Caraterização dos cães de assistência (cães-guia, cães para surdos e cães de serviço) em Portugalª

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caraterização dos cães de assistência (cães-guia, cães para surdos e cães de serviço) em Portugalª"

Transcrição

1 RCPV (2014) 109 ( ) Caraterização dos cães de assistência (cães-guia, cães para surdos e cães de serviço) em Portugalª Characterization of assistance dogs (guide dogs, hearing dogs and service dogs) in Portugal b Sofia A.P. do Carmo 1*, Isabel M.S. Pereira da Fonseca 1, Ilda M.N. Gomes Rosa 1 1 CIISA, Faculdade de Medicina Veterinária, Av. Universidade Técnica, Polo Universitário Alto da Ajuda, Lisboa Resumo: A sociedade atual tenta fornecer meios que facilitem e melhorem a qualidade de vida dos seres humanos com incapacidades, tal como o uso de cães de assistência. Os cães-guia auxiliam pessoas cegas, os cães para surdos assistem pessoas com dificuldades de audição graves e os cães de serviço ajudam pessoas com problemas motores, orgânicos ou mentais. Os cães de assistência passam por um treino especializado de acordo com a incapacidade do utilizador, sendo o reforço positivo e o clicker as técnicas mais utilizadas. A escolha das raças e os seus temperamentos são também importantes, pois está em causa a segurança de um ser humano. O objetivo principal deste trabalho foi caraterizar os cães de assistência em Portugal, através da realização de 2 tipos de questionários, um às associações que treinam cães de assistência (n=3) e o outro aos seus utilizadores (n=32). A raça mais utilizada foi a Labrador Retriever devido à sua personalidade calma, memória e destreza física. Aferiu-se a importância da esterilização de todos os cães de assistência assim como a sua vacinação. Constatou-se que os utilizadores destes animais se sentiam mais confiantes, seguros, com melhor autoestima e socializavam-se com maior facilidade, após estes animais fazerem parte das suas vidas. Salientou-se a existência de uma ligação muito forte dos utilizadores com os seus cães de assistência, pois cada vez mais a lei permite que estes os acompanhem em qualquer local público, sejam transportes ou estabelecimentos comerciais. Palavras-chave: cães de assistência, cão-guia, cão para surdos, cão de serviço, temperamento, treino, Portugal. ªEste trabalho é um excerto da tese de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária de Sofia Carmo com o título Cães de Assistência em Portugal: cães-guia, cães para surdos e cães de serviço, FMV/ULisboa, Summary: Today s society increasingly tries to provide a way to ease and improve the quality of the human being life with disabilities, like the use of assistance dogs. Guide dogs help blind people, hearing dogs assist people with severe hearing difficulties and service dogs help people with mobility, organic or mental problems. Assistance dogs undergo a specialized training in accordance with the user s disabilities and positive reinforcement and clicker are the most used techniques. Moreover, breed and *Correspondência: temperament choice is of utmost importance as the safety of people with disabilities is at stake. The main objective of this study was to characterize assistance dogs in Portugal in order to achieve that goal, so two types of questionnaires were made, the first one to associations that train assistance dogs, and the another one to assistance dogs users. Inquires were made to 3 associations and 32 users throughout the country. It was found that Labrador Retriever was the most used breed due to its relaxed personality, memory and physical ability. The importance of neutering/spaying and vaccination was also accessed for all dogs. Finally we found that dog users feel more confident, secure, with better self-esteem and manage to socialize easier, after these animals were involved in their lives. In our days, laws allow these types of dogs to accompany their users in any public place, whether transport or commercial facilities, therefore enabling establishment of a very strong connection with their owners since they share almost all their daily tasks. Keywords: assistance dogs, guide dog, hearing dog, service dog, temperament, training, Portugal. b This study is an excerpt from an Integrated Master s thesis in Veterinary Medicine of Sofia Carmo entitled Assistance dogs in Portugal: guide dogs, hearing dogs and service dogs, FMV/ ULisboa, Introdução Há muitos anos que o cão vem tendo os mais variados papéis na nossa sociedade, tais como, animal de companhia, de caça, de guarda, de pastoreio ou de tração (de trenó por exemplo). Mais recentemente surgiram novas funções como a de cão-guia, de serviço, de polícia, de deteção de explosivos, de salvamento de pessoas perdidas, sob escombros, em avalanches ou noutras catástrofes naturais ou provocadas pelo Homem. Os cães de trabalho têm caraterísticas em comum, tais como serem sociáveis, adaptáveis, treináveis, autoconfiantes, corajosos, resistentes e confiantes na abordagem de pessoas e ambientes que lhes são estranhos (Mariti et al, 2012; Tomkins et al, 2012). 43

2 Muitas raças demonstram capacidade para ter comportamentos cooperativos complexos com o ser humano, sendo úteis na assistência de pessoas com as mais variadas incapacidades (Naderi et al, 2001). Segundo o Decreto-Lei n.º 74/2007, de 27 de Março, o cão de assistência é um cão treinado ou em fase de treino que acompanha, conduz e auxilia uma pessoa com deficiência, sendo a definição de cada um desses tipos: Cão-guia - Cão que foi treinado ou que está na fase de treino, para ser atribuído e auxiliar uma pessoa com deficiência visual. Cão para surdo - Cão que foi treinado ou que está na fase de treino, para ser atribuído e auxiliar uma pessoa com deficiência auditiva parcial ou total. Cão de serviço Cão que foi treinado ou está em fase de treino, para ser atribuído e auxiliar uma pessoa com deficiência mental, motora ou orgânica. O cão-guia aprende tarefas como: andar em linha reta e no centro do passeio, virar à direita/esquerda; contornar obstáculos (postes de eletricidade, buracos no chão, zonas de teto baixo); lidar com o trânsito; parar quando vai iniciar a descida/subida de degraus ou vai fazer uma curva; encontrar a saída de uma sala/ edifício; encontrar o elevador/escadas; encontrar um lugar desocupado nos transportes públicos; seguir uma pessoa até um determinado ponto; localizar um destino comandado pelo utilizador; recuperar objetos perdidos ou requisitados pelo utilizador (Froling, 2001, Naderi et al., 2001; Tomkins et al., 2012). Algumas das tarefas que o cão para surdos aprende são: alertar para sons da casa (campainha/bater à porta, alarme de incêndio, temporizador de forno/microondas, bebé a chorar, alguém a chamar pelo nome do utilizador, despertador); alertar para sons fora de casa (sirene de carros de polícia, de bombeiros ou de ambulância, ou de carro a aproximar-se na direção do utente); alertar para sons no local de trabalho (alarme de incêndio, colega de trabalho a chamar o utilizador, receção de mensagem no telemóvel); e para outros sons como por exemplo recuperar objetos perdidos que façam som ao cair (chaves, moedas) ou levar mensagem entre cônjuges (um está a chamar o outro ou a gritar por ajuda) (Froling, 2001). Por fim, o cão de serviço aprende tarefas como: trazer objetos ao utilizador: o telefone, as chaves, algo do frigorífico, a carteira, uma peça de roupa, sapatos, uma mala, medicamentos, o controlo remoto da televisão, a cadeira de rodas/muletas, o seu recipiente da comida, correio recebido, objetos caídos; transportar as compras e tirá-las dos sacos; retirar roupa da máquina de lavar e transferi-la para a máquina de secar, colocar a loiça numa máquina da loiça ou pia; empurrar a cadeira de rodas até um determinado local; carregar num botão/tecla de emergência ou trazer um medicamento quando o utente se encontra em perigo; ladrar, acordar ou arrastar o utente quando este está em perigo; arrumar ou deitar objetos no lixo; abrir/fechar portas, gavetas, janelas; ajudar o utilizador a despir ou a descalçar; ligar/desligar interruptores; ajustar o braço, a perna ou o corpo do utilizador na cadeira/cama, ou ajudá-lo a ser transferido para outro local (cama, banheira, sanita) (Froling, 2001; Rintala et al., 2008; Winkle et al, 2012). Material e Métodos Os dados foram recolhidos através de dois tipos de questionários (1 e 2), dirigidos respetivamente a associações de treino e doação de cães de assistência e aos seus utilizadores. O questionário 1 foi realizado a 3 associações portuguesas, a Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual (ABAADV), do distrito de Viseu; a Associação Portuguesa para a Intervenção com Animais de Ajuda Social (ÂNIMAS), que treina cães para surdos e cães de serviço, do distrito do Porto; e a Bocalán Portugal, que treina cães de assistência e cães para intervenção assistida por animais, do distrito de Lisboa. Este questionário foi elaborado com o objetivo de auxiliar numa entrevista, feita pessoalmente, a um representante de cada associação. Este questionário foi dividido em 3 partes: a parte I focou-se na escolha do cão, nomeadamente a sua proveniência, as raças mais usadas, fatores e caraterísticas de escolha do nome, cor da pelagem, sexo, doenças que podem levar à sua exclusão e temperamento; a parte II abordou o treino do cão, isto é, a idade em que começam a ser treinados, o tipo, as fases, as técnicas e os instrumentos usados no treino, os comportamentos que aprendem, o quotidiano do animal para além do treino, o modo como são feitos a entrega ao utilizador e as taxas de sucesso; na parte III recolheram-se informações sobre a distribuição geográfica dos cães doados e que informações sobre zoonoses eram transmitidas aos utilizadores. O questionário 2 foi realizado a 32 utilizadores de cães de assistência por via telefónica (duração média de 15 minutos) e por correio eletrónico. Este questionário foi dividido em 4 partes. Na parte I recolheram-se dados para caraterizar os utilizadores de cães de assistência: idade, sexo, localização geográfica, número de cães de assistência que já tinha possuído, quanto tempo os possuiu e como os adquiriu. A parte II focava-se no cão de assistência: nome, sexo, idade, esterilização, vacinação, desparasitação, ida ao médico veterinário e doenças que já teve. Requereu-se ainda informações sobre a rotina do animal, como a sua alimentação (o que comia, quando e quantas vezes ao dia), onde dormia e o tempo que dispunha para brincar. Tentou-se também saber a opinião dos utilizadores em termos de utilidade e a ligação emocional com o seu cão de assistência, se este recebia recompensas e de que tipo; se já tinha desobedecido e como foi resolvida essa desobediência. A parte II terminava focando 44

3 sobre qual seria o destino do cão quando acabasse a vida útil como animal de assistência e também se o utilizador já tinha tido mais cães de assistência e o que lhes sucedeu. A parte III estava subdividida em 3 alíneas: A- Cão-guia; B- Cão para surdos; C- Cão de serviço. Na alínea A recolheram-se informações sobre o tipo de percurso e o tipo de transportes que o utilizador usava com o cão-guia e o que este reconhecia (como palavras, sons, gestos e objetos). Na alínea B obtiveram-se informações sobre o que o cão para surdos reconhece (como palavras, gestos, sons e objetos) e ainda o modo como este chamava a atenção do utilizador, para os sons. Na alínea C, obtiveram-se informações sobre o que o cão de serviço reconhecia (palavras, gestos, sons e objetos). A parte IV era constituída por uma questão de resposta aberta, em que o utilizador opinava sobre os cães de assistência ou contava uma história sobre o seu animal, para melhor ilustrar o ponto de vista do utente e a importância do cão de assistência na sua vida e rotina. A análise dos dados obtidos nas respostas, ao questionário 2, foi processada no programa informático Microsoft Office Excel de 2007 e analisada através de métodos de estatística descritiva. As entrevistas permitiram comparar e colmatar as respostas dadas pelos utilizadores de cães de assistência, ao questionário 2. Resultados Os aspetos mais relevantes que se destacaram no questionário 1 foram: os fatores a ter em conta na escolha das raças, a existência de esterilização, a existência de doenças, os temperamentos dos cães, o treino e a escolha do utilizador. Verificou-se que a raça Labrador Retriever foi a mais usada para cães-guia, 94% (29/31) e para cães de serviço, 100% (1/1). Além desta, a Flat Coated Retriever, o cruzamento entre o Labrador Retriever e o Golden Retriever e ainda o cruzamento entre Labrador Retriever e Bouvier Bernois foram também usados para cães-guia. O cão para surdos não tinha raça definida. Os fatores que estas associações destacaram na escolha dos cães foram: capacidade de aprendizagem; bom temperamento (calmo); bons índices de obediência; boa capacidade de adaptação a novas circunstâncias; porte físico médio; facilidade em se integrar no meio (ser um cão bonito e sociável mais aceite nos locais públicos); sem fobias; sem atração excessiva por outros animais (cães e gatos); sensibilidade média (nem demasiado distraído nem demasiado atento). O nome do cão de assistência não foi importante tal como não o foi a cor da pelagem (exceto para uma das associações). A esterilização foi considerada importantíssima pelas 3 associações, se não obrigatória. Quanto à existência de doenças que impossibilitam um cão de ser um cão de assistência, as associações referiram que não haviam doenças específicas que levassem à sua exclusão (mas doenças cardiovasculares e displasia da anca que fossem detetadas durante o treino, geralmente eram motivos de exclusão) e que é importante o bem-estar animal, pois um cão de trabalho deve ser saudável. No que se refere ao treino destes cães, o mesmo passava por várias fases: - ninhada: escolha de alguns cães a partir dos 2-3 meses de idade; - família de acolhimento: até 8-11 meses; - pré educador: 11-13/14 meses (apenas algumas associações); - educador: até cerca de 2/2,5 anos. Finalizado o treino o cão era entregue ao utilizador, ficando com ele até à sua substituição. Nesta altura era devolvido à associação (o cão é sempre pertença das associações) ou obtinha-se um acordo caso o utente ou a família de acolhimento pretendessem adotá-lo como cão de companhia. Numa das associações, o cão com 8 semanas ia diretamente para o treinador (ficando alojado na casa deste) passando pelo menos por 5 treinadores. Nesta associação, os 3 tipos de cães de assistência tinham um treino base semelhante, tendo depois seguimentos diferentes, direcionados para o tipo de utilizador em questão. Os métodos de treino mais referidos foram o uso de clicker e o reforço positivo através da recompensa. A duração da fase com o treinador variou entre 1 a 2 anos no cão-guia, 6 a 9 meses no cão para surdos e até 1 ano no cão de serviço. A entrega do cão ao utilizador fazia-se através da escolha do utente para um determinado animal treinado. Relativamente ao questionário 2 foram obtidas respostas de 32 utilizadores (13 do sexo masculino e 19 do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 22 e os 64 anos), relativas a 31 cães de assistência (29 cães-guia, 1 cão para surdos e 1 cão de serviço). O cão para surdos era o único deste tipo em Portugal e prestava serviço, em simultâneo, aos dois membros de um casal de surdos. A localização geográfica dos cães de assistência cujos utilizadores responderam ao questionário, por distrito, foi: Aveiro (3), Castelo Branco (1), Faro (4), Lisboa (15), Porto (2) (1 deles apoiava 2 utilizadores), Setúbal (4) e Viseu (2). As associações entrevistadas até ao momento não tinham cedido animais para as regiões autónomas, no entanto não foi possível confirmar se não existirá lá este tipo de cão, que eventualmente poderão ter outras proveniências. Cerca de 66% (21/32) dos utilizadores possuíam cão de assistência pela primeira vez. Os 34% (11/32) que já tinham tido mais cães de assistência para além do atual, tiveram apenas 1 ou 2 cães. Relativamente ao tempo que os utilizadores possuíam cães de assistência, verificou-se que a maioria (24 45

4 utilizadores) os tinha há mais de 4 anos, indo até 14 anos. A maioria dos animais foi adquirida através das associações inquiridas (28 cães), sendo os restantes 10% (3/31) adquiridos do estrangeiro. Constatou-se que 81% (25/31) dos cães de assistência neste estudo eram do sexo feminino e que todos eles estavam esterilizados. Apesar de a raça Labrador Retriever ter sido a mais referida nos utilizadores de cães-guia, também foram mencionados o cruzamento entre Labrador Retriever e Golden Retriever (1), Flat Coated Retriever (1), Labrador Retriever cruzado com Bouvier Bernois (1) e Pequinois (como cão para surdos) (1). Verificou-se que as idades dos cães de assistência quando eram doados aos utilizadores variavam entre 1 ano e 5 meses até aos 2 anos e 10 meses, sendo a média de 2 anos e 3 meses. Averiguou-se que todos os cães eram vacinados e que os tipos de vacinas administradas variavam. Exceto a vacina da raiva, pois 100% dos cães de assistência possuíam-na. As vacinas contra a parvovirose (29/31), a leptospirose (25/31), a esgana (29/31) e a hepatite canina (28/31) tinham sido administradas a quase todos os cães de assistência. A desparasitação, tanto interna como externa, obteve 100% de respostas positivas, embora a sua periodicidade variasse de utilizador para utilizador. A interna variava entre uma vez por mês até uma vez por ano. Por outro lado, a externa variava entre mensalmente e semestralmente. Na frequência da ida ao médico veterinário verificou-se que 55% (17/31) dos animais foi mais de 3 vezes por ano. Na questão o cão de assistência já teve alguma doença? verificou-se 55% (17/31) de respostas sim e 45% (14/31) de não. As doenças referidas foram: alergia, otite (a mais frequente), artroses, viroses, gastrite ou gastroenterite, incontinência urinária, epilepsia, cancro, pneumonia, hepatite, infeção do útero, volvo intestinal e quistos. Relativamente à alimentação dos cães, 97% (30/31) deles comiam alimento comercial de ração. Apenas um caso (cão para surdos) recebia ração dietética específica, que o utilizador referiu ser prescrita pelo médico veterinário. Verificou-se que 97% (30/31) dos cães comiam 2 vezes por dia, sendo que a maioria comia uma vez de manhã e a outra à noite. Apenas um dos utilizadores (3%) referiu que o seu cão comia apenas uma vez por dia. Todos os cães de assistência possuíam cama própria (localizada no quarto ou na sala do utilizador), mas alguns utentes referiram que o cão podia, por vezes, dormir junto deles. Os utilizadores foram questionados quanto ao valor emocional e ao valor útil que atribuíam ao seu cão de assistência, numa escala crescente de 1 a 5 e verificou-se que 78% (25/32) atribuiu uma pontuação de nível 5 no ponto de vista emocional e 75% (24/32) no ponto de vista de utilidade. A frequência com que os cães de assistência trabalhavam era diária para os 31 animais em estudo. Todos os utilizadores responderam que o seu cão de assistência tinha diariamente tempo para brincar, variando este tempo entre 10 minutos a mais de 2 horas, sendo maior ao fim de semana. A totalidade dos utilizadores referiu que dava recompensas ao seu cão. Uma percentagem de 84% (27/32) referiram dar a recompensa imediatamente após o trabalho bem efetuado, enquanto os outros 16% (5/32) davam esporadicamente, ao fim do dia ou apenas quando o cão realizava com sucesso uma nova aprendizagem. Ainda 2 utentes referiram que além da recompensa imediata atribuíam também uma recompensa em outras ocasiões (fim do dia de trabalho bem efetuado ou ao início do dia). A maioria, isto é 88% (28/32), dava comida (biscoito) como recompensa, sendo que a carícia e palavras carinhosas, eram também dadas com frequência. Alguns utilizadores davam um beijinho ao seu cão como sinal de gratidão. Uma percentagem de 72% (23/32) referiu que o seu cão de assistência já tinha desobedecido. As desobediências mais frequentes foram: não obedeceu aos primeiros comandos (13/31) e desobediência inteligente (8/31). As menos referidas foram: distração, retirou a coleira ou fugiu. Na resolução da desobediência os utilizadores referiram que se zangaram, castigaram, ou optaram por outras soluções: insistiram no comportamento pretendido (no caso de não responder aos comandos); deram uma recompensa no caso da desobediência inteligente, para que o cão compreendesse que fez bem em contrariar o utilizador; mandaram o cão parar, sentar e insistiram na ordem pretendida; ou puxaram a trela na direção que pretendiam que o cão se dirigisse. Uma percentagem de 88% (28/32) dos utilizadores referiu que o seu cão de assistência exercia sempre a sua função na presença de outras pessoas, enquanto os restantes 12% (4/32) referiram que nem sempre o faziam, sendo principalmente na presença de familiares do utilizador que o cão se distraía mais. A maioria dos utilizadores (69%) (22/32) referiu que após terminada a vida útil de trabalho do seu cão de assistência pretendiam ficar com ele, como cão de companhia. Os restantes ou não sabiam ainda ou devolveriam à associação e ainda outros queriam que fosse entregue a um seu familiar. Dos 34% (11/32) dos utilizadores que já tiveram mais do que um cão de assistência, referiram que o cão ou cães anteriores ficaram 36% (4/11) como cão de companhia, 28% (3/11) morreram por doença e 36% (4/11) tiveram outro destino - ficaram com família de acolhimento inicial ou foram para adoção. A parte 3, do questionário 2, referia-se aos compor- 46

5 tamentos aprendidos pelos diferentes tipos de cães de assistência. Verificou-se que todos os cães-guia deste estudo (29 casos) faziam percursos de rua (sendo o mais comum o percurso casa-trabalho) e usavam transportes públicos. Ainda 3 utilizadores referiram que o seu cão também reconhecia percursos em estabelecimentos públicos. Os transportes mais utilizados pelos cães de assistência eram o metro, o autocarro e o comboio. Como é sabido, os cães de assistência têm uma grande capacidade de memória (interiorizando uma grande quantidade de informação) e mais importante ainda, uma boa capacidade de registo pois não devem esquecer o que aprenderam. Todos os cães reconheciam palavras e quase todos reconheciam gestos, sons, objetos que os utentes pudessem deixar cair, carros de familiares ou amigos dos utentes, produtos comestíveis e brinquedos. A Tabela 1 reúne exemplos do que reconheciam os cães-guia, o cão para surdos e o cão de serviço deste estudo. Relativamente à chamada de atenção do utilizador por parte do cão para surdos (o único cão para surdos em Portugal, serviu de referência para este trabalho), esta podia ser feita de várias formas como saltar, correr para o local de onde vinha a fonte do som, colocar-se de pé ou ainda de outro modo como tocar com o focinho no joelho do utilizador. Discussão Os inquéritos realizados permitiram caraterizar os cães de assistência numa perspetiva mais próxima dos utilizadores assim como perceber como se transformam estes cães em seres que trazem benefícios para as pessoas com incapacidades. As aprendizagens base do treino dos 3 tipos de cães de assistência são semelhantes, mas as realizadas posteriormente são diferenciadas relacionando-se com as dificuldades e necessidades de cada tipo de utilizador. Um cão-guia precisa ser os olhos do seu utente, o cão para surdos precisa ser os seus ouvidos e o cão de serviço precisa de ser as mãos e as pernas do seu utilizador. Os cães provenientes do estrangeiro (neste estudo, 2 vieram dos Estados Unidos da América e 1 de França) podem ser uma alternativa para os utentes em lista de espera. Existe o inconveniente da língua estrangeira com a qual o cão está familiarizado e a qual o utente deve utilizar para poder obter o melhor desempenho do seu cão. A aquisição de cães de assistência em Portugal, além de permitir uma curta distância até aos utilizadores, permite que os comandos sejam em português, o que será mais fácil para os utentes, podendo ser umas das justificações para a pouca aquisição dos cães de assistência noutros países e as listas de espera nestas associações. O tempo máximo que os utilizadores tiveram cães de assistência foi de 14 anos, devendo-se ao facto destas associações em Portugal serem relativamente recentes (ABAADV treina cães desde 1999, a ÂNI- MAS desde 2002 e a Bocalán Portugal desde 2012). Há países como os Estados Unidos da América ou a França que possuem escolas de cães-guia há mais de 60 anos. Apesar da maioria dos cães de assistência serem fêmeas, uma das associações reconheceu que não tinha preferência, e que cada vez mais a tendência é usar tanto machos como fêmeas. As outras 2 associações preferem fêmeas por serem mais concentradas, além dos utilizadores preferirem fêmeas no geral. Apenas uma das associações referiu dar importância à cor da pelagem, principalmente no cão de serviço, dando preferência a cores claras (branco ou amarelo). Justificou esta opção porque a cor escura tem tendência a estar ligada com o obscuro e a noite (cães de pelo escuro podem ser mais assustadores para as pessoas), além de haver uma maior dificuldade de ser visto à noite. Foi considerado que o cão para surdos pode ser qualquer raça desde que tenha as caraterísticas necessárias a um cão de assistência (neste estudo este tipo de cão é da raça Pequinois). A esterilização dos cães de assistência permite que os animais tenham um temperamento mais calmo, principalmente devido à não existência de cio/atividade sexual. A vacinação de todos os cães de assistência em estudo mostra que os utilizadores dão importância à saúde do seu cão, tanto pelo seu bem-estar para estar apto a trabalhar como para prevenir maiores despesas no futuro. A frequência da desparasitação externa variou menos que a da interna, sendo que também variaram com a época do ano. Alguns utilizadores referiram que no inverno espaçavam mais a administração do desparasitante externo, relativamente ao verão, seguindo recomendações do médico veterinário. Apesar da prevalência da ida ao médico veterinário ser mais de 3 vezes por ano, os utentes referiram que é uma média e que dependia da saúde do seu animal e que iam maioritariamente verificar se estava tudo bem com a saúde do seu cão de assistência. O único utilizador que referiu dar a alimentação apenas uma vez por dia (à tarde), destacou que lhe dava de uma só vez a quantidade de alimento que deveria dar em 2 vezes ao dia, por recomendação do médico veterinário para regularizar o trânsito intestinal do animal. Os utilizadores referiram que aproximaram a cama do seu cão da sua, porque se aperceberam que o seu cão preferia estar perto. Os utentes que deram cotação 4 (da escala de 1 a 5), do ponto de vista de utilidade, referiram que este valor prendia-se principalmente com o facto de que 47

6 Tabela 1 - Exemplos do que reconheciam os cães-guia, os cães param surdos e os cães de serviço. O que reconhecia Palavras Gestos Sons Objetos Percursos Outros Cão guia Ordens: avança, para/ stop, fica, direita, esquerda, inverte, deita, salta, de pé, atenção, junto, porta, escadas, escadas rolantes, linhas, calma/devagar, rápido, cadeira, passeio, balcão, caixa; não mexe. Afeto: linda menina, muito bem, bom trabalho. Nome de locais: lojas, jardim/parque, café, restaurante, bar, hospital, centro comercial, banco, multibanco, piscina, correios, cabeleireiro. Nome de pessoas: familiares, amigos e proprietários de lojas. Nome de objetos: brinquedos, objetos da habitação no caso do cão para surdos e cão de serviço. Ordens: apontar para complementar as ordens proferidas: palavra avança complementada com o apontar para a frente; palavra deita complementada pelo apontar para o chão. Orientação: palavras direita/ esquerda complementadas pelo apontar para o lado respetivo. Sinais sonoros: semáforos de peões. Sons de estimulação: estalar os dedos, bater os pés, chiu, clicker, bater palmas, assobiar; Vozes de pessoas conhecidas; carros de familiares. Brinquedos; Comedouro; arnês; trela; chinelos do utilizador; carro. Casa-trabalho ou casa-faculdade. Lazer: centro comercial, café ou restaurante, casa de familiar ou amigo, trajetos de fimde-semana, praia. Utilidades: segurança social, banco, finanças, CTT, supermercado, farmácia, estação/paragem de autocarros ou de comboios, hospital, posto médico, clínica veterinária. Pessoas: amigos, familiares. Cão para surdos Função: senta, deita, quieta, pára, anda, corre, espera, porta, Glória (nome da utilizadora), Armando (nome do utilizador), nome de outros familiares, campainha, busca, não ouves (quando não cumpre alguma função). Outras: fome, comer, água, dorme, rua, passear, popó, ua (significa cão para a cadela), bola. Palavras em língua gestual/ gestos que acompanham ordens de forma complementá-las. Sons da habitação: alarmes, campainha, telefone; pessoa a chamar. Função: telefone, telemóvel, despertador; Da habitação: pertences dos utilizadores. Cão de assistência Ordens: senta, busca/ traz, quieta, deita. Orientação: atrás, junto. Ordens: apontar para complementar as ordens proferidas. Função: telemóvel, chinelos, papel. não sentem que eram totalmente dependentes do seu cão de assistência. Isto é, destacaram a importância do cão na sua vida, mas que sem ele também teriam capacidade de se orientar e fazer o seu dia-a-dia. O tempo diário para brincar e descansar era maior ao fim de semana, pois o tempo para brincar durante a semana variava sendo menor e dependendo dos empregos dos utentes. O facto de a maioria dos utilizadores dar a recompensa imediatamente a seguir ao trabalho bem efetuado, deve-se à facilidade com que o cão percebe o que fez bem e que repita esse comportamento. O biscoito foi considerado uma recompensa fácil de atribuir e ser um prémio bastante apetecível para o cão. Alguns utentes preferiam outros tipos de recompensa, como demonstração de carinho através de palavras ou gestos carinhosos, pois 48

7 consideraram o dar comida como um mau hábito, que dificultava um melhor controlo da dose diária de alimentação. Muitos dos utentes referiram que nenhum cão é uma máquina, sendo normal desobedecerem, principalmente quando a dupla ainda se está a conhecer. A desobediência inteligente não é exatamente uma desobediência (principalmente negativa) mas sim algo aprendido juntamente com o inato. Exemplos deste tipo de desobediência são as seguintes experiências: - Uma utilizadora de cão-guia referiu que insistiu para que a cadela avançasse, mas esta não o fazia até que acabou por se deitar aos seus pés. Momentos depois alguém a avisou que estava um carro a recuar na sua direção e a cadela simplesmente não a deixou avançar na direção do carro. - Outra utente referiu que se encontrava num piso superior de um centro comercial e pediu busca escadas ao seu cão-guia, mas este insistia em levá-la para junto do que ela considerava uma parede. Ao fim de algumas tentativas sempre com o mesmo resultado, foi-lhe referido que aquele piso não tinha escadas para o piso inferior e que o seu cão de assistência estava a colocá-la em frente a uma porta de elevador. O modo como é feita a resolução das desobediências variou de acordo com o tipo de insubordinação. A recompensa é apenas atribuída na desobediência inteligente. O cão de assistência distrai-se por vezes com outras pessoas ou animais, sendo necessário chamarlhe novamente a sua atenção através do parar, sentar e captar a sua atenção e só então repetir a ordem. O zangar e o castigo são resoluções apenas quando o cão teima em não obedecer aos comandos do utilizador, ou outra situação na qual o cão não está a cumprir o seu trabalho. Os cães que foram adotados pelas famílias de acolhimento deveu-se principalmente ao facto dos utentes não poderem sustentar mais do que um animal, já que tinham um novo cão de assistência ou estavam à espera de um. Além do autocarro, metro ou comboio, foram referidos outros transportes que os cães guia podem utilizar, tal como o carro, o avião ou o barco. Um utilizador referiu que o seu cão chegou a deslocar-se nos cestos que descem uma rua na Madeira, podendo-se reconhecer que o cão de assistência se adapta até ao transporte menos comum. O reconhecimento de palavras por todos os cães de assistência é muito importante pois é o principal modo de comunicação e funcionamento da dupla. É através das palavras que os utilizadores dão os comandos aos seus cães e estes percebem como devem agir. Muitas ordens são iniciadas com a palavra buscar/busca. Exemplos dessas palavras são: busca linhas (passadeira para peões), busca escadas, busca porta, busca passeio, busca multibanco, busca café, entre outros. Reconhecem ainda nomes de locais, nomes de familiares ou amigos e nome dos objetos mais comuns no dia-a-dia do cão, tanto da habitação como fora dela. Os sons são importantes para a maioria dos cãesguia e fundamental para os cães para surdos. Os gestos são importantes para a maioria dos utilizadores de cães de assistência pois são usados para complementar palavras, principalmente as de orientação ou de ordens, facilitando a compreensão do cão e melhorando a execução das suas tarefas. Como referido na tabela 1, os percursos casa-trabalho ou casa-faculdade são os mais reconhecidos pelos cães-guia. Outros percursos importantes são os da rotina de qualquer pessoa, como as utilidades ou de lazer. O cão para surdos quando ouve um som que seja importante para o seu utilizador, pode chamar a atenção deste, de várias formas. Além dos sons que aprendeu a destacar, a cadela deste estudo desenvolveu, de forma autónoma, capacidade de alertar o utilizador para outros sons, como o de uma trovoada ou o de uma chuva mais intensa. Esta faz uma sequência de comportamentos, sendo que primeiro salta, depois toca no joelho dos utentes e depois corre para a fonte do som (ou para o local mais próximo possível). Esta sequência é encurtada quando a cadela vê que o utilizador já está a olhar para ela, correndo apenas para o local de onde vem o som. Assim, o tocar e o saltar serve para chamar primeiro a atenção do utilizador. Esta cadela é também um meio de comunicação entre o casal de surdos que respondeu ao questionário, nomeadamente quando um utilizador chama o outro. Sendo um cão para surdos, entende palavras tanto em língua oral como gestual. Conclusão Os cães de assistência necessitam de um treino intensivo, o que implica custos e esforço de uma variedade de pessoas (associações, utilizadores e famílias de acolhimento). Além disso, estes animais requerem uma rotina e cuidados extra, para que o seu trabalho não seja afetado. Mesmo assim, verifica-se que os utentes se preocupam com os seus cães, nomeadamente com a sua saúde e o seu bem-estar. Verificou-se que apesar da aceitação dos cães de assistência, ainda existem muitos preconceitos que precisam ser modificados, para que o utilizador se sinta mais próximo da sociedade em geral. Finalmente conclui-se que apesar de em Portugal ainda haver poucos cães de assistência, nomeadamente cães para surdos e cães de serviço, se verifica um esforço para que haja uma maior evolução, que teima em ser lenta. Agradecimentos Aos utilizadores de cães de assistências, às associações e a todos aqueles que contribuíram, de algum modo para a concretização deste estudo. 49

8 Bibliografia Decreto-Lei n.º 74/2007, de 27 de Março. Diário da República, 1.a série- N o 61. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Lisboa. Froling J (2001). International Association of Assistance Dog Partners (IAADP). Assistance dog tasks. Disponível em: Acesso em: 27 Jun Mariti C, Ricci E, Carlone B, Moore JL, Sighieri C, Gazzano A (2012). Dog attachment to man: a comparison between pet and working dogs. Journal of Veterinary Behavior, 8 (3), 2. Disponível em: science/article/pii/s Acesso em: 24 Fev Naderi S, Miklósi Á, Dóka A, Csányi V (2001). Co-operative interactions between blind persons and their dogs. Applied Animal Behaviour Science, 74, 59-62, Disponível em: dog_blind.pdf. Acesso em: 21 Fev Rintala DH, Matamoros R, Seitz LL (2008). Effects of assistance dogs on persons with mobility or hearing impairments: a pilot study. Journal of Rehabilitation Research & Development, 45(4), Disponível em: research.va.gov/programs/jrrd/45_4/rintala.pdf. Acesso em: 21 Fev Tomkins LM, Thomson PC, McGreevy PD (2012). Associations between motor, sensory and structural lateralisation and guide dog success. The Veterinary Journal, 192, , Disponível em: com/science/article/pii/s Acesso em: 1 Abr Winkle M, Crowe T, Hendrix I (2012). Service dogs and people with physical disabilities partnerships: a systematic review. Occupational Therapy International, 19, 55, 57-58, 64. Disponível em: Acesso em: 1 Abr

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO A educação rodoviária deve começar o mais cedo possível. Ensine, com antecedência, as normas básicas de segurança rodoviária ao seu filho. Para ele, os pais constituem referências e modelos que procura

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

Um artigo de Carlos Costa

Um artigo de Carlos Costa quadernsanimacio.net nº 10; julio de 2009 EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS DOS ANIMAIS: PROGRAMAS DE CÃOMINHADAS CAMINHADAS COM CÃES Um artigo de Carlos Costa Foto 1 20.10.2007, 10:20h, Serra da Freita (Portugal)

Leia mais

24 Questionário para Meses

24 Questionário para Meses De 23 meses e 0 dia até 25 meses e 15 dias 24 Questionário para Meses Por favor, preencha o formulário abaixo. Use caneta preta ou azul e escreva em letra de forma. Data do preenchimento: D D M M A A A

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

Atividade física adaptada

Atividade física adaptada Atividade Física Adaptada e Saúde para Todos Perspectivas Holística, Política, de Desenvolvimento e de Diversidade Atividade física adaptada Grupo alvo: portadores de deficiência mental Objetivos As atividades

Leia mais

17-10-2011. Animais Abandonados. Está a aumentar! A. Falta de dinheiro: 1. Comida. 2. Caminha e casota. 1. Comida. 2. Caminha e casota. 3.

17-10-2011. Animais Abandonados. Está a aumentar! A. Falta de dinheiro: 1. Comida. 2. Caminha e casota. 1. Comida. 2. Caminha e casota. 3. Está a aumentar! Animais Abandonados Estágio final do Mestrado Integrado de Medicina Veterinária Diana Gomes Baptista A. Falta de dinheiro:. Comida. Caminha e casota. Veterinário. Comida DIA MÊS 500 g.

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO?

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO? i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS É importante perceber que à medida que as crianças crescem e se desenvolvem, a sua rotina do sono também muda. Assim, será possível que um recém-nascido possa dormir cerca

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS INDICE 1- Caracterização do grupo 2- Tema do projeto pedagógico da sala dos Curiosos: A Brincar vamos descobrir

Leia mais

O QUE SABER ANTES DA DECISÃO DE TER UM CÃO COMO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO

O QUE SABER ANTES DA DECISÃO DE TER UM CÃO COMO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira O QUE SABER ANTES DA DECISÃO DE TER UM CÃO COMO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO Ter um animal na nossa vida é muito gratificante, é um amigo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA. Faculdade de Medicina Veterinária CÃES DE ASSISTÊNCIA EM PORTUGAL: CÃES-GUIA, CÃES PARA SURDOS E CÃES DE SERVIÇO

UNIVERSIDADE DE LISBOA. Faculdade de Medicina Veterinária CÃES DE ASSISTÊNCIA EM PORTUGAL: CÃES-GUIA, CÃES PARA SURDOS E CÃES DE SERVIÇO UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária CÃES DE ASSISTÊNCIA EM PORTUGAL: CÃES-GUIA, CÃES PARA SURDOS E CÃES DE SERVIÇO SOFIA ALEXANDRA PEREIRA DO CARMO CONSTITUIÇÃO DO JÚRI: Doutor Luís

Leia mais

RESULTADOS RELATIVOS A GRÂNDOLA INDICADORES DO «CIDADES» (N = 306)

RESULTADOS RELATIVOS A GRÂNDOLA INDICADORES DO «CIDADES» (N = 306) RESULTADOS RELATIVOS A GRÂNDOLA INDICADORES DO «CIDADES» (N = 306) Inquiridos que assinalam (N) % Espaços públicos (Ex.: Jardins, Praças, etc...) 182 61,5% Passeio das ruas 203 68,6% Passadeiras 196 66,2%

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

Page 1 PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE

Page 1 PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Page 1 PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Lista e número das perguntas e respectivas respostas: 1. P - Como ser um dono responsável de um animal de companhia?

Leia mais

II CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM CÃES

II CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM CÃES II CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM CÃES II CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM CÃES Todos os dias os hospitais do Paraná atendem mais de 100 vítimas de mordida

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão Easy Series PT Guia do utilizador Painel de Controlo de Intrusão Easy Series Guia do utilizador Utilizar o teclado de comando Utilizar o teclado de comando Estados do Dispositivo de Visualização Dispositivo

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

Manual do Professor Como organizar o jogo da Serpente Papa-Léguas na sua escola

Manual do Professor Como organizar o jogo da Serpente Papa-Léguas na sua escola Manual do Professor Como organizar o jogo da Serpente Papa-Léguas na sua escola Índice 1 1. INTRODUÇÃO 3 1.1 O que é o jogo da Serpente Papa-Léguas? 3 1.2 Por quê este jogo? 3 1.3 Calendarização 3 2. O

Leia mais

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Caraterização das práticas relacionadas com o consumo de água nas empresas de alojamento turístico de Montemor-o-Novo Anualmente,

Leia mais

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3.

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. ÂMBITO: Aplica-se a todos os professores da Escola Municipal de Natação nos tanques

Leia mais

Jardim Infantil Popular da Pontinha. Projeto Educativo Creche

Jardim Infantil Popular da Pontinha. Projeto Educativo Creche Jardim Infantil Popular da Pontinha Projeto Educativo Creche Crianças de 1 ano Educadora : Célia Ano Letivo:2013 /14 1 Introdução Um Projeto Educativo assume-se como um documento orientador que define

Leia mais

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais 1. Deficiência visual A deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual, com caráter definitivo. As limitações do campo visual

Leia mais

Cães de assistência - Decreto-Lei nº 74/2007, de 27 de Março

Cães de assistência - Decreto-Lei nº 74/2007, de 27 de Março Cães de assistência - Decreto-Lei nº 74/2007, de 27 de Março EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social SUMÁRIO: Consagra o direito de acesso das pessoas com deficiência acompanhadas de

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Associação Para o Desenvolvimento de Lagares

Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Projecto Pedagógico 2010 / 2011 Educadora: Lígia Moreira Sala dos amiguinhos A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo da educação

Leia mais

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado.

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado. www.prp.pt A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica e é uma estrutura de apoio de uma educação que se vai desenvolvendo ao longo da vida. Assim, é fundamental que a Educação Rodoviária

Leia mais

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança!

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança! Educação e Prevenção Rodoviária Conduzo a bicicleta em segurança! Andar de bicicleta é muito divertido, mas deves aprender algumas regras de segurança. Podes divertir-te no parque ou no jardim, nas ciclovias

Leia mais

Para aprender e colorir!

Para aprender e colorir! Para aprender e colorir! A Ampara Animal é uma organização não governamental (ONG) de proteção animal cuja missão é atuar de modo preventivo na transformação da realidade em que se encontram os cães e

Leia mais

COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER. Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados.

COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER. Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados. COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados. RUSS PALMER: nasceu surdo e foi diagnosticado com síndrome de Usher aos 21 anos.

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Ansiedade em crianças e adolescentes

Ansiedade em crianças e adolescentes Ansiedade em crianças e adolescentes A ansiedade é uma parte normal do desenvolvimento das crianças. Contudo, algumas crianças/jovens sentem ansiedade de uma forma mais intensa e frequente do que a maioria

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

Como Começar a Usar o PECS

Como Começar a Usar o PECS Como Começar a Usar o PECS PASSO 1 - As instruções que me foram dadas pela professora com treinamento no Teacch e pela fonoaudióloga da primeira escola que meu filho freqüentou são as seguintes: Eu deveria

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11 - 1 - ÍNDICE Introdução 2 Deficientes mentais 3 Deficientes mentais reabilitados 5 Doentes crónicos 7 Deficientes motores 9 Deficientes visuais 11 Deficientes auditivos 13 Apresentação do Grupo de Trabalho

Leia mais

As Tecnologias de Informação na minha Vida Pessoal e Profissional

As Tecnologias de Informação na minha Vida Pessoal e Profissional As Tecnologias de Informação na minha Vida Pessoal e Profissional Foi na madrugada de 03 de Agosto de 1972, que nasceu uma linda menina, no Hospital de Faro, e deram-lhe o nome de Fernanda Maria. Essa

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

Manuela Cerqueira 23 de Maio de 2011

Manuela Cerqueira 23 de Maio de 2011 Manuela Cerqueira 23 de Maio de 2011 Higiene Animal Compreende todos os procedimentos e condutas que nos auxiliem a prevenir doenças e a manter a saúde e o bem-estar dos nossos animais. Higiene Animal

Leia mais

Recupere. sono. o ritmo. Conselhos para pessoas que sofrem de insónia

Recupere. sono. o ritmo. Conselhos para pessoas que sofrem de insónia Recupere do sono o ritmo Conselhos para pessoas que sofrem de insónia Prefácio O sono é fundamental na vida de todos nós. Dormir não é um luxo, mas sim uma necessidade fisiológica que devemos respeitar.

Leia mais

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL DEFESA CIVIL Dicas de Segurança Governo do Estado do Rio Grande do Sul Gabinete de Governo - Casa Militar Prefeitura Municipal de Balneário Pinhal Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Coordenadoria Municipal

Leia mais

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos ÁREA DA AUTONOMIA Ser autónomo ao nível da alimentação Preparar o seu lanche: barrar fatias de pão Descascar fruto: banana Esmagar a banana Comer o iogurte sem apoio ACTIVIDADE 1: Quais são os frutos iguais?

Leia mais

Programa para promover as competências numéricas

Programa para promover as competências numéricas Programa para promover as competências numéricas Luísa Cotrim, Teresa Condeço ACTIVIDADES PARA PROMOVER A LINGUAGEM E O AMBIENTE MATEMÁTICO EM IDADE PRECOCE A experiência do numérico nas actividades quotidianas

Leia mais

REGULAMENTO APROVADO PELO CLUBE PORTUGUÊS DE CANICULTURA Cão de Companhia (BH) DO CLUBE PORTUGUÊS DE CANICULTURA PARA CÃES DE UTILIDADE

REGULAMENTO APROVADO PELO CLUBE PORTUGUÊS DE CANICULTURA Cão de Companhia (BH) DO CLUBE PORTUGUÊS DE CANICULTURA PARA CÃES DE UTILIDADE REGULAMENTO APROVADO PELO CLUBE PORTUGUÊS DE CANICULTURA Cão de Companhia (BH) DO CLUBE PORTUGUÊS DE CANICULTURA PARA CÃES DE UTILIDADE Artigo 1º Inicio do BH O condutor apresenta-se ao juiz de trabalho,

Leia mais

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO MANUAL DO CUIDADOR PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO 3 GUIA PRÁTICO ILUSTRADO Aumente a sua qualidade de vida e a do idoso dependente também! REDE REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Siga

Leia mais

A DEFICIÊNCIA NA COMUNICAÇÃO SOCIAL BOAS PRÁTICAS PARA JORNALISTAS. A diversidade humana é uma realidade e não pode ser ignorada pelos jornalistas

A DEFICIÊNCIA NA COMUNICAÇÃO SOCIAL BOAS PRÁTICAS PARA JORNALISTAS. A diversidade humana é uma realidade e não pode ser ignorada pelos jornalistas A DEFICIÊNCIA NA COMUNICAÇÃO SOCIAL BOAS PRÁTICAS PARA JORNALISTAS ÍNDICE 1. Aspetos básicos a ter em conta A diversidade humana é uma realidade e não pode ser ignorada pelos jornalistas Conceitos na ordem

Leia mais

Projeto Pedagógico. Sala Curiosos

Projeto Pedagógico. Sala Curiosos Projeto Pedagógico Sala Curiosos Ano Letivo 2013-2014 2 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS 2013/ 2014 Índice 1- Introdução 2- Caracterização do Grupo 3.- Caracterização da Faixa Etária 4- Fundamentação

Leia mais

Lidando com o Cão Dominante

Lidando com o Cão Dominante Lidando com o Cão Dominante De Eugênio Gomes, 2006. Baseado no texto Dealing With the Dominant Dog, de Ed Frawley. Introdução Muitas pessoas, incluindo treinadores experientes, entendem mal a dominância

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

Escola Bem-Me-Quer - Educação Infantil e Ensino Fundamental, na Modalidade Educação Especial Rua Bonfim, 1621 - CEP 85.901-150 Toledo - Paraná

Escola Bem-Me-Quer - Educação Infantil e Ensino Fundamental, na Modalidade Educação Especial Rua Bonfim, 1621 - CEP 85.901-150 Toledo - Paraná Escola Bem-Me-Quer - Educação Infantil e Ensino Fundamental, na Modalidade Educação Especial Rua Bonfim, 1621 - CEP 85.901-150 Toledo - Paraná Plano de Trabalho Docente 2014 Educação Infantil Estimulação

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

TANSPORTE DE ANIMAIS DE COMPANHIA

TANSPORTE DE ANIMAIS DE COMPANHIA Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira TANSPORTE DE ANIMAIS DE COMPANHIA Estamos no Verão, uma altura óptima para tirar férias, descansar e viajar. E quando se trata

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS!

PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS! Instituto Português da ualidade PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS! Brincar e nadar em segurança é uma brochura desenvolvida pela Direção-Geral do Consumidor, com o apoio do Instituto Português da Qualidade

Leia mais

PERCEBER&O&CAT S&STATE&OF& MIND&

PERCEBER&O&CAT S&STATE&OF& MIND& 21/06/14 GIEFEL& &Grupo&de&interesse&especial&em&medicina&felina& & geral@vetalmada.pt& crisgouveiasobral@gmail.com& " 1" PERCEBER&O&CAT S&STATE&OF& MIND& I"AM"GREAT"" AND"POWERFUL." MAKE"ME"FOOD." 2"

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Legislação de Trânsito 14, neste material. 115 Para

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Our Mobile Planet: Portugal

Our Mobile Planet: Portugal Our Mobile Planet: Portugal Compreender o Consumidor de Telemóveis Maio de 2013 Informações Confidenciais e de Propriedade da Google 1 Resumo Executivo Os smartphones tornaram-se uma parte indispensável

Leia mais

Regras de Trânsito do Japão

Regras de Trânsito do Japão Regras de Trânsito do Japão (Versão para pedestres e bicicletas) ~ Para não sofrer acidentes de trânsito ~ Supervisão: Polícia da Província de Gifu Edição / Publicação: Província de Gifu Regras básicas

Leia mais

Os primeiros contatos de aluno surdocego pré-linguístico em contexto de escola regular: uma mudança de olhar Fernanda Cristina Falkoski 1

Os primeiros contatos de aluno surdocego pré-linguístico em contexto de escola regular: uma mudança de olhar Fernanda Cristina Falkoski 1 Os primeiros contatos de aluno surdocego pré-linguístico em contexto de escola regular: uma mudança de olhar Fernanda Cristina Falkoski 1 O objetivo deste trabalho é descrever o relato de uma experiência

Leia mais

Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha

Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha 1 Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha Rev. 02 2014 Índice Preâmbulo... 3 2 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Instalações... 3 Artigo 2º - Objeto e Finalidade... 3 Artigo 3º - Propriedade

Leia mais

Regulamento do PROGRAMA DE FIDELIDADE 8+1 ROYAL CANIN

Regulamento do PROGRAMA DE FIDELIDADE 8+1 ROYAL CANIN Regulamento do PROGRAMA DE FIDELIDADE 8+1 ROYAL CANIN A Royal Canin (Portugal), S.A., sociedade anónima com sede em Parque Solvay, Quinta do Anabique Lote B 2625-090 Póvoa de Santa Iria, matriculada na

Leia mais

Consumos Aditivos Sem Substância

Consumos Aditivos Sem Substância Consumos Aditivos Sem Substância Hábitos com videojogos Escola Básica e Secundária Matilde Rosa Araújo Dr.ª Mariana Coutinho Nogueira Dr. ª Ana Sofia Vitorino Enfermeira Virna Ustá 2 Introdução É durante

Leia mais

Security, Health and Safety

Security, Health and Safety Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt As quedas, escorregadelas e os tropeçamentos são a causa de acidentes e ferimentos entre Trabalhadores.

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno.

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno. CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno GRUAS 16 Valores (Formador David Inverno) Introdução Gruas No âmbito da UFCD

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação

Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação O projecto O CIES-ISCTE (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia), em colaboração com a PT. COM Comunicações Interactivas,

Leia mais

Mantendo as Crianças em Segurança

Mantendo as Crianças em Segurança PORT.SAFETY 2013 Mantendo as Crianças em Segurança Colocar-se em situações de perigo não é sinal de mau comportamento. As crianças precisam aprender a se manter em segurança à medida que exploram o mundo.

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS 3 a 5 ramos baixos não fixos de 3 a 5 cm de diametro distância entre os ramos: 1.00 metro largura 1.80 a 2.00 metros altura acima do garrote iniciação e juvenis: 30

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte:

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 1063/97, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1063/97 de 21 de Outubro

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano Sempre que me encontro em Reguengos não perco a oportunidade de observar atentamente os jogos do meu Clube. Tenho visto, nomeadamente, no escalão de Sub 14 masculino

Leia mais

9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial

9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial 9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial Regras a observar na utilização da Piscina 1 Utilização

Leia mais

Como ensinar o cachorro a fazer as necessidades no sítio certo?

Como ensinar o cachorro a fazer as necessidades no sítio certo? Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira Como ensinar o cachorro a fazer as necessidades no sítio certo? É um grande desafio ensinar o nosso cachorro a fazer as necessidades

Leia mais

A Brincar também se aprende

A Brincar também se aprende CENTRO DE ACÇÃO SOCIAL, CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE E SEGURANÇA SOCIAL DO DISTRITO DE FARO Centro de Bem-Estar infantil da Falfosa Projecto Pedagógico da Sala Amarela A Brincar também

Leia mais

PASTOR ALEMÃO CLUBE DE PORTUGAL

PASTOR ALEMÃO CLUBE DE PORTUGAL PASTOR ALEMÃO CLUBE DE PORTUGAL Regulamento para Provas de BH (Prova para cães de companhia) Condições gerais A idade mínima de admissão é 15 meses. Com a conclusão da prova não se darão resultados por

Leia mais

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo Setembro 2014 A Associação Onda de Palavras é um projeto jovem e pioneiro. Princípios: simplicidade, eficácia, rigor e excelência. Principal

Leia mais

Dicas para minimizar o. risco de quedas

Dicas para minimizar o. risco de quedas saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 1 - Março 2014 Dicas para minimizar o risco de quedas Adaptação dos ambientes e produtos específicos podem evitar quedas

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO NO ENSINO DA MATEMÁTICA

A IMPORTÂNCIA DO JOGO NO ENSINO DA MATEMÁTICA A IMPORTÂNCIA DO JOGO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Raquel Alves carinaferrao@live.com.pt Rita Brito britoarita@gmail.com RESUMO A Matemática é uma ciência de grande consideração para o desenvolvimento social

Leia mais

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Editor Instituto Nacional de Estatística, IP Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa, Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do Conselho

Leia mais