4 Primeiros Socorros 4_Primeiros_socorros.indd 77 3/25/09 8:58:22 AM

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 Primeiros Socorros 4_Primeiros_socorros.indd 77 3/25/09 8:58:22 AM"

Transcrição

1 4 Primeiros Socorros 4_Primeiros_socorros.indd 77 3/25/09 8:58:22 AM

2 Capítulo 4 Primeiros Socorros 4.0 Sinais vitais São reflexos ou indícios de mudanças no estado do indivíduo. É um conjunto de sinais que indicam o funcionamento básico do homem e compreende: Temperatura (T), Pulso (P), Respiração (R), Pressão Arterial (PA) Temperatura É o equilíbrio mantido entre a produção e a perda de calor pelo organismo no ambiente. A temperatura normal do organismo é considerada entre 36º C e 37,5º C. A temperatura axilar é mais usada, a axila deve estar seca, pois o suor impede a verificação correta. Fatores que afetam a temperatura: doença, atividade física, exercício físico, idade, emoção e ansiedade, alimentação, meio ambiente. Como tratar pacientes com temperatura elevada acima de 37,5º C: arejar o ambiente, retirar cobertores, aplicar compressas mornas nas regiões por onde passam os grandes vasos, verificar a temperatura após os dez minutos. Dar banho morno. Como tratar pacientes com temperatura abaixo de 36º C: aquecer a pessoa e o ambiente oferecer líquidos quentes, fazer massagens nos braços e pernas. 4.2 Pulso ou Freqüência Cardíaca É a pulsação do batimento de uma artéria sobre a saliência óssea. A freqüência normal varia de bpm e de acordo com: Idade; Sexo - na mulher é mais rápido, mais ou menos 5 a 8 bpm; Estatura - pessoas altas, magras tem velocidade mais lenta que indivíduos de menor estatura; SNC - quando estimulado, aumenta os batimentos cardíacos (medo, angústia, stress). Freqüência de Pulso de acordo com a idade 0-2 anos a140 bpm anos...90 a120 bpm anos...70 a 90 bpm anos a 100 bpm. bpm = batimento por minuto 4_Primeiros_socorros.indd 78 3/25/09 8:58:22 AM

3 Primeiros Socorros Capítulo 4 Locais para verificação de pulso: Pulso Radial - na face ventral do punho e do mesmo lado oposto do dedo polegar. Temporal - na fronte, entre a sobrancelha e a linha do couro cabeludo. Femural - na região inguinal. Apical - na base do coração (necessita estetoscópio). Carotídeo - no pescoço. Braquial - face interna do braço. 4.3 Respiração O ato de respirar tem a finalidade de fornecer oxigênio ao organismo e eliminar dióxido de carbono. Freqüência Respiratória: RN: 44 rpm; Lactentes: rpm; Crianças: rpm; Adultos: rpm; Velhos: rpm. rpm = respirações por minuto Pressão ou tensão arterial É a pressão exercida pelo sangue nas paredes dos vasos sangüíneos. A pressão arterial é medida em milímetros de mercúrio (mmhg). Utiliza-se o aparelho estetoscópio e esfigmomanômetro para obter estes dados. PA: 120/80 mmhg 4.5 Objetivo do tratamento de emergência Preservar a vida; Evitar deterioração antes que o tratamento específico seja ministrado; Manter o indivíduo emocionalmente capacitado. Num atendimento de urgência, deve-se considerar não apenas as ameaças ao bem estar fisiológico, mas também aquelas que se referem ao bem estar psicológico. Agindo de modo a manter a estabilidade emocional da vítima, o socorrista estará garantindo a participação da mesma no seu próprio atendimento, facilitando a sua atuação. 4_Primeiros_socorros.indd 79 3/25/09 8:58:22 AM

4 Capítulo 4 Primeiros Socorros Regras básicas para proceder em um acidente Características do socorrista: Lembre-se que: a salvação de uma vida depende não só daquilo que deveria ter sido feito, e não foi, como também daquilo que foi feito erroneamente. É preciso, pois, saber o que fazer. Por isso, são condições necessárias ao trabalho de um socorrista: Conhecimentos básicos para prestar primeiros socorros; Autocontrole e confiança em si mesmo; Capacidade de iniciativa e improvisação; Calma, rapidez e segurança; Conhecimento de suas próprias limitações, providenciando atendimento especializado sempre que necessário; Persistência. Socorrista: É aquele que está apto a prática de primeiros socorros, o que implica na aquisição de conhecimentos básicos e espírito de solidariedade humana. O socorrista deve ter as seguintes qualidades: 1 - Manter a calma; 4 - Habilidade em Primeiros Socorros; 2 - Agir com rapidez, mas sem pânico; 5 - Disponibilidade; 3 - Ter espírito de liderança; 6 - Persistência. Deveres do socorrista Tomar providência para que o acidente não origine outros; Selecionar os acidentes em grau de gravidade! Evitar o pânico; Improvisação; Afastar curiosos; Providenciar transporte; Providenciar médico ou enfermeiro; Avisar a família da vítima logo que a identificar; Avisar as autoridades policiais locais. 4_Primeiros_socorros.indd 80 3/25/09 8:58:22 AM

5 Primeiros Socorros Capítulo Medidas gerais: Enquanto cada espécie de acidente tenha seu tratamento especial, há algumas medidas aplicáveis a um grande número deles: A. Tomar conta do caso: em face de um acidentado deve-se ter a coragem de iniciar os cuidados que ele requer. Se temos conhecimento do assunto, temos a responsabilidade de não deixar que pessoas sem conhecimento algum prestem cuidados muitas vezes errôneos. Manter a calma. B. Conservar a vítima deitada: movimentando-a o mínimo possível especialmente as partes lesadas. Só locomover um acidentado com fratura ou suspeita de fratura após imobilização da parte afetada. C. Verificar as lesões. Para um exame rápido e bem feito, é importante seguir um método: 1 - Verificar pulso e respiração. 2 - Verificar estado de consciência. Tranqüilize e pergunte se dói alguma parte de maneira especial. Se inconsciente observar a boca para determinar a presença de corpos estranhos, como dentes quebrados ou a língua obstruindo a traquéia. Remover dentaduras e/ou outras próteses. 3 - Examinar estado das pupilas. Pupilas dilatadas podem indicar PCR. Pupilas desiguais indicam traumatismo crânio-encefálico. 4 - Observar a cor da pele: cianótico significa pouco oxigênio no sangue e aparece nos problemas respiratórios e circulatórios. Pele pálida ou acinzentada indica circulação insuficiente e aparece principalmente nas hemorragias e crises cardíacas. 5 - Observar a posição geral do acidentado (membro em posição anormal indica fratura) e examinar todos os segmentos (cabeça, pescoço, braços, tórax e pernas), verificando se há ferimentos, saliência ou depressão. 6 - Atender sempre em primeiro lugar o problema mais grave, investigando existência de hemorragias, parada respiratória, ferimentos, queimaduras e fraturas. Dê prioridade ao atendimento para casos de hemorragia abundante, inconsciência, parada cárdio-respiratória, estado de choque, envenenamento; pois exigem socorro imediato. 7 - Afrouxar a roupa, gravata, colarinho, colete e cinto, o que facilitará a respiração e a circulação. Se necessário, é melhor cortar, rasgar as roupas do que despi-las. 8 - Conservar o acidentado deitado e aquecido para manter a temperatura corporal evitando assim, o estado de choque. Movimentá-lo o menos possível. 9 - Aquecer o acidentado com roupas e jornais, retirando-lhe roupas molhadas quando for o caso. 81 4_Primeiros_socorros.indd 81 3/25/09 8:58:22 AM

6 Capítulo 4 Primeiros Socorros 10 - Evitar que o acidentado veja os próprios ferimentos Voltar a cabeça do acidentado para o lado a fim de evitar asfixia em caso de vômito, observar antes se o pescoço não está fraturado Providenciar assistência médica: solicitando ajuda de terceiros Procurar identificar o ferido, bem como seu endereço para avisar os familiares Afastar os curiosos, evitando aglomerações em torno da vítima Verificar se há lesão na cabeça, quando o acidentado estiver inconsciente ou sem consciência. Havendo hemorragias ou saída de líquor por um ou ambos os ouvidos, ou pelo nariz, pense em fratura do crânio Não dê líquidos a pessoas inconscientes Em caso de amputação, envolva a parte seccionada em pano limpo e entregue no hospital. 82 O que não se deve fazer: Esperar o socorro médico sem nada fazer, em presença de um caso de parada cardiorrespiratória ou hemorragia. Movimentar um acidentado com fratura ou suspeita de fratura, sem antes fazer as devidas imobilizações. Dar bebidas a pessoas inconscientes. O líquido poderá entrar pela traquéia. Dar álcool a um acidentado, pois para muitos é depressor, alterando a capacidade de reação. Tentar despertar o acidentado com tapas, sacudidas ou gritos. Tocar lesões abertas sem os devidos cuidados. Comentar as lesões com o acidentado. No caso de vários acidentes: Examinar rapidamente a situação e detectar as prioridades de atendimento. Não permitir que o acidentado veja os ferimentos dos outros, nem os cadáveres, se houver. 4_Primeiros_socorros.indd 82 3/25/09 8:58:22 AM

7 Primeiros Socorros Capítulo Acidentes automobilísticos: A. Para evitar outros acidentes: 1 - Se estiver de carro, estacione corretamente seu veículo. 2 - Sinalize o acidente (com triângulos de segurança, galhos de árvores ou lanterna). 3 - Se houver início de incêndio utilize o extintor de incêndio. 4 - Desligue contato e fios das baterias dos carros envolvidos no acidente. 5 - Cubra com panos os vazamentos de gasolina. B. Atenda primeiro as vítimas inconscientes. C. Cuidado com a coluna dos acidentados retire-os com o máximo de cuidado. D. Siga as medidas gerais de atendimento, prestando os cuidados básicos, tais como: respiração artificial, massagem cardíaca, estancamento de hemorragias e imobilização. E. Evitar transportar feridos em carros pequenos onde não possam ficar deitados. 4.9 Acidentes de trânsito: Reconhecimento da cena O socorrista deve, inicialmente, avaliar o ambiente onde ocorreu o evento traumático, procurando identificar ameaças à segurança da vítima ou da sua equipe, tais como: risco de atropelamento, colisão, eletrocussão (choque elétrico), desabamento, explosão, etc. 83 Medidas de proteção individual Todas as precauções devem ser tomadas durante o exame e manipulação da vítima a fim de evitar a contaminação do socorrista, pelo sangue e secreções. É obrigatório o uso de luvas e eventualmente máscaras e óculos especiais. Tenha o máximo de cuidado no manuseio de materiais de corte (tesouras, facas, canivetes, vidros, objetos pontiagudos). Avaliação da vítima Avaliação da vítima em dois tempos principais: 1 - A primeira fase é denominada de EXAME PRIMÁRIO e consiste numa avaliação de todas as condições clínicas que impliquem risco imediato de vida, quais sejam: permeabilidade das vias aéreas, respiração eficaz, instabilidade circulatória e hemorragias de grande monta. As medidas de suporte básico da vida são iniciadas nesta fase. 2 - A segunda fase consiste na abordagem das lesões que não impliquem risco imediato de vida. 4_Primeiros_socorros.indd 83 3/25/09 8:58:23 AM

8 Capítulo 4 Primeiros Socorros 4.10 Exame primário O exame primário é sempre o primeiro do socorrista após seu posicionamento ao lado da vítima. O exame deve ser executado rapidamente em um prazo máximo de 45 segundos, para determinar as condições do paciente nas seguintes áreas: 1 - Consciência; 2 - Vias aéreas; 3 - Respiração; 4 - Circulação; O propósito do exame consiste na identificação e correção imediata das falhas no sistema respiratório e ou cardíaco, que representem risco de vida ao paciente. 84 Procedimentos a serem tomados Observe visualmente o paciente e a área do acidente, certifique-se da segurança para si e para a vítima. Observe as condições da cena e do ambiente onde o paciente encontra-se. A posição da vítima e arredores freqüentemente serão a chave para descobrir a história da lesão no paciente. Resgate da vítima Podemos definir o resgate de uma vítima, como a sua retirada do local do qual ela não pode sair por seus próprios meios. Ou por estar inconsciente, com lesões severas, ou por estar presa e o uso ativo de suas faculdades motoras for causar ainda mais lesões. Os eventos que mais freqüentemente causam essas situações são acidentes automobilísticos. Requerem uso de materiais e equipamentos especializados e pessoal treinado e experiente. Resgate não deve ser entendido como a retirada da vítima das ferragens ou escombros, e sim com a retirada destes da vítima. O vitimado é avaliado, imobilizado e estabilizado, e assim a remoção pode ser efetuada sem lhe causar maiores danos. Hemorragia É a perda de sangue provocada pelo rompimento de um vaso sangüíneo. Toda hemorragia deve ser controlada imediatamente. A hemorragia abundante e não controlada pode causar a morte dentro de 3 a 5 minutos. Segundo o local que sai sangue a hemorragia poderá ser interna ou externa. 4_Primeiros_socorros.indd 84 3/25/09 8:58:23 AM

9 Primeiros Socorros Capítulo Técnica de compressão direta sobre o ferimento Controle a hemorragia fazendo uma compressão direta sobre a ferida que sangra com sua mão (protegida com luvas descartáveis) ou ainda, com a ajuda de um pano limpo Técnica da elevação do ponto de sangramento Mantenha a região que sangra em uma posição mais elevado do que o resto do corpo Hemorragia interna Como se Manifesta: Ela resulta de um ferimento profundo com lesão de órgãos internos e geralmente, o sangue não aparece. A vítima apresenta: Pulso fraco e rápido; Pele fria e pegajosa; Sudorese (transpiração abundante) Palidez acentuada; Sede intensa; Calafrios; Tonturas; Queda de pressão arterial; 85 Como proceder: Aplique compressa gelada ou saco de gelo no ponto em que a vítima foi atingida possível local da hemorragia; Atue como se fosse um estado de choque. Procure o socorro especializado imediatamente. Não perca tempo! 4.14 Ferimento 4_Primeiros_socorros.indd 85 3/25/09 8:58:23 AM

10 Capítulo 4 Primeiros Socorros Ferimentos leves ou superficiais Limpe o ferimento com água morna e sabão, ou polvedine tópico; Proteja o ferimento com gaze esterilizada ou pano limpo, fixando sem apertar; A menos que saiam facilmente durante a limpeza, não tirar ferpas, vidros ou partículas de metal do ferimento; Não toque no ferimento com os dedos, lenços usados ou outros materiais sujos; Fazer imunização antitetânica Fraturas É a quebra ou ruptura de um osso. O primeiro socorro consiste em impedir o deslocamento das partes quebradas, evitando assim o agravamento da lesão. Tipos de fraturas Exposta Quando o osso quebrado rompe a pele. Fechadas Quando o osso quebrado não perfura a pele. Como se manifesta: Dor e edema (inchaço) no local; Dificuldade ou incapacidade de movimentação; Posição anormal da região atingida; Sensação de atrito das partes ósseas no local da fratura; Ruptura da pele com exposição do osso fraturado (fratura exposta); Criptação audível de fragmentos ósseos quando se palpa a extremidade; Complicações imediatas em caso de fraturas; Lesão de grandes vasos, nervos, órgãos inter-abdominal, lesão da medula espinhal, choque. 4_Primeiros_socorros.indd 86 3/25/09 8:58:26 AM

11 Primeiros Socorros Capítulo Imobilização Utilize para imobilização, tábua, papelão, jornal ou revistas dobradas, travesseiros, mantas e tiras de pano; Proteja a região lesada com pano e algodão, a fim de evitar danos à pele; Faça a imobilização de modo que o aparelho atinja as duas articulações próximas à fratura; Amarre as talas com ataduras ou tiras de pano com firmeza, sem apertar, em 4 pontos no mínimo, acima e abaixo do local da fratura, acima e abaixo das articulações próximas à região fraturada; Não tente reduzir a fratura (colocar o osso quebrado no lugar) Fratura de coluna vertebral (espinha) Como se manifesta: Dor local após forte traumatismo; Dormência nos membros; Paralisia. Como proceder: Mantenha a vítima em repouso absoluto; Evite o estado de choque; Utilize uma superfície dura, maca, tábua, porta, etc., para transporte do acidentado; Solicite a ajuda de pelo menos cinco pessoas para transferir o acidentado do local em que foi encontrado para a maca; Movimente o acidentado como um bloco, isto é, desloque todo o corpo ao mesmo tempo, evitando mexer separadamente a cabeça, o pescoço, o tronco, os braços e as pernas; Imobilize o acidentado em decúbito dorsal (deitado de costas) ou em decúbito ventral (deitado de barriga para baixo), preenchendo as curvaturas do corpo com panos dobrados, a fim de impedir a movimentação da coluna; Evite freadas bruscas do veículo durante o transporte. 87 A movimentação inadequada poderá causar danos irreparáveis ao acidentado. 4_Primeiros_socorros.indd 87 3/25/09 8:58:27 AM

12 Capítulo 4 Primeiros Socorros Remoção do acidentado A remoção da vítima do local do acidente para o hospital é tarefa que requer do socorrista o máximo de cuidado e correto desempenho. Antes da remoção: Tente controlar a hemorragia; Inicie a respiração de socorro; Execute a massagem cardíaca externa; Imobilize as fraturas; Evite o estado de choque, se necessário; Para o transporte da vítima, o socorrista pode utilizarse dos meios habitualmente empregados, como maca ou padiola e helicóptero, ou de recursos improvisados, como ajuda de pessoa, maca, cadeira, tábua, cobertor, porta, etc. Como proceder: Vítima consciente podendo andar Remova como nas figuras apresentadas Vítima consciente, não podendo andar Transporte a vítima, utilizando-se de um dos recursos abaixo, em caso de: Fratura, luxação e entorse de pé Contusão, distensão muscular e ferimentos de membros inferiores Picada de animais peçonhentos; cobra escorpião etc. 4_Primeiros_socorros.indd 88 3/25/09 8:58:31 AM

13 Primeiros Socorros Capítulo 4 Vítima inconsciente Como levantar a vítima do chão sem auxílio de outra pessoa: Como levantar a vítima do chão com a ajuda de uma ou mais pessoas. 89 Vítima consciente ou inconsciente. Como remover a vítima, utilizando-se de cobertor ou material semelhante. 4_Primeiros_socorros.indd 89 3/25/09 8:58:35 AM

14 Capítulo 4 Primeiros Socorros Como remover acidentados suspeitos de fratura de coluna vertebral ou de bacia: Utilize uma superfície dura porta ou tábua (maca improvisada); Solicite a ajuda de pelo menos cinco pessoas para transferir o acidentado do local em que foi encontrado para a maca; Movimente o acidentado como um bloco, isto é, desloque todo corpo ao mesmo tempo, evitando mexer separadamente a cabeça, o pescoço, tronco, os braços e as pernas. 90 Como remover acidentado grave não suspeito de fratura de coluna vertebral ou bacia em decúbito dorsal (deitado de costas): Utilize uma das macas; Evite paradas e freadas bruscas do veículo durante o transporte; Previna-se contra o aparecimento de danos irreparáveis ao acidentado, movimentando-o menos possível; Solicite, sempre que possível, a assistência de um médico na remoção do acidentado grave; Não interrompa, de maneira alguma a respiração de socorro e a massagem cardíaca externa ao transportar o acidentado. 4_Primeiros_socorros.indd 90 3/25/09 8:58:41 AM

15 Primeiros Socorros Capítulo Estado de choque Em todos os casos de lesões graves, terror, hemorragias ou fortes emoções, pode surgir estado de choque. É um quadro grave, de aparecimento rápido e súbito, traduzido por uma falência do sistema circulatório. Choque elétrico, hemorragia aguda, queimadura extensa, ferimento grave, envenenamento, exposição a extremos de calor e frio, fratura, emoção violenta, distúrbios circulatórios, dor aguda e infecção grave, são causas que podem determinar o aparecimento do Estado de Choque. Como se manifesta: Pele fria e pegajosa; Sudorese (transpiração abundante) na testa e palmas das mãos; Face pálida com expressão de ansiedade e sofrimento; Sensação de frio, chegando, às vezes, a ter tremores; Náusea e vômito; Respiração curta, rápida e regular; Perturbação visual; Pulso rápido e fraco; Inconsciência total ou parcial; Perturbação visual; Pulso rápido e fraco; Inconsciência total ou parcial. Como proceder: Realize uma rápida inspeção na vítima, combata, evite ou controle a causa do estado de choque, se possível, por exemplo, controle de hemorragia; Conserve a vítima deitada; Afrouxe-lhe a roupa; Retire da boca, se necessário, secreção, dentadura, goma de mascar ou qualquer outro objeto; Inicie a respiração de socorro boca-a-boca, em caso de parada respiratória; Execute a massagem cardíaca externa, associada à respiração de socorro boca-a-boca, se a vítima apresentar ausência de pulso e dilatação das pupilas; Vire a cabeça da vítima para o lado, caso ocorra vômito; Levante as pernas da vítima, caso não haja fratura; Mantenha a cabeça da vítima mais baixa que o corpo, sempre que possível; Mantenha as vítimas agasalhadas, utilizando cobertores, mantas ou qualquer outro meio disponível; Remova imediatamente a vítima para o hospital mais próximo; Não dê líquidos ou bebidas alcoólicas. 91 4_Primeiros_socorros.indd 91 3/25/09 8:58:42 AM

16 Capítulo 4 Primeiros Socorros Desmaio Perda momentânea da consciência. Causas: Nervosismo, emoções, fadiga, local mal ventilado, visão de hemorragia, ferimentos, jejum prolongado. Sinais e Sintomas: Palidez, sudorese, (suor abundante); perturbações visuais, tonturas, pulso fraco e fino. Como proceder: Remova a vítima para ambiente arejado; Afrouxe-lhe as roupas; Coloque em decúbito dorsal, pernas elevadas e cabeça mais baixa; Procure o médico se perdurar por mais de dois minutos; Obs: Sendo você a vítima abaixe a cabeça imediatamente respire profundamente Convulsão Contratura involuntária dos músculos com perda da consciência. Sinais e sintomas: Perda súbita da consciência; Queda, salivação; Contratura muscular desordenada; Às vezes eliminações de fezes e urina; Como proceder: Proteja a cabeça da vítima; Afrouxe-lhe as roupas; Deixe a vítima debater-se livremente; Evite a mordedura da língua, colocando em lenço entre as arcadas dentárias; Mantenha a vítima em repouso! Não tente despertar a vítima! A saliva não é contagiosa. Obs: Convulsão infantil, se tiver febre alta, dê banho morno de imersão de mais ou menos 15 minutos de duração. Procure o médico imediatamente. 4_Primeiros_socorros.indd 92 3/25/09 8:58:43 AM

17 Primeiros Socorros Capítulo Queimaduras São classificadas em queimaduras de primeiro, segundo e terceiro grau. Queimaduras de primeiro grau: Lesão das camadas superficiais da pele, apresentam vermelhão característico. Ex: queimaduras causadas por raios solares. Queimaduras de segundo grau: causam lesão mais profunda na pele. Ex: formam bolha de água. Queimaduras de terceiro grau: lesão de todas as camadas da pele, pode alcançar o osso. Risco de vida: não é o grau do ferimento que é mais grave e sim a quantidade atingida no corpo, devido ao estado de choque. Cuidados: prevenir o estado de choque, controlar a dor e evitar a contaminação. Procedimentos: Deitar a vítima; Levantar as pernas; Dar líquidos para beber se estiver consciente; Em queimaduras químicas, retirar a vítima impregnada pela substância, tomando o cuidado de se proteger para não se queimar; Verificar VRCN (vias aéreas, respiração, circulação e sistema nervoso); Prestar particular atenção às vias respiratórias em pacientes que tenham queimaduras faciais, ou queimaduras dos pelos do nariz e sobrancelhas porque a obstrução das vias aéreas superiores pode ocorrer com o passar do tempo; Afogamento Define-se o acidente causado por obstrução das vias aéreas por meio de líquidos. A obstrução pode ser causada por inundação das vias aéreas ou por fechamento da glote estimulada pela presença de líquidos. Nos dois casos citados, o resultado final é a asfixia resultante da privação do oxigênio ao corpo. Procedimento: 1 - Observar se há respiração; 2 - Colocá-la em decúbito dorsal com a cabeça mais baixa que o corpo; 3 - Iniciar a respiração artificial; 4 - Manter a vítima aquecida; 4_Primeiros_socorros.indd 93 3/25/09 8:58:43 AM

18 Capítulo 4 Primeiros Socorros 94 Cuidados: Use drenagem postural para retirar a água aspirada; Limpe a boca e vias aéreas; Comece a ventilação artificial; Fique preparado para o vômito; Previna aspiração; Se o pulso carotídeo ausente, inicie RCP; Paciente submerso o tempo suficiente para ficar inconsciente, e que tenha ficado debaixo da água por menos de uma hora, deverá ser ressuscitado; Se o tempo de submersão não for conhecido, deveremos considerar como menos de uma hora; O paciente afogado em água fria tem maior chance de sobrevida; RCP deve ser iniciado imediatamente; Verificar lesões associadas; 4_Primeiros_socorros.indd 94 3/25/09 8:58:45 AM

19 Primeiros Socorros Capítulo Para respiratória Choque elétrico, afogamento, deficiência de oxigênio atmosférico, obstrução das vias aéreas (boca, nariz e garganta) por corpo estranho, envenenamento e outros acidentes, podem provocar uma parada de respiração ou dificuldade para respirar. A falta de oxigênio pode ocasionar a morte do ser humano dentro de três a cinco minutos, caso não haja atendimento convenientemente. Sintomas: Ausência de movimentos respiratórios; Inconsciência; Lábios, língua e unhas arroxeadas. Como proceder: Depois de constatados os sintomas, inicie imediatamente a respiração boca-a-boca; Coloque a vítima deitada de costas sempre que possível; Afrouxe as roupas, deixando livre o pescoço, tórax e abdômen; Desobstrua a boca e garganta da vítima, fazendo tração da língua retirando corpos estranhos e secreção; Suspenda o pescoço da vítima com uma das mãos e com a outra, sobre a testa, incline a cabeça para trás; Aperte as narinas com os dedos da mão que está sobre a testa a fim de evitar que escape ar; Inspire profundamente, coloque sua boca bem aberta sobre a boca da vítima e sopre até notar a expansão do tórax; Retire a sua boca da vítima, para facilitar a saída de ar inflado nos pulmões; Aplique a respiração de socorro de 5 a 8 vezes por minuto; Continue aplicando a respiração de socorro por mais algum tempo mesmo depois que a vítima volte a respirar; Mantenha a vítima em repouso após o restabelecimento dos movimentos respiratórios, até a chegada do médico; Troque de socorrista, se necessário, sem interromper o ritmo da respiração; Mantenha a respiração do socorro ao transportar o acidentado. 95 4_Primeiros_socorros.indd 95 3/25/09 8:58:47 AM

20 Capítulo 4 Primeiros Socorros IMPORTANTE: Verifique após 6 insufladas, se os movimentos respiratórios foram restabelecidos; Caso a vítima continue em parada respiratória, observe se há ausência de pulso e se as pupilas estão dilatadas, sinais de parada cardíaca; Inicie nesse caso a massagem cardíaca externa, associada à respiração de socorro; A parada respiratória é de todas as emergências a que requer o mais pronto e perfeito atendimento; A possibilidade de recuperação diminui a cada minuto; Cada segundo é importante, quando uma vida está em perigo; Não desanime! Insista na recuperação da vítima até a chegada do médico Parada cardíaca (Massagem Cardíaca) As batidas do coração e os movimentos respiratórios estão intimamente ligados, cessado a respiração, segundos depois o coração pára. É necessário a imediata recuperação dos movimentos cardiorrespiratórios, antes que o tempo determine lesões irrecuperáveis do sistema nervoso e conseqüentemente a morte. Sintomas: Inconsciência; Parada respiratória; Ausência de pulso; Dilatação das pupilas; Extremidades arroxeadas. Como proceder: Coloque a vítima (deitada de costas) sobre superfície dura; Continue ou inicie a respiração de socorro pelo método boca-a-boca; Ponha suas mãos sobrepostas sobre a metade inferior do esterno. Mantenha os dedos ligeiramente levantados e abertos; Comprima com vigor o tórax da vítima pressionando o coração de encontro a coluna vertebral; Descomprima em seguida mantendo as mãos na posição inicial. Repita a manobra cinco vezes seguidas e mantendo o ritmo. Para manter o ritmo, pronuncie, ao iniciar cada pressão,, os números 101, 102, 103, 104, Aplique uma respiração de socorro boca-a-boca, depois de cinco pressões do tórax; Solicite se possível, a ajuda de mais de um socorrista; 4_Primeiros_socorros.indd 96 3/25/09 8:58:47 AM

21 Primeiros Socorros Capítulo 4 Continue executando, sem interrupção a respiração de socorro e a massagem cardíaca externa até a recuperação da vítima ou a chegada do médico Obs.: Ao executar a massagem cardíaca externa em adolescente, pressione o tórax com uma das mãos e em crianças apenas os dedos. Não interrompa, de maneira alguma a ressuscitação cardiorrespiratória ao transportar a vítima Envenenamento É toda substância mineral ou orgânica que ingerida ou aplicada no seu exterior, sendo absorvida, põe em risco a vida ou altera profundamente a saúde. Cuidados imediatos para indivíduos envenenados: Dificultar a absorção do veneno e favorecer a eliminação do já absorvido. Neutralizar os tóxicos por meio de antídotos. Ações: Provocar vômito excitando a faringe (com dedo, cabo de colher), nas intoxicações por cáustico o vômito está contra indicado; Intoxicações por gazes, o tratamento consiste em colocar o indivíduo ao ar livre e quando necessário a respiração boca-a-boca; Quando a introdução do veneno é cutânea deve-se praticar banhos abundantes; Não dar álcool de qualquer espécie ao envenenado; Não deixar o envenenado andar; Não dê azeite ou qualquer óleo comestível, porque poderá apressar a absorção dos venenos; Remover roupas se impregnados de veneno; Proteja a cabeça da vítima quando em convulsão. 97 4_Primeiros_socorros.indd 97 3/25/09 8:58:47 AM

22 Capítulo 4 Primeiros Socorros 98 4_Primeiros_socorros.indd 98 3/25/09 8:58:47 AM

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

FRATURA 21/6/2011. Ruptura total ou parcial de um osso.

FRATURA 21/6/2011. Ruptura total ou parcial de um osso. FRATURA Ruptura total ou parcial de um osso. CLASSES TRAUMATISMOS Fechada (simples): A pele não perfurada pelas extremidades ósseas. foi Aberta (exposta): O osso se quebra, atravessando a pele, ou existe

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Parada cardíaca ou parada cardiorrespiratória (PCR) é a cessação súbita da circulação sistêmica e da respiração. As principais causas

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES Introdução As crianças pequenas não têm a capacidade para avaliar o perigo, pelo que qualquer objeto que encontram em casa pode transformar-se num brinquedo

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza 1 O que é o Novo Tipo de Influenza É o nome dado à doença causada pela presença do vírus da influenza A/H1N1, de origem suína, no corpo humano. Diz-se

Leia mais

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. Aldous Huxley EMERGÊNCIA Éuma situação crítica, acontecimento perigoso ou dificuldade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO DIGITAL MODELO TC-5015. Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO DIGITAL MODELO TC-5015. Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO DIGITAL MODELO TC-5015 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...1 3.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ACESSOS VASCULARES PARA TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE. Contactos: Unidade de Hemodiálise: 276300932.

ORIENTAÇÕES SOBRE ACESSOS VASCULARES PARA TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE. Contactos: Unidade de Hemodiálise: 276300932. Evitar a infecção A infecção é uma complicação grave que pode ocorrer por ter as defesas diminuídas. Prevenir também depende de si. Cumpra as regras de higiene e as indicações fornecidas pela Equipa do

Leia mais

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt Mini Ferro de Viagem Sm-110 Bivolt ÍNDICE NOTAS: Parabéns por ter adquirido o seu Mini Ferro de Viagem. Características do produto Dicas de Segurança Informações do aparelho Usando o aparelho Cuidados

Leia mais

Lâmpadas. Ar Condicionado. Como racionalizar energia eléctrica

Lâmpadas. Ar Condicionado. Como racionalizar energia eléctrica Como racionalizar energia eléctrica Combater o desperdício de energia eléctrica não significa abrir mão do conforto. Pode-se aproveitar todos os benefícios que a energia oferece na medida certa, sem desperdiçar.

Leia mais

HD 100. P Cobertor elétrico Instruções de utilização. BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com. 06.0.

HD 100. P Cobertor elétrico Instruções de utilização. BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com. 06.0. HD 100 P 06.0.43510 Hohenstein P Cobertor elétrico Instruções de utilização BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com Conteúdo 1. Volume de fornecimento... 3 1.1 Descrição do aparelho...

Leia mais

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com serra mármore Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança da área de trabalho Mantenha a área de trabalho sempre limpa e bem iluminada. Áreas de trabalho desorganizadas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3218

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3218 MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3218 POR FAVOR, LEIA ESTE MANUAL ATENTAMENTE ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO Você acabou de adquirir um produto ETERNY, da mais alta qualidade. Agradecemos a sua

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR SUMÁRIO 01. Apresentação 02. Definições de Termos 03. Síntese Histórica 04. Causas de Acidentes 05. Estatísticas de Acidentes 06. Prioridades

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química O que deve ser sempre lembrado é que: A segurança depende de cada um. É importante que o pessoal se habitue a trabalhar com segurança fazendo com

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril PÓS-OPERATÓRIO Como preparar sua casa após cirurgia de quadril Retire os tapetes, extensões e fios telefônicos, pois eles podem ocasionar quedas. Caso ainda não tenha, instale corrimãos em pelo menos um

Leia mais

ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938

ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938 MANUAL DE INSTRUÇÕES ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938 1 Sumário 1. CONHECENDO O SEU APARELHO...3 2. USO CORRETO...3 3. INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 4. DESCRIÇÃO DO APARELHO...5 5. INICIALIZAÇÃO...5 6. OPERAÇÃO...5

Leia mais

Rebrilhar Poli PU 10

Rebrilhar Poli PU 10 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

Condições de Instalação e Uso

Condições de Instalação e Uso [M06 11102011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação

Leia mais

O que Fazer em Uma Emergência

O que Fazer em Uma Emergência O que Fazer em Uma Emergência Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Maj BM QOS David Szpilman Em qualquer emergência procure

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS CADENCE CHIARO PRO

MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS CADENCE CHIARO PRO MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS CADENCE CHIARO PRO Obrigado por adquirir a Prancha de cabelos Chiaro PRO um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É Muito importante ler atentamente este

Leia mais

PRANCHA DE CABELOS MODELLE CADENCE PAC167

PRANCHA DE CABELOS MODELLE CADENCE PAC167 PRANCHA DE CABELOS MODELLE CADENCE PAC167 Obrigado por adquirir a Prancha de Cabelo Modelle Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É Muito importante ler atentamente este manual de

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

CM 50. P Aparelho Anti-celulite. Instruções de utilização

CM 50. P Aparelho Anti-celulite. Instruções de utilização CM 50 PT P Aparelho Anti-celulite Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm, Germany Tel.: +49 (0)731 / 39 89-144 Fax: +49 (0)731 / 39 89-255 www.beurer.com Mail: kd@beurer.de Componentes

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

CM 50 P Aparelho anti-celulite Instruções de utilização

CM 50 P Aparelho anti-celulite Instruções de utilização CM 50 P P Aparelho anti-celulite Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm, Germany Tel.: +49 (0)731 / 39 89-144 Fax: +49 (0)731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de Portugues

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA DE FOGÃO SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA CUIDADOS E MANUTENÇÃO GUIA PARA RESOLUÇÃO

Leia mais

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MANUAL DE INSTRUÇÃO MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MODELO: SS-26-1W - 1 - MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO Leia atentamente as instruções antes de iniciar o uso: a) Verificar se a voltagem está correta

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [M03 09122011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador Qual a importância do Desfibrilador Externo Automático (DEA) em praias e balneários e especialmente em casos de afogamento? (versão datada de 24/03/2013) Aprovado pela Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE MANUTENÇÃO DA VIDA EM QUEIMADURAS

CURSO AVANÇADO DE MANUTENÇÃO DA VIDA EM QUEIMADURAS CURSO AVANÇADO DE MANUTENÇÃO DA VIDA EM QUEIMADURAS OBJETIVOS Diferenciar entre queimaduras de espessura parcial e total. Descrever o procedimento para a escarotomia do tórax e de extremidade. Discutir

Leia mais

Frio» Enregelamento dos membros

Frio» Enregelamento dos membros Frio» Enregelamento dos membros O enregelamento é uma situação que resulta da exposição excessiva ao frio ou pelo contacto com objetos extremamente frios. Consiste no congelamento das camadas superficiais

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

SEGURANÇA COM MOTOBOMBA A GASOLINA. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

SEGURANÇA COM MOTOBOMBA A GASOLINA. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho SEGURANÇA COM MOTOBOMBA A GASOLINA Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA As instruções desta apresentação garantem a segurança do operador e de terceiros

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO AQUECEDOR ECOLÓGICO DE PAINEL ECOTERMIC AQC700

MANUAL DO USUÁRIO AQUECEDOR ECOLÓGICO DE PAINEL ECOTERMIC AQC700 MANUAL DO USUÁRIO AQUECEDOR ECOLÓGICO DE PAINEL ECOTERMIC AQC700 Obrigado por adquirir o Aquecedor Ecológico de Painel ecotermic Cadence, AQC700, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito

Leia mais

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento,

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, fome e sede constantes, vontade de urinar diversas vezes,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO CONDOMINIO ESPAÇO MÉDICO EMPRESARIAL Telefones em caso de emergências: CORPO DE BOMBEIROS 193 SAMU 192 POLÍCIA MILITAR 190 JF BRIGADA`S JOÃO PAULO: 63 92090197

Leia mais

Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo.

Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo. Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo. Manter limpos os ouvidos de cães e gatos, além de contribuir para sua saúde e bem-estar,

Leia mais

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester.

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START 1- ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. Sistema de triagem inicial

Leia mais

5Manutenções no Sistema de

5Manutenções no Sistema de Manutenção Preventiva dos Filtros do Ar A manutenção adequada deve incluir, também, uma inspeção completa dos sistemas. Todas as conexões, as tubulações ou dutos entre o filtro e o motor devem ser mantidos

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867

MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867 MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867 ATENÇÃO Sob nenhuma circunstância abrir ou inspecionar os componentes internos do aparelho. Se for necessária uma inspeção, por favor, contate

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-558 PRANCHA ALISADORA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-558 PRANCHA ALISADORA Modelo TS-558 PRANCHA ALISADORA Para prevenir ferimentos ou danos, antes de usar o aparelho leia e siga atentamente a todas as instruções contidas neste manual. MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES As instruções

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) ÁLCOOL GEL 67% MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) ÁLCOOL GEL 67% MALTEX 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto:. Aplicação: Indicado para higienização de superfícies: aplique a quantidade suficiente para passar em toda a superfície e esfregue-as

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL MODELO TN-1070

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL MODELO TN-1070 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL MODELO TN-1070 julho 2008 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA Para prevenir ferimentos ou danos, antes de usar o aparelho leia e siga atentamente a todas as instruções contidas neste manual. MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES As instruções

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NOME DO PRODUTO: ÁLCOOL ABSOLUTO Elaboração: 01/08 Revisão: 01-06/10

RELATÓRIO TÉCNICO. FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NOME DO PRODUTO: ÁLCOOL ABSOLUTO Elaboração: 01/08 Revisão: 01-06/10 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁLCOOL ABSOLUTO Sinônimo: Álcool 99ºGL, Hidróxi-Etano, Etanol, Álcool Etílico Anidro Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto

Leia mais

Acidentes do Trabalho

Acidentes do Trabalho 01 coletanea de acidentes.mp4 Consequências dos acidentes por mínimas que eles sejam, sempre requerem cuidados especiais no tocante à readaptação do homem ao trabalho e, num sentido mais amplo, dependendo

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

KIT 6 em 1. (Aparadores de Pêlos) Modelo: RD1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES

KIT 6 em 1. (Aparadores de Pêlos) Modelo: RD1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES KIT 6 em 1 (Aparadores de Pêlos) Modelo: RD1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu KIT 6 EM 1. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. WWW.LIZZ.COM.BR SAC: (11)

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Obrigado por adquirir a escova elétrica corporal e facial D-Clean Plus. Este manual deve ser guardado para consultas futuras.

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Obrigado por adquirir a escova elétrica corporal e facial D-Clean Plus. Este manual deve ser guardado para consultas futuras. MANUAL DE INSTRUÇÕES Obrigado por adquirir a escova elétrica corporal e facial D-Clean Plus. Este manual deve ser guardado para consultas futuras. 2 Esse produto contém: Aparelho 3 escovas (facial normal,

Leia mais

CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. 2. Classificação dos Equipamentos e Materiais

CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. 2. Classificação dos Equipamentos e Materiais Fig 5.2 Rádio portátil Equipamentos Utilizados no Atendimento Pré-Hospitalar CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR 1. Introdução No atendimento a uma situação de emergência é

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Prova simulada do DETRAN 11 Legislação de Trânsito 1) O julgamento das penalidades de trânsito se dará através de um: a) Identificação do infrator. b) Notificação de autuação. c) Processo administrativo.

Leia mais

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital?

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? Cartilha de Segurança do PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? CARO PACIENTE, Esta Cartilha foi desenvolvida para orientá-lo sobre

Leia mais

Câncer. Como se Prevenir e Ter uma Vida Saudável. Pele Colo de Útero Próstata Boca Mama

Câncer. Como se Prevenir e Ter uma Vida Saudável. Pele Colo de Útero Próstata Boca Mama Câncer Como se Prevenir e Ter uma Vida Saudável Pele Colo de Útero Próstata Boca Mama A prevenção e a única maneira fácil, segura e acessível de combater ao câncer Apoio: Liga Bahiana Contra o Câncer -

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESENGORDURANTE MALTEX.

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESENGORDURANTE MALTEX. 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto: Desengordurante MALTEX. Aplicação: indicado para desengordurar e limpar superfícies em restaurantes, açougues, frigoríficos, peixarias,

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. MODELO: NL4000A - 127v MODELO: NL4000B - 220v

MANUAL DE INSTRUÇÕES. MODELO: NL4000A - 127v MODELO: NL4000B - 220v MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO: NL4000A - 127v MODELO: NL4000B - 220v Leia atentamente este Manual, antes de usar seu MASSAGEADOR. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. WWW.G-LIFE.COM.BR SAC:

Leia mais

SOLID CERAMIC HAIR STYLER

SOLID CERAMIC HAIR STYLER SOLID CERAMIC HAIR STYLER Straigth & Curls HS 3830 PORTUGUÊS A C E A B D F 2 SEGURANÇA Durante a colocação em funcionamento do aparelho, por favor, respeite as seguintes indicações: 7 Este aparelho destina-se

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais

Manual do Usuário BT200

Manual do Usuário BT200 Manual do Usuário BT200 INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Por favor, mantenha este manual em local seguro para referência. 1. É importante que se leia todo este manual antes de montar e utilizar o equipamento.

Leia mais

FISPQ nº: 0008 Ultima Revisão: 08/11/2014

FISPQ nº: 0008 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Informação do Produto Nome do produto : Código do produto : 0008 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330 Fone: (11) 3280-4707

Leia mais

Primeiros Cuidados. Dicas de uma Alimentação Saudável

Primeiros Cuidados. Dicas de uma Alimentação Saudável Dividindo o ambiente com os seres humanos, os bichos de estimação também precisam de cuidados especiais para não contrair doenças e, se já houver algum problema, evitar a transmissão aos seus donos. Entre

Leia mais

SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE OS FATORES QUE MAIS CAUSAM AS QUEDAS PODEM SER:

SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE OS FATORES QUE MAIS CAUSAM AS QUEDAS PODEM SER: SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE As quedas tornam-se mais frequentes com o avançar da idade. Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a maioria dos casos acontecem dentro de casa e são a

Leia mais

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer?

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? Você sabia que denominamos bateria ao conjunto de pilhas associadas em série ou paralelo? Dessa forma, podemos dizer que bateria é o coletivo de pilhas,

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS E IDOSOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas

Leia mais

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 20 de agosto de 2011 PÁGINA: 1 de 5 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno de Identificação do Produto: PA - Nome da Empresa: DORIGON INDÚSTRIA DE TENSOATIVOS LTDA. Endereço:

Leia mais

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção QUEIMADURAS Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção GRAVIDADE DAS QUEIMADURAS DEPENDE: Zona atingida pela queimadura Extensão da pele queimada Profundidade da queimadura: - 1ºGRAU - 2ºGRAU

Leia mais

Manual do Utilizador Rocker! O seu parceiro para uma vida elegante

Manual do Utilizador Rocker! O seu parceiro para uma vida elegante Manual do Utilizador Rocker! O seu parceiro para uma vida elegante Conteúdo Prefácio Características Preparação Funcionamento LIGAR e DESLIGAR Como utilizar o seu aparelho auditivo Controlo de volume

Leia mais

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Funcionamento do Laboratório Dependendo da atividade prática, os alunos encontrarão

Leia mais

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS Núcleo de Educação em Urgência Rua Jaraguá, 858, Bom Retiro São Paulo SP - CEP 01129-000 PABX. 11.3396-1400 1 NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS I- DEFINIÇÕES

Leia mais

Hidromassageador com auto aquecimento HW40

Hidromassageador com auto aquecimento HW40 Manual do Usuário Hidromassageador com auto aquecimento HW40 MANUAL DO USUÁRIO Parabéns, pela aquisição do seu novo hidromassageador para pés HW40. Antes de usar seu novo produto é muito importante que

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES IMPORTANTES As instruções de segurança devem sempre ser seguidas para reduzir riscos. É importante ler com cuidado todas as

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

Poltrona de Massagem Lousiana

Poltrona de Massagem Lousiana Essência Móveis de Design www.essenciamoveis.com.br Manual de Instruções Poltrona de Massagem Lousiana Instruções de manutenção: Para guardar: Coloque este aparelho em sua embalagem original, e guarde

Leia mais

Substância : Ácido Fosfórico Nº CAS: 64-18-6

Substância : Ácido Fosfórico Nº CAS: 64-18-6 ÁCIDO FOSFÓRICO 85% Página 1 de 8 1. Informação do Produto Nome do produto : Ácido Fosfórico 85% Nome Químico : Ácido Fosfórico 85% Código interno do produto : 001.011 026 002.133 Empresa Corpo de Bombeiros

Leia mais

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica Gripe pandémica Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica De que trata esta brochura? Esta brochura apresenta informações acerca da gripe pandémica. Dá resposta a 10 perguntas importantes acerca

Leia mais

DEPILADOR CHIARO CADENCE DEP131

DEPILADOR CHIARO CADENCE DEP131 DEPILADOR CHIARO CADENCE DEP131 Obrigado por adquirir o Depilador Chiaro Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É Muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC.

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidade de Teto Índice Airgenic Unidade de Teto Modo de Usar Paginas 3 4 Regulagens do Equipamento Pagina 5 Falhas e Soluções Pagina 6 Limpeza

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

Manual de segurança no laboratório

Manual de segurança no laboratório 1 - Para iniciar os trabalhos! Deves ler atentamente as instruções das actividades experimentais antes de as relizares. Sempre que tiveres dúvidas sobre as actividades experimentais deves consultar o teu

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS

ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS Uma vez concluída a avaliação de um trabalho em espaço confinado é necessário que se avalie também os perigos e se desenvolva um programa para que ele seja realizado com sucesso.

Leia mais

FineNess Cachos PRO. Manual de Uso

FineNess Cachos PRO. Manual de Uso Manual de Uso IMPORTANTE, POR FAVOR, LEIA ESTAS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES ANTES DE USAR O DUTO Antes de começar a utilizar o novo Fineness Cachos, por favor, leia atentamente as instruções. 1. Certifique-se

Leia mais