NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURISTICAS E OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS. Julho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURISTICAS E OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS. Julho"

Transcrição

1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURISTICAS E OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS Julho 2008

2 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURISTICAS E OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS - Julho Coordenador: Eduardo Morais Autores: Paulo Paixão Nuno Paixão Revisão: Ana Gonçalves Edição Gráfica: Sónia Bailão (Jornal Mais Região) Impressão: Gráfica Moderna FENCAÇA, Coruche, Julho de 2008

3 ÍNDICE 2 DOCUMENTOS DO CAÇADOR 5 3 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURÍSTICAS E OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS SINALIZAÇÃO Regras para a sinalização de ZCA e ZCT: Prazo para a colocação da sinalização Extinção e levantamento da sinalização RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO ANUAL PREJUÍZOS PROVOCADOS PELAS ESPÉCIES CINEGÉTICAS REPOVOAMENTOS Espécies objecto de repovoamento: Repovoamentos em áreas classificadas: Transporte de espécies para repovoamentos: Detenção em parques de adaptação: MONTARIAS E BATIDAS A ESPÉCIES CINEGÉTICAS DE CAÇA MAIOR Comunicação ao ICN: Seguro de responsabilidade civil: Cães de matilha: Matilheiros e batedores: Licenças: Outros conselhos importantes: CAMPOS DE TREINO DE CAÇA Definições: Área máxima Autorização para instalações: Espécies cinegéticas: Sinalização de campos de treino de caça: LARGADAS RENOVAÇÃO DAS ZONAS DE CAÇA OUTROS CONSELHOS DE GESTÃO Controle de espécies nocivas: Melhorar o Abrigo, o Alimento e a Disponibilidade de Água: Censos de Espécies Cinegéticas: Censo de perdizes Censos de coelhos e lebres Censos de javali, veados e gamos Quantidade a abater: Datas de fecho do período venatório aconselhadas

4 1 INTRODUÇÃO A legislação cinegética é ampla e encontra-se publicada por vários diplomas legais, pelo que a sua consulta, manuseamento e conhecimento é uma tarefa complexa e de difícil percepção. A FENCAÇA Federação Portuguesa de Caça -, procurou através da produção deste documento compilar todas as regra e normas legais para informação e orientação das entidades gestoras. Considerando que o incumprimento da maioria das regras gerais e especificas que orientam a actividade cinegética, designadamente a gestão das Zonas de caça, está sujeita a procedimento contra-ordenacional e, em muitos casos, a outras sanções administrativas (suspensão da actividade cinegética e de actividades de carácter venatório até que seja suprida a falta ou extinção, por revogação, da zona de caça), obvia-se a utilidade da elaboração deste manual que pretende oferecer uma leitura sucinta, articulada e clara o conjunto de regras legais necessárias para a prossecução da gestão eficiente das zonas de caça turísticas e associativas. A lei da caça, lei n.º 173/99, de 21 de Setembro, é regulamentada pelo Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto, alterado e republicado através do Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro, o qual define as normas legais que regem a actividade cinegética. Existem também um número significativo de portarias e despachos que estabelecem em particular, as regras a que está sujeita a actividade cinegética, às quais também se fará referência quando considerado adequado. 4

5 2 DOCUMENTOS DO CAÇADOR Para o exercício da caça são exigíveis os seguintes documentos: 2.1 CARTA DE CAÇADOR (Ver Artigo 66º a 72º do Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro e Portaria n.º 123/2001 de 23 de Fevereiro) 2.2 BILHETE DE IDENTIDADE OU PASSAPORTE 2.3 LICENÇA DE CAÇA (Ver Portaria n.º 469/2001 de 9 de Maio) Existem dois tipos de licenças: As licenças gerais de caça podem ser: Licença nacional de caça - Autoriza o exercício da caça em todo o território nacional e é válida por uma época venatória. Licença regional de caça Autoriza o exercício da caça na área da região cinegética a que respeita (ver mapa) e é válida por uma época venatória. Licença de caça para não residentes em território nacional Autoriza o exercício da caça em todo o território nacional e é válida por um período de 30 dias. As licenças especiais de caça não dispensam a licença geral e podem ser: Licença para caça maior Quando o caçador pretende caçar espécies de caça maior. Licença para caça a aves aquáticas Quando o caçador pretende caçar patos, galinhas-d água ou galeirão, por exemplo. 2.4 Recibo comprovativo da detenção de SEGURO DE CAÇA (Ver artigo 76º do Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro) É obrigatório o seguro de responsabilidade civil contra terceiros. Este documento pode ser obtido em qualquer seguradora. 5

6 2.5 LICENÇA DE USO E PORTE DE ARMA E LIVRETE DE MANIFESTO DE ARMAS (Ver Decreto-Lei n.º 5/2006 de 23 de Fevereiro) Estes documentos só são necessários quando o caçador utilize arma de fogo. Quando a arma é pertença de terceiro, é ainda necessário uma declaração de empréstimo. Para tirar esta licença, quer seja do modelo C (carabinas) ou modelo D (caçadeiras) tem de ser maior de 18 anos e entregar os seguintes documentos: Formulários da PSP preenchidos Modelos A, B e G Duas fotografias actuais Certificado médico para o efeito (alínea d) Artigo n.º15 da Lei n.º5/2006 de 23/2002). Certificado de aprovação de frequência do curso (quando estiver em funcionamento) Registo criminal Fotocópia do cartão de eleitor ou atestado de residência. Declaração da Direcção Geral de Viação (DGV) em como não existe condenação por excesso de álcool. 2.6 RENOVAÇÃO Para renovar a licença de uso e porte de arma de caça deve ser pedida até 60 dias antes do termo do seu prazo (n.º1 do Artigo 28º da Lei n.º5/2006, de 23 de Fevereiro). No caso de se verificar a caducidade da licença o titular tem o prazo de 180 dias para promover a sua renovação ou proceder à transmissão das respectivas armas (n.º1 do Artigo 29º da mesma Lei). É necessário para a renovação: Formulários da PSP Modelos A, B e G 2 Fotografias Certificado de aprovação de frequência do curso (só quando estiverem em funcionamento) Fotocópia dos livretes das armas Levar as armas para identificação das medidas ou tirar em casa e referir á PSP Licença antiga Carta de Caçador Licença de caça maior no caso das carabinas (modelo C) Registo criminal Cópia do Bilhete de Identificação Certificado do médico Valor aproximado de

7 2.7 DOCUMENTOS DOS CÃES (Ver Decreto-Lei n.º 313/2003 de 17 de Dezembro) Cartão nacional de identificação Onde consta o número de registo e a prova de vacinação anti-rábica. Este documento é exigido para os cães com mais de 4 meses de idade. Licença de cão de caça Exigida para cães com mais de 12 meses de idade. 2.8 INDIVÍDUOS MENORES DE IDADE Para os menores, é necessáia autorização escrita do seus representantes legais. É obrigatório que a autorização indique o período para qual é válida. 3 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURISTICAS E OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS As entidades gestoras de Zonas de caça estão obrigadas a cumprir um conjunto de normas e regras legais, nomeadamente as que a seguir se apresentam. 3.1 OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS das ZONAS DE CAÇA ASSOCIATIVAS E TURÍSTICAS (artigo 42º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro) (ver ponto 3.2); Efectuar a sinalização das zonas de caça e conservá-la em bom estado (ver ponto 3.2); Cumprir e fazer cumprir as normas reguladoras do exercício da caça Nota 1: As entidades gestoras de zonas de caça são responsáveis pelo exercício da caça dentro das zonas de caça, pelo que devem acautelar um conjunto de situações, nomeadamente se os caçadores em cada dia de caça são possuidores de toda a documentação legal, se as munições que transportam estão adequadas ao tipo de caça que exercem, e ainda controlar o número de peças abatidas em cada dia de caça. Efectuar o pagamento da taxa anual; Cumprir o POEC; 7

8 Comunicar à DGRF os resultados anuais de exploração da época venatória anterior, bem como o número, a nacionalidade e a qualidade dos utentes no caso das zonas de caça turísticas, até 15 de Junho de cada ano; exploração; Não permitir o exercício da caça até a entrega dos resultados anuais de Não permitir que, nos dois últimos anos de concessão, seja caçado um número de exemplares de espécies cinegéticas sedentárias superior à média dos dois anos precedentes, salvo nos casos autorizados pela DGRF; Sempre que ocorram alterações, os concessionários de ZCA devem enviar DGRF, até 15 de Junho, a actualização dos caçadores associados em cada zona de caça, reportadas a 31 de Maio desse ano; Os concessionários de zonas de caça devem comunicar à DGRF as alterações da sede social, no prazo de 90 dias contado da mesma; Os concessionários devem proceder à actualização dos planos de ordenamento cinegético sempre que ocorram alterações significativas no meio com reflexos sobre as espécies a explorar; Os concessionários devem prestar informações e colaborar com a DGRF e com o ICN no que respeita às áreas classificadas, em tudo o que estas fundamentadamente solicitarem. Nota 2: É obrigatório a recolha de cartuchos pelo n.º 4 do Artigo 79º do Decreto-Lei n.º 201/2005 de 27 de Abril, tendo uma coima para o caçador de 500 a SINALIZAÇÃO Nas Zonas de caça é proibido caçar sem consentimento de quem de direito (n.º 2 do artigo 56.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro), sendo contudo necessário proceder à sua sinalização e conservá-la 8

9 em bom estado para que a proibição tenha eficácia, o que aliás constitui uma obrigação das entidades gestoras de zonas de caça (alínea n.º 1 do artigo 42.º do citado Decreto-Lei). As zonas de caça só produzem efeitos relativamente a terceiros com a instalação da respectiva sinalização, nas condições definidas na Portaria do MADRP (n.º 1 do artigo 5º da Portaria nº431/2006 de 3 de Agosto) As zonas de caça devem ser sinalizadas de acordo com os limites constantes na cartografia aprovada e publicitada pela respectiva portaria e esta sinalização deve ser adequada às alterações de limites que possa vir a sofrer posteriormente, e mantida sempre em bom estado de conservação. A sinalização das zonas de caça faz-se de acordo com os modelos de tabuletas e sinais legalmente estabelecidos a cada tipo de zona de caça (Portaria n.º 1103/2000, de 23 de Novembro) Regras para a sinalização de ZCA e ZCT: As zonas de caça associativas e turísticas são sinalizadas com a tabuleta modelo 2 e sinal modelo 10 (alínea b do n.º 2 e alínea b do n.º 3, da Portaria n.º 1103/2000, de 23 de Novembro). As áreas de interdição à caça podem ser sinalizadas com o sinal modelo 9 (alínea a do n.º 3, da citada Portaria). Sinal Modelo 10 Tabuleta Modelo 2 9

10 A colocação da sinalização tem de obedecer ao estipulado na referida Portaria, pelo que é fundamental conhecer o conteúdo da mesma. Sinal Modelo Prazo para a colocação da sinalização A sinalização deve ser colocada de acordo com a data de entrada em vigor da Portaria de criação da Zona de Caça e até um prazo máximo de seis meses contados a partir desta data. (n.1 do artigo 5º da Portaria n.431/2006 de 8 de Agosto) A falta de sinalização no prazo atrás previsto constitui motivo de revogação da concessão ou transferência de gestão Extinção e levantamento da sinalização Quando a zona de caça for extinta, a entidade gestora é obrigada a levantar a sinalização no prazo máximo de 30 dias, contadas a partir do respectivo termo, independentemente das causas da extinção (n.º 1 do artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro). 3.3 RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO ANUAL As entidades gestoras de zonas de caça devem entregar na Circunscrição Florestal da área onde se situa a zona de caça e ao Instituto de Conservação da Natureza, quando a zona se situar em áreas classificadas, os resultados do plano anual de exploração cinegética, até 15 de Junho de cada ano, (a alínea f) do artigo 19.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto, segundo redacção do Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro), utilizando para o efeito o modelo do impresso aprovado pela Direcção Geral dos Recursos Florestais. 10

11 3.4 PREJUÍZOS PROVOCADOS PELAS ESPÉCIES CINEGÉTICAS A actividade cinegética provoca, não raras vezes, prejuízos da vária ordem, nomeadamente nas culturas agrícolas. A gestão cinegética pressupõe um acompanhamento próximo das espécies e a manutenção de uma boa relação com os proprietários dos terrenos onde se situa a zona de caça, pelo que devem dirimir com celeridade todas as possíveis situações, que vão surgindo ao longo da vigência das respectivas zonas de caça, tanto mais que as entidades gestoras são obrigadas a indemnizar os danos que, por efeitos da sua actividade, forem causadas nos terrenos vizinhos e nos próprios terrenos (n.º 1 do artigo 114.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro). Na sequência da ocorrência de prejuízos geram-se, com frequência, conflitos entre os lesados e as entidades gestoras que, nos casos em que não exista consenso quanto ao montante a indemnizar, este pode ser fixado por tribunal arbitral (n.º 4 do artigo 114.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro). 3.5 REPOVOAMENTOS A realização de repovoamentos com espécies cinegéticas é autorizada desde que esta acção esteja contemplada no Plano de Ordenamento e Exploração Cinegética (ou desde que exista uma alteração deste plano que o permita), obedecendo contudo ao cumprimento de um vasto conjunto de condicionalismos legais e regras de execução. Tratando-se de uma das acções de gestão mais utilizada para recuperar as populações de algumas espécies cinegéticas, importa algumas regras, seguidamente expostas Espécies objecto de repovoamento: Só podem ser utilizadas em repovoamentos, os exemplares das espécies ou subespécies seguintes: Coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus algirus), Lebre (Lepus granatensis), Perdiz-vermelha (Alectoris rufa), Faisão (Phasianus colchicus), Pato-real (Anas platyrhynchos), Gamo (Cervus dama), Veado (Cervus elaphus), Corço (Capreolus capreolus), Muflão (Ovis ammon [=Ovis musimon]), (Portaria n.º 464/2001 e 466/2001, de 8 de Maio), sendo que a norte do rio Douro nas acções de repovoamentos de corço só podem ser utilizados exemplares provenientes daquela região (Portaria n.º 466/2001, de 8 de Maio). 11

12 3.5.2 Repovoamentos em áreas classificadas: Se o repovoamento se realizar em áreas classificadas é necessário obter a autorização prévia do Instituto de Conservação da Natureza (Portaria n.º 466/2001, de 8 de Maio) Transporte de espécies para repovoamentos: O transporte dos animais destinados aos repovoamentos tem de ser acompanhado do original da guia de transporte, de modelo da Direcção Geral das Recursos Florestais (Despacho n.º 1105/2001, Direcção Geral dos Recursos Florestais, 19 de Janeiro), desde o local de origem ou entrada em território nacional até ao local de destino, bem como de certificado sanitário. Estes dois documentos têm de ser conservados na posse do destinatário (entidades gestoras de zonas de caça) pelo prazo de um ano (n.º 2 do artigo 110º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto e Despacho n.º 1105/2001, Direcção Geral dos Recursos Florestas, 19 de Janeiro). Nota 1: É fundamental salvaguardar a pureza genética e sanidade das populações de espécies cinegéticas autóctones. Por isso nunca devem aceitar animais sem que a guia de transporte e o certificado sanitário os acompanhem. Nota 2: A guia de transporte é emitida pela entidade detentora do alvará, quando as espécies são provenientes de estabelecimentos de reprodução, criação e detenção em cativeiro e, pela Circunscrição Florestal, quando provenientes de capturas de animais silvestres ou de países comunitários Detenção em parques de adaptação: Tendo em vista a adaptação dos animais para repovoamentos, e caso se trate de espécies de caça menor, não podem ser detidos em parques de adaptação por mais de 30 dias; no caso de se tratar de espécies de caça maior, não podem ser detidos em parques de adaptação por mais de 3 meses, se a zona de caça não for vedada, e apenas no próprio dia de recepção em zonas de caça vedadas (n.º 5 da Portaria n.º 463/2001, de 8 de Maio). Nota 3: Não podem criar ou deter em cativeiro espécies cinegéticas sem serem titulares de alvará emitido pela Direcção Geral dos Recursos Florestais (Portaria n.º 463/2001, de 8 de Maio), excepto para o coelho-bravo e nas condições definidas (n.º 3 e 6 do artigo 107.º do Decreto-Lei n.º202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º201/2005 de 24 de Novembro) 12

13 Nota 4: Não podem importar animais sem que previamente lhe seja atribuído pela DGV o número de operador-receptor e sem os fazer acompanhar no território nacional de guia de transporte emitida pela Circunscrição Florestal. Quando se trate de coelho-bravo ou perdiz deve ser titular de alvará de detenção ou criação de espécies cinegéticas em cativeiro. 3.6 MONTARIAS E BATIDAS A ESPÉCIES CINEGÉTICAS DE CAÇA MAIOR A realização de montarias ou batidas a espécies cinegéticas de caça maior dentro das zonas de caça, obriga ao cumprimento de alguns formalismos legais Comunicação ao ICN: No caso da montaria ou batida se realizar dentro de uma área classificada é obrigatório comunicar ao Instituto de Conservação da Natureza (n.º 6 do artigo 120.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro) Seguro de responsabilidade civil: Aquando da realização da montaria ou batida, as entidades gestoras de zonas de caça são obrigados a deter seguro de responsabilidade civil contra terceiros no montante mínimo de (n.º 1 do artigo 76.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro) Cães de matilha: Os cães que compõem as matilhas de caça maior devem ser portadores de coleira ou marca corporal que identifique o seu proprietário (n.º 7 do artigo 84.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro) Matilheiros e batedores: Os matilheiros e batedores não podem ser portadores de armas de fogo, arco ou besta (n.º 2 do artigo 77.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro). 13

14 3.6.5 Licenças: Nas zonas de caça não há isenção de licença de caça maior, pelo que todos os caçadores são obrigados a possui-la Outros conselhos importantes: No início de cada montaria deve informar-se todos os caçadores das regras de segurança: 1. Os caçadores nos postos só devem carregar as armas depois de ouvir o sinal de início da batida ou montaria; 2. Devem colocar-se voltados para a área a bater; 3. Nunca abandonar o posto antes do sinal que indica o fim da batida ou montaria; 4. Nunca atirar ou correr a mão em direcção das outras portas; 5. Devem descarregar as armas quando for dado o sinal de fim de batida ou montaria; 6. Na caça maior, todos os tiros serão comunicados ao responsável da batida ou montaria; 7. Observar com a máxima atenção os vestígios no local de eventual impacto. Fazer sempre uma breve busca, mesmo quando se tem a certeza de ter falhado o tiro; 8. Deixe o animal no local onde foi abatido e assinale a sua presença. Na marcação das portas no terreno deve, igualmente, tomar-se atenção às normas de segurança. Recomenda-se a distribuição de coletes reflectores pelos matilheiros e caçadores. As portas serão sorteadas e distribuem-se panfletos com a sua localização e identificação do transporte e do transportador, bem como, fitas identificadoras das mesmas. 3.7 CAMPOS DE TREINO DE CAÇA Definições: Os campos de treino de caça são áreas destinadas à prática, durante todo o ano, de actividade de carácter venatório, nomeadamente o exercício de tiro e de treino de cães de caça, a realização de provas de Santo Huberto, sobre espécies cinegéticas produzidas em cativeiro (alínea i do artigo 2.º, da Lei n.º 173/99, de 21 de Setembro e artigo 55º do Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro) Área máxima A área máxima de cada campo de treino de caça ou de campos de treino de caça contíguos não pode ser superior a 100 ha, não podendo igualmente ser superior a 10% da área da zona de 14

15 caça, nem o número de campos de treino de caça a instalar ser superior a três, com excepção dos campos de treino de caça provisórios destinados à realização de provas de cães e de Santo Huberto e outras similares, cuja área máxima pode atingir 1000 ha (pontos 1, 2 e 3 da Portaria n.º 465/2001, de 8 de Maio) Autorização para instalações: Só podem ser dadas autorizações para sinalizações ás associações de caçadores, clubes de canicultores, os clubes de tiro e os titulares de zonas de caça. A autorização para instalar o campo de treino de caça deve ser solicitada à Circunscrição Florestal e caso se situe em áreas classificadas carece de parecer favorável do Instituto de Conservação da Natureza, a emitir no prazo de 20 dias úteis (pontos 1 e 2 do n.º 4 da Portaria n.º 465/2001, de 8 de Maio.) A instalação do campo de treino de caça carece ainda de autorização escrita dos proprietários onde o mesmo se situe Espécies cinegéticas: Só podem ser usadas espécies cinegéticas criadas em cativeiro. As espécies cinegéticas utilizadas no campo de treino de caça devem ser sempre acompanhadas do original da guia de transporte (modelo da Direcção Geral dos Recursos Florestais), a qual deve ser guardada durante 1 ano, sendo que a detenção dos animais vivos apenas é autorizada durante 3 dias, incluindo o da sua recepção (alínea c do n.º 5 da Portaria n.º 463/2001, de 8 de Maio) Sinalização de campos de treino de caça: Os campos de treino de caça são sinalizados com a tabuleta modelo 6 e sinal modelo 9 (alínea f) do n.º 2 e alínea a) do n.º 3, da Portaria n.º 1103/2000, de 23 de Novembro). Tabuleta Modelo 6 Sinal Modelo 9 15

16 Nota 1: Não carece da inscrição relativa ao número de processo quando os campos de treino de caça estão localizados em zonas de caça ou quando se trate da delimitação de campos de treino provisórios (alínea f do n.º 2, da Portaria n.º 1103/2000, de 23 de Novembro). Quando os campos de Treino estiverem inseridos em terrenos não ordenados terão um número que os identifica. Nota 2: Nos campos de Treino de Caça é permitido o exercício da actividade de carácter venatório durante todo o ano e em qualquer dia da semana. A prática de actividades de carácter venatório nos campos de treino de caça só é permitida a quem por titular dos documentos legalmente exigidos para o exercício da caça, em excepção da licença de caça. (pontos n.º1 e 2 do artigo 6º da Portaria n.º 465/2001 de 8 de Maio) Nota 3: Nos campos de treino de caça devem ser sempre recolhidos os cartuchos vazios resultantes do exercício do tiro. (ponto 4 do n.º 6 da Portaria n.º 465/2001, de 8 de Maio). Nota 4: No caso da actividade da zona de caça estar suspensa, não é permitida a utilização do campo de treino de caça, na medida em que este faz parte integrante da zona de caça. 3.8 LARGADAS As largadas consistem em libertar em campos de treino de caça, exemplares de espécies cinegéticas criadas para captura no próprio dia (alínea q do artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro). As espécies ou subespécies cinegéticas que se podem utilizar nas largadas estão identificadas no anexo da Portaria n.º 464/2001, de 8 de Maio e são as seguintes: Coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus algirus); Lebre (Lepus granatensis); Perdiz-vermelha (Alectoris rufa); Faisão (Phasianus colchicus); Pato-real (Anas platyrhynchos); Codorniz (Coturnix coturnix) Nota 1: As largadas só se podem realizar dentro dos campos de treino de caça. 16

17 Nota 2: Aquando da realização da largada, as entidades gestoras dos campos de treino de caça são obrigadas a deter seguro de responsabilidade civil contra terceiros em condições a definir em Portaria (n.º 2 do artigo 76.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto- Lei n.º201/2005 de 24 de Novembro). 3.9 RENOVAÇÃO DAS ZONAS DE CAÇA As Zonas de caça Associativas e Turísticas são constituídas por períodos de 6 anos mínimo e 12 anos de máximo e renovados por iguais períodos, devendo o pedido de renovação ser apresentado entre 1 ano e 6 meses antes do termo da transferência (artigo 33.º do Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto segundo redacção conferida pelo Decreto-Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro). DE CAÇA 3.10 RESUMO DAS OBRIGAÇÕES DAS ENTIDADES GESTORAS DE ZONAS ACTIVIDADES DATAS REFRÊNCIA NESTE DOCUMENTO Entrega dos Resultados de Exploração Cinegética Anual Até 15 de Junho Ver 3.3 Sinalização das Zonas de Caça - Prazo máximo de seis meses a partir da data da publicação da portaria de criação de zona de caça. - Em qualquer data desde que as zonas de caça tenham sido criadas em áreas anteriormente classificadas como terrenos não cinegéticos Ver OUTROS CONSELHOS DE GESTÃO Todas as acções que envolvam a utilização do espaço, ou propriedade rústica da zona de caça, obviamente necessitam de autorização dos respectivos proprietários, para se poderem realizar. Aconselha-se pois as entidades gestoras a manterem boas relações com os proprietários e a estabelecerem mesmo acordos de exploração cinegética, para poderem realizar todas as medidas de ordenamento e gestão necessárias ao fomento da caça. 17

18 Controle de espécies nocivas: Aconselha-se o combate à permanência na zona de caça de cães e gatos vadios. As entidades gestoras podem requerer anualmente a correcção de densidades de espécies cinegéticas predadoras, raposa, sacarrabos e javali, pelos processos e meios permitidos no Decreto- Lei n.º 201/2005 de 24 de Novembro e ainda recorrendo á utilização de armadilhas de gaiola. Para isto deverão requerer à DGRF autorização, e ao ICN, caso se pretenda efectuar a acção em áreas classificadas de acordo com o previsto no Artigo 113º e 121º do D.L. atrás citado. Aconselha-se ainda, a formar grupos de caçadores, com um responsável pelo registo de capturas e pelo cumprimento do início e final das jornadas de caça. Devem ser impostos limites de capturas e número de horas para cada jornada de caça, em função dos resultados dos censos e quantidades a abater previamente determinadas. Não de deve caçar sempre que as condições climatéricas sejam adversas para as espécies e facilitem a sua captura, ou tenha havido destruição do refúgio ou habitat. Não deve também caçar sempre que surjam surtos de doença em especial mixomatose. Deve-se também suspender o período venatório sempre que apareçam lebres ou coelhas gestantes Melhorar o Abrigo, o Alimento e a Disponibilidade de Água: Dividir a zona de caça em unidades de exploração, o mais uniformes possíveis; Para cada uma identificar as respectivas potencialidades cinegéticas e as suas limitações, para serem alvo de melhorias. Deve-se atender especialmente à melhoria do coberto arbustivo e herbáceo de Março a Julho (meses de reprodução e recria), à disponibilidade de alimento e água de preferência todo o ano, ou pelo menos nas épocas de escassez Censos de Espécies Cinegéticas: Não é possível explorar qualquer zona de caça sem se saber quais os quantitativos de espécies autóctones existentes em cada época. Para isto devem realizar-se censos. Os censos permitem a utilização de medidas de abundância ou densidade para estimação de efectivos populacionais, fundamentais na avaliação da evolução dos mesmos ao longo de várias épocas, o que é essencial para a determinação do potencial cinegético em cada ano (jornadas de caça e elaboração do PAE). 18

19 A abundância como estimativa populacional, é incompleta uma vez que não permite auferir um efectivo (número de indivíduos) para determinada área mas apenas, registar a variação temporal do mesmo (por comparação de várias amostragens no tempo). No entanto por ser de simples compreensão e obtenção, é mais comummente usada, e geralmente, expressa através do índice quilométrico de abundância (IKA) que é simplesmente, o quociente entre o número de indivíduos avistados num percurso cujo comprimento é conhecido. Os censos indicados abaixo para perdizes, coelhos e lebres estão explanados de acordo com a metodologia necessária à obtenção deste índice. Se a área amostrada for representativa de toda a ZC, os censos indicados para javalis, veados e gamos podem fornecer um valor de densidade, extrapolando as observações na mesma, para toda a área da ZC, por regra geral de proporção Censo de perdizes Para a realização destes censos dever-se-á proceder á realização de percursos fixos (previamente seleccionados e medida a sua extensão) a pé, a cavalo ou com viatura, a velocidade constante, em que se efectuarão contagens com registo dos locais segundo o seguinte calendário: 1. Censo de casais de Fevereiro a Março - Contam-se os casais existentes em cada zona para determinar o potencial reprodutor efectivo. 2. Censo de bandos de Agosto a Setembro - Contam-se o número total de perdizes; São determinantes das possibilidades de quantidades a abater e assim das jornadas de caça totais por ano possíveis para esta espécie Censos de coelhos e lebres Para os coelhos devem ser seguidos percursos fixos (previamente seleccionados e medida a sua extensão) a pé ou a cavalo pelas primeiras e últimas horas do dia junto à orla do coberto arbustivo, que serve de refúgio à espécie, ou nas zonas de mato. Estes censos podem ser efectuados em duas épocas do ano. Também se podem efectuar contagens nocturnas de carro com farol apropriado. Nos censos a realizar deve dar-se especial atenção ao estado de saúde dos animais identificados (pelo comportamento anormal) e proceder à recolha de animais mortos para avaliar de possíveis surtos de doença (D.H.V. e MIXOMATOSE ). As contagens de lebres podem ser efectuadas em simultâneo com os censos de coelhos: 1. Censos antes da época venatória de Agosto a Setembro, são determinantes das quantidades a abater e das jornadas de caça possíveis. 19

20 2. Censos depois do fecho da época venatória de Janeiro e Fevereiro, são determinantes das potencialidades reprodutoras e em que medida o plano de exploração foi ajustado Censos de javali, veados e gamos Efectuar contagens nocturnas em postos de vigia a instalar nas zonas de distribuição de alimentação artificial. Podem também ser executadas batidas brancas (batidas sem abate de animais, apenas para efeitos de contagem). Os censos de veados e gamos devem ser efectuados a partir de Agosto para avaliação dos troféus dos machos Quantidade a abater: Lebres, coelhos e perdizes 0,3 a 0,5 (30 a 50%) da população estimada. Raposas e sacarrabos 0,7 a 0,8 da população estimada. Javali 0,8 da população estimada (quando se pretenda explorar caça menor); 0,5 quando se pretenda explorar o javali como população a preservar. Veados e Gamos 0,25 a 0,5 da população. Machos troféu 0,10 a 0,125 da população de machos Datas de fecho do período venatório aconselhadas Aconselha-se o fecho do período venatório para as lebres, os coelhos e as perdizes, a 15 de Dezembro de cada ano para a 1ª, 2ª e 3ª regiões cinegéticas e a 30 de Novembro, para a 4ª e 5ª regiões. Para o javali, a data aconselhada é 31 de Janeiro e para os gamos e veados, 15 de Janeiro. 20

Lei n.º 173/99 de 21 de Setembro

Lei n.º 173/99 de 21 de Setembro Lei n.º 173/99 de 21 de Setembro Objecto e princípios... 3 Objecto... 3 Definições... 3 Princípios gerais... 3 Tarefas do Estado... 4 Conservação das espécies cinegéticas... 4 Normas de conservação...

Leia mais

Regulamento de classificação, identificação e registo dos carnívoros domésticos e licenciamento de canis e gatis.

Regulamento de classificação, identificação e registo dos carnívoros domésticos e licenciamento de canis e gatis. Regulamento de classificação, identificação e registo dos carnívoros domésticos e licenciamento de canis e gatis. Portaria n.º 1427/2001, de 15 de Dezembro A luta contra as zoonoses transmissíveis pelos

Leia mais

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal. Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo. Preâmbulo

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal. Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo. Preâmbulo Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo Preâmbulo A Barragem do Azibo foi construída com o objectivo de fornecer água a vários regadios localizados no concelho de Macedo de Cavaleiros,

Leia mais

Portaria n.º 931/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 931/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 Rectificada pela Declaração de Rectificação n.º 76-A/2006, de 7-11. Alterada pela Portaria n.º 256/2007, de 12-3. Alterada pela Portaria n.º 1165/2007, de 13-9. MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 163 21 de agosto de 2015 6231 mediante acordo dos respetivos titulares, solicitar a integração parcial ou total e ou a redistribuição das respetivas potências. 3 O pedido

Leia mais

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL TÍTULO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI CLASSIFICAÇÃO GERAL REFERÊNCIA INTERNA DCDET/RGO.006

Leia mais

REGULAMENTO DA LEI DE BASES GERAIS DA CAÇA. Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro

REGULAMENTO DA LEI DE BASES GERAIS DA CAÇA. Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro REGULAMENTO DA LEI DE BASES GERAIS DA CAÇA Decreto-Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro Data: Quinta-feira, 24 de Novembro de 2005 Diário da República: 226 Série I-A Emissor: Ministério da Agricultura,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968:

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 936-A/99, de 22 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 936-A/99 de 22 de Outubro

Leia mais

Plano de Controlo e Erradicação de Tuberculose em Caça Maior

Plano de Controlo e Erradicação de Tuberculose em Caça Maior Plano de Controlo e Erradicação de Tuberculose em Caça Maior DGV Julho 2011 DSSPA - DSHPV Plano de controlo e erradicação de Tuberculose bovina em caça maior A. Introdução Considerando que a tuberculose

Leia mais

Page 1 PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE

Page 1 PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Page 1 PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Lista e número das perguntas e respectivas respostas: 1. P - Como ser um dono responsável de um animal de companhia?

Leia mais

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Regulamento Geral das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Capitulo I Dos Princípios Gerais Artigo 1º Lei Habilitante O presente Regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo das competências conferidas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças Taxas e Licenças Perguntas Frequentes Como posso pedir a carta de caçador? Como posso renovar a carta de caçador? Como posso pedir a 2ª via da carta de caçador? Como devo proceder ao registo de exploração

Leia mais

REFORÇA A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS UTILIZADOS EM CIRCOS

REFORÇA A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS UTILIZADOS EM CIRCOS PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 765/X-4ª REFORÇA A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS UTILIZADOS EM CIRCOS Exposição de Motivos O quadro legal aplicável à protecção dos animais em

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 4.ª EDIÇÃO DO PEPAL INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 1 Índice 1. DESTINATÁRIOS DO PEPAL...3 2. CANDIDATURAS DOS ESTAGIÁRIOS...4 2.1.

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003)

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Preâmbulo O presente normativo inscreve-se na pretensão de

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se

Leia mais

Documentos. Aplicável nos casos de pedidos de admissão a concurso para atribuição de licenças de guardas-nocturnos 11- Duas fotografias (tipo passe);

Documentos. Aplicável nos casos de pedidos de admissão a concurso para atribuição de licenças de guardas-nocturnos 11- Duas fotografias (tipo passe); (A preencher pelos serviços) Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas Processo n.º Pedido de Licenciamento da Actividade de Guarda-nocturno (Decreto-Lei n.º 310/2002, de 18/12, conjugado

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às acções de formação previstas na Medida 4 da Intervenção Operacional para a Ciência

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EXAME INICIAL DE CAÇA ABATIDA EM ZONAS DE CAÇA

CURSO DE FORMAÇÃO EXAME INICIAL DE CAÇA ABATIDA EM ZONAS DE CAÇA CURSO DE FORMAÇÃO EXAME INICIAL DE CAÇA ABATIDA EM ZONAS DE CAÇA Formação a pessoas que caçam, ou que possam intervir no processo, para que possam realizar um exame inicial dos animais no local da caçada,

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

Seminário Norcaça 2012. Zona de Caça Nacional da Lombada - Que Futuro? O envolvimento dos caçadores

Seminário Norcaça 2012. Zona de Caça Nacional da Lombada - Que Futuro? O envolvimento dos caçadores Seminário Norcaça 2012 Zona de Caça Nacional da Lombada - Que Futuro? O envolvimento dos caçadores Foi atribuído este tema de o envolvimento dos caçadores na perspectiva futura da Z. C. N. da Lombada para

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI PREÂMBULO A transferência para os municípios de diversas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã CML 015.000 1 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

Preâmbulo. CAPÍTULO I Disposições Gerais

Preâmbulo. CAPÍTULO I Disposições Gerais REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DAS ACTIVIDADES DIVERSAS PREVISTAS NO DECRETO-LEI N.º 264/2002, DE 25 DE NOVEMBRO E NO DECRETO-LEI N.º 310/2002, DE 18 DE DEZEMBRO Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 254/2002, de

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS.

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. Preâmbulo Em 28 de Novembro de 1995, foi publicado o Decreto-Lei

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. ---------------------

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. --------------------- REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. --------------------- Nota Justificativa ------------------ Mediante a publicação do Decreto-Lei

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS)

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Este Regulamento aplica-se a todos os utilizadores do Serviço

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio Decreto-Lei n.º 15/97/M de 5 de Maio Desenvolveram-se, nos últimos tempos, as sociedades dedicadas à entrega rápida de pequenos valores em numerário, entre diversos países e territórios, prestando serviços,

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM EM FUNCIONAMENTO Podem ser atribuídas Autorizações de Residência para Investimento a cidadãos de Estados terceiros i.e., que não pertençam ao Espaço Schengen, que exerçam

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE LUTA E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA RAIVA

PROGRAMA NACIONAL DE LUTA E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA RAIVA DL n.º 314/2003, de 17 de Dezembro (versão actualizada) [ Nº de artigos:19 ] PROGRAMA NACIONAL DE LUTA E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA RAIVA SUMÁRIO Aprova o Programa Nacional de Luta e Vigilância Epidemiológica

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Edição 2 Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9 Revisão: 02 Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Código: RIP Documentos relacionados: RIP Regulamento Interno da PISCINA I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Artigo 3º. Condições para o exercício de serviços admitidos no Aeroporto

Artigo 3º. Condições para o exercício de serviços admitidos no Aeroporto ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO do exercício de serviços de rent-a-car por empresas sem instalações no domínio público aeroportuário e com reserva devidamente comprovada (Aeroporto de Lisboa) Considerando que:

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi 1 12 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi Na sequência da autorização legislativa concedida ao Governo pela Assembleia da República,

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

ANÚNCIO DE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO E DE ADMISSÃO À COTAÇÃO E NEGOCIAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE CABO VERDE

ANÚNCIO DE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO E DE ADMISSÃO À COTAÇÃO E NEGOCIAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE CABO VERDE Caixa Económica de Cabo Verde, S.A Sede: Avenida Cidade de Lisboa, Praia Capital Social: 348.000.000 (trezentos e quarenta e oito milhões) Escudos Matriculada na Conservatória do Registo Comercial da Praia

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola

EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola DATA: Sábado, 16 de Outubro de 1982 NÚMERO: 240/82 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º 974/82 SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS).

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). Legislação habilitante - Considerando o artigo 64, nº 1, al u) da Lei 169/99, de

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO Entidade Gestora: Nota Justificativa Conscientes da necessidade premente de se dotarem de uma infra-estrutura em conformidade com a legislação vigente, mas também no sentido

Leia mais

Perdiz Vermelha ou Perdiz Comum

Perdiz Vermelha ou Perdiz Comum Perdiz Vermelha ou Perdiz Comum Nome científico: Alectoris rufa Espécie cinegética Ave sedentária Característica dominante: Bico e patas de cor vermelho Distribuição Distribuição Perdiz Vermelha Perdiz

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, que entrou em vigor em 28 de Março de 2003,

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo Regulamento de Transportes Escolares Preâmbulo O presente regulamento tem por objectivo definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente, no que concerne aos apoios

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI Artigo l º - Âmbito de aplicação Artigo 2º - Objecto Artigo 3º - Definições * Artigo

Leia mais

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Republicação Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define a natureza dos apoios a nível nacional do Programa de Financiamento

Leia mais

Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads

Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads Os presentes termos e condições especiais de venda (doravante Condições Especiais de Venda ou os CPV regulamentam a relação entre: A APVO, uma empresa

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

APROVADO. Na sessão da Assembleia de Freguesia 11/12/2008. O Presidente: O 1º Secretário: O 2º Secretário:

APROVADO. Na sessão da Assembleia de Freguesia 11/12/2008. O Presidente: O 1º Secretário: O 2º Secretário: (7) COMPETÊNCIAS A DELEGAR PELO MUNICIPIO DE VIANA DO CASTELO Nos termos do art. 66º, e para efeitos do n.º 1 do art. 37º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, foi deliberado solicitar autorização à Assembleia

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Diário da República, 1.ª série N.º 197 12 de Outubro de 2007 7375. Portaria n.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Diário da República, 1.ª série N.º 197 12 de Outubro de 2007 7375. Portaria n. Diário da República, 1.ª série N.º 197 12 de Outubro de 2007 7375 Portaria n.º 1354/2007 Com fundamento no disposto no artigo 26.º do Decreto- -Lei n.º 202/2004, de 18 de Agosto, com as alterações introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente regulamento aplica-se

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS APROVADO 25 de Junho de 2010 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

Artigo 3º Definições. CAPÍTULO II Direcção e funcionamento do centro de recolha do Município de Almeida. Artigo 4º Direcção e orgânica

Artigo 3º Definições. CAPÍTULO II Direcção e funcionamento do centro de recolha do Município de Almeida. Artigo 4º Direcção e orgânica MUNICÍPIO DE ALMEIDA CÂMARA MUNICIPAL Postura Municipal de Recolha, Captura e Abate de Canídeos e Gatídeos e do Funcionamento do Centro de Recolha Nos termos do artigo 64º, nº. 1, alínea x), da Lei nº.

Leia mais

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças 1 Preâmbulo A Lei nº 53 E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17º:» As taxas para as autarquias

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxis

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxis Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxis Aprovado pela Assembleia Municipal, na reunião de 24 de Setembro de 2004 Publicado no Diário

Leia mais

Regulamento de Registo, Classificação e Licenciamento de Canídeos e Gatídeos

Regulamento de Registo, Classificação e Licenciamento de Canídeos e Gatídeos UNIÃO DE FREGUESIAS DE ABRUNHEIRA, VERRIDE E VILA NOVA DA BARCA MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO Regulamento de Registo, Classificação e Licenciamento de Canídeos e Gatídeos Preâmbulo Os Decretos-Lei n.º

Leia mais

APÊNDICE N.º 169 II SÉRIE N.º 263 13 de Novembro de 2003. APÊNDICE N.º 13 II SÉRIE N.º 21 31 de Janeiro de 2005

APÊNDICE N.º 169 II SÉRIE N.º 263 13 de Novembro de 2003. APÊNDICE N.º 13 II SÉRIE N.º 21 31 de Janeiro de 2005 REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DAS ACTIVIDADES DIVERSAS SUJEITAS A LICENCIAMENTO MUNICIPAL Publicação APÊNDICE N.º 169 II SÉRIE N.º 263 13 de Novembro de 2003 1.ª Alteração ao Regulamento APÊNDICE N.º 13 II

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO Procedimento concursal comum, para constituição de relação jurídica de emprego público por

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 320/02, de 28 de Dezembro, transfere para as câmaras municipais a competência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE MANEJO DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS (Método: Uso de Armas)

DECLARAÇÃO DE MANEJO DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS (Método: Uso de Armas) ATENÇÃO 1) Observe as orientações de preenchimento deste formulário constantes nas páginas 4 a 6 deste documento. 2) Este documento permite que pessoas físicas e jurídicas prestem serviços de controle

Leia mais

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro No nosso país, é generalizada a prática de as instituições de crédito exigirem, como condição sine qua non da concessão de crédito à habitação, a contratação,

Leia mais

Câmara Municipal de Coimbra Serviço Médico Veterinário

Câmara Municipal de Coimbra Serviço Médico Veterinário Câmara Municipal de Coimbra Serviço Médico Veterinário Canil Municipal de Coimbra - Mata do Choupal 239 493200 Horário: das 9h às 12h30m e das 14h às 17h30m Horário de adopções: Segundas-feiras úteis das

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 127 4 de julho de 2013 3907 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 46/2013 de 4 de julho Procede à segunda alteração ao Decreto -Lei n.º 315/2009, de 29 de outubro, alterado

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros PREÂMBULO Em 11 de Agosto, foi publicado o Decreto-Lei n.º 251/98,através do qual o legislador retomou a opção

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

Preâmbulo. Este diploma, por razões de vária ordem, foi objecto de críticas e alvo de contestação por parte de diversas entidades e organismos.

Preâmbulo. Este diploma, por razões de vária ordem, foi objecto de críticas e alvo de contestação por parte de diversas entidades e organismos. Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros - Transporte em Táxi, do Concelho de Oliveira do Bairro. Preâmbulo O transporte de aluguer em veículos

Leia mais

(A não entrega de qualquer um destes documentos inviabiliza a inscrição)

(A não entrega de qualquer um destes documentos inviabiliza a inscrição) REGULAMENTO DA ESCOLA DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DO CLUBE OLÍMPICO DE OEIRAS Os alunos deverão cumprir todas as normas de conduta na utilização das instalações, de acordo com o estipulado no Regulamento do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL Artigo 1º Disposições Gerais 1 - O presente regulamento estabelece os princípios, normas gerais e as condições de concessão, exploração

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Lista e número das perguntas P1 - Como ser um dono responsável de um animal de companhia? P2 - Qual o número máximo de animais

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

Artigo 2º Tipos de bolsas. a) Bolsas de pós-doutoramento (BPD); b) Bolsas de doutoramento (BD); c) Bolsas de mestrado (BM);

Artigo 2º Tipos de bolsas. a) Bolsas de pós-doutoramento (BPD); b) Bolsas de doutoramento (BD); c) Bolsas de mestrado (BM); Despacho Conjunto MCT/MQE DR nº 162, II Série, de 15 de Julho de 1996 A decisão da Comissão Europeia C (94) 376 aprovou o quadro comunitário de apoio para as intervenções estruturais comunitárias relativas

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento abrange todas as pessoas (singulares e colectivas)

Leia mais