Novas Estratégias Políticas na Globo? O Jornal Nacional Antes e Depois da Saída de Cid Moreira 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novas Estratégias Políticas na Globo? O Jornal Nacional Antes e Depois da Saída de Cid Moreira 1"

Transcrição

1 Novas Estratégias Políticas na Globo? O Jornal Nacional Antes e Depois da Saída de Cid Moreira 1 Mauro P. Porto 2 Bolsista de Doutorado da CAPES Department of Communication University of California, San Diego Professor Assistente (licenciado) da Universidade de Brasília Pesquisador do Núcleo de Estudos Sobre Mídia e Política (NEMP) URL: No dia 1 de abril de 1996 uma importante mudança teve lugar na televisão brasileira. Depois de apresentar o noticiário Jornal Nacional durante os seus primeiros 27 anos de existência, Cid Moreira não estava na tela como apresentador naquela noite. Ele apareceu por alguns segundos, mas desta vez apenas para ler o editorial, uma das inovações do período. Nos dias seguintes, este seria o único papel daquele que durante décadas apresentou o noticiário mais importante e popular da televisão brasileira. Cid Moreira foi uma presença constante nas residências dos brasileiros durante um período de profundas mudanças na sociedade e na política brasileiras. Como conseqüência, sua imagem estava profundamente vinculada à imagem da Rede Globo. Quais foram as conseqüências desta mudança para o conteúdo do telejornal, particularmente no que se refere à cobertura de temas políticos, econômicos e sociais? Por que a Rede Globo substituiu Moreira e seu parceiro principal, Sergio Chapelin, como apresentadores do Jornal Nacional? Qual a relação entre estas mudanças e a estratégia política da emissora? Estas são algumas das questões a serem discutidas neste artigo. Através de uma análise de conteúdo do telejornal, será demonstrado que a mudança teve um impacto na forma como a Globo representa o mundo da política, levando a um papel mais ativo e interpretativo dos apresentadores. O artigo discute as principais explicações existentes com

2 2 relação a estas mudanças e sugere que elas podem ser melhor entendidas se contextualizadas em termos da nova estratégia política da emissora. O texto está organizado da seguinte forma: primeiro, apresento as mudanças ocorridas no Jornal Nacional em 1996, incluindo a substituição de Cid Moreira. Em seguida apresento a hipótese principal da pesquisa e a metodologia utilizada para a análise de conteúdo, bem como os resultados da análise de 24 edições do telejornal entre julho de 1995 e agosto de Nas conclusões discuto os resultados da análise e as implicações das mudanças no Jornal Nacional para a política e a democracia brasileiras. O Velho e o Novo Jornal Nacional Inaugurado no dia 1 de setembro de 1969, o Jornal Nacional teve um papel ativo e importante na vida política nacional. Vários autores ressaltaram o papel político do telejornal da Globo, destacando em particular sua cobertura noticiosa parcial e governista. Um breve estudo sobre os seus primeiros 10 anos de existência sugeriu que o noticiário se caracterizava pela manipulação das notícias e pela desinformação, refletindo a ideologia conservadora da emissora (Carvalho, 1980). Obviamente, este tipo de cobertura jornalística era resultado, em grande medida, da censura e do controle que a ditadura militar exercia sobre os meios de comunicação. Entretanto, mesmo após a abolição oficial da censura aos meios de comunicação em 1980, o jornalismo da Globo continuou a revelar sua aliança com o regime autoritário. A emissora deliberadamente distorceu informações com objetivos políticos durante os últimos anos da ditadura. Particularmente importante foi a cobertura da campanha Diretas-Já, em 1984, por eleições diretas para presidente. O Jornal Nacional se recusou inicialmente a cobrir a campanha e só nas vésperas da votação pelo Congresso da emenda Dante de Oliveira é que o noticiário mudou a sua atitude, apresentado uma cobertura mais completa e menos parcial da mobilização de massa que tomava conta das ruas (Lima, 1988; Tosi, 1995). Quando ficou evidente que o regime militar estava em seus últimos dias, a Rede Globo se juntou ano novo bloco de poder que estava se formando em torno da candidatura de Tancredo Neves, apoiando sua eleição indireta pelo colégio eleitoral (Amaral e Guimarães, 1988). Com o retorno da democracia em 1985, a Rede Globo continuou a desempenhar um papel político importante. Segundo alguns autores, a ascensão de Collor em 1989 nas

3 3 primeiras eleições diretas para presidente foi favorecida pelo cenário construído pelos meios de comunicação (Rubim, 1989; Lima, 1993). No caso do Jornal Nacional, estudos indicaram uma cobertura disproporcional e favorável ao candidato Collor de Mello (Lima, 1993, pp ). Quando denúncias revelaram um esquema de corrupção no governo Collor, um novo movimento de massas ganhou as ruas exigindo o seu impeachment e uma CPI foi formada pelo Congresso. Como no caso da campanha das Diretas-Já, a cobertura inicial dos comícios pelo Jornal Nacional foi caracterizada por uma forte presença de fontes e versões do governo, evitando-se referências aos vínculos entre Paulo César Farias e o presidente (Porto, 1994, pp ). Mas em outubro de 1992, quando o relatório da CPI foi divulgado considerando o presidente culpado e iniciando o processo de impeachment, a Rede Globo ampliou a cobertura do escândalo e apresentou uma cobertura mais isenta (ibid.). A emissora passou então a apoiar o afastamento do Presidente que havia ajudado a eleger em Nas eleições presidenciais de 1994, a cobertura jornalística da Globo foi novamente objeto de discussão e investigação. Nos primeiros meses da campanha, a cobertura do Jornal Nacional concedeu mais tempo e enquadrou mais favoravelmente a candidatura do exministro da economia, Fernando Henrique (Albuquerque, 1994). Posteriormente, talvez em razão de uma legislação que exigia imparcialidade no tratamento das candidaturas, o telejornal apresentou uma cobertura mais equilibrada. Todavia, a ênfase no Plano Real contribuiu para estabelecer um cenário favorável ao candidato oficial do governo (Maciel e Fabrício, 1995). Estes breves exemplos sobre o papel político do Jornal Nacional ilustram uma tendência conhecida: o desenvolvimento de uma cobertura parcial que tende a favorecer as fontes e posicionamentos do governo federal. Durante este período histórico de profundas transformações, Jornal Nacional foi apresentado por Cid Moreira. Mas no dia 1 de abril de 1996, Moreira e seu parceiro principal, Sergio Chapelin, foram substituídos como apresentadores. Para ocupar suas posições, a Rede Globo escolheu dois de seus jornalistas, William Bonner e Lilliam Witte Fibe. A mudança de apresentadores não foi, todavia, repentina. Cid Moreira já estava apresentando as notícias em companhia de diferentes profissionais, principalmente Fibe, nos meses que antecederam sua saída. Mas a partir de abril de 1996 o perfil da televisão brasileira se transformou. Cid Moreira estava ausente das

4 4 telas dos aparelhos de TV dos brasileiros quando o noticiário mais importante do país foi ao ar. Esta inovação foi importante porque, entre outros motivos, significou a substituição de profissionais que se limitavam a ler as notícias por jornalistas que também atuavam como editores. Depois da mudança, Bonner passou a atuar como editor do noticiário nacional e Fibe do noticiário econômico, aproximando-os do estilo dos âncoras do telejornalismo norteamericano. A saída de Cid Moreira refletiu um processo de mudança no telejornalismo da Rede Globo que já havia começado há algum tempo. Em julho de 1995 o diretor de jornalismo da emissora, Alberico de Sousa Cruz, foi substituído por Evandro Carlos de Andrade, então diretor de redação do jornal O Globo. A mudança foi importante por substituir um profissional vinculado ao tipo de cobertura política praticado pelo Jornal Nacional no passado por um profissional oriundo da imprensa escrita, menos relacionado ao passado do Jornal Nacional. Alberico de Sousa Cruz esteve envolvido em um dos episódios mais polêmicos da história da TV brasileira: a edição pelo Jornal Nacional do segundo debate entre Collor e Lula em Vários analistas interpretaram a edição do debate como uma flagrante manipulação do processo político em favor do candidato Collor de Melo e pesquisas de opinião revelaram que o debate e sua edição tiveram um importante impacto nos resultados eleitorais. 3 As razões para a saída de Moreira foram bem diferentes daquelas que levaram Globo a escolhê-lo em 1969 para apresentar seu principal programa de notícias. De acordo com José Bonifácio de Oliveira, o Boni, então Vice-Presidente da emissora, Moreira havia sido escolhido por causa de sua boa aparência e voz suave. O objetivo era o de atrair a audiência feminina das telenovelas que eram transmitidas antes e depois do Jornal Nacional (Mello e Souza, 1984, p. 226). Em 1996, a Rede Globo escolheu jornalistas com o objetivo de mudar a imagem da emissora em um período de declínio crescente dos seus índices de audiência. Depois da mudança de apresentadores, Cid Moreira ficou responsável durante algumas semanas pela leitura dos editoriais do Jornal Nacional e Sergio Chapelin passou a apresentar o programa Globo Repórter. Outra novidade foi a introdução de um comentarista, o cineasta Arnaldo Jabor, que passou a tratar com humor e ironia diversos temas, principalmente com relação ao processo político. Jabor passou a ser criticado por sua atitude simpática ao Presidente Fernando Henrique e se envolveu em episódios polêmicos. No dia 29

5 5 de maio de 1996, Jabor utilizou o seu comentário no Jornal Nacional para acusar o Congresso de estar dominado por práticas de corrupção. A reação do poder legislativo foi imediata, incluindo a tentativa por parte de alguns parlamentares de incluir punições mais severas na lei de imprensa que estava sendo discutida pela instituição. 4 As Razões da Saída de Cid Moreira a) Uma resposta aos desejos da audiência? Tendo considerado o papel histórico do Jornal Nacional e as mudanças que tiveram lugar em 1996, passo agora às possíveis explicações da decisão da Globo de substituir o principal apresentador do telejornal mais popular do país. Uma primeira possibilidade é a de que a emissora apenas respondeu aos desejos de sua audiência. Após 27 anos na tela, Cid Moreira poderia ter alcançado uma exposição excessiva e os brasileiros poderiam estar cansados da sua imagem. Mas esta hipótese não explica as mudanças. Uma pesquisa do instituto Data-Folha na cidade de São Paulo nos dias 4 e 5 de maio de 1995 revelou que 88% dos espectadores eram favoráveis à permanência de Cid Moreira como apresentador do Jornal Nacional. 5 Logo após a substituição de Moreira como o apresentador principal do telejornal, a revista Imprensa solicitou ao Instituto Gallup uma pesquisa para avaliar a reação da população com relação à saída de Cid Moreira. 6 Antes de tudo, é importante ressaltar que a audiência notou a mudança. Dos 541 indivíduos (86% da amostra) que afirmaram assistir ao Jornal Nacional, 77.8% perceberam a substituição dos apresentadores. Além disso, a grande maioria do público preferia o par Moreira-Chapelin em relação aos novos apresentadores, Bonner-Fibe, em todos os itens de comparação. Quando se solicitou aos que possuíam o hábito de assistir o Jornal Nacional que dessem notas individuais para cada apresentador, variando de 0 a 10, Cid Moreira recebeu uma média de 9.2, Sergio Chapelin 8.8, William Bonner 8.0 e Lilliam Witte Fibe 7.2. Quando perguntados sobre qual par transmitia mais credibilidade, 69.7% escolheram Moreira-Chapelin e 20,1% o par Bonner- Fibe. Quando perguntados sobre quem era melhor na transmissão das notícias, 71.2% mencionaram Moreira-Chapelin e apenas 18.7% Bonner-Fibe. Em todos os aspectos, o público preferia o par Moreira-Chapelin. Portanto, a hipótese baseada nos desejos da audiência não explica as mudanças. Além disso, os dados colocam uma série de questões importantes: como explicar que a Rede Globo tomou uma decisão contrária aos desejos e

6 6 expectativas de sua audiência? Como veremos adiante, fatores de natureza política são fundamentais para entender as mudanças. Mas antes é preciso considerar outras possíveis explicações. b) A influência do jornalismo norte-americano Na literatura existente sobre o jornalismo brasileiro, um dos argumentos mais comuns utilizados para explicar mudanças em práticas jornalísticas se refere à influência do modelo norte-americano. Tem sido argumentado, por exemplo, que este modelo teve o maior impacto no jornalismo praticado no Brasil, apesar de outras influências (Melo, 1985, p. 132). Para alguns, o desenvolvimento de uma imprensa comercial e moderna no Brasil tem lugar quando a elite urbana passa a exigir a partir da década de 1970 que os meios de comunicação tenham padrões de qualidade comparáveis aos da sociedade norte-americana (Silva, 1991). No caso dos telejornais, a transição para apresentadores mais próximos do estilo dos âncoras norte-americanos também tem sido explicada em termos da influência do jornalismo daquele país. Um estudo dedicado a um dos primeiros e mais importantes âncoras do telejornalismo brasileiro, Bóris Casoy do SBT, a conclusão é a de que o modelo adotado pelo jornalismo da televisão brasileira é o norte-americano (Squirra, 1993, p. 171). Estes argumentos sugerem outra possível explicação para a saída de Cid Moreira: a introdução de apresentadores mais próximos ao estilo dos âncoras norte-americanos pode ser interpretada como outro exemplo da influência do jornalismo praticado nos Estados Unidos. Portanto, é possível explicar as mudanças no Jornal Nacional como resultado de um processo de modernização, a adoção de práticas jornalísticas comuns nos Estados Unidos. Este tipo de argumento tem sido fortemente influenciado pela teoria normativa da imprensa tal como desenvolvida por Fred Siebert, Theodore Paterson e Wilbur Schramm em um manual que se tornaria um dos clássicos no estudo do jornalismo, o livro Four Theories of the Press (Siebert, Paterson e Schramm, 1956). De acordo com os autores, seria possível classificar as diferentes formas que a imprensa assume em diversos países em quatro categorias principais: a teoria libertária, que tem no jornalismo praticado nos Estados Unidos sua melhor expressão; a teoria da responsabilidade social, praticada nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial e a teoria dominante na maiorias dos países da Europa ocidental; a teoria autoritária, comum em países do terceiro mundo; e, finalmente, a

7 7 teoria comunista-soviética, adotada pela União Soviética e demais países do bloco comunista. Os autores que apresentam argumentos baseados na influência do modelo norteamericano no jornalismo praticado no Brasil estão geralmente baseados neste esquema de análise. Lins da Silva (1991), por exemplo, argumenta que o jornalismo brasileiro se guia pelos princípios da escola libertária (p. 58). O autor afirma que apesar de ser um esquema precário, a classificação proposta por Siebert, Peterson e Schramm reflete as divisões essenciais entre as diferentes formas de se conceber e praticar jornalismo em diferentes sociedades (p. 57). Entretanto, vários autores têm levantado dúvidas sobre a utilidade de uma teoria normativa da imprensa tal como desenvolvida no livro Four Theories. Para alguns, o libro demonstra como a pesquisa comparativa nos Estados Unidos tem sido determinada pelo papel do país na política internacional durante o período da Guerra Fria (Hardt, 1988, p. 129). Para outros, o enfoque normativo é um obstáculo à compreensão de como o jornalismo funciona na realidade porque, entre outros motivos, desconsidera a necessidade de se levar em conta que jornalismo e sociedade interagem e se afetam mutualmente (Mancini, n.d). Em uma publicação dedicada à revisão do livro de Siebert, Peterson e Schramm, os autores criticam várias de seus argumentos e pressupostos, sugerindo a necessidade de um esquema mais adequado para a análise de práticas jornalísticas (Nerone, 1995). Apesar de sua posição dominante nos estudos de comunicação, um criticismo crescente com relação ao modelo das quatro teorias da imprensa tem indicado a necessidade de desenvolvimento de novos enfoques teóricos para o estudo das diversas práticas jornalísticas no mundo. Este estudo parte do pressuposto de que teorias normativas oferecem esquemas simplistas e lineares poucos úteis para a explicação das mudanças no jornalismo brasileiro. Como pretendo demonstrar nas próximas sessões, é preciso desenvolver novos modelos teóricos que levem em consideração as formas como práticas jornalísticas se transformam devido às suas relações com processos e instituições políticas. c) A pressão da competição Finalmente, é preciso considerar outra importante possível explicação para as mudanças no Jornal Nacional: a pressão exercida por outras redes de televisão e demais competidores no mercado de comunicação. Apesar de sua posição de virtual monopólio,

8 8 dominando cerca de 80% da audiência nacional (Amaral e Guimarães, 1994), a Rede Globo tem sido confrontada no campo do telejornalismo pelo Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), seu principal competidor no mercado de televisão. Em 1988, o SBT contratou Boris Casoy, jornalista da Folha de São Paulo, para a ser o âncora do seu noticiário do horário nobre, o TJ Brasil. Casoy se tornou o primeiro âncora da televisão brasileira, pois recebeu não só a tarefa de apresentar as notícias, mas também de atuar como editor-geral do noticiário. O apresentador também desenvolveu um novo estilo, dando sua opinião sobre temas polêmicos, separando-se da forma mais fria e objetiva através da qual os apresentadores da Globo apareciam na tela. 7 Em um relatório interno elaborado pelo seu departamento de jornalismo em 1991, o SBT definiu as características do projeto do novo telejornal. A combinação dos índices de audiência com credibilidade é apresentada como o objetivo central da estratégia da emissora. O documento desenvolve uma comparação interessante entre o departamento de jornalismo do SBT e o Jornal Nacional da Globo: queremos ter um jornal que seja tão bom quanto o Jornal Nacional, com ritmo, beleza plástica, grandes reportagens... Enfim, show e emoção. Só que queremos ter isso e mais a isenção (ver Squirra, 1993, p. 141). Portanto, o SBT construiu uma estratégia baseada na falta de neutralidade do Jornal Nacional, identificando uma das principais debilidades do seu principal competidor: a imagem de uma rede de televisão governista. O SBT desafiou o jornalismo da Globo não apenas através do TJ Brasil e Boris Casoy, mas também através do programa Aqui Agora. O programa começou em maio de 1991 e passou a se destacar pelo seu estilo sensacionalista e pela cobertura de crimes e violência urbana. O Aqui Agora levou para a televisão um popular jornalista do rádio, Gil Gomes, conhecido pelo seu programa que apresentava casos de violência na cidade de São Paulo. Gomes se tornou uma das principais atrações do Aqui Agora, relatando crimes com seu estilo dramático característico. O programa também inovou ao desenvolver um estilo realista de apresentação das notícias. Um certo senso de naturalismo foi construído através de uma produção precária e da baixa qualidade das imagens, com a câmara balançando enquanto o repórter corre ao lado dos policiais ao perseguir suspeitos e criminosos pelas ruas de São Paulo (Bucci, 1993, p. 104). O programa provou ser popular principalmente na cidade de São Paulo, onde os 10% iniciais da audiência cresceram para 20% em outubro de

9 9 Portanto, uma das possíveis explicações para a substituição de Cid Moreira pela Globo seria uma reação ao jornalismo praticado por seu principal oponente, o SBT. Para evitar a perda dos seus índices de audiência, a Globo seria obrigada a adotar um novo estilo jornalístico, mais imparcial. Para tal, seria importante substituir Cid Moreira, já que sua imagem estava profundamente associada ao tipo de jornalismo historicamente praticado pela emissora. Algumas evidências sugerem que esta interpretação é correta. De fato, o Jornal Nacional tem enfrentado um declínio crescente dos seus índices de audiência. Se na década de 1980 a audiência média do programa estava nos 60% dos domicílios com TV, entre 1993 e 1994 estes índices baixaram para 50%. 9 De acordo com a revista Imprensa, este declínio teve lugar quando o SBT criou uma segunda edição do programa Aqui Agora às 20 horas, o horário do Jornal Nacional. 10 Todavia, o Jornal Nacional mantém sua posição como o principal telejornal do país, com uma audiência diária estimada em 41 milhões de pessoas. 11 A estratégia do SBT de ganhar audiência teve um sucesso apenas parcial: os seus programas de notícia (TJ Brasil e Aqui Agora) não alcançaram mais de 20% da audiência, em comparação dos mais de 40% do Jornal Nacional. Mas se a tentativa do SBT de conquistar audiência teve um sucesso limitado, a principal competidora da Rede Globo obteve melhores resultados na área da credibilidade. A revista Imprensa encomendou outra pesquisa ao Instituto Gallup com o objetivo de verificar como os brasileiros avaliavam o desempenho dos telejornais. 12 A Tabela 1 apresenta alguns dos resultados. Os dados da pesquisa são contraditórios. Como explicar que as mesmas pessoas que afirmaram que a Globo apresenta os fatos como realmente acontecem e informa mais corretamente o público também afirmaram que a emissora é a que mais distorce os fatos? Esta contradição indica que o tema da credibilidade dos telejornais é bastante complexo. No caso do Jornal Nacional, a evidência sugere um baixo nível de credibilidade relacionado à sua vinculação ao governo e outros interesses. Como mostra a Tabela 1, o Jornal Nacional é visto como o noticiário que mais defende interesses econômicos. Ao mesmo tempo, como vimos anteriormente, Cid Moreira desfrutava de altos níveis de credibilidade quando foi substituído pela emissora. Esta aparente contradição pode ser explicada se considerarmos a possibilidade de que o público pode confiar na forma do noticiário enquanto fonte neutra de informação e no apresentador enquanto personalidade, ao mesmo tempo em que permanece crítico com relação à imagem da emissora e ao seu papel

10 10 político, tendo assim menos confiança no conteúdo do telejornal. 13 Em outras palavras, o gênero noticiário e a personalidade do apresentador podem desfrutar altos níveis de credibilidade ao mesmo tempo em que a imagem da emissora permanece negativa. (TABELA 1 AQUI) Alguns autores sugerem que a emergência das novas tecnologias é a causa do declínio dos índices de audiência do Jornal Nacional. Squirra (1995), por exemplo, interpreta a implantação da TV a cabo como um desafio ao jornalismo praticado pelas redes de televisão, prevendo um declínio crescente dos seus índices de audiência. Todavia, apesar de alcançarem 1,7 milhões de assinantes, as TVs pagas (a cabo e por satélite) não oferecem um desafio real às redes de televisão no caso brasileiro (ver Porto, 1998). De acordo com uma pesquisa do Instituto IBOPE realizada em março de 1997, as redes de televisão têm 75% da audiência no horário nobre (20 horas), quando o Jornal Nacional é transmitido, contra apenas 1% das TVs pagas. 14 d) Uma explicação alternativa: o papel de fatores políticos Competição é um elemento importante para explicar as mudanças que tiveram lugar no Jornal Nacional. Todavia, como sugere o relatório interno do SBT, fatores de natureza política são fundamentais para explicar estas mudanças. Em particular, existem evidências de que a imagem de emissora governista foi uma das causas principais do declínio nos índices de audiência da Globo em geral e do Jornal Nacional em particular. Para compreendermos a crescente instabilidade na relação entre a Rede Globo e sua audiência é preciso ressaltar a sua imagem negativa que resultou do seu papel político nas últimas décadas da política brasileira. Neste sentido, proponho uma explicação alternativa com relação às mudanças no Jornal Nacional: a substituição de Cid Moreira seria parte de uma nova estratégia política da Globo que teria como objetivo o desenvolvimento de um jornalismo mais ativo e independente, buscando assim construir uma nova imagem para a emissora. Desta forma, a Rede Globo poderia evitar um conflito ainda maior com sua audiência e o perigo de perdê-la para os seus principais competidores.

11 11 A comprovação desta tese sobre a nova estratégia política da Globo está, todavia, além dos limites deste trabalho. A seguir, procurarei demonstrar como a saída de Cid Moreira teve importantes conseqüências para o conteúdo do Jornal Nacional. A investigação das razões destas mudanças exigiria, todavia, não só uma análise de conteúdo do telejornal, mas também o acesso aos seus produtores e aos diretores da emissora para a realização de entrevistas. Neste trabalho, a hipótese sobre a nova estratégia da Globo tem por objetivo contextualizar as mudanças do Jornal Nacional e contribuir para o desenvolvimento de novos marcos teóricos para o estudo de práticas jornalísticas, em lugar de oferecer hipóteses que podem ser devidamente testadas. 15 Hipótese e Metodologia Este artigo apresenta a proposição de que as mudanças no principal telejornal da Rede Globo não afetaram apenas a forma do noticiário, mas também, e de forma importante, o seu conteúdo. A hipótese principal da pesquisa é a seguinte: A substituição dos apresentadores do Jornal Nacional teve um impacto na forma como o telejornal representa o mundo da política, levando a um papel mais ativo dos apresentadores e a uma cobertura jornalística mais plural e menos baseada em fontes governamentais. De acordo com esta hipótese, a cobertura jornalística continuará a favorecer as versões do governo e de outros grupos poderosos, mas as fontes governamentais passarão a ter uma presença menos freqüente no noticiário. Esta hipótese será testada através de uma análise de conteúdo do Jornal Nacional que se baseia numa comparação de longo prazo das edições do telejornal. O objetivo é o de identificar como a mudança de apresentadores afetou o conteúdo do noticiário. A amostra das edições do Jornal Nacional analisadas inclui quatro séries com seis edições completas do telejornal cada, totalizando 24 edições. O principal critério para a escolha das séries foi a substituição do par Cid Moreira-Sergio Chapelin pelo par William Bonner-Lilliam Witte Fibe no dia 1 de abril de A amostra inclui duas fases. A primeira fase, composta pelas duas primeiras séries, inclui as edições do Jornal Nacional que foram ao ar antes da mudança de apresentadores. A segunda fase, compostas pelas duas últimas séries, inclui edições transmitidas depois da saída de Cid Moreira. A Tabela 2 apresenta a composição da amostra.

12 12 (TABELA 2 AQUI) Qual o critério utilizado para a seleção das séries? No caso da terceira série, o critério foi simples: esta foi a primeira semana do Jornal Nacional após a substituição de Cid Moreira. 16 Três outras séries foram incluídas, separadas por um intervalo de seis semanas, com o objetivo de permitir uma comparação de longo prazo. Considerando o fato de que uma análise que somente incluísse edições durante a mudança de apresentadores não permitiria verificar se seus efeitos no conteúdo do Jornal Nacional seriam momentâneos ou mais permanentes, optou-se por analisar o noticiário durante um período de mais de um ano (julho de 1995 a agosto de 1996). O método utilizado para a análise do Jornal Nacional foi a análise de conteúdo de suas edições, incluindo tanto variáveis de caráter quantitativo como qualitativo. O objetivo era o de verificar como a mudança de apresentadores influenciou a forma de representação, as convenções narrativas utilizadas pelo telejornal na cobertura de temas políticos, econômicos e sociais. 17 A análise baseada em aspectos quantitativos incluiu a codificação das notícias de acordo com seu tema e a medição do tempo ocupado por cada locutor. Os aspectos qualitativos incluíram a classificação da fala de cada locutor de acordo com sua função e das notícias de acordo com sua forma. Duas unidades de análise principais foram utilizadas: notícias e expressões. Em um primeiro momento, todas as notícias foram analisadas individualmente. Posteriormente, as notícias sobre temas políticos, econômicos e sociais foram sub-divididas em expressões. A principal característica que define uma expressão (utterance) é a clara demarcação do seu início e do seu fim, a partir da mudança da pessoa que está falando (Bakhtin, 1986, p. 71). Em outras palavras, uma expressão inclui todo o conteúdo da fala contínua de um dos locutores que aparecem no noticiário. No caso da presente análise do Jornal Nacional, os possíveis locutores foram codificados como apresentador, repórter, comentador, ou pessoa que aparece em uma sonora. 18 Após cada expressão ter sido codificada e seu locutor identificado, uma análise qualitativa de sua função foi desenvolvida. As seguintes três possíveis funções foram identificadas: 1. Informativa: o locutor relata um fato/evento/ação ou introduz um tema; 2. Interpretativa: o locutor apresenta um interpretação do fato/evento/ação ou tema;

13 13 3. Interpretação Indireta: o locutor relata a posição/fala de outra pessoa que interpreta o fato/evento/ação ou tema. A partir desta classificação da função de cada locutor, cada notícia foi classificada de acordo com sua forma. Quatro possíveis formas foram identificadas: Restrita: quando apenas uma interpretação do fato/evento/ação ou tema é apresentada; 2. Plural-Fechada: quando mais de uma interpretação do fato/evento/ação ou tema são apresentadas, mas são organizadas em uma hierarquia de forma a que uma das interpretações é preferida sobre as demais e apresentada como superior ou mais correta; 3. Plural-Aberta: quando mais de uma interpretação do fato/evento/ação ou tema são apresentadas, mas são tratadas de forma mais indeterminada de forma a que nenhuma interpretação é apresentada como superior ou mais correta; 4. Episódica: quando nenhuma intepretação é apresentada na notícia que se limita a relatar algum fato/evento/ação ou tema. Estes procedimentos metodológicos têm como objetivo testar a hipótese principal deste estudo: A substituição dos apresentadores do Jornal Nacional teve um impacto na forma como o telejornal representa o mundo da política, levando a um papel mais ativo dos apresentadores e a uma cobertura jornalística mais plural e menos baseada em fontes governamentais. Esta hipótese foi operacionalizada da seguinte forma: a) o papel mais ativo dos apresentadores: a pesquisa verificará se os apresentadores adotaram uma função mais interpretativa e se apareceram mais freqüentemente e por mais tempo depois da mudança; b) cobertura mais plural: a pesquisa verificará se as notícias adotaram formas mais plurais e menos restritas depois da mudança; c) cobertura menos baseada em fontes governamentais: a pesquisa verificará se o número de sonoras de representantes do governo federal diminuirá depois da mudança. A próxima sessão apresenta os resultados da análise. A Análise de Conteúdo

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados Datafolha, propaganda e eleitores nos estados 23 de agosto de 2010 1. Vitória de Dilma no 1º turno Bastou uma semana de horário eleitoral gratuito em rádio e televisão ao lado do presidente Lula para Dilma

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA DE PESQUISA E OPINIÃO PÚBLICA. As ONGs na Mídia. O perfil do Terceiro Setor na Imprensa. Estudo elaborado pela SEPOP/SECS

SENADO FEDERAL SECRETARIA DE PESQUISA E OPINIÃO PÚBLICA. As ONGs na Mídia. O perfil do Terceiro Setor na Imprensa. Estudo elaborado pela SEPOP/SECS As ONGs na Mídia O perfil do Terceiro Setor na Imprensa Estudo elaborado pela SEPOP/SECS Brasília, novembro de 2006 1 Apresentação Uma marca forte, com alta credibilidade, boa visibilidade, nítido perfil

Leia mais

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010 Pesquisa e Consultoria Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE 03 a 07 de Novembro de 2010 Rua Grão Pará 737, 4 andar Cep 30150-341 Belo Horizonte MG Tel. 31-33042100

Leia mais

MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO

MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO Carlos Eduardo Lins da Silva Por Tyciane Cronemberger Viana Vaz Carlos Eduardo Lins da Silva Entre a academia e o mercado Graduação em Jornalismo pela Cásper Líbero Mestrado

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Fonte: TRE/Rondônia noticiado na Notícias Jus Brasil Data: 2005 A pesquisa também mostra que 53,5% dos eleitores são favoráveis à realização de

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues Fabyanne Nabofarzan Rodrigues A relação entre o Poder Legislativo e a imprensa O papel da assessoria de imprensa na relação entre o Legislativo e a imprensa Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

BARÔMETRO AMB DE CONFIANÇA A NAS INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS JUNHO 2008

BARÔMETRO AMB DE CONFIANÇA A NAS INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS JUNHO 2008 BARÔMETRO AMB DE CONFIANÇA A NAS INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS JUNHO SUMÁRIO. APRESENTAÇÃO. METODOLOGIA. PRINCIPAIS RETADOS APRESENTAÇÃO O presente estudo inaugura uma iniciativa da Associação dos Magistrados

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS: 12 A 19 DE SETEMBRO

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Romer Mottinha Santos 2 Doacir Gonçalves de Quadros 3 Faculdade Internacional de Curitiba Grupo Uninter - Curitiba, PR

Romer Mottinha Santos 2 Doacir Gonçalves de Quadros 3 Faculdade Internacional de Curitiba Grupo Uninter - Curitiba, PR Jornal Impresso e Eleições: Um Panorama da Cobertura dos Jornais Gazeta do Povo, O Estado do Paraná e Folha de Londrina, sobre as Eleições 2010 para Governador do Paraná 1 Romer Mottinha Santos 2 Doacir

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 89 CNT 18 a 22 de Junho de 2007 SAS Q 06 - Lote 03 - Bloco J Rua Grão Pará, 737-4º andar Ed. Camilo Cola - 2 o andar

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO MAIO DE 2010 SEAI 05/2010 Brasília, junho de 2010 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Mídia

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO JUNHO DE 2010 SEAI 06/2010 Brasília, julho de 2010 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Eleições:

Leia mais

PESQUISAS, ESTRATÉGIAS ELEITORAIS E A DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2010.

PESQUISAS, ESTRATÉGIAS ELEITORAIS E A DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2010. 6 PESQUISAS, ESTRATÉGIAS ELEITORAIS E A DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2010. Pools, electoral strategies and the presidential dispute in 2010. Adriano Oliveira Universidade Federal de Pernambuco - UFPE adrianopolitica@uol.com.br

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

OS FUTUROS CONTRATOS DE TRABALHO.

OS FUTUROS CONTRATOS DE TRABALHO. OS FUTUROS CONTRATOS DE TRABALHO. José Alberto Couto Maciel Da Academia Nacional de Direito do Trabalho. Não me parece que com o tempo deverá perdurar na relação de emprego o atual contrato de trabalho,

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO FEVEREIRO DE 2011 SEAI 02/2011 Brasília, março de 2011 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Imprensa

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO OUTUBRO DE 2009 SEAI 10/2009 Brasília, novembro de 2009 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1.

Leia mais

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Proposta de publicidade

Proposta de publicidade Proposta de publicidade Olá, prezado (a) Vimos por meio deste apresentar nosso Jornal e a nossa proposta de publicidade para seu negocio ou serviço, que segue-se adiante. Informação é fundamental nos dias

Leia mais

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Brasília, 03/08/2012 A 112ª Pesquisa CNT de Opinião, realizada de 18 a 26 de Julho de 2012 e divulgada hoje (03 de Agosto de 2012) pela Confederação Nacional

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Reforma Política. Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil

Reforma Política. Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Reforma Política Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Introdução 2 Objetivos Abrangência Geográfica Método de coleta Datas

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

Clipping CARF Matérias dos jornais que mencionam o CARF

Clipping CARF Matérias dos jornais que mencionam o CARF O Estado de S.Paulo Clipping CARF Matérias dos jornais que mencionam o CARF Nardes, do TCU, é citado na Zelotes O Estado de S. Paulo - 10/09/2015 Investigadores analisam informações sobre suposto envolvimento

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Do Jornalismo aos Media

Do Jornalismo aos Media Do Jornalismo aos Media Estudos sobre a realidade portuguesa Rogério Santos Universidade Católica Editora Índice Introdução 7 Parte I Elementos para a história dos media em Portugal Jornalismo português

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Pesquisa Eleitoral Novembro / 2003 ANEP

Pesquisa Eleitoral Novembro / 2003 ANEP Pesquisa Eleitoral INFLUÊNCIA DA PESQUISA ELEITORAL NA SOCIEDADE Franceschini Análises de Mercado Pesquisa, Imprensa e Política Visão do Político Visão do Jornalista Visão do Técnico de Pesquisa Atuação

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Cenários Prospectivos do Poder Judiciário

Cenários Prospectivos do Poder Judiciário Cenários Prospectivos do Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça Departamento de Gestão Estratégica FGV Projetos I Introdução 1. Objetivo Objetivo principal: entender quais cenários futuros impactarão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE Resultados da 128ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 21/07/2015 A 128ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 12 a 16 de julho de 2015 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br Mídia Impressa s ConJur Consultor Jurídico Apresentação 03 Brasil Brazil Justice Yearbook do Trabalho Federal Rio de Janeiro 04 05 06 07 08 ão Paulo 09 Especificações e calendário 10 Contato 11 www. ConJur

Leia mais

SERVIDORES VEICULARES DO TRANSPORTE PÚBLICO WUPPERSCOUTS

SERVIDORES VEICULARES DO TRANSPORTE PÚBLICO WUPPERSCOUTS para uma nova mobilidade SERVIDORES VEICULARES DO TRANSPORTE PÚBLICO WUPPERSCOUTS Servidores Veiculares do Transporte Público WupperScouts Descrição do problema: Ônibus e trens ainda são os meios de mobilidade

Leia mais

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza 33 Desafios da reflexão sociológica PARA análise Do ensino médio no BRASil* Marilia Pontes Sposito Raquel Souza O ensino médio se constitui em uma etapa da educação básica brasileira que tem mobilizado

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento.

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. Daniel Machado Especialista em Marketing

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

Estágio em Comunicação: Processos em grandes veículos 1

Estágio em Comunicação: Processos em grandes veículos 1 Estágio em Comunicação: Processos em grandes veículos 1 Guilherme MILETTA 2 Isabella SARAFYAN 3 Thais GIANNA 4 Rafaela RIBEIRO 5 Beatriz CONSOLIN 6 Ana Carolina ALVES 7 Daniel Ladeira de ARAÚJO 8 ESPM,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO EDITORIAL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO NA PRODUÇÃO DE VINHETAS AUDIOVISUAIS

PADRONIZAÇÃO EDITORIAL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO NA PRODUÇÃO DE VINHETAS AUDIOVISUAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PADRONIZAÇÃO

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 08 1 / 6 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto a imprensa sediada na capital e no interior de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL PROJETO DE LEI 103/2015 Dispõe sobre a redução do subsídio do(a) prefeito(a), do(a) vice-prefeito(a), e dos(as) vereadores(as), para o equivalente ao dobro do fixado como piso salarial nacional para os(as)

Leia mais

cidade, envolvemos os cidadãos nas questões que afetam a vida de todos nós. Incentivamos a não

cidade, envolvemos os cidadãos nas questões que afetam a vida de todos nós. Incentivamos a não Eu pratico, e você? APRESENTAÇÃO Desde 2009, a RÁDIO ITATIAIA realiza, em parceria com empresas, um importante convite à sociedade mineira. Mais do que um projeto, o PRATIQUE GENTILEZA é uma convocação

Leia mais

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Adm. Thiago Santos Ruel 1 SUMÁRIO: 1. Grupos de Pressão. 2. Lobby. 3. Grupos de Interesse. 4. Conclusão. 5. Referências. INTRODUÇÃO Grande parte da população

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA

PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIAS PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO CONTROLE EXTERNO PROMOEX PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PESQUISA QUANTITATIVA NOVEMBRO / DEZEMBRO / 2010

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS BLOG DA COHAB: A SOLUÇÃO PARA A COMUNICAÇÃO INTERNA DA EMPRESA RELATÓRIO

Leia mais

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disciplina: História da Administração Pública no Brasil Professor(es): Wallace Moraes Período: 2013/2 Horário: 3 e 5 feiras,

Leia mais