PRÁTICAS EDUCATIVAS DO MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO NO INÍCIO DO SÉCULO XX.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS EDUCATIVAS DO MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO NO INÍCIO DO SÉCULO XX."

Transcrição

1 PRÁTICAS EDUCATIVAS DO MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO NO INÍCIO DO SÉCULO XX. Paulo Rogério Marques Sily 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/Colégio Pedro II Palavras-chaves: museus escolares cultura material escolar práticas educativas. Esse trabalho tem por objetivo apresentar indícios e pistas que permitam considerar a criação de coleções didáticas e a confecção de mapas murais, produzidos pelo Museu Nacional do Rio de Janeiro, assim como a distribuição e os usos desses materiais nos estabelecimentos de ensino, como exemplos de estratégias de divulgação e de ensino da História Natural nos museus escolares do país, nos anos de 1920, em meio a um contexto de debates e valorização de ações relativas à educação, na perspectiva de afirmação do nacionalismo 2. Para isso, pretendo interpretar e compreender esses objetos em sua materialidade e intencionalidade, tendo como referencial teórico e metodológico as contribuições de Carlo Ginzburg (1989; 2001) e os marcos conceituais apontados por Abreu Junior (2005), buscando contribuir para a pesquisa no campo da cultura material escolar. Tenho como questões principais: por que, no início do século XX, a aquisição e os usos de coleções didáticas e mapas murais nos gabinetes escolares ganharam relevância nas escolas brasileiras? Quais relações podemos estabelecer entre a produção desses materiais, a criação de museus escolares e as políticas de educação? Qual papel desempenhou o Museu Nacional no contexto educacional brasileiro, nas duas últimas décadas da Primeira República? Para este estudo utilizei como fontes de pesquisa a documentação existente na Seção de Memória e Arquivo do Museu Nacional/UFRJ (SEMEAR), no Núcleo de Documentação do Colégio Pedro II (NUDOM) e no Centro de Memória (CEMI) do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), tais como: Relatórios Anuais dos Diretores do Museu Nacional e do Colégio Pedro; Livro de Ofícios expedidos pelo Museu Nacional e Livro de Ofícios recebidos e expedidos pelo Colégio Pedro II; Livro de Recibos e publicações do Instituto de Educação do Rio de Janeiro; Boletim de Instrução Pública do Distrito Federal; Revista Pedagógica; Publicações do Ministério da Justiça e Negócios Interiores, entre outros. Além desses documentos, tive acesso a exemplares das coleções didáticas e mapas murais produzidos pelo Museu Nacional, podendo proceder a uma análise mais detalhada desses materiais, assim como busquei a leitura e estudo de teses, dissertações e publicações referentes à Educação, ao Museu Nacional e ao contexto histórico e cultural do Brasil na Primeira República. Para tanto, apresento a trajetória de constituição do Museu Nacional, como instituição dedicada à pesquisa e educação, destacando sua relevância na produção e divulgação de conhecimento para o público, em geral, até os dias de hoje. Em seguida, busquei situar as transformações mais significativas que ocorriam no início do século XX, dando relevância às novas tendências da educação, do ensino e da cultura, partindo das inovações propostas pela Reforma Benjamim Constant, de 1890, com destaque para

2 a organização de gabinetes escolares nos estabelecimentos de ensino, assim como as idéias nacionalistas, os debates e ações promovidas referentes à escolarização e educação brasileira. Adiante, apresento uma breve análise das coleções didáticas e mapas murais, buscando compreender suas origens, materialidade e intencionalidade, nos diferentes contextos nos quais estão inseridos esses objetos. Por fim, apresento a relevância desses materiais, destacando as inspeções oficiais realizadas nos estabelecimentos escolares e gabinetes de História Natural e as considerações finais. Da Casa dos Pássaros ao Museu Nacional: trajetória institucional. A mais antiga instituição científica do Brasil e da América do Sul, o Museu Nacional tem suas mais remotas origens, ainda, no período colonial brasileiro, na Casa de História Natural, chamada pelo povo de Casa dos Pássaros, criada no governo do Vice-Rei, D. Luiz de Vasconcelos ( ). Nesse período era costume dos Vice-Reis o envio de objetos da natureza do Brasil para a metrópole a fim de divulgar e tornar conhecido o que existia na terra, expor o exótico, apresentar à corte de Lisboa as belezas e riquezas naturais da colônia. Eram enviados exemplares de animais, plantas, minerais e adornos indígenas, coletados no Brasil por viajantes e colonizadores. Conforme nos informa Carvalho (1977), no período Joanino, em 1818, D. João VI assinou decreto determinando a criação de um Museu Real, de acordo com os interesses naturalistas da Imperatriz Leopoldina e da Missão Científica que viera para o Brasil, formada por pesquisadores como Martinus, Ender, Natterer, Pohl, entre outros. Instalado, inicialmente, no campo de Sant Anna, sendo para lá transportado o acervo existente na Casa dos Pássaros, onde durante sete anos as coleções foram usadas para o ensino, com a Independência, em 1822, passou a Museu Imperial, sediado no campo de Sant Anna, conservando esta denominação até a República, quando passou a Museu Nacional. Transferido em 1892 para o Paço de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista, até então, local de residência da família Imperial durante oitenta e um anos, o Museu Nacional está, hoje, localizado em um dos mais belos parques públicos da cidade do Rio de Janeiro, comportando original acervo histórico e paisagístico. Seu acervo constituído, atualmente, de mais de um milhão de peças, está distribuído nos departamentos de Geologia, Paleontologia, Arqueologia, Antropologia, Botânica e Zoologia, reunido ao longo de séculos, através da compra de peças de valor histórico e científico, doações e da aquisição de material através de inúmeras expedições empreendidas por cientistas do Museu Nacional, por todo o território nacional, com destaque para as expedições dirigidas pelo Marechal Cândido Rondon durante assentamento das Linhas Telegráficas de Mato Grosso ao Amazonas, entre 1906 e Como unidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro, desde o Museu Nacional desenvolve a pesquisa e o ensino em cursos de Pós-Graduação, nas áreas de Antropologia Social, Botânica e Zoologia. Em seus laboratórios e Salas de Pesquisa, atualmente, sob a orientação de professores e pesquisadores de Pós-Graduação, o Museu Nacional recebe inúmeros estagiários, procedentes de cursos universitários, mas também alunos de Ensino Médio, vinculados ao Programa de Iniciação Científica Júnior, desde 2000, em parceria com o Colégio Pedro II, o primeiro estabelecimento de ensino público do país, sendo, atualmente, a maior escola pública de Educação Básica da América Latina. O Museu Nacional recebeu no ano de 2007, um público estimado em torno de pessoas, formado, sobretudo, por professores e alunos de escolas de Educação

3 Básica, visitando as galerias do palácio, conhecendo as coleções organizadas em mª, em trinta e uma salas de exposição, permanente 4. A Reforma de 1890 e a organização dos gabinetes de História Natural. As décadas de 1870 e 1880 foram marcadas por conflitos entre concepções políticas e ideológicas que refletiam o conjunto de transformações sociais e econômicas que o Brasil vivia, estando em jogo, principalmente, forças monarquistas e escravocratas, contrárias, às republicanas e pelo fim da escravidão. A proclamação da República e a nova organização do Estado a partir de 1889, implicaram em uma reordenação do poder, afastando as oligarquias mais tradicionais, particularmente, os cafeicultores fluminenses, afirmando o poder das diversas oligarquias regionais, que assumiram o poder da máquina administrativa. A afirmação da mão de obra livre e remunerada e a crescente chegada de imigrantes, principalmente nas regiões sudeste e sul do país, implicaram em mudanças nas relações de trabalho e produção no campo, assim como nas cidades, com destaque para o desenvolvimento industrial, contribuindo para ampliar e diversificar a economia, a sociedade e a cultura brasileira, criando novas demandas sociais. No aspecto político, a República, apesar de inaugurar o federalismo e a descentralização, dando maior acesso às forças sociais dominantes ao Estado, caracterizou-se pela permanência da oligarquia rural no poder e pela manutenção de uma ordem política excludente em relação à participação política das camadas populares. Em meio a essa conjuntura, quais as tendências da cultura e da educação brasileiras? Em seus estudos sobre a educação no Brasil, Otaíza Romanelli (1978) nos informa que no período Imperial a educação esteve voltada para atender às elites rurais e à nova camada intermediária que se impunha social e economicamente após a Independência, que já percebia o valor da escola como instrumento de ascensão social, interessada em ocupar, na ordem oligárquica, as funções administrativas, burocráticas e intelectuais. O quadro geral do ensino no Brasil, durante o Império, compunha-se de poucas escolas primárias, dos Liceus provinciais, em cada capital de província e dos colégios particulares, em algumas cidades importantes, alguns cursos normais, o Liceu de Artes e Ofícios, criado na Corte, em 1856, os cursos superiores de Direito, Medicina, Engenharia e Artes, prioritariamente. Cabe destacar, ainda, o Colégio Pedro II, criado na Corte, sendo o único mantido pelo Governo Central para servir de modelo aos demais cursos secundários do país e preparatório para os cursos de nível superior. Somente esta instituição tinha o privilégio de conferir o grau de bacharel aos estudantes, título necessário para o ingresso nas universidades brasileiras. Numa tentativa de organizar o sistema educacional no início da República, a reforma Benjamim Constant, em 1890, criou o Ministério da Instrução Pública. Dentre suas propostas, apenas parte delas foram postas em prática, com destaque para a substituição de um currículo acadêmico por um currículo enciclopédico; a inclusão de disciplinas científicas; o estabelecimento do ensino seriado; a busca de maior organicidade ao sistema como um todo; a criação do Pedagogium, centro de aperfeiçoamento do magistério e impulsor das reformas.

4 Proposto ao governo da República, em 1890, pelo Inspector Geral da Instrução Pública do Distrito Federal, Sr. Benjamin Franklin Ramiz Galvão, foi aceito e criado projeto de organização do Museu Pedagógico, denominado Pedagogium, pelo Sr. Ministro da Instrução Pública 5, Benjamim Constant. Tendo o Pedagogium por finalidades, impulsionar a reforma educacional e os melhoramentos necessários à Instrução Nacional, oferecendo aos professores públicos e particulares os meios de instrução profissional de que poderiam carecer, a exposição dos melhores métodos e do material de ensino mais aperfeiçoado, em seu artigo 1, estabelece, dentre os meios necessários para alcançar tais objetivos a organização de gabinetes e laboratórios de ciências físicas e naturais e a organização de coleções modelos para o ensino científico concreto nas escolas públicas (REVISTA PEDAGÓGICA.1890, p. 35). De acordo com o Regulamento da instrução primária e secundária do Distrito Federal, constante do Decreto nº 346, de 16 de abril de 1890, a instrução primária, livre, gratuita e leiga, seria dada no Distrito Federal em escolas públicas, em duas categorias: Escolas Primárias do 1º Grau e Escolas Primárias do 2º Grau 6. Em ambas as escolas primárias, está presente em suas grades curriculares o ensino de Elementos das Ciências Físicas e História Natural, devendo ser aplicado em todas as disciplinas o método intuitivo, servindo o livro de simples auxiliar, de acordo com programas minuciosamente especificados. Ainda por esse Regimento ficou estabelecido que cada escola primária terá além das salas de classe e outras, dependências, sua biblioteca especial, um museu escolar provido de coleções mineralógicas, botânicas e zoológicas, de instrumento e de quanto for indispensável para ensino concreto, um ginásio para exercícios físicos, um pátio para jogos e recreios, e um jardim preparado segundo preceitos pedagógicos 7. Para o funcionamento das escolas primárias o governo providenciaria a construção de edifícios apropriados ao ensino, de acordo com os mais severos preceitos da higiene escolar e com habitações anexas destinadas ao professor, sendo de responsabilidade do Conselho Diretor da Instrução Primária e Secundária a formulação e aprovação do projeto de construção desses prédios escolares 8. No ensino secundário integral, de acordo com a Reforma Benjamim Constant, a disciplina de História Natural compunha o curso integral de estudos, equivalente a sete anos, dado pelo Estado, no Ginásio Nacional 9. Os conteúdos da disciplina de História Natural seriam ministrados no 6º ano, no 2º período referentes às noções de botânica, zoologia, meteorologia, mineralogia e geologia 10. Museu Nacional: pesquisa e educação no início do século XX. No período compreendido entre 1822 e 1868 o Museu Imperial esteve subordinado ao Ministério dos Negócios do Império, o mais importante junto à Academia Imperial de Medicina, a Academia de Belas Artes, Arquivo Público, Biblioteca Nacional, Escola Politécnica e Observatório Nacional. Esse Ministério abrigava os demais órgãos voltados para a Instrução. A vinculação com a Educação se intensifica quando, com a Reforma Benjamim Constant, em 1890, o Museu Nacional passa a participar como membro do Conselho Diretor da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal 11, com voz e voto, nas

5 decisões referentes à educação, pertinentes à Secretaria de Instrução Pública do Distrito Federal. Em 1892, sofrendo reformas institucionais, sendo transferido para o Paço Imperial de São Cristóvão, o Museu Nacional afirmava-se como casa de ensino e pesquisa e não apenas como depósito de peças (DIAS, 2005, p. 42), desenvolvendo atividades e práticas educativas em diferentes áreas do conhecimento, relacionadas à História Natural. Durante as duas primeiras décadas do século XX as atividades do Museu Nacional buscaram atender seus objetivos institucionais relacionados à pesquisa, organização e divulgação de seu acervo, conforme podemos encontrar nos relatórios anuais, organizados pelos Diretores, no sentido de apresentar as atividades desenvolvidas aos Ministérios aos quais esteve vinculado 12. A divulgação da História Natural, a propagação do gosto e o interesse pela mesma e as oportunidades de travar conhecimento com os diferentes tipos de rochas, plantas e animaes do país e, em grão menor, com os tipos que representam o solo, a flora e a fauna de outros países eis um dos principais fins a que se destina o Museu Nacional à semelhança dos outros institutos congêneres, pátrios e estrangeiros (MUSEU NACIONAL, 1920). Buscando atender às diretrizes de uma política educacional, traçada pela Instrução Pública do Distrito Federal e de difusão da História Natural, o Museu Nacional desenvolve um conjunto de métodos de divulgação, como podemos ler em relatório do Museu Nacional, de 1919, organizado pelo então diretor, Bruno Álvares da Silva Lobo: Desejoso de atingir a tantos quanto possa interessar o estudo da História Natural, fez, como nos annos anteriores, uso dos seguintes méthodos de divulgação e ensino: a) Mostruários scientificamente organizados; b) Guias de colleções expostas; c) Escola de Botanica; d) Admissão de praticantes nas secções e laboratórios; e) Distribuição de colleções didáticas; f) Organização de mapas muraes; g) Arquivos do Museu Nacional (RELATÓRIO DO MUSEU NACIONAL, 1919, p. 34). A partir de 1919, em suas diferentes seções, o Museu Nacional produz coleções didáticas e confecciona mapas murais, destinados aos estabelecimentos de ensino, de todos os níveis, em todo o país, com o objetivo de divulgar as riquezas naturais do Brasil, popularizar a cultura natural brasileira e contribuir para o desenvolvimento das Sciências Naturais nos estabelecimentos de ensino superior e secundário, dando-lhe um cunho prático, pela distribuição de colleções didácticas de História Natural (MUSEU NACIONAL, 1920, p. 49). Essas práticas educativas desenvolvidas pelo Museu Nacional encontram sentido e ressonância nas idéias nacionalistas que a partir da Primeira Guerra Mundial ( ) serviram de base para os debates e ações de movimentos que se afirmaram no Brasil nos anos de Afirmou-se a crença de que, pela multiplicação das instituições escolares, da disseminação da educação escolar seria possível incorporar grande parte da população brasileira na perspectiva do progresso nacional, superando a injustiça social,

6 configurada na república oligárquica, pelo domínio das elites sobre a maioria que não sabia ler e escrever, correspondente a 80% dos brasileiros 13. A preocupação para com os problemas nacionais, particularmente os relacionados com a educação, deu origem a amplos debates na sociedade 14, estimulando reformas da escolarização que buscaram modificar os padrões de ensino e cultura das instituições escolares, nas diferentes modalidades e níveis de ensino, configurados em novos modos de formulação de programa escolar, nova instrumentação para tornar mais eficaz o trabalho docente, e, também, diversificar as atividades escolares e introduzir novas práticas. Uma das características desse novo ideário assentava-se na crítica ao ensino livresco, abstrato, na forma de ensino acadêmico, predominante nos cursos secundário e superior. Propunha-se um ensino mais prático, concreto e científico, conforme podemos ler nos Anais da IIIª Conferência Nacional de Educação, realizada em São Paulo, em : (...) desenvolver, disciplinar e apurar a percepção externa, a atenção, o raciocínio, a comparação, a generalização (...) as operações intelectuais, em suma, mais necessárias à observação perspicaz, ao estudo paciente e à interpretação exata dos fenômenos da natureza, à experimentação cuidadosa, à análise, à crítica e à contraprova dos resultados obtidos nessa aplicação rigorosa do método objetivo (ibid., p. 157). Materialidade e intencionalidade dos objetos. Considerando que todo objeto tem sua história singular, sua historicidade, o que permite, através de seu estudo, conhecer as redes e contextos nos quais foram gerados e, portanto, é fruto, compreendo essas coleções e mapas murais como vestígios, que oferecem a possibilidade de, a partir do estudo de sua materialidade e intencionalidade (ABREU JUNIOR, 2005), proceder a uma aproximação para com as condições culturais e históricas em meio as quais foram produzidos, identificar práticas educativas desenvolvidas pelos museus e nos gabinetes escolares, assim como, as formas como foram utilizados e ressignificados, como objetos de estudo. No entanto, como proceder a essa investigação? Quais procedimentos metodológicos podem e devem servir de referência para a pesquisa com fontes dessa natureza? Dentre as contribuições propostas por Carlo Ginzburg (1989), considero fundamental, para as pesquisas futuras, utilizar suas considerações teóricas, mais especificamente àquelas por ele estudadas, referentes a um modelo epistemológico surgido no final do século XIX, no âmbito das Ciências Sociais, denominado paradigma indiciário, o qual propõe um olhar para o universo micro, o universo do diminuto e do detalhe, considerando, dessa forma, que a cada encontro de particularidades significativas ressaltam-se as minudências que compõem a base da urdidura do contexto (ABREU JUNIOR. op.cit., p. 147). Dessa forma, acredito poder problematizar o objeto em estudo, com um olhar epistemológico, que permita uma investigação minuciosa, adotando, como nos orienta Abreu Junior (ibid, p.152), com base em Ginzburg (2001), uma postura de estranhamento, frente ao objeto analisado. Um olhar que não se atém à linearidade das causas aos efeitos, mas que rompendo com a visão globalizante das estruturas sociais, leva em conta a leitura do que é pequeno e dos detalhes, sem, no entanto, desprezar a idéia de totalidade, como escreve o autor:

7 Assim, Ginzburg inaugura um caminho em que o debruçar-se pelo micro-universo, longe de impedir a visão do todo, permite a abertura para enxergar algo novo ou emergente de qualquer jeito, uma outra forma que se diluiria na absorção de uma estrutura globalizante. Os detalhes são os indícios aos quais o investigador deve estar atento para a compreensão de uma história mais complexa, pois inabarcável em categorias fechadas e merecedora de cuidados e critérios rigorosos e diferenciados de investigação (ABREU JUNIOR. op.cit., p. 149). Referindo-se ao conto do escritor americano, Edgar Alan Poe A carta roubada -, Abreu Junior (ibid, p. 150) toma como marco conceitual a valorização do que é considerado banal e corriqueiro ; dos objetos que em nosso cotidiano não são, em geral, por nós percebidos como dignos de serem utilizados como fontes para pesquisas. Materiais que, muitas vezes, como as coleções didáticas e mapas murais utilizados nas escolas brasileiras no início do século XX, foram esquecidos e abandonados, quando não postos fora, como descartável. Coleções Didáticas e Mapas Murais: origem, confecção e distribuição. Como visto anteriormente, desde a Reforma Benjamin Constant, a proposta de desenvolver um ensino intuitivo e concreto nas escolas brasileiras foi uma preocupação dos órgãos de governo ligados à Instrução. Para isso, criaram, entre outras medidas, museus escolares, compostos, entre outros materiais, por coleções didáticas e mapas murais, que permitissem aos professores e alunos um método de ensino e aprendizagem mais prático, particularmente aqueles conteúdos ministrados nas disciplinas das ciências naturais e físicas. De acordo com a documentação pesquisada, até agora, foi possível concluir que até o final do século XIX, essas coleções didáticas e quadros murais não eram produzidos no Brasil, sendo importados de diferentes países da Europa, como podemos verificar em documento emitido pelo então presidente do Pedagogium, Sr. Joaquim José de Menezes Vieira, em 15 de maio de 1891, dirigido ao Sr. Ministro Benjamin Constant: (...) atendendo ao estado miserável do museu no tocante ao material para o ensino de ciências físicas e de História Natural, pedi ao Sr. Ministro, em ofício de 13 de outubro de 1890, que por conta do crédito aberto por Decreto de 4 do mesmo mês, ficasse a minha disposição na Delegacia do Tesouro Nacional, em Londres, a quantia de $000 para ocorrer às despesas com a aquisição desse material e do mais que se tornasse preciso à biblioteca, á escola modelo e às oficinas. Em 17 de outubro, sendo atendido, imediatamente, encomendei ao representante dos principais editores e fabricantes o material mais urgente. Esta encomenda acha-se na Alfândega a espera que se realize a mudança para o prédio da rua do Visconde do Rio Branco (INSTRUÇÃO PÚBLICA, 1891, A E 7). Informações sobre a origem dessas coleções, ainda, carecem de maiores pesquisas. No entanto, Relatório do Inspetor da Instrução Pública, de 1891, destinado ao

8 Sr. Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Instrução Pública, Correios e Telégrafos, em prestação de contas das atividades desenvolvidas pela sua Secretaria, faz referência às dificuldades encontradas para a entrada, no almoxarifado, de material comprado no exterior, destinado às escolas de 2º Grau, em função da demora do desembarque das cargas dos paquetes transatlânticos, no porto do Rio de Janeiro. Dentre os materiais chegados da Europa, de maior interesse para esse trabalho, estão listados os quadros naturais de P. Gervais; quadros de anatomia e de Fisiologia, de P. Regnard e Johnson; globos geográficos, de Ch. Simon; parte das coleções de zoologia, botânica e mineralogia, do editor Deyrolle; gabinetes escolares de física, da casa Hachette; parte das coleções de História Natural, e os mapas geográficos, de Levasseur, dentre outros 16. Assim, as pesquisas até aqui por mim realizadas indicam que a produção de coleções didáticas e confecção de mapas murais pelo Museu Nacional têm origem no atendimento à demanda por material didático, ainda em 1891, quando foi ordenado pelo então Ministro da Instrução Pública ao Diretor do Museu Nacional que preparasse pequenas coleções de história natural apropriadas para o ensino elementar que deveriam ser remetidas ao Pedagogium para posterior distribuição nos estabelecimentos de ensino 17. Na busca dessas coleções didáticas e mapas murais venho me debruçando sobre documentação disponível no Museu Nacional, assim como nos arquivos de estabelecimentos de ensino que os receberam e utilizaram em seus gabinetes de História Natural e museus escolares. Surpreendi-me ao constatar que, nas instituições escolares, seus exemplares não se encontram arquivados, sequer guardados, estando, no entanto, na memória de alguns funcionários, mais antigos, que deles falam com clareza, descrevendo-os, em detalhes. Esse desprestígio para com os materiais escolares, relacionados à educação, principalmente nas escolas, fato comum não apenas no Brasil 18, é destacado por Dominique Julia (2001), quando aponta as dificuldades encontradas para uma análise histórica da cultura escolar e de suas práticas culturais devido à escassez de fontes preservadas, com relação àquelas utilizadas e produzidas pelos agentes da escola, principalmente, alunos e professores. Considerando a importância pedagógica desses materiais, para a época em que foram utilizados, e a diversidade das coleções didáticas produzidas pelo Museu Nacional, compostas de exemplares de fauna, flora, mineralogia, geologia e antropologia brasileira, assim como dos mapas murais que, através de desenhos, reproduziam espécies, dessas mesmas áreas científicas, em tecido e papel, tamanho 0,84 X 1,15, cabe, no mínimo, a denúncia quanto ao descaso para com esses materiais, de uso escolar 19. Dentre os objetivos para sua produção e distribuição pelo Museu Nacional, nos anos de 1920, e sua utilização nos estabelecimentos escolares destaca-se o de tornar o ensino das ciências, no caso relacionadas à História Natural, mais prático, concreto e intuitivo, a fim de facilitar o processo de ensino-aprendizagem e o conhecimento do Brasil, como podemos ler em Relatório do Museu Nacional, de 1919: Além das colleções didácticas de História Natural, chamou a si o Museu Nacional, a confecção de mapas muraes, os quaes já estão sendo organizados. Com o auxílio das colleções didácticas e dos mappas muraes será possível ensinar a História Natural, nos diversos estabelecimentos de ensino, documentando o professor a prelecção com os elementos do solo, flora e fauna do Brasil. Demais, representa um dos meios de

9 melhor tornar conhecido o nosso paiz aos que se iniciam na vida prática (RELATÓRIO DO MUSEU NACIONAL, 1919, p.51). As coleções didáticas foram produzidas nas seções do Museu Nacional, em grande número, na medida em que, anualmente, eram enviados a muitos estabelecimentos de ensino espalhados pelo país e também para o exterior 20. Para efeito de ilustração, o departamento de Botânica produziu e distribuiu, nos anos de 1921 e 1922, respectivamente, 40 e 23 coleções 21. A correspondência das instituições de ensino, por ofício, para o Ministério ao qual estava subordinado o Museu Nacional, solicitando o envio de coleções didáticas; assim como as respostas dos Diretores do Museu Nacional para os estabelecimentos de ensino, demonstram o papel que o Ministério exercia como mediador entre as instituições e como organizador da educação nacional, assim como o reconhecimento por parte dos professores e autoridades de ensino quanto ao trabalho científico e educativo desempenhado pelo Museu Nacional. No sentido de ilustração, em livro de ofícios do Colégio Pedro II, datado de 1918, encontramos documentos referentes à correspondência entre esta instituição e o Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, em papel timbrado, do Museu Nacional, dirigido ao Exmo. Sr. Director do Collegio Pedro II Dr. Carlos de Laet -, assinado pelo Diretor do Museu Nacional, Sr. Bruno Lobo, o seguinte texto: Com as cópias do offício do Sr. Professor Bourguy de Mendonça e da relação junta, tenho a honra de remeter ao gabinete de História Natural do Collegio Pedro II uma colleção de peixes, crustáceos e conchas de molluscos, das duplicatas do Museu Nacional (LIVRO DE OFÍCIOS, 1918, F 103). Tomando como referência os relatórios anuais dos Diretores do Museu Nacional dos anos de 1919 e de 1920, apenas para dar uma idéia do número de coleções didáticas produzidas e distribuídas, são citados, respectivamente, 33 e 37 estabelecimentos, no Brasil, sendo em número de 90, as coleções enviadas no ano de Em sua maioria esses estabelecimentos estavam concentrados no Distrito Federal, sendo enviadas coleções também para outros estados da região Sudeste, Sul, Nordeste e Norte, como podemos observar no quadro nº. 1, abaixo. Distribuição de coleções didáticas, por estado da Federação. Ano Estado da Estabelecimentos Ano Estado da Estabelecimentos Federação de ensino (nº) Federação de ensino (n ) Rio de Janeiro 22 Rio de Janeiro 20 São Paulo 1 São Paulo Minas Gerais Minas Gerais 3 Rio Grande do 1 Rio Grande 5 Sul do Sul Santa Catarina - Santa 2 Catarina Paraná - Paraná 1 Bahia 1 Bahia 1 Alagoas 1 Alagoas - Rio Grande do 1 Rio Grande - Norte do Norte Pará 3 Pará 1 Fonte: Relatórios Anuais do Museu Nacional, anos de 1919 e 1920.

10 Cabe destacar, no período a que se refere o quadro nº.1, a predominância de estabelecimentos de ensino situados no Rio de Janeiro e a ausência de estados da Região Centro-Oeste e do Norte, com exceção do Pará, demonstrando a não integração dessas regiões ao sistema educacional e à nação. Além dessas coleções distribuídas no Brasil, foram produzidas e enviadas pelo Museu Nacional, em 1919, três coleções para a França, Estados Unidos da América do Norte e Japão e uma, em 1920, para o Paraguai. Quanto aos mapas murais, entre os anos de 1919 e 1922 o Museu Nacional confeccionou 13 exemplares, em diferentes áreas científicas, conforme quadro nº. 2, abaixo: área Temática Número Antropologia 1 Aves 1,2,3 Zoologia Mamíferos 1,2 Répteis e batráquios 1 Peixes 1 Geologia Rochas eruptivas 1 Rochas sedimentares 1 Classificação das plantas 1 Botânica Morfologia externa e interna da folha 1 Caule e raiz. 1 A importância atribuída às coleções didáticas e aos mapas murais produzidos pelo Museu Nacional, pode ser percebida quando nos relatórios anuais do Museu Nacional seus exemplares ganharam relevância não apenas nos textos escritos, mas, também, em imagens reproduzidas em suas páginas, demonstrando o interesse da instituição em tornar a produção desses materiais conhecidos das autoridades brasileiras, particularmente, aqueles que exerciam cargos no Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, ao qual o Museu Nacional encontrava-se vinculado. Como parte da coleção intitulada Quadros elementares de história natural do Brasil produzidos pelo Museu Nacional do Rio de Janeiro, escrito no alto à direita, o mapa mural aqui reproduzido é o primeiro exemplar da área de Antropologia (n 1), tratando da ordem dos Primatas, com representações, em desenho, do Homo Sapiens, Gorilla, Chimpanzé, Orango e Gibbão. Confeccionado em tecido e papel, em sua margem inferior, apresenta uma breve descrição das espécies reproduzidas, em desenho, no mapa mural: O homem é o único primata cosmopolita, vive em todas as regiões. O Gorila e o Chimpanzé vivem na África intertropical. O Gibão acha-se na Ásia Meridional. O Orango encontra-se em Bornéo, Sumatra e mais ilhas do Archipélago Malaio. Todos esses símios que são os mais próximos da espécie humana, formam a família dos Anthropínios. São também chamados macacos Catarhinos ou do Antigo Continente. Os Símios do Novo Continente, macacos platyrhinos, são providos de cauda e afastam-se mais do typo humano.

11 Esse exemplar foi organizado pelo professor Roquette Pinto e desenhado por P. Sandig, editado pela Companhia Lith Ypiranga, estabelecida em São Paulo e no Rio de Janeiro, em Na busca dos mapas murais para essa pesquisa, consegui localizar um exemplar, como que deixado de lado, em uma das salas do Museu Nacional, no setor de Assistência ao Ensino (SAE) e um, outro, guardado na papeleira do Centro Institucional de Memória (CEMI), do ISERJ, junto a, inúmeros, mapas murais, de origem européia e americana, produzidos no início do século XX. Na Biblioteca do Museu Nacional, no setor de Obras Raras, graças ao empenho de seus funcionários, tive acesso a nove dos treze exemplares de mapas murais, originalmente confeccionados, guardados em espaço reservado como mapoteca. Esses mapas murais estavam espalhados e agora, graças a esse trabalho, serão arquivados em conjunto, faltando localizar três exemplares, para estar completo 22. O empenho da Instrução Pública, através de seu Ministério, em consonância com aqueles que estavam na Direção do Museu Nacional, com destaque para os Srs. Bruno Lobo ( ), Arthur Neiva ( ) e Roquette Pinto ( ), na produção de coleções didáticas e na confecção e distribuição de mapas murais, pode justificar-se pela importância que atribuíam à popularização da cultura brasileira, permitindo que o maior número de pessoas, no Brasil, conhecesse espécies animais, vegetais e minerais, valorizando as riquezas nacionais. Podemos encontrar essas preocupações nos registros oficiais dos Diretores do Museu Nacional para o Ministro da Agricultura, Indústria e Comércio, em seus relatórios anuais. A orientação do Museu Nacional se manteve, no correr do ano findo, fiel ao princípio que a instrução popular e a diffusão de noções sobre as sciencias naturaes, em todos os meios, constitue um dos seus deveres primordiaes, Teve durante todo o exercício findo muito a peito a divulgação dos conhecimentos os elementos de nosso solo, fauna e flora e typos de habitantes regionaes, procurando proporcionar ao público e aos que estudam, por todos os méthodos ao seu alcance a oppportunidade de se familiarizarem com as rochas, plantas, animaes e núcleos humanos existentes em nosso Paíz, estimulando desse modo o gosto e o interesse pelo estudo da natureza

12 em suas diferentes manifestações (Relatórios Anuais do Museu Nacional, anos de 1919 e 1920, p. 16). A importância atribuída aos Museus Escolares e Gabinetes de História Natural, assim como a preocupação por parte do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio e do Museu Nacional com relação à sua organização e funcionamento nos estabelecimentos de ensino resultou em diversas inspeções oficiais realizadas por funcionários públicos em escolas de ensino elementar e secundário em diferentes estados brasileiros. Inspeção nos gabinetes escolares: pela valorização das novas práticas educativas. Uma dessas inspeções foi realizada no final do ano de 1920 pela Sra. Bertha Lutz, então Secretária do Museu Nacional, sendo visitadas escolas dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Quando de seu regresso ao Distrito Federal apresentou relatório 23 ao Ministro, Sr. Bruno Álvares da Silva Lobo, com parecer sobre sua viagem, visitas e inspeção. Neste relatório relata a Sra. Bertha Lutz o grande número de coleções encontradas nos estabelecimentos de ensino visitados, principalmente de mineralogia, em sua maioria, procedentes da Escola de Ouro Preto (MG), assim como a existência de gabinetes de História Natural, onde aconteciam aulas práticas dessa disciplina, destacando o empenho e dedicação de diretores e professores desses estabelecimentos para com a disciplina, as coleções e os museus escolares. No entanto, apesar dessas positivas considerações, considerou problemático o fato desses gabinetes não terem uma sistematização das coleções, avaliando ser preferível que houvesse menos material, mas que no espaço que ocupa o gabinete obedecesse a uma metodização mais rigorosa, faltando aos organizadores diretores e professores maior experiência e orientação. Nesse sentido, sugere, para uma boa organização dos museus e gabinetes escolares no Brasil: maior divulgação dos processos de colheita e conservação do material; orientação da organização do material exposto, a sua disposição e sua documentação. Para tais tarefas indica o Museu Nacional como instituição capaz de fazê-lo, com a colaboração do Conselho Superior de Ensino. Conclui o relatório considerando a necessidade de incentivar e ampliar a criação dos museus escolares e gabinetes de História Natural, tendo o Museu Nacional à função de auxiliar mais diretamente em sua organização, imprimindo-lhes uma orientação científica, tendo ao mesmo tempo valor prático, filosófico e pedagógico. Sugere, ainda, que os mapas murais, em confecção, deveriam servir para complementar as coleções, compondo os museus escolares. Quanto aos seus objetivos, pondera que as medidas por ela sugeridas, caso colocadas em prática, seriam de real serviço, permitindo substituir o ensino teórico pelo ensino prático por si só tão estéril e improfícuo, despertando o interesse e a curiosidade dos alunos e gravando no seu espírito, por meio de exemplares concretos, os princípios de uma disciplina que se baseia essencialmente no estudo da natureza, através de suas variantes e modalidades e que, portanto, possui real interesse filosófico e social (MUSEU NACIONAL, 1921, p ). As preocupações da Sra. Bertha Lutz, em consonância com as do Museu Nacional e da Instrução Pública, se aproximam das idéias e princípios nacionalistas, que marcaram as duas últimas décadas da Primeira República no Brasil, particularmente os

13 referentes à instrução e educação no Brasil, aos novos métodos de ensino e a popularização do conhecimento sobre a cultura brasileira. Considerações finais: Neste artigo busquei analisar algumas das práticas educativas desenvolvidas pelo Museu Nacional do Rio de Janeiro no início do século XX. Através do estudo da materialidade e da intencionalidade das coleções didáticas e mapas murais, pude esboçar uma rede de relações entre esses materiais, sua instituição de origem, concepções de educação e de ensino, na época em debate, políticas públicas anunciadas, que permitiram situá-las e compreendê-las em seus contextos histórico, educacional e cultural. Pude inferir que no Museu Nacional, seus agentes, encontravam-se sintonizados nos debates nacionais, particularmente aqueles que se ocupavam das questões referentes aos destinos da nação, referentes à educação, ao ensino, a escolarização e aos novos métodos pedagógicos, levando-os à implementação de ações, junto a órgãos oficiais de governo, com ideais nacionalistas, em defesa da popularização do conhecimento, particularmente aqueles referentes à cultura brasileira. Notas 1 Doutorando em Educação na UERJ. Professor do Colégio Pedro II. Coordenador do Programa de Iniciação Científica Júnior PIC Jr. Colégio Pedro II e Museu Nacional. 2 O presente texto resulta de pesquisas que venho desenvolvendo para o curso de Doutorado em Educação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, iniciado no primeiro semestre de 2008, sendo estas as primeiras reflexões sobre o tema. Investigando no campo da História da Educação, na linha de Instituições, Práticas Educativas e História, sob a orientação da professora, Doutora, Ana Chrystina Venâncio Mignot, pretendo desenvolver a pesquisa tendo como tema as práticas educativas de museus nas primeiras décadas do século XX, no Brasil. Nesse artigo, faço um recorte da temática proposta, utilizando como referência para pesquisas o Museu Nacional do Rio de Janeiro e como objeto de estudo as coleções didáticas e os mapas murais produzidos nesta instituição, destinados aos estabelecimentos de ensino do Distrito Federal, principalmente, e de outros estados do país. 3 Pelo Decreto nº de 16 de janeiro de 1945, foi incorporado o Museu Nacional à Universidade do Brasil e integrado a ela pelo Decreto nº de 18 de julho de 1946, na qualidade de Instituição Nacional. (CARVALHO, 1977, p. 33). 4 A exposição permanente do Museu Nacional encontra-se, hoje, distribuída em 2 salas históricas, 13 salas relacionadas às Ciências Humanas, 2 salas de Paleontologia, 1 sala de Meteorítica, 13 salas de Zoologia. 5 Decreto ministerial n 667, de 16 de agosto de Cf. Regulamento da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal, constante do Decreto nº 346, de 16 de abril de 1890, Título II, p Cf. Regulamento da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal, constante do Decreto nº 346, de 16 de abril de 1890, Título II, p. 30 e Cf.Regulamento da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal, constante do Decreto nº 346, de 16 de abril de 1890, Título II, p O ginásio Nacional, anteriormente denominado Instituto Nacional de Instrução Secundária, hoje, Colégio Pedro II. 10 Cf. Revista Pedagógica. Tomo I, n. 1, 1890, p O Conselho Diretor da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal era composto pelos seguintes membros: o Inspetor Geral, Presidente; os dois Reitores do Ginásio Nacional; o diretor da Escola Normal; o diretor do Pedagogium; o diretor do Museu Nacional; um professor primário do 1º grau; um professor primário do 2º grau; um lente do Ginásio Nacional; dois lentes de curso superior, um da Escola de Medicina e outro da Escola Politécnica. Cf Revista Pedagógica, p Ao longo de sua história institucional o Museu Nacional, até 1937, esteve subordinado aos seguintes Ministérios: de 1818 a 1822 Ministério dos Negócios do Reino; 1822 a 1868 Ministério do Negócios

14 do Império; 1868 a 1890 Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas; 1890 a 1892 Ministério da Instrução Pública, Correios e Telégrafos; 1892 a 1909 Ministério da Justiça e Negócios Interiores; 1909 a 1930 Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio; 1930 a 1937 Ministério da Educação e Saúde Pública. (CARVALHO, op. cit., p.33) 13 Pela Constituição brasileira de 1891, art. 70, parágrafo 2º o analfabeto não tinha direito ao voto. 14 Cf Jorge Nagle destacaram-se nesses debates as Ligas Nacionalistas, tanto a Nacional como as estaduais, criadas na segunda década do século XX. (NAGLE, 2001, p. 136) 15 A Iª Conferência Nacional de Educação foi realizada em Curitiba, em dezembro de 1927 e a IIª, em Belo Horizonte, em novembro de Todas as três organizadas por iniciativa da Associação Brasileira de Educação (ABE), criada em Cf. relatório do Inspetor Geral da Instrução Pública, Correios e Telégrafos A-F Cf. Relatório do Inspetor Geral de Instrução Pública, Correios e Telegrafos A-F Recentemente, devido a preocupação com a preservação da memória e da história das instituições escolares e a educação, em geral, vêm sendo realizadas em Núcleos de Documentação e Centros de Memória institucional, a guarda e a manutenção de materiais, escritos ou não, produzidos e/ou utilizados nos estabelecimentos de ensino. 19 Felizmente, graças ao interesse por esses materiais nessa pesquisa, funcionários da Seção de Arquivo e Memória e da Biblioteca do Museu Nacional, têm empenhado esforços em procurar possíveis exemplares dessas coleções e mapas murais, em diferentes seções e setores da instituição. 20 Até hoje, o Setor de Assistência ao Ensino (SAE), do Museu Nacional faz empréstimo de coleções didáticas aos estabelecimentos de ensino que as solicitam, assim como de livros e boletins científicos. No entanto, a produção de coleções com fins didáticos e pedagógicos para serem distribuídos em estabelecimentos de ensino deixou de ser feita. 21 Cf. Relatórios de Diretores do Museu Nacional, anos de 1922 e Faltam ser localizados os mapas murais: Répteis e Batráquios e Peixes (Zoologia); Caule e Raiz (Botânica). 23 Faço referência ao Relatório da Sra. Bertha Lutz, intitulado A organização de gabinetes escolares de História Natural, de 1921, publicado no relatório do Sr. Bruno Lobo para o Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, em Referências bibliográficas: ABREU JUNIOR, L de M. Apontamentos para uma metodologia em cultura material Escolar. Pró-Posições. Revista Quadrimestral da Faculdade de Educação/ UNICAMP, Campinas, SP. V. 16, n.1 (46), jan/abr CARVALHO, J. C. de M. Museu Nacional. Boletim do Conselho Federal de Cultura, Brasília: MEC, jul/ago/set, COLÉGIO PEDRO II. Livro de Ofícios DIAS, C. da C. De Sertaneja a Folclórica, a trajetória das Coleções Regionais do Museu Nacional 1920 a Tese de Doutorado em História da Arte Estudos de Imagens da Representação Cultural. UFRJ, GINZBURG, C. Mitos, Emblemas e Sinais. Morfologia e História. S.P: Companhia das Letras, Olhos de Madeira: nove reflexões sobre a distância. S. P: Companhia das Letras, JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas: Editores Associados, 2001.

15 MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Ministro da Agricultura, Indústria e Comércio pelo professor Bruno Lobo. Ano de R.J. Imprensa Nacional, MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO. Relatório ao Exmo. Sr. Ministro da Agricultura, Indústria e Comércio pelo professor Bruno Lobo. Ano de R.J.Imprensa Nacional, MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO. Relatório ao Exmo. Sr. Ministro da Agricultura, Indústria e Comércio pelo professor Bruno Lobo. Ano de R.J. Imprensa Nacional, NAGLE, J. Educação e Sociedade na Primeira República. 2ª ed. R.J.: DP & A, REVISTA PEDAGÓGICA. Tomo I, nº 1, RELATÓRIO DO INSPETOR GERAL DE INSTRUÇÃO PÚBLICA, CORREIOS E TELEGRAFOS ROMANELLI, O. de O. História da Educação no Brasil ( ). 11ª ed. Petrópolis: Vozes, 1978.

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO Art.1º Este Regulamento define,

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA ROCHA, Elza dos Santos S. da (UNEMAT) elzassr@yahoo.com.br SANTOS, Leandra Ines Seganfredo (UNEMAT) leandraines@hotmail.com Sabemos que a água é indispensável

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA No âmbito de protocolo celebrado com a Fundação de Ciência e

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

PUC Minas Pró-Reitoria de Graduação. Orientações gerais para a realização de trabalho de campo e similares - das disciplinas da graduação

PUC Minas Pró-Reitoria de Graduação. Orientações gerais para a realização de trabalho de campo e similares - das disciplinas da graduação PUC Minas Pró-Reitoria de Graduação Orientações gerais para a realização de trabalho de campo e similares - das disciplinas da graduação Setembro de 2008 2 PUC Minas Pró-Reitoria de Graduação Orientações

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº Ano Data: Professor: Piero/ Thales Nota: (valor 2,0) 2º semestre a) Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades complementares que compõem o currículo pleno dos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Pedagogia LICENCIATURA

Pedagogia LICENCIATURA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Portaria de Reconhecimento nº. 286 de 21 de dezembro de 2012 ROTEIRO DE ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL Pedagogia LICENCIATURA CURSO

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 09/07/2007

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 09/07/2007 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 09/07/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Rede Brasileira de Ensino à Distância

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA Andréa Espinola de Siqueira; Ana Clara Frey de S. Thiago; Ana

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO V DO REGULAMENTO...

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com Resumo Historicamente o ensino da Matemática passou por diversas transformações e entre

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPITULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades e dos Objetivos Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso-TCC

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais