INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012"

Transcrição

1 INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012

2

3

4

5

6 SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade Ambiental x Econômica Megatendências... Crescimento da população Crescimento do consumo Produção e Consumo Sustentáveis

7 Modelo não Sustentável Serão necessários 2 planetas Atendimento as necessidades Fonte: Wuppertal Institute

8 Modelo não Sustentável Após o processo de fabricação 90% tornam-se resíduos, imediatamente 80% dos produtos serão descartados após o primeiro uso Produzir uma escova de dente resulta em 1,5 kg de resíduos Produzir 1 telefone celular resulta em 75 kg de resíduos Produzir 1 metro cúbico de papel são necessários 100 metros cúbicos de água Fonte: Wuppertal Institut

9 A geração de telefones celulares Nota: Os celulares diminuem de tamanho ao longo do tempo e são cada vez mais descartáveis. Os aparelhos contém metais pesados que raramente são reciclados.

10 PRODUÇÃO MAIS LIMPA- Decoupling

11 Comparando PROFISSIONAL DA SAÚDE MEDICINA CURATIVA PROFISSIONAL DA SAÚDE MEDICINA PREVENTIVA TRATAMENTO CLÍNICO OU CIRÚRGICO Alimentação Higiene Hábitos Saudáveis Vacinação TRATAR A DOENÇA EVITAR A DOENÇA

12 Comparando POSTURA AMBIENTAL CONVENCIONAL TÉCNICAS DE FIM DE TUBO FILTROS, TRATAMENTO DE EFLUENTES, ATERROS SANITÁRIOS POSTURA AMBIENTAL ATUAL PRODUÇÃO MAIS LIMPA Redução do consumo de mp, água e energia, reuso, reciclagem Novas Tecnologias Monitoramentos TRATAR O RESÍDUO EVITAR OS RESÍDUOS

13 ABORDAGEM CONVENCIONAL - FIM DE TUBO Resíduo é gerado! Como tratar e dispor? CUSTOS AMBIENTAIS Energia Matérias- primas Água PROCESSO PRODUTIVO Resíduos sólidos Efluentes líquidos Emissões atmosféricas Tratamento *Resíduos *Efluentes *Emissões Disposição Final Meio Ambiente Ação

14 FIM DE TUBO = É DESPESA SEM RETORNO!!! É DESPESA SEM LEGISLAÇÃO AMBIENTAL = CUMPRIMENTO É OBRIGATÓRIO!!!

15 Premissas Produção mais Limpa(PmaisL) Massa e Energia são constantes MP Resíduo O que não é produto, é resíduo! Produto Passivo Ambiental

16 O que é Produção mais Limpa? Aplicação de uma metodologia que utiliza critérios técnicos econômicos ambientais Busca a redução geração de resíduos (consumo de matéria-prima) consumo de água consumo de energia Traz benefícios ambientais econômicos saúde e segurança

17 PRODUÇÃO MAIS LIMPA Produção mais Limpa significa a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso das matérias-primas, água e energia através da não-geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados em todos os setores produtivos. De acordo com a United Nations Environmental Program/United Nations Industrial Development Organization - UNEP/UNIDO

18 Identificação de oportunidades de PmaisL= INOVAÇÃO PRODUÇÃO MAIS LIMPA Minimização de resíduos e emissões Reuso de resíduos e emissões Prioridade Nível 1 Nível 2 Nível 3 Redução na fonte Reciclagem interna Reciclagem externa Ciclos biogênicos Modificação no produto Modificação no processo Estruturas Materiais Boas Práticas Substituição de matérias-primas Modificação Tecnológica

19 Sobe Desce + Competitividade + Lucros + Produtividade + Sustentabilidade + Imagem da empresa no mercado - Custos de Produção - Custos com Matérias Primas - Retrabalho -Redução do Passivo Ambiental - Redução do Passivo Trabalhista - Riscos aos Trabalhadores - Geração de Resíduos - Penalidades Ambientais

20 Avaliação de competitividade Potenciais de Redução R$ Cenário VERMELHO Cenário AMARELO Cenário VERDE Cenário AZUL PmaisL MP R$ (80.000,00)/ano R$ ,00/ano R$ ,00/ano Lenha Tratamento de Efluentes Energia Elétrica Energia Elétrica Desnecessário R$ (50.000,00)/ano R$ ,00/ano R$ ,00/ano R$ (50,00)/ano R$ 350,00 /ano R$ 700,00/ano R$ ,00 /ano R$ ,00/ano R$ ,00/ano R$ 5.000,00 R$ 5.000,00 R$ 5.000,00 Potencial Total (R$ ,00)/ano R$ ,00/ano R$ ,00/ano

21 Avaliação de Competitividade da Indústria Gaúcha Diagnóstico de PmaisL Indústria de Embalagens

22 Abordagem de FIM DE TUBO X Abordagem de PMAISL Nos protege da poluição Mas não da ineficiência!

23 P+L: Aproximadamente 300 empresas INVESTIMENTOS(R$) BENEFICIOS ECONOMICOS ANUAL(R$) R$ ,75 R$ ,20

24

25

26 25,00 20,00 Redução das emissões atmosféricas anuais 20 15,00 10,00 5,00 - Emissoes Atmosfericas (t)

27

28 Implantação de um Programa de Produção Mais Limpa É a avaliação técnica, econômica (que já era feita) e AMBIENTAL(que é a novidade!) do processo industrial e a posterior identificação de oportunidades que possibilitem sua maior eficiência, com menor impacto ambiental A metodologia pode ser aplicada em todos os setores, incluindo INDÚSTRIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS, além de atividades do setor PRIMÁRIO. + TÉCNICAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA = R$

29 Programa de PRODUÇÃO MAIS LIMPA ANTES DA PMAISL DEPOIS DA PMAISL Retorno Empresa fabricante de paes e cucas localizada em Pelotas, RS. Com a implementação do PmaisL, a empresa obteve: Retorno Financeiro R$ 3.887,67 Investimentos R$ 262,50 Aplicação conjunta de farofa sobre as cucas Aplicação individual de farofa sobre as cucas Retorno ambiental anual: Redução da geração de resíduo de farofa de cuca kg/ano Redução da geração de resíduos de farofa na fabricação da cuca 68,3%

30 fac a para c orte e vinco Effem este lado para baixo vinc o c orte faca para corte e vinc o Effem este lado para baixo vinc o c ort e f ac a para c orte e vinco Eff em este lado para baixo vinco c orte fac a para corte e vinco Ef fem este lado para baixo vinc o corte Programa de PRODUÇÃO MAIS LIMPA Retorno Empresa fabricante de embalagens, adesivos, rótulos localizada no RS. Com a implementação do PmaisL, a empresa obteve: Retorno Financeiro R$ 795,00 Investimentos R$ 95,00 Para os 20 produtos R$ ,00. Retorno ambiental anual:. -Redução de resíduo classe I-1,44kg/ano -Redução da quantidade de tintas nas aparas- 97%. -Otimização no consumo de tinta -20%

31 Exemplo Investimento: R$ ,00 Benefício Econômico: R$ ,00 Redução de Resíduos Classe I Antes da P+L Depois da P+L

32 Exemplo Redução de 9% no consumo de energia elétrica Antes da P+L Depois da P+L

33 Exemplo 1 ANTES Utilização de espátulas para aplicação de cola, com sobra de material após colagem, necessitando limpeza

34 Redução do consumo de matériaprima e menor geração de resíduo: aquisição de pistolas para aplicação de adesivo nas peças DEPOIS BENEFÍCIOS OBTIDOS Investimento: R$ 1.194,00 Benefício Econômico: R$ 6.562,00/ano Benefício Ambiental: redução da geração do resíduo de adesivo em 51%

35 Exemplo 2 ANTES Utilização de excesso de tinta para a pintura de chapas metálicas.

36 BENEFÍCIOS OBTIDOS DEPOIS Redução no consumo de tinta na pintura: alteração da pressão de ar das pistolas. Benefício Econômico: R$ ,28/ano Benefício Ambiental: redução da geração de borra de tinta (resíduo classe I)

37 Exemplo 3 ANTES Geração de resíduos de plásticos de embalagem contaminados com óleo mineral

38 Couro Moveis Chapa metal

39 MATÉRIAS-PRIMAS Todos os resíduos, emissões e efluentes que você está atualmente pagando para tratar ou dispor, foram anteriormente adquiridos $$ por sua empresa. RESÍDUOS, EMISSÕES E EFLUENTES

40 Validade:08/05/2009 Votorantin Celulose e Papel Recomendamos implantar, no prazo de Vigência desta Licença Programa de Desempenho Ambiental demonstrando os ganhos e Indicadores Ambientais a serem utilizados, assim como as Medidas de Prevenção P2 ou Produção mais Limpa - P+L, a serem implementadas.

41 SIMBIOSE INDUSTRIAL O que é Simbiose? Uma interação entre dois organismos diferentes vantajosamente localizados próximos um do outro Concise Oxford Dictionary, 8th Edition

42 O que é Simbiose Industrial? Troca física de recursos - materiais, serviços, conhecimento, energia e/ou subprodutos. Materiais não utilizados por uma empresa podem se tornar materiais de valor para outras redução de custo e ganhos ambientais. Facilita a colaboração na utilização de ativos, logística reversa e troca de capacidade técnica entre as empresas.

43 Workshop OBJETIVO Identificação de oportunidades de negócios oferecendo benefícios mútuos a todas as empresas envolvidas: Melhoria no gerenciamento de resíduos; Melhoria no gerenciamento de resíduos; Aumento de reciclagem e re-uso de materiais; Redução de custos; Inovação.

44 Como funciona Princípios bastante simples: fazendo combinações O que você TEM? Recursos Indesejados O que você PROCURA? Recursos que você pode usar/processar COMBINAÇÕES são feitas + = A cada rodada novas COMBINAÇÕES são feitas

45 Simbioses entre empresas Indústria de Cosméticos Indústria Fabricante de Tintas e Solventes Gera solventes usado (Acetona, Acetatos, Metiletilcetona) Redução na compra de matéria prima na fabricação de tintas Destinação final: Incineração

46 Simbioses entre empresas Indústrias de Confecções Indústria de revestimentos automotivos Gera retalhos de tecidos Consumo diário de retalhos

47 Oferta O que você tem produtos químicos lodo água contaminada madeira paletes de madeira resíduos organicos armazém vazio embalagem pneus papelão óleo metal cinza

48 Procura O que você precisa Testes de laboratório Combustíveis alternativos Disposição adequada a resíduos perigosos Reciclagem de plástico Sistema de aquecimento mais eficiente Paletes Materiais para embalagem Logística segura

49 Banco de Resíduos O que é? A Bolsa de Recicláveis da FIERGS é um portal eletrônico de compra, troca e venda de resíduos, buscando fortalecer e criar novas oportunidades para o setor de reciclagem, não somente no Rio Grande do Sul mas em todo o país. rs.com.br/

50

51 Desafios e Oportunidades: Disseminação do conceito de Prevenção (Competitividade x Sustentabilidade é um falso dilema) Ciclo da Sustentabilidade Ambiental P+L / C+L O que falta para essa (R)Evolução???

52 CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIAS LIMPAS CNTL SENAI /UNIDO /UNEP National Cleaner Production Centre Endereço: Av. Assis Brasil, 8450 CEP: Porto Alegre - RS Fone: (51) Fax: (51) DIRETOR: Márcio Torres

Eco-eficiência. nas empresas de pequeno porte

Eco-eficiência. nas empresas de pequeno porte Eco-eficiência nas empresas de pequeno porte Setor de Alimentos Eng. Ana Oestreich Junho de 2014 Chefe de Tecnologias Limpas CTS Ambiental - SENAI-RJ Desafios da Indústria de Alimentos Qualidade de processos

Leia mais

Produção mais Limpa Aplicada em Restaurantes. Cláudio Senna Venzke senna@unisinos.br

Produção mais Limpa Aplicada em Restaurantes. Cláudio Senna Venzke senna@unisinos.br Produção mais Limpa Aplicada em Restaurantes Cláudio Senna Venzke senna@unisinos.br Contexto Desperdício da alimentos Problema recorrente, tanto na etapa de produção, como transporte,preparo e pós consumo.

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

NÚCLEOS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA

NÚCLEOS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NÚCLEOS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA Características Objetivo: atuar na área ambiental com foco em Produção mais Limpa. Características Áreas de atuação: Informação tecnológica Capacitação de recursos humanos

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

Produção mais Limpa Inovação e Sustentabilidade

Produção mais Limpa Inovação e Sustentabilidade Produção mais Limpa Inovação e Sustentabilidade Duvivier Guethi Junior Superintendente do IPEG 1 2 Há diferentes interpretações para o mesmo objetivo? Alegria Tristeza A Vida fica mais fácil? Quando os

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Projeto Simbiose Industrial e Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para APLs

Projeto Simbiose Industrial e Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para APLs Projeto Simbiose Industrial e Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para APLs Mas antes... A Atividade Humana e o Meio Ambiente: o que podemos fazer para melhorar esta relação? Conceitos Ecologia

Leia mais

VERSÃO COMPACTA. 17ª Edição do PRÊMIO FIESP de MÉRITO AMBIENTAL 14 de Março de 2011. Responsável pelas informações:

VERSÃO COMPACTA. 17ª Edição do PRÊMIO FIESP de MÉRITO AMBIENTAL 14 de Março de 2011. Responsável pelas informações: MAHLE Metal Leve S.A., Mogi Guaçu SP Brasil VERSÃO COMPACTA 17ª Edição do PRÊMIO FIESP de MÉRITO AMBIENTAL 14 de Março de 2011. MAHLE Metal Leve S.A Avenida Ernst MAHLE, 2000 Bairro Mombaça 13846-146 Mogi

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br A Produção Mais Limpa (PML) é uma estratégia aplicada na produção e nos

Leia mais

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL A Comissão Ministerial de Gestão Ambiental foi criada através da Portaria POR-PGJ n 204/08, com o fim de estudar, sugerir e acompanhar a implementação de medidas administrativas

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

Aplicação da Filosofia Produção Mais Limpa em Indústria de Tampas de Embalagem Metálica para Pescado

Aplicação da Filosofia Produção Mais Limpa em Indústria de Tampas de Embalagem Metálica para Pescado Aplicação da Filosofia Produção Mais Limpa em Indústria de Tampas de Embalagem Metálica para Pescado S. M. Kakuda (1), A. L. Berreta-Hurtado (2), C. A. K. Gouvêa (2), 1. Aluno do curso de Mestrado em Engenharia

Leia mais

Inovação e Sustentabilidade na Indústria Química

Inovação e Sustentabilidade na Indústria Química Inovação e Sustentabilidade na Indústria Química Paulo Roberto Furio Siquirj Rio de Janeiro, RJ 21 de maio de 2014 Modelo de Atuação O Sistema FIRJAN e o Meio Ambiente Diretoria de Qualidade de Vida (DQV)

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Resultados Práticos

Sustentabilidade em Edificações Resultados Práticos Sustentabilidade em Edificações Resultados Práticos Luiz Henrique Ceotto lhceotto@tishmanspeyer.com.br Nelson Faversani Junior nfaversa@tishmanspeyer.com.br O mundo em que vivemos Clima pode levar a guerras

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS -

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS - Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Instrumento da PNRS - VISÃO para os Planos : 1 - conjunto de ações voltadas para a busca de soluções 2 - considerar as dimensões política, econômica, ambiental,

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

De encontro à Ecologia Industrial

De encontro à Ecologia Industrial De encontro à Ecologia Industrial Comando e controle Tecnologias para solucionar problema específico Resíduos/lixo 3R Prevenção à poluição Produção mais limpa Tecnologias mais limpas Eco-Eficiência Metabolismo

Leia mais

Plano de sensibilização do Projeto Simbiose Industrial para os Arranjos Produtivos Locais do Rio Grande do Sul

Plano de sensibilização do Projeto Simbiose Industrial para os Arranjos Produtivos Locais do Rio Grande do Sul Plano de sensibilização do Projeto Simbiose Industrial para os Arranjos Produtivos Locais do Rio Grande do Sul Porto Alegre, 17 de janeiro de 2014 Sumário: 1. Ecologia Industrial 2. O que é Simbiose Industrial

Leia mais

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012 Sistemas de gestão ambiental SGA Um sistema de gestão ambiental pode ser definido como uma estrutura organizacional que inclui responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos necessários

Leia mais

X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Autora: Jacqueline B. Annes - Engenheira Civil graduada pela Universidade Federal

Leia mais

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações.

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

Ecologia Industrial Existem empresas que não têm possibilidade de simbiose?

Ecologia Industrial Existem empresas que não têm possibilidade de simbiose? Ecologia Industrial Existem empresas que não têm possibilidade de simbiose? Valéria Madeira Apresentação do Grupo de Pesquisa O Grupo de Ecologia Industrial Aplicada (GEIA) surgiu dentro do programa de

Leia mais

BENEFICIOS GERADOS NA APLICAÇÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS EMPRESAS

BENEFICIOS GERADOS NA APLICAÇÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS EMPRESAS BENEFICIOS GERADOS NA APLICAÇÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS EMPRESAS Marusi Kalb Kolling ¹; Roberto De Gregori² ;Igor Bernardi Sonza³. Introdução O tema sustentabilidade ganhou cada vez mais espaço em

Leia mais

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR)

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de aula 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO: POPULARIZANDO

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO.

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO. PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO. Breve Currículo José Rodrigues de Oliveira Filho Mestrando em Ecologia e Produção Sustentável pela PUC-GO, Pós-Graduado em Gestão Ambiental pela UCG, Economista e publicitário.

Leia mais

ANEX0 1 - Ementas Curso PmaisL SENAI MG CURSO. Aplicação da Metodologia de Produção mais Limpa em Empresas

ANEX0 1 - Ementas Curso PmaisL SENAI MG CURSO. Aplicação da Metodologia de Produção mais Limpa em Empresas ANEX0 1 - Ementas Curso PmaisL SENAI MG CURSO Aplicação da Metodologia de Produção mais Limpa em Empresas MÓDULO 01: METODOLOGIA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA Etapas 1 e 2 40 horas ETAPA 1 - Planejamento e Organização

Leia mais

PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos

PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa dos Equipamentos Eletroeletrônicos 04/05/2016 Ademir Brescansin Gerente de Sustentabilidade ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica

Leia mais

Case Bebidas Fruki. Gestão Ambiental e Programa Tecnologias Limpas

Case Bebidas Fruki. Gestão Ambiental e Programa Tecnologias Limpas Case Bebidas Fruki Gestão Ambiental e Programa Tecnologias Limpas EMPRESA GAÚCHA, FAMILIAR 900 PROFISSIONAIS MAIOR EMPRESA REGIONAL DE BEBIDAS DO RS 90 ANOS DE HISTÓRIA EM 2014 NOSSOS PRODUTOS Cultura

Leia mais

Gestão da Qualidade e Meio Ambiente

Gestão da Qualidade e Meio Ambiente Com o objetivo de desenvolver a consciência ambiental em nossos fornecedores, visando a propagação e a prática da política ambiental da empresa e o atendimento aos requisitos do sistema de gestão ambiental,

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

24/2/2016. Miguel Bahiense Presidente

24/2/2016. Miguel Bahiense Presidente 24/2/2016 Miguel Bahiense Presidente INTRODUÇÃO Comparação de produtos e processos baseada na avaliação do ciclo de vida (ACV) - NBR ISO 14040; Ferramenta desenvolvida pela BASF; Aspectos ambientais e

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle

RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS GERENCIAMENTO Segundo a resolução CONAMA 302/02 o gerenciamento de resíduos sólidos é definido como: O conjunto de atividades ligadas

Leia mais

PR O C E S S O E-07/510270/2010 UNIMIL UNIFORMES MILITARES LTDA PR O C E S S O E-07/507472/2011 ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A.

PR O C E S S O E-07/510270/2010 UNIMIL UNIFORMES MILITARES LTDA PR O C E S S O E-07/507472/2011 ESSENCIS SOLUÇÕES AMBIENTAIS S.A. Boletim de Serviço Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marilene Ramos Vice-Presidente

Leia mais

Este produto está garantido contra defeito de fabricação por um período de 18 (dezoito) meses, a contar da data da nota fiscal de saída do produto.

Este produto está garantido contra defeito de fabricação por um período de 18 (dezoito) meses, a contar da data da nota fiscal de saída do produto. Parabéns por ter adquirido um dos produtos da Fertron, uma empresa que tem orgulho de ser brasileira, atendendo clientes em todo o território nacional e também em diversos países. Nossa meta é oferecer

Leia mais

contaminação e gerenciamento

contaminação e gerenciamento Painel Técnico: Mercúrio e seus Riscos no Contexto da Vigilância Sanitária Mercúrio e Meio Ambiente: contaminação e gerenciamento Sérgia de Souza Oliveira ANVISA, 12 setembro 2011 Estrutura Organizacional

Leia mais

Revista de Graduação da Engenharia Química

Revista de Graduação da Engenharia Química Revista de Graduação da Engenharia Química ISSN 1516-5469 ANO VI No. 12 Jul-Dez 2003 GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA DA ECOLOGIA INDUSTRIAL Izabel R. Silva, Cecília M.V.B. Almeida e

Leia mais

Indicadores de Entrada e Saída com base na Norma NBR ISO 14031. Estudo de Caso no Setor de Pintura de uma empresa do APL MMAVRN

Indicadores de Entrada e Saída com base na Norma NBR ISO 14031. Estudo de Caso no Setor de Pintura de uma empresa do APL MMAVRN Título do Artigo : Indicadores de Desempenho Ambiental como instrumento auxiliar de monitoramento no programa de Produção mais Limpa do Setor de Pintura em uma empresa do Arranjo Produtivo Local Madeira

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV.

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV. A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV 1 - Introdução A embalagem é hoje em dia uma presença tão constante no

Leia mais

Reciclagem de Radiografias. Antônia Ariadne V. de Souza Técnica em Radiologia

Reciclagem de Radiografias. Antônia Ariadne V. de Souza Técnica em Radiologia Reciclagem de Radiografias Antônia Ariadne V. de Souza Técnica em Radiologia Quem já se perguntou que fim leva as radiografias 2 Raio X contém metal pesado e não deve ser descartado no lixo comum 3 4 O

Leia mais

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza Redução da geração de sucatas metálicas por meio da reutilização interna e reciclagem externa na

Leia mais

GESTÃO CIDADÃO CONSCIENTE

GESTÃO CIDADÃO CONSCIENTE GESTÃO CIDADÃO CONSCIENTE Missão Valores Visão Trata-se da área de significado, dando sentido a tudo o que é feito, respondendo à pergunta: por que é feito isso? 6 C AS FERRAMENTAS PARA GESTÃO CIDADÃO

Leia mais

Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações

Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações K. M. C. Mattos a, M. R. Monteiro b a.centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materias CCDM- UFSCar,São

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente - GAEMA PCJ-Piracicaba MP/SP DESAFIOS

Leia mais

Proposta para Redução de Resíduos no Processo de Corte a Plasma de uma Empresa Fabricante de Sistemas Construtivos

Proposta para Redução de Resíduos no Processo de Corte a Plasma de uma Empresa Fabricante de Sistemas Construtivos Proposta para Redução de Resíduos no Processo de Corte a Plasma de uma Empresa Fabricante de Sistemas Construtivos G. S. Milan a, F. Z. Guedes b, F. B. Angnes c a. Universidade de Caxias do Sul, Caxias

Leia mais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Missão Executa a sua missão através da cooperação próxima e articulada com outros organismos

Leia mais

Identificação de Oportunidades para Produção mais Limpa em Indústria de Tampas Plásticas de Alagoas

Identificação de Oportunidades para Produção mais Limpa em Indústria de Tampas Plásticas de Alagoas Identificação de Oportunidades mais Limpa em Indústria de Tampas Plásticas de Alagoas SILVA, C. a,b*, SOUSA, S. a,b RAPOSO, A. a,b, KIPERSTOK, A. b a. Instituto Federal de Alagoas, Maceió-AL b. Universidade

Leia mais

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável)

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) Baseia-se na utilização de técnicas químicas e metodologias que reduzem ou eliminam o uso de solventes e reagentes ou geração de produtos e sub-produtos

Leia mais

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária Meio ambiente: a conscientização começa pela educação Implementação da Coleta Seletiva Solidária A guardiã da natureza Judith Cortesão "... Quem conhece ama, quem ama protege. Uma das descobertas mais

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Produção mais Limpa no setor de panificação Joseane Machado de Oliveira SENAI-RS Centro Nacional de Tecnologias Limpas Janeiro 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 INTRODUÇÃO...2 2 OBJETIVOS...5

Leia mais

NHE-375E BOLETIM TÉCNICO. Condutivo Epóxi

NHE-375E BOLETIM TÉCNICO. Condutivo Epóxi BOLETIM TÉCNICO Revestimento Condutivo Epóxi Bicomponente Cinza Piso com Revestimento Condutivo Epóxi Cinza Claro Resina epóxi + catalisador O Revestimento Condutivo foi desenvolvido para ter uma ótima

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: FITA DE POLIPROPILENO PARA ARQUEAÇÃO Página 1 de 10 Seção 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Fita de Polipropileno para arqueação Fornecedor Nome:

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis

Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis Sustentabilidade Equilíbrio Satisfação das necessidades da sociedade Garantia da sobrevivência humana No uso dos Recursos Naturais

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Registros de aspectos ambientais Três fases podem ser

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: FUJIRO b) Nome: FUJIRO ECOTÊXTIL c) Setor/Atividades:

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

Prêmio Ambiental Fiesp. Página 1/11. Eliminação do Cianeto dos banhos galvânicos 29-03-2012

Prêmio Ambiental Fiesp. Página 1/11. Eliminação do Cianeto dos banhos galvânicos 29-03-2012 1/11 2/11 SUMÁRIO 1. Integrantes da Equipe...3 2. Overview do Grupo Bosch...4 3. Conhecendo a Galvânica...5 4. Considerações Gerais...6 5. A outra face da moeda...7 6. Análise do problema...8 7. Desafios

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Apresentação Nelson Pereira dos Reis Vice Presidente e Diretor Titular do Departamento de Meio Ambiente Assunto: Resíduos Sólidos Material de suporte elaborado em 7 de fevereiro de 2014 Política Nacional

Leia mais

Em seguida, são enunciadas algumas dessas linhas de trabalho: 1. Design para a despoluição e para promover a utilização dos materiais

Em seguida, são enunciadas algumas dessas linhas de trabalho: 1. Design para a despoluição e para promover a utilização dos materiais O ECODESIGN NOS NOVOS VEÍCULOS Os materiais utilizados no fabrico de um veículo, bem como os respectivos métodos de concepção e de montagem, influenciam directamente a quantidade e tipo de resíduos gerados

Leia mais

ESTUDO ECOEFICIÊNCIA DE SACOLAS DE SUPERMERCADO

ESTUDO ECOEFICIÊNCIA DE SACOLAS DE SUPERMERCADO ESTUDO ECOEFICIÊNCIA DE SACOLAS DE SUPERMERCADO OBJETIVO DO ESTUDO Executar uma análise comparativa sobre a eco eficiência do uso de diferentes tipos de sacolas para transporte de compras de supermercado

Leia mais

A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado.

A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado. A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado. Tratamento de resíduos no mundo Média diária de resíduo 1,00

Leia mais

CRESCER OU SER SUSTENTÁVEL? OS DOIS.

CRESCER OU SER SUSTENTÁVEL? OS DOIS. ESPAÇO DE PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE CRESCER OU SER SUSTENTÁVEL? OS DOIS. santander.com.br/sustentabilidade A indústria vive o desafio de produzir e, ao mesmo tempo, reduzir e destinar corretamente os

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 07/11 719-09-05 775788 REV.2 Vapor Tapete Clean 719-09-05 2 Parabéns

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ABTCP Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel é uma instituição criada para dar apoio às empresas

Leia mais

POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL

POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N 26/07 POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões N 02/01, 03/02,

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DE SOLUÇÕES ÁCIDAS EM LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC

REAPROVEITAMENTO DE SOLUÇÕES ÁCIDAS EM LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC RevInter - Artigo original 21 REAPROVEITAMENTO DE SOLUÇÕES ÁCIDAS EM LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC Ana Paula Garcia Bezerra 1 Raphael Garcia Biondo 2 RESUMO No momento atual,

Leia mais

Adesivo elástico, para pisos de madeira, isento de solvente. Para a Colagem completa da superfície de: Para o Sistema Sika AcouBond :

Adesivo elástico, para pisos de madeira, isento de solvente. Para a Colagem completa da superfície de: Para o Sistema Sika AcouBond : Ficha Técnica Edição 1, 2005. Versão no. 01 Fevereiro/2006 SikaBond T52 FC Adesivo elástico, para pisos de madeira, isento de solvente. Descrição Usos SikaBond T52 FC é um adesivo elástico, mono componente,

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

Capítulo 4. Os Benefícios Financeiros da Produção mais Limpa (PL) Os Benefícios Financeiros da Produção mais Limpa (PL)

Capítulo 4. Os Benefícios Financeiros da Produção mais Limpa (PL) Os Benefícios Financeiros da Produção mais Limpa (PL) Capítulo 4 Os Benefícios Financeiros da Produção mais Limpa (PL) A Produção mais Limpa baseia-se na prevençã ção o da poluiçã ção e em estratégias de minimizaçã ção o de resíduos intervindo no resolução

Leia mais

Caderno de Prova. www.concursosnobrasil.com.br. COMCAP Companhia Melhoramentos da Capital Edital 01/2012. http://comcap.fepese.org.br.

Caderno de Prova. www.concursosnobrasil.com.br. COMCAP Companhia Melhoramentos da Capital Edital 01/2012. http://comcap.fepese.org.br. COMCAP Companhia Melhoramentos da Capital Edital 01/2012 http://comcap.fepese.org.br Caderno de Prova maio 27 27 de maio das 14:10 às 17:10 h 3 h de duração* 25 questões F06 Gari Confira o número que você

Leia mais

Especialista em Soluções

Especialista em Soluções Fita Adesiva de Polipropileno (Empacotamento) Fita adesiva de filme de polipropileno biorientado transparente com adesivo acrílico. Indicada para: - Trabalhos escolares; - Reforço de embalagens; - Fechamento

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

ÍNDICE. davantisolar.com.br O QUE É ARQUITETURA VERDE FUNDAMENTOS POR QUE FAZER MÃOS A OBRA VANTAGENS PARA O PROJETO VANTAGENS PARA O IMÓVEL

ÍNDICE. davantisolar.com.br O QUE É ARQUITETURA VERDE FUNDAMENTOS POR QUE FAZER MÃOS A OBRA VANTAGENS PARA O PROJETO VANTAGENS PARA O IMÓVEL ÍNDICE O QUE É ARQUITETURA VERDE FUNDAMENTOS POR QUE FAZER MÃOS A OBRA VANTAGENS PARA O PROJETO VANTAGENS PARA O IMÓVEL VANTAGENS PARA O MEIO AMBIENTE ENERGIA SOLAR NA ARQUITETURA VERDE ENERGIA SOLAR VANTAGENS

Leia mais

LINHA PRESTO FERRAGENS

LINHA PRESTO FERRAGENS LINHA PRESTO FERRAGENS V o c ê t r a b a l h a n d o m e l h o r. QUALIDADE GARANTIDA Com um dos parques fabris mais modernos da América Latina, na Presto todos os processos produtivos são monitorados

Leia mais

I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável

I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável Balanço e perspectivas no Brasil Beneficios para as construtoras e consumidores finais São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman Speyer

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E GESTÃO AMBIENTAL NO CANTEIRO DE OBRAS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E GESTÃO AMBIENTAL NO CANTEIRO DE OBRAS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E GESTÃO AMBIENTAL NO CANTEIRO DE OBRAS Conheça os personagens: Qualimestre: Ele está atento a tudo, sempre disposto a ensinar. Cuida do Canteiro de obras como fosse sua casa.

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Dados Técnicos Set / 2010. 525 540 550FC 551 560 Mono componente/ -Sem mistura cura com umidade. x x x x x -Aplicação simples Fixa diferentes

Dados Técnicos Set / 2010. 525 540 550FC 551 560 Mono componente/ -Sem mistura cura com umidade. x x x x x -Aplicação simples Fixa diferentes Série 500 Selantes de Poliuretano: 3M TM Selante de PU 525 3M TM Selante de PU 540 3M TM Adesivo Selante de PU Cura Rápida 550 3M TM Adesivo Selante de PU 551 3M TM Adesivo Selante de PU 560 Dados Técnicos

Leia mais