CMS Melhor, Mais inteligente, Mais saudável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CMS Melhor, Mais inteligente, Mais saudável"

Transcrição

1 CMS Melhor, Mais inteligente, Mais saudável Jean Moody-Williams, RN, MPP Deputy Center Director U.S. Department of Health & Human Services (HHS) Centers for Medicare and Medicaid Services (CMS) Center for Clinical Standards and Quality 1

2 Cuidado melhor, Gasto mais inteligente, População mais saudável Em poucas palavras, nossa visão para melhorar a assistência à saúde é fazer melhor, de maneira mais inteligente e de forma mais saudável Se encontrarmos melhores maneiras de entregar a assistência, pagar os prestadores e distribuir informação, poderemos receber cuidado melhor, gastar nossos recursos mais sabiamente e ter comunidades mais saudáveis, economia mais saudável e um país mais saudável. Nós entendemos que é nosso papel e nossa responsabilidade ajudar a liderar e vamos fazê-lo O que não vamos fazer e não podemos é fazê-lo sozinhos. Pacientes, médicos, governo e as empresas, todos serão beneficiados se nós fizermos corretamente, e esse propósito compartilhado pede parceria mais profunda Então, continuaremos a trabalhar entre setores e com todas as tendências políticas para atingir os objetivos que compartilhamos: cuidado melhor, gasto mais inteligente, população mais saudável 2

3 O apoio do CMS à Reforma do Sistema de Prestação de Assistência (DSR) levará a cuidado melhor, gasto mais inteligente e população mais saudável Estado histórico Características chave Centrado no produtor Incentivos por volume Insustentável Cuidado fragmentado Sistemas e políticas Sistemas de pagamento por procedimento (Fee- For-Service ) Setores público e privado Estado em desenvolvimento Características chave Centrado no paciente Incentivos por resultados Sustentável Cuidado coordenado Sistemas e políticas Compras baseadas em valor Organizações assistenciais confiáveis Pagamentos baseados em episódios Lares para cuidados Transparência em qualidade/ custo 3

4 Reforma no Sistema de Prestação de Assistência requer foco na forma pela qual pagamos os prestadores, prestamos o cuidado e disseminamos informações Áreas de foco Descrições Pagar prestadores Prestar cuidado Promover sistemas de pagamento baseados em valor Testar novos modelos alternativos de pagamento Aumentar o vínculos do Medicaid, do Medicare FFS, e de outros pagamentos ao valor Gerar escala nos modelos de pagamento comprovadamente eficazes Encorajar integração e coordenação dos serviços de assistência Melhorar a saúde da população Promover a participação dos pacientes por meio da tomada de decisão compartilhada Disseminar Informação Criar transparência nas informações de custo/ qualidade Levar a informação eletronica sobre saúde até o ponto de prestação de assistência para utilização que faça sentido. Source: Burwell SM. Setting Value-Based Payment Goals HHS Efforts to Improve U.S. Health Care. NEJM 2015 Jan 26; published online first. 4

5 Estratégia de Qualidade do CMS Cuidado Melhor Pessoas mais saudáveis Princípios fundamentais Permitir inovação Promover organizações de aprendizagem Eliminar disparidades Fortalecer infraestrutura e sistemas de dados Gasto mais inteligente Objetivos Tornar a assistência mais segura Fortalecer cuidado centrado na pessoa e na família Promover comunicações e coordenação do cuidado efetivas Promover prevenção e tratamento efetivos Promover as melhores práticas para vida saudável Tornar o cuidado acessível 5

6 Novos Objetivos e Prazos para Levar o Medicare do Modelo de Recompensar Volumes para Recompensar Valor Anúncio de Janeiro de 2015 A Ministra da Saúde Sylvia M. Burwell anunciou objetivos mensuráveis e prazos para levar o Medicare, e todo o sistema de saúde, na direção de pagar os prestadores com base na qualidade e não na quantidade de cuidado que eles fornecem aos pacientes Pela primeira vez na história do programa foram apresentados objetivos explícitos para modelos de remuneração alternativos e baseados em valor para o Medicare Criação de uma Rede Nacional de Aprendizado e Ação para Remuneração da Assistência para acelerar a transição e promover a colaboração entre as operadoras de saúde, empregadores, prestadores, consumidores e parceiros estaduais e federais Objetivos 1. Modelos de Remuneração Alternativos : 1. 30% dos pagamentos do Medicare ligados a qualidade ou valor por meio de modelos de remuneração alternativos até o final de % até o final de Vínculos dos Pagamento FFS Payments com Qualidade/Valor: 1. 85% de todos os pagamentos FFS do Medicare ligados a qualidade ou valor até % até o final de

7 Medicare FFS Estrutura para a Taxonomia de Pagamentos Categoria 1: Por serviço sem vínculo com qualidade Estrutura para a Taxonomia de Pagamentos Categoria 2: Por serviço - Ligado a qualidade Categoria 3: Modelos alternativos de Remuneração com Base na Arquitetura FFS Categoria 4: Pagamento com base na População Limitado ao Medicare feefor-service Atualmente, a maioria dos pagamentos Medicare estão ligados à qualidade Compra de serviços hospitalares com base em valor Modificador de Médicos Baseados em Valor Programa de redução de reinternações e de condições adquiridas durante a internação Organizações assistenciais confiáveis Lares para cuidados Pagamentos globais Iniciativa abrangente de atenção primária Programas abrangentes para doença renal crônica Iniciativa de Alinhamento Financeiro do Modelo FFS do Medicare-Medicaid Organizações assistenciais confiáveis qualificadas para serem as pioneiras nos anos 3-5 7

8 Porcentagem alvo dos pagamentos FFS ligados à qualidade e modelos de remuneração alternativos em 2016 e 2018 Modelos de remuneração alternativos (Categorias 3-4) FFS ligado à qualidade (Categorias 2-4) Todo o FFS do Medicare (Categorias 1-4) % 22% 30% 50% 68% 85% 85% 90% Desempenho Histórico Objetivos 8

9 CMS atingirá o Objetivo 1 por modelos alternativos de pagamento onde os prestadores são confiáveis para custos e qualidade Categorias principais de modelos alternativos Organizações assistenciais confiáveis (ACO) Programa do Medicare de Poupança Compartilhada com ACO ACO Pioneira Modelo abrangente para doença renal crônica Pagamentos globais Pagamento Global para Melhoria no Cuidado Modelos de Assistência Especializada Atenção primária avançada Atenção Primária Abrangente Serviços de Atenção Primária Avançada com Múltiplos Pagadores Outros Modelos Maryland All-Payer Hospital Payments (Pagamentos hospitalares universais de Maryland) Sistema Prospectivo para doença renal crônica CMS continuará a testar novos modelos e considerará expandir experiências existentes 9

10 CMS atingirá o Objetivo 2 por meio de mais vínculo dos pagamentos FFS a qualidade ou valor Hospitais, % de FFS pagamento em risco Programa de Redução de Reinternações HVBP (Compra de serviços hospitalares com base em valor ) IQR/MU (Relatórios de Qualidade nas internações / Utilização com sentido ) HAC (Condições Adquiridas Durante a Internação ) Performance period 2014 (payment FY16) Performance period 2015 (FY17) Performance period 2016 (FY18) Médico / Clínico, % de FFS pagamento em risco 9 9 Médico VBM (Modificador Baseado em Valor ) 1 MU (Utilização com Sentido de Prontuários Eletronicos ) 2 PQRS (Sistema de Relatório de Qualidade Médica ) Performance period (payment FY16) 2015 Performance period (payment FY17) 2016 Performance period (payment FY18) 3 10

11 Programa de Compras de Serviços Hospitalares Baseadas em Valor para o Ano Fiscal (FY) 2017 Experiência de Cuidado Centrada no Paciente e no Prestador/Coordenação do Cuidado Resultados do Cuidado Clínico Dimensões da Pesquisa de Avaliação pelos Pacientes dos Prestadores e Sistemas de Assistência (HCAHPS) : 1. Comunicação com Enfermeiros 2. Comunicação com Médicos 3. Responsividade dos Trabalhadore do Hospital 4. Controle da Dor 5. Comunicação sobre Medicamentos 6. Limpeza e Silência do Ambiente Hospitalar 7. Informação sobre a Alta 8. Avaliação Global do Hospital Segurança 1. AHRQ PSI-90: Complicações/segurança do paciente para indicadores selecionados (composto) 2. CDI*: Infecção por Clostridium difficile 3. CAUTI: Infecção do Trato Urinário Associada a Uso de Cateter 4. CLABSI: Infecção de Corrente Sanguínea Associada a Acesso Central 5. MRSA*: Bacteremia por Staphylococcus aureus Resistente a Meticilina 6. SSI: Infecção de Sitio Cirúrgico por Cirurgia de Colon & Histerectomia Abdominal O asterisco (*) indica uma medida récem adotada para o Programa HBVP 1. MORT-30-AMI: Taxa de Mortalidade em 30 dias por IAM 2. MORT-30-HF: Taxa de Mortalidade em 30 Dias por Insuficiência Cardíaca (IC) 3. MORT-30-PN: Taxa de Mortalidade em 30 dias por Pneumonia (PN) Processo do Cuidado Clínico 1. AMI-7a: Terapia Fibrinolítica recebida até 30 minutos após chegada ao hospital 2. PC-01*: Parto eletivo anterior a 39 semanas completas de gestãção 3. IMM-2: Imunização para Influenza Eficiência e Redução de Custos 1. MSPB-1: Gastos do Medicare por Beneficiary (MSPB)

12 CMS está alinhado com o setor privado e com os estados para conduzir a reforma do sistema de prestação Convocação de Stakeholders Convocação de operadoras em 7 mercados de iniciativa abrangente de atenção primária (CPCI) Convocação de operadoras, prestadores, empregadores, consumidores, e parceiros públicos para a Rede Nacional de Aprendizado e Ação para Remuneração da Assistência Organizações para Melhoria da Qualidade (QIOs) oferecendo assistência técnica em HVPB Incentivando os Prestadores Nas ACOs pioneiras, por acordo, 50% de sua renda deve vir de contratos baseados em valor no final do segundo ano de programa Fazendo Parceria com os Estados A Iniciativa para o Modelo de Inovação Estadual financia prêmios para testar e desenhar modelos em estados que implementem uma reforma abrangente do sistema de prestação O Modelo de Pagamento hospitalar universal de Maryland testa a efetividade de um sistema de pagamento com tabela única para hospitaias

13 Transformação da Prática em Ação A Mudança da Prática Clínica vai usar uma abordagem de 3 vias para a assistência técnica nacional. Essa assistência técnica permitirá a transformação em larga escala de mais de 150,000 médicos e de suas clínicas no sentido de prestar melhor cuidado e ter como resultado melhores resultados de saúde a custos mais baixos. 13

14 Transformando os Objetivos da Prática Clínica 14

15 Quais são as 5 fases da Iniciativa para a Transformação da Prática Clínica(TCPI)? Estabelecer objetivos Use Dados para Orientar o Cuidado Atingir Progresso nos Objetivos Atingir Posição de Benchmark Prosperar como Negócio por meio de Abordagens de Pagamento por Valor 15

16 Visão Estratégica do CMS para Programas de Relatório de Qualidade Médica Importância, Propósito e Adesão a Estratégias Globais Importância: Programas de Relatório de Qualidade Médica são críticos para orientar melhoria de qualdiade e atingimento dos objetivos da Estratégia de Qualidade da CMS, bem como da Estratégia Nacional de Qualidade global Programas de Relatório de Qualidade Médica são orientados a tornar disponível informação para apoiar tomada de decisão mais adequada por parte de médicos, consumidores e cada parte do sistema de assistência *** CMS INTERNAL USE ONLY DO NOT DISTRIBUTE *** Um sistema melhor, mais inteligente e mais saudável 16

17 Programas de Relatórios de Qualidade Médica do CMS Progresso no Alinhamento das Medidas 150 Trabalho Federal de Alinhamento das Medidas Hypertension Depression HACs HIV/AIDS Perinatal Obesity Reviewed Recommended 17

18 As ACOs pioneiras prestaram assistência de melhor qualidade e com menor custo aos beneficiários do Medicare nos primeiros anos de desempenho As ACOs pioneiras foram desenhadas para organizações com experiência em assistência coordenada e com contratos semelhantes aos das ACOs As ACOs pioneiras mostraram resultados com melhor qualidade A qualidade superou os benchmarks publicados em 15/15 medidas de qualidade clínica e em 4/4 medidas da experiência do paciente no ano 1 e melhorou no ano 2 A avaliação média de qualidade em 2013 foi de 85.2% comparada com 71.8% em 2012 A avaliação média de desempenho melhorou em 28 de 33 (85%) medidas de qualidade As ACOs pioneiras geraram economias por dois anos seguidos $384M em economia no programa combinados para 2 anos Economia média por ACO aumentou de $2.7 milhões no ano 1 para $4.2 milhões no 2 19 ACOs em 12 estados (AZ, CA, IA, IL, MA, ME, MI, MN, NH, NY, VT, WI) atingindo mais de 600,000 beneficiários do Medicare fee-for-service Duração do teste do modelo: de Janeiro de 2012 a Dezembro de 2014, com possibilidade de extensão por mais dois anos Resultados de análises baseadas em regressão analysis Resultados da análise atuarial 18

19 A Atenção Primária Abrangente (CPC) está mostrando resultados iniciais positivos CMS convoca o Medicaid e operadoras comerciais a apoiar a transformação de consultórios de atenção primária por meio de pagamentos mais elevados, não baseados em consultas, feedback com dados e sistemas de aprendizado Em todas as 7 regiões, CPC reduziu os gastos do Medicare Partes A e B expenditures por beneficiário em $14 ou 2%* As reduções parecem ser devidas a impactos obtidos pelas iniciativas em internações, consultas de emergência e reinternações não planejadas no prazo de 30 dias 7 regiões (AR, OR, NJ, CO, OK, OH/KY, NY) abrangendo 31 operadoras, cerca de 500 consultórios, e aproximadamente 2.5 milhões de pacientes de cobertos por diferentes operadoras Duração do teste do modelo: Out 2012 Dez 2016 * Reduções relativas a grupos pareados de comparação e não incluem as taxas com gestão (~$20 pbpm) 19

20 Em foco: Atenção Primária Abrangente, SAMA Healthcare SAMA Healthcare Services é uma clínica de família composta por quatro médicos, localizada em El Dorado, uma cidade na área rural do Sudeste do Arkansas Serviços que o investimento em CPC possibilitou Gestão do cuidado Cada Time de Cuidado consiste de um médico, um técnico de enfermagem, um coordenador do cuidado e três enfermeiros Os times orientam cuidado preventivo proativo para cerca de 19,000 pacientes Os times usam o Allscripts Clinical Decision Support para alertá-los quanto a procedimentos e exames que não foram feitos Estratificação de risco O consultório implementou o protocolo de estratificação de risco em seis níveis da Academia Americana de Medicina de Família (AAFP) Os enfermeiros avaliam os prontuários antes da consulta e os médicos confirmam a estratificação durante a interação com o the paciente -Gestor da prática Muitas coisas que fazemos agora são coisas que queríamos fazer no passado Nós precisávamos do investimento de um recurso inicial para desenvolver nossos times e nossos processos 20

21 Pagamento Global pela Melhoria de Cuidado também está aumentando rapidamente O modelo de pagamento global foca 48 condições com um único pagamento por episódio de cuidado Incentiva prestradores a se responsabilizarem pelos custos e pela qualidade da assistência Quatro Modelos: - Modelo 1: Retrospectivo, apenas internação para cuidado agudo - Modelo 2: Retrospectivo, internação para cuidado agudo + cuidado pós agudo - Modelo 3: Retrospectivo, apenas para cuidado pós agudo - Modelo 4: Apenas internação para cuidado agudo 102 contemplados e 167 iniciadores de episódios na fase 2 em Janeiro novos contemplados e 373 novos iniciadores de episódios vão entrar na fase 2 em Abril 2015 Duração do modelo prevista para 3 anos : Modelo 1: De Abril 2013 até hoje Modelos 2,3,4: De Outobro 2013 até hoje * Dados de Janeiro de

22 Maryland pode superar a meta de economia do Medicare, de $330M, se continuar a superar as tendências nacionais Gatos per capita do FFS do Medicare e projeções de economia Gasto per capita, $k 6,5 6 5,5 5 4,5 Baseline in absence of model Proj. Cum. Savings Maryland per capita spend Target Cum. Medicare Savings Economia acumulada, $M ,1 6,1 6,1 6,0 6,0 5,9 6,0 6,0 6,0 5,8 5,7 5, Real Anualizado 1 Extrapolado 1. Valores de 2013 pela tendência de Jan-Ago Tendência mantida para a tendência de Jan-Ago Assume número constante de beneficiários de MD de ~750k; a economia pode estar subestimado se o número de beneficiários crescer (na verdade, cresceu ~3% H1/H ) 22

23 Parceria para os Pacientes contribui para a melhoria de qualidade Dados mostram redução de 17% em condições adquiridas em hospital, por todas as medidas, de ,000 vidas salvas 1.3 milhões de eventos que causam danos aos pacientes evitados Economia de $12 bilhões Muitas áreas de danos caindo dramaticamente melhora na segurança do paciente Principais indicadores, mudança de 2010 a 2013 Pneumonia associada a Ventiladores Parto prematuro eletivo Infecções de Corrente Sanguínea Associadas a Cateter Central Complicações de tromboembolismo venoso Reinternações 62.4% 70.4% 12.3% 14.2% 7.3% 23

24 Taxa de reinternação Taxa de reinternação no Medicare em 30 dias, por todas as causas, declinando Legend: CL: control limit; UCL: upper control limit; LCL: lower control limit 24

25 Como a melhoria de qualidade impacta a segurança do paciente - Resultados do 10o relatório de trabalho do QIO 25

26 Atividade do CMS Envolvendo Pacientes e Famílias Políticas, Programas e Melhoria de Qualidade Desenho de Benefícios, Valores e Incentivos Envolvimento na Tomada de Decisões, Coordenação de Cuidado, Prevenção e Tratamento Apoio e Envolvimento à Família e aos Cuidadores Grupos focais/facientes em Sala para Desenvolvimento de Programas Incorporação de Sugestões do Público Redes de Aprendizado e Ação com Pacientes Desenvolvimento de Medidas e Resultados Relatados por Pacientes Dados sobre a Experiência dos Pacientes com Assistência Parcerias para os Pacientes Redes de Melhoria de Atividades e Assistência Técnica com QIOs e Doenças Renais Crônicas Ponderar a Experiência dos Pacientes e os Resultados Reportados pelos Pacientes em Programas de Pagamento Baseados em Valor ( VBP) Modelos Inovadores (ex. Programas de Escolha no Medicare Voltados para Cuidados Paliatirvos; inovações voltadas para desenho especial e de co-pagamento) O dinheiro segue a pessoa Promoção da Adesão dos Pacientes Atividades De Cobertura para Cuidado O CMS Compara Locais de Prestação Iniciativa de redução de partos prematuros eletivos Cada Pessoa com Diabetes é Importante Transformando a Iniciativa de Atendimento Médico Uso de Ferramentas Informatizadas de Suporte à Decisão Critérios de utilidade para fornecimento de informações aos pacientes Orientações Avançadas Promoção do respeito pelas Tradições, Valores e Culturas dos Pacientes Oportunidades com a Família em Sala Participação na Rede de Aprendizado e Ação Programas de Descanso Programas de Aconselhamento de Família do Medicaid Recursos para cuidadores em Medicare.gov 26

27 Beneficiários migram para planos MA com avaliações melhores Distribuição das inscrições nos programas Medicare Especial (MA) com melhores avaliações 5-star 4-star 3-star 2-star % 4 or 5 star % 2 or 3 star 9% 20% 61% % 9% 29% 57% 9% 5% 29% 71% % 63% 45% 45% 1% % 45% Alertas enviados aos beneficiários inscritos em planos com 2,5 estrelas ou menos Cartas são apenas enviadas aos beneficiários inscritos em planos consistentemente mal avaliados Taxa de mudança de 44% (com o alerta) X 21% (sem alerta) 27

28 Mobilizando uma rede ampla de Engajament6o de Pacientes e Famílias ( PFE) Prestadores de Assistência Assistência baseada em evidências e em dados para a tomada de decisões para os pacientes Pacientes e Famílias São os atores mais importantes no Engajamento de Pacientes e Famílias, criando um caminho para melhorar o cuidado e o diálogo HENs e Hospitais Estão na linha de frente de cuidado ao paciente e de seu engajamento Organizações de Advocacy e sem Finalidade Lucrativa Fornecem apoio contínuo para programas e atividades principais de pacientes e famílias Líderes da Qualidade Estabelecem os padrões para como os pacientes e as famílias devem receber o cuidado Liderança do grupo de executivos As lideranças devem ser os primeiros a adotar as melhores práticas nos HENs e nos Agências e Órgãos do Governo Federal hospitais Têm o poder de influenciar o grande público e de aumentar o alcance e a frequência das mensagens 28

29 Progresso na Direção dos Objetivos da Campanha Porcentagem de Hospitais Atingindo as Medidas de PFE, Julho 2013 e Setembro

30 Como chegaremos lá? Elimine dano ao paciente Focalize saúde melhor, assistência melhor e custo mais baixo para a população Comprometa-se no cuidado responsável e outros contratos alternativos que se distanciam do modelo de fee-for-service e se aproximam do modelo baseado em atingir melhores resultados a um custo mais baixo Invista na infraestrutura de qualidade necessária para a melhoria Focaliza na transparência dos dados e do desempenho Desenvolva modelos de pagamento e de prestação de serviços para especialidades médicas Teste novas inovações e aumente rapidamente a utilização das bem sucedidas Persiga sem trégua resultados de saúde melhores 30

31 Perguntas? 31

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP 1 Um pouquinho de teoria Cobertura e acesso universais são essenciais mas não suficientes Valor: patient health

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência Lucian Leape Institute, The National Patient Safety Foundation Relatório da Mesa-redonda [Roundtable] sobre transparência SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica

Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica XI Simpósio Brasileiro de Atenção Domiciliar - Hospital Israelita Albert Einstein Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica Milene Karine Zimmer Volpe OBJETIVOS Definir a Padronização Indicadores

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

para cobrir suas despesas de utilização. Resultado: para manter em dia o pagamento aos tem sido coberta pelas reservas do Plano Pleno,

para cobrir suas despesas de utilização. Resultado: para manter em dia o pagamento aos tem sido coberta pelas reservas do Plano Pleno, A Fundação tem sempre alertado sobre o crescente déficit dos planos Especial e Básico: mais de R$ 3 milhões em 2003. Administrar planos de autogestão como os da Sabesprev, sem fins lucrativos mas sujeitos

Leia mais

TISS. I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização

TISS. I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização TISS I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização Roteiro Panorama da Saúde Padrão TISS Reflexões Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

COMO COMEÇAR. Medicaid

COMO COMEÇAR. Medicaid Medicaid This is an Official U.S. Government Product COMO COMEÇAR Uma visão geral do Medicaid VAMOS COMEÇAR Medicaid (também chamado de Assistência Médica) é um programa conjunto dos governos federal e

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean

Leia mais

I Seminário de Gestão do Corpo Clínico

I Seminário de Gestão do Corpo Clínico I Seminário de Gestão do Corpo Clínico AMMG e FEDERASSANTAS Experiências e Modelos de Gestão de Corpo Clínico. Henrique Salvador 27.11.13 Dados Gerais Corpo Clínico Gestão do Corpo Clínico O HOSPITAL MATER

Leia mais

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO 1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO Os registros sobre a origem da acreditação nos Estados Unidos identificam como seu principal precursor, em 1910, o Doutor e Professor Ernest Amony Codman, proeminente cirurgião

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Claudia Garcia de Barros Diretora de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente Hospital Albert Einstein 1859 - Florence

Leia mais

Qualihosp. T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Qualihosp. T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Qualihosp T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e Estamos evoluindo para um mundo digital Número de dispositivos Em 2020, serão 10 dispositivos por pessoa, somando 50 bilhões de dispositivos

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Revendo o Sistema Unimed: Novas alternaivas, São Paulo, 05 de agosto de 2010 Dr. Paulo Borém Agenda Conceitos e fundamentos iniciais Fundamentação

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

Verticalização: Solução ou Engano?

Verticalização: Solução ou Engano? Verticalização: Solução ou Engano? Uma visão crítica sobre os modelos de assistência gerenciados e verticalizados São Paulo Junho de 2006 Modelo Público Britânico O NHS (National Health Service) foi criado

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

Cuidados Médicos em Domicílio e Comunitários Baseados em seus Gastos

Cuidados Médicos em Domicílio e Comunitários Baseados em seus Gastos Cuidados Médicos em Domicílio e Comunitários Baseados em seus Gastos (FONTE: The Scan Foundation Medicaid Home- and Community-Based Care Spending) Em 2009, Medicaid gastou 45% do seu total de longo prazo

Leia mais

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Coordenação: Aluísio Gomes da Silva Júnior, MD. PhD Professor do ISC-UFF Produto 2 BR/CNT/1500509.002

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO Medicaid FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Medicaid é um programa de seguro saúde aprovado em 1965 como parte da Guerra à Pobreza. Ele é financiado em conjunto com recursos federais e estaduais, e representa

Leia mais

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 O sistema de serviços de saúde é um sistema complexo, composto por diferentes atores sociais,

Leia mais

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Formação Acadêmica Curso de Avaliação da Qualidade em Saúde Fundação Getúlio Vargas (FGV) / 2011 MBA em Administração Hospitalar e serviços de saúde Fundação Getúlio

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diabetes Care January 2010 33:S89-S96; doi:10.2337/ dc10-s089 A Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes - DSME (Diabetes

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean Care

Leia mais

Taxa de mortalidade cirúrgica

Taxa de mortalidade cirúrgica Taxa de mortalidade cirúrgica V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-03 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos utilizados

Leia mais

A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde

A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde Lincoln de Assis Moura Jr, MSc, DIC, PhD lincoln.a.moura@gmail.com.br 11 8426-6276 Convicção Métodos artesanais são incompatíveis

Leia mais

REDE SÃO CAMILO. Seminário Nacional de Acreditação CBA - JCI. Assistência Segura ao Paciente: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Pratica Assistencial

REDE SÃO CAMILO. Seminário Nacional de Acreditação CBA - JCI. Assistência Segura ao Paciente: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Pratica Assistencial REDE SÃO CAMILO VI Seminário Nacional de Acreditação CBA-JCI Assistência Segura ao aciente: Uma Reflexão Teórica Aplicada à ratica Assistencial Daniela Akemi Gerente Corporativo da Qualidade Seminário

Leia mais

Cruz Vermelha Brasileira

Cruz Vermelha Brasileira Cruz Vermelha Brasileira Modelo de Gestão 5As MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO CENÁRIO INSTITUCIONAL Hospital de Campanha ARC Hospital de Campanha Atendimento Pré Hospitalar

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA Prof. G. DURANT A Bélgica (11 milhões de habitantes) é um país federal. PIB/capita: 39.860 dolares Gastos totais com saúde- 10,6% du PNB (Produit National Brut)

Leia mais

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde Experiência Bradesco Saúde Pontos O Mercado de Saúde Suplementar O Contexto da Bradesco Saúde A Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde 2 Despesas Totais

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Termos de referência Governação Clínica e Qualidade A governação clínica procede

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

Casos Internacionais. Série IESS 0005/2006. São Paulo, 12 de fevereiro de 2006

Casos Internacionais. Série IESS 0005/2006. São Paulo, 12 de fevereiro de 2006 Série IESS 0005/2006 São Paulo, 12 de fevereiro de 2006 Coordenação: Ernesto Cordeiro Marujo Elaboração: Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo IESS Instituto de Estudos de Saúde Suplementar

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 2012 Towers Watson. Todos os direitos reservados. 29ª Pesquisa de Benefícios Towers Watson

Leia mais

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III PESQUISA SOBRE SAÚDE CORPORATIVA EFETUADA POR UM CONSORCIO DE EMPRESAS DA ÁREA DE SAUDE CONSTATAÇÕES E IMPLICAÇÕES Duração: 4 semanas 44 respondentes Respondentes

Leia mais

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro Cuidados Paliativos - construindo uma rede Agosto 2012 Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Cláudia Naylor

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

FELICIDADE NO TRABALHO Significado e propósito para as pessoas

FELICIDADE NO TRABALHO Significado e propósito para as pessoas FELICIDADE NO TRABALHO Significado e propósito para as pessoas SERASA EXPERIAN A Serasa Experian é resultado da união do maior bureau de crédito do mundo fora dos Estados Unidos e da maior empresa de informações

Leia mais

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 antonio.antonietto@hsl.org.br Até meados dos anos 70 - hospitais universitários ou de organizações

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares José Cechin Superintendente Executivo José Cechin Carina Burri Martins Francine Leite Apresentação Entende-se por Custos Médico-Hospitalares o total das despesas

Leia mais

Instruções para o preenchimento

Instruções para o preenchimento Instruções para o preenchimento Este questionário está desenhado para apoiar os sistemas (organizações, serviços) na avaliação e aperfeiçoamento dos cuidados prestados ao doente crónico. Os resultados

Leia mais

RH 2020: Valor e Inovação. Benefício Saúde: Reforma do Sistema de Saúde Americano

RH 2020: Valor e Inovação. Benefício Saúde: Reforma do Sistema de Saúde Americano RH 2020: Valor e Inovação Benefício Saúde: Reforma do Sistema de Saúde Americano Transformações recentes no mercado Americano podem ser replicadas no Brasil? Cesar Lopes 7 de maio de 2015, São Paulo Visão

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Programa. Prêmio Europeu de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015 / 2016

Programa. Prêmio Europeu de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015 / 2016 Programa Prêmio Europeu de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015 / 2016 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean Care is

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

PROJETO ATENÇÃO INTEGRAL EM ONCOLOGIA NA SAÚDE SUPLEMENTAR: Discussões iniciais

PROJETO ATENÇÃO INTEGRAL EM ONCOLOGIA NA SAÚDE SUPLEMENTAR: Discussões iniciais PROJETO ATENÇÃO INTEGRAL EM ONCOLOGIA NA SAÚDE SUPLEMENTAR: Discussões iniciais Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Clique Janeiro, para 24 editar de maio local

Leia mais

Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria

Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria Um recurso para todos os parceiros em saúde comprometidos com o fortalecimento da segurança

Leia mais

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência Irene Minikovski Hahn novas tecnologias remuneração pela doença transição demográfica falta de incentivo para avaliação de qualidade

Leia mais

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH?

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Dra. Cláudia Mangini Hospital Municipal de SJC Hospital vivalle Controle de Infecção Hospitalar e Sistemas de Acreditação Traçar um paralelo

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR Sejam bem vindos a Nossa História e Filosofia Antes da Lei Nº 9656/98 Constatação: Dificuldade da continuidade da internação pelos limites de dias; Não coberturas de procedimentos; Ausência de suporte

Leia mais

Desafios dos sistemas de saúde dos países BRICS

Desafios dos sistemas de saúde dos países BRICS Desafios dos sistemas de saúde dos países BRICS Dados e informações selecionadas Unidade Técnica Serviços de Saúde OPAS/OMS Representação do Brasil Renato Tasca Janeiro 2012 Tradução Portal da Inovação

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Atenção Integral ao Paciente Crônico: Desafios e Estratégias

Atenção Integral ao Paciente Crônico: Desafios e Estratégias Atenção Integral ao Paciente Crônico: Desafios e Estratégias O Impacto da "Gestão de Crônicos e Case Management no Controle de Custos Assistenciais Fábio Abreu 26/03/2013 Agenda 1.Resultado em Saúde 2.Evolução

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL A Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), desde meados de 2010, vem liderando

Leia mais

Protocolos Gerenciados na Assistência. Ana Vasconcelos. Enfermeira Coordenadora do Programa Integrado de Cirurgia Hospital Israelita Albert Einstein

Protocolos Gerenciados na Assistência. Ana Vasconcelos. Enfermeira Coordenadora do Programa Integrado de Cirurgia Hospital Israelita Albert Einstein Ana Vasconcelos Enfermeira Coordenadora do Programa Integrado de Cirurgia Hospital Israelita Albert Einstein Graduação em Enfermagem Centro Universitário São Camilo Pós Graduação em Administração Hospitalar

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais