INTRODUÇÃO. Paralelamente, podem identificar-se os quatro princípios estruturantes da Rede Social: Integração. Subsidiariedade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. Paralelamente, podem identificar-se os quatro princípios estruturantes da Rede Social: Integração. Subsidiariedade."

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Segundo a Resolução do Conselho de Ministros 197/97, a Rede Social tem como grande objectivo incentivar o surgimento de redes de apoio integrado de âmbito local. De forma mais particular, pode considerar-se que a Rede Social define as seguintes prioridades: Fomentar a articulação e actuação concertada entre entidades públicas e privadas; Detectar e promover os encaminhamentos adequados a situações e problemas dos indivíduos ou grupos; Fomentar uma cobertura concelhia racional e equitativa dos equipamentos e serviços sociais; Potenciar e divulgar o conhecimento sobre as realidades concelhias; A Rede Social apresenta-se, deste modo, como um programa estruturante e um instrumento fundamental no processo de desenvolvimento local, pela implementação de processos de planeamento estratégico territorializados (concelhios) como base da intervenção social. Esta metodologia requer a realização de Diagnósticos Sociais participados, a implementação de Sistemas Locais de Informação e a realização de Planos de Desenvolvimento Social. Embora sem uma intervenção directa na resolução dos problemas dos indivíduos ou grupos em situação e/ou em risco de pobreza e exclusão social, a Rede Social potencia e rentabiliza a organização das parcerias locais (PNAI, 2001). Paralelamente, podem identificar-se os quatro princípios estruturantes da Rede Social: Integração Articulação Inovação Subsidiariedade 1

2 NOÇÃO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL A noção de desenvolvimento social, concretizado pela Cimeira de Copenhaga em 1995, reflecte o objectivo central de contribuir para a igualdade de oportunidades e garantir condições de vida dignas e direitos de cidadania para todos. Esta ideia pressupõe a tomada de consciência colectiva dos problemas existentes, a mobilização dos actores sociais para a resolução dos mesmos e a promoção do desenvolvimento apoiado nas redes locais e nas forças endógenas que estas consubstanciam. A intervenção em rede constitui, assim, o motor dos processos de desenvolvimento social local. O desenvolvimento social assenta nos seguintes pilares: - Erradicação da pobreza, dando especial urgência às situações de pobreza absoluta; - Promoção do emprego, generalizando o direito ao trabalho e dirigindo esforços para a redução do desemprego; - Integração social, salientando-se a necessidade de implementação de medidas destinadas a reforçar a coesão social, reconhecendo a importância da família e da comunidade. Deste modo, pressupõe-se uma noção de desenvolvimento sustentável que articula o desenvolvimento económico, social e ambiental, bem como a participação activa e concertada dos actores interessados. O PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL O planeamento no domínio social é uma metodologia de investigação-acção que associa o conhecimento das especificidades dos problemas locais à intenção de provocar uma mudança social. Deste modo, o constitui um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista tanto a produção de efeitos correctivos como também os efeitos preventivos gerados por um aumento da dinâmica institucional, com vista à melhoria das condições de vida das populações. Pode-se dizer que o Plano de Desenvolvimento Social traça o retrato de uma situação social desejável mas realista, incluindo uma programação das etapas e estratégias a desenvolver para alcançar a situação. 2

3 Este Plano orienta, assim, as respostas às necessidades individuais e colectivas, procurando vincular as iniciativas de todos os agentes cujo âmbito de actuação tem repercussões no desenvolvimento social do Concelho. Torna-se, portanto, necessária uma conjugação das políticas sociais da habitação, da saúde, da educação, do emprego, da acção social e outras, dentro de uma concepção de desenvolvimento do território que contemple uma visão global, a participação dos cidadãos e o estabelecimento de formas dinâmicas de parceria. Nesta perspectiva, o para o Concelho de Resende será estabelecido para três anos através da concretização dos seguintes objectivos: Explorar articulações com medidas de âmbito regional e nacional (POEFDS, FSE, PIDDAC, etc.), fomentando a apresentação de projectos e candidaturas; Privilegiar uma intervenção em rede, fomentando a articulação e actuação interinstitucional; Apostar em acções capazes de criar efeitos multiplicadores; Potenciar os recursos endógenos. Deste modo, e tendo em consideração a hierarquização dos problemas definida no Diagnóstico Social, importa definir eixos prioritários, finalidades, objectivos e estratégias que perante a situação diagnosticada e os recursos humanos e materiais disponíveis se afigurem mais adequados. De facto, este só pode ser analisado e compreendido à luz do Diagnóstico Social. Os resultados definidos neste Plano têm validade a partir da metodologia utilizada. Desta forma, todo o planeamento estratégico resultou de reuniões do Núcleo Executivo com o CLAS e outras entidades intervenientes. As reuniões realizadas tiveram sempre uma perspectiva integradora, de aprendizagem mútua e de articulação entre os diversos participantes, perspectivando intervenções com efeitos multiplicadores baseados nos recursos endógenos da comunidade. O Plano de Desenvolvimento Social não é um plano estratégico inalterável, pelo contrário deve ser passível de sofrer ajustamentos, sendo que a sua flexibilidade deve permitir a inclusão de novas iniciativas, novas metodologias e, acima de tudo, de novas parcerias. 3

4 DO DIAGNÓSTICO AO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Tal como já foi referido, o e o Diagnóstico são componentes do mesmo processo, complementando-se. O articula-se com o Diagnóstico, traduzindo os problemas e as prioridades nele inventariadas, pois é delas que devem decorrer as grandes orientações e estratégias. Convém, neste âmbito, realizar uma pequena resenha dos principais passos percorridos pelo CLAS, de forma a melhor se perceberem as linhas orientadoras do Plano de Desenvolvimento Social. Em Janeiro do ano passado foi apresentado ao CLAS o Pré-Diagnóstico Social, onde se apresentou uma análise pormenorizada da situação social do Concelho, sem existir ainda qualquer preocupação ao nível da priorização das problemáticas evidenciadas. Depois de analisado e discutido o referido documento, surgiu a necessidade de identificar prioridades de intervenção, reflectindo-se nas causas dos problemas e nos recursos existentes para os resolver. Assim, foi proposta, pelo Núcleo Executivo, uma grelha de análise dos problemas enunciados no Pré-Diagnóstico, de forma a ser possível consolidar uma hierarquização na intervenção junto dos mesmos. Deste modo, a grelha foi apresentada ao CLAS, tendo sido preenchida através da criação de grupos de trabalho, em reunião plenária. Depois de preenchida pelos diversos grupos, o Núcleo Executivo compilou as várias grelhas numa só que foi posteriormente aprovada pelo CLAS. Em seguida, foi possível aglutinar alguns problemas com origens e consequências semelhantes, estabelecendo uma hierarquização mais objectiva e fácil de interpretar. A hierarquia foi estabelecida de acordo com a escala: Prioridade de Intervenção Elevada, Média e Baixa. Observe-se a distribuição obtida tendo em consideração que os problemas enquadrados dentro de cada categoria não têm qualquer ordem de importância ou gravidade: 4

5 PRIORIDADE DE INTERVENÇÃO ELEVADA O analfabetismo segundo os CENSOS 2001, 21,2% da população é analfabeta; A dificuldade de implementação do ensino recorrente e ausência de respostas alternativas a população analfabeta ou pouco escolarizada não é receptiva a esta medida; O elevado absentismo e abandono escolar segundo um estudo do Ministério da Educação, 9,3% das crianças e jovens abandona o ensino antes de concluir a escolaridade obrigatória; O reduzido número de creches existe apenas uma em todo o Concelho; A inexistência de espaços de ocupação de tempos livres de crianças e jovens. O alcoolismo; O desemprego e o elevado número de pessoas que têm como principal meio de vida os subsídios sociais; A deficiência segundo os CENSOS 2001, 11,2% da população é portadora de deficiência; PRIORIDADE DE INTERVENÇÃO MÉDIA O envelhecimento da população e a insuficiência de respostas segundo os CENSOS 2001, 20,4% da população tem 65 ou mais anos; O parque habitacional antigo e degradado e a inexistência de habitação social; O reduzido número de profissionais de saúde e a falta de condições físicas do Centro de Saúde; A fraca valorização do ensino pré-escolar, particularmente em algumas freguesias, que se traduz numa taxa de cobertura do pré-escolar de 64%; O isolamento das populações pela ausência de uma rede viária dentro do Concelho; O reduzido número de Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS) e o fraco dinamismo por parte das existentes; A existência de um número considerável de crianças vítimas de negligência. PRIORIDADE DE INTERVENÇÃO BAIXA Reduzido número de equipamentos, espaços e eventos culturais e recreativos. 5

6 Facilmente se observa a existência de uma teia de problemas, em que uns são causa e efeito de outros, constituindo-se um emaranhado que urge dissolver. O solucionamento dos problemas sociais não se pode limitar à resolução de situações concretas, mas sim ao solucionamento articulado entre várias problemáticas, numa perspectiva multidisciplinar e de complementaridade. Começando por analisar uma das pontas da teia ou novelo emaranhado, verifica-se que a maioria da população possui níveis de escolaridade baixos, sendo que os problemas a este nível terão implicações noutras dimensões do desenvolvimento sustentado das populações. Assim, e conforme o Preâmbulo do Diagnóstico Social, o Concelho apresenta uma taxa de analfabetismo de 21,2%, sendo a mais elevada da região. Esta situação atinge de forma mais acentuada as mulheres, sendo que a percentagem de mulheres analfabetas é de 61%. Aliada a este fenómeno está a baixa escolarização da população com 43,6% de indivíduos que possuem apenas o 1º ciclo. A melhor forma de combater estes problemas seria, por um lado, escolarizar a população analfabeta e, por outro, promover o aumento da escolarização da população, combatendo o abandono escolar precoce. De facto, o que se verifica no Concelho é uma grande dificuldade na implementação do ensino recorrente (resposta tradicional para a alfabetização), na medida em que a motivação da população para esta medida é muito diminuta, por razões que se prendem com a desvalorização do saber, com a falta de disponibilidade para a frequência e com a ausência de uma rede de transportes. Associado a este problema está a ausência de outro tipo de respostas alternativas, mais ligadas à formação profissional e com uma componente eminentemente prática. A aprendizagem ao longo da vida apresenta-se como fundamental e tem uma tripla incidência: ma prevenção dos novos riscos de exclusão emergentes da economia do conhecimento e da sociedade da informação, na promoção da cidadania junto de todas as gerações e na promoção da reinserção de grupos socialmente desfavorecidos (PNAI, 2001). O outro ponto fulcral do problema prende-se com o elevado absentismo e abandono escolar. Ao nível do abandono escolar, o Concelho apresenta uma taxa de 9,3%, sendo que a média nacional corresponde a 2,7%, realidade que constitui mais um problema de intervenção prioritária. A falta de motivação e gosto pelos estudos reflecte a aridez de que se revestem os 6

7 conteúdos escolares para uma comunidade em que, muitas vezes, as famílias pouco ou nada incentivam as actividades educativas e culturais. Em regra, o capital cultural e educativo de uma família condiciona o capital cultural e educativo dos seus filhos, existindo uma tendência para que os pais com menos escolaridade não identifiquem e valorizem a aquisição de conhecimentos por parte dos filhos (embora existam situações em que tal não se verifique). Assim, ao reflectir no número de analfabetos existentes no Concelho, pode encontrar-se alguma relação de causalidade entre estes problemas. Por outro lado, sabe-se que a escola não tem ainda a capacidade para promover um ensino inclusivo, mantendo-se muito massificada, não conseguindo reconhecer e trabalhar as dinâmicas individuais potenciadoras de situações de abandono e absentismo. O abandono escolar surge normalmente associado a situações de exclusão social, na medida em que não permite a aquisição de competências básicas. Paralelamente, verifica-se a inexistência de ATL s no Concelho, havendo uma lacuna grave ao nível da ocupação dos tempos livres das crianças, nomeadamente em idade escolar. Sabese que a frequência de ATL s, bem como dos jardins de infância, funciona como agente protector do insucesso e abandono escolares, podendo colmatar algumas das dificuldades familiares, atrás mencionadas. O acesso efectivo à educação constitui uma condição básica para o desenvolvimento do país. Esta preocupação deve ser considerada a partir do préescolar, na medida em que este deve permitir a aquisição de competências e ao mesmo tempo promover atitudes positivas em relação à aprendizagem durante diversas fases da vida (PNAI, 2001). Associado aos baixos níveis de escolaridade, verifica-se uma lacuna ao nível da formação e qualificação profissional, inibindo a inserção da população no mercado de trabalho. A instrução e a frequência da escola apresentam-se como factores decisivos na integração social e profissional de todos os membros da sociedade actual. Deste modo, a reduzida escolaridade e qualificação profissional representam uma dificuldade na adaptação ás exigências da sociedade moderna, sendo que quanto mais baixo for o nível de escolaridade e qualificação profissional, mais susceptível estará o indivíduo a possuir empregos precários, estando mais vulnerável ao desemprego. O peso dos empregos pouco qualificados e das precárias condições de trabalho, são factores que contribuem para diferentes facetas da pobreza em Portugal. A elevação das condições de empregabilidade, representa assim um instrumento decisivo para melhorar a adequação entre a oferta e a procura de trabalho, tendo em vista 7

8 promover os níveis de qualificação profissional (PNAI, 2001) Pode-se dizer que o desemprego é um problema causa e consequência de muitos outros, pelo que está aqui considerado como sendo de prioridade de intervenção elevada. O desemprego acarreta a inexistência de rendimentos podendo dar lugar a situações de pobreza e exclusão social. Nesta perspectiva, o emprego dá aos indivíduos um papel activo na sociedade permitindo-lhes o acesso a um rendimento e a um estatuto. A inexistência prolongada de emprego, pode rotular o indivíduo e fazer com que este se auto-rotule, sendo que o desemprego de longa duração pode desencadear graves carências individuais, tais como uma diminuição das competências, hábitos e laços sociais e uma degradação da auto-estima, e carências sociais nomeadamente ao nível da educação e da habitação. Por outro lado, as políticas sociais existentes de apoio a esta e outras situações de exclusão (Rendimento Mínimo de Inserção, Prestações de Desemprego) podem instituir uma certa acomodação por parte dos seus beneficiários. Verifica-se, no Concelho, a existência de um elevado número de habitantes que têm como principal meio de vida os subsídios sociais (pensões, RMG, subsídio de desemprego ), reflexo da falta de ofertas de emprego, do envelhecimento da população (ao nível das pensões de velhice) e da sustentação de um ciclo de dependência económica em relação ao estado. De facto, ao nível do desemprego, o Concelho evidencia problemas estruturais que se perpetuam no tempo. Assim, apresenta uma taxa de desemprego elevada, de 8%, sendo que o fenómeno atinge mais o sexo feminino (18% para as mulheres). A este respeito merece destaque a inexistência de um tecido empresarial dinâmico no Concelho, bem como a baixa capacidade de mobilidade das populações, que se recusam a sair da sua área de residência para encontrar um emprego. Este fenómeno atinge principalmente as mulheres, pois muitas delas apenas tiveram experiências na vida doméstica e agrícola, apresentando também como dificuldade não terem onde deixar os filhos. De facto, a insuficiência de respostas ao nível da creche (existe apenas uma na sede do concelho com uma taxa de cobertura de 4%) tem consequências directas ao nível da empregabilidade das mulheres. As situações de exclusão social resultam em muitos problemas paralelos, nomeadamente a falta de acesso aos cuidados de saúde e de noções de promoção da saúde e a prevalência de comportamentos aditivos continuados. É de referir que o alcoolismo é um dos problemas de saúde que ainda encontra uma forte implantação no concelho de Resende, desconhecendo-se, 8

9 no entanto, o número exacto de pessoas afectadas por este problema. A gravidade deste problema acentua-se se se pensar que ele não afecta unicamente a pessoa que consome o álcool, mas que influencia negativamente todos os elementos do agregado familiar, provocando uma desorganização psicossocial no relacionamento familiar e, por vezes, até a ruptura. Os doentes alcoólicos e com outras dependências debatem-se com problemas graves tais como a falta de estruturas de retaguarda e apoio, bem como de sistemas de acompanhamento e reabilitação. A este nível, é fundamental adoptar políticas transversais de educação e promoção da saúde e desenvolver a medicina preventiva e comunitária. Um outro problema com contornos sociais graves é a existência de um elevado número de deficientes no Concelho. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a deficiência caracteriza-se por perdas ou alterações que podem ser temporárias ou permanentes e que incluem a existência ou ocorrência de uma anomalia, defeito ou perda de um membro, órgão, tecido ou outra estrutura do corpo, incluindo a função mental. A deficiência representa a exteriorização de um estado patológico e, em princípio, reflecte perturbações a nível do órgão. Segundo os CENSOS 2001, a percentagem de indivíduos portadores de deficiência é de 11,2%, sendo a média nacional de 6,2%. No entanto, não existem dados/estudos locais que comprovem estes valores claramente alarmantes. Seja qual for a sua dimensão real, este problema adquire contornos mais graves, quando se constata a inexistência de respostas sociais de apoio e de acompanhamento para esta franja da população, que se apresenta como particularmente vulnerável a processos de exclusão social. Depois de todos os parceiros do CLAS assumirem estes como os problemas mais graves do Concelho, torna-se fundamental criar respostas para os resolver. Segundo a lógica da complementaridade entre as respostas, toda a comunidade deverá reflectir no contributo que poderá dar de forma a colmatar estas lacunas. Os primeiros passos já foram dados através da EMISSÃO DE PARECERES TÉCNICOS, por parte do CLAS, a sete projectos sociais para o Concelho. Deste modo, quatro instituições locais submeteram os seus projectos à apreciação do CLAS, a saber: A Santa Casa da Misericórdia que apresentou dois projectos: Centro de Actividades Ocupacionais / Lar Residencial para Deficientes e Creche; 9

10 A Casa do Povo de Resende que também apresentou dois projectos: Centro de Convívio para Idosos e Centro de Actividades de Tempos Livres; A Câmara Municipal de Resende que apresentou igualmente dois projectos: Creche e Centros de Noite / Centros Comunitários; A Associação Laços D Ouro que apresentou um projecto para a criação de um Centro de Acolhimento Temporário para Crianças. Da apreciação destes sete projectos resultaram pareceres favoráveis para todos, salientando-se assim a sua importância para o desenvolvimento social do Concelho. PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE RESENDE Depois de tecidas estas considerações introdutórias, resta expor a versão final do Plano de Desenvolvimento do Concelho de Resende elaborada pelo Núcleo Executivo. Perante os problemas identificados, estabeleceram-se quatro Eixos de Intervenção: Eixo I Promover a escolarização da população Eixo II Expandir e qualificar os serviços de intervenção junto da população alcoólica e sensibilizar para o problema do aumento das outras dependências, promovendo a educação para a saúde Eixo III Promover a qualificação profissional e as competências de empregabilidade Eixo IV Conhecer a população deficiente e criar e qualificar serviços de intervenção junto desta população Observe-se a operacionalização destes eixos, com a noção de que se constituiu um Plano ambicioso que necessitará do envolvimento de todos, no sentido de se concretizarem as estratégias propostas. 10

11 EIXO I PROMOVER A ESCOLARIZAÇÃO DA POPULAÇÃO FINALIDADES Aumentar o nível de escolarização da população OBJECTIVOS GERAIS Combater o absentismo e prevenir o abandono escolar OBJECTIVOS ESPECÍFICOS Perceber as principais causas do absentismo e abandono escolar e identificar estratégias de intervenção local ESTRATÉGIAS Realização de reuniões de sensibilização com os Conselhos Executivos das Escolas do 2º e 3º ciclo. RESULTADOS ESPERADOS 1 reunião com cada Conselho Executivo, a realizar durante o 1º período do próximo ano lectivo Realização de reuniões/acções de sensibilização junto dos professores (principalmente os do 2º e 3º ciclo) X reuniões, envolvendo X professores, durante o próximo ano lectivo Planificação de X actividades para combater o abandono escolar Potenciar a actividade dos jovens enquanto agentes de mudança Diversificação das actividades extraescolares, por parte das Associações de Estudantes X actividades desenvolvidas durante os próximos 2 anos lectivos 11

12 Consciencializar a população escolar sobre esta problemática Acções de sensibilização nas escolas em parceria com o PEETI (Plano para a Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil) 3 acções de sensibilização (desenvolvidas na EB 2, na EB 3/S e no Externato), durante o 2º período do próximo ano lectivo Reintegrar as crianças e jovens que abandonaram o sistema de ensino, em percursos escolares tradicionais ou alternativos Intervir junto dos encarregados de educação, por parte das escolas; Criar PIEF s (Programa Integrado de Educação Formação) Contacto com os encarregados de educação; Articulação com a CPCJ; Estabelecimento de parceria com o PEETI Acompanhamento dos agregados familiares sinalizados Criação de um PIEF, no próximo ano lectivo, integrando 15 jovens Criar cursos de Educação Formação de Nível II Fomento de candidaturas ao POEFDS, no âmbito dos cursos de Educação Formação (no caso das entidades credenciadas pelo INOFOR) e no âmbito do PRODEP III (no caso das escolas) Criação de X cursos, em X anos, integrando X jovens Redução da Taxa de Abandono Escolar em X%, num prazo de X anos Requalificação dos serviços prestados em meio escolar Reorganizar a rede escolar Criação de Centros Escolares, onde funcionarão as várias valência escolares (préescolas, 1º CEB, ATL, ludoteca, etc.) Criação de dois Centros Escolares: S. Martinho de Mouros até 2005 e Resende até

13 Promover hábitos de leitura na população Incentivar e motivar crianças e jovens para a leitura Aumentar a frequência de crianças e jovens na biblioteca municipal Promover e divulgar as actividades desenvolvidas na biblioteca municipal: - Oficina do Conto - Hora do Conto - Concurso Contos e Contadores - Estafeta de Contos - Caixas-Biblioteca - Prémio de Poesia Infantil Cerca de 15/20 crianças a frequentar cada actividade desenvolvida Incentivar e motivar a população em geral para a leitura Facilitar o acesso aos livros Organização e realização da Feira do Livro, no espaço da Biblioteca Municipal 1500 visitantes na Feira 400 livros vendidos Expandir e qualificar as respostas educativas à primeira infância Elevar a taxa de cobertura do pré-escolar; Reforçar a importância deste nível de ensino; Sensibilização das famílias para importância do préescolar; X famílias sensibilizadas Fomentar a criação de novas respostas ao nível das creches e de respostas alternativas Criar 2 novas creches na sede do Concelho Apresentação de candidaturas ao POEFDS, por parte de duas instituições Câmara Municipal e Santa Casa da Misericórdia; Aumento da Taxa de Cobertura da Creche no Concelho de Resende em cerca de 23%, no prazo de um ano. Dar formação certificada para amas Estabelecimento de protocolos com a Segurança Social X amas certificadas em X anos 13

14 Diversificar os recursos humanos dos estabelecimentos de ensino Diversificar as respostas educativas Apoiar um maior número de situações, abarcando um maior número de dificuldades escolares, sociais e familiares Fomentar a criação de cursos de formação com equivalência escolar (Aprendizagem) Criar um gabinete multidisciplinar ao nível do Concelho Abrir novos cursos de Aprendizagem; Aplicação das medidas a criar (CASE ou outro) Aumento do número de protocolos com o Centro de Emprego de Lamego e Centro de Formação Profissional de Vila Real, no âmbito dos cursos de Aprendizagem; 1 gabinete multidisciplinar em funcionamento efectivo, com um psicólogo, com capacidade para acompanhar cerca de X crianças no próximo ano lectivo. Abertura de X cursos de Aprendizagem nos próximos 2 anos, inserindo X jovens. Promover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens Fomentar a criação de ATL s Criar um ATL na sede do Concelho Estabelecimento de acordos de cooperação com a Segurança Social, por parte da Casa do Povo de Resende; 20 crianças a frequentar o ATL, no espaço de 1 ano Potenciar formas informais de ocupação de tempos livres Sensibilizar as instituições locais para a importância das actividades de tempos livres Diversificação das actividades de tempos livres das seguintes entidades: Bandas de S. Cipriano; Associação de Karaté; Dragões de Resende; Ranchos das freguesias; Grupo de Jovens; Escuteiros; Desenvolvimento de X actividades novas, por parte de X entidades, nos próximos 3 anos 14

15 Dinamização, em algumas Juntas de Freguesia, de actividades de tempos livres, a funcionar durante os fins de semana ou férias escolares, com recurso aos programas do IPJ X grupos de actividades de tempos livres a funcionar em X freguesias Inverter o crescimento da Taxa de Analfabetismo Fomentar a criação de novas respostas de alfabetização e reforçar as existentes Abrir cursos de Educação e Formação de Adultos; Expandir o Ensino Recorrente; Implementação e divulgação de Ateliers de Ocupação de Tempos Livres na Biblioteca Municipal: - Expressão Plástica - Expressão Dramática -Exposições comemorativas das várias datas temáticas Estabelecimento de protocolo com a ANEFA; Abertura de novos cursos nas freguesias X, Y Cerca de 15/20 crianças a frequentar cada actividade desenvolvida X adultos escolarizados, num prazo de 3 anos X pessoas a frequentarem o Ensino Recorrente, num prazo de 3 anos 15

16 EIXO II EXPANDIR E QUALIFICAR OS SERVIÇOS DE INTERVENÇÃO JUNTO DA POPULAÇÃO ALCOÓLICA E SENSIBILIZAR PARA O PROBLEMA DO AUMENTO DAS OUTRAS DEPENDÊNCIAS, PROMOVENDO A EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE FINALIDADES Melhorar a qualidade de vida dos doentes alcoólicos e suas famílias OBJECTIVOS GERAIS Redução da taxa de alcoolismo no concelho de Resende. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS Proporcionar oportunidades tratamento. de ESTRATÉGIAS Parceria Centro de Saúde/Associação Pró- Resende na constituição de uma equipa multidisciplinar. Articulação com o CRAP em alternativa ao CRAC. Parceria RESULTADOS ESPERADOS Funcionamento semanal da consulta de PLA. Promoção de estilos de vida saudáveis junto da população jovem. Criar factores de protecção face ao consumo de drogas. Implementar planos de prevenção junto da população escolar do 1º, 2º e 3º ciclos. C.M.R./I.D.T./Outras entidades. Funcionamento de um plano de prevenção no ano lectivo 2004/2005. Fornecer informação relativamente a assuntos relacionados com a Saúde. Implementar acções de sensibilização junto da população escolar relativas a temas como: saúde oral, alimentação, prevenção de acidentes. Articulação entre o Centro de Saúde /Agrupamento/outras entidades. Implementação de acções em todas as E.B. 1º ciclo no decorrer do ano lectivo de 2004/

17 EIXO III PROMOVER A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E AS COMPETÊNCIAS DE EMPREGABILIDADE FINALIDADES Promover o aumento dos níveis de qualificação profissional OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a formação profissional qualificante OBJECTIVOS ESPECÍFICOS Proporcionar formação profissional antes do ingresso na vida activa ESTRATÉGIAS Manutenção da actividade do Pólo de Formação Profissional do Centro de Emprego de Lamego (em parceria com a AFOPADIS), no âmbito das acções para jovens com o 9º ano Sistema de Aprendizagem RESULTADOS ESPERADOS Conclusão dos 4 cursos em funcionamento; Cerca de 56 jovens com certificação de Nível III concluída durante o presente ano; Cerca de 15 jovens com certificação de Nível III concluída no próximo ano. Estabelecimento de protocolos entre entidades locais e outras entidades credenciadas pelo INOFOR em regime de cedência de espaço, formando a população local X acções de formação de qualificação inicial desenvolvidas no espaço de 3 anos, englobando X formandos Organização de sessões colectivas de divulgação, por parte da UNIVA da Casa do Povo de Resende, de várias acções de formação desenvolvidas por entidades locais e regionais 5 acções desenvolvidas durante o presente ano 17

18 Proporcionar formação contínua de activos Estabelecimento de protocolos entre entidades locais e outras entidades credenciadas pelo INOFOR em regime de cedência de espaço, formando a população local X acções de formação de qualificação inicial desenvolvidas no espaço de 3 anos, englobando X formandos Realização de acções de sensibilização para as empresas e sociedades sedeadas no Concelho, ressaltando a importância da formação contínua de trabalhadores e dirigentes X acções de sensibilização realizadas durante o próximo ano Promover empregabilidade a Reforçar a aquisição de competências de empregabilidade/de procura activa de emprego Fomentar, nas entidades locais, o interesse pelo desenvolvimento de acções de formação Promover a informação e orientação profissional da população em geral e apoiar os jovens à procura do primeiro emprego na definição do seu percurso profissional/formativo Apresentação de candidatura à acreditação pelo INOFOR, de uma entidade local Manutenção de contactos regulares com entidades empregadoras, constituindo uma bolsa de emprego na UNIVA Realização, por parte da UNIVA, de sessões colectivas de promoção das competências de empregabilidade; Uma entidade local credenciada pelo INOFOR, no próximo ano 5 sessões colectivas, desenvolvidas durante o presente ano, envolvendo grupos de 15 inscritos na UNIVA 18

19 Apoio individualizado aos inscritos na UNIVA Promover a frequência de estágios e cursos de formação, bem como outras formas de contacto com o mercado de trabalho Divulgação das medidas do IEFP, no âmbito dos Estágios Profissionais, Programas Ocupacionais e outros, em parceria com a UNIVA e o Centro de Emprego de Lamego X sessões de divulgação, para X inscritos no Centro de Emprego, durante o presente ano Promover a inserção profissional/social de grupos desfavorecidos Intensificação do Mercado Social de Emprego, por parte do IEFP (Programas de Inserção/Emprego; Empresas de Inserção, Programas Ocupacionais para Carenciados) X medidas no âmbito do Mercado Social de Emprego implementadas no Concelho, nos próximos 3 anos X beneficiários directos Fomentar o mercado de trabalho Criar alternativas ao emprego por conta de outrém Promover o mercado de trabalho local e o tecido empresarial Promover a criação do próprio emprego Aumentar o nº de postos de trabalho no Concelho Divulgação das medidas de apoio do IEFP, para constituição do próprio emprego e apoio na elaboração de candidaturas Criação de 2 parques industriais, em Anreade e no Arco X sessões de divulgação, para X inscritos no Centro de Emprego, durante o presente ano X empresas sedeadas no Concelho, com X trabalhadores locais (indiferenciados e técnicos) 19

20 EIXO IV CONHECER A POPULAÇÃO DEFICIENTE E CRIAR E QUALIFICAR SERVIÇOS DE INTERVENÇÃO JUNTO DESTA POPULAÇÃO FINALIDADES OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS ESTRATÉGIAS RESULTADOS ESPECÍFICOS ESPERADOS Conhecer a população portadora de deficiência Identificar a população deficiente Elaborar um estudo sobre a população deficiente no Concelho, considerando o tipo de deficiência, a faixa etária e a freguesia de residência Contacto com as IPSS locais, com a Equipa de Coordenação dos Apoios Educativos, com a Câmara Municipal e com as Juntas de Freguesia Elaboração, no espaço de um ano, de um estudo detalhado sobre a população deficiente, residente no Concelho Contacto com as famílias dos deficientes identificados Contacto com o Centro de Saúde Prevenir o aumento da taxa de deficiência Reforçar o trabalho preventivo e de promoção da saúde ao nível da deficiência Sensibilizar as famílias de risco para a prevenção da deficiência congénita Acompanhamento das famílias de risco, por parte do Centro de Saúde e IPSS Diminuição do aparecimento de novos casos de deficiência Sensibilizar a população alcoólica para a prevenção do Síndrome Alcoólico Fetal (SAF) Reforço das medidas de planeamento familiar nas famílias identificadas 20

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EIO ESTRATÉGICO DA ACÇÃO SOCIAL DO PDS DE VNG VECTORES PROJECTOS ESTRATÉGICOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS RECURSOS INTERNOS RECURSOS ETERNOS Promover uma maior conciliação entre a actividade profissional e

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais No seguimento do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social (regulado pela portaria n.º396/2007 de 2 de abril e com alterações

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO -----------------------------

---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO ----------------------------- Rede Social de Pombal Município de Pombal Largo do Cardal 3-44 Pombal ---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO ----------------------------- -----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

2007/2010. Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B

2007/2010. Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B 2007/2010 Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B 1 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Belmonte 2007-2008 2007/2010 Câmara Municipal de Belmonte Rua Pedro Alvares Cabral, 135 6250-088

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

Rede Social. Ourique

Rede Social. Ourique Rede Social Ourique Ficha Técnica Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique Agrupamento Vertical de Escolas de Ourique Centro de

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI

RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que assegurem

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social.

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide Programa Rede Social Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide (período 2006-2009) Julho de 2006 Projecto co-financiado pelo Fundo

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo IDENTIFICACÃO Atendimento Integrado e Núcleo Local de Inserção de Ílhavo Morada de Ílhavo Código Postal 3830-044 Ílhavo Localidade Ílhavo Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

Diagnóstico Social de Castro Verde

Diagnóstico Social de Castro Verde Diagnóstico Social de Castro Verde Ficha. Técnica Fiicha Técniica Coordenação Núcleo Executivo da Direcção Técnica Câmara Municipal de Castro Verde Gabinete de Educação e Acção Social 2 . Í n d i c e..

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

Roteiro Regional CRESC ALGARVE 2020 Fundo Social Europeu (FSE)

Roteiro Regional CRESC ALGARVE 2020 Fundo Social Europeu (FSE) www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Roteiro Regional CRESC ALGARVE 2020 Fundo Social Europeu (FSE) ALBUFEIRA

Leia mais

Rede Social de Gondomar

Rede Social de Gondomar Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social 2009 2011 Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo.

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. 10. ACÇÃO SOCIAL Quadro de referência de serviços e equipamentos de proximidade Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. Incidência

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR PLANO DE ACÇÃO 2010

COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR PLANO DE ACÇÃO 2010 INTRODUÇÃO Neste planeamento anual estão espelhados os projectos e as intervenções previstas para o ano de 2010 da Comissão Social de Freguesia de Santa Maria Maior, devidamente enquadradas nas estratégias

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais