S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF Seminários Científicos II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II"

Transcrição

1 A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES Aluno: Me. Flávio Galvão Calhau Orientador: Dr. Romildo Bezerra S G O R T ECDU INF Seminários Científicos II

2 Um Arcabouc o com Caracteri sticas Ubi quas e Autono micas para o Suporte de Soluc o es Smart Grid Aluno: Me. Flávio Galvão Calhau Orientador: Dr. Romildo Bezerra S G O R T ECDU INF Seminários Científicos II

3 1. Smart Grids - Redes Inteligentes Importância da TIC Problemas (Setor Elétrico) Justificativa 2. Micro Grids 3. A Proposta AGENDA Objetivos 4. Aspectos Ubicomp 5. Validação S G O R T 6. Publicações ECDU INF Seminários Científicos II

4 SBr T O Que é Smart Grid? Uma boa pergunta! Uma tecnologia? Algum equipamento? Uma abordagem / Metodologia? Um conceito E uma rede ele trica com elevada integrac a o de tecnologia de informac a o, telecomunicac o es, sensoriamento/medic a o e automac a o, de forma a aumentar consideravelmente sua capacidade de atender cena rios com fontes intermitentes e distribui das de energia, altos requisitos de confiabilidade, baixo impacto ao meio ambiente e adequada a novos mercados de energia. (COPPE, UFRJ) Smart grid é o termo geralmente usado para descrever a integração dos elementos da rede elétrica com uma infraestrutura de informação. 4

5 SBr T /07/2013 5

6 SBr T /07/2013 6

7 SBr T /07/2013 7

8 SBr T Smart Grids - Relevância da Área de Redes & TI Redes (como uma solução integrada e consistente) são imprescindíveis para Smart Grid Infraestrutura de Telecomunicação + TI Integração da Informação 8

9 Smart Grid: Visão Tecnológica Redes de Sensores Medidores Eletrônico Redes de Comunicação Centros de Controle Avançados Automação da Redes de Distribuição e Transmissão Plataformas de Interação com o Consumidor IP Fonte: CPqD, 2011 Sistemas Multiagentes

10 Novo Modelo de Rede Elétrica Elementos das smart grids Carros elétricos Energia eólica Sistemas inteligentes de controle Medidores inteligentes Tecnologia de casas inteligentes Painéis solares Geradores de energia particulares

11 SBr T Problemas Sistema elétrico Monitoração e Supervisão Operação manual Frágil 11

12 SBr T Problemas Baixa integração no sistema Medição de consumo manual Dados pouco detalhados sobre o consumo de energia Dificuldade para integração de fontes de energia de pequeno e médio porte Dificuldade de integração de novas demandas Veículo elétrico 12

13 SBr T Justificativas - Necessidade de uma Smart Grid? Diversas Fontes (Interminentes) de Energia e Armazenamento Solar Eólica Veículos Elétricos Armazenamento Geração Distribuída Conectada a Rede de Distribuição Micro Grids 13

14 SBr T Justificativas - Necessidade de uma Smart Grid? Melhoria da Confiabilidade Reduzir a probabilidade de blecautes Self-healing / Self-configuration Localização de Falhas Isolamento de trechos Auto Reconfiguração Redução de Perdas Técnicas Não-Técnicas ( Gato ) AMI - Advanced Metering Infrastructure MDI - Meter Data Management 14

15 1. Smart Grids - Redes Inteligentes Importância da TIC Problemas (Setor Elétrico) Justificativa 2. Micro Grids 3. A Proposta AGENDA Objetivos 4. Aspectos Ubicomp 5. Validação S G O R T 6. Publicações ECDU INF Seminários Científicos II

16 SBr T Micro Grids E um sistema de energia limitado regionalmente, constituído por recursos energéticos distribuídos, consumidores e, opcionalmente, armazenamento. Opera de forma autônoma, conectada ou não a concessionária Atua como um agente único perante a concessionária, agregando os recursos distribuídos. 16

17 What is a Microgrid? Estrutura do Sistema Elétrico Legado Microgrids That Was Then This is Now 17

18 SBr T Micro Grids - Alvos Autonomia Disponibilidade Compatibilidade Flexibilidade Escalabilidade 18

19 SBr T Micro Grids - Planos 19

20 1. Smart Grids - Redes Inteligentes Importância da TIC Problemas (Setor Elétrico) Justificativa 2. Micro Grids 3. A Proposta AGENDA Objetivos 4. Aspectos Ubicomp 5. Validação S G O R T 6. Publicações ECDU INF Seminários Científicos II

21 SBr T A Proposta Um Arcabouc o com Caracteri sticas Ubi quas e Autono micas para o Suporte de Soluc o es Smart Grid. 21

22 22

23 SBr T Objetivos Investigar sistemas de monitoração e supervisão, objetivando minimizar ou extinguir problemas e melhorar o sistema de gerenciamento da rede elétrica; Elevar a confiabilidade operacional em termos de resiliência e capacidade de recuperação de falhas; Identificação de falhas em ativos da rede Redução do impacto de falhas Elevar o nível de autonomia dos elementos de monitoração (sensores) e componentes atuadores (computação e serviços autonômicos); 23

24 1. Smart Grids - Redes Inteligentes Importância da TIC Problemas (Setor Elétrico) Justificativa 2. Micro Grids 3. A Proposta AGENDA Objetivos 4. Aspectos Ubicomp 5. Validação S G O R T 6. Publicações ECDU INF Seminários Científicos II

25 Aspectos Ubicomp da Proposta Heterogeneidade As smart grids são amplamente baseadas no monitoramento e integração de dispositivos da rede sem interfaces com o usuário (sensores, atuadores, dentre outros) com arquiteturas de hardware e software diferentes provenientes de fabricantes distintos. Invisibilidade Soma-se a essas características peculiares das smart grids um dos conceitos relativo aos sistemas multiagentes pertinente a possibilidade da não intervenção humana permanente no monitoramento através de um sistema de controle coordenado entre seus componentes. 25

26 Aspectos Ubicomp da Proposta Sensibilidade ao Contexto Os sensores coletarão dados sobre a operação e o desempenho (tensão, corrente) sobre o ambiente no qual a aplicação esta associada em relação a rede de energia. Os mesmos analisam os dados autonomicamente para determinar o que e significativo (i.e., tensão muito alta) e designam ações (i.e., envio de mensagens) aos dispositivos atuadores para conter a anormalidade da situação (reduzir a tensão). Baseado em Localização Um mecanismo autonômico de registro sequencial de passos em tempo real vai identificar as localizações e status operacional dos inúmeros componentes do sistema, permitindo detectar uma falha e responder a ela com muita rapidez com intuito de restabelecer a normalidade (self-healing). 26

27 Aspectos Ubicomp da Proposta Ambiente Volátil A arquitetura de monitoração e supervisão deve lidar as alterações dinâmicas e imprevisíveis na topologia da rede (WSAN) de forma trivial, haja vista que a mudança do ambiente de execução passa a ser tratado como algo comum ao invés de excepcional, seja pela inserção e/ou remoção de sensores, por falhas de comunicação ou por mudanças nas características (i.e, largura de banda e latência variável). 27

28 AGENDA 1. Smart Grids - Redes Inteligentes Problemas 2. Micro Grids 3. A Proposta Objetivos 4. Aspectos Ubicomp 5. Validação S G O R T 6. Publicações ECDU INF Seminários Científicos II

29 Validação da Proposta Simulação Computacional O Simulador RT-LAB Suporta os protocoles IEC Permite ao usuário testar diferentes estratégias de controle. MathWorks Simulink modeling software Projetar e simular comportamentos de uma MG 29

30 AGENDA 1. Smart Grids - Redes Inteligentes Problemas 2. Micro Grids 3. A Proposta Objetivos 4. Aspectos Ubicomp 5. Validação S G O R T 6. Publicações ECDU INF Seminários Científicos II

31 Publicações Calhau, F., Bezerra, R. and Martins, J. A Framework to Support Smart Grid Solutions with Ubiquitous and Autonomic Features. 7 th UBICOMM - International Conference on Mobile Ubiquitous Computing, Systems, Services and Technologies. Porto, Portugal Calhau, F., Martins, J. et al. Smart Grid e IEC 61850: Novos Desafios em Redes e Telecomunicações para o Sistema Elétrico. XXX SBrT - Simpósio Brasileiro de Telecomunicações, Brasília-DF,

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID 35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID Smart Grid: Visão Tecnológica Redes de Sensores Medidores Eletrônico Redes de Comunicação Centros de Controle

Leia mais

Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro

Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro SMARTGRIDS LATIN AMERICA Santiago, Chile Novembro de 2008 Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro Arnoldo Magela Morais Superintendência de Engenharia da Distribuição CEMIG

Leia mais

Smart Grid pelo preço de AMI

Smart Grid pelo preço de AMI Smart Grid pelo preço de AMI John O Farrell Vice-Presidente Executivo, Desenvolvimento de Negócios Silver Spring Networks California, EUA jofarrell@silverspringnet.com 2008 Silver Spring Networks. All

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2016 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CEMAR CONCLUÍDO 2015 Título do Projeto: Sistema

Leia mais

SMARTGRID Rede Inteligente de Energia. Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros

SMARTGRID Rede Inteligente de Energia. Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros SMARTGRID Rede Inteligente de Energia Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros Belo Horizonte,09 de Dezembro de 2009 Sumário: O que é SMARTGRID? Sistema elétrico inteligente, que integra e possibilita

Leia mais

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje Redes Inteligentes A Rede do Futuro Construída Hoje Grupo Efacec, Breve descrição Ao longo da sua história, a Efacec tem vindo a antecipar as mudanças num mundo extremamente competitivo, tornando-se numa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2015 Título do Projeto: Desenvolvimento de Cabeça de Série de Transformador com Medição Integrada

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for Storage Management CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 Simplifique e otimize suas tarefas de gerenciamento de armazenamento, aumente a produtividade

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2011 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Banco de Dados I Estudo dos aspectos de modelagem

Leia mais

Palavras-chave: Smart Grid. Eficiência energética. Projetos pilotos. Eletricidade.

Palavras-chave: Smart Grid. Eficiência energética. Projetos pilotos. Eletricidade. IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS SMART GRID NO BRASIL Marcos Vinicius Nunes Arruda Aluno do IFMT, Campus Cuiabá, voluntário Ruy de Oliveira Prof. Doutor. do IFMT, Campus Cuiabá, orientador Resumo As redes de

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ)

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Aula 1: 4 de abril de 2016 1 Conceitos básicos sobre sistemas distribuídos 2 Computação distribuída Computação distribuída A computação distribuída envolve o projeto, implementação

Leia mais

WORKSHOP ENERGIA SMART GRIDS Cibersegurança em Smart Grid

WORKSHOP ENERGIA SMART GRIDS Cibersegurança em Smart Grid WORKSHOP ENERGIA SMART GRIDS Cibersegurança em Smart Grid José Reynaldo Formigoni Filho, MSc Gerente de Desenvolvimento de Tecnologias de Segurança da Informação e Comunicação Rafael de Simone Cividanes,

Leia mais

Visão do Inmetro: O Controle Metrológico Legal

Visão do Inmetro: O Controle Metrológico Legal Painel: Diretrizes Governamentais para o Smart Grid no Brasil Visão do Inmetro: O Controle Metrológico Legal Luiz Carlos Gomes dos Santos Diretor de Metrologia Legal O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Autonômica Emanuel F. Coutinho 1, Gabriel A. L. Paillard 1 Leonardo O. Moreira 1, Ernesto Trajano de Lima

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com>

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO DE MÁQUINA Estudos Iniciais André Filipe de Moraes Batista Disciplina de Aprendizagem de Máquina UFABC 2010 TEORIA DOS JOGOS Ramo da matemática aplicada estuda situações

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 2011 1 1. APRESENTAÇÃO No momento de sua concepção não haviam informações detalhadas e organizadas sobre os serviços de Tecnologia da

Leia mais

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Engenharia de Software Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Sistemas Computacionais Automatiza ou apóia a realização de atividades humanas (processamento da informação)

Leia mais

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha Moacyr Franco Neto Agenda 1 Definição de DCIM. 2 Modelos de DCIM. 3 Benefícios e funcionalidades. 4-

Leia mais

A LUZ DA INOVAÇÃO NAS CIDADES INTELIGENTES ATRAVÉS DA INTERNET DAS COISAS. Vinícius Garcia de Oliveira

A LUZ DA INOVAÇÃO NAS CIDADES INTELIGENTES ATRAVÉS DA INTERNET DAS COISAS. Vinícius Garcia de Oliveira A LUZ DA INOVAÇÃO NAS CIDADES INTELIGENTES ATRAVÉS DA INTERNET DAS COISAS Vinícius Garcia de Oliveira 1 Uma ICT focada em inovação Comunicação e Multimídia Financeiro Utilities Industria e Corporativo

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

CTEX - LABORATORIO DE CONTROLE REMOTO DE SISTEMAS MILITARES

CTEX - LABORATORIO DE CONTROLE REMOTO DE SISTEMAS MILITARES CTEX - LABORATORIO DE CONTROLE REMOTO DE SISTEMAS MILITARES 1 a Adaptação e preparação dos sistemas de freio, direção, alimentação e direção da viatura, para permitir o controle RF e instalação dos atuadores

Leia mais

Medium voltage products UniSec para Smart Grid Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária

Medium voltage products UniSec para Smart Grid Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Medium voltage products UniSec para Smart Grid Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Índice 3 Visão geral 4 Níveis padrão 6 Monitoramento e controle 7 Medição 8 Proteção e

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Ementas Disciplinas Eletivas

Ementas Disciplinas Eletivas Ementas Disciplinas Eletivas INFORMÁTICA Administração de Redes CH: 60 h Créditos: 2.1.0 Pré-requisito(s): Redes de Computadores II Conceitos e políticas de administração de redes. Gerência de redes e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Smart Grid Advantage

Smart Grid Advantage Smart Grid Advantage A evolução das Redes Inteligentes Ricardo Van Erven Gerente Geral América Latina GE Digital Energy Smart Grid Forum, SP 27 Novembro, 2013 Áreas urbanas de > 10 milhões 53% Áreas rurais

Leia mais

Sistema Convergente para Automação, Operação e Análise de Engenharia como Embrião ao Smart Grid da EDP Bandeirante SISTEMA PLATOE

Sistema Convergente para Automação, Operação e Análise de Engenharia como Embrião ao Smart Grid da EDP Bandeirante SISTEMA PLATOE XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Sistema Convergente para Automação, Operação e Análise de Engenharia como Embrião ao Smart

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

GTGV - Grupo de Trabalho em Gerência de VídeoV

GTGV - Grupo de Trabalho em Gerência de VídeoV GTGV - Grupo de Trabalho em Gerência de VídeoV por Regina Melo Silveira regina@larc.usp.br RNP Rio de Janeiro Nov. 2005 Laboratório de 2005 Arquitetura LGPA - Laboratório e Redes de Arquitetura Computadores

Leia mais

Planejamento de Desenvolvimento de Software Everson Santos Araujo everson@por.com.br

Planejamento de Desenvolvimento de Software Everson Santos Araujo everson@por.com.br Planejamento de Desenvolvimento de Software Everson Santos Araujo everson@por.com.br Introdução O planejamento para o desenvolvimento de um software é fator preponderante para que se tenham resultados

Leia mais

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Premissas básicas de projetos Foram desenhados

Leia mais

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações IBM Systems and Technology Group Abril de 2013 White Paper de Liderança em Ideias Inovadoras IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações 2 IBM FlashSystem Atendendo ao

Leia mais

Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011

Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011 Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011 AGENDA: Introdução Background Solução Corinex Propriedades do Sistema AMI Compromisso, Teste de Campo e Set Up Sumário de Resultados Próximos de Passos Background

Leia mais

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

Trata dos aspectos de armazenamento, backup e recuperação de dados d organização e suporte aos outros processos de gerência.

Trata dos aspectos de armazenamento, backup e recuperação de dados d organização e suporte aos outros processos de gerência. Como o Cobit está inserido em sua Governança de TI? 1 Introdução É principio básico de uma organização buscar a gerência dos seus processos internos e também a forma de comunicação destes processos com

Leia mais

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Uso das Redes Inteligentes para viabilizar a Geração Distribuída Brasília, 14 de Setembro de 2011 Cyro Vicente Boccuzzi Presidente do Fórum Latino

Leia mais

Tecnologia de powertrain elétrico e auxiliares para veículos pesados. Drive Systems para aplicação Mobil

Tecnologia de powertrain elétrico e auxiliares para veículos pesados. Drive Systems para aplicação Mobil Tecnologia de powertrain elétrico e auxiliares para veículos pesados Drive Systems para aplicação Mobil September 13, 2013 Plataforma para Veículos Elétricos Linha Pesada Aplicação Mobil Veículos e Implementos

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual 2 Fundamentação Conceitual 2.1 Computação Pervasiva Mark Weiser define pela primeira vez o termo Computação Ubíqua ou Computação Pervasiva (Ubiquitous Computing) em (10). O autor inicia o trabalho com

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO

MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO Instituição Executora: GTI Soluções inteligentes Título do Projeto: Sistema de controle de questões e avaliações Cliente: FACULDADE SENAC-DF Termo de Abertura do Projeto

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa

Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa Grupo de Pesquisa Área de Informática Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa Prof. Dr. Fábio Favarim favarim@utfpr.edu.br Roteiro da Apresentação Introdução Tolerância a Faltas (TF) Tolerância

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Metodologia de pesquisa Diagnóstico Contexto histórico Transversalidade Panorama brasileiro Marcos legais e regulatórios Gargalos Interfaces

Leia mais

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N Robert Young Gerente de pesquisas de software para gerenciamento de sistemas empresariais C o m o r e p e n s a r o gerenciamento de ativo s d e T I n a e ra da "Internet

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO

SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO SUMÁRIO ITEM PAG. DEFINIÇÕES: 1. NÚMEROS TELEFÔNICOS 3 1.1. NÚMERO DE QUEDA (INTERRUPÇÃO) 3 1.1.1. Interrupção

Leia mais

Gerenciamento e Impressão

Gerenciamento e Impressão Gerenciamento e Impressão Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. Intel e Centrino são marcas

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: 1. A data limite de acolhimento de propostas fica alterada para 19.02.2008. 2. A CLÁUSULA

Leia mais

Middleware Orientado a Mensagens (MOM)

Middleware Orientado a Mensagens (MOM) Middleware Orientado a Mensagens Visão Geral RPC/RMI é inadequado para comunicação em alguns cenários de aplicação Cliente e servidor precisam estar ativos durante a comunicação Implica em espera para

Leia mais

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br Governança de TI e ISO20000 Quo Vadis TI? quinta-feira, 14 de agosto de 2008, 17h09 A área de Tecnologia da Informação vem sofrendo mudanças profundas e esse fenômeno aumentará nos próximos anos. Além

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

Armazenamento de Energia: Uma Agenda FÓRUM DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA FIESP, 12 DE MAIO DE 2016

Armazenamento de Energia: Uma Agenda FÓRUM DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA FIESP, 12 DE MAIO DE 2016 Armazenamento de Energia: Uma Agenda FÓRUM DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA FIESP, 12 DE MAIO DE 2016 Uma história recente, no Brasil! Armazenamento de energia passa a ser parte da agenda do setor brasileiro em

Leia mais

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo Desafios da convergência em um mundo totalmente IP Sidney Longo 13 de abril de 2011 Agenda O CPqD Cenário Roadmap Tecnológico Tendências Tecnológicas Computação em Nuvem Mobilidade e Redes Sociais Multiplos

Leia mais

Internet of Things e a Telefonica Vivo

Internet of Things e a Telefonica Vivo Internet of Things e a Telefonica Vivo Seminário Internacional BNDES 2014 Internet das Coisas: Oportunidades e Perspectivas da Nova Revolução Digital para o Brasil Antonio Carlos Valente Presidente da

Leia mais

Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI)

Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI) Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI) Coordenador: Paulo Celso Budri Freire Aprovada pelo Conselho do Departamento de Dermatologia da

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS RESUMO Alessandro Lumertz Garcia 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo apresenta tipos de aplicações que podem existir nas casas inteligentes,

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Enfileiramento Digital

Enfileiramento Digital Painel: Inovação Tecnológica e Eficiência Energética São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gestão Inteligente de Eletricidade através de Enfileiramento Digital Cyro Vicente Boccuzzi Sócio Diretor da ECOEE Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTUDO TÉCNICO PRELIMINAR DA CONTRATAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Aquisição de sistema de videoconferência para todo o IFRO 2. DEFINIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS 2.1. Necessidade

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Luiz Carlos Neves *, Alexandre Bagarolli O conceito de smart grids (redes elétricas inteligentes) vem sendo amplamente discutido

Leia mais

TRUNKING DIGITAL DE LOCAIS MÚLTIPLOS CONNECT PLUS

TRUNKING DIGITAL DE LOCAIS MÚLTIPLOS CONNECT PLUS TRUNKING DIGITAL DE LOCAIS MÚLTIPLOS CONNECT PLUS COBERTURA ESTENDIDA. MAIS INFORMAÇÕES. UM NÍVEL DE EFICIÊNCIA VERDADEIRAMENTE EXCEPCIONAL PARA SUA MÃO DE OBRA MÓVEL. MOTOTRBO_ConnectPlus_Brochure_NewBrand_PT_030212V02.indd

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: General Electric Energy do Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Fundamentos. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008

Sistemas Distribuídos. Fundamentos. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Sistemas Distribuídos Fundamentos Nazareno Andrade Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Fundamentos Coordenando processos Construíndo sistemas Sistemas construídos 2 Fundamentos O que são sistemas

Leia mais

Anexo 1. nº /19. RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado. Classificação: Reservado

Anexo 1. nº /19. RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado. Classificação: Reservado Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado Classificação: Reservado Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado Classificação: Reservado Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013

Leia mais

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD Simplificação da TI O Dell série MD pode simplificar a TI, otimizando sua arquitetura de armazenamento de dados e garantindo

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA GSM EM UM PROTÓTIPO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA PRÉ-PAGO EM CONEXÃO COM REDES INTELIGENTES

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA GSM EM UM PROTÓTIPO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA PRÉ-PAGO EM CONEXÃO COM REDES INTELIGENTES UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA GSM EM UM PROTÓTIPO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA PRÉ-PAGO EM CONEXÃO COM REDES INTELIGENTES Alcedir L. Finkler, Darlan R. Fischer Universidade do Noroeste do Rio Grande do Sul

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II RELATÓRIO TÉCNICO ADORILSON BEZERRA DE ARAÚJO ANDRÉ GUSTAVO

Leia mais

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 2012.2 SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY Proposta de trabalho de graduação Aluno: Lucas André Pequeno Paes

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Governança de TIC no Banco Central

Governança de TIC no Banco Central Governança de TIC no Banco Central AGENDA Histórico Modelo de Governança de TIC do Bacen Plano Diretor de Tecnologia da Informação Priorização de Projetos de TIC Gerenciamento de Riscos Histórico Cenário

Leia mais