RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO"

Transcrição

1

2 RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO Instituição Executora: Fundaper Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Mato Grosso Embrapa Algodão Primavera do Leste MT Data da Elaboração: Projetista Responsável: Dr. José da Cunha Medeiros

3 1. R E S U M O A cultura do algodão no cerrado do Mato Grosso, vem despontando atualmente, como uma nova fronteira para o algodoeiro (Gossypium hirsutum L. r. latifolium, Hutch.). Nesse cenário de progressiva expansão, vários problemas tecnológicos vêm afetando a rentabilidade final do algodoeiro, que devem ser solucionados, com destaque para o alto custo de produção que vem aumentando anualmente, o que está diretamente relacionado com o uso abusivo e indiscriminado de insumos, principalmente quanto ao uso inadequado de adubação e reguladores de crescimento. Associados a estes, outros como a falta de definição de espaçamentos e densidade de plantas para as diversas cultivares utilizadas que favoreçam melhor produção de pluma de boa qualidade e reduzam a vulnerabilidade da cultura às pragas e doenças que vem aumentando a cada ano. Visando solucionar estes problemas, foi implantado este projeto com o objetivo de avaliar e adequar técnicas de manejo da fertilidade do solo, regulador de crescimento e de arranjo de plantas, constando de seis ensaios de pesquisa onde são estudados: efeito de doses e fontes de N e de regulador de crescimento; efeito do espaçamento, da densidade de plantio e de regulador de crescimento; efeito de doses e fontes de nitrogênio, calagem do Solo; avaliação de métodos de análises de disponibilidade de fósforo no solo e sua Calibração da adubação para o algodoeiro. Os quatro primeiros ensaios foram desenvolvidos em três localidades do Estado (Rondonópolis, Campo Verde e Pedra Preta, o calagem do solo em Primavera do Leste e Pedra Preta e o último em Campina Grande, PB. Os resultados obtidos neste primeiro ano de trabalho são já são de grande relevância, indicando principalmente, quanto a necessidade de pesquisa para a geração de tecnologia e conseqüente aperfeiçoamento da cotonicultura na região. Foram identificadas tanto respostas do algodoeiro para calagem e adubação, espaçamento e densidade de plantas associados a regulador de crescimento, quanto métodos mais adequados para a estimativa do P disponível. O espaçamento de 0,90m permitiu maiores índices benefício/custo, assim como, o suprimento de nitrogênio em forma de sulfato de amônia tendeu a elevar o rendimento do algodoeiro, inclusive com maiores índices benefício/custo, em relação a uréia. As respostas do rendimento às doses de nitrogênio e de regulador de crescimento e de fósforo, tiveram suas

4 produtividades máximas na dose de 50 Kg/ha tanto de N como de P 2 O 5 e de 50 g/ha de cloreto de mepiquat, coincidindo com os mais altos índices benefício/custo. Quanto aos métodos de análises de P, os extratores Bray-y, Mehlich-3 e Mehlich-1 apresentaram mais eficiência para estimativa do P disponível nos solos estudados. 2 - ATIVIDADES DESENVOLVIDAS: Escolha das áreas Municípios Rondonópolis Campo Verde Pedra Preta Primavera do Leste Campina Grande, PB Propriedade Fazenda Verde Fazenda Marabá Faz. Farroupilha e Faz. S. José Campo Exp. da Fundação Centro Oeste Sede da Embrapa Algodão Nas Fazendas: Verde, Marabá e Farroupilha foram implantados quatro ensaios de pesquisa em 2000: efeito de doses de N e de regulador de crescimento em algodoeiro em condições de Cerrado efeito do espaçamento, da densidade de plantio e de regulador de crescimento sobre o algodoeiro no Cerrado efeito de doses e fontes de nitrogênio sobre o algodoeiro no Cerrado calibração da adubação fosfatada para o algodoeiro Para isso foram efetuadas as seguintes atividades: Escolha da área experimental Caracterização de solos Amostragem de solo Análises solo Preparo do solo, adubação e plantio Desbaste e adubação de cobertura

5 Aplicação de Regulador de Crescimento Controle de ervas daninhas Combate a pragas e doenças Aplicação de maturadores e de desfolhantes Amostragem de capulhos Avaliação de altura de plantas Análises de fibras Colheita de algodão nas parcelas experimentais Tabulação dos dados Análises dos dados O ensaio avaliação de métodos de análises de disponibilidade de fósforo no solo em relação à produtividade do algodoeiro no cerrado de Mato Grosso, a parte de campo foi inicia em 2000 com a coleta de vinte (20) tipos de solo (200 kg de cada), em oito municípios do Estado de Mato Grosso e transportado para a Embrapa Algodão em Campina Grande, PB para sua continuação, tendo seu término em De cada solo foram retiradas amostras efetuadas as análises de macro e micronutrientes que serviram de base para correção desses solos tanto em teores de nutrientes, exceptuando-se o fósforo, como do ph e Al +++. Os solos foram peneirados através de peneira com malha de 3mm, quando se retirou quatro subamostras de cada tipo para as análises de fósforo através dos diferentes métodos de extração, com quatro repetições, Por se tratar de solos com diferentes reações, foram aplicados os devidos corretivos nos mesmos, os quais foram incubados na Casa de Vegetação, monitorados periodicamente até que se obtiveram a homogeneidade e equilíbrio na solução dos diferentes tipos de solo, principalmente quanto ao ph e o teor de Alumínio, fator que muito influencia na disponibilidade do fósforo para as plantas. No projeto, previa-se trabalhar com dez tipos de solo, no entanto, no percurso para identificação e coleta, verificou-se haver mais solos cultivados com algodão no Estado, por isso, optou-se por duplicar a quantidade de tipos de solo e destes selecionar os nove mais representativos para serem agrupados em pelo menos três lotes de características semelhantes, principalmente quanto a granulometria, o que os torna mais representativos e conseqüentemente maior consistência dos seus resultados.

6 LOCAIS DE COLETA DE SOLOS: Sapezal Campo Verde Novo São Joaquim Rondonópolis Serra da Petrovina Sorriso Tangará da Serra Lucas do Rio Verde Era previsto no projeto a coleta de solos em Sinop e Colíder, porém devido à chuvas torrenciais caídas nestes municípios, optou-se por coletar em Lucas do Rio Verde.

7 3 - PRINCIPAIS RESULTADOS 3.1. Efeito da Adubação Nitrogenada e de Regulador de Crescimento em Algodoeiro Com o objetivo de investigar o efeito de níveis de nitrogênio e regulador de crescimento no comportamento do algodoeiro no estado de Mato Grosso, foi conduzido, um ensaio na Fazenda Verde, município de Rondonópolis, MT em solo classificado como Latossolo Vermelho Amarelo. Usando-se delineamento de blocos ao acaso, em parcelas subdivididas dispostas em faixas, com 4 repetições. Os fatores estudados foram: adubação nitrogenada (N 1-0 kg/ha de N 2-50 kg/ha de N, N kg/ha de N, N kg/ha de N, N kg/ha de N e N kg/ha de N) e doses de cloreto de mepiquat (R 1-0g/ha de CM, R 2-50 g/ha de CM, R 3-100g/ha de CM e R 4-100g/ha de CM). Este ensaio foi instalado nos três locais previstos no projeto, porém, tanto na Serra da Petrovina, quanto em Campo Verde, o mesmo foi atingido por deriva da aplicação via aérea de regulador de crescimento, o que comprometeu seus resultados relacionados com o cloreto de mepiquat, por isso, computando-se apenas os dados da Fazenda Verde, município de Rondonópolis. Fotografia do Experimento

8 O rendimento do algodão em caroço teve comportamento de natureza quadrática com o aumento das doses de nitrogênio e de cloreto de mepiquat (Figuras 1, 2 e 3), indicando que existe uma dose máxima acima da qual o rendimento é prejudicado, a qual pode ser calculada por meio da equação obtida. Considerando o efeito dos fatores principais, pode-se observar que a resposta máxima do algodoeiro ao nitrogênio ocorreu entre 150 e 200 kg/ha (Figura 1). Contudo acima de 150 kg/ha de N a relação benefício/custo apresenta-se bastante desfavorável, conforme a análise econômica apresentada na Tabela 1. Já para o cloreto de mepiquat, o rendimento máximo situou-se entre as doses g/ha (Figura 2), coincidindo também com o maior índice de benefício/custo para este produto (Tabela 1). O gráfico representado na Figura 3 mostra a interação entre os dois fatores estudados, indicando que o efeito da adubação nitrogenada sobre o rendimento do algodoeiro depende da dose de cloreto de mepiquat. No presente trabalho, 50 g/ha foi a dose que propiciou a melhor resposta, ou seja, para uma mesma dose de N o maior rendimento foi obtido quando se utilizou 50 g/ha do cloreto de mepiquat (Figura 3). Como era esperado, este regulador de crescimento também influenciou a altura de plantas, com ajuste polinomial de natureza quadrática inversa (Figura 4), sendo os menores valores obtidos no tratamento com 100 g/ha (Tabelas 2 e 3). A reflectância da fibra do algodoeiro é uma variável muito importante a ser considerada porque está diretamente relacionada com a sua qualidade. Nota-se na Figura 5 que a reflectância da fibra diminuiu com o aumento da dose de cloreto de mepiquat. Esses resultados sugerem que, embora esse regulador de crescimento tenha apresentado efeitos positivos na produtividade do algodão, a sua aplicação em doses elevadas, além de elevar os custos de produção, poderá reduzir a produtividade e a qualidade da fibra do algodoeiro. O efeito das doses de N dentro de cada dose de cloreto de mepiquat sobre os teores de nutrientes na folha do algodoeiro está representado graficamente nas Figuras 6 a 10. Os teores de N na folha apresentaram padrão de reposta similar ao do rendimento, com valores ajustando-se a uma função quadrática inversa nos quatro níveis do regulador de crescimento (Figura 6). Essa semelhança de comportamento era esperada, uma vez que o nitrogênio é um nutriente com elevada mobilidade no solo e altamente correlacionado com

9 a produção. Observa-se que em doses elevadas de N, acima de 200 kg /ha, a concentração de N na folha começa a cair devido, provavelmente, ao desequilíbrio de nutrientes na solução do solo. Essa redução foi mais acentuada na dose de 50 g/ha de cloreto de mepiquat (Figura 6), a qual está associada com a maior produtividade y = -0,0028x2 + 1,0489x ,6 Rendimento (Kg/ha) Dose de N (Kg/ha) Figura 1. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de N em quatro doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, 2001.

10 3000 Rendimento (Kg/ha) y = -0,0896x2 + 8,0216x , Dose de C. mepiquat (g/ha) Figura 2. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de cloreto de mepiquate em doses de N. Rondonópolis, Rendimento (Kg/ha) y = -0,0072x2 + 3,0157x ,5 y = -0,0143x2 + 4,2763x ,8 y = -0,0074x2 + 1,2423x , Dose de N (Kg/ha) Figura 3. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) seis doses de N dentro de três doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, 2001.

11 Altura de plantas (cm) y = -0,0021x2 + 0,0491x + 98,545 c Dose de C. mepiquat (g/ha) Figura 4. Efeito de doses de cloreto de mepiquat sobre o a altura de plantas do algodoeiro em sies doses de N. Rondonópolis, ,5 75,0 Reflectância (Rd) 74,5 74,0 73,5 73,0 72,5 72,0 71,5 y = -0,0271x + 74,749 R 2 = 0, Dose de C. mepiquat (g/ha) Figura 5. Efeito de doses de cloreto de mepiquat sobre a reflectância da fibra do algodoeiro em sies doses de N. Rondonópolis, 2001.

12 Teor de N na folha (g/kg) y = -7E-05x2 + 0,0343x + 43,193 y = -0,0001x2 + 0,0552x + 39,277 y = -0,0001x2 + 0,0536x + 41,616 y = -0,0002x2 + 0,0816x + 38, Dose de N (Kg/ha) Figura 6. Efeito de doses N dentro de doses de cloreto de mepiquat sobre o teor de N na folha do algodoeiro. Rondonópolis, Quanto ao teor de fósforo na folha, o efeito das doses de N variou com as doses do cloreto de mepiquat (Figura 7), sendo que na dose 50 g/ha de C.M., o padrão de variação foi oposto às demais: o teor foliar de P foi baixo na menor dose de N e aumentou até a dose de 200 kg/ha de N, muito semelhante à curva de rendimento (Figura 3). Esse comportamento diferenciado da variação do teor foliar de P na dose 50 g/ha de C.M. parece ser mais um indício de que esta foi a melhor dose, nas condições em que foi realizado este experimento. Os efeitos da interação entre doses de N e doses de cloreto de mepiquat sobre os teores de K, Ca e Mg na folha são também demonstrados nos gráficos das Figuras 8, 9 e 10, respectivamente. Para os três nutrientes citados, os maiores valores foram encontrados na menor dose de N aplicado ao solo (50 kg/ha), com ponto de inflexão na faixa de doses onde o rendimento foi máximo ( kg/ha). Independente do ajuste matemático dos valores às doses de N aplicadas ao solo, os teores de K e Ca foram sempre maiores e os de Mg foram sempre menores na presença do regulador de crescimento (Figuras 8, 9 e 10), em comparação com a ausência do mesmo (dose zero ). Esta variação sugere uma modificação nas relações Ca/K, Ca/Mg, K/Mg na planta que merece ser melhor investigada no futuro e correlacionada com o rendimento de algodão e a qualidade da fibra produzida.

13 A análise foliar é difícil de ser utilizada como parâmetro para a recomendação de adubação em culturas anuais, porém é uma ferramenta imprescindível no auxílio à interpretação da análise do solo, visando à avaliação da sua fertilidade. Nas Tabelas 2 a 8 são apresentados os valores médios de rendimento, altura de plantas e algumas características tecnológicas de fibra de algodão sob quatro doses de cloreto de mepiquat e seis doses de nitrogênio. Teeor de P na folha (g/kg) 4,8 4,6 4,4 4,2 4 3,8 3,6 3,4 3,2 3 y = -1E-05x2 + 0,0055x + 3,7836 y = 5E-06x2-0,0035x + 4,8144 y = 8E-06x2-0,0031x + 4,4271 y = 8E-06x2-0,0041x + 4, Dose de N (Kg/ha) Figura 7. Efeito de doses N dentro de doses de cloreto de mepiquat sobre o teor de P na folha do algodoeiro. Rondonópolis, 2001.

14 19 Teor de K na folha (g/kg) y = 7E-05x 2-0,0239x + 17,142 y = 0,0001x 2-0,0492x + 20,713 y = -0,006x + 15, Dose de N (Kg/ha) Figura 8. Efeito de doses N dentro de doses de cloreto de mepiquat sobre o teor de K na folha do algodoeiro. Rondonópolis, Teor de Ca na folha (g/kg) y = 0,0006x 2-0,2279x + 41,203 y = 0,0002x 2-0,0995x + 31,428 y = 0,0003x 2-0,1205x + 30, Dose de N (Kg/ha) Figura 9. Efeito de doses N dentro de doses de cloreto de mepiquat sobre o teor de Ca na folha do algodoeiro. Rondonópolis, 2001.

15 Teor de Mg na folha (g/kg) 4,5 4 3,5 3 2,5 2 y = 5E-06x 2-0,0031x + 4,1697 y = 4E-05x 2-0,0138x + 4,256 y = 1E-05x 2-0,0058x + 3, Dose de N (Kg/ha) Figura 10. Efeito de doses N dentro de doses de cloreto de mepiquat sobre o teor de Mg na folha do algodoeiro. Rondonópolis, Tabela 1. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a doses e de regulador de crescimentoo. Rondonópolis, Regulador Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação Kg/ha Kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo , , ,40-331,10 0, , , ,20-252,80 0, , , ,60-368,15 0, , , ,60-473,90 0,77 Dose N , , ,00-168,90 0, , , ,00-129,40 0, , , ,00-320,90 0, , , ,40-351,00 0, , , ,80-498,10 0, , , ,00-672,90 0,71 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 usando 130 Kg/ha de N Valor do algodão em caroço: R$

16 Tabela 2. Valores médios de rendimento, altura de plantas e algumas características tecnológicas de fibra de algodão sob quatro doses de cloreto de mepiquat e seis doses de nitrogênio. Rondonópolis, Tratament Rend Altura Comp. Resist. Finura Rd o (kg/ha) (cm) (mm) (g/tex) MIC 0 CM ,2 30,8 25,8 4,13 74,9 50 CM ,4 31,0 27,2 4,12 73,6 75 CM ,0 30,8 26,0 4,34 71,7 100 CM ,2 31,2 26,4 4,35 72,7 0 N ,6 30,6 25,9 4,29 72,9 50 N ,0 31,0 26,6 4,16 73,5 100 N ,7 30,8 26,2 4,20 72,7 150 N ,9 31,3 26,5 4,29 73,4 200 N ,0 30,8 26,1 4,19 73,1 300 N ,8 31,1 26,6 4,28 73,7 MÉDIA ,0 30,8 26,3 4,20 73,2 CV 7,49 5,04 3,16 6,69 5,50 2,17

17 Tabela 3. Valores médios de rendimentos, altura de plantas e algumas características tecnológicas de fibra de algodão sob quatro doses de cloreto de mepiquat e cinco doses de nitrogênio. Rondonópolis, Tratamento Rend Altura Comp. Resist. Finura Rd (kg/há) (cm) (mm) (g/tex) MIC 0 CM 0 N ,2 30,4 25,5 4,35 75,5 0 CM 50 N ,2 30,9 26,8 4,13 75,3 0 CM 100 N ,2 30,5 25,7 4,00 74,4 0 CM 150 N ,8 30,7 26,1 4,10 74,2 0 CM 200 N ,5 31,1 24,9 4,03 74,2 0 CM 300 N ,3 31,0 25,7 4,15 75,7 50 CM 0 N ,4 30,2 26,0 4,05 73,1 50 CM 50 N ,5 31,0 27,1 4,05 73,4 50 CM 100 N ,5 31,3 26,9 4,18 74,3 50 CM 150 N ,1 31,3 27,1 4,18 74,1 50 CM 200 N ,9 30,7 28,4 4,18 74,5 50 CM 300 N ,3 31,4 27,5 4,10 72,1 75 CM 0 N ,4 31,2 26,7 4,48 72,0 75 CM 50 N ,3 30,6 26,2 4,20 71,7 75 CM 100 N ,2 30,5 25,3 4,35 69,4 75 CM 150 N ,2 31,2 26,3 4,40 71,5 75 CM 200 N ,8 30,6 25,2 4,13 71,5 75 CM 300 N ,2 30,6 26,1 4,48 74,1 100 CM 0 N ,3 30,5 25,2 4,28 71,2 100 CM 50 N ,1 31,3 26,2 4,28 73,5 100 CM 100 N ,8 30,9 27,1 4,28 72,8 100 CM 150 N ,4 32,1 26,7 4,48 74,1 100 CM 200 N ,8 30,7 26,0 4,45 72,0 100 CM 300 N ,1 31,4 27,1 4,38 72,9 Média ,0 30,8 26,3 4,20 73,2 CV 7,49 5,04 3,16 6,69 5,50 2,17

18 Tabela 4. Teores médios de nitrogênio, na folha de plantas de algodão (g/kg) sob quatro doses de cloreto de mepiquat e cinco doses de nitrogênio. Rondonópolis, Dose C. mepiquat Dose de N (Kg/ha) (g/ha) ,50 46,28 46,83 46,80 47, ,40 45,58 46,10 45,53 44, ,58 45,73 47,55 45,18 44, ,58 43,95 45,73 45,55 46,65 Tabela 5. Teores médios de fósforo na folha de plantas de algodão (g/kg) sob quatro doses de cloreto de mepiquat e cinco doses de nitrogênio. Rondonópolis, Dose C. mepiquat Dose de N (Kg/ha) (g/ha) ,18 3,95 4,08 3,73 3, ,98 4,33 4,35 4,40 4, ,28 4,20 4,20 4,08 4, ,68 4,40 4,58 4,23 4,25 Tabela 6. Teores médios de potássioo na folha de plantas de algodão (g/kg) sob quatro doses de cloreto de mepiquat e cinco doses de nitrogênio. Rondonópolis, Dose C. mepiquat Dose de N (Kg/ha) (g/ha)

19 ,73 15,70 13,58 14,80 13, ,25 18,00 14,18 16,10 15, ,73 16,30 14,78 14,88 16, ,80 15,48 16,28 15,10 16,25 Tabela 7. Teores médios de cálcio na folha de plantas de algodão (g/kg) sob quatro doses de cloreto de mepiquat e cinco doses de nitrogênio. Rondonópolis, Dose C. mepiquat Dose de N (Kg/ha) (g/ha) ,43 18,68 19,23 18,18 18, ,63 21,80 21,50 19,48 18, ,45 28,60 18,90 18,73 27, ,23 21,23 32,25 27,93 21,73 Tabela 8. Teores médios de magnésio na folha de plantas de algodão (g/kg) sob quatro doses de cloreto de mepiquat e cinco doses de nitrogênio. Rondonópolis, Dose C. mepiquat Dose de N (Kg/ha) (g/ha) ,08 3,83 3,80 3,85 3, ,30 2,95 3,20 2,75 3,00

20 75 3,60 3,40 2,90 2,98 3, ,15 2,95 3,45 3,15 3, Efeito do espaçamento, da densidade de plantio e de regulador de crescimento sobre o algodoeiro no Cerrado. Com o objetivo de investigar o efeito do espaçamento, da densidade de plantio e de regulador de crescimento na performance do algodoeiro no estado de Mato Grosso, foi conduzido, este ensaio em blocos ao acaso, com esquema fatorial 2 x 3 x 4, com 4 repetições, onde foram estudados os fatores. dois espaçamentos (0,76m e 0,90m entre linhas) três densidades de plantio (06, 10 e 14 plantas/metro) e quatro doses de cloreto de mepiquat (0, 50, 75 e 100ml/ha C.M.). ensaio de Este foi instalado nos três locais previstos no projeto, porém, tanto na Serra da Petrovina, quanto em Campo Verde, o mesmo foi Fotografia do experimento atingido por deriva da aplicação via aérea de regulador de crescimento, o que comprometeu seus resultados relacionados com o cloreto de mepiquat, por isso, foram avaliados nestes locais apenas os dados relacionados com espaçamento e densidade de plantas, enquanto, na Fazenda Verde, município de Rondonópolis todos os fatores do ensaio foram computados. As análises de variância efetuadas nos dados, revelaram diferenças significativas, para o fator espaçamento, ao tempo em que os outros fatores (densidade e regulador de crescimento), através de análise de regressão, apresentaram significância para alguns parâmetros estudados. Observa-se nas Tabelas 18, 19 e 20 maiores médias no rendimento de algodão em caroço e menores valores de altura de plantas, finura e comprimento de fibras, nos

21 tratamentos com espaçamento de 0,90m entre linhas, nos três locais estudados. Observa-se nas Tabelas 9, 10 e 11 que estes resultados coincidem também com os maiores índices de benefício/custo para este produto, onde o melhor índice foi obtido no espaçamento de 0,90m, Quanto ao fator densidade, este, teve influência sobre a altura de plantas e a algumas características tecnológicas de fibras. Nota-se nas Figuras 11 e 20, que a resistência e o comprimento estão diretamente proporcional com o aumento da população de plantas, enquanto, a finura apresentou ajuste polinomial de natureza quadrática inversa (Figuras 12 e 21), sendo os menores valores obtidos no intervalo próximo a 10 plantas/m. Quanto ao uso de cloreto de mepiquat, como era esperado, também influenciou a altura de plantas, a finura e a reflectância de fibras. A altura obteve ajuste polinomial de natureza quadrática inversa, sendo os menores valores obtidos na dose de 50 g/ha (Figura 13) a partir da qual os índices benefício/custo tenderam a diminuir significativamente (Tabela 9). Por outro lado, enquanto a reflectância se ajustou proporcionalmente de forma direta às doses de cloreto de mepiquat (Figura 15), a finura obteve reposta de natureza inversa (Figura 14). Os gráficos representados nas Figuras 16, e 22 mostram a interação entre os fatores densidade de plantas e espaçamento, indicando que o efeito da densidade sobre a altura de plantas do algodoeiro depende do espaçamento utilizado. Comportamento semelhante ocorrendo também com o comprimento de fibras, na interação entre densidade e cloreto de mepquat (Figuras 18 e 19). Nas Tabelas 12 a 22 são apresentados valores médios de rendimento, altura de plantas e algumas características tecnológicas de fibra de algodão sob dois espaçamentos, três densidades e quatro doses de cloreto de mepiquat.

22 28,2 Resistência (gf/tex) 28,0 27,8 27,6 27,4 27,2 y = 0,1x + 26,7 R 2 = 0, , Densidade (plantas/m) Figura 11. Efeito de densidade de plantas sobre a resistência da fibra do algodoeiro em dois espaçamentos e quatro doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, 2001.

23 4,48 4,44 Finura (gf/tex) 4,40 4,36 4,32 y = 0,0047x 2-0,105x + 4,9013 R 2 = 1 4, Densidade (planta/m) Figura 12. Efeito de densidade de plantas sobre a finura da fibra do algodoeiro em dois espaçamentos e quatro doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, Altura (cm) y = 0,0056x 2-0,7184x + 116,12 R 2 = 0, Dose de C. Mepiquat (g/ha) Figura 13. Efeito de doses de cloreto de mepiquat sobre a altura de plantas do algodoeiro em dois espaçamentos e três densidades de plantas. Rondonópolis, 2001.

24 4,5 4,45 Finura (gf/tex) 4,4 4,35 4,3 y = -0,0018x + 4,464 R 2 = 0,6591 4, Dose de C. mepiquat (g/ha) Figura 14. Efeito de doses de cloreto de mepiquat sobre a finura da fibra do algodoeiro em dois espaçamentos e três densidades de plantas. Rondonópolis, ,0 76,0 y = 0,0447x + 71,711 R 2 = 0,9004 Reflectância (Rd) 75,0 74,0 73,0 72,0 71, Dose de C. mepiquat (g/ha) Figura 15. Efeito de doses de cloreto de mepiquat sobre a reflectância da fibra do algodoeiro em dois espaçamentos e três densidades de plantas. Rondonópolis, 2001.

25 Altura (cm) y = x + 91,333 R 2 = 0,9231 y = 0,0625x 2-1,5x + 109,75 R 2 = Densidade (plantas/m) 0,90m 0,76m Figura 16. Efeito de densidade de plantas dentro de dois espaçamentos sobre a altura de plantas do algodoeiro. Rondonópolis, Altura (cm) y = 2,375x + 91,583 y = 0,2813x2-5,75x + 121,38 y = 93 y = -0,625x + 107, Densidade (plantas/m) Figura 17. Efeito de densidade de plantas dentro de quatro doses de cloreto de mepiquat sobre a altura de plantas do algodoeiro. Rondonópolis, 2001.

26 Comprimento (mm) 31,6 31,4 31,2 31,0 30,8 30,6 30,4 30,2 30,0 y = -6E-05x 2 + 0,0032x + 31,099 R 2 = 0,9985 y = -0,0002x 2 + 0,0063x + 31,445 R 2 = 0, Dose de C. Mepiquat (g/ha) 6 10 Figura 18. Efeito de doses de cloreto de mepiquat dentro de duas densidades de plantas sobre o comprimento de fibras do algodoeiro. Rondonópolis, Comprimento (mm) 31,8 31,6 31,4 31,2 31,0 30,8 30,6 30,4 30,2 30,0 y = 0,175x + 29,117 y = -0,0375x + 31,642 y = -0,0062x2 + 0,125x + 30,475 y = -0,1125x + 32, Densidade (plantas/m) Figura 19. Efeito de densidade de plantas dentro de quatro doses de cloreto de mepiquat sobre o comprimento de fibras do algodoeiro. Rondonópolis, 2001.

27 32,2 32,0 y = 0,0975x + 30,635 R 2 = 0,6926 Comprimento (mm) 31,8 31,6 31,4 31,2 31, Densidade (plantas/m) Figura 20. Efeito de densidade de plantas em dois espaçamentos sobre a reflectância da fibra do algodoeiro. Petrovina, Pedra Preta, ,30 4,20 y = 0,0166x 2-0,3225x + 5,5287 R 2 = 1 Finura (mic) 4,10 4,00 3, Densidade (plantas/m) Figura 21. Efeito de densidade de plantas em dois espaçamentos sobre a finura da fibra do algodoeiro. Petrovina, Pedra Preta, 2001.

28 y = 0,875x + 105,25 R 2 = 0, Altura (cm) y = 0,4688x 2-9x + 149,13 R 2 = Densidade (plantas/m) 0,90m 0,76m Figura 22. Efeito de densidade de plantas dentro de dois espaçamentos sobre a altura de plantas do algodoeiro. Petrovina, Pedra Preta, 2001.

29 Tabela 9. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a diferentes espaçamentos, densidades e doses de regulador de crescimento. Rondonópolis, Fatores Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação Kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo Espaçamento 0,90m , ,80-211,60 0,89 0,76m , ,60-263,57 0,87 C. mepiquat (g/ha) , ,00-216,50 0, , ,40-212,60 0, , ,40-252,35 0, , ,00-324,50 0,84 Densidade (plantas/m) , ,40-263,51 0, , ,40-227,85 0, , ,60-221,09 0,89 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 utilizando 50 g/ha de cloreto de mepiquat Valor do algodão em caroço: R$

30 Tabela 10. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a diferentes espaçamentos, densidades de plantas. Petrovina, Pedra Preta, Fatores Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação Kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo Espaçamento 0,90m , ,00 641,60 1,32 0,76m , ,60 294,43 1,15 Densidade (plantas/m) , ,00 421,09 1, , ,40 555,15 1, , ,00 426,31 1,21 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 Valor do algodão em caroço: R$

31 Tabela 11. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a diferentes espaçamentos e densidades de plantas. Campo Verde, Fatores Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação Kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo Espaçamento 0,90m , ,80 715,40 1,36 0,76m , ,20-238,97 0,88 Densidade (plantas/m) , ,60 172,69 1, , ,60 193,35 1, , ,40 347,71 1,17 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 Valor do algodão em caroço: R$ Tabela 12. Desdobramento da interação Cloreto de mepiquat versos Densidade de plantas na variável comprimento de fibras do algodoeiro. Rondonópolis, Dose de C. mepiquat Densidade (plantas/m) (g/ha) Comprimento de fibras (mm) ,2 30,8 31, ,4 31,0 30, ,0 31,1 31,0 0 31,5 31,1 31,2 Tabela 13. Desdobramento da interação Densidade versos Cloreto de mepiquat na variável altura de plantas. Rondonópolis, 2001.

32 Densidade Doses de cloreto de mepiquat (g/ha) (Planta/m) Altura de plantas (cm) Tabela 14. Desdobramento da interação Espaçamento versos Cloreto de mepiquat na variável altura de plantas, Rondonóplis, Espaçamento Dose de cloreto de mepiquat Altura de plantas (cm) 0,90m ,76m Tabela 15. Desdobramento da interação Densidade versos Cloreto de mepiquat na variável comprimento de fibras. Rondonópolis, Densidade Doses de cloreto de mepiquat (g/ha) (Plantas/m) Comprimento (mm) 6 30,2 31,4 31,0 31, ,8 31,0 31,1 31, ,6 30,5 31,0 31,2 Tabela 16. Valores médios de altura de plantas, finura e reflectância de fibras do algodoeiro submetido a quatro doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, 2001.

33 C. mepiquat (g/ha) Altura (cm) Finura (Mic) Reflectância (Rd) ,29 76, ,28 75, ,45 73, ,44 72,1 Tabela 17. Valores médios de altura de plantas e finura de fibras do algodoeiro submetido a quatro doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, Densidade (plantas/m) Resistência (gf/tex) Finura (Mic) 6 27,2 4, ,9 4, ,0 4,35

34 Tabela 18. Valores médios de rendimento de algodão em caroço, altura de plantas, e finura de fibras do algodoeiro submetido a dois espaçamentos, três densidades de plantas e quatro doses de cloreto de mepiquat. Rondonópolis, Variáveis Rendimento Fatores (Kg/ha) Altura (cm) Finura (Mic) Espaçamento 0,90m a 99 b 4,37 b 0,76m b 102 a 4,38 a C. mepiquat (g/ha) , , , ,29 Densidade (plantas/m) , , ,35 Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si no teste T à 0,05 de probabilidade.

35 Tabela 19. Valores médios de rendimento de algodão em caroço, comprimento e finura de fibras do algodoeiro submetido a dois espaçamentos e três densidades de plantas. Petrovina, Pedra Preta, Variáveis Fatores Rendimento (Kg/ha) Comprimento (mm) Finura (Mic) Espaçamento 0,90m a 31,4 a 4,10 a 0,76m b 31,8 b 4,20 b Densidade (plantas/m) ,4 4, ,3 3, ,2 4,26 Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si no teste T à 0,05 de probabilidade. Tabela 20. Desdobramento da interação densidade versos espaçamento na variável rendimento de algodão em caroço. Petrovina, Pedra Preta, Densidade (plantas/m) Espaçamento 0,90m 0,76m Rendimento (Kg/ha)

36 Tabela 21. Desdobramento da interação densidade versos espaçamento na variável altura de plantas. Petrovina, Pedra Preta, Densidade (plantas/m) Espaçamento 0,90m 0,76m Altura (cm) Tabela 22. Valores médios de rendimento de algodão em caroço e altura de plantas do algodoeiro submetido a dois espaçamentos e três densidades de plantas. Campo Verde, Fatores Variáveis Rendimento (Kg/ha) Altura (cm) Espaçamento 0,90m a 156 a 0,76m b 153 b Densidade (plantas/m) Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si no teste T à 0,05 de probabilidade Efeito de doses e fontes de nitrogênio sobre o algodoeiro no cerrado

37 Com o objetivo de avaliar a eficiência de diferentes fontes e doses de N no rendimento do algodoeiro e definir a dose máxima de eficiência econômica (DMEE) de N para essa cultura, no Estado de Mato Grosso, foi conduzido este ensaio em blocos ao acaso, os quais foram distribuídos em esquema fatorial de 5 x 5 x com quatro repetições. Das seis doses de N, o nível zero não foi combinado com os demais, porém fez parte integrante do bloco, onde foram estudados os fatores: seis doses de N (0, 50, 100, 150, 200 e 300kg/ha de N), tendo como fontes a uréia e o sulfato de amônio. Nos três locais estudados, os dados de rendimento obtidos em função das doses de nitrogênio, com as duas fontes de adubo, apresentaram resposta polinomial quadrática (Figuras 23, 24 e 25). Este ajuste permitiu os cálculos das doses de N que corresponderam ao rendimento máximo (dose máxima teórica DM) e ao rendimento máximo econômico (dose máxima de eficiência econômica DMEE), conforme apresentado na Tabela 23. Quanto as fontes de nitrogênio, o rendimento foi maior quando se usou o sulfato de amônio, em relação a uréia, nos ensaios de Rondonópolis e Petrovina (Figuras 23 e 24). Também nesses locais, a DMEE foi maior para o sulfato de amônio, correspondendo porém a produtividades mais elevadas, quando comparadas com a uréia (Tabela 23), ocorrendo também com a altura de plantas Tabela 25. No ensaio conduzido em Campo Verde (Figura 25), a resposta ao nitrogênio, em ambas as fontes, foi pouco expressiva, observando-se alta produtividade na ausência do fertilizante. A melhor performance do sulfato de amônio em relação à uréia como fonte de N, evidenciada neste estudo, pode ser explicada por prováveis perdas por volatilização de amônia com uso da uréia. Um outro fator importante a ser

38 considerado é que o sulfato de amônio também fornece enxofre como nutriente. Rendimento (Kg/ha) y = -0,0554x2 + 11,694x ,2 y = -0,0147x2 + 2,8171x Dose de N (Kg/ha) Uréia Sulfato Figura 23. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de N em duas fontes (uréia e Sulfato de amônia). Rondonópolis, 2001

39 Rendimento (Kg/ha) y = -0,0181x2 + 10,45x ,8 y = -0,0164x2 + 6,29x , Dose de N (Kg/ha) Sulfato Uréia Figura 24. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de N em duas fontes (uréia e Sulfato de amônio). Petrovina, Rendimento (Kg/ha) y = -0,0117x2 + 5,4891x ,1 y = -0,02x2 + 7,1574x , Dose de N (Kg/ha) Sulfato Uréia Figura 25. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de N em duas fontes (uréia e Sulfato de amônio). Campo Verde, 2001.

40 Tabela 23. Dose máxima (DM) e dose máxima de eficiência econômica (DMEE) de nitrogênio, em duas fontes (uréia e sulfato de amônio, com suas correspondentes produtividades, nos três locais estudados. Locais Uréia Sulfato de amônio Dose N Produtividade Dose N Produtividade kg/ha kg/ha Rondonópolis DM 95, , DMEE 47, , Petrovina DM 173, , DMEE 83, , Campo Verde DM 178, , DMEE 96, , Nas Tabelas 24, 25 e 26, encontram-se as análises econômicas do cultivo do algodão em caroço submetido a doses e fontes de nitrogênio, em Mato Grosso/2001. Verifica-se que a relação benefício/custo é bastante desfavorável a partir da dose de 150 kg/ha de N, decorrente tanto da queda de produtividade como do aumento dos custos com o fertilizante. Fazendo-se uma análise conjunta das Tabelas 23, 24, 25 e 26, nota-se que os melhores índices de relação benefício/custo (Tabelas 24, 25 e 26) correspondem, aproximadamente, às doses máximas de eficiência econômica (Tabela 23). Considerando a uréia, por exemplo, em Rondonópolis, a DMEE calculada foi de 47 kg/ha (Tabela 23) e o melhor índice benefício custo (0,99) correspondeu à dose 50 kg/ha (Tabela 24). A mesma relação pode ser observada para o sulfato de amônio, cujos índices benefício/ custo mais elevados foram 1,01 e 0,95 para as doses 50 e 100 kg/ha de N, respectivamente, enquanto a DMEE foi 76 kg/ha, portanto dentro dessa faixa mais benéfica de benefício/custo. Assim, observa-se que a DMEE e a relação benefício/custo estão estreitamente correlacionadas. Esses resultados reafirmam a importância de se fazer uma adubação balanceada e criteriosa, baseada em resultados de pesquisa e embasados cientificamente. A aplicação de quantidades excessivas de fertilizantes no solo, principalmente os nitrogenados, acima daquela que a cultura é capaz de absorver durante o seu ciclo, causa prejuízos econômicos e ecológicos.

41 Tabela 24. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a doses e fontes de nitrogênio. Rondonópolis, Doses de N Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação Kg/ha Kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo Uréia , , ,80-209,10 0, , , ,60-11,80 0, , , ,60-377,30 0, , , ,20-397,20 0, , , ,00-526,90 0, , , ,20-869,70 0,63 Sulfato de amônio , , ,00 14,10 1, , , ,80-101,10 0, , , ,60-273,30 0, , , ,60-603,30 0, , , ,00-567,90 0,77 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 usando 130 Kg/ha de N Valor do algodão em caroço: R$

42 Tabela 25. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a doses e fontes de nitrogênio. Petrovina, Doses de N Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação Kg/ha Kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo Uréia , , ,20 507,30 1, , , ,40 608,00 1, , , ,00 504,10 1, , , ,60 523,20 1, , , ,00 556,10 1, , , ,00 134,10 1,06 Sulfato de amônio , , ,40 409,50 1, , , ,40 667,50 1, , , ,80 894,90 1, , , ,80 348,90 1, , , ,60 542,70 1,22 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 usando 130 Kg/ha de N Valor do algodão em caroço: R$

43 Tabela 26. Análise econômica do cultivo do algodão em caroço submetido a doses e fontes de nitrogênio. Campo Verde, Doses de N Rendimento Custeio Receita (R$/ha) Relação kg/ha kg/ha R$/ha Bruta Líquida Benefício/Custo Uréia , ,40 550,50 1, , , ,20 759,80 1, , , ,60 696,70 1, , , ,60 631,20 1, , , ,60 580,70 1, , , ,20 216,30 1,09 Sulfato de amônio , , ,00 689,10 1, , , ,80 705,90 1, , , ,60 635,70 1, , , ,60 308,70 1, , , ,40 271,50 1,11 Custo de produção médio de MT R$ 2.000,00 usando 130 kg/ha de N Valor do algodão em caroço: R$

44 Tabela 27. Valores médios de altura de plantas sob doses e fontes de nitrogênio, em Rondonópolis. Fatores Altura (cm) Nitrogênio 0 104, , , , , ,87 Fonte Uréia 100,16 a (1) Sulfato de amônio 105,10 b (1) Médias seguidas de msma letra não diferem estatisticamente pelo teste T (P< 0,05)

45 3.4. Calagem do Solo para o Algodoeiro Com o objetivo de avaliar a influência da calagem no rendimento do algodão no estado de Mato Grosso, foi instalado este ensaio em 2001 no delineamento experimental de blocos ao acaso, montado em parcelas subdivididas dispostas em faixas, com quatro repetições. Foram estudados dois modos de aplicação (sem e com incorporação, através de aração e gradagem) e cinco doses relacionadas com a necessidade do produto para elevar a saturação de bases a 50% da CTC a ph 7,0 (0,0; 0,5; 1,0; 2,0 e 4,0 vezes a necessidade de calcário calculada). Este ensaio foi programado para ser instalado em três municípios: Primavera do Leste, Pedra Preta e Jaciara. Em Primavera do Leste (Campo Exp. Fundação Centro Oeste), utilizou-se um solo explorado com soja e milho, com necessidade de calcário de 2,6 t/ha, cujas doses aplicadas foram de 0,0, 1,3, 2,6 5,2 e 10,4 t/ha; em Pedra Preta (Serra da Petrovina, Fazenda São José), foi utilizada uma área de pastagem degrada com necessidade de calcário de 4,0 t/ha, cujas doses aplicadas foram de 0,0, 2,0, 4,0, 8,0 e 16,0 t/ha; em Jaciara (Fazenda Redenção), o proprietário que havia disponibilizado sua fazenda para a pesquisa desistiu de plantar algodão, motivo pelo qual não houve como dar continuidade na condução do ensaio. Os resultados da análise de fertilidade dos solos utilizados se encontram na Tabela 28.

46 Tabela 28. Análise de fertilidade dos solos estudados nas profundidades de 0-20 e cm. Campina Grande, Local Prof. ph (1) M.O. (2) P (3) Na +(3) K + (3) Ca + ² (4) Mg +2 (4) Al +(4) H+Al SB t T V Pedra Preta Primavera do Leste g/kg mg/dm ,8 35,0 2,25 0,2 2,2 6,0 6,0 1,5 10,0 14,4 15,9 80,8 17, ,5 13,6 0,56 0,2 0,4 2,0 4,0 2,0-6,6 8, ,2 20,8 14,31 0,2 0,8 20,0 7,0 1,5 108,0 28,0 29,5 136,0 20, ,5 12,4 1,38 0,2 1,0 11,0 3,0 0,5-15,2 15,7 - - Obs.: (1) ph em água na relação 1:2,5. (2) Walkey-Black. (3) Mehlich-1 (H 2 SO 4 0,0125 mol/l + HCl 0,05 mol/l). (4) KCl 1 mol/l. Todas as análises foram executadas conforme metodologia descrita pela Embrapa (1997).

47 Efeito de modo de incorporação de calcário O algodoeiro respondeu de modo diferenciado à aplicação de calcário ao solo. O rendimento em algodão em caroço (kg/ha) (Figuras 26 e 27) e o peso de 01 capulho (Figuras 28 e 29) foram consistentemente superiores e responderam às doses crescentes de calcário quando este foi incorporado ao solo em ambas as localidades testadas. Por outro lado, o índice de fibras curtas (Figura 30 e 31), a resistência (Figura 32 e 33) e o alongamento (Figura 34 e 35) foram claramente melhores e responderam às doses de calcário incorporado apenas em Pedra Preta. Nesta localidade, o solo era uma pastagem degradada e tinha os piores teores de bases trocáveis no solo, ph e fósforo disponível, em ambas as camadas de solo analisadas (Tabela 28). Em 4000 Rendimento 3500 (kg/ha) y = -19,754x ,43x ,3 R 2 = 0, Incorporado Não incorporado 2 y = -11,895x + 91,471x ,7 R 2 = 0, ,6 5,2 7,8 10,4 Dose de calcário (t/ha) Figura 26. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Primavera do Leste, 2002.

48 Algodão em caroço (kg/ha) y = 1696, x - 8,467x2 R2 = 0,6611* y = 1654, Dose de Calcário (t/ha) Incorporado Não incorporado Figura 27. Resposta do algodoeiro (rendimento de algodão em caroço) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Pedra Preta, Incorporado Não incorporado Peso de capulho (kg/ha) 6,50 6,20 5,90 5,60 5,30 y = -0,0047x 2 + 0,0286x + 6,2656 R 2 = 0,9158 y = -0,0154x 2 + 0,145x + 5,7521 R 2 = 0,5471 5,00 0 2,6 5,2 7,8 10,4 Dose de calcário (kg/ha) Figura 28. Resposta do algodoeiro (Peso de um capulho) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Primavera do Leste, 2002.

49 Incorporado Não incorporado Peso médio de capulho (g) 7,80 6,60 5,40 4,20 3,00 y = 5, ,2701x - 0,0468x2 + 0,0020x3 R2=0,9906* y = 3, ,2807x - 0,0485x2 + 0,0021x3 R2=0,9441** Dose de calcário (t/ha) Figura 29. Resposta do algodoeiro (peso médio de capulhos) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Pedra Preta, Primavera do Leste, com solos ligeiramente mais ricos em bases trocáveis e em P, a resposta do algodoeiro foi menos intensa (Figuras 30, 32 e 34). Sabe-se que o algodoeiro é uma planta sensível à toxidez de Al e Mn e que acumula boas quantidades de Ca e Mg em seus tecidos durante o seu ciclo de vida. Alguns trabalhos mostram que ele responde em rendimento a mais de 90% de saturação em bases trocáveis da CTC a ph 7,0 (chamado valor V), sendo comum a recomendação de calagem para a obtenção de saturação de 70%. Apesar disso, no Cerrado de Mato Grosso tem sido obtido rendimentos superiores a 260 arrobas com saturação de bases de 55% no solo. Valores de saturação acima de 55% na camada de 0-20 cm e de 45% tem sido recomendado para solos de Cerrado de São Paulo. Nos LATOSSOLOS VERMELHOS dos chapadões de Mato Grosso, a saturação de 45 a 55% e o ph em água de 5,7 a 5,9 tem sido encontrados como essencial para o alcance da produtividade máxima. O ph em água para obtenção da produtividade máxima está em torno de 6,0. Acima de 70%, a saturação em bases pode alterar o ph em água para valores maiores que 6,0 e pode provocar desequilíbrio nutricional na planta com relação aos micronutrientes catiônicos (Cu, Fe, Mn e Zn), em especial em solos de Cerrado. Neste caso, também haverá desequilíbrio com a relação K/Ca e K/Mg e será necessário aumentar

50 as doses de adubação potássica comumente utilizada para compensar o excesso de Ca e Mg na CTC do solo. A ação específica da calagem sobre o crescimento, produção e características tecnológicas da planta do algodoeiro é difícil de caracterizar. Pois a calagem tem um efeito complexo sobre as plantas. Ao mesmo tempo em que eleva o ph, ela fornece a absorção de todos os nutrientes; elimina a toxidez de Al 3+ e Mn 2+ ; fornece Ca e Mg; acelera a atividade microbiana, aumenta a matéria orgânica no solo e a sua mineralização, fornecendo N, S e B Incorporado Não incorporado Índice de fibras curtas (%) 4,50 3,60 2,70 1,80 y = 0,0182x 2-0,1953x + 3,9385 R 2 = 0,6694 y = -0,0102x 2 + 0,1165x + 3,4135 R 2 = 0,562 0,90 0 2,6 5,2 7,8 10,4 Dose de calcário (kg/ha) Figura 30. Resposta do algodoeiro (índice de fibras curtas) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Primavera do leste, 2002.

51 Incorporado Não incorporado Índice de fibras curtas (%) 7,00 6,50 6,00 5,50 5,00 4,50 4,00 y = -0,0123x + 5,7603 R 2 = 0,0827 y = -0,0498x + 6,5573 R 2 = 0, Dose de calcário (t/ha) Figura 31. Resposta do algodoeiro (índices de fibras curtas) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Pedra Preta, ,00 30,00 y = 0,0419x 3-0,594x 2 + 1,5006x + 29,818 R 2 = 0, ,00 Resistência (gf/tex) 20,00 15,00 Incorporado Não incorporado 10,00 5,00 0, Dose de calcário (kg/ha) Figura 32. Resposta do algodoeiro (resistência) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Primavera do leste, 2002.

52 Figura 33. Resposta do algodoeiro (resistência) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Pedra Preta, , ,5 Alongamento (%) 11 10,5 10 9,5 9 Incorporado Não incorporado y = -0,0212x 2 + 0,169x + 10,399 R 2 = 0,8333 8, ,6 5,2 7,8 10,4 Dose de calcário (t/ha) Figura 34. Resposta do algodoeiro (alongamento) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Primavera do leste, 2002.

53 Figura 35. Resposta do algodoeiro (alongamento) a doses de calcário incorporadas e não incorporadas. Pedra Preta, para as plantas; aumenta a CTC do solo e seu volume de saturação em bases, reduzindo as perdas de K por lixiviação; reduz a adsorção de P, tornando-o mais disponível para a planta; além de flocular as argilas naturalmente dispersas, aumentando o grau de estruturação do solo e possibilitando um maior desenvolvimento radicular. Apesar desses efeitos benéficos, o aumento do ph também aumenta a disponibilidade de Mo e B e reduz a de Cu, Fe, Mn e, principalmente, Zn, geralmente deficiente em solos de Cerrado. Os solos utilizados nesta pesquisa tinham um ph de 4,8 e 5,2 na camada de 0 a 20 cm, considerados oficialmente como muito ácidos; e a saturação de bases trocáveis eram de 17,8 e 20,6%, respectivamente, para Pedra Preta e Primavera do Leste. Esses valores muito baixos e, comparado com as condições de saturação e ph ideais (geralmente recomendados V=70% e ph em água de 5,5 a 6,0), daí a resposta significativa às doses crescentes usadas de calcário, tanto em rendimento, como em algumas características tecnológicas da fibra, como vistos nas figuras citadas, em especial em Pedra Preta. A calagem para ser efetiva precisa que o calcário utilizado reaja plenamente com o solo, neutralize o alumínio trocável, corrija a acidez e torne o ambiente radicular mais propício à absorção de nutrientes na profundidade

54 para a qual a quantidade a aplicar foi recomendadada. Para que isso ocorra, é necessário que o calcário seja bem incorporado, pelo menos, na camada de 0 a 20 cm de profundidade, que exista umidade no solo e que seja dado um período de, ao menos, três meses antes do plantio. No geral, nem sempre isso é possível de ser feito, pois o plantio começa no início do período chuvoso e antes dele não há umidade suficiente no solo que permita uma plena reação do calcário. Geralmente se observa que o efeito máximo do calcário sobre a produção é crescente até 2 a 7 anos após a sua aplicação, dependendo do tipo de solo usado, da intensidade do cultivo, da magnitude das doses de nitrogênio (mineral ou orgânico) aplicadas, da precipitação pluviométrica local e da granulometria do calcário usado. Trata-se, pois, de um produto de longo efeito residual, cuja dimensão deve ser conhecida e aplicada na contabilização anual dos custos de produção da área, sob pena de inviabilizar economicamente a incorporação de áreas de baixa fertilidade natural ao processo produtivo. Os dados apresentados nesta pesquisa são apenas do primeiro ano de cultivo, daí seu reflexo econômico pouco expressivo, como será discutido adiante. Além da reação lenta e da necessidade de incorporação, o calcário se movimenta muito pouco no solo. Isso se dá porque o CaCO 3 tem baixa solubilidade em água e, também, porque o CO 2-3, que é o agente efetivo de neutralização da acidez, reage e é consumido em grande proporção na camada arável (0-20 cm). Apesar disso, tem sido mostrado deslocamento considerável de calcário no perfil de solos cultivados em plantio direto. As pesquisas têm demonstrado a necessidade de 2 a 8 anos para que uma dose alta de calcário (> 6 t/ha), lançada na superfície ou mesmo incorporada na profundidade de 0-20 cm, atinja a profundidade de 50 a 100 cm e corrija a acidez do solo subsuperficial. Em concordância com os fatos enumerados acima, o calcário aplicado na superfície é ineficiente ou muito menos efetivo do que quando incorporado devidamente ao solo, para corrigir altos níveis de acidez e saturação de bases, como mostram os resultados apresentados nas figuras 26 a 35. No Sistema de Plantio Direto (SPD) a prática da aplicação do calcário na superfície funciona porque: i) não se trata de correção da pobreza em bases e altos níveis de acidez ativa (ph), trocável (Al 3+ ) e potencial (H+Al), pois isso é feito antes da

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO Introdução SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO Página 1275 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Eleusio Curvelo Freire 3 ;

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA. Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA. Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos Livramento de Nossa Senhora-BA 28/08/2012 A Região de Livramento de Nossa Senhora-BA é um polo de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA LUCIANO PICOLOTTO 1 ; MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 2 ; GERSON KLEINICK VIGNOLO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 2 ;

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL Édio Damásio da Silva Junior (1) Graduando em Engenharia Ambiental pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Isac

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem.

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Sérgio Weine Paulino Chaves 1 ; Benito Moreira de Azevedo 1 ; Francisco Marcus Lima Bezerra 1 ; Neuzo Batista de Morais

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE EUCALIPTO

ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE EUCALIPTO ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE EUCALIPTO Ivo Zution Gonçalves¹; Giovanni de Oliveira Garcia²; João Carlos Madalão³; Hanne Nippes Bragança 4 ; Glaucio

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO 1 COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO Diogo da Costa Silva 1,3, Fernando dos Santos Silva 1,3, Marcus Vinícius Vieitas Ramos 2,3 1 Voluntário

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1 PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS ESTRADA DA USINA VELHA KM 2 - CAIXA POSTAL 105 TEL/FAX(067)454-2631 MARACAJU/MS - CEP 79150-000 http://www.sidronet.com.br/fundacaoms E-mail: fundacao@sidronet.com.br

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Silvio Tulio Spera 1, Henrique Pereira dos Santos 2, Renato Serena Fontaneli 3, Georgia Luiza Maldaner 4

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA 1 RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006 1 Solicitante: Associação Brasileira da Batata ABBA Rua Vergílio de Rezende, 705 CEP: 18.201-030 Itapetininga/SP E-mail: aaatata@uol.com.r 2. Projeto:

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36. Apresentação. Objetivo

Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36. Apresentação. Objetivo ISSN 1517-211X Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36 Belém, PA Dezembro, 2004 Autores Ismael de Jesus Matos Viégas Eng. Agrôn., Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Caixa Postal 48, Belém, PA,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do Utilização de Resíduos de Carvão Vegetal Associado a Fontes Orgânicas de Nutrientes no Manejo Sustentável do Solo e do Guaranazeiro (Paullinia cupana var. sorbilis (Mart.) Ducke) na Amazônia Central Murilo

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 37 ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 Edilene Valente Alves (1), Joyce Cristina Costa (1), David Carlos Ferreira Baffa (2), Plínio César Soares (3),

Leia mais

ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE

ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes Manfroi 2, Odair José Niederle 2, Giovanni

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado II Fórum Nacional de Produtividade De Soja CESB Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado Leandro Zancanaro Brasília Agosto de 2011 Temas Indicados

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais