Higiene e saúde ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Higiene e saúde ambiental"

Transcrição

1 Higiene e saúde ambienal CAPÍTULO 11 Mais vale prevenir do que remediar! A higiene pessoal, a limpea da casa e da comunidade, o conrolo dos insecos, e um esilo de vida saudável são esraégias simples, mas muio imporanes, que podem ajudar a prevenir muias doenças. Fala de higiene (limpea) A limpea é muio imporane na prevenção de infecções. Tano a higiene pessoal, das casas, dos alimenos e da água, como a limpea da comunidade em que vivemos (saneameno) são muio imporanes. Muias infecções do inesino são ransmiidas duma pessoa para oura, por causa da fala de higiene e de saneameno básico. Muios micróbios e parasias são ransmiidos aravés das fees de pessoas ou animais infecados. Eles podem ser levados das fees duma pessoa, para a boca de oura pessoa, quer aravés dos alimenos, da água, das moscas e ouros animais, quer direcamene aravés das mãos mal lavadas. Basa uma quanidade minúscula e invisível de fees enrar na boca para infecar uma pessoa. Esa forma de ransmissão chama-se ransmissão fecal-oral (das fees para a boca). As vias de ransmissão fecal-oral podem ser resumidas no seguine diagrama: HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 181

2 QUAL É A ORIGEM DA CÓLERA, DAS DIARREIAS E DOS PARASITAS INTESTINAIS? AS FEZES! 1 grama de fees duma pessoa infecada pode coner: Doenças comuns de ransmissão fecal-oral Esas são algumas doenças que são frequenes na comunidade e que esão direcamene relacionadas com a fala de higiene e de saneameno. Iso é, são doenças de ransmissão fecal-oral: Diarreias Cólera Diseneria Febre ifóide Hepaie A Lombrigas e ouros parasias inesinais A ransmissão desas doenças pode ser muio direca: Por exemplo: uma criança que em diarreia e não lava as mãos com sabão depois de defecar, oferece um biscoio ao amigo. Os seus dedos, ainda sujos com fees, esão cheios de micróbios (ão pequenos que não são visíveis). Alguns deses ficam agarrados ao biscoio. Ao comer o biscoio, o amigo engole ambém os micróbios. Em breve o amigo ambém erá diarreia. Ou pode ser mais indireca: Por exemplo: as fees duma pessoa com cólera podem enrar na água e esa fica conaminada. A parir desse momeno qualquer pessoa que beber dessa água corre o risco de apanhar cólera, porque bebeu água conaminada com a bacéria que esava nas fees da oura pessoa. 182 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

3 Muias vees os porcos, cães, cabrios, galinhas e ouros animais faciliam a ransmissão de micróbios e ovos de parasias para as pessoas. Por exemplo: Um homem com diarreia ou com parasias defeca nas raseiras da casa. O cão cheira as fees e suja o nari e as paas. Depois o cão passeia pelo quinal. No quinal, uma criança esá a brincar no chão. Dese modo, pare das fees do homem passam para a criança ambém. A criança corre o risco de conrair diarreia se levar as mãos conaminadas com as fees do homem à boca. Mais arde, a criança começa a chorar e a mãe pega nela ao colo. Depois, a mãe prepara a comida mas esqueceu-se de lavar as mãos depois de pegar na criança. A família ingere a comida. E em seguida a família oda fica com diarreia ou vermes. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 183

4 Se a família ivesse omado qualquer das precauções abaixo indicadas, podia er eviado a ransmissão da doença: Se o homem ivesse defecado numa larina ou casa de banho Se a família não ivesse deixado o cão solo no quinal Se não ivessem deixado a criança brincar onde o cão inha esado Se a mãe ivesse lavado as mãos com sabão após er pegado a criança e anes de preparar a comida Doenças relacionadas com a fala de água Muias doenças são causadas pela fala de água, ou pelo uso de quanidades insuficienes de água para a higiene pessoal dos membros da família (banhos, lavagem de mãos e do roso). As doenças de ransmissão fecal-oral ambém se ransmiem facilmene quando há fala de água para as pessoas lavarem as mãos. Algumas doenças da pele como, por exemplo, a sarna e os piolhos, são mais facilmene ransmiidas a pessoas que não omam banho odos os dias. Os piolhos ambém persisem em famílias que não dispõem de água suficiene para a higiene pessoal e domésica (lavagem de roupa) da família. Algumas doenças dos olhos como, por exemplo, o racoma e a conjunivie são mais facilmene ransmiidas quando as pessoas não lavam a cara com frequência. É preciso que haja água e sabão, em quanidade suficiene, não só para garanir a higiene pessoal, mas ambém para a lavagem das oalhas, lençóis e manas. A prevenção de muias doenças depende mais da quanidade de água uiliada para a higiene do que da sua qualidade. Doenças causadas por agenes baseados na água São aquelas cujo vecor, que ransmie a doença, vive na água. Um exemplo é a bilhariose, que é causada por um parasia (o schisosoma) que para complear o seu ciclo de vida na naurea depende dum ipo de caracol que vive na água. Para eviar ese ipo de doenças deve-se eviar o conaco com águas paradas e pouco profundas. 184 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

5 Conceios básicos de higiene Higiene pessoal 1. Lavar sempre as mãos com água correne e sabão (ou cinas): anes de comer, de preparar alimenos e de dar comida às crianças; bem como depois de uiliar a larina, de defecar ou de limpar o rabo duma criança. Não basa passar os dedos por água é necessário esfregar as duas mãos com sabão ou com cina. A fala de sabão não deve ser obsáculo para não lavar as mãos, porque muias vees há soluções locais ou radicionais que são boas alernaivas. É sempre melhor lavar as mãos em água correne. Se não exisirem orneiras, exisem invenções muio simples, como por exemplo: Faer um pequeno furo pero da base duma garrafa plásica de dois liros. Pendurar a garrafa, enchê-la com água e fechar bem a ampa. Sempre que se quiser lavar as mãos, abrir um pouco a ampa da garrafa para que enre ar e um jaco de água escorrerá aravés do pequeno furo, como se fosse uma orneira de pouca pressão. 2. Tomar banho e dar banho às crianças odos os dias, se possível. 3. Para prevenir o racoma (ver pág. 536), é imporane que as crianças enham sempre as caras lavadas para eviar que a doença se ransmia duma criança para oura. 4. Escovar bem os denes, odos os dias, e, sempre, depois de comer doces. 5. Core as unhas frequenemene. Os micróbios e ovos dos vermes escondem-se, muias vees, debaixo das unhas compridas. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 185

6 6. Mudar e lavar frequenemene a roupa pessoal, as oalhas e os lençóis. Sempre que possível, a roupa deve ser lavada em casa com água limpa. 7. Não omar banho nos charcos, nas valas de drenagem ou nas águas provenienes dos esgoos. 8. Eviar que as crianças brinquem ou omem banho em pequenas lagoas e rios. Podem apanhar bilhariose, doença causada por um parasia (ver pág. 322). Há pessoas que não podem eviar ese conaco, por exemplo: pescadores de água doce, culivadores de arro, pessoas que rabalham nas planações de cana ou que enham que corar caniço em onas pananosas. Esas pessoas devem ser aconselhadas a usar boas de borracha para se proegerem. 9. Se for possível, nunca se deve andar descalço, nem deixar que as crianças andem descalças. O ancilosoma é um parasia que penera no corpo pela plana dos pés (ver pág. 317). A infecção pelo ancilosoma causa uma anemia que pode ser muio grave. 10. Despiolhar, frequenemene, oda a família. Os piolhos e as pulgas são poradores de doenças. Não se deve deixar enrar em casa cães e ouros animais que possam er pulgas. 11. Não cuspir para o chão. A saliva pode ransmiir doenças. Ao ossir ou espirrar, deve-se cobrir a boca com a mão, ou com um pano ou lenço. Se for possível, lavar as mãos com sabão logo a seguir. Higiene do lar O local adequado e a esruura apropriada para uma casa A casa é o local mais imporane para a vida familiar. Uma casa bem localiada e em boas condições de higiene pode proeger a saúde da família. Em ermos de saúde, a localiação da casa é muio imporane. A casa deve esar localiada: Próxima duma fone de abasecimeno de água limpa Afasada das onas baixas ou pananosas 186 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

7 É muio imporane aconselhar as pessoas que querem consruir uma casa, que esa deverá er: Coberura adequada, para eviar a enrada da água da chuva Poras e janelas, para permiir a venilação da casa Redes nas poras e janelas para eviar a enrada de animais e insecos Possibilidade de drenagem da água das chuvas. A casa deve esar localiada numa ona ala para eviar que a água das chuvas fique acumulada e haja humidade denro Chão e paredes bem maicados para eviar poeiras, permiir uma boa limpea e eviar a enrada de insecos Um local para coinhar e para guardar os alimenos Um local para os membros da família omarem banho Drenagem adequada para recolher as águas dos banhos e da lavagem da roupa numa fossa. Esa fossa deverá er no fundo pedras grandes e em cima pequenas Locais apropriados para deposiar o lixo Locais apropriados para consruir uma larina. É uma boa ideia que os líderes comuniários garanam que anes de a família ser auoriada a consruir o seu novo lar, seja consruída a larina A casa deve ser suficienemene espaçosa para alojar odos os membros da família. Há doenças que se ransmiem facilmene, duma pessoa para oura, quando numa casa pequena vivem e dormem muias pessoas. Como maner uma boa higiene da casa? 1. Limpar, frequenemene, o inerior da casa. Varrer e lavar o chão, as paredes e por baixo dos móveis. 2. Maner o quinal e o páio da casa sempre limpo: varrer e lavar odos os dias. 3. Usar sempre a larina. Não praicar fecalismo a céu abero (iso é, eviar faer necessidades maiores ao ar livre). Ver na pág. 205 como raar as fees das crianças. 4. Não deixar que os animais (paos, cabrios, porcos ou ouros) enrem denro da casa, ou andem à sola nos locais onde brincam as crianças. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 187

8 5. Não deixar que os cães lambam as crianças. Os cães ambém podem ransmiir doenças. 6. Os lençóis e os coberores devem ser lavados e esendidos ao sol com frequência. Se em casa houver percevejos, ou pessoas com sarna, oda a roupa pessoal, de cama e as oalhas de banho, êm de ser lavadas e secas ao sol. Depois, e sempre que possível, devem ser passadas a ferro. 7. Remover diariamene o lixo proveniene da coinha, da casa e do quinal e deposiá-lo numa cova preparada para esse efeio aerro saniário. De cada ve que se deposia lixo, deve ser colocado um pouco de erra por cima. 8. Tapar buracos e aberuras do chão ou das paredes, onde as baraas, carraças, percevejos e escorpiões se possam esconder. 9. Desruir e/ou aerrar poças de água e charcos, que são lugares onde os mosquios se muliplicam. Higiene dos alimenos A higiene dos alimenos que a família consome consiui um facor muio imporane para a prevenção das doenças, principalmene as diarreias e algumas parasioses. Iso é muio imporane nas crianças que apanham diarreia com maior facilidade e frequência. As diarreias nas crianças, principalmene se repeidas, podem levar à desidraação e more da criança, ou faer com que esa vá perdendo peso, afecando o seu esado nuricional e, consequenemene, o seu crescimeno e desenvolvimeno. Por isso, é necessário garanir que: os alimenos que a família consome são frescos e seguros; quem cuida da alimenação da família cumpre odos os cuidados de higiene necessários à preparação e conservação dos mesmos. 188 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

9 Preparação dos alimenos 1. Lavar sempre as mãos com sabão anes de começar a preparação duma refeição. Também é preciso er o cuidado de volar a lavar as mãos, de cada ve que se inerrompe a preparação da comida especialmene quando se inerrompe para limpar ou mudar as fraldas dum bebé, ou limpar uma criança depois de defecar, ou ainda se a pessoa que prepara os alimenos inerrompe para ir defecar. 2. Lavar bem as verduras e os legumes, com água limpa, anes de os preparar, principalmene se eses não vão ser coidos (por exemplo: saladas). 3. Lavar muia bem a frua, anes de a comer. Se iso não for possível, a frua deve ser descascada, anes de ser comida. 4. Os alimenos crus, especialmene a carne, o frango e o peixe, podem ser conaminados com micróbios perigosos. Por isso, deve-se eviar o conaco enre alimenos crus, especialmene a carne e o peixe, e alimenos já coinhados. Depois de preparar os alimenos crus, é muio imporane lavar bem as mãos anes de ocar nouros alimenos. Os alimenos que vão ser coidos, não devem ser lavados junamene com alimenos que vão ser consumidos crus ou semicoidos, ais como saladas e fruas. 5. Maner limpas odas as superfícies onde se preparam os alimenos e usar uensílios limpos para preparar e servir os alimenos. Lavar ambém a faca com que se prepara os alimenos! 6. Uiliar sempre copos, praos e igelas limpos. Coinhar os alimenos 1. Deve-se coer bem odos os alimenos, em paricular as carnes, peixes, mariscos e vegeais. 2. Não se deve comer ovos crus. Os ovos devem ser coidos aé a clara (a pare branca) ficar coida e a gema (a pare amarela) ficar firme. Conservação dos alimenos coidos 1. A comida deve ser preparada na alura da refeição. Deve-se sempre garanir que odos os alimenos são consumidos logo após serem coidos. 2. Todo o alimeno que enha sido guardado à emperaura ambiene por 4 horas ou mais após ser coido deve ser muio bem reaquecido anes de ser consumido. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 189

10 Proecção dos alimenos e limpea dos uensílios 1. Não deixar que as moscas, ou ouros insecos pousem ou andem sobre os alimenos. Eses insecos são poradores de micróbios e ransmiem doenças. Não deixar resos de comida espalhados nem praos sujos, porque isso arai as moscas e fa muliplicar os micróbios. Os alimenos devem ser proegidos, manendo-os apados ou guardados em recipienes com ampas. 2. Proeger os alimenos e as áreas da coinha conra animais domésicos e ouros animais. 3. Não deixar no chão os praos, as panelas e ouros uensílios de coinha. Quando numa casa o local para preparar os alimenos é o quinal, deve ser aí consruída uma copa simples apenas feia de esacas e uma chapa. No mínimo, deve ser consruída uma banca ou usar uma bacia grande para colocar os uensílios da coinha e os praos depois de lavados, para eviar que se sujem com erra que pode esar conaminada. Com a copa, ou uma boa plaaforma, os praos, panelas e os ouros uensílios ambém ficam fora do alcance dos animais. Se for possível, guardar os praos e odos os uensílios de coinha num lugar cobero (exemplo: um armário). 4. Eviar uiliar biberões para dar o leie aos bebés. Denro de biberões não fervidos e mal lavados podem crescer bacérias que causam diarreia e podem levar à more das crianças. 5. Não deixar as crianças apanharem coisas do chão, nem deixar que comam algo que enha caído no chão sem anes er sido lavado. 6. Guardar/armaenar os alimenos que não se esragam num lugar seguro (separados dos pesicidas, agenes desinfecanes ou ouros químicos óxicos). Consumir alimenos frescos e seguros 1. Quando não se em a cerea da origem dos produos, nem como foram preparados, é mais seguro não os comer. 2. Não consumir comida preparada há muio empo (aniga) ou que cheira mal. Deiar fora oda a comida com bolor, ou que se desconfia que esá esragada. Pode provocar inoxicações. 3. Sempre que possível, dar só alimenos que foram preparados de fresco, principalmene às crianças, aos idosos e às pessoas doenes. 190 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

11 4. Não consumir comida enlaada, quando a laa se apresena: com a ampa abaulada (parece que esá inchada); amolgada; a derramar o coneúdo; a esguichar líquido quando é abera. CUIDADO com os vendedores desonesos que aliciam as pessoas, com desconos, para venderem alimenos enlaados fora de prao!! 5. Hoje em dia, a maioria dos alimenos enlaados ou vendidos em embalagens indusriais, apresenam o prao de validade escrio nos róulos, como: Vender aé... ; Consumir de preferência aé... ; ou Consumir aé... ; ou Consumir anes de.... É necessário procurar e ler esa informação nos róulos. Não é seguro consumir alimenos depois da daa indicada. 6. Nunca se deve comprar ovos paridos. As rachas permiem a enrada de micróbios. 7. Usar somene leie paseuriado ou fervido. A paseuriação é um processo aravés do qual o leie é aquecido a emperauras muio alas, o que desrói os micróbios. Pode não ser seguro beber leie de produção caseira. Ese leie deve ser fervido anes de ser bebido. Higiene da água A água é um líquido precioso e sem ela não há vida nem saúde. Para as acividades diárias da vida duma comunidade, e para que esa viva com saúde, é necessário que haja água disponível para: Beber Coinhar Tomar banho Lavar as mãos Lavar a louça Lavar a roupa Regar as machambas Dar de beber aos animais HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 191

12 No enano, é preciso er cuidado porque aravés de consumo de água conaminada, pode-se apanhar doenças perigosas, ais como a cólera e ouras doenças diarreicas. Muias vees, embora parecendo límpida, a água pode coner micróbios que provocam doenças. A água considerada LIMPA para beber (poável) pode ser obida nas seguines fones seguras: Torneiras e fonanários Poços proegidos (com ampa), e revesidos de blocos Furos proegidos Nascenes proegidas Cisernas proegidas Nem sempre é possível uiliar a água proveniene de fones seguras de abasecimeno. Muias vees, a água a que uma comunidade em acesso provém de: Pequenos lagos Rios Poços ou furos não proegidos Reservaórios para recolha de água das chuvas A água que se ira desas fones pode não ser limpa e provocar doenças. Exisem vários méodos descrios adiane para purificá-la e orná-la limpa (poável). É muio imporane idenificar as fones de água a que uma comunidade em acesso. É necessário saber de onde e como as pessoas iram a água, anes de as aconselhar sobre o que pode e deve ser feio, para garanir o consumo de água poável. Se as pessoas da comunidade iram a água de lagos, aconselhar a: Traar a água para beber Eviar omar banho nos lagos Procurar, com a ajuda das esruuras locais, uma fone alernaiva, o mais segura possível, de onde se possa irar água poável. A água dos lagos não é boa para beber, mas pode ser uiliada para regar as machambas e para dar de beber aos animais. 192 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

13 Se a comunidade ira água do rio e não é possível arranjar ouro local, aconselhar a faer o seguine: Escolher um local adequado para irar a água do rio. Como mosra a figura, ese deve esar localiado acima do local onde se lava a roupa, se oma banho e se dá de beber aos animais. Traar a água para beber (ver em baixo). É imporane informar a comunidade que a presença dum rio ou dum lago demonsra que naquela ona a água esá pero da superfície, porano a comunidade pode facilmene se organiar para cavar um poço e de cerea enconrará água a poucos meros de profundidade. O que faer quando a população ira a água das nascenes? A água da nascene pode ser limpa e boa para beber (poável), se a nascene esiver devidamene proegida. Se a nascene não esá proegida e se não exise ouro síio para irar a água, as pessoas devem ser aconselhadas a: Colocar uma vedação à vola de oda a nascene. Faer uma vala à vola da nascene para drenar a água da chuva. Consruir um dreno para a água em excesso, proegido conra a erosão. Maner os animais afasados da nascene incluindo, se possível, as aves, e udo o que possa provocar sujidade. Se a comunidade ira água de poços não proegidos: Se o poço não esá bem proegido, é imporane discuir com a população o que pode ser feio para o proeger. Considera-se que um poço é bem proegido quando: Esá colocado a pelo menos 20 meros duma larina Tem pelo menos 3 meros de profundidade Tem à vola uma proecção com uma parede de pelo menos meio mero de alura Tem uma ampa Tem uma bomba ou um balde para irar a água Exise uma vala à vola para drenar a água das chuvas e a própria água que as pessoas deixam verer quando usam o poço. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 193

14 Se a população uilia a água das chuvas, aconselhar a: Esvaiar e limpar o reservaório onde é recolhida a água no início de cada época chuvosa Uiliar objecos limpos e/ou aplicar uma orneira para irar a água do reservaório Tapar o reservaório durane o período em que não chove Traar a água para beber, sempre que possível. É imporane maner bem limpos os poços e as fones de água públicas. Não deixar que os animais se aproximem dos lugares onde as pessoas vão buscar água para beber. Se for necessário, colocar uma cerca em vola, para maner os animais longe da fone. Ninguém deve defecar (faer cocó), nem airar lixo pero da fone de água. Também não se deve deixar que as pessoas omem banho, ou lavem a roupa e/ou a loiça pero da fone de água. A água duma fone pode ficar conaminada se não for recolhida num recipiene adequado. ATENÇÃO Para maner a água poável desde a fone aé que seja consumida em casa, aconselha-se o seguine: Uiliar, sempre que possível, recipienes para ransporar a água, que enham uma boca (ou aberura) pequena Maner os recipienes bem limpos Lavar os recipienes, pelo menos uma ve por semana, de preferência com sabão Tapar os recipienes durane o ranspore da água para casa Armaenar a água, denro de casa, em recipienes limpos e apados Sempre que possível, a água que se uilia em casa deve ser enornada a parir dos recipienes onde esá armaenada Se não é possível eviar mergulhar um objeco na água, uiliar um uensílio com pega (ex.: jarro ou púcaro), para eviar que os dedos oquem na água do recipiene 194 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

15 Como raar a água O ideal seria que oda a água fosse proveniene duma fone segura de água, com garania de que a água para beber é limpa (poável). Mas, quando isso não é possível, oda a água deverá ser raada em casa. Esa medida é muio imporane para as crianças, as pessoas com o HIV, e quando há muios casos de diarreia e/ou epidemias de cólera ou diseneria. Muias vees é possível ransformar água que não é própria para beber em água poável, mas nalguns casos não. No enano, mesmo a água imprópria para consumo humano pode ser úil para saisfaer ouras necessidades de higiene domésica, para as machambas, ou para os animais. Algumas sugesões para o raameno da água Os méodos de raameno de água que podem ser uiliados em casa ou na comunidade são: Decanação É possível reduir os micróbios que provocam doenças deixando a água no recipiene durane 3 dias, em repouso. Quando se deixa a água durane 3 dias a sujidade fica acumulada no fundo do recipiene. Depois, quando se começa a uiliar a água iso deve ser feio com cuidado para esa não urvar, ou seja, para não levanar a sujidade que se acumulou no fundo. A água deve ser reirada com um púcaro com asa. Ese méodo não é suficiene para eliminar odos os micróbios nocivos (que provocam doenças) da água. Sujidade não acumulada no fundo (espalhada) Sujidade acumulada no fundo (decanação) HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 195

16 Filração É ouro méodo seguro para raar a água. Exisem filros já preparados para filrar a água, mas uma alernaiva é o uso de panos limpos. A filração da água aravés de panos não oferece muia segurança, mas é um méodo que pode ser uiliado em siuações de emergência, ou durane uma epidemia de cólera. Os filros de cerâmica oferecem muio mais segurança do que qualquer ouro méodo de filração Depois da filração, é sempre aconselhável ferver ou raar a água com cloro. Também é possível consruir filros simples de areia. Pode-se pedir ajuda a uma pessoa com experiência nesa área, principalmene a pessoas ligadas à aberura de poços. Fervura Um bom méodo de raameno da água consise em colocar a água ao lume e deixar ferver durane algum empo. No enano, uma ve que ese méodo exige disponibilidade de fogo e de empo (para ferver e depois arrefecer), nem sempre exisem condições para que possa ser uiliado. COMO FAZER? 1. Colocar a água numa panela ao lume; 2. Quando começar a ferver, deixar que coninue a ferver durane mais um minuo e depois irar do fogo 3. Deixar arrefecer a água anes de consumir, manendo-a em recipiene apado. 196 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

17 Cloragem Quando surge uma epidemia de cólera numa comunidade, é necessário dar mais aenção ao raameno da água para beber. O ideal seria que odas as famílias ivessem possibilidade de ferver a água, uma ve que a bacéria que causa a cólera (vibrião) é facilmene desruída pela fervura. Mas, quando não há condições para ferver a água, pode-se uiliar o cloro para raá-la. O vibrião e ouros micróbios morrem em conaco com o cloro. O cloro pode ser obido aravés da uiliação de lixívia (javel) que geralmene se enconra à venda no mercado. No enano, a concenração de cloro varia de acordo com o ipo de lixívia. Por isso, nem sempre é fácil saber qual a quanidade de lixívia a acrescenar à água que se uilia em casa. As insruções sobre a quanidade de lixívia a uiliar enconram-se na pág Exisem produos com uma concenração mais fixa e que já apresenam, no róulo, as insruções sobre as quanidades que devem ser uiliadas para a desinfecção da água. São eses produos comerciais, específicos para a purificação da água, que devem ser procurados e aconselhados a uiliar. NOTA: Numa siuação de cólera, a cloragem dos poços é uma medida que pode ajudar. Mas é necessária uma boa monioriação em relação à medição dos níveis de cloro e é necessário que esa medida seja complemenada com o raameno da água em casa. Traameno solar Ese é um méodo simples, mas exige paciência. Só se deve usar ese méodo quando não houver nenhuma hipóese de ferver a água. 1. Arranjar uma garrafa ransparene de vidro ou de plásico. 2. Começar por lavar muio bem a garrafa e a ampa. 3. Logo de manhã pôr água limpa aé a meade da garrafa. 4. Agiar bem a garrafa, umas 30 vees. A água em que ser bem agiada aé ficar cheia de oxigénio. Quando esá com oxigénio aparecem bolhas de ar denro da água. Iso ajuda os raios de sol a maar os micróbios que esão denro da água. 5. Depois disso encher o reso da garrafa com mais água limpa. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 197

18 6. Colocar a garrafa deiada (na posição horional) a apanhar sol. Se possível, colocar no elhado de chapa de inco ou por cima duma superfície prea. NÃO DEIXAR A GARRAFA À SOMBRA durane ese processo. 7. Deixar a garrafa ao sol aé ao fim da arde (17 horas). 8. Ao fim do dia esa água já esá boa para ser bebida. Se for um dia de pouco sol, é preciso deixar a garrafa ao sol durane dois dias. Deve-se maner a água armaenada na mesma garrafa que se usou para o raameno ao sol. Se iso não for possível, a água deve ser armaenada num recipiene bem lavado para eviar conaminação. Para beber, use sempre água de fones seguras. MAS... Para a prevenção de doenças de ransmissão fecal-oral, é muio imporane usar água em quanidades suficienes, ainda que esa não seja oalmene purificada, para garanir a lavagem das mãos e a higiene pessoal e da família. Ambiene saudável Garanir e maner a higiene pessoal, da casa, dos alimenos e da água são medidas fundamenais para a prevenção de doenças no seio da família. Mas, para que haja boa saúde numa comunidade, é necessário garanir que esa viva num ambiene saudável. As fees humanas, o lixo domésico e a água esagnada faciliam o crescimeno de insecos e ouros ransmissores de doenças. Para garanir um ambiene saudável é necessário organiar medidas de saneameno básico no seio da comunidade. Por ouro lado, é necessário garanir que o ambiene não fique poluído por produos químicos ou pesicidas óxicos. Deposição e raameno dos dejecos humanos A práica de fecalismo a céu abero (faer cocó no chão e ao ar livre) é muio prejudicial para o ambiene e as pessoas. Ela facilia a criação de moscas e de ouros insecos que ransporam micróbios das fees para as pessoas e/ou para a comida e a água que as pessoas consomem. As necessidades de saneameno urbano e rural são muio diferenes enre si. Numa comunidade rural ou suburbana, o melhor méodo de deposição de fees é o uso de larinas. 198 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

19 Uso de larinas Cada casa deve er uma larina. É necessário que cada família garana a consrução da sua própria larina e que odos os membros da família, incluindo as crianças, a uiliem realmene. O poso de saúde, a escola e ouros locais públicos, devem er larinas que deverão ser manidas limpas, bem como água para lavar as mãos depois de as usar. Onde consruir larinas? As larinas devem ser consruídas a, pelo menos, 20 meros das fones de água e sempre num pono mais baixo em relação ao poço, para eviar que o coneúdo da larina possa conaminar a água. Se exisirem poços ou ouras fones de água muio pero da larina, os líquidos que se enconram na cova da larina podem-se misurar com a água dos poços e esa fica conaminada com fees. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 199

20 Tipos de larinas Exisem muios ipos de larinas. A decisão do ipo de larina a consruir depende de vários facores: o maerial local disponível, o ipo de erreno; e os recursos financeiros da família e da comunidade. Algumas ideias para consruir larinas: Larina radicional de fossa simples abera Um buraco fundo, proegido por uma casinha, funciona muio bem. Quano mais profundo for o buraco, menos problemas haverá com as moscas e com o mau cheiro. Aqui esá o desenho duma larina simples e fácil de consruir: 1. Faer um buraco com 1,8 m de profundidade e 1,1 m de diâmero. 2. Depois, cobre-se o buraco com paus fores, deixando um espaço na pare cenral para se faerem as necessidades. 3. O buraco deverá ficar sempre cobero com uma ampa. Ese ipo de larina funciona, a curo prao. A longo prao, não é a melhor solução para os problemas de saneameno comuniário. Quando se cava a erra para abrir o buraco, é preciso er o cuidado de verificar se o erreno é firme e seguro. Se não for seguro e para eviar a queda das paredes, esas êm que ser proegidas com pau-a-pique. 200 HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

21 Um inconveniene desas larinas é que quando a cova fica cheia, em de ser apada e é preciso procurar ouro lugar para abrir uma nova cova. Em lugares onde há muia concenração de pessoas isso pode ser um problema. NUNCA se deve abrir uma larina muio pero da aniga porque o seu coneúdo pode invadir a nova e provocar a queda desa. A nova cova deve esar a, pelo menos, 2,7 m da aniga (se esa iver as medidas aconselhadas por ese livro). Em lugares onde chove muio, a cova pode-se encher de água e faer ransbordar as fees. Em locais onde o nível da agua é muio alo (iso é, onde basa cavar alguns meros para enconrar água), as fees da larina podem conaminar as fones de água da comunidade. Nesas onas é muio imporane revesir a cova com blocos ou um ambor para eviar que ela caia. Para além disso, pode-se usar a areia reirada da cova para se consruir uma base à vola da cova, onde se põe a laje, para que o piso (chão em vola da cova) da larina eseja acima do nível da água quando chove. Uma larina de fossa simples abera pode er os seguines problemas: É difícil maner o piso limpo, o que pode favorecer a ransmissão de doenças (por exemplo, ancilosomíase); As moscas muliplicam-se no buraco e ransporam os micróbios para o ambiene; Cheira mal; As crianças podem cair na cova; O piso pode cair faendo a larina desabar; Quando a cova fica cheia, é necessário procurar ouro local para a nova larina. A larina de fossa abera é fácil de consruir e muio baraa, porque só implica o cuso da mão-de-obra, mas, como a cova é abera por cima, deixa enrar moscas. Em seguida se apresena duas sugesões para a consrução de dois ipos de larinas melhoradas. Esas foram concebidas de modo a não serem criadouros de moscas, nem fones de maus cheiros. HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL 201

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque:

Doenças da boca. O cuidado dos dentes e das gengivas é importante porque: CAPÍTULO 27 Doenças da boca Cuidar dos denes e gengivas O cuidado dos denes e das gengivas é imporane porque: z z z Denes fores e saudáveis são necessários para masigar e digerir bem os alimenos. Denes

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Estilos de vida saudáveis

Estilos de vida saudáveis Esilos de vida saudáveis CAPÍTULO 12 Muios problemas de saúde da meia-idade e da velhice resulam da forma como a pessoa viveu ao longo dos anos. Maus hábios alimenares, a ingesão de álcool em excesso e

Leia mais

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea).

Doenças dos olhos. 2. Mancha acinzentada na córnea, com olho avermelhado ao redor da córnea e com dor (úlcera de córnea). Doenças dos olhos CAPÍTULO 26 glândula lacrimal pupila íris canal lacrimal leva as lágrimas do olho para o nariz A conjuniva é um ecido fino que cobre a pare branca do olho A córnea é a camada ransparene

Leia mais

Infecções respiratórias agudas e meningite

Infecções respiratórias agudas e meningite CAPÍTULO 19 Infecções respiraórias agudas e meningie Toda a infecção aguda (início súbio ou há poucos dias) que envolve o aparelho respiraório é designada infecção respiraória aguda (IRA). Uma IRA pode

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente

Doenças diarreicas. A diarreia é mais frequente e perigosa em crianças menores de 5 anos, principalmente CAPÍTULO 18 Doenças diarreicas As doenças diarreicas consiuem um grae problema de saúde nos países em desenolimeno, onde as condições económicas e de ida das populações são muio precárias. Nesas comunidades

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS 280 UIDDE DE ROMETO DE EFER UIDDE DE ROMETO TIPO E DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCP2 Diâmero do eixo 12-90... 286 1/2-3 1/2 polegada UIDDE DE ROMETO TIPO FGE DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCF2 UCF2

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Doenças infecciosas da criança

Doenças infecciosas da criança Doenças infecciosas da criança CAPÍTULO 30 Sarampo Esa infecção causada por írus é muio perigosa em crianças malnuridas ou que êm uberculose ou HIV e SIDA. Transmie-se de uma criança para oura por meio

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias, depois do banho, até que o cordão do umbigo seque e caia. Isso leva

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

Introdução. Esses acidentes são os mais variados possíveis. Ingestão de água sanitária ou outros

Introdução. Esses acidentes são os mais variados possíveis. Ingestão de água sanitária ou outros Introdução Quase todos os dias vemos nos noticiários ou ouvimos dos colegas relatos de acidentes ocorridos em residências, principalmente com crianças. Estatísticas de acidentes indicam que acidentes fatais

Leia mais

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 EFG 213-320 09.09 - Manual de uilização 51151934 03.13 P EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 Declaração de conformidade Jungheinrich AG,

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

O Movimento GAIA Novidades Setembro 2003. Conteudo: Como Controlar Malária Novo no site GAIA Sobre o Prémio GAIA

O Movimento GAIA Novidades Setembro 2003. Conteudo: Como Controlar Malária Novo no site GAIA Sobre o Prémio GAIA O Movimento GAIA Novidades Setembro 2003 Conteudo: Como Controlar Malária Novo no site GAIA Sobre o Prémio GAIA COMO CONTROLAR MALÁRIA Você recebem malária através de picadas de alguns mosquitos especiais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Esta informação reflete o que era conhecido em abril de 2016. Veja o website da Hesperian em http://en.hesperian.org/hhg/zika para atualização.

Esta informação reflete o que era conhecido em abril de 2016. Veja o website da Hesperian em http://en.hesperian.org/hhg/zika para atualização. Esta informação reflete o que era conhecido em abril de 2016. Veja o website da Hesperian em http://en.hesperian.org/hhg/zika para atualização. O Vírus Zika O vírus Zika é transmitido por mosquitos de

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

NOSSA SAÚDE. Ministério da Educação e Cultura. Com o apoio do povo do Japão

NOSSA SAÚDE. Ministério da Educação e Cultura. Com o apoio do povo do Japão A HIGIENE E A NOSSA SAÚDE Ministério da Educação e Cultura Com o apoio do povo do Japão O QUE SÃO CUIDADOS DE HIGIENE? É tudo o que fazemos para cuidar da limpeza do nosso corpo, como tomar banho, lavar

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA AUO-AVALIAÇÃO INSIUCIONAL DO CEFE-BA PERIODO: 2007/2008 Instrumento A1- AVALIAÇÃO GLOBAL (Discentes) RELAÓRIO ANALÍICO I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti Prevenção e controlo do mosquito Aedes aegypti Aedes aegypti É um mosquito fácil de reconhecer por ser riscado de branco e preto. 2 Distribuição geográfica O mosquito terá tido origem no continente africano.

Leia mais

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL DEFESA CIVIL Dicas de Segurança Governo do Estado do Rio Grande do Sul Gabinete de Governo - Casa Militar Prefeitura Municipal de Balneário Pinhal Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Coordenadoria Municipal

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO AT VIRTUA GEOMETRIA EPACIAL PRIMA 01) A caixa de água de um cero prédio possui o formao de um prisma reo de ase quadrada com 1,6 m de aura e aresa da ase medindo,5 m. Quanos iros de água há nessa caixa

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Infecção respiratória aguda

Infecção respiratória aguda O bebê de 2 e 3 meses Infecção respiratória aguda Toda idéia é boa ou má, dependendo de como se desenvolve. As infecções respiratórias são doenças responsáveis por grande número de internações e mortes

Leia mais

BIOLOGIA. Estrutura Procarionte Eucarionte. 1 Núcleo ( ) (+) 2 Ribossomos (+) (+) 3 Material genético (+) (+) 4 Mitocôndrias (+) (+)

BIOLOGIA. Estrutura Procarionte Eucarionte. 1 Núcleo ( ) (+) 2 Ribossomos (+) (+) 3 Material genético (+) (+) 4 Mitocôndrias (+) (+) BIOLOGIA 01 No programa de elevisão Fanásico de agoso de 2002, foram apresenados dois novos ecossisemas exisenes nas profundezas marinhas. O mais ineressane nesses ecossisemas é sua independência de energia

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Discreta - modelos e técnicas

Discreta - modelos e técnicas Localização Discrea - modelos e écnicas Maria Eugénia Capivo Universidade de Lisboa - Faculdade de Ciências Cenro de Invesigação Operacional Deparameno de Esaísica e Invesigação Operacional Porugal E-Mail:

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Etapa 1: A Diarreia: Identificar e reconhecer a doença

Etapa 1: A Diarreia: Identificar e reconhecer a doença GUIA DO/DA FACILITADOR(A) DE SAUDE Luta contra doenças diarreicas e a Malária Inter Aide Projecto Agua e Saneamento Luta contra Malaria CP 6 Nacala a Velha 82 78 29 956 MENSAGENS CHAVES Etapa 1: A Diarreia:

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

Porque é importante aprender os primeiros socorros?

Porque é importante aprender os primeiros socorros? CAPÍTULO 15 Primeiros socorros O que são primeiros socorros? Os primeiros socorros são um conjuno de medidas que deem ser omadas rapidamene, em caso de acidenes ou de ouras emergências. São, porano, a

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p

Leia mais

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS FACTORES QUE INFLUEM NA SELECÇÃO DO MOTOR ELÉCTRICO CARGA ACCIONADA E CARACTERÍSTICAS DE SERVIÇO Diagramas de carga: oência e/ ou binário requeridos e sua variação. Classe

Leia mais

Reciclagem de Lixo. 38 Introdução a Reciclagem. Saneamento ecológico. Reciclagem 38 - Introdução a Reciclagem

Reciclagem de Lixo. 38 Introdução a Reciclagem. Saneamento ecológico. Reciclagem 38 - Introdução a Reciclagem Reciclagem 38 - Introdução a Reciclagem 99 5 Reciclagem de Lixo 38 Introdução a Reciclagem Neste capítulo vamos tratar dois tipos de reciclagem: a reciclagem de nutrientes através de saneamento ecológico,

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS Manual de nsruções Máquina de Eleroerosão EX 60 MS FUNÇÕES DOS COMANDOS Liga / Desliga Acia os caores do ransformador e da bomba do aciameno. Não inerrompe a alimenação para as réguas digiais e para a

Leia mais

Kcel Motores e Fios Ltda.

Kcel Motores e Fios Ltda. Í N D I C E 1. Fundamenos gerais... 5 1.1 Moores de correne conínua... 5 1.2 Moores de correne alernada... 5 Família de moores eléricos... 5 1.2.1 Moores de indução... 6 1.2.1.1 Moores de indução monofásicos...

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

Outras doenças graves

Outras doenças graves Ouras doenças graes CAPÍTULO 23 As doenças descrias nese capíulo são difíceis de raar sem ajuda do clínico. Algumas precisam de medicamenos especiais, que não se enconram disponíeis nas onas rurais. Os

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Biologia. Atividade Curricular em Comunidade Pró-Reitoria de Extensão

Universidade Federal da Bahia Instituto de Biologia. Atividade Curricular em Comunidade Pró-Reitoria de Extensão Universidade Federal da Bahia Instituto de Biologia Atividade Curricular em Comunidade Pró-Reitoria de Extensão ACC BIO 454 Dinâmica de Conscientização da Problemática do Lixo Beneficiamento de Solos Agrícolas

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO)

CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO) CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO) 1 - INTRODUÇÃO Urbano Rodriguez Alonso Engenheiro Consulor As fundações, como qualquer oura

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais