VALIDAÇÃO METROLÓGICA DA REDE DE CARIMBO DE TEMPO E DA REDE DE SINCRONISMO CERTIFICADO À HORA LEGAL BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALIDAÇÃO METROLÓGICA DA REDE DE CARIMBO DE TEMPO E DA REDE DE SINCRONISMO CERTIFICADO À HORA LEGAL BRASILEIRA"

Transcrição

1 NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E COORDENAÇÃO DO PONTO BR VALIDAÇÃO METROLÓGICA DA REDE DE CARIMBO DE TEMPO E DA REDE DE SINCRONISMO CERTIFICADO À HORA LEGAL BRASILEIRA Mário Noto Fittipaldi, MCT - Observatório Nacional Chefe do Serviço de Geração e Disseminação

2 O Observatório Nacional foi criado em 15 de Outubro 1827 pelo Imperator D. Pedro I

3 PRINCIPAIS OBJETIVOS DO ON NO CUMPRIMENTO DE SUA MISSÃO Desenvolver pesquisas científicas nas áreas de Astronomia, Astrofísica e Geofísica, medindo e armazenando grandezas físicas, acompanhando as suas aplicações e atuando como um pólo nacional de pós-doutoramento e de formação de pesquisadores por intermédio de seus programas de mestrado e doutorado, em estreita ligação com universidades públicas, recebendo alunos de todo o Brasil e do exterior; Desenvolver, manter e operar equipamentos e instrumentos de medidas astronômicas, geofísicas e metrológicas em áreas de sua competência; Ser o laboratório primário de tempo, frequência e em grandezas de uso geofísicas, gerar a Hora Legal Brasileira e seu sincronismo em tempo real e executar pesquisas e serviços tecnológicos nesses campos.

4 O Observatório Nacional possui duas ramificações, a científica e a tecnológica. A ramificação científica consiste de três áreas: Astronomia, Geofísica e a Metrologia de Tempo e Frequência. A ramificação tecnológica são os serviços e atividades: - calibrações em tempo e frequência; - disseminação do tempo e da frequência; - desenvolvimento de equipamentos e instrumentos para tempo e frequência; - calibrações magnéticas e gravimétricas.

5 A Divisão Serviço da Hora do Observatório Nacional (DSHO) mantém o padrão para intervalo de tempo e frequência para o Brasil, gerando, conservando e disseminando a Hora Legal Brasileira (HLB) de acordo com a legislação brasileira. Como Instituto Designado pelo INMETRO, o ON/DSHO está com a responsabilidade da Padronização de Referência Metrológica do Brasil no campo da metrologia de tempo e frequência, em apoio à missão do INMETRO.

6 METROLOGIA DE TEMPO E FREQUÊNCIA DISSEMINAÇÃO TEMPO & FREQUÊNCIA GERAÇÃO CONSERVAÇÃO

7 O que é Metrologia? O Vocabulário Internacional de Metrologia(VIM) define: Metrologia é a Ciência da Medição Rastreabilidade: Propriedade do resultado de Rastreabilidade: Propriedade do resultado de uma medição ou do valor de um padrão estar relacionado a referências estabelecidas, geralmente a padrões nacionais ou internacionais, através de uma cadeia contínua de comparações, tendo todas as incertezas estabelecidas.

8 REINSTALAÇÃO DA DIVISÃO SERVIÇO DA HORA No final de 2005, a construção do prédio de 1600m 2 para a DSHO foi concluído. De 2006 até 2007 todos os equipamentos foram transferidos para o novo prédio. Salas dedicadas a cada uma das atividades.

9 Novo prédio da DSHO

10

11 Sala de Geração e Disseminação

12 Sala de Geração e Disseminação

13 Sala da Rede

14 Sala de Desenvolvimento e Manutenção

15 Sala 1 Sala 2 Sala de Padrões

16 Sala 3 Sala 3 Sala de Padrões

17 Symmetricom MHM 2010 Active Hydrogen Maser O femtossegundo está para um segundo como um segundo está para 32 milhões de anos.

18 Sala de Calibração

19 Padrão em Calibração

20 Sala da Escala de Tempo Atômico e Rastreabilidade

21 Equipamentos para a Geração do UTC(ONRJ)

22 Receptor GPS para Rastreabilidade ao BIPM

23 Rastreabilidade a Rede de Tempo e Frequência do Sistema Interamericano de Metrologia

24 ACRÉSCIMO DE RELÓGIOS ATÔMICOS De 2006 até 2009 o número de relógios atômicos de césio em operação contínua passou de 4 para 9. Um grupo de 6 relógios atômicos são mantidos nas instalações da DSHO e fazem parte da TA(ONRJ). Três relógios atômicos são mantidos em ambientes seguros fora da DSHO. No STF em Brasília, no NIC em São Paulo, e na global Crossing no Rio de Janeiro.

25 DESEMPENHO DOS RELÓGIOS EM OPERAÇÃO NA DIVISÃO SERVIÇO DA HORA Quando três ou mais relógios são intercomparados é possível estimar o desvio de Allan individual dos relógios através de: i m = s ij 2 1 σ m 2 j = 1 s 2 B B = m 1 1 m i < j s 2 ij

26 Fig. 1. Estimativa da Instabilidade individual dos Relógios

27 A ESCALA DE TEMPO ATÔMICO BRASILEIRA Desde junho de 2006, os dados de intercomparação de todos os relógios atômicos da DSHO passaram a ser enviados ao BIPM. O cálculo da Escala de Tempo Atômico Brasileira, TA(ONRJ) passou também a ser enviado ao BIPM. Sendo os resultados publicados na Circular T.

28 A ESCALA DE TEMPO ATÔMICO BRASILEIRA O estabelecimento de uma escala de tempo atômico independente a partir de um conjunto de relógios atômicos, vem sendo realizada há vários anos pelos mais diversos laboratórios primários de tempo e freqüência ao redor do mundo. O objetivo é a obtenção de uma escala de tempo com maior estabilidade, confiabilidade e uniformidade no seu tempo do que a escala de tempo realizada através de um único relógio atômico. Os laboratórios estabelecem as escalas de tempo através de algoritmos que processam as medidas de intercomparação de um conjunto de relógios atômicos, fornecendo como resultado uma escala de tempo média.

29 A ESCALA DE TEMPO ATÔMICO BRASILEIRA Desde 1992 um esforço vem sendo realizado para o desenvolvimento de um sistema para gerar a escala de tempo atômico brasileira tendo como base um conjunto de relógios atômicos. Resultados foram apresentados ao longo deste período e a partir de junho de 2006 o cálculo da escala de tempo atômico brasileira passou a ser enviado ao BIPM, recebendo a denominação na Circular T de TA(ONRJ). A TA(ONRJ) é uma escala calculada de forma independente, numa metodologia que possibilita implementar o UTC(ONRJ) em tempo real.

30

31

32

33 A HORA LEGAL BRASILEIRA (HLB) Ao nível internacional a rastreabilidade dos padrões nacionais e da HLB é estabelecida com BIPM. A HLB também é intercomparada em tempo real por meio do SIM acessível via enlace onde o Laboratório Primário de Tempo e Frequência (LPTF) é identificado pela sigla ONRJ. A operação contínua de um conjunto de relógios atômicos de césio, sistema de medição e um algoritmo, é calculada a Escala de Tempo Atômico Brasileira, TA(ONRJ), e a partir desta é gerado o UTC(ONRJ).

34

35 A REDE DE SINCRONISMO DE TEMPO CERTIFICADO ReSinc/HLB Qual é a importância da data/hora em rede de computadores? - Computadores em rede possuem relógios internos que deveriam funcionar sincronizados com a mesma hora. - A falta de sincronismo pode resultar em danos para a empresa, principalmente se a mesma realiza compras, vendas, aplicações financeiras e outras transações comerciais nas quais custos, lucros e multas estejam vinculados ao parâmetro tempo. Solução: Prover um serviço de sincronismo confiável e certificado a Hora Legal Brasileira, para atender a órgãos públicos, empresas privadas e outros clientes que necessitem do tempo certificado.

36 A REDE DE CARIMBO DE TEMPO CERTIFICADO ReTemp/HLB Qual é a importância da data/hora em documentos e assinaturas digitais? - Os papéis vêm sendo substituídos por arquivos digitais e nesse novo formato as informações de data e hora ficam vulneráveis. - O sistema de criptografia e de infra-estrutura de chaves públicas não garante o instante em que um documento foi assinado, gerado ou copiado, pois utiliza data/hora de fontes de tempo que podem ser modificadas, como computadores locais, em rede, servidores NTP.

37 LEGISLAÇÃO ReSinc/HLB e ReTemp/HLB A Hora Legal Brasileira é gerada, conservada e disseminada pelo ON/DSHO, de acordo com o DECRETO Nº 4264 DE 10/06/2002, que restabelece o regulamento aprovado pelo decreto Nº de 05/11/1913 que regulamenta a LEI Nº 2784 de 18/06/1913. PORTARIA MCT Nº 293 DE 11/05/2007, contempla as orientações quanto à estrutura, termos e especificações técnicas e os custos envolvidos.

38 A REDE DE CARIMBO DE TEMPO CERTIFICADO ReTemp/HLB É um sistema composto por sistemas de criptografia e de infra-estruturas de chaves públicas (ICP Brasil). Essa rede possibilita aos usuários dos Servidores de Carimbo do Tempo (SCT) emissão de documentos digitais acrescidos da Hora Legal Brasileira. Para garantir a funcionalidade nacional o ON mantém em operação contínua e em ambiente seguro, fora das suas instalações, três Fontes Confiáveis do Tempo (FCT), que usam como base de tempo relógio atômico de césio. Nas seguintes localidades: Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília; Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR(NIC), em São Paulo; Global Crossing(GC), no Rio de Janeiro

39 A REDE DE CARIMBO DE TEMPO CERTIFICADO ReTemp/HLB Cada localidade denominamos de Entidade de Auditoria do Tempo (EAT): -EAT(STF) -EAT(NIC) -EAT(GC) Cada EAT possui um Sistemas de Autenticação e Sincronismo (SAS), realiza as atividades de autenticação e sincronismo nos Servidores de Carimbo de Tempo (SCT). O SAS registrada cada autenticação e sincronismo e esses são enviados à DSHO para cálculos e emissão do certificado. Uma Autoridade de Carimbo do Tempo (ACT) possui um ou mais SCT.

40 ARQUITETURA ReTemp/HLB

41 ESTRUTURA DA EAT FCT IRIG-B SAS INTERNET

42 A REDE DE SINCRONISMO DE TEMPO CERTIFICADO ReSinc/HLB Existem dois modos que podem ser utilizados para realizar este serviço: 1) O cliente adquire um equipamento de sincronismo e se conecta a um dos equipamentos servidores localizados na DSHO. 2) O cliente adquire dois equipamentos sendo um cliente e outro servidor instalado em uma das EATs. As sincronizações são registradas em logs internos nos equipamentos, e são enviados pelo cliente e armazenados pela DSHO. A partir destes logs são preenchidas planilhas eletrônicas e os cálculos efetuados permitem a elaboração do certificado, comprovando que o equipamento do cliente se manteve dentro dos parâmetros estabelecidos de sincronismo a Hora Legal Brasileira, UTC(ONRJ).

43 RASTREABILIDADE DAS REDES A rastreabilidade consiste no relacionamento do resultado da medição da FCT em referência é a Hora Legal Brasileira, o UTC(ONRJ). A portaria MCT Nº 293 DE 11/05/2007 regulamenta que o erro acumulado máximo entre os SAS e os SCT não ultrapasse o valor de ±100 ms. Garantir que a FCT não possua uma diferença em relação ao UTC(ONRJ) maior que ±100 ms. Sistema Monitor para Rastreabilidade (RASTREAB)

44 Sistema RASTREAB: RASTREABILIDADE DAS REDES - Consiste num modulo eletrônico de seleção e contagem do tempo, acondicionado internamente num microcomputador industrial, com as seguintes características: 8 canais de intercomparação. A resolução de 100 ns. Baixo custo. Software de aplicativo acessível.

45 RASTREABILIDADE DAS REDES Sistema RASTREAB: 1 PPS GPS 1 PPS FCT CANAL A CANAL B 10 MHz FCT CONTADOR DE INTERVALO DETEMPO CONTRÔLE DADOS LPT COM MICROCOMPUTADOR INDUSTRIAL INTERNET

46 RASTREAB Vista Frontal: RASTREABILIDADE DAS REDES

47 RASTREABILIDADE DAS REDES RASTREAB Modulo Contador de Intervalo de Tempo:

48 RASTREAB Vista Traseira: RASTREABILIDADE DAS REDES

49 RASTREABILIDADE DAS REDES ESTRUTURA DA EAT FCT 10 MHz B1-1 PPS RASTREAB GPS IRIG-B B2-1 PPS A -1 PPS SAS B3-1 PPS INTERNET

50 RASTREABILIDADE DAS REDES Avaliação da incerteza de medição do RASTREAB: - Medições por comparação direta do sinal 1 PPS do relógio atômico de césio, T130, sendo este sinal conectado simultaneamente entre a entradas canal A e B. Os resultados obtidos foram: n = 2773 q(n)= 5,48 x 10-7 S( q) = 4,99 x 10-8, k p = 2,0 U k p = S(q) = 9,99 x 10-9 u (q) = (548 ± 100) x 10-9 segundos. A Este valor é vezes menor que erro acumulado máximo permitido para auditoria e sincronismo.

51 RASTREABILIDADE DAS REDES Partimos do pré-disposto que é necessário garantir que o desvio no sincronismo da FCT fique na faixa de ±100ms em relação ao UTC(ONRJ). Para verificarmos este critério de qualidade realizamos a seguinte análise: - As medições realizadas pelo RASTREAB são: FCT GPS(Time) = t t (1) FCT GPS Necessitamos de: FCT UTC(ONRJ)= t (2) t FCT UTC( ONRJ)

52 RASTREABILIDADE DAS REDES No início de cada mês o BIPM publica na Circular T a diferença UTC GPS(Time) e UTC UTC(ONRJ) para o mês anterior. UTC GPS(Time) = UTC UTC(ONRJ) = Ao se subtrair (4) de (3) obtém-se: t t t (3) UTC GPS (4) t UTC UTC( ONRJ ) UTC(ONRJ) GPS = t t UTC ( ONRJ ) (5) GPS E efetuando a diferença entre (1) e (5), obtém-se como resultado: t FCT GPS(Time) = (1) FCT GPS - UTC(ONRJ) GPS = t t UTC ( ONRJ ) (5) GPS FCT UTC(ONRJ) = t t t 100 FCT UTC( ONRJ ) ms

53 EAT(NIC.BR) [Diferença de Fase] FCT - GPS(Time) 5,7E-06 5,2E-06 4,7E-06 4,2E-06 SEGUNDOS 3,7E-06 3,2E-06 2,7E-06 2,2E-06 1,7E-06 1,2E DIA JULIANO MODIFICADO - DE 01/01/2009 até 29/12/2009 A FCT padrão de césio, marca Symmetricom, modelo CS4000

54 Circular T [Diferença de Fase] UTC - GPS(Time) 1,5E-08 1,0E-08 5,0E-09 SEGUNDOS 0,0E+00-5,0E-09-1,0E-08-1,5E-08-2,0E DIA JULIANO MODIFICADO - DE 01/01/2009 até 29/012/2009

55 Circular T [Diferença de Fase] UTC - UTC(ONRJ) 1,0E-08 5,0E-09-7,0E-23 SEGUNDOS -5,0E-09-1,0E-08-1,5E-08-2,0E-08-2,5E DIA JULIANO MODIFICADO - DE 01/01/2009 até 29/12/2009

56 [Diferença de Fase] UTC(ONRJ) - GPS(Time) 2,5E-08 2,0E-08 1,5E-08 SEGUNDOS 1,0E-08 5,0E-09 0,0E+00-5,0E-09-1,0E-08-1,5E DIA JULIANO MODIFICADO - DE 01/01/2009 até 29/12/2009

57 EAT(NIC) [Diferença de Fase] FCT - UTC(ONRJ) 5,7E-06 5,2E-06 4,7E-06 4,2E-06 SEGUNDOS 3,7E-06 3,2E-06 2,7E-06 2,2E-06 1,7E-06 1,2E DIA JULIANO MODIFICADO - DE 01/01/2009 até 29/12/2009

58 CONCLUSÃO 1) Validou-se metrologicamente que as diferenças entre FCT e o UTC(ONRJ) seja < ± 100 ms. 2) As EAT possuem rastreabilidade à HLB. 3) ReTemp/HLB - No momento é a única solução nacional existente que garante a inviolabilidade do registro cronológico da emissão de um documento. 4) ReSinc/HLB - No momento é a única solução nacional existente que garante as redes de computadores o sincronismo com HLB.

59 CONCLUSÃO 5) A ReTemp/HLB e a ReSinc/HLB possibilita agregar tanto a documentos digitais como a rede computadores a Hora Legal Brasileira de forma: Segura Autêntica Auditável

60 OBRIGADO! Mário Noto Fittipaldi

ANEXO II À PORTARIA MCT Nº 293, DE 11.05.2007

ANEXO II À PORTARIA MCT Nº 293, DE 11.05.2007 ANEXO II À PORTARIA MCT Nº 293, DE 11.05.2007 1 DEFINIÇÕES Autoridade de Carimbo do Tempo (ACT) A autoridade na qual os usuários de serviços de carimbo do tempo (isto é, os subscritores e as terceiras

Leia mais

POLÍTICA DE CARIMBO DO TEMPO DA AUTORIDADE DE CARIMBO DO TEMPO VALID (PCT da ACT VALID)

POLÍTICA DE CARIMBO DO TEMPO DA AUTORIDADE DE CARIMBO DO TEMPO VALID (PCT da ACT VALID) POLÍTICA DE CARIMBO DO TEMPO DA AUTORIDADE DE CARIMBO DO TEMPO VALID (PCT da ACT VALID) Versão 1.0 de 09/01/2014 Política de Carimbo do Tempo da ACT VALID - V 1.0 1/10 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Visão

Leia mais

Tutorial NTP. Importânica e Funcionamento do Sincronismo de Tempo na Internet e do NTP

Tutorial NTP. Importânica e Funcionamento do Sincronismo de Tempo na Internet e do NTP Tutorial NTP Importânica e Funcionamento do Sincronismo de Tempo na Internet e do NTP Tutorial NTP 07/04/2010 Agenda Importância do NTP Conceito de tempo Escalas de tempo NTP x SNTP Funcionamento do daemon

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

Rede de Sincronismo à Hora Legal Brasileira

Rede de Sincronismo à Hora Legal Brasileira Rede de Sincronismo à Hora Legal Brasileira Manual Técnico Outubro / 2006 Versão 3.0 ReSinc/HLB - Rede de Sincronismo à Hora Legal Brasileira * Atualização: 07/out/2006 * página 1 de 10 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA O DESAFIO: A qualidade dos produtos finais e serviços prestados, é requisito mínimo nos dias de hoje para as organizações que desejam estar à frente. O mercado encontra-se cada

Leia mais

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol Sincronização Tempo e Relógios Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol 1 O papel do tempo Crucial na ordenação de eventos Tempo Real? - Função

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Autenticação no NTP.br

Autenticação no NTP.br Autenticação no NTP.br Alexandre Y. Harano e Antonio M. Moreiras Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR NIC.br {harano,moreiras}@nic.br http://ntp.br/ GTER 32 São Paulo, 02 de dezembro de 2011.

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 10

Sistemas Distribuídos Aula 10 Sistemas Distribuídos Aula 10 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Sincronização Comunicação

Leia mais

Metrologia. Metrologia

Metrologia. Metrologia Metrologia Sumário da Aula JN3 1 1ª Parte: Categorias da Metrologia Metrologia Industrial e Científica Metrologia Legal Rastreabilidade e calibração 2ª Parte: Unidades Metrológicas Conceitos Básicos e

Leia mais

Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo VALID (DPCT DA ACT VALID)

Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo VALID (DPCT DA ACT VALID) Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo VALID (DPCT DA ACT VALID) OID 2.16.76.1.5.5 Versão 1.0 de 09/01/2014 Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo VALID - V 1.0

Leia mais

Sincronização de Relógios

Sincronização de Relógios Sistemas de Tempo Real: Sincronização de Relógios Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br http://www.das.ufsc.br/~romulo 1 Sincronização de Relógios Motivação

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

NTP.br: Fornecendo a Hora Legal Brasileira para a Internet através do NTP.

NTP.br: Fornecendo a Hora Legal Brasileira para a Internet através do NTP. NTP.br: Fornecendo a Hora Legal Brasileira para a Internet através do NTP. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br LACNIC XI 26 a 30 de Maio de 2008 Salvador Bahia - Brasil Agenda O que é o NTP.br e quais

Leia mais

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Dra. Vanderléa de Souza Chefe da Divisão de Metrologia Química Objetivo principal da Metrologia Química Prover confiança

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO Ricardo Camilo Zampieri Técnico Senior de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça Posicionamento por Satélite Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça O Sistema GPS - Características Básicas O sistema GPS é composto por três segmentos:

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO Sereno H.R.S. 1, Sheremetieff Jr. A. 2 1 Inmetro, Duque de Caxias, Brasil hrsereno@inmetro.gov.br

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas MC714 - Sistemas Distribuídos Aula de Hoje Aula Passada Nomeação Aula de Hoje Introdução ao problema de sincronização Relógios Físicos Algoritmos de Sincronização Sincronização de Relógios em Redes sem

Leia mais

Programação Distribuída

Programação Distribuída Unidade 4 Programação Distribuída Transações Distribuídas O que são? São sistemas compostos por diversas partes cooperantes que são executadas em máquinas diferentes interconectadas por uma rede Exemplos

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas. Tempo e Relógios. Baseado no trabalho de: Ana Sofia Cunha m1892 Christian Lopes a15132 UBI, 2008

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas. Tempo e Relógios. Baseado no trabalho de: Ana Sofia Cunha m1892 Christian Lopes a15132 UBI, 2008 Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Tempo e Relógios 1 Baseado no trabalho de: Ana Sofia Cunha m1892 Christian Lopes a15132 UBI, 2008 O papel do tempo 2 Crucial na ordenação de eventos Tempo Real?

Leia mais

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos Sincronização Embora a comunicação entre processos seja essencial em Sistemas Distribuídos, a sincronização de processos é também muito importante. Por exemplo: o É importante que vários processos não

Leia mais

CONAEND 030 IMPORTÃNCIA DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA NAS ATIVIDADES DE INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS

CONAEND 030 IMPORTÃNCIA DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA NAS ATIVIDADES DE INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONAEND 030 IMPORTÃNCIA DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA NAS ATIVIDADES DE INSPEÇÃO DE EQIPAMENTOS Paulo Cezar da Costa Lino Dunham,Marcio Machado (b) Copyright 006, ABENDE Trabalho apresentado no CONAEND&IEV

Leia mais

Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo Certisign

Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo Certisign Declaração de Práticas de Carimbo do Tempo da Autoridade de Carimbo do Tempo Certisign DPCT DA ACT Certisign Versão 1.0-09 de Outubro de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1.1. Visão Geral... 1.2. Identificação...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Tempo e estados globais. Tempo. Tempo. Sincronização de relógios físicos. Sincronização de relógios físicos: drift

Tempo e estados globais. Tempo. Tempo. Sincronização de relógios físicos. Sincronização de relógios físicos: drift Tempo e estados globais Tempo Capítulo 10 - Introdução Noções iniciais: tempo em S, drift, skew, UTC Sincronização de relógios físicos lgoritmo de Christian lgoritmo de erkeley Protocolo NTP Tempo lógico

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Sistemas Distribuídos Sincronização de Relógios. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Sincronização de Relógios. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Sincronização de Relógios Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Definições Clock Físico Cristian Berkeley Clock Lógico Lamport 2 Definições Clock Físico Dia Solar

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 CURSO E-LEARNING REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitido a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 4 Introdução aos Sistemas Biométricos 1. Identificação, Autenticação e Controle

Leia mais

Tema: Rastreabilidade de medição. Walderson Vidal Adriano Bitencurte

Tema: Rastreabilidade de medição. Walderson Vidal Adriano Bitencurte Tema: Rastreabilidade de medição Walderson Vidal Adriano Bitencurte NBR ISO/IEC 17025 5.6 - Rastreabilidade da medição Todo equipamento utilizado em Ensaio e/ou Calibração, incluindo equipamento para medições

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM

CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM VOCABULÁRIO UM POUCO DE HISTÓRIA GRANDEZA DA MASSA RASTREABILIDADE NA GRANDEZA DA MASSA CONCEITOS METROLÓGICOS E NORMATIVOS METROLOGIA: CIENTIFÍCA E LEGAL ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

PROJETO SAT-RP-e SISTEMA DE AUTENTICAÇÃO E TRANSMISSÃO DE REGISTROS DE PULSER ELETRÔNICOS. SAT-RP-e VERSÃO PRELIMINAR

PROJETO SAT-RP-e SISTEMA DE AUTENTICAÇÃO E TRANSMISSÃO DE REGISTROS DE PULSER ELETRÔNICOS. SAT-RP-e VERSÃO PRELIMINAR PROJETO SAT-RP-e SISTEMA DE AUTENTICAÇÃO E TRANSMISSÃO DE REGISTROS DE PULSER ELETRÔNICOS SAT-RP-e VERSÃO PRELIMINAR Especificação Técnica de Requisitos Data de Criação: Última Atualização: Versão: ER

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais ISA Distrito 4 Seção Vale do Paraíba Jacareí SP Setembro de 2009 Ciro Medeiros Bruno Especialista em Desenvolvimento de Mercado Mettler Toledo

Leia mais

Experiência no controle da qualidade analítica

Experiência no controle da qualidade analítica Experiência no controle da qualidade analítica Mario Maroto abril/ 2006 A ECOLABOR A ECOLABOR Comercial Consultoria e Análises Ltda. é uma empresa privada brasileira, fundada em 1992. Análises MICROBIOLÓGICAS,

Leia mais

Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de METROLOGIA

Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de METROLOGIA Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de METROLOGIA Medições 1. Medição Conjunto de operações que tem por objetivo determinar um valor de uma grandeza. As operações podem ser feitas

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 135, de 18 de agosto de 2005.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

Recursos e Características do icarta

Recursos e Características do icarta x icarta O icarta é uma solução tecnológica desenvolvida para acrescentar as suas mensagens eletrônicas um valor jurídico probante com evidências de rastreabilidade, cronologia e de comprovação da inviolabilidade

Leia mais

1. Relativos à imagem do INMETRO referentes ao seu reconhecimento e confiabilidade junto à população brasileira:

1. Relativos à imagem do INMETRO referentes ao seu reconhecimento e confiabilidade junto à população brasileira: TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE GESTÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC E O INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO.

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

CEP - DA. Controle Estatístico do Processo

CEP - DA. Controle Estatístico do Processo CEP - DA Controle Estatístico do Processo Principais Funcionalidades Automatiza as rotinas do Controle Estatístico do Processo A solução para CEP da Directa Automação, composta de software e hardware,

Leia mais

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade Elaborado: 2006-01-11 Validado: 2006-01-11 Pág. 1 de 5 Aprovado: 2006-01-11 Documento: Título: Código: Produzido por: Aprovado por: Descrição Sumária: Gestão dos Dispositivos PE-QL-14 (Data de Aprovação)

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 084, de 06 de junho de 2006.

Leia mais

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Laboratório de Ultra-som (Labus) Divisão de Metrologia Acústica e de Vibrações (Diavi) Diretoria de Metrologia Científica e Industrial (Dimci) Instituto Nacional de

Leia mais

Processadores Invioláveis

Processadores Invioláveis Processadores Invioláveis MP202 Segurança da Informação Ana. C. L. Cabral Paulo H. N. Tavares 1 Roteiro Por que processadores seguros? O que são? Arquitetura Resposta a ataques Principais aplicações Padronização

Leia mais

SINCRONISMO USANDO GPS

SINCRONISMO USANDO GPS SINCRONISMO USANDO GPS Mario Piai Júnior Diretor Técnico da empresa TESC Sistemas de Controle Ltda mpiai@tesc.com.br Várias aplicações exigem que eventos, que acontecem fisicamente distantes entre si,

Leia mais

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy.

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Flávio Carnelli Frade 1,2, Pedro Bastos Costa 1,3, Giovane Quadreli

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Guia do Usuário Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de dados de Temperatura/Umidade Extech SD500. Este aparelho mede, exibe e armazena

Leia mais

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1 Calibração Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão Slide 1 Agenda 1. Endress+Hauser Medição de vazão e competência de calibração 2. Calibração on-site de medidores de vazão Reduzindo

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais