agenda.indd 1 2/3/ :48:33

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "agenda.indd 1 2/3/2009 14:48:33"

Transcrição

1 agenda.indd 1 2/3/ :48:33

2 Sumário Apresentação A Missão do Dirigente Municipal de Educação A Agenda dos Cem Primeiros Dias Aspectos gerais a) Uma leitura da realidade do município em termos sociais, econômicos, políticos e culturais. b) Um entendimento sobre as relações de poder. c) Uma compreensão das aspirações gerais da população. Aspectos específicos a) A relação e cópias de todos os Programas e Projetos implantados e em implementação pela gestão anterior, incluindo convênios e contratos, bem como prestação de contas. b) A relação de providências para iniciar o período letivo. c) O quadro de recursos humanos com os quais vai trabalhar. d) O inventário de bens móveis e imóveis. e) O números da demanda escolar. f) Orçamento detalhado, fluxo financeiro, contas bancárias e seus valores e as dívidas do órgão. g) Quadro geral de dispêndios com Pessoal e Encargos, Manutenção e Investimentos. h) O grau de inadimplência do município em relação a estruturas complementares que deverão ser criadas no âmbito da educação municipal. i) A organização administrativa e pedagógica da rede escolar. j) A documentação legal e textual referente à estrutura, organização e funcionamento da rede municipal de ensino. k) A relação de entidades da sociedade civil, dos movimentos sociais e outras vinculadas ao mundo da educação e da escola para possíveis parcerias. l) O levantamento das necessidades básicas das escolas para que funcionem regularmente. m) A situação dos depósitos e armazéns para guarda dos produtos da merenda escolar, livro didático e material escolar. n) O sistema de transporte escolar e distribuição dos materiais para a rede escolar. o) A conquista da autonomia gerencial. p) A organização da etapa municipal da Conferência Nacional de Educação. Aspectos programáticos a) Conjunto de providências de curto, médio e longo prazos, a partir dos diagnósticos das etapas anteriores agenda.indd 2 2/3/ :48:33

3 Apresentação Prezado(a) Dirigente Municipal de Educação, A Undime, em parceria com o Unicef e Ministério da Educação, lança uma agenda com orientações para os novos Dirigentes Municipais de Educação. Após o pleito eleitoral de 2008, estima-se uma mudança de no mínimo 60% de gestores dessa área. As instituições pretendem contribuir com a superação de algumas das principais dificuldades dos gestores públicos: dar continuidade aos programas e projetos que o município já desenvolvia. Por isso, o documento foi elaborado com base no papel do Dirigente e sua importância no contexto nacional da educação e visa a garantia do direito de aprender de todos e de cada um. Intitulado Agenda dos Cem Primeiros Dias, o documento busca contribuir com o trabalho dos Dirigentes. Em seu texto fica claro o entendimento de que compete ao gestor assegurar o acesso à educação pública com qualidade social. Esse Direito está respaldado na Constituição Federal, na Lei de Diretrizes e Bases, no Estatuto da Criança e do Adolescente, e ainda, em acordos internacionais. Um dos pontos principais da Agenda é a necessidade de se ter conhecimento dos programas e projetos implantados e em implementação pela gestão anterior, incluindo convênios e contratos, bem como as prestações de contas. Tudo deve estar relacionado e devidamente arquivado para fácil localização. O novo Dirigente poderá contar com o Memorial da Gestão da Educação Municipal, elaborado pela gestão , a partir da matriz produzida pelo Programa de Apoio aos Dirigentes Municipais de Educação Pradime da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação. Para tanto, Unicef, SEB/MEC e Undime incentivaram os Dirigentes que concluíram a gestão em 2008, a elaborar o histórico na expectativa de se promover uma transição republicana democrática. Vale destacar que a Agenda tem por objetivo listar os compromissos que os Dirigentes devem assumir como gestores públicos, mas a temporalidade da execução de cada item listado depende das condições organizacionais de cada um dos municípios, assim como de suas realidades locais e regionais. Boa leitura e bom trabalho! agenda.indd 3 2/3/ :48:33

4 4 Agenda dos Cem Primeiros Dias - Orientações ao Dirigente Municipal de Educação A Missão do Dirigente Municipal de Educação Ser um Dirigente Municipal de Educação¹ - DME no atual contexto brasileiro e internacional é um desafio. Gestores educacionais de pequenos, médios e grandes municípios, sejam pobres ou ricos, desenvolvidos ou não, enfrentam muitas dificuldades para implementar seus projetos. A educação, como um dos principais direitos do cidadão, deve ser entendida como uma meta importante para qualquer povo que queira atingir desenvolvimento sustentável e humano, diminuir desigualdades e promover oportunidades iguais para todos. A educação, portanto, encontra-se na base da formação social, econômica, política e cultural de qualquer sociedade. No mundo contemporâneo, o conhecimento ganha ainda mais valor, como ferramenta de emancipação de toda uma nação. Em um contexto de globalização econômica, a educação possibilita que as políticas públicas sejam efetivadas em várias camadas sociais, informando a população sobre seus direitos e deveres. Os Dirigentes Educacionais precisam, portanto, dispor, além de sua força de trabalho, de uma cota pessoal de responsabilidade e compromisso à causa que abraçaram. Só assim o Dirigente cumprirá efetivamente sua missão de gestor público: garantir o direito de aprender de todos e de cada um em sua plenitude, isto é, reunir bons conteúdos escolares a uma formação cidadã. 1 - A opção da Undime em utilizar o termo Dirigente ao invés de Secretário de Educação visa demonstrar o entendimento da Undime quanto à importância do cargo. O responsável pela educação no município não deve ser apenas um executor das políticas de governo, mas, sim, assumir seu papel mobilizador na construção de políticas de Estado no âmbito municipal. É preciso fazer com que seu trabalho, de algum modo, contribua para superar os desafios de um sistema público de ensino que ainda não tem correspondido às necessidades educacionais dos brasileiros. O DME deve ter ética e consciência de sua responsabilidade pública, postura que está determinada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB em vigor e nos demais ordenamentos jurídicos que regulam o seu papel, como a própria Constituição Federal, no Estatuto da Criança e do Adolescente e em diversos outros documentos internacionais dos quais o Brasil é signatário. agenda.indd 4 2/3/ :48:33

5 5 Agenda dos Cem Primeiros Dias - Orientações ao Dirigente Municipal de Educação A Agenda dos Cem Primeiros Dias Devidamente nomeado e empossado, o novo Dirigente Municipal de Educação, nos seus cem primeiros dias de trabalho, precisa organizar uma ferramenta indispensável para dar a largada à gestão que se inicia. Essa ferramenta é uma agenda político-administrativa com dados e informações essenciais sobre o contexto e a instituição que ele começa a dirigir. É preciso conhecer a realidade do órgão público que agora está sob sua responsabilidade, bem como o contexto social em que está inserido. Mesmo estando à frente de uma Secretaria de Educação de um município pequeno, com menos de 10 mil habitantes, esse conhecimento prévio é fundamental para o planejamento e gestão da instituição educacional. Aspectos gerais a) Uma leitura da realidade do município em termos sociais, econômicos, políticos e culturais. b) Um entendimento sobre as relações de poder entre os entes federados. c) Uma compreensão das aspirações gerais da população. Aspectos específicos a) A relação e cópias de todos os Programas e Projetos implantados e em implementação pela gestão anterior, incluindo convênios e contratos, bem como prestação de contas. b) A relação de providências para iniciar o período letivo. c) O quadro de recursos humanos com os quais vai trabalhar. d) O inventário de bens móveis e imóveis. e) Os números da demanda escolar. f) O orçamento detalhado, fluxo financeiro, contas bancárias e seus valores e as dívidas do órgão. g) O quadro geral de dispêndios com Pessoal e Encargos, Manutenção e Investimentos. h) O grau de inadimplência do município em relação a estruturas complementares que deverão ser criadas no âmbito da educação municipal. i) A organização administrativa e pedagógica da rede escolar. j) A documentação legal e textual referente à estrutura, organização e funcionamento da rede municipal de ensino. k) A relação de entidades da sociedade civil, dos movimentos sociais e outras vinculadas ao mundo da educação e da escola para possíveis parcerias l) O levantamento das necessidades básicas das escolas para que funcionem regularmente. m) A situação dos depósitos e armazéns para guarda dos produtos da merenda escolar, livro didático e material escolar. n) O sistema de transporte escolar e distribuição dos materiais para a rede escolar. o) A conquista da autonomia gerencial. p) A organização da etapa municipal da Conferência Nacional de Educação. Aspectos programáticos a) O conjunto de providências de curto, médio e longo prazos, a partir dos diagnósticos das etapas anteriores. agenda.indd 5 2/3/ :48:33

6 6 Agenda dos Cem Primeiros Dias - Aspectos gerais Aspectos gerais a) Uma leitura da realidade do município em termos sociais, econômicos, políticos e culturais. Conhecer a história do povo e do lugar onde o Gestor vai trabalhar é fundamental. Saber como aquela sociedade se formou e como se multiplicou ao longo dos anos, quais as estruturas políticas que estiveram à frente do governo e os traços fortes da cultura local são elementos analíticos fundamentais para que o agente público oriente e organize a sua proposta educacional. Com certeza sua gestão será vista com mais respeito e credibilidade porque será percebida de imediato como uma atuação que valoriza as particularidades locais. O Gestor deve ter um bom preparo pessoal e sensibilidade para estruturar uma equipe técnica específica e qualificada para desenvolver projetos coletivos. Atingir a condição de Dirigente Educacional sem compreender a história e a cultura da população a que se propôs servir é uma missão com altíssima possibilidade de fracasso. b) Um entendimento sobre as relações de poder. Conhecer os atores e as regras da política municipal é outra ação importante. É necessário saber como o poder local está estruturado e organizado, quem são os dirigentes e dirigidos, movimentos sociais, sociedade civil organizada e como este poder se articula local, estadual, nacional e internacionalmente. O cargo que o Secretário de Educação ocupa é simultaneamente técnico e político. Não basta que ele seja um competente gestor e educador, que esteja atualizado nas teorias da educação. Estes fatores são importantes, mas não são suficientes para o desempenho da função. O Gestor também deve se perceber e assumir a condição de agente político para conquistar êxito na implementação das políticas educacionais adequadas ao seu município. O Dirigente enfrentará, inclusive no seu próprio grupo político, desafios da prática local reivindicando tratamentos diferenciados para seus eleitores. Outro desafio a ser superado é manter as alianças políticas sem, contudo, submergir aos interesses individuais ou de grupos que neguem o direito público e coletivo de aprender. Essa sensibilidade política e essa capacidade de se colocar diante das pressões possibilitarão a dinamização do seu projeto de direção. Tal postura evitará a perda de confiança e credibilidade diante da população e dos setores organizados da sociedade. agenda.indd 6 2/3/ :48:33

7 7 Agenda dos Cem Primeiros Dias - Aspectos gerais c) Uma compreensão das aspirações gerais da população. A Educação, por se tratar de um direito público, deve ser gerida com o conhecimento das necessidades e aspirações das comunidades e das famílias, que reconhecem na educação um meio de melhorar sua qualidade de vida. Para a grande maioria dos habitantes dos municípios, o acesso à educação representa praticamente a única oportunidade de ascensão social e de inclusão produtiva. Sem esse conhecimento ficará muito mais difícil obter a adesão e a parceria da população, peça importante em sistemas de governança participativos e democráticos. Não é difícil obter esse diagnóstico. Uma das formas é realizar encontros com as lideranças locais da sociedade civil. Outra que jamais deverá ser negligenciada é a de ouvir e manter vínculos estreitos com os estudantes, mães, pais e familiares. Sempre será relevante promover encontros que captem os sentimentos e aspirações das famílias sobre a educação que está sendo ofertada aos seus filhos pelas escolas públicas municipais. Outra atitude importantíssima a cargo do Gestor é fazer regularmente visitas às escolas sejam da zona urbana ou do campo - e a outros órgãos da educação municipal. Deverão ser visitas planejadas, que contribuam para uma gestão descentralizada da política educacional, por intermédio de fóruns de pais e de outras células comunitárias. O grande objetivo é a construção da escola que a comunidade escolar e seu entorno desejam e necessitam. agenda.indd 7 2/3/ :48:34

8 8 Aspectos específicos a) A relação e cópias de todos os Programas e Projetos implantados e em implementação pela gestão anterior, incluindo convênios e contratos, bem como prestação de contas. Item fundamental para superar os prejuízos causados pelas descontinuidades administrativas, comuns em muitas gestões públicas do país. Esta relação possibilita, ainda, saber das pendências existentes e avaliar os resultados atingidos. Preocupado com essa questão, o Pradime incentivou os Dirigentes que concluíram a gestão em 2008 a elaborar o Memorial da Gestão da Educação Municipal, na perspectiva de contribuir para a construção de uma transição republicana democrática, considerando que, em 2009, novas gestões se iniciam em todo o país. A idéia central é preparar o caminho para quem chega, que, em geral, antes dessa iniciativa, assumia o cargo de Secretário sem nenhuma informação panorâmica. Se os novos Gestores puderem contar com informações seguras sobre o estágio em que se encontra a política educacional local, escaparão dos efeitos negativos da descontinuidade administrativa e poderão avançar no desenvolvimento de suas gestões. Além disso, na transição governamental, é importante que o novo Gestor conheça os programas, projetos e convênios da Prefeitura Municipal que já estão em andamento, para que possa dar seguimento ao que foi proposto, apresentar documentos requisitados ou acompanhar as prestações de contas do município. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE coloca à disposição dos Gestores a Central de Atendimento Institucional 2, que informa sobre os programas e projetos desenvolvidos na instituição. Atualmente são ofertadas pela União duas linhas básicas de apoio financeiro às unidades federadas: 2 - Os contatos podem ser feitos pelo telefone ou na sede do FNDE (SBS, Q. 2, Bl. F, Edifício Áurea Brasília, DF) Transferências Legais Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar PNATE Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE Programa Dinheiro Direto na Escola PDDE agenda.indd 8 2/3/ :48:34

9 12 9 Programa Nacional do Livro Didático PNLD Programa Nacional do Livro para o Ensino Médio PNLEM Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos PNLA Programa Nacional Biblioteca da Escola PNBE Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino e Valorização dos Profissionais da Educação Fundeb Transferências Voluntárias Plano de Ações Articuladas PAR Programa Nacional de Reestruturação e Aparelhagem da Rede Escolar Pública de Educação Infantil ProInfância Programa Caminho da Escola. Atenção especial deve ser dada ao Plano de Ações Articuladas - PAR dos municípios que, está disponível no Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Finanças - Simec. Desde 2007, ano do lançamento do Plano de Desenvolvimento da Educação - PDE, o apoio do MEC aos Municípios, Estados e Distrito Federal, seja por assistência financeira, por meio de transferências voluntárias do FNDE, ou mesmo de assistência técnica, está condicionado à elaboração do Plano de Ações Articuladas. O PAR busca conjugar esforços dos entes federados pela melhoria da qualidade da Educação Básica. Deve ser elaborado ou reelaborado com base no levantamento da situação educacional local em conjunto com equipe técnica do Ministério da Educação e, resulta em um planejamento plurianual com quatro eixos: 1) Gestão Educacional; 2) Formação de Professores e dos Profissionais de Serviço e Apoio Escolar; 3) Práticas Pedagógicas e Avaliação; e 4) Infra-Estrutura Física e Recursos Pedagógicos. O apoio da União se dará por meio de suporte técnico ou financeiro e os participantes serão atendidos segundo critérios de prioridade. Os municípios que já possuem seu PAR revisado pelo MEC podem consultar o resultado da análise técnica, o texto do Termo de Cooperação e acompanhar a liberação dos recursos pelo FNDE por meio do Portal do MEC: Basta clicar no banner eletrônico do PAR e marcar as opções desejadas. Isso permite, ainda, o controle social por parte da sua comunidade Para elaborar o PAR é preciso a assinatura do Termo de Adesão ao PDE pelo município. Esse termo formaliza um compromisso do gestor público em elevar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - Ideb, gradativamente, a partir da adoção de um conjunto de diretrizes. O gestor municipal deve verificar a existência do Termo, os dados e informações disponíveis no Simec e a projeção do Ideb do município para os próximos anos. É necessário verificar a existência de um comitê, composto por pessoas da sociedade civil organizada e do poder público local e exigido pelo Termo agenda.indd 9 2/3/ :48:34

10 10 A situação de adimplência do município junto ao FNDE pode ser verificada na página: sispcoweb Para intensificar o controle social, o Governo Federal dispõe de Portal na Internet - www. portaltransparencia. gov.br - em que podem ser acessados os repasses a entidades governamentais e não governamentais desde 2004 de Adesão do PDE, cuja responsabilidade é acompanhar a execução das ações planejadas no PAR. É importante conhecer os integrantes do Comitê local e apoiá-los para o exercício da responsabilidade assumida. O Plano de Ações Articuladas deve ser elaborado ou reelaborado, diretamente no Simec, por uma equipe do município devidamente orientada pelo Ministério da Educação. Para ter acesso ao Sistema, é necessária uma senha que pode ser solicitada pelo Gestor da educação municipal no próprio Simec. O acompanhamento da prestação de contas dos convênios e contratos é essencial. Segundo o disposto no parágrafo único do Art. 70 da Constituição Federal, a prestação de contas é dever de... qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária. A prestação de contas efetiva-se mediante a apresentação de um conjunto de formulários e documentos, instituídos por atos legais e normativos, de forma a comprovar a boa e regular aplicação dos recursos repassados. Uma das mais importantes ações do PAR está relacionada ao Levantamento da Situação Escolar LSE que permite ao Gestor Municipal de Educação conhecer a atual situação da infra-estrutura de todas as escolas da rede pública municipal para estabelecer prioridades de intervenções nos aspectos estruturais e materiais das escolas públicas municipais. É importante ressaltar que a liberação de recursos, pelo governo federal está vinculada, obrigatoriamente, as informações desse levantamento. b) A relação de providências para iniciar o período letivo. Além da atenção que deve ser dada ao conjunto de iniciativas ligadas ao item anterior, sobretudo por envolverem aspectos que afetam a dinâmica institucional, asseguram o cumprimento das responsabilidades assumidas anteriormente e garantem a continuidade dos trabalhos regulares do órgão gestor, outro tópico da Agenda, da mais alta relevância, é o que trata das providências que precisam ser tomadas visando ao início do período letivo. O Dirigente deve, de imediato, montar uma equipe responsável por tomar todas as medidas necessárias ao início normal das aulas. agenda.indd 10 2/3/ :48:34

11 12 11 É preciso recuperar o planejamento do período letivo a ser iniciado, verificar a disponibilidade de professores, dos trabalhadores em educação, as condições físicas das escolas para atender ao quantitativo de estudantes matriculados, a disponibilidade de carteiras e cadeiras escolares, de material de apoio didático, a situação do livro didático, da merenda escolar, a situação dos bebedouros, da limpeza e da segurança, do transporte escolar, a situação das escolas da zona urbana, do campo, entre tantas outras questões que, se não estiverem equacionadas, causarão transtornos e produzirão um desgaste à nova equipe, além de prejudicar os alunos. Fica evidente que o levantamento das necessidades a serem supridas, para que as aulas comecem sem atrasos e garantam o cumprimento do calendário escolar, implica na disponibilidade de recursos financeiros, materiais e humanos capazes de assegurar a superação das carências e deficiências identificadas. Portanto, de posse do diagnóstico rigoroso da situação, o Gestor terá de se empenhar para viabilizá-los, no menor prazo possível. c) O quadro de recursos humanos com os quais vai trabalhar. Uma das estratégias essenciais para a autonomia das redes e sistemas de ensino diz respeito à qualidade dos recursos humanos que atuam na área educacional. Atenção especial deve ser dada à montagem da equipe pedagógica e da equipe de assessoria técnica e administrativa. É impossível melhorar a qualidade da educação sem professores e técnicos competentes. Consulte o Título VI da LDB, artigos 61 ao 67 tratam das exigências aos professores do ensino básico. O novo Gestor deve realizar os seguintes levantamentos iniciais: Quantos professores possui a rede de ensino? Qual o nível de escolaridade de docentes, técnicos e administrativos? Quantos precisam ser habilitados e titulados para cumprir as exigências da legislação em vigor, que estabelece limites para o professorado do ensino básico? Outras informações fundamentais são: habilitação dos professores e as disciplinas que cada um leciona; relação dos servidores licenciados (licença maternidade, tratamento de saúde, licença prêmio); relação dos servidores à disposição de outros órgãos ou que foram removidos de sua lotação; quantitativo de funcionários pelas várias categorias (agentes administrativos, assistentes, auxiliares de contabilidade, auxiliares de serviços gerais, digitadores, eletricistas, motoristas, professores pelos vários níveis). agenda.indd 11 2/3/ :48:34

12 12 É recomendável verificar o vínculo jurídico dos servidores com a Prefeitura e com a Secretaria de Educação. Deve-se conhecer quantos estão efetivados, quantos estão em estágio probatório e quantos estão em situação irregular, isto é, ainda não fizeram concurso público e estão trabalhando, com ou sem contrato, verificando inclusive se o instrumento contratual é legal e se não esbarra com a legislação interna e externa. d) O inventário de bens móveis e imóveis. O próximo procedimento administrativo é inventariar os bens. A inventariação é importante para que se obtenha condições objetivas de trabalho. Os recursos humanos podem desenvolver de maneira mais eficiente suas funções se existirem meios físicos e materiais para isso. Sem um ambiente propício é impossível avançar no desenvolvimento de um trabalho intelectual realmente criativo. Além disso, o Gestor é o responsável pela educação em todas as suas dimensões, possui responsabilidades formais com a guarda e preservação dos bens móveis e imóveis existentes, podendo ser punido se negligenciar essa tarefa. Assim, mesmo que esta informação não esteja disponível em moldes técnicos, ela não pode ser omitida, tanto por exigências legais, como pela necessidade do Gestor saber quais os recursos materiais que dispõe para implementar sua programação. É vital obter, por exemplo, a relação das unidades escolares existentes, em construção, reforma e ampliação e a situação em que se encontram cada uma delas. Este é um requisito básico para assumir a gestão da Secretaria de Educação. e) Os números da demanda escolar. Quantos estudantes estão matriculados na rede de ensino e qual é a demanda reprimida, por níveis e modalidades de ensino? O gestor deve conhecer os novos procedimentos metodológicos que compõem o Censo Escolar e identificar eventuais erros e omissões. Discutir com a equipe técnica quais os dados, os indicadores educacionais, as taxas e índices estatísticos que serão periodicamente levantados e acompanhados, tomando por base os resultados anuais do Censo Escolar e demais censos estatísticos sobre a educação. agenda.indd 12 2/3/ :48:34

13 12 13 É importante lembrar que existem muitas informações que ainda não foram produzidas, embora estejam em estado bruto no órgão municipal de educação e que poderão contribuir para melhorar a gestão, como, por exemplo: condições de funcionamento das escolas, relação dos conselhos escolares existentes e de grêmios estudantis, nível educacional do corpo de diretores escolares, modelos estatísticos para calcular as necessidades docentes, por unidades, modalidades de ensino, séries e salas de aula, entre outros. Se o gestor não dispuser de boas e consistentes estatísticas sobre a demanda escolar - seus déficits - não conseguirá formular e executar projetos educacionais. f) O orçamento detalhado, o fluxo financeiro, as contas bancárias e seus valores e as dívidas do órgão. Aqui reside uma das maiores dificuldades para a gestão plena da educação pública municipal. Por certo viés histórico, associado à baixa autonomia de boa parte dos Secretários de Educação, o planejamento e gestão do orçamento e das finanças escapam ao seu controle. Acostumados a enxergar o seu papel limitado a questões de ordem puramente pedagógica, os Gestores acabam involuntariamente contribuindo para que essa tarefa venha a ser monopolizada pela área financeira e administrativa da Prefeitura e mesmo por escritórios de contabilidade contratados. Atenção especial ao pagamento dos aposentados. Não é permitido o pagamento com os 25 % destinados à educação O Siope é a ferramenta que o Governo Federal utiliza para regular a correta aplicação dos 25% dos recursos em Educação por parte dos municípios e Estados. Segundo o FNDE, o preenchimento completo e atualizado dos dados orçamentários relativos à educação é indispensável para a realização de transferências voluntárias pelo FNDE. O Sistema está disponível na página: O Dirigente Educacional, no atual contexto, precisa cuidar não apenas da oferta de educação, mas deve atribuir peso equivalente ao conjunto de atividades ligadas à gestão operacional do sistema ou rede de ensino, cujo controle sobre os recursos orçamentários e financeiros se faz indispensável. Se, eventualmente, por razões políticas ou técnicas, ainda não for possível atingir esse estágio de gestão, o Dirigente não pode se omitir ao enfrentamento da situação, devendo, com sua equipe, perseguir estratégias que culminem com este objetivo. Afinal, pelo menos 25% das receitas de impostos que formam o orçamento municipal estão vinculados à política de manutenção e desenvolvimento do ensino, sendo o dirigente co-responsável pela aplicação desses recursos. Omitir-se dessa responsabilidade é uma espécie de renúncia cívica, cujos resultados poderão contribuir para a manutenção dos baixos índices educacionais que ainda existem em muitos municípios brasileiros. agenda.indd 13 2/3/ :48:34

14 14 É importante conhecer a Emenda Constitucional nº19 que trata de contratação de funcionários públicos e remunerações É importante acompanhar pelo Portal da Undime: br o processo de julgamento de liminar da Ação Direta de Inconstitucionalidade 4167 no Supremo Tribunal Federal - STF, ajuizada na Corte por cinco governadores contra a Lei / 08 (Lei do Piso Salarial Profissional Nacional para os Profissionais do Magistério Público da Educação Básica). g) O quadro geral de dispêndios com Pessoal e Encargos, Manutenção e Investimentos. Para uma boa gestão de pessoal e também financeira, é necessário conhecer a composição da folha de pagamento, detalhada entre trabalho docente e trabalho técnico-administrativo. A radiografia da folha de pagamento, detalhando despesas em cada modalidade de ensino, ao lado do acompanhamento dos descontos previdenciários, ajuda a identificar eventuais incorporações indevidas, muito comuns em municípios pouco institucionalizados. Isso evita futuras avaliações negativas por parte dos Tribunais de Contas, Controladorias, Auditorias e outros semelhantes. Detalhar todos os valores que compõem a remuneração dos cargos, somando salário básico mais funções comissionadas e gratificadas e outros tipos de incentivos também é importante. O Plano de Cargos e Vencimentos é referência para as seguintes verificações de valores: vencimento básico; gratificações (quais são e a fórmula para sua valoração); incentivos (quais e a partir de que critérios); funções gratificadas e comissionadas; incentivos e direitos trabalhistas do servidor, como salário-família, abonos, anuênios e qüinqüênios, aposentadorias, pensões, custo dos afastados, custo das gratificações e incentivos, auxílio transporte, terço de férias, desconto de faltas, recolhimentos, bem como os encargos sociais da Folha de Pagamento. A implantação de critérios para avaliação de desempenho não pode ser negligenciada, inclusive nos estágios probatórios, ou em casos de promoção ou progressão na carreira. É preciso observar também o fluxo do processo administrativo relativo à solicitação de direitos, mudança de nível, pagamentos por serviços realizados, entre outros. Uma questão que deve merecer toda a atenção do Gestor é a relacionada às licenças para tratamento de saúde, sem a real necessidade, expediente muito utilizado na área de pessoal, que, se não for enfrentado com a devida atenção produzirá transtornos na gestão dos recursos humanos docentes e administrativos. Uma medida imediata diz respeito ao disciplinamento interno dessa matéria, seguindo o que está configurado na legislação específica. Outra medida importante é criar uma Comissão de Assuntos Disciplinares para resolver litígios, sindicâncias e inquéritos. Na mesma linha, estão as remoções e pedidos de disposição para outros órgãos de professores e pessoal administrativo. Em muitos municípios agenda.indd 14 2/3/ :48:34

15 12 15 ainda se pratica excessivamente processos de remoção e disposição de servidores, o que pode ocasionar enormes prejuízos para a organização do trabalho da Secretaria e da rede escolar. Essa Comissão deve ser encarregada do gerenciamento e orientações preventivas dos servidores sobre seus direitos e deveres correlatos, constantes no regime jurídico trabalhista em vigor. Conhecendo melhor o comprometimento dos recursos financeiros com as despesas de Pessoal e Encargos, o Gestor terá melhores condições para planejar de modo seguro os dispêndios com Manutenção e Investimentos, fundamentais para garantir uma educação com qualidade social. h) O grau de inadimplência do município em relação a estruturas complementares que deverão ser criadas no âmbito da educação municipal. Um dos mais graves problemas enfrentados pelas redes de ensino municipais vincula-se à sua baixa institucionalidade. Entende-se por institucionalidade a existência de instituições, órgãos e demais componentes que integram a estrutura organizacional das redes ou sistemas de ensino. É impossível atingir a autonomia se não houver um esforço claro de fortalecimento institucional das Secretarias Municipais de Educação visando, sobretudo, assegurar a sua capacidade de gestão da rede de ensino. O Conselho Municipal de Educação é um grande aliado do DME e deve ser visto como apoio às ações da Secretaria Municipal de Educação Alguns exemplos de institucionalidade que ainda não se encontram operando em boa parte dos municípios são: Sistemas Municipais de Ensino; Conselhos Municipais de Educação; Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente; Conselhos Escolares; Grêmios Estudantis; Planos de Carreira e Remuneração, entre outros. Mesmo estruturas de existências compulsórias, como os Conselhos da Alimentação Escolar e do Fundeb, em muitos casos, são prefeiturizados, isto é, seguem prioritariamente as orientações decisórias dos titulares das Prefeituras, enfraquecendo o controle social e minimizando a credibilidade destes Conselhos. Por serem legalmente obrigatórias, a inexistência de muitas dessas institucionalidades implicará em sérios prejuízos ao município, como suspensão de transferências voluntárias de recursos da União e sanções propostas pelo Ministério Público. agenda.indd 15 2/3/ :48:34

16 16 i) A organização administrativa e pedagógica da rede escolar. É preciso bastante cuidado nessa questão. É comum hipertrofiar a Secretaria de Educação em relação à rede escolar e demais órgãos vinculados à área educacional. Deve-se lembrar que a Secretaria de Educação é, acima de tudo, um espaço de facilitação e mediação do desenvolvimento do ensino, cujo lugar privilegiado de referência é a escola. Assim, as atribuições e competências da escola devem ser respeitadas, evitando-se que a Secretaria as assuma indevidamente. Apesar disso, observa-se ainda uma fraca organização administrativa e pedagógica da rede escolar, muitas escolas sem planejamento, planos e projetos pedagógicos e administrativos. O começo de tudo passa pelo conhecimento do número de escolas existentes, localização geográfica e a condição de regularização, identificando as que são autorizadas e as que são reconhecidas. É preciso verificar também a situação em termos de existência de unidades executoras escolares registradas em cartório, de Regimentos Escolares atualizados, Planos de Desenvolvimento da Escola e reformas curriculares. É vital dispor da relação com o nome de todos os diretores, vice-diretores e demais cargos existentes nas escolas, procurando saber as gratificações que recebem, a experiência no cargo e o nível de formação acadêmica, além de quanto é repassado para a escola. Igualmente importante é conhecer as múltiplas fontes de recursos repassados às unidades escolares e acompanhar a execução dos mesmos. Atenção especial deve ser dada aos Projetos Político-Pedagógicos das escolas e a seu modelo de gestão, sobretudo examinando o padrão de relacionamento e participação dos estudantes, dos pais e da comunidade. A Secretaria de Educação jamais terá condições de substituir a escola e o seu papel especial no desenvolvimento da educação. Um bom Gestor é aquele que respeita essa realidade e coloca a sua gestão a serviço do desenvolvimento da rede escolar, que deverá cada vez mais se estruturar e organizar visando à aprendizagem dos seus estudantes. j) A documentação legal e textual referente à estrutura, organização e funcionamento da rede municipal de ensino. É outro requisito relevante, pois não é fácil dispor dessa documentação, por prevalecer uma baixa preocupação com a preservação da memória e da história institucional. Organogramas, Manuais de Organização, processamento administrativo, estrutura de cargos e funções, coletâneas de Leis e normas internas, Decretos e Resoluções pertinentes, entre tantos outros, precisam ser mantidos e recuperados com todo o zelo possível. agenda.indd 16 2/3/ :48:34

17 12 17 k) A relação de entidades da sociedade civil, dos movimentos sociais e outras vinculadas ao mundo da educação e da escola. Essa relação é importante para mapear o capital social existente, começando pelos grêmios estudantis, associações e uniões municipais estudantis, e ainda, sindicatos e associações de trabalhadores da educação e de pais. Além disso, é vital conhecer as premissas do Sindicato de Professores e demais servidores e de imediato buscar o diálogo para enfrentar as reivindicações. Um passo importante é levantar os termos do Acordo Coletivo de Trabalho em vigor, ligado aos profissionais da educação, que muito contribuirão para a continuidade do seu cumprimento pela nova equipe que está assumindo a direção do órgão gestor da educação municipal. l) O levantamento das necessidades básicas das escolas para que funcionem regularmente. É fundamental tanto em termos de insumos para o trabalho pedagógico e administrativo, como em termos de segurança, verificar as condições das bibliotecas, sanitários, material de consumo e material pedagógico. Além das carências de equipamentos como computadores, bebedouros entre outros. O LSE é um instrumento que orienta o Gestor Municipal de Educação na tomada de decisão, pois, os dados e informações coletadas classificam as edificações passíveis de adequações para um ambiente escolar mais confortável e adequado. m) A situação dos depósitos e armazéns para guarda dos produtos da merenda escolar, livro didático e material escolar. O Gestor cuidadoso reserva uma atenção especial a esses aspectos da administração educacional e escolar. Qualquer descuido pode levá-lo a situações desconfortáveis junto à comunidade. Além dos prejuízos financeiros acarretados pela má administração dos estoques e locais de armazenagem, que acabam prejudicando a dinâmica escolar e o processo de aprendizagem dos estudantes. Uma medida de grande alcance é criar uma Comissão de Fiscalização e Recebimento dos materiais adquiridos pela Secretaria e pelas escolas, buscando monitorar essa atividade. agenda.indd 17 2/3/ :48:34

18 18 Infelizmente ainda são freqüentes as tentativas de fraude por parte de fornecedores, que tentam ofertar produtos com validade vencida, com defeitos ou de qualidade duvidosa. Cabe ressaltar a frequência com que pessoas tentam se fazer passar por representantes ou parceiras de instituições sérias ligadas à educação, para facilitar fraudes. A Comissão deve atuar mais fortemente ainda nas escolas, onde, em geral, as condições de acompanhamento e fiscalização são mais precárias. A administração dessa área é muito trabalhosa e complexa e requer, portanto, medidas técnicas que sejam capazes de realizar uma boa gestão dos estoques dos bens existentes. Uma boa alternativa é a informatização do setor, acompanhada de um programa para trabalhar o fluxo de estoques das mercadorias adquiridas. É importante lutar pelo cumprimento dos parágrafos 5º e 6º do artigo 69 da LDB n) O sistema de transporte escolar e distribuição dos materiais para a rede escolar. A gestão do transporte escolar continua sendo um dos mais contundentes desafios colocados aos Gestores Educacionais. Apesar dos esforços do MEC, do FNDE e de outras instituições, a solução definitiva do problema ainda vai perdurar por bastante tempo. Informações que são fundamentais para o Gestor: tamanho da frota de veículos (carros próprios e alugados); se adotam terceirizações; e se existe implantado um sistema de distribuição da merenda escolar, do material escolar e demais materiais e equipamentos suplementares, oriundos da União, do Estado ou adquiridos com recursos próprios do município. É desse conjunto de dados e informações que será possível definir a melhor logística de atendimento. É importante destacar que as etapas municipais poderão ser realizadas em microrregionais, ou seja, reunindo vários municípios. Converse e se informe com a Undime de seu Estado para obter informações mais detalhadas e atualizadas. o) A conquista da autonomia gerencial. Esta é a questão mais complexa a ser enfrentada, uma vez que os sistemas de poder locais, em especial nas áreas menos desenvolvidas do país, ainda não reconhecem a autonomia dos Gestores Educacionais. A autonomia será uma conquista, que se iniciará nas primeiras horas do exercício do cargo. Tão logo seja alcançada, ainda que sem a sua plenitude, deve ser formalizada progressivamente, por exemplo, por meio de um Decreto do prefeito, em que fiquem configurados esses graus e as competências que serão delegadas para o exercício dessas atribuições. Os diplomas legais que dão apoio à medida são: as leis orgânicas municipais e a LDB. Tal conquista não será mecânica e muito menos uma concessão aos Dirigentes Educacionais mais capacitados. Para sua permanência e sustentabilidade é fundamental que seja uma conquista da comunidade agenda.indd 18 2/3/ :48:35

19 12 19 educativa, por força de sua capacidade técnica e política, centradas na participação e envolvimento ativos da comunidade local. Sem autoridade técnica e política é impossível conquistar a autonomia sustentável das redes e sistemas de ensino. p) A organização da etapa municipal da Conferência Nacional de Educação. A Conferência Nacional de Educação será realizada de 23 a 27 de abril de Mas, para isto acontecer deverão ser realizadas as etapas municipais no primeiro semestre de 2009 e as etapas estaduais no segundo semestre. É importante a participação de todos, principalmente dos atores fundamentais do processo educacional: estudantes, professores, gestores, pais, entidades sindicais, movimentos sociais, conselhos de educação, entre muitos outros segmentos. Serão debatidas e apresentadas propostas para melhorar a Educação Básica, Educação Superior, Educação Profissional e Tecnológica e as demais etapas e modalidades de ensino. Em cada Estado, está estruturada uma Comissão Organizadora Estadual, com representação de diversas entidades educacionais entre as quais a Undime. A temática, os eixos e os colóquios da Conferência Nacional deverão ser tratados nas etapas municipais, mas isso não impede que outros temas locais também sejam tratados de forma mais específica. Das etapas municipais, a partir de critérios estipulados pela Comissão Estadual, serão eleitos delegados para as etapas estaduais, e destas, para a etapa nacional. Aspectos programáticos a) O conjunto de providências de curto, médio e longo prazos, a partir dos diagnósticos das etapas anteriores. O terceiro estágio da Agenda, a se processar após o diagnóstico amplo da situação, compreende um conjunto de providências de curto, médio e longo prazos. Tais providências serão adotadas imediatamente pelo novo Gestor, com a finalidade de resolver problemas observados a partir do balanço feito, produzindo impactos junto à comunidade, sobretudo por se referirem também a problemas identificados a partir do levantamento das expectativas da população em relação à política educacional. Além disso, é preciso pensar em novas soluções para problemas antigos e alternativas para dificuldades futuras. Fica evidente que nesse estágio do processo é chegada a hora de se iniciar a construção de um Planejamento e Gestão democráticos, dotados de qualidade social, em que os objetivos, diretrizes e metas de desenvolvimento educacionais estejam configurados. agenda.indd 19 2/3/ :48:35

20 agenda.indd 20 2/3/ :48:35

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como "primeira etapa da educação básica" (artigo 29) e delega a ela a finalidade

Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como primeira etapa da educação básica (artigo 29) e delega a ela a finalidade Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como "primeira etapa da educação básica" (artigo 29) e delega a ela a finalidade de "desenvolvimento integral da criança até seis anos

Leia mais

O PAR e a atual visão ministerial

O PAR e a atual visão ministerial O PAR e a atual visão ministerial Plano Nacional de Educação (PNE) Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Plano de Ações Articuladas (PAR) Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE Interativo) (Projeto

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

O Papel do MEC na Política Educacional Brasileira

O Papel do MEC na Política Educacional Brasileira O Papel do MEC na Política Educacional Brasileira Encontros MEC e Undime com Dirigentes Municipais de Educação Pradime I Etapa Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO I. INTRODUÇÃO: Plano de Carreira é o conjunto de normas que disciplinam o ingresso e instituem oportunidades e estímulos ao desenvolvimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 016/2013

NOTA TÉCNICA Nº 016/2013 NOTA TÉCNICA Nº 016/2013 Brasília, 3 de maio de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prestação de contas na Educação. REFERÊNCIA(S): Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Lei Complementar nº 101,

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

Agenda dos Cem Primeiros Dias Orientações ao Dirigente Municipal de Educação

Agenda dos Cem Primeiros Dias Orientações ao Dirigente Municipal de Educação Agenda dos Cem Primeiros Dias Orientações ao Dirigente Municipal de Educação Agenda dos Cem Primeiros Dias Orientações ao Dirigente Municipal de Educação Apresentação 3 A missão do Dirigente Municipal

Leia mais

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos 3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos João Ferreira de Oliveira UFG Karine Nunes de Moraes UFG Luiz Fernandes Dourado UFG O objetivo deste texto é

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PLANO DE AÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2013-2016 Quixadá-CE, novembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE 2012 Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. O MINISTRO

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 20, DE 6 DE MAIO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 20, DE 6 DE MAIO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 20, DE 6 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes e sob a égide

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR O Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, um Programa Estratégico do PDE, instituído

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA EDUCAÇÂO MUNICIPIO DE ITAPEVA - SP SECRETARIA MUNICPAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO E FINANCIAMENTO

PLANO MUNICIPAL DA EDUCAÇÂO MUNICIPIO DE ITAPEVA - SP SECRETARIA MUNICPAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO E FINANCIAMENTO PLANO MUNICIPAL DA EDUCAÇÂO MUNICIPIO DE ITAPEVA - SP SECRETARIA MUNICPAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO E FINANCIAMENTO Gestão Democrática e participativa dos Conselhos Municipais Desde a Constituição de 1988, no

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Cria o Sistema Municipal de Ensino e estabelece normas gerais para a sua adequada implantação. Proc. n.º 5193/02 PAULO DE SOUZA, Vice-Prefeito no exercício do cargo de Prefeito do Município de São Vicente,

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Educação!

Entenda o Fundo Municipal de Educação! Entenda o Fundo Municipal de Educação! CONSELHEIROS JOSÉ CARLOS ARAÚJO Presidente MARA LÚCIA DA CRUZ Vice - Presidente SEBASTIÃO CEZAR LEÃO COLARES Corregedora ALOÍSIO AUGUSTO LOPES CHAVES LUÍS DANIEL

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

ORÇAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA

ORÇAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA ORÇAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Heloisa Ivone da Silva de Carvalho Ms no PPGEF/UFES Especialista em Gestão Pública IFES Especialista em Gestão Educacional UFES Professora Pesquisadora na UFES Pedagoga

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014 ANA VALESKA AMARAL GOMES E PAULO SENA Consultores Legislativos da Área XV Educação, Cultura e Desporto SETEMBRO/2014

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO TRILHA DE AUDITORIA CONVÊNIOS - SICONV CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO Contagem, 09 de Março de 2015 Nicolle Ferreira Bleme AUDITORA-GERAL EQUIPE RESPONSÁVEL Flaviano Coelho Barbosa GERENTE DE AUDITORIA

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO Resolução/CD/FNDE nº 19, de 21 de maio de 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007.

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Altera na integra o texto da Lei nº. 334/2002, de 20 de Dezembro de 2002, que cria o Conselho Municipal de Educação e da outras providencias. Faço saber

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino Disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Mococa e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007 MODELO O conteúdo do Anteprojeto de Lei abaixo apresentado representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, inciso I, da

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

Rua Alcides Lourenço da Rocha, 167 10ºandar Brooklin 04571-110 São Paulo/SP

Rua Alcides Lourenço da Rocha, 167 10ºandar Brooklin 04571-110 São Paulo/SP PRINCIPAIS RELAÇÕES DE PROGRAMAS FEDERAIS DISPONIBILIZADOS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC Sobre o material Este material apresenta os programas desenvolvidos especificamente pela Secretaria de Educação

Leia mais

Compromisso Todos pela Educação. Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Compromisso Todos pela Educação. Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. Compromisso Todos pela Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. Ministério da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Maria do Pilar Lacerda A. Silva DEPARTAMENTO DE PROJETOS

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO - UNCME/ES CARTA DE DOMINGOS MARTINS

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO - UNCME/ES CARTA DE DOMINGOS MARTINS CARTA DE DOMINGOS MARTINS A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação do Espírito Santo (UNCME/ES) em seu V Encontro Estadual realizado nos dias 23 e 24 de setembro de 2010, na cidade de Domingos

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12 Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12 Alguns dados disponíveis sobre analfabetismo Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa É um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para apoio financeiro para

Leia mais