Proposta Nº 138/2013. Aquisição de Extintores, Sinalização. Fotoluminescente e Aquisição de Serviços. de Manutenção de Extintores em diversos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta Nº 138/2013. Aquisição de Extintores, Sinalização. Fotoluminescente e Aquisição de Serviços. de Manutenção de Extintores em diversos"

Transcrição

1 Proposta Nº 138/2013 Aquisição de Extintores, Sinalização Fotoluminescente e Aquisição de Serviços de Manutenção de Extintores em diversos Edifícios do Município Viana do Castelo, 09 de Novembro de 2012 Viana do Castelo, 19 de Setembro de 2013 Município de Paredes Parque José Guilherme Paredes

2 Índice 1. Introdução Apresentação Qualidade Procedimentos de Segurança Identificação da VIANAFOGO Seguro de Acidentes de Trabalho Seguro de Responsabilidade Civil Plataforma Digital da VIANAFOGO Descrição dos Serviços Manutenção dos Extintores Ações a Realizar Relatório de Manutenção Periodicidade de Manutenção Preços Unitários Nota Justificativa de Preço Anormalmente Baixo Condições de Pagamento Validade da Proposta ANEXO 1 Certificado NP 4413:2012 Manutenção de Extintores ANEXO 2 Registo N.º 137 na ANPC Autoridade Nacional de Proteção Civil Página 2 de 15

3 1. Introdução Esta proposta visa responder ao Ajuste Direto para a Aquisição de Extintores, Sinalização Fotoluminescente e Aquisição de Serviços de Manutenção de Extintores em diversos Edifícios do Município com a referência 48/DAP/ Apresentação A VIANAFOGO está no mercado desde 1995, com um crescimento sustentado nas parcerias estabelecidas com os seus clientes, sendo uma referência no mercado nacional. O exercício da atividade na área da Segurança Contra Incêndio em Edifícios e Proteção Individual durante mais de 17 anos confere uma experiência diferenciadora no sector de atividade em que a empresa atua. O treino intensivo e a formação contínua dos colaboradores da VIANAFOGO permitiram a transferência do know-how necessário para a consolidação e o reconhecimento da nossa equipa de profissionais. Atualmente, com técnicos especializados distribuídos pelos vários sectores, a VIANAFOGO tem uma grande implantação e uma sólida reputação no mercado, constituindo uma referência obrigatória para os bombeiros, proteção civil, autarquias e indústria nacional. A VIANAFOGO é uma empresa associada da APSEI (Associação Portuguesa de Segurança Eletrónica e de Proteção Incêndio) e obteve a Certificação do Serviço de Manutenção de acordo com o referencial normativo NP 4413:2006 em 2007 e consequente transição para a nova norma NP4413:2012 em Setembro de Página 3 de 15

4 3. Qualidade Um dos principais fatores para o sucesso da VIANAFOGO é a variedade de serviços que disponibiliza aos seus clientes bem como a qualidade e inovação que procura continuamente de modo a assegurar a Total Satisfação do Cliente. Agindo no estrito cumprimento da legislação e regulamentação aplicadas às áreas onde a VIANAFOGO atua, os nossos colaboradores pautam a sua ação no respeito dos mais rigorosos valores da ética e idoneidade pessoal e profissional. De acordo com a publicação do Regime Jurídico da Segurança Contra Incêndio em Edifícios (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro) e do Regulamento Técnico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro), que entrou em vigor no passado dia 1 de Janeiro de 2009, a VIANAFOGO cumpre os seguintes requisitos: Possui o Serviço de Manutenção Certificado de acordo com a NP 4413:2012 Possui Técnicos Certificados de acordo com a NP 4413 Disponibiliza ao Cliente um Relatório de Manutenção sempre que efetua uma ou mais intervenção em Extintores de acordo com a NP 4413:2012 Está inscrita sob o nº 137 na ANPC - Autoridade Nacional da Proteção Civil Página 4 de 15

5 Comercialização Instalação Manutenção Valências da VIANAFOGO, Lda (ao abrigo Portaria 773/2009) a) Portas e envidraçados resistentes ao fogo e ao fumo, e seus acessórios ( Exemplo: Portas corta-fogo, Portões corta-fogo, Barras anti-pânico, Fechaduras, Electroímanes, etc) b) Sistemas de compartimentação e revestimentos contra incêndio ( Exemplo: Protecção passiva através de selagens corta-fogo, montagem de condutas corta-fogo, etc) c) Sistemas automáticos e dispositivos autónomos de detecção de incêndio e gases ( Exemplo: Detecção automática de incêndios através fumos e/ou temperatura e Detecção de Gases) d) Sistemas e dispositivos de controlo de fumo ( Exemplo: Claraboias de Desenfumagem, Grelhas de Desenfumagem, Registos corta-fogo, etc) -- e) Extintores ( Exemplo: Extintores Portáteis com Agente Extintor como Pó Químico, CO2 e Água) f) Sistemas de extinção por água ( Exemplo: Caixas Carretel, Hidrantes, Storz, Redes Sprinklers, etc) g) Sistemas de extinção automática por agentes distintos da água e água nebulizada ( Exemplo: Sistemas de Extinção automática através de CO2, Argon/Azoto N2, FM-200, HFC-227EA, etc) h) Sinalização de segurança ( Exemplo: Sinais Fotoluminescentes identificando Extintores, Caixas, Saidas, Plantas Emergência, etc) Página 5 de 15

6 4. Procedimentos de Segurança 4.1. Identificação da VIANAFOGO Os colaboradores da VIANAFOGO apresentam vestuário de trabalho adequado e padronizado de modo a permitir a fácil identificação dos respetivos técnicos da empresa Seguro de Acidentes de Trabalho Todos os colaboradores da VIANAFOGO possuem seguro de acidentes de trabalho, cuja lista e nº de apólice enviaremos, se assim nos for solicitado, no caso da adjudicação do serviço Seguro de Responsabilidade Civil A VIANAFOGO possui um seguro de responsabilidade civil no valor de que garante as respetivas indemnizações por quaisquer danos involuntários ocorridos. Página 6 de 15

7 5. Plataforma Digital da VIANAFOGO Na sequência da crescente importância do comércio eletrónico nas economias modernas e uma aposta em estratégias diferenciadoras dos concorrentes, através de melhores níveis de serviço ao cliente, apostando essencialmente na inovação, a VIANAFOGO disponibiliza aos seus clientes gratuitamente o acesso On-line a todos os relatórios de manutenção. Depois de selecionar o local pretendido, o utilizador da plataforma tem acesso às seguintes informações: Página 7 de 15

8 A Plataforma Digital da VIANAFOGO torna tudo mais prático, mais rápido, mais cómodo. À distância de um clique poderá gerir toda a gestão dos Equipamentos de SCIE - Segurança Contra Incêndio em Edifícios, através de uma série de operações disponíveis, tais como: Consultar os Relatórios de Manutenção, Plano de Manutenção e Orçamentos. Consultar o histórico das intervenções / manutenções realizadas. Efetuar o download dos Relatórios de Manutenção e Orçamentos. Vantagens da Plataforma Digital da VIANAFOGO Inovação: Aproximação aos parceiros de negócio e criação de um meio dinâmico de interação com os clientes. Fácil de Arquivar e Consultar: pelo seu formato digital, pode consultar os documentos sempre que pretender e arquivá-los informaticamente. Maior Rapidez e Comodidade: substitui o papel por ficheiros informáticos. Privacidade e Segurança: a consulta dos documentos está protegida por elevados níveis de segurança. Notificação: sempre que a VIANAFOGO disponibiliza um novo documento na plataforma, o cliente recebe uma notificação via . Responsabilidade Ambiental: a Plataforma Digital contribui para a diminuição do consumo do papel e tinteiros / toners de impressão e por consequência do abate de árvores e consumo de recursos naturais. Quanto menos papel, mais natureza. Página 8 de 15

9 6. Descrição dos Serviços A manutenção dos Equipamentos de Combate a Incêndios será executada por uma equipa técnica devidamente qualificada em veículos oficina devidamente equipados para o efeito Manutenção dos Extintores A manutenção dos extintores será efetuada de acordo com o definido na norma NP 4413: Ações a Realizar Verificação das condições de acessibilidade. Verificação da conformidade normativa e legal do extintor. Verificação da conformidade das Instruções. Verificação e limpeza por ar comprimido de todos os componentes. Verificação do selo e do manómetro para determinar se o extintor foi utilizado. Verificação da pressão e do estado do manómetro (extintores de pressão permanente). Pesagem do extintor e verificação de tolerâncias de peso do agente extintor. Numeração dos Extintores de modo a salvaguardar a rastreabilidade dos mesmos. Verificação do estado geral do corpo do Extintor e do conjunto da válvula para detetar se existem danos que possam por em causa a segurança na utilização do equipamento. Verificação do estado das mangueiras e difusores. Teste à Válvula (Extintores de CO2). Abertura do extintor se necessário e confirmação de danos interiores que possam colocar em risco a utilização do mesmo, proceder conforme o definido na NP 4413 para os diversos tipos de agentes. Montagem de todos os componentes, assegurando a sua operacionalidade. Colocação de etiquetas de Validade, Fora de Serviço ou de Rejeição. Selagem dos Extintores Operacionais. Colocação do Extintor no respetivo local. Elaboração do respetivo Relatório de Manutenção Acesso ao relatório através da Plataforma Digital Nota: Não está incluída a manutenção adicional (ex: recarga do agente extintor, substituição de manómetros, substituição de mangueiras, entre outros) e as Provas Hidráulicas bem como o fornecimento de Extintores novos para substituir os Rejeitados aquando da manutenção anual. Página 9 de 15

10 Relatório de Manutenção O relatório detalhado será elaborado em conformidade com o descrito no referencial normativo NP 4413:2012: Identificação do Cliente A data e o tipo de operação efetuada (manutenção ou carregamento). A identificação dos extintores: nº de identificação, fabricante / marca, capacidade, tipo de extintor, data de fabrico, data de realização da última prova hidráulica (se aplicável) e data do último carregamento. As anomalias detetadas e o resultado da aprovação técnica (aprovado ou rejeitado). Os elementos substituídos ou outras situações que se considerem importantes para conhecer o estado de operacionalidade do extintor. A identificação dos extintores rejeitados durante a manutenção e o motivo da rejeição Periodicidade de Manutenção Uma intervenção anual para cada equipamento. Página 10 de 15

11 7. Preços Unitários As quantidades dos extintores novos a fornecer bem como os serviços a prestar estão de acordo com o Mapa de Quantidades do Caderno de Encargos do Ajuste Direto. Código Artigo Ref.ª Interna Qt Unid. Preço Unitário 1.1 P66 Fornecimento e aplicação de extintor de pó ABC de 6 KG 1 Un 18, P22 Fornecimento e aplicação de extintor de pó ABC de 2 KG 1 Un 10, N1010 Fornecimento e aplicação de extintor de CO2 do 10 Kg 1 Un 62, N55 Fornecimento e aplicação de extintor de CO2 de 5 Kg 1 Un 34, N3535 Fornecimento e aplicação de extintor de CO2 de 3,5 Kg 1 Un 21, N22 Fornecimento e aplicação de extintor de CO2 de 2 Kg 1 Un 21, A66 Fornecimento e aplicação de extintor de água AFFF de 6 litros 1 Un 20, A99 Fornecimento e aplicação de extintor de água AFFF de 9 litros 1 Un 27,00 2 Ref.ª Interna Qt Unidade Preço Unitário 2.1 F10721 Fornecimento e aplicação de sinal fotoluminescente para extintor 20/10 1 Un 3, F10524 Fornecimento e aplicação de sinal fotoluminescente para AG.extintor de pó ou CO2 240/85 1 Un 3,80 3 Ref.ª Interna AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO SINALIZAÇÃO MANUTENÇÃO DE EXTINTORES Qt Unidade Preço Unitário 3.1 Az1212 Pressurização de extintores até 12 Kg 1 Un 0, A002 Fornecimento e aplicação de oringue de vedação 1 Un 0, A005 Fornecimento e aplicação de golpilha de segurança 1 Un 0,10 Fornecimento e aplicação de manómetro de pressão para 3.4 A004 1 Un 1,70 extintor de pó de 6 Kg 3.5 RP66 Manutenção de extintor de pó ABC de 6 Kg 1 Un 14, RP22 Manutenção de extintor de pó ABC de 2 Kg 1 Un 2, RN1010 Manutenção de extintor de CO2 de 10 Kg 1 Un 16, RN55 Manutenção de extintor de CO2 de 5 Kg 1 Un 14, RN3535 Manutenção de extintor de CO2 de 3,5 Kg 1 Un 2, RN22 Manutenção de extintor de CO2 de 2 Kg 1 Un 9, RA66 Manutenção de extintor de água AFFF de 6 litros 1 Un 6, RA99 Manutenção de extintor de água AFFF de 9 litros 1 Un 6,50 TOTAL 299,05 Nota: Aos valores acresce IVA à taxa legal em vigor. Página 11 de 15

12 Somatório dos Preços Unitários 299,05 (duzentos e noventa e nove euros e cinco cêntimos) acrescidos de IVA à Taxa em vigor. 8. Nota Justificativa de Preço Anormalmente Baixo O preço total da proposta apresentada pela VIANAFOGO não pode ser considerado Anormalmente Baixo uma vez que este resulta do somatório dos preços unitários apresentados e visto que as peças de procedimento do Concurso Público de Ajuste Direto designado por Aquisição de Extintores, Sinalização Fotoluminescente e Aquisição de Serviços de Manutenção de Extintores em diversos Edifícios do Município com a referência 48/DAP/13 não especificam as quantidades totais de extintores que necessitam de manutenção conforme a norma NP4413:2012. Esta justificação é corroborada pelos seguintes pontos: 1) O Mapa de Quantidades disponível na plataforma eletrónica de Contratação Pública vortalgov apenas especifica uma quantidade de 1 (um) para todos os equipamentos: Manutenção de Extintor de Pó ABC (2kg e 6kg), Manutenção de Extintor de CO2 (2kg, 3,5kg, 5Kg e 10kg) e Manutenção de Extintor de Água + AFFF (6 litros e 9 litros); 2) No ponto 1 da cláusula 5ª do Caderno de Encargos do Proc.º 48/DAP/13 refere o seguinte: (a listagem dos equipamentos municipais será disponibilizada após adjudicação). Para além do descrito anteriormente, o preço unitário apresentado teve em conta também a competência técnica e a vasta experiência dos recursos humanos, das infra-estruturas disponíveis da VIANAFOGO bem como as soluções técnicas e inovadoras que a organização tem implementado no âmbito da prestação do serviço de manutenção de Equipamentos de SCIE Segurança Contra Incêndios em Edifícios. Página 12 de 15

13 9. Condições de Pagamento As condições de pagamento serão a 60 (sessenta) dias após receção e conferência da fatura para o NIB: e será emitida uma fatura por cada intervenção realizada. 8. Validade da Proposta A proposta é válida pelo prazo de 120 (cento e vinte) dias, contados da data do termo fixado para apresentação das propostas. Página 13 de 15

14 ANEXO 1 Certificado NP 4413:2012 Manutenção de Extintores Página 14 de 15

15 ANEXO 2 Registo N.º 137 na ANPC Autoridade Nacional de Proteção Civil. Página 15 de 15

NOTAS EXPLICATIVAS PARA O PREENCHIMENTO DOS REQUERIMENTOS

NOTAS EXPLICATIVAS PARA O PREENCHIMENTO DOS REQUERIMENTOS NOTAS EXPLICATIVAS PARA O PREENCHIMENTO DOS REQUERIMENTOS Antes de iniciar o preenchimento dos requerimentos recomenda-se que se coloque ativa a opção realçar campos, no canto superior direito do formulário.

Leia mais

Email: geral@redifogo.pt; comercial@redifogo.pt; tecnico@redifogo.pt Website: www.redifogo.pt

Email: geral@redifogo.pt; comercial@redifogo.pt; tecnico@redifogo.pt Website: www.redifogo.pt Email: geral@redifogo.pt; comercial@redifogo.pt; tecnico@redifogo.pt Website: www.redifogo.pt 2 Empresa A Redifogo - Material de Proteção e Segurança, Unip. Lda., é uma empresa fundada em 1996, com experiência

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E PROGRAMA DO CONCURSO

CADERNO DE ENCARGOS E PROGRAMA DO CONCURSO CADERNO DE ENCARGOS E PROGRAMA DO CONCURSO DISPOSITIVOS MÉDICOS, OFTALMOLOGIA CONCURSO PÚBLICO N.º 120002/16 1 Programa de Concurso Artigo 1.º Definições Para o efeito do presente programa, os seguintes

Leia mais

PROJETO BÁSICO. 4. DOS LOCAIS Os extintores de incêndio estão instalados nos dois prédios do Campus Campos do Jordão do IFSP, sendo:

PROJETO BÁSICO. 4. DOS LOCAIS Os extintores de incêndio estão instalados nos dois prédios do Campus Campos do Jordão do IFSP, sendo: PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em recarga de extintores de incêndio com fornecimento de material, teste hidrostático, reposição de peças e sinalização de segurança, destinadas

Leia mais

Certificação Energética de Edifícios. Andreia Bastos Brandão

Certificação Energética de Edifícios. Andreia Bastos Brandão Certificação Energética de Edifícios Andreia Bastos Brandão Sistema de Certificação Energética de Edifícios SCE é um instrumento de política energética cuja implementação tem contribuído para um maior

Leia mais

Acordo quadro de serviço móvel terrestre PROGRAMA DE CONCURSO

Acordo quadro de serviço móvel terrestre PROGRAMA DE CONCURSO Acordo quadro de serviço móvel terrestre PROGRAMA DE CONCURSO ANCP 2012 Índice Artigo 1.º Tipo de procedimento, designação e objeto... 3 Artigo 2.º Entidade pública adjudicante... 3 Artigo 3.º Órgão que

Leia mais

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-63

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-63 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO, RECARGA E TESTE HIDROSTÁTICO EM EXTITORES DE INCÊNDIO DO SESC/AR/DF CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Este documento

Leia mais

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência Formação em Segurança, Higiene e Saúde Serviços Técnicos e de Manutenção - STM Unidade de Segurança, Higiene, Saúde e Ambiente - USHA usha@fe.up.pt Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO COM PUBLICAÇÃO NO JOUE PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES

CONCURSO PÚBLICO COM PUBLICAÇÃO NO JOUE PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES Página 1 de 16 CONCURSO PÚBLICO COM PUBLICAÇÃO NO JOUE PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NO Nº 05/2015 APROV Página 2 de 16 Programa de Concurso Página

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Relatório anual

PLANO DE PREVENÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Relatório anual PLANO DE PREVENÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Relatório anual Freguesia Gâmbia Pontes-Alto da Guerra juntagambia@junta-freg-gambia.org 1 Introdução A Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68

CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68 CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68 Nome de Documento: Catálogo Empresas PT Codificação: CAT.001.CFE_rev_0 Revisão: 0 Data de Aprovação:26/09/2014 Pág. 2 de 68 CAT.001.CFE_rev.0 CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 3 de

Leia mais

Declaração de Práticas. Plataforma Compras Públicas: ComprasPT

Declaração de Práticas. Plataforma Compras Públicas: ComprasPT Declaração de Práticas Plataforma Compras Públicas: ComprasPT 1. Revisões do Documento Código Data Responsável Comentário QS-C-0177-V0-IMP 28-04-2015 Mário Lourenço Criação do documento 2. Introdução Este

Leia mais

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DO JOGO EM MÁQUINAS ONLINE

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DO JOGO EM MÁQUINAS ONLINE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DO JOGO EM MÁQUINAS ONLINE O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 66/2015, de 29 de abril, determina, no n.º 3 do seu artigo

Leia mais

FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA GUAMÁ

FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA GUAMÁ ANEXO I ATO CONVOCATÓRIO Nº 002/2012 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: Contratação de Empresa para Recrutamento, Seleção e Contratação de Pessoal para Treinamento, Capacitação e Consultoria à Fundação de Ciência

Leia mais

---Aos vinte e um dias do mês de abril de dois mil e quinze, celebram, em. suporte informático com aposição de assinaturas eletrónicas qualificadas o

---Aos vinte e um dias do mês de abril de dois mil e quinze, celebram, em. suporte informático com aposição de assinaturas eletrónicas qualificadas o 1 FORNECIMENTO ---Aos vinte e um dias do mês de abril de dois mil e quinze, celebram, em suporte informático com aposição de assinaturas eletrónicas qualificadas o presente contrato de FORNECIMENTO DE

Leia mais

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014 CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014 Entre: A Escola Nacional de Bombeiros, NIF 503 657 190, com sede na Quinta do Anjinho, São Pedro de Penaferrim - 2710-460 Sintra, neste

Leia mais

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes PREÂMBULO O sistema de tratamento de efluentes domésticos, comerciais e industriais a jusante do sistema de captação tratamento e armazenamento de água potável, tem vindo a ser implementado de acordo com

Leia mais

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 CONTEÚDOS 1. APSEI e a normalização 2. O que são normas? 3. Legislação de SCI

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE OBRA

RELATÓRIO FINAL DE OBRA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 560 5 de março de 205 Página 2 de 20 ÍNDICE Registo das revisões... 4 Preâmbulo... 5. Objetivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.. Referências externas... 5 3.2. Referências

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES PLANO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNCIO - PPCI PAVILHÃO EMEF 1º DE MAIO LINHA SANTOS FILHO MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO Plano de Prevenção e Combate a Incêndio - PPCI - Pavilhão EMEF 1º de Maio

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO E CADERNO DE ENCARGOS

PROGRAMA DO CONCURSO E CADERNO DE ENCARGOS PROGRAMA DO CONCURSO E CADERNO DE ENCARGOS AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO DE SISTEMA DE ANESTESIA, PARA O SERVIÇO DE ANESTESIA/BLOCO OPERATÓRIO CONCURSO PÚBLICO N.º 180027/16 1 Programa de Concurso Artigo 1.º

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

Ensino Básico. Regulamento da Competição

Ensino Básico. Regulamento da Competição ESCOLA + Promoção de Eficiência Energética entre Escolas do 1º Ciclo de O Projeto Escola + Ensino Básico Regulamento da Competição Ano Letivo 2014-2015 O Projeto «Escola +» é uma iniciativa da Lisboa E-Nova

Leia mais

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES ÍNDICE 1 Objetivo e campo de aplicação 2 2 Definições 2 3 Referências bibliográficas 2 4 Introdução 2 5 Disposições gerais 2 6 Tabela de Preços para Acreditação de Laboratórios 4 7 Tabela de Preços para

Leia mais

PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTABILIDADE

PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTABILIDADE PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTABILIDADE PROPOSTA Empresa/Sector: A constituir / Construção Civil Contacto: Lurdes Coelho Projeto: Prestação de serviços de contabilidade; Gestão do Projeto: Vitória

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG Página 1 de 16 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ENQUADRAMENTO... 4 5.2 OBRIGAÇÕES DA EDPR-PT...

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

SERVIÇOS DE PROJETOS, INSTALAÇÕES E MANUTENÇÕES EM SISTEMAS DE PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO - BELO HORIZONTE

SERVIÇOS DE PROJETOS, INSTALAÇÕES E MANUTENÇÕES EM SISTEMAS DE PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO - BELO HORIZONTE COMBATE À INCÊNDIO - BELO HORIZONTE Item Descrição Unid. Quant. UNITÁRIO Subtotal Totais 1 DESPESAS AUXILIARES: - 1.1 Deslocamentos médios, ida e volta, em relação à cidade pólo. Km - - - PROJETOS, LAUDOS

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS (Conforme art.42º do Decreto Leinº18/2008 de 29 de Janeiro de 2008) Cláusula 1.ª Objecto 1. O presente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS Anexo XIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO Obra: Edifício

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º10 /SP/2014 23-05-2014 ASSUNTO: REGISTO PRÉVIO PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Referências: - Lei n.º 34/2013, de 16 de maio - Portaria n.º 272/2013, de 20

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES PLANO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNCIO - PPCI AMPLIAÇÃO EMEI GENTE MIÚDA BAIRRO MACEDO MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO Plano de Prevenção e Combate a Incêndio - PPCI Ampliação EMEI Gente Miúda

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Resumo do projeto piloto III na China: investigação sobre PFC

Resumo do projeto piloto III na China: investigação sobre PFC Outubro de 2015 Resumo do projeto piloto III na China: investigação sobre PFC Resumo A Primark dispõe de uma rigorosa política de gestão de produtos químicos em total conformidade com a legislação da UE

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

Iniciativa APAH. Mérito em Administração Hospitalar Prémio Margarida Bentes. Regulamento

Iniciativa APAH. Mérito em Administração Hospitalar Prémio Margarida Bentes. Regulamento Iniciativa APAH Mérito em Administração Hospitalar Prémio Margarida Bentes Regulamento A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), em coerência com o preceituado no artigo 3º alíneas

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/10 REQUERIMENTO PARA: EMISSÃO DE ALVARÁ Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO ORGANISMOS NOTIFICADOS PARA O REGULAMENTO DOS PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO ORGANISMOS NOTIFICADOS PARA O REGULAMENTO DOS PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO 2013-05-15 1. Objetivo O presente documento tem como finalidade definir o viço de acreditação específico para aplicação do Regulamento (UE) n.º 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 9 de março

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO Janela da Felicidade 2015-2ª edição

REGULAMENTO DO CONCURSO Janela da Felicidade 2015-2ª edição Concurso Publicitário nº 87/2015 aprovado pela Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna. Prémios em cartão não convertíveis em dinheiro. Antes de participar, consulte o regulamento. Participe

Leia mais

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC.

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC. Resolução nº509/08 ANATEL RESOLUÇÃO No 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas

Leia mais

Prémios da Gala dos Eventos 2017 Regulamento

Prémios da Gala dos Eventos 2017 Regulamento Prémios da Gala dos Eventos 2017 Regulamento 1. Os Prémios da Gala dos Eventos são organizados pelo Gabinete da ExpoEventos, com o apoio de Parceiros de referência e o aconselhamento de uma Comissão de

Leia mais

Gestão de Ginásios e Centros de Lazer

Gestão de Ginásios e Centros de Lazer Gestão de Ginásios e Centros de Lazer Módulo_6_sessão_8 Company LOGO Conteúdos 1.4. Sinalética 1.5. Terminologia em português e inglês 2. Tipos de atividades e técnicas de apoio à gestão de ginásios e

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS Página 1 de 9 ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA

Leia mais

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 1 REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO edp comercial abril 2013 Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 2 No mercado regulado o preço da eletricidade e do gás natural é definido pelo governo, através

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE DIREITO DE EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUE SITUADO NO JARDIM DO ALMIRANTE REIS

ATRIBUIÇÃO DE DIREITO DE EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUE SITUADO NO JARDIM DO ALMIRANTE REIS ATRIBUIÇÃO DE DIREITO DE EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUE SITUADO NO JARDIM DO ALMIRANTE REIS CADERNO DE ENCARGOS Página 1 de 11 Índice Cláusula 1ª Objeto do Procedimento ------------------------------------------------------

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS SELECÇÃO DE UM PONTO DE RECOLHA NO DISTRITO DE VISEU CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE. SECÇÃO I Disposições Gerais 2

CADERNO DE ENCARGOS SELECÇÃO DE UM PONTO DE RECOLHA NO DISTRITO DE VISEU CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE. SECÇÃO I Disposições Gerais 2 Folha 1/15 CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE SECÇÃO I Disposições Gerais 2 SECÇÃO II Apresentação de propostas 7 SECÇÃO III Selecção e celebração de contrato 12 SECÇÃO IV Disposições Finais 13 Anexos: Anexo I

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

Procedimento n.º 09/2015/DGF-A. Convite para Aquisição de Serviços de Patrocínio Judiciário e Assessoria Jurídica na Modalidade de Avença

Procedimento n.º 09/2015/DGF-A. Convite para Aquisição de Serviços de Patrocínio Judiciário e Assessoria Jurídica na Modalidade de Avença Procedimento n.º 09/2015/DGF-A Convite para Aquisição de Serviços de Patrocínio Judiciário e Assessoria Jurídica na Modalidade de Avença Índice 1. Entidades... 3 2. Decisão de contratar e de autorização

Leia mais

REGULAMENTO. cartão magnético. agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO

REGULAMENTO. cartão magnético. agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO REGULAMENTO cartão magnético Preâmbulo 2 Artigo 1.º - Objeto e âmbito de aplicação 2 Artigo 2.º - Composição 2 Artigo 3.º - Competências 3 Artigo 4.º

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS Índice: Preâmbulo I Definições II Localização, Instalações e Serviços Artigo 1º: Localização pág. 2 Artigo 2º: Instalações pág. 3 Artigo 3º: Serviços pág. 4

Leia mais

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 1 Introdução 1.1 A Incubadora Startup Lourinhã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Lourinhã e localiza-se no, na Lourinhã. 1.2 As presentes Normas Internas destinam-se

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

OFERTA FORMATIVA APRESENTAÇÃO 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS:

OFERTA FORMATIVA APRESENTAÇÃO 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS: APRESENTAÇÃO OFERTA FORMATIVA 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS: Curso de Segurança contra Incêndio em Edifícios (SCIE): Aplicação da Regulamentação em

Leia mais

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Serviços Ltda. Caso tenha necessidade de orientações sobre o assunto contido nesta

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ASF nº 10/2009-R de 25 de junho.

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ASF nº 10/2009-R de 25 de junho. Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ASF nº 10/2009-R de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros, S.A.U. - Sucursal em Portugal 11 fevereiro2015 Índice

Leia mais

Regulamento. Projeto Gouveia StartUp

Regulamento. Projeto Gouveia StartUp Regulamento Projeto Gouveia StartUp Projeto Gouveia StartUp Índice Preâmbulo 2 Capitulo I - Disposições Gerais 3 Leis Habilitantes 3 Âmbito Geográfico 3 Objeto 3 Candidatos 3 Capítulo II Gestão e Condições

Leia mais

1. Qual a legislação que se aplica em matéria de gases fluorados com efeito de estufa na Região?

1. Qual a legislação que se aplica em matéria de gases fluorados com efeito de estufa na Região? Perguntas Frequentes Gases com Efeito de Estufa 1. Qual a legislação que se aplica em matéria de gases fluorados com efeito de estufa na Região? O Decreto-Lei nº 56/2011, de 21 de abril, que assegura a

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES - PROPOSTA DE TRABALHO - NORMAS DE PARTICIPAÇÃO III Edição do Orçamento Participativo de Guimarães - Ano de 2015 1 O presente documento enuncia

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

Declaração de Práticas

Declaração de Práticas Declaração de Práticas anogov Plataforma de Compras Públicas Data 28 abril 2015 Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 1. REVISÕES DO DOCUMENTO Código Data Responsável Comentário QS-C-0176-V0-IMP 28-04-2015

Leia mais

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação Sistema de Qualificação das Respostas Sociais Processo de Certificação Sistema de Qualificação - Enquadramento O Sistema de Qualificação das Respostas Sociais é baseado num conjunto de regras, requisitos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável à gestão de atividades inerentes à manutenção e conservação das infraestruturas e. II OBJETIVOS Garantir que as infraestruturas estejam em condições de utilização. Garantir

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

SERVIÇOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

SERVIÇOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE SERVIÇOS Índice Um grau de Inovação e Liderança tecnológica que transcende os Produtos 03 Website Vulcano: www.vulcano.pt 04 Documentação 06 Gabinete de Estudos e Dimensionamento 07 Formação 08 Contratos

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO "MELHOR SEGURADORA"

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO MELHOR SEGURADORA NESTA EDIÇÃO Melhor Seguradora 1 A COSEC mais perto de si 2 Acordo COSEC e Mapfre 2 Revisão Favorável 2 Produtos COSEC 3 NOTÍCIAS Carregamento de Balanços 4 Análise COSEC 5 Nº 4. 2014 COSEC DISTINGUIDA

Leia mais

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015)

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA (ROJ) MAPA JUDICIÁRIO 1... Tem por missão a gestão dos recursos financeiros do MJ, a gestão do património

Leia mais

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES Índice Artigo 1.º Objeto do procedimento de Ajuste Direto Artigo 2.º Entidade adjudicante Artigo 3.º Órgão Competente Para a Decisão de

Leia mais

Gases Fluorados com Efeito de Estufa Jornada Técnica Climatización

Gases Fluorados com Efeito de Estufa Jornada Técnica Climatización Gases Fluorados com Efeito de Estufa Jornada Técnica Climatización Compra e venda de Gases Fluorados, no âmbito do Regulamento (UE) 517/2014, de 16 de abril. Gases Fluorados com Efeito de Estufa Legislação

Leia mais

APROVADO. Na sessão da Assembleia de Freguesia 11/12/2008. O Presidente: O 1º Secretário: O 2º Secretário:

APROVADO. Na sessão da Assembleia de Freguesia 11/12/2008. O Presidente: O 1º Secretário: O 2º Secretário: (7) COMPETÊNCIAS A DELEGAR PELO MUNICIPIO DE VIANA DO CASTELO Nos termos do art. 66º, e para efeitos do n.º 1 do art. 37º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, foi deliberado solicitar autorização à Assembleia

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

Parcerias com selo de excelência

Parcerias com selo de excelência Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo Promor II. Rações III. Produção Animal IV. Indústria de Carnes V. Selecção Genética Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo

Leia mais

FORMULÁRIO PARA EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS / FACILITIES REPORT

FORMULÁRIO PARA EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS / FACILITIES REPORT CEDÊNCIA TEMPORÁRIA DE BENS CULTURAIS MÓVEIS FORMULÁRIO PARA EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS / FACILITIES REPORT 1. IDENTIFICAÇÃO ENTIDADE REQUERENTE Nome: Morada: Localidade: Telefone: Fax: E-mail: Diretor/Responsável:

Leia mais

Contrato de Assistência Técnica ao Programa pleon

Contrato de Assistência Técnica ao Programa pleon Contrato de Assistência Técnica ao Programa pleon dbgep/99999 Entre: -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 140/XII Exposição de Motivos A reorganização dos sectores das águas e dos resíduos é um dos grandes desafios a que o Governo se propõe, em vista da resolução de problemas ambientais

Leia mais

11/2015 CADERNO DE ENCARGOS

11/2015 CADERNO DE ENCARGOS Concurso Público para a ocupação de Espaço Público com Painel Digital Publicitário 3x2 Processo n.º 11/2015 Página 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJETO E LOCAL DO CONCURSO... 3 2. PRAZO E INÍCIO DO CONTRATO... 3 3.

Leia mais