PADRÕES DE QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM PROJETO: QUEDAS CENTRO HOSPITALAR DO MÉDIO TEJO, EPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÕES DE QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM PROJETO: QUEDAS CENTRO HOSPITALAR DO MÉDIO TEJO, EPE"

Transcrição

1 Secçã Reginal d Sul PADRÕES DE QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM PROJETO: QUEDAS CENTRO HOSPITALAR DO MÉDIO TEJO, EPE TRABALHO ELABORADO POR: Carla Travanca, Emília Rat, Margarida Carm e Nelsn Paulin OUTUBRO DE 2011

2 ÍNDICE pág. 1 IDENTIFICAR E DESCREVER O PROBLEMA. 4 2 PERCEBER O PROBLEMA GRAUS DE EVIDÊNCIA E RECOMENDAÇÕES O PROBLEMA DAS QUEDAS NO CHMT PERCEBER AS CAUSAS DO PROBLEMA PLANEAR E EXECUTAR AS TAREFAS OBJETIVOS INDICADORES VERIFICAÇÃO DOS RESULTADOS PROPOR MEDIDAS CORRECTIVAS, STANDARDIZAR E TREINAR A EQUIPA 36 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anex 1 Prtcl Medidas de Segurança na Prevençã de Quedas (PT. GRL ) Anex 2 Instruçã de Trabalh Avaliaçã d Risc de Queda (IT.GRL ) Anex 3 Impress Avaliaçã d Risc de Queda (IMP.GRL ) Anex 4 Impress Medidas de Prevençã na queda (IMP.GRL ) Anex 5 Impress Ocrrência de Queda d Utente (IMP.GRL ) Anex 6 Recmendações para a Prevençã de Quedas n Dmicili Prject: Quedas CHMT, EPE Página 1

3 INDICE DE QUADROS pág. Quadr 1 Factres de risc para quedas 7 Quadr 2 - Níveis de evidência. 8 Quadr 3 - Graus de Recmendaçã 9 Quadr 4 Causas das quedas e percentagens. 30 Quadr 5 - Critéris de Qualidade na prevençã de quedas. 32 Prject: Quedas CHMT, EPE Página 2

4 INDICE DE GRÁFICOS pág. Gráfic 1 Taxas de mrtalidade ajustada pela idade para mrtes pr queda pr idss na UE 6 Gráfic 2 Taxa de incidência de quedas 18 Gráfic 3 Factres de risc na queda 19 Gráfic 4 Origem da queda. 20 Gráfic 5 Quedas pr nível de risc 21 Gráfic 6 Quedas pr faixa etária 22 Gráfic 7 Intervençã médica 22 Gráfic 8 Quedas pr turn. 23 Gráfic 9 Cnsequências da queda 24 Prject: Quedas CHMT, EPE Página 3

5 1- IDENTIFICAR E DESCREVER O PROBLEMA N an de 2007 a Direcçã de Enfermagem d CHMT definiu cm priridade, em terms de qualidade, a mnitrizaçã d númer de quedas. Esta decisã teve cm pnt de partida as rientações da DGS e a Jint Cmmissin Internatinal. O bjectiv geral inicial fi diminuir númer de quedas, ainda que nesse mment nã fsse cnhecida a dimensã d prblema. N CHMT ns ans de 2007 a 2010 númer de quedas fi de: 138, 190, 181 e 165 respectivamente, que crrespndeu a uma taxa de incidência de quedas: 7,07 ; 10,11 ;10,16 e 9,75. Em 2011, perante s dads prduzids, pdems cnfirmar que este cntinua a ser um prblema, centrad n utente, sensível à prática autónma de enfermagem e cnducente a ganhs em saúde e ptimizaçã de custs. Apesar de nã cnhecerms as taxas de incidência de quedas hspitalares a nível internacinal e nacinal, tend em cnsideraçã s custs em saúde e ecnómics que as quedas e suas cnsequências pdem representar este é cnsiderad um prblema para a segurança ds utentes. O fc cair cnsta d Resum mínim de Dads e Cre de Indicadres de Enfermagem ind a encntr das necessidades de infrmaçã ds múltipls utilizadres d sistema de saúde (OE, Outubr de 2007) Cm base n terceir enunciad descritiv (Prevençã de cmplicações) fi prpst este prject de melhria da qualidade ds cuidads de enfermagem, na temática da prevençã de quedas em ambiente hspitalar. Cair é um fc de Enfermagem que se define cm: descida rápida d crp de um nível superir para um nível inferir, devid a desequilíbri, desmai u incapacidade para sustentar pess e permanecer na vertical. (CIPE versã 2.0;2011) Prject: Quedas CHMT, EPE Página 4

6 2- PERCEBER O PROBLEMA Para perceber a dimensã d prblema n CHMT fms pesquisar dads e rientações nacinais e internacinais sbre a temática. As quedas sã classificadas cm um prblema de Saúde Pública e têm sid bjet de precupaçã ds decisres plítics a nível nacinal e internacinal, a pnt de se terem criad prgramas nacinais de prevençã de quedas nas pessas idsas, trnand-se pr iss imprtante a sua implementaçã a nível lcal e pr cnseguinte também a nível das instituições de saúde. A Organizaçã Mundial da Saúde chama a atençã para fact de as quedas serem a segunda principal causa de mrte pr lesã acidental u nã intencinal em td mund, lg após s acidentes rdviáris (WHO, 2010) A nível mundial, embra nã fatais, cerca de 37,3 milhões de quedas pr an sã graves suficiente para exigir atençã médica. A mair mrbilidade crre em pessas cm mais de 65 ans, jvens adults cm idades entre s 15 e s 29 ans e crianças cm 15 u mens ans. Os custs financeirs assciads às lesões relacinadas cm quedas sã substanciais. N Ranking eurpeu (EU 27), Prtugal apresenta a nna taxa de mrtalidade ajustada pela idade para mrtes pr quedas pr idss de 27.5, cnfrme se pde bservar n gráfic a seguir apresentad (EUNESE, 2006). Prject: Quedas CHMT, EPE Página 5

7 Gráfic 1 Taxas de mrtalidade ajustada pela idade para mrtes pr queda pr idss na UE A Eurpa e Prtugal mais cncretamente nã se deparam apenas cm prblema da mrtalidade relacinada cm quedas ns idss. Há utras cnsequências que geram custs elevads para a saúde tais cm lesões múscul-esqueléticas, em particular as fracturas da anca, que geram um ds principais custs ns hspitais (EUNECE, 2006) A Incidência de quedas em lares e hspitais é duas a três vezes mais elevadas d que na cmunidade e as suas cmplicações sã também cnsideravelmente maires. Dez a 25% das quedas em instituições resultam em fractura, laceraçã u necessitam de cuidads hspitalares (NICE, 2004). Aprximadamente 50% das quedas ds idss crrem dentr da sua própria casa. (EUNECE, 2006) Em ambiente hspitalar, episódi de queda de utente pde aumentar temp de internament, cust d tratament e causar descnfrt a utente e família e assciar cepticism relativamente à qualidade d serviç de enfermagem e à respnsabilidade ds prfissinais (Marin, Burie, Safran, 2000). Em Prtugal e segund dads d IGAS em 2006, 2007 e Janeir de 2008 em 56 hspitais prtugueses inspeccinads registaram-se 4200 quedas de dentes de Prject: Quedas CHMT, EPE Página 6

8 macas u de camas, send que 85 vieram a falecer, ainda que nã seja pssível estabelecer uma relaçã causa-efeit. A literatura de uma frma glbal, refere que para uma intervençã a nível da prevençã de quedas, é fundamental recnhecer s factres de risc e nível de expsiçã a risc e cnsidera genericamente que s factres de risc para quedas, pdem ser dividids em três categrias: factres intrínsecs (u individuais), factres extrínsecs (u ambientais) e expsiçã a risc que a seguir se apresentam. Idade Géner feminin Histrial de quedas Factres Intrínsecs Medicaçã psictrópica Plimedicaçã (mais de 4) Viver szinh Denças crónicas: DPOC; Depressã, artrses Mbilidade reduzida e balanç Med de cair Deficiências nutricinais Factres Extrínsecs Riscs ambientais (fraca iluminaçã, piss escrregadis, superfícies irregulares) Calçad e vestuári nã aprpriad Bengalas u andarilhs nã aprpriads Quedas a entrar e sair de autcarrs, slavancs ns autcarrs e cmbis cm peã u cndutr; quedas de bancs, cadeiras, cama, escadtes, telhads, árvres, etc; usar ferramentas, etc. Falta de vitamina D Dificuldades cgnitivas, demência Visã reduzida (cataratas, glaucma, etc.) Prblemas cm s pés (defrmidades ds deds, úlceras, etc.) Histrial de enfartes, dença de Parkinsn Infecções graves/dença (infecções urinárias, gripe, etc.) Prject: Quedas CHMT, EPE Página 7

9 Quadr 1 Factres de risc para quedas N respeitante à expsiçã a risc alguns estuds referem que: Pessas mais activas e as mais inactivas crrem maires riscs de quedas; Algumas actividades parecem ptenciar risc de quedas, pr aumentar a expsiçã a situações de risc ambiental (piss escrregadis e/u irregulares, áreas atulhadas, paviments degradads), exaustã u práticas incrrectas em sessões de exercíci GRAUS DA EVIDÊNCIA Os graus u níveis de evidência aqui apresentads fram atribuíds a partir d estad da evidência que deriva da revisã de evidencias. A hierarquia da evidência apresentada n Quadr 1, é a recmendada pel NICE. Evidência btida a partir de meta-análises de estuds de cntrle I randmizads, u pel mens a partir de um estud de cntrle randmizad Evidência btida a partir de um estud de cntrle nã II randmizad, u de pel mens um utr tip de estud quasiexperimental. Evidência btida a partir de estuds descritivs nã experimentais, III bem cm estuds de cmparaçã, estuds de crrelaçã e estuds cas-cntrle. Evidência btida a partir de relatóris u piniões de perits e u IV experiencia clínica e autridades recnhecidas. Quadr 2 - Níveis de evidência De acrd cm NICE para frmulaçã e us de recmendações clínicas, cncrdu-se cnsiderar seguir s seguintes factres: A melhr evidência cm preferência dada às evidências empíricas sbre a apreciaçã de perits quand dispníveis, incluind: Resultads d mdel ecnómic; Eficácia ds dads, tend em cnsideraçã a frça de evidência - nível, qualidade, precisã - bem cm tamanh d efeit e da relevância da evidência; Sempre que relataram dads sbre resultads adicinais cm events adverss, aceitabilidade e piniões d utente; Prject: Quedas CHMT, EPE Página 8

10 Uma cmparaçã entre s resultads para intervenções alternativas, sempre que pssível; A viabilidade de intervenções inclusive, quand dispnível, cust da intervençã, a aceitabilidade para s clínics, utentes e cuidadres e adequaçã da intervençã; O equilíbri ds benefícis cntra s riscs - incluind, nde fram reprtads s parâmetrs pertinentes de tds s utentes e s resultads d mdel ecnómic A aplicaçã das evidências para grups definids n âmbit da rientaçã, tend cnsiderad perfil ds utentes recrutads para s ensais. A Diretamente baseada na categria da evidência I B Diretamente baseada na categria da evidência II u recmendaçã extraplada a partira da categria da evidência I C Diretamente baseada na categria da evidência III u recmendaçã extraplada a partir da categria da evidência I u II D Diretamente baseada na categria da evidência IV u recmendaçã extraplada a partir da categria da evidência I, II, u III Quadr 3 - Graus de Recmendaçã Recmendações e Nível de evidência da intervençã cm suprte em revisões da evidência IDENTIFICAÇÃO DO RISCO História de quedas A história de queda é frequentemente relatada cm um imprtante fatr de risc e preditr de ptencial de mais quedas Recmendaçã [C] Nível de evidência III - A queda anterir é fatr de risc mais frequentemente relatad. Mbilidade e Equilíbri Mbilidade reduzida, distúrbis da marcha e défices d equilíbri têm sid frequentemente referids cm preditres significativs de futuras quedas em estuds de crte prspectivs. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 9

11 Recmendaçã [C] Nível de evidência III A Mbilidade reduzida, distúrbis da marcha e défices de equilíbri sã frequentemente referids cm imprtantes fatres de risc Nível de evidência I A intervençã cm fc na marcha e equilíbri têm revelad uma reduçã nas quedas Avaliaçã Multifactrial d Risc de Quedas Deve ser realizada a avaliaçã de pessas cm história de queda e a presença de utrs fatres de risc. A identificaçã das pessas em situaçã de risc vai permitir as prfissinais referenciarem as pessas mais velhas para intervenções efetivas rientadas para factres específics. Recmendaçã [C] A avaliaçã multifatrial deve incluir seguinte: Identificaçã de história de quedas; Avaliaçã da marcha, equilíbri, mbilidade, e fraqueza muscular; Avaliaçã d risc de steprse; Avaliaçã da pessa idsa percebend a capacidade funcinal e med relacinad à queda; Avaliaçã de deficiência visual; Avaliaçã de cmprmetiment cgnitiv e exame neurlógic; Avaliaçã da incntinência urinária; Avaliaçã ds perigs em casa; Exame cardivascular e revisã medicamentsa Nível de evidência III - Muits fatres de risc individuais têm vind a prvar serem preditivs subsequentes de queda; Prtant, a presença de mais d que um ds fatres abaix indicads aumenta risc de queda: A história de queda Défice de marcha Défice de equilíbri Deficiência da mbilidade Prject: Quedas CHMT, EPE Página 10

12 Med de cair Deficiência visual Cmprmetiment cgnitiv Incntinência urinária Perigs em casa O númer de medicaments Medicaments psictrópics e cardivasculares Fraqueza muscular Intervençã Multifatrial A tds s idss cm quedas recrrentes, u avaliads cm tend mair risc de queda, deve ser cnsiderada intervençã individualizada multifatrial. Para sucess ds prgramas de intervençã multifatrial sã cmuns s seguintes cmpnentes específics: Trein de frça e equilíbri; Avaliaçã e intervençã ds perigs em casa/serviç; Avaliaçã da visã e encaminhament; Revisã da medicaçã cm alteraçã / suspensã. Após tratament de uma lesã pr queda, deve ser desenvlvida uma avaliaçã e intervençã multidisciplinar individualizada, para identificar e reslver riscs futurs, que visem prmver a independência e melhrar a funçã física e psiclógica. Recmendaçã [A] Nível de evidência I As intervenções Multidisciplinares e multifatriais, sã eficazes na reduçã das quedas ns seguintes grups ppulacinais e cnfigurações: Pessas mais idsas residentes na cmunidade Pessas mais idsas em lcais de cuidads prlngads Prgramas de reabilitaçã multidisciplinares e multifatriais, sã eficazes na reduçã da incidência de quedas em pessas mais idsas que sfreram uma queda cm lesã. Trein de frça e equilíbri A prescriçã de prgramas individualizads de exercíci tem demnstrad ser eficaz na prevençã de quedas. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 11

13 É recmendad trein da frça e equilíbri. As pessas cm mair prbabilidade de benefíci sã as mais idsas Recmendaçã [A] Nível de evidência I - A prescriçã individual de prgramas de frtaleciment muscular e trein de equilíbri, é eficaz na reduçã de quedas. Os prgramas individuais de frtaleciment muscular prgressiv, de exercícis de trein de equilíbri e andar, reduzem significativamente númer de quedas, pr um períd superir a um an. Exercíci em serviçs de cuidads prlngads Sã recmendadas Intervenções multifatriais cm uma cmpnente de exercíci para pessas mais idsas que se encntram em unidades de cuidads prlngads e que estã em risc de queda. Recmendaçã [A] Nível de evidência I - A evidência sugere que uma abrdagem cm base na prescriçã de intervenções de exercíci, individualmente u em grup em unidades de cuidads prlngads nã é eficaz na reduçã de quedas N entant, exercíci é eficaz cm cmpnente em prgramas multifatriais. Perig em casa e intervençã de segurança Às pessas idsas que recebam tratament hspitalar depis de uma queda deve ser realizada avaliaçã ds perigs em casa e intervençã na segurança / mdificações. Ist deve fazer parte d planeament de alta e realizad dentr de um praz acrdad pel utente u cuidadr, e membrs da equipe de saúde. A avaliaçã d risc só é eficaz se fr assciada a intervençã e acmpanhament e nã um act islad. Recmendaçã [A] Nível de evidência I A evidência sugere que as intervenções de mdificaçã d perig em casa (intervenções de segurança) pdem diminuir a incidência de quedas sbretud em pessas idsas cm histrial de quedas (resultad de 4 ensais) Prject: Quedas CHMT, EPE Página 12

14 Medicaçã Psictrópica Pessas idsas a fazer medicaçã psictrópica devem ter a medicaçã revista pr especialistas, se adequad, e esta deve ser diminuída lg que pssível para diminuir risc de queda. Recmendaçã [B] Nível de evidência II Um estud em pessas cm mais de 65 ans sugere que prgramas de diminuiçã prgressiva da medicaçã psictrópica, cm retirada gradual num períd de 14 semanas é eficaz na diminuiçã de quedas. Estimulaçã cardíaca A estimulaçã cardíaca cm cardiinibiçã da hipersensibilidade d sei cartide deve ser cnsiderada em pessas idsas que tiveram quedas inexplicáveis. Recmendaçã [B] Nível de evidência II Esta estimulaçã cardíaca é eficaz na reduçã de quedas e síncpes (um ensai). Incentiv à participaçã ds idss na prevençã de quedas Para prmver a participaçã ds mais idss em prgramas de prevençã de quedas deve cnsiderar-se: Os prfissinais envlvids na avaliaçã e prevençã de quedas devem negciar as mudanças que as pessas estã dispstas a fazer para prevenir as quedas; Os prgramas de prevençã e quedas devem abrdar aspects cm: bstáculs ptenciais, baixa aut-estima e med de cair e encrajar a mudança de atitude negciand cm a pessa idsa; Os prfissinais de saúde envlvids ns prgramas de prmçã devem garantir que estes sã flexíveis suficiente para abranger diferentes preferências e necessidades prmvend valr scial ds prgramas. Recmendaçã [D] Nível de evidência III a IV As pessas pdem estar relutantes para participar ns prgramas se: Nã frem treinadas; Nã perceberem risc de queda; Tiverem med de cair; Sentirem puca capacidade funcinal; Prject: Quedas CHMT, EPE Página 13

15 Nã frem negciadas as mudanças a fazer. Nível IV Muita da infrmaçã ds prgramas de prevençã de quedas pde desmtivar em vez de estimular se nã estiver dispnível em várias línguas. Tal nã enfatiza a prmçã scial ds prgramas de prevençã. Infrmaçã e Educaçã Tds s prfissinais de saúde que trabalham cm pessas cm risc de queda devem desenvlver cmpetências básicas na avaliaçã e prevençã de quedas. Pessas cm risc de queda e seus cuidadres devem ser infrmads verbalmente e pr escrit (panflets, etc.) sbre: Medidas de prevençã de quedas; Manutençã da mtivaçã para prevençã de quedas que inclui estratégias de exercíci e trein de equilíbri; Benefícis físics e psiclógics da prevençã de quedas; Onde bter infrmaçã e cuidads; Cm actuar em cas de queda. Recmendaçã [D] Nível de evidência III e IV idêntic a referid n incentiv à participaçã ds idss na prevençã de quedas. Intervenções nã recmendadas Caminhadas rápidas Nível de evidência II Nã há evidência de que caminhadas rápidas diminuam risc de queda. Um estud demnstru que prgramas de caminhada rápida sem supervisã aumentu risc de queda em mulheres na menpausa cm histria de fratura n an anterir. N entant pde haver utrs benefícis de saúde em caminhadas rápidas em pessas idsas. Intervenções que nã pdem ser recmendadas pr nível insuficiente de evidência Exercícis de baixa intensidade cmbinads cm prgramas de incntinência Nível de evidência I nã há evidência de diminuiçã de quedas em idss. Exercícis em grup Prject: Quedas CHMT, EPE Página 14

16 Nível de evidência I exercíci em grup nã deve ser desencrajad cm medida de prmçã da saúde mas há puca evidência da sua eficácia na diminuiçã de quedas. Intervençã cgnitiv-cmprtamental Nível de evidência I nã há evidência que esta intervençã islada diminua risc de queda em níveis de risc descnhecids Encaminhament para crrecçã da diminuiçã da acuidade visual Nível de evidência I nã há evidência que a crrecçã da visã em pessas idsas diminua risc de queda. Suplement de vitamina D Nível de evidência I há evidência da carência de vitamina D ns mais idss e que esta influencia na diminuiçã da frça muscular, mas nã há evidência de que a crrecçã da deficiência de vitamina D pssa diminuir a prpensã para quedas. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 15

17 3 -O PROBLEMA DAS QUEDAS NO CHMT A prevençã de quedas n CHMT tem um percurs cm referid anterirmente, desde an de 2007, cm bjectiv traçad para s serviçs de internament, send prtant, s dads referentes às participações de crrência de quedas efectuadas a partir de Janeir de 2007, a partir das quais fram planeadas e implementadas intervenções até final de 2010, inclusive alteraçã de metdlgia de Avaliaçã de risc de queda Em 2007: Iniciu-se a ntificaçã brigatória das quedas, em impress própri; Inicia-se a elabraçã de critéris de qualidade de cuidads (prtcl, instruçã de trabalh e utrs impresss); Os dads btids sã analisads pel Serviç de Higiene e Segurança n Trabalh (um enfermeir) e Gestã da Qualidade (1 enfermeira) e apresentads n final d an a tds s enfermeirs chefes; Mnitrizada a incidência de quedas. Em 2008: Em funçã d anterirmente expst fram intrduzidas medidas crrectivas e de melhria: criada Instruçã de Trabalh (de avaliaçã de risc de queda), e Prtcl de Medidas Preventivas, melhrad impress de ntificaçã de queda; Apresentadas as alterações as enfermeirs respnsáveis ds serviçs; Inici da mnitrizaçã d risc a tds s utentes (decrrente d PT e IT) cm Escala prduzida pr Grup de Trabalh intern e sinalizaçã ds utentes cm Médi e Alt risc, cm pulseira azul; Fc, Diagnóstic e Intervenções parametrizadas n aplicativ SAPE de acrd cm Catálgs CIPE de cada serviç e PT e IT acima referids; Mnitrizaçã de indicadr de prcess: % de cnfrmidade da aplicaçã das medidas de segurança na prevençã de quedas; Prject: Quedas CHMT, EPE Página 16

18 Mnitrizaçã da incidência de quedas e d prcess de implementaçã d Prtcl que era verificad pr auditria interna (Enfermeirs Chefes em cada serviç); Mnitrizaçã das medidas implementadas em funçã d Diagnóstic também auditad pels auditres interns d SCD (Sistema de Classificaçã de Dentes pr Níveis de Dependência). Em 2009: Iniciu-se a mnitrizaçã cm a Escala de Mrse (n SAPE) A sinalizaçã é realizada apenas a utentes de alt risc; Manteve-se a prduçã ds indicadres epidemilógic e de prcess; Saída d enfermeir da Higiene e Segurança n Trabalh e enfermeira da Qualidade; Mnitrizaçã realizada pels enfermeirs chefes e segunds elements ds serviçs e pela Direcçã de Enfermagem; Pediatria inicia uma dinâmica própria que cnduziu à elabraçã d PT.PED Medidas de segurança na prevençã de acidentes e vilência em pediatria aprvad em 15/01/2010 e flhet Recmendações Segurança e prevençã de acidentes em Pediatria, cmeça pr valrizar factres de risc já evidenciads na literatura; trabalha fc cair cm um acidente. Em 2010: Manteve-se actuaçã idêntica ns serviçs; Dads analisads em 2011 pel Grup de Dinamizadres d PPQCE, cm base ns dads frnecids pela Direcçã de Enfermagem; Nas áreas pediátricas implementa-se a mnitrizaçã d risc após parametrizaçã d fc tend cm suprte a dcumentaçã elabrada; iniciam a ntificaçã das quedas de frma cnsistente. Em 2011: Refrmulads s Prtcl e a Instruçã de Trabalh de md a adequar as intervenções e a parametrizá-las de frma idêntica n SAPE; Definid bjectiv para CHMT relacinad cm as quedas; Prject: Quedas CHMT, EPE Página 17

19 Mnitrizads indicadres epidemilógic e de resultad (R1); As áreas pediátricas estruturam a sua prática em cnjunt cm as restantes áreas, salvaguardand as especificidades em dcumentaçã própria para crianças cm mens de 6 ans (só a partir da 3ªinfancia cnsiderams que desenvlviment mtr n qual se inclui a marcha esta cnslidad, pel que a estes já aplicams a Escala de Mrse). A análise ds dads dispníveis referentes a este períd ( ) cnsta ns gráfics seguintes: Gráfic 2 Taxa de incidência de quedas Apesar d percurs nestes 4 ans a taxa de incidência de quedas reduziu de frma puc significativa. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 18

20 35,00% FACTORES DE RISCO NA QUEDA - CHMT 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% Gráfic 3 Factres de risc na queda A leitura deste gráfic permite verificar que a cnfusã, alteraçã de equilíbri a agitaçã têm sid s principais factres de risc (intrínsecs). Cntud, a análise d gráfic que se segue permite cncluir que alguns factres extrínsecs também têm estad relacinads cm as quedas. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 19

21 40,00% ORIGEM DA QUEDA 35,00% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% ,00% 0,00% Gráfic 4 Origem da queda Cm base n impress de Ocrrência de Quedas, n camp rigem da queda nã só estã incluss s lcais nde crrem as quedas cm factres extrínsecs (pis, iluminaçã, bstáculs). Verificam-se cm prevalentes em 2010: quedas da cama (27,7%), quedas n WC (18,48%) e pis escrregadi (12,5%). De salientar que a lng d quadriéni esses dads fram reflectids e implementadas medidas crrectivas, nmeadamente: Aquisiçã de grades para macas; Frmaçã da empresa de limpezas sbre a imprtância de sinalizar pis escrregadi; Aquisiçã de cadeirões mais adequads para evitar as quedas. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 20

22 Send a avaliaçã d risc de queda uma realidade n CHMT neste quadriéni, ns serviçs de internament, gráfic seguinte representa risc de queda que estava avaliad ns 165 utentes que caíram n an de ,0% 50,0% 40,0% QUEDAS POR NIVEL DE RISCO 36,4% 47,9% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 13,9% 1,8% Baix Médi Alt Nã especificad Gráfic 5 Quedas pr nível de risc Da análise d gráfic cnclui-se que cerca de 48% ds utentes que caíram tinham alt risc de queda. Imprta ainda perceber que tip de intervençã crreu nas quedas, que se encntra express n gráfic 7. Perante s dads internacinais é para nós imprtante perceber a faixa etária ds utentes vítimas de queda. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 21

23 45,0% QUEDAS POR FAIXA ETÁRIA 41,8% 40,0% 35,0% 30,0% 27,9% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 6,7% 3,6% 9,1% 10,9% 0,0% < >80 Gráfic 6 Quedas pr faixa etária A análise d gráfic permite cncluir que a mairia ds utentes que caíram, n an de 2010, tinha mais de 71 ans (cerca de 70%) 90,0% 80,0% 77,0% INTERVENÇÃO MÉDICA 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 38,8% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% Cnheciment Médic Intervençã Médica Gráfic 7 Intervençã médica Prject: Quedas CHMT, EPE Página 22

24 Analisand gráfic cnclui-se que 77% das quedas (n an de 2010) fram cmunicadas a médic e que em cerca de 39% huve intervençã deste prfissinal. Imprta ainda perceber em que turns existiram mais quedas. 60,0% QUEDAS POR TURNO 50,0% 50,9% 40,0% 30,0% 27,3% 20,0% 21,2% 10,0% 0,0% 0,6% M T N Nã determinad Gráfic 8 Quedas pr turn O gráfic 8 permite-ns perceber que a grande mairia das quedas n an de 2010 crreram n turn da manhã. As cnsequências das quedas encntram-se representadas n gráfic seguinte. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 23

25 30,00% CONSEQUÊNCIAS DAS QUEDAS 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% 15,76% 17,13% 16,32% 26,09% 4,24% 2,76% 3,68% 5,07% 3,64% 3,31% 1,58% 4,35% 6,06% 11,60% 4,21% 5,80% 3,03% 1,66% 0,00% 2,90% 12,73% 17,13% 12,11% 15,22% Escriaçã Cntusã Laceraçã Crte Fractura Hematma Gráfic 9 Cnsequências da queda Pela análise pdems cncluir que em tds s ans as maires cnsequências fram escriações e hematmas, cntud é de salientar que têm existid cass de fracturas (3,03% em 2010) e que estas têm aumentad ns últims dis ans. Actualmente nã ns é pssível cntabilizar s custs ecnómics que essas fraturas tiveram para CHMT, cntud pretendems faze-l ns próxims ans. Cntud cnsultáms alguns estuds internacinais para perceber s custs que pdem decrrer das quedas. É referid pr Sharn; Cynthia and Mary (2009) que cerca de 3 a 20% ds dentes caem pel mens uma vez durante internament. Dessas quedas resultam lesões, aument de acções judiciais, aument d temp de internament e mais de 2, eurs em taxas de excess pr internament. Cm base em dis estuds anterires (Bates, Pruess, Suney, & Platt, 1995; Granek et al., 1987), Bswell, Ramsey, Smith, and Wagers (2001) fram utilizads s dads reclhids durante períd entre Julh de 1998 e Març de Prject: Quedas CHMT, EPE Página 24

26 2000 para estimar cust relacinad cm as quedas para s hspitais. Os autres referem que se um hspital de cuidads aguds tiver uma taxa de lesã pr queda de 6,6%, estes incidentes cm lesã resultam num aument de 7,5 dias de média n ttal da estadia e um aument médi dólares em perda de receita ttal (cust) para s hspitais. O cust médi pr queda (incluind quedas cm e sem lesã) seria de 351 dólares ( eurs). Psterirmente usu-se uma frma de cálcul através de dads da inflaçã frnecidas pel Departament de Estatísticas ds EUA referente a an de 2007, para calcular cust estimad de quedas para s hspitais em Fi estimad que cust prjetad pr queda cm feriments para hspitais em 2007 seria de pel mens dólares ( eurs) e cust médi pr queda seria de 425 dólares ( eurs). (HUEY-MING TZENG, CHANG-YI YIN;2008) Se ns basearms neste estud e tiverms em cnsideraçã as 165 quedas crridas, em internament, n an de 2010 pderems supr que cust para CHMT ascendeu s 50 mil eurs. Este pde ser um cust evitável se cnseguirms diminuir númer de quedas. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 25

27 4 - PERCEBER AS CAUSAS DO PROBLEMA Cm base ns dads ds ans 2007 a 2010 é pssível fazer uma análise das principais causas ainda que estas só se reprtem as serviçs de internament. Estas sã agra apresentadas através d diagrama de causa-efeit (Ishikama) após reflexã n Grup de Dinamizadres d Prject e serã psterirmente discutidas nas equipas para melhr apurament. Prject: Quedas CHMT, EPE Página 26

28 Diagrama de Causa Efeit (Ishikawa u Espinha de Peixe) Histrial d utente Factres ambientais Presença de bstáculs Iluminaçã Vigilância Sistema de Sinalizaçã (pis mlhad) Pis escrregadi Infecções graves/dença Deficiências nutricinais Cntençã (Terapêutica, ambiental, física, química u farmaclógica) Visã reduzida História de quedas Med de cair Denças crónicas Vigilância Avaliaçã Diagnóstic secundári Plimedicad Medicaçã Medicaçã préanestesica Calçad/vestuári Api na transferência/marcha Psictrpics Terapeutica em perfusã Ocrrência de Quedas Intervenções cgnitivas e d cmprtament Us dispsitivs de segurança Ajudas técnicas Cntençã Agitaçã/Cnfusã Mbilidade e equilíbri Cnsciência das limitações Prject: Quedas CHMT, EPE Página 27

29 Para a avaliaçã das causas cm mair prevalência na crrência de quedas, esta a ser elabrada uma flha de verificaçã (base de dads que cnsta na IT.GRL ), de frma que s dads clhids pssam ser trabalhads de frma sistematizada e eficiente. Cm metdlgia para tratament de dads, será realizad um Diagrama de Paret, que facilitará a leitura e identificaçã das principais causas que cntribuem para prblema. A prssecuçã d prject respeitará s passs a seguir apresentads a) Identificaçã da(s) dimensã(ões) em estud As dimensões em estud sã a efectividade resultante da reduçã da taxa de incidência das quedas e adequaçã técnic-cientifica. b) Unidades em estud As unidades de estud cnsideradas sã: 1) Tds s utentes admitids ns serviçs de Internament e de Ambulatóri; 2) Períd de temp de avaliaçã: Janeir a Dezembr de 2011 c) Tip de dads a clher Os dads reclhids serã para prduçã de Indicadres Epidemilógics, de Prcess e de Resultad. d) Fnte de dads As fntes de dads a utilizar sã: Mviment de utentes d serviç (Mviment assistencial); SAPE; Regists d Prcess clínic de enfermagem; Impress de crrência de queda (IMP. GRL ) e) Tip de avaliaçã A avaliaçã será: Prject: Quedas CHMT, EPE Página 28

30 Interna (El de Ligaçã a PPQCE n serviç) e Inter-pares. f) Critéris de avaliaçã Critéris de avaliaçã sã: Interna: Avaliaçã /Critéris implícits e explícits. Será imprtante referir que haverá indicaçã sbre as medidas adequadas para a prevençã de crrência de quedas nrmalizadas n Prtcl e IT que serã revists sempre que necessári. Em tds s utentes que caiam será auditada a crrecta implementaçã das medidas precnizadas n PT. GRL Medidas de Segurança na Prevençã da queda e Agressã (critéri de qualidade). g) A clheita de dads Os respnsáveis pela reclha e tratament ds dads sã: Interna: A(O) enfermeira() chefe/respnsável u segund respnsável d serviç (u el de ligaçã a PPQCE) h) Selecçã e definiçã da amstra A selecçã da Amstra será: Amstra Institucinal Tds s utentes admitids ns Serviçs de internament e ambulatóri, entre 01 de Janeir de 2011 a 31 de Dezembr de Amstra selectiva - 6 Meses seguids u interplads de 1 de Janeir a 31 de Dezembr CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO É critéri de exclusã, td utente cm Quedas verificadas nutr serviç, n períd em que Utente está à sua respnsabilidade Prject: Quedas CHMT, EPE Página 29

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

URGENTE AVISO DE SEGURANÇA HeartSine Technologies samaritan PAD 500P (Desfibrilhador de Acesso Público) Actualização do Software

URGENTE AVISO DE SEGURANÇA HeartSine Technologies samaritan PAD 500P (Desfibrilhador de Acesso Público) Actualização do Software URGENTE AVISO DE SEGURANÇA HeartSine Technlgies samaritan PAD 500P (Desfibrilhadr de Acess Públic) Actualizaçã d Sftware Cars Prprietáris d samaritan PAD 500P, O bjectiv desta carta é infrmar-vs sbre uma

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução Âmbit d Dcument Mdel de Cmunicaçã Platafrma de Dads de Saúde - Prtal d Prfissinal Revisã 1 O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Platafrma de Dads da Saúde

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Palestrante: Mauríci Laur de Oliveira Junir PRESCRIÇÃO E OS EVENTOS ADIVERSOS A ANVISA define err de medicaçã cm qualquer event

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

PRINCIPAIS FACTOS E NÚMEROS SOBRE NUTRIÇÃO 1

PRINCIPAIS FACTOS E NÚMEROS SOBRE NUTRIÇÃO 1 Junts pelas crianças PRINCIPAIS FACTOS E NÚMEROS SOBRE NUTRIÇÃO 1 O impact ds atrass de cresciment: Glbalmente, pert de uma em cada quatr crianças menres de 5 ans (165 milhões u 26 pr cent em 2011) sfrem

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação Cmpetências Clínicas para a Prática de Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã (Cnsultres em Amamentaçã) demnstram

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

MONITORIA & AVALIAÇÃO:

MONITORIA & AVALIAÇÃO: MONITORIA & AVALIAÇÃO: Os fundaments para bter resultads Bénédicte de la Briere O Banc Mundial Os bjetivs desta sessã 1 2 3 4 5 Prquê cncentrar-se ns resultads Mnitria u Avaliaçã Utilizar uma cadeia de

Leia mais

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2 Acreditads pr Partners 1. QUEM SOMOS l 2 A g3p cnsulting apsta na prmçã da excelência peracinal, através da realizaçã de prjects de cnsultria e frmaçã, que ptenciam ganhs a nível da melhria da prdutividade

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

ÍNDICE. 7 Implementação e Monitorização... 90 7.1 Medidas e recomendações... 90 7.2 Monitorização... 92. 8 Conclusões... 96

ÍNDICE. 7 Implementação e Monitorização... 90 7.1 Medidas e recomendações... 90 7.2 Monitorização... 92. 8 Conclusões... 96 PLANO ESTRATÉGICO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES 2010-2016 AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO AMBIENTAL AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE MARÇO DE 2010 ÍNDICE 1 Intrduçã... 1 2

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais