Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira

2 Aulas Lógica Algoritmos Portugol

3 Conceitos Lógica Conjunto de princípios e de métodos que embasam raciocínios coerentes, induzindo a soluções eficazes para problemas de processamento de dados Algoritmo Descrição das etapas de resolução de um problema ou a indicação ordenada de uma sequência de ações bem definidas

4 Conceitos Tipos de lógica para processamento automático de dados Lógica linear Tratamento de cada ação na ordem em que sua necessidade for aparecendo. Explicitação: Rotina 01 Rotina 02 Rotina Rotina n

5 Conceitos Lógica modular Subdivisão do problema em diversos módulos (subproblemas), para poder analisar melhor cada rotina (separadamente) visando, assim, à solução geral da questão proposta. Rotina 01 Rotina 02 Bloco principal Rotina 03 Rotina 04

6 Conceitos Para resolver um problema em computador é necessário escrever um programa em linguagem de programação com comandos ou instruções organizados de acordo com um raciocínio adequado a essa resolução. A organização do raciocínio de resolução de um problema, ou seja, o algoritmo, pode ser feita, com vantagem, utilizando-se instrumentos adequados.

7 Conceitos Exemplos Descrição narrativa Português estruturado Portugol (Algol+português) Representações pictóricas Diagrama de blocos Árvores de decisão Tabelas de decisão

8 Lógica estruturada Diversos fatores impunham dificuldades à programação Sofisticação e aumento da complexidade das aplicações A falta de padronização e de disciplina no estabelecimento e explicitação da lógica da solução Fonte de erros para os programadores Outros fatores Fluxogramas lineares Alta liberdade Cunho pessoal para cada programa

9 Lógica estruturada Na lógica estruturada, os pesquisadores argumentam que apenas três estruturas são suficientes para explicitar a solução de qualquer problema: Sequência (Estrutura Sequencial) Seleção (Decisão) Repetição (Iteração)

10 Lógica Estruturada (Diagramas) Sequência

11 Lógica Estruturada (Diagramas) Seleção (decisão) Verdadeiro Falso

12 Lógica Estruturada (Diagramas) Estrutura Repetição (Iteração) Falso Verdadeiro

13 Lógica Estruturada (Diagramas) Estrutura Repetição (Iteração) Falso Verdadeiro

14 Lógica Estruturada O uso de sequências, decisões e repetições eliminou o inconveniente uso de indiscriminados GOTO, que complicavam os algoritmos (e programas) até então (1966).

15 Lógica Estruturada OBS: Pode-se elaborar uma variação da alternativa, onde a decisão é tomada com base em múltiplos valores em vez de avaliações de verdadeiro ou falso da condição. Esta estrutura é a alternativa múltipla.

16 Alternativa Múltipla v1 v2 v3 v4 v5 v6 outro caso... c1 c2 c3 c4 c5 c6 cn

17 Portugol Pseudocódigo (Português + Algol) que permite ao projetista apresentar a solução lógica (voltada ao problema, não a qualquer linguagem ou a qualquer máquina) e que oferece a facilidade para a conversão a qualquer código de programação.

18 Portugol Sequências Notação dos elementos da Lógica estruturada em portugol: Sequência C1; C2;... Cn;

19 Portugol Condicional Sintaxe Condicional simples: se <condição> então <lista de comandos>; fim-se; Condicional dupla: se <condição> então <lista de comandos>; Senão <lista de comandos>; fim-se; {um conjunto de comandos é executado quando <condição> é avaliada como VERDADEIRO, caso contrário, o algoritmo prossegue para o fim-se.} {um conjunto de comandos é executado apenas quando <condição> é avaliada como VERDADEIRA, e outro conjunto é executado somente quando <condição> assume valor FALSO, após esta seleção, o algoritmo prossegue para o fimse.}

20 Portugol Condicional Condicional exemplo: se a>b então x:=y+z; senão x:=z+w; fim-se;

21 Portugol Condicionais aninhadas Deve-se ter cuidado ao usar condicionais compostas aninhadas. Embora a sintaxe possa estar de acordo com as regras definidas para o Portugol, a lógica de execução pode estar errada

22 Portugol Condicionais aninhadas A melhor forma de se verificar onde uma condicional se atua, a qual condicional está ligada uma cláusula senão e onde se encerra uma condicional se quando usadas de forma aninhadas (isto é, um se é um comando a ser verificado caso a condição de outro se seja avaliada como verdadeira) é analisar do se mais interno para o mais externo. A partir do se mais interno, procura-se o primeiro fim-se ou o primeiro senão que ocorre imediatamente após ele. Este fim-se e/ou senão estará(ão) ligado(s) a este se mais interno.

23 Portugol Condicionais aninhadas No exemplo abaixo, cada condicional se foi comentada e destacada em cores iguais aos fim-se e senão a que estão ligadas. se a>b então se b>c então c:=c+1; se c>d então a:=b+c+d; senão{senão do se c>d} b:=a+c; fim-se;{fim do se c>d} fim-se;{fim do se b>c} senão{senão do se a>b} c:=a+b; fim-se;{fim do se a>b}

24 Portugol Seleção múltipla Seleção múltipla Seleção múltipla: escolha <expressão> caso <valor11>, <valor12>,... <valor1n>:<lista de comandos>; caso <valor21>, <valor22>,... <valor2n>:<lista de comandos>; caso <valor31>, <valor32>,... <valor3n>:<lista de comandos>;... outro caso:<lista de comandos>; fim-escolha; Obs: Expressão pode resultar em valores do tipo um valor do tipo inteiro, caractere ou booleano. A cláusula outro caso é opcional. Caso: é uma constante ou uma faixa de valores constantes do mesmo tipo da expressão

25 Portugol Seleção múltipla Seleção múltipla exemplo: escolha caractere caso A..Z, a..z : escreva( letra ); caso 0..9 : escreva( numero ); caso +, -, *, / : escreva( Operador ); outro caso: escreva( caractere especial ); fim-escolha;

26 Portugol Repetição condicional Repetição Enquanto-faça (controle a priori): enquanto <condição> faça <lista de comandos>; fim-enquanto; Repita-até: se <condição> então <lista de comandos>; Senão <lista de comandos>; fim-se;

27 Portugol Repetição condicional Repetição exemplo: Enquanto-faça (controle a priori): leia(numeroalunos); contador:=1; enquanto contador <= numeroalunos faça leia(nota1,nota2); media:=(nota1+nota2)/2; escreva(media); contador:=contador+1; fim-enquanto;

28 Portugol Repetição condicional Repetição exemplo: Repita-até (controle a posteriori): repita leia(dia); até dia>1 e dia<31;

29 Portugol - Algoritmos Todo algoritmo ou módulo estará entre os delimitadores início e fim. Sintaxe: Início fim-enquanto;

30 Portugol Declaração de identificadores Identificadores de Variáveis e Constantes Usados para representar posições de memória que sofrerão transformações, ou que armazenarão valores constantes ao longo da execução do algoritmo.

31 Portugol Declaração de identificadores Identificadores de Variáveis e Constantes Sintaxe Exemplos Obs: constante <nome>=<valor>; var <lista de variáveis>:<tipo1>; <lista de variáveis>:<tipo2>; constante pi=3.14; var delta:real; Nomes de identificadores devem ser únicos em todo algoritmo Devem iniciar com uma letra Não podem conter caracteres como: *,!, :, Ç,,... Podem conter o caractere _ (traço baixo) para melhorar a legibilidade

32 Portugol Comentários Informações que não serão processadas na execução do algoritmo. Descrevem funcionalidades ou oferecem informações úteis para documentação do algoritmo. Informações comumente documentadas são: Função do algoritmo Nome do(s) autor(es) Versão do algoritmo Data de criação e/ou última modificação Descrição das variáveis mais importantes Descrição de trechos de repetição ou função de expressões no algoritmo

33 Portugol Comentários Sintaxe: {comentários...} Algoritmos mal documentados podem ser difíceis de serem compreendidos quando lidos por outras pessoas ou após um período de tempo desde sua elaboração

34 Portugol - Atribuição Utilizado para modificar o valor armazenado na posição de memória identificada por uma variável Sintaxe: nome_variavel := <expressão>; Obs: Expressão deve retornar um tipo compatível com o tipo da variável à esquerda do comando de atribuição Exemplo x y+z; n n+1; Outra notação x:=y+z; n:= n+1;

35 Portugol Atribuição Exemplos Considerando as seguintes variáveis declaradas: var x: inteiro; y,z: real; ok: lógico; endereco: cadeia; x := y; {INVÁLIDO x é inteiro, e variávies inteiras não comportam variáveis do tipo real} z := y + x; {VÁLIDO - variáveis do tipo real podem armazenar valores do tipo inteiro} endereco := rua olimpio teixeira, nº 17 {VÁLIDO} Ok := VERDADEIRO; {VÁLIDO}

36 Portugol Atribuição Exemplos Considerando as seguintes variáveis declaradas: var x: inteiro; y,z: real; ok: lógico; endereco: cadeia; z + y := 20; {INVÁLIDO somente variáveis podem receber valores} 5 := y + x; {INVÁLIDO constantes não podem receber valores}

37 Portugol Expressões Aritméticas Operadores Operador Operação Sintaxe + Adição op1 + op2 - Subtração op1 - op2 * Multiplicação op1 * op2 / Divisão real op1 / op2 ** Potenciação base ** potência DIV Divisão inteira op1 DIV op2 MOD Resto da divisão inteira op1 MOD op2 O resultado de uma expressão aritmética é sempre um valor numérico

38 Portugol Expressões Relacionais Operadores Operador Operação Sintaxe > Maior que expr1 > expr2 >= Maior ou igual expr1 >= expr2 < Menor que expr1 < expr2 <= Menor ou igual expr1 <= expr2 <> Desigualdade expr1 <> expr2 = Igualdade expr1 = expr2 Onde expr1 e expr2 são expressões de com resultados do mesmo tipo O resultado de uma expressão relacional é sempre um valor do tipo lógico

39 Portugol Expressões Booleanas Operadores Operador Operação Sintaxe E Conjunção (E lógico) expr1 e expr2 OU Disjunção (ou lógico) expr1 ou expr2 XOR Ou exclusivo expr1 xor expr2 Não Negação Não expr Onde expr1 e expr2 são expressões lógicas O resultado de uma expressão lógica é sempre um valor do tipo lógico

40 Portugol Expressões Booleanas Avaliação de expressões lógicas (booleanas) Sejam A e B operandos lógicos (variáveis ou expressões cujo resultado é um valor lógico - VERDADEIRO ou FALSO) A seguinte tabela (chamada tabela verdade) pode ser usada para verificação dos possíveis resultados da aplicação dos operadores lógicos a essas expressões

41 Portugol Expressões Booleanas Tabela verdade dos operadores lógicos Operandos Operadores e resultados A B A E B A OU B A XOR B NÃO A V V V V F F V F F V V F F V F V V V F F F F F V

42 Portugol Expressões Booleanas Exemplo de expressão booleana Considerando as variáveis A,B reais, C e D lógicas, qual será o valor da variável lógica X após a seguinte atribuição, considerando os valores 3, 4, VERDADEIRO, FALSO para as variáveis A,B,C e D respectivamente X := A+1>B e não (C e não D)

43 Portugol Expressões Booleanas Exemplo de expressão booleana (Resolução) Considerando a prioridade dos operadores (próxima seção) a seguinte expressão será resolvida na seguinte ordem: X := A+1>B e não (C e não D) 1) Não D = VERDADEIRO 2) C e VERDADEIRO = VERDADEIRO 3) NÃO (C e não D) = não VERDADEIRO (conforme passo 2) = FALSO 4) A+1 = 4 5) 4>4 = FALSO 6) FALSO e FALSO = FALSO 7) Logo X := FALSO; VARIÁVEIS A 3 B 4 C VALORES VERDADEIRO D FALSO X?

44 Portugol Prioridade dos operadores Pode-se ter mais de um operador na mesma expressão. Em alguns casos, a ordem em que são efetuadas as operações pode afetar o resultado final da expressão. Assim como na matemática, define-se uma prioridade para a realização das operações em uma expressão em um algoritmo. A ordem em que uma expressão é realizada dependerá do tipo de operador envolvido na expressão.

45 Portugol Prioridade dos operadores A seguinte prioridade será considerada neste curso: 1º Parênteses 2º Expressões aritméticas 2.1 Potenciação e radiciação (**, Raiz()) 2.2 Multiplicação e divisão 2.3 Adição e subtração 3º Expressões relacionais 3.1 >, <, >=, <=, =, <>

46 Portugol Prioridade dos operadores 4º Expressões lógicas 4.1 não 4.2 E 4.3 OU, XOR Para operadores que possuem mesma prioridade, resolve-se a expressão da esquerda para direita.

47 Portugol Prioridade dos operadores Exemplo: A = 1 e (B + C <> 0 ou K <= 2); A sequência de execução nesse exemplo é: 1) somar B + C 2) comparar o resultado com 0 3) verificar se K <= 2 e se A = 1 4) finalmente fazer as comparações ou e e. Note que nesse caso o ou será executado antes devido ao uso de parêntesis. Nesse caso, ficaria mais claro escrever a expressão da seguinte forma: (A = 1) e (((B+C) <> 0) ou (K <= 2)).

48 Portugol Tipos básicos Constituem os tipos de dados que poderão ser usados em expressões, declarações de módulos funcionais, variáveis e constantes. Real Ex: 1.01, , , 0.0 Inteiro Ex: -10, 200, -99, 0 Caractere Ex: a, B,!,.,,, (a própria vírgula), *, (espaço em branco)... Cadeia Ex: Bruno, 123, 1jogo, u*(09, Lógico Verdadeiro, Falso

49 Portugol Entrada/Saída Alguns valores deverão ser obtidos como entradas externas ao algoritmo (usuário, arquivo, leitores de cartão ou de código de barra, etc.), ou mesmo enviados para uma saída (impressora, tela, arquivo, etc)

50 Portugol Entrada/Saída Entrada: comando leia Sintaxe Saída: comando escreva Sintaxe Exemplos Leia(<lista de variáveis>); escreva(<lista de variáveis e constantes>); Leia(a,b,c); Escreva( a variavel a vale:,a, a variavel b vale,b);

51 Portugol Palavras reservadas São palavras que fazem parte da estrutura da linguagem e têm significados pré-determinados Não podem ser usados como identificadores de algoritmos, funções, procedimentos ou variáveis. Exemplos: Início, fim, var, const, real, inteiro, lógico, enquanto, faça, repita, até, se, então, senão, escreva, para, escolha, caso, leia,

52 Algoritmos Variáveis especiais As variáveis representam a informação manipulada pelo algoritmo, e portanto, podem ocorrer em diversas situações. Além das já apresentadas, existem três casos especiais: Variáveis acumuladoras Variáveis contadoras Variáveis FLAG, sentinelas ou finalizadoras

53 Variáveis acumuladoras São variáveis que recebem um valor inicial geralmente constante e são incrementadas por qualquer valor (pode não ser fixo) em algum ponto do algoritmo. Exemplo: acumulador := 0;... acumulador := acumulador +1;... acumulador := acumulador + media;

54 Variáveis acumuladoras Exemplo: ACUMULA := 1; enquanto ACUMULA < 100 faça leia (NUM); ACUMULA Å ACUMULA + NUM; fim-enquanto;

55 Variáveis contadoras Variáveis que recebem um valor inicial e depois são incrementadas por um valor constante, ou seja, recebe o mesmo valor como incremento. Exemplo: contador := 0;... contador := contador +1;... contador := contador +1;

56 Variáveis contadoras Exemplo: CONTA := 0; repita CONTA := CONTA + 1; escreva ( Repeti o laço, CONTA, vezes ); até CONTA > 20;

57 Variáveis FLAG Também conhecidas como finalizadoras, sinalizadoras ou sentinelas, são usadas para sinalizar erros, condições de falha de teste, etc. Podem também informar que uma determinada situação foi alcançada e, dessa forma, serem utilizadas para interromper iterações, ou mesmo a execução do algoritmo. Geralmente variáveis do tipo booleano.

58 Variáveis FLAG Exemplo: (FLAG variável DATAINVALIDA) leia (dia, mes, ano); DATAINVALIDA := falso; se (dia<1 ou dia>31) então { Muda o valor do flag para sinalizar um erro ou mudança de estado } DATAINVALIDA := verdadeiro; senão se (mes<1 ou mes>12) então DATAINVALIDA := verdadeiro; fim-se; fim-se; se INVALIDA então escreva ( Erro na data - dia invalido ou mes invalido ); fim-se;

59 Referências FARRER, H.; BECKER, C. G.; FARIA, E. C.; MATOS, H. F.; et al. Algoritmos estruturados. 3ed, Ed. LTC, ISBN: GUIMARÃES, A. M.; LAGES, N. A. C.; Algoritmos e estruturas de dados. 1ed, Ed. LTC, ISBN: FARRER, H.; BECKER, C. G.; FARIA, E. C.; MATOS, H. F.; et al. Pascal estruturado. 3ed, Ed. LTC, ISBN: Velloso, F. C.; Informática: Conceitos Básicos. 7ed, Ed. Campus, ISBN:

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Memória Variáveis e constantes Tipos primitivos de dados Operadores Comandos

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte Teórica

Algoritmos e Programação Parte Teórica Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte Teórica Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR

UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR Até o momento as estruturas de controle (seqüência, seleção e repetição) de um algoritmo definia-o como um bloco lógico (início e fim). À medida que os problemas a serem

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ 1 - VARIÁVEIS Variáveis espaço de memória reservado para armazenar tipos de dados, com um nome para referenciar seu conteúdo. Observações importantes Todas as variáveis devem

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 04

Introdução a Algoritmos Parte 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sumário Algoritmos e Estrutura de Dados Repetição

Sumário Algoritmos e Estrutura de Dados Repetição Sumário Algoritmos e Estrutura de Dados Repetição M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Estrutura de Repetição Estrutura de Repetição para...faca Estrutura de Repetição enquanto...faca Estrutura de Repetição

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Vitor Valerio de Souza Campos Exemplos de algoritmos Faça um algoritmo para mostrar o resultado da multiplicação de dois números. Algoritmo em descrição narrativa Passo 1 Receber

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP Algoritmos e Programação Ricardo Argenton Ramos Baseado nos slides do professor Jadsonlee da Silva Sá Criando um Algoritmo Os passos necessários para a construção de um algoritmo: ler atentamente o enunciado

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C;

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; Aula 3 Estruturas de controle Objetivos Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; construir programas em

Leia mais

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva Algoritmos Estruturas Seqüenciais José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Objetivo básico da computação auxiliar os seres humanos em trabalhos repetitivos e braçais, diminuindo i i d esforços e economizando

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Definição. de solução de um problema passo-a-passo. Representa a lógica l. passo.

Definição. de solução de um problema passo-a-passo. Representa a lógica l. passo. ALGORITMO Definição Representa a lógica l de solução de um problema passo-a-passo passo. Um algoritmo pode ser Na forma textual: Uma descrição tal como uma receita de bolo; Um manual de montagem; Um relato

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Estruturas de dados Representação computacional das informações do problema ser resolvido Informações podem ser de

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 3. Ricardo José Cabeça de Souza

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 3. Ricardo José Cabeça de Souza CURSO DE INFORMÁTICA Algoritmos Ricardo José Cabeça de Souza Parte 3 Sumário UNIDADE I - ALGORITMOS 1.6 Pseudo-Linguagem (Pseudocódigo) 1.6.1 Pseudo-Linguagem 1.6.2 Identificadores 1.6.2.1 Nomeação de

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

9 Comandos condicionais

9 Comandos condicionais 9 Comandos condicionais Um comando condicional é uma instrução empregada quando se deseja criar um desvio, isto é, a opção de executar-se ou não um determinado trecho de código, segundo uma condição. Em

Leia mais

Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA)

Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA) 1 Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA) Preparado por Elvio Leonardo, a partir do tutorial fornecido com o software ILA e do material produzido pelo Prof Marcelo Azambuja I INTRODUÇÃO

Leia mais

Convertendo Algoritmos para a Linguagem C

Convertendo Algoritmos para a Linguagem C onvertendo Algoritmos para a Linguagem Notas de Aula Prof. Francisco Rapchan www.geocities.com/chicorapchan O objetivo deste texto é mostrar alguns programas em, dando uma breve descrição de seu funcionamento

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi Apostila de Fundamentos de Programação I Prof: André Luiz Montevecchi Introdução O mundo atual é dependente da tecnologia O uso intenso de diversos aparatos tecnológicos é parte integrante do nosso dia-a-dia

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma Roteiro: Conceitos básicos de algoritmo, linguagem, processador de linguagem e ambiente de programação; Aspectos fundamentais da organização e do funcionamento de um computador; Construções básicas de

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Introdução aos Computadores e Programação Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Engenharia Civil 1º Ano - 2º Semestre Departamento de Informática Ficha de Trabalho n.º 2 Soluções

Leia mais

Linguagem de Programação I. Aula 04 Estruturas de Controle

Linguagem de Programação I. Aula 04 Estruturas de Controle Linguagem de Programação I Aula 04 Estruturas de Controle Da Aula Anterior Portugol: aspectos básicos Estruturas de condicionais Estrutura condicional Estrutura de escolha múltipla Estruturas de repetição

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Testando e Comparando Valores

Testando e Comparando Valores Testando e Comparando Valores A Instrução if Um dos recursos mais importantes de uma linguagem de computador é a capacidade de testar e comparar valores, permitindo que seu programa se comporte diferentemente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria)

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) PC PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) Aula 01 Prof. Ricardo Veras (prof.rveras@gmail.com) ALGORITMOS "Seqüência ordenada de passos, que deve ser seguida para a realização de um tarefa" "Algoritmo é um

Leia mais

Aula 3 Desvio Condicional

Aula 3 Desvio Condicional Aula 3 Desvio Condicional ROTEIRO DA AULA Desvio Condicional Simples Desvio Condicional Composto Desevio Condicional Aninhado Desvio Condicional em JAVA 2 DESVIO CONDICIONAL Um desvio condicional é usado

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

Algoritmos: Estruturas de Repetição. Prof. Carlos Lopes

Algoritmos: Estruturas de Repetição. Prof. Carlos Lopes Algoritmos: Estruturas de Repetição Prof. Carlos Lopes Estruturas de Repetição Considere o algoritmo apresentado anteriormente Algoritmo Inteiro N1,N2,N3,N4; // notas bimestrais Real MA // media Leia(N1,N2,N3,N4)

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

A estrutura de repetição em um algoritmo consiste na execução de um trecho do mesmo levando em consideração certas condições imposta pelo algoritmo.

A estrutura de repetição em um algoritmo consiste na execução de um trecho do mesmo levando em consideração certas condições imposta pelo algoritmo. Estrutura de repetição 1 A estrutura de repetição em um algoritmo consiste na execução de um trecho do mesmo levando em consideração certas condições imposta pelo algoritmo. Temos duas três formas de estruturas

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

ALGORITMOS. Supervisão: Prof. Dr.º Denivaldo Lopes

ALGORITMOS. Supervisão: Prof. Dr.º Denivaldo Lopes Laboratory of Software Engineering and Computer Network Engineering for a better life Universidade Federal do Maranhão Curso de Engenharia Elétrica ALGORITMOS Supervisão: Prof. Dr.º Denivaldo Lopes Adelman

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Universidade ederal de Santa Maria Prof. Cesar Tadeu Pozzer Lógica e Algoritmo ELC1064 15/01/2013 Lógica de Programação 1. Algoritmo Algoritmo pode ser definido como um método para a solução de um determinado

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis.

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis. Plano de estudo: -. - Atribuindo valores às variáveis. - Expressões Na maioria das vezes, precisamos armazenar dados para manipulá-los. Por exemplo, em um escritório de contabilidade, armazenamos os dados

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM C/C++ Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM C/C++ Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM C/C++ Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Entender o mecanismo de um programa em C/C++ Apresentar e estrutura da Linguagem C/C++

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

9.1.2 Laços Controlados por Entrada: Contador

9.1.2 Laços Controlados por Entrada: Contador 9.1.2 Laços Controlados por Entrada: Contador Exemplo 2- Escreva um algoritmo e um programa em C que dado um Número qualquer, seja calculado e impresso a tabuada desse número. Algoritmo tabuada Variáveis:

Leia mais

Organização de Computadores Software

Organização de Computadores Software Organização de Computadores Software Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Objetivos: Entender

Leia mais

Estruturas de Repetição Parte II PARA-ATÉ

Estruturas de Repetição Parte II PARA-ATÉ Estruturas de Repetição Parte II PARA-ATÉ Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Aprender a sintaxe da Estrutura de Repetição PARA-ATÉ na linguagem PORTUGOL Aprender

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Comandos de repetição while

Comandos de repetição while Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 2 Aula prática 6 Comandos de repetição while Resumo Nesta aula vamos trabalhar com problemas cuja solução envolve realizar um cálculo ou tarefa repetidas vezes,

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia BC-0505 Processamento da Informação Lista de Exercícios EXTRA Nº 02 Algoritmos Estruturas de Seleção

Bacharelado em Ciência e Tecnologia BC-0505 Processamento da Informação Lista de Exercícios EXTRA Nº 02 Algoritmos Estruturas de Seleção Bacharelado em Ciência e Tecnologia BC-0505 Processamento da Informação Lista de Exercícios EXTRA Nº 02 Algoritmos Estruturas de Seleção ATENÇÃO- Para cada um dos exercícios abaixo, antes de escrever o

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Universidade Federal de São João del-rei Pedro Mitsuo Shiroma Sala 119 Bloco 3

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Universidade Federal de São João del-rei Pedro Mitsuo Shiroma Sala 119 Bloco 3 Algoritmos e Estruturas de Dados I Universidade Federal de São João del-rei Pedro Mitsuo Shiroma Sala 119 Bloco 3 Laboratório de AEDS 1 Aula 01 Linguagens de Programação Cada linguagem de programação obedece

Leia mais

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos Algoritmos DCC 119 Introdução e Conceitos Básicos Sumário Sistemas de Numeração Sistemas Computacionais Estrutura de um Computador Digital Sistemas Operacionais Algoritmo Introdução Formas de representação

Leia mais

Construção de Algoritmos Versão 2005

Construção de Algoritmos Versão 2005 Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Instituto de Computação Departamento de Ciência da Computação Construção de Algoritmos Versão 2005 Prof. Leonardo Cruz da Costa 1 Capítulo I - INTRODUÇÃO

Leia mais

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada Programação Estruturada Programação Estruturada Paradigmas de Linguagens de Programação As linguagens desse paradigma são muitas vezes chamadas de linguagens convencionais, procedurais ou imperativas.

Leia mais

Técnicas de Programação I

Técnicas de Programação I Técnicas de Programação I Conceitos básicos C/C++ Material baseado nas aulas da Profa. Isabel Harb Manssour http://www.inf.pucrs.br/~manssour/laproi, entre outros materias Estrutura de Seleção: Comando

Leia mais

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL 1 TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL O WEBportugol é uma ferramenta para ajudar você a construir seus primeiros algoritmos e com isso aprender lógica de programação. A ferramenta utiliza uma linguagem chamada

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Introdução. Introdução. Objetivos da Aula. Bases Computacionais da Ciência(BC-0005)

Introdução. Introdução. Objetivos da Aula. Bases Computacionais da Ciência(BC-0005) 1 Bases Computacionais da Ciência(BC-0005) Lógica de Programação: Estruturas Condicionais Maria das Graças Bruno Marietto graca.marietto@ufabc.edu.br Centro de Matemática, Computação e Cognição(CMCC) Universidade

Leia mais

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares Introdução à Programação João Manuel R. S. Tavares Sumário 1. Ciclo de desenvolvimento de um programa; 2. Descrição de algoritmos; 3. Desenvolvimento modular de programas; 4. Estruturas de controlo de

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 Revisão para prova: Comandos de Entrada e Saída Estruturas de Decisão (Se, caso (escolha)) Laços de Repetição (Enquanto, Repita, Para) Relembrando Trabalho 1 Prazo de

Leia mais

Programação: Estruturas de seleção

Programação: Estruturas de seleção Programação de Computadores I Aula 07 Programação: Estruturas de seleção José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/53 Valores booleanos Os valores booleanos

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

Figura 1 Busca Linear

Figura 1 Busca Linear ----- Evidentemente, possuir os dados não ajuda o programador ou o usuário se eles não souberem onde os dados estão. Imagine, por exemplo, uma festa de casamento com cem convidados na qual não se sabe

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Não é permitida a alteração do layout. Qualquer alteração nos conteúdos, deverá ser comunicada aos autores. Autoria: Autoria: Ernesto Ernesto R. R. Afonso, Afonso, Eng.º Eng.º Manuel Manuel A. A. E. E.

Leia mais

JavaScript (ou JScript)

JavaScript (ou JScript) 1. Introdução JavaScript (ou JScript) Uma linguagem como o JavaScript permite criar interfaces interativas na web (permite a interação do usuário). Para desenvolver web sites interativos precisamos de

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores O computador é um equipamento eletrônico composto por circuitos eletrônicos, que trabalham com o estado ligado(1) e desligado(0),

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS Prof. André Backes INTRODUÇÃO Computadores = cérebros eletrônicos? Computadores são máquinas e, por si sós, não podem ser inteligentes. Alguém as projetou e deu a ela todas as

Leia mais

Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.

Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu. Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.br/~brunogomes Agenda da Aula Representação de Algoritmos em Pseudocódigo: Sintaxe;

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------------- Prof. Marcelo Nogueira

----------------------------------------------------------------------------------------------------- Prof. Marcelo Nogueira LISTAS Uma lista é uma coleção de elementos do mesmo tipo dispostos linearmente que podem ou não seguir determinada organização, por exemplo: [E, E2, E, E4, E,...En], onde n deve ser >=0. Como exemplos

Leia mais

COMO PROGRAMAR SEU TIME

COMO PROGRAMAR SEU TIME COMO PROGRAMAR SEU TIME 1) INSTALAÇÃO: Instale o simulador da categoria SIMUROSOT da FIRA. O simulador é gratuito e está disponível para download no site da FIRA (www.fira.net) ou no site da competição

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Introdução a Linguagem C Princípios de Programação em C Gil Eduardo de Andrade Conceitos Iniciais: Linguagem C Introdução É uma linguagem estruturada; Foi desenvolvida na década

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA DISCUSSÃO DOS EXERCÍCIOS E CONSTRUÇÃO DE PROGRAMAS SEQUENCIAIS. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA DISCUSSÃO DOS EXERCÍCIOS E CONSTRUÇÃO DE PROGRAMAS SEQUENCIAIS. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA DISCUSSÃO DOS EXERCÍCIOS E CONSTRUÇÃO DE PROGRAMAS SEQUENCIAIS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar as soluções para os exercícios propostos Exercitar

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Estruturas de Controle: Parte I Fabricio Breve Objetivos Entender as técnicas básicas de solução de problemas Desenvolver algoritmos por meio do processo de refinamento top-down

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO

METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO 1. GENERALIDADES Todo programa a ser elaborado deve ser considerado como um produto a ser desenvolvido. Para tal, uma série de etapas devem ser cumpridas até a obtenção do programa

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

ALGORITMOS cont. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação

ALGORITMOS cont. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação ALGORITMOS cont. tal, RN, maio/2004 Professor Responsável: Luiz Affonso Henderson Guedes de Oliveira

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Organização do curso Introdução à eletrônica digital

Leia mais

10/02/2015. Introdução. Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Algoritmos e Lógica de Programação

10/02/2015. Introdução. Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Algoritmos e Lógica de Programação Introdução Algoritmos e Lógica de Programação Tipos de dados Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Informações a serem processadas pelo computador. Consideremos

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO FELIPE DENIS M DE OLIVEIRA Natal / RN / BRASIL E-Mail : fdenis_natal@yahoocombr Índice 1 Algoritmos 1 2 Fases de um Algoritmo 1 3 Formas de Representação de Algoritmos: 2 4 COMENTÁRIOS

Leia mais