CLUBE DESPORTIVO NACIONAL SEÇÃO DE GINÁSTICA RÍTMICA - GR - REGULAMENTO INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLUBE DESPORTIVO NACIONAL SEÇÃO DE GINÁSTICA RÍTMICA - GR - REGULAMENTO INTERNO"

Transcrição

1 CLUBE DESPORTIVO NACIONAL SEÇÃO DE GINÁSTICA RÍTMICA - GR - REGULAMENTO INTERNO

2 2 ÌNDICE 1. INSCRIÇÕES 2. COTAS MENSAIS DE SÓCIO 3. AULAS EXPERIMENTAIS 4. CLASSES DE FORMAÇÃO 5. CLASSES DE COMPETIÇÃO 6. FÉRIAS E INTERRUPÇÕES 7. ACESSO AO GINÁSIO 8. EQUIPAMENTO 9. HIGIENE E SEGURANÇA 10. REGRAS DE COMPORTAMENTO 11. ATENDIMENTO AOS PAIS 12. ACIDENTES 13. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO 14. SARAUS & GALAS 15. CONDIÇÕES GERAIS

3 3 1. INSCRIÇÕES As inscrições decorrem, preferencialmente, entre o mês de Julho e Outubro para os ginastas que já frequentam as aulas. No mês de Setembro, iniciam-se as novas inscrições e a renovação da inscrição. A inscrição/renovação implica o pagamento anual que inclui, a matrícula, o seguro desportivo e a inscrição na Federação de Ginástica de Portugal. A matrícula só é considerada regularizada perante a entrega de todos os documentos solicitados, incluindo o exame médico-desportivo, que terá que ser realizado até 15 dias após o início da atividade. Enquanto a matrícula não estiver regularizada, os ginastas só poderão realizar as aulas, perante a entrega de um termo de responsabilidade assinado pelo encarregado de educação. É importante que os pais informem qual o correio eletrónico para o qual podemos enviar informações. Devem preencher a ficha de inscrição do CDN com todas as informações e completar com alguma informação pertinente (caso de doença). Após a inscrição totalmente regularizada, o ginasta receberá um cartão de associado da Federação de Ginástica de Portugal, este cartão é pessoal e intransmissível. 2. COTAS MENSAIS DE SÓCIO A frequência das aulas implica o pagamento de cotas mensais, cujo valor é estipulado pelo CDN para cada época desportiva e que pode variar em função da classe. Caso haja irmãos, será efetuado um desconto de 10% no total das cotas mensais. O pagamento das mensalidades deve ser efetuado até ao dia 08 de cada mês. Será aplicada uma multa de 1 por dia até 5 dias sempre que o período de pagamento da cota mensal não for respeitado. A partir do dia 10 de cada mês, não poderão ser realizados pagamentos das cotas, mas no mês seguinte, serão realizados os pagamentos das cotas em falta. Cada ginasta receberá um cartão de atleta onde ficarão registadas todas as mensalidades. Os recibos serão processados de acordo com os pagamentos efetuados. Também será efetuado um cartão de sócio atleta, pela Direcção do clube. Assim, beneficiarão de algumas regalias existentes no sítio do clube (http://www.cdnacional.pt/geral). As cotas mensais serão sempre pagas de Setembro a Julho inclusive, por inteiro e em qualquer circunstância.

4 4 O CDN não procederá à devolução de qualquer montante, previamente liquidado, salvo casos de força maior enunciados e desde que devidamente fundamentados: a) Em caso de incapacidade temporária para a prática desportiva, por um período superior a 30 dias devidamente fundamentada, poderá ser pedida a suspensão da inscrição do ginasta, que será retomada após final da causa incapacitante. b) Doença incapacitante em termos definitivos, para a prática desportiva; c) Situação de desemprego involuntário, por um período superior a 3 meses. Sempre que as mensalidades estejam em atraso, será enviado por escrito ou por correio eletrónico, informação aos pais para regularizarem a situação. O não cumprimento das orientações enviadas poderá determinar a cessação do direito à frequência das aulas. Para desvinculação de associado/ginasta do CDN, é necessário entregar no clube um pedido de demissão (de Sócio) por escrito, com pelo menos 60 dias antes da data de cessação. 3. AULAS EXPERIMENTAIS O interessado em inscrever-se na ginástica poderá frequentar de uma forma gratuita, as aulas do grupo equivalente à sua idade por um período de uma semana, sendo-lhe entregue um Termo de Responsabilidade de Aptidão para a prática de Atividade Física para preenchimento, responsabilizando-se o encarregado de educação pela condição de saúde para praticar ginástica rítmica. A avaliação física inicial do futuro ginasta será realizada no decorrer dessas aulas experimentais de forma gratuita. 4. CLASSES DE FORMAÇÃO O CDN tem classes de formação a partir dos quatro anos. As ginastas inscrevem-se na classe destinada à sua idade e nível de aprendizagem. Não serão permitidas mudanças de horários exceto as que forem sugeridas pelos treinadores. Poderá haver substituição do professor caso o departamento de ginástica o entenda fazer, ou pontualmente por motivo de força maior. No caso de não haver um número mínimo de seis ginastas inscritos num grupo, o CDN reserva-se ao direito de cancelar o mesmo, integrando os mesmos noutros grupos.

5 5 Será sempre tido em conta por parte dos professores/treinadores o rendimento escolar dos seus ginastas num diálogo permanente com os encarregados de educação dos mesmos. 5. CLASSES DE COMPETIÇÃO A integração dos ginastas nas classes de pré-competição e competição será sugerida aos pais/encarregados de educação pelo treinador, traçando os objetivos, os dias e tempos de treino com os mesmos. Com a aceitação, o ginasta será automaticamente integrado na classe de précompetição ou competição equivalente ao seu desenvolvimento. A recusa por parte dos pais/encarregados de educação manterá o ginasta no grupo onde até então estava incluído. Todos os períodos serão pedidos aos encarregados de educação os resultados escolares dos seus educandos. Os mesmos resultados deverão ser no mínimo satisfatórios sob pena de sanções aos ginastas. Depois do planeamento e dos objetivos traçados para a época competitiva dos ginastas de competição (sempre com o apoio de pais/encarregados de educação), todos os envolvidos, desde os ginastas até aos responsáveis, deverão cumprir com rigor e disciplina o que foi traçado, não existindo desculpas para ninguém em caso de incumprimento. 6. FÉRIAS E INTERRUPÇÕES As aulas de ginástica decorrem entre o mês de Setembro a Julho, para as classes de formação (junho) e de competição (julho). As aulas são alteradas consoante as férias escolares, na época de Natal, de Carnaval e da Páscoa, reservando-se ao CDN o ajuste do número, horário e local das mesmas. Os encarregados de educação serão previamente informados. As aulas referentes a períodos de paragem são normalmente compensadas em aulas de reforço necessárias em várias alturas do ano (ex.: competições, Galas, Saraus, etc..). Esporadicamente poderá ser necessário cancelar alguma aula por razões diversas e alheias a nossa vontade. Sempre que uma aula seja cancelada, será dada oportunidade dos alunos para frequentarem outra aula para compensar.

6 6 7. ACESSO AO GINÁSIO Os balneários estão reservados aos ginastas e apenas é permitido o acesso dos pais dos ginastas mais novos para ajuda-los. Todos os outros ginastas já têm autonomia suficiente. O horário de início da aula/treino deve ser respeitado de forma a não perturbar o decorrer normal da mesma. Não é aconselhável a presença dos pais/encarregados de educação nas aulas/treinos para garantir boas condições de concentração e uma maior rentabilidade do tempo disponível para a prática. Em casos excecionais de adaptação da criança o treinador poderá solicitar a presença de um dos pais. No término da aula/treino os pais deverão comparecer com pontualidade para receber as crianças pois não dispomos de pessoal auxiliar que permita assegurar o seu bem-estar para além da hora da aula, sobrecarregando o professor com uma dupla função, orientar o treino e concomitantemente sobre visionar as outras crianças, deste modo é realmente muito importante que os pais não se atrasem. 8. EQUIPAMENTO E MATERIAIS No treino é obrigatório usar equipamento adequado. Será afixado em local visível pelos professores/treinadores, no início da época, todo o equipamento permitido, obrigatório e proibido para os treinos/aulas. Todo o equipamento desportivo necessário para as aulas/treinos deverá ser transportado na mochila do ginasta, devendo ser única e exclusivamente utilizado no espaço de treino. O ginasta deverá mudar de roupa no vestiário, sendo proibida a utilização de qualquer peça de vestuário vinda da rua. Para os treinos a própria treinadora irá indicar o equipamento/material necessário para os treinos. Sempre que necessário, os apetrechos necessários ao treino/aula (como almofadas, elásticos, bola, corda, arco, fita, maças etc.) poderão ser colocados na sala de ginástica em lugar destinado aos mesmos para serem utilizados com maior comodidade. No entanto, sempre que se encontre uma peça de roupa ou outro objeto na sala de ginástica, em local que não lhe é destinado, este é automaticamente considerado como abandonado e colocado na zona de perdidos e achados por quem o encontrar.

7 7 Todo o equipamento pode ser adquirido através dos professores responsáveis pela modalidade, que explicarão como adquiri-los. Os equipamentos e materiais devem estar devidamente identificado e dentro de um saco de pano e o CDN não se responsabilizará por perdas ou danos. Os cabelos devem estar bem penteados e presos com elástico e molas. Não é permitido realizar as aulas com acessórios que possam provocar acidentes (colares, brincos, relógios, anéis, etc). Quando uma ginasta recebe equipamento e material do CDN para utilização pessoal deve zelá-lo de modo a entregá-lo conforme o recebeu. Caso contrário poderá ser exigido ao encarregado de educação que assuma o encargo relativo à aquisição do material ou equipamento estragado. O equipamento do CDN utilizado pela ginasta deverá ser entregue no mais curto espaço de tempo à treinadora. Relativamente à utilização dos maillots de competição do clube, será cobrado um aluguer (5 euros). Este material deve ser adquirido depois de se informarem junto da treinadora acerca das características do mesmo (tamanho, peso, cor, espessura, maleabilidade, etc) Pode ser ainda solicitado a aquisição de outros aparelhos ou adereços em função das coreografias a trabalhar, para tal as treinadoras irão informar os pais como poderão adquiri-los. 9. HIGIENE E SEGURANÇA A utilização de qualquer material alheio ao treino/aulas de ginástica requer a consulta prévia do profissional responsável. O calçado (meias, sabrinas, chinelos ou sapatilhas) utilizado para a prática de atividades dentro da sala de ginástica não poderá ser utilizado fora das mesmas instalações, respeitando-se assim as zonas de pé descalço. Não é permitida a circulação, nas zonas húmidas e molhadas (duches e balneários), sem o uso de chinelos. Não é permitida a ingestão de produtos alimentares no interior da sala de ginástica. As casas de banho, balneários e duches deverão ser deixadas como as encontraram aquando da sua utilização. Não é permitido realizar as aulas com acessórios que possam provocar acidentes (colares, brincos, relógios, anéis, etc.).

8 8 10. REGRAS DE COMPORTAMENTO Os ginastas, pais/encarregados de educação devem tratar com educação e civilidade os demais, bem como funcionários e professores/treinadores do CDN, respeitando bens e pessoas. Não será permitida linguagem insultuosa, abusiva ou grosseira, bem como quaisquer comportamentos que perturbem o bem-estar, as atividades dos colegas ou o normal funcionamento da sala de ginástica. Não será permitido o acesso às instalações de pessoas que se encontrem sob o efeito de álcool ou narcóticos. É proibido fumar em toda e qualquer área interior das instalações desportivas. O incumprimento das normas referidas neste capítulo poderá levar à tomada de posição por parte dos responsáveis, que poderá ser uma simples chamada de atenção até à exclusão do associado de toda e qualquer atividade nas instalações do CDN, se tal se justificar. Os ginastas devem respeitar escrupulosamente as indicações dos professores/treinadores, nomeadamente no que se refere às atividades físicas a praticar, a sua prescrição e forma correta de utilização dos serviços, equipamentos e instalações. A nenhum ginasta é permitida a auto-prescrição da atividade física na sala de ginástica. O ginasta que voluntariamente, ou por uso irresponsável, danificar um aparelho ou equipamento da Sala, ficará obrigado a indemnizar a Ginástica Artística do CDN pelo valor praticado no mercado atual, sem qualquer prejuízo de outras punições, sem qualquer encargo a ser comportado pelo CDN. Este valor é passível de execução, com a implicação do pagamento dos encargos processuais e honorários advocatórios a ser suportados pelos pais/encarregados de educação dos ginastas ou pelo próprio aquando de maior idade. É obrigatório o aviso por parte dos encarregados de educação, pais ou ginastas em caso de falta aos treinos. 11. ATENDIMENTO AOS PAIS Não é permitido interromper as aulas, pelo que se algum encarregado de educação pretender falar pessoalmente com o professor/treinador, deve marcar previamente por telefone/ ou aguardar o término da aula desde que não implique atrasos nas aulas seguintes que o professor orienta.

9 9 12. ACIDENTES Em caso de acidente, o ginasta será conduzido ao Centro Hospitalar ou à Clinica para uma primeira assistência, sendo depois seguido pelo médico do departamento clínico do CDN e/ou da Achada Fisioclinic. Será efetuada a participação de acidente que acionará o seguro desportivo de modo a que sejam asseguradas as despesas de tratamento. 13. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Os horários da modalidade de Ginástica Ritmica serão sempre divulgados no início da época desportiva em reunião com os pais/encarregados de educação podendo, em casos de força maior, ser alterados. As alterações serão afixadas em local visível e comunicadas em tempo útil. 14. SARAUS/GALAS A participação em saraus/galas poderá determinar a necessidade de adquirir material e equipamentos específicos. Para esse efeito, será cobrada uma taxa que se destinará a aquisição destes adereços, caso sejam necessários, todas as ginastas que pretendam participar. As ginastas que não participem deverão avisar antecipadamente a treinadora, de modo a não provocar equívocos na construção da coreografia, e para que não lhes sejam solicitados os pagamentos das referidas taxas. 15. CONDIÇÕES GERAIS Quaisquer alterações aos meios de contacto fornecidos ao CDN pelos pais/encarregados de educação dos ginastas (ex.: alteração de morada, telefone, ou outros) devem ser comunicadas com a maior brevidade possível de forma a garantir a boa comunicação e prestação dos serviços. Não é permitida qualquer tipo de venda de bens ou serviços, bem como a sua publicitação através de panfletos, catálogos ou outros meios publicitários, dentro das instalações do CDN sem a autorização da Direção. Poderá ser impedido o acesso ou permanência na sala de ginástica a quem se recusar a pagar os serviços que pretende realizar e a quem não demonstre um comportamento adequado, provocando distúrbios ou atos de violência física ou verbal. A utilização de telemóveis, Tablets e outros objetos eletrónicos é proibida durante toda a duração dos treinos/aulas.

10 10 Não é permitido levar para as aulas/treinos pertences. Estes deverão ficar em casa, no balneário ou (se for necessário) à guarda de um dos professores/treinadores. Não é permitida a presença de animais nas instalações do CDN. Os ginastas devem ter cuidado na prática do exercício físico, quer no que respeita à utilização de equipamentos, quer quanto à sua própria saúde, especialmente se sentirem fadiga excecional, qualquer perturbação, distúrbio físico ou psíquico, devendo solicitar de imediato o auxílio dos professores/treinadores que se encontrem presentes. O CDN compromete-se a manter as melhores condições possíveis das suas instalações para a prática de exercício físico. Ao CDN não poderão ser imputadas responsabilidades no caso de furtos ou estragos ocorridos no interior das suas instalações em objetos ou valores pessoais. Ao CDN é reservado o direito de alterar atividades e preços, comprometendo-se a afixar as alterações e a comunica-las em tempo útil. A Ginástica do CDN coloca-se à disposição para quaisquer reclamações, solicitações ou sugestões dos ginastas, pais/encarregados de educação, que poderão ser feitas pessoalmente ao professor responsável, por correio eletrónico, ou por escrito para a direção do CDN. Os associados tomarão conhecimento do presente regulamento aquando da inscrição dos ginastas e declararão estar cientes de todo o seu conteúdo, sendo se solicitada, entregue a cópia do mesmo por correio electrónico. Não obstante, este regulamento estará afixado na entrada da sala ginástica. Este regulamento faz parte integrante da inscrição nas aulas/treinos de Ginástica Artística do CDN, sendo ele indissociável para todos os efeitos formais e legais. A alegação do desconhecimento deste regulamento interno não poderá ser aceite como argumento para o não cumprimento do mesmo. Este Regulamento Interno poderá ser alterado pelo CDN, e as alterações serão afixadas em local visível. *todos os casos omissos do presente Regulamento Interno serão regulados, segundo os casos análogos que aqui estejam apresentados e, na falta destes, a lei geral no que à responsabilidade civil diga respeito. A secção de Ginástica Rítmica do CDN, 15 de Setembro 2014.

REGULAMENTO GERAL. Artigo 2.º (Definições) As seguintes expressões utilizadas neste Regulamento terão o significado que aqui lhes é atribuído.

REGULAMENTO GERAL. Artigo 2.º (Definições) As seguintes expressões utilizadas neste Regulamento terão o significado que aqui lhes é atribuído. REGULAMENTO GERAL Artigo 1.º (Objeto) 1. O presente regulamento estipula as normas gerais e as condições de utilização do Ginásio. 2. O regulamento é parte integrante do Contrato de Adesão, ficando os

Leia mais

CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL

CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL ÍNDICE CAPITULO I - PARTE GERAL Artigo 1º - Disposição Geral Artigo 2º - Formação e Competição Artigo 3º - Formação Artigo 4º - Competição Artigo

Leia mais

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - OBJECTO ARTIGO 2º - ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 3º - CONCEITOS ARTIGO 4º - ACESSO À PISCINA ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da Escola de Futebol Os Afonsinhos é Academia do Vitória Sport Clube. Artigo 2º (Destinatários)

Leia mais

Regimento Interno de Educação Física

Regimento Interno de Educação Física Aspectos Gerais Regimento Interno de Educação Física 2013/14 Ponto 1 - As instalações desportivas destinam-se à realização das aulas de Educação Física e Atividades de Complemento Curricular. Qualquer

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da Escola de Futebol Os Afonsinhos é o departamento de futebol formação do Vitória Sport

Leia mais

EXTERNATO MARISTA DE LISBOA. Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa. Capitulo I Disposições Gerais

EXTERNATO MARISTA DE LISBOA. Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa. Capitulo I Disposições Gerais Pág. 1 de 5 EXTERNATO MARISTA DE LISBOA Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Objeto O presente regulamento de utilização tem por objeto definir

Leia mais

Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha

Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha 1 Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha Rev. 02 2014 Índice Preâmbulo... 3 2 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Instalações... 3 Artigo 2º - Objeto e Finalidade... 3 Artigo 3º - Propriedade

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

Regulamento de atividade 2013/2014

Regulamento de atividade 2013/2014 Regulamento de atividade 2013/2014 O presente é referente à atividade do GCS, pelo que as questões administrativas, serão tratadas noutro documento normativo. A intenção do mesmo é regular e acima de tudo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Edição 2 Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9 Revisão: 02 Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Código: RIP Documentos relacionados: RIP Regulamento Interno da PISCINA I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Objecto O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de utilização dos campos de futebol das instalações desportivas Myindoor

Leia mais

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

Programa Olivais em Férias

Programa Olivais em Férias Capítulo 90 Programa Olivais em Férias Ano 2015 MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 8 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e Organização... 3 3. Inscrição... 3 3.1. Valor a pagar... 3 3.2. Fichas de

Leia mais

Componente de Apoio à Família

Componente de Apoio à Família Capítulo 056 Componente de Apoio à Família MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e organização... 3 3. Funcionamento... 4 3.1. Períodos da CAF... 4 3.2. Horários

Leia mais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PISCINAS MUNICIPAIS DE ÓBIDOS Pág. 1 de 8 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) As

Leia mais

Regulamento Geral das Piscinas do Município de Gondomar

Regulamento Geral das Piscinas do Município de Gondomar Regulamento Geral das Piscinas do Município de Gondomar Capítulo I - Parte Geral Secção I - Disposições Gerais ARTIGO 1º - Âmbito de aplicação a) O presente regulamento é aplicável ao funcionamento e utilização

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO 1. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO 1.1 O Colégio TAGUSPARK recebe crianças

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes e

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL Artigo 1º Disposições Gerais 1 - O presente regulamento estabelece os princípios, normas gerais e as condições de concessão, exploração

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 Contactos da Junta de Freguesia Morada: Rua General Silva Freire, Lote C 1849-029 Lisboa Telefone: 21 854 06 90 Fax: 21 852 06 87 / 21 248 79 25 E-mail:

Leia mais

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO É objetivo dos Campos de Férias do Pony Club do Porto proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 12

Leia mais

Regulamento Interno. Campos de Férias (não Residenciais)

Regulamento Interno. Campos de Férias (não Residenciais) Regulamento Interno Campos de Férias (não Residenciais) O presente Regulamento Interno dos Campos de Férias não Residenciais do Acro Clube da Maia visa definir com objetividade as Regras, os Direitos e

Leia mais

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 1. FREQUÊNCIA 1.1. A frequência da CEBE está condicionada a que um dos pais e/ou encarregado de educação da criança se tornem sócios da CEBE, para

Leia mais

Regulamento Interno de Técnica de Dança Clássica. Ano Letivo 2015/ 2016

Regulamento Interno de Técnica de Dança Clássica. Ano Letivo 2015/ 2016 Regulamento Interno de Técnica de Dança Clássica Ano Letivo 2015/ 2016 Consideram-se sujeitos ao cumprimento do presente regulamento todos os alunos de Ballet desta escola. 1. Aulas de Ballet As aulas

Leia mais

GUARDA UNIDA SPORT CLUBE. Secção de Ténis de Campo Escola de Ténis

GUARDA UNIDA SPORT CLUBE. Secção de Ténis de Campo Escola de Ténis GUARDA UNIDA SPORT CLUBE Secção de Ténis de Campo Escola de Ténis Guarda 2009 GUARDA UNIDA SPORT CLUBE 2 Guarda Unida Sport Clube Secção de Ténis Director responsável: Mário Cameira Serra* Corpo Técnico:

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO. Férias ativas. Regulamento interno

MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO. Férias ativas. Regulamento interno MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO Férias ativas Regulamento interno PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela alínea

Leia mais

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações:

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações: I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de cedência e utilização do complexo de piscinas municipais de Pombal, subordinando-se às disposições legais

Leia mais

Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros

Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros Índice Preâmbulo Artigo 1.º Objectivo Artigo 2.º Normas de Acesso Artigo 3.º Tipos de Utilização Artigo 4.º Normas de Utilização

Leia mais

Regulamento Ginásio Cardiofitness e Musculação

Regulamento Ginásio Cardiofitness e Musculação Época 2015/2016 Regulamento Ginásio Cardiofitness e Musculação Av. Francisco Pinto Pacheco nº 32 2660-262 Santo António dos Cavaleiros Telf: 21 989 87 80 Telm: 92 418 38 91/2 e-mail: geral@cecssac.pt www.webmail.cecssac.pt

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ. Regulamento das Férias Ativas

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ. Regulamento das Férias Ativas CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Férias Ativas PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela alínea a) do

Leia mais

GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO

GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO NATAÇÃO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS Art.º 1 (Objeto) 1 O presente regulamento estabelece as normas gerais de utilização e funcionamento das Piscinas do Clube, que

Leia mais

NIF: 505 316 633 Rua Casal da Vinha, 2, Idanha 2605-108 Belas Regulamento Interno 2012/2013. Regulamento Interno. Ano Lectivo 2012/13

NIF: 505 316 633 Rua Casal da Vinha, 2, Idanha 2605-108 Belas Regulamento Interno 2012/2013. Regulamento Interno. Ano Lectivo 2012/13 CAF COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA Regulamento Interno Ano Lectivo 2012/13 INTRODUÇÃO O presente regulamento tem como objectivo estabelecer as normas e procedimentos de funcionamento da CAF, a funcionar

Leia mais

(A não entrega de qualquer um destes documentos inviabiliza a inscrição)

(A não entrega de qualquer um destes documentos inviabiliza a inscrição) REGULAMENTO DA ESCOLA DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DO CLUBE OLÍMPICO DE OEIRAS Os alunos deverão cumprir todas as normas de conduta na utilização das instalações, de acordo com o estipulado no Regulamento do

Leia mais

Estúdio - Escola de Dança Clássica de Anna Mascolo EEDC-AM. O processo de inscrição é considerado completo com a entrega dos seguintes elementos:

Estúdio - Escola de Dança Clássica de Anna Mascolo EEDC-AM. O processo de inscrição é considerado completo com a entrega dos seguintes elementos: Estúdio - Escola de Dança Clássica de Anna Mascolo EEDC-AM Informação relevante Inscrição O processo de inscrição é considerado completo com a entrega dos seguintes elementos: Pedido de Inscrição devidamente

Leia mais

Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf

Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf O surf é uma prática desportiva marítima, habitualmente considerada como parte do grupo de atividades desportivas radicais, devido ao seu aspeto criativo,

Leia mais

Regulamento das Atividades Culturais e Desportivas

Regulamento das Atividades Culturais e Desportivas Época 2015 / 2016 Regulamento das Atividades Culturais e Desportivas Av. Francisco Pinto Pacheco nº 32 2660-262 Santo António dos Cavaleiros Telf: 21 989 87 80 Telm: 924 183891 / 2 e-mail: geral@cecssac.pt

Leia mais

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros:

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros: SPORT CAMPUS 2015 Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO Parceiros: Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades

Leia mais

Resposta Social Creche

Resposta Social Creche Fundação Manuel Francisco Clérigo Instituição Particular de Solidariedade Social Caro(a) novo(a) utente GUIA DE ACOLHIMENTO Resposta Social Creche É com o maior prazer que lhe damos as boas vindas, como

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL DRAGON FORCE Época 2012/2013. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL DRAGON FORCE Época 2012/2013. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL DRAGON FORCE Época 2012/2013 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da escola de futebol Dragon Force é a Futebol Clube do Porto, Futebol SAD. Artigo 2º (Destinatários)

Leia mais

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho Universidade do IVlinho Reitoria desdacho RT-71/2013 As bibliotecas da Universidade são uma estrutura essencial de apoio ao trabalho dos alunos, professores e investigadores, representando um repositório

Leia mais

MANUAL DO ATLETA São Paulo, 2013

MANUAL DO ATLETA São Paulo, 2013 MANUAL DO ATLETA São Paulo, 2013 1 APRESENTAÇÃO O Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, também identificado pela sigla COTP, é um equipamento da Coordenadoria de Gestão do Esporte de Alto Rendimento

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS ÉPOCA DESPORTIVA 2015/16 Seguro Desportivo Página 1 1. - DEFINIÇÕES De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes

Leia mais

Regulamento Seguro Escolar

Regulamento Seguro Escolar Regulamento Seguro Escolar O seguro escolar, enquanto sistema de apoio socioeconómico aos alunos, no âmbito da ASE, atua como complemento à assistência assegurada por outros sistemas públicos e privados

Leia mais

Regulamento Interno Específico ANDEBOL

Regulamento Interno Específico ANDEBOL Instalações Desportivas São consideradas neste regulamento instalações desportivas da CPVV todas as instalações disponibilizadas pela instituição Casa do Povo de Valongo do Vouga. Elementos Desportivos

Leia mais

Artigo 1º (Objectivo) O presente documento define o regulamento interno do Instituto de Línguas Clifton College. Artigo 2º (Âmbito)

Artigo 1º (Objectivo) O presente documento define o regulamento interno do Instituto de Línguas Clifton College. Artigo 2º (Âmbito) Artigo 1º (Objectivo) O presente documento define o regulamento interno do Instituto de Línguas Clifton. Artigo 2º (Âmbito) O Regulamento interno estabelece o regime de funcionamento do Instituto bem como

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG REGIMENTO INTERNO ADEG Home 14 INDICE INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------. 03 1. DEVERES DA ASSOCIAÇÃO ------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELA UNIÃO DAS FREGUESIAS DO CACÉM E SÃO MARCOS - SINTRA REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELA UNIÃO DAS FREGUESIAS DO CACÉM E SÃO

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende Lei Habilitante A utilização dos equipamentos municipais carece de regulamentação. A Câmara Municipal

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

CONDIÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SETOR DE ESPORTES

CONDIÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SETOR DE ESPORTES CONDIÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SETOR DE ESPORTES 1 DEFINIÇÕES Departamento de Esportes Educação Física, doravante designado por Setor de Esportes da PUCPR. Prestador de serviços na área do exercício físico,

Leia mais

Contrato. E Nome: (adiante designado por Formando) Morada: Data de nascimento / /, Contribuinte N.º Telefone:, E-mail:

Contrato. E Nome: (adiante designado por Formando) Morada: Data de nascimento / /, Contribuinte N.º Telefone:, E-mail: Contrato ENTRE Bootcamp Portugal Limitada Rua Cidade de Porto Amelia 15ª, 2 DTO, Corroios Contribuinte nº 509013112 E Nome: (adiante designado por Formando) Morada: Data de nascimento / /, Contribuinte

Leia mais

Condições gerais de utilização do Cartão de Identificação de Cliente para Transportes da Região de Lisboa

Condições gerais de utilização do Cartão de Identificação de Cliente para Transportes da Região de Lisboa Condições gerais de utilização do Cartão de Identificação de Cliente para Transportes da Região de Lisboa O Cartão de Identificação de Cliente, doravante designado por cartão, é propriedade da Entidade

Leia mais

Regulamento da Disciplina e Instalações de Educação Física

Regulamento da Disciplina e Instalações de Educação Física Regulamento da Disciplina e Instalações de Educação Física Dadas as características específicas da disciplina de Educação Física, foi entendimento dos professores da Área Disciplinar, elaborar um Regulamento

Leia mais

Regulamento Interno Academia Pioneiros

Regulamento Interno Academia Pioneiros Regulamento Interno Academia Pioneiros Art.º 1 - Informações Gerais 1. A Academia Pioneiros decorre nas suas próprias instalações, em regime fechado; 2. Cabe à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR

REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR O presente documento constitui o regulamento do seguro escolar a estabelecer na Escola Secundária Soares Basto e tem por base a respectiva legislação, nomeadamente o Decreto-lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA Mértola tem Melodia

ESCOLA DE MÚSICA Mértola tem Melodia ESCOLA DE MÚSICA Mértola tem Melodia Regulamento 2014/2015 O presente Regulamento estabelece as regras gerais de funcionamento da Escola de Música Mértola tem Melodia (MTM) e tem a vigência de Setembro

Leia mais

REGULAMENTO GERAL PARA AS RESIDÊNCIAS DE ESTUDANTES DOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA OBJETIVOS.

REGULAMENTO GERAL PARA AS RESIDÊNCIAS DE ESTUDANTES DOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA OBJETIVOS. REGULAMENTO GERAL PARA AS RESIDÊNCIAS DE ESTUDANTES DOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA OBJETIVOS Artigo 1º 1. A Residência dos Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece

Leia mais

1ª Resistência Noturna BTT de Vagos

1ª Resistência Noturna BTT de Vagos 1ª Resistência Noturna BTT de Vagos ARTIGO INTRODUTÓRIO Como organizadora do evento, a Associação de Ciclismo de Aveiro, o Município de Vagos, os Trepanelas/ Óptica Gémeos e a Associação Desportiva e Cultural

Leia mais

Agrupamento de Escolas D.Sancho I. Anexo V REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DO ALUGUER DE INSTALAÇÕES 1

Agrupamento de Escolas D.Sancho I. Anexo V REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DO ALUGUER DE INSTALAÇÕES 1 Anexo V REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DO ALUGUER DE INSTALAÇÕES 1 REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES Artigo 1.º Objeto O objeto do presente regulamento consiste

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES. Capítulo I. Artigo 1º. Âmbito de aplicação

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES. Capítulo I. Artigo 1º. Âmbito de aplicação ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES O presente regulamento concentra e sistematiza os diversos direitos especiais dos estudantes, decorrentes

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. FILIPA DE LENCASTRE Artigo 1º Finalidade O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação.

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição O Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) dispõe da Biblioteca IPAM, constituída por vários pólos que estabelecem um sistema integrado

Leia mais

I. O INFANTÁRIO INSCRIÇÕES, MENSALIDADES E DEMAIS ENCARGOS

I. O INFANTÁRIO INSCRIÇÕES, MENSALIDADES E DEMAIS ENCARGOS I. O INFANTÁRIO 1. O INFANTÁRIO-JARDIM ARCO-IRIS,, adiante designado por Infantário, é uma instituição de ensino privado, propriedade da sociedade Brito Costa & Rodrigues, Lda.. 2. O Infantário abrange

Leia mais

REGULAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA

REGULAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA REGULAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOTA JUSTIFICATIVA São atribuições dos Municípios no domínio da Educação participar no planeamento e na gestão dos equipamentos educativos e realizar investimentos

Leia mais

Regulamento 1º Trail de Alter Pedroso 2014

Regulamento 1º Trail de Alter Pedroso 2014 Regulamento 1º Trail de Alter Pedroso 2014 1.1. Idade participação diferentes provas As provas são abertas a todas as pessoas, homens e mulheres, nascidos antes de 29 de Junho de 1996 (categorias seniores

Leia mais

regulamento da rede de bibliotecas

regulamento da rede de bibliotecas Sumário Preâmbulo... 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 Artigo 1.º Constituição... 2 Artigo 2.º Sistema de utilização... 2 CAPÍTULO II UTILIZADORES DA REDE DE BIBLIOTECAS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE

Leia mais

Regulamentos Internos

Regulamentos Internos Regulamentos Internos INFÂNCIA: Período para a construção de alicerces da personalidade de cada criança: Aprendendo a CONHECER, Aprendendo a FAZER, Aprendendo a SER C A I Q U E Ano Letivo 2015/16 1. VALÊNCIAS

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia

Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia Regulamento da Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira Preâmbulo O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca Municipal

Leia mais

mini biblioteca aefmup

mini biblioteca aefmup mini biblioteca aefmup REGULAMENTO Fevereiro 2014 Regulamento da Mini-Biblioteca AEFMUP Preâmbulo O presente instrumento normativo tem como objetivo definir as linhas orientadoras para a utilização da

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 77/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de atribuições e competências das autarquias locais, relativamente à Educação, em especial

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ANEXO III REGULAMENTO DE DISCIPLINA

REGULAMENTO INTERNO ANEXO III REGULAMENTO DE DISCIPLINA REGULAMENTO INTERNO ANEXO III REGULAMENTO DE DISCIPLINA Quinta da Vila Formosa l Aeroporto l 1700-008 l Tel 218 540 190 Fax 218 540 195 www.externatochampagnat.pt ÍNDICE anexo III... 1 regulamento de disciplina...

Leia mais

INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO

INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO INMOTION 2016 REGULAMENTO DO PROJETO 2015 nemaac.net facebook.com/nem.academica geral@nemaac.net Regulamento Projeto de Voluntariado Internacional InMotion 1. Definições Gerais 1.1. Geral 1.1.1. O Departamento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Pés no Risco

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Pés no Risco REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Pés no Risco Página 2 de 10 Capítulo I - Caracterização Localização O Projeto Pés no Risco, localiza-se na Rua Afonso Albuquerque, n.º 86, 4400-003, Vila Nova de Gaia,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ÉPOCA DESPORTIVA 2014/2015

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ÉPOCA DESPORTIVA 2014/2015 MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ÉPOCA DESPORTIVA 2014/2015 JUNHO 2014 Índice 1. Nota introdutória... 4 2. 1ª Filiação de Clubes e Entidades Coletivas... 5 a) Documentação necessária - Clubes:...

Leia mais

Regulamento do Passatempo 12 anos SLB

Regulamento do Passatempo 12 anos SLB Regulamento do Passatempo 12 anos SLB 1. Identificação 1.1. O presente passatempo denominado 12 anos SLB (adiante abreviadamente designado por Passatempo ) é promovido pela EDP Comercial - Comercialização

Leia mais

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO 2 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º Destino e funcionamento... 4 Artigo 2.º Época de funcionamento... 5 Artigo 3.º Interrupção

Leia mais

CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TOBEFLOW

CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TOBEFLOW CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO ToBeFlow Versão/Julho 2015 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TOBEFLOW ANTES DE UTILIZAR O PROGRAMA, LEIA COM ATENÇÃO ESTE DOCUMENTO Utilizar esta aplicação, seja na versão demonstração ou

Leia mais

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis De acordo com o art.º 2º dos estatutos deste clube, o Tennis Club da Figueira da Foz tem uma que se rege pelo presente regulamento. 1. A funciona nas instalações do clube, sito na Avenida 25 de Abril,

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS ÉPOCA DESPORTIVA 2014/15 Seguro Desportivo Página 1 1. - DEFINIÇÕES De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais