( ). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br"

Transcrição

1 Registros de Batismo da Paróquia Nossa Senhora Penha de França: Uma fonte para o estudo do cotidiano privado das crianças negras livres na província de São Paulo ( ). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. A presente comunicação tem como objetivo apresentar os registros de batismos de crianças negras livres, após 1871 como uma fonte que possibilita a identificação de vestígios dos processos educativos e de elementos cotidiano privado das crianças negras livres. Comumente, os registros de batismos são fontes amplamente utilizadas nos estudos do campo da historiografia, principalmente em estudos que privilegiam a demografia da família escravizada. Após, 1871 quando é promulgada a lei do ventre livre, o registro de batismo torna-se um instrumento essencial para o asseguramento da liberdade dos filhos e filhas de famílias escravizadas. Para mergulhar e compreender a dimensão do mundo privado das crianças negras livres, alguns aspectos da documentação serão detalhados e diagnosticados com o intuito de demonstrar de que forma, a inserção dessa fonte documental colabora para o enriquecimento dos estudos do Campo da Historiografia Educacional. Nesse sentido, nessa comunicação vislumbramos inicialmente apresentar uma descrição histórica da importância do uso dos registros de batismos especialmente, após 1871 pontuando especialmente, os desafios e possibilidades de análise dessa fonte documental. Do mesmo modo, que se fez necessário caracterizar as particularidades da Freguesia Nossa Senhora Penha de França que é o lócus do nosso estudo, pois embora haja uma homogeneidade na produção dos registros de batismos, as informações referentes ao cotidiano privado da vida das crianças negras livres estão estritamente relacionadas com o contexto social, no qual a fonte documental foi produzida. Posteriormente, adentraremos nas análises das informações referentes às madrinhas e padrinhos das crianças negras livres que são sujeitos sociais de extrema importância dentro do contexto escravista. Em relação às crianças negras livres, demonstraremos como informações como a questão da legitimidade, o intervalo de tempo entre o nascimento e a data dos registros, o dia do batismo, dado identificado com o auxílio do calendário perpétuo possibilitam acompanhar os vestígios da dinâmica e a organização da família escravizada, do mesmo modo que revela os aspectos dos processos educativos em âmbito privado das crianças negras livres. Por fim, ressaltamos que essa foi apenas, uma das possibilidades de análise e compreensão de alguns aspectos do cotidiano privado das crianças negras livres da Paróquia Nossa Senhora da Penha França, portanto não a única e, certamente ao analisarmos outras paróquias outras informações em torno do cotidiano da criança negra livre emergirão. Nessa comunicação a nossa intenção é apontar as possibilidades e desafios, e principalmente a contribuição dessa fonte documental dentro do campo da Historiografia Educacional. 1 Doutoranda em História da Educação pela Faculdade de Educação da USP.

2 Palavra Chaves: crianças negras livres;registros de batismos; fontes 1. Considerações Iniciais O registro de batismo é uma fonte documental amplamente utilizada pelos estudos populacionais, sobretudo nos estudos sobre a vida de populações do passado, como por exemplo, os estudos sobre famílias escravizadas. De acordo com Portela (2012): Os estudos sobre família escrava brasileira realizados entre os anos de 1960 e 1970, comumente teciam duas considerações em torno da família escravizada: apontavam a inexistência de laços familiares entre os escravizados e assinalavam a patologia da família escrava. Esses aspectos eram reforçados pelos viajantes estrangeiros 2, cujas análises levavam a crer que a vda na senzala era repleta de promiscuidade sexual, uniões instáveis e crianças escravizadas crescendo sem a figura paterna. Slenes (1999) identifica o surgimento de uma abordagem inovadora nos estudos sobre família escravizada no Brasil, principalmente entre os anos de 1975 e 1976 essas pesquisas acabavam por contestar a visão de família escravizada descrita anteriormente. O mesmo autor argumenta que de forma geral, os estudos sobre família escravizadas têm: Alternativamente, têm apontado para a existência significativa de laços de parentescos simples (aqueles entre conjugues e entre pai/mãe e filhos), apesar do desiquilíbrio numérico causado pelo tráfico interno de escravos.( Slenes, p.44, 1999). Os novos estudos sobre família de escravizados revelam que de modo geral, as famílias eram extensas e não necessariamente formadas por membros com laços consangüíneos, o que se caracteriza como uma estratégia de sobrevivência dos escravizados perante a hostilidade do sistema escravocrata. Essa composição familiar era indício de uma nova configuração dos escravizados em situação de cativeiro. Sobre esse aspecto Slenes revela : A família cativa, no entanto, não se reduzia as estratégias e projetos centrados em laços parentescos. Ela expressava um mundo mais amplo que os escravos criavam a parte de suas esperanças e recordações;ou melhor, ela 2 Portela, cita como exemplo a obra de Slenes, ao descrever o estudo sobre família do francês Louis Couty.

3 era apenas uma das instâncias culturais importantes que contribuíram, nas regiões de plantation do Sudeste, para a formação de uma identidade nas senzalas antagônica à dos senhores e compartilhada por uma grande parte de cativos (Slenes, p.49). Essa nova organização familiar representava naquele contexto, não apenas uma estratégia de resistência, mas principalmente a continuidade de experiências vivenciadas pelos escravizados que foram destruídas completamente pela brutalidade do tráfico negreiro. Outra informação importante que é possível identificar através das análises dos registros de batismos e que se configura como uma forma de resistência dos escravizados é o sistema de compadrio, Mattoso afirma que: São solidariedades individuais. Elas pronunciam laços do compadrio. O padrinho, a madrinha, a comadre, assumem responsabilidades idênticas às dos pais (MATTOSO, 2003, p.132). O sistema de compadrio é um elemento central na constituição da história da infância da criança negra, seja na condição jurídica de escravizada, seja livre, após 1871 e também, depois de 1888 quando finda a escravidão no Brasil. O ritual de batismo para a criança escravizada representava uma possibilidade de concessão de sua liberdade, pois muitas crianças escravizadas, principalmente do sexo feminino e da região urbana eram libertas na Pia Batismal. Portela (2012) argumenta que : Um aspecto notável desse grupo de crianças escravizadas que eram libertadas no momento do batismo envolvia a questão de gênero: na maioria das vezes, as crianças alforriadas eram meninas ( Portela, 2012, p.139.). Ainda sobre esse mesmo tema, Reis discorre que : Provavelmente, os motivos pelos quais esse tipo de concessão de alforria ocorria em número reduzido e que a justificativa habitual para a concessão de benefício era o apadrinhamento e os bons serviços prestados pela mãe da criança. Podemos chegar a conclusão de que essas manumissões atingiam, em grande proporção, os filhos das escravizadas domésticas, mucamas prediletas das famílias senhoriais ( REIS, 2010, p. 180) Sendo assim, o momento do batismo acaba por constituir-se em uma estratégia dos escravocratas na manutenção do consentimento da liberdade, conservando assim, o seu lucro, principalmente ao controlar a população feminina. Por outro lado, é preciso refletir sobre a estratégia adotada pelas mães escravizadas, como descreve o excerto da

4 pesquisa 3 de Reis ( 2010), pois a prestação de bons serviços, não deve ser compreendida como um simples ato de dedicação da mãe escravizada, mas sem titubear configura-se como mais uma das estratégias adotadas pela família para manter seus filhos, em especial as filhas por perto. Com a promulgação da lei do ventre livre, os registros de batismo assumem um papel, mais uma vez essencial na constituição da história desse novo sujeito social que é a criança negra livre. Em relação ao registro de batismo por parte dos escravocratas, Conrad (1978) identifica que: Evidentemente muitas crianças tiveram negada a sua condição de ingênuo através dos registros falsos, já que, de novo, segundo os oponentes da escravidão aparentemente nenhumas crianças nasceram de mães escravas imediatamente após o 28 de setembro de 1871, enquanto por outro lado, mostram ( os registros das fazendas) um aumento até então nunca verificado, de nascimento em (Conrad, p.144) De fato, dentro desse novo contexto social, político e econômico, a criança negra livre era um objeto de extremo valor, já que supostamente, depois de 1871 nenhuma criança nasceria escravizada em território brasileiro. Assim sendo, restava aos escravocratas a manutenção do seu lucro conservando, adulterando os registros de nascimentos, ação que mantinha as crianças negras livres na condição de escravizadas. Assim, mais uma vez o ato do batismo torna-se um instrumento de luta das famílias escravizadas para proteção e garantia da liberdade dos seus filhos e filhas, já que de fato, a lei do ventre livre proporcionou aos filhos e filhas de mulheres escravizadas uma liberdade hibrída. O que confere a essa fonte documental um aspecto central na constituição dessa nova condição jurídica dos filhos e filhas de famílias escravizadas. È nesse sentido, que esse artigo pretende apontar algumas possibilidades e limites análises dessa documentação dentro do campo da historiografia educacional. 3 A pesquisa Práticas Sociais relativas às crianças negras em impressos agrícolas e projetos de emancipação de escravizados ( )( Tese de Doutorado) Faculdade de Educação Universidade de São Paulo.

5 3.Metodologia Os procedimentos metodológicos adotados durante as reflexões em torno dos desafios e possibilidades de análise dos registros de batismos das crianças negras livres da Paróquia Nossa Senhora Penha de França, coletados no Acervo da Cúria Metropolitana de São Paulo, embora tenha como suporte teórico- metodológico, os estudos sobre demografia da família, destacamos alguns elementos que possibilitam uma aproximidade com alguns vestígios do cotidiano da vida privadas das crianças negras livres. A paróquia Nossa Senhora de França era situada na atual região da Penha, fundada em 1796, localizada na freguesia da Penha, atualmente é considerada uma área de classe média na cidade de São Paulo, porém no período da escravidão, era uma região com alta densidade de população escravizada e/ou liberta, mas que com o advento a República e o ideário de modernização da cidade, passa a ser uma localidade considerada imprópria 4 para a população negra. Os registros de batismos condizentes Paróquia Nossa Senhora Penha de França correspondem ao período de 1881 até 1888, vale destacar que embora a freguesia da penha fosse uma região com alta densidade de população negra, não há registros de batismos de crianças antes de 1881, no acervo da Cúria Metropolitana, o que pode ser um vestígio da utilização por parte dos escravocratas de mecanismo de falsificação de registros das crianças negras livres. Para essa reflexão em torno da utilização dos registros de batismos como uma fonte documental para a história da educação, selecionamos 10 registros 5 entre os anos de 1875 e Conforme ilustra o quadro abaixo: 4 A Obra de Raquel Rolnik. A Cidade e a Lei. Legislação Urbana e territórios na Cidade de São Paulo.discorre sobre o processo de reurbanização da Cidade de São Paulo e expulsão compulsória da população negra da região central da cidade. 5 O critério de seleção da massa documental foi restrito, pois a escolha de uma massa documental de maior número não possibilitaria demonstrar dentro das normas do CBHE, as possibilidades e os desafios de análise que é o objetivo desse trabalho.

6 Quadro 1. Intervalo entre Nascimento e Batismo. Nome Data de Nascimento Data de Batismo Deodata 08/03/ /12/1875 Paulo 8/12/ /01/1876 Mile/ Maria 28/12/ /01/1876 Antonia 05/01/ /01/1876 Domitilla 12/01/ /01/1876 Pedro 03/01/ /02/1876 Franco 25/02/ /02/1875 Maria 10/03/ /03/1876 Olegário 02/03/ /03/1876 Domingas 20/03/ /03/1876 Fonte : Acervo da Cúria Metropolitana de São Paulo Quadro 2. Condição Jurídica dos Padrinhos. Nome Padrinhos Madrinhas Deodata Escravizado Liberta Paulo Liberta Mile/ Maria Escravizado Liberta Antonia Escravizado Liberta Domitilla Escravizado Escravizada Pedro Liberto Escravizada Franco Escravizado Liberta Maria Liberto Liberta Olegário Escravizado Liberta Domingas Escravizado Liberta Fonte : Acervo da Cúria Metropolitana de São Paulo

7 Quadro 3. Condição de Nascimento: Nome Condição de Observações Nascimento. Deodata Filha natural Só consta nome da Mãe Paulo Filho natural Só consta nome da Mãe Mile/ Maria Filha Legítima Pais João e Maria Joaquina Antonia Filha Legítima João Fernandes e Benedita Maria Domitilla Filha Legítima Emílio Antonio Maria Emilia da Assunção Pedro Filho Legítimo Batismo feito em Casa Maria do Carmo, não consta nome do Pai, Franco Filho Legítimo José Benedito e Gertrudes Maria Filha Legítima João Gonçalves (não consta nome da Mãe Olegário Filho Legítimo Galdino José de Oliveira e Benedita Maria das Candeas Domingas Filha Natural Maria e Bento da Cunha Fonte : Acervo da Cúria Metropolitana de São Paulo Umas das primeiras reflexões que os registros de batismos proporcionam em relação às crianças negras e o seu processo educativo é que essa fonte documental, retira os filhos e filhas de escravizados do anonimato, ou seja, com os registros é possível identificar nominalmente essa nova categoria da infância que emerge com a legislação de Em relação a condição familiar verificamos que a grande maioria das crianças registradas entre os anos de 1875 até 1876 na Paróquia Nossa Senhora de França são crianças legítimas, o que significa provavelmente que seus pais eram casados de acordo com a igreja católico, pois o fato a criança denominada ilegítima, não necessariamente era uma criança sem pai, como é amplamente divulgado pela historiografia, mas sim tratava-se de uma criança cuja união dos pais não era concebida na igreja católica.

8 Nesse conjunto de quadro apresentado em relação a condição jurídica dos padrinhos e madrinhas, dois aspectos importante devem ser pontuados, o primeiro é que podemos observar que em sua grande maioria a condição jurídica é divergente o que significa uma leitura dos pais em relação a nova condição dos seus filhos, sendo assim, a escolha pautava-se em dois mundos distintos: libertos e escravizados, o que conferia a essa criança negra livre uma proteção de acordo com a sua própria condição hibrida de liberdade, o que ampliava a rede de solidariedade para além dos limites do poder dos escravocratas. Segundo Portela ( 2012, p. 142) Os pais sabiam que, completado os oito anos de vigência da Lei do Ventre Livre, os escravocratas poderiam entregar essas crianças aos cuidados do Estado. Ao observar os dados já apresentado, percebemos que não foi o que aconteceu na província de São Paulo e em muitas outras, mas nos primeiros anos da referida lei essa situação não poderia ser antevista. Sendo assim, tendo padrinhos com diferentes condições jurídicas, a criança livre estaria protegida em dois mundos distintos, dos quais ela acabava fazendo parte e nos quais podia transitar: o mundo escravizado e o mundo livre. Nesse sentido, podemos compreender a escolha de padrinhos de condições jurídicas diferentes como uma micro luta popular, pois caso essas crianças livres fossem mantidas nas propriedades rurais elas estariam protegidas pelos pais biológicos e também pelo madrinha ou padrinho escravizado, no mundo escravo. Caso essas crianças fossem entregues a alguma instituição ou a particulares, os padrinhos libertos teriam a possibilidade de oferecer proteção no mundo livre.

9 4. Considerações Finais ; Os registros de crianças livres são um conjunto de fontes nas quais é possível obter informações restritas ao mundo privado das crianças negras, desvelando a identidade dessa nova categoria de infância. Ainda é uma fonte pouco utilizada no campo da historiografia educacional; pois trata-se de um processo educativo e de socializado de crianças que distanciam-se da instituição escolar, mas que servem como um conjunto rico de referencias em torno da historiografia da infância da criança negra livre brasileira.

10 REFERÊNCIAS ALANIZ, Anna Gicelle Garcia. Ingênuos e libertos: estratégias de sobrevivência familiar em épocas de transição ( ). Dissertação de Mestrado Universidade Estadual de Campinas, Campinas, CONRAD, Robert. Os últimos anos da escravatura no Brasil: Tradução de Fernando de Castro Ferro. Rio de Janeiro; Brasília: Civilização Brasileira; INL, MATTOSO, Kátia. M. de Queirós. Escravidão. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 8, n. 16, p , NADALIN, Sergio Odilon. História e demografia: elementos para um diálogo. Campinas: Abep, Portela, Daniela Fagundes Iniciativas de atendimento para crianças negras na província de São Paulo ( ) ( dissertação de Mestrado) FEUSP. 2012

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 TRÁFICO DE PESSOAS Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar o tráfico

Leia mais

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835)

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) 1 JOCENEIDE CUNHA Nos anos oitenta do século XX, surgiu a chamada nova historiografia da escravidão. Entre os pesquisadores

Leia mais

PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888)

PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888) PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888) JAMILLY BISPO LAUREANO 1 Dr.ª JOCENEIDE CUNHA 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP.

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP. ESCRAVIDÃO MODERNA Marina Paula Zampieri BRAIANI 1 Mayara Maria Colaço TROMBETA 2 Rafaela Trevisan AVANÇO 3 Institución: Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente. Dirección:

Leia mais

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO (1845 a 1865). Roberta França Vieira Zettel Mestranda da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: PAIVA, Angela Randolfho. Católico, Protestante, Cidadão: uma comparação entre Brasil e Estados Unidos. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003. 286 p. por Cézar Alencar Arnaud de Toledo

Leia mais

APEBA - Judiciário/ Relação de 33 Inventários de Santo Antônio de Jesus 1870-1888.

APEBA - Judiciário/ Relação de 33 Inventários de Santo Antônio de Jesus 1870-1888. 1 ARRANJOS FAMILIARES NOS LIMITES DA ESCRAVIDÃO EM SANTO ANTÔNIO DE JESUS BAHIA (1871-1888) ELIETE MARQUES DOS SANTOS VAZ As relações familiares entre cativos assumiram várias formas no Brasil escravista.

Leia mais

Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava serão abordados neste

Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava serão abordados neste Meninos Livres, Mãe Escrava Vera Lúcia Braga de Moura 1 Antes de o escravo nascer sofre na mãe 2 assim preconizava o pernambucano Joaquim Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850)

Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850) Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850) Introdução Agnaldo Valentin 1 José Flávio Motta 2 Nossa atenção neste artigo recai sobre os batismos das crianças escravas nascidas em Iguape entre 1811 e 1850.

Leia mais

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire Área Temática 01 História econômica e demografia histórica Resumo: O artigo trata das relações familiares

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Armando de Melo Servo Constante PUC-SP Na segunda metade do século XIX o tráfico de escravos ruma para o

Leia mais

Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757

Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757 Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757 Ana Luiza de Castro Pereira Batismo: o primeiro de todos os sacramentos cristãos O primeiro dos Sacramentos católicos, o ritual do Batismo é responsável

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Educação Infantil. Projeto Griô: Contador de Histórias PRIMEIRO LUGAR

Educação Infantil. Projeto Griô: Contador de Histórias PRIMEIRO LUGAR Projeto Griô: Contador de Histórias Ofó: Forças trás-formadoras dos caminhos das Histórias e culturas afro-brasileiras e africanas. A ESCOLA Escola Creche Vovô Zezinho Salvador, BA A Professora PRIMEIRO

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

NEGRINHOS QUE POR AHI ANDÃO : CRIANÇAS NEGRAS NA ESCOLA NO FINAL DO SÉCULO XIX NA CIDADE DE SÃO PAULO Surya Aaronovich Pombo de Barros / FEUSP

NEGRINHOS QUE POR AHI ANDÃO : CRIANÇAS NEGRAS NA ESCOLA NO FINAL DO SÉCULO XIX NA CIDADE DE SÃO PAULO Surya Aaronovich Pombo de Barros / FEUSP NEGRINHOS QUE POR AHI ANDÃO : CRIANÇAS NEGRAS NA ESCOLA NO FINAL DO SÉCULO XIX NA CIDADE DE SÃO PAULO Surya Aaronovich Pombo de Barros / FEUSP Este trabalho faz parte da pesquisa de mestrado Ação negra/ação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 Solange Mouzinho Alves 1 Solange P. Rocha 2 Aos seis de abril de mil oitocentos trinta e três nesta Matriz de Nossa Senhora

Leia mais

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados 1 Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados Renata Aliaga 1 Lilian Lopes Martin da Silva (Grupo ALLE- Alfabetização, Leitura e Escrita Programa de Pós Graduação

Leia mais

O PREÇO DA LIBERDADE: CAMINHOS DA INFÂNCIA TUTELADA, RIO CLARO, 1871-1888.

O PREÇO DA LIBERDADE: CAMINHOS DA INFÂNCIA TUTELADA, RIO CLARO, 1871-1888. O PREÇO DA LIBERDADE: CAMINHOS DA INFÂNCIA TUTELADA, RIO CLARO, 1871-1888. Arethuza Helena Zero Resumo Esse trabalho busca o entendimento das formas de controle social exercidas sobre a população pobre

Leia mais

Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX *

Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX * Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX * Marcia Cristina Roma de Vasconcellos USP Palavras-chave: mulheres escravas, procriação, casamento, família escrava. Na freguesia de

Leia mais

PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS CANTADAS

PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS CANTADAS PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS CANTADAS Rosângela Vitale Mazzanti Michele de Assis Negri RESUMO: Este trabalho apresenta o Projeto realizado na EMEB Dr. Edward Aleixo de Paula, bem como

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. BARBOSA NETO )

REQUERIMENTO (Do Sr. BARBOSA NETO ) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO (Do Sr. BARBOSA NETO ) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, que sugere ao Ministério da Educação fazer gestões para que as universidades particulares

Leia mais

CORPO E MÍDIA: UMA COMPREENSÃO MULTIRREFERENCIAL DA EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Eduardo Ribeiro Dantas (UFRN) Terezinha Petrucia Da Nóbrega

CORPO E MÍDIA: UMA COMPREENSÃO MULTIRREFERENCIAL DA EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Eduardo Ribeiro Dantas (UFRN) Terezinha Petrucia Da Nóbrega CORPO E MÍDIA: UMA COMPREENSÃO MULTIRREFERENCIAL DA EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Eduardo Ribeiro Dantas (UFRN) Terezinha Petrucia Da Nóbrega 1. Introdução 1.1. Configuração da Problemática Grande

Leia mais

TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

PARENTES, ALIADOS, INIMIGOS: O PARENTESCO SIMBÓLICO ENTRE OS ESCRAVOS NA CIDADE DE PELOTAS, 1830/1850, SÉCULO XIX.

PARENTES, ALIADOS, INIMIGOS: O PARENTESCO SIMBÓLICO ENTRE OS ESCRAVOS NA CIDADE DE PELOTAS, 1830/1850, SÉCULO XIX. PARENTES, ALIADOS, INIMIGOS: O PARENTESCO SIMBÓLICO ENTRE OS ESCRAVOS NA CIDADE DE PELOTAS, 1830/1850, SÉCULO XIX. NATÁLIA GARCIA PINTO 1 A pesquisa que ora apresentamos versa sobre as relações familiares

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DO CONHECIMENTO

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

a família escrava em Serrinha

a família escrava em Serrinha Laços de amor e amizade: a família escrava em Serrinha Ana Paula Carvalho Trabuco Lacerda 1 Resumo: O estudo da família escrava em Serrinha (1868-1888), atual cidade do interior do estado da Bahia, a 173

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial 1537 REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial SOUZA JÚNIOR, Tadeu Baliza de 1 ; NEVES, Erivaldo Fagundes 2 1. Bolsista PROBIC,

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza Desde 1996, com a criação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 9.394/96 (LDBEN), ficou estabelecido que a Educação Infantil

Leia mais

Anjos marcados: o batismo dos filhos do ventre livre (Porto Alegre/RS - 1871-1888).

Anjos marcados: o batismo dos filhos do ventre livre (Porto Alegre/RS - 1871-1888). Anjos marcados: o batismo dos filhos do ventre livre (Porto Alegre/RS - 1871-1888). Marked angels: the baptism of the free womb sons (Porto Alegre/RS - 1871-1888). José Carlos da Silva Cardozo * Paulo

Leia mais

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 Aurelino José Ferreira Filho 1 Túlio Andrade dos Santos 2 A

Leia mais

DUAS EXPERIÊNCIAS COM A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS INFORMACIONAIS E COMUNICACIONAIS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

DUAS EXPERIÊNCIAS COM A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS INFORMACIONAIS E COMUNICACIONAIS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DUAS EXPERIÊNCIAS COM A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS INFORMACIONAIS E COMUNICACIONAIS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Davis Oliveira ALVES Universidade Federal de Ouro Preto Fausto Rogério ESTEVES Universidade Federal

Leia mais

Tal discussão faz parte das transformações nos paradigmas teóricos mais gerais, que atingem todas as áreas do conhecimento, no mundo contemporâneo,

Tal discussão faz parte das transformações nos paradigmas teóricos mais gerais, que atingem todas as áreas do conhecimento, no mundo contemporâneo, CULTURAS INFANTIS E SABERES: CAMINHOS RECOMPOSTOS SANTOS, Solange Estanislau dos FCT/UNESP GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: CAPES Este artigo pretende divulgar os resultados

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 Sumário INTRODUÇÃO 9 1. A PRIMEIRA FASE DO CECAN (1971-1974) O TEATRO FALANDO POR NÓS 17 A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 2. A SEGUNDA FASE

Leia mais

Proiniciar Virtual: um espaço de interação destinado aos alunos que ingressam através do Sistema de Reserva de Vagas na UERJ. Rio de Janeiro - 05/2009

Proiniciar Virtual: um espaço de interação destinado aos alunos que ingressam através do Sistema de Reserva de Vagas na UERJ. Rio de Janeiro - 05/2009 Proiniciar Virtual: um espaço de interação destinado aos alunos que ingressam através do Sistema de Reserva de Vagas na UERJ Rio de Janeiro - 05/2009 Marcia Taborda UERJ mtaborda@uerj.br Vera Regina P.

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Vasconcellos, Marcia Cristina de O compadrio entre escravos numa comunidade em transformação (Mambucaba, Angra

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo²

Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo² 1368 METODOLOGIAS PARA A HISTÓRIA SOCIAL: A TRAJETÓRIA DE INDIVÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA ATRAVÉS DA DOCUMENTAÇÃO PAROQUIAL, JUDICIÁRIA E CARTORIAL (1870 1930) Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo² 1.

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Ana Claudia da Silva Rodrigues; Lílian Maria Paes de Carvalho Ramos (Orientadora) Universidade Federal Rural

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 Autor: Mariana Souza Freitas Instituição: Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Email: nanafreitasf@hotmail.com Co-autores: William Gesualdo Moreira Monteiro Instituição: Universidade Federal de

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

Notas sobre a exclusão social e as suas diferenças

Notas sobre a exclusão social e as suas diferenças Notas sobre a exclusão social e as suas diferenças Ana Paula Gomes Daniel e-mail: anapauladnl@gmail.com Acadêmica do curso de Ciências Econômicas /UNICENTRO Flavia Diana Marcondes dos Santos e-mail: flaviadianam@gmail.com

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 A produção da Família Brasileira através de uma Revista produzida em família: um estudo de gênero na experiência da Revista

Leia mais

A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS

A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS Francinete Poncadilha Pereira 1 Os impressos no Brasil tiveram um papel importante nos debates sobre a escravidão, já que por meio deles se promoviam

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE COSTA, Efigênia Maria Dias 1 NEVES, Elidiana Oliveira das 2 OLIVEIRA, Marta Luis de 3 SANTOS, Jefferson Silva de Barros 4 SILVA, Luiz Eduardo

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM

NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM 1 NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM Introdução Inserir a temática da sexualidade e gênero nos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 28 QUESTÃO 26 São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: a) Ênfase nas campanhas sanitárias. b) Fortalecimento do setor de saúde

Leia mais

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de Estudos Africanos (USP), (4): 105-109, 1981. VILA RICA:

Leia mais

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR ALINE ESQUARCIO SOBRINHO 1 ROSANA MOREIRA 2 RESUMO: Este trabalho almeja demonstrar uma visão inovadora do instituto da Guarda

Leia mais

INSTRUÍDO NA FÉ, BATIZADO EM PÉ : BATISMO DE AFRICANOS NA SÉ DA BAHIA NA 1ª METADE DO SÉCULO XVIII, 1734-1742

INSTRUÍDO NA FÉ, BATIZADO EM PÉ : BATISMO DE AFRICANOS NA SÉ DA BAHIA NA 1ª METADE DO SÉCULO XVIII, 1734-1742 INSTRUÍDO NA FÉ, BATIZADO EM PÉ : BATISMO DE AFRICANOS NA SÉ DA BAHIA NA 1ª METADE DO SÉCULO XVIII, 1734-1742 Carlos Eugenio Líbano Soares * No dia 3 de maio de 1739, foi registrado no livro da Igreja

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 A Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas tem por finalidade estabelecer princípios, diretrizes

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹

A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹ A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹ MOUSQUER, Maria Elizabete Londero ² ; RUVIARO, Lidiane ³;WESLING, Fabricia; CESAR, Josiane Canto; ¹ Trabalho de Pesquisa UFSM ² Orientadora

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios T RABALHO I NFANTIL 2 0 0 1 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Revista Perspectiva. 2 Como o artigo que aqui se apresente é decorrente de uma pesquisa em andamento, foi possível trazer os

Revista Perspectiva. 2 Como o artigo que aqui se apresente é decorrente de uma pesquisa em andamento, foi possível trazer os OS SABERES CIENTÍFICOS SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL: continuidades e descontinuidades na produção acadêmica recente. CAMPOS, Mariê Luise Campos UFSC mariecampos10@gmail.com eixo: Educação e Infância / n.

Leia mais

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO Bernardete Maria Andreazza Gregio Universidade Federal do Mato Grosso do Sul bernardetegregio@gmail.com

Leia mais

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS Anais do III Simpósio sobre Formação de Professores SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão Tubarão, de 28 a 31 de março de 2011 PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

O DIREITO POR EDUCAÇÃO BÁSICA ESTUDO DA DEMANDA SOCIAL E DO ATENDIMENTO PÚBLICO EM UMA MICRO-REGIÃO URBANA

O DIREITO POR EDUCAÇÃO BÁSICA ESTUDO DA DEMANDA SOCIAL E DO ATENDIMENTO PÚBLICO EM UMA MICRO-REGIÃO URBANA O DIREITO POR EDUCAÇÃO BÁSICA ESTUDO DA DEMANDA SOCIAL E DO ATENDIMENTO PÚBLICO EM UMA MICRO-REGIÃO URBANA KRUPPA, Sonia Maria Portella - FEUSP SANTOS, Marineide do Lago Salvador dos - CUFSA GT: Estado

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CULTURA E DESPORTOS PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO APRENDER PARA ALÉM DOS MUROS ESCOLARES

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CULTURA E DESPORTOS PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO APRENDER PARA ALÉM DOS MUROS ESCOLARES 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CULTURA E DESPORTOS PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO APRENDER PARA ALÉM DOS MUROS ESCOLARES GLEICA LUANA MONARI KARLA REIS DA SILVA VANESSA DE

Leia mais

AULA DE CAMPO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DO SABER GEOGRÁFICO

AULA DE CAMPO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DO SABER GEOGRÁFICO 120 AULA DE CAMPO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DO SABER GEOGRÁFICO Romilda Castelar Citon 1 Wilson Aparecido Paschoal 2 Diego Pianovski 3 Patrícia Fernandes Paula Shinobu 4 Jeani Delgado Paschoal Moura 5

Leia mais

SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ

SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ Francisco Verri 1 ; Renata Marcelle Lara Pimentel 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social O USO DAS REDES DIGITAIS NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO E DO CONHECIMENTO: A COMUNICAÇÃO DOS NOVOS TEMPOS Case Museu das Minas e do Metal Rede MMM e Midiateca Camila Vieira Dutra¹ Resumo: Este trabalho visa

Leia mais

CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1

CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1 CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1 Gabriel Aladrén O objetivo desta comunicação é apresentar alguns resultados de uma pesquisa sobre

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E REDAÇÃO

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E REDAÇÃO COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E REDAÇÃO PROJETO DE LEI N 2.550, DE 2000 Dispõe sobre as ações ordinárias e preferenciais não reclamadas correspondentes a participação acionária em sociedades anônimas

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA Maria do Patrocínio Freire Batista (UEPB)-patrícia.fb22@gmail.com Artur Albuquerque (UEPB) Julliana de Lucena Souto Marinho (UEPB) Thayse Borges Costa

Leia mais

O LUGAR SOCIAL DA MULHER PRIVADA DE LIBERDADE: A EDUCAÇÃO COMO UMA MOEDA DE TROCA NO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO

O LUGAR SOCIAL DA MULHER PRIVADA DE LIBERDADE: A EDUCAÇÃO COMO UMA MOEDA DE TROCA NO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO O LUGAR SOCIAL DA MULHER PRIVADA DE LIBERDADE: A EDUCAÇÃO COMO UMA MOEDA DE TROCA NO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO Profa. Dra. Maria Lindaci Gomes de Souza Abraão Bruno Morais Coura Universidade Estadual

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOVLIDAS PELO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LEM- FOZ

ATIVIDADES DESENVOVLIDAS PELO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LEM- FOZ ATIVIDADES DESENVOVLIDAS PELO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LEM- FOZ Prof.a. Ms. Renata Camacho Bezerra UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu renatacb@unioeste.br Prof.a. Ms. Patrícia Sândalo Pereira

Leia mais