0. APRESENTAÇÃO. Relatório de Actividades ONDOR 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0. APRESENTAÇÃO. Relatório de Actividades 2003-2005 ONDOR 5"

Transcrição

1 0. APRESENTAÇÃO O Observatório Nacional das Doenças Reumáticas (ONDOR) foi fundado em 2003 e resultou de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa de Reumatologia e o Serviço de Higiene e Epidemiologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. O presente documento relata as actividades realizadas pelo Observatório desde a assinatura do protocolo da sua criação, em Julho de 2003, até Dezembro de Relatório de Actividades ONDOR 5

2 6 ONDOR Relatório de Actividades

3 ÍNDICE 0. APRESENTAÇÃO 05 SUMÁRIO I. OBSERVATÓRIO NACIONAL DAS DOENÇAS REUMÁTICAS - IMPORTÂNCIA E JUSTIFICAÇÃO IMPORTÂNCIA MUNDIAL DA PATOLOGIA REUMÁTICA O PANORAMA EM PORTUGAL 2.1. INQUÉRITO NACIONAL DE SAÚDE 1998/ RELATÓRIO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE SAÚDE SOBRE A PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÓNICAS EM PORTUGAL 2.3. INTERNAMENTOS POR PATOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA EM PORTUGAL 2.4. ALGUNS DADOS SOBRE OS INTERNAMENTOS POR PATOLOGIA REUMÁTICA NO PERÍODO RECURSOS HUMANOS EM REUMATOLOGIA 2.6. DESPESA EM MEDICAMENTOS ANÁLISE GEOGRÁFICA DA DISTRIBUIÇÃO DAS FRACTURAS DO COLO DO FÉMUR 2.8. PLANO NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS O OBSERVATÓRIO NACIONAL DAS DOENÇAS REUMÁTICAS 3.1. GÉNESE E OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO 3.2. ESPECIFICIDADES DA EPIDEMIOLOGIA APLICADA À REUMATOLOGIA 3.3. ÂMBITO DE ACTUAÇÃO 3.4. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO 3.5. UTILIZADORES 3.6. COLABORADORES E PERITOS AVALIADORES II. ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JULHO 2003 DEZEMBRO PÁGINA FORMAÇÃO PÓS GRADUAÇÃO NA ÁREA DA REUMATOLOGIA 5.1. EPIDEMIOLOGY OF RHEUMATIC DISEASES: QUANTITATIVE METHODS WITHOUT TEARS 5.2. INVESTIGAÇÃO CLÍNICA PLANEAMENTO E ANÁLISE DE DADOS (APLICAÇÃO EM REUMATO- LOGIA) COMUNICAÇÕES E PUBLICAÇÕES EM REUMATOLOGIA 40 Relatório de Actividades ONDOR 7

4 7. CONSULTORIAS INQUÉRITO AOS MÉDICOS REUMATOLOGISTAS EM PORTUGAL FREQUÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO DOS DOENTES INTERNADOS E EM AMBULATÓRIO A PATOLOGIA REUMÁTICA NOS ADULTOS DA CIDADE DO PORTO 9.1. PREVALÊNCIA AUTO-DECLARADA DE PATOLOGIA REUMÁTICA NA AVALIAÇÃO BASAL 9.2. INGESTÃO DE CÁLCIO E DE VITAMINA D NA AVALIAÇÃO BASAL 9.3. PREVALÊNCIA AUTO-DECLARADA E AVALIAÇÃO CLÍNICA DE PATOLOGIA REUMÁTICA 9.4. QUALIDADE DE VIDA E SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA 9.5. CONHECIMENTOS SOBRE DOENÇAS REUMÁTICAS DETERMINANTES DE FRACTURAS NUMA AMOSTRA DE MULHERES PORTUGUESAS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DETERMINANTES DA INCIDÊNCIA DE PRIMEIRAS FRACTURAS E DO NÚMERO DE FRACTURAS ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE PRIMEIRAS FRACTURAS DETERMINANTES DO NÚMERO DE FRACTURAS DENSIDADE MINERAL ÓSSEA NUMA AMOSTRA NÃO ALEATÓRIA DE ADULTOS PORTUGUESES DENSIDADE MINERAL ÓSSEA EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO FIBROMIALGIA INQUÉRITO NACIONAL SOBRE A FIBROMIALGIA PREVALÊNCIA DE FIBROMIALGIA NA POPULAÇÃO ADULTA DO PORTO III. RESUMO DA CONTABILIDADE DO ONDOR IV. PLANO DE ACTIVIDADES RECURSO ONLINE 2. FORMAÇÃO PÓS GRADUAÇÃO 3. PUBLICAÇÕES E COMUNICAÇÕES 4. CONSULTORIAS V. REFERÊNCIAS ONDOR Relatório de Actividades

5 SUMÁRIO As actuais estimativas mundiais de prevalência e de incidência permitem prever para as próximas décadas um crescente impacto da patologia reumática na saúde pública, tendo a Organização Mundial de Saúde e a Organização das Nações Unidas estabelecido o período como a Década do Osso e da Articulação, iniciativa para a qual foi criada uma Comissão Portuguesa. O panorama em Portugal, no que diz respeito à frequência destas doenças, é insuficientemente conhecido, o que torna importante um retrato da epidemiologia da patologia reumática no nosso país. O último Inquérito Nacional de Saúde (1998/99) forneceu informação para a distribuição por sexo, classe etária e região geográfica da presença de queixas musculo-esqueléticas e do recurso a cuidados de saúde com elas relacionados, bem como uma avaliação da qualidade de vida. Em conjunto, estas informações evidenciaram o peso relativo destas doenças, tendo 40% da população declarado lombalgias. A prevalência de doenças reumáticas foi estimada pelo Observatório Nacional de Saúde no âmbito de um estudo dedicado à investigação das doenças crónicas nos adultos portugueses, onde um quarto dos inquiridos referiu o diagnóstico de uma ou mais doenças reumáticas. O estudo dos episódios de internamento nos hospitais portugueses pode fornecer uma medida mais objectiva da importância dos quadros clínicos mais graves. Os dados mais recentes disponíveis documentam uma diminuição da letalidade e da duração dos internamentos. No entanto, em alguns Serviços de Reumatologia portugueses, entre 2003 e 2005, a demora média aumentou. O recenseamento dos recursos humanos em reumatologia documenta uma baixa representação desta especialidade em número relativo de profissionais, com uma curva etária bimodal nos serviços públicos, os quais apenas empregam cerca de metade dos especialistas disponíveis. A importância dos encargos em saúde com a patologia reumática fica expressa com o facto de, em ambulatório, representar cerca de 10% da quota de mercado português. A referenciação geográfica dos recursos, confrontada com, por exemplo, a distribuição geográfica das fracturas do fémur, da qual sobressai acentuada variabilidade regional, mostram a existência de uma inadequação entre oferta e necessidades. O Observatório Nacional das Doenças Reumáticas tem por missão caracterizar a frequência, a distribuição e os determinantes da patologia reumática em Portugal, bem como os recursos em saúde que se lhe associam, através de uma actividade continuada de apoio a investigação original, recolha e tratamento de informação e estudos específicos dirigidos ao conhecimento de problemas concretos. Relatório de Actividades ONDOR 9

6 O conjunto de informação gerada pelo ONDOR é difundido através do site up.pt, uma newsletter semestral e um relatório anual, bem como através de publicações em revistas da especialidade. O suporte informático disponível permite também a introdução e tratamento de informação para realização de inquéritos. No âmbito das actividades de pós graduação o Observatório promoveu a organização de dois cursos, um dos quais internacional. Recorrendo à população do Porto e integrado na avaliação inicial de uma coorte de adultos, foi possível estimar que a prevalência de doenças reumáticas auto-declaradas era 24%. Na mesma amostra foi possível quantificar, pela primeira vez, a inadequação na ingestão de cálcio e de vitamina D, tendo-se verificado elevadas prevalências de ingestão inferior às recomendações na maioria das classes etárias, para as mulheres, e em todas, para os homens. A reavaliação desta coorte tem permitido uma avaliação reumatológica aprofundada, nomeadamente em relação à osteoartrose e à osteoporose. Foi possível caracterizar, para a osteoartrose, a concordância entre a patologia referida e o diagnóstico clínico, demonstrando as limitações da auto-declaração. Estudou-se a associação da patologia reumática com a qualidade de vida e a sintomatologia depressiva, tendo-se objectivado a marcada influência da saúde musculo-esquelética nestas duas dimensões psicossociais. O presente relatório fornece informações originais sobre a profundidade dos conhecimentos quanto a doenças reumáticas, largamente dependentes da idade e da escolaridade, mostrando a necessidade de educação para a saúde ao longo da vida. A dinâmica da osteoporose tem sido objecto das actividades do ONDOR. Num estudo prospectivo em mulheres portuguesas de todo o país, a densidade mineral óssea no antebraço foi o principal determinante da incidência bem como do número de fracturas ocorridas dez anos após a avaliação basal. Uma outra avaliação envolvendo uma amostra não aleatória de cerca de adultos revelou elevadas prevalências de osteopenia e de osteoporose nos dois sexos. No contexto do reconhecimento do papel do desenvolvimento ósseo durante a adolescência na etiologia da osteoporose foi avaliada por densitometria do antebraço a massa óssea dos adolescentes de 13 anos do Porto. Nesta coorte reunida com o objectivo de estudar variáveis de saúde ao longo da vida, as características antropométricas e pubertárias das adolescentes foram os mais importantes determinantes do desenvolvimento ósseo. A importância crescente da fibromialgia na clínica justificou a realização de um inquérito aos médicos das especialidades de Reumatologia e de Medicina Geral e Familiar, com o objectivo de ter uma primeira perspectiva epidemiológica deste síndrome no nosso país. Globalmente, os resultados sugerem uma proporção importante de doentes com fibromialgia na prática clínica nas duas especialidades e uma escassez relativa de formação académica nesta área. É, porém, de notar que na reavaliação da amostra do Porto foi encontrada, até ao momento, uma prevalência de 0,2% para este síndrome. 10 ONDOR Relatório de Actividades

7 I. OBSERVATÓRIO NACIONAL DAS DOENÇAS REUMÁTICAS - IMPORTÂNCIA E JUSTIFICAÇÃO 1. IMPORTÂNCIA MUNDIAL DA PATOLOGIA REUMÁTICA O conceito de patologia reumática inclui todas as doenças e alterações funcionais do sistema musculo-esquelético de causa não traumática, constituindo um grupo com mais de uma centena de entidades com vários subtipos, onde se incluem as doenças inflamatórias do sistema musculoesquelético, do tecido conjuntivo e dos vasos, as doenças degenerativas das articulações periféricas e da coluna vertebral, as doenças metabólicas ósseas e articulares, as alterações dos tecidos moles periarticulares e as doenças de outros órgãos e/ou sistemas relacionadas com as anteriores (Programa Nacional contra as Doenças Reumáticas). As doenças com componente musculo-esquelética têm fisiopatologia diversa, ligando-se entre si pelo envolvimento anatómico e pela associação comum com a dor e a função física. As suas implicações individuais e populacionais vêm sendo reavaliadas após décadas durante as quais algumas das mais prevalentes doenças reumáticas foram consideradas consequência natural e irreversível do envelhecimento. Internacionalmente, são a causa mais comum de dor e incapacidade física, acarretando graves encargos individuais e sociais, nomeadamente os respeitantes aos sistemas de saúde (1). Em 2003, a Organização Mundial de Saúde estimou que, a nível mundial: A osteoartrose do joelho afectava cerca de 135 milhões de pessoas em todo o mundo, 40% da população acima dos 70 anos; 80% dos doentes com osteoartrose tinham algum grau de limitação de movimento e 25% não eram capazes de realizar as suas actividades diárias principais; A artrite reumatóide afectava 20 milhões de pessoas; após uma década de evolução, a artrite reumatóide conduzia à invalidez laboral, definida como a total cessação de actividade profissional, em 51 a 59% dos doentes; As raquialgias eram a segunda causa de absentismo laboral, as lombalgias, em particular, atingiram proporções epidémicas, com aproximadamente 80% da população mundial a declará- -las em alguma altura da vida; As fracturas osteoporóticas quase duplicaram na década de 90, estimando-se em 1,7 milhões o número de fracturas da anca ocorridas em 1990 em todo o mundo. Contudo, o número previsto para 2050 é de mais de 6 milhões. Assim, previu-se que uma em cada três mulheres acima dos 50 anos venha a sofrer de uma fractura de origem osteoporótica. Com o objectivo de melhorar a percepção do problema crescente das doenças osteoarticulares nas sociedades, e no contexto das estimativas actuais de impacto mundial da patologia musculoesquelética, a Organização Mundial de Saúde e a Organização das Nações Unidas estabeleceram o período como a Década do Osso e da Articulação (2). Entre os objectivos propostos Relatório de Actividades ONDOR 11

8 constam as estimativas de prevalência e de incidência actuais dessas patologias, reunindo e estruturando dados recolhidos internacionalmente e relacionando-os com o aumento previsto do seu impacto. Em termos práticos, estas estratégias multidisciplinares foram traçadas de modo a resultar na melhoria da qualidade de vida relacionada com a saúde no universo dos indivíduos afectados por problemas músculo-esqueléticos. São consideradas doenças alvo para actuação no contexto da Década do Osso e da Articulação as doenças articulares, como a osteoartrose, artrite reumatóide e mais de 100 outras patologias inflamatórias; a osteoporose e as fracturas desta decorrentes; e as lombalgias e as espondiloartropatias. O envelhecimento das populações e as recentes mudanças nos estilos de vida em todo o mundo permitem estimar um aumento acentuado nos custos globais deste grupo de doenças nos próximos anos. O objectivo último da Década do Osso e da Articulação será apoiar decisões em Saúde Pública, com vista à diminuição do peso da patologia musculo-esquelética nas sociedades, através da redução da sua incidência e dos seus custos indirectos. Dizendo respeito especificamente à Europa, a organização publicou, em Outubro de 2005, o relatório European Action Towards Better Musculoskeletal Health Guide to the Prevention and Treatment of Musculoskeletal Conditions for the Healthcare Practitioner and Policy Maker (3), que divulga as estimativas actuais de impacto da patologia musculo-esquelética na Europa, onde se estimou que aproximadamente 25% da população sofria de patologia musculo-esquelética crónica e 50% da população adulta declarou ter tido dor musculo-esquelética no mês anterior. No mesmo documento são apresentadas, para as doenças reumáticas mais prevalentes, estratégias de identificação de casos e de intervenção. Fundaram e integraram a Comissão Portuguesa da Década do Osso e da Articulação , em 2003, elementos das Sociedades Portuguesas de Reumatologia, de Ortopedia e Traumatologia e de Medicina Física e Reabilitação (4). Além destas organizações, também apoiam a Década a Sociedade Portuguesa de Doenças Ósseas Metabólicas, a Comissão Parlamentar de Saúde e as seguintes organizações não governamentais: Associação Portuguesa de Osteoporose (APO), Associação Nacional Contra a Osteoporose (APOROS), Associação Nacional da Espondilite Anquilosante, Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas, Associação Nacional dos Doentes com Artrite Reumatóide, Associação Nacional de Doentes com Lupus e Associação Nacional de Doentes com Artrite Infantil. A declaração oficial de apoio pelo Governo português foi assinada em Maio de 2005 pelo Ministro da Saúde. 12 ONDOR Relatório de Actividades

9 2. PANORAMA EM PORTUGAL 2.1. INQUÉRITO NACIONAL DE SAÚDE 1998/99 Acredita-se que a patologia musculo-esquelética seja a principal causa de incapacidade e gastos em saúde. Porém, o conhecimento mais exacto da situação na população portuguesa só pode ser obtido no âmbito de inquéritos nacionais, recorrendo a medidas objectivas e subjectivas desse impacto. No Inquérito Nacional de Saúde (INS) realizado em 1998/99, estimaram-se alguns desses aspectos (5). Apesar de a natureza do questionário não permitir conclusões específicas sobre doenças reumáticas, foi possível tomar o INS como um indicador do estado de saúde no nosso país, que reflecte indirectamente o peso da patologia musculo-esquelética. Isso será tão mais verdade quanto a sua prevalência for mais elevada. A proporção da amostra que, nos 3 meses anteriores ao inquérito, consultou um médico por Doenças do Sistema Ósteo-muscular e Tecido Conjuntivo é apresentada na Tabela 1. Nas mulheres, foi a classe etária entre os 55 e os 64 anos que mais recorreu a consultas (21,2%) e nos homens a classe dos 45 aos 54 anos (17,0%). Do total de 2918 consultas realizadas por este motivo, só 48 (1,6%) corresponderam à especialidade de Reumatologia. A Tabela 2 apresenta a proporção dos inquiridos que nos 3 meses anteriores ao inquérito consultou o médico das especialidades de Fisiatria, Fisioterapia, Medicina Física e Reabilitação, Ortopedia e Reumatologia. As proporções mais elevadas observaram-se nos homens com menos de 45 anos (5,0%) e nas mulheres entre os 55 e os 64 anos (5,1%). Assinale-se que no sexo masculino a prevalência decresce linearmente com a idade, reflectindo provavelmente o impacto dos acidentes e da patologia associados à actividade laboral. Nas mulheres o pico atinge-se aos anos, depois decrescendo a frequência de recurso a este tipo de consultas. Seria muito importante conhecer e compreender os motivos de consulta e, sobretudo, o eventual impacto das condições socio-económicas no seu acesso. Em conjunto, as Tabelas 1 e 2 mostram que apenas uma pequena proporção das queixas musculo-esqueléticas resultam em consultas a médicos das especialidades tradicionalmente com elas relacionadas, sendo essa proporção mais alta no grupo etário mais jovem. De novo, pode esta circunstância reflectir a frequência etária específica de algumas patologias mais graves, mas também, numa proporção desconhecida, barreiras ao acesso. Tabela 1. Consulta a médico por Doenças do Sistema Ósteo-muscular e Tecido Conjuntivo nos 3 meses anteriores ao inquérito. Classe etária (anos) < Sexo masculino n (%) 365 (9,0) 181 (17,0) 199 (15,0) 182 (13,1) 99 (11,1) Sexo feminino n (%) 444 (9,4) 341 (19,4) 440 (21,2) 434 (21,0) 248 (16,6) Relatório de Actividades ONDOR 13

10 Tabela 2. Consulta a médico das especialidades de Fisiatria, Fisioterapia, Medicina Física e Reabilitação, Ortopedia e Reumatologia, por grupo etário e sexo nos 3 meses anteriores ao inquérito. Classe etária (anos) < Sexo masculino n (%) 249 (5,0) 58 (4,2) 50 (3,1) 55 (3,3) 24 (2,4) Sexo feminino n (%) 177 (2,8) 69 (3,1) 121 (5,1) 93 (4,0) 48 (3,0) Porque as doenças reumáticas são a mais importante causa de morbilidade nas sociedades actuais e estão inevitavelmente associadas ao envelhecimento, na Tabela 3 é apresentada a proporção da amostra inquirida que classificou como mau ou muito mau o seu estado de saúde. Esta proporção foi maior na classe etária acima dos 75 anos, tanto nos homens (40,1%) como nas mulheres (55,1%). Naturalmente, este aumento da proporção com a idade não será devido exclusivamente às doenças reumáticas, mas é possível estabelecer uma relação entre esta tendência e a proporção de indivíduos que declararam ter habitualmente dores nas costas, apresentada na Tabela 4. Igualmente o contributo dos sintomas pode estar reflectido nos gastos referidos em medicamentos (Tabela 5). Tabela 3. Número absoluto e proporção dos inquiridos que caracterizou como mau ou muito mau o seu estado de saúde à data do INS. Classe etária (anos) < Sexo masculino n (%) 305 (4,7) 181 (12,7) 436 (27,3) 618 (35,0) 402 (40,1) Sexo feminino n (%) 496 (5,5) 642 (25,6) 1082 (41,4) 1325 (52,6) 884 (55,1) Tabela 4. Número absoluto e proporção dos inquiridos que referiu dores nas costas habituais. Classe etária (anos) < Sexo masculino n (%) 2280 (17,4) 1423 (46,1) 1568 (55,0) 1488 (56,5) 848 (54,6) Sexo feminino n (%) 3207 (24,7) 2054 (60,3) 2369 (68,9) 2384 (74,2) 1483 (62,1) Tabela 5. Gastos com medicamentos (média ± desvio-padrão, em escudos) nos dois meses anteriores ao Inquérito Nacional de Saúde, de acordo com a presença auto-declarada de dores nas costas habituais. Dores nas costas n Média ± DP p Não (60,4) 811 ± 2761 Sim (39,6) 2092 ± 4298 <0, ONDOR Relatório de Actividades

11 Com o objectivo de averiguar da distribuição geográfica das queixas de lombalgias, e relacionando-as com a distribuição geográfica dos gastos em saúde, construíram-se as Figuras 1 e 2, consideradas no Inquérito Nacional de Saúde. Figura 1. Referenciação geográfica de dores nas costas, idade e média de consultas médicas nos 3 meses anteriores ao inquérito por NUT2, de acordo com os dados do Inquérito Nacional de Saúde 1998/99. Relatório de Actividades ONDOR 15

12 Figura 2. Referenciação geográfica da despesa média com medicamentos por NUT2, de acordo com o Inquérito Nacional de Saúde 1998/99. Verifica-se que a proporção de queixas lombares é naturalmente maior nas regiões onde é mais alta a média de idades, não sendo evidentes diferenças no número médio de consultas médicas referidas. Em conjunto, os mapas sugerem alguma correspondência entre queixas lombares e despesa com medicamentos. 16 ONDOR Relatório de Actividades

13 2.2. RELATÓRIO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE SAÚDE SOBRE A PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÓNICAS EM PORTUGAL O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, através do Observatório Nacional de Saúde, publicou em Julho de 2005 o relatório Uma observação sobre a prevalência de algumas doenças crónicas em Portugal Continental (6). Neste estudo transversal, a amostra era constituída por 2820 indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos, distribuídos pelas cinco unidades territoriais NUT2 (Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve) avaliados por entrevista telefónica entre 25 de Novembro e 15 de Dezembro de Declararam sofrer de uma ou mais doenças reumáticas 690 (24%). As diferenças nas proporções de indivíduos que referiram doença reumática por região não foram significativas (Tabela 6). Tabela 6. Proporção (intervalo de confiança: IC 95%) de indivíduos que referiram doenças reumáticas, por região. Regiões n Prevalência (%, IC 95%) Norte ,1 (18,0-24,4) Centro ,3 (21,8-29,1) Lisboa e Vale do Tejo ,3 (21,6-29,3) Alentejo ,0 (23,2-31,1) Algarve ,5 (21,8-29,3) Total ,0 (22,4-25,7) Foram encontradas proporções significativamente diferentes entre sexos: 29,1% (IC 95%: 26,7 31,7) das mulheres e 18,3% (IC 95%: 16,2 20,6) dos homens referiram doenças reumáticas. Observou-se também uma tendência significativa para o aumento da prevalência com a idade (Tabela 7). Tabela 7. Proporção de indivíduos que referiram doenças reumáticas por sexo e idade em Portugal (ONSA) e no Porto (ONDOR). Portugal - ONSA Porto - EPIPorto n Prevalência (%, IC95%) n Prevalência (%, IC95%) Sexo Masculino ,3 (16,2-20,6) ,1 (10,2-16,6) Feminino ,1 (26,7-31,7) ,7 (25,6-32,0) p<0,001 p<0,001 Relatório de Actividades ONDOR 17

14 Portugal - ONSA Porto - EPIPorto n Prevalência (%, IC95%) n Prevalência (%, IC95%) Idade (anos) ,5 (0,3-8,4) ,4 (1,2-4,9) 84* 4,8 (1,3-11,7) ,2 (3,3-8,2) 189 6,9 (3,7-11,5) ,4 (8,4-15,4) ,3 (7,5-16,1) ,0 (20,7-29,8) ,1 (16,1-26,8) ,2 (34,3-44,4) ,2 (25,1-37,8) ,2 (49,7-60,6) ,7 (37,6-51,9) ,5 (55,5-68,9) 78 44,9 (33,6-56,6) p<0,0001 p<0,0001 * classe etária anos Estes resultados vêm de encontro às usuais estimativas de prevalência, quer em relação à distribuição da patologia referida por sexo quer à tendência relacionada com a classe etária. Os resultados dos dois estudos são semelhantes na tendência, podendo as diferenças nas prevalências por idade ser justificadas pelos diferentes métodos de inquirição, a entrevista telefónica no estudo do ONSA e a entrevista pessoal no estudo EPIPorto. Nos dois casos é importante referir as óbvias limitações do uso da patologia auto-declarada (sem confirmação clínica) que vem sendo descrita como resultando em sobre-estimativas. No estudo do ONSA será também de referir adicionalmente a ausência de especificações relativas ao tipo e gravidade das patologias, que poderá limitar a interpretação dos resultados. Não obstante, a prevalência e distribuição encontradas são indicadores importantes do peso da patologia musculo-esquelética na população portuguesa. 18 ONDOR Relatório de Actividades

15 2.3. INTERNAMENTOS POR PATOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA EM PORTUGAL O conhecimento dos internamentos hospitalares por patologia reumática em Portugal é um indicador no estudo da adequação de recursos, em número e em distribuição. Além disso, é uma das medidas dos encargos em saúde na área das doenças musculo-esqueléticas. No Relatório do Ponto de Situação dos Ganhos de Saúde em Portugal pela Direcção Geral de Saúde, é apresentado um resumo da evolução dos episódios de internamentos hospitalares por fracturas do colo do fémur e por doenças reumáticas e articulares (7). Verificaram-se diminuições no número absoluto de óbitos, na demora média do internamento e na letalidade (Tabela 8). Tabela 8. Evolução nos parâmetros dos episódios de internamento por fractura do colo do fémur e por doenças reumáticas e articulares em Portugal. Episódios de internamento por fractura do colo do fémur Anos Altas Óbitos % letalidade Dias de internamento Demora Média , , , ,3 Episódios de internamento por doenças reumáticas e articulares Anos Altas Óbitos % letalidade Dias de internamento Demora Média , , , ,1 Fonte: Base de Dados GDH, DE, DSIA, DGS. Na Tabela 9 é apresentada a informação respeitante a todos os episódios de internamento ocorridos em Portugal entre 1 de Janeiro de 2003 e 31 de Dezembro de 2004 aos quais foi atribuído o código 714 da Classificação Internacional de Doenças (dados cedidos pelo Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde, IGIF). Relatório de Actividades ONDOR 19

16 Tabela 9. Internamentos classificados com o código 714 e respectivas extensões no período de 1 de Janeiro de 2003 a 31 de Dezembro de Homens Grupo Etário Número de altas Total de dias de internamento Duração média dos internamentos (dias) , , , , , , , , ,8 Mulheres Grupo Etário Número de altas Total de dias de internamento Duração média dos internamentos (dias) , , , , , , , , ,7 Fonte: Base de dados IGIF. Em todas as classes etárias, com excepção da primeira, foi mais elevado o número de altas no sexo feminino, correspondendo a um maior número total de dias de internamento, uma observação que é consistente com a distribuição conhecida deste grupo de patologias. Às duas primeiras classes etárias corresponderam importantes números de internamentos, devidos maioritariamente às artrites juvenis, que reflectem a gravidade da patologia nestas idades. Nas classes subsequentes nota-se uma tendência para o aumento com a idade no número de altas que poderá reflectir o aumento da gravidade da patologia com a idade. 20 ONDOR Relatório de Actividades

17 2.4. ALGUNS DADOS SOBRE OS INTERNAMENTOS POR PATOLOGIA REUMÁTICA NO PERÍODO No mesmo contexto da secção anterior, o da avaliação da extensão e da importância relativa dos encargos em saúde nesta área, é útil fazer uma abordagem geográfica ao número e à duração dos internamentos por patologia reumática em Portugal. Nas Tabelas 10 a 12 são apresentados alguns dados sobre os internamentos, entre 2003 e 2005, em três Serviços de Reumatologia (identificados como 1, 2 e 3) de hospitais portugueses situados em diferentes regiões do país, por sexo e tempo de internamento. A Tabela 13 apresenta informação relativa às consultas da especialidade de Reumatologia de um dos Serviços. Tabela 10. Serviço de Reumatologia 1: Evolução no número e demora média dos internamentos entre 2003 e 2005 (período de 1 de Janeiro a 30 de Junho) Variação (%) 03/05 04/05 Doentes saídos ,17 60,71 Demora média (dias) 6,89 7,43 10,07 46,08 35,51 Taxa de ocupação (%) 49,45 34,20 65,19 31,84 90,61 Neste serviço sobressai uma tendência aparente para o aumento na demora média dos doentes entre 2003 e 2005, não se verificando diferenças importantes no número de doentes saídos nem na taxa de ocupação. Tabela 11. Serviço de Reumatologia 2: Número e duração média dos internamentos no período 2003 a 2004, por idade e sexo Homens Mulheres Homens Mulheres Idade n Duração (média±dp) n Duração (média±dp) n Duração (média±dp) n Duração (média±dp) ,0 1 15, ,6 ± 8,5 27 6,5 ± 10,1 7 10,7 ± 8, ,4 ± 17, ,3 ± 8,2 44 7,0 ±10, ,1 ± 11, ,2 ± 11, ,9 ± 13, ,1 ± 10, ,9 ± 16, ,7 ± 24, ,0 ± 13, ,4 ± 16,6 8 28,4 ± 17, ,6 ± 23, ,7 ± 10,7 4 1,0 ± ,4 ± 12,8 Relatório de Actividades ONDOR 21

18 No Serviço 2 nota-se, globalmente, uma tendência para o aumento da duração média do internamento com a idade, para os dois sexos. No entanto, o número total de internamentos é sempre maior na classe etária dos 45 aos 65 anos, o que se deve provavelmente à sua amplitude, principalmente quando comparada com a classe dos 65 aos 75 anos. Tabela 12. Serviço de Reumatologia 3: Número e duração média ± desvio-padrão dos internamentos no ano de 2003, por sexo. Período 01/01/2003 a 31/12/2003 Homens Mulheres n Duração (dias) ± DP n Duração (dias) ± DP 146 8,47 ± 9, ,9 ± 33,3 No Serviço 3 os internamentos foram mais frequentes em mulheres, sendo a duração do internamento acompanhada de grande dispersão em torno da média. Tabela 13. Evolução no número de consultas de Reumatologia do Serviço 1, entre 2003 e 2005 (período de 1 de Janeiro a 30 de Junho). Número de consultas Variação (%) 03/05 04/05 Primeiras ,63-12,93 Subsequentes ,01 9,67 Total ,56 4,58 Verifica-se uma tendência aparente para o aumento do número total de consultas, para o qual contribuem principalmente as consultas de seguimento. As consultas são um melhor indicador da utilização de cuidados de saúde em reumatologia, considerando que, com excepção de certos quadros clínicos (como as fracturas da anca e os episódios de agudização de certas patologias inflamatórias), será fundamentalmente em ambulatório que os cuidados são fornecidos. É, no entanto, nítido o interesse de um levantamento mais aprofundado dos internamentos e das consultas de Reumatologia em cada Serviço ou Unidade, no sentido da uniformização dos dados recolhidos e do estudo da sua distribuição geográfica em Portugal. Com esta finalidade está planeada para o ano de 2006 a promoção da utilização da base de dados online do ONDOR, na qual poderão ser inseridos dados relativos às características dos internamentos e das consultas por patologia reumática, de modo a que se torne possível avaliar o panorama nacional de forma mais completa. 22 ONDOR Relatório de Actividades

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento?

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Uma análise de epidemiologia espacial INEB - Instituto de Engenharia Biomédica Maria de Fátima de Pina Instituto de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS - PNCDR

PROGRAMA NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS - PNCDR PROGRAMA NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS - PNCDR Estratégias e Calendarização de actividades Programa do ano de 2005 (Actividades de 6 meses e 1 ano e início de actividades de 2 anos) O Programa

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

A Dor Crónica em Portugal

A Dor Crónica em Portugal A Dor Crónica em Portugal Portugal 1 104278 A5 12pp Portugal.indd 1 13/10/2010 16:51 2 104278 A5 12pp Portugal.indd 2 13/10/2010 16:51 The Pain Proposal Estima-se que a dor crónica afecte, em média, um

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR. RICARDO JORGE

INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR. RICARDO JORGE www.onsa.pt INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR. RICARDO JORGE A DOR NA POPULAÇÃO PORTUGUESA ALGUNS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS Relatório Sara Rabiais (Estatista) Paulo Jorge Nogueira (Estatista) José Marinho

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos Hospitais: Uma ferramenta de Benchmarking

Avaliação do Desempenho dos Hospitais: Uma ferramenta de Benchmarking Avaliação do Desempenho dos Hospitais: Uma ferramenta de Benchmarking Manuel Delgado 11 ou 12 de Novembro de 2010 (Consoante data da s/ intervenção) Nome da Apresentação (insira os dados no master/modelo

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993

1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993 1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993 "O S.N.S. engloba um conjunto de instituições e serviços que dependem do Ministério da

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) INDICE I. APRESENTAÇÃO... 13 II. METODOLOGIA... 17 III. ANÁLISE DA SITUAÇÃO...

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A ARTRITE REUMATÓIDE E A DIABETES MELLITUS TIPO 2 Análise da Base de Dados de Doenças Reumáticas Norte-Americana National Data Bank for Rheumatic Diseases PROJECTO DE TESE

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde.

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA

PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA Grupo Coordenador: Dr. Mário Freitas (Médico de Saúde Pública; UOSP/ Centro de Saúde de Braga) Dra. Joana Marques (Médica Int. Comp. Saúde Pública) Dra. Paula

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

Metodologia. Método de recolha de dados

Metodologia. Método de recolha de dados Amigas dos Idosos Entidade Promotora/co-financiadora Entidades Co-Financiadoras Metodologia Método de recolha de dados O processo de recolha de dados que foi desenvolvido no âmbito do projeto cidades envolveu

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA NÚMERO: 001/2010 DATA: 30/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Prescrição da Osteodensitometria na Osteoporose do Adulto Osteodensitometria Médicos do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Departamento de Epidemiologia (DEP)

Departamento de Epidemiologia (DEP) O Dia do INSA 27 de Setembro de 2010 Auditório do Centro de Genética Médica Doutor Jacinto de Magalhães PORTO A Observação: função colaborativa Atribuições, actividades e perspectivas de colaboração Departamento

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo Tendências do Mercado de SST João Florindo 1 O que nos preocupa na UE Para o universo de 217 milhões de trabalhadores da EU, registam-se: 4.000 mortes devido a acidentes de trabalho (EEAT 2011) 159.500

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 02 - de 05/01/2015 a 11/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 02 - de 05/01/2015 a 11/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ²

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ² Avaliação epidemiológica de pacientes portadores de doenças reumáticas atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da Eseffego-UEG no período de 2006 a 2008 Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª Recomenda ao Governo que adopte medidas urgentes que diminuam os tempos de espera para consulta e cirurgia oncológica e que melhorem a qualidade e o

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2003

SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2003 9 de Janeiro de 4 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 3 Em Junho de 3, 38,3% dos agregados domésticos portugueses

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco

SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco 1_ DADOS BIOGRÁFICOS E FORMAÇÃO ESCOLAR JAIME DA CUNHA BRANCO, filho de Francisco Rodrigues Branco e de Dorinda Maria da Cunha Claro Branco( ), nasceu em Lisboa,

Leia mais

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05 Para: Contacto na DGS: Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores

Leia mais

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde:

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde: A Informação Geográfica aplicada à área da Saú: O papel das Infra-Estruturas Informação Geográfica na sua aquisição Epimiologia Rita Nicolau Índice Epimiologia Introdução Exemplos utilização Informação

Leia mais

O estado da Reumatologia em PORtugal

O estado da Reumatologia em PORtugal Programa Nacional Contra as Doenças reumáticas O estado da Reumatologia em PORtugal Raquel Lucas Mª Teresa Monjardino Programa Nacional Contra as Doenças reumáticas O estado da Reumatologia em Portugal

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS Exposição de motivos O presente projecto de lei consagra a integração

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

Newsletter nº 65 de 28 de Janeiro de 2010

Newsletter nº 65 de 28 de Janeiro de 2010 Newsletter nº 65 de 28 de Janeiro de 2010 Gripenet volta a sazonal A monitorização Gripenet recolhe dados sobre a situação gripal no país entre finais de Outubro e finais de Abril (durante a chamada época

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Filomena Horta Correia Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARSA, IP 15 de Setembro de 2010 O cancro da mama é o

Leia mais

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9 2011/2012 Módulo V.II Endocrinologia Tema da Aula: Patologia Mineral - Osteoporose Docente: Dr. Mário Rui Mascarenhas Data: 11/01/2012 Número da Aula Previsto: 30 Desgravador: Francisca Costa, Joana Carvalho

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais