DIAGNÓSTICO DE MICOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA CIDADE DE PELOTAS-RS E REGIÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO DE MICOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA CIDADE DE PELOTAS-RS E REGIÃO"

Transcrição

1 Autor(es): DIAGNÓSTICO DE MICOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA CIDADE DE PELOTAS-RS E REGIÃO Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor : Instituição: SANTIN, Rosema; MEINERZ, Ana Raquel Mano; XAVIER, Melissa Orzechowski; LELLING, Juliana Sammario; MARTINS, Anelise Afonso; MADRID, Isabel Martins; CLEFF, Marlete Brum; MEIRELES, Mário Carlos Araújo; NASCENTE, Patrícia da Silva Rosema Santin Mário Carlos Araújo Meireles Tatiana de Ávila Antunes Renata Osório de Faria Universidade Federal de Pelotas DIAGNÓSTICO DE MICOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA CIDADE DE PELOTAS-RS E REGIÃO SANTIN, Rosema 1 ; MEINERZ, Ana Raquel Mano ; XAVIER, Melissa Orzechowski ; LELLING, Juliana Sammario 3 ; MARTINS, Anelise Afonso 1 ; MADRID, Isabel Martins 1 ; CLEFF, Marlete Brum ; MEIRELES, Mário Carlos Araújo 4 ; NASCENTE, Patrícia da Silva 1 1 Programa de Pós-Graduação em Veterinária - UFPel Programa de Pós-Graduação - UFRGS 3 Graduanda em Medicina Veterinária - UFPel 4 Professor Adjunto Departamento de Veterinária Preventiva - FV - UFPel Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Departamento de Veterinária Preventiva 1. INTRODUÇÃO Segundo a Organização Mundial da Saúde a população de cães e gatos no Brasil é cerca de e 1 milhões respectivamente, sendo este número cresce a cada ano. Este dado é de extrema importância em saúde pública. Dentre as mais de 1 mil espécies fúngicas, cerca de 1 são capazes de causar infecções em humanos e nos animais (Sidrim & Rocha, 4). As micoses representam um problema crescente na medicina humana principalmente devido às enfermidades imunossupressoras (Lacaz et al., ) e, são cada vez mais freqüentes os relatos na veterinária. No entanto, as infecções fúngicas ainda são confundidas com outras enfermidades que cursam com sinais clínicos semelhantes. Dentre as principais micoses diagnosticadas em pequenos animais destacamse a Malasseziose, Candidíase, Criptococose, Aspergilose, Esporotricose e Dermatofitose, estas duas últimas consideradas importantes zoonoses (Scott et al.,

2 1996). Tendo em vista esta realidade, desde novembro de 6 o Laboratório de Doenças Infecciosas (LDI), setor de Micologia desenvolve o projeto de extensão e pesquisa oferecendo diagnóstico micológico para clínicas de pequenos animais de Pelotas e região. O objetivo deste trabalho foi documentar o número de amostras recebidas e os diagnósticos realizados, em cães e gatos, pelo setor de micologia (LDI-FAVET-UFPel) em um período de 1 meses.. MATERIAL E MÉTODOS No período de 1 meses foram recebidas amostras como pêlos, crostas, tecidos e secreções que foram processadas conforme protocolo laboratorial descrito a seguir: Exame direto: realizado para verificar a presença de estruturas fúngicas de parasitismo, utilizando hidróxido de potássio (KOH) 1% ou esfregaço e coloração simples com cristal violeta ou Tinta da China. Isolamento fúngico: as amostras foram cultivadas em meios de cultura específicos, de acordo com a suspeita clínica, e incubadas a temperatura de 5 C e/ou 37 C, por um período de até três semanas com observação diária das placas. Identificação fúngica: foram avaliadas características macroscópicas, como coloração do anverso e reverso, topografia, textura e tempo de crescimento das colônias. Na análise microscópica foi utilizada coloração com lactofenol azul de algodão ou cristal violeta, e realização de microcultivo para melhor visualização de estruturas de frutificação e ornamentação fúngicas. Também foram realizados testes como, prova da urease, prova da catalase, assimilação de fontes nitrogenadas, assimilação de carboidratos, formação do tubo germinativo, prova da fenoloxidase entre outros, dependendo do gênero e espécie suspeita. Após diagnóstico micológico os resultados foram enviados aos clínicos de pequenos animais através de laudos técnicos. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Entre novembro de 6 e agosto de 7 foram recebidas 15 amostras, dentre as quais 84,7% (18) foram de cães e 15,3% (33) de gatos. As amostras positivas representaram 8,8% (6/15) do total de material enviado, sendo a malasseziose a micose de maior ocorrência. A malasseziose ótica correspondeu a 79% (49/6) das amostras positivas para a enfermidade e 1,6% (1/6) a malasseziose cutânea. Em seguida a dermatofitose com 11,3% (7/6), esporotricose com 3,% (/6), candidíase com 3,% (/6) e aspergilose com 1,6% (1/6). Os resultados das principais espécies fúngicas isoladas estão representados na Tabela 1. Tabela 1 Principais espécies fúngicas isoladas de cães e gatos, no período de 1 meses, no Laboratório de Micologia UFPel. M. Trichophyton S. M. C. A. Espécie canis sp schenckii pachydermatis albicans fumigatus

3 Canino Felino 4 1 Total As leveduras que fazem parte da microbiota tegumentar, auricular e da cavidade oral dos animais domésticos, como Malassezia pachydermatis e Candida sp. são importantes patógenos secundários, que na presença de qualquer desequilíbrio orgânico se multiplicam causando lesões cutâneas alopécicas, eritematosas e hiperpigmentadas (Rosa et al., 6). A alta ocorrência de malasseziose ótica foi semelhante à descrita por outros autores, sendo o fungo considerado como um dos principais agentes de otites em cães (Nobre et al., 1; Harvey et al., 4). As baixas freqüências de malasseziose e candidíase cutânea concordam com os dados disponíveis na literatura, pois estas infecções são oportunistas e geralmente surgem em função de um desequilíbrio de base (Nascente et al., 4). Neste estudo, dos seis casos de infecções dermatofíticas diagnosticados, um foi causado por Trichophyton sp. e os demais por Microsporum canis, sendo um destes relacionado à pseudomicetoma em gato persa, e outro com confirmação de transmissão zoonótica do felino para humano. Estudos confirmam a importância da dermatofitose, que é uma micose de grande ocorrência em animais e humanos, assim como a transmissão do fungo interespécies, sendo a infecção causada principalmente pelo M. canis em pequenos animas (Balda et al., 4; Martins et al., 6). O pseudomicetoma dermatofítico diagnosticado, já foi referido em felinos, homens e cães, e trata-se de uma rara infecção subcutânea na qual a reação granulomatosa envolve as hifas dermatofíticas, sendo que na maioria dos casos descritos, o agente etiológico é o M. canis (Black, 1). O isolamento de Sporothrix schenckii de duas amostras de caninos com lesões em cavidade e plano nasal é de extrema importância, pois desperta atenção dos veterinários para a ocorrência da micose nesta espécie. São escassos os relatos desta infecção em cães, sendo os felinos os mais acometidos, tanto que nos últimos anos, mais de 1 casos de esporotricose felina foram diagnosticados pelo laboratório de micologia, alguns com envolvimento zoonótico (Xavier et al., 4) CONCLUSÃO As infecções fúngicas são importantes na clínica médica humana e veterinária, sendo algumas delas zoonoses. A realização de exames laboratoriais é importante no estabelecimento do diagnóstico definitivo para auxiliar na escolha da conduta terapêutica adequada, além de ressaltar a necessidade do diagnóstico diferencial com as dermatopatias causadas por outros microrganismos, distúrbios endócrinos, neoplásicos e outros. Além disso, a infecção fúngica pode estar sinalizando problemas de base ou de estado de imunossupressão do animal. CNPq, CAPES e FAPERGS 4. AGRADECIMENTOS

4 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BALDA, A. L.; LARSSON, C. E.; OTSUKA, M.; GAMBALE, W. Estudo retrospectivo de casuística das dermatofitoses em cães e gatos atendidos no Serviço de Dermatologia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Acta Scientiae Veterinariae, v.3, n., p , 4. BLACK, S. S. Intra-abdominal dermatophytic pseudomycetoma in a persian cat. J Vet Intern Med, v.15, n.3, p.45-48, 1. HARVEY, R. G.; HARARI, J; DELAUCHE, A.J. Doenças de ouvido em cães e gatos. Rio de Janeiro: Revinter, p. 7, 4. LACAZ, C. S.; PORTO, E.; MARTINS, J. E. C. Tratado de Micologia Médica - Lacaz. 9.ed. São Paulo: Sarvier,. 114p. MARTINS, A. A.; MADRID, I. M.; MEINERZ, A. R. M.; ANTUNES, T. A.; XAVIER, M. O.; MATTEI, A. S.; SANTIN, R.; NOBRE, M. O.; MEIRELES, M. C. A. Microsporose felina com envolvimento zoonótico: Relato de Caso. In: XVII Congresso Estadual de Medicina Veterinária, 6, Gramado. XVII Congresso Estadual de Medicina Veterinária, 6. p. 19. NASCENTE, P. S.; NOBRE, M. O.; BAIALARDI, C. E.; CORRÊA, G. R.; CLEFF, M. B.; PINTO, J. C. P.; MEIRELES, M. C. A. Adenite Sebácea Granulomatosa em dois cães da raça Akita com dermatite por Malassezia pachydermatis e Staphylococcus intermedius. Ciência & tecnologia veterinária, Pelotas-RS, v. 1, n., p. 49-5,. NASCENTE, P. S.; NOBRE, M. O.; MEINERZ, A. R. M.; GOMES, F. R.; SOUZA, L. L.; MEIRELES, M. C. A. Ocorrência de Malassezia pachydermatis em cães e gatos. Revista Brasileira de Medicina Veterinária. Rio de Janeiro - RJ, v. 6, n., p. 79-8, 4. NOBRE, M. O.; CASTRO, A. P.; NASCENTE, P. S.; FERREIRO, L.; MEIRELES, M. C. A. Occurrence of Malassezia pachydermatis and other infections agents as cause of external otitis in dogs from Rio Grande do Sul State, Brazil ( ). Brazilian Journal of Microbiology, São Paulo - SP, v. 3, n. 3, p , 1. ROSA, C. S.; MARTINS, A. A.; SANTIN, R.; FARIA, R. O.; NOBRE, M. O.; MEIRELES, M. C. A. ; MADRID, I. M.; NASCENTE, P. S. Malassezia pachydermatis no tegumento cutâneo e meato acústico externo de felinos hígidos, otopatas e dermatopatas, no município de Pelotas, RS, Brasil. Acta Scientiae Veterinariae, v. 34, p , 6. SCOTT, D. W.; MILLER, W. H.; GRIFFIN, C. E. Dermatologia de Pequenos Animais, 5.ed., Rio de Janeiro: Interlivros, p SIDRIM, J.J.C., ROCHA, M.F.G. Micologia Médica à Luz de Autores Contemporâneos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. XAVIER, M. O.; NOBRE, M. O.; SAMPAIO JR, D. P.; ANTUNES, T. A.; NASCENTE, P. S.; SÓRIA, F. B. A.; MEIRELES, M. C. A. Esporotricose felina com envolvimento humano na cidade de Pelotas, RS, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria-RS, v. 34, n. 6, p , 4.

5

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: ANÁLISE DE RASPADOS CUTÂNEOS PARA DIAGNÓSTICO DE DERMATOFITOSES EM ANIMAIS ATENDIDOS PELO HOSPITAL VETERINÁRIO (UFRPE) AUTORES: R. F. C. VIEIRA; L. B. G. SILVA; M. L. FIGUEIREDO; R. A. MOTA; A.

Leia mais

DERMATOFITOSE POR MICROSPORUM GYPSEUM EM FELINO: RELATO DE CASO FELINE DERMATOPHYTOSIS BY MICROSPORUM GYPSEUM: CASE REPORT

DERMATOFITOSE POR MICROSPORUM GYPSEUM EM FELINO: RELATO DE CASO FELINE DERMATOPHYTOSIS BY MICROSPORUM GYPSEUM: CASE REPORT DERMATOFITOSE POR MICROSPORUM GYPSEUM EM FELINO: RELATO DE CASO FELINE DERMATOPHYTOSIS BY MICROSPORUM GYPSEUM: CASE REPORT BALDINI, M.C. 1 ; MOREIRA, K.C. 2 ; FERRARIAS, T.M. 3 ; ROSSI, F.Z. 4 ; BENTUBO,

Leia mais

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 1 - Graduanda em Medicina Veterinária pelo Centro Universitário de Rio Preto UNIRP

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS EM CÃES COM OTITE EXTERNA

SUSCEPTIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS EM CÃES COM OTITE EXTERNA ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 SUSCEPTIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS EM CÃES COM OTITE EXTERNA Veruska

Leia mais

ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3. Introdução

ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3. Introdução ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3 Resumo: A esporotricose trata-se de uma zoonose causada pelo fungo saprófita dimórfico

Leia mais

SAÚDE E BEM ESTAR HUMANO E ANIMAL: AÇÕES EM COMUNIDADES CARENTES COMBATENDO A DESIGUALDADE SOCIAL

SAÚDE E BEM ESTAR HUMANO E ANIMAL: AÇÕES EM COMUNIDADES CARENTES COMBATENDO A DESIGUALDADE SOCIAL SAÚDE E BEM ESTAR HUMANO E ANIMAL: AÇÕES EM COMUNIDADES CARENTES COMBATENDO A DESIGUALDADE SOCIAL Área Temática: Saúde Marlete Brum Cleff 1 Tassiane Brasil de Moraes 2 Gabriela de Almeida Capella 2 Débora

Leia mais

Instituto de Biociências IBB. Departamento de Microbiologia e Imunologia. Curso de Biomedicina. Disciplina de Microbiologia Médica.

Instituto de Biociências IBB. Departamento de Microbiologia e Imunologia. Curso de Biomedicina. Disciplina de Microbiologia Médica. 1 Instituto de Biociências IBB Departamento de Microbiologia e Imunologia Curso de Biomedicina Disciplina de Microbiologia Médica Aluno (a): Botucatu 2012 2 ASPECTOS GERAIS DA CARACTERIZAÇÃO MACROSCÓPICA

Leia mais

DERMATITE POR MALASSEZIA SP. EM UM CÃO RELACIONADA COM O ESTRESSE: RELATO DE CASO

DERMATITE POR MALASSEZIA SP. EM UM CÃO RELACIONADA COM O ESTRESSE: RELATO DE CASO DERMATITE POR MALASSEZIA SP. EM UM CÃO RELACIONADA COM O ESTRESSE: RELATO DE CASO FERREIRA, Manoela Maria Gomes AVANTE, Michelle Lopes ROSA, Bruna Regina Teixeira da MARTIN, Irana Silva FILHO, Darcio Zangirolami

Leia mais

FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO.

FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO. FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO. Jyan Lucas Benevenute (PAIC- Fundação Araucária/UNICENTRO),

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE Malassezia sp EM OUVIDOS DE CÃES E SUA CORRELAÇÃO CLÍNICA

DIAGNÓSTICO DE Malassezia sp EM OUVIDOS DE CÃES E SUA CORRELAÇÃO CLÍNICA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 09, n. 09, p. 48 55 DIAGNÓSTICO DE Malassezia sp EM OUVIDOS DE CÃES E SUA CORRELAÇÃO CLÍNICA BAPTISTA, T.C.C 1 ; REIS, C.R 2 ; TEIXEIRA, D.R 1 ; MOURA, M.

Leia mais

São causadas por fungos filamentosos, queratinofílicos e queratinolíticos pertencentes aos gêneros Microsporum, Trichophyton e Epidermophyton.

São causadas por fungos filamentosos, queratinofílicos e queratinolíticos pertencentes aos gêneros Microsporum, Trichophyton e Epidermophyton. Dermatofitose DERMATOFITOSE Nomes populares Dermatomicose, Tinea, Tinha, Ringworm. Agente causador São causadas por fungos filamentosos, queratinofílicos e queratinolíticos pertencentes aos gêneros Microsporum,

Leia mais

A esporotricose é uma micose zoonótica de evolução subaguda a. O ambiente é considerado a fonte de infecção para animais e humanos,

A esporotricose é uma micose zoonótica de evolução subaguda a. O ambiente é considerado a fonte de infecção para animais e humanos, 1 O que é? A esporotricose é uma micose zoonótica de evolução subaguda a crônica, causada por fungos do complexo Sporothrix schenckii que afetam principalmente a pele de animais e humanos. Sobre o fungo

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE]

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE] D [DERMATOFITOSE] 2 A Dermatofitose é uma micose que acomete as camadas superficiais da pele e é causada pelos fungos dermatófitos: Microsporum canis, Microsporum gypseum e Trichophyton mentagrophytes.

Leia mais

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES Anais da Academia de Ciências e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2008: 1(1): FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES FERNANDA CRISTOVÂO CATTÂNEO Resumo. As micoses superficiais de pele são

Leia mais

Luciana de Souza Prestes Curriculum Vitae

Luciana de Souza Prestes Curriculum Vitae Luciana de Souza Prestes Curriculum Vitae Março/2014 Luciana de Souza Prestes Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Luciana de Souza Prestes Nome em citações bibliográficas PRESTES, L S Sexo Feminino Filiação

Leia mais

Envolvimento Zoonótico com Sporothrix schenckii:

Envolvimento Zoonótico com Sporothrix schenckii: Vanessa Behling Azambuja Envolvimento Zoonótico com Sporothrix schenckii: relato de caso Porto Alegre/RS 2013 Vanessa Behling Azambuja Envolvimento Zoonótico com Sporothrix schenckii: relato de caso Monografia

Leia mais

Eficácia da terapia antifúngica na esporotricose felina:

Eficácia da terapia antifúngica na esporotricose felina: Patricia Bezerra Acosta Eficácia da terapia antifúngica na esporotricose felina: relato de casos Porto Alegre / RS 2013 Patricia Bezerra Acosta Eficácia da terapia antifúngica na esporotricose felina:

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Profa. Dra. Paula A. S. Bastos

MICROBIOLOGIA. Profa. Dra. Paula A. S. Bastos MICROBIOLOGIA Profa. Dra. Paula A. S. Bastos MICROBIOLOGIA Ementa O curso de Microbiologia destina-se ao auxílio do conhecimento básico e aplicado, colaborando na formação acadêmica e profissional do futuro

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS PARA EXAME MICOLÓGICO 2ª

PROCEDIMENTOS DE COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS PARA EXAME MICOLÓGICO 2ª Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Departamento de Veterinária Preventiva PROCEDIMENTOS DE COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS PARA EXAME MICOLÓGICO 2ª edição Pelotas, 2011 AUTORES/EDITORES

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ CRISTIANE PERSEL

FACULDADE ASSIS GURGACZ CRISTIANE PERSEL FACULDADE ASSIS GURGACZ CRISTIANE PERSEL ATIVIDADE HEMOLÍTICA DE CANDIDA ALBICANS ISOLADA DE DIFERENTES AMOSTRAS CLÍNICAS DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE CASCAVEL, PARANÁ CASCAVEL 2011

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador:

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador: BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos Importador: 1 As Dermatofitoses são micoses superficiais nas quais a infecção fungica afeta as camadas

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Prova Teórica - Seleção de Residência em Medicina Veterinária-25/01/2014 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Prova Teórica - Seleção de Residência em Medicina Veterinária-25/01/2014 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Comissão de Residência Multiprofissional Instituto de Veterinária / Hospital Veterinário Programas de Residência

Leia mais

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA: MITOS E VERDADES

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA: MITOS E VERDADES 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CASTRAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS ESPOROTRICOSE DIAGNÓSTICO Síntia Santana de Cássia Marques Pinto da

Leia mais

DERMATOSES FÚNGICAS EM INDIVÍDUOS PORTADORES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA DO MUNICÍPIO DE ERECHIM/RS

DERMATOSES FÚNGICAS EM INDIVÍDUOS PORTADORES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA DO MUNICÍPIO DE ERECHIM/RS DERMATOSES FÚNGICAS EM INDIVÍDUOS PORTADORES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA DO MUNICÍPIO DE ERECHIM/RS DERMATOSES FÚNGICAS EM INDIVÍDUOS PORTADORES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA DO MUNICÍPIO

Leia mais

Microbiota fúngica de felídeos silvestres hígidos encaminhados a centros de triagem no Rio Grando do Sul e Mato Grosso do Sul

Microbiota fúngica de felídeos silvestres hígidos encaminhados a centros de triagem no Rio Grando do Sul e Mato Grosso do Sul Trabalho de Pesquisa Microbiota fúngica de felídeos silvestres hígidos encaminhados a centros de triagem no Rio Grando do Sul e Mato Microbiota wild cats healthy sent to center screening in Rio Grande

Leia mais

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral OTITE EXTERNA

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral OTITE EXTERNA OTITE EXTERNA LINZMEIER, Geise Lissiane ENDO, Rosilaine Mieko ge_linzmeier@hotmail.com Acadêmicas da Faculdade de Medicina Veterinária e zootecnia da FAMED LOT, Rômulo Francis Estangari e-mail: romulovet@yahoo.com.br

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ESPOROTRICOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

OCORRÊNCIA DE ESPOROTRICOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA OCORRÊNCIA DE ESPOROTRICOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Camila Santos Anseloni Cruz 1 e Maurício Lamano Ferreira 1 1 Uninove, Av. Adolfo Pinto, 109, Barra Funda, 01156-050, São Paulo,

Leia mais

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Raniê Ralph Microbiologia Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos

Raniê Ralph Microbiologia Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos Seres heterotróficos, constituídos por células eucarióticas, não fotossintetizantes e que

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OTITE EXTERNA CERUMINOSA E EVOLUÇÃO CLÍNICA FRENTE A DUAS FORMAS DE TRATAMENTO

AVALIAÇÃO DA OTITE EXTERNA CERUMINOSA E EVOLUÇÃO CLÍNICA FRENTE A DUAS FORMAS DE TRATAMENTO AVALIAÇÃO DA OTITE EXTERNA CERUMINOSA E EVOLUÇÃO CLÍNICA FRENTE A DUAS FORMAS DE TRATAMENTO GUIOT, Êmille Gedoz 1 ; MUELLER, Eduardo Negri 2 ; BERGMANN, Lucimara Konflanz 3 ; SILVA, Patrícia Lisiane Santos

Leia mais

Rafael Borges de Paula

Rafael Borges de Paula UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA EM PEQUENOS ANIMAIS ESPOROTRICOSE CANINA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS 80 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Marília Dutra Girão ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS, FENOTIPAGEM

Leia mais

Candidíase: Revisão de Literatura

Candidíase: Revisão de Literatura Candidíase: Revisão de Literatura SOUBHIA, Camila Bueno SAITO, Angela Satiko NAKASATO, Fernanda Hatsue GARCIA, Marcelo Manfrin Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça FAEF/FAMED PEREIRA,

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI TÍTULO: PERFIL HEMATOLÓGICO E PARASITOLÓGICO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS COM SUSPEITA DE INFECÇÃO POR PARASITOS ( HEMOPARASITOS E ENDOPARASITOS) COM POTENCIAL ZOONÓTICO ATENDIDOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA FACULDADE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Mossoró/RN no período de a 8. PUBVET, Londrina, V., N., Ed. 8, Art.,. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Análise dos casos de leishmaniose visceral humana residentes em Mossoró/RN

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DE OTITE EM CÃO: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DE OTITE EM CÃO: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DE OTITE EM CÃO: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM COSTA 1, Jackeline de Sousa, BERTOLINO 1, Jessica Fernanda, ALVES 2, Luciano Marra, OLIVEIRA 3, Helton Freires, BRAGA 4,

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

PRINCIPAIS AGENTES ETIOLÓGICOS CAUSADORES DE MICOSES CUTÂNEAS EM EQUINOS

PRINCIPAIS AGENTES ETIOLÓGICOS CAUSADORES DE MICOSES CUTÂNEAS EM EQUINOS PRINCIPAIS AGENTES ETIOLÓGICOS CAUSADORES DE MICOSES CUTÂNEAS EM EQUINOS MACHADO, Juliane de Abreu Campos ROCHA, Jessé Ribeiro SANTOS, Luana Maria OLIVEIRA, Amanda Claudia de ANTÔNIO, Nayara Silva CANESIN,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS MARILENA RIBEIRO DO PRADO ISOLAMENTO DE Microsporum canis,

Leia mais

Como fazer um pôster. Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo

Como fazer um pôster. Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo Como fazer um pôster Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo Função Introdução Sintetizar as informações e dados relevantes da pesquisa. Elementos Textos Dados Tabelas, gráficos,

Leia mais

EDUARDO ALCÂNTARA RIBEIRO. FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM GATOS (Felis catus) INFECTADOS E NÃO INFECTADOS PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA FELINA

EDUARDO ALCÂNTARA RIBEIRO. FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM GATOS (Felis catus) INFECTADOS E NÃO INFECTADOS PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA FELINA EDUARDO ALCÂNTARA RIBEIRO FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM GATOS (Felis catus) INFECTADOS E NÃO INFECTADOS PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA FELINA EDUARDO ALCÂNTARA RIBEIRO FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS

Leia mais

Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral PITIOSE EM EQÜINOS. LÉO, Vivian Fazolaro DABUS, Daniela Marques Maciel

Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral PITIOSE EM EQÜINOS. LÉO, Vivian Fazolaro DABUS, Daniela Marques Maciel PITIOSE EM EQÜINOS LÉO, Vivian Fazolaro DABUS, Daniela Marques Maciel Graduandas da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED danidabus@hotmail.com LOT, Rômulo Francis Estangari PICCININ, Adriana

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS LÚCIO JACKSON QUEIROZ CHAVES DERMATOMICOSES EM CÃES E

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CELULITE JUVENIL EM UM CANINO DA RAÇA BASSET HOUND - RELATO DE CASO Carolina Oliveira Araujo

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X

Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X Archives of Veterinary Science ISSN 1517-784X v.18, n.1, p.1-8, 2013 www.ser.ufpr.br/veterinary ISOLAMENTO DE DERMATÓFITOS DO PELO DE CÃES E GATOS PERTENCENTES A PROPRIETÁRIOS COM DIAGNÓSTICO DE DERMATOFITOSE

Leia mais

Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf

Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf PÓS GRADUAÇÃO - LATO SENSU Público Alvo: Médicos Veterinários 33 alunos 4 gauchos 3 paranaenses 1 potiguar 1 goiana 1 carioca Diferencial Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA PROJETO DE PESQUISA Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária - Doutorado

Leia mais

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Objetivos Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Leia mais

Acta Scientiae Veterinariae. 32(2): 133-140, 2004. SHORT COMMUNICATION Pub. 590

Acta Scientiae Veterinariae. 32(2): 133-140, 2004. SHORT COMMUNICATION Pub. 590 Acta Scientiae Veterinariae. 32(2): 133-140, 2004. SHORT COMMUNICATION Pub. 590 ISSN 1679-9216 Estudo retrospectivo de casuística das dermatofitoses em cães e gatos atendidos no Serviço de Dermatologia

Leia mais

Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso

Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso Júllio da Costa Batista Parente I ; Bruna Pinto Coutinho II

Leia mais

Study of fungical conjunctival microbiota of students from the Health Sciences area of the Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA.

Study of fungical conjunctival microbiota of students from the Health Sciences area of the Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA. Study of fungical conjunctival microbiota of students from the Health Sciences area of the Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA. Aurilio Garcia 1 Jobson Bortot 1 Marco Antônio Ferraz 1 Lívia

Leia mais

INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DERMATOLOGIA VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ADRIANA RORIZ SILVA DE CASTRO

INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DERMATOLOGIA VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ADRIANA RORIZ SILVA DE CASTRO INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DERMATOLOGIA VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ADRIANA RORIZ SILVA DE CASTRO OTITE ALÉRGICA EM CÃES E GATOS FLORIANÓPOLIS 2012 1 ADRIANA RORIZ

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA DISCIPLINA: MICROBIOLOGIA CARGA HORÁRIA: 150 HORAS CRÉDITOS: 07 CÓDIGO: SMP0002 PROFESSOR: CARMEN SARAMAGO

Leia mais

EFEITO AUXILIAR DO CERUMINOLÍTICO NA TERAPIA TÓPICA DE CÃES (Canis lupus familiaris) COM OTITE EXTERNA CERUMINOSA

EFEITO AUXILIAR DO CERUMINOLÍTICO NA TERAPIA TÓPICA DE CÃES (Canis lupus familiaris) COM OTITE EXTERNA CERUMINOSA DOI: 10.5216/cab.v14i1.9965 MEDICINA VETERINÁRIA EFEITO AUXILIAR DO CERUMINOLÍTICO NA TERAPIA TÓPICA DE CÃES (Canis lupus familiaris) COM OTITE EXTERNA CERUMINOSA EDUARDO NEGRI MUELLER 1, ÊMILLE GEDOZ

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU ASPECTOS ANTROPOZOONÓTICOS DA ESPOROTRICOSE FELINA Vivian Gonçalves Pires Rio de Janeiro, jan. 2012 VIVIAN GONÇALVES PIRES ASPECTOS

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM UNHAS DE IDOSOS DE UM ASILO NA CIDADE DE FRANCA-SP

INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM UNHAS DE IDOSOS DE UM ASILO NA CIDADE DE FRANCA-SP ORIGINAL INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM UNHAS DE IDOSOS DE UM ASILO NA CIDADE DE FRANCA-SP INCIDENCE OF FUNGI ON THE NAILS OF ELDERLY RESIDENTS IN A NURSING HOME IN THE CITY OF FRANCA- SP Karine Cardoso dos Santos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DE MICOSES SUPERFICIAIS EM IDOSOS RESIDENTES EM ENTIDADE BENEFICENTE NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DE MICOSES SUPERFICIAIS EM IDOSOS RESIDENTES EM ENTIDADE BENEFICENTE NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI-CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA BIOQUÍMICA CLÍNICA ANANDA POLO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DE MICOSES

Leia mais

Percepções de estudantes de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro relacionadas à biossegurança e esporotricose

Percepções de estudantes de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro relacionadas à biossegurança e esporotricose ARTIGO ORIGINAL Percepções de estudantes de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro relacionadas à biossegurança e esporotricose Perceptions of veterinary students from Rio de Janeiro related to biosafety

Leia mais

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco MEIOS DE CULTURA Como preparar Meios comerciais devem ser hidratados Primeiramente devem ser pesados Tansferir para um frasco Hidratar em pequena quantidade e misturar Depois deve-se acrescentar o restante

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: dermatofitose, carreadores assintomáticos, gatos, zoonose.

RESUMO. Palavras-chaves: dermatofitose, carreadores assintomáticos, gatos, zoonose. 306 AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CARREADOR ASSINTOMÁTICO DE FUNGOS DERMATOFÍTICOS EM FELINOS (Felis catus LINNAEUS, 1793) DESTINADOS À DOAÇÃO EM CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES E SOCIEDADES PROTETORAS DE ANIMAIS

Leia mais

Cetoconazol. Prati-Donaduzzi Creme dermatológico 20 mg/g. Cetoconazol_bula_profissional

Cetoconazol. Prati-Donaduzzi Creme dermatológico 20 mg/g. Cetoconazol_bula_profissional Cetoconazol Prati-Donaduzzi Creme dermatológico 20 mg/g Cetoconazol_bula_profissional INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE cetoconazol Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará Carolina Sidrim de Paula Cavalcante

Universidade Estadual do Ceará Carolina Sidrim de Paula Cavalcante Universidade Estadual do Ceará Carolina Sidrim de Paula Cavalcante CARACTERIZAÇÃO DAS DERMATOFITOSES CANINA E FELINA E MANUTENÇÃO DE CEPAS DERMATOFÍTICAS IN VITRO Fortaleza-Ceará 2006 Universidade Estadual

Leia mais

HYPHOMYCETES DO MANGUEZAL DO CANAL DE SANTA CRUZ, ITAPISSUMA - PE

HYPHOMYCETES DO MANGUEZAL DO CANAL DE SANTA CRUZ, ITAPISSUMA - PE HYPHOMYCETES DO MANGUEZAL DO CANAL DE SANTA CRUZ, ITAPISSUMA - PE Fraccanabbia, M. R. (1) ; Correia. J. M. M. (1) ; Neves, R. O. (1) ; Santos, I. P. (2) ; Lima, V. H. M. (2) ; Lima, V. L. M. (2) ; Cavalcanti,

Leia mais

Problemas primaveris: as alergias

Problemas primaveris: as alergias Espécies 2 Abr 2007 Xeon 24/04/07 18:09 Page 18 18 Problemas primaveris: as alergias Pilar Brazis Glòria Pol Anna Puigdemont UNIVET Serviço de Diagnóstico Veterinário Edificio M. Medicina Parque Científico

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO.

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: ASSISTENTE DE PESQUISA Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE VAGAS POR ÁREA PERFIL 212 Antropologia 2

Leia mais

Acta Scientiae Veterinariae. 34(2): , ORIGINAL ARTICLE Pub. 664

Acta Scientiae Veterinariae. 34(2): , ORIGINAL ARTICLE Pub. 664 Acta Scientiae Veterinariae. 34(2): 143-147, 2006. ORIGINAL ARTICLE Pub. 664 ISSN 1678-0345 (Print) ISSN 1679-9216 (Online) Malassezia pachydermatis no tegumento cutâneo e meato acústico externo de felinos

Leia mais

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva POP: M 13 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Cultura de secreção vaginal, cultura de conteúdo vaginal, cultura de secreção uretral, cultura de endocervical, cultura de lesão genital, pesquisa de Haemophilus ducreyi,

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR ORGANOFOSFORADO EM CÃO RELATO DE CASO

INTOXICAÇÃO POR ORGANOFOSFORADO EM CÃO RELATO DE CASO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO III, NÚMERO, 07, JUNHO DE 2006. PERIODICIDADE:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE HEMOGRAMA DE CÃES COM ALTERAÇÕES NO SISTEMA TEGUMENTAR (ESTUDO RETROSPECTIVO: MARÇO Á JULHO DE 2007)

AVALIAÇÃO DE HEMOGRAMA DE CÃES COM ALTERAÇÕES NO SISTEMA TEGUMENTAR (ESTUDO RETROSPECTIVO: MARÇO Á JULHO DE 2007) AVALIAÇÃO DE HEMOGRAMA DE CÃES COM ALTERAÇÕES NO SISTEMA TEGUMENTAR (ESTUDO RETROSPECTIVO: MARÇO Á JULHO DE 2007) Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SOARES, Nidele

Leia mais

PREVALÊNCIA DE ENDOPARASITAS EM CÃES (Canis lupus familiaris) ERRANTES DO MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO, PARANÁ

PREVALÊNCIA DE ENDOPARASITAS EM CÃES (Canis lupus familiaris) ERRANTES DO MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO, PARANÁ 1 PREVALÊNCIA DE ENDOPARASITAS EM CÃES (Canis lupus familiaris) ERRANTES DO MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO, PARANÁ ALAN DOS ANJOS¹, JÉSSICA ZULATTO PEREIRA DOS ANJOS¹, LEOPOLDO MALCORRA DE ALMEIDA 1, SURYA MARTINS

Leia mais

ÁREAS DE ESTÁGIO. O aluno poderá dar maior ênfase a uma determinada opção, dentro da área ou entre áreas, COM MÁXIMO DE 40% DA CARGA HORÁRIA.

ÁREAS DE ESTÁGIO. O aluno poderá dar maior ênfase a uma determinada opção, dentro da área ou entre áreas, COM MÁXIMO DE 40% DA CARGA HORÁRIA. FACULDADE DE VETERINÁRIA COORDENAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM MEDICINA VETERINÁRIA ÁREAS DE ESTÁGIO OBSERVAÇÕES GERAIS O aluno poderá dar maior

Leia mais

Doenças Associadas aos Morcegos e ao Meio Ambiente. cbgitti@ufrrj.br cbgitti@yahoo.com.br

Doenças Associadas aos Morcegos e ao Meio Ambiente. cbgitti@ufrrj.br cbgitti@yahoo.com.br Doenças Associadas aos Morcegos e ao Meio Ambiente cbgitti@ufrrj.br cbgitti@yahoo.com.br Número de mordeduras por animal Ambiente Insalubre DOENÇAS VIRAIS 28 TIPOS DE VÍRUS V JÁJ REGISTRADOS EM MORCEGOS.

Leia mais

1: Graduando do curso de medicina da FMU São Paulo, SP. Autor do trabalho.

1: Graduando do curso de medicina da FMU São Paulo, SP. Autor do trabalho. Autores: Thiago de Moraes Cavalcante 1, Carlos Augusto Donini 2 1: Graduando do curso de medicina da FMU São Paulo, SP. Autor do trabalho. 2: Mestre em saúde pública pela FSP/USP e Doutor em saúde pública

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária Dissertação Fungos e micoses em animais silvestres recebidos por Centros de Triagem Ana Paula Neuschrank Albano Pelotas, 2009

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág.

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. Componente Curricular: MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Código: ENF - 104 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico Versão: 01 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes Biomédico 01/10/2009 Gerente da Qualidade Biomédico 20/10/2009 Dr. Jose Carlos

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 HIPERPLASIA MAMÁRIA FELINA: CASOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DE UBERABA DE 2005 A 1015 DEBORAH VIEIRA DE SOUSA ROSIM 1, ENDRIGO GABELLINI LEONEL ALVES 1, IAN MARTIN 1 ; LARYSSA COSTA REZENDE 1

Leia mais

Coleta e remessa de amostras

Coleta e remessa de amostras Isolamento viral- cultivo celular Coleta e remessa de amostras Diagnóstico Tecidos refrigerados Raiva, RS Méd. Vet. José Carlos Ferreira CRMV-RS Laboratório de Virologia Instituto de Pesquisas Veterinárias

Leia mais

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Curso: Biomedicina 1º. Semestre: DISCIPLINA: Anatomia Humana I SUPERINTEDÊNCIA B108508 04 1º 80 Estruturas anatômicas. Posição anatômica: planos, eixos e conceitos. Estruturas aplicadas às situações em

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Otite externa

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Otite externa PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Otite externa Fabrieli Tatiane Lusa 1 e Rodrigo Vieira do Amaral 2 1 Médica Veterinária, pós-graduanda em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Posatex, gotas auriculares, suspensão, para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substâncias ativas: Orbifloxacina

Leia mais

3. Departamento de Veterinária Preventiva Doenças Infecciosas Setor de Micologia

3. Departamento de Veterinária Preventiva Doenças Infecciosas Setor de Micologia Candidíase cutânea em Cebus apella (macaco-prego) 791 Candidíase cutânea em cebus apella (macaco-prego) Marlete Brum Cleff, Mauro Pereira Soares, Isabel Martins Madrid, Ana Raquel Mano Mein e r z, Me l

Leia mais

Medicina Veterinária. BIO 3408-03S-20 - Citologia, Histologia e Embriologia II 60 - - 060

Medicina Veterinária. BIO 3408-03S-20 - Citologia, Histologia e Embriologia II 60 - - 060 Página 0001 de 0004 1º Período Não VET 3177-04S-20 - Anatomia Veterinária I 80 - - 080 6487-02S-20 - Bem-Estar Animal 20 20-040 BIO 0167-02S-20 - Bioestatística 40 - - 040 FAR 0534-04S-20 - Bioquímica

Leia mais

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Introdução As clostridioses são consideradas as maiores causas de mortes em bovinos no Brasil, seguidas das intoxicações causadas por plantas tóxicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM ANÁLISES CLÍNICAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM ANÁLISES CLÍNICAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM ANÁLISES CLÍNICAS VETERINÁRIAS DIAGNÓSTICO DE DERMATOFITOSE EM PEQUENOS ANIMAIS: UM ESTUDO RETROSPECTIVO NA REGIÃO SUL

Leia mais