BTT Curricular e no Desporto Escolar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BTT Curricular e no Desporto Escolar"

Transcrição

1 BTT Curricular e no Desporto Escolar A BTT na Escola 1 Factores a ter em conta quando da formação dum clube de BTT do Desporto Escolar 2 Problemas mais comuns na implementação destes clubes. 3 A BTT Curricular e no Desporto Escolar 1

2 Factores a ter em conta quando da formação dum Clube de BTT do Desporto Escolar 1...nunca devemos deixar de ter presente que o Desporto Escolar constitui um direito de todos os alunos e não, apenas, dos mais dotados. (In Programa do Desporto Escolar 1999/2000 para o 2º. e 3º. Ciclos do Ensino Básica e Ensino Secundário) 2 A Formação pela BTT integrada no Projecto Educativo de Escola tendo carácter plurianual, integrando o Complemento Curricular. 3 Articulação e complementaridade com o trabalho efectuado na disciplina de Educação Física. (continua) Factores a ter em conta quando da formação dum Clube de BTT do Desporto Escolar 4 Existência de tradição velocipédica no local onde se insere a escola, capaz de integrar jovens que queiram iniciar-se na competição (BTT; BMX; Estrada). 5 Local onde se insere a escola (grande/pequena cidade; com campo perto). 6 Cativação de verbas do orçamento da escola para aquisição e manutenção das BTT s, material de segurança, de reposição e manutenção, livros, revistas, vídeos, saídas com outras escolas. (continua) 2

3 Factores a ter em conta quando da formação dum Clube de BTT do Desporto Escolar 7 Apresentação de projectos às instituições oficiais (Câmaras Municipais; Juntas de Freguesia; Prevenção Rodoviária; Prevenção Primária da Toxicodependência; entidades públicas e privadas, etc.), para conseguir apoios. 8 Dar a conhecer aos encarregados de educação quais as vantagens da participação dos seus educandos num projecto com estas características, incentivando a sua participação. 9 Local para guardar material e reunir alunos e professor(a), ver vídeos e ler revistas. 10 Realização de Feiras de Divulgação da BTT com revistas; vídeos; fotografias; posters; bicicletas de vários tipos; entrevistas a corredores de BTT nacionais. Problemas mais comuns na implementação destes Clubes 1 Projecto Educativo de Escola (Desporto Escolar Clube de BTT); Formação Inicial e Contínua do(a) Professor(a). 2 Iniciação de projectos que acabam quando os seus mentores são colocados noutras escolas. 3 Verbas para material velocipédico e/ou de segurança (implementação e manutenção) vindas da escola; Desporto Escolar; outros projectos. 4 Seguro escolar (Portaria Nº. 413/99 de 8 de Junho dos Ministérios das Finanças, da Educação e da Saúde) completamente desajustada da realidade. 3

4 Problemas mais comuns na implementação destes Clubes 5 Os alunos têm de possuir Bicicletas e material de segurança quando a escola não as tem (se há material para basquetebol e ginástica, qual é a razão para não haver de ciclismo?) 6 Os professores não estão cobertos por seguro de saúde, de responsabilidade civil nem são compensados por desgaste de material. 7 Níveis de absentismo elevados: nos períodos de testes; no início de cada período devido a más notas; castigos por mau comportamento, más condições climatéricas. A BTT Curricular e no Desporto Escolar * Curricular (Unidade Didáctica) 1 - Tempo disponível de cerca de 12/14 aulas (10H30 por Unid. Did.) 2 - Aulas divididas em períodos de ou Semanais. 3 - Aulas realizadas no polidesportivo, espaço da escola ou exterior à escola (jardins, na povoação, no campo). 4 - Bicicletas para os/as alunos(as) tamanho; número de bicicletas, tipo de bicicletas, qualidade das bicicletas. 5 - Condições de segurança capacetes, bidões, luvas, óculos, material de reparação e reposição, carro de apoio, telemóvel, regras de condução. 6 - Material de apoio às actividades Gincanas; Circuitos de Prevenção Rodoviária; Quintais; Campo; Ori-BTT; Avaliações. 7 - Definição dos objectivos, conteúdos, estratégias, avaliações, gestão dos recursos. 8 - Carácter obrigatório de permanência e realização da aula. 4

5 A BTT Curricular e no Desporto Escolar * No Desporto Escolar 1 - Tempo disponível de 38 semanas (avaliações integradas) 2 Treinos divididos em ou 180 semanais (114 horas anuais). 3 - Treinos realizados no polidesportivo, espaço da escola ou exterior à escola (jardins, na povoação, no campo). 4 - Bicicletas para os/as alunos(as) tamanho; número de bicicletas, tipo de bicicletas, qualidade das bicicletas. 5 - Condições de segurança capacetes, bidões, luvas, óculos, material de reparação e reposição, carro de apoio, telemóvel, regras de condução. 6 - Material de apoio às actividades Gincanas; Circuitos de Prevenção Rodoviária; Quintais; Road-books; Ori-BTT; Jogos de Pista; Provas Combinadas; Avaliações. 7 - Definição dos objectivos, conteúdos, estratégias, cargas de treino, avaliações, gestão dos recursos. 8 - Carácter não obrigatório de presença no treino. A BTT Curricular e no Desporto Escolar Aulas Curriculares Versus Desporto Escolar 1 Tempo disponível para a prática. 2 Carácter não obrigatório de ida aos treinos do desporto escolar. Que consequências? 5

6 A BTT Curricular e no Desporto Escolar Que consequências? Em termos globais o Desporto Escolar (Complemento Curricular) tem cerca de 10 vezes mais tempo disponível do que as Actividades Curriculares durante um ano lectivo. Exige uma redefinição dos objectivos, conteúdos, estratégias, cargas de treino, avaliações e gestão dos recursos. Metodologia do Ensino do Ciclismo (BTT) Em termos metodológicos os alunos devem passar por experiências de forma plástica, relativas ao: 1 Domínio da Bicicleta Técnica individual (Nível introdução) *1 Montar; desmontar; equilibrar a baixa e alta velocidade; a pedalar e sem pedalar, trocar mudanças, desacelerar, travar; derrapar; contornar; evitar; saltar, acelerar, rolar. 2 Integração no Grupo Técnica Colectiva (Nível Elementar) *1 Afastar-se; dobrar; parar; posicionar-se; reagrupar; antecipar; ir à roda; fazer relevos; efectuar abanicos; realizar fugas e sprintar. 3 Adaptação ao meio ambiente. (Nível Avançado) *1 Responde positivamente a problemas que se apresentam em situações diversas como: travessias; circuitos; obstáculos; actividades de RB, Orientação; Jogos de Pista; as várias especialidades da BTT. *1 Passos metodológicos do ensino prático do ciclismo Ciclocrosse e Cicloturismo - patentes no Programa Nacional de Educação Física em todos os níveis de ensino 2º. e 3º. Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário. 6

7 Programas Nacionais de Educação Física Modalidade de : Ciclocrosse-Cicloturismo 3º. Ciclo do Ensino Básico Nível Introdução Conhece: 1 Os elementos que compõem a bicicleta e utiliza esses conhecimentos na preparação, manutenção e utilização da mesma. 2 As regras e sinais de trânsito. Cumpre um percurso em bicicleta: 1 Desmonta e monta em andamento; trava e mantém a bicicleta parada; retira uma e as duas mãos do guiador mantendo a direcção desejada; agarra objectos num plano inferior; realiza slalom; oitos; mudanças de direcção. Cumpre as normas de segurança estabelecidas e coopera com os companheiros na preservação e arrumação do material admitindo as indicações que lhe dirigem. 1/5 Programas Nacionais de Educação Física Modalidade de: Ciclocrosse-Cicloturismo 3º. Ciclo do Ensino Básico Nível Elementar Conhece: 1 Os elementos que compõem a bicicleta e utiliza esses conhecimentos na preparação, manutenção e utilização da mesma. 2 As regras e sinais de trânsito. Numa viagem de bicicleta que tenha distâncias e características diversas: 1 Prepara a bicicleta e o material; selecciona e arruma o equipamento e mantimentos; cumpre as regras de segurança individual e de grupo; doseia o esforço; selecciona os momentos para comer e beber; escolhe as desmultiplicações (pedaleira e carretos); Realiza um percurso de bicrosse num terreno acidentado e em piso de terra. 2 Descidas; subidas e curvas com o respectivo ajustamento postural utilizando os travões. (continua) 2/5 7

8 Programas Nacionais de Educação Física (continuação) Modalidade de: Ciclocrosse-Cicloturismo 3º. Ciclo do Ensino Básico Nível Elementar Cumpre as normas de segurança estabelecidas e coopera com os companheiros na preservação e arrumação do material aceitando e dando sugestões que permitam a melhoria das suas prestações. 3/5 Programas Nacionais de Educação Física 4/5 Modalidade de : Ciclocrosse-Cicloturismo 3º. Ciclo do Ensino Básico Nível Avançado Conhece: 1 Os elementos que compõem a bicicleta e utiliza esses conhecimentos na preparação, manutenção e utilização da mesma. 2 As regras e sinais de trânsito. Numa viagem de bicicleta de vários dias com percursos de distâncias e tipos diversos cumpre os objectivos estabelecidos no nível anterior (Elementar): 1 Prepara a bicicleta e o material; selecciona e arruma o equipamento e mantimentos; cumpre as regras de segurança individual e de grupo; doseia o esforço; selecciona os momentos para comer e beber; escolhe as desmultiplicações (pedaleira e carretos); selecciona o melhor percurso e mantém uma velocidade média pré-estabelecida. (continua) 8

9 Programas Nacionais de Educação Física (continuação) Cumpre as normas de segurança estabelecidas e coopera com os companheiros na preservação e arrumação do material aceitando e dando sugestões que permitam a melhoria das suas prestações. Num percurso em todo terreno, utilizando material adequado (bicicleta de BTT) realiza um raid, seleccionando as competências do nível avançado de Orientação. 5/5 Proposta de Objectivos/Conteúdos Programáticos para o Desporto Escolar 1/7 Modalidade de : Bicicleta-Todo-Terreno 3º. Ciclo do Ensino Básico Ensino Secundário Conhece: 1 A história da bicicleta-todo-terreno ao nível internacional e nacional, referenciando o aparecimento dos campeonatos mais importantes; principais inovações tecnológicas; nomes importantes da BTT. 2 Os elementos que compõem uma BTT (quadro e acessórios) e as variantes existentes conforme as especialidades e utiliza esses conhecimentos para a preparação, manutenção e utilização da mesma. 3 As suas medidas antropométricas (pernas, braços, mãos e pés) com o fim de escolher e preparar uma BTT à sua medida e estilo de condução. (Continua) 9

10 Proposta de Objectivos/Conteúdos Programáticos para o Desporto Escolar 2/7 Conhece e utiliza quando anda de BTT: 4 As normas e regras de comportamento em todo terreno, regras de segurança individual e de grupo e regras e sinais de trânsito. 5 O Regulamento de Provas de BTT e Ori-BTT. Realiza um percurso em todo terreno (asfalto, com vários tipos de terra, pedra fixa e solta, areia, raízes, subidas, descidas, curvas, obstáculos, buracos, piso seco e molhado), de minutos a várias horas (2/4 horas) ou em excursão de 1 ou mais dias. (Continua) Proposta de Objectivos/Conteúdos Programáticos para o Desporto Escolar 3/7 6 - Prepara a bicicleta e o material; selecciona e arruma o equipamento e mantimentos tendo em conta a duração e tipo de actividade ou competição. 7 - Doseia o esforço tendo em conta a duração, volume, intensidade, complexidade e densidade da actividade (treino) ou competição, tendo como referência o seu escalão etário e experiência; 8 - Selecciona os momentos para comer e beber, considerando a duração, volume, intensidade, complexidade e densidade da actividade (treino) ou competição, tendo como referência o seu escalão etário; (continua) 10

11 Proposta de Objectivos/Conteúdos Programáticos para o Desporto Escolar 4/7 8 - Escolhe no momento as desmultiplicações correctas (relação pedaleiras e carretos); acciona o(s) travão(ões) nos momentos correctos (dianteiro e/ou traseiro); selecciona o melhor trajecto e percurso e mantém uma velocidade adequada ao tipo de esforço que vai produzir Realiza as seguintes técnicas individuais e colectivas básicas de condução em sintonia com as desmultiplicações, travões, mantendo os níveis de segurança no que respeita a outros veículos, bens, pessoas ou animais: (continua) Proposta de Objectivos/Conteúdos programáticos para o Desporto Escolar 5/ Equilíbrio (Equilibração) Escolha objectiva de trajectórias; nas subidas; nas descidas; no plano horizontal; com vários desníveis; com diferentes tipos de terreno; com piso seco e molhado; com várias direcções do vento; outros Propulsão (Cadência de pedalada e desmultiplicação) Pedalada de pistón; pedalada em redondo; pedalar sentado; pedalar em pé Mudanças de direcção (Tipos de curvas, desníveis e terreno) Trajectórias neutras; trajectórias rápidas; trajectórias de emergência; derrapagens; tipos de inclinação homem versus BTT; contornar obstáculos. (continua) 11

12 Proposta de Objectivos/Conteúdos programáticos para o Desporto Escolar 6/ Saltos: Para passar obstáculos (acima ou abaixo do nível normal); realizados a um e a dois tempos; com vários tipos de inclinação e terreno; a velocidades variadas Técnica colectiva: Técnicas derivadas do ciclismo de estrada ir à roda; o relevo; os abanicos simples e duplos; a acção de escapar aos seguidores; sprints. (Algarra, José Luís; 1990; Ciclismo ; Editado pelo Comité Olímpico Espanhol; pág ) Realiza um conjunto vasto de actividades (as quais conhece) e utiliza as suas técnicas bem como o seu regulamento, respeitando as normas de segurança, nomeadamente: Gincanas; Circuitos de Prevenção Rodoviária; Quintais; XC; Dual; Down-hill; Raids; Ori-BTT; Roadbook; Jogos de Pista, Provas Combinadas. (continua) Proposta de Objectivos/Conteúdos programáticos para o Desporto Escolar 7/7 Coopera com os companheiros e professor na preservação e arrumação do material aceitando e dando sugestões que permitam a melhoria das suas prestações. Possui conhecimentos de Primeiros-Socorros e utiliza-os quando para tal é solicitado, estando para o efeito munido de um kit de Primeiros- Socorros. 12

13 Algumas Estratégias de Intervenção 1/2 Programar a aprendizagem de forma simples, clara e objectiva proporcionando uma experiência positiva - lúdica; com liberdade; responsável; com competição cooperativa e com altos níveis de segurança. Fornecer informação de retorno significativa (feed-back). Três contradições da Aprendizagem: 1 Estandardização/Individualização da técnica (a procura de um estilo próprio com a técnica realizada de forma eficaz). 2 Estabilidade/Variabilidade do envolvimento (realização da técnica individual ou em colectivo nível de incerteza). 3 Diferenciação/Globalidade da tarefa (método Analítico e Global decomposição das técnicas componentes críticas). Atribuir o tempo necessário para que as aprendizagens sejam consolidadas. Apresentação e resolução de situações-limite individual/colectiva (barreira cognitiva). (Continua) Algumas Estratégias de Intervenção 2/2 (Continuação) As situações que se apresentam devem respeitar e ao mesmo tempo quebrar o receio que os(as) alunos(as) poderão ter quando da aplicação das técnicas de BTT. Criar rotinas de preparação, manutenção do material e cumprimento de regras de segurança. Proporcionar tempos de descanso que são aproveitados para os(as) alunos(as) falarem dos seus feitos, comerem e beberem (seleccionar a comida). Responsabilização de alunos(as) pelo controlo efectivo do grupo abrir e fechar o grupo. 13

14 Cargas de Treino A aprendizagem motora tem custos para os(as) alunos(as) ao nível: 1 Energético: Solicitam as capacidades condicionais, nomeadamente força, resistência, velocidade, etc.. 2 Informacional: Níveis de processamento de informação muito elevados, solicitando as capacidades coordenativas, nomeadamente coordenação geral, coordenação óculo-manual, coordenação óculo-pedal, agilidade, equilíbrio dinâmico e estático, etc. Privilegiar o trabalho de velocidade de cadência de pedalada à potência. Trabalhar com níveis de frequência cardíaca relativamente baixos; jovens com 10/13 anos não devem treinar processos anaeróbios. Níveis de 50%-70% da reserva de frequência cardíaca (desporto escolar). Poderão ser aumentados em intensidade e volume os patamares de níveis de FC em relação à idade (+13 anos) e ao número de meses de treino (pico performance). Cargas de Treino Volume de Trabalho Anual Idade Horas de treino mensais Horas de treino Semanais Distribuição dos treinos pela semana Horas de treino anuais (12 M) 11 anos 12H a 20H 3H 5H 3 vezes 180 Horas 13 anos 15H a 35H 3.45H 8.45H 3 a 5 vezes 300 Horas 14 anos 15H a 38H 3.45H 9.30H 3 a 5 vezes 295 horas 15 anos 15H a 44H 3.45H 11H 3 a 5 vezes 375 horas 16 anos 20H a 52H 3H 13H 3 a 5/6 vezes 442 horas 17 anos 25H a 65H 6.15H 16.15H 4 a 6 vezes 535 horas 14

15 Cargas de Treino Intensidade do Trabalho Anual Percentagem da Frequência Cardíaca de Trabalho Inclinação do terreno Nível I Nível II Nível III Nível IV Plano Horizontal 50 % 70 % 85 % 95 % Subida 70 % 85 % 95 % 100 % FC Máxima FC Repouso = FC Trabalho Cargas de Treino Intensidade do Trabalho Anual Idade Intensidades Total de Km/Horas Técnicas Específicas Outros desportos 11 Anos 13 Anos Nível I 88% Nível II 9% Nível III 2,5% Nível IV 0,6% Nível I 88% Nível II 9% Nível III 2,5% Nível IV 0,6% 961 Km 47 Horas X =20 Km/h (23%) 1793 Km 83,5 Horas X = 21,5 Km/h (28%) Estrada Pista BTT 38H (20%) Estrada Pista BTT 63H (21%) Ginásio Out. Desportos 103 Horas (57%) Ginásio Out. Desportos 153,5 Horas (51%) 15

16 Cargas de Treino Intensidade do Trabalho Anual Idade Intensidades Total de Km/Horas Técnicas Específicas Outros desportos 14 Anos 15 Anos Nível I 89% Nível II 9,1% Nível III 1,4% Nível IV 0,4% Nível I 88,1% Nível II 9,2% Nível III 2% Nível IV 0,67% 3200 Km 142 Horas X =22,5 Km/h (48%) 5067 Km 214 Horas X = 23,7 Km/h (57,1%) Estrada Pista BTT 49H (17%) Estrada Pista BTT 49H (13,1%) Ginásio Out. Desportos 104 Horas (35%) Ginásio Out. Desportos 112 Horas (29,8%) Cargas de Treino Intensidade do Trabalho Anual Idade Intensidades Total de Km/Horas Técnicas Específicas Outros desportos 16 Anos 17 Anos Nível I 87% Nível II 9,2% Nível III 2,6% Nível IV 1% Nível I 87% Nível II 9,1% Nível III 2,5% Nível IV 1% 6632 Km 277 Horas X =24 Km/h (63%) Km 430 Horas X = 24,9 Km/h (80%) Estrada Pista BTT 53H (12%) Estrada Pista BTT 57H (11%) Ginásio Out. Desportos 113 Horas (25%) Ginásio Out. Desportos 48 Horas (9%) 16

Formação em Circuito Fechado

Formação em Circuito Fechado SOLUÇÕES INTEGRADAS DE FORMAÇÃO EM CONDUÇÃO E SEGURANÇA Formação em Circuito Fechado Empresas e Ambulâncias 08-06-2010 Documento confidencial ForDrive. Este documento sustenta o modelo de formação em circuito

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

3 MODALIDADES DO CICLISMO

3 MODALIDADES DO CICLISMO 3 MODALIDADES DO CICLISMO Não há muitos registros sobre cada modalidade, além de haver uma variedade muito grande de informações sobre uma mesma modalidade. PORTE (1996), porém, nos relata sobre os vários

Leia mais

Relatório Detalhado de Acidente

Relatório Detalhado de Acidente Relatório Detalhado de Acidente Todo o acidente que provoque ferimentos graves ou mortais deve ser objecto de um relatório à Direcção da FPAK. Este relatório será elaborado por uma comissão composta por

Leia mais

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado.

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado. www.prp.pt A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica e é uma estrutura de apoio de uma educação que se vai desenvolvendo ao longo da vida. Assim, é fundamental que a Educação Rodoviária

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLISMO DE INICIAÇÃO. Atualizado a 11/12/2013

REGULAMENTO DO CICLISMO DE INICIAÇÃO. Atualizado a 11/12/2013 REGULAMENTO DO CICLISMO DE INICIAÇÃO 2014 Atualizado a 11/12/2013 Com o objetivo de uniformizar a atividade desportiva dos praticantes dos escalões de Benjamins, Iniciados, Infantis e Juvenis, e tendo

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

VI DUATLO DE SÃO VICENTE 2016 VI DUATLO DE SÃO VICENTE - LAZER 2016

VI DUATLO DE SÃO VICENTE 2016 VI DUATLO DE SÃO VICENTE - LAZER 2016 VI DUATLO DE SÃO VICENTE 2016 VI DUATLO DE SÃO VICENTE - LAZER 2016 3 de ABRIL de 2016 Distância Standart: 10 Km Corrida / 38,6 Km Ciclismo / 5 km Corrida Distância Super Sprint: 2,5Km Corrida / 9,6 Km

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança!

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança! Educação e Prevenção Rodoviária Conduzo a bicicleta em segurança! Andar de bicicleta é muito divertido, mas deves aprender algumas regras de segurança. Podes divertir-te no parque ou no jardim, nas ciclovias

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

Corrida com Barreiras

Corrida com Barreiras 1 Corrida com Barreiras Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Esta corrida de velocidade associa a aptidão de percorrer determinada distância o mais rápido possível à capacidade de transpor obstáculos

Leia mais

Regulamento particular do Desafio Audace FPCUB E.C.T. CÂMARA LISBOA CLUBE OLIVAIS 2 / MUGE / OLIVAIS 2 27 MARÇO 2011

Regulamento particular do Desafio Audace FPCUB E.C.T. CÂMARA LISBOA CLUBE OLIVAIS 2 / MUGE / OLIVAIS 2 27 MARÇO 2011 I APRESENTAÇÃO GERAL. DEFINIÇÃO II REGULAMENTO Artigo 1 - ORGANIZAÇÃO Artigo 2 - INSCRIÇÕES Artigo 3 BANHOS E REFEIÇÕES Artigo 4 CARTÂO DE VALIDAÇÂO E SECRETARIADO Artigo 5 - PERCURSO Artigo 6 INICIO,

Leia mais

FUNÇÃO E TAREFA DA CONDUÇÃO

FUNÇÃO E TAREFA DA CONDUÇÃO FICHA TÉCNICA FUNÇÃO E TAREFA DA CONDUÇÃO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 Atitudes

Leia mais

I DUATLO BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO JOVEM BTT DE SANTANA 2015

I DUATLO BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO JOVEM BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO JOVEM BTT DE SANTANA 2015 Sábado, 24 de Outubro de 2015 Distância Sprint: 5kms Corrida / 16 kms BTT / 2.5 kms Corrida Distância S.Sprint: 2.5kms Corrida / 8 kms BTT

Leia mais

Regulamento IX Raid Bttralhos Bodo das Castanhas

Regulamento IX Raid Bttralhos Bodo das Castanhas Regulamento IX Raid Bttralhos Bodo das Castanhas Organização A prova é organizada pelo Bttralhos Grupo, e terá lugar em Vermoil-Pombal no dia 25 de outubro de 2015, pelas 09H00. Provas e sua extensão 1

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

GUIA PARA PRINCIPIANTES DE BTT JANEIRO 2016

GUIA PARA PRINCIPIANTES DE BTT JANEIRO 2016 GUIA PARA PRINCIPIANTES DE BTT JANEIRO 2016 Por muita vontade que tenha em agarrar na sua nova BTT e ir para os montes rasgar trilhos, seja prudente e paciente. Comece com percurso fáceis e não muito longos.

Leia mais

1ª Resistência Noturna BTT de Vagos

1ª Resistência Noturna BTT de Vagos 1ª Resistência Noturna BTT de Vagos ARTIGO INTRODUTÓRIO Como organizadora do evento, a Associação de Ciclismo de Aveiro, o Município de Vagos, os Trepanelas/ Óptica Gémeos e a Associação Desportiva e Cultural

Leia mais

REGULAMENTO GUIÃO 6ª ETAPA DATA:

REGULAMENTO GUIÃO 6ª ETAPA DATA: GUIÃO 6ª ETAPA DATA: REGULAMENTO O evento terá início às 23,00h do dia 12 de julho de 2014. O levantamento dos dorsais será das 20,00h às 23,00h. A concentração para partida é às 23,00h. PERCURSOS: Sendo

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA TRAVAGEM Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Leia mais

OBJETIVOS PEDAGÓGICOS

OBJETIVOS PEDAGÓGICOS OBJETIVOS PEDAGÓGICOS Formação Pedagógica Inicial de Formadores Mafalda Sales Gomes OBJETIVOS GERAIS Compreender o papel dos objetivos pedagógicos na formação; Conhecer os princípios inerentes à formulação

Leia mais

Mais aplicações das Leis de Newton

Mais aplicações das Leis de Newton Mais aplicações das Leis de Newton Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: A natureza dos diversos tipos de força de atrito

Leia mais

Programa Eco-Escolas

Programa Eco-Escolas ESCOLA SEC. D. INÊS DE CASTRO - ALCOBAÇA DIA ESCOLAR SEM CARROS ENCONTRO NACIONAL ESCOLA SEC. D. INÊS DE CASTRO - ALCOBAÇA Principais objectivos deste evento: Promover a mobilidade sustentável. Divulgar

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Geral Ficha Técnica Título Programa de Educação Física - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades surgiu na Califórnia na década de 1950, através das brincadeiras de alguns ciclistas

Leia mais

Estágio Ironconde Abril 2015

Estágio Ironconde Abril 2015 Estágio Ironconde Abril 2015 www.ironconde.com Estágio Ironconde Abril de 2015 Este estágio de triatlo oferece a oportunidade de treinar com um dos melhores treinadores triatlo de Portugal. Nosso objectivo

Leia mais

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora OBJECTIVOS GERAIS 1 Criação em todas as suas componentes estruturais, de um espaço físico com vista à realização de actividades de lazer e em contacto directo com a natureza, nomeadamente: a) Campos de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: 12º ano - TMI (2010 / 2013) DISCIPLINA: Educação Física N.º TOTAL DE MÓDULOS: 4 N.º N.º DE 11 20 JCD III - Basquetebol (Nível Elementar)

Leia mais

Novo Opticruise, Retarder e Scania Driver Support

Novo Opticruise, Retarder e Scania Driver Support Condução Econômica Novo Opticruise, Retarder e Scania Driver Support Condução Econômica 2-3 A Scania avança para os custos recuarem. A Scania não para de acelerar rumo à diminuição de custos operacionais

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade.

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade. Conteúdos Introdução Objectivos Projecto O camião O circuito Os veículos Descrição da Acção O jogo da Educação Rodoviária Conclusão Equipamento e serviços Introdução Introdução Sendo as crianças um dos

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO RAID BTT ROTA DAS CORTELHAS ADR LOUREIRO - 2013

REGULAMENTO REGULAMENTO RAID BTT ROTA DAS CORTELHAS ADR LOUREIRO - 2013 REGULAMENTO REGULAMENTO RAID BTT ROTA DAS CORTELHAS ADR LOUREIRO - 2013 Artigo Introdutório A ROTA DAS CORTELHAS é uma iniciativa da secção de BTT da Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro. Esta

Leia mais

Scania Driver Support, Opticruise e Retarder.

Scania Driver Support, Opticruise e Retarder. Scania Condução Econômica Scania Driver Support, Opticruise e Retarder. Scania Condução Econômica 2 3 A Scania avança para que o seu negócio não pare de prosperar. A Scania não para de acelerar rumo à

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO. (Revisto em Setembro 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO. (Revisto em Setembro 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO 2013 2017 (Revisto em Setembro 2014) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários e variantes da Modalidade 3 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Variantes da modalidade 3 3. Constituição

Leia mais

PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS

PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS FICHA TÉCNICA PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 2 Nível Estratégico; Nível 4 Nível Operacional Tema 3 - Preparação e Planeamento; Tema 4 - Condução

Leia mais

POLAR CS SPEED SENSOR W.I.N.D. Manual do utilizador

POLAR CS SPEED SENSOR W.I.N.D. Manual do utilizador POLAR CS SPEED SENSOR W.I.N.D. Manual do utilizador PORTUGUÊS O Sensor de Velocidade W.I.N.D. Polar CS foi concebido para medir a velocidade e a distância durante o ciclismo. Não se destina nem está implícito

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

VELÓDROMO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

VELÓDROMO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO VELÓDROMO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CLÍNICA DE TREINAMENTO COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO Carlos Arthur Nuzman - Presidente COMPLEXO ESPORTIVO PARQUE AQUÁTICO & VELÓDROMO Sidney Cordeiro - Administrador

Leia mais

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio:

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta BH tem espaço para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: Índice Quando você estiver pedalando. 04 Quando você estiver dirigindo. 10 Algumas

Leia mais

Normas de funcionamento. 2ª Grande Corrida de Carrinhos de Rolamentos

Normas de funcionamento. 2ª Grande Corrida de Carrinhos de Rolamentos Normas de funcionamento 2ª Grande Corrida de Carrinhos de Rolamentos Câmara Municipal de Estremoz - 2015 1 Objetivos A, tem como propósito promover o convívio, a diversão e o entretenimento entre os participantes,

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

Ajustar a Bike ao Ciclista

Ajustar a Bike ao Ciclista Ajustar a Bike ao Ciclista Medidas do ciclista A geometria e as medidas da bike são determinantes para a optimização do desempenho desportivo e competitivo do ciclista. A escolha da bike óptima para o

Leia mais

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA FICHA TÉCNICA DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras

Leia mais

PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING

PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING TREINOS INDOOR Vá para fora cá dentro Assim dizia um slogan turístico há uns anos atrás e que se aplica na perfeição a este género de treino. Apesar deste ano estarmos a ter um Inverno frio mas clemente

Leia mais

DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1

DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1 DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1 1 Automóveis pesados: Identificar os diversos tipos e suas características. 1.1 - Sua definição. 2 Constituintes do veículo,

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

V Duatlo da Ponta do Sol - Canhas - 2016

V Duatlo da Ponta do Sol - Canhas - 2016 V Duatlo da Ponta do Sol - Canhas - 2016 Sábado, 23 de Janeiro de 2016 VI DUATLO JOVEM DA PONTA DO SOL - 2016 VI DUATLO DA PONTA DO SOL 2016 REGULAMENTO 1. ORGANIZAÇÃO / ENQUADRAMENTO O VI Duatlo da Ponta

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Física. Agrupamento de Escola de Caneças

Critérios de Avaliação de Educação Física. Agrupamento de Escola de Caneças Critérios de Avaliação de Educação Física Agrupamento de Escola de Caneças 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO A avaliação dos alunos do 2º ciclo do ensino básico na disciplina de

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

História do Mountain Bike. Como tudo começou

História do Mountain Bike. Como tudo começou História do Mountain Bike Como tudo começou A História do Mountain bike, teve o seu início em meados dos anos 70. Época do rock n roll, jovens com cabelos compridos, corpos esbeltos esculpidos pela alimentação,

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Ciência e Tecnologia para a rentabilização dos Recursos Naturais

Ciência e Tecnologia para a rentabilização dos Recursos Naturais Em 2014, visando incentivar a conceção de projetos multidisciplinares cujas ideias tenham potencial valor económico e utilidade pública, a Fundação Ilídio Pinho, em parceria com os Ministérios da Educação

Leia mais

WORKSHOP Tecnologia na Mobilidade e Posicionamento 19 MAR 2015

WORKSHOP Tecnologia na Mobilidade e Posicionamento 19 MAR 2015 WORKSHOP Tecnologia na Mobilidade e Posicionamento 19 MAR 2015 1 Seleção de um produto de apoio para a mobilidade e posicionamento: Os fatores que fazem toda a diferença! 2 1. Fatores Influenciadores Qual

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros MANTER O PONTO DE EQUILIBRIO E NÃO RESISTIR À MUDANÇA Uma vez que estamos a terminar o nosso ciclo de treinos de verão, gostava de deixar ao leitor uma mensagem de conforto

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005) 1 TÍTULO: Movimentação mecânica de cargas AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005) 1. INTRODUÇÃO A movimentação

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO PROVAS ABERTAS 2016 REGULAMENTO PARTICULAR

REGULAMENTO PROVAS ABERTAS 2016 REGULAMENTO PARTICULAR REGULAMENTO PROVAS ABERTAS 2016 REGULAMENTO PARTICULAR Atualizado pela deliberação da Direção de 29 de Janeiro de 2016 Aprovado pela Assembleia Geral de 30 de Janeiro de 2016 1. INTRODUÇÃO A crescente

Leia mais

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado:

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Departamento de Educação Física F e Desporto SEMINÁRIO Educação Física e Desporto O Processo Bolonha, Estágios e Saídas Profissionais 26 de Junho de 2007 Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Jorge

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto A educação é aquilo que permanece depois de esquecermos tudo o que nos foi ensinado Halifax Índice 1 Introdução... 1 2 - Enquadramento legal... 1 I - Perfil...

Leia mais

VELOCIDADE FICHA TÉCNICA. Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito

VELOCIDADE FICHA TÉCNICA. Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito FICHA TÉCNICA VELOCIDADE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações

Leia mais

2014-2015. DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade. Regulamento de Perícias e Corridas de Patins

2014-2015. DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade. Regulamento de Perícias e Corridas de Patins 2014-2015 DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade Regulamento de Perícias e Corridas de Patins 1 INTRODUÇÃO Pretende-se que os eventos sejam momentos especiais de convívio entre alunos

Leia mais

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A.

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Regimento Interno Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Artigo 1º Assiduidade 1. A assiduidade dos formandos dos cursos E.F.A. obedece ao estipulado no artigo 22.º, da Portaria 230/2008 de 7 de

Leia mais

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos 7. AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola e no

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Manual para afinação de suspensões em motos de competição

Manual para afinação de suspensões em motos de competição Manual para afinação de suspensões em motos de competição Todas as motos possuem valores médios ideais calculados pelo fabricante para o ajuste e afinação das suspensões dianteiras e traseiras. Estes valores

Leia mais

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros:

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros: SPORT CAMPUS 2015 Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO Parceiros: Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO REGULAMENTO 1º RAID BTT DA UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BENSAFRIM E BARÃO S. JOÃO Preâmbulo Este regulamento destina-se ao evento organizado pela União das Freguesias de Bensafrim e Barão de S. João, com a

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação Disciplinas: Educação Física (2º ciclo, 3º ciclo e Secundário)

Critérios Específicos de Avaliação Disciplinas: Educação Física (2º ciclo, 3º ciclo e Secundário) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Critérios Específicos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica Competência

Leia mais

FUNDÃO SOBRE DUAS RODAS. [Proposta de Sérgio Mendes para apreciação na discussão pública do Orçamento [CANDIDATURA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2014]

FUNDÃO SOBRE DUAS RODAS. [Proposta de Sérgio Mendes para apreciação na discussão pública do Orçamento [CANDIDATURA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2014] [CANDIDATURA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2014] FUNDÃO SOBRE DUAS RODAS [Proposta de para apreciação na discussão pública do Orçamento Participativo da C. M. do Fundão] Nota introdutória A bicicleta é meio

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

Cicloperegrinação Aveiro - Fátima (Ourém) Ciclismo para todos/lazer 17 Março 2013

Cicloperegrinação Aveiro - Fátima (Ourém) Ciclismo para todos/lazer 17 Março 2013 Cicloperegrinação Aveiro - Fátima (Ourém) Ciclismo para todos/lazer 17 Março 2013 Artigo 1º - Organização Regulamento Particular: A Cicloperegrinação Aveiro-Fátima (Ourém) em Ciclismo para Todos, é uma

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Introdução A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) acordou com o Gabinete do Desporto Escolar o lançamento do Projecto Nestum, Rugby nas Escolas. A NESTUM apoia este

Leia mais

REGULAMENTO OFICIAL Veredas de Pechão 2h BTT - 2015

REGULAMENTO OFICIAL Veredas de Pechão 2h BTT - 2015 REGULAMENTO OFICIAL Veredas de Pechão 2h BTT - 2015 Localização: Pechão, Concelho de Olhão Data: 22 de Agosto de 2015 Prova: BTT vertente resistência em circuito fechado com +- 5Km Organização: Clube Oriental

Leia mais

APRESENTAÇÃO E PLANO DE ATIVIDADES DA

APRESENTAÇÃO E PLANO DE ATIVIDADES DA APRESENTAÇÃO E PLANO DE ATIVIDADES DA 2 0 1 5 A nossa história A Associação Esfera Solidária, e fruto da junção de experiencias e prática no terreno dos seus sócios fundadores Rui Guimarães (Lic. Educação)

Leia mais

Regulamento 17ª Edição Raid BTT Alvalade-Porto Côvo 17 Maio 2015

Regulamento 17ª Edição Raid BTT Alvalade-Porto Côvo 17 Maio 2015 Regulamento 17ª Edição Raid BTT Alvalade-Porto Côvo 17 Maio 2015 Actividade organizada pela secção de B.T.T. do F. C. Alvaladense e Terras de Evasão, integrada no calendário Bike Team, adopta a denominação

Leia mais

Regras de Trânsito do Japão

Regras de Trânsito do Japão Regras de Trânsito do Japão (Versão para pedestres e bicicletas) ~ Para não sofrer acidentes de trânsito ~ Supervisão: Polícia da Província de Gifu Edição / Publicação: Província de Gifu Regras básicas

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0 Kit de Carregador de Bicicleta Nokia 2 3 6 1 4 5 8 7 9 10 11 Edição 3.0 12 13 15 14 16 17 18 20 19 21 22 PORTUGUÊS 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Introdução Com o Kit de Carregador de Bicicleta

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º (Âmbito)

REGULAMENTO. Artigo 1º (Âmbito) REGULAMENTO Artigo 1º (Âmbito) 1. Esta iniciativa, inserida no programa de atividades de 2015 da Vilaventura, visa essencialmente proporcionar uma atividade diferente, relembrando velhos tempos, e dando

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PLANEAMENTO OS PRINCÍPIOS DE TREINO Quando treinamos, temos como principal objetivo melhorar alguns dos aspetos das nossas

Leia mais

Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos.

Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos. Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos. Promover a crescente sustentabilidade ambiental e a eficiência energética das deslocações

Leia mais

Guia de Controlo da. Bicicleta e do Equipamento

Guia de Controlo da. Bicicleta e do Equipamento União Ciclista Internacional Guia de Controlo da Bicicleta e do Equipamento Tradução UVP-FPC - 2007 UVP/FPC - Federação Portuguesa de Ciclismo C. Comissário 2007 1/25 Bicicleta As bicicletas devem corresponder

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais