ANA CRISTINA BLANCO REGUEIRA EDUCAÇÃO EMOCIONAL NO TRÂNSITO: O MEDO E A RAIVA DOS CONDUTORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANA CRISTINA BLANCO REGUEIRA EDUCAÇÃO EMOCIONAL NO TRÂNSITO: O MEDO E A RAIVA DOS CONDUTORES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS I Curso de Pós-Graduação em Gestão do Trânsito ANA CRISTINA BLANCO REGUEIRA EDUCAÇÃO EMOCIONAL NO TRÂNSITO: O MEDO E A RAIVA DOS CONDUTORES Salvador/BA, 2012

2 ANA CRISTINA BLANCO REGUEIRA EDUCAÇÃO EMOCIONAL NO TRÂNSITO: O MEDO E A RAIVA DOS CONDUTORES Resenha critica apresentado ao Curso de Pós- Graduação em Gestão do Trânsito, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), como requisito parcial para obtenção de grau de Especialista em Gestão do Trânsito. Orientador (a): Profa Msc. Leila Menezes Salvador/BA, 2012

3 RAMALHO, Rodrigo. Educação Emocional no Trânsito: O Medo e a Raiva dos Condutores. Salvador (BA): Gráfica Idéia no Papel, O autor da obra em questão é bacharel em Administração de marketing, especialista em educação, legislação, inteligência emocional no trânsito e segurança viária. O livro começa com uma apresentação onde expõe dados e sua opinião, que considero importante para uma melhor compreensão do tema. Ele relata que nas últimas décadas, os acidentes de trânsito se transformaram em problemas de saúde pública - mais de 1,2 milhões de pessoas morrem por ano, números que ultrapassam o de uma guerra e que a principal causa de acidentes é de natureza humana. Pensando assim, os problemas mal resolvidos em casa, no ambiente de trabalho estão sendo levados para o trânsito, como se ali fosse um local onde pudéssemos colocar nossos medos e raiva expostos, causando assim, um efeito dominó em que uma pessoa vai contagiando a outra. Passando para a parte prática, Rodrigo afirma que o governo gasta milhões em campanhas de educação e arrecadam outros muitos com multas que punem os infratores no trânsito, no entanto, estas medidas parecem não criar ressonância. Concordo em parte quando ele diz que alguma coisa está errada, e ao invés de se gastar com campanhas que não vão surtir o efeito esperado, deveriam investir na reeducação social e psicológica do condutor, fazendo-os retornar à sala de aula a cada renovação de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e a cada infração cometida, permitindo assim, um monitoramento continuo, além de contribuir para uma reflexão de atos que a sociedade condena. Porém o investimento destinado a campanhas educativas nas escolas desde a sua mais tenra idade, traz a percepção que num futuro bem próximo teremos condutores mais conscientes porque ele foi orientado e cobra dos pais um cumprimento das normas que por vezes não dão a devida importância e a criança se sente co-responsável pelo descumprimento do que lhe foi ensinado. Concluindo sua apresentação Ramalho afirma que no trânsito o que nos move é a emoção e a partir do capítulo l Teoria da emoção que defenderá essa tese. Neste capítulo ele trás uma abordagem e tem como objetivo dar conhecimento ao leitor do que seja a emoção, analisando os conceitos, características, funções adaptativas, apresentando conceitos funcionais e

4 biológicos que envolvem a emoção e a educação no trânsito. Trazendo um breve histórico que contempla filósofos e pensadores do conhecimento humano como: Confúcio, Aristóteles, Jesus Cristo, René Descartes, David Hume, Charles Darwin, ele expõe os diferentes pontos de vista destes grandes sábios, nos fazendo refletir e construir uma visão crítica acerca do comportamento humano. Com séculos de estudos, pesquisas e vivências particulares, as emoções foram alvos de inúmeras discussões e debates em toda a comunidade cientifica trazendo com isso novas descobertas e aperfeiçoando teorias. No decorrer do capítulo o autor trata da parte fisiológica e biológica de forma vasta e detalhada em que achei desnecessário, visto que, pessoas leigas no assunto não entenderiam já que a linguagem científica não está inclusa no dia-a-dia da sociedade. Agora pensando do ponto de vista científico é de grande valia. Continuando o capítulo, o autor descreve as emoções básicas do ser humano começando pela raiva onde ele diz que é uma das emoções mais devastadora de que se tem conhecimento, pois é através dela que toda a história da humanidade foi manchada de sangue, sobretudo da raiva programada, resultado do ódio e intolerância que se apresentam em diversas civilizações. Acho interessante esta colocação, visto que presenciamos diariamente muitos desentendimentos e mortes no trânsito por conta deste sentimento. Uma pessoa com raiva é incontrolável, pois age por impulso, ou seja, parte para o ataque sem medir as consequências. Agora falando do medo, o autor diz que é uma emoção negativa, mais é fundamental para a sobrevivência, pois diante de um perigo real o corpo prepara condutas adequadas para a fuga ou até mesmo para a luta. Nesta colocação senti falta da cautela, pois o medo nos torna mais prudentes e cuidadosos. A tristeza é descrita por ele como uma emoção que nos afasta e isola de todos a nossa volta, gera um comportamento de paralisação. O que no trânsito é muito perigoso, pois este afastamento e isolamento paralisam as funções dinâmicas do corpo, fazendo com que não tenhamos reflexos adequados para qualquer sinal de perigo. Já o afeto é descrito como uma emoção positiva que causa bem estar. Sendo assim, uma pessoa bem resolvida afetivamente tem maiores chances de ser um bom condutor do ponto de vista psicológico e perceptivo. Da mesma forma que o afeto, ele fala que o sexo é positivo e proporciona bem estar, mas com base em Accioly e Athayde (1996) afirma que

5 pode existir sexo entre duas pessoas com ou sem afeto É o princípio da preservação e perpetuação da espécie -. A alegria segundo Ramalho é a emoção que nos induz a movimentos de aproximação ou movimentos não finalisticos, ou seja, sem causa definida. No trânsito, pessoas alegres que por ventura vier a passar por algum desconforto terão mais equilíbrio na solução dos problemas. Fechando o capitulo, o autor fala sobre o riso, essa expressão que é usada para representar emoções. Sendo assim, Rodrigo quer dizer que o sorriso é o espelho da alma e que com as expressões faciais é possível perceber as emoções do outro naquele momento. A leitura deste capítulo me fez direcionar um olhar mais cuidadoso ao ser humano, percebendo que ele não é só matéria e sim um ser biopsicosocial, em que as emoções têm um papel fundamental para o equilíbrio mental e social. Para nós que trabalhamos com o trânsito vivemos durante muito tempo pensando num ser apenas habilidoso e esquecemos que a parte psicológica interfere de forma crucial no seu rendimento e percepção do que está a sua volta e a prova disto são os profissionais que se envolvem em acidentes e justificam tal desempenho como algo natural já que estão no trânsito por muito tempo, mas na realidade as suas atividades profissionais passaram a ser automatizadas gerando assim uma confiança no seu fazer e esquecendo que ao conduzir não o fazemos só para nós mesmos e sim para todos os usuários da via. Levar vivências e emoções para o trânsito precisa ser pensado, analisado, trabalhado e compartilhado, pois no momento em que se usa o trânsito como válvula de escape para solução dos problemas significa que estamos deixando de lado valores que são importantes para a vida em sociedade e transformando um momento que deveria ser de prazer em um momento de tortura já que o escolhemos como arena, ringue. Esta resenha destina-se a todos que atuam no cenário do trânsito. Espero também, que este livro seja lido e sirva como reflexão para os futuros educadores do trânsito.

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

Escola Básica e Secundária Pedro Ferreiro, Ferreira do Zêzere. Que mais-valias pode trazer um projeto desta natureza à escola?

Escola Básica e Secundária Pedro Ferreiro, Ferreira do Zêzere. Que mais-valias pode trazer um projeto desta natureza à escola? Escola Básica e Secundária Pedro Ferreiro, Ferreira do Zêzere Maria Isabel Saúde Ferreira da Silva, Diretora Que mais-valias pode trazer um projeto desta natureza à escola? Um projeto desta natureza, ou

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Educação transdisciplinar para pesquisadores: o ensino de interfaces.

Educação transdisciplinar para pesquisadores: o ensino de interfaces. Educação transdisciplinar para pesquisadores: o ensino de interfaces. Autora: Maria Thereza Cera Galvão do Amaral webmaster@homeopatiaveterinaria.com.br Resumo Este trabalho versa sobre a formação de docentes

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA EM FISIOTERAPIA

ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA EM FISIOTERAPIA ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA EM FISIOTERAPIA SIMONE GRACIOSA GAVENDA EDILAINE KERKOSKI ANA LÍGIA OLIVEIRA FABÍOLA HERMES CHESANI UNIVERSIDADE DO VALE DE ITAJAÍ, ITAJAÍ- SC- BRASIL fabiola.chesani@univali.br

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Titulo: DILEMAS ENCONTRADOS POR PROFESSORES DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DOS DEFICIENTES VISUAIS.

Titulo: DILEMAS ENCONTRADOS POR PROFESSORES DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DOS DEFICIENTES VISUAIS. Titulo: DILEMAS ENCONTRADOS POR PROFESSORES DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DOS DEFICIENTES VISUAIS. Lucas Dias da SILVA, UFG/IQ/LPEQI, lucasdiasprof@gmail.com Maria Alciony Rosa da Silva BATISTA, UFG/IQ/LPEQI,

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CUIDADO E EDUCAÇÃO:

CONCEPÇÃO DE CUIDADO E EDUCAÇÃO: 1 CONCEPÇÃO DE CUIDADO E EDUCAÇÃO: Ao longo dos tempos as mudanças nas evoluções educacionais possibilitaram que o educador construísse a sua identidade profissional, disponibilizando situações de aprendizagens

Leia mais

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) O seguinte teste foi concebido para o ajudar a encarar a sua própria vida emocional, o

Leia mais

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação:

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação: RESENHA Resenha é a apreciação crítica sobre uma determinada obra (livro, artigo, texto, filme, etc.). Trata-se de um breve texto, semelhante a um resumo, que visa comentar um trabalho realizado. Será

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras.

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras. RH SENSÍVEL RH é uma área sensível à mentalidade que em geral predomina nas organizações. A gestão de RH abrange aspectos como a cultura organizacional, satisfação no trabalho e talento. Isis Corrêa Como

Leia mais

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe Instituição Particular de Solidariedade Social Serviços e Equipamentos para Idosos Centro de Convívio Centro de Dia Apoio Domiciliário Centro de Convívio Resposta

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Os 10 ERROS MAIS COMUNS QUE OS

Os 10 ERROS MAIS COMUNS QUE OS Os 10 ERROS MAIS COMUNS QUE OS (E Como Evitá-los) W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 ESCOLA: 1ºANO OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA Construir com o educando sobre a importância da sua existência e os cuidados

Leia mais

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ Manual do Cursista Copyright COP EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados a COP EDITORA LTDA. Essa é uma co-edição entre a COP EDITORA LTDA e a FUNAGER - Fundação Nacional de Apoio Gerencial. Proibida

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1

Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1 Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1 Luis Ricardo Silva Queiroz 2 Universidade Federal da Paraíba Vanildo Mousinho Marinho 3 Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

Elaboração do projeto

Elaboração do projeto Elaboração do projeto Há muitas formas possíveis de se realizar um projeto, e o grupo deve discutir e decidir como irá fazê-lo. É fundamental refletir sobre algumas questões que deverão nortear as ações:

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL

I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL O Programa do curso de Educação Emocional contempla: Perceber, identificar, nomear e lidar melhor com as emoções em si e no outro para o bem estar físico, mental

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4

Leia mais

A ARTE E A IMPORTÂNCIA DE RECEBERMOS FEEDBACK

A ARTE E A IMPORTÂNCIA DE RECEBERMOS FEEDBACK A ARTE E A IMPORTÂNCIA DE RECEBERMOS FEEDBACK Sandra Regina da Luz Inácio O que é feedback? Feedback é o processo de fornecer dados a uma pessoa ou grupo ajudando-o a melhorar seu desenvolvimento no sentido

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

Código de Convivência: Desenvolvendo a cidadania e o protagonismo juvenil

Código de Convivência: Desenvolvendo a cidadania e o protagonismo juvenil Código de Convivência: Desenvolvendo a cidadania e o protagonismo juvenil Autoras: Adla Betsaida Martins Teixeira Jéssica Sapore de Aguiar Priscila Fideles Rafaela Apolinário Teodoro Rossana Cristina Barcelos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

Índice. NOTA BIOGRÁFICA... 4 Prefácio... 11 Introdução... 15

Índice. NOTA BIOGRÁFICA... 4 Prefácio... 11 Introdução... 15 Índice NOTA BIOGRÁFICA... 4 Prefácio... 11 Introdução... 15 1 Já não são crianças, ainda não são adultos... 17 1. Desenvolvimento cognitivo... 18 2. Desenvolvimento psicossocial... 20 2 Ajudar a crescer

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

CIRANDA DO TRÂNSITO. Alessandra Sant Anna Bianchi 12

CIRANDA DO TRÂNSITO. Alessandra Sant Anna Bianchi 12 CIRANDA DO TRÂNSITO Alessandra Sant Anna Bianchi 12 Leticia Cristina Ferreira Barbosa, Alline Flores e Brito, Talissa Macedo Correia, Bruna dos Santos Rodrigues, Eleine Shivallier Spinelli Freitas, Leticia

Leia mais

Projeto de Resolução nº. Requalificação da Escola Básica do 2º e 3º ciclo de Azeitão, no Concelho de Setúbal

Projeto de Resolução nº. Requalificação da Escola Básica do 2º e 3º ciclo de Azeitão, no Concelho de Setúbal PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº /XII/2ª Requalificação da Escola Básica do 2º e 3º ciclo de Azeitão, no Concelho de Setúbal A Escola Básica do 2º e 3º ciclo (EB 2,3)

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA EDUCAÇÃO FÍSICA: ANALISE DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Autor: Marcus Vinicius Candido de

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E ENSINO DE FÍSICA: A CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA

ADOLESCÊNCIA E ENSINO DE FÍSICA: A CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA 1 ADOLESCÊNCIA E ENSINO DE FÍSICA: A CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA Eloisa Neri de Oliveira 1, Bianca M. Amaral Sibo 1, João Lopes da Silva Neto 1 Bolsista Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO ROSILENE XAVIER DA SILVA LOPES Relatório apresentado ao

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR SUMÁRIO 1. identificação da atividade 02 2. Caracterização da atividade 02 3. Resumo das ações 04 4. Justificativa 04 5. Objetivos 05 6. Metodologia 05

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM HISTÓRIA PARA INICIO DE ESCOLARIÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM HISTÓRIA PARA INICIO DE ESCOLARIÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM CURSO DE PEDAGOGIA HISTÓRIA PARA INICIO DE ESCOLARIÇÃO PLANO DE ENSINO: CULTURA AFRO-BRASILEIRA Do

Leia mais

Escola que faz pela paz

Escola que faz pela paz Escola que faz pela paz Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto de Educação para Não Violência Cidade:

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA Ana Cristina Polycarpo Gameiro Camila Carmo de Menezes Cristiane Ribeiro de Souza Solange Leme Ferreira Universidade Estadual

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

Histórico. Criada em 2011 pelo Instituto Sou da Paz, o Diálogo com Teatro é uma metodologia para a prevenção da violência no ambiente escolar.

Histórico. Criada em 2011 pelo Instituto Sou da Paz, o Diálogo com Teatro é uma metodologia para a prevenção da violência no ambiente escolar. Bem Vindos! Realização Parceria Histórico Criada em 2011 pelo Instituto Sou da Paz, o Diálogo com Teatro é uma metodologia para a prevenção da violência no ambiente escolar. Objetivo: Capacitar PMECs a

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO. Rosane Beatriz da Cruz Pacheco Reis

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO. Rosane Beatriz da Cruz Pacheco Reis EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO Rosane Beatriz da Cruz Pacheco Reis PORTO ALEGRE 2011 SUMÁRIO 1.APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. OBJETIVOS 3.1 OJETIVOS GERAL 3.2 OBJETIVOS ESPECIFICOS 4. METODOLOGIA 5. CONTEÚDOS

Leia mais

ESTUDANTE VOLUNTÁRIO Sensibilização

ESTUDANTE VOLUNTÁRIO Sensibilização ESTUDANTE VOLUNTÁRIO O que é o Viva 1992 DESCOBERTA 3º SETOR 2003 1996 1997 1998 2000 2001 ANO INTERNACIONAL DO VOLUNTÁRIO VALORES HUMANOS VIVENDO VALORES FUNDAÇÃO BRINCAR LER PALHAÇOS, ARTISTAS, CONTADORES

Leia mais

Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos identificados com altas habilidades ou superdotados no âmbito do Município de Manaus.

Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos identificados com altas habilidades ou superdotados no âmbito do Município de Manaus. PROJETO DE LEI N º 280/2013 ESTADO DO AMAZONAS Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos identificados com altas habilidades ou superdotados no âmbito do Município de Manaus. Art.

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INTRODUÇÃO: Experiência de Estágio de Núcleo Básico III com crianças do Ensino Fundamental sobre Inclusão. OBJETIVO: conscientizar a aceitação das

Leia mais

ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO

ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO 1 Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso de Administração DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROF. ELISSON DE ANDRADE TEXTO 2: ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO Estrutura do texto 1

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

Quatro Parábolas de Jesus

Quatro Parábolas de Jesus Quatro Parábolas de Jesus Neste pacote há materiais para uma série de quatro lições sobre algumas Parábolas de Jesus. Primeiramente está incluído o guia do líder, seguido por folhas que podem ser utilizadas

Leia mais

VIOLÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ESCOLA CAMPO

VIOLÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ESCOLA CAMPO VIOLÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ESCOLA CAMPO Franscimere Cordeiro de Souza franscimere@gmail.com Nayara Katiucia de Lima Domingues Dias nanalima1923@hotmail.com Maria Geralda de Almeida

Leia mais

O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade

O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade Dulciana de Carvalho Lopes Dantas 1 INTRODUÇÃO A condição de vida das pessoas com deficiência intelectual nas fases

Leia mais

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES 5.1. Introdução Neste último capítulo, pretendemos esboçar as principais conclusões sobre os resultados obtidos na investigação orientada para o objectivo

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

Como construir um Portfólio Reflexivo de Aprendizagens?

Como construir um Portfólio Reflexivo de Aprendizagens? UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM/FAMED GEN054 Estágio Curricular Supervisionado II Orientação para o Portfólio Reflexivo de Aprendizagens na Atenção Primária. Profº Luiz

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Jefferson Ebersol da Silva 1 Contexto da narrativa O projeto PIBID, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência da FURG, foi desenvolvido

Leia mais

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA JOVENS DO ENSINO MÉDIO

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA JOVENS DO ENSINO MÉDIO EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA JOVENS DO ENSINO MÉDIO Jefferson Oliveira Cristovão da Luz Márcio Eugen Klingenschmid Lopes dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul/CETEC, profjeffluz@hotmail.com Universidade

Leia mais

Nós e Eles : uma abordagem ecológica da Educação Inclusiva

Nós e Eles : uma abordagem ecológica da Educação Inclusiva Nós e Eles : uma abordagem ecológica da Educação Inclusiva David Rodrigues Prof. Universitário Presidente da Pró-Inclusão: Associação Nacional de Docentes de Educação Especial (Portugal) Viseu, Março,

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

O Guia Coach do Coach O livro para quem deseja mudar vidas.

O Guia Coach do Coach O livro para quem deseja mudar vidas. O Guia do Coach O livro para quem deseja mudar vidas. Que livro é este? Este livro foi criado a partir do conteúdo da formação de LIFE COACH do Instituto RM de Coaching. Sendo assim o livro contempla tudo

Leia mais

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE SOCIOLOGIA A sociologia de Durkheim 1 - O que é fato social? Durkheim é apontado como um dos primeiros grandes teóricos. Preocupação central: definir com precisão o objeto, o método

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COMUNICAÇÃO E REDES SOCIAIS

FACCAMP - FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COMUNICAÇÃO E REDES SOCIAIS FACCAMP - FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU COMUNICAÇÃO E REDES SOCIAIS 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma Congreso Iberoamericano de Masculinidades y Equidad: Investigación y Activismo Panel 2: Violencia y masculinidad/segunda sesión Barcelona, 8 de outubro de 2011 PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

Por que devo discipular?

Por que devo discipular? Por que devo discipular? Muito me alegrei (...) que falaram a respeito da sua fidelidade, de como você continua andando na verdade. Não tenho alegria maior do que ouvir que meus filhos estão andando na

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Grupo SERmais. Autores de Violência. Lei Maria da Penha.

PALAVRAS-CHAVE Grupo SERmais. Autores de Violência. Lei Maria da Penha. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PRÁTICA

Leia mais