Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013."

Transcrição

1 Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

2

3

4

5

6 Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros? Perigosos ( 1/1000 <) Serviços de Saúde Controlados Dirigir Automóveis Modificado do Leape Ultra- Seguros ( 1/100K >) Mountain Climbing Bungee Jumping Indústria Química Aviação - fretamento Aviação comercial Ferrovia Europeia Nuclear Power Número de Encontros com cada Fatalidade

7

8 Fonte:

9

10 Riscos da terapia intravenosa: É mais provável irá provocar danos ao paciente, se houver um erro; 54% de potenciais eventos adversos estão relacionados à terapia intravenosa; 40% das mortes de doentes são devidos à administração da dose errada por via intravenosa; 16% de mortes são devidos à administração IV do medicamento errado. Maddox RR, Danello S, Williams CK, et al. Intravenous Infusion Safety Initiative: Collaboration, evidence-based best practices, and "smart" technology help avert high-risk adverse drug events and improve patient outcomes. In: Advances in Patient Safety: New Directions and Alternative Approaches. Vol AHRQ Publication Nos (1-4). Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality, July Available at:http://www.ahrq.gov/downloads/pub/advances2/vol4/advances-maddox_38.pdf (If you don't have the software to open this PDF, download free Adobe Acrobat Reader software.).

11 Modelo de incidente organizacional, segundo Reason: Organização e cultura Fatores contribuintes Problemas na prestação do atendimento Defesas e barreiras Fatores ambientais /do trabalho Atos inseguros Decisões administrativas e processos organizacionais Fatores da equipe Fatores individuais Erros Incidente Fatores da tarefa Fatores do paciente Violações Vincent, C.. Segurança do paciente: orientações para evitar eventos adversos. Editora Yendis p. 138

12 ERROS DE MEDICAÇÃO

13 Erro de medicação é qualquer incidente evitável que pode de fato ou potencialmente, levar ao uso inadequado de medicamentos podendo lesar ou não o paciente, não importando se o medicamento está sob o controle de profissionais de saúde ou do paciente. Estes eventos podem ser originados em todas as fases do processo de uso do medicamento. National Coordinating Council for Medication Error Reporting and Prevention - NCCMERP

14 Causas de erros de medicação

15

16

17

18 O mediquês :

19 A guide to labelling and packaging of injectable medicines. National Patient Safety Agency

20 Fonte: Gimenes, FRE. Tese de Doutorado Disponível em:

21

22

23 Fonte: Gimenes, FRE. Tese de Doutorado Disponível em:

24

25

26 Fonte: Gimenes, FRE. Tese de Doutorado Disponível em:

27

28

29

30 Fonte: Gimenes, FRE. Tese de Doutorado Disponível em:

31

32 Principais erros na terapia intravenosa: Um ou mais erros ocorreram na preparação e / ou administração medicamentos IV (taxa de erro: 49%); Preparação: Erros ocorreram em 7% das doses IV; Erros de administração ocorreram em 36% das doses preparadas; Erros de dose e administração ocorreram em 6% de doses. Quanto à gravidade: 19% eram potencialmente leves 29% eram potencialmente moderadas Taxis & Barber Causes of intravenous medication errors: an ethnographic study Qual Saf Health Care :

33 Principais erros na terapia intravenosa: 14% ocorreram na preparação de medicamentos que exigia várias etapas; 73% dos erros em administração em bolus; 95% por velocidade inadequada ~50% considerados de gravidade moderada. Taxis & Barber Causes of intravenous medication errors: an ethnographic study Qual Saf Health Care :

34 Principais erros na terapia intravenosa: Medicamentos preparados para infusão deixados sem identificação, ainda que por breve período de tempo; Uso de diluentes inadequados; Erros na velocidade de infusão que provocam eventos adversos; Procedimentos assépticos frequentemente violados. Cousins, Sabatier, Begue, et al. Medication errors in intravenous drug preparation and administration: a multicentre audit in the UK, Germany and France Qual Saf Health Care :

35 Estratégias para minimizar as falhas no processo

36 +

37

38

39

40

41

42

43

44 Fonte: Gimenes, FRE. Tese de Doutorado Disponível em:

45

46

47 A guide to labelling and packaging of injectable medicines. National Patient Safety Agency

48 A guide to labelling and packaging of injectable medicines. National Patient Safety Agency

49

50

51

52 Principais estratégias para segurança da terapia intravenosa: Otimização e organização dos processos Produtos com dispositivos de segurança Treinamento da equipe CORENS-SP. 10 Passos para a Segurança do Paciente. São Paulo, 2010.

53

54

55 Atitude Segura

56 Trabalho em Equipe

57 Comunicação Efetiva

58 Construção do ambiente seguro

59 Gestão de Riscos relacionados à terapia medicamentosa em Oncologia Equipe multidisciplinar monitorando erros, intervindo e notificando EA graves! Resultado: Dentre os mais de 3 mil erros detectados, apenas 3 chegaram até o paciente taxa de erro de medicação de 0,079%, ou seja, 99,9% de SEGURANÇA DO PROCESSO Fonte: Markert et al. Chemotherapy safety and severe adverse events in cancer patients Int J Cancer 2009 Feb 1;124(3):722-8.

60 Segurança do paciente vale a pena

61

62 Muito Obrigada! Contato:

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Construindo uma Cultura de Segurança

Construindo uma Cultura de Segurança Construindo uma Cultura de Segurança 3as Jornadas de Enfermagem do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Patrícia Fernandes patricia.arfernandes@gmail.com Lisboa, 19 de Maio de 2011 44000 a 98000

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS: UMA VISÃO SISTÊMICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS PREVENTIVAS DOS ERROS NA MEDICAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS: UMA VISÃO SISTÊMICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS PREVENTIVAS DOS ERROS NA MEDICAÇÃO 279 ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS: UMA VISÃO SISTÊMICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS PREVENTIVAS DOS ERROS NA MEDICAÇÃO DRUG ADMINISTRATION: A SYSTEMIC VIEW FOR THE DEVELOPMENT OF MEDICATION ERROR

Leia mais

Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos

Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos SEGURANÇA DO PACIENTE: CONHECENDO OS RISCOS NAS ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos Sandra Vasconcelos e Barbara

Leia mais

Eventos adversos relacionados à assistência

Eventos adversos relacionados à assistência Eventos adversos relacionados à assistência em serviços de saúde - Medicamentos Farmacêutico Sergio Matthies Junior Joinville SC VII Seminário Nacional de Acreditação Assistência Segura ao Paciente: uma

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS

ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS Andrea Righi de Oliveira Kelian Enfermeira especialista em Gerenciamento de Enfermagem, Administração Hospitalar e em Gestão da Qualidade

Leia mais

Soluções para a Segurança do Paciente

Soluções para a Segurança do Paciente Soluções para a Segurança do Paciente Tradução de Adélia Quadros Farias Gomes Para o Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente Proqualis 2007 O Programa da Organização Mundial

Leia mais

Abstract. 1 Introdução

Abstract. 1 Introdução Comitê de Gestão de Risco: Conhecimento essencial nas organizações em saúde Joseane Quirrenbach (Hospital Regional de Ponta Grossa Wallace Thadeu de Mello e Silva) jo.quirrenbach@hotmail.com Maria Dagmar

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012 TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012 Dr. Getúlio R de Oliveira Filho Hospital Governador Celso Ramos, Brasil Correspondência para oliveirafilho.gr@gmail.com

Leia mais

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência Lucian Leape Institute, The National Patient Safety Foundation Relatório da Mesa-redonda [Roundtable] sobre transparência SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

O erro terapêutico. Causas e estratégias de prevenção. 16 de Outubro 2013. Enfermeira Andreia Rocha Enfermeiro Emanuel Gaspar

O erro terapêutico. Causas e estratégias de prevenção. 16 de Outubro 2013. Enfermeira Andreia Rocha Enfermeiro Emanuel Gaspar Hospital Fernando Fonseca, EPE Medicina I/Infeciologia Piso 6 Torre Amadora O erro terapêutico Causas e estratégias de prevenção 16 de Outubro 2013 Enfermeira Andreia Rocha Enfermeiro Emanuel Gaspar Agenda

Leia mais

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br Torre de Babel Walter Vieira Mendes Júnior 1 1 - Doutor em saúde pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Professor e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Avaliador de serviços

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

Taxa de mortalidade cirúrgica

Taxa de mortalidade cirúrgica Taxa de mortalidade cirúrgica V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-03 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos utilizados

Leia mais

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO Autor: Celiane Crivelli Alves Co-autores: Ana Cristina Rossetti Raquel A. dos Santos Tatiana de Carvalho Ramos Cláudio Alves de Souza Carla

Leia mais

Ninguém disse que era fácil Ninguém nunca disse que seria tão difícil Eu estou voltando para o começo. The Scientist - Cold Play sylviahinrichsen@hotmail.com Ausência de Conflitos de Interesses Definindo...

Leia mais

Fadiga de Alarmes: Uma ameaça à segurança do paciente

Fadiga de Alarmes: Uma ameaça à segurança do paciente 1 Fadiga de Alarmes: Uma ameaça à segurança do paciente Os alarmes clínicos alertam quando a condição de um paciente está se agravando e/ou quando um dispositivo não está funcionando como deveria e, problemas

Leia mais

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente Simone Mahmud 28 a 56% dos Eventos Adversos são preveníveis Erros devido a prescrição ilegível Interações negligenciadas, erro de dose Intervenções

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

25º - CONGRESSO PANORAMA ATUAL DA SEGURANÇA DO PACIENTE

25º - CONGRESSO PANORAMA ATUAL DA SEGURANÇA DO PACIENTE 25º - CONGRESSO PANORAMA ATUAL DA SEGURANÇA DO PACIENTE VICTOR GRABOIS COORDENADOR EXECUTIVO DO CENTRO COLABORADOR PARA A QUALIDADE DO CUIDADO E SEGURANÇA DO PACIENTE PROQUALIS/ICICT/FIOCRUZ ANO 2016 Estrutura

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é?

Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é? Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é? Claudia Travassos, médica, MPH, PhD Pesquisadora Titular e Coordenadora do Portal Proqualis,

Leia mais

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Isabela Ribeiro Simões de Castro e Maria Celia Andrade A trombose venosa profunda e a embolia pulmonar são os agravos mais comuns de tromboembolismo

Leia mais

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011 SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional A área da saúde costumava ser mais simples, menos eficaz e mais segura. Chantler, 1997. A área da saúde

Leia mais

Encontro Científico Sobragen Gerenciamento de Risco Assistencial na Área Hospitalar

Encontro Científico Sobragen Gerenciamento de Risco Assistencial na Área Hospitalar Encontro Científico Sobragen Gerenciamento de Risco Assistencial na Área Hospitalar TEMA: Construindo um Sistema de Gestão de Risco Hospitalar Rosane Oliveira Simões Consultora de Qualidade e Segurança

Leia mais

Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar?

Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar? Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar? Maria João Lage, Paulo Sousa A centralidade que as questões da Qualidade têm na área da saúde é um fenómeno relativamente

Leia mais

Erro Relacionado com o Medicamento e Segurança do Paciente

Erro Relacionado com o Medicamento e Segurança do Paciente Erro Relacionado com o Medicamento e Segurança do Paciente Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Autores: Paula Perdigão Paulo Sousa, Susana Ramos e Rita Palmeira Oliveira Curso

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S TR A U

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Hospitais Segurança do Doente Conselhos de Administração

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Compreender a importância do PCMSO como instrumento

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc.

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc. Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente Helaine Carneiro Capucho, DSc. 21 de março de 2016 2007 Implantação do Comitê de Segurança do Paciente

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016)

Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016) Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016) Relatório da Health Quality & Safety Commission New Zealand Sumário executivo Introdução: A atenção dedicada recentemente

Leia mais

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011 Resultados Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses 21. Novembro. 2011 Características do questionário Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSPSC) Agency

Leia mais

UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OTIMIZAÇÃO DA PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA, BASEADA NO ESTUDO AVALIATIVO, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO Investigação de Estratégias de Mitigação de Riscos para a Segurança do Paciente Associados aos Sistemas de Registro Eletrônico

Leia mais

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento NÚMERO: 014/2015 DATA: 17/12/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Processo de Gestão da Medicação Segurança do doente; segurança na medicação; processo de gestão da medicação Direções Clínicas

Leia mais

HSEC TERCEIROS DIRETRIZES DE REPORTE E INVESTIGAÇÃO DE INCIDENTES

HSEC TERCEIROS DIRETRIZES DE REPORTE E INVESTIGAÇÃO DE INCIDENTES HSEC TERCEIROS DIRETRIZES DE REPORTE E INVESTIGAÇÃO DE INCIDENTES DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO E ESCRITÓRIO DE EXPEDIÇÃO E FRETAMENTO DA TRAFIGURA HSEC APPROACH INTRODUÇÃO 1.1. OBJETIVO A Trafigura exige que

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

Programa Sol Amigo. Diretrizes. Ilustração: Programa Sunwise Environmental Protection Agency - EPA

Programa Sol Amigo. Diretrizes. Ilustração: Programa Sunwise Environmental Protection Agency - EPA Programa Sol Amigo Diretrizes Ilustração: Programa Sunwise Environmental Protection Agency - EPA 2007 CONTEÚDO Coordenador do programa... 3 Introdução... 4 Objetivos... 5 Metodologia... 6 Avaliação do

Leia mais

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA Porto Alegre 2014 1 INTRODUÇÃO A prática da terapia intravenosa ocupa segundo estudos 70% do tempo da enfermagem durante sua jornada de trabalho, sem levar em

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Segurança na Administração de Medicamentos : Erros na Prescrição e Dispensação de Medicamentos Andrea Almeida Tofani Email: farm.hc1.hospitalar@inca.gov.br Novembro 2010 Segurança

Leia mais

O Conceito de Segurança do Paciente

O Conceito de Segurança do Paciente O Conceito de Segurança do Paciente Helena Barreto dos Santos Médica Coordenadora do Programa Qualidade e Informação em Saúde Hospital de Clínicas de Porto Alegre hbsantos@hcpa.edu.br apresentação/declaração

Leia mais

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão 1 RESPONSÁVEIS Selma Furtado Magalhães Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba Camila Alves Machado Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão EDITORIAL Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara Revisão: Setembro de 2012

Leia mais

Flávia Cristina S. Teixeira CGMI / CNEN Acidente x Incidente Incidente evento onde uma falha ou combinações de falhas ocorrem com um potencial de levar a consequências negativas independentemente se estas

Leia mais

GESTÃO DE RISCO NO ARMAZENAMENTO, MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE GLP ENVASADO E GRANEL

GESTÃO DE RISCO NO ARMAZENAMENTO, MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE GLP ENVASADO E GRANEL SEMINÁRIO SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GESTÃO DE RISCO NO ARMAZENAMENTO, MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE GLP ENVASADO E GRANEL Cesar Almeida Outubro de 2010 CONVENÇÃO 174 DA OIT Propõem medidas

Leia mais

Aplicação do método Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos (FMEA) para a prospecção de riscos nos cuidados hospitalares no Brasil.

Aplicação do método Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos (FMEA) para a prospecção de riscos nos cuidados hospitalares no Brasil. Aplicação do método Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos (FMEA) para a prospecção de riscos nos cuidados hospitalares no Brasil por Frederico Tadeu Oliveira Caixeiro Dissertação apresentada com vistas

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

Rejane Burlandi de Oliveira

Rejane Burlandi de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO Rejane Burlandi de Oliveira EVENTOS ADVERSOS COM

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA

A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA 43 A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA Maria da Conceição Protázio de Oliveira 1 Celia Akemi Kanashiro 2 RESUMO A administração de medicamentos é um procedimento básico

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade em Princípios i do Modelo para a Melhoria da Qualidade Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Def inirq Aplicar ferramentas de melhoria para abordar as deficiências do sistema.

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar Thaiana Santiago Acreditação Acreditação é um processo que as organizações de saúde utilizam

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

Correção Voluntária Urgente de Campo do Dispositivo Médico dos Ventiladores Puritan Bennett 840 Perguntas e Respostas. Número da Peça do Software

Correção Voluntária Urgente de Campo do Dispositivo Médico dos Ventiladores Puritan Bennett 840 Perguntas e Respostas. Número da Peça do Software Correção Voluntária Urgente de Campo do Dispositivo Médico dos Ventiladores Puritan Bennett 840 Perguntas e Respostas P1: Por que esta ação corretiva de campo foi iniciada? R1: A Covidien está conduzindo

Leia mais

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Claudia Garcia de Barros Diretora de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente Hospital Albert Einstein 1859 - Florence

Leia mais

O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições.

O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições. O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições. Victor Grabois Proqualis/Icict/Fiocruz Dia 11 de novembro de 2014 Características

Leia mais

Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio?

Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio? Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio? Autores: MENDES, Amanda Brandão de Faria. OLIVEIRA, Graziane Silva. BORGES, Isaura MARTINS, Rafael de Souza. NEGREIROS Rômulo Hérlon Vidal Segundo

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

ANA SOFIA MARQUES CORREIA ANA SOFIA MARQUES CORREIA Translator since 2007 Tradutora desde 2007 PERSONAL INFORMATION INFORMAÇÃO PESSOAL...

ANA SOFIA MARQUES CORREIA ANA SOFIA MARQUES CORREIA Translator since 2007 Tradutora desde 2007 PERSONAL INFORMATION INFORMAÇÃO PESSOAL... Contents Índice PERSONAL INFORMATION INFORMAÇÃO PESSOAL... 1 ACADEMIC EDUCATION FORMAÇÃO ACADÉMICA... 1 SOFTWARE TOOLS (PC) FERRAMENTAS DE SOFTWARE (PC)... 2 SERVICES SERVIÇOS... 2 TRANSLATION EXPERIENCE

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Auditoria e Análise de Segurança da Informação Resposta a Incidentes de Segurança Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Resposta a Incidentes de Segurança 2 Incidentes de Segurança De acordo com

Leia mais

EHS Employee Survey 2015 - Portuguese

EHS Employee Survey 2015 - Portuguese EHS Survey 2015 Portuguese Nosso negócio desempenho EHS continua a ser excelente, mas como parte do processo de melhoria contínua, estamos procurando melhorar o nosso processo de EHS. O pequeno inquérito

Leia mais

Banco de Dados para classificação de produtos químicos segundo o GHS

Banco de Dados para classificação de produtos químicos segundo o GHS Banco de Dados para classificação de segundo o GHS André Fenner Apresentado por Dr. Roque Puiatti ChemADVISOR Brasil Email: fenner.consultancy@gmail.com Objetivo Apresentar as principais bases de dados

Leia mais

Segurança do Paciente Walter Mendes. http://proqualis.net/blog/archives/2980/43

Segurança do Paciente Walter Mendes. http://proqualis.net/blog/archives/2980/43 Segurança do Paciente Walter Mendes http://proqualis.net/blog/archives/2980/43 Segurança do paciente Linha do Tempo 460 AC 1818-1865 1820 1910 1869 1940 1919-2000 Semmelweis Codman Hipócrates Nightingale

Leia mais

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO PROTOCOLO DE SERVIÇO CIRURGIA SEGURA Responsáveis: Vânia Segalin, Graziela Cauduro, Rafaela Andolhe Colaboradores: Roosi Zanon Código: PS03 CIRSEG Data: Dezembro/2015 1 FINALIDADE A finalidade do protocolo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDA AUDITIVA (PPPA) EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA SUL-BRASILEIRA

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDA AUDITIVA (PPPA) EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA SUL-BRASILEIRA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDA AUDITIVA (PPPA) EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA SUL-BRASILEIRA AUTORES: Suzanne Bettega Almeida 1,2 ; Cláudia Giglio de Oliveira Gonçalves 1 1-Universidade

Leia mais

CONITEC. Helaine Carneiro Capucho, DSc. Farmacêutica Consultora Técnica Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde

CONITEC. Helaine Carneiro Capucho, DSc. Farmacêutica Consultora Técnica Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde CONITEC Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Análise de conformidade Helaine Carneiro Capucho, DSc. Farmacêutica Consultora Técnica Departamento de Gestão e Incorporação

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

O que é o Modelo de Adoção do Registo Médico Eletrônico (EMRAM) da HIMSS? Qual a sua função?

O que é o Modelo de Adoção do Registo Médico Eletrônico (EMRAM) da HIMSS? Qual a sua função? O que é o Modelo de Adoção do Registo Médico Eletrônico (EMRAM) da HIMSS? Qual a sua função? Sobre a HIMSS Analytics Proprietária, sem fins lucrativos subsidiária totalmente detida pela Healthcare Information

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 041 / 2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 041 / 2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 041 / 2010 Assunto: Transferência de paciente entre setores e comunicação entre as equipes. 1. Do fato Profissional de enfermagem descreve que na instituição onde atua, pacientes

Leia mais

A segurança do paciente e a qualidade dos serviços de saúde

A segurança do paciente e a qualidade dos serviços de saúde A segurança do paciente e a qualidade dos serviços de saúde 18/03/2014 Ana Maria Malik Qualidade e segurança Quem vem primeiro? Vigilância sanitária alvará redução de riscos evitáveis ONA 1 segurança estrutura

Leia mais

Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade

Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade Neilson Carlos do Nascimento Mendes (Faculdade Metropolitana) neilsonmendes@bol.com.br

Leia mais

Integração do Sistema de Gestão em Higiene Ocupacional conforme OHSAS 18001:2007 com o PPRA. Osny F. De Camargo Gerente de EHS 3M do Brasil Ltda.

Integração do Sistema de Gestão em Higiene Ocupacional conforme OHSAS 18001:2007 com o PPRA. Osny F. De Camargo Gerente de EHS 3M do Brasil Ltda. Integração do Sistema de Gestão em Higiene Ocupacional conforme OHSAS 18001:2007 com o PPRA Osny F. De Camargo Gerente de EHS 3M do Brasil Ltda. Programa Planejar métodos para identificação de perigos,

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente

Indicadores de Segurança do Paciente Indicadores de Segurança do Paciente Carla Gouvêa Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ) Roteiro da Apresentação Características e atributos dos indicadores

Leia mais

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 Atualização do fluxo de notificações em farmacovigilância para os Detentores de Registro de Medicamentos no Estado de São Paulo e dá providências correlatas;

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

ACIDENTES NO TRABALHO

ACIDENTES NO TRABALHO PALESTRA SOBRE INCIDENTES ACIDENTES NO TRABALHO ALEXANDRE ROGERIO ROQUE Alexandre.roque@ig.com.br Clique na figura e veja o filme VAMOS VER UM EXEMPLO DE ACIDENTE POR QUE OCORRE ACIDENTES? Todo Acidente

Leia mais

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Rafael Pires Silva 1, Bruna Maiara Ferreira Barreto 2, Danielle Moura Tenório 3, Alessandra

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ERROS NO PREPARO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM E DAS AÇÕES PRATICADAS PELA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR

IDENTIFICAÇÃO DE ERROS NO PREPARO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM E DAS AÇÕES PRATICADAS PELA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR 514 IDENTIFICAÇÃO DE ERROS NO PREPARO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM E DAS AÇÕES PRATICADAS PELA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR Marcus Fernando da Silva Praxedes 1, Paulo Celso Prado

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: AÇÕES DE APOIO À QUALIDADE ASSISTENCIAL

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: AÇÕES DE APOIO À QUALIDADE ASSISTENCIAL ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: AÇÕES DE APOIO À QUALIDADE ASSISTENCIAL SIMONE DALLA POZZA MAHMUD 1 JACQUELINE KOHUT MARTINBIANCHO 2 JOICE ZUCKERMANN 3 THALITA SILVA JACOBY 3 LUCIANA DOS SANTOS 3 DAIANDY DA

Leia mais

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Objetivo Principal Promover o intercâmbio e a cooperação técnica e operacional relacionados

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/16 1. INTRODUÇÃO Em outubro de 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para Segurança do Paciente. A iniciativa foi uma resposta à Resolução 55.18 da Assembléia Mundial

Leia mais

Tecnovigilância: Pós comercialização de produtos para a saúde

Tecnovigilância: Pós comercialização de produtos para a saúde 2o. WORKSHOP INTERNACIONAL - Testes de Diagnóstico Acessíveis e com Qualidade Assegurada para Programas de Saúde Pública Tecnovigilância: Pós comercialização de produtos para a saúde Stela Candioto Melchior

Leia mais

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos Patient Safety 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica Susana Ramos Junho 2008 : Projectos de Acreditação nos Hospitais 1999 Manual da Qualidade: Normas e Critérios área da Saúde Normas - Gestão

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DE QC PARA TESTES POINT-OF-CARE Tradução literal *Sarah Kee

CONSIDERAÇÕES DE QC PARA TESTES POINT-OF-CARE Tradução literal *Sarah Kee CONSIDERAÇÕES DE QC PARA TESTES POINT-OF-CARE Tradução literal *Sarah Kee O teste para o paciente está cada vez mais sendo realizado no de cabeceira. Na verdade, a disponibilidade de testes point-of-care

Leia mais

Segurança no uso de medicamentos CENÁRIO MUNDIAL E NACIONAL DO PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Segurança no uso de medicamentos CENÁRIO MUNDIAL E NACIONAL DO PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Segurança no uso de medicamentos CENÁRIO MUNDIAL E NACIONAL DO PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Carla F. Paixão Nunes Consultora de Gerenciamento de Risco Divisão de Práticas, Qualidade e Segurança

Leia mais