OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA"

Transcrição

1 OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA 1) ATUALIZAR LEIS SOBRE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS (RDC E OUTRAS LEIS) A) ENGENHARIA NACIONAL E PROJETOS A.1 Estabelecer critérios diferenciados para contratação de obras e serviços de engenharia de grande vulto ou alta complexidade; A.2 Modernização dos procedimentos para a elaboração, análise e seleção de projetos, bem como os sistemas de referência para as estimativas de custos; A.3 Vedação de contratos por menor preço para serviços de arquitetura e engenharia consultiva; A.4 Estabelecer diretrizes claras para formulação de estudos de viabilidade de programas e projetos, sobretudo aqueles que apresentem certo grau de complexidade; A.5 Papel das novas tecnologias no setor da construção. B) MODERNIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE DESAPROPRIAÇÕES A execução de obras e serviços de engenharia, especialmente as de grande porte, desafiam a realização de procedimentos de expropriação (desapropriação, desocupação ou servidão administrativa) de terrenos e imóveis necessários à consecução do objeto contratado. Muitos contratos acabam tendo sua execução comprometida devido aos procedimentos de desapropriação. O Decreto 3.365/41 tem sido utilizado para transferir a responsabilidade de realizar os atos executórios das desapropriações e, não raro, para transferir os riscos associados às desapropriações para a iniciativa privada. Indefinições quanto aos custos de expropriação e à responsabilidade pela sua realização não podem comprometer a segurança jurídico-institucional dos contratos. Sugerimos que: B.1 Modernização dos procedimentos sobre o processo decisório viabilizando posse imediata sobre terrenos desapropriados. B.2 Previsão no edital de licitação de obras públicas e no correspondente de cláusula sobre a responsabilidade das partes em relação à promoção, acompanhamento e conclusão dos procedimentos de desapropriação, necessários à execução do contrato, inclusive quanto à responsabilidade pelo pagamento de indenizações e demais custos incorridos.

2 C) MÉTODOS ALTERNATIVOS DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS Estabelecer mecanismos para célere apreciação de controvérsias contratuais: C.1 Possibilitar que a Administração Pública direta e indireta se utilize da arbitragem para dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis, inclusive aqueles decorrentes de contratos, convênios ou demais instrumentos de relacionamento com o particular. C.2 Previsão nos contratos para execução de obras de engenharia da possibilidade de constituição de um comité de caráter técnico ou instância de mediação. D) ÓRGÃOS DE CONTROLE Não obstante as medidas acertadas de órgãos e agentes públicos responsáveis pela fiscalização e controle de contratações públicas, não raramente ordens de suspensão de licitação ou da execução de contratos acabam se mostrando inadequadas, muitas vezes sem ausência de indícios concretos que demandem a suspensão. Entendemos que o exercício do poder de controle não pode resultar em situação mais prejudicial do que aquela que se pretende evitar. Assim propomos: D.1 Vincular o ato à responsabilidade do agente público que venha a determinar, despropositadamente, a suspensão do certame licitatório ou da execução do contrato. D.2 Previsão que nas fiscalizações relativas a contratos empreitada por preço global, empreitada integral e contratação integrada deverá ser verificada a conformidade do preço global com os parâmetros de mercado para o objeto contratado, considerada inclusive a dimensão geográfica. D.3 Prever em legislação permanente que a suspensão cautelar de licitação ou da execução de um contrato deverá ser acompanhada de análise de impacto em que tenham sido ponderadas alternativas consideradas viáveis, com a avaliação de custo benefício de cada uma, de modo a indicar que a paralisação é a que melhor atende ao interesse público. E) CLÁUSULAS SOCIAIS Todas as grandes obras em andamento no país têm enfrentado paralisações de trabalhadores. A interrupção de empreendimentos danosa à implementação dos investimentos no país, aos trabalhadores e aos construtores. É necessário: E.1 Reforçar a legislação com as chamadas Cláusulas Sociais no sentido que acordos coletivos registrados no Ministério do Trabalho e Emprego, decisões judiciais que beneficiem trabalhadores e majoração de encargos trabalhistas ensejem recomposição

3 de preços, evitando-se, dessa forma, questões junto a órgãos controladores, prejuízos aos trabalhadores, eclosão de greves e atrasos em obras. E.2 Nesse reforço à legislação atual, busca-se também que os Editais de Licitação, a exemplo da Petrobras, contemplem de forma sistemática, e não eventual, os avanços da legislação trabalhista. F) PROCEDIMENTOS SOBRE LICENÇAS AMBIENTAIS A obtenção das licenças ambientais, prévia e de instalação, é causa de atrasos cada vez mais comuns na execução de obras públicas. Esses atrasos frequentemente resultam em grandes prejuízos à Administração e ao contratado. Para impedir tais prejuízos, sugerimos: F.1 A obtenção da licença ambiental prévia deve ser condição para a publicação do edital; F.2 A obtenção da licença ambiental de instalação deve ser condição para a emissão da ordem de serviço para início da execução pela Administração. F.3 Esclarecer que no processo de licenciamento ambiental serão considerados exclusivamente aspectos relacionados aos recursos ambientais. F.4 Ter uma agência de licenciamento ambiental única. G) PRÉ-QUALIFICAÇÃO PERMANENTE OBRAS DE GRANDE VULTO Com o objetivo de se estabelecer mecanismo mais célere e eficaz de se aferir a qualificação de empresas executoras de obras de grande vulto, o instituto da préqualificação permanente é essencial para a Administração Pública. G.1 Sugerimos tornar o instituto da pré-qualificação obrigatório para as contratações de obras de grande vulto, de forma a permitir que o gestor concentre-se na análise dos aspectos técnicos da licitação. H) GARANTIAS DE EXECUÇÃO OBRAS DE GRANDE VULTO H.1 É necessária a atualização da legislação, de forma a tornar obrigatória a garantia de execução de empreendimentos de grande vulto, mediante apresentação de apólice de seguro de valor correspondente à 30% do valor do contrato. H.2 Estudar a experiência do Peru com o Certificado de Reconhecimento de Pagamento Anual.

4 I) GARANTIAS PARA ANTECIPAÇÃO DE PAGAMENTOS G.1 Possibilitar a antecipação de pagamentos pela Administração, para diminuir o custo financeiro das obras, mediante oferecimento de garantias robustas pelo contratado. J) EXEQUIBILIDADE DE PROPOSTAS J.1 Com o objetivo de evitar a paralisação de obras, exigir qualificação técnica, financeira e operacional de acordo com o porte da obra; J.2 Aprimorar as disposições relacionadas a propostas inexequíveis, alterando os parâmetros para desclassificação de propostas inviáveis e possibilitando a exigência de seguro adicional para empresas que apresentarem preços significativamente inferiores ao orçado pela administração. L) RDC DESCONTOS INJUSTIFICADOS NA FASE ABERTA DE LANCES L1. Nas licitações do RDC, prever que não serão consideradas as propostas com descontos inferiores a 5% do valor da melhor proposta apresentada antes da fase aberta de lances. M) RESPEITO AO REGIME JURÍDICO DO CONTRATO M.1 É necessário que sejam respeitadas as características de determinados regimes como o de contratação integrada, empreitada integral e empreitada por preço global, os quais são incompatíveis com sistemas de custos unitários (SICRO e SINAPI). N) PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI) N.1 Permitir, no âmbito da Lei /2011 (RDC), a realização de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), por meio do qual a Administração consulta intenções da iniciativa privada para realizações de determinados projetos, a partir de estudos de viabilidade, informações técnicas, projetos ou pareceres. 2) PPPs E CONCESSÕES É preciso promover melhoria do ambiente regulatório e de negócios com o objetivo de maximizar a efetividade do uso da participação privada para implantar e operar projetos de infraestrutura. Sugestões: 2.1 Fortalecimento dos incentivos para a iniciativa privada realizar estudos de viabilidade de projetos de infraestrutura, por meio de Procedimentos de Manifestação de

5 Interesse (PMI), permitindo prever-se, no edital de licitação, vantagem para a empresa que desenvolveu os estudos, a exemplo da experiência do Chile. 2.2 Simplificação dos procedimentos para contratação de consultores de projetos de infraestrutura e redução do nível de detalhamento e, portanto, do tempo necessário para a realização dos estudos essenciais às licitações de projetos de infraestrutura; 2.3 Constituição de fóruns e comitês de caráter técnico com a finalidade de resolução de problemas associados ao desenvolvimento de PPPs e Concessões (aprovação de licenças, desapropriações, resolução de conflito). 2.4 Possibilitar, na hipótese de o vencedor da licitação não assinar o termo de contrato, que o segundo colocado o faça nas condições de sua própria proposta. 2.5 Esclarecer as competências para fiscalização pelos órgãos de controle das ações do PAC desenvolvidas por meio de PPPs celebrados por Estados, Distrito Federal e Municípios; 2.6 Explicitação no edital dos critérios para aferição de propostas inexeqüíveis ou financeiramente incompatíveis com o objeto do contrato, admitindo-se a possibilidade de exigência pela Administração Pública de reforço de garantia de execução do contrato como condição para a sua assinatura; 2.7 Considerando ser comum a exigência de índices financeiros para concessão de serviços públicos e para PPPs, para fins de aferição da saúde financeira dos licitantes e da capacidade de endividamento e liquidez, é imprescindível que as informações extraídas dos balanços patrimoniais das empresas sejam submetidos à avaliação de auditoria independente. 2.8 Reforçar o comprometimento do licitante com a consecução do objeto da concessão ou da PPP estabelecendo como condição para assinatura do contrato a exigência de que o adjudicatório demonstre já ter obtido financiamento (empréstimoponte) para os investimentos necessários para o primeiro ano do projeto e/ou a confirmação de disponibilidade para financiar a operação. Tais inovações reduzem os riscos de atrasos ou descumprimento dos contratos. 2.9 Uniformizar os limites de exigências de garantias para todas as espécies de concessão de serviços, comum, patrocinada e administrativa Considerando a perspectiva do princípio da eficiência da Administração Pública, admitir a possibilidade de que a modalidade de garantia, dentre as previstas na Lei 8.666/93, seja especificada no edital de licitação de concessões de serviços públicos e PPPs. 3) MAXIMIZAR A EFICIÊNCIA DO INVESTIMENTO PÚBLICO EM SANEAMENTO BÁSICO São necessárias medidas para maximizar a eficiência no uso dos recursos do PAC para investimento em saneamento pelos Municípios.

6 3.1 Regulamentar a Portaria do Ministério das Cidades que disciplina os repasses do PAC para munícipios para investimentos no setor de saneamento básico pelos Municípios, para viabilizar a aplicação de recursos da União em arranjos nos quais o ente privado que realizar o investimento seja também responsável pela manutenção e operação da infraestrutura. O estímulo à realização de PPPs, ao invés de transferência de recursos do OGU para municípios, permitirá que as obras sejam feitas, o serviço performado e os recursos sejam alavancados em pelo menos três vezes. 4) FINANCIAMENTO É necessária a criação de um novo modelo de financiamento para o setor buscando destravar o mercado de capitais, para ampliar a participação do setor privado no financiamento dos projetos. A) CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO A.1 Emissão de títulos para projetos específicos de infraestrutura. A.2 Criação de fundos específicos ou empresas patrimoniais do Estado utilizando as outorgas feitas, ativos públicos sem uso produtivo, recebíveis tributários em atraso ou fluxos de caixa futuros não comprometidos. Fundos para financiamento ou instrumentos de garantia de contrapartidas. A.3 Prever novos mecanismos legais (tipo trusts) para estruturação de operações de financiamento por entes públicos e privados e outros instrumentos mitigadores de risco. Tipo acordo de empréstimos com lastro em títulos de receitas de concessões. A.4 Prever possibilidade de garantia de empréstimos ponte pelo Governo A.5 Assegurar o financiamento público dos projetos em infraestrutura e facilitar o acesso ao financiamento de obras de grande vulto. A.6 Instituir benefícios fiscais para estimular o mercado de financiamento privado. A.7 Estimular a captação de investimentos estrangeiros, eliminando barreiras, a exemplo de SPE no Chile. A.8 Levantamento de fundos/tributação de propriedade valorizada ou desenvestimento em ativos existentes. B) CRIAÇÃO DE FUNDO ESPECÍFICO OU DE EMPRESAS PATRIMONIAIS DO ESTADO COM AS SEGUINTES ALTERNATIVAS DE FUNDING B.1 Outorga de Concessões B.1 Emissão de título público lastreado em tributos, tarifas ou outras receitas do Governo.

7 B.3 Conversão de ativos públicos não utilizados ou sem liquidez. B.4 Venda ou tributação de propriedade valorizada ou desinvestimento de ativos existentes. Analisar formas de captura da valorizaçãoo de propriedades privadas por novos projetos de infraestrutura. B.5 Venda de direitos de construção, a exemplo do Porto Maravilha. B.6 Reciclagem de capital, utilizando BNDESPar. B.7 Garantias para Project Finance participação de fundos de pensão privados e empresas de seguro. B.8 Emissão de títulos por consórcio, com garantia do Governo. B.9 Criação de fundos soberanos de infraestrutura B.10 Oferecer vantagens de governança e tributação para investimentos em infraestrutura, a exemplo do Fideicomisso do Peru. B.11 Analisar instrumento de garantia utilizado no Peru, CRPAO Certificado de Pagamento Anual de Obras. C) FUNDO DE INVESTIMENTO DO FAT Criar o Fundo de Investimento do FAT (FI-FAT), destinado a investimentos em todos os setores, incluindo os não cobertos pelo FI-FGTS, voltados para implantação, ampliação, recuperação e modernização nos setores de infraestrutura, insumos básicos e bens de capital. D) IMPLEMENTAÇÃO EFETIVA DA ABGF/FGIE E) FINANCIAMENTOS DO BNDES E.1 Proteger a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de impactos do aumento dos juros nos financiamentos já concedidos pelo BNDES. 5) TRIBUTAÇÃO DESONERAÇÕES E INCENTIVOS FISCAIS A) DESONERAÇÃO NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS A.1 Isenção fiscal para receitas de juros de títulos de infraestrutura. A.2 Isenção dos rendimentos auferidos por fundos de infraestrutura. A.3 Estímulos a investimentos em ativos (flexibilização de regras para dedução desses investimentos da base de cálculo do lucro tributável). A.4. Isenção das remessas para pagamentos no exterior.

8 6) CONCESSÕES A) AMPLIAÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE PMI B) POSSIBILIDADE DA INICIATIVA PRIVADA APRESENTAR PROPOSTAS DE PPPS 7) EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS A) AMPLIAR FINANCIAMENTOS DE FORMA COMPLEMENTAR/SUBSTITUIR OS DO BNDES B) MODERNIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DAS LINHAS DE CCR (COMPENSAÇÃO DE CRÉDITOS RECÍPROCOS) C) GARANTIAS PARA FINANCIAMENTOS C.1 Implementar instrumentos de seguro de crédito e garantias para investimentos no exterior. D) SEGUROS INSTITUCIONAIS D.1 Ampliar a atuação do FGE, de modo a oferecer seguro e garantias contra risco político (restrições à repatriação de capital e à remessa de lucros, expropriação, distúrbios causados por guerras ou outros de natureza política) nas operações de investimento direto no exterior. D.2 Implantação da ABGF para permitir a estruturação de garantias para as grandes obras. E) SEGUROS DE CUMPRIMENTOS DE OBRIGAÇÕES DE PERFORMANCE DOS EXPORTADORES E DOS PAÍSES F) EXTRATERRITORIALIDADE DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA BRASILEIRA A internacionalização das empresas brasileiras impõe a melhor definição do critério utilizado para definir qual legislação é aplicada a brasileiros contratados no Brasil por empresa estrangeira ou transferidos para prestar serviços no exterior. F.1 Eliminar a extraterritorialidade da legislação brasileira no caso de funcionários da empresa transferidos para subsidiárias no exterior ou contratados por empresas do mesmo grupo econômico.

9 G) TRIBUTAÇÃO NA VOLTA DOS EQUIPAMENTOS H) RITOS DE APROVAÇÃO DE TRATADOS I) CONTRATOS DEVEM SEGUIR OS CONCEITOS DA OCDE J) FÓRUNS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS EXCLUSIVOS PARA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS L) NOVO PAPEL E ATRIBUIÇÕES DAS EMBAIXADAS Ampliar o apoio da diplomacia brasileira na defesa dos interesses de empresas investidor as brasileiras junto aos governos dos países de destino dos serviços. M) PADRÕES TÉCNICOS E NORMAS EXCLUSIVAS PARA AS EXPORTAÇÕES 8) APERFEIÇOAMENTO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS 8.1 Ampliar e fortalecer o Compromisso Nacional para o Aperfeiçoamento das Condições de Trabalho. 8.2 Formalização de acordos coletivos especiais. 8.3 PRONATEC Ajustar a legislação para contemplar as especificidades da construção pesada.

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria -PPP Premissas: Modelos apresentados são meramente exemplificativos; Não há comprometimento do BB na concessão de crédito ou prestação de garantia; Trata-se

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

a) Ampliar participação da iniciativa privada nos financiamentos b) Estruturação de garantias: Project Finance stricto sensu

a) Ampliar participação da iniciativa privada nos financiamentos b) Estruturação de garantias: Project Finance stricto sensu a) Ampliar participação da iniciativa privada nos financiamentos b) Estruturação de garantias: Project Finance stricto sensu c) Seguro garantia de obras e concessões d) Editais de licitação e matriz de

Leia mais

EGON BOCKMANN MOREIRA

EGON BOCKMANN MOREIRA EGON BOCKMANN MOREIRA Advogado. Doutor em Direito. Prof. Faculdade de Direito UFPR Prof. Visitante da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Prof. Convidado da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS III Fórum Brasileiro sobre a Reforma do Estado Carlos Ari Sundfeld SITUANDO O TEMA DA PPP escassez de recursos orçamentários para projetos de alto custo déficit de projetos

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014 ANEXO V SISTEMA DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 17 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2: DOS

Leia mais

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 13 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2:

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS EDITAL PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI 001/2016 Marcius Beltrão Siqueira, Presidente do CONISUL/AL, Prefeito do Município de Penedo, Estado de Alagoas, FAZ SABER que se encontra instaurado

Leia mais

Os Contratos de Parceria Público - Privada

Os Contratos de Parceria Público - Privada Os Contratos de Parceria Público - Privada 1 Apresentação O Projeto de Lei das PPP S que foi aprovado pelo Congresso Nacional em 2005 tem por objetivo de garantir recursos privados para a execução e operação

Leia mais

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO O Brasil vive momento determinante do seu futuro, em que a sociedade exige novos paradigmas nas relações comerciais entre o poder público e atores privados. Esse cenário

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 12.234, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. (publicada no DOE nº 09, de 14 de janeiro de 2005) Dispõe sobre normas para

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

A Importância do Planejamento e da Estruturação de Projetos nas Obras Públicas

A Importância do Planejamento e da Estruturação de Projetos nas Obras Públicas A Importância do Planejamento e da Estruturação de Projetos nas Obras Públicas Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Porto Alegre, 11 Dezembro 2014 Estrutura Déficit brasileiro de infraestrutura não está melhorando

Leia mais

Financiamentos para Empreendimentos Públicos de Saneamento e Urbanização

Financiamentos para Empreendimentos Públicos de Saneamento e Urbanização 8º ENAENCO Financiamentos para Empreendimentos Públicos de Saneamento e Urbanização ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Superintendente Nacional Saneamento e Infra-estrutura São Paulo, 29 de novembro de 2007 Fonte:

Leia mais

Projeto Básico Aspectos Jurídicos

Projeto Básico Aspectos Jurídicos Projeto Básico Aspectos Jurídicos 1 PROJETO BÁSICO - Generalidades Elemento mais importante da execução da obra pública. Finalidade: caracterização detalhada da obra ou serviço, possibilitando a avaliação

Leia mais

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br Prof. Murillo Sapia Gutier www.murillogutier.com.br é acordo firmado entre Administração Pública e pessoa do setor privado; Objetivo: implantação ou gestão de serviços públicos, com eventual execução de

Leia mais

PPP s em Projetos de Infraestrutura 8º Encontro de Logística e Transportes

PPP s em Projetos de Infraestrutura 8º Encontro de Logística e Transportes PPP s em Projetos de Infraestrutura 8º Encontro de Logística e Transportes Maio, 2013 Índice Contexto do Surgimento da LEI das PPPs Comparação Fazer uma PPP não é fácil Características e Requisitos das

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

PPP. Registro de passivos e Limites

PPP. Registro de passivos e Limites PPP Registro de passivos e Limites ATENÇÃO: Os exemplos desta apresentação são válidos como regra geral. É possível que peculiaridades de cada contrato impliquem em mudança na necessidade de classificação

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. Lei nº 18995 DE 03/09/2015 Norma Estadual - Goiás Publicado no DOE em 08 set 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. A Assembleia Legislativa do Estado de

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS Instrutora: Adelaide Bittencourt P. Coelho Participação: Paula Romano TCEMG Novembro/2009 IMPORTÂNCIA DO TEMA As obras são a parte mais aparente das

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013 Programa Saneamento Básico O ESTADO DE RONDÔNIA, por meio da Companhia de Águas e Esgoto do Estado de Rondônia - CAERD, devidamente

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

EMENTA: Dispõe sobre as Parcerias

EMENTA: Dispõe sobre as Parcerias LEI N LEGISLATIVO EMENTA: Dispõe sobre as Parcerias Público-Privadas (PPP) no município de Santa Cruz do Capibaribe. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE, ESTADO

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z O Projeto de Lei 7.168/2014 avança na construção de um novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Ele trata das relações entre Estado e OSCs e estabelece

Leia mais

Cézar Manoel de Medeiros*

Cézar Manoel de Medeiros* CRISE GLOBAL E O PAPEL DO SETOR PÚBLICO NO BRASIL ALGUMAS PROPOSIÇÕES PARA DISCUSSÃO Cézar Manoel de Medeiros* O Brasil reúne condições propícias para manter o novo ciclo duradouro de crescimento econômico

Leia mais

PROJETO ARENA FONTE NOVA. São Paulo, 27 de novembro de 2014

PROJETO ARENA FONTE NOVA. São Paulo, 27 de novembro de 2014 São Paulo, 27 de novembro de 2014 CONTRATOS PPP/BA CONTRATOS ASSINADOS % EM RELAÇÃO A RCL 2014 2015 2016 2017 2018 Contrato n 30/2010 - Hospital do Subúrbio 0,655% 0,635% 0,613% 0,592% 0,571% Contrato

Leia mais

Manual para Pré-Análise, Avaliação, Estruturação e Implementação de PPPs

Manual para Pré-Análise, Avaliação, Estruturação e Implementação de PPPs Manual para Pré-Análise, Avaliação, Estruturação e Implementação de PPPs Volume 2 Avaliação do Projeto, Viabilidade Econômica e Financeira Seção III: Diretrizes e Padrões para Análises Financeiras Preparado

Leia mais

GesANTT PLANO DO PROJETO EPP.PP.01 1.1. ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros

GesANTT PLANO DO PROJETO EPP.PP.01 1.1. ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros 1 Nome do Projeto ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros 2 Chefe do Projeto Maria Ângela Cavalcanti Oliveira 3 Gestor do Projeto Sonia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DOE Nº 2.137, DE 31-03-06 LEI Nº 1424, DE 14 DE MARÇO DE 2006.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DOE Nº 2.137, DE 31-03-06 LEI Nº 1424, DE 14 DE MARÇO DE 2006. PUBLICADA NO DOE Nº 2.137, DE 31-03-06 LEI Nº 1424, DE 14 DE MARÇO DE 2006. Faço saber que: Institui o Programa de Parcerias Público- Privadas do Município de Palmas, Estado do Tocantins, e dá outras providências.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

BNDES Pró-estruturação de Projetos

BNDES Pró-estruturação de Projetos BNDES Pró-estruturação de Projetos Guia para Consultorias Junho de 2016 Agenda 1 2 3 O papel dos bancos de desenvolvimento na preparação de projetos de infraestrutura Estudo IFC/BNDES sobre Estruturação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6 a 8 de fevereiro de 2012

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6 a 8 de fevereiro de 2012 EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Disciplina: D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) (Aula 4: Parcerias na Administração Pública) Professores: Eduardo Xavier e Wellington Márcio Kublisckas 6 a 8 de fevereiro

Leia mais

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr LICITAÇÕES PÚBLICAS Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos Consultas Bibliográficas Daniel Pinto Gontijo 20/NOVEMBRO/2012

Leia mais

(ASSINATURA DO ADQUIRENTE)

(ASSINATURA DO ADQUIRENTE) OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO MONDIAL JUNDIAÍ ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO ADQUIRENTE: ENDEREÇO: Nº INSCRIÇÃO NO CPF/CNPJ: AO

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA Subsecretaria de Política Fiscal Órgão da SEFAZ PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS Breves reflexões sobre o tema. George Santoro BREVE HISTÓRICO: DO ESTADO BUROCRÁTICO

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

REGULAÇÃO MÍNIMA DO MERCADO DE CAPITAIS

REGULAÇÃO MÍNIMA DO MERCADO DE CAPITAIS MERCOSUL/CMC/DEC. N 8/93 REGULAÇÃO MÍNIMA DO MERCADO DE CAPITAIS TENDO EM VISTA: o Art. 1 do Tratado de Assunção, a Decisão N 4/91 do Conselho do Mercado Comum e a Recomendação N 7/93 do Subgrupo de Trabalho

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS -

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

PROJECT FINANCE NO BRASIL - Fortaleza 2.009

PROJECT FINANCE NO BRASIL - Fortaleza 2.009 Desmitificando o Project Finance O Project Finance não é uma técnica em si, mas um conjunto de técnicas conhecidas e testadas, que devem conviver harmoniosamente e coordenadas entre si, permitindo que

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O QUE MUDA COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL LEI N. 13.019/2014 REALIZAÇÃO INSTITUTO ATUAÇÃO ELABORAÇÃO Porf. Dr. FERNANDO BORGES MÂNICA DISTRIBUIÇÃO INSTITUTO GRPCom O QUE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 492. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 492. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte LEI COMPLEMENTAR Nº 492 Institui o Programa de Parcerias Público- Privadas do Estado do Espírito Santo e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 14.517, DE 16 DE OUTUBRO DE 2007 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Companhia São Paulo de Parcerias - SPP e dá outras providências. GILBERTO KASSAB, Prefeito do

Leia mais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais I. A Conjuntura Econômica II. III. Soluções Imobiliárias Residenciais Atuação RB Capital no Setor Imobiliário 2 Conjuntura

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: UM EXCELENTE NEGÓCIO PARA VOCÊ, UMA ÓTIMA AÇÃO PARA SÃO PAULO.

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: UM EXCELENTE NEGÓCIO PARA VOCÊ, UMA ÓTIMA AÇÃO PARA SÃO PAULO. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: UM EXCELENTE NEGÓCIO PARA VOCÊ, UMA ÓTIMA AÇÃO PARA SÃO PAULO. São Paulo State Government São Paulo State Government PARCERIA PARA O DESENVOLVIMENTO. Nossa proposta é ampliar

Leia mais

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

O Investimento Proposto

O Investimento Proposto O Investimento Proposto 1 IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL VISIBILIDADE DO EMPREENDIMENTO Os pontos fundamentais a serem observados para efeitos de estudos de viabilidade serão 1 - Localização; 2 - Valor básico

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Grupo Danilo Correia, Caê Matta, Ágata Takara, Augusto Rinaldi, Felipe Marinoni, Isabella Lucas, Heitor Guimarães, Rafael

Leia mais

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos 1 Roteiro 1. Importância da Estruturação de um Projeto Identificação do Projeto Elaboração dos Estudos Procedimento Licitatório Execução 2. Como selecionar

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA RESOLUÇÃO Nº 1.868, DE 31 DE MARÇO DE 2012. Define as bases referenciais para valoração dos honorários por serviços prestados por economistas profissionais e por empresas prestadoras

Leia mais

A regulamentação da Parceria Público Privada (PPP) em 2004, permitindo maior flexibilidade no compartilhamento de riscos entre o setor público e

A regulamentação da Parceria Público Privada (PPP) em 2004, permitindo maior flexibilidade no compartilhamento de riscos entre o setor público e 6 Conclusão Apesar dos pilares que permeiam o Project Finance terem sua origem nas relações mercantis, há centenas de anos atrás, a história moderna de aplicação do modelo começa somente na década de 70

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014 X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana Março/2014 Características dos investimentos no setor Montante elevado de recursos Longo prazo de implantação Modicidade

Leia mais

01 RELACIONAMENTO COM OS AUDITORES INDEPENDENTES

01 RELACIONAMENTO COM OS AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas A Administração da Construtora Lix da Cunha S.A., em cumprimento às disposições legais e estatutárias, vem submeter a V.Sas., o Relatório da Administração

Leia mais

SUGESTÕES PONTUAIS PARA REFORMA DA LEGISLAÇÃO DE LICITAÇÕES (LEI N 8.666/93 E N 12.462/11)

SUGESTÕES PONTUAIS PARA REFORMA DA LEGISLAÇÃO DE LICITAÇÕES (LEI N 8.666/93 E N 12.462/11) SUGESTÕES PONTUAIS PARA REFORMA DA LEGISLAÇÃO DE LICITAÇÕES (LEI N 8.666/93 E N 12.462/11) I - Introdução 1. Pela Lei, as escolhas públicas devem obedecer a regras precisas e mecanismos eficazes que delimitem

Leia mais

A contabilização das PPP pelo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), publicado pela STN. Henrique Ferreira Souza Carneiro

A contabilização das PPP pelo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), publicado pela STN. Henrique Ferreira Souza Carneiro A contabilização das PPP pelo Manual Contabilida Aplicada ao Setor Público (MCASP), publicado pela STN Henrique Ferreira Souza Carneiro Contexto: Padronização Contábil - MCASP 1. Procedimentos Contábeis

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral 1 Objetivos do Novo Modelo Fortalecer a ação do Estado no processo regulatório (soberania sobre os recursos minerais);

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES Do planejamento e julgamento da licitação até a fiscalização dos contratos 31 de março e 1º de abril

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N PROJETO DE LEI N 3476/04 Dispõe sobre incentivos à inovação. EMENDA DE PLENÁRIO N Acrescente-se ao PL os seguintes dispositivos, renumerando os atuais Capítulo VII como IX e os artigos 24 a 27 como 37

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Integração latino-americana no contexto da crise mundial: a perspectiva empresarial 27/09/2011 Comissão de Assuntos Sociais

Integração latino-americana no contexto da crise mundial: a perspectiva empresarial 27/09/2011 Comissão de Assuntos Sociais Integração latino-americana no contexto da crise mundial: a perspectiva empresarial 27/09/2011 Comissão de Assuntos Sociais Temas da Apresentação 1. Exportação de Serviços de Engenharia e Integração Regional

Leia mais

DO ÓRGÃO DE PROPOSIÇÃO E ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DO ÓRGÃO DE PROPOSIÇÃO E ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome,

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (ABRAIDI), o Instituto Ethos e as

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

Decreto n.º 8.428, de 2 de abril de 2015 Procedimento de Manifestação de Interesse PMI

Decreto n.º 8.428, de 2 de abril de 2015 Procedimento de Manifestação de Interesse PMI , Orçamento e Gestão Decreto n.º 8.428, de 2 de abril de 2015 Procedimento de Manifestação de Interesse PMI Abril/2015 O que é PMI? PMI Procedimento de Manifestação de Interesse Chamamento público para

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação de Empresas

Leia mais

GESTÃO DE PLEITOS E ADITIVOS NAS OBRAS PÚBLICAS

GESTÃO DE PLEITOS E ADITIVOS NAS OBRAS PÚBLICAS CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO GESTÃO DE PLEITOS E ADITIVOS NAS OBRAS PÚBLICAS ADITIVOS DE ALTERAÇÃO DE PRAZOS E PROJETOS, REAJUSTES CONTRATUAIS E OCORRÊNCIAS QUE CAUSAM PREJUÍZOS AO CONTRATANTE

Leia mais

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT Código RT-BR0000364-000-0.000-0-0P3-Y05-400 Rev. 00 Emissão: 14/04/2015 Folha 1 / 62 Resp. Técnico / Projetista: Resp. Técnico / Concessionária: Lote: Edital de Chamamento Público Nº 4/2014 Rodovia: BR-364

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VI CONCORRÊNCIA Nº. 003/2015 Projeto Básico 1. DO OBJETO 1.1. Objeto: Selecionar a proposta mais vantajosa para a administração, visando â contratação de empresa do ramo na prestação de serviços

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

Manual do Fornecedor. Novembro 2012 Rio de Janeiro

Manual do Fornecedor. Novembro 2012 Rio de Janeiro Manual do Fornecedor Novembro 2012 Rio de Janeiro Caro parceiro, O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 trabalha para entregar Jogos excelentes, com celebrações memoráveis que

Leia mais

Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios

Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios André Dabus 15/09/2015 Agenda Breve apresentação AD; Financiabilidade, Riscos e Garantias no Segmento de Infraestrutura; Identificação e

Leia mais

ANEXO C PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA LICITAÇÕES

ANEXO C PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA LICITAÇÕES ANEXO C LEG/OPR1/IDBDOCS: 547205 PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA LICITAÇÕES Programa de Modernização do Sistema de Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios Brasileiros - PROMOEX (Fase

Leia mais

Mecanismos de Financiamento

Mecanismos de Financiamento Mecanismos de Financiamento Parauapebas, 14 de novembro de 2014. Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Mecanismos de Financiamento PAC: principal

Leia mais