Conjunto de instruções e modos de. aula 4. Profa. Débora Matos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conjunto de instruções e modos de. aula 4. Profa. Débora Matos"

Transcrição

1 Conjunto de instruções e modos de endereçamento aula 4 Profa. Débora Matos

2 Conjunto de Instruções A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) A H denotam posições da memória endereços As arquiteturas possuem as seguintes operações aritméticas: ADD para soma SUB para subtração MUL para multiplicação DIV -para divisão

3 Arquitetura de 4 endereços A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) OP E1 E2 E3 E4 Endereço Instrução Comentário e1 ADD B C A e2 Soma Bcom C, salva resultado em A e2 MULA D A e3 MultiplicaA por D, salva resultado em A e3 ADD AE A e4 Soma A com E, salvaresultado em A e4 SUB A F A e5 Subtrai F de A,salva resultado em A e5 DIV A GA e6 Divide A por G, salva resultado em A e6 DIV A HA e7 Divide A porh, salva resultado em A e7 HALT Fim do programa

4 Arquitetura de 4 endereços Que tipo de instruções não são necessárias no modelo de arquitetura com 4 endereços?

5 Arquitetura de 3 endereços Surgiu a necessidade de se utilizar um registrador específico para controlar o endereço da próxima instrução:

6 Arquitetura de 3 endereços Surgiu a necessidade de se utilizar um registrador específico para controlar o endereço da próxima instrução: PC programcounter

7 Arquitetura de 3 endereços A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) OP E1 E2 E3 Endereço Instrução Comentário e1 ADD B C A Soma Bcom C, salva resultado em A, incrementa PC e2 MULA D A MultiplicaA por D, salva resultado em A, incrementa PC e3 ADD AE A Soma A com E, salvaresultado em A, incrementa PC e4 SUB A F A Subtrai F de A,salva resultado em A, incrementa PC e5 DIV A GA Divide A por G, salva resultado em A, incrementa PC e6 DIV A HA Divide A porh, salva resultado em A, incrementa PC e7 HALT Fim do programa

8 Arquitetura de 3 endereços Quais as vantagens e desvantagens da arquitetura de 3 endereços para a arquitetura de 4 endereços? Vantagens: Redução do tamanho da instrução -> redução do tamanho da memória; Desvantagens: Necessidade de instruções explicitas de desvio (como JUMP e BRANCH); Não permite mais executar simultaneamente uma instrução de manipulação de dados e uma instrução de desvio do fluxo de programa.

9 Arquitetura de 3 endereços Quais as vantagens e desvantagens da arquitetura de 3 endereços para a arquitetura de 4 endereços? Vantagens: Redução do tamanho da instrução -> redução do tamanho da memória; Desvantagens: Necessidade de instruções explícitas de desvio (como JUMP e BRANCH); Não permite mais executar simultaneamente uma instrução de manipulação de dados e uma instrução de desvio do fluxo de programa.

10 Arquitetura de 2 endereços A economia de memória e a obrigatoriedade de desenvolvimento de programas sequencias compensam o grau de liberdade as instruções com 4 endereços; No entanto, instruções de 3 endereços ainda consomem muita memória; Observando-se os programas de 3 instruções, muitas das vezes, um dos operandosfonte é o mesmo operando destino. Simplificando-se essa arquitetura, tem-se arquiteturas de 2 endereços.

11 Arquitetura de 2 endereços OP E1 E2 E1 e E2 indicam a localização dos dois operandosfontes; E1 indica também a localização do operando destino; Não são mais possíveis instruções com 3 operandos distintos. O que muda agora?

12 Arquitetura de 2 endereços OP E1 E2 Maior redução das instruções; Pode requerer 2 instruções para apenas 1 instrução da arquitetura com 3 endereços; Introduz uma restrição: o resultado é armazenado em um dos operandosfonte, perdendo o dado anterior deste operando; Que grupos de instruções foram necessárias agora?

13 Arquitetura de 2 endereços A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) OP E1 E2 Endereço Instrução Comentário e1 MOV AB Move B paraa e2 ADD A C Soma A com C, resultado em A e3 MULA D MultiplicaA por D, resultado em A e4 ADD AE Soma A com E,resultado em A e5 SUB A F Subtrai F de A,resultado em A e6 DIV A G Divide A por G, resultado em A e7 DIV A H Divide A porh, resultado em A e8 HALT Fim do programa

14 Arquitetura de 1 endereço Com a criação de registradores especiais, pode-se reduzir ainda mais o número de endereços, criando-se as arquiteturas de 1 endereço; OP E1 E1 indica a localização de um operando de memória, normalmente 1 dos operandosfontes da operação; O outro operando é o acumulador (AC); O acumulador assume os papéis de um dos operandos fonte e do operando destino.

15 Arquitetura de 1 endereço OP E1 Agora as instruções de movimentação precisam ser subdivididas de acordo com o sentido da transferência: Da memória para o acumulador (LDA LoaD acumulator) Do acumulador para a memória (STA STore Acumulator)

16 Arquitetura de 1 endereço A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) OP E1 Endereço Instrução Comentário e1 LDA B Move B para o acumulador e2 ADD C Soma Acumulador com C, resultado no acumulador e3 MUL D Multiplica acumulador por D, resultado no acumulador e4 ADD E Soma acumulador com E, resultado no acumulador e5 SUB F Subtrai F do acumulador, resultado no acumulador e6 DIV G Divide acumulador por G, resultado no acumulador e7 DIV H Divide acumulador por H, resultado no acumulador e8 STA A Armazena acumulador no endereço H e9 HALT Fim do programa

17 Arquitetura de 1 endereço A grande vantagem deste tipo de arquitetura está na economia de acessos a memória, realizando basicamente operações com o acumulador; Este é o papel dos registradores locais, as arquiteturas atuais apresentam vários registradores de uso geral com essa mesma finalidade.

18 Arquitetura de zero endereços OP Não existe nenhuma referência explícita à endereços de memória onde estejam localizados os operandos; A solução nesse caso é usar uma pilha: os operandos são sempre retirados do topo da pilha. Duas instruções manipulam a pilha: PUSH E POP PUSH insere um dado no topo da pilha POP remove o dado no topo da pilha

19 Arquitetura de zero endereços A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) Endereço Instrução Comentário e1 PUSHH ColocaH no topo da pilha e2 PUSH G ColocaG no topo da pilha e3 PUSH F ColocaF no topo da pilha e4 PUSH E ColocaE no topo da pilha e5 PUSH D ColocaD no topo da pilha e6 PUSH C ColocaC no topo da pilha e7 PUSH B ColocaB no topo da pilha e8 ADD Topo da pilha recebeb + C (B e C são retirados da pilha) e9 MUL Topo recebe (B+C)* D e10 ADD Topo recebe (B+C)*D+ E e11 SUB Topo recebe (B+C)*D+ E-F e12 DIV Topo recebe ((B+C)*D+ E F)/ G e13 DIV Topo recebe ((B+C)*D+ E F )/ G* H e14 POP A Topo da pilha é armazenado em A e15 HALT Fim do programa

20 Trata-se de um computador hipotético; Características: Computador Neander Largura de dados e endereços de 8 bits; Dados representados em complemento de 2; Possui 1 acumulador de 8 bits; Possui 1 apontador de programas de 8 bits (PC); 1 registrador de estados com 2 códigos de condição: negativo (N) e zero (Z);

21 Modos de endereçamento do Neander O Neandersó possui um modo de endereçamento, o modo direto; O endereço passado na instrução corresponde o endereço de memória do operando; Nas instruções de desvio, o endereço contido na instrução corresponde à posição de memória onde está a instrução a ser executada.

22 Códigos de condição N (negativo): 1 resultado é negativo 0 resultado é positivo (zero é considerado positivo) Z (zero) 1 resultado é igual a 0; 0 resultado é diferente de 0; As instruções que alteram os códigos de condição são as instruções lógicas e aritméticas: ADD, NOT, AND, OR e a instrução LDA.

23 Conjunto de instruções do Neander Código Instrução Comentário 0000 NOP Nenhuma operação 0001 STA end Armazena acumulador (store) 0010 LDA end Carrega acumulador (load) 0011 ADD end Soma 0100 OR end ou lógico 0101 AND end e lógico 0110 NOT Inverte (complementa) acumulador 1000 JMP end Desvio incondicional (jump) 1001 JN end Desvio condicional (jump on negative) 1010 JZ end Desvio condicional (jump on zero) 1111 HLT Término da execução(halt)

24 Modos de endereçamento do Neander end endereço direto Nas instruções STA, LDA, ADD, OR e AND, end corresponde ao endereço do operando. Nas instruções JMP, JN e JZ, endcorresponde ao endereço de desvio.

25 Conjunto de instruções do Neander Instrução NOP STA end LDA end ADD end OR end AND end NOT JMP end JNend JZ end HLT Comentário Nenhuma operação MEM(end) <- AC AC <- MEM(end) AC <-MEM(end) + AC AC <-MEM(end) orac AC <-MEM(end) andac AC <-NOT AC PC <-end IFN=1 thenpc <-end IFZ=1 thenpc <-end Término da execução(halt)

26 Formato das instruções As instruções são formadas por um ou dois bytes, ou seja, ocupam 1 ou 2 posições da memória; Código da instruçãoo Não usado Endereço direto No Neanderas instruções de 2 bytes são aquelas que fazem referência à memória.

27 Exercícios sobre o Neander Para todos os programas considere: Início do programa posição 0 (0H) Início dos dados posição 128 (80H) 1) Faça um para subtrais duas variáveis de 8 bits representadas em complemento de 2. posição 128: minuendo posição 129: subtraendo Posição 130: resultado

28 Exercícios sobre o Neander 2) Determine qual o maior de 3 variáveis positivas de 8 bits representadas em complemento de 2 e armazenadas em posições consecutivas de memória. O resultado (a maior variável) deve aparecer na posição de memória consecutiva às ocupadas pelas variáveis na área reservada aos dados.

29 Exercícios sobre o Neander 3) Faça um programa que determine a ocorrência de overflow na soma de duas variáveis. As variáveis são de 8 bits em complemento de dois e estão armazenadas em posições consecutivas de memória (128 e 129). O resultado da soma também em 8 bits deve aparecer na primeira posição livre (130) e o overflow deve ser indicado da seguinte forma: Posição 131: conteúdo = 0H não ocorreu overflow conteúdo = FFH ocorreu overflow

30 Modos de endereçamento

31 Modosde endereçamento Imediato Direto Indireto Registrador Registrador Indireto Deslocamento (Indexado) Pilha

32 Endereçamento Imediato O operando vem como parte da instrução Ex. ADD 5 Adiciona 5 ao conteúdo do acumulador 5 é um operando que vem no campo de endereço da instrução Nenhum acesso a memória é necessário Rápido Intervalo de definição dos operandos é limitado

33 Endereçamento Imediato

34 Endereçamento Direto O campo de endereço contém o endereço do operando Ex. ADD A Procura na posição A da memória pelo operando; Adiciona o conteúdo da posição A na memória ao acumulador; Um único acesso a memória na busca do operando; Não há necessidade de cálculos adicionais para encontrar o endereço efetivo; Espaço de endereçamento limitado pelo campo.

35 Endereçamento Direto

36 Endereçamento Indireto O Campo de endereço aponta para uma posição de memória que contém o endereço do operando; Endereço Efetivo EE = Conteúdo da posição (A) Ex. ADD (A) Busca em A, encontra o endereço do operando (A) e busca em (A) pelo operando Adiciona o conteúdo do endereço efetivo ao acumulado

37 Endereçamento Indireto

38 Endereçamento por registrador Operando se encontra em um registrador indicado no campo de endereço da instrução EE = R Número de registradores limitado O campo de endereço não necessita ser grande Pequenas instruções Busca da instrução mais rápida

39 Endereçamento por registrador Não há acesso a memória Execução muito rápida Espaço de endereçamento muito limitado Mais registradores contribui com o desempenho Requer bons compiladores ou boa programação assembly

40 Endereçamento por registrador

41 Endereçamento por registrador indireto Endereçamento Indireto EE = (R) O operando está na posição de memória apontada pelo do registrador indicado no campo de endereçamento; Espaço de endereçamento (2 n ) Um acesso a memória

42 Endereçamento por registrador indireto

43 Endereçamento por deslocamento O operando se encontra na memória em uma posição deslocada com relação ao endereço fornecido no campo de endereço EE = A + (R) O campo de endereço pode ter dois valores A = Guarda o endereço de base R = Guarda o conteúdo do deslocamento ou o contrário O registrador pode ser um registrador default (economia de bits na instrução)

44 Endereçamento por deslocamento

45 Endereçamento por deslocamento

46 Endereçamento por deslocamento Os três usos mais comuns do endereçamento por deslocamento são: Endereçamento relativo (PC) Endereçamento registrador-base Endereçamento indexado

47 Endereçamento relativo Uma versão do endereçamento indexado R = Contador de programa, PC EE = A + (PC) O operando se encontra deslocado do valor indicado no campo de endereço da instrução, com relação ao endereço apontado por PC

48 Endereçamento registrador-base Idêntico ao endereçamento por deslocamento A contém o deslocamento R contem o endereço de base R pode ser implícito ou explícito Ex. registradores de segmento no 80x86

49 Endereçamento indexado A = Base R = Deslocamento EE = A + R Uso em acesso a arrays EE = A + R R++

50 Indexação indireta Pós-indexação: indexação feita depois do endereçamento indireto EE = (A) + (R) Pré-indexação: indexação feita antes do endereçamento indireto EE = (A+(R)

51 Endereçamento de pilha O operando é o topo da pilha Ex. ADD -desempilha e adiciona os dois itens do topo da pilha.

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 2 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Universidade Federal do Pampa Campus-Bagé Arquitetura e Organização de Computadores Aula 2 Revisão de Conceitos e Introdução a Desempenho Prof. Julio Saraçol juliosaracol@gmail.com Slide1 Aula 2 REVISANDO

Leia mais

Objetivos Gerais. Arquitetura de Computadores. Arquiteturas estudadas. O Computador Neander

Objetivos Gerais. Arquitetura de Computadores. Arquiteturas estudadas. O Computador Neander Objetivos Gerais Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2005 ISA Parte II: Arquiteturas-Exemplo Simuladores e Máquinas Reais Demonstrar os conceitos genéricos

Leia mais

Neander - características

Neander - características NEANDER x RAMSES (Ou porque da necessidade de upgrade :-) Texto original: ftp://ftp.inf.ufrgs.br/pub/inf108/ramses-instrucoes.ppt Neander - características Largura de dados e endereços de 8 bits Dados

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 4 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Esta pseudomáquina foi criada em homenagem ao homem de Neandertal, o antecessor do homo sapiens.

Esta pseudomáquina foi criada em homenagem ao homem de Neandertal, o antecessor do homo sapiens. Documentação Neander C O Neander C O computador hipotético Neander Características Modos de endereçamento Conjunto de instruções Obtendo o Neander C Compilando o Neander C Executando o Neander C Programando

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I:

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I: Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores Unidade I: 0 Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA E REGISTRADORES O Processador é um chip com milhares de

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina Arquitetura de Computadores Linguagem de Máquina Ivan Saraiva Silva Formato de Instrução MAC O MIC possui dois formatos de instrução: 4 bits 12 bits Formato 1 CODOP ENDEREÇO 8 bits 8 bits Formato 2 CODOP

Leia mais

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são:

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são: NEANDERWIN O NeanderWin é um simulador da máquina Neander, definida no livro do Raul F. Weber (UFRGS), Fundamentos de Arquitetura de Computadores, Ed. Sagra Luzzatto. A máquina original foi estendida aqui

Leia mais

Computador Cleópatra

Computador Cleópatra ORGNIZÇÃO E RQUITETUR DE COMPUTDORES Computador Cleópatra Introdução a rquitetura e Programação lexandre mory Edson Moreno 2 / 9 Na ula nterior bstração em Software Programa em linguagem C Programa em

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas Conjunto de instruções O Conjunto de Instruções ISA Instruction Set Architecture Alguns conceitos... Linguagem máquina Combinação de 0 s e 1 s organizados segundo palavras que são as instruções que o processador

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Procedimentos e a Pilha Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 O que é a pilha? A pilha é uma estrutura

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação

PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação Aula 02 Anarosa Alves Franco Brandão (PCS 2302) Jaime Simão Sichman (PCS 2302) (PCS 2024) Ricardo Luís de Azevedo da Rocha (PCS 2024) Monitores:

Leia mais

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Componentes de um Computador (5) Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02597 Com slides de Roberta Lima Gomes

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

Funcionamento básico de um computador

Funcionamento básico de um computador Funcionamento básico de um computador Processador Unidade de dados Unidade de controlo Arquitetura de computador básica Linguagem assembly Exemplos Arquitetura de Computadores Funcionamento básico de um

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 13) Fluxo de Controle Fluxo Seqüencial de Controle e Desvios (1) Fluxo de Controle: É a seqüência na qual instruções são dinamicamente executadas Isto

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 ISA: Arquitetura de Conjunto de Instruções Roteiro Introdução Classificação de conjuntos de instruções Endereçamento

Leia mais

Introdução à programação em linguagem assembly

Introdução à programação em linguagem assembly Introdução à programação em linguagem assembly Espaço de endereçamento Instruções de acesso à memória Modos de endereçamento Diretivas Tabelas Pilha Rotinas Arquitetura de Computadores Introdução à programação

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Computadores - Princípio Funcionamento da CPU Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Von Neumann Memória Principal CPU ULA UC Dispositivo E/S ULA : Unida Lógica Aritmética UC : Unida Controle

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - O NÍVEL DA ARQUITETURA DO CONJUNTO DAS INSTRUÇÕES (ISA) (Nível Convencional de Máquina) 1. INTRODUÇÃO Este é o nível responsável por fazer a ligação entra a parte de hardware e a parte de software

Leia mais

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral Processador de uso geral 1. Introdução: Um sistema digital completo é constituído de uma unidade controle e o bloco operacional. Na figura a seguir alguns elementos externos necessários para completar

Leia mais

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador:

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador: Computador HIPO Para introduzirmos as noções básicas de como funciona um computador, empregaremos um modelo imaginário (hipotético) que denominaremos de computador hipo. O funcionamento desse modelo tem

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

Linguagem de Montagem do NeanderX

Linguagem de Montagem do NeanderX Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Arquitetura de Computadores Linguagem de Montagem do NeanderX 11.5.2006 Geração Programa Executável Linguagens de Programação As linguagens de programação

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

Instituto Politécnico. Curso: Tec. Redes de Computadores. Disciplina: Organização de Computadores. Prof.: Fábio Lucena Veloso

Instituto Politécnico. Curso: Tec. Redes de Computadores. Disciplina: Organização de Computadores. Prof.: Fábio Lucena Veloso Instituto Politécnico Curso: Tec. Redes de Computadores Disciplina: Organização de Computadores Prof.: Fábio Lucena Veloso Curso: Tec. Análise de Sistemas Disciplina: Organização de Computadores Prof.:

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

O Computador Neander Neander - Computador Hipotético Didático

O Computador Neander Neander - Computador Hipotético Didático Neander - Computador Hipotético Didático [Weber 2001] Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Raul Weber - Ed. Sagra. Site - ftp://ftp.inf.ufrgs.br/pub/inf107/ Arquitetura: características gerais Largura

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

A Figura 1 mostra uma organização do NEANDER com uma UAL de 6 funções. Figura 1: Organização para o NEANDER.

A Figura 1 mostra uma organização do NEANDER com uma UAL de 6 funções. Figura 1: Organização para o NEANDER. Disciplina: Arquitetura de Computadores Turma: 3CC Data: 18/12/12 Nota: Professor: Renato E. N. de Moraes Semestre: 2012-2 Valor: 2,0 pt Aluno: Trabalho 01 - Projeto Neander O computador NEANDER foi criado

Leia mais

Computador Cleópatra

Computador Cleópatra ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES Computador Cleópatra Interface Hardware e Software Alexandre Amory Edson Moreno 2 / 9 Nas Aulas Anteriores Vimos como descrever e implementar circuitos combinacionais

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 2- Exemplo de Microarquitetura

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

NEANDERWIN - Resumo operacional

NEANDERWIN - Resumo operacional NEANDERWIN - Resumo operacional Sumário Listagem geral das instruções... 2 NOP... 2 LDI imed... 2 STA ender... 2 LDA ender... 3 ADD ender... 3 SUB ender... 3 OR ender... 4 AND ender... 4 NOT... 4 JMP ender...

Leia mais

Organização de Computadores Hardware

Organização de Computadores Hardware Organização de Computadores Hardware Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Computador Ferramenta

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC por Helcio Wagner da Silva Introdução RISC = Reduced Instruction Set Computer Elementos básicos: Grande número de registradores de propósito geral ou uso

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Linguagem de programação Linguagem de Alto Nível próximo ao ser humano, escrita de forma textual. Ex: if (a==b) a=b+c; Linguagem de Montagem (Assembly) próximo à linguagem de máquina, escrita em códigos

Leia mais

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções O Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções (ISA - Instruction Set Architecture) é a interface entre software

Leia mais

Paralelismo a Nível de Instrução

Paralelismo a Nível de Instrução Paralelismo a Nível de Instrução É possível obter maior desempenho computacional com: tecnologias mais avançadas, tais como circuitos mais rápidos; melhor organização da CPU, tais como o uso de múltiplos

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO A Pilha Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br 1/5

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante a execução de

Leia mais

Nível da Microarquitetura

Nível da Microarquitetura Nível da Microarquitetura (Aula 10) Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos: Camilo Calvi - LPRM/DI/UFES Máquina de Vários Níveis Modernas (ISA)

Leia mais

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR Introdução Instruções são representadas em linguagem de máquina (binário) E x i s t e m l i n g u a g e n

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação Aula 2 Arquitetura do Processador MIPS: características gerais, registradores, formatos de instrução,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Arquitectura do Conjunto de Instruções. Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico

MICROPROCESSADORES. Arquitectura do Conjunto de Instruções. Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central de Processamento

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Organização de Computadores Software

Organização de Computadores Software Organização de Computadores Software Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Objetivos: Entender

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Programando o computador IAS

Programando o computador IAS Programando o computador IAS Edson Borin e Rafael Auler 21 de março de 2012 1 Introdução O computador IAS foi um dos primeiros computadores a implementar o conceito do programa armazenado. Neste paradigma,

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO

MODOS DE ENDEREÇAMENTO UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODOS DE ENDEREÇAMENTO MARINGÁ 2014 SUMÁRIO 6 MODOS DE ENDEREÇAMENTO...2 6.1 ENDEREÇAMENTO

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante

Aritmética de Ponto Flutuante Aritmética de Ponto Flutuante Formato Padrão IEEE 32 bits, Sinal, Expoente e Mantissa, Normalização, Conversão, Unidade de Ponto Flutuante Intel (FPU), Registradores e Instruções associados à FPU Orlando

Leia mais

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA.

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA. Representação de Dados Tipos de dados: Caracteres (letras, números n e símbolos). s Lógicos. Inteiros. Ponto flutuante: Notações decimais: BCD. A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante

Aritmética de Ponto Flutuante Aritmética de Ponto Flutuante Entre 1970 e 1980 um grupo formado por cientistas e engenheiros de diferentes empresas de computação realizou um trabalho intenso na tentativa de encontrar um padrão de representação

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Conjunto de. Instrução MIPS. Parte II. Instruções MIPS. Instruções MIPS. Instruções MIPS :: Instruções lógicas. :: Instruções lógicas

Conjunto de. Instrução MIPS. Parte II. Instruções MIPS. Instruções MIPS. Instruções MIPS :: Instruções lógicas. :: Instruções lógicas Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina FACAPE Conjunto de Pae II Transferência de Dados Lógicas Controle Supoe a procedimentos Prof. Sérgio Adaptado dos slides de Sistemas Processadores

Leia mais

Representando Instruções no Computador

Representando Instruções no Computador Representando Instruções no Computador Humanos aprenderam a pensar na base 10 Números podem ser representados em qualquer base Números mantidos no hardware como série de sinais eletrônicos altos e baixos

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Organização e Arquitetura de Computadores

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Organização e Arquitetura de Computadores Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Organização e Arquitetura de Computadores Questão 1) Considere o projeto de um circuito digital que implementa a função f

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Conjunto de Instruções (ISA) I

Conjunto de Instruções (ISA) I Conjunto de Instruções (ISA) I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-10-16 José Costa (DEI/IST) Conjunto de Instruções

Leia mais

III.2 - Princípios de Arquitetura

III.2 - Princípios de Arquitetura Conjunto de Instruções e Modo de Endereçamento Ciclo de busca decodificação execução de instruções Programação de um processador Arquitetura de Von Neumann e Componentes Arquiteturas 4, 3, 2, 1 e 0 Tabela

Leia mais

Computador: Hardware + Software

Computador: Hardware + Software Conceitos Básicos de Arquitetura de Computadores Capítulo 3 Computador: Hardware + Software 1 Computador: Hardware + Software Aplicação (Netscape) Software Hardware Compilador Montador Processor Memory

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 6: 27 de abril de 2010 1 Recaptulando operações já estudadas Operações lógicas 2 3 Exercícios Referências bibliográficas Recaptulando operações já estudadas Operações

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE http://mcu8051ide.sourceforge.net/ Tela inicial Criar novo projeto:

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Arquitetura: características gerais

Arquitetura: características gerais Neander - Computador Hipotético Didático [Weber 2001] Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Raul Weber - Ed. Sagra. Site - ftp://ftp.inf.ufrgs.br/pub/inf107/ Arquitetura: características gerais Largura

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Processadores Superescalares. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Processadores Superescalares. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Processadores Superescalares por Helcio Wagner da Silva Introdução O Pipeline é uma técnica desenvolvida para a melhoria do desempenho frente à execução seqüencial de instruções

Leia mais

Capítulo 3 Processadores de Propósito Geral: Software

Capítulo 3 Processadores de Propósito Geral: Software Capítulo 3 Processadores de Propósito Geral: Software Prof. Romis Attux EA075 2015 Obs: Os slides são parcialmente baseados nos dos autores do livro texto Processadores de Propósito Geral Um processador

Leia mais

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90.

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90. Capítulo 8. CICLOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceito de ciclo Comandos do FORTRAN: DO END DO, EXIT 8.1 programa8a.f90 Para inicializar as atividades deste capítulo, deve-se executar: 1) Para acessar o programa

Leia mais

http://www.risesecurity.org Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org

http://www.risesecurity.org Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org Ataques Polimórficos Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org A idéia - Detectores de intrusos utilizam-se de assinaturas de ataques para identificação dos mesmos - Sistemas

Leia mais