NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)"

Transcrição

1 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei nº 3.268/57, regulamentada pelo Decreto nº /58 alterado pelo Decreto nº 6.821/09, entidade que atua com a finalidade do registro público dos profissionais legalmente habilitados e da fiscalização técnica e ética do exercício da profissão, bem como das empresas prestadoras de serviços médicos segundo os princípios fundamentais que regem a atividade especializada dos profissionais obrigatoriamente condicionados ao registro. Tem sua estrutura, organização e funcionamento estabelecidos pela Resolução CREMESP nº 205/2009,que trata do Regimento Interno. 2. PRINCIPAIS DIRETRIZES CONTÁBEIS 2.1 Apresentação das Demonstrações Contábeis As demonstrações contábeis do exercício de 2015 foram elaboradas em conformidade com as disposições contidas na Lei nº /64, com observância às Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público(NBCTSP) e aos Princípios Contábeis geralmente aceitos. As Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBC T 16) estão sendo aplicadas parcialmente desde Quanto aos demais procedimentos, serão implantados gradualmente conforme art. 13 da Portaria STN nº 634/ Práticas Contábeis 2.2.1Ativo Circulante O ativo circulante é demonstrado ao valor de realização Caixa e Equivalente de Caixa Caixa e equivalente de caixa tem a composição a seguir: a) Recursos em caixa e conta corrente; b) Aplicações financeiras: certificados de depósitos bancários - CDB Flex Empresarial, CDB Pós Fixado, ambos na Caixa Econômica Federal, além de CDB DI Pós Fixado no Banco do Brasil, demonstrados pelos valores aplicados e acrescidos de rendimentos incorridos até a data do Balanço. c) Os recursos não utilizados na operacionalização das atividades foram depositados em conta separada das demais disponibilidades, constituindo um fundo de reserva para a reforma do imóvel da Nova Sede da entidade. Aplicações Financeiras CDB Pós Fixado CEF CDB Flex Empresarial CEF CDB DI Pós Fixado BB Total de Aplicações Financeiras Créditos a Curto Prazo Os créditos a curto prazo referem-se aos valores de anuidades do exercício,de exercícios anteriores em cobrança administrativa e em dívida ativa, taxas de renovação de certificados das Pessoas Jurídica se aos saldos dos auxílios a receber do Conselho Federal de Medicina devido até o término do exercício de 2015, com expectativa de realização até o final do exercício seguinte. a) Anuidades do Exercício: referem-se às anuidades do exercício de Os valores foram contabilizados no início de exercício pelo regime de competência e o seu reflexo foi evidenciado nas variações 1

2 patrimoniais aumentativas. O saldo apresentado em 31/12/2015 é estimado para recebimento durante o exercício de 2016, considerando o histórico de recebimento em anos anteriores. b) Anuidades de Exercício Anteriores: anuidades devidas referente 2011 a 2014, que se encontram em cobrança administrativa. c) Dívida Ativa: referem-se a valores de anuidades até o exercício de 2014, que se encontram em execução fiscal (Dívida Ativa da União). d) Auxílios a Receber do Conselho Federal de Medicina:saldo a receber referente auxílio para projetos de Educação Médica Continuada, Fiscalização e de Custeio de Atividades; todos nos termos da Instrução Normativa CFM nº 01/2013. Créditos a Curto Prazo Anuidades do Exercício de PF e PJ Anuidades de Exercícios Anteriores PF e PJ Dívida ativa PF e PJ Auxílios do CFM para Projetos Taxa de Renovação de Certificados PJ Multas Eleitorais Total Demais Créditos e Valores a Curto Prazo Os demais créditos e valores a curto prazo compreendem os valores de salário maternidade,adiantamentos de férias, adiantamento a fornecedores, suprimento de fundos, despesas a serem ressarcidas e adiantamento para despesas com viagem a funcionários. a) Adiantamentos Diversos: Insuficiência de saldo na folha de pagamento que será apropriado no próximo mês e pagamento a maior de empréstimo consignado para o Banco do Brasil, em fase de regularização pelo banco. b) Garantia Estendida a Apropriar: Serviço de garantia de 60 meses dos equipamentos do Datacenter a serem apropriados conforme vigência. c) Manutenção de Máquinas a Apropriar: Serviço de manutenção de três anos dos servidores IBM a serem apropriados conforme vigência. d) Multa e Juros: Pagamento de Juros e Multa de impostos e taxas para serem restituídos para Autarquia. e) Outras Entidades Públicas a Receber: Reembolso do salário e encargos a receber referente ao período de Agosto a Dezembro/15 do servidor Sr. Rogério Carvalho Santos cedido ao Ministério da Saúde. f) Sinistro a Receber: Valores a receber da seguradora D. Morandini Serviços Técnicos de Seguros referente incêndio do 4ª andar no prédio da Sede no dia 11/08/

3 Demais Créditos e Valores a Curto Prazo Adiantamento de Férias Adiantamento de Rescisão Adiantamento de Viagens Adiantamento Diversos Adiantamento a Fornecedores Garantia Estendida a Apropriar Manutenção de Máquinas a Apropriar Suprimento de Fundos Impostos a Recuperar Responsabilidade por Danos e Perdas Multa e Juros Outras Entidades Públicas a Receber Salário Maternidade Outros Devedores Sinistro a Receber Total Estoques Os estoques referem-se a materiais utilizados nas atividades operacionais e administrativas, composto de materiais de expediente, materiais de higiene e limpeza, materiais de informática, material elétrico e outros,armazenados e registrados ao custo médio de aquisição Variações Patrimoniais Diminutivas Pagas Antecipadamente As variações patrimoniais diminutivas pagas antecipadamente são compostas por pagamentos de seguros com vigência de doze meses, assinaturas de jornal, aluguel, condomínio e compra de vale-transporte para funcionários para utilização no mês seguinte Ativo Não Circulante Créditos a Longo Prazo Os créditos a longo prazo referem aos saldos de anuidades do exercício e de exercícios anteriores em cobrança administrativa e judicial, com expectativa de recebimento após o final do próximo exercício. a) Anuidades do Exercício:abrangem os créditos a receber em favor da Autarquia, referentes a valores de anuidades do exercício de 2015, cuja certeza e liquidez foram apuradas e estão mensurados por seu valor líquido de realização. b) Dívida Ativa:abrangem os créditos em favor da Autarquia, referentes a valores de anuidades até o exercício de 2014, que se encontram em cobrança administrativa e em execução fiscal (Dívida Ativa da União), cuja certeza e liquidez foram apuradas e estão mensurados por seu valor líquido de realização. c) Ajuste ao Valor Recuperável: refere-se ao registro do ajuste a valor recuperável em conta redutora do ativo. O valor foi obtido por cálculo da média aritmética dos recebimentos dos últimos quatro anos, de modo a evidenciar a expectativa de arrecadação para os 4 anos subsequentes no Longo Prazo. Créditos a Longo Prazo Anuidades do Exercício de 2015 a Longo Prazo PF e PJ Dívida Ativa a Longo Prazo PF e PJ - Fase Administrativa Dívida Ativa a Longo Prazo PF e PJ - Fase Executiva (-) Ajuste para Perda da Dívida Ativa e Anuidades do Exercício ( ) ( ) Total

4 Demais Créditos a Longo Prazo Os demais créditos a longo prazo referem aos saldos de impostos a recuperar, depósitos judiciais, despesas a serem ressarcidas, multas eleitorais e taxas de renovação de certificados pessoa jurídica, cuja expectativa de realização ultrapassa 12 meses. a) Depósitos Judiciais: referem-se aos depósitos recursais de ações trabalhistas, registrados pelo valor atualizado.para melhor evidenciação do real valor das contas patrimoniais, a partir de 2013 o Conselho passou a registrar a atualização monetária sobre os Depósitos Recursais com base no art.9 da Lei nº 8.177/91 combinado com o art. 13 da Lei nº 8.036/90.Os valores correspondentes à atualização foram registrados na variação patrimonial aumentativa. Saldo da Conta de Depósitos Judiciais Antes da Atualização Atualização ref. Exercício de 2015 Saldo Total b) Responsabilidade por Danos e Perdas: Ações Ajuizadas de ressarcimento de despesas com impressão de boletos e comunicado aos médicos no exercício de c) Outros Devedores: Valores a serem restituídos de ITBI pela aquisição do Imóvel da nova sede e delegacias do interior e metropolitana. d) Multas Eleitorais a Receber: referem-se às multas eleitorais relativas ao pleito realizado em 2014, cujas justificativas não foram apresentadas dentro do prazo estabelecido. e) Taxa de Renovação e Certificado: referem-se às taxas a receber das empresas inscritas no Conselho e que não renovaram seu certificado de regularidade anual entre 2011 a 2014, conforme Resolução CFM nº 1980/2011. Demais Créditos a Longo Prazo Impostos Federais a Recuperar Responsabilidade por Danos e Perdas Rescisão Trabalhista Depósito em Juízo Depósitos Judiciais Trabalhista Outros Devedores Multas Eleitorais a Receber (-) Ajuste para Perda de Multas Eleitorais - ( ) Taxas de Renovação e Certificados PJ de Anos Anteriores (-) Ajuste para Perda de Taxas de Renovação e Certificados ( ) ( ) Total Imobilizado O Imobilizado é composto pelos bens móveis e imóveis que estão demonstrados ao custo de aquisição. Em 2015 efetuamos as seguintes operações: a) Reclassificação de Contas Contábeis entre os Grupos Biblioteca, Obras de Arte, Equipamentos de Áudio, Vídeo e Foto, Sistema de Segurança, Outros Materiais Permanentes, Ferramentas, Máquinas e Aparelhos e Aparelhos e Equipamentos de Comunicação; b) Registrado contábil efetuado em 2015 da Reavaliação dos Bens Móveis adquiridos anteriores ao ano de 2013 dos grupos: Mobiliários em Geral, Máquinas e Aparelhos, Equipamentos de Informática, Utensílios de Copa e Cozinha, Equipamentos para áudio, Vídeo e Foto, Ferramentas, Aparelhos e Equipamentos de Comunicação, Sistema de Segurança e Outros Materiais Permanentes. Procedimentos amparados conforme Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público 6 ª Edição - Parte II - Portaria STN nº 700/2014, ITEM 7.1.1; 4

5 c) Salas e Escritórios: Em novembro de 2015 foi vendida uma das salas da sede da Delegacia Regional de Araçatuba. Bens Móveis e Imóveis BENS MÓVEIS Mobiliário em Geral Veículos Máquinas e Aparelhos Equipamentos de Informática Biblioteca Obras de Arte Utensílios de copa e Cozinha Equipamentos para áudio, Vídeo e Foto Ferramentas Aparelhos e Equipamentos de Comunicação Sistema de Segurança Outros Materiais Permanentes BENS IMÓVEIS Edifícios Casas Salas e Escritórios Instalações (-) Depreciação e Amortização Acumulada ( ) ( ) Total Depreciação Os bens adquiridos a partir de 2013 estão sendo depreciados, em atendimento a NBCT Para refletir o valor justo dos bens adquiridos anterior a 2013,foram reavaliados os grupos mencionados no parágrafo (b) do subitem em dezembro de Os Veículos e os Imóveis serão reavaliados ao decorrer do próximo exercício. A depreciação é calculada mensalmente pelo método linear, mediante a aplicação de taxas que levam em conta o valor residual de 10% e o tempo de vida útil do bem. Os valores correspondentes ao ano corrente foram registrados na variação patrimonial diminutiva, para os valores anteriores ao ano de Depreciação Descrição Vida Útil em Anos Taxa Anual de Depreciação Mobiliário em geral 10 10% Máquinas e aparelhos 10 10% Equipamentos de informática 5 20% Utensílios de copa e cozinha 10 10% Equipamentos para áudio, vídeo e foto % Ferramentas 10 10% Aparelhos e Equipamentos de Comunicação 5 20% Sistema de Segurança 10 10% Outros materiais permanentes % Total Modificação do tempo de vida útil em 2015 de 10 anos para 5 anos, devido ao desgaste mensurado no período. 5

6 Intangível O Intangível é composto pelos Softwares e Marcas e Patentes que estão demonstrados ao custo de aquisição. Ao decorrer do exercício de 2016 será efetuado reconhecimento dos Softwares adquiridos anteriores a 2014 e o cálculo da amortização dos mesmos conforme Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público 6 ª Edição - Parte II - Portaria STN nº 700/2014, ITEM e 5.5 Intangível Software Marcas e Patentes Total Passivo Circulante e Não Circulante Está demonstrado ao custo de aquisição ou realização Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a Pagar a Curto Prazo As obrigações trabalhistas, previdenciárias e assistenciais referem-se a valores de encargos sobre folha de pagamento e empréstimo consignado a funcionários, todos com recolhimento no mês subsequente. Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a Pagar a Curto Prazo Mensalidade e Contribuição Sindical a Pagar Empréstimo Consignado de Funcionários - Banco Do Brasil Empréstimo Consignado de Funcionários - Banco Santander INSS a Recolher FGTS a Recolher PIS a Recolher Total Fornecedores e Contas a Pagar a Curto Prazo Os fornecedores e contas a pagar a curto prazo correspondem aos restos a pagar processados de 2014 e a) Restos a Pagar Processados: Abrangem os saldos de despesas empenhadas, cujo fornecimento de bens ou prestação de serviços já ocorreu, porém com vencimento no exercício seguinte. Fornecedores e Contas a Pagar a Curto Prazo Restos a Pagar Processados Total Obrigações Fiscais a Curto Prazo As obrigações fiscais a curto prazo abrangem retenções efetuadas nos pagamentosde funcionários e fornecedores com recolhimento no mês subsequente. 6

7 Fornecedores e Contas a Pagar a Curto Prazo IRRF S/Salários a Recolher Tributo/Contribuição: IRPJ/CSLL/PIS/COFINS A Recolher (COSIRF) INSS S/Serviços PF a Recolher INSS S/Serviços PJ a Recolher IRRF Terceiros a Recolher ISS S/Serviços PF ISS S/Serviços PJ Total Obrigações de Repartição a Outros Entes As obrigações de repartição a outros entes referem-se ao saldo de cota-parte (1/3 do montante arrecadado das receitas de: anuidades, juros, multa e taxas sobre carteiras profissionais e cédulas de Identidade, que é repassada ao Conselho Federal de Medicina, conforme estabelecido em Lei), com pagamento no mês subsequente Provisões a Curto e Longo Prazo As provisões a curto prazo referem-se aos valores de ações trabalhistas, ações cíveis e férias e seus respectivos encargos. Nas provisões de longo prazo, somente ações cíveis e trabalhistas. a) Provisões para Ações Trabalhistas e Cíveis a Curto e Longo Prazo: As provisões para ações trabalhistas e cíveis referem-se montante relativo às ações judiciais em andamento contra o Conselho, com alta probabilidade de perda. Esta provisão tem por finalidade dar cobertura às eventuais despesas e foi constituída com base na expectativa de desfecho dos processos judiciais, informada e estimada pelo Departamento Jurídico da Entidade. b) Provisões para Férias e Encargos: A provisão de férias é calculada mensalmente em atendimento ao regime de competência, com base no período integral ou proporcional a que o funcionário tem direito, acrescida dos respectivos encargos. Provisões a Curto e Longo Prazo Provisões para Ações Trabalhistas Provisões para Ações Cíveis Provisão de Férias Provisão para Encargos s/ Férias Total Detalhamento: - Provisões a Curto Prazo Provisões a Longo Prazo Demais Obrigações a Curto Prazo Referem-se aos valores de recebimentos antecipados, depósitos não identificados, honorários de sucumbências e outros credores. a) Recebimentos Antecipados:são anuidades e taxa de renovação de certificados PJ arrecadadas em 2015, cuja receita será reconhecida em b) Depósitos Não Identificados: referem-se aos valores creditados nas contas do Conselho sem identificação do depositante. c) Outros Credores: constam cheques não compensados de pagamentos a fornecedores. 7

8 Demais Obrigações a Curto Prazo Anuidade do Exercício Seguinte PF Anuidade do Exercício Seguinte PJ Taxa de Renovação do Exercício Seguinte - PJ Outras Taxas do Exercício Seguinte Saldo de Recebimento Antecipado Caixa Econômica Federal Banco do Brasil Banco Santander Saldo Depósito Não Identificados Honorários De Sucumbências Outros Credores Saldo de Credores da Entidade Total Demais Obrigações a Longo Prazo Referem-se aos valores de Rescisão Trabalhista Depósito em Juízo e outros credores. a) Outros Credores: registro das notas fiscais da empresa Metrópole Segurança e Vigilância Ltda., aguardando regularização fiscal e trabalhista do fornecedor para pagamento. Demais Obrigações a Longo Prazo Rescisão Trabalhista Depósito em Juízo Outros Credores Total Resultado Patrimonial Conforme Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP) 6ª Edição, aprovado pela Portaria STN nº 700/2014, as receitas e despesas foram registradas pelo regime de competência. Resultado Patrimonial Variações Patrimoniais Aumentativas (-) Variações Patrimoniais Diminutivas ( ) ( ) Total Resultado Financeiro O resultado financeiro é representado pela diferença entre o ativo financeiro e passivo financeiro em conformidade com a Lei nº 4.320/64.No exercício de 2015 foi apurado um resultado financeiro superavitário de R$ Superávit Financeiro Ativo Financeiro Passivo Financeiro ( ) ( ) Total

9 2.2.6 Resultado Orçamentário As receitas correntes estão representadas por anuidades (receita de contribuições), taxas recebidaspelas inscrições, expedição de carteiras e certidões (receitas de serviços), multa e juros sobre os créditos e rendimentos de aplicações financeiras (receitas financeiras), multa de eleições e transferências do CFM com relação aos projetos de educação médica continuada, fiscalização e custeio. A receita de capital referese ao recebimento de auxílio para investimento do CFM. As despesas são escrituradas pelo regime de competência e estão representadas por despesas administrativas (despesas de custeio), repasse de Cota Parte: 1/3 da arrecadação ao Conselho Federal de Medicina (transferências correntes); aquisições de bens móveis e imóveis (despesas de capital). O superávit orçamentário corresponde à diferença entre as receitas arrecadas e as despesas empenhadas no exercício, cujo montante apurado no exercício foi de R$ Superávit e Déficit Orçamentário Receitas Arrecadadas (corrente + capital) Despesas Empenhadas (corrente + capital) ( ) ( ) Total ( ) Patrimônio Líquido O Patrimônio é constituído de recursos próprios, sofrendo variações em decorrência de superávits ou déficits apurados anualmente. Em 31/12/2015 ficou assim constituído: Evolução do Saldo Patrimonial a) Ajustes de Exercícios Anteriores: Baixa de Depósito judicial trabalhista julgado em 2014, complemento de INSS s/ férias de dezembro de 2014 e reversão do projeto fiscalização 2014 a receber. b) O resultado do exercício de 2015, apurado pela Demonstração das Variações Patrimoniais, foi de R$ , atingindo o patrimônio líquido acumulado de R$ Evolução do Saldo Patrimonial Resultado Acumulado de Exercícios Anteriores Baixa de Depósitos Judiciais em Anos Anteriores - (27.821) Complemento de Provisão de INSS s/ Férias de Dez/ (1.602) Reversão Saldo Projeto Fiscalização de (10.911) Depreciação Acumulada do Exercício de 2013 ( ) - Resultado do Exercício Saldo do Patrimônio Líquido Acumulado no Exercício

10 3. RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS Os restos a pagar não processados abrangem os saldos de despesas empenhadas no exercício, cujo fornecimento de bens ou prestação de serviços não foi concluído até o encerramento do Balanço. A partir de 2013, em cumprimento às normas da STN, mudou-se a forma do registro de Restos a Pagar não Processados, não sendo contabilizados em contras patrimoniais, pois não se trata de uma obrigação presente, ou seja, até a data do balanço não houve a entrega do produto ou do serviço em questão, fato este que caracteriza a liquidação e obrigação do pagamento. Seu registro foi efetuado apenas em contas orçamentárias e o montante evidenciado no do Passivo Financeiro, em quadro complementar do Balanço Patrimonial, em atendimento ao disposto na Lei nº 4.320/64. Passivo Financeiro Total do Passivo Provisões a Curto e Longo Prazo ( ) ( ) Restos a Pagar Não Processados Total Passivo Financeiro São Paulo 31 de dezembro de MARIZE DOS SANTOS SILVA CRC1SP /O-9 SUZANA DANTAS DOS SANTOS Gerente Financeiro DR. ROBERTO LOTFI JUNIOR Diretor Tesoureiro DR. BRAULIO LUNA FILHO Diretor Presidente 10

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Psicologia 7ª Região CRPRS, criado pela Lei 5.766/71, constitui uma Autarquia Federal

Leia mais

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO 1. Contexto Operacional O Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso, criado pelo Decreto-Lei nº 9.295, publicado no Diário Oficial

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO. R E C E I T A 2.009 2.008 ORÇAMENTÁRIA Receitas Correntes 39.347 34.445 Receitas de Capital 179 1.346

BALANÇO FINANCEIRO. R E C E I T A 2.009 2.008 ORÇAMENTÁRIA Receitas Correntes 39.347 34.445 Receitas de Capital 179 1.346 BALANÇO FINANCEIRO R E C E I T A 2.009 2.008 ORÇAMENTÁRIA Receitas Correntes 39.347 34.445 Receitas de Capital 179 1.346 EXTRA-ORÇAMENTÁRIA 53.967 38.755 SALDO DO EXERCÍCIO ANTERIOR 7.838 5.423 TOTAL 101.331

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL O, criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46 publicado no Diário Oficial da União em 28/05/1946, com alterações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E DE 2007 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Atual

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2012. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2012. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 2.267.078,53 55.911,96 88.995,34 2.233.995,15 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 754.790,41 47.591,67 82.318,44 720.063,64 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 16.211,78 28.470,90 35.383,37

Leia mais

CRP/PA Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20

CRP/PA Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20 Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 723.347,50D 3.344.572,02 3.148.733,90 919.185,62D 1.1 - ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

ATIVO. ATIVO CIRCULANTE Notas 2013 2012. Caixa 100,26 389,19 Bancos Contas Movimento 170.158,22 72.838,03 Bancos Contas Aplicação 3.947,20 264.

ATIVO. ATIVO CIRCULANTE Notas 2013 2012. Caixa 100,26 389,19 Bancos Contas Movimento 170.158,22 72.838,03 Bancos Contas Aplicação 3.947,20 264. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ATIVO ATIVO CIRCULANTE Notas 2013 2012 Disponibilidades Caixa 100,26 389,19 Bancos Contas Movimento 170.158,22 72.838,03 Bancos

Leia mais

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI Examinamos as demonstrações contábeis do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI, que compreendem

Leia mais

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.495.467,76 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.213.089,40 1.549.437,08

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.495.467,76 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.213.089,40 1.549.437,08 Pág. : 1 ATIVO 1 ATIVO 2.495.467,76 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.213.089,40 1.549.437,08 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 348.629,69 125.969,11 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 348.629,69

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 1.474.008,93D 717.680,43 804.036,65 1.387.652,71D 1.1 - ATIVO

Leia mais

Demonstrativos Contábeis OCB/RJ

Demonstrativos Contábeis OCB/RJ Demonstrativos Contábeis OCB/RJ Balanço Patrimonial (em R$) ATIVO Circulante Caixa Bancos Creditos a Receber Adiantamento a Terceiros Não Circulante Comodatos Investimentos Imóveis 10.887,19 738,37 3.548,82

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 03 de fevereiro

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO 31/12/2010 31/12/2009 PASSIVO 31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE 2.067.853,08 1.156.034,03 CIRCULANTE 1.444.697,99 375.899,34 DISPONIBILIDADES 1.284.699,22

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2011 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Março / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Março / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 1.543.261,71 238.294,47 513.920,19 1.267.635,99 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 693.440,20 144.392,35 429.891,01 407.941,54 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 91.806,07 71.672,46 44.422,16

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Agosto / 2014.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Agosto / 2014. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 11.172.775,88 871.577,67 961.321,07 11.083.032,48 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 4.814.378,58 747.062,86 843.500,48 4.717.940,96 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.590.302,48 441.011,53

Leia mais

Ref.: Demonstrações Contábeis de 2013

Ref.: Demonstrações Contábeis de 2013 Ao Morro do Chapéu Golfe Clube Belo Horizonte, 28 de fevereiro de 2014. Ref.: Demonstrações Contábeis de 2013 Anexamos às seguintes demonstrações: 1. Balanço Patrimonial: apresenta a situação patrimonial

Leia mais

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.442.880,41 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.144.421,39 1.549.437,08

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.442.880,41 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.144.421,39 1.549.437,08 Pág. : 1 ATIVO 1 ATIVO 2.442.880,41 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.144.421,39 1.549.437,08 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 361.818,48 125.969,11 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 361.818,48

Leia mais

Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015. Tribunal Superior Eleitoral

Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015. Tribunal Superior Eleitoral Página 1 Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Tribunal Superior Eleitoral Ministro José Antonio Dias Toffoli Presidente Ministro Gilmar Ferreira

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

CORE/SE Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Sergipe CNPJ: 13.044.524/0001-26

CORE/SE Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Sergipe CNPJ: 13.044.524/0001-26 Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Sergipe CNPJ: 13.044.524/0001-26 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 614.264,79D 336.216,98 106.634,21 843.847,56D 1.1 - ATIVO

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

Avaí Futebol Clube Fundado em 1º de Setembro de 1923

Avaí Futebol Clube Fundado em 1º de Setembro de 1923 AVAÍ FUTEBOL CLUBE Balanços Patrimoniais Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 (Em Reais) 31.12.2012 31.12.2011 ATIVO CIRCULANTE 5.329.334,04 2.054.062,38 Disponibilidades 151.877,42 115.555,45.

Leia mais

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES INSTITUTO RIO

Leia mais

Folha: 1 Descrição Class.Externa Saldo Anterior Débito Crédito Saldo Atual

Folha: 1 Descrição Class.Externa Saldo Anterior Débito Crédito Saldo Atual Folha: 1 [1]ATIVO [1-1]ATIVO CIRCULANTE [1-1-1]ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO [1-1-1-01]DISPONÍVEL [1-1-1-01-02]BANCOS CONTA MOVIMENTO [1-1-1-01-02-01]BANCOS [1-1-1-01-02-01-01]BANCO DE BRASILIA C/C:

Leia mais

Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini

Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

Fundação Iochpe Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2.012 e de 2.011 Cifras apresentadas em reais

Fundação Iochpe Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2.012 e de 2.011 Cifras apresentadas em reais 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Iochpe foi instituída pela Companhia Iochpe e atualmente a sociedade mantenedora é a Iochpe-Maxion S/A e suas subsidiárias. A Fundação tem por finalidade cumprir a função

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A)

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A) 6. PLANO DE CONTAS É apresentada abaixo a estrutura do Plano de Contas elaborada para o Manual de Contabilidade do Serviço Público de Exploração da Infraestrutura Rodoviária Federal. Legenda: (A) Rubrica

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PERÍODO 01/01/2011 a 31/12/2011 (Em Reais, Mil)

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PERÍODO 01/01/2011 a 31/12/2011 (Em Reais, Mil) 1. CONTEXTO OPERACIONAL NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PERÍODO 01/01/2011 a 31/12/2011 (Em Reais, Mil) O Instituto Nordeste Cidadania é uma organização sem finalidade lucrativa, considerada

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS,

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Belo Horizonte, 14 de abril de 2015. Atenciosamente,

Belo Horizonte, 14 de abril de 2015. Atenciosamente, Belo Horizonte, 14 de abril de 2015 Ilmos. Srs. Diretores da União Brasileira Para a Qualidade (UBQ) Belo Horizonte - MG Prezados Senhores, Como parte do programa de revisão dos procedimentos contábeis

Leia mais

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 AudiBanco - Auditores independentes SS Rua: Flores da

Leia mais

Ano 2015, Número 018 Brasília, terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Página 1

Ano 2015, Número 018 Brasília, terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Página 1 Ano 2015, Número 018 Brasília, terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Página 1 Ano 2015, Número 018 Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Tribunal

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE CNPJ: 84.953.579/0001-05 Av. Castelo Branco, 170 - CEP 88.509-900 Lages SC

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE CNPJ: 84.953.579/0001-05 Av. Castelo Branco, 170 - CEP 88.509-900 Lages SC 1) ATIVIDADE OPERACIONAL FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE CNPJ: 84.953.579/0001-05 Av. Castelo Branco, 170 - CEP 88.509-900 Lages SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO

Leia mais

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014.

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. NOTAS EXPLICATIVAS O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. Nota 1 Conteúdo Operacional Senac, criado pelo

Leia mais

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.225.971,91 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.936.427,45 1.549.437,08

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.225.971,91 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.936.427,45 1.549.437,08 Pág. : 1 ATIVO 1 ATIVO 2.225.971,91 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.936.427,45 1.549.437,08 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 255.562,12 125.969,11 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 255.562,12

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui:

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui: 1 - A INSTITUIÇÃO E SUAS OPERAÇÕES. A ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO POUPEX, organizada sob a forma de sociedade civil, de acordo com as Leis nº. 6.855, de 18.11.1980, e 7.750, de 13.04.1989, e demais

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 (Em Reais) ATIVO 31/12/08

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015 : 1 1 ATIVO 6.696.323,89D 1.488.250,06 1.434.586,10 6.749.987,85D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 4.489.543,31D 1.482.146,36 1.418.329,94 4.553.359,73D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 4.192.202,67D 1.192.026,76 1.128.756,69

Leia mais

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Classificação CONTA 1. ATIVO 1. 1. ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. DISPONIBILIDADES 1. 1. 1. 01. CAIXA GERAL 1. 1. 1. 01. 1001 Caixa 1. 1. 1. 02. BANCOS CONTA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CRA/RJ

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CRA/RJ RECEITAS 1 - O Orçamento do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro para o exercício financeiro de 2011, estima a receita em R$ 14.630.700,00 e fixa sua despesa em igual importância. 2 - A

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE URUCARA

CÂMARA MUNICIPAL DE URUCARA JulhoPágina 1 de 6 100000000 02 ATIVO - 726.700,48 176.211,09 176.376,09 726.535,48 110000000 02 ATIVO CIRCULANTE - 20.757,34 176.211,09 176.376,09 20.592,34 111000000 02 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

Leia mais

DR - Empresa de Distribuição e Recepção de TV Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de

DR - Empresa de Distribuição e Recepção de TV Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

COOPERACS - SP. Demonstrações Contábeis Referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 e Relatório de Auditoria

COOPERACS - SP. Demonstrações Contábeis Referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 e Relatório de Auditoria COOPERACS - SP Demonstrações Contábeis Referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 e Relatório de Auditoria Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa - Cnac São Paulo, 11

Leia mais

Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes:

Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes: 1 CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - ASPECTOS PATRIMONIAIS OFICINA 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA

Leia mais

Balancete Analítico de 01/12/2010 até 31/12/2010 Folha :1

Balancete Analítico de 01/12/2010 até 31/12/2010 Folha :1 Balancete Analítico de 01/12/2010 até 31/12/2010 Folha :1 ATIVO - [7] ATIVO CIRCULANTE - [14] DISPONIBILIDADES - [21] CAIXA - [12068] CAIXA - [28] =CAIXA 1.676,96D 1.498,93 1.748,46 1.427,43D 1.676,96D

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS DIRETÓRIOS PARTIDÁRIOS Tendo em vista a obrigação das agremiações partidárias de prestar contas até 30 de abril de 2014, referente ao exercício

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - SP Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2015. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - SP Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2015. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 6.962.923,94 955.075,63 999.851,97 6.918.147,60 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.575.224,25 286.194,78 341.306,07 2.520.112,96 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 998.084,67 206.815,23

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES AMERICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 CONTEÚDO Relatório dos auditores

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 1.267.635,99 199.024,16 243.515,58 1.223.144,57 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 407.941,54 177.708,38 222.564,32 363.085,60 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 119.056,37 76.325,59 56.861,51

Leia mais

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em Reais) Ativo Nota Passivo e patrimônio líquido Nota Circulante Circulante Caixa

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011

INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 JSL/TMF/AB/APM 1294/13 Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de

Leia mais

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Índice Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

Política Contábil de Investimentos

Política Contábil de Investimentos Política Contábil de Investimentos 1 Sumário CONCEITUAÇÃO... 4 OBJETIVO... 4 REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 APLICAÇÃO... 5 DEFINIÇÕES... 6 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS CONTÁBEIS... 8 Influência Significativa...

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENT. TEC. FLUMINENSE-PRÓ-IFF NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2012

FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENT. TEC. FLUMINENSE-PRÓ-IFF NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2012 FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENT. TEC. FLUMINENSE-PRÓ-IFF 1 - CONTEXTO OPERACIONAL CNPJ SOB O Nº 04.016.579/0001-31 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2012

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais