ORDEM DOS ENGENHEIROS MAIO 2015 COIMBRA EXÉRCITO PORTUGUÊS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORDEM DOS ENGENHEIROS MAIO 2015 COIMBRA EXÉRCITO PORTUGUÊS"

Transcrição

1 ORDEM DOS ENGENHEIROS MAIO 2015 COIMBRA EXÉRCITO PORTUGUÊS

2 REGIMENTO DE ENGENHARIA Nº1 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS EXPLOSIVOS SAPADORES C-IED EOD TEDEX

3 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS ESTRUTURA NO EXÉRCITO CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS Regimento de Engenharia N.1 GRUPO EQUIPAS EOD Doutrina, Formação e Treino Partilha de Recursos LI/LL / Operações EXPLOSIVOS SAPADORES C-IED EOD TEDEX

4 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DESTRUIÇÕES MINAS ARMADILHAS Sapadores C-IED EOD TEDEX

5 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DESTRUIÇÕES MINAS ARMADILHAS Sapadores C-IED EOD TEDEX

6 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DESTRUIÇÕES MINAS ARMADILHAS Sapadores C-IED EOD TEDEX

7 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DESTRUIÇÕES MINAS ARMADILHAS Sapadores C-IED EOD TEDEX

8 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DESTRUIÇÕES MINAS ARMADILHAS CENTRE DE PERFECTIONNEMENT AUX ACTIONS POST- CONFLICTUELLES DE DÉMINAGE ET DE DÉPOLLUTION Sapadores C-IED EOD TEDEX

9 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS TREINO COUNTER-IED Sapadores C-IED EOD TEDEX

10 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS TREINO COUNTER-IED Sapadores C-IED EOD TEDEX

11 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS ENGENHARIA E SEGURANÇA Sapadores C-IED EOD TEDEX

12 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DEMOLIÇÕES MÉTODOS EXPLOSIVOS Sapadores C-IED EOD TEDEX

13 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS DEMOLIÇÕES MÉTODOS EXPLOSIVOS Sapadores C-IED EOD TEDEX

14 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS EOD IEDD CBRN EOD Sapadores C-IED EOD TEDEX

15 CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS EOD IEDD CBRN EOD Sapadores C-IED EOD TEDEX

16 GRUPO EQUIPAS EOD OPERAÇÕES EOD IEDD CBRN EOD GrEqEOD A Perigos Incógnitos do Mundo

17 GrEqEOD MISSÃO Prepara-se para executar operações em todo o espectro das operações militares, no âmbito nacional ou internacional, de acordo com a sua natureza. Operações de inactivação de engenhos explosivos improvisados e convencionais GrEqEOD A Perigos Incógnitos do Mundo

18 EXÉRCITO PORTUGUÊS GrEqEOD EOD EM OPERAÇÕES TERRESTRES Funções EOD em apoio ás Operações Inativação UXO (Unexploded Explosive Ordnance) IED (Improvised Explosive Device ) Munições Capturadas/ Abandonadas do IN ERW ( Explosive Remnants of War) CBRN IED/ EOD (Explosive Ordnance Disposal) Armas de Destruição Massiva Apoio em Operações de Forças Especiais Recolha de Informações sobre Táticas e Técnicas UXO IED Munições Capturadas/ Abandonadas do IN ERW Exploração de achados Análise técnica pós explosão Proteção da Força Destruição Completa Providenciar a Formação/ Treino nas vertentes de risco explosivo Apoio em ações de Desminagem Humanitária Apoio de autoridades Civis Avaliação de vulnerabilidades UXO IED Munições Capturadas/ Abandonadas do IN ERW Apoio em Limpezas de Campos de Tiro Munições encravadas Munições falhadas Sistema de Armas danificadas Munições CBRN Apoio em Operações de Forças Especiais Munições fora de serviço GrEqEOD A Perigos Incógnitos do Mundo

19 CTEC GrEqEOD DESTRUIÇÃO EM MASSA: HISTÓRICO RECENTE Explosivo Militar Paióis Nacionais Tancos ton Nitroglicol a 90% (SUPERDOPEX) EEI-SPEL Granadas Morteiro HE ISAF/Exército 2013 (coordenação) Granadas WP Fumígenas/Incendiárias Exército Detonadores/Acessórios lançamento fogo ORICA litros Magnesium Powder 100% Munições Alto Explosivo ZMA/Exército saídas p/ano inactivação de engenhos explosivos (média 300un p/ano) Destruição periódica explosivo inactivado (2 p/ano) (média 100 kg) GrEqEOD A Perigos Incógnitos do Mundo

20 CTEC GrEqEOD DESTRUIÇÃO EM MASSA: REGRAS GERAIS SEGURANÇA Elaboração de Plano de Operações e Medidas Mitigação Risco Localização do Polígono de Destruição Fornilho escavado/enterrado Geometria do Fornilho Ordenação/preparação do material a destruir Afastamento mínimo entre fornilhos 50m Espera para arrefecimento e reparação do fornilho para novos tiros Carga Máxima Instantânea - 150kg (Campo Militar Santa Margarida) Cumprimento das Distâncias de Segurança GrEqEOD A Perigos Incógnitos do Mundo

21 CTEC GrEqEOD DESTRUIÇÃO EM MASSA: CONCLUSÕES Ordenação/preparação do material a destruir Carga Máxima Instantânea - 150kg (CMSM) Operações Morosas Volume de trabalho requerido Calma e temperança requerida pela gravidade dos danos em caso de acidente Operadores qualificados e experientes Preferência pela Destruição por Detonação GrEqEOD A Perigos Incógnitos do Mundo

22 Regimento de Engenharia N.1 CONTACTOS CENTRO DE TREINO EM EXPLOSIVOS E CONTRAMEDIDAS (CTEC) GRUPO DE EQUIPAS EOD Tancos, Portugal EXPLOSIVOS SAPADORES C-IED EOD TEDEX

23 EXÉRCITO PORTUGUÊS OBRIGADO PELA ATENÇÃO AO DISPOR PARA RESPONDER A QUESTÕES!

GRUPO DE MONITORES INTERAMERICANOS NA COLÔMBIA GMI/CO

GRUPO DE MONITORES INTERAMERICANOS NA COLÔMBIA GMI/CO GRUPO DE MONITORES INTERAMERICANOS NA COLÔMBIA GMI/CO INFORMATIVO NR 06, JUNHO DE 2012 VÍTIMAS DE MINAS ANTI-PESSOAL NA COLÔMBIA SITUAÇÃO DA DESMINGEM NA COLÔMBIA Fonte: Programa Presidencial para a Ação

Leia mais

NND 09.10. Desminagem

NND 09.10. Desminagem NND 09.10 Normas Nacionais de Desminagem Desminagem Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax: +258 1 418577 Email: info@ind.gov.mz

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

ISRAEL at LAAD 2013. Mistral Group

ISRAEL at LAAD 2013. Mistral Group Mistral Group Detecção e Identificação de Drogas Os produtos para Detecção e Identificação de Drogas da Mistral são os mais novos e efetivos testes preliminares de uso em campo para forças da justiça,

Leia mais

Lei n. o 52/2003 22-08-2003...

Lei n. o 52/2003 22-08-2003... Lei n. o 52/2003 22-08-2003 Diploma consolidado Assunto: Lei de combate ao terrorismo (em cumprimento da Decisão Quadro n.º 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de junho) - décima segunda alteração ao Código

Leia mais

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6 CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA Junho de 2013 Página 1 de 6 Página 2 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO Nome Jorge Manuel Dias Sequeira Data de nascimento 27 de Dezembro de 1966 Morada Rua Dom Jorge da

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto

Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto Lei de combate ao terrorismo (em cumprimento da Decisão Quadro nº 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de Junho) - Décima segunda alteração ao Código de Processo Penal e décima

Leia mais

Sangue nas mãos dos EUA

Sangue nas mãos dos EUA Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Publicado em 2014/08/04, em: http://www.rebelion.org/noticia.php?id=188051 Tradução do castelhano de TAM Colocado

Leia mais

DOUTRINA. Tecnologias Não-letais Ferramentas para o Uso Proporcional da Força

DOUTRINA. Tecnologias Não-letais Ferramentas para o Uso Proporcional da Força DOUTRINA Tecnologias Não-letais Ferramentas para o Uso Proporcional da Força REALIDADE ATUAL A natureza dos conflitos mudou... Atualmente a violência urbana expõe os cidadãos e Agentes da Lei a riscos

Leia mais

Normas: uma ponte para a inovação

Normas: uma ponte para a inovação Normas: uma ponte para a inovação Workshop 12 de novembro de 2014 Auditório do Departamento de Engenharia Mecânica Rua Luís Reis Santos Polo 2 da Universidade de Coimbra Entrada livre Programa 14:30 14:40

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 Sistema de Gerenciamento de SSM na Comgás Liderança e Comprometimento Política e Objetivos Estratégicos Organização, Responsabilidades, Recursos, Padrões

Leia mais

NND 05.10. Gestão de Informação

NND 05.10. Gestão de Informação NND 05.10 Normas Nacionais de Desminagem Gestão de Informação Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax: +258 1 418577 Email:

Leia mais

0938/007T 03.2008 1,000 MUNIÇÕES CLUSTER DÉCADAS DE FRACASSO DÉCADAS DE SOFRIMENTO PARA A POPULAÇÃO CIVIL

0938/007T 03.2008 1,000 MUNIÇÕES CLUSTER DÉCADAS DE FRACASSO DÉCADAS DE SOFRIMENTO PARA A POPULAÇÃO CIVIL 0938/007T 03.2008 1,000 MUNIÇÕES CLUSTER DÉCADAS DE FRACASSO DÉCADAS DE SOFRIMENTO PARA A POPULAÇÃO CIVIL MUNIÇÕES CLUSTER DÉCADAS DE FRACASSO DÉCADAS DE SOFRIMENTO PARA A POPULAÇÃO CIVIL Comitê Internacional

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Marcos Aurelio Pchek Laureano laureano@ppgia.pucpr.br Roteiro Conceitos básicos Importância da Informação utilidade, valor, validade, classificação Riscos Análise Identificação Gerência

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo. Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO Juiz Auxiliar da Corregedoria

Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo. Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO Juiz Auxiliar da Corregedoria Órgão Tribunal de Justiça do Amazonas Email para contato sidney.brito@tjam.jus.br Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO

Leia mais

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010 GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS José Silva Carvalho 09.04.2010 Uma abordagem qualitativa Enquadramento do Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas

Leia mais

Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana

Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana CONSELHO DAS ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS DE ENGENHEIROS CIVIS DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E CASTELHANA Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos

Leia mais

Desde então o GMI-CO, trabalhou na capacitação dos militares colombianos e no monitoramento das Operações que se desenvolveram nos anos seguintes.

Desde então o GMI-CO, trabalhou na capacitação dos militares colombianos e no monitoramento das Operações que se desenvolveram nos anos seguintes. A missão de Desminagem Humanitária na Colômbia teve sua origem em setembro de 2005 quando o Diretor do Programa de Ação Humanitária contra Minas da Organização dos Estados Americanos (OEA) solicitou o

Leia mais

O leque de nossas possibilidades profissionais

O leque de nossas possibilidades profissionais O perfil da empresa O leque de nossas possibilidades profissionais Perfuração & Explosão Jens Weiss Ltda É uma empresa especializada em serviços de preparação e execução de explosão de todos os tipos.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

NORMAS INTERNAS DE PROTEÇÃO DA PARENTALIDADE ESPECÍFICAS DOS MILITARES DO EXÉRCITO

NORMAS INTERNAS DE PROTEÇÃO DA PARENTALIDADE ESPECÍFICAS DOS MILITARES DO EXÉRCITO NORMAS INTERNAS DE PROTEÇÃO DA PARENTALIDADE ESPECÍFICAS DOS MILITARES DO EXÉRCITO Com a entrada em vigor da Lei n.º 23/2012 que procede à terceira alteração ao Código de Trabalho, aprovado pela Lei 7/2009,

Leia mais

FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/ PREPARAÇÃO DA EMPRESA/EMPREENDIMENTO

FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/ PREPARAÇÃO DA EMPRESA/EMPREENDIMENTO FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/ PREPARAÇÃO DA EMPRESA/EMPREENDIMENTO Material Irradiador contendo Fonte Radioativa Selada de Irídio-192 Material Fonte Radioativa Selada de Irídio-192 Sinônimo Embalado

Leia mais

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Eng. Nelson Agostinho Burille - Presidente Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho 3 o Seminário Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO CONTRA MINAS 2008-2014

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO CONTRA MINAS 2008-2014 Republica de Moçambique Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Instituto Nacional de Desminagem PLANO NACIONAL DE ACÇÃO CONTRA MINAS 2008-2014 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1. ANÁLISE DA SITUAÇÃO...

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA Nº 22A/01 - DFPC PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos Hospital São Paulo HSP/SPDM HU da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Dr. João Luiz Grandi Gerente de Meio Ambiente Gerência Executiva de Engenharia e Infraestrutura Hospitalar

Leia mais

LAAD 2013: Hatehof Apresentará um Alcance de Soluções Completas para Veículos Blindados e de Controle de Distúrbios para a Defesa e a Imposição da Lei

LAAD 2013: Hatehof Apresentará um Alcance de Soluções Completas para Veículos Blindados e de Controle de Distúrbios para a Defesa e a Imposição da Lei LAAD 2013: Hatehof Apresentará um Alcance de Soluções Completas para Veículos Blindados e de Controle de Distúrbios para a Defesa e a Imposição da Lei A Companhia Recentemente Venceu uma Licitação Multianual

Leia mais

Gerenciamento de Risco e Programa de Seguros para Mineraçã. ção o em Subsolo e a Céu C u Aberto

Gerenciamento de Risco e Programa de Seguros para Mineraçã. ção o em Subsolo e a Céu C u Aberto Gerenciamento de Risco e Programa de Seguros para Mineraçã ção o em Subsolo e a Céu C u Aberto Principais Questões de Gerência de Risco A Incerteza quanto a estes questionamentos expõe as Empresas em:

Leia mais

revelando tudo ZHA Zurich Hazard Analysis Análise de Riscos Zurich Engenharia de Riscos Soluções Diferenciadas

revelando tudo ZHA Zurich Hazard Analysis Análise de Riscos Zurich Engenharia de Riscos Soluções Diferenciadas revelando tudo ZHA Zurich Hazard Analysis Engenharia de Riscos Soluções Diferenciadas Ferramenta de gerenciamento de riscos voltada a facilitar a sistemática de identificação, avaliação e redução de perigos

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

Funcionamento: Ao conquistar a Aldeia, cada equipa vira o relógio para a sua cor somando 3 pontos por minuto. Não pode ser roubado.

Funcionamento: Ao conquistar a Aldeia, cada equipa vira o relógio para a sua cor somando 3 pontos por minuto. Não pode ser roubado. EQUIPAS: Taliban Amarela / Aliados Vermelha OBJECTIVOS: 3 x - Aldeias Shorshork (E4)/Marjah(G7)/Nawa (J4) Funcionamento: Ao conquistar a Aldeia, cada equipa vira o relógio para a sua cor somando 3 pontos

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA

OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA HERNÁN EDUARDO M. CARVAJAL, PhD ALEJANDRO MARTINEZ C. MsC PARTE 1 INTRODUÇÃO: MINERAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DE BENS E TECNOLOGIAS MILITARES REALIZADAS EM 1997 (Divisão de Controlo de Importações e Exportações) Í N D I C E

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DE BENS E TECNOLOGIAS MILITARES REALIZADAS EM 1997 (Divisão de Controlo de Importações e Exportações) Í N D I C E EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DE BENS E TECNOLOGIAS MILITARES REALIZADAS EM 1997 (Divisão de Controlo de Importações e Exportações) Í N D I C E Página INTRODUÇÃO... 2 EXPORTAÇÕES REALIZADAS EM 1997... 5 QUADRO

Leia mais

NOVO CONCEITO DE SEGURANÇA INTERNA E REFORMA DAS FORÇAS DE SEGURANÇA OPÇÕES FUNDAMENTAIS 2 de Março de 2007 2 Problema n.º1 Conceito Estratégico de Segurança Interna Desactualizado 3 Novo conceito estratégico

Leia mais

A Monitorização do Processo

A Monitorização do Processo A Monitorização do Processo Ana Rita Martins DIL/UI 22 anos de serviço público com valores e ética Reprocessamento Novo processamento de algo que já foi processado anteriormente ou Processar mais uma vez

Leia mais

GARRAFEIRA. Modelo RV 8. Manual de Instruções

GARRAFEIRA. Modelo RV 8. Manual de Instruções GARRAFEIRA Modelo RV 8 Manual de Instruções Índice I. Indicações gerais de segurança...3 II. Especificações técnicas.......4 III. Partes principais, desenhos....5 IV. Esquema elétrico.....5 V. Instruções

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

4ª CONFERÊNCIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA

4ª CONFERÊNCIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA NICCM 4ª CONFERÊNCIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA Evolução e Acção no 3º 3 Quartel do Século XX Áreas a Investigar INTRODUÇÃO ÍNDICE O PLANO MARSHALL A EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO SUPERIOR DA DEFESA NACIONAL

Leia mais

ÍNDICE SITUAÇÃO NACIONAL DAS VÍTIMAS DE MINAS ANTIPESSOAIS NA COLÔMBIA INFORMATIVO DO GMI-CO AN0 2013 - N O 09

ÍNDICE SITUAÇÃO NACIONAL DAS VÍTIMAS DE MINAS ANTIPESSOAIS NA COLÔMBIA INFORMATIVO DO GMI-CO AN0 2013 - N O 09 ÍNDICE SITUAÇÃO NACIONAL DAS VÍTIMAS DE MINAS ANTIPESSOAIS NA COLÔMBIA SITUAÇÃO NACIONAL DAS VÍTIMAS DE MINAS ANTIPESSOAIS NA COLÔMBIA PÁGINA 01 COMEMORAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL PÁGINA 02 VIDEOCONFERÊNCIA

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

INFRONT Forward Observer Trainer

INFRONT Forward Observer Trainer INFRONT Forward Observer Trainer (Cambridge Advanced English) Slide 1 EVOLUÇÃO DO SISTEMA SIMULAÇÃO Artilharia Campanha e Morteiros Slide 2 Ano 1982 Ano 1980 INVERTRON Slide 3 Ano 1999 INFRONT IV Slide

Leia mais

REAL EXPERIENCE TRAINING PARA RESPOSTA HAZMAT/CBRN

REAL EXPERIENCE TRAINING PARA RESPOSTA HAZMAT/CBRN REAL EXPERIENCE TRAINING PARA RESPOSTA HAZMAT/CBRN TREINO PREPARAÇÃO RESPOSTA INTRODUÇÃO: UM DESAFIO GLOBAL A perspectiva de uma fuga intencional ou acidental de material HazMat ou um ataque CBRN, é agora

Leia mais

Recall: Proteção da Saúde e Segurança do Consumidor. 10º Seminário sobre Relações de Consumo IBRAC - Ago/13

Recall: Proteção da Saúde e Segurança do Consumidor. 10º Seminário sobre Relações de Consumo IBRAC - Ago/13 Recall: Proteção da Saúde e Segurança do Consumidor 10º Seminário sobre Relações de Consumo IBRAC - Ago/13 A Proteção do Consumidor no Brasil Principais marcos históricos: 1962 Todos somos consumidores

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão Seminário: As TIC para um Mundo Mais Seguro Segurança na Era Digital 25 de Novembro de 2010 Instituto de Estudos Superiores Militares Estudo As TIC para um mundo mais seguro Mário do Carmo Durão Patrocinadores

Leia mais

Unidade de Engenharia 8/FND/UNIFIL

Unidade de Engenharia 8/FND/UNIFIL Unidade de Engenharia 8/FND/UNIFIL 1. RESUMO HISTÓRICO DA UNIDADE DE ENGENHARIA 8 (UnEng8) Através da Directiva N.º 128/CEME/09, de 14 de Julho de 2009, S. Ex.ª o General Chefe do Estado-Maior do Exército

Leia mais

FORMATURA INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS 01 MANUAL DE

FORMATURA INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS 01 MANUAL DE 01 MANUAL DE FORMATURA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo publicar normas e procedimentos para o planejamento, a organização e a execução das cerimônias de formatura

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL Decreto Lei n.º 142/2015 de 31 de julho O Decreto Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, procedeu à alteração da estrutura do regime remuneratório aplicável aos militares dos

Leia mais

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer. BS 29 P P Espelho de bolso iluminado Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Linha Millennium BEI 2013. outubro 2013

Linha Millennium BEI 2013. outubro 2013 Linha Millennium BEI 2013 outubro 2013 I. Enquadramento O Millennium bcp disponibiliza a Linha de Crédito Linha Millennium BEI desenvolvida no âmbito dos contratos de financiamento realizados entre o Millennium

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa

Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa Francisco Silva Câmara Municipal de Porto de Mós 24.02.2010

Leia mais

Fazendo Funcionar RCM com SAP Avaliar a Desconexão entre Análise e Implementação

Fazendo Funcionar RCM com SAP Avaliar a Desconexão entre Análise e Implementação Fazendo Funcionar RCM com SAP Avaliar a Desconexão entre Análise e Implementação Santiago Sotuyo Gerente Engenharia América Latina ARMS Reliability Apoio: Produzido por: Grupo ABC... a história típica

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO Sub-subsistema: Navio de Transporte de GNL ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP Vazamentos Danos aos tanques de Formação de Visual Seguir rigorosamente

Leia mais

Regulamento Ser Cientista

Regulamento Ser Cientista 1 Regulamento Ser Cientista 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EDP EMB 721C DATA 12 MAR 2009 RF A- 017/CENIPA/2009

Leia mais

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC Tecnologias SIG Sistemas de Informação Geográfica Centro de Operações e Técnicas

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

Carlos Gabos CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT

Carlos Gabos CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT Segurança Carlos Gabos CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT SEGURANÇA e Mitigação dos Riscos em operações de Movimentação de Cargas Carlos Gabos 12 maio 2011 Riscos Toda operação de movimentação de carga possue

Leia mais

Prove Viseu Dão Lafões 2014

Prove Viseu Dão Lafões 2014 Prove Viseu Dão Lafões 2014 FICHA DE INSCRIÇÃO ORGANIZAÇÃO APOIO INSTITUCIONAL CO-FINANCIAMENTO 1/3 Prove Viseu Dão Lafões 2014 1. CALENDÁRIO HORÁRIO DO EVENTO 4 julho / 18:00 24:00 5 julho / 12:00 24:00

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Graça Calapez Barreiro, 22 de Outubro de 2010 HISTÓRIA A T.S.T. constitui-se a partir de um dos centros da Rodoviária Nacional. Foi privatizada em Janeiro

Leia mais

FOUNDATIONS 4 Melhores Práticas para Segurança em Transportadores de Correias

FOUNDATIONS 4 Melhores Práticas para Segurança em Transportadores de Correias Melhores Práticas para Segurança em Transportadores de Correias CUSTOS DA SEGURANÇA FOUNDATIONS 4 Custo típico de um acidente fatal: $1,2 Million US Custo de um acidente com afastamento: $38.000 US US

Leia mais

II Seminário Hospitais Saudáveis SHS 2009

II Seminário Hospitais Saudáveis SHS 2009 II Seminário Hospitais Saudáveis SHS 2009 Gerenciamento de resíduos nos Hospitais Filantrópicos brasileiros: estrutura organizacional, indicadores e resultados Dr.Edison Ferreira da Silva A primeira Santa

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Exemplos de Telas de Supervisórios

Exemplos de Telas de Supervisórios Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: EK - REMOFF-IM Empresa: EUROTECHNIKER LTDA. Endereço: Av. Dep. Emilio Carlos, 362 São Paulo SP Telefone: (011) 2935-4180 Fax: (11) 3931-5325 Telefone de

Leia mais

Organização da justiça - Portugal

Organização da justiça - Portugal Organização da justiça - Portugal OS TRIBUNAIS DE COMPETÊNCIA ESPECIALIZADA: Os Tribunais de família Os Tribunais de família são competentes para preparar e julgar: a) os processos de jurisdição voluntária

Leia mais

Parte III: Causa e Investigação de Acidentes

Parte III: Causa e Investigação de Acidentes Parte III: Causa e Investigação de Acidentes Professor Autor: Josevan Ursine Fudoli Professor Telepresencial: Maria Beatriz Lanza Coordenador de Conteúdo: Pedro Sergio Zuchi Apresentação da disciplina

Leia mais

Benzoato de Sódio Página 1 de 5 FISPQ nº: 001.012 / 31 Ultima Revisão: 01/12/2006

Benzoato de Sódio Página 1 de 5 FISPQ nº: 001.012 / 31 Ultima Revisão: 01/12/2006 Benzoato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Benzoato de Sódio Código do produto : 001.012 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190 : Metalloys

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE ESTUDOS E PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS E PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO Estudo Exploratório Foi lançado em Setembro de 2008 um estudo preliminar destinado à caracterização sóciodemográfica da população-alvo e a avaliar a situação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Pagina: 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Telefone: Telefones de Emergência: DOW CORNING 768 SILICONE SEALANT CLEAR WITH FUNGICIDE Dow Corning Do Brasil

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL MINÉRIO DE FERRO BRASIL SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL Da prevenção à resposta às emergências e outros eventos críticos Mineração e pessoas que fazem a diferença. 1 Gerenciamento de risco Anglo American

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012

Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012 Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012 ASSUNTO: Resposta da Ordem dos Advogados de Portugal à Consulta Pública sobre Prazos

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-IKM 210L DATA: 10 OUT 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8 Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto (nome comercial): Borracha de Silicone c/ Catalisador Código interno de identificação do produto:

Leia mais

Benefícios coletivos. Benefício de Seguros. Assistência Flex Domiciliar

Benefícios coletivos. Benefício de Seguros. Assistência Flex Domiciliar Benefícios coletivos 15.01.14 Benefício de Seguros Assistência Flex Domiciliar A Assistência Flex Domiciliar disponibiliza assistência 24 horas para contenção e reparação de danos na residência do Associado

Leia mais

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Manual de instruções para carregadores de acumuladores CCC 405 e CCC 410 24V/5A 24V/10A utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Certified to EN60601-1 3 rd ed. Em conformidade

Leia mais