UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo na cidade de Rosário Argentina: Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde Andressa Carolina de Souza Psicóloga do Programa de Residência em Saúde Mental Programa de Origem: Residência em Saúde Mental pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Destino do Estágio Eletivo: Faculdade de Psicologia da Universidade Nacional de Rosário Janeiro de 2015

2 A ótima surpresa de ir para Rosário, Argentina Inicialmente, gostaria de comentar sobre a oportunidade de fazer o estágio eletivo e a decisão de ir para a cidade de Rosário, na Argentina. Como residente da primeira turma da Residência Multiprofissional em Saúde Mental da Unicamp, começamos, nós, residentes, a explorar aqueles lugares que poderiam nos acolher durante determinado período para fazer um estágio eletivo, e assim podermos conhecer e trocar experiências, especialmente no âmbito profissional, nas áreas de saúde e saúde mental. Após algumas tentativas de articular o estágio eletivo em uma cidade próxima à Campinas, que estava vivenciando um processo riquíssimo de desinstitucionalização na área da saúde mental, enfrentamos algumas dificuldades, que culminaram por fazer com que essa vivência não fosse possível. A partir dessas dificuldades, começamos a explorar novas possibilidades e resolvemos ampliar nossos horizontes, e, ao mesmo tempo, considerando ter para isso o apoio de alguém bastante conhecedor do nosso processo. Foi assim que tive a ideia de investir na articulação com a Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, cidade natal da coordenadora do nosso programa de Residência, fato que poderia contribuir (e contribuiu) para que essa ideia se tornasse realidade. Ainda, a possibilidade de conhecer um outro país, o qual eu ainda não havia tido a oportunidade, ampliou minha motivação e expectativa com relação à essa experiência. Desse modo, partimos (eu e Mariana) para uma experiência de um mês na cidade de Rosário, após a grande preocupação de não termos mais tempo para fazer o estágio eletivo. Durante esse período em que estive na cidade, tive a oportunidade de discutir e refletir muito sobre a vida em Rosário, a cultura e, é claro, a rede de saúde da cidade, em especial de saúde mental. Conhecemos muitos serviços de saúde e também participamos de muitos espaços de supervisão/discussão com alunos e professores, compartilhando experiências e participando das discussões. Foi-nos explicado desde o início que poderíamos ter algumas dificuldades no estágio eletivo em Rosário já que estávamos indo em um momento (mês de novembro) em que alguns processos nos serviços de saúde já estavam se encerrando. Ainda assim, foi possível conhecer muitos serviços e pudemos participar de várias supervisões junto com estudantes de Psicologia. Chamou-me bastante a atenção em uma reunião que participamos com tutores dos alunos nos serviços, que muitas das questões discutidas eram questões semelhantes às que vivenciávamos no Brasil, pois se discutia dificuldade de comunicação com gestão dos serviços, dificuldade de articulação em rede, encerramento dos atendimentos dos estudantes e dificuldade nas despedidas, escrita de relatórios e planejamento para o próximo ano. Esses espaços me ajudaram bastante inclusive na reflexão sobre o processo que eu estava vivenciando no Brasil e o trabalho de conclusão que também teria que elaborar com o final da residência, no início do ano de

3 Logo no primeiro final de semana em que chegamos, tivemos a oportunidade de participar de um projeto desenvolvido por estudantes de Psicologia, o qual achei extremamente interessante, chamado derrubando muros, no qual todos os domingos (domingo; o dia da semana tido como dia de descanso!) estes se reúnem junto com usuários de saúde mental do hospital psiquiátrico Agudo Ávila para assistir um filme e, após, compartilhar um pouco sobre o que o filme despertou, fez pensar. Chamou-me muito a atenção a disposição dessas pessoas de todos os domingos se reunirem para fazer o projeto, e, derrubar os muros (destrancando portas do hospital!), para permitir que usuários de saúde mental possam também ter esse acesso à cultura, aos encontros. Em um dos domingos que participamos, o filme exibido havia inclusive sido filmado em Rosário, o que também me encantou bastante. Além da possibilidade de acesso à cultura, que já é algo extremamente rico, achei interessante especialmente que, em uma reunião para discussão sobre o projeto, foi pensado em como ampliar também a participação e colaboração dos profissionais do hospital. Nesse sentido, o projeto para mim apresentou grande potencial de auxiliar na ampliação do diálogo e na transformação e reformulação constante também da concepção dos profissionais sobre a loucura; objetivo que para mim deve ter destaque na reforma psiquiátrica. Além disso, foi falado sobre o cuidado não somente com os usuários que ali estavam presentes, mas também com os familiares, que muitas vezes acabam sendo vistos como meras pessoas demandantes, mas que sofrem e carecem de espaços de escuta e cuidado. Conhecemos dois Centros de Saúde, chamados de Número 13 e Liberdade. Chamou-me bastante a atenção o fato do gestor dos centros de saúde não terem um acréscimo salarial para desenvolver tal função, continuando sua função de núcleo dentro do serviço. Esse fato pode trazer grande sobrecarga para este profissional e, provavelmente, o aumento de suas limitações para lidar com as demandas gerenciais do serviço; sobrecarga que também vemos no Brasil, já que as condições de trabalho extrapolam questões salariais. Acredito que teria sido necessário maior contato com os Centros de Saúde para compreender melhor tal questão, especialmente porque, em relação ao Centro de Saúde Número 13, não conseguimos fazer uma segunda visita. Tive a oportunidade de conhecer mais de perto algumas experiências do Centro de Saúde Liberdade. Achei muito rico conhecer espaços grupais para crianças, para jovens e também para mulheres, e notar o carinho dos profissionais com este espaço, a participação de profissionais de diferentes formações e as preocupações com as dificuldades da população que vive no bairro. Conhecemos um pouco do território, acompanhadas por profissionais e por morador, que nos contaram sobre a vida no local e a luta para que existisse o Centro de Saúde. A importância deste serviço foi contada por diversos profissionais, especialmente considerando a carência de recursos do bairro. Nesse sentido, se torna ainda mais essencial a articulação com outros recursos já existentes, como a escola. 3

4 A maioria dos serviços de saúde da cidade possui gestão municipal ou provincial, e nos foi explicado que muitas vezes há dificuldades na articulação dos serviços, quando são de diferentes gestões. As dificuldades de articulação são problemas também vivenciados no Brasil, sendo que a divisão por distritos (ou zonas, que também ocorrem em Rosário) e o claro papel de cada serviço no tratamento do usuário, facilitam que essa articulação ocorra de modo mais harmônica e compartilhada. Isso me fez refletir em Rosário sobre a dificuldade que os usuários dos serviços possuem para compreender, muitas vezes, tais funções, como, por exemplo, as pessoas que acabam procurando os Centros de Saúde e não os Hospitais Gerais em casos de urgência, gerando maior sobrecarga para os primeiros. Foi interessante também conhecer alguns movimentos sociais, em especial o projeto Giros, que desenvolve em uma área periférica da cidade de Rosário trabalhos em diferentes vertentes; pudemos conhecer a produção de leite e doces e uma escola que trabalha principalmente com jovens adultos. Conhecemos também uma assembleia de usuários e foi muito bonito porque ao longo da experiência de estágio fui percebendo o quanto os espaços para dar voz ao usuário de saúde mental parecem estar se ampliando, sempre com uma participação muito rica da cultura na cidade. Em relação à saúde mental, tivemos a oportunidade de conhecer alguns serviços, como o El Borda (com a Rádio La Colifata, com participação de usuários do hospital), em Buenos Aires, o Hospital Psiquiátrico Agudo Ávila (o qual, na realidade, conhecemos o espaço cultural que ocorre aos domingos, o projeto Derrubando Muros ) e o Hospital Colônia de Oliveiros, em que pudemos conhecer os pavilhões e conversar com os profissionais. Chamou-me bastante a atenção a visita a este serviço, especialmente porque pude reconhecer experiências interessantes vinculadas ao processo de reforma psiquiátrica e desinstitucionalização, especialmente a chamada sala de trânsito, em que se recebe os usuários e se preza por internações mais breves, com articulação com a rede de saúde. Essas experiências interessantes, inclusive com projetos de oficinas e atividades culturais e a constatação de que houve grande redução do número de leitos contrastam com a dificuldade de reabilitação psicossocial e promoção de tratamentos em que os usuários possam ter sua liberdade priorizada, salvo quando a internação seja uma real necessidade; talvez (e talvez mesmo!) porque assim como existem muitos profissionais empregados, também coexistem muitas visões sobre a loucura e sobre o que se entende por tratamento da loucura e por reforma psiquiátrica. Dificuldades estas que nos deparamos cotidianamente no trabalho com essa temática também no Brasil, e que interpelam por constantes discussões e reflexões. Achei interessante ver o quanto este Hospital está podendo criar espaços para pensar tais questões, ainda que sempre existam dificuldades. Conhecemos também uma equipe de plantão em saúde mental que trabalha aos finais de semana, indo até os hospitais quando chamada para atender e auxiliar 4

5 em casos de urgência em saúde mental. Foi muito interessante acompanhar um pouco sobre como acontece esse processo desde a ligação até os encaminhamentos propostos, tendo sido possível conhecer e entender um pouco melhor as articulações em rede que poderiam ser feitas. Pensei também sobre o quanto esse formato pode favorecer que os casos não sejam compartilhados entre a equipe de urgência em saúde mental e a equipe do hospital que pede a ajuda, dificultando, deste modo, que outros profissionais também se apropriem do cuidado em saúde mental. O contato e o manejo relacionado ao cuidado de usuários com transtornos mentais também favorece que o estigma em relação a estes pacientes diminua, sendo, na minha opinião, importantíssimo que estes casos sejam compartilhados. Esta pode ser, portanto, uma via importante da formação e reforma dos profissionais de saúde, agregando, a partir da consideração dos conhecimentos que aqueles profissionais já possuem, novos conhecimentos e ideias sobre os modos de cuidar. Em uma discussão sobre a saúde mental de Rosário e a experiência no Brasil com os CAPS, falamos sobre os usuários de saúde mental de Rosário necessitarem procurar os Centros de Saúde ou Hospitais Gerais/Psiquiátricos quando entram em processos de crise, não possuindo um serviço intermediário como o CAPS em que possam fazer um acompanhamento longitudinal que existe com tal finalidade. Desse modo, as demandas dos Centros de Saúde acabam sendo sobrecarregadas, sendo que muitos procuram esses serviços em casos de urgência, e os Hospitais Gerais acabam fazendo acompanhamentos e atendimentos longitudinais, já que as pessoas ali tratadas criam vínculos com determinados profissionais e retornam, quando necessitam, para acompanhamentos ambulatoriais. Assim, os CAPS possibilitam que o usuário de saúde mental possa receber tratamento multiprofissional e construir junto aos profissionais, com quem podem desenvolver vínculos importantes, o seu projeto terapêutico, com diferentes modalidades de tratamento. Nessa discussão, nos foi dito que a Argentina observa e desenvolve suas ideias e projetos para a área de saúde mental também baseada na experiência brasileira, já que a Lei Nacional de Saúde Mental da Argentina é bastante recente, do ano de Assim, surgiu na discussão a questão do receio de que, sendo criados estes serviços na Argentina, acabem por se transformar em pequenos manicômios; questão bastante interessante e pertinente. A partir disso, pudemos refletir e discutir sobre o tratamento que oferecemos no Brasil, e compartilhar que estas são questões constantemente discutidas nos CAPS e também em outros serviços da saúde mental. Desse modo, as experiências em ambos os países são muito ricas e possuem muitas semelhanças, com grandes possibilidades de aprendizagem a partir de cada experiência. Discutimos que o tratamento com a lógica manicomial será sempre um risco, independente do nome ou estrutura de serviço que se construa, já que o modo com que enxergamos, compreendemos e lidamos com a loucura, em nossas sociedades, é que criam e influenciam o tratamento que oferecemos. 5

6 Alguns Centros Dia em Rosário, os quais não conseguimos conhecer, mas conseguimos trocar algumas ideias sobre como funcionam, parecem desenvolver também trabalhos interessantes em relação à saúde mental. No entanto, soube que alguns não são públicos. Também soube sobre a existência de Centros de Convivência e Moradias Assistidas, que, pelo fato de ter estado durante todo o segundo ano da Residência, no Brasil, em serviços semelhantes (pelo menos semelhantes no modo como são nomeados), gostaria de ter conhecido um pouco mais. Ainda assim, pudemos durante todo o mês fazer percorridos e trocar muitas experiências com diferentes estudantes, profissionais e professores, e, deste modo, refletir sobre semelhanças e diferenças no modo como se organizam, como, por exemplo, o fato de os Centros de Convivência funcionarem para idades específicas em Rosário. Tivemos a oportunidade de conhecer o Hospital Provincial de Rosário e discutir que neste Hospital não há uma ala específica para a saúde mental, de modo que as pessoas em crise são internadas junto com demais pacientes, com distintas demandas. Achei bastante interessante para refletir sobre este formato possibilitar menor risco de estigmatização e exclusão, e, por outro lado, refletir sobre a questão da privacidade do usuário de saúde mental, e onde pode se sentir mais seguro no momento da crise. Ainda, refletir sobre o quanto nomear determinada ala de psiquiatria ou saúde mental, não é fator determinante para impedir que se trabalhe com lógicas manicomiais. Estas são discussões totalmente pertinentes também no Brasil e que provavelmente nunca se esgotarão. Gostei bastante de conhecer também o trabalho desenvolvido na Pediatria deste Hospital, que possui um profissional ator contratado (contratado!) e que desenvolve, junto com outras pessoas, um trabalho muito bonito e cheio de espontaneidade, criatividade e saúde mental. Todas essas são algumas das muitas e ricas experiências que tive durante o período de estágio. A experiência de estágio eletivo na cidade de Rosário foi incrível especialmente pelos bons encontros que tive e pela abertura com que fui recebida, o que acredito que seja uma característica do país. A oportunidade de ficar durante todo o mês na casa de uma argentina, que nos recebeu muito bem e de coração tão aberto, e de compartilhar com muitas pessoas especiais um pouco das diferenças e das semelhanças culturais, da língua... A presença da música brasileira nos bares... A influência da experiência brasileira na reforma psiquiátrica e de pensadores da área... Os parques bem cuidados, o acesso a estes espaços e a potência cultural da cidade; A segurança que sentia, com pessoas desfrutando destes espaços até altas horas... A possibilidade de fazer uma Faculdade sem prestar o vestibular e sem lutar por uma vaga... A ida para Buenos Aires com pessoas queridas que se dispuseram a nos receber e nos acompanhar (e transportar!) com tamanha dedicação; Tudo isso são alguns pontos que explicam porque a experiência do estágio eletivo foi algo tão apaixonante. Terminei o estágio eletivo com a palavra hermanos na cabeça, e pudemos com diversas pessoas conhecer muito além da saúde e da saúde mental, propósito 6

7 principal do estágio. Logo quando chegamos, fomos, na primeira noite, a uma feira cultural, chamada Feira das Coletividades, com tendas de vários países, com comidas e bebidas típicas; Nos encontramos com o Brasil na Argentina e percebi o quanto somos ligados, temos uma conexão. Isso pra mim foi essa experiência. Foi esse compartilhar tão caloroso que me deixou desde o momento em que cheguei na Argentina com uma imensa gratidão e vontade de demonstrar que agora também possuem mais alguém com quem contar no Brasil. Pude perceber que temos algumas diferenças em relação aos nossos dispositivos de tratamento em saúde, mas temos principalmente muitas semelhanças e muitos questionamentos parecidos sobre as dificuldades que enfrentamos, especialmente para que a reforma psiquiátrica realmente se efetive, no modo como a sociedade reconhece e compreende as pessoas com transtornos mentais. Assim, acredito que esse foi o início de um intercâmbio, de um compartilhamento de ideias, experiências e reflexões que não se esgotam, mas que abrem portas para novas conexões e parcerias. Um muito obrigada a todas as pessoas que se dedicaram a tornar esse estágio possível, e também aos serviços de saúde que abriram suas portas para nos receber. Eterna gratidão. Andressa Carolina de Souza Psicóloga Residente em Saúde Mental pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 7

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

Aprender a Distância na Previdência

Aprender a Distância na Previdência Relatório de Encerramento Aprender a Distância na Previdência (ADP-001-09) Brasília, 05 de março de 2009. 1 1. Identificação: Curso: Aprender a distância na Previdência Descrição do curso: Módulo introdutório

Leia mais

RELATÓRIO ESTÁGIO ELETIVO 2014 CUBA

RELATÓRIO ESTÁGIO ELETIVO 2014 CUBA Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas - Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental RELATÓRIO ESTÁGIO ELETIVO 2014 CUBA Residente: Leticia Verardi

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho UNIDADE DE INTERNAÇÃO PSIQUIÁTRICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE: relatório de estágio curricular

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A advocacia é um negócio de relacionamentos: destaques da conferência anual da Legal Marketing Association 1 Marco Antonio P. Gonçalves O marketing jurídico é uma disciplina ainda

Leia mais

RELATÓRIO DE VIVÊNCIA VER-SUS HELIÓPOLIS

RELATÓRIO DE VIVÊNCIA VER-SUS HELIÓPOLIS Mellissa Sales de Freitas Graduanda em Ciências Biomédicas pela UNESP RELATÓRIO DE VIVÊNCIA VER-SUS HELIÓPOLIS Há pouco mais de vinte e cinco anos um direito de enorme significado para sociedade brasileira

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID Cléia Ferreira da Costa da Matta Universidade Federal do Acre - UFAC libriana34@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO MEMÓRIA DO VIII ENCONTRO CATARINENSE DE SAÚDE MENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO MEMÓRIA DO VIII ENCONTRO CATARINENSE DE SAÚDE MENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO MEMÓRIA DO VIII ENCONTRO CATARINENSE DE SAÚDE MENTAL PERÍODO: 03 a 05 de novembro de 2009 LOCAL: Centro de Cultura e Eventos-Universidade

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net ENTREVISTA DE EMPREGO Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net CNPJ: 13.103.583/0001-28 Rua Tomé de Souza, 418, Sarandi. Candeias-Ba E-mail: aprimore.capacitacao@hotmail.com

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS: UM DESAFIO À PRÁXIS PEDAGÓGICA

JOGOS MATEMÁTICOS: UM DESAFIO À PRÁXIS PEDAGÓGICA Universidade Federal de Pernambuco Centro de Educação PROJETO REDE ANAIS DO SEMINÁRIO JOGOS COM SUCATA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA JOGOS MATEMÁTICOS: UM DESAFIO À PRÁXIS PEDAGÓGICA LEOPOLDINA MARIA ARAUJO DE

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL Patrícia de Bitencourt Toscani 1 Durante a década de 70, o processo da Reforma Psiquiátrica possibilitou construir uma nova política de saúde

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE CADASTRAMENTO DE PROPOSTAS INCENTIVO CAPS, UA, SRT, LEITO HABILITAÇÃO CAPS, UA, SRT, LEITO Versão 1 Mar/2013 Informações

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA DE BAURU

O SERVIÇO SOCIAL E O PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA DE BAURU O SERVIÇO SOCIAL E O PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA DE BAURU Josiane F. Lozigia Carrapato 1 Fabíola Caroline Silva Juliana Fernandes Lozigia Michele Baroni 1.

Leia mais

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação Módulo 4 Atenção em rede como condição para o tratamento integral Unidade 2 Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação 109 Identificação de recursos comunitários existentes e

Leia mais

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Resumo: Este trabalho é resultado do curso de formação Gestar II Matemática,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA 1ª Avaliação do Curso de Especialização em Projetos e Obras Públicas de Edificações do Programa

Leia mais

Relatório de Intercâmbio

Relatório de Intercâmbio Relatório de Intercâmbio 1. Dados de identificação: Informações pessoais e acadêmicas: Aline Vieira de Lima +55 83 9986 1705 aline.vieira@gmail.com Programa: PIANI Universidade anfitriã: Instituto Superior

Leia mais

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL.

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. Autoras: Marina Di Napoli Pastore Universidade Federal de São Carlos / Casa das Áfricas; Denise Dias Barros Universidade de São

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Mulheres/Mães em UTI Neonatal Novos Conhecimentos e Melhores Intervenções.

Mulheres/Mães em UTI Neonatal Novos Conhecimentos e Melhores Intervenções. A presença da mulher nos cuidados em saúde ST 27 Denise Streit Morsch Instituto Fernandes Figueira/FIOCRUZ. Palavras-chave: Cuidados intensivo neonatais, maternagem, cuidados humanizados. Mulheres/Mães

Leia mais

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Estive pensando sobre os conflitos e as frustrações na Vida em Família, e a primeira consideração que me ocorreu foi: precisamos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS CENTROS DE ENSINO MÉDIO EM PERÍODO INTEGRAL

SUPERINTENDÊNCIA DOS CENTROS DE ENSINO MÉDIO EM PERÍODO INTEGRAL SUPERINTENDÊNCIA DOS CENTROS DE ENSINO MÉDIO EM PERÍODO INTEGRAL Disciplinas Eletivas PROJETO DE VIDA Práticas de Laboratórios Preparação Pós-Médio NÚCLEO BÁSICO COMUM Estudo Orientado Protagonismo juvenil

Leia mais

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia Susane Vasconcelos Zanotti e Adélia Augusta Souto de Oliveira

Leia mais

Gestão da Saúde sob os cuidados da Enfermagem

Gestão da Saúde sob os cuidados da Enfermagem ASCOM/MS Gestão da Saúde sob os cuidados da Enfermagem Com vocação nata para cuidar, planejar e gerenciar, muitos Enfermeiros têm assumido essa responsabilidade e desempenhado, com sucesso, a função de

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL RELATÓRIO DE NOVE ANOS DE ATIVIDADES 2002-2011 CUIABÁ, MARÇO DE 2012. Introdução/Desenvolvimento: O CAPSi (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil/CAPS Infantil)/CIAPS

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 RELATO DE EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMATICA EM SALA DE AULA: CONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO Edléa Barbosa da Cruz edleabarbosa@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta o primeiro contato que tive com

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

A evasão dos professores das classes de alfabetização nas escolas municipais de Pirapora-MG: uma análise.

A evasão dos professores das classes de alfabetização nas escolas municipais de Pirapora-MG: uma análise. A EVASÃO DOS PROFESSORES DAS CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PIRAPORA MG: UMA ANÁLISE. MÁRCIO ANTÔNIO SILVA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES). Resumo O presente texto tem como

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE

A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE EXPERIÊNCIA DA ONG BEM NASCER O que eu venho falar aqui, não nasceu

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO MARIA LUISA SANDOVAL SCHMIDT Universidade de São Paulo As relações entre saúde mental e atenção básica em saúde tornam-se objeto de elaboração teórica

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Resumo ANDRADE, VALTER ZOTTO DE FAEL valterzotto@uol.com.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA?

COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? Um guia de exercícios para você organizar sua vida atual e começar a construir sua vida dos sonhos Existem muitas pessoas que gostariam de fazer

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

FÓRUM!ESTADUAL!DE!REDUÇÃO!DE!DANOS:!! CONSTRUÇÃO,!DIÁLOGO!E!INTERVENÇÃO!POLÍTICA

FÓRUM!ESTADUAL!DE!REDUÇÃO!DE!DANOS:!! CONSTRUÇÃO,!DIÁLOGO!E!INTERVENÇÃO!POLÍTICA FÓRUMESTADUALDEREDUÇÃODEDANOS: CONSTRUÇÃO,DIÁLOGOEINTERVENÇÃOPOLÍTICA 3 AlineGodoy.BrunoRamosGomes,MarinaSant AnnaeRobertaMarcondesCosta (Organizadores FÓRUMESTADUALDEREDUÇÃODEDANOS: CONSTRUÇÃO,DIÁLOGOEINTERVENÇÃOPOLÍTICA

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 SUMÁRIO Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução A dança da vida 21 Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 Capítulo 2: Técnica Klauss Vianna:

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

A MATEMÁTICA NO CIRCO: UMA PROPOSTA DE ESTÁGIO EM MATEMÁTICA PARA LICENCIANDOS

A MATEMÁTICA NO CIRCO: UMA PROPOSTA DE ESTÁGIO EM MATEMÁTICA PARA LICENCIANDOS A MATEMÁTICA NO CIRCO: UMA PROPOSTA DE ESTÁGIO EM MATEMÁTICA PARA LICENCIANDOS Vinícius Silveira de Camargo Instituto Militar de Engenharia Universidade Federal de Goiás viniciuskmargo@hotmail.com Ana

Leia mais

Aprender para além dos muros escolares

Aprender para além dos muros escolares Aprender para além dos muros escolares Aline Verardo Corrêa e Simone de Oliveira Emer 1 Resumo O presente artigo quer de forma fiel e sucinta apresentar esboços de sonhos e realidades sobre a educação

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel SUPLEMENTO DO PROFESSOR No ano passado lannoy Dorin Elaborado por Fernanda Baruel A adolescência é um período conturbado. Além das mudanças no corpo, muitos e novos são os sentimentos e as sensações. Por

Leia mais

O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014

O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL Em busca da atenção integral, a Atenção Primária como ordenadora da rede deve coordenar

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais