Bomba ligeira para águas residuais Gama ABS MF Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha 08 & 09

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bomba ligeira para águas residuais Gama ABS MF 154-804 Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha 08 & 09"

Transcrição

1 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & PT (08/2015) PT Instalação e Manual de Instruções

2 2 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF HW Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha Índie 1 Generalidades Áreas de apliação Tipo de operação e frequênia de arranque para MF 154HW Dados ténios Chapa do fabriante Transporte Configuração e instalação Conduta de desarga Exeplo de instalação, fossa de betão Ligação elétria Ligação Elétria Verifiação do sentido de rotação Mudança do sentido de rotação Preparação para o funionaento Manutenção e reparação Conselhos de anutenção gerais Sistea de retalhar Piranha Enhiento e Mudança de Óleo Lipeza... 9 A Sulzer reserva-se o direito a alterar espeifiações o base e desenvolvientos ténios.

3 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) 3 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 1 Generalidades 1.1 Áreas de apliação A teperatura áxia peritida do eio bobeado é de: MF e Piranha 08 & 09 = 40 C. MF 154HW = 80 C. As bobas de águas residuais subersíveis do MF/série Piranha são produtos de qualidade e onfiança, onebidas para as seguintes apliações: Bobagens de água lipa Para bobage ontínua de líquidos, que tê ua elevada proporção de atérias sólidas ou fibrosas. MF 154HW foi onebida para bobear líquidos a altas teperaturas, até no áxio, 80 C. Toda a tubage de desarga da boba te que possuir ua respetiva resistênia à teperatura e é da responsabilidade do liente. Estas bobas pode ser utilizadas para a bobage de líquidos inflaáveis ou explosivos. Antes de utilizar líquidos agressivos verifique se os ateriais utilizados na boba são resistentes ao líquido espeífio a ser bobeado. Coo outros aparelhos eletrónios, este produto pode falhar devido a ua operação inorreta, ausênia de tensão de rede ou tabé u defeito ténio. E deterinadas irunstânias, ua falha destas pode ter oo onsequênia a saída de fluido ou água. Se pudere oorrer danos devido à utilização onreta, são neessárias edidas para evitar a oorrênia deste tipo de danos. Desde que as respetivas irunstânias, e espeial, da utilização de u sistea de alare não ligado à rede seja tidas e onsideração, a utilização de u gerador de eergênia e a provisão de u segundo sistea ligado orretaente são tidas e onsideração. 1.2 Tipo de operação e frequênia de arranque para MF 154HW A versão de HW da boba MF foi onebida para operação de urta duração (S2) e interitente (S3), operando e ilos de 8 inutos / 10%, por ex., 0,8 inutos ON / 7,2 inutos OFF. 1.3 Dados ténios Nível de ruído áxio 70 db. Poderá ser exedido e deterinadas irunstânias Chapa do fabriante Reoendaos que onserve os dados da hapa do fabriante original na ilustração da hapa do fabriante apresentada a seguir e os guarde, juntaente o o seu reibo de opra, oo prova para qualquer utilização subsequente. Refira sepre o tipo de boba, o n.º do ite e de série no apo "Nr" e todas as Couniações. Made in Ireland Sulzer Pup Solutions Ireland Ltd. Wexford, Ireland Figura 1 Chapa do fabriante Versão standard 68 Legenda Tipo Tipo de boba Nº. Nº. Ite SN Nº de Série xx/xxxx Data de produção (Seana/Ano) U Tensão noinal V Corrente noinal A Frequênia Hz P1 Potênia noinal de entrada kw 1/in Veloidade in-1 Qáx Débito áx. 3 /h Háx Cab. Máx. Profundidade áx. de subersão

4 4 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 2 Segurança As indiações gerais e espeífias sobre saúde e segurança são desritas de fora detalhada nu folheto e separado, "Instruções de segurança para produtos da Sulzer do tipo ABS". Se algua oisa não estiver lara ou se tiver qualquer questão relaionada o segurança, ontate o fabriante da Sulzer. Esta unidade pode ser utilizada por rianças a partir dos 8 anos de idade e por pessoas o apaidades físias, sensoriais e entais reduzidas, assi oo por pessoas o falta de experiênia e onheientos, desde que supervisionadas ou instruídas relativaente à utilização segura do dispositivo e desde que esteja ientes do riso envolvido. Crianças não deverão brinar o o aparelho. A lipeza e anutenção por parte do utilizador não deve ser exeutadas por rianças não supervisionadas. 3 Transporte Durante o transporte a unidade não deve ser tobada ou atirada. A unidade nuna deve ser erguida ou desida pelo abo de alientação. A unidade está equipada o u dispositivo ao qual pode ser aresentadas ua orrente e ua anilha para transporte. Todos os sisteas de elevação utilizados deve ter diensões adequadas ao peso da unidade. Todas as noras de segurança be oo as boas prátias ténias deve ser respeitadas. 4 Configuração e instalação : O Deve Todas as noras relativas às instalações de bobage de águas residuais e, quando apliável, instalações de bobas à prova de explosão deve ser respeitadas. anal de ondução do abo para o quadro de oando deve ser estanque ao gás, enhendo-o para isso o espua, após os abos de alientação e de ontrolo do iruito sere oloados. prestar ua uidadosa atenção às noras de segurança relativas ao trabalho e áreas fehadas nas redes de esgotos, be oo às boas prátias ténias. 4.1 Conduta de desarga A onduta de desarga deve ser instalada de aordo o as noras relevantes. DIN 1986/100 e EN aplia-se essenialente ao seguinte: A onduta de desarga deve ser enaixada o ua espiral de orrente (180 de urvatura) loalizada aia do nível e que são lançadas as águas dos esgotos e deve então desloar-se por gravidade para a onduta de reolha ou esgoto. A onduta de desarga não deve estar ligada a u ano inferior. Não deve estar ligada a esta onduta de desarga ais nenhua onduta de desarga. A onduta de desarga deve ser instalada de odo a não ser afetada pelo gelo.

5 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) 5 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & Exeplo de instalação, fossa de betão Legenda 1 Espiral de orrente 2 Válvula de interrupção 3 Válvula anti-retorno 4 Conduta de desarga 5 Boba subersível 6 Interruptor de bóia KS NOTA As noras relativas à onexão de ondutas de esgoto vara de país para país. Consulte as norativas loais. Figura 2 Exeplo de instalação, fossa de betão 4.3 Ligação elétria Antes da preparação para o funionaento, u espeialista deverá verifiar se u dos dispositivos elétrios de proteção neessários está disponível. A ligação à terra, neutra, os disjuntores de fuga à terra, et. tê de estar e onforidade o as noras da autoridade de alientação elétria loal e u ténio qualifiado deverá verifiar se os eso estão e perfeitas ondições. O sistea de alientação de energia no loal te de respeitar o VDE ou outras noras loais, tendo e onta a área de seção e a queda áxia de tensão. A tensão indiada na hapa do fabriante da boba te de orresponder à da rede elétria. O abo de alientação te de ser protegido por u fusível lento o diensões adequadas, orrespondente à potênia noinal da boba. A alientação de energia de entrada, assi oo as ligações da própria boba aos terinais no painel de ontrolo, tê de respeitar o diagraa de iruito do painel de ontrolo, assi oo os diagraas das ligações do otor, e tê de ser efetuados por u ténio qualifiado. Todas as noras de segurança be oo as boas prátias ténias deve ser respeitadas. Aplia-se as noras VDE seguintes para utilização ao ar livre: As bobas subersíveis utilizadas ao ar livre tê de estar equipadas o u abo de pelo enos 10 de opriento. Pode-se apliar outras noras e países diferentes. No que respeita às bobas que se destina a ser utilizadas e fontes exteriores, lagos de jardins e loais seelhantes, a boba deverá ser alientada por eio de u dispositivo de orrente residual (DCR), o ua orrente de funionaento residual noinal que não exeda os 30 A. NOTA Por favor, onsulte o seu eletriista.

6 6 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & Ligação Elétria Trifásio Monofásio 50 Hz: 50 Hz: MF 334D e D/KS MF 154W, W/KS e HW MF 404D e D/KS MF 324W e W/KS MF 665D e D/KS MF 354W e W/KS MF 804D e D/KS MF 504W e W/KS Piranha 08/09D e D/KS MF 565W e W/KS Piranha 08/09W e W/KS Figura 3 Cablage trifásia Figura 4 Cablage onofásia NOTA: U, V, W = Live bl = azul PE = Terra br = astanho gr/yel = verde/aarelo gry = inzento blk = preto Verifiação do sentido de rotação As indiações de segurança da seção anterior tê de ser respeitadas! Quando as unidades trifásias são preparadas para o funionaento pela prieira vez, e quando são utilizadas nu novo loal, a direção de rotação deverá ser uidadosaente verifiada por u ténio qualifiado. Ao verifiar a direção de rotação, a boba subergível deve estar segura, de tal fora que não onstitua perigo para o pessoal devido ao ipulsor e rotação, ou resultando do audal de ar. Não oloque a sua ão no sistea hidráulio! A Quando direção de rotação deverá ser apenas alterada por u ténio qualifiado. estiver a efetuar a verifiação da direção de rotação, assi oo quando iniiar a unidade, tenha e atenção a REACÇÃO DE ARRANQUE.. Esta poderá ser uito intensa A direção de rotação está orreta se o ipulsor rodar no sentido dos ponteiros do relógio quando se olha para baixo, a partir do topo da unidade oloada no loal. Figura 5 Rotação do rotor A reação de arranque está no sentido ontrário ao dos ponteiros do relógio.

7 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) 7 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 NOTA Se estivere várias bobas ligadas a u só painel de ontrolo, então ada unidade deve ser verifiada individualente. A alientação da rede elétria ao painel de ontrolo deverá ter ua rotação no sentido dos ponteiros do relógio. Se os ondutores estivere ligados e onforidade o o diagraa de iruito e as designações dos ondutores, a direção de rotação será a orreta Mudança do sentido de rotação As indiações de segurança da seção anterior tê de ser respeitadas! A direção de rotação deverá ser apenas alterada por u ténio qualifiado. Se o sentido de rotação estiver inorreto, a situação é alterada através da udança de duas fases do abo de alientação no painel de ontrolo. A direção de rotação deverá ser depois verifiada novaente NOTA A direção de rotação do dispositivo de edição onitoriza a direção de rotação da rede elétria, ou do gerador de eergênia 5 Preparação para o funionaento As indiações de segurança da seção anterior tê de ser respeitadas! Antes da preparação para o funionaento, a unidade deverá ser verifiada e deverá ser efetuado u ensaio funional. Deve ser prestada ua atenção espeial ao seguinte: As ligações elétrias fora efetuadas de aordo o as noras? O interruptor de sobrearga do otor está orretaente regulado? A fossa foi lipa? O fluxo de entrada e de saída da estação da boba foi lipo e verifiado? A direção de rotação está orreta, eso se estiver a funionar através de u gerador de eergênia? Os ontrolos de nível estão a funionar orretaente? As oportas neessárias (onde equipado) estão abertas? As válvulas anti-retorno (onde equipadas) funiona failente? - A boba assenta orretaente no suporte? Os níveis para ligar e desligar estão prograados orretaente?

8 8 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 6 Manutenção e reparação Antes de iniiar qualquer trabalho de anutenção, a boba deve ser opletaente desligada da rede elétria por ua pessoa qualifiada, e deve-se ter e atenção para que esta não seja inadvertidaente ligada de novo. Quando A Para NOTA: NOTA: estiver a efetuar algu trabalho de reparação ou anutenção, deve respeitar as noras de segurança apliadas ao trabalho e áreas fehadas nas redes de esgotos, be oo as boas prátias ténias. reparação apenas deve ser exeutada por pessoal qualifiado. evitar perigo e aso de danos no abo de alientação, este deverá ser substituído pelo fabriante, pelo seu representante de assistênia ou por ua pessoa seelhanteente qualifiada. Os onselhos dados sobre a anutenção não fora onebidos para reparações faça-voê-eso, dado que são neessários onheientos ténios. U ontrato de anutenção o o nosso departaento de assistênia ténia garante-lhe o elhor serviço ténio e qualquer irunstânia. 6.1 Conselhos de anutenção gerais As bobas subersíveis da Sulzer são produtos de qualidade e onfiança, estando ada u deles sujeito a ua uidadosa inspeção final. Os rolaentos de esferas lubrifiados para toda a vida, juntaente o os dispositivos de ontrolo, garante ua óptia fiabilidade da boba, desde que a esta seja ligada e utilizada de aordo o as instruções de funionaento. No entanto, se oorrer algua avaria, não iprovise, as si ontate o departaento de serviço de lientes da Sulzer para obter assistênia. Isto aplia-se, prinipalente, se a boba for ontinuaente desligada devido a sobrearga de orrente no quadro de oando ou pelo alare. Reoenda-se ua inspeção e uidado regulares para garantir ua longa vida útil. NOTA: A organização de serviço da Sulzer te todo o prazer e aonselhá-lo sobre qualquer apliação que possua e a prestar-lhe a assistênia neessária para resolver os seus probleas de bobage. NOTA: As ondições de garantia da Sulzer só são válidas se qualquer trabalho de reparação for efetuado e ofiinas autorizadas pela Sulzer e utilizadas peças sobresselentes da Sulzer. 6.2 Sistea de retalhar Piranha O sistea de retalhar da Piranha é ua peça de desgaste e, oo tal, pode ser neessária a sua substituição. Ua diinuição no desepenho de orte pode diinuir a saída. Reoendaos que a função de retalhar seja inspeionada regularente. Esta situação verifia-se, e partiular quando se está a bobear esgotos que ontê areia. Reoenda-se ua inspeção e uidado regulares para garantir ua longa vida útil. Antes de iniiar a boba, ertifique-se que o rotor de retalhar roda livreente

9 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) 9 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & Coentários sobre a anutenção de estações elevatórias de aordo o a nora EN Reoenda-se que a estação elevatória seja inspeionada ua vez por ês e o seu funionaento verifiado. De aordo o as noras EN, a estação elevatória deve ser verifiada por ua pessoa qualifiada nos seguintes intervalos teporais: e instalações oeriais, de três e três eses. e bloos de apartaentos, de seis e seis eses nua asa partiular, ua vez por ano Adiionalente, reoendaos que seja feito u ontrato de anutenção o ua epresa qualifiada. 6.4 Enhiento e Mudança de Óleo A âara de óleo entre o otor e a seção hidráulia foi abasteida o óleo de lubrifiação. Quantidade de óleo a abasteer no otor Tipo de boba Litros Tipo de boba Litros MF 334D e D/KS N/A MF 154W, W/KS e HW N/A MF 404D e D/KS 0.5 MF 324W e W/KS N/A MF 665D e D/KS 0.5 MF 354W e W/KS 0.5 MF 804D e D/KS 0.5 MF 504W e W/KS 0.5 Piranha 08/09D e D/KS 0.5 MF 565W e W/KS 0.5 Óleo a abasteer na âara de óleo Piranha 08/09W e W/KS 0.5 Tipo de boba Litros Tipo de boba Litros MF 334D e D/KS 0.02 MF 154W, W/KS e HW 0.02 MF 404D e D/KS 0.02 MF 324W e W/KS 0.02 MF 665D e D/KS 0.02 MF 354W e W/KS 0.02 MF 804D e D/KS 0.02 MF 504W e W/KS 0.02 Piranha 08/09D e D/KS 0.02 MF 565W e W/KS 0.02 Só é neessária ua udança de óleo se oorrer ua falha. 6.5 Lipeza Piranha 08/09W e W/KS 0.02 Se a boba for utilizada para apliações que iplia transporte, então deve ser lipa após ada utilização através da bobage de água lipa, de odo a evitar depósitos de sujidade e inrustações. No aso de instalações fixas, reoendaos que o funionaento do sistea de ontrolo autoátio do nível seja verifiado regularente. Ao ligar o interruptor de seleção (opção do interruptor "HAND") a fossa será esvaziada. Se fore visíveis depósitos de sujidade nos flutuadores, então estes deve lipos. Após a lipeza, a boba deve ser enxaguada o água lipa e deve deorrer alguns ilos de bobage autoátia.

10 10 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09

11 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais) 11 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09

12 Sulzer Pup Solutions Ireland Ltd. Clonard Road, Wexford, Ireland Tel Fax

Bomba submersível para águas residuais Gama ABS AS 0530-0841

Bomba submersível para águas residuais Gama ABS AS 0530-0841 Boba subersível para águas residuais Gaa ABS AS 0530-0841 15975045PT (02/2015) 1006-00 PT Instalação e Manual de Instruções www.sulzer.o 2 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais)

Leia mais

Instruções de instalação, operação e manutenção

Instruções de instalação, operação e manutenção 02/2015 PT Instruções de instalação, operação e manutenção www.sulzer.com 2 Instruções de instalação, operação e manutenção (Tradução das instruções originais) Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha

Leia mais

Bomba AFP submergível para esgotos da ABS/AFPK Bomba JT submergível para despejos da ABS

Bomba AFP submergível para esgotos da ABS/AFPK Bomba JT submergível para despejos da ABS Bomba AFP submergível para esgotos da ABS/AFPK Bomba JT submergível para despejos da ABS 15975180PT (10/2012) Instalação e Manual de Instruções www.sulzer.com 2 Instalação e Manual de Instruções (Tradução

Leia mais

Talhas Elétricas de Corrente Troles Elétricos e Manuais

Talhas Elétricas de Corrente Troles Elétricos e Manuais Talhas Elétricas de orrente Troles Elétricos e Manuais Talha Elétrica de orrente odestar Talha Elétrica de orrente odestar ap. No.( t) *Vel. Elevação Motor (P) Trao correntes ap. No.( t) *Vel. Elevação

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

3. MANUTENÇÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 NX-4 FALCON

3. MANUTENÇÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 NX-4 FALCON NX-4 FALCON 3. MANUTENÇÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 TABELA DE MANUTENÇÃO 3-3 LINHA DE COMBUSTÍVEL 3-4 FUNCIONAMENTO DO ACELERADOR 3-4 AFOGADOR 3-5 FILTRO DE AR 3-6 RESPIRO DO MOTOR 3-6 VELAS DE IGNIÇÃO

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

Aparelho de elevação ABS 5 kn

Aparelho de elevação ABS 5 kn 1 597 0503 PT 01.2013 pt Instruções de ontage e de serviço Tradução das instruções originais www.sulzer.co Instruções de ontage e de serviço Instruções de ontage e de serviço para aparelho de elevação

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

JCB Multicarregadora Telescópica 531-70 DIMENSÕES ESTÁTICAS ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: Dimensões em m. Dimensões em m 531-70 531-70 2.49 0.

JCB Multicarregadora Telescópica 531-70 DIMENSÕES ESTÁTICAS ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: Dimensões em m. Dimensões em m 531-70 531-70 2.49 0. CARGA MÁX. ÚTIL ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: 3.1 Ton. 7 Metros DIMENSÕES ESTÁTICAS Diensões e 531-70 Diensões e 531-70 A Altura total 2.49 H Altura ao solo 0.40 B Largura total (aos pneus)* 2.23 Raio de virage

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br CURSO PREPARATÓRO PARA COCURSOS EM ELETROTÉCCA CPCE ELETRCDADE AULA TRASFORMADOR: Polaridade de u enrolaento Enrolaento e série e e paralelo Ensaio a vazio e e curto-circuito Ligações de u transforador

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

A escolha inteligente em conforto

A escolha inteligente em conforto Refrigerante Condicionadores de Ar Split A escolha inteligente e conforto FUJITSU GENERAL DO BRASIL High Wall Inverter ASBA09J ASBA12J C C 9.000 12.000 ASBA09L C 9.000 H 10.000 ASBA12L C 12.000 H 14.000

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

CARREGADEIRA E RETROESCAVADEIRA 3CX ECO

CARREGADEIRA E RETROESCAVADEIRA 3CX ECO POTÊNIA MÁXIMA DO MOTOR: 63kW (85HP) ou 68,6kW (92HP) PROFUNDIDADE MÁXIMA DE ESAVAÇÃO: 4,75 etros APAIDADE MÁXIMA DA ARREGADEIRA: 1,1³ G H F D E J B K A DIMENSÕES GERAIS As retroescavadeiras JB conta co

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Circuladores para sisteas de aqueciento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Série Ecocirc TLC FLC O otivo da escolha A vasta gaa de circuladores da ITT Lowara é a sua prieira escolha devido

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

5 de Fevereiro de 2011

5 de Fevereiro de 2011 wwq ELECTRÓNICA E INSTRUMENTAÇÃO º Exae 010/011 Mestrado Integrado e Engenharia Mecânica Licenciatura e Engenharia e Arquitectura Naval 5 de Fevereiro de 011 Instruções: 1. A prova te a duração de 3h00

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

HPP09 GERADOR HIDRÁULICO

HPP09 GERADOR HIDRÁULICO HPP09 GERADOR HIDRÁULICO A partir do nº de Série 1279-1497 Revisto em Fevereiro 2004 ANTES Antes DE UTILIZAR Agradecemos a sua preferência pelo Gerador HYCON. Por favor note que o Gerador foi vendido sem

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200 NOVOS PRODUTOS Micróetro Laser Scan USB co leitor incorporado LSM 5200 Inforação detalhada na página 336. Micróetros Laser Scan Micróetros Laser Unidades de Medição Páginas 333 335 Micróetros Laser LSM

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização!

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização! Manual de instalação e utilização Esquentadores a gás minimaxx WRD 11-2 KME... WRD 14-2 KME... WRD 17-2 KME... Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR OS PRIEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA ANUTENÇÃO DOUGLAS LINO ARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES E QUESTIONAENTOS O PRIEIRO PASSO EXEPLO

Leia mais

Início. Guia de Instalação Rápida FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940. o equipamento da embalagem e verificar os componentes. Observação

Início. Guia de Instalação Rápida FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940. o equipamento da embalagem e verificar os componentes. Observação Guia de Instalação Rápida Iníio FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940 Leia o Guia de Segurança de Produto primeiro e, em seguida, leia este Guia de Instalação Rápida para oter o proedimento de onfiguração e instalação

Leia mais

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização!

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização! Manual de instalação e utilização Esquentadores a gás minimaxx WRD 11-2.B.. WRD 14-2.B.. WRD 18-2.B.. Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento,

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Esola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.om.br Esola de Minas Brasil Ando, Eunie Sumie; Lopes Moreno Junior, Armando; Reis de Oliveira, Clayton Reforço à flexão de vigas em onreto armado

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Hidrômetros de Interiores

Hidrômetros de Interiores Hidrôetros de Interiores ETK ETW Hidrôetros de Chuveiro e Banheira Hidrôetros de Pia Hidrôetros de Torneira Seis soluções copletas co nosso hidrôetro onojato universal de ou de copriento Hidrôetros Ebutidos

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A POV DE FÍSI 2º NO - 3ª MENS - 1º TIMESTE TIPO 1) Nos quadrinhos da tira, a mãe meniona as fases da água onforme a mudança das estações. Entendendo-se boneo de neve omo "boneo de gelo" e que, om o termo

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

FISICA (PROVA DISCURSIVA)

FISICA (PROVA DISCURSIVA) FISICA (PROVA DISCURSIVA) Questão 1: A transmissão de energia elétria das usinas hidrelétrias para os entros onsumidores é feita através de fios metálios que transmitem milhares de watts. Como esses fios

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Tubos Jaquetados e com Isolamento

Tubos Jaquetados e com Isolamento www.swagelok.co s Jaquetas e co Isolaento Características Disponíveis nos taanhos 1/4" a " e 6 a 12 e aço inoxidável 316/316L e cobre s e aço inoxidável co e se costura Jaqueta e PVC para baixa teperatura

Leia mais

KSB MEGANORM. Bomba Centrífuga Normalizada para Uso Geral. 3. Denominação. 1. Aplicação. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação.

KSB MEGANORM. Bomba Centrífuga Normalizada para Uso Geral. 3. Denominação. 1. Aplicação. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação. Folheto Descritivo Nº A272.1P/ KSB MEGANORM Boba Centrífuga Noralizada para Uso Geral LINA : NORMA: Mega ISO 288 1. Aplicação A boba centrífuga KSB Meganor é indicada para o bobeaento de água e de líquidos

Leia mais

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização Manual de instalação e utilização CELSIUSNEXT 6720608913-00.1AL WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31 Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler

Leia mais

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 0 01 Produto internacional desenvolvido co a colaboração de especialistas de dois países, baseado na platafora de R&D China e nos Estados Unidos; A lança totalente

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

3. ANÁLISE TEÓRICA 3.1. PARÂMETROS GEOMÉTRICOS DO MOTOR

3. ANÁLISE TEÓRICA 3.1. PARÂMETROS GEOMÉTRICOS DO MOTOR 31 3. ANÁLISE TEÓRICA O resente trabalho se roõe a o o oortaento de u otor flexível instalado e bano de rovas funionando o etanol anidro e etanol hidratado e diferentes ondições de oeração. a que esse

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Multímetro Digital MM013

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Multímetro Digital MM013 MANUAL DE INSTRUÇÕES Multímetro Digital MM013 Obrigado por adquirir um produto ALLECO O GRUPO ALLECO garante a você um produto confiável, produzido com a mais alta tecnologia por uma empresa moderna e

Leia mais

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES A Unicap coenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES As questões de Física do Vestibular Unicap versa sobre assuntos variados do prograa (que consta do Manual do Candidato). Elas são foruladas

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA

PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA Jesús Vargas INELAP-PQE. Guadalajara, Jal. Méxio Arando Guzán Shweitzer Engineering Laboratories

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7900 A L F A

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7900 A L F A ASPIRADOR TIPO CICLONE Manual do utilizador MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7900 A L F A 1 Estimados clientes: Muito obrigada por ter escolhido um dos nossos aspiradores de uso doméstico, que é um aparelho

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

RETROESCAVADEIRA COMPACTA 1CX

RETROESCAVADEIRA COMPACTA 1CX RTROSVDIR OMPT POTÊNI MÁ. DO MOTOR. 6,kW (9 hp) PROUNDIDD MÁ. D SVÇÃO D RTRO:,55 etros PIDD MÁ. D RRGDIR: 60 H K D G DIMNSÕS, OM MÁQUIN STÁTI Modelo da áquina ltura total ltura total (cabine baixa) Largura

Leia mais

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA SOBRE ESTEIRAS JS220 LONGO ALCANCE

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA SOBRE ESTEIRAS JS220 LONGO ALCANCE PESO OPERACIONAL MÁXIMO: 23.742 POTÊNCIA DO MOTO: 128 kw (172HP) DIMENSÕES, COM A MÁQUINA PARADA Diensões e ilíetros A Copriento da esteira sobre o solo B Copriento total do chassi C Vão livre - contrapeso

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Docuento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 20/203-BNDES Rio de Janeiro, 7 de aio de 203 Ref.: Produto BNDES Autoático Ass.: Prograa BNDES para o Desenvolviento da Indústria Nacional

Leia mais

www.gardipool.be O conceito único em piscinas de madeira

www.gardipool.be O conceito único em piscinas de madeira www.gardipool.be O conceito único e piscinas de adeira 2 GardiPool é u conceito único e piscinas baseado nos nossos anos de experiência na indústria adeireira. É u produto totalente integrado desde a árvore

Leia mais

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 ANUAL DE INSTALAÇÃO DA BOBA ASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 SUÁRIO 1. AVISOS GERAIS DE SEGURANÇA 3 2. PERIGOS NO ABUSO DO EQUIPAENTO 3 3. LIITES DE TEPERATURAS 4 4. FUNCIONAENTO DA BOBA CO SELAGE

Leia mais

Tesouras demolidoras CC. Ferramentas de Demolição Silenciosas

Tesouras demolidoras CC. Ferramentas de Demolição Silenciosas Tesouras demolidoras CC Ferramentas de Demolição Silenciosas Essencial para demolição e reciclagem: Ferramentas de Demolição Silenciosas da Atlas Copco Os desenvolvimentos em termos de maquinaria e equipamentos

Leia mais

HOVAP SÉRIE 9600 BASICFLOW VÁLVULAS DE PROCESSO MANUAL DE INSTRUÇÕES

HOVAP SÉRIE 9600 BASICFLOW VÁLVULAS DE PROCESSO MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 ÍNDICE 2 Introdução 2 2.1 Utilização da válvula 2 2.2 Campo de aplicação 2 2.3 Utilização incorrecta 2 3 Segurança 2 4 Transporte e armazenamento 2 5 Instruções de instalação 2 5.1 Montagem 2 5.2 Instalação

Leia mais

Manômetros, modelo 7 conforme a diretiva 94/9/CE (ATEX)

Manômetros, modelo 7 conforme a diretiva 94/9/CE (ATEX) Manual de instruções Manômetros, modelo 7 conforme a diretiva 94/9/CE (ATEX) II 2 GD c TX Modelo 732.51.100 conforme ATEX Modelo 732.14.100 conforme ATEX Manual de instruções, modelo 7 conforme ATEX ágina

Leia mais

Bomba Submersível modelo ABS Robusta

Bomba Submersível modelo ABS Robusta Bomba Submersível modelo ABS Robusta Sulzer A Sulzer é líder mundial em soluções de bombeamento confiáveis e inovadoras. Nossa pesquisa e desenvolvimento avançados, processos detalhados e conhecimento

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

Instruções de montagem e operação EB 2046 PT. Limitador de Temperatura de Segurança (STL) com Termóstato de Segurança Tipo 2212

Instruções de montagem e operação EB 2046 PT. Limitador de Temperatura de Segurança (STL) com Termóstato de Segurança Tipo 2212 Limitador de Temperatura de Segurança (STL) com Termóstato de Segurança Tipo 2212 Termóstato de Segurança Tipo 2212 Instruções de montagem e operação EB 2046 PT Edição de Março de 2010 Índice Índice 1

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Termoacumulador para água quente sanitária Logalux LT 35-300 Para os técnicos especializados Leia atentamente antes da montagem e da manutenção 630 337-0/000 PT/BR

Leia mais

HPP06 UNIDADE HIDRÁULICA

HPP06 UNIDADE HIDRÁULICA HPP06 UNIDADE HIDRÁULICA A partir do nº de Série 5688 ANTES Antes DE UTILIZAR Agradecemos a sua preferência pela unidade HYCON. Por favor note que a unidade foi vendida sem óleo hidráulico, o qual deverá

Leia mais

Manual de Instruções SATA 67595

Manual de Instruções SATA 67595 1. Conheça o produto...2 2. Âmbito do fornecimento...5 3. Dados técnicos...6 4. Modo de atuação da unidade de limpeza de ar com adsorvente de carvão ativo e do cinto sem adsorvente de carvão ativo...7

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Tecnologia Global, Soluções Locais

Tecnologia Global, Soluções Locais Medição de Teperatura Se Contato, Iageaento Térico e Visão de Processos Industriais Tecnologia Global, Soluções Locais Terôetros Infraverelhos Fixos Pontuais e Portáteis Raytek Faília Marathon MR Terôetro

Leia mais

7,5 VA durante o funcionamento 3 VA em posição de descanso Nível de protecção eléctrica

7,5 VA durante o funcionamento 3 VA em posição de descanso Nível de protecção eléctrica VÁLVULA E ERIVAÇÃO E 3 VIAS PARA AQUEIMENTO E SOLAR escrição do produto Esta válvula de derivação de 3 vias com accionamento do motor eléctrico de 230 V é utilizada em circuitos solares e de aquecimento

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

Informação de produto. Transmissor de pressão do processo VEGABAR 14, 17

Informação de produto. Transmissor de pressão do processo VEGABAR 14, 17 Informação de produto Transmissor de pressão do processo VEGABAR 4, 7 Índice Índice Princípio de medição...................................................................................... Vista sinóptica

Leia mais

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4 EXERCíCIOS CAPÍTULOS E 4 1. Considere um sistema de omuniações em banda base analógio om AWGN. O anal não introduz distorção e a densidade espetral de potênia do ruído é N 0 /2 é igual a 10-9 W/Hz. O sinal

Leia mais

CALDEIRA DE CONDENSAÇÃO A GÁS

CALDEIRA DE CONDENSAÇÃO A GÁS CALDEIRA DE CONDENSAÇÃO A GÁS Manual de instruções Eurostar Green 6720847003 (2015/07) PT 0 010 007 590-001 ZWBE 24/25-3 C ZWBE 24/30-3 C Índice Índice 1 Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança

Leia mais

HD 5/11 C. 9.356-193.0-07/2011 Ind. a

HD 5/11 C. 9.356-193.0-07/2011 Ind. a HD 5/11 C KÄRCHER INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AV. PROF. BENEDICTO MONTENEGRO, 419 - BETEL - 13.140-000 - PAULÍNIA - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 34-13.140-000 - PAULÍNIA - SP CENTRAL DE ATENDIMENTO

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. ORIENTAÇÃO DE CONSULTA À NORMA... 5 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES... 6

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. ORIENTAÇÃO DE CONSULTA À NORMA... 5 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES... 6 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-0 ÍNDICE. INTRODUÇÃO... 5. ORIENTAÇÃO DE CONSULTA À NORMA... 5 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

Cabo Foreplast BWF Flexível 750V

Cabo Foreplast BWF Flexível 750V Cabo Foreplast BWF Flexível 7V Devido à sua flexibilidade, os cabos Foreplast BWF flexíveis são recoendados para fiações de quadros e painéis, alé das instalações fixas de construção civil. : Cobre nu,

Leia mais

sirius Chaves de partida

sirius Chaves de partida sirius Chaves de partida s Chaves de partida 3RE SIRIUS Aplicações Tamanho S00 Tamanho S0 Tamanho As Chaves de partida direta 3RE SIRIUS são destinadas a manobra e proteção de motores até 20 cv / 15 kw

Leia mais

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra SUNNY CENTRAL Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra 1 Introdução Alguns fabricantes de módulos recomendam ou exigem a ligação à terra negativa ou positiva do gerador fotovoltaico

Leia mais

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Manual de instruções para carregadores de acumuladores CCC 405 e CCC 410 24V/5A 24V/10A utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Certified to EN60601-1 3 rd ed. Em conformidade

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

Centrais Elevatórias de Efluentes

Centrais Elevatórias de Efluentes Centrais Elevatórias de Efluentes Série Ambibox A P L I C A Ç Õ E S Elevação para a rede pública de colectores Indústria Povoações Loteamentos habitacionais Parques de Campismo Garagens Caves, etc... C

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Departamento de Engenharia Químia e de Petróleo UFF Outros Aula Proessos 08 de Separação Malhas de Controle Realimentado (Feed-Bak) Diagrama de Bloos usto Prof a Ninoska Bojorge Controlador SUMÁRIO Bloo

Leia mais

MSI-2H Relês de segurança

MSI-2H Relês de segurança MSI-2H Relês de segurança PT 2010/11-607390 Reservados os direitos de alterações técnicas IMPLEMENTAR E OPERAR DE MODO SEGURO Manual de instruções original Dispositivo de comando bimanual, em conformidade

Leia mais

Medidas de Desempenho em Computação Paralela

Medidas de Desempenho em Computação Paralela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Capus Curitiba Prograa de Pós-graduação e Engenharia e Inforática (CPGEI) Laboratório de Bioinforática Medidas de Desepenho e Coputação Paralela Heitor

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

elegância e sofisticação

elegância e sofisticação B A R B E C U E S 2 0 1 5-2 0 1 6 BARBECUES Utilizando as melhores matérias-primas, o conhecimento profundo e a experiência comprovada no mundo das cozinhas profissional e doméstica, a Smeg criou dois

Leia mais

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax Sarco

Leia mais

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI)

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) Um momento... deixe-me pensar! PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) O que é o PEI O PEI é um programa de intervenção ognitiva que tem omo objetivo desenvolver no indivíduo as habilidades básias

Leia mais