PLANO DE NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UMA LOJA DE LINGERIE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UMA LOJA DE LINGERIE"

Transcrição

1 LUCIANA VON MUHLEN DA SILVA Trabalho de Conclusão de Estágio PLANO DE NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UMA LOJA DE LINGERIE Trabalho desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ SC, 2008

2 Meus Agradecimentos: Agradeço a Deus pelo privilégio concedido a mim ao permitir-me a conclusão deste curso; À minha querida mãe Eli Von Muhlen pelo incentivo, carinho, dedicação e ajuda ao longo desse caminho; Ao meu amado esposo Alois Max Wagner pela compreensão, por acreditar no meu potencial, pelo amor, carinho e dedicação; Ao meu bebê que está a caminho, que estava esperando a mamãe se formar para vir a este mundo; Agradeço também a amiga Brenda Wojciechowski Rodrigues, pelo aconchego nas horas difíceis, pelo carinho e pelas risadas. Por fim, agradeço aos professores Edemir Manoel dos Santos, Clóvis Demarchi e a professora Antônia Egídia de Souza minha orientadora, pela orientação, incentivo e atenção dispensada. Então, lhes deixo um Muito Obrigado, com a certeza que nada foi em vão!

3 Agradeço todas as dificuldade que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar... As facilidades nos impedem de caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam muito. Chico Xavier

4 4 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Luciana Von Muhlen da Silva b) Área de estágio Administração Geral c) Supervisor de campo Edemir Manoel dos Santos d) Orientador de estágio Prof. Antônia Egidia de Souza e) Responsável pelos Estágios em Administração Prof. Eduardo Krieger da Silva, MSc

5 5 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão social Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Pré-Incubadora de Empresas Univali b) Endereço: Rua: Uruguai, 458 Itajaí SC Bloco 29-4º andar c) Setor de desenvolvimento do estágio Gestão de Projetos d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Edemir Manoel dos Santos - Gerencia da Pré-Incubadora f) Carimbo e visto da empresa

6 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA ITAJAÍ, 17 DE NOVEMBRO DE A Pré-Incubadora de Empresas Univali, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, A PUBLICAR, em sua Biblioteca ou em outros espaços de publicação, o Trabalho de Conclusão de Estágio, executado durante o Estágio Supervisionado pela acadêmica Luciana Von Muhlen da Silva. Edemir Manoel dos Santos Gerencia da Pré-Incubadora

7 RESUMO Este trabalho apresenta um plano de negócios para implantação da loja de lingerie Boldness Moda Íntima. O objetivo foi analisar a viabilidade da instalação de uma loja de moda íntima no município de Itajaí SC. A tipologia do trabalho caracteriza-se como uma proposição de planos com enfoque qualitativo e aporte quantitativo. Para a coleta de dados utilizou fontes primárias e secundárias. As fontes primárias foram por meio de aplicação de questionários e as fontes secundárias análise de informações disponíveis em instituições como: IBGE, SEBRAE. A análise dos dados foi realizada com o auxílio de ferramentas de estatísticas e análise de conteúdo e o plano de negócios foi elaborado através do Software SEBRAE - MG. Com o resultado da pesquisa verificou-se a viabilidade do negócio. Palavras-chave: Empreendedorismo; plano de negócios; moda íntima.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro1: Roteiro esquematizado para o projeto do negócio Figuras1: Variáveis que influenciam o ambiente organizacional Figura 2: Componentes do microambiente Figura 3: O processo de construção de cenários industriais Figura 4: Cadeia de Valores Genérica Quadro 2: Matriz SWOT Figura 5: Estratégia Competitiva Quadro 3: Diferenças entre visão e missão Quadro 4: Fornecedores Quadro 5: Variáveis analisadas Quadro 6: Concorrentes de moda íntima em Itajaí Quadro 7: Modelo adaptado da matriz Swot Figura 6: Foto do prédio onde será instalada a loja Quadro 8: Investimento inicial Quadro 9: Projeção de resultados Quadro 10: Relação entre compra e venda... 70

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de Estágio Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Aspectos Metodológicos Caracterização da Pesquisa População e amostra Procedimentos e instrumentos de coleta de dados Tratamento e análise dos dados REVISÃO TEÓRICA Empreendedorismo Características e perfil do empreendedor Características das Micro e Pequenas Empresas Plano de Negócios Etapas do plano de negócios Sumário executivo Definição do negócio Equipe gerencial Plano operacional Plano de marketing Plano financeiro PLANO DE NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UMA LOJA DE LINGERIE Caracterização da Organização Histórico do MEU e a Pré- Incubadora de Empresas da Univali Diagnóstico do ambiente Macroambiente Ambiente setorial Entrantes potenciais Fornecedores Compradores Concorrentes... 55

10 Matriz SWOT Sumário Executivo Estrutura da Empresa Gestão e Equipe profissional Mercado potencial As oportunidades Elementos de diferenciação Projeção de vendas Rentabilidade e projeções financeiras Descrição do empreendimento Definição do negócio Localização e infra-estrutura Estrutura legal Gerência e equipe profissional Plano operacional Ações de marketing Produto Preço Promoção Praça Análise Financeira Análise de Investimento CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES...77 Apêndice A Instrumento de coleta de dados...77 Apêndice B Gráfico dos resultados da pesquisa realizada com 100 clientes em potencial...79 Apêndice C Plano de negócios... Erro! Indicador não definido.

11 1 INTRODUÇÃO O mercado está crescendo e os consumidores cada vez mais exigentes, as empresas precisam se adaptar as mudanças para enfrentar a concorrência. Maximizar a qualidade dos produtos e serviços possibilita rentabilidade e estabilidade da organização, desde que ela se adapte as mudanças e busque alternativas inovadoras. Sendo assim, os gestores precisam ser criativos e inovadores para não só se manter no mercado, mas também criar oportunidades. Muitas vezes o gestor de uma empresa não é empreendedor, não arrisca, não inova, e isso faz muitas vezes perder o seu espaço no mercado. Em função desse novo contexto tem surgido no meio acadêmico e empresarial o debate sobre o fenômeno empreendedor. É relevante destacar que esse debate tornou-se fundamental, porque o empreendedor é capaz de identificar e desenvolver oportunidades de mercado. As oportunidades de mercado são percebidas pelos empreendedores através de algumas técnicas, entre elas o plano de negócios. O plano de negócios é fundamental na hora de determinar os recursos necessários para abrir uma empresa. Ele permite analisar a situação atual e então formular aonde quer chegar, levando em consideração o ambiente interno e externo o qual as organizações estão expostas. O plano deve ser seguido sempre, mas nos primeiros anos de vida tem-se que ter uma atenção especial, para que o negócio se fortaleça. Este trabalho, foi elaborado com um plano de negócios do software SEBRAE- MG, e desenvolvido dentro do MEU- Movimento Empreendedor da Univali, o qual possibilita o desenvolvimento de projetos incubados. Nesse sentido, é imprescindível que haja um administrador empreendedor na organização para aproveitar as oportunidades sem medo de errar, pois muitos administradores não são empreendedores o que faz com que muitas empresas não evoluam e podem até quebrar. A atualização permanente e aperfeiçoamento dos conhecimentos e atitudes, acerca de novos métodos e técnicas para inovar podem significar muito e até tornar uma pequena empresa em uma grande empresa. Diante desse contexto a proposta de estágio é desenvolver um plano de negócios para a abertura de uma loja de lingerie.

12 Problema de Estágio No Brasil a mortalidade das micro e pequenas empresas tem sido alvo de análise e discussão no meio acadêmico e empresarial. As causas de fracasso, segundo especialistas como Dolabela (1999), Dornelas (2001) são: incompetência gerencial, inexperiência em gerenciamento, localização errada, entre outras. Diante dessas colocações, percebe-se a necessidade de um plano de negócios para iniciar um empreendimento. O plano de negócios nada mais é do que o mapa dos caminhos do empreendimento para o empreendedor acompanhar e auxiliar o desenvolvimento e crescimento de sua empresa. Dornelas (2001), afirma que plano de negócios é um documento usado para descrever um empreendimento e o modelo de negócio que será seguindo na empresa. Acrescenta-se ainda que o plano de negócios busca minimizar erros e melhorar o desempenho das empresas. Diante das questões destacadas acima o problema de estudo que se estabelece é o seguinte: quais são as variáveis que se deve analisar para a abertura de uma loja de lingerie? E quais são os fatores críticos de sucesso? 1.2 Objetivos Objetivo Geral O presente trabalho de conclusão de curso teve como objetivo geral, elaborar um plano de negócios para a implantação da empresa Boldness Moda Íntima Objetivos Específicos Realizar um diagnóstico do ambiente. Definir o negócio. Estabelecer missão e visão. Definir ações de marketing.

13 13 Definir plano de Recursos Humanos. Definir plano financeiro. 1.3 Aspectos Metodológicos Nesta parte do trabalho serão apresentados os aspectos metodológicos contemplados pelos seguintes itens: caracterização da pesquisa, contexto e participantes, procedimentos e instrumentos de coleta de dados e por fim, tratamento e análise dos dados Caracterização da Pesquisa Para a proposta do presente trabalho a tipologia mais recomendada é a proposição de planos. A proposição de plano tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas encontrados, e contribuir com o conhecimento científico. De acordo com Roesch (1999, p. 75), são considerados estudos constantes nesta categoria as propostas, sistemas, manuais e programas. Tendo definido o plano é possível partir para a abordagem a ser utilizada que foi qualitativo com aporte quantitativo. Segundo Richardson é possível afirmar sobre a análise qualitativa que: [...] os estudos que empregam uma metodologia qualitativa podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e contribuir no processo de mudança se determinado grupo e possibilitar, em maior nível de profundidade, o entendimento das particularidades do comportamento dos indivíduos. (RICHARDSON, 1999, p.80). Em suma, este estudo é uma pesquisa qualitativa com aporte quantitativo, que se concretizou por meio de uma proposição de planos, o qual foi um plano de negócios para a implantação de uma loja de moda íntima na cidade de Itajaí-SC População e amostra A população participante do estudo se constitui de potenciais clientes. Para Pries (2007) população é o conjunto de pessoas que residem em determinado território, que pode ser uma cidade, um estado, um país ou mesmo o planeta como

14 14 um todo. Ela pode ser classificada segundo sua religião, nacionalidade, local de moradia e atividade econômica, a população tem seu comportamento e suas condições de vida retratada através de indicadores sociais. Segundo dados da SEMI (2007), no Município de Itajaí são habitantes, sendo que o número de mulheres é de e de homens Para Gil (2002), o tamanho da amostra adequada para um nível de confiança de 95%, neste caso, pode ser apresentado através do cálculo da amostra (n = 1x50x50/5²), considerando uma margem de erro de +/- 10% tem-se uma amostra de 100 participantes, todas do sexo feminino, considerando este o público alvo da proposta Procedimentos e instrumentos de coleta de dados No caso especifico desse trabalho a coleta os dados ocorreu de duas formas: fontes primárias e fontes secundárias. Para Mattar (2000, p. 48), as fontes primárias são aquelas que são coletados pela primeira vez, enquanto os secundários já serviam a outros objetivos e serão utilizados para melhorar o entendimento da pesquisa, ou dar-lhe o apoio necessário. Nesse sentido, para o propósito do trabalho utilizou-se questionário para identificar os potenciais clientes. Esse tipo de instrumento favorece a coleta de dados, garantindo ao pesquisador maior flexibilidade e permitindo que aproveite melhor a resposta dos questionados, já que conforme Richardson (1999, p. 68), a coleta de dados tem como objetivo a obtenção da realidade que se deseja pesquisar. E para as fontes secundárias utilizaram-se documentos de instituições como: IBGE, SEBRAE, CDL, Banco Central, Jornal Gazeta mercantil, Revista Conjuntura econômica Tratamento e análise dos dados Para o tipo de trabalho que se realizou as técnicas de análise de dados mais adequadas são de dois tipos: análise de conteúdo e técnicas estatísticas. Para tratar os dados secundários à melhor alternativa para análise dados é a análise de conteúdo, que na visão de Roesch (1999) permite investigar o tema em profundidade. A segunda possibilidade é fazer uso dos métodos estatísticos que na

15 15 visão Roesch (1999) essa técnica é usada para tratar dados quantitativos. A abordagem quantitativa será usada para realizar pesquisa com os clientes em potenciais.

16 2 REVISÃO TEÓRICA Este capítulo fundamenta a pesquisa baseado na concepção de vários autores sobre empreendedorismo e plano de negócios. 2.1 Empreendedorismo O processo pelo qual as pessoas iniciam e desenvolvem um negócio é conhecido como empreendedorismo. Esse conceito é muito mais amplo e aborda vários aspectos, tendo como base a antecipação dos fatos e a visão futura do negócio. Na visão de Dolabela (1999, p. 40), o empreendedorismo trata-se de um fenômeno cultural, ou seja, ele é o resultado dos hábitos, práticas e valores das pessoas. Pode-se dizer que existe pessoas com maior tendência empreendedora do que outras. A questão levantada na pesquisa é que se pode aprender a ser empreendedor a partir da convivência com outros empreendedores, ou seja, através de rede de relacionamentos. Dentro do mesmo enfoque Dornelas (2001, p. 23) afirma que em todo o mundo, o interesse pelo empreendedorismo se estende além das ações dos governos nacionais, atraindo também a atenção de muitas organizações multinacionais. Por essa razão, Souza e Guimarães (2006), propõem um desafio de buscar entender as razões que determinam, incentivam ou limitam a ação empreendedora que é de importância, principalmente, para países como o Brasil, que buscam consolidar um processo de desenvolvimento econômico e social sustentável. Chiavenato (2004) relata que o empreendedorismo busca constante por oportunidades, como o custo de pesquisa às vezes é inviável para muitos microempresários é necessário observar a viabilidade do negócio que já se tem em mente ou procurar nichos de mercado e a partir daí desenhar um plano de negócios. O termo empreendedorismo, na visão de Gimenez (2000, p. 10), é o estudo da criação e da administração de negócios novos, pequenos e familiares, e das características e problemas especiais dos empreendedores. Nesse sentido, Dolabela (1999) argumenta que o empreendedorismo utilizado para designar os estudos relativos ao empreendedor, seu perfil suas origens, seu

17 17 sistema de atividades, seu universo de atuação. E o empreendedor é tido como gerador de riquezas, seja na transformação de conhecimento em produtos ou serviços, na geração do próprio conhecimento ou na inovação em outras áreas. Ele também afirma que: [...] o empreendedorismo deve conduzir ao desenvolvimento econômico, gerando e distribuindo riquezas e benefícios para a sociedade. Por estar constantemente diante do novo, o empreendedor evolui através de um processo interativo de tentativa e erro; avança em virtude das descobertas que faz, as quais podem se referir a uma infinidade de elementos, como novas oportunidades, novas formas de comercialização, vendas, tecnologia, gestão etc. (DOLABELA, 1999, p. 45). Segundo pesquisa SEBRAE (2004), a capacidade empreendedora, é formada por atributos como criatividade, perseverança e coragem de assumir riscos no negócio, é condição fundamental de sucesso para empresários e seus negócios. Empreendedorismo envolve liderança, identificação de oportunidades, bem como o aproveitamento dessas para criar riqueza (GIMENEZ, 2000, p. 11). Além disso, quando se fala de empreendedorismo deve-se lembrar de pessoas como Jean-Baptiste Say [1827], que é considerado o pai do empreendedorismo, e o economista austríaco Schumpeter [1934], que relançou as idéias sobre o empreendedor e seu papel no desenvolvimento econômico (DOLABELA, 1999, p. 67). Acrescenta-se ainda que não se pode falar em empreendedorismo sem falar de empreendedores, pois, são estas ações de pessoas que não tem medo inovar e arriscar que possibilitam desenvolvimento para a organização e em conseqüência para a sociedade. E quanto maior o risco do empreendedor, maior será o seu lucro Características e perfil do empreendedor O perfil do empreendedor está relacionado com pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar oportunidades (CHIAVENATO, 2004, p. 5). Já para Dornelas (2001), o empreendedor possui uma percepção apurada, direção, dedicação e muito trabalho dessas pessoas que fazem toda a diferença no mundo dos negócios.

18 18 Os empreendedores são pessoas diferenciadas, que possuem motivação, e são apaixonadas pelo que fazem não se contentam em ser mais um na multidão, querem ser reconhecidas e admiradas, referenciadas e imitadas, querem deixar um legado (DORNELAS, 2001). Sendo assim, para Souza e Guimarães (2006), o empreendedor precisa inovar para ser competitivo, é uma forma de inserção na sociedade. Esse perfil é interpretado como o líder é que orienta estrategicamente, e não mais controlar, mas sim, desenvolver potenciais pessoais e profissionais de cada membro da organização É oportuno lembrar que, o fato de ser um empresário não quer dizer necessariamente que é um empreendedor, pois o empreendedor tem um perfil inovador, e esta sempre criando uma nova situação para sua empresa ou trabalho, enquanto o empresário está mais preocupado com os aspectos operacionais da administração do negócio (SOUZA e GUIMARÃES, 2006).. Para McClelland (apud SOUZA e GUIMARÃES, 2006, p. 17) há algumas características essenciais do empreendedor como: buscar oportunidades, correr riscos, criatividade, iniciativa, inovação, liderança, necessidade de realização e proatividade. Desta forma, o autor descreve o empreendedor como sendo fundamental para criar oportunidade e para abertura de novos negócios. Já para Malheiros, Ferla e Cunha (2003), as características básicas do empreendedor é ter iniciativa, persistência, especialização, persuasão e capacidade de assumir riscos, os empreendedores não fogem aos obstáculos. Imaginam caminhos novos, diferentes; mudam ou criam valores (MALHEIROS, FERLA e CUNHA, 2003, p.22). De acordo com Tachizawa e Faria (2002, p.26), empreendedores são pessoas que fazem a diferença, que realizam que fazem acontecer, que desenvolvem sua capacidade de superar limites. Acrescenta-se ainda que para Malheiros, Ferla e Cunha (2003, p. 22), empreendedores são pessoas capazes de sonhar e transformar sonhos em realidade. Identificam oportunidades, agarram-nas, buscam recursos e transformam tais oportunidades em negócios. Nem todas as pessoas têm capacidades de gerar idéias e implantá-las. Outros têm muitas idéias e não tem oportunidade de expor as idéias existentes, sendo que a liberação da criatividade dos empreendedores pode ser considerada um dos recursos mais eficientes para a produção de bens e serviços, pelo qual se podem solucionar os problemas sócio-econômicos de um país (DEGEN, 1989).

19 19 É fácil notar a importância do empreendedor para a economia de um país. De acordo com Degen (1989), ele é a peça fundamental na construção de riqueza e garante, à medida que produz e oferece serviços e o bem estar da sociedade. Nesse sentido, para que um empreendimento tenha êxito é necessário um conjunto de fatores, que envolve o entendimento do empreendedor de todo o processo gerencial, bem como um nível de conhecimento que lhe permita conduzir as atividades gerenciais necessárias ao negócio (TACHIZAWA e FARIA, 2002) Características das Micro e Pequenas Empresas Ao analisar as mudanças tributárias, efetuadas pelo governo pode-se identificar um cenário obscuro para as micro e pequenas empresas. O principal motivo da maioria dos fechamentos das empresas envolve questões trabalhistas e fiscais. Os empresários, em diversas ocasiões, ficam em dúvida entre enfrentar os constantes e maciços aumentos de tributos, omitirem informações ao fisco ou migrar definitivamente para a informalidade (PRIESS, 2007). Segundo Dolabela (1999), na década de oitenta com a redução do ritmo de crescimento da economia, aumentou o nível de desemprego, os pequenos negócios passaram a ser considerados uma alternativa para mão de obra excedente, fazendo surgir ao final da década novas formas e mais concretas para incentivar a abertura de micro e pequenas empresas na economia. Pesquisa SEBRAE (2004) revela que anualmente são formadas no Brasil em torno de 470 mil novas empresas. Dados desta mesma pesquisa apresentam taxa de mortalidade de 49% para empresas com até dois anos de existência, 56,4% para empresas com até três anos de existência, e 59,9% para empresas com até quatro anos de existência. As empresas nascentes, mesmo outras que desejam se expandir, um desejo natural de muitos brasileiros, acaba se debatendo com um número elevado de impostos e a não menos absurda burocracia. O que se vê é que uma empresa, sediada em qualquer parte do país, é obrigada a arcar, no mínimo, com quatro impostos federais (PIS, Cofins, Contribuição Social e Imposto de Renda), além de outros estaduais (como o ICMS) e municipais (ISS, por exemplo), somando oito tributos, sem incluir outras taxas (PRIESS, 2007).

20 20 Para Motta (2000), a diversidade de critérios utilizados pelas instituições que regulamentam e tributam as MPEs causam complicações para os empreendedores. Isso porque as empresas recebem incentivos do Governo Federal, Estadual e Municipal, porém os critérios adotados são diferentes para cada uma. Sendo assim, frequentemente uma microempresa para fins de IR (imposto de Renda) não se enquadra nos limites de isenção do ISS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e sobre Prestação Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação), ou seja, é considerada microempresa para o governo federal, mas não para o governo estadual. A lei (n , de 30 de dezembro de 1991), descreve o incentivo e facilidade operacional das empresas de pequeno porte. A organização é considerada microempresa aquela cujo faturamento anual não ultrapasse o valor de Ufir (Unidade Fiscal de Referencia), ou R$ ,00 (cento e vinte mil reais), ou outro limite que venha a ser alterado por nova lei (CHIAVENATO, 2004, p.47). De acordo com Tachizawa e Faria (2002), o número de microempresas cresceu muito e representava em 2002, 97% das novas organizações abertas no país. Esse número é representativa, e expressa a alteração do cenário econômico, onde a freqüência com que ocorre é intensa. Além disso, uma das tendências mais significativas para os próximos anos são as grandes organizações tornarem-se obsoletas. Eles afirmam que elas poderão ser grandes demais para serem administradas, para mudarem e para se adaptarem às novas regras de produtividade e eficácia empresarial (TACHIZAWA e FARIA, 2002, p.11). Dentro dessa linha de pensamento, Cunha e Ferla (1997) afirmam que as razões para o crescimento das micro, pequenas e médias empresas são muitas, além da inatividade das grandes empresas. Entre os fatores citados estão às mudanças de comportamento dos indivíduos, caracterizado pelo constante crescimento e diversidade da sociedade; a mudança nas indústrias devido à revolução da tecnologia, a falência do setor público e estatal, eliminando os empregos; e a própria mentalidade do brasileiro, que sonha em abrir o seu próprio negócio. O crescimento acelerado das MPEs é altamente benéfico. Os argumentos em favor dessas organizações têm aumentado consideravelmente em razão da

21 21 fragmentação do mercado em nichos e segmentos de clientes (TACHIZAWA e FARIA, 2002). O empreendedor surge como estimulo ao desenvolvimento econômico e social do país, pois ele é o mecanismo acionador dos processos que deverão encadear uma serie de ações e transformações e que é muito provável que esse processo inicie com micro e pequenas empresas (DOLABELA, 1999). A tendência atual é o oferecimento de produtos e serviços customizados, visando à total satisfação dos clientes. 2.2 Plano de Negócios Para iniciar e desenvolver um negócio é necessário o planejamento, uma das mais importantes atividades do empreendedor. É no plano de negócios que a organização define aonde ela quer chegar e identificar as oportunidades de negócio. Chiavenato (2004, p.127) apresenta algumas orientações relativas ao plano de negócios como: [...] Todos os planos têm um propósito comum: a previsão, a programação e a coordenação de uma seqüência lógica de eventos, os quais se bem sucedidos, deverão conduzir ao alcance do objetivo que se pretende. Geralmente o plano é um curso predeterminado de ação sobre um período especificado de tempo e proporcionam respostas as seguintes questões: o que, quando, como, onde e por quem. Na verdade é uma tomada antecipada de decisões sobre o que fazer, antes de a ação ser necessária. Planejar consiste em simular o futuro desejado e estabelecer previamente os cursos de ação necessários e os meios adequados para atingi-los. Destaca-se também que o plano de negócios é o conjunto de dados e informações sobre o futuro empreendimento, que define suas principais características e condições para proporcionar uma análise da sua viabilidade e dos seus riscos, bem como para facilitar a sua implementação (CHIAVENATO, 2004). Para entender os empreendedores preocupados com o futuro de sua organização, foram criados métodos com o objetivo de facilitar ou sistematizar as informações, de modo que sejam utilizadas para a tomada de decisão estratégica (BIAGIO e BATOCCHIO, 2003). Pauline e Veronez (apud BIAGIO e BATOCCHIO, 2003, p.29), afirmam que a principal razão do fracasso de um empreendimento é a falta de planejamento

22 22 adequado. Para dar vazão e efetivar o processo de planejamento criou-se um importante instrumento de gestão, denominado plano de negócios. O plano de negócios é um documento usado para descrever um empreendimento e o modelo de negócios que o sustenta. Sua elaboração envolve um processo de aprendizagem e auto-conhecimento, e ainda permite ao empreendedor situar-se no ambiente de negócios (DORNELAS, 2001). O plano de negócios para Chiavenato (2004, p. 128) é uma espécie de visualização de uma idéia, um pequeno check list para não deixar passar nada despercebido. Nesse sentido para que um plano de negócios seja eficaz é preciso responder os seguintes questionamentos: 1. Ramo de atividade: Por que escolheu este negócio? 2. Mercado consumidor: Quem são os clientes? O que tem valor para o cliente? 3. Mercado fornecedor: Quem são os fornecedores de insumos e serviços? 4. Mercado concorrente: Quem são os concorrentes? 5. Produto/serviço a serem ofertados: Quais são as características dos produtos/serviços ofertados? Quais são os seus usos menos evidentes? Quais são as vantagens e desvantagens diante dos clientes? Como criar valor para o cliente por meio dos produtos/serviços? 6. Localização: Quais são os critérios para avaliação do local ou do ponto? Qual é a importância da localização para seu negócio? 7. Processo operacional: Como sua empresa vai operar etapa por etapa? (Como fazer?); Como fabricar? Como vender? Como fazer o serviço? Qual trabalho será feito? Quem o fará? Com que material? Com que equipamento? Quem tem conhecimento e experiência no ramo? Como fazem os concorrentes? 8. Previsão de produção, previsão de vendas ou previsão de serviços: Qual é a necessidade e a procura do mercado? Qual é a sua provável capacidade de produção? Qual é a disponibilidade de matérias-primas e de insumos básicos? Qual é o volume de produção/vendas/serviços que você planeja para seu negócio? 9. Análise financeira: Qual é a estimativa de receita da empresa? Qual é o capital inicial necessário? Quais são os gastos com materiais? Quais são os gastos com pessoal de produção? Quais são os gastos gerais de produção? Quais são as despesas administrativas? Quais são as despesas com vendas? Qual é a margem de lucro desejada? Quadro1: Roteiro esquematizado para o projeto do negócio Fonte: CHIAVENATO, 2004, p Antes de montar o negócio, é necessário mapear e obter o perfil dos compradores, fornecedores e concorrentes. Elaborar um plano de negócios com o maior número de detalhes possíveis e verificar sua real viabilidade É fundamental para o sucesso do futuro empreendimento.

23 Etapas do plano de negócios O plano de negócios movimenta todos os dados necessários para montar um negócio e é através dele que se pode identificar onde se está situado no mercado e para onde se quer ir. De acordo com Dornelas (2001), não existe uma estrutura rígida e especifica para a elaboração de um plano de negócios, pois cada negócio possui particularidades e semelhanças, sendo impossível estabelecer um modelo padrão que seja aplicável a qualquer tipo de negócio. Nesse sentido, Biagio e Batocchio (2003) afirmam que não existe um tamanho ou composição ideal de um plano de negócios. Cada empresa deve procurar o que melhor convém, considerando seus objetivos e sua forma de utilização. As etapas que compõem um plano de negócios devem estar ordenadas de forma lógica, a fim de facilitar o seu entendimento. Quanto mais sucinto e claro as etapas melhor a compreensão do leitor. Cabe destacar que um plano de negócios viável deve conter as seguintes etapas: sumário executivo, descrição do negócio análise de mercado, equipe gerencial, plano operacional, plano de marketing e plano financeiro Sumário executivo O sumário executivo é a principal seção do plano de negócios. Ele apresenta ao público alvo os objetivos do plano de negócios e, portanto deve ser claro, revisado várias vezes e deve conter uma síntese do que será apresentado, preparando o leitor e o atraindo para uma leitura com mais atenção e interesse. Segundo Dornelas (2001), o sumário executivo é a principal seção do plano de negócios, deve apresentar uma síntese, preparando o leitor e o atraindo para uma leitura com mais atenção e interesse. De acordo com Biagio e Batocchio (2003), o sumário executivo deve ocupar apenas uma página, sendo composto de partes, e no máximo cinco parágrafos. Na primeira parte deve-se fazer uma apresentação do negócio; na segunda parte, descrever o porquê da empresa ter elaborado o plano; na terceira e última parte, deve-se

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIAS DE SEGMENTO DE MERCADO E CATEGORIAS ESPECIAIS Roteiro de Elaboração do Case Buscando aperfeiçoar o Sistema de Avaliação do Top de

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Planejamento Estratégico. Valéria Mendes Meschiatti Nogueira

Planejamento Estratégico. Valéria Mendes Meschiatti Nogueira Planejamento Estratégico Valéria Mendes Meschiatti Nogueira Conceitos básicos de Estratégia Propósito de uma organização: é o impulso, a motivação que direciona para os caminhos que ela escolher. Sem propósito

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais