PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (PPA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (PPA)"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL FORÇA AÉREA CENTRO DE TREINO DE SOBREVIVÊNCIA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (PPA) JANEIRO 2015

2 MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL FORÇA AÉREA CENTRO DE TREINO DE SOBREVIVÊNCIA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (PPA) JANEIRO 2015 EP: CTSFA EPR: GPA DIST.: X I

3 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

4 MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL FORÇA AÉREA CENTRO DE TREINO DE SOBREVIVÊNCIA CARTA DE PROMULGAÇÃO JANEIRO O PPA 2015 (PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES) é uma publicação NÃO CLASSIFICADA, tendo a intenção de refletir toda a programação de atividades relacionadas com a prevenção de acidentes, no âmbito da Segurança em Terra e Proteção Ambiental e Segurança de Armamento e Mísseis, a desenvolver pelo Centro de Treino de Sobrevivência da Força Aérea (CTSFA), em O PPA 2015 entra em vigor ao ser recebido. 3. É permitido copiar ou fazer extratos desta publicação, sem autorização da entidade promulgadora, desde que o seu propósito se insira no âmbito da prevenção de acidentes. 4. O PPA 2015 está disponível em suporte informático, na RIBA6/CTSFA/GPA. O COMANDANTE Natalino José Rodrigues Pereira TCOR/PILAV III

5 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

6 REGISTO DE ALTERAÇÕES E ERRATAS Identificação da Alteração ou Errata (N.º; N.º de Registo se tiver e data) Data da introdução Data de Entrada em vigor Assinatura e posto de quem a introduz V

7 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

8 ÍNDICE Página de Título. Carta de Promulgação Registo de Alterações Índice. I III V VII CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 101. Generalidades Âmbito Responsabilidades Principais objetivos Execução Administração e Logística Comando, Controlo e Comunicações Comunicação de ocorrências Organização Orientações temáticas para Conclusão CAPÍTULO 2 SEGURANÇA EM TERRA E AMBIENTE 201. Prevenção rodoviária Redução da sinistralidade na FA Prevenção de acidentes da atividade despostiva Acidentes ocupacionais versus Utilização correta dos EPI Prevenção da contaminação dos solos Calendarização de atividades CAPÍTULO 3 SEGURANÇA DE ARMAMENTO E MÍSSEIS 301. Manutenção, manuseamento e supervisão durante a utilização de armamento 3-1 terrestre Armazenagem de explosivos VII

9 303. Calendarização de atividades ANEXOS ANEXO A Mapa de atividades de Segurança em Terra e Ambiente. A-1 ANEXO B Mapa de atividades de Segurança de Armamento e Mísseis.. B-1 ANEXO C Prevenção Rodoviária Redução da sinistralidade na Força Aérea C-1 ANEXO D Prevenção de acidentes na atividade desportiva D-1 ANEXO E Acidentes ocupacionais versus utilização correta do EPI E-1 ANEXO F Prevenção da contaminação dos solos F-1 ANEXO G Manutenção, manuseamento e supervisão do armamento terrestre G-1 ANEXO H Armazenamento de explosivos H-1 GLOSSÁRIO.. GLO-1 LISTA DE DISTRIBUIÇÃO..... LDIST-1 LISTA DE PÁGINAS EM VIGOR... LPV-1 VIII

10 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 101. Generalidades. O objetivo da prevenção deve ser sempre zero acidentes. Desta forma, importa encarar o ano de 2015 como uma oportunidade para empenhar os recursos disponíveis de forma eficaz, com o objetivo de encetar ações de prevenção eficientes. Errare humanum est (Marcus Tullius Cícero). Esta citação caracteriza o ser humano enquanto tal. O erro é um desacerto constituído por uma variável ou por um conjunto de variáveis que dificilmente são controláveis. Porém, a sua identificação e prevenção é extremamente importante para a sua mitigação. No entanto, dada a complexidade dos seres humanos enquanto indivíduos singulares e heterogéneos, facilmente se conclui que, sendo o erro um ato involuntário, é impossível eliminá-lo. Este programa pretende contribuir para a prevenção de acidentes, no intuito de minimizar e/ou eliminar as ocorrências por erro. Os métodos mais eficazes são o treino frequente e a partilha de experiência. Torna-se por isso extremamente importante providenciar o treino continuado e a troca de experiência, informação e conhecimento, que se constituirá como algo valoroso para todos os militares do CTSFA. Como tal, este programa pretende contribuir para uma prevenção de acidentes consciente, eficiente e envolvente Âmbito. Possibilitar à Inspeção-Geral da Força Aérea (IGFA) identificar desvios e tendências para situações de risco, bem como outras vulnerabilidades que possam comprometer a segurança. Da mesma forma, identificar as situações mais preocupantes para o CTSFA e que devem ser desenvolvidas e abordadas nas áreas de Segurança em Terra e Ambiente (STA) e Segurança de Armamento e Mísseis (SAM). 1-1

11 103. Responsabilidades. Quando tratamos de Prevenção de Acidentes, a responsabilidade é universal e transversal de uma forma envolvente no que diz respeito a todas as áreas de atividade, aos diferentes níveis de competência e de autoridade. O envolvimento nos assuntos de prevenção do Comandante do CTSFA, 2º Comandante, Comandantes de Esquadrilha e Chefes das várias sub-unidades, motiva e influencia a atitude dos militares para esta temática, constituindo-se como uma referência positiva no comportamento e motivação de todos os militares do CTSFA. Desta forma: a. O Comandante é o responsável máximo pela Prevenção de Acidentes no CTSFA. Na área da prevenção e segurança, compete-lhe especificamente aprovar, fomentar e conduzir o Programa Anual de Prevenção de Acidentes, garantindo a sua eficácia. b. Ao Gabinete de Prevenção de Acidentes (GPA), Oficial e Delegados de Segurança em Terra e Ambiente (OSTA e DSTA) e Oficial e Delegados de Segurança de Armamento e Mísseis (OSAM e DSAM) incumbe elaborar e propor os Programas de Prevenção de Acidentes (PPA). Depois dos PPA aprovados, proceder à sua divulgação, execução e coordenação, imprimindo-lhe o dinamismo necessário. Numa fase posterior, elaborar a análise dos resultados obtidos. Compete-lhes ainda exercer vigilância constante sobre todas as atividades do CTSFA, no sentido de detetar, analisar e corrigir todas as ações e/ou condições potenciadoras de originar acidentes; bem como fomentar a sensibilização para as questões relacionadas com a Segurança, Saúde e Ambiente. c. Independentemente da função que exercem, todos os militares devem contribuir ativamente para a criação de um bom ambiente de trabalho, propiciador ao exercício das suas funções em condições de menor risco possível Principais objetivos. O objetivo da Prevenção de Acidentes é zero acidentes. É intolerável admitir que este objetivo é irrealista porque estaríamos a admitir que alguns acidentes seriam aceitáveis. 1-2

12 Nas áreas da Segurança em Terra e Ambiente e Segurança de Armamento e Mísseis existe a necessidade de se focarem os esforços de prevenção nos temas enunciados em Execução. Para a execução deste Programa, conta-se com o empenho de todos os militares do CTSFA, especialmente da estrutura do GPA e respetivos Delegados de Segurança. As Esquadrilhas deverão providenciar todo o apoio necessário, conforme solicitado ou proposto pelos próprios, de forma a contribuírem para a total concretização do PPA a. Calendarização de atividades. De acordo com os mapas de atividades constantes nos Anexos A e B. b. Instruções de coordenação. O PPA 2015 entra em vigor a partir da data da sua distribuição. Quaisquer alterações ao PPA 2015 serão elaboradas sob a forma de Ordens Complementares, as quais, após aprovadas superiormente, passarão a fazer parte integrante do PPA original. c. Todas as dúvidas referentes à sua execução devem ser colocadas ao GPA do CTSFA. As Esquadrilhas envolvidas coordenarão todas as atividades a desenvolver coletivamente Administração e Logística. As Esquadrilhas deverão dar prioridade às tarefas, disponibilizando todos os meios considerados indispensáveis para a correção de situações, no que diz respeito à Segurança em Terra e Ambiente e à Segurança de Armamento e Mísseis. O GPA, baseando-se na estrutura de Prevenção de Acidentes da Força Aérea, fornecerá o apoio necessário para o normal cumprimento do programa. Todos os Comandantes de Esquadrilha deverão dar apoio à ação dos OSTA, OSAM e também dos Delegados de Segurança Comando, Controlo e Comunicações. Mantém-se a cadeia de comando em vigor. Nas comunicações utilizar-se-ão os canais de comunicação existentes, formal ou informalmente. 1-3

13 A principal ação de controlo de atividades contidas neste Programa recai sobre os Oficiais de Segurança. No entanto, ao seu nível, as Esquadrilhas são igualmente responsáveis por controlar o curso de ações desenvolvidas, no âmbito deste Programa 108. Comunicação de ocorrências. Poderão ser utilizados os impressos para reporte, previstos para as áreas de Segurança em Terra e Ambiente e Segurança de Armamento e Mísseis. Em alternativa poderão ser usados os modelos disponíveis em RIBA6/CTSFA/GPA Organização. O PPA 2015 engloba os programas identificados pelas áreas específicas. O programa da Segurança em Terra e Ambiente é exposto no Capítulo 2 e o programa da área de Segurança de Armamento e Mísseis no capítulo Orientações Temáticas. Os temas específicos de cada área, sem caráter de exclusividade, para desenvolvimento em 2015, são os seguintes: a. Segurança em Terra e Ambiente: (1) Prevenção rodoviária redução da sinistralidade na FA. (2) Prevenção de acidentes na atividade desportiva. (3) Acidentes Ocupacionais versus utilização correta do EPI. (4) Prevenção da contaminação dos solos. b. Segurança de Armamento e Mísseis: (1) Manutenção, manuseamento e supervisão do armamento terrestre. (2) Armazenagem de explosivos Conclusão. A existência de um bom Programa de Prevenção de Acidentes e o seu escrupuloso cumprimento, por todos aqueles que têm responsabilidade acrescida nesta área, é fundamental para a prevenção de acidentes. Sensibilizar todos os militares do CTSFA, independentemente da função que exerçam, para a sua responsabilidade na criação de ambientes seguros e saudáveis é uma das principais funções do GPA 1-4

14 e de todos os militares que lhes tenha sido atribuída responsabilidade direta nas áreas de Segurança em Terra e Ambiente e Segurança de Armamento e Mísseis. 1-5

15 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

16 CAPÍTULO 2 SEGURANÇA EM TERRA E AMBIENTE 201. Prevenção rodoviária Redução da sinistralidade na FA. Os acidentes rodoviários que envolveram militares da Força Aérea, pela gravidade das consequências, tornaram obrigatória a inclusão deste tema no Programa de Prevenção de Acidentes a desenvolver durante o ano de A sinistralidade rodoviária é um fenómeno civilizacional, fruto da existência e da circulação de um elevado número de veículos. As suas causas assentam numa dinâmica em que intervêm quatro fatores inter-relacionados: humano, veículo, via e ambiente. O primeiro fator é, indubitavelmente o mais importante. É aquele que mais influência tem no desempenho diário nas vias de circulação. De facto, a maioria dos sinistros graves ocorre devido a erro humano. Porém, importa lembrar que, contrariamente ao que se possa pensar, a velocidade não é uma causa da sinistralidade, mas antes um fator potenciador. Outros fatores potenciadores são a chuva, o estado das vias, o álcool e o desrespeito do Código da Estrada. A velocidade potencia erros do condutor ou de outros elementos dinâmicos da infraestrutura rodoviária, como por exemplo veículos terceiros, peões e objetos diversos. Tal como é importante respeitar os limites de velocidade e não circular a uma velocidade excessiva para as condições das vias, também é importante garantir que os condutores legalmente habilitados a conduzir tenham uma formação prática mais eficaz, de forma a estarem preparados para controlar os veículos em caso de instabilidade ou perda de aderência, situação frequente em condução automóvel. A sinistralidade rodoviária terá de ser combatida através da prevenção e da mudança de mentalidades. Cumprir os limites do Código da Estrada não garante ausência de sinistralidade. Em 2015, as ações de sensibilização desenvolvidas no CTSFA irão enfatizar os seguintes assuntos: a. Condução defensiva. 2-1

17 b. Desenvolvimento de automatismos de reação à execução segura de manobras simples. c. Promoção de medidas contra o consumo de álcool. O GPA recomenda aos comandantes e chefes de serviço o reforço da sua intervenção, em três níveis de atuação: a. Controlo/Supervisão progressivamente mais ativo e eficaz, de modo a combater as deficiências que surgem com a prática de estilos de condução agressivos. b. Informação, através de campanhas criativas que alertem as pessoas para diversas situações obre as quais não estão suficientemente informadas. c. Educação e Formação fundamental para que se consigam alterações de comportamento, através de ações de formação de condução defensiva Prevenção de acidentes na atividade desportiva. A atividade física e desportiva em Portugal é enquadrada pela Lei Nº5/2007, de 16 de Janeiro Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto que define as bases das políticas de desenvolvimento da atividade física e do desporto. No contexto militar, a atividade física e desportiva é enquadrada pelo Despacho n.º 21/2013, do CEMFA, de 2 de abril, onde estão definidos os vetores de ação que constituem o Sistema de Preparação Física e Desportos da Força Aérea. O atual sistema visa garantir a disponibilidade física necessária à exigência funcional dos serviços através de sessões de Treino Físico de Manutenção e da aplicação de Testes de Controlo e Avaliação da Condição Física. O Despacho em referência incentiva a prática de atividade física regular, possibilitando a realização de duas sessões de treino físico semanais, garantindo a existência de pessoal qualificado nas Secções de Aptidão Física e Desportos e nos Departamentos de Educação Física, promovendo cursos de formação aos recursos humanos e garantindo o acesso às infraestruturas disponíveis e adequadas ao desenvolvimento de atividades físicas e desportivas. Trata-se portanto, de um instrumento importante e incontornável ao cumprimento da missão da Força Aérea, visto que contribui para a melhoria da condição física e desenvolvimento de hábitos saudáveis e, por consequência, promoção da saúde. 2-2

18 Recentemente foram desenvolvidos estudos que demonstram a existência de uma relação inversa entre a prática de atividade física e o risco de acidentes cardiovasculares, hipertensão, osteoporose, diabetes, obesidade, cancro, ansiedade, depressão, etc. São, portanto, doenças que poderão implicar extensos períodos de incapacidade para o serviço ou, em casos mais graves, de incapacidade vitalícia. Para além do prejuízo para os serviços, acresce ainda o elevado custo associado a frequentes consultas médicas e a tratamentos. No entanto e apesar da indiscutível importância da atividade física e desportiva na prevenção de doenças, é sabido que a mesma pode provocar danos se não existirem alguns cuidados na sua prática. Apesar de globalmente os danos poderem ser considerados reduzidos face aos benefícios, temos que ter em conta que, mesmo com cuidados na prática de atividade físicas e desportivas, a possibilidade de ocorrência de acidentes está sempre presente. Para praticar a atividade física e desportiva em segurança e reduzir o risco de lesões ou outras ocorrências desfavoráveis, os praticantes devem: a. Ter consciência dos riscos de acidente associados à prática; b. Procurar acompanhamento presencial por parte de pessoal especializado ou, quando tal não for possível, tentar seguir um plano de treino regular e programado; c. Escolher os tipos de atividade física e desportivas apropriadas, tendo em conta o nível de condição física e os objetivos de saúde a atingir; d. Aumentar os níveis de atividade física de forma gradual ao longo do tempo. A prática desportiva deverá iniciar-se com atividades de baixa intensidade, aumentando lentamente a frequência semanal e a duração da atividade; e. Proteger-se a si próprio, dando importância ao equipamento desportivo utilizado (nomeadamente o calçado); f. Assegurar-se de que possui a aptidão médica adequada à prática de atividade física e desportiva. 2-3

19 203. Acidentes ocupacionais versus Utilização correta dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI). O desenvolvimento de uma cultura de segurança, em geral, e da cultura de prevenção de riscos profissionais, em particular, exige o esforço de todos e assenta num conjunto alargado de instrumentos, nos domínios da formação, saúde e organização do trabalho. Neste âmbito insere-se a utilização de EPI como meio preventivo dos acidentes ocupacionais, dando ao executante uma garantia acrescida no cumprimento da tarefa. A realidade da FA tem vindo a melhorar, apesar de ainda apresentar dados algo preocupantes, uma vez que têm ocorrido diversos acidentes em consequência da não utilização ou da utilização incorreta dos EPI. A proteção inadequada, ou a sua falta, durante o desempenho de tarefas e atividades que envolvem risco acrescido, potencia o acidente e as respetivas consequências, sendo que em regra os danos provenientes de acidentes que ocorrem quando se usam EPI são significativamente menos graves do que aqueles que ocorrem sem o seu uso. Na perspetiva de melhorar as condições de trabalho e minimizar acidentes, compete à nossa organização o fornecimento e distribuição dos EPI adequados a cada tarefa, aliada à sensibilização e supervisão, junto dos utilizadores, para o seu uso adequado e respetiva preservação. No entanto, recai sobre os utilizadores a responsabilidade pelas consequências de eventuais acidentes que ocorram pela não utilização ou utilização indevida dos EPI. A proteção dos riscos deve incidir prioritariamente sobre as medidas de proteção coletiva, com recurso aos EPI de forma alternativa. A realidade demonstra, no entanto, que este instrumento preventivo, é garantidamente o mais utilizado contra os riscos profissionais. Neste caso, as Esquadrilhas e outros Serviços do CTSFA devem ter em conta as seguintes necessidades: a. Identificar os locais e as atividades em que é necessário utilizar os EPI; b. Adquirir EPI mediante seleção adequada ou submeter a aprovação superior a sua aquisição nos casos em que, da relação entre o número de utilizadores e o custo de aquisição, resulte a necessidade de enquadramento mais abrangente; c. Sensibilizar os utilizadores dos EPI para os riscos a que estão expostos e sobre a necessidade de os usarem. 2-4

20 A criação e manutenção de locais de trabalho seguros é uma responsabilidade de todos e visa evitar ou reduzir os acidentes ocupacionais e proteger a saúde das pessoas, evitando o desperdício de recursos e a preservação dos recursos humanos Prevenção da contaminação dos solos. A contaminação dos solos pode decorrer da atividade normal (deposição descontrolada de resíduos, armazenamento inadequado de líquidos perigosos, libertação de efluentes não tratados, etc.) ou de situações de emergência como por exemplo o derrame acidental de substâncias líquidas (combustíveis, lubrificantes, solventes, etc.). Para além da degradação da qualidade do solo que é visível à superfície e que inviabiliza, na maior parte dos casos, o desenvolvimento do coberto vegetal, este tipo de contaminação tem outro tipo de consequências, nomeadamente ao nível da contaminação dos lençóis freáticos. O CTSFA possui a sua Base Tática em Penamacor, perto da Reserva Natural da Serra da Malcata, e neste sentido, importa reforçar as medidas de prevenção da poluição dos solos adotando procedimentos que evitem a deposição de resíduos ou líquidos perigosos de forma descontrolada em áreas de solo desprotegido e a existência de dispositivos de prevenção de derrames em áreas de armazenamento/manuseamento, bem como procedimentos e meios para fazer face a situações de emergência, nomeadamente derrame de líquidos perigosos (combustíveis, lubrificantes, solventes, etc.). Neste campo assume particular importância a existência de procedimentos de emergência que cubram os diferentes cenários possíveis, meios de contenção e absorção, treino específico do pessoal para este tipo de situações e procedimentos para encaminhamento adequado do material contaminado para destino final. Para além das medidas enunciadas, todos os militares do CTSFA têm obrigação de trabalhar em segurança, de modo a evitar que sejam criadas condições para a ocorrência de derrames. A estrutura da Prevenção de Acidentes desta Unidade irá promover ações de sensibilização sobre este tema e estará no terreno, avaliando os riscos e atuando em conformidade, através do Delegado de Segurança em Terra da Esquadrilha de Sobrevivência, Evasão, Resistência e Extração (SERE). As Esquadrilhas do CTSFA, durante as formações que ministram, executam exercícios de campo onde são utilizados diversos materiais (ex. munições, granadas, produtos descontaminantes, etc.). Este fato impõe que os formadores e formandos tenham a obrigação de deixar o terreno do 2-5

21 exercício tal como foi encontrado antes da sua utilização, obrigando à sua recolha, mesmo quando se trate de material biodegradável Calendarização de atividades. A calendarização das atividades de STA está descrita no Anexo A. 2-6

22 CAPÍTULO 3 SEGURANÇA DE ARMAMENTO E MÍSSEIS 301. Manutenção, manuseamento e supervisão durante a utilização de armamento terrestre. As principais razões das ocorrências com armamento terrestre são a falência de material e o incorreto posicionamento da arma em relação ao corpo. O CTSFA utiliza armamento terrestre durante os cursos SERE, COC-IED e ICCS (tiro ICCS). Neste particular, os militares do CTSFA deverão dar especial relevância à manutenção e consequente verificação do estado das armas. Os instrutores de tiro (Curso ICCS módulo Tática e Tiro Individual TTI) devem potenciar a supervisão da execução do tiro nas carreiras. Detalhando, este objetivo compreende os seguintes fatores: a. Os utilizadores devem ter um conhecimento global das características fundamentais das armas, em termos de operação e segurança; b. Possíveis consequências devidas a erros de procedimentos e/ou incúria; c. Verificações rigorosas das armas na receção, distribuição e antes de dar início a qualquer operação de utilização; d. Rigoroso cumprimento das normas de segurança superiormente determinadas; e. Supervisão constante da posição do corpo em relação à arma nas diversas modalidades de tiro; f. Procedimentos de desmuniciamento; g. Medidas claras de responsabilização dos utilizadores, reprimindo claramente a utilização indevida; h. Seleção criteriosa de pessoal destinado a assumir funções de responsabilidade nesta matéria. 3-1

23 302. Armazenagem de explosivos. Os explosivos são misturas ou compostos químicos que apresentam estabilidade e sensibilidades diferenciadas. A passagem do tempo pode provocar alterações dessas sensibilidades, aumentando-as ou diminuindo-as, o que por si só pode conduzir a graves acidentes. Assumem particular importância os explosivos e munições que já atingiram o seu limite de vida útil e que carecem de ações que visam avaliar o seu estado com vista à possível extensão do seu tempo de vida ou da tomada de ações para a sua alienação ou destruição. Este tema deve incluir, entre outros, os seguintes critérios: a. Características essenciais das munições e/ou explosivos em causa; b. Fatores que possam influenciar a sua estabilidade; c. Cuidados primários de armazenagem, conservação e manuseamento, de acordo com a doutrina em vigor; d. Utilização de ferramentas adequadas na abertura das embalagens com munições e/ou explosivos; e. Sinalética adequada; f. Existência das publicações técnicas adequadas e com distribuição devidamente controlada; g. A priorização da expedição, para consumo, pela idade real de cada lote; h. Adequabilidade da instalação de terra, sistemas de pára-raios e da instalação elétrica; i. Limites máximos de pessoal e de massa líquida de explosivo estabelecidos; j. A armazenagem por Grupos de Compatibilidade; k. Em casos de armazenagem, em comum, de várias Divisões de Risco, seja determinada a correta Divisão de Risco resultante Calendarização de atividades. A calendarização de atividades de SAM está descrita no Anexo B. 3-2

24 ANEXOS ANEXO A MAPA DE ATIVIDADES DE SEGURANÇA EM TERRA ANEXO B MAPA DE ATIVIDADES DE SEGURANÇA DE ARMAMENTO E MÍSSEIS ANEXO C PREVENÇÃO RODOVIÁRIA REDUÇÃO DA SINISTRALIDADE NA FA ANEXO D PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA ATIVIDADE DESPORTIVA ANEXO E ACIDENTES OCUPACIONAIS VERSUS UTILIZAÇÃO CORRETA DO EPI ANEXO F PREVENÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DOS SOLOS ANEXO G MANUTENÇÃO, MANUSEAMENTO E SUPERVISÃO DO ARMAMENTO TERRESTRE ANEXO H ARMAZENAGEM DE EXPLOSIVOS SEPARADOR 1

25 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

26 ANEXO A MAPA DE ATIVIDADES DE SEGURANÇA EM TERRA SEPARADOR A

27 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

28 ANEXO A MAPA DE ATIVIDADES DE SEGURANÇA EM TERRA E AMBIENTE A-1

29 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

30 ANEXO B MAPA DE ATIVIDADES DE SEGURANÇA DE ARMAMENTO E MÍSSEIS SEPARADOR B

31 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

32 ANEXO B MAPA DE ATIVIDADES DE SEGURANÇA EM ARMAMENTO E MÍSSEIS B-1

33 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

34 ANEXO C PREVENÇÃO RODOVIÁRIA REDUÇÃO DA SINISTRALIDADE NA FA SEPARADOR C

35 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

36 ANEXO C PREVENÇÃO RODOVIÁRIA REDUÇÃO DA SINISTRALIDADE NA FA Sensibilização relativa ao condutor As consequências dos acidentes de viação ocorridos em Portugal têm mantido um alto índice de gravidade. É reconhecido que o homem, a máquina e a estrada formam um sistema de cujo equilíbrio e bom funcionamento das partes depende fundamentalmente a segurança de qualquer viagem. Assim, é importante ter em atenção as seguintes medidas: - Verificar as condições de segurança do veículo, especialmente o estado de: - Pneus. - Travões. - Direção. - Suspensão. - Dispositivos de sinalização. - Focagem de faróis. - Estado de funcionamento dos limpa pára-brisas. - Acondicione corretamente a bagagem a transportar no veículo. A carga mal acondicionada pode alterar a estabilidade e o controlo da direção, podendo provocar acidentes, enquanto o sistema de travagem se torna menos eficiente. - Tenha presente que a fadiga, a doença, refeições pesadas, medicamentos, álcool, entre outros fatores, prejudicam a aptidão para conduzir. C-1

37 ANEXO C Assunção de compromisso para consigo próprio de que vai respeitar as regras e evitar os excessos, atendendo a determinados aspetos - Não faça ingestão de bebidas alcoólicas. A condução sob influência do álcool, além de punida por lei, é um enorme fator de risco de acidente. - Regule a velocidade do seu veículo, tendo em conta as condições de segurança do mesmo, a intensidade de tráfego e as condições da via. - Se o pavimento estiver escorregadio, conduza com prudência, para que possa parar o seu veículo sem perigo de acidente. - Mantenha uma distância segura em relação ao veículo que circula à sua frente. - Antes de ultrapassar, certifique-se de que o pode fazer com segurança. - Como condição de circulação segura em auto-estrada, utilize a via da esquerda apenas para ultrapassar ou quando a via da direita não estiver livre. - Evite as manobras perigosas. Seja prudente e conduza com segurança. - Em caso de avaria, estacione sobre a berma, acenda os intermitentes e coloque o triângulo de sinalização a uma distância de 30m. - Use corretamente o sistema de luzes, particularmente no cruzamento de veículos. - Use o cinto de segurança ou o dispositivo de retenção e faça questão de verificar se os seus acompanhantes seguem o seu exemplo. Condução (ao volante) - Sempre que conduzir deve evitar travagens e manobras bruscas, e deve sempre sinalizar os movimentos, como por exemplo, mudanças de direção ou de faixa. Parece óbvio, mas muitos condutores esquecem-se de ligar o pisca-pisca e correm o risco de sofrerem um embate na traseira. C-2

38 ANEXO C - Ver e ser visto é uma das frases mais utilizadas na condução. Logo, quanto mais se consegue ver em volta do veículo, menor é o perigo. Os três retrovisores devem estar em posição que o condutor não tenha que virar muito a cabeça para vê-los, devendo mostrar a área posterior ao veículo e alguma área lateral junto à traseira do mesmo. - Todos sabemos que para sermos bons em algo temos que treinar, fazendo com que sejam dadas respostas automáticas a determinadas situações. Por exemplo, muitas vezes desviarmo-nos de um obstáculo é melhor que travar diante dele. Racionalize estas situações e treine para reagir assim. - A 100 Km/h um veículo percorre 30 metros por segundo. Este é o tempo e o espaço para percebermos um problema, identificá-lo e reagir. A solução é manter uma maior distância dos outros veículos. Usar a regra dos dois segundos pode ser uma boa sugestão. Deverá deixar estes dois segundos como tempo mínimo entre a passagem do veículo que vai à sua frente e a do seu veículo, para manter alguma margem de manobra no caso de algum imprevisto acontecer ao veículo que o precede. Limites de velocidade Rogério Pedrosa 1CAB/MMT C-3

39 ANEXO C PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO C-4

40 ANEXO D PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA ATIVIDADE DESPORTIVA SEPARADOR D

41 PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

42 ANEXO D PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA ATIVIDADE DESPORTIVA Boas práticas desportivas Nos dias de hoje, o desporto engloba um conjunto diversificado de níveis de prática que vão desde as áreas que estão voltadas para a recreação e manutenção, até às áreas dirigidas para a alta competição. Um estilo de vida ativo, inclui uma prática regular de exercício físico, permite melhorar a qualidade de vida de várias formas, sendo frequentemente salientados benefícios físicos e psicológicos associados à prática de exercício físico: - Na manutenção ou desenvolvimento das estruturas ósseas e musculares. - Na prevenção ou redução da tensão arterial. - Aumento da capacidade de resposta do organismo para combater o stress. - Alívio da tensão muscular. - Redução da dor. - Melhor percepção de bem-estar. - Uma maior percepção de eficácia e controlo pessoal. - Período de actividade que possibilita um tempo de afastamento e distração face aos problemas do quotidiano. Seja qual for o nível de prática desportiva e as suas exigências, nuns mais do que outros, as lesões surgem com alguma frequência. É por isso objectivo alertar para meios e formas de prevenção das lesões no desporto. De acordo com o Relatório de Prevenções de Acidentes de 2013 da IGFA, existem casos de lesões ou acidentes provenientes das más práticas desportivas. D-1

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Guia de utilização Safariland

Guia de utilização Safariland Manual de proprietário Guia de utilização Safariland Coldre 6360, 6365 Leia e compreenda na integra o manual de proprietário antes de utilizar o coldre. AVISOS Leia e compreenda na integra o manual de

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIV Protecção Individual um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Uso e cuidados

Leia mais

CONDIÇÕES CLIMATÉRICAS ADVERSAS

CONDIÇÕES CLIMATÉRICAS ADVERSAS As condições meteorológicas que caracterizam o Outono e o Inverno são fator de risco acrescido na condução. Há pois que adaptar a condução ao estado do tempo. Chuva, nevoeiro, gelo e neve alteram substancialmente

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6 FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Promotor de aderência Selante para Indupiso Código interno: E172 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda.

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA SISTEMAS DE SEGURANÇA PASSIVA Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa:

Leia mais

Condução Económica e Ecológica CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA. Maj TTrans Freitas Lopes

Condução Económica e Ecológica CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA. Maj TTrans Freitas Lopes CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA Maj TTrans Freitas Lopes A preocupação com a sinistralidade rodoviária e a intenção de reduzir a sua incidência motivaram, e motivam ainda hoje, a necessidade da prática

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Inducola A Código interno: 5003 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br Endereço:

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Versão 5.1 (19/12/2012) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS TEMA 1 ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊTICOS TENDO EM CONSIDERAÇÃO A

Leia mais

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS?

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? É o deslocamento de produtos perigosos de um lado para outro com técnicas e cuidados especiais. Os explosivos, os gases, líquidos e sólidos inflamáveis, substâncias

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620508 Data da revisão: 21.09.2015 : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620508 Data da revisão: 21.09.2015 : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000620508 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança Regras de Qualidade, mbiente 1 / 7 provação: I. OBJECTIVO E ÂMBITO Este documento estabelece as regras da Qualidade, mbiente aplicáveis a entidades externas, que venham a desenvolver actividades dentro

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Comando Geral da Polícia Nacional. Direcção Nacional de Viação e Trânsito. Ministério do Interior

REPÚBLICA DE ANGOLA. Comando Geral da Polícia Nacional. Direcção Nacional de Viação e Trânsito. Ministério do Interior REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério do Interior Comando Geral da Polícia Nacional Direcção Nacional de Viação e Trânsito 1 2 Sessão de esclarecimento 1. Contexto de surgimento do Novo Código de Estrada 2. Sistematização

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1

Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1 Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas específicas de

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Tinta para demarcação Suprivia base d água Código interno: BA5215 e outros Empresa: Suprivias Indústria e Comercio de Materiais para Demarcação

Leia mais

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO BOAS PRÁTICAS EM MEIO HOSPITALAR 26-11-2008 10% dos trabalhadores da União Europeia sector da saúde e da protecção social A taxa de acidentes de trabalho no sector

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET Data da última revisão: 17/04/2014 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar PET NCM: 3209.10.20 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.004 - Nome da

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS SÃO LUÍS MA 2014 ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ENSINO Andreia Vasconcelos

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO A educação rodoviária deve começar o mais cedo possível. Ensine, com antecedência, as normas básicas de segurança rodoviária ao seu filho. Para ele, os pais constituem referências e modelos que procura

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Reparação Automóvel www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte - Vl. Olimpia São Paulo

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO 1. Objetivo do Regulamento O presente Regulamento, em reforço das exigências

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Descontaminação de equipamentos Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB DEFINIÇÃO CONTAMINAÇÃO: contato

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: MAXPREN LAJE PRETO Código do produto: 16100 Nome da empresa: Maxton Brasil Endereço: Rua Ivo

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/5 * 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador do produto 1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas Utilização

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000113271 Data da revisão: 16.09.2015. Sikasil -AC. : Selante/ Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000113271 Data da revisão: 16.09.2015. Sikasil -AC. : Selante/ Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000113271 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS: CARTÃO, MANUAL E DIRETRIZES PARA OS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA.

NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS: CARTÃO, MANUAL E DIRETRIZES PARA OS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA. NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS: CARTÃO, MANUAL E DIRETRIZES PARA OS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA. Diretrizes com uma visão geral. Cartão e manual para os serviços de emergência com instruções detalhadas e vinculativas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401 Código: FSP-250 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TAR 1401 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais