MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS"

Transcrição

1 SIMPOSIO SOBRE PRAGAS FLORESTAIS Montes Claros/MG MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal

2 HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL JANEIRO DE 1996: MANEJO DE FORMIGAS E PRAGAS OCASIONAIS PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CONSULTORIA TREINAMENTO : PROJETO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO COM ARACRUZ PRIMEIRA VERSÃO DO SISTEMA DICE DE MANEJO DE FORMIGAS

3 A partir de 2000 PRESTAÇÃO SERVIÇOS PROTEÇÃO FLORESTAL SISTEMAS DE MONITORAMENTOS: DICE - FORMIGAS CORTADEIRAS FOCOS - PRAGAS E DOENÇAS OCASIONAIS MPD - ERVAS INFESTANTES (2005) SMF MONITORAMENTO FLORESTAL: INCÊNDIOS PATRIMONIO ESTRADAS DANOS A FLORA GADO CAÇA E PESCA LIXO USO COMUNITÁRIO PLANTAS INVASORAS OUTROS

4 HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL EMPRESA FLORESTAL Gestão do processo EQUILÍBRIO Planejamento Programação Monitoramento Análise Recomendação Otimização Controle: previsto x realizado CONTROLE OPERACIONAL Executa controle

5 USO DE TECNOLOGIA PRÓPRIA COLETA AUTOMATIZADA USO DE IMAGENS E GEOREFERENCIA

6 ARMAZENAMENTO E GESTÃO DOS DADOS AUTOMATIZADOS

7 OUTRAS ATIVIDADES ATUAIS: Controle de qualidade das operações de silvicultura e colheita. Apoio à experimentação e pesquisa. Apoio à atividades em RPPN. Atuação operacional: Controle pontuais de formigueiros. Controle de ervas em carreadores. Desobstrução de estradas com motoserra. Detecção e avaliação de focos de incêndios. Controle de focos de incêndios ( /ano).

8

9

10

11 EXEMPLO: Cabine suplementar, para 6 pessoas, com porta para os assentos do lado direito do caminhão e porta exclusiva de acesso ao banheiro do outro lado.

12

13 BANHEIRO: Porta exclusiva de acesso, do lado esquerdo do caminhão; banheiro totalmente isolado do restante da cabine.

14

15

16

17

18

19

20 Áreas de atuações da Equilibrio no Brasil

21 EVOLUÇÃO DE COLABORADORES

22 RELAÇÃO DE FUNÇÕES COLABORADORES 4 SÓCIOS SUPERVISOR DE INFORMÁTICA 0,37% SUPERVISOR AMBIENTAL 0,37% SUPERVISOR ADMINISTRATIVO 0,37% TÉCNICO DA QUALIDADE 0,37% SUPERVISOR OPERACIONAL 2,56% TÉCNICO DE SEGURANÇA 1,10% TI 1,83% VIGIA AMBIENTAL 2,20% TORRISTA 9,16% AJUDANTE FLORESTAL 2,20% ADM 5,86% AUXILIAR DE LIMPEZA 1,83% ANALISTA DE SISTEMA 0,37% ANALISTA DE QUALIDADE 0,37% AUXILIAR DE PESQUISA JUNIOR 1,83% AUXILIAR DE PESQUISA PLENO 1,83% AUXILIAR DE PESQUISA SENIOR 0,37% COORDENADOR ADMINISTRATIVO 0,37% COORDENADOR OPERACIONAL 1,83% SÓCIOS 1,47% ENCARREGADO DE PESQUISA PLENO 1,83% MOTORISTA 4,40% MENOR APRENDIZ 1,83% MONITOR 55,31%

23 TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE FORMIGAS: A MAIORIA QUER OUVIR GRANDES NOVIDADES: Uso de VANT no levantamento de formigas HISTÓRICO DO MONITORAMENTO DE FORMIGAS: Por quê? Já houve evolução na tecnologia de monitoramento Por diversos motivos (30 anos), nem todos percebem ou entendem Assim, o que existe hoje, muitas vezes, não é aplicado Existem até propostas novas, dentro desse cenário NOVA LEI DE TRÂNSITO

24 NÍVEL DE CONSCIÊNCIA DO MONITORAMENTO: POUCA INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO SEM ENTENDIMENTO INFORMAÇÃO SEM APLICAÇÃO INFORMAÇÃO APLICADA

25 TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE FORMIGAS: PLANEJAMENTO: monitoramento X controle MEDIDAS DO AMBIENTE: Infestação Danos Atividade dos formigueiros Sub-bosque Outros... MÉTODOS DE AMOSTRAGEM: o Procedimentos de vistoria e coleta de dados o Estratificação Cálculo da densidade de ninhos: Densidade (n/ha) de ninhos por classes (grupo spp., tamanho) Infestação total (n/ha *m2/ninho = m2/ha) MATRIZ DE DECISÃO: Nível de convivência Medidas do ambiente X decisão de controle Decisão de controle => Métodos e procedimentos empregados

26 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: INÍCIO EM 1983: Objetivo: conhecer as características da infestação de formigas, para ajustar a densidade de distribuição sistemática dos MPIS a infestação Aracruz, hoje FIBRIA-Aracruz 1996 DICE ALGO A MAIS: Controle de qualidade: Recomendação X método controle Operação aplicação Formicida Otimização de recursos

27 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: ESTRATÉGIAS DE SUCESSO: Estratificação da área: Ponto crítico no talhão Pior foco informação usada de forma diferente Análise da infestação sob diversos índices : Densidade e tamanho médio (m 2 ) por classes de formigueiros: o Grupo de espécies o Tamanhos => Atta Infestação total: m 2 /ha Consideração de outras características da área: Destacando: sub-bosque

28 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: 1996 DICE: ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS, QUE PRECISARAM EVOLUIR: Recomendação por região e fase silvicultura Aumento de periodicidade dos controles

29 Infestação (m2/ha) HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: Custo (R$/ha.ano) SISTEMA DICE SISTEMA Figura 11. Evolução dos custos/ha.ano do controle de formigas com aplicação direta de isca (DU) ou uso de portaiscas (MIPIS). Área 1: infestação Área 1: DU Área 1: MIPIS Tempo entre controles 0

30 SISTEMA DICE SISTEMA 2 PERÍDODO SECO JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ LAC B-1 B-2 B-3 B-4 B-5 B-6 CM B-1 B-2 B-3 B-4 B-5 B-6 CB-1 B-1 B-2 B-3 B-4 B-5 B-6 LAC B-5 B-6 B-1 B-2 B-3 B-4 CB-2 B-5 B-6 B-1 B-2 B-3 B-4 CM-E B-4 B-5 B-6 B-1 B-2 B-3 FEVEREIRO MONITORA? NÃO ANÁLISE CONTROLE? PRIORIDADE ABRIL A SETEMBRO CONTROLE SIM PRIORIDADE CONTROLE Técnicos de nível médio Coletores de dados Análise e recomendação em 24 horas Decisão: Não controle Controle borda 5R MIPIS 3R 1R

31 % HISTÓRICO DO MONITORAMENTO: 100 Comparativo Custos Procedimentos de Controle R 3 R 5 R Borda Procedimento

32 SISTEMA DICE SISTEMA 2 DISTÂNCIA (0,0 A 15,0 M) COMPRIMENTO DO TRANSECTO RENDIMENTO MÉDIO DO MONITORAMENTO: Equipe 2 técnicos: = 400 ha/dia = 200 ha/técnico

33 HISTÓRICO DO MONITORAMENTO:

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43 ATTA-FLEX: 5 sensores nas rodas: cerca de 1,4 metro de distância no solo (depende do diâmetro total dos pneus), entre os sensores (distância máxima entre doses = cerca e 7 m = 5*1,4). Dosador tipo rosca sem fim. Regulagens: Tempo de acionamento da rosca (1,3 s). Sensores entre doses (02) => distância entre doses (2,8 m). Rotação da rosca quando ligado (67%). Obs: tempo + rotação definem a dose (g/dose).

44 DOSAGEM (KG/HA) FIXA. APENAS VARIANDO O ESPAÇAMENTO. MAIS DE 1 HORA PARA CALIBRAR.

45 SISTEMA IDEALIZADO DICE TALHÃO ARQUIVO ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS (m). FAIXA DE APLICAÇÃO: 3R, 5R ou 7R DOSE SISTEMÁTICA (kg/ha) CONFIGURAÇÃO FIXA g/dose. Diâmetro pneu (cm) TRATOR TRATORISTA Acionamento aplicação localizada

46

47

48

49

50

51 Homologado para uso experimental CAVE: Certificado de Autorização de Voo Experimental Pedido aprovado de reserva de espaço aéreo junto a ANAC Toda operação autônoma deve haver meios do piloto em comando intervir

52 09/06/2014 COMBATE COM MIPIS AVALIAÇÃO DO CONSUMO Ajuste da distribuição para a unidade de manejo - UMF Indicação da necessidade de novo controle PRIMEIRA APLICAÇÃO DE MIPIS: 15 dias N1/ha Avaliação do consumo de MIPIS Meta de consumo Meta Meta N2/HA

53 09/06/2014 CONSUMO DE MIPIS AJUSTE DA DISTRIBUIÇÃO N1/ha % Consumo 60 Tempo (número de áreas monitoradas)

USO DE TECNOLOGIAS NO MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

USO DE TECNOLOGIAS NO MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS 5 º WORKSHOP DE FORMIGAS CORTADEIRAS USO DE TECNOLOGIAS NO MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO

Leia mais

Controle de pragas - formigas

Controle de pragas - formigas Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Controle de pragas - formigas Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun Dois Vizinhos

Leia mais

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN Morais, E.J. de 1 Oliveira, A.C. de 1 Barcelos, J.A.V. 1 Cruz, J.E. da 1 Os novos tempos de recursos escassos e elevada competitividade

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS.

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS. 1. OBJETO CONSTITUI O OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS DE ANHEMBI E ITATINGA DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Incêndios florestais no Amapá

Incêndios florestais no Amapá FLORESTA 30(1/2): 23-36 Incêndios florestais no Amapá DORACI MILANI RESUMO Os incêndios florestais são responsáveis por grandes perdas tanto vegetais quanto animais e em sua maioria estão associados a

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal Equilíbrio Equipamentos de Proteção Ambiental PREVENÇÃO

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR Bansho,J.Y. 1 Carneiro, D.A. 1 Cordeiro, L. 1 RESUMO De forma genérica pode-se afirmar que não há áreas de pastagem, floresta nativas ou reflorestamentos no

Leia mais

COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO

COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO Nelson Sanches Bezerra Jr. Eng. Florestal nelson@equilibrioflorestal.com.br HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL JANEIRO DE 1996: MANEJO

Leia mais

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk Planejamento Financeiro Aula 6 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Orçamento Ferramenta para o sucesso empresarial Tomada de decisão Exposição de hipóteses Sistema de autorização, meio de planejamento,

Leia mais

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE Fatores válidos para recolhimento em 01/08/2016 JANEIRO 3,3714 3,2396 3,0166 2,8566 2,6932 2,5122 2,3076 2,1551 1,9790 1,8411 1,7203 1,5947 FEVEREIRO 3,3614 3,2158 3,0021 2,8464 2,6807 2,4939 2,2968 2,1429

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA Anexo I PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título: Estação hidrometeorológica automatizada com microcontrolador Arduíno 1.2. Grande Área do Conhecimento: ( x )1. Exatas e

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12 JANEIRO 2,7899 2,6581 2,4351 2,2751 2,1117 1,9307 1,7261 1,5736 1,3975 1,2596 1,1388 1,0132 FEVEREIRO 2,7799 2,6343 2,4206 2,2649 2,0992 1,9124 1,7153 1,5614 1,3860 1,2496 1,1288 1,0032 MARÇO 2,7699 2,6010

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de 1.000 ha de Florestas implantadas

Leia mais

Case SICREDI CA Clarity PPM. CA PPM Summit Brasil 2012

Case SICREDI CA Clarity PPM. CA PPM Summit Brasil 2012 Case SICREDI CA Clarity PPM CA PPM Summit Brasil 2012 Agenda Conhecendo o Sicredi Seleção e Implantação de uma Solução de PPM O CA-Clarity PPM no Sicredi Roadmap 2012 Agenda Conhecendo o Sicredi Seleção

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE:

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE: 1 REGIMENTO DA FAZENDA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-FEPE ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008, RESOLUÇÃO UNESP-40, DE 11-10-2011 E PORTARIA UNESP-469, DE 25-7- 2012 Do Conceito

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015)

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Secretária Executiva Dezembro de 2015 Resultado da Gestão Janeiro à Dezembro de 2015 Gestão Voltada para Resultados Secretaria Executiva Z Resultado da Gestão Janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA UNIFICADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SUAP) NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO IFMA SÃO LUÍS JANEIRO 2013 APRESENTAÇÃO A importância da informática na administração

Leia mais

1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA

1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA 1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA 1.2 Prestação de serviços na área de Gestão Documental: administração, guarda, restauração, organização,

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão de Custos Logísticos CST em Logística A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA 1. Apresentação O Setor de Nutrição e Dietética O Serviço de Nutrição e Dietética, esta localizado ao lado direito do prédio central, sua instalação

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

Realidade hoje. Ascensão Social. Cerca de 31 milhões de brasileiros subiram de classe social entre os anos de 2003 e 2008.

Realidade hoje. Ascensão Social. Cerca de 31 milhões de brasileiros subiram de classe social entre os anos de 2003 e 2008. Realidade hoje Ascensão Social Cerca de 31 milhões de brasileiros subiram de classe social entre os anos de 2003 e 2008. Entre eles, 19,4 milhões deixaram a classe E, que traça a linha da pobreza no país,

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA -

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO - PLANO ANUAL DE AUDITORIA - NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO EXERCÍCIO 2014 NOVEMBRO 2013 INTRODUÇÃO O Plano Anual de Auditoria do Núcleo

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP 11.4-13.4. 2011

XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP 11.4-13.4. 2011 COLHEITA DE MADEIRA EM TERRENOS ACIDENTADOS RECENTES DESENVOLVIMENTOS TÉCNICOS E SEU USO NA SUÍÇA XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP

Leia mais

Comunicação e Treinamentos. HotelariaHospitalar.com

Comunicação e Treinamentos. HotelariaHospitalar.com Comunicação e Treinamentos HotelariaHospitalar.com Sobre a Empresa Fundação, Missão, Visão e Valores, Estrutura e Atividades Histórico Constituída em Julho de 2012, após criação do blog Hotelaria Hospitalar

Leia mais

8º. SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO NA SAÚDE

8º. SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO NA SAÚDE 8º. SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO NA SAÚDE O IMPACTO DOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS NA GESTÃO DE RISCO EM SAÚDE O Hospital Tacchini e a ISO 31000 Porto Alegre, 26/9/2014 Facilitador: Adm. Hospitalar DILNEI

Leia mais

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011 DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011 p Índice ÍNDICE S&P 500... 2 ÍNDICE BOVESPA FUTURO OUT/11... 3 PETRÓLEO SPOT TIPO BRENT... 4 PETROBRÁS PN... 5 TAXA DE CÂMBIO SPOT USD/EURO...

Leia mais

Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação

Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação Encontro COPEDUC Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação Porto Alegre/RS 18 de março de 2015 Planejando a Próxima Década EMENDA CONSTITUCIONAL 59/2009 Artigo 214 Plano Nacional

Leia mais

PROJETO REDE URBANA DO BRASIL 2011-2014 RUBR 2012

PROJETO REDE URBANA DO BRASIL 2011-2014 RUBR 2012 PROJETO REDE URBANA DO BRASIL 2011-2014 RUBR 2012 Objetivos relacionados a CARACTERIZAÇÃO E TENDENCIAS DA REDE URBANA DO BRASIL 2012. 1. OBJETIVO FINAL A partir do projeto Dinâmica urbana dos estados,

Leia mais

Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas

Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas Uso de Materiais Recicláveis para Aquecimento de Piscinas D. V. B. Pereira a, A. Pasqualetto b, O. R. dos Santos b a. Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC Goiás. b. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 "Estabelece que a exploração e a supressão de produtos florestais nativos em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, dependem da emissão,

Leia mais

Expediente. Edição: Baramaia Gestão de Conhecimento

Expediente. Edição: Baramaia Gestão de Conhecimento 1 Expediente Edição: Baramaia Gestão de Conhecimento Elaboração do Conteúdo: Hítalo Resende (Administrador), Vinícius Antônio Figueiredo (Engenheiro Eletricista) e Luciano de Souza (Técnico de Segurança

Leia mais

Drones, modelos, usos e aplicações. Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa

Drones, modelos, usos e aplicações. Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa Drones, modelos, usos e aplicações Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa Apresentação Palestrantes O site de projetos benejsan (www.benejsan.com.br) O Grupo de desenvolvimento de software

Leia mais

1) DESCRIÇAÕ DO NEGÓCIO

1) DESCRIÇAÕ DO NEGÓCIO A Agrologis hoje opera através do consórcio entre as empresas Daiken Automação e JR Consult (Consultoria, treinamento e desenvolvimento de software logísticos para o setor agrícola). Daiken Automação Possui

Leia mais

AlphaVille Fortaleza. Previsão Orçamentária 2015. Reunião do Conselho Diretor Novembro/2014 1

AlphaVille Fortaleza. Previsão Orçamentária 2015. Reunião do Conselho Diretor Novembro/2014 1 AlphaVille Fortaleza Previsão Orçamentária 2015 Reunião do Conselho Diretor Novembro/2014 1 Previsão Balanço Final / 2014 Previsão de Receitas Taxa Manutenção - Nov/14 e Dez/14 R$ 668.10 Resultado (Saldo

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela!

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA A Estrela é uma plantadora pneumática articulada, ágil, de grande porte e com rodado de plantio posicionado entre as linhas. A Estrela trabalha

Leia mais

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 A Análise do Comércio Varejista é uma avaliação bimestral que visa mostrar o desempenho dos negócios do comércio no mês de Dezembro/2015 e identifica a percepção

Leia mais

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo Irrigação Políticas públicas e tecnologia Área de Atuação Unidades locais da EMATER-DF Distrito Federal: 16 escritórios (oito em cidades satélites e oito

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

QUALIDADE E INVESTIMENTO

QUALIDADE E INVESTIMENTO RAIO X (PÓS-DECRETO) 6.523/08 QUALIDADE E INVESTIMENTO Expectativa de CRESCIMENTO do Setor de Call Center (SAC) em função do Decreto (Empresas Prestadoras de Serviços - (ABT) Investimento: 01 Bilhão (reais)

Leia mais

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov. Revendo Procedimentos e Evitando Sonegação Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.br Fone: (47) 3431-3148 3148 / 3431-31553155 Agradecimentos

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/10/G32 Terceira Comunicação Nacional do Brasil à

Leia mais

PROCEDIMENTO PITREZ PSQ 008

PROCEDIMENTO PITREZ PSQ 008 Título: Recrutamento e Seleção Folha: 1 de 6 1. OBJETIVO Especificar o processo de Recrutamento e Seleção de Colaboradores, de modo a garantir a excelência nas atividades relacionadas, visando maior assertividade

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

Coordenadoria de Controle Interno

Coordenadoria de Controle Interno Plano Anual de Auditoria Exercício de 2014* *Elaborado em consonância com os dispositivos da Resolução TRESC n. 7.265, de 12 de dezembro de 2001 e da Resolução CNJ n. 171, 1º de março de 2013. I - Unidade

Leia mais

PLANO DE METAS 2015 DA AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CPRH ÁREA FIM

PLANO DE METAS 2015 DA AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CPRH ÁREA FIM PLANO DE METAS 15 DA AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CPRH ÁREA FIM 1. DIRETORIA DE FONTES POLUIDORAS - DCFP ALIMENTAR O SILIA QUANTO AOS RELATÓRIOS DE VISTORIA PARA EMISSÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO E RELATÓRIOS

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 93 CNT 15 a 19 de Setembro de 2008 SAS Q 06 - Lote 03 - Bloco J Rua Grão Pará, 737-4º andar Ed. Camilo Cola - 2 o andar

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO AGENDA 2. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS 3. MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15

PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15 PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

Seminário Ministério das Comunicações Anatel e Abert

Seminário Ministério das Comunicações Anatel e Abert Seminário Ministério das Comunicações Anatel e Abert Atuação da Fiscalização Simone de Oliveira Brandao Gerência de Fiscalização e Supervisão Regional Organograma Anatel Estrutura da SRF SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

APÊNDICE A FORMULÁRIO DO PROJETO DE PESQUISA

APÊNDICE A FORMULÁRIO DO PROJETO DE PESQUISA APÊNDICE A FORMULÁRIO DO PROJETO DE PESQUISA DIREÇÃO ACADÊMICA CURSO DE FILOSOFIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: ÁREA DE CONHECIMENTO 7.00.00.00-0 CIÊNCIAS HUMANAS ACADÊMICO: SUB-ÁREA DE CONHECIMENTO 7.01.00.00-4

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br. VANT e Suas Aplicações

Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br. VANT e Suas Aplicações Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br VANT e Suas Aplicações Soluções existentes Cobertura Pequena Baixa Aéreo e LIDAR VANT Alta Satélites Flexibilidade & Atualização

Leia mais

ADILTON DOMINGOS SACHETTI. 19 de agosto de 2009

ADILTON DOMINGOS SACHETTI. 19 de agosto de 2009 ADILTON DOMINGOS SACHETTI 19 de agosto de 2009 Programa Mato-Grossense de Regularizaçã ção o Ambiental Rural MT-LEGAL O que é o Licenciamento Ambiental Atual É o Instrumento da Política Nacional do Meio

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO Brasília, 07 de fevereiro de 2012 1. IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO GASTO Organizações Públicas Promover o bem estar da sociedade Organizações Privadas Ter lucro e ser eficiente

Leia mais

A Aplicabilidade de Alvenaria Estrutural em Edificações Residenciais de Alto Padrão. André Bezerra Coordenador de Obras MPD engenharia Ltda.

A Aplicabilidade de Alvenaria Estrutural em Edificações Residenciais de Alto Padrão. André Bezerra Coordenador de Obras MPD engenharia Ltda. A Aplicabilidade de Alvenaria Estrutural em Edificações Residenciais de Alto Padrão Palestrante: André Bezerra Coordenador de Obras MPD engenharia Ltda. 27 anos de atuação na construção civil. Iniciou

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL Artigo 19, da Resolução do CGPC nº 13/04. CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão. 1º SEMESTRE DE 2011

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica

Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica Carlota Alves Barata Associação de Produtores Florestais de Coruche Castro Verde, 23 de Abril de 2013 Coruche em números: Área: 1120 km 2 60% área florestal

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO 2013 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS Dezembro - 2013 2 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS 2013 METAS DE NIVELAMENTO PARA AS CORREGEDORIAS

Leia mais

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48 25/05/2015 10:59:09 Página 1 Grupo: 000894 Prazo: 084 Prazo Restante: 062 Assembleia Atual: 023 11/06/2015 Vencimento: 08/06/2015 Participantes: 600 Cotas Vagas: 000 Característica: 1 SORTEIO - 1 SORTEIO

Leia mais

Seminário sobre Acidentes de Trabalho

Seminário sobre Acidentes de Trabalho Seminário sobre Acidentes de Trabalho ABRANGÊNCIA Paulo Afonso Itaparica Xingó Bom Nome Cícero Dantas ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Regional de Paulo Afonso Gerência Regional de Operação de Paulo Afonso - GRP

Leia mais

Plano d e de P &D P&D IPEF Decênio 2010-2020 Te Tema: ma: Sustentabilidade Sustentabilidade

Plano d e de P &D P&D IPEF Decênio 2010-2020 Te Tema: ma: Sustentabilidade Sustentabilidade Plano de P&D IPEF Decênio 2010-2020 Tema: Sustentabilidade Como abordar o tema dentro de um plano de P&D Essencial para a continuidade do negócio florestal Em alguns sub-temas, ainda existem muitas controvérsias,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DO CBA

FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DO CBA O QUE É O CBA O CBA é um Centro Tecnológico, voltado para a promoção da inovação tecnológica a partir de processos e produtos da biodiversidade amazônica, por meio de: Ação integrada com universidades

Leia mais

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016 A importância do armazenamento de energia fevereiro 2016 Fevereiro de 2016 1 A importância do armazenmento ÍNDICE Principais Constrangimentos Balanço Energético Áreas de Atuação Caracterização do Sistema

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: CONSTRUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: CONSTRUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: CONSTRUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Novembro de 2009 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro

Leia mais

Rua Antonio Fogaça de Almeida, s/nº - Bairro: Jardim Elza Maria, Jacareí, SP. Fone: (12) 2128-5200 e-mail: ged.jcr@ifsp.edu.br www.ifsp.edu.

Rua Antonio Fogaça de Almeida, s/nº - Bairro: Jardim Elza Maria, Jacareí, SP. Fone: (12) 2128-5200 e-mail: ged.jcr@ifsp.edu.br www.ifsp.edu. Campus JACAREÍ - Curso Técnico em Administração e Técnico JANEIRO: 01 - Dia Mundial da Paz (Confraternização Universal) - Feriado. 02 a 31 - Férias Docentes 22 a 28 - Matrícula - 1ª Chamada FEVEREIRO:

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha O Programa de Voluntariado realizado em Fernando de Noronha é oferecido pelo Parque Nacional Marinho, sob gestão do Instituto Chico

Leia mais

QualiHosp Curso Pré-Congresso

QualiHosp Curso Pré-Congresso QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL... Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão

Leia mais