: 19 3402-2166 Home page: www.anpm.org.br

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. Legenda : Texto em Preto Texto em Vermelho LEI Nº 14.248, DE 29 DE JULHO DE 2002. Redação em vigor Redação Revogada

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Shopping Eldorado A) Dados da Empresa Em um terreno de 74 mil m², o Shopping Eldorado, inaugurado em 10 de setembro de 1981, consumiu investimentos na ordem de

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

A identificação dos resíduos em uma indústria de alimentos e sua política ambiental

A identificação dos resíduos em uma indústria de alimentos e sua política ambiental A identificação dos resíduos em uma indústria de alimentos e sua política ambiental RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um estudo relacionado à investigação dos impactos ambientais gerados

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 02 Resíduos Conceitos Gerais. Prof. Renata Romagnolli Basso Arq. Me / Universidade Norte do Paraná 2012.

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 02 Resíduos Conceitos Gerais. Prof. Renata Romagnolli Basso Arq. Me / Universidade Norte do Paraná 2012. GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 02 Resíduos Conceitos Gerais Prof. Renata Romagnolli Basso Arq. Me / Universidade Norte do Paraná 2012. Resíduos Sólidos Domésticos: EUA 720Kg/ hab.ano Japão 410Kg/ hab.ano

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

CARACTERIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA 1 CARACTERIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA Caroline Sartori dos Santos 1, Débora Stevens 2 & Cátia Viviane Gonçalves 3 Resumo: O gerenciamento de resíduos sólidos

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA

DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O QUE É RESÍDUO? De acordo com o Dicionário de Aurélio Buarque de Holanda, resíduo é tudo aquilo que não se quer mais e

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS INTERNOS EM ATERRO SANITÁRIO PRIVADO EM FASE DE EXPANSÃO.

GESTÃO DE RESÍDUOS INTERNOS EM ATERRO SANITÁRIO PRIVADO EM FASE DE EXPANSÃO. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GESTÃO DE RESÍDUOS INTERNOS EM ATERRO SANITÁRIO PRIVADO EM FASE DE EXPANSÃO. Thaís do Amaral Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus Experimental de Sorocaba

Leia mais

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com. I-025 DIAGNÓSTICO E PROPOSTA DE LAYOUT DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E TRANSBORDO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NO NORTE DE MINAS GERAIS, COMO ALTERNATIVA DE DESTINAÇÃO DESSES RESÍDUOS

Leia mais

Tratamento e Destinação Final de Resíduos

Tratamento e Destinação Final de Resíduos Serquip Tratamento de Resíduos Pr Ltda Seja Nosso Parceiro Tratamento e Destinação Final de Resíduos LIXO DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Conscientização Meio Ambiente Saúde Qualidade de Vida Legislação Ministério

Leia mais