MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS"

Transcrição

1 SIMPOSIO SOBRE PRAGAS FLORESTAIS Montes Claros/MG MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal

2 HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL JANEIRO DE 1996: MANEJO DE FORMIGAS E PRAGAS OCASIONAIS PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CONSULTORIA TREINAMENTO : PROJETO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO COM ARACRUZ PRIMEIRA VERSÃO DO SISTEMA DICE DE MANEJO DE FORMIGAS

3 A partir de 2000 PRESTAÇÃO SERVIÇOS PROTEÇÃO FLORESTAL SISTEMAS DE MONITORAMENTOS: DICE - FORMIGAS CORTADEIRAS FOCOS - PRAGAS E DOENÇAS OCASIONAIS MPD - ERVAS INFESTANTES (2005) SMF MONITORAMENTO FLORESTAL: INCÊNDIOS PATRIMONIO ESTRADAS DANOS A FLORA GADO CAÇA E PESCA LIXO USO COMUNITÁRIO PLANTAS INVASORAS OUTROS

4 HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL EMPRESA FLORESTAL Gestão do processo EQUILÍBRIO Planejamento Programação Monitoramento Análise Recomendação Otimização Controle: previsto x realizado CONTROLE OPERACIONAL Executa controle

5 USO DE TECNOLOGIA PRÓPRIA COLETA AUTOMATIZADA USO DE IMAGENS E GEOREFERENCIA

6 ARMAZENAMENTO E GESTÃO DOS DADOS AUTOMATIZADOS

7 OUTRAS ATIVIDADES ATUAIS: Controle de qualidade das operações de silvicultura e colheita. Apoio à experimentação e pesquisa. Apoio à atividades em RPPN. Atuação operacional: Controle pontuais de formigueiros. Controle de ervas em carreadores. Desobstrução de estradas com motoserra. Detecção e avaliação de focos de incêndios. Controle de focos de incêndios ( /ano).

8

9

10

11 EXEMPLO: Cabine suplementar, para 6 pessoas, com porta para os assentos do lado direito do caminhão e porta exclusiva de acesso ao banheiro do outro lado.

12

13 BANHEIRO: Porta exclusiva de acesso, do lado esquerdo do caminhão; banheiro totalmente isolado do restante da cabine.

14

15

16

17

18

19

20 Áreas de atuações da Equilibrio no Brasil

21 EVOLUÇÃO DE COLABORADORES

22 RELAÇÃO DE FUNÇÕES COLABORADORES 4 SÓCIOS SUPERVISOR DE INFORMÁTICA 0,37% SUPERVISOR AMBIENTAL 0,37% SUPERVISOR ADMINISTRATIVO 0,37% TÉCNICO DA QUALIDADE 0,37% SUPERVISOR OPERACIONAL 2,56% TÉCNICO DE SEGURANÇA 1,10% TI 1,83% VIGIA AMBIENTAL 2,20% TORRISTA 9,16% AJUDANTE FLORESTAL 2,20% ADM 5,86% AUXILIAR DE LIMPEZA 1,83% ANALISTA DE SISTEMA 0,37% ANALISTA DE QUALIDADE 0,37% AUXILIAR DE PESQUISA JUNIOR 1,83% AUXILIAR DE PESQUISA PLENO 1,83% AUXILIAR DE PESQUISA SENIOR 0,37% COORDENADOR ADMINISTRATIVO 0,37% COORDENADOR OPERACIONAL 1,83% SÓCIOS 1,47% ENCARREGADO DE PESQUISA PLENO 1,83% MOTORISTA 4,40% MENOR APRENDIZ 1,83% MONITOR 55,31%

23 TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE FORMIGAS: A MAIORIA QUER OUVIR GRANDES NOVIDADES: Uso de VANT no levantamento de formigas HISTÓRICO DO MONITORAMENTO DE FORMIGAS: Por quê? Já houve evolução na tecnologia de monitoramento Por diversos motivos (30 anos), nem todos percebem ou entendem Assim, o que existe hoje, muitas vezes, não é aplicado Existem até propostas novas, dentro desse cenário NOVA LEI DE TRÂNSITO

24 NÍVEL DE CONSCIÊNCIA DO MONITORAMENTO: POUCA INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO SEM ENTENDIMENTO INFORMAÇÃO SEM APLICAÇÃO INFORMAÇÃO APLICADA

25 TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE FORMIGAS: PLANEJAMENTO: monitoramento X controle MEDIDAS DO AMBIENTE: Infestação Danos Atividade dos formigueiros Sub-bosque Outros... MÉTODOS DE AMOSTRAGEM: o Procedimentos de vistoria e coleta de dados o Estratificação Cálculo da densidade de ninhos: Densidade (n/ha) de ninhos por classes (grupo spp., tamanho) Infestação total (n/ha *m2/ninho = m2/ha) MATRIZ DE DECISÃO: Nível de convivência Medidas do ambiente X decisão de controle Decisão de controle => Métodos e procedimentos empregados

26 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: INÍCIO EM 1983: Objetivo: conhecer as características da infestação de formigas, para ajustar a densidade de distribuição sistemática dos MPIS a infestação Aracruz, hoje FIBRIA-Aracruz 1996 DICE ALGO A MAIS: Controle de qualidade: Recomendação X método controle Operação aplicação Formicida Otimização de recursos

27 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: ESTRATÉGIAS DE SUCESSO: Estratificação da área: Ponto crítico no talhão Pior foco informação usada de forma diferente Análise da infestação sob diversos índices : Densidade e tamanho médio (m 2 ) por classes de formigueiros: o Grupo de espécies o Tamanhos => Atta Infestação total: m 2 /ha Consideração de outras características da área: Destacando: sub-bosque

28 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: 1996 DICE: ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS, QUE PRECISARAM EVOLUIR: Recomendação por região e fase silvicultura Aumento de periodicidade dos controles

29 Infestação (m2/ha) HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: Custo (R$/ha.ano) SISTEMA DICE SISTEMA Figura 11. Evolução dos custos/ha.ano do controle de formigas com aplicação direta de isca (DU) ou uso de portaiscas (MIPIS). Área 1: infestação Área 1: DU Área 1: MIPIS Tempo entre controles 0

30 SISTEMA DICE SISTEMA 2 PERÍDODO SECO JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ LAC B-1 B-2 B-3 B-4 B-5 B-6 CM B-1 B-2 B-3 B-4 B-5 B-6 CB-1 B-1 B-2 B-3 B-4 B-5 B-6 LAC B-5 B-6 B-1 B-2 B-3 B-4 CB-2 B-5 B-6 B-1 B-2 B-3 B-4 CM-E B-4 B-5 B-6 B-1 B-2 B-3 FEVEREIRO MONITORA? NÃO ANÁLISE CONTROLE? PRIORIDADE ABRIL A SETEMBRO CONTROLE SIM PRIORIDADE CONTROLE Técnicos de nível médio Coletores de dados Análise e recomendação em 24 horas Decisão: Não controle Controle borda 5R MIPIS 3R 1R

31 % HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: 100 Comparativo Custos Procedimentos de Controle R 3 R 5 R Borda Procedimento

32 SISTEMA DICE SISTEMA 2 DISTÂNCIA (0,0 A 15,0 M) COMPRIMENTO DO TRANSECTO RENDIMENTO MÉDIO DO MONITORAMENTO: Equipe 2 técnicos: = 400 ha/dia = 200 ha/técnico

33 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO:

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43 ATTA-FLEX: 5 sensores nas rodas: cerca de 1,4 metro de distância no solo (depende do diâmetro total dos pneus), entre os sensores (distância máxima entre doses = cerca e 7 m = 5*1,4). Dosador tipo rosca sem fim. Regulagens: Tempo de acionamento da rosca (1,3 s). Sensores entre doses (02) => distância entre doses (2,8 m). Rotação da rosca quando ligado (67%). Obs: tempo + rotação definem a dose (g/dose).

44 DOSAGEM (KG/HA) FIXA. APENAS VARIANDO O ESPAÇAMENTO. MAIS DE 1 HORA PARA CALIBRAR.

45 SISTEMA IDEALIZADO DICE TALHÃO ARQUIVO ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS (m). FAIXA DE APLICAÇÃO: 3R, 5R ou 7R DOSE SISTEMÁTICA (kg/ha) CONFIGURAÇÃO FIXA g/dose. Diâmetro pneu (cm) TRATOR TRATORISTA Acionamento aplicação localizada

46

47

48

49

50

51 Homologado para uso experimental CAVE: Certificado de Autorização de Voo Experimental Pedido aprovado de reserva de espaço aéreo junto a ANAC Toda operação autônoma deve haver meios do piloto em comando intervir

52 09/06/2014 COMBATE COM MIPIS AVALIAÇÃO DO CONSUMO Ajuste da distribuição para a unidade de manejo - UMF Indicação da necessidade de novo controle PRIMEIRA APLICAÇÃO DE MIPIS: 15 dias N1/ha Avaliação do consumo de MIPIS Meta de consumo Meta Meta N2/HA

53 09/06/2014 CONSUMO DE MIPIS AJUSTE DA DISTRIBUIÇÃO N1/ha % Consumo 60 Tempo (número de áreas monitoradas)

Incêndios florestais no Amapá

Incêndios florestais no Amapá FLORESTA 30(1/2): 23-36 Incêndios florestais no Amapá DORACI MILANI RESUMO Os incêndios florestais são responsáveis por grandes perdas tanto vegetais quanto animais e em sua maioria estão associados a

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal Equilíbrio Equipamentos de Proteção Ambiental PREVENÇÃO

Leia mais

Controle de pragas - formigas

Controle de pragas - formigas Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Controle de pragas - formigas Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun Dois Vizinhos

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS.

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS. 1. OBJETO CONSTITUI O OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS DE ANHEMBI E ITATINGA DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN Morais, E.J. de 1 Oliveira, A.C. de 1 Barcelos, J.A.V. 1 Cruz, J.E. da 1 Os novos tempos de recursos escassos e elevada competitividade

Leia mais

COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO

COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO Nelson Sanches Bezerra Jr. Eng. Florestal nelson@equilibrioflorestal.com.br HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL JANEIRO DE 1996: MANEJO

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela!

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA A Estrela é uma plantadora pneumática articulada, ágil, de grande porte e com rodado de plantio posicionado entre as linhas. A Estrela trabalha

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA Anexo I PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título: Estação hidrometeorológica automatizada com microcontrolador Arduíno 1.2. Grande Área do Conhecimento: ( x )1. Exatas e

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR Bansho,J.Y. 1 Carneiro, D.A. 1 Cordeiro, L. 1 RESUMO De forma genérica pode-se afirmar que não há áreas de pastagem, floresta nativas ou reflorestamentos no

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk Planejamento Financeiro Aula 6 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Orçamento Ferramenta para o sucesso empresarial Tomada de decisão Exposição de hipóteses Sistema de autorização, meio de planejamento,

Leia mais

Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação

Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação Encontro COPEDUC Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação Porto Alegre/RS 18 de março de 2015 Planejando a Próxima Década EMENDA CONSTITUCIONAL 59/2009 Artigo 214 Plano Nacional

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48 25/05/2015 10:59:09 Página 1 Grupo: 000894 Prazo: 084 Prazo Restante: 062 Assembleia Atual: 023 11/06/2015 Vencimento: 08/06/2015 Participantes: 600 Cotas Vagas: 000 Característica: 1 SORTEIO - 1 SORTEIO

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

AlphaVille Fortaleza. Previsão Orçamentária 2015. Reunião do Conselho Diretor Novembro/2014 1

AlphaVille Fortaleza. Previsão Orçamentária 2015. Reunião do Conselho Diretor Novembro/2014 1 AlphaVille Fortaleza Previsão Orçamentária 2015 Reunião do Conselho Diretor Novembro/2014 1 Previsão Balanço Final / 2014 Previsão de Receitas Taxa Manutenção - Nov/14 e Dez/14 R$ 668.10 Resultado (Saldo

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

Fluxo de caixa desde Dom 10/10/10 GP5 - Cronograma 201010010

Fluxo de caixa desde Dom 10/10/10 GP5 - Cronograma 201010010 Jun/10 Jul/10 Ago/10 Set/10 Out/10 Nov/ Projeto GP5: Casa Popular Gerenciamento de Projetos 1ª Entrega Project Charter do Projeto Pesquisar sobre o Projeto R$ 5.754,38 R$ 1.912,50 Descrever o Project Charter

Leia mais

Comunicação e Treinamentos. HotelariaHospitalar.com

Comunicação e Treinamentos. HotelariaHospitalar.com Comunicação e Treinamentos HotelariaHospitalar.com Sobre a Empresa Fundação, Missão, Visão e Valores, Estrutura e Atividades Histórico Constituída em Julho de 2012, após criação do blog Hotelaria Hospitalar

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA 1. Apresentação O Setor de Nutrição e Dietética O Serviço de Nutrição e Dietética, esta localizado ao lado direito do prédio central, sua instalação

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

PROJETO REDE URBANA DO BRASIL 2011-2014 RUBR 2012

PROJETO REDE URBANA DO BRASIL 2011-2014 RUBR 2012 PROJETO REDE URBANA DO BRASIL 2011-2014 RUBR 2012 Objetivos relacionados a CARACTERIZAÇÃO E TENDENCIAS DA REDE URBANA DO BRASIL 2012. 1. OBJETIVO FINAL A partir do projeto Dinâmica urbana dos estados,

Leia mais

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015)

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Secretária Executiva Dezembro de 2015 Resultado da Gestão Janeiro à Dezembro de 2015 Gestão Voltada para Resultados Secretaria Executiva Z Resultado da Gestão Janeiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de 1.000 ha de Florestas implantadas

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011 DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011 p Índice ÍNDICE S&P 500... 2 ÍNDICE BOVESPA FUTURO OUT/11... 3 PETRÓLEO SPOT TIPO BRENT... 4 PETROBRÁS PN... 5 TAXA DE CÂMBIO SPOT USD/EURO...

Leia mais

PLANEJAMENTO DE TRABALHO PARA MELHORIA DA SEGURANÇA PRATICADA. Autor: Data

PLANEJAMENTO DE TRABALHO PARA MELHORIA DA SEGURANÇA PRATICADA. Autor: Data PLANEJAMENTO DE TRABALHO PARA MELHORIA DA SEGURANÇA PRATICADA Autor: Data ABRANGÊNCIA DO TRABALHO Trabalho desenvolvido na Diretoria da Distribuição da Cemig D. Força de trabalho envolvida: 9310 Empregados

Leia mais

Pós-Graduação em Formação de Gerentes Pós-Graduação em Gestão de Pessoas. COMUNICADO Nº 06, de 11 de abril de 2014

Pós-Graduação em Formação de Gerentes Pós-Graduação em Gestão de Pessoas. COMUNICADO Nº 06, de 11 de abril de 2014 Estado de Goiás Secretaria de Gestão e Planejamento Superintendência da Escola de Governo Henrique Santillo Pós-Graduação em Formação de Gerentes Pós-Graduação em Gestão de Pessoas COMUNICADO Nº 06, de

Leia mais

Case SICREDI CA Clarity PPM. CA PPM Summit Brasil 2012

Case SICREDI CA Clarity PPM. CA PPM Summit Brasil 2012 Case SICREDI CA Clarity PPM CA PPM Summit Brasil 2012 Agenda Conhecendo o Sicredi Seleção e Implantação de uma Solução de PPM O CA-Clarity PPM no Sicredi Roadmap 2012 Agenda Conhecendo o Sicredi Seleção

Leia mais

PROJETO SERGIPE CENTENÁRIO: Um Clube Vencedor

PROJETO SERGIPE CENTENÁRIO: Um Clube Vencedor PROJETO SERGIPE CENTENÁRIO: Um Clube Vencedor PROJETO SERGIPE CENTENÁRIO: Um Clube Vencedor Objetivo: Dotar o CSS de estrutura de organização empresarial com gestão sustentável, moderna, transparente e

Leia mais

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Unidade de Negócio Baixada Santista População Fixa 1800.000 habitantes População Alta Temporada 4.000.000 habitantes Domicílios

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF Goiânia GO Janeiro 2010 SUMÁRIO Tabela 1 - Síntese dos Resultados 3 Tabela 2 - Variações percentuais sobre o mês anterior 3 Análise dos Resultados 4 Tabela 3 - Intenção

Leia mais

Edital n o 79/2013 ANEXO III PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO

Edital n o 79/2013 ANEXO III PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO Edital n o 79/2013 ANEXO III PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO Qualidade do Projeto / Mérito Item Máximo Objetivo e Objetivos Específicos do Projeto 10 Justificativa 10 Clareza da Proposta 10 Coerência e Relevância

Leia mais

Tabela 5.76 - Dez maiores ocorrências mensais registradas no PROCON Juiz de Fora, 2008

Tabela 5.76 - Dez maiores ocorrências mensais registradas no PROCON Juiz de Fora, 2008 Janeiro Fevereiro Telefonia celular 370 13,50 Telefonia celular 372 14,50 Cartão de crédito 334 12,19 316 12,31 294 10,73 Cartão de crédito 281 10,95 Banco comercial 230 8,39 Banco comercial 199 7,76 expansão,/compra

Leia mais

Campanha: Diga Não para o Desperdício

Campanha: Diga Não para o Desperdício Campanha: Diga Não para o Desperdício Elian A Elian está no mercado há 24 anos, atuando no ramo têxtil. Produzimos roupa infantil e adulto masculino e feminino; Hoje a empresa possui dois parques fabris

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

PEX Canal PAP 1ª Onda 2015

PEX Canal PAP 1ª Onda 2015 PEX Canal PAP 1ª Onda 2015 PEX CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO FAIXAS DE CLASSIFICAÇÃO Diamante: 90,0% a 100% de adequação Ouro: 80,0% a 89,99% de adequação Prata: 70,0% a 79,99% de adequação Sem Qualificação:

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROJETO: RECICLANDO E PLANTANDO APRESENTAÇÃO Em atendimento ao TCA/01, assinado pelo município de Divino de São Lourenço e o Ministério Publico Estadual em atendimento a

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov. Revendo Procedimentos e Evitando Sonegação Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.br Fone: (47) 3431-3148 3148 / 3431-31553155 Agradecimentos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Autor: Vinicius Silva Neves Ampla Energia e Serviços S.A. RESUMO O Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL, é um indicador de prevenção de acidentes

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

IRRIGAÇÃO. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

IRRIGAÇÃO. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: IRRIGAÇÃO 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

Indicadores de desempenho. www.qualidadebrasil.com.br

Indicadores de desempenho. www.qualidadebrasil.com.br Indicadores de desempenho www.qualidadebrasil.com.br Zafenate Desidério De 1999 até 2010 atuando como gestor da Qualidade através de 5 cerbficações ISO 9001 no Rio Grande do Sul nas áreas eletrônicas E

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

Palestra: Release de Projetos em TI.

Palestra: Release de Projetos em TI. Palestra: Release de Projetos em TI. Renato Servone Festa Coordenador de Sistemas Histórico Profissional MBA em Gestão Empresarial Bacharel em Administração de Empresas Experiência desde 1996 em programação,

Leia mais

Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas

Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas D. V. B. Pereira a, A. Pasqualetto b, O. R. dos Santos b a. Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC Goiás. b. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE:

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE: 1 REGIMENTO DA FAZENDA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-FEPE ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008, RESOLUÇÃO UNESP-40, DE 11-10-2011 E PORTARIA UNESP-469, DE 25-7- 2012 Do Conceito

Leia mais

QUALIDADE E INVESTIMENTO

QUALIDADE E INVESTIMENTO RAIO X (PÓS-DECRETO) 6.523/08 QUALIDADE E INVESTIMENTO Expectativa de CRESCIMENTO do Setor de Call Center (SAC) em função do Decreto (Empresas Prestadoras de Serviços - (ABT) Investimento: 01 Bilhão (reais)

Leia mais

BOM DIA A TODOS INOVAÇÃO E MECANIZAÇÃO NA SILVICULTURA

BOM DIA A TODOS INOVAÇÃO E MECANIZAÇÃO NA SILVICULTURA BOM DIA A TODOS INOVAÇÃO E MECANIZAÇÃO NA SILVICULTURA Francisco José de Queiroz Orlanda Eng Mecânico e Eng de Segurança do trabalho ARADOR MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS LTDA FONE: (0xx16) 3202-1760

Leia mais

1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA

1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA 1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA 1.2 Prestação de serviços na área de Gestão Documental: administração, guarda, restauração, organização,

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DECURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DECURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DECURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação de Técnicos em Classificação de Produtos Vegetais

Leia mais

COMO ELABORAR UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

COMO ELABORAR UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Série: 3º ANO ENSINO MÉDIO MATERIAL COMPLEMENTAR COMO ELABORAR UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO São Paulo 2012 1 1. APRESENTAÇÃO GRÁFICA: Todo trabalho escolar deve conter impressão de boa qualidade,

Leia mais

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 A Análise do Comércio Varejista é uma avaliação bimestral que visa mostrar o desempenho dos negócios do comércio no mês de Dezembro/2015 e identifica a percepção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA UNIFICADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SUAP) NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO IFMA SÃO LUÍS JANEIRO 2013 APRESENTAÇÃO A importância da informática na administração

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

Seminário sobre Acidentes de Trabalho

Seminário sobre Acidentes de Trabalho Seminário sobre Acidentes de Trabalho ABRANGÊNCIA Paulo Afonso Itaparica Xingó Bom Nome Cícero Dantas ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Regional de Paulo Afonso Gerência Regional de Operação de Paulo Afonso - GRP

Leia mais

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA -

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO - PLANO ANUAL DE AUDITORIA - NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO EXERCÍCIO 2014 NOVEMBRO 2013 INTRODUÇÃO O Plano Anual de Auditoria do Núcleo

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Elaborado pelo Departamento de Pesquisa - AABIC CONSIDERAÇÕES JUNHO DE 2015 No mês de junho, o IPEVECON registrou variação positiva de 0,72%,

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015 Os números do mês de agosto - Macaé De acordo com os dados do CAGED em agosto de 2015, foram suprimidos

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

São Paulo, Brasil 25 de Novembro de 2014

São Paulo, Brasil 25 de Novembro de 2014 São Paulo, Brasil 25 de Novembro de 2014 Suporte PTT Fórum 8 2014 Julimar Lunguinho Mendes Equipe de Engenharia Objetivo Repassar algumas informações de como os participantes

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Análise de Cenários Econômicos (Disciplina

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

Controlo da Qualidade da Água

Controlo da Qualidade da Água Plano de Controlo da Qualidade da Água no Porto de Leixões Agosto de 2011 Actualizado Março 2013 Actualizado Abril 2014 Actualizado Julho 2015 Actualizado Abril 2016 DRH/ Div. Gestão e Saúde Ocupacional

Leia mais

XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP 11.4-13.4. 2011

XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP 11.4-13.4. 2011 COLHEITA DE MADEIRA EM TERRENOS ACIDENTADOS RECENTES DESENVOLVIMENTOS TÉCNICOS E SEU USO NA SUÍÇA XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP

Leia mais

Projeto de Representatividade

Projeto de Representatividade Projeto de Representatividade Cemig Distribuição S. A. Belo Horizonte, 02 de agosto de 2011. Projeto Representatividade Cemig Distribuição S. A. Planejamento Projeto de Representatividade Objetivo Garantir

Leia mais

Seminário Ministério das Comunicações Anatel e Abert

Seminário Ministério das Comunicações Anatel e Abert Seminário Ministério das Comunicações Anatel e Abert Atuação da Fiscalização Simone de Oliveira Brandao Gerência de Fiscalização e Supervisão Regional Organograma Anatel Estrutura da SRF SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Índice. Projetos sociais internos. Projetos para a comunidade. Projetos para família. Apresentação. A empresa. Meio ambiente. Parada da cidadania 3

Índice. Projetos sociais internos. Projetos para a comunidade. Projetos para família. Apresentação. A empresa. Meio ambiente. Parada da cidadania 3 AUTO VIACÃO CHAPECÓ Apresentação Projetos sociais internos Projetos para a comunidade Projetos para família Parada da cidadania 3 Pro ssionalização 7 Conselho de usuários 21 Papai noel na sua casa 29 Metodologia

Leia mais

Drones, modelos, usos e aplicações. Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa

Drones, modelos, usos e aplicações. Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa Drones, modelos, usos e aplicações Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa Apresentação Palestrantes O site de projetos benejsan (www.benejsan.com.br) O Grupo de desenvolvimento de software

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão de Custos Logísticos CST em Logística A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

Pacote Microsoft Partner;Waldemar Nogueira;Microsoft Office 2007[2 licença(s)];impressora A3[1 und]

Pacote Microsoft Partner;Waldemar Nogueira;Microsoft Office 2007[2 licença(s)];impressora A3[1 und] 0 Implantação do CMMI-DEV L2 509,13 dias 01/Fev/10 08/Fev/12 1 1 Iniciação 187 dias 01/Fev/10 01/Nov/10 2 1.1 Formar e institucionalizar SEPG 187 dias 01/Fev/10 01/Nov/10 3 1.1.1 Treinamento 2 dias 01/Fev/10

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIEVANGÉLICA - 2015/2016. Projeto de Pesquisa do Coordenador e Subprojeto do Discente

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIEVANGÉLICA - 2015/2016. Projeto de Pesquisa do Coordenador e Subprojeto do Discente PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIEVANGÉLICA - 20/20 Projeto de Pesquisa do Coordenador e Subprojeto do Discente Projeto de Pesquisa NOME DO COORDENADOR EM CAIXA ALTA INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais