MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO"

Transcrição

1 LANÇAMENTO DO PESO REGRAS DO LANÇAMENTO DO PESO Local da Competição A prova do lançamento do peso disputa-se num local específico da pista de atletismo, que deverá ter um círculo de lançamentos com 2,135 metros de diâmetro (este círculo contém uma antepara na parte da frente), e um sector de queda com uma abertura de 34,92 graus em que o vértice do ângulo coincide com o centro do círculo. Peso do Engenho O peso é uma esfera metálica que, segundo os regulamentos actualmente em vigor em Portugal, tem os seguintes pesos: ESCALÃO MASCULINOS FEMININOS Benjamins (8-11 anos) 2 Kg 2 Kg Infantis (12-13 anos) 3 Kg 2 Kg Iniciados (14-15 anos) 4 Kg 3 Kg Juvenis (16-17 anos) 5 Kg 3 Kg Juniores (18-19 anos) 6 Kg 4 Kg Seniores (mais de 20 7,260 Kg 4 Kg anos)

2 Principais regras de um concurso O peso tem de ser lançado do pescoço apenas com uma mão. Na fase de preparação em que o atleta toma posição no círculo para iniciar o lançamento, o peso tem de estar colocado junto ao pescoço, entre a orelha e o queixo e a mão não poderá deslocar-se para baixo dessa posição durante o ensaio. Durante o lançamento o atleta não pode tocar com qualquer parte do seu corpo fora do círculo de lançamento ou no cimo da antepara, caso tal aconteça o ensaio é considerado nulo. Também será nulo se o peso cair fora do sector de queda ou tocar na linha que o delimita. Para o ensaio ser validado o atleta tem de abandonar o círculo em equilíbrio após o peso cair e por trás de uma linha que atravessa o círculo a meio. A medição do lançamento é feita desde a marca deixada pelo engenho mais próxima do círculo, até à margem interna da antepara, ao longo de uma linha recta que passe pelo centro do círculo. Num concurso de Lançamento do Peso, cada atleta tem três tentativas após as quais, os oito atletas com melhores marcas têm direito a mais três ensaios pela ordem inversa da classificação. Após o final do quinto ensaio a ordem de lançamentos é de novo alterada (ordem inversa à classificação) mas todos os atletas continuam em concurso. Vence a prova o atleta que obtiver o melhor resultado em qualquer uma das seis tentativas. Em caso de empate, desempata o segundo melhor resultado e assim sucessivamente. AS TÉCNICAS DE LANÇAMENTO DO PESO Há duas técnicas diferentes para o lançamento do peso, a técnica rectilínea e a técnica em rotação, e embora haja muitos pontos comuns entre essas duas técnicas, elas distinguem-se exactamente pela diferença que existe no percurso de aceleração do engenho, em linha recta na técnica rectilínea e num percurso circular na técnica em rotação.

3 Se observarmos os diferentes percursos dos pés podemos distinguir as duas técnicas. LANÇAMENTO EM ROTAÇÃO Movimento dos pés Dir. Esq. Dir. Dir. Esq. Esq. Dir. Esq. LANÇAMENTO RECTILÍNEO Movimento dos pés (deslizamento) Dir. Esq. Dir. Esq. A Técnica Rectilínea começou a realizar-se em 1952, sendo o seu precursor o atleta americano Perry O Brien. Esta técnica deve ser ensinada na iniciação dos jovens atletas, por ser menos complexa na sua estrutura de movimentos, mais segura e permitir uma aprendizagem mais fácil por parte dos atletas.

4 LANÇAMENTO DO PESO TÉCNICA RECTILÍNEA Características Técnicas mais importantes O lançamento do peso pode dividir-se em quatro fases: PREPARAÇÃO, DESLIZAMENTO, ARREMESSO e RECUPERAÇÃO. PREPARAÇÃO: O atleta deve segurar o engenho com os três dedos centrais, servindo o polegar e o mindinho apenas para o equilibrar. O peso é colocado junto ao pescoço entre a orelha e o queixo e o atleta deve colocar-se de costas para o sector, numa posição relaxada. O olhar deve estar dirigido para o local oposto ao sector de queda; O lançador inicia de seguida o movimento, inclinando o tronco para a frente (ficando quase na posição horizontal) e equilibrando-se numa só perna (a direita para lançadores dextros). DESLIZAMENTO O lançador flecte a perna de apoio e lança a perna livre para trás de forma explosiva, ficando a perna de apoio em extensão sobre o calcanhar que se mantém em contacto com o solo durante a maior parte do deslizamento. O tronco continua inclinado para a frente com os ombros paralelos à antepara, sempre voltados para o ponto de partida. É fundamental que este deslizamento não se realize de forma brusca ou demasiado rápida. Tem de haver o cuidado de iniciar o movimento de forma lenta e procurar que o ritmo seja progressivo.

5 ARREMESSO Na primeira parte do arremesso o atleta passa pela posição de força com o peso do corpo sobre a perna direita (lançadores dextros) que deve estar flectida. Os ombros mantêm-se paralelos à antepara, mas a linha das ancas já rodou para a esquerda. O olhar mantém-se num ponto imaginário oposto ao sector de queda. A partir desta posição deve haver uma rotação da bacia na direcção do lançamento, que termina frontalizada para o sector de queda, ao mesmo tempo que o lado esquerdo (perna, anca e braço) resiste, bloqueando o movimento. Após a acção das pernas e do tronco o movimento termina com uma extensão agressiva do braço lançador, mantendo-se os pés em contacto com o solo até o atleta perder o contacto com o engenho. Através desta sequência de acções dá-se uma transferência da velocidade do lançador para o engenho. RECUPERAÇÃO Esta é uma fase que surge normalmente quando a velocidade de execução dos atletas é grande e consiste numa troca rápida de pernas no sentido de estabilizar o atleta e evitar lançamentos nulos. De salientar que mesmo no alto nível existem atletas que não utilizam esta mesma recuperação. No seguimento do atrás exposto conclui-se que esta fase não tem relevância na iniciação ao lançamento do peso. ETAPAS DO TREINO DO LANÇAMENTO DO PESO O objectivo do treino do lançamento do peso nos escalões de formação é ensinar os jovens a lançar com a técnica rectilínea e desenvolver as capacidades técnicas e físicas fundamentais. As principais etapas do treinos desta disciplina são as seguintes: 1 Ensinar a pega do engenho e as regras de segurança O engenho é um elemento novo para o atleta, e numa primeira fase de treino ele tem de conhecer as suas características, a forma de pegar no engenho (pega) e principalmente tem de ser alertado para o perigo que pode decorrer dos treinos de lançamentos e quais são as regras de segurança para evitar situações de risco.

6 2 Ensinar a técnica de lançamento a partir da posição de força. Logo após a aprendizagem da pega, deve seguir-se a aprendizagem da posição de força e da movimentação que se deve realizar a partir dessa mesma posição. Esta aprendizagem deve ser feita inicialmente sem engenho (conhecer os posicionamentos) e numa fase seguinte com engenhos leves ou standard, ligando assim as posições anteriormente apreendidas. 3 Ensinar o deslizamento Após o ensino da posição de força, e antes de abordar a sequência completa do lançamento, o atleta deve aprender a fazer o deslizamento, que constitui um elemento técnico muito importante para uma aprendizagem correcta do estilo rectilíneo do lançamento do peso. Durante o ensino do deslizamento podem fazer-se exercícios para conhecer as posições e o respectivo movimento (sobretudo sem engenho) e realizar exercícios fazendo uma paragem na posição de força (lançamentos interrompidos). 4 Realizar lançamentos completos utilizando a técnica rectilínea É um dos grandes objectivos da aprendizagem do lançamento do peso. Esta técnica exige uma boa coordenação, alicerçada numa boa condição física, para que seja executada. Um erro a evitar nesta fase é a utilização de engenhos demasiados pesados para as capacidades físicas dos jovens, devendo o treinador ter esse aspecto em atenção, pois os engenhos mais leves permitem uma aprendizagem da técnica mais facilitada. 5 Aperfeiçoar o ritmo do Lançamento As questões rítmicas são fundamentais no ensino de todos os lançamentos. As crianças e jovens têm uma natural tendência para iniciar o movimento demasiado rápido, que deve ser contrariada pelo treinador, procurando incutir uma noção rítmica em que a parte inicial é claramente mais lenta que a fase final. A velocidade deve surgir na fase do arremesso, dependendo sobretudo da forma como se fizer a ligação entre o trabalho das pernas e do tronco, que tem uma acção decisiva sobre o braço do lançador a fase da aceleração principal. 6 Desenvolver a força explosiva A força explosiva é a capacidade física mais importante para um lançador, pelo que o treino deve privilegiar o desenvolvimento desta capacidade, com a introdução de muitos exercícios específicos. Os meios de que dispomos para desenvolver a força explosiva são os multilançamentos e o trabalho de saltos (horizontais e verticais). O desenvolvimento da força explosiva deve ir acontecendo ao longo do processo de ensino-aprendizagem, sendo que por vezes, níveis de força baixos impedem os atletas de conseguirem fazer as aquisições técnicas, sendo que nestes casos o treinador deve tomar maior atenção a esta componente do treino.

7 ERROS A EVITAR NO LANÇAMENTO DO PESO 1 Esquecer as regras de segurança, colocando em risco a segurança física de todos os elementos do grupo de podendo provocar acidentes de consequências muito graves. 2 Utilizar engenhos demasiado pesados para as capacidades físicas dos jovens, o que numa fase de aprendizagem não é minimamente aconselhável. 3 Iniciar a aprendizagem pela sequência completa do lançamento. É aconselhável iniciar pelo lançamento a partir da posição de força e numa etapa seguinte avançar para o ensino e aperfeiçoamento do deslizamento. 4 Executar o lançamento com uma pega incorrecta do peso e/ou uma má colocação do engenho no pescoço. Estas incorrecções impedem normalmente a utilização do pulso e dos dedos como alavancas no final do lançamento e podem inclusive provocar lesões. 5 Iniciar o deslizamento demasiado rápido, o que dificulta a coordenação do gesto técnico na fase do arremesso e normalmente faz com que não se consiga um final eficaz, quer em termos técnicos quer em termos rítmicos. 6 Mau aproveitamento da perna livre durante a fase de deslizamento, o que vai provocar um deslizamento demasiado curto e uma maior contracção e verticalização do tronco. 7 Levantar o tronco e rodar no sentido do lançamento ainda na fase de deslizamento, precipitando assim toda a sequência do lançamento. 8 Não definir correctamente a posição de força, rodando cedo demais no sentido do lançamento e deixando de ter o peso do corpo em cima da perna direita (lançadores dextros). Além da perda de rentabilidade este erro aumenta bastante a probabilidade de realizar ensaios nulos devido ao facto de o atleta não se conseguir manter dentro do círculo (saída para a frente). 9 Insuficiente rotação da bacia, normalmente associada a uma precipitação do lançamento com os ombros e braço lançador, o que faz com que o lançamento seja pouco eficaz e explosivo principalmente devido ao mau aproveitamento da força elástica. Este erro provoca normalmente uma saída do engenho do lado direito do sector de queda, próximo da linha delimitadora ou mesmo fora desse mesmo sector (ensaios nulos). 10 Não bloquear o movimento com o lado esquerdo do corpo (lançadores dextros), impede a aplicação da força na fase da aceleração principal.

8 PROGRESSÃO DO ENSINO PEGA E MANIPULAÇÃO DO PESO Lançamentos acima Lançamentos ao solo Estes exercícios, além de permitirem um aquecimento específico, familiarizam o atleta com o engenho e melhoram a eficácia da pega e da acção final do braço/pulso/dedos.

9 LANÇAMENTOS FRONTAIS De frente com pés paralelos De frente, com pé direito atrás do pé esquerdo Estes exercícios vão procurar introduzir a fase do arremesso, dando realce a aspectos técnicos fundamentais no lançamento do peso, como a importância do trabalho das pernas para provocar aceleração, o movimento de chicote do braço do lançamento, a acção da perna direita, o bloqueio do lado esquerdo do corpo e a manutenção do contacto dos pés no solo até final do lançamento. LANÇAMENTO DA POSIÇÃO DE FORÇA Com bola medicinal

10 A partir da posição de força Estes exercícios têm como principal objectivo introduzir a posição de força, melhorando aspectos técnicos como a acção da perna direita, a rotação das pernas, da bacia e do tronco e o bloqueio de todo o lado esquerdo do corpo (perna, anca e braço). LANÇAMENTOS COM DESLOCAMENTO Lançamentos com apoios alternados Lançamentos Completos O último exercício da progressão do ensino da técnica rectilínea do lançamento do peso é a sequência completa com a introdução do deslizamento. Nota: Os lançamentos completos podem transformar-se em lançamentos interrompidos, caso se faça uma paragem na posição de força.

11 LANÇAMENTOS COM BOLA MEDICINAL LANÇAMENTO DORSAL FRONTAL LANÇAMENTO Com estes exercícios, além da melhoria da força explosiva, procura fazer-se a ligação entre o movimento das pernas, o movimento do tronco e dos braços, ao mesmo tempo que se enfatiza a importância da extensão completa do corpo na parte final do lançamento. FORMAS JOGADAS Chegar à Linha Num campo delimitado, dividido ao meio por uma linha, duas equipas ou jogadores colocam-se afastados da linha cerca de 5 metros cada (a distância deve ser ajustada consoante o peso do engenho e o nível dos atletas). O primeiro a lançar a bola medicinal (ou peso) tem de tentar passar a linha pela maior margem possível, lançando-a de seguida o jogador ou equipa adversária exactamente a partir do local onde o engenho tocou o solo (deve colocar lá o pé esquerdo). O primeiro jogador ou equipa a não conseguir num lançamento ultrapassar a linha perde o jogo.

12 Que equipa chega mais longe? Formam-se duas ou mais equipas de 4 ou 5 elementos. O jogo inicia-se com um lançamento efectuado por um dos jogadores da equipa, lançando de seguida um jogador da mesma equipa, na mesma direcção, colocando o pé esquerdo no locar onde o peso caiu. Quando o último jogador lançar, define-se a distância que a equipa alcançou, no somatório dos ensaios de todos os elementos da equipa. De seguida a equipa adversária procede da mesma maneira. Sagra-se vencedora a formação que consiga atingir uma maior distância.

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano Sempre que me encontro em Reguengos não perco a oportunidade de observar atentamente os jogos do meu Clube. Tenho visto, nomeadamente, no escalão de Sub 14 masculino

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

6.1. História da Modalidade

6.1. História da Modalidade 6.1. História da Modalidade VI. Unidade Didáctica de Atletismo O Atletismo é a modalidade desportiva mais antiga que se conhece. A história do Atletismo, e o seu aparecimento, confunde-se com o da própria

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA

DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA DESPORTO ESCOLAR CURSO DE JUIZES DE ESCOLA ATLETISMO O ATLETISMO É COMPOSTO POR PROVAS DE PISTA, ESTRADA E CORTA- MATO AS PROVAS DE PISTA ESTÃO DIVIDIDAS

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo Fases do Jogo VÍTOR URBANO FASES DO JOGO No Futebol Moderno, todos os jogadores da equipa, sem

Leia mais

O que é o Bitoque-rugby

O que é o Bitoque-rugby O que é o Bitoque-rugby O rugby é uma modalidade desportiva que envolve contacto físico entre os seus praticantes, sendo assim é de primordial importância que os praticantes joguem de acordo com as regras

Leia mais

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo 1 Saltos Horizontais Comprimento e Triplo Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Na escola, pretende-se que a aptidão natural dos jovens para este tipos de saltos associe e integre a sua técnica específica

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Junho de 2010 2 Índice Informações gerais. 3 Solo 6 Cavalo de Arções.. 26 Argolas. 42

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

HISTÓRIA DO VOLEIBOL

HISTÓRIA DO VOLEIBOL VOLEIBOL HISTÓRIA DO VOLEIBOL O voleibol foi criado em 9 de Fevereiro de 1895 pelo americano William George Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke,

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes Aula Teórica História A exemplo do que se passa em outras modalidades desportivas, também surgem grandes interrogações sobre a origem do Futsal. No entanto parecem não restar dúvidas que teve origem na

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

Movimentação de Campo

Movimentação de Campo Movimentação de Campo Introdução Este tema tem relevante importância para a evolução dos nossos atletas, pois se estes não automatizarem os seus deslocamentos dentro do campo dificilmente atingiram elevadas

Leia mais

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Documento de Apoio a Professores Responsáveis por Grupo/Equipa de Ginástica Artística Janeiro 2008 Livro de Exercícios de Ginástica

Leia mais

Ficha de Observação Psicomotricidade

Ficha de Observação Psicomotricidade Observações Ficha de Observação Psicomotricidade Nome: Idade: Data: Nota: esta ficha consiste numa redução da bateria psicomotora, algumas tarefas foram retiradas de outros instrumentos de avaliação (ABC).

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS 3 a 5 ramos baixos não fixos de 3 a 5 cm de diametro distância entre os ramos: 1.00 metro largura 1.80 a 2.00 metros altura acima do garrote iniciação e juvenis: 30

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

LANÇAMENTOS EM ROTAÇÃO

LANÇAMENTOS EM ROTAÇÃO LANÇAMENTOS EM ROTAÇÃO 1. LANÇAMENTO DO DISCO REGRAS DO LANÇAMENTO DO DISCO Local da Competição O lançamento do disco disputa-se num círculo com 2,50 metros de diâmetro, com um sector de queda com uma

Leia mais

Corrida com Barreiras

Corrida com Barreiras 1 Corrida com Barreiras Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Esta corrida de velocidade associa a aptidão de percorrer determinada distância o mais rápido possível à capacidade de transpor obstáculos

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

OS SINAIS DO ÁRBITRO. Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde

OS SINAIS DO ÁRBITRO. Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde OS SINAIS DO ÁRBITRO Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde Os 49 sinais do árbitro têm como objetivo facilitar a comunicação com os jogadores e o público

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Fevereiro de 2010 2 Índice Informações gerais... 3 Salto de Cavalo... 7 Barra / Paralelas

Leia mais

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Helder Silva Considerações gerais Índice Proposta de ensino do tema Transição Defesa Ataque O que é?,

Leia mais

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica Escola Secundária Frei Heitor Pinto da Covilhã PLANO DE AULA Turma 10º ano C/D Aula nº: 34 Unidade Didáctica Atletismo lançamento do peso Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40

Leia mais

Projeto Mini Craque. Juventude Vidigalense

Projeto Mini Craque. Juventude Vidigalense Projeto Mini Craque Telefone: 244 833 799 Telemóveis: 912 727 166 ou 961 701 645 E-mail: geral@juventudevidigalense.org Prof. Nataniel Lopes: 913 091 989 E-mail: nataniel-lopes@juventudevidigalense.org

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PATINAGEM NA ESCOLA PRÁTICA

PATINAGEM NA ESCOLA PRÁTICA PATINAGEM NA ESCOLA PRÁTICA Iniciação à Patinagem 1 - Factores que Influenciam a Segurança - Equipamento Técnico - Equipamento de Protecção - Ambiente - Temperatura - Humidade - Condição Física - Superfície

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Escola Superior de Desporto de Rio Maior Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Docentes: António Graça Paulo Paixão Miguel Discentes: Turma 1 e 2 da UC de Teoria e Metodologia do Treino Rio Maior, 2009_10

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - "Maia Saudável" - 2009

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - Maia Saudável - 2009 O Rugby na Escola Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009 História do Jogo O rugby teve origem em Inglaterra quando um estudante, Web Wellis do Colégio de Rugby, durante um jogo de futebol, segurou

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL O Andebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 7 jogadores em campo e 5 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza da equipa

Leia mais

Diagrama das dimensões de uma quadra oficial Diagrama das dimensões de uma tabela oficial Equipe - Existem duas equipes que são compostas por 5

Diagrama das dimensões de uma quadra oficial Diagrama das dimensões de uma tabela oficial Equipe - Existem duas equipes que são compostas por 5 Basquetebol O basquetebol é um desporto colectivo inventado em 1891 pelo professor de Educação Física canadense James Naismith, na Associação Cristã de Moços de Springfield (Massachusetts), EUA. É jogado

Leia mais

Atletismo O ARREMESSO DO PESO

Atletismo O ARREMESSO DO PESO Atletismo O ARREMESSO DO PESO A maior característica do lançamento do peso, é a de ser reservada para pessoas fortes, em todas as épocas. Tanto isto é verdade, que os povos antigos praticavam o arremesso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Federação Portuguesa de Patinagem Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Associação de Patinagem de Lisboa GrupoDesportivode Patinagem Cascais, 23 de Abril de 2005 Federação Portuguesa de Patinagem

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Linhas de Exploração do Quadro de Competências

Escola Básica e Secundária de Velas. Linhas de Exploração do Quadro de Competências DISCIPLINA: Educação Física Ensino Pré-Escolar ESPECÍFICAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS / ACTIVIDADES - Desenvolver habilidades motoras de equilíbrio; - Desenvolver habilidades motoras de locomoção;

Leia mais

Bitoque Râguebi. Criação do Bitoque Râguebi. História

Bitoque Râguebi. Criação do Bitoque Râguebi. História Bitoque Râguebi História A lenda da criação do râguebi teve início por William Webb Ellis, um estudante de Londres. Foi dito que, durante uma partida de futebol em Novembro de 1823 na Rugby School, o tal

Leia mais

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3.

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. ÂMBITO: Aplica-se a todos os professores da Escola Municipal de Natação nos tanques

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Cartões de recurso pedagógico

Cartões de recurso pedagógico Cartões de recurso pedagógico Movimentações e habilidades 1. Movimentação - Sem bola 2. Adaptação à bola - Manipulação da bola 3. Movimentação - Com bola 4. Habilidades de lançamento - Rolamento 5. Habilidades

Leia mais

AULAS TÉCNICAS DE CRAWL Musculatura Utilizada. Posição do Corpo e de Seus Segmentos. Posição do Corpo Erros Causas Correções

AULAS TÉCNICAS DE CRAWL Musculatura Utilizada. Posição do Corpo e de Seus Segmentos. Posição do Corpo Erros Causas Correções SUMÁRIO AULAS TÉCNICAS DE CRAWL... 3 Respiração Lateral... 6 Entrada de Mão... 8 Recuperação da Braçada de Crawl... 11 Puxada... 13 Deslize... 15 Posição do Pé para Execução da Pernada de Crawl... 17 Aceleração...

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR 1. História do Voleibol 1.1. A Origem do Voleibol: a centenas de anos jogos similares jáj eram praticados no mundo todo. Willian Morgan da Y.M.C.A. cria em

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

MÓDULO 8. Desportos Individuais- ATLETISMO

MÓDULO 8. Desportos Individuais- ATLETISMO 1. Origem, evolução e tendências de desenvolvimento da modalidade 1.1. Contextos organizacionais e formas de prática 1.2. Aspetos demográficos e geográficos da prática 1.3. Tendências de desenvolvimento

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO INTRODUÇÃO O presente concurso de selecção de candidaturas para elementos a incluir na Força Especial de Bombeiros, rege-se pelas

Leia mais

Tipos de análises do movimento humano

Tipos de análises do movimento humano Tiago Barbosa Análise qualitativa do movimento humano Tipos de análises do movimento humano QUALIT. QUANT. Nível de desenvolvimento Escala de apreciação Amplitude de passada Velocidade Aceleração Força

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO

Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO OBJECTIVO: Efetuar um percurso de ida e volta, num total de cerca de 40 metros, no menor tempo possível. PARTICIPANTES: 6 elementos de cada Equipa. DESENVOLVIMENTO:

Leia mais

Andebol 2. . Anna Volossovitch. O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos. Miguel Ribeiro. autores. Um corpo de Conhecimentos

Andebol 2. . Anna Volossovitch. O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos. Miguel Ribeiro. autores. Um corpo de Conhecimentos Andebol 2 O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos autores Miguel Ribeiro. Anna Volossovitch Um corpo de Conhecimentos UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA 3 FACULDADE DE MOTRICIDADE

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO O AGACHAMENTO O agachamento é um dos movimentos mais utilizados no treino desportivo, mas um dos menos compreendidos e pior utilizado. Deixo um conjunto reflexões que para alguns poderão ser um pouco polémicas

Leia mais

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1.

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1. Índice 1.1 Mesas Bolas Equipamento 1.2 Saída Posicionamento das bolas 1.3 Tacada 1.4 Bola não embolsada Turno 1.5 Ordem de saída 1.6 Abertura Saída 1.7 Jogo Começo 1.8 Abertura Desvio da bola branca 1.9

Leia mais

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque.

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque. REGRAS OFICIAIS 1. A QUADRA 1.1. A área de jogo trata-se de um retângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este retângulo será dividido na sua metade por uma rede, formando em

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos:

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: 1. Forças externas (que representam as acções externas sobre o corpo rígido) 2. Forças internas (que representam

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Leiria, 20 de Janeiro de 2007 ÉPOCA 2006/2007 TESTE ESCRITO

Leia mais

Vade-mécum para o exame prático * terreno * da categoria A

Vade-mécum para o exame prático * terreno * da categoria A Vade-mécum para o exame prático * terreno * da categoria A Versão definitiva ( Válida a partir do 18/04/2005 ) Esta versão substitui todas as antecedents A partida 1. O capacete tem de estar bem colocado

Leia mais

Ensinando Habilidades Esportivas. Voleibol da Special Olympics

Ensinando Habilidades Esportivas. Voleibol da Special Olympics Ensinando Habilidades Esportivas da Special Olympics Tabela de Conteúdos Aquecimento... 3 Exercícios de Aquecimento... 5 Exercícios Para Todas as Habilidades (Construa Todas as Habilidades de maneira Eficiente)...

Leia mais