TREINO DE EQUILÍBRIO NOS PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UTILIZANDO O CONSOLE NINTENDO WII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINO DE EQUILÍBRIO NOS PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UTILIZANDO O CONSOLE NINTENDO WII"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Fisioterapia Débora Miyuki Takeichi Francieli Aparecida Mariotto de Jesus TREINO DE EQUILÍBRIO NOS PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UTILIZANDO O CONSOLE NINTENDO WII Bragança Paulista 2011

2 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Fisioterapia Débora Miyuki Takeichi R. A.: Francieli Aparecida Mariotto de Jesus R. A.: TREINO DE EQUILÍBRIO NOS PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UTILIZANDO O CONSOLE NINTENDO WII Monografia apresentada ao Curso de Fisioterapia da Universidade São Francisco, como requisito parcial para obtenção da graduação em Fisioterapia. Orientadora: M.ª Gianna Carla Cannonieri Nonose Bragança Paulista 2011

3 Débora Miyuki Takeichi Francieli Aparecida Mariotto de Jesus TREINO DE EQUILÍBRIO NOS PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UTILIZANDO O CONSOLE NINTENDO WII Monografia aprovada pelo curso de Fisioterapia, da Universidade São Francisco, para obtenção da graduação em Fisioterapia. Data da aprovação: 12/12/2011 Banca Examinadora Profª. M.ª Gianna Carla Cannonieri Nonose- Orientadora Temática Universidade São Francisco Profª. D.ra Rosimeire Simprini Padula- Orientadora Metodológica Universidade São Francisco Profª. M.ª Carolina Camargo Oliveira- Examinadora Universidade São Francisco

4 Dedico este trabalho, em especial às minhas orientadoras, professoras Mestre Gianna e Doutora Rosemeire, que com seus conhecimentos, ajudaram na realização deste trabalho. Aos meus pais, Mitugu e Sadako, por terem me proporcionado os estudos e acima de tudo, serem a referência em minha vida; às minhas irmãs, Adriana e Érica, pela compreensão, atenção e ajuda, quando precisei; à Francieli, pelo carinho, compreensão, ajuda e, acima de tudo, a amizade. Débora Miyuki Takeichi Gostaria de dedicar este trabalho especialmente ao meu marido, que sempre esteve ao meu lado, escutando e aconselhando-me nos momentos de indecisão, às minhas orientadoras professoras Mestre Gianna e Doutora Rosimeire, mostrando-me que devemos ser persistentes com os nossos objetivos. Aos meus pais, Benício e Dercília, que são os pilares da minha estrutura e que acreditaram em mim, sempre; à minha irmã Danitieli, que sempre esteve ao meu lado; e a minha maravilhosa companheira e amiga, Débora, com quem eu sempre pude contar. Francieli Aparecida Mariotto de Jesus

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por ter me dado força para enfrentar as dificuldades encontradas durante minha jornada até este momento. À minha família, por ter contribuído para minha formação; a orientadora, professora Gianna, pelo incentivo ao estudo da neurologia e reabilitação associada à Wii reabilitação, a dedicação e disponibilidade em nos atender nas horas incertas; aos docentes do Curso de Fisioterapia da Universidade São Francisco que transmitiram seus conhecimentos e foram fundamentais no processo de minha graduação; aos pacientes que colaboraram para a realização deste trabalho; aos colegas de curso, pelo companheirismo no dia a dia; ao Cezar, pela paciência, incentivo, preocupação com o desenvolvimento do trabalho e por estar ao meu lado nas horas de dificuldade; a minha amiga e companheira de todas as horas, Francieli; e a todos que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho. Débora Miyuki Takeichi Em primeiro lugar, quero agradecer a Deus que sempre me deu forças para seguir em frente e nunca desistir; quero agradecer também a todas aquelas pessoas que participaram de maneira direta ou indiretamente para a realização deste trabalho; aos nossos pacientes, que foram também nossos companheiros durante a elaboração do trabalho; a toda a minha família pela compreensão e pelas palavras de carinho nos momentos de aflição. Agradeço também aos professores do Curso de Fisioterapia da Universidade São Francisco, que com os seus ensinamentos, ajudaram na minha formação. Quero agradecer em particular, a minha parceira de trabalho pelos bons momentos que compartilhamos juntas. Francieli Aparecida Mariotto de Jesus

6 A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará a seu tamanho original. Albert Einstein

7 RESUMO Introdução: A Doença de Parkinson (DP) é uma doença neurológica crônica e progressiva caracterizada pela degeneração preferencial dos neurônios dopaminérgicos da substância negra. Clinicamente caracteriza-se por tremor, rigidez, bradicinesia e alterações da postura, do equilíbrio e da marcha. A fisioterapia busca diminuir a disfunção física e permitir ao indivíduo realizar atividades do seu dia-a-dia com a maior eficiência e independência possível. Com os avanços tecnológicos, criam-se novos instrumentos de intervenção e, neste contexto, o uso do Wii na reabilitação de pacientes neurológicos está sendo alvo de diversos estudos. Objetivos: Avaliar o efeito e a aplicabilidade do treino de equilíbrio utilizando o console da Nintendo Wii em pacientes com DP. Método: Participaram deste estudo piloto dois pacientes portadores da DP, ambos no estádio 1,5 da escala de Hoehn e Yahr e idades de 60 e 64 anos. O equilíbrio foi avaliado pré e pós-tratamento com aplicação da escala de equilíbrio de BERG, alcance funcional, TUGO e giro 360º. Um paciente foi submetido a 10 sessões (Paciente A) e outro a 7 sessões (Paciente B), com duração de 1 hora cada sessão, sendo que 30 minutos eram empregados no tratamento convencional e 30 minutos utilizando o Console Nintendo Wii. Resultados: O paciente A obteve pequena melhora no alcance funcional, passando de 20 para 21 cm, diminuiu o tempo de execução da TUGO, de 13 para 11 segundos e no giro 360º, de 4 para 3 segundos, manteve a pontuação inicial de 50 pontos na escala de equilíbrio de BERG. O Paciente B obteve melhora na escala de equilíbrio de BERG, passando de 42 para 48 pontos, pequena melhora no TUGO diminuindo de 18 para 16 segundos e no giro 360º diminuindo de 9 para 8 segundos, porém com piora no alcance funcional, diminuindo de 14 para 16 cm. Conclusão: Os pacientes com DP possuem comprometimento do equilíbrio, ficando susceptíveis a quedas. Ambos os pacientes conseguiram realizar o treinamento utilizando o Nintendo Wii e obtiveram pequena melhora nos testes aplicados. Palavras Chaves: equilíbrio, Wii reabilitação, Doença de Parkinson

8 ABSTRACT Introduction: Parkinson's disease (PD) is a chronic and progressive neurological disease characterized by preferential degeneration of dopaminergic neurons of the substantia nigra. Clinically characterized by tremor, rigidity, bradykinesia and changes in posture, balance and gait. Physical therapy attempts to decrease the physical dysfunction and allow the individual to perform activities of your day to day with the greatest efficiency and independence. With technological advances, it creates new methods of intervention and in this context, the use of the Wii in the rehabilitation of neurological patients are the target of several studies. Objectives: To evaluate the effect and applicability of balance training using the Wii console from Nintendo in patients with PD. Method: In this pilot study two patients with PD, both at the stadium 1.5 in the Hoehn and Yahr and ages of 60 and 64 years. Balance was assessed before and after treatment with application of the Berg balance scale, functional reach, TUGO and spin 360 degrees. One patient underwent 10 sessions (Patient A) and another seven sessions (Patient B), lasting 1 hour each session, and 30 minutes were employed in conventional treatment and 30 minutes using the Nintendo Wii. Results: Patient A obtained slightly improved functional range from 20 to 21 cm decreased the running time of TUGO of 13 to 11 seconds and turn 360 degrees, from 4 to 3 seconds, kept the initial score of 50 points the Berg balance scale. Patient B had an improvement in the balance scale BERG, from 42 to 48 points, slightly improved TUGO decreasing from 18 to 16 seconds and turn 360 degrees decreased from 9 to 8 / 2, but with worsening in functional range, decreasing from 14 to 16 cm. Conclusion: PD patients have impaired balance, becoming susceptible to falls. Both patients were able to conduct training using the Nintendo Wii and achieved little improvement in the tests applied. Keys words: balance, Wii rehabilitation, Parkinson's Disease

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Doença de Parkinson Controle Postural e Equilíbrio Equilíbrio da Doença de Parkinson Tratamento Fisioterapêutico na DP Treino de Equilíbrio com a Wii terapia OBJETIVO...19 Objetivo geral...19 Objetivo específico MÉTODO...20 Desenho do Método...20 Sujeitos...20 Critérios de inclusão...20 Critérios de exclusão...20 Materiais e equipamentos PROCEDIMENTOS ANÁLISE DE DADOS RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...32

10 ANEXOS...39 Anexo Anexo Anexo Anexo Anexo Anexo

11 10 1. INTRODUÇÃO 1.1 Doença de Parkinson (DP) A DP é uma doença neurológica crônica e progressiva caracterizada pela degeneração preferencial dos neurônios dopaminérgicos da substância negra. Há uma perda dos axônios que partem desta região cerebral e se projetam para o neoestriado. A lesão da via dopaminérgica nigroestriatal determina diminuição da neurotransmissão dopaminérgica no corpo estriado, especialmente no putâmen (MACHADO, 2000; SHIH et al., 2006). É a principal doença decorrente de alterações nos núcleos da base (CARR e SHEPHERD, 2008). A primeira descrição da DP foi realizada em 1817, por James Parkinson. Ele observou um grupo de seis pacientes que possuíam em comum os sintomas de braços e mãos trêmulas, dificuldade de locomoção, acentuada lentidão de movimentos nas pernas e sinais de fraqueza muscular. Parkinson concluiu, após análise criteriosa, que os pacientes eram portadores de uma nova doença, que ainda não havia sido descrita até aquela época. Tendo em base suas observações, Parkinson publicou o trabalho intitulado Um ensaio sobre a paralisia agitante (An Essay on Shaking Palsy), no qual o autor definiu de uma forma geral a doença. Porém, foi apenas em 1860, na França, com os estudos de Jean Martin Charcot, que os conhecimentos clínicos da doença tomaram maior impulso. Charcot destacou o tremor como uma manifestação cardinal e inicial da doença e ressaltou sua presença no repouso unilateral, afetando o membro superior. Descreveu, ainda, o espectro clínico da doença, distinguindo duas formas polares: a tremulante e a rígido- acinética e relatou com detalhes a disautonomia e as alterações secundárias ao quadro neurológico, tais como dor e anormalidades articulares. Charcot reconheceu os estudos já realizados, valorizando a originalidade do trabalho de Parkinson e propôs o nome de Doença de Parkinson. Entre 1865 e 1880, Charcot identificou outros sinais da doença e estabeleceu que um grupo de substâncias anti- colinérgicas eram úteis no tratamento da DP (ANDRADE, 1999; FLORES, 2009). Durante a primeira guerra mundial e nos dez anos seguintes, ocorreu uma pandemia de encefalite, que causou milhares de óbitos. Tempos depois, os sobreviventes manifestaram sinais e sintomas semelhantes aos da DP, mas que não se

12 11 enquadravam totalmente no seu quadro clínico. Este conjunto de sinais e sintomas denominou-se Parkinsonismo e seu estudo possibilitou um avanço no entendimento da DP (FLORES, 2009). Segundo Godwin- Austen e Jones (2000) a dopamina é uma substância química e uma das aminas neurotransmissoras que transmitem impulsos de um neurônio para o outro na sinapse. No parkinsonismo há uma redução específica da concentração de dopamina na sinapse. Essa falta de dopamina resulta da degeneração de neurônios na DP, das síndromes degenerativas do parkinsonismo (como a doença de Alzheimer), ou ainda, de lesão focal pós encefalite. A DP é a principal doença decorrente da disfunção dos núcleos da base (CARR e SHEPHERD, 2008). Os núcleos da base são compostos por cinco grandes núcleos subcorticais: o núcleo caudado, putâmem, globo pálido, núcleo subtalâmico e substância negra, que participam do controle motor. Estes núcleos não fazem conexão direta ou recebem aferências da medula espinal. Sua aferência primária é com o córtex cerebral e sua eferência é dirigida, através do tálamo, de volta aos córtices pré- frontal, pré- motor e motor. Eles estão envolvidos nos aspectos superiores do controle motor, isto é, o planejamento e execução do desempenho motor complexo. A área motora suplementar e os núcleos da base podem trabalhar associados para elaborar sequências de movimentos bem aprendidas e previsíveis. Doenças que afetam os núcleos da base produzem tipos característicos de disfunção motora: tremor e outros movimentos involuntários, pobreza e lentidão de movimento sem paralisia, mudança no tônus muscular e na postura. A DP é um exemplo transtorno hipocinético (CARR e SHEPHERD, 2008). Para Pinheiro (2006) a incidência tem aumentado cerca de 1,5% em pessoas acima de 65 anos, e de 2,5%, nos acima de 85 anos. Segundo Tanner (1989 apud Carr e Shepherd 2008, p. 321) dados epidemiológicos recentes baseados em comunidades sugerem que a DP possa ser mais prevalente na Europa e na América do Norte do que em alguns países, tais como China e África. Para Kuopio (2000) e Reis (2004 apud Flores 2009, p. 18) a DP tem caráter universal, podendo acometer ambos os sexos, brancos e negros, independente da classe social. Atualmente, nos Estados Unidos, estima-se que existem pessoas com DP, sendo que a incidência é de 4,5 a 20,5 e a prevalência é de 31 a 347 por cada habitantes (COELHO; PATRIZZI; OLIVEIRA, 2006). A prevalência no Brasil chega a 150 casos por habitantes.

13 12 Pode-se expressar a prevalência pelo valor de 2% da população em geral, com idade acima de 65 anos (FLORES, 2009). A causa da DP permanece desconhecida, mas provavelmente existem múltiplos fatores que se somam, como genéticos, ambientais e do próprio envelhecimento. Entre os diversos mecanismos implicados na degeneração celular da DP, estudos destacam a ação de neurotoxinas ambientais, produção de radicais livres, anormalidades mitocondriais, predisposição genética e envelhecimento cerebral. O diagnóstico clínico da DP baseia-se na história da doença do paciente, no exame clínico e epidemiologia (FILHO et al., 2007). Clinicamente, a DP caracteriza-se por tremor, rigidez, bradicinesia e alterações da postura, do equilíbrio e da marcha (GOULART e PEREIRA, 2004). A rigidez, segundo Umphered (1994) apud Haase, Machado e Oliveira (2008), é uma das marcas da DP, podendo estar ausente na fase inicial da doença. Essa rigidez é sentida uniformemente nos músculos e está presente independentemente da tarefa, amplitude ou velocidade do movimento, sendo identificada em dois tipos: rigidez em roda denteada ou cano de chumbo. A rigidez do tipo roda denteada é uma combinação da rigidez em cano de chumbo com tremor. Na rigidez ocorre um aumento na resistência ao movimento através de toda a amplitude em ambas as direções sem o clássico reflexo do canivete tão característico da espasticidade. A rigidez é um sintoma separado da bradicinesia. Segundo Goetz e Weiner (2003), a bradicinesia é outro sinal característico da DP, sendo responsável por boa parte das deficiências físicas que acompanham o parkinsonismo. Ela se define como um distúrbio na relação amplitude-velocidade e indica que os movimentos, envolvendo grandes amplitudes, são realizados em velocidades anormalmente baixas. Dessa forma o movimento passa a ser descontínuo, com vários movimentos segmentados e de pequena amplitude (SANDE e ALMEIDA, 2003). O tremor geralmente é assimétrico ou unilateral. Esse tremor é máximo na periferia e afeta os membros superiores com mais frequência que os inferiores. Para o paciente, o tremor é mais embaraçador que a própria deficiência, porque é pior em repouso, mas reduz ou desaparece com o movimento voluntário (GODWIN-AUSTEN e JONES, 2000). A instabilidade postural mostra-se como um dos sinais mais debilitantes da doença de Parkinson (FILHO et al., 2007). De acordo com Isaacs (1992 apud Simpson,

14 ), a instabilidade é a falta de capacidade para corrigir o deslocamento do corpo, durante seu movimento no espaço. Na instabilidade postural, os pacientes experimentam dificuldades crescentes durante atividades dinâmicas desestabilizastes, tais como: alcance funcional, andar e virar. Os pacientes assumem uma postura muito característica com a cabeça em ligeira flexão, tronco ligeiramente inclinado para frente, flexão moderada da perna sobre a coxa e do antebraço sobre o braço, com exagero da pinça digital nas mãos e o tronco fletido ventralmente (FREITAS; PNLA; XAVIER 2008 apud HAASE; MACHADO; OLIVEIRA, 2008). Outra alteração na DP é a presença de uma marcha festinada. Essa é uma marcha caracterizada por um aumento progressivo na velocidade e encurtamento da passada como se o indivíduo tentasse alcançar seu centro de gravidade. A festinação para frente é chamada propulsão; a festinação para trás é conhecida como retropulsão. A marcha festinada pode ser causada por respostas de equilíbrio diminuídas. Se a marcha é constituída de uma série de quedas controladas e se as respostas normais para a queda estão retardadas ou não são fortes o suficiente, o indivíduo irá cair completamente ou irá continuar a dar passos curtos, como se estivesse correndo (UMPHRED, 1994). 1.2 Controle Postural e Equilíbrio Para Carr e Shepherd (2008) o equilíbrio é definido como a habilidade de controlar a massa corporal ou o centro de gravidade (CG) relativo à base de apoio e surge de uma integração complexa dos sistemas sensoriais e musculoesquelético integrados e modificados dentro do sistema nervoso central (SNC) em resposta a mudanças nas condições ambientais internas e externas. Ghez (1991 apud Shepherd 2008) descreve o que ele chama de uma família de ajustes que é necessária a fim de manter uma postura e mover-se. Estes ajustes têm três objetivos: sustentar a cabeça e o corpo contra a gravidade e outras forças externas; manter o centro de massa corpóreo (CMC) alinhado e equilibrado sobre a base de apoio; estabilizar as partes do corpo enquanto outras partes do corpo estão em movimento. O controle postural é o controle do arranjo dos segmentos corporais baseado em informações sensoriais de diferentes fontes envolvendo o controle da posição do corpo no espaço, para o objetivo duplo de estabilidade e orientação. O controle postural utiliza os sistemas visual, vestibular e somatossensorial (AMADIO e MOCHIZUKI, 2003; SHUMWAY- COOK e WOOLLACOTT, 2003). As informações dos sistemas

15 14 visual, somatossensorial e vestibular fornecem importantes dados sobre a posição do corpo e o seu movimento no espaço em relação à gravidade e ao ambiente. Cada sentido fornece ao SNC um tipo diferente de informação sobre a posição e o movimento do corpo; portanto, cada um oferece uma estrutura de referência diferente para o controle postural (SHUMWAY- COOK e WOOLLACOTT, 2003). A estabilidade postural é a capacidade de manter o corpo em equilíbrio. Um corpo está em equilíbrio quando se encontra em repouso (equilíbrio estático) ou em movimento estável (equilíbrio dinâmico). Quando o equilíbrio estático é perturbado, a recuperação da estabilidade exige estratégias de movimento eficientes para controlar o centro de massa em relação à base de apoio (SHUMWAY- COOK e WOOLLACOTT, 2003). O equilíbrio da massa corporal durante o movimento é alcançado por ativações chamadas ajustes posturais. Os ajustes posturais antecipatórios (também chamados preparatórios) ocorrem para manter a ligação segmentar de tal modo que, quando a mão movimenta-se para frente para alcançar um objeto, por exemplo, o corpo permanece parado e bem equilibrado (GHEZ, 1991 apud CARR e SHEPHERD, 2008). Eles são ativados antes dos movimentos voluntários, a fim de minimizar os distúrbios potenciais do equilíbrio que o movimento pode causar (SHUMWAY- COOK e WOOLLACOTT, 2003). Os padrões de movimento, usados para recuperar o equilíbrio a partir da instabilidade do plano sagital, são denominados estratégias do tornozelo, do quadril ou de suspensão, ou do passo. A estratégia de tornozelo restaura a posição de estabilidade do centro de massa, por meio de um movimento corpóreo centralizado, principalmente nas suas articulações. A estratégia do quadril controla o movimento do centro de massa por meio da produção de um movimento amplo e rápido nas articulações do quadril, com rotação dos tornozelos. Já a estratégia do passo é usada para alinhar novamente a base de apoio sob o centro de massa (SHUMWAY- COOK e WOOLLACOTT, 2003). A habilidade de equilibrar-se e manter uma postura estável é fundamental à execução da maior parte dos movimentos. Os componentes funcionalmente significativos do equilíbrio são a manutenção de postura, ajuste postural antes e durante um movimento auto-iniciado e ajustes posturais feitos em resposta a um distúrbio externo (YANG; WELLS; WINTER (1990 apud CARR e SHEPHERD, 2008, p. 161). O equilíbrio é limitado pela dinâmica do corpo, incluindo mobilidade das articulações, comprimento e força muscular, o ambiente físico e experiência prévia. Há um perímetro além do qual, em pé, não podemos mover a massa corporal sem dar um passo (ou seja,

16 15 formando uma nova base de apoio) ou nos desequilibramos. A área onde podemos manter o equilíbrio durante o movimento é conhecida como região de reversibilidade (NASHNER e McCOLLUM (1985 apud CARR e SHEPHERD 2008, p. 162). Segundo Pedalini e Bittar (1999 apud Flores, 2009, p. 12) para que haja manutenção do equilíbrio faz-se necessário que os elementos anatômicos e funcionais estejam íntegros. Estes elementos compreendem o aparelho vestibular, a visão, os centros nervosos, o sistema proprioceptivo e o aparelho locomotor (FILHO et al., 2007). 1.3 Equilíbrio da Doença de Parkinson Segundo FILHO et al., (2007), a maioria dos pacientes com a DP apresenta uma inadequada interação dos sistemas responsáveis pelo equilíbrio corporal. Em consequência dessa alteração esses pacientes têm a tendência característica de caírem facilmente. Quando começam a caminhar, há dificuldade para desviar o centro de gravidade de um pé para o outro, de modo que seus passos tornam-se curtos e cambaleantes. Essa marcha é denominada aceleração anterior ou festinação. (GODWIN- AUSTEN e JONES, 2000). As quedas são as complicações mais sérias nos pacientes com a DP, sendo responsáveis pelo aumento da incidência de fratura do fêmur e do punho, que geralmente levam a internação e severas incapacidades funcionais. A porcentagem dos pacientes que caem varia entre 38% a 68%. A presença da bradicinesia observada nesses pacientes pode contribuir para o elevado risco de queda. Porém a rigidez postural é um fator crítico na causa das quedas na DP; embora ela evite que o indivíduo exceda os limites da estabilidade, há uma perda da flexibilidade necessária para responder a situações de desequilíbrio (BARROS; LIMA; MATA, 2008). Os déficits de equilíbrio e as alterações posturais que se instalam no indivíduo com Parkinson exercem grande influência sobre as quedas, pois o declínio natural da força muscular nos idosos, associado aos reflexos anormais do parkinsoniano, traz uma grande propensão a quedas (ARAGÃO e NAVARRO, 2006). Por isso, o treino do equilíbrio é fundamental para evitar quedas nesses indivíduos e manter, por maior tempo possível sua independência funcional.

17 Tratamento Fisioterapêutico na DP Segundo Dias et al., (2005) apud Haase, Machado, Oliveira (2008), a fisioterapia busca diminuir a disfunção física e permitir ao indivíduo realizar atividades do seu dia-a-dia com a maior eficiência e independência possível. Torna-se importante para amenizar e conduzir o paciente a um quadro de melhora do seu estado físico, principalmente nas limitações funcionais de rigidez, bradicinesia ou acinesia e comprometimento dos reflexos posturais, atuando na manutenção ou aumento das amplitudes de movimento e função pulmonar, prevenindo contraturas, deformidades e fraqueza muscular por desuso, melhorando assim o equilíbrio, a marcha, as atividades funcionais e a coordenação motora fina. (CASTRO e CAMMARANO, 2000). Especificamente para o tratamento da instabilidade postural, o mesmo autor explica que a fisioterapia constitui uma ferramenta importante para prevenir ou minimizar os déficits de equilíbrio freqüentes nos parkinsonianos. Algumas abordagens específicas nas quais a terapia era direcionada ao SNC, foram defendidas na década de 1960, em particular a facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP) (KNOTT e VOSS (1968) apud CARR e SHEPHERD (2008). Porém não existe evidência de que a FNP ou técnicas de relaxamento sejam efetivas para reduzir a rigidez ou melhorar o desempenho funcional (CARR e SHEPHERD, 2008). A fisioterapia tem um papel importante, promovendo exercícios que mantém ativos os músculos e preservam a mobilidade, pois o programa para o paciente com DP deve basear-se nos padrões de movimentos funcionais que envolvam prontamente diversos segmentos corporais. Devem ser enfatizados movimentos extensores, abdutores e rotatórios (HAASE; MACHADO; OLIVEIRA, 2008). Às vezes, o treinamento da marcha consiste apenas em seguir um cliente que caminha inseguro em direção a um alvo mal definido. Atualmente, os fisioterapeutas sabem que precisam adotar uma abordagem de intervenção ativa na reabilitação (SIMPSON et al., 2000). A fisioterapia, em longo prazo, visa retardar ou minimizar a progressão e efeitos dos sintomas da doença, impedir o desenvolvimento de complicações e deformidades secundárias, manter ao máximo as capacidades funcionais do paciente e melhorar sua qualidade de vida, reintegrando-o a sociedade (MONTE; PEREIRA; SILVA, 2004).

18 Treino de Equilíbrio com a Wii reabilitação Com os avanços tecnológicos, criam- se novos instrumentos de intervenção. A Wii reabilitação é uma dessas áreas de avanço. Ela tem recebido crescente atenção de pesquisadores e médicos que reconhecem benefícios terapêuticos potenciais devido à natureza do meio envolvente (SCHULTHEIS e RIZZO, 2001 apud HALTON, 2008). O Nintendo Wii é o console da Nintendo que inovou o mercado com um paradigma de interação diferenciado, trazendo uma nova forma de jogar. Através de um controle sem fio, o aparelho capta os movimentos realizados pelo usuário, os interpreta e depois transporta para o jogo. Existem assessórios que podem ser acoplados ao Wii e com eles, podem ser trabalhados diversos grupos musculares. Para os membros inferiores utiliza-se o acessório Balance Board e o jogo Wii Fit. Já para os membros superiores utiliza-se o jogo Wii Sports, por exemplo (DIAS; SAMPAIO; TADDEO, 2009). Atualmente o Nintendo Wii vem sendo utilizado para ajudar na reabilitação de pacientes com diversas alterações neurológicas. Porém ainda existem poucos estudos comprovando a aplicabilidade e eficácia dessa forma de intervenção. O Wii tem várias vantagens, além dos jogos de video games serem divertidos, ele facilita a motivação para a terapia que por sua vez influencia no desempenho (HALTON, 2008). O ebavir é um sistema virtual de reabilitação, que foi desenvolvido para reabilitação do equilíbrio em pacientes portadores de lesão cerebral adquirida. É um sistema baseado em jogos que usa uma interface de baixo custo, o Nintendo Wii Balance Board. Os jogos foram projetados especificamente com a ajuda de especialistas na reabilitação dos distúrbios do equilíbrio e pode ser adaptado para pacientes de acordo com suas necessidades (ALCAÑIZ et al., 2010). Fu et al., (2010) realizaram um estudo cujo o objetivo foi determinar a viabilidade do Wii Fit na melhora do equilíbrio, flexibilidade, força e aptidão para as mulheres saudáveis com idade entre 30 e 60 anos. O equilíbrio e a força muscular dos membros inferiores apresentaram melhora significativa, mas a propriocepção, resistência cardiovascular e a mobilidade não melhoram. A atividade promovida por Wii Fit mostrou um efeito imediato sobre o equilíbrio, porém são necessários mais estudos na área para confirmar a eficácia do Nintendo Wii neste tipo de alteração. Jenkinson et al., (2010) realizaram um estudo piloto para determinar se o Nintendo Wii

19 18 Fit era uma intervenção viável e aceitável em idosos com risco de quedas. Os pacientes que receberam a intervenção do Wii obtiveram uma melhora na escala de equilíbrio de Berg. Não houve melhora nos escores de equilíbrio no grupo com tratamento convencional de fisioterapia. O estudo concluiu que o Wii Fit tem o potencial de melhorar o equilíbrio. Outro estudo de caso feito nos Estados Unidos utilizando o jogo de boliche do Nintendo Wii apresentou bons resultados. O estudo foi realizado com uma paciente, de 89 anos de idade, com diagnóstico de déficit de equilíbrio não especificado. A paciente foi submetida a seis sessões com o Nintendo Wii, durante sessenta minutos, por um período de duas semanas. O resultado foi uma melhora na escala de equilíbrio de Berg (pré: 48 pontos e pós: 53 pontos) e no teste levante e ande (TUGO) (pré: 14,9 segundos e pós: 10,5 segundos). Concluindo que a intervenção do Nintendo Wii pode ter diminuído o risco de queda (CLARK e KRAEMER, 2009).

20 19 2. OBJETIVO Parkinson. Objetivo geral Avaliar o equilíbrio e risco de queda dos pacientes portadores da doença de Objetivo específico Avaliar a aplicabilidade do treino de equilíbrio utilizando o console da Nintendo Wii em pacientes com DP; Avaliar se a fisioterapia convencional associado ao Nintendo Wii melhora o equilíbrio dos pacientes com a DP.

21 20 3. MÉTODO Desenho do Método Estudo experimental com dois casos clínicos. Sujeitos Foram selecionados e avaliados 2 sujeitos com DP que já se encontram em atendimento fisioterapêutico na Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade São Francisco e no Centro de Fisioterapia da Prefeitura de Bragança Paulista. Critérios de inclusão Pacientes com diagnóstico confirmado de Doença de Parkinson idiopática pelo médico neurologista, com idade superior a 50 anos, de ambos os sexos e que não apresentem qualquer outro distúrbio neurológico. Aceitação em participar da pesquisa com a assinatura própria ou do familiar responsável, do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (ANEXO 1). Critérios de exclusão Outras patologias neurológicas, ortopédicas ou respiratórias graves associadas à Doença de Parkinson que pudessem influenciar no desempenho motor desses pacientes. Pacientes que se encontravam em estágio avançado da doença de Parkinson (Pontuação 5 na escala de Hoehn e Yahr) que impossibilitava a avaliação do equilíbrio desses pacientes, por não permanecerem mais na posição ortostática. Materiais e equipamentos A pesquisa teve início após a aprovação do Comitê de Ética protocolo CAAE: Foram utilizados os materiais: Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, ficha de avaliação do paciente (ANEXO 2) escala de Equilíbrio de Berg (ANEXO 3), escala modificada de Hoehn e Yahr (ANEXO 4), teste de alcance funcional (ANEXO 5), teste levante e ande (TUGO) (ANEXO 6), fita métrica, molde para colocação dos pés, Nintendo WiiFit - Jogos de Balance Games (Soccer Heading, Ski Slalom, Table Tilt, Balance Bubble, Penguin Slide), Plataforma WiiFit Plus.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

ABORDAGEM DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA DOENÇA DE PARKINSON

ABORDAGEM DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA DOENÇA DE PARKINSON ABORDAGEM DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA DOENÇA DE PARKINSON NOGUEIRA, Júlia Francisca da Cruz¹ Faculdade de Ciências Sociais e Agrária de Itapeva GIROTTI, Priscila Azevedo² Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Gustavo Nunes Pereira Fisioterapeuta Graduado PUCRS Coordenador Grupo de Interesse em Fisioterapia SBGG-RS Doutorando em Gerontologia Biomédica

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

SISTEMA NERVOSO MOTOR

SISTEMA NERVOSO MOTOR SISTEMA NERVOSO MOTOR CÓRTEX MOTOR O cérebro é o órgão que move os músculos. sculos. Neil R. Carlson 1 CÓRTEX MOTOR ORGANIZAÇÃO DO CÓRTEX MOTOR Córtex motor primário: principal região controladora para

Leia mais

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Thatyana Costa Brandão, Rodrigo da Rosa IOP**... * Acadêmica de Fisioterapia da UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão-SC, ** Professor

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL Clariany Soares Cardoso 1 ; Evandro Rocha Cândido 2 ; Rosana Freitas Tannus 2 ; Juliana Vasconcellos

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS NA RECUPERAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSOS COM VESTIBULOPATIA CRÔNICA

JOGOS ELETRÔNICOS NA RECUPERAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSOS COM VESTIBULOPATIA CRÔNICA Ciências da Vida Reabilitação do Equilíbrio Corporal e Inclusão Social JOGOS ELETRÔNICOS NA RECUPERAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSOS COM VESTIBULOPATIA CRÔNICA Antero Lopes dos Reis Júnior¹ Arlete Biaobock da Silva²

Leia mais

Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida

Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) SIEXBRASIL: 17737 ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Saúde ÁREA TEMÁTICA SECINDÁRIA: Promoção da saúde e qualidade

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA LETÍCIA BORGES PRADO EQUILÍBRIO E MARCHA NA DOENÇA DE PARKINSON Goiânia

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO 0074..144137-2 DATA 31/03/2014 dra. Sônia Helena Tavares de Azevedo Comarca de Bom Despacho SOLICITAÇÃO Boa Tarde,

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA

DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA LUCAS SILVA FRANCO DE OLIVEIRA GISELLE TEIXEIRA MAULER DO RIO FERNANDA DA COSTA OLIVEIRA MARIA ELISA CAPUTO FERREIRA Universidade Federal

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MELHORA DO EQUILÍBRIO EM IDOSOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON

A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MELHORA DO EQUILÍBRIO EM IDOSOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MELHORA DO EQUILÍBRIO EM IDOSOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON Seânia Santos Leal 1, Leanara Sousa Santos 2, Lívio Adriano Xavier Fonte 3, Patricia Lima

Leia mais

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE OS GÂNGLIOS DA BASE Neurofisiologia Prof. Hélder Mauad FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE Ajudam a planejar e a controlar padrões complexos do movimento muscular, controlando a intensidade relativa dos movimentos

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO NEUROLÓGICA RESUMO

A INFLUÊNCIA DA AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO NEUROLÓGICA RESUMO A INFLUÊNCIA DA AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO NEUROLÓGICA Gavim, A. E. O. ¹; Oliveira, I. P. L. 1 ; Costa, T. V. 1 ; Oliveira, V. R 1 ; Martins, A. L. 2 ; Silva, A. M. 3 ; ¹ Discente em Fisioterapia

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Distúrbios do tônus Prof a. Ana Karolina Pontes de Lima

Leia mais

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFFECTS OF PARTICIPATION IN THE PROGRAM " MENTE ATIVO" IN BALANCE AND COGNITIVE FUNCTION

Leia mais

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens.

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens. 1 Estudo comparativo do nível de força isométrica e estabilidade da musculatura do core entre indivíduos praticantes de treinamento funcional e de musculação. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m.

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m. FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Ataxias Acd. Flora Paz w w w. s c n s. c o m. b r Caso clínico Paciente F.C.S, 50 anos, sexo masculino, etilista crônico

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS FINAIS DE UM ESTUDO LONGITUDINAL

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS FINAIS DE UM ESTUDO LONGITUDINAL ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS FINAIS DE UM ESTUDO LONGITUDINAL Clariany Soares Cardoso 1 ; Evandro Rocha Cândido 2 ; Rosana Tannus Freitas 2 ; Juliana Vasconcellos

Leia mais

Humberto Bia Lima Forte

Humberto Bia Lima Forte Humberto Bia Lima Forte Observando-se a maneira como o paciente se move, é possível, em algumas infecções neurológicas, suspeitar-se ou dar-se o diagnóstico sindrômico Marcha helicópode, ceifante ou hemiplégica

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Fisioterapia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Fisioterapia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Fisioterapia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Bragança Paulista 2010 CAROLINE TAIS RODRIGUES R.A. 001200602203 JOICE APARECIDA DA

Leia mais

Nintendo Wii: uma nova opção

Nintendo Wii: uma nova opção Nintendo Wii: uma nova opção de tratamentos fisioterapêuticos Cleide Sant Ana 1 Milena Medrado 2 Resumo: Vários são os métodos fisioterapêuticos utilizados na reabilitação de pacientes neurológicos ou

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

Balance and walk alterations and the risk of falls in elderly people

Balance and walk alterations and the risk of falls in elderly people Alterações no equilíbrio e na marcha e ARTIGO o risco ORIGINAL de quedas / ORIGINAL em ARTICLE idosos Alterações no equilíbrio e na marcha e o risco de quedas em idosos Balance and walk alterations and

Leia mais

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE A Importância dos Grupos de Reabilitação em Dor Crônica Realizados pela Equipe NASF AUTOR THANYTA STELLA DE CAMPOS HISTÓRICO COMO SURGIU A IDÉIA DO TRABALHO?

Leia mais

PRÓ-PARKINSON: TERAPIA OCUPACIONAL/UFPB

PRÓ-PARKINSON: TERAPIA OCUPACIONAL/UFPB PRÓ-PARKINSON: TERAPIA OCUPACIONAL/UFPB LUCENA 1, Leopoldo Alves ALTAFIM 2, Letícia Zanetti Marchi RESUMO O projeto Pró-Parkinson: Terapia Ocupacional/ UFPB se inicia a partir de uma parceria interinstitucional

Leia mais

DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON

DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON 1 DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON Aliandro Mesquita Lisboa Instituto Pharmacológica aliandroml@hotmail.com Edson Negreiros dos Santos- Mestre em Farmacologia 1- INTRODUÇÃO O Brasil há muito perdeu suas

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA Esporte: Administração: individual equipe ITTF Federação Internacional de Tênis de Mesa Cartão de Classificação: Cartão Funcional de Tênis de Mesa Sessão de Regras

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA MARCHA E DO EQUILIBRIO DE PACIENTES PORTADORES DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO PRATICANTES DE PILATES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA MARCHA E DO EQUILIBRIO DE PACIENTES PORTADORES DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO PRATICANTES DE PILATES TÍTULO: AVALIAÇÃO DA MARCHA E DO EQUILIBRIO DE PACIENTES PORTADORES DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO PRATICANTES DE PILATES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011)

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Draijer LW, Eizenga WH, Sluiter A traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem fins

Leia mais

Valéria Neves Kroeff Mayer 1

Valéria Neves Kroeff Mayer 1 POSTURAS PATOLÓGICAS NAS LESÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Valéria Neves Kroeff Mayer 1 Anormalidades sensório motoras, posturais e do tônus, são comuns após lesões do Sistema Nervoso, tanto Central quanto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS

INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS Bruno Meloni de Moraes, Fisioterapeuta, Graduado pelo Centro

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA FISIOTERAPIA EM GERIATRIA E GERONTOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisor: José Eduardo Pompeu Características: (duração 12 meses)

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

VI REUNIÃO DO IBNeC JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL. 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES

VI REUNIÃO DO IBNeC JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL. 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES VI REUNIÃO DO IBNeC 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL Ft. Ms. Fabiana Rita Camara Machado REALIDADE VIRTUAL (RV)

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA ALTERAÇÃO DE TÔNUS SOBRE A REABILITAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA APÓS LESÕES NEUROLÓGICAS

A INTERFERÊNCIA DA ALTERAÇÃO DE TÔNUS SOBRE A REABILITAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA APÓS LESÕES NEUROLÓGICAS A INTERFERÊNCIA DA ALTERAÇÃO DE TÔNUS SOBRE A REABILITAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA APÓS LESÕES NEUROLÓGICAS Marsura, A.¹; Santos, M. P. 1 ; Silvia, M. A. 1 ; Sena, R. O. 1 ; Mendes, T. C. A. 1 ; Leite, A. 2 ;

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ; Pereira, K.L. 3 e Carvalho, E.M. 3

Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ; Pereira, K.L. 3 e Carvalho, E.M. 3 68 Artigo Original Comparação da propensão de quedas entre idosos que praticam atividade física e idosos sedentários Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ;

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

WESLLEY EPIFANIO SARMENTO¹ FRANCISCA MARIA M. SOBREIRA¹ ANA MARIA BRAGA DE OLIVEIRA 2

WESLLEY EPIFANIO SARMENTO¹ FRANCISCA MARIA M. SOBREIRA¹ ANA MARIA BRAGA DE OLIVEIRA 2 PESQUISA Revista Brasileira de Ciências da Saúde Research DOI:10.4034/RBCS.2014.18.01.04 Volume 18 Número 1 Páginas 27-32 2014 ISSN 1415-2177 Avaliação do Equilíbrio e da Mobilidade de Idosos após um Programa

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO ASSOCIADO À AVALIAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO EM UM PROGRAMA DE HIDROTERAPIA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO ASSOCIADO À AVALIAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO EM UM PROGRAMA DE HIDROTERAPIA 1 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO ASSOCIADO À AVALIAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO EM UM PROGRAMA DE HIDROTERAPIA EPIDEMIOLOGICAL PROFILE ASSOCIATED WITH THE EVALUATION OF THE BALANCE OF ELDERLEY WINTH

Leia mais

Roteiro Vídeo Aula Substituição e Restauração das Funções Sensoriais e Motoras

Roteiro Vídeo Aula Substituição e Restauração das Funções Sensoriais e Motoras Roteiro Vídeo Aula Substituição e Restauração das Funções Sensoriais e Motoras Ana Carolina Cardoso de Sousa [hh:mm:ss] [Slide 01] Substituição e Restauração das funções sensoriais e motoras [00:00:03].

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

Síndromes Neurológicos

Síndromes Neurológicos Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron O Monstro Neurológico... Os 4 Passos do Diagnós?co Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA 3 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA BREVE NOTA SOBRE TREINAMENTO FUNCIONAL: VISÃO GERAL, OBJETIVO E METODOLOGIA. Goiânia/ 2012

Leia mais

FISIOTERAPIA EM PACIENTE AMPUTADO DE MEMBRO INFERIOR PRÉ E PÓS PROTETIZAÇÃO

FISIOTERAPIA EM PACIENTE AMPUTADO DE MEMBRO INFERIOR PRÉ E PÓS PROTETIZAÇÃO FISIOTERAPIA EM PACIENTE AMPUTADO DE MEMBRO INFERIOR PRÉ E PÓS PROTETIZAÇÃO LARISSA BARRETO 1, NATÁLIA DOS ANJOS MENEZES 1, Profa. Dra. DEISE ELISABETE DE SOUZA 2. 1- Acadêmica do Curso de Fisioterapia

Leia mais

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA CONTROLE POSTURAL Controle Postural Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente Estabilidade postural ou equilíbrio: capacidade de manter CDM nos limites

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

Leia mais

EFEITOS DO MÉTODO HALLIWICK NA REABILITAÇÃO VESTIBULAR 1

EFEITOS DO MÉTODO HALLIWICK NA REABILITAÇÃO VESTIBULAR 1 EFEITOS DO MÉTODO HALLIWICK NA REABILITAÇÃO VESTIBULAR 1 AQEL, Aminah Khaled Daoud 2 ; OLIVEIRA, Rafaela Militz de 2 ; MAI, Carla Mirelle Giotto 3, PASIN, Juliana Saibt Martins 3 1 Trabalho de Iniciação

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Controle do Equilíbrio

Controle do Equilíbrio Postura Humana Controle do Equilíbrio Marcos Duarte Quando permanecemos parados, não permanecemos sem movimento; nós oscilamos. A postura acompanha o movimento como uma sombra (Sherrington, 1931). A cada

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

MEDO DE QUEDA EM IDOSOS SUBMETIDOS À CIRURGIA DE CATARATA

MEDO DE QUEDA EM IDOSOS SUBMETIDOS À CIRURGIA DE CATARATA 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA GABRYELLA STEPHANYE OLIVEIRA NASCIMENTO MEDO DE QUEDA EM IDOSOS SUBMETIDOS À CIRURGIA DE CATARATA BRASÍLIA 2015 2 GABRYELLA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

Projeto de Auditoria Clínica

Projeto de Auditoria Clínica Projeto de Auditoria Clínica Resumo Unidade Curricular: Educação Clínica V (Outubro de 2011) Local: Hospital S. José Área: Fisioterapia nas Disfunções Neurológicas Docente Responsável: Prof. Gabriela Colaço

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA Vera Lúcia Israel (PUCPR/Fisioterapia, UFSCar/PPG-EES/SP) *Maria Benedita Lima Pardo (UFSCar/SP) RESUMO O objetivo desta pesquisa foi

Leia mais

FISIOTERAPIA. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO SALA 17 OU 18 SE FOR INTERDISCIPLINAR SALA 70 E 71 SE FOR CONGRRESSO

FISIOTERAPIA. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO SALA 17 OU 18 SE FOR INTERDISCIPLINAR SALA 70 E 71 SE FOR CONGRRESSO TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO A INCLUSÃO DO MÉTODO DE VACINAÇÃO CONTRA O VÍRUS HPV: UMA INTERVENÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E METABÓLICAS EM INDIVÍDUO COM DISTROFIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER

AVALIAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER AVALIAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER INDEPENDENCE FUNCTIONAL EVALUATION IN ELDERLY INSTITUTIONALIZED WITH ALZHEIMER'S DISEASE Juliana da Costa Santos

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS.

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. ELISANGELA M ISENSEE, VANESSA ANTHEWITZ, ANDRIZE R COSTA, RAFAEL KREMER Faculdade Metropolitana de Blumenau

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

ESCOLHA DOS RECURSOS DE ALTA TECNOLOGIA ASSISTIVA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL

ESCOLHA DOS RECURSOS DE ALTA TECNOLOGIA ASSISTIVA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL ESCOLHA DOS RECURSOS DE ALTA TECNOLOGIA ASSISTIVA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL MARIANA SEABRA 1 ENICÉIA GONÇALVES MENDES 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CNPq Introdução

Leia mais

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO PETTER, Gustavo; DALLA NORA, Daniel; SANTOS, Tarciso Silva dos; BRAZ, Melissa Medeiros; LEMOS, Jadir Camargo Trabalho de

Leia mais