inf catim Consulta pública sobre a revisão do Sistema Europeu de Normalização nesta edição EDIÇÃO normalização Abril 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "inf catim Consulta pública sobre a revisão do Sistema Europeu de Normalização nesta edição EDIÇÃO normalização Abril 2010"

Transcrição

1 EDIÇÃO normalização 2 Abril 2010 inf catim nesta edição Consulta pública sobre a revisão do Sistema Europeu de Normalização P.1 Publicado RelatórioEXPRESS P.2 Reuniões de Comissões Técnicas P.3 Normas Portuguesas Publicadas P.4 Normas Portuguesas Anuladas P.5 Metrology & Industry Internacional Conference P.5 Normas Europeias Publicadas P.7 Consulta pública sobre a revisão do Sistema Europeu de Normalização Domínio(s) político(s) Mercado interno, normalização, indústria Grupo(s)-alvo Entidades públicas, organizações privadas, associações industriais, PME, cidadãos, organizações de consumidores, sindicatos, ONG, organizações ambientais Período da consulta De a Finalidade da consulta No contexto da iniciativa «Legislar melhor» da União Europeia, a Comissão Europeia decidiu lançar um processo de revisão do Sistema Europeu de Normalização, com o objectivo de o reforçar em benefício de todos os interessados. Com a consulta pública, pretende-se ficar a conhecer o ponto de vista dos interessados sobre a revisão dos Sistema Europeu de Normalização e recolher opiniões e sugestões sobre possíveis propostas concretas da Comissão. Como apresentar a sua contribuição O Comissão Europeia convida os cidadãos, as organizações e as entidades públicas a apresentarem as suas contribuições. Pode enviar a sua contribuição para a Comissão Europeia por correio electrónico até às 24h00 (hora da Europa Central) de 21 de Maio de As contribuições recebidas serão publicadas na Internet. É importante ler a declaração de confidencialidade que acompanha a consulta, de modo a conhecer a forma como serão tratados os dados pessoais e as contribuições recebidas. Estas mesmas contribuições serão publicadas no sítio Web da Direcção-Geral das Empresas e da Indústria, excepto se o seu autor se opuser à publicação de dados pessoais por a publicação dos mesmos poder prejudicar os seus interesses legítimos. Caso sejam necessárias mais informações, os serviços da Comissão poderão consultar os autores das contribuições. Resultados da consulta e etapas seguintes Os resultados da consulta pública, bem como outros estudos e o relatório de um grupo de peritos EXPRESS (ver página seguinte) irão ajudar a Comissão Europeia a formular propostas legislativas que serão apresentadas ao Conselho de Ministros e ao Parlamento Europeu no Outono de As propostas serão submetidas a uma avaliação prévia das suas consequências económicas, sociais e ambientais. Para mais informações: Pág. 1

2 Publicado o Relatório EXPRESS, importante documento de suporte à estratégia Europeia de Normalização O Sistema Europeu de Normalização tem cumprido um função essencial no crescimento do Mercado Único Europeu, designadamente no suporte das Directivas Nova Abordagem. No últimos anos surgem estudos que demonstram o impacto económico da Normalização aos níveis Nacional e Europeu. A Normalização é caracterizada por uma dimensão de interesse público, particular destaque para as questões de saúde, segurança, convergência das tecnologias, alterações climáticas, gestão da energia, ambiente e o desenvolvimento sustentável. Por esta razão, a União Europeia adoptou uma política activa de Normalização, que promove a Normalização ao serviço de uma melhor legislação e serve como instrumento de competitividade da indústria Europeia. A Normalização é parte integrante das políticas da União Europeia de modo a garantir uma melhor regulação e, assim, aumentar a competitividade das empresas eliminando barreiras ao comércio internacional. Ao mesmo tempo, chama a atenção do público em geral sobre os desafios da normalização nesta era de globalização da economia. Através do desenvolvimento de normas europeias e da eliminação de conflito de normas nacionais, a normalização tem desempenhado um papel preponderante na realização de um mercado único de bens. Com o objectivo de reflectir e propor às várias partes interessadas, recomendações e acções que sustentem a estratégia europeia de normalização, capaz de satisfazer as necessidades da sociedade, das autoridades públicas e de sustentar as políticas europeias, a Comissão Europeia organizou um painel de 30 peritos, convidados a nível individual, que designou EXPRESS (Expert Panel for the Review of the European Standardization System), oriundos de organismos de normalização nacionais, europeus e internacionais, indústria, PME, ONG, organizações sindicais, academia, autoridades nacionais dos Estados Membros da União Europeia e EFTA e outros organismos informais de normalização. A representação Portuguesa no EXPRESS esteve a cargo do IPQ através do seu Presidente Eng. Jorge Marques dos Santos. Documento disponível no seguinte endereço: Mais informações em: Pág. 2 2

3 Reuniões Comissões Técnicas ONS - CATIM CT 12 Aços e Ferros Fundidos SC4 CT 117 Torneiras Sanitárias e seus acessórios Data: Data: Local: CATIM Lisboa Análise da proposta de tradução da ENISO6508-3; Finalização da análise da tradução da EN 200; Análise da proposta de tradução da ENISO6506-2; Outros assuntos. Análise de provas de autor. Outros assuntos. CT Ventilação de edifícios com aparelhos a gás CT 18 Elementos de Tubagem, Tubos GT 1 - Instalação de Aparelhos a gás: Volume dos válvulas e acessórios locais, posicionamento dos aparelhos a gás e ligação Data: Data: às condutas; Diversos (Informações, Documentos em votação, etc.) EN :2009/EN :2009 (análise e tradução) Local: IPQ Caparica Aprovação da Ordem de Trabalhos Aprovação do Relato da Reunião anterior Informações CT 36 Aparelhos que utilizam combustíveis sólidos CT Ventilação de edifícios com aparelhos a gás líquidos ou gasosos, seus dispositivos e acessórios GT 2 Ventilação natural, ventilação mecânica Data: centralizada e evacuação dos produtos de combustão Informações Data: Aprovação da acta da reunião anterior. Análise da votação de documentos ventilação mista, Norma(s) para a determinação da emissão de Continuação da revisão da NP Análise da proposta do plano de trabalho sobre partículas de aparelhos domésticos que utilizam combustíveis sólidos. Local: IPQ Caparica ventilação (NP ) Informações e outros assuntos Outros Assuntos CT Ventilação de edifícios com aparelhos a gás CT 98 Portas, janelas, Fachadas cortinas, cerramento de vãos e respectivo acessórios e ferragens Instalação e ventilação de Cozinhas Profissionais Data: SC1 - Ferragens Data: GT 4 Finalização da análise da tradução da EN 1906 Puxadores. Plano de actividades 2010/2011 (PAN) Local: IPQ Caparica Aprovação da Ordem de Trabalhos Aprovação do Relato da Reunião anterior Informações Discussão das alterações propostas pelos subgrupos. Outros Assuntos Pág. 3

4 Normas Portuguesas Publicadas no âmbito das Comissões Técnicas afectas ao ONS CATIM CT 34 NP EN 485-3:2009 ( 2ª Edição ) Alumínio e ligas de alumínio Chapas, fitas e placas Parte 3: Tolerâncias de dimensões e de forma dos produtos laminados a quente EN 485-3:2003 IDT Termo de Homologação nº 2009/0435, NP EN 957-7:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 7: Máquinas de remo, requisitos específicos de segurança adicionais e métodos de ensaio EN 957-7:1998 IDT Termo de Homologação nº 2009/0377, CT 98 NP EN 1158:2009 ( 1ª Edição ) Ferragens Dispositivos para coordenação de fecho de portas Requisitos e métodos de ensaio EN 1158:1997 IDT;EN 1158:1997 /A 1:2002 IDT;EN 1158:1997 /A Termo de Homologação nº 2009/0362, NP EN 957-8:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 8: Simuladores de marcha simuladores de escadas e simuladores de escalada Requisitos específicos de segurança adicionais e métodos de ensaio EN 957-8:1998 IDT Termo de Homologação nº 2009/0376, NP EN :2009 ( 1ª Edição ) Mobiliário Berços para uso doméstico Parte 1: Requisitos de segurança EN :1996 IDT Termo de Homologação nº 2009/0433, NP EN 957-1:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 1: Requisitos gerais de segurança e métodos de ensaio EN 957-1:2005 IDT Termo de Homologação nº 2009/0381, NP EN 957-2:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 2: Equipamentos de treino de força, requisitos específicos de segurança adicionais e métodos de ensaio EN 957-2:2003 IDT Termo de Homologação nº 2009/0380, NP EN 957-9:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 9: Equipamentos de treino elípticos, requisitos específicos de segurança e métodos de ensaio adicionais EN 957-9:2003 IDT Termo de Homologação nº 2009/0451, NP EN :2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 10: Bicicletas de exercício com roda fixa ou sem roda livre requisitos específicos de segurança e métodos de ensaio adicionais EN :2005 IDT Termo de Homologação nº 2009/0375, NP EN 1273:2009 ( 1ª Edição ) Artigos de puericultura Voadores Requisitos de segurança e métodos de ensaio EN 1273:2005 IDT Termo de Homologação nº 2009/0452, NP EN 957-4:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 4: Bancos para halteres, requisitos específicos de segurança adicionais e métodos de ensaio EN 957-4:2006 IDT Termo de Homologação nº 2009/0379, NP EN 957-6:2009 ( 1ª Edição ) Equipamento de treino fixo Parte 6: Passadeiras requisitos específicos de segurança adicionais e métodos de ensaio EN 957-6:2001 IDT Termo de Homologação nº 2009/0378, CT 178 NP EN :2003+A1:2009 ( 1ª Edição ) Condutas de evacuação dos produtos da combustão Métodos de cálculo térmico e dinâmico dos gases Parte 2: Condutas de evacuação dos produtos da combustão servindo vários aparelhos EN :3003+A1:2009 IDT Termo de Homologação nº 2009/0457, CT 34 NP EN 62031:2009 ( 1ª Edição ) Módulos de LED para iluminação em geral Especificações de segurança (IEC 62031:2008) EN 62031:2008 IDT Termo de Homologação nº 2009/0486, Pág. 4

5 Normas Portuguesas Anuladas no âmbito das Comissões Técnicas afectas ao ONS CATIM CT 12 NP EN :2006 ( 2ª Edição ) Materiais metálicos Ensaio de tracção Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente EN :2001 IDT Substituida por: EN ISO :2009 CT 12 NP EN 10225:2009 ( 2ª Edição ) Aços estruturais soldáveis para estruturas marítimas fixas Condições técnicas de fornecimento EN 10225:2009 IDT Substituida por: EN 10225:2009 CT 36 NP EN :2000 /A 1:2001 ( 1ª Edição ) Aparelhos domésticos para preparação dos alimentos que utilizam combustíveis gasosos Parte 1-1: Segurança - Generalidades EN :1998 /A 1:1999 IDT Anulada em: Substituida por: EN :2008 CT 36 NP EN :2000 /A 3:2008 ( 1ª Edição ) Aparelhos domésticos para preparação dos alimentos que utilizam combustíveis gasosos Parte 1-1: Segurança - Generalidades EN :1998 /A 3:2005 IDT Anulada em: Substituida por: EN :2008 CT 40 NP EN 1550:2000 ( 1ª Edição ) Segurança de máquinas ferrament Requisitos de segurança para a concepção e o fabrico de buchas EN 1550:1997 IDT Anulada em: Substituida por: EN 1550-:1997+A1:2008 NP EN 71-4:1991 ( 1ª Edição ) químicas e actividades conexas EN 71-4:1990 IDT NP EN 71-4:1991 /A 1:2000 ( 1ª Edição ) químicas e actividades conexas EN 71-4:1990 /A 1:1998 IDT NP EN 71-4:1991 /A 3:2008 ( 1ª Edição ) químicas e actividades conexas EN 71-4:1990 /A 3:2007 IDT NP EN 71-4:1991 /A 3:2008 ( 1ª Edição ) químicas e actividades conexas EN 71-4:1990 /A 3:2007 IDT CT 130 NP EN 1495:2000 ( 1ª Edição ) Plataformas elevatórias Plataformas de trabalho de elevação em colunas EN 1495:1997 IDT;EN 1495:1997 /AC 1:1997 IDT Substituida por: EN 1495-:1997+A2:2009 CT 130 NP EN 1570:2000 ( 1ª Edição ) Requisitos de segurança para mesas elevatórias EN 1570:1998 IDT Substituida por: EN 1570-:1998+A2:2009 Nos dias 17, 18 e 19 de Março decorreu a 1ª Conferência Internacional de Metrologia e Indústria, a qual foi promovida pelo CATIM, tendo decorrido no Centro de Congressos da Alfândega do Porto. A conferência abordou diversos temas com enfoque na Metrologia nas empresas, tendo sido fundamental a partilha de conhecimentos e experiência de especialistas de metrologia, investigadores provenientes da indústria, universidades, centros tecnológicos e órgãos públicos. No que concerne especificamente à vertente normativa, destaque para a intervenção de Henrik S. Nielsen, Presidente do Comité Técnico de Normalização ISO/TC Dimensional and geometrical product specifications and verification. O Instituto Português da Qualidade, enquanto organismo máximo da Metrologia em Portugal, esteve representado ao mais alto nível, pelo seu Presidente Eng. Jorge Marques dos Santos. Também do IPQ, o Eng.º António Cruz, Director do Departamento de Metrologia e a Eng.ª Eduarda Filipe, Presidente da SPMet Sociedade Portuguesa de Metrologia e Directora da Unidade de Metrologia Cientifica e Aplicada do IPQ, focaram os aspectos relativos ao impacto da Metrologia na Economia, nas empresas e na qualidade de vida dos cidadãos, bem como o Estado de Arte da Metrologia em Portugal. O evento foi considerado altamente proveitoso tendo correspondido às expectativas dos participantes, os quais, de acordo com os inquéritos de avaliação, consideraram o evento de muito bom nível. Sendo a Metrologia um dos Subsistemas do Sistema Português da Qualidade, juntamente com a Qualificação e Normalização, na Qualificação e Normalização, na actual conjuntura económica este tema constitui um desafio para as empresas com vista ao aumento da sua competitividade. Para mais informações: Pág. 5

6 Normas Europeias Publicadas no âmbito das Comissões Técnicas afectas ao ONS CATIM TC 74 EN :2009 ( Ed. 1 ) Flanges and their joints Bolting Part 4: Selection of bolting for equipment subject to the Pressure Equipment Directive 7/23/EC TC 132 EN 13195:2009 ( Ed. 1 ) Aluminium and aluminium alloys Specifications for wrought and cast products for marine applications (shipbuilding, marine and offshore) TC 136 EN :2010 ( Ed. 1 ) Floating leisure articles for use on and in the water Part 4: Additional specific safety requirements and test methods for Class B devices TC 180 EN 1319:2009 ( Ed. 2 ) Domestic gas-fired forced convection air heaters for space heating, with fan-assisted burners not exceeding a net heat input of 70 kw TC ECISS/TC20 CEN/TR 10350:2009 ( Ed. 1 ) Analysis of steels and irons Internal laboratory procedure for checking the accuracy of an analytical method by using Certified Reference Materials EN :2010 ( Ed. 2 ) conditions.part 2: Welded cold drawn tubes EN :2010 ( Ed. 2 ) conditions Part 1: Seamless cold drawn tubes EN :2010 ( Ed. 2 ) conditions Part 3: Welded cold sized tubes EN :2010 ( Ed. 2 ) conditions. Part 5: Welded cold sized square and rectangular tubes TC 98 EN 1495-:1997+A2:2009 /AC :2010 ( Ed. 1 ) Lifting platforms Mast climbing work platforms TC 143 EN :2003+A1:2009 /AC :2010 ( Ed. 1 ) Machine tools Safety Sawing machines for cold metal TC 143 EN :2003+A1:2009 /AC :2010 ( Ed. 1 ) Safety of machine tools Transfer and special-purpose machines TC ECISS/TC31 EN 10283:2010 ( Ed. 2 ) Corrosion resistant steel castings TC ECISS/TC22 EN :2007+A1:2009 /AC :2009 ( Ed. 1 ) Flat products made of steels for pressure purposes Part 1: General requirements TC 69 EN ISO 10497:2010 ( Ed. 2 ) Testing of valves Fire type-testing requirements (ISO 10497:2010) Uma razão para o uso de NORMAS AUMENTA A COMPETITIVIDADE As normas conferem uma notória vantagem competitiva demonstrando, de forma relevante, que o fornecedor partilha os mesmos valores e exigências do cliente em áreas como o compromisso de trabalho sustentado, a prática de ética na organização, qualidade e normas de produto. Ficha Técnica Concepção CRC CATIM / ONS CATIM Participação & Agradecimentos Alexandra Peixoto; Hugo Silva Informações / CATIM - Rua dos Plátanos, 197; Porto Tel Fax Pág. 6

inf catim nesta edição

inf catim nesta edição EDIÇÃO normalização 3 Maio 2010 inf catim nesta edição Serviço de apoio às PME para assuntos de Normalização Está já disponível o CEN-CENELEC SME Helpdesk, um serviço extremamente útil e vantajoso. Este

Leia mais

inf catim Rede descentralizada de consulta de Normas EDIÇÃO normalização Julho/Agosto 2010 nesta edição

inf catim Rede descentralizada de consulta de Normas EDIÇÃO normalização Julho/Agosto 2010 nesta edição EDIÇÃO normalização 4 Julho/Agosto 2010 inf catim nesta edição Rede descentralizada de consulta de Normas P.1 ISO 9001 para Pequenas Empresas P.2 Marcação CE, uma porta aberta para o mercado Europeu P.3

Leia mais

Edição. info catim. Normalização. Abril 2011

Edição. info catim. Normalização. Abril 2011 Edição 6 Ficha Técnica Concepção CRC CATIM/ONS CATIM Participação e agradecimentos Francisco Silva; Hugo Silva Informações crc@catim.pt/ons@catim.pt Rua dos Plátanos, 197 4100-414 Porto Tel. +351 226 159

Leia mais

1. Notícias. Separata Normalização Maio 2009. Nesta edição

1. Notícias. Separata Normalização Maio 2009. Nesta edição Separata Normalização Maio 2009 Nesta edição 1. Notícias 1.1 Jornada APONS 2. Reuniões das Comissões Técnicas 3. Normas Portuguesas Anuladas 4. Normas Portuguesas Publicadas 5. Normas Europeias Publicadas

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ DNP CEN ISO/TS 15875-7:2014 Sistemas de tubagens de plástico para instalações de água quente e fria Polietileno reticulado

Leia mais

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

Edição. info catim. Notícias. Casos e Parcerias de Sucesso. Produtos em contacto com a água. Abril 2011

Edição. info catim. Notícias. Casos e Parcerias de Sucesso. Produtos em contacto com a água. Abril 2011 Edição 6 Casos e Parcerias de Sucesso Produtos em contacto com a água Ficha Técnica Concepção CRC CATIM Participação e agradecimentos Alexandre Pereira; Cláudia Fernandes; Cláudia Pires; Filipa Lima; Hugo

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

INTRODUÇÃO. 3 IMPORTANCIA DA NORMALIZAÇÃO. 4 ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO SECTORIAL. 5 COMISSÕES TÉCINCAS PORTUGUESAS DE NORMALIZAÇÃO CT. 7 APVE / ONS.

INTRODUÇÃO. 3 IMPORTANCIA DA NORMALIZAÇÃO. 4 ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO SECTORIAL. 5 COMISSÕES TÉCINCAS PORTUGUESAS DE NORMALIZAÇÃO CT. 7 APVE / ONS. ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 IMPORTANCIA DA NORMALIZAÇÃO... 4 ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO SECTORIAL... 5 COMISSÕES TÉCINCAS PORTUGUESAS DE NORMALIZAÇÃO CT... 5 NORMAS PORTUGUESAS (NP)... 6 ELABORAÇÃO DE UMA NORMA

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

assegurar a qualidade em sistemas solares térmicos certificação de sistemas solares e seus componentes

assegurar a qualidade em sistemas solares térmicos certificação de sistemas solares e seus componentes assegurar a qualidade em sistemas solares térmicos certificação de sistemas solares e seus componentes RITTER SOLAR/ESTIF Assegurar a qualidade dos componentes do sistemas solar, nomeadamente dos colectores

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Temas a apresentar. Marcação CE na generalidade Directiva de Produtos de Construção. Enquadramento

Temas a apresentar. Marcação CE na generalidade Directiva de Produtos de Construção. Enquadramento Marcação Centro Cultural de Macieira de Cambra, Vale de Cambra 25 de Março 2011 Temas a apresentar Marcação CE na generalidade Directiva de Produtos de Construção Legislação aplicável Enquadramento SGS

Leia mais

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 3 As Entidades Nacionais de Normalização. Unidade 3 A Comissão Técnica (CT)

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 3 As Entidades Nacionais de Normalização. Unidade 3 A Comissão Técnica (CT) Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas Modulo 3 As Entidades Nacionais de Normalização Unidade 3 A Comissão Técnica (CT) Objetivos do módulo 1. Saber identificar as principais atribuições

Leia mais

CATEGORIAS DA METROLOGIA

CATEGORIAS DA METROLOGIA Cadernos Técnicos Carlos Sousa CATEGORIAS DA METROLOGIA METROLOGIA CIEN TÍFICA Investigação D esenvolvim ento D em onstração Unidades de medida Materialização de grandezas PADRÕ ES APLICADA Controlo: Processos

Leia mais

ENSAIOS E MEDIÇÕES UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO SECTOR METALOMECÂNICO

ENSAIOS E MEDIÇÕES UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO SECTOR METALOMECÂNICO ENSAIOS E MEDIÇÕES UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO SECTOR METALOMECÂNICO Ordem dos Engenheiros Junho de 2015 Pedro Castro 1 Índice 1. Apresentação 2. A nossa missão 3. Dados

Leia mais

Comunicação da Comissão no âmbito da execução da Diretiva 2001/95/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa à segurança geral dos produtos

Comunicação da Comissão no âmbito da execução da Diretiva 2001/95/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa à segurança geral dos produtos 4.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 254/3 Comunicação da Comissão no âmbito da execução da Diretiva 2001/95/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa à segurança geral dos produtos (Publicação

Leia mais

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E MAIS VALIAS Lisboa, 21 de Maio de 2013 Experiência do Laboratório de Ensaios APEB Acreditação Flexível Intermédia João André jandre@apeb.pt 1 Outubro 2012 Entrega da

Leia mais

O Sector Metalúrgico e Metalomecânico Português

O Sector Metalúrgico e Metalomecânico Português O Sector Metalúrgico e Metalomecânico Português 27 de setembro de 2013 AIMMAP Uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos, criada em 1957 e constituída por empresas singulares ou coletivas que

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 436 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 436 30 de Novembro de 2009 Página 2 de 7 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Classificação...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação

A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação Sumário CT 7- O que é? Organização e funcionamento da CT 7 Produção normativa Disponibilização

Leia mais

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Jorge Marques dos Santos, local, Porto, 18 de abril de 2013 IPQ- Instituto Português da Qualidade

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Índice da EN 10255:2004

Índice da EN 10255:2004 Tema em Destaque A Norma Europeia EN 10255:2004 Tubos de Aço não ligado com aptidão para roscagem e soldadura - Condições técnicas de fornecimento Introdução Trata-se de uma norma Europeia muito recente,

Leia mais

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central Especificações Técnicas para Gás combustível em edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério da

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares. Guia para Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares ET 02/2006 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos Especificações

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS SUSPENSAS E DE ELEVAÇÃO DE TRABALHADORES

CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS SUSPENSAS E DE ELEVAÇÃO DE TRABALHADORES CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS SUSPENSAS E DE ELEVAÇÃO DE TRABALHADORES Data de emissão Junho 2006 Data de revisão Autor GT Máquinas e Equipamentos de Trabalho

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT. Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico. Virgínia Corrêa. www.gppq.mctes.pt

7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT. Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico. Virgínia Corrêa. www.gppq.mctes.pt 7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico Virgínia Corrêa Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT www.gppq.mctes.pt Estratégia de Lisboa Conselho Europeu

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Plano de implementação da ISO 9001:2008 PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008

Plano de implementação da ISO 9001:2008 PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 A APCER vem por este documento transmitir as disposições tomadas para a emissão de certificados acreditados durante o período de implementação definido pela IAF,

Leia mais

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Lisboa, 20 de Junho Comércio electrónico, segurança dos dados pessoais, regulação e mecanismos de protecção foram alguns dos temas discutidos

Leia mais

Lista de Normas de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ

Lista de Normas de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ NP 3034:2012 Azeitonas de mesa Definição, classificação, características, acondicionamento e rotulagem NP EN 462-3:2012 Ensaios não destrutivos Qualidade da imagem radiográfica Parte 3: Classes de qualidade

Leia mais

EN 13795. Contributo. A elaboração da Norma A situação actual Estrutura e Objectivos EN 13795 e as suas partes constituintes EN13795 FAPOMED SA 2

EN 13795. Contributo. A elaboração da Norma A situação actual Estrutura e Objectivos EN 13795 e as suas partes constituintes EN13795 FAPOMED SA 2 EN 13795 Campos cirúrgicos, batas cirúrgicas e fatos de ambiente controlado, classificados como dispositivos médicos para doentes profissionais de saúde e equipamentos EN 13795 Contributo A elaboração

Leia mais

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 Auditorias Consultadoria A Silliker Portugal desenvolve soluções de consultadoria

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009. Exponor, 23 de Outubro de 2009

A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009. Exponor, 23 de Outubro de 2009 A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009 Exponor, 23 de Outubro de 2009 ÍNDICE 1. Objectivos da Directiva dos Produtos de Construção (DPC) 2. Elementos fundamentais da DPC 3. Sistemas de

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde

Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde Roteiro da Certificação Fernando Mota José Luís Graça Organigrama funcional UONCSTI UONCSTI - Missão Apoiar o cumprimento da missão da ACSS,

Leia mais

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 CONTEÚDOS 1. APSEI e a normalização 2. O que são normas? 3. Legislação de SCI

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

Contribuição da Conferência das Cidades do Arco Atlântico sobre a iniciativa de cidadania europeia

Contribuição da Conferência das Cidades do Arco Atlântico sobre a iniciativa de cidadania europeia Contribuição da Conferência das Cidades do Arco Atlântico sobre a iniciativa de cidadania europeia A Conferência das Cidades do Arco Atlântico (CCAA) agradece à Comissão Europeia a oportunidade de participar

Leia mais

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície A.080 Sistema A.080 Conceito Fachada cortina ligeira, versátil, com atenuação térmica e acústica. Estrutura composta por montantes e travessas, ambos com envergadura de 50mm, sendo os montantes os elementos

Leia mais

Instituto Português de Acreditação, I.P. (IPAC) AVISO

Instituto Português de Acreditação, I.P. (IPAC) AVISO Instituto Português de Acreditação, I.P. (IPAC) AVISO 1 O Instituto Português de Acreditação, I.P. (IPAC) é um organismo da Administração Central do Estado conforme disposto no decreto-lei nº 125/2004

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

Laboratório de ensaios do CATIM Alargamento de competências pág. 3 EDIÇÃO notícias inf catim

Laboratório de ensaios do CATIM Alargamento de competências pág. 3 EDIÇÃO notícias inf catim L ab o r a t ó ri o d e e n sa i o s d o C AT IM Alargamento de competências pág. 3 EDIÇÃO notícias 5 inf catim Novembro Dezembro 2010 S e c t o r M e ta l ú r g i c o e M e ta l o m e c â n i c o o s

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados DC2 Regras e esquemas de ligações de equipamentos de medição e contagem em pontos de ligação à RNT Data de Publicação: Abril

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-23 Edição: 3ª. Substitui a edição de JUL

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS A protecção do aplicador na utilização de produtos fitofarmacêuticos está agora assegurada por um

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO TÉCNICA 80 GESTÃO DA QUALIDADE E GARANTIA DA QUALIDADE

REGULAMENTO DA COMISSÃO TÉCNICA 80 GESTÃO DA QUALIDADE E GARANTIA DA QUALIDADE Página 1 de 11 Artigo 1º Preâmbulo O presente documento estabelece as regras de funcionamento interno da Comissão Técnica sobre Gestão e Garantia da Qualidade (CT 80), respetivas subcomissões (SC) e grupos

Leia mais

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Documentos normativos portugueses Tipologia, homologação, aprovação, revisão e anulação

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Documentos normativos portugueses Tipologia, homologação, aprovação, revisão e anulação Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa Documentos normativos portugueses Tipologia, homologação, aprovação, revisão RPNP 040/2010 Versão 1 / 2010 Sumário 1 Natureza e objetivo... 4 2 Termos

Leia mais

A marcação CE nos Produtos da Construção

A marcação CE nos Produtos da Construção A marcação CE nos Produtos da Construção Para lançar as bases para a implementação da marcação CE nos produtos da construção, isto é, nos produtos destinados a serem permanentemente incorporados em obras

Leia mais

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A série de normas ISO 9000 foi inicialmente publicada em 1987, e desde então já sofreu dois ciclos de melhoria, incluindo uma revisão menor em 1994 e uma modificação mais profunda em 2000. A

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

O 7º PROGRAMA QUADRO

O 7º PROGRAMA QUADRO O 7º PROGRAMA QUADRO de I&DT Eduardo Maldonado (Coordenador de NCP) Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012

Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012 Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012 Conteúdos Histórico O que é? Porque foi criada? Estrutura da norma Objetivos Princípios Esquema de certificação Âmbito e validade

Leia mais

Assim, as classes R, E e I substituem o Estável o fogo (EF), Pará-Chamas (PF) e Corta-fogo (CF).

Assim, as classes R, E e I substituem o Estável o fogo (EF), Pará-Chamas (PF) e Corta-fogo (CF). Edifício S Alto da Granja - Estrada 237 Parque Industrial Manuel da Mota 3100-899 Pombal - PORTUGAL T: +351 236 216 025 F: +351 236 216 186 E: sercevolucao@serc-europe.com W: www.sercevolucao.com EUROCLASSES

Leia mais

1.1.2. Gama Platinum PLUS. Componentes opcionais GAMA PLATINUM. Caldeiras murais, de condensação, com painel digital BIOS PLUS (GRANDE POTÊNCIA)

1.1.2. Gama Platinum PLUS. Componentes opcionais GAMA PLATINUM. Caldeiras murais, de condensação, com painel digital BIOS PLUS (GRANDE POTÊNCIA) 1.1. Caldeiras murais a gás de condensação 1.1.2. Gama Platinum PLUS Componentes opcionais GAMA PLATINUM 140040385 Regulador climático programável THINK com cabos 145,00 140040437 Regulador climático programável

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Serviço duplo Theta BFC, SGE, SGS para capacidade de aquecimento de 20/30/40 kw

Serviço duplo Theta BFC, SGE, SGS para capacidade de aquecimento de 20/30/40 kw Serviço duplo heta BFC, SGE, SGS para capacidade de aquecimento de 20/30/40 kw Módulo para aquecimento através da instalação de água quente para uso doméstico Serpentina de placas com bomba de AQS, válvula

Leia mais

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Encontro Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

CloudPYME. Francisco Alba. Santiago de Compostela 28 de Maio 2013 Spot, Poland

CloudPYME. Francisco Alba. Santiago de Compostela 28 de Maio 2013 Spot, Poland CloudPYME Francisco Alba Santiago de Compostela 28 de Maio 2013 Spot, Poland CloudPYME Intervenientes Coordenador do projecto: Centro de Supercomputação da Galiza, CESGA. Parceiros: Associação de Investigação

Leia mais

internacionalizar temáticas de comércio internacional

internacionalizar temáticas de comércio internacional internacionalizar temáticas de comércio internacional Normalização e Certificação Abril de 2012 Índice 1. Normalização 3 2. Acreditação e Certificação 4 3. Sistema Português da Qualidade 7 4. Normalização

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE ENERGIA SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUAS SANITÁRIAS: ESTUDO DE UM CASO EM PORTUGAL

CONTRIBUIÇÃO DE ENERGIA SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUAS SANITÁRIAS: ESTUDO DE UM CASO EM PORTUGAL CONTRIBUIÇÃO DE ENERGIA SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUAS SANITÁRIAS: ESTUDO DE UM CASO EM PORTUGAL J. Abel Andrade Departamento de Engenharia Mecânica Instituto Superior de Engenharia do Porto Instituto

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA ASSEMBLEIA AMIGA DO AMBIENTE Ponta Delgada, 13-1 - de Abril de 2005 RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

QAiST Assegurar a qualidade nas tecnologias solares para aquecimento e arrefecimento. Reunião CT54

QAiST Assegurar a qualidade nas tecnologias solares para aquecimento e arrefecimento. Reunião CT54 QAiST Assegurar a qualidade nas tecnologias solares para aquecimento e arrefecimento. Reunião CT54 Lisboa, Portugal 2 de Fevereiro de 2011 Tarefas em curso: WP2: Colectores solares térmicos WP3: Sistemas

Leia mais

Normas: uma ponte para a inovação

Normas: uma ponte para a inovação Normas: uma ponte para a inovação Workshop 12 de novembro de 2014 Auditório do Departamento de Engenharia Mecânica Rua Luís Reis Santos Polo 2 da Universidade de Coimbra Entrada livre Programa 14:30 14:40

Leia mais

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 1 PROBLEMA Como responder às crescentes exigências económicas e ambientais, às alterações permanentes e aos diversos estilos

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04 PIRELIÓFORO e (P Himalaia) Água Quente Solar Jorge Cruz Costa para DER/INETI para PORTUGAL Como desenvolver o solar sem cometer os erros dos anos 80? O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério

Leia mais

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução CONTEÚDOS Este livro escrito em parceria por 9 co-autores, de entre académicos e profissionais de engenharia, fornece uma ajuda preciosa na aquisição de conhecimentos e de competências, tidas como necessárias

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO José Blois Filho Maurício Martinelli Réche 2. CATEGORIAS DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO PERTECENTES AO SISTEMA 3. OBJETIVO DO

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

Grupo Alumni. CMTrain - Associação

Grupo Alumni. CMTrain - Associação CMTrain - Formação para metrologia por coordenadas Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial. No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da

Leia mais

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Eduardo Daniel MDJ Assessoria e Engenharia Consultiva Coordenador da CE 03:064-01 Instalações elétricas de baixa tensão ORIGEM ABNT - Associação Brasileira de

Leia mais

POSIÇÃO DA APETRO SOBRE A DIRECTIVA DE EMISSÕES INDUSTRIAIS PREVENÇÃO E CONTROLO INTEGRADO DA POLUIÇÃO

POSIÇÃO DA APETRO SOBRE A DIRECTIVA DE EMISSÕES INDUSTRIAIS PREVENÇÃO E CONTROLO INTEGRADO DA POLUIÇÃO POSIÇÃO DA APETRO SOBRE A DIRECTIVA DE EMISSÕES INDUSTRIAIS PREVENÇÃO E CONTROLO INTEGRADO DA POLUIÇÃO A indústria da energia, em geral, e a Petrolífera em particular têm um papel fundamental no âmbito

Leia mais

METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos

METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos Eduarda Filipe Directora do Departamento de Metrologia do IPQ Caparica, 30 de outubro de 2014 Sumário 1. Introdução

Leia mais