Processamento e Compartilhamento da Informação em Prontuários Eletrônicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processamento e Compartilhamento da Informação em Prontuários Eletrônicos"

Transcrição

1 Processamento e Compartilhamento da Informação em Prontuários Eletrônicos Francisca R. L. Mota 1, Héberle Sales Babêtto 2 1,2 Departamento de Organização e Tratamento da Informação Escola de Ciência da Informação - Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Resumo - As Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação afetam diretamente todos os campos do conhecimento humano. E não poderia ser diferente com a área da saúde, que vem ao longo dos anos utilizando tais tecnologias em suas práticas. Uma grande inovação é o Prontuário Eletrônico do Paciente - PEP. Neste tipo de documento, o fluxo de informação é intenso. Assim as questões relativas ao compartilhamento de tais informações demandam uma análise mais profunda por parte dos profissionais da área de saúde em parceria com os profissionais da informação. Diante disto, o presente artigo possui como característica a utilização de uma metodologia teórico-reflexiva, baseada na análise e mapeamento literatura sobre telemedicina e prontuários eletrônicos. Chama a atenção para a importância da utilização de técnicas de tratamento da informação e o uso de linguagens que possam facilitar o compartilhamento das informações na área de saúde através do uso de PEP s. Palavras-chave: Telemedicina, Prontuário Eletrônico do Paciente, Tratamento da Informação, Compartilhamento da Informação. Abstract The New Technologies of the Information and Communication-NTIC s affect all directly the fields of the human knowledge. E could not be different with the area of the health, that comes to long of the years using the such technologies in its practical of work. A great innovation is the Computer-Based Patient Record-CPR. In these the information flow, in some cases, can be considered intense. Thus the questions relative to the sharing of such information demand a deeper analysis on the part of the professionals of the area of health in partnership with the professionals of the information. Ahead of this, the present article has the characteristic the use of a methodology theoretician-reflexive, based on the analysis and mapping of literature on telemedicine and Computer-Based Patient Record-CPR. It calls the attention for the importance the use of techniques of treatment of the information and the use of languages that can facilitate the sharing of the information in the area of health through the use of CPR. Key-words: Telemedicine, Computer-Based Patient Record-CPR, Treatment of the Information, Sharing of the Information. Introdução As Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação-NTIC s estão cada vez mais presentes na vida das pessoas, quer direta ou indiretamente. Os diversos aparatos eletrônicos/digitais (como a Internet, celular, Softwares, CD-ROM, etc.) que passaram a permear a sociedade contemporânea são responsáveis em boa parte por várias mudanças de cunho político, econômico e social, mas, sobretudo cultural. Tais mudanças repercutem em todos os campos do conhecimento humano. E as NTIC s não poderiam deixar de atingir a área da Inúmeros são os dispositivos eletrônicos/digitais que já fazem parte da rotina profissional daqueles que atuam neste domínio do saber humano. Os profissionais da área de saúde, de acordo com a literatura, vêem incorporando tais tecnologias paulatinamente de modo a adequálas da melhor maneira possível às suas necessidades. O Prontuário Eletrônico do Paciente-PEP é uma das inovações inseridas pelas NTIC s no âmbito da saúde e talvez o fato de se tratar de algo inovador, ainda, seja um dos principais motivos que fazem com quê o uso do mesmo seja provocador de tantas polêmicas. É imprescindível salientar que a Ciência da Informação-CI possui fundamental importância no que diz respeito às discussões que envolvem o PEP pois, os aspectos que podem ser analisados dentro da CI são vários. Podemos citar o uso de metadados para a recuperação da informação contidas nos PEP s, os processos de classificação e indexação dos termos utilizados nos PEP s e ainda a comunicação que pode ser mediada pelos mesmos entre as equipes de

2 Dentro deste contexto, o presente trabalho discute o estado da arte na área da informática na saúde, trazendo alguns enfoques relacionados as NTIC s, frisando a importância dos estudos e práticas da telemedicina e do uso dos PEP s enquanto documentos legais. Por fim traz ao centro da arena, a discussão sobre a necessidade de um olhar mais cuidadoso sobre o tratamento e o compartilhamento das informações veiculadas em tais documentos. Metodologia A metodologia utilizada foi de cunho teórico-reflexivo e teve suas bases fincadas no mapeamento e análise da literatura sobre Telemedicina e Prontuários Eletrônicos, com especial foco no tratamento da informação, nas linguagens de compartilhamento da informação e na utilização das Tecnologias da Informação na área da Resultados A partir da literatura mapeada e analisada é que foi possível a elaboração do presente trabalho bem como das reflexões acerca do assunto tratado no mesmo. Assim, temos como resultado uma visão sobre o estado da arte da informática em saúde a partir do referencial teórico que se segue. Tal referencial encontra-se dividido em Telemedicina; Prontuário Eletrônico do Paciente; Processamento da Informação; Compartilhamento da Informação. Telemedicina A literatura sobre telemedicina é ampla e expressiva. No entanto, apresentaremos aqui tão somente algumas das visões consideradas, dentro de nossas análises, como sendo as mais expressivas. Assim temos que a telemedicina é entendida na visão de FRANÇA (2002:1) [1] como todo esforço organizado e eficiente do exercício médico à distância que tenha como objetivos a informação, o diagnóstico e o tratamento de indivíduos isoladamente ou em grupo, desde que baseado em dados, documentos ou outro qualquer tipo de informação confiável, sempre transmitida através dos recursos de telecomunicação. Já, o Conselho Federal de Medicina CFM, na resolução nº 1.643/2002 [2] diz que a Telemedicina é o exercício da Medicina através da utilização de metodologias interativas de comunicação audio-visual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em Saúde A Organização Mundial da Saúde OMS [3] vê a Telemedicina como a oferta de serviços ligados aos cuidados com a saúde, nos casos em que a distância é um fator crítico; tais serviços são providos por profissionais da área da saúde, usando tecnologias de informação e de comunicação para o intercâmbio de informações válidas para diagnósticos, prevenção e tratamento de doenças e a contínua educação de prestadores de serviços em saúde, assim como, para fins de pesquisas e avaliações; tudo no interesse de melhorar a saúde das pessoas e de suas comunidades. Percebe-se que as definições apresentadas encontram-se fortemente baseadas em três princípios básicos: uso de ferramentas tecnológicas, cuidado com a saúde e a ética profissional. Estes três elementos são indispensáveis quando falamos em Telemedicina, sendo que a ética é a condição básica para o fazer profissional de forma digna e humanitária. Deve-se sempre lembrar que o uso da Telemedicina não pode se dar de forma aleatória e sem nenhum prévio controle. Faz-se necessário a criação e manutenção de eficientes mecanismos, não só que regulem e estabeleçam normas de conduta mas, que também fiscalizem e punam o exercício ilegal da Telemedicina. Neste sentido destacamos o importante papel do CFM, enfatizando ainda que a responsabilidade não é só do órgão supracitado e sim de todo e qualquer cidadão que faça uso direto ou indireto dos recursos da telemedicina, quer seja o médico (a), enfermeiro (a), atendente ou paciente. Prontuário Eletrônico do Paciente No âmbito da literatura consultada sobre Prontuários Eletrônicos, percebeu-se que já existem vários estudos no sentido de definir e analisar o uso destes documentos. Consideramos importante, antes de tudo, relatar um pouco da história do prontuário médico tradicional, traçando uma linha do tempo até os dias atuais. Assim temos SANTOS (2002) [4] que relata que somente a partir do último quarto do século XVIII, nos hospitais da Europa, é que a responsabilidade pela organização hospitalar passa a ser dos médicos ao invés dos religiosos. Isto conseqüentemente acarretou várias mudanças que tiveram por base técnica predominante a disciplina militar. Tal disciplina, segundo FOUCAULT (1975) [5], objetivava vigiar continuamente os indivíduos e seus respectivos registros. SANTOS (2002:1) dar como exemplo, os seguintes tipos de registros: Identificação de pacientes por etiquetas amarradas ao punho e fichas em cima de cada leito, com o nome do doente e da doença; Registro geral de entradas e saídas constando o nome do paciente, o diagnóstico médico, a enfermaria que ocupou e as condições de alta ou óbito;

3 Registro de cada enfermaria, feito pela enfermeira-chefe; Registro da farmácia, com as receitas despachadas para cada paciente; Registro médico, com anotações de diagnóstico, receitas e tratamentos prescritos nas visitas aos pacientes internados. A partir de então surgiram as primeiras discussões sobre o exercício da medicina e a freqüente e indispensável utilização de tais registros deu origem ao que hoje conhecemos como prontuário. O suporte impresso foi por muito tempo o único dispositivo utilizado para armazenar as informações deste tipo de documento. Mas, o surgimento e proliferação das NTIC s contribuíram para que isso fosse mudado. Eis que, no final da década de sessenta, surgiram valiosas iniciativas no sentido da criação de modelos de PEP s. A Duke University Medical Center criou o TRM (The Medical Record) e a Havard Medical School o COSTAR (Computer Stored Ambulatory Register). É importante destacar ainda, o estudo feito pelo Institute of Medicine da National Acadeny of Science, intitulado The Computer-Based Patient Records: an essential technology for healt care que além de recomendar o uso dos PEP s, apresenta várias discussões sobre tal utilização e enfatiza que o sucesso deste tipo de Sistema de Informação é determinado por muitos fatores, como por exemplo, a educação dos médicos nas universidades no que diz respeito ao treinamento junto aos Sistemas de Informação computadorizados e aos PEP s. Nas duas últimas décadas, ocorreram várias experiências de implementação de PEP s em unidades hospitalares. Vale ressaltar, no entanto, que durante muito tempo, embora já se utilizasse o modelo eletrônico, em meio a uma circunstância que demandasse prova, a utilização legal deste documento não poderia sê-lo, prevalecendo o documento em papel. Este fato, certamente pressionou de alguma maneira a publicação de resoluções que legalizam os PEP s como ferramentas de grande valor para a área de O CFM, através das resoluções 1638/2002 e 1639/2002 [6] aprovou em julho de 2002 a utilização dos PEP s, alertando que tal legalização se dá por meio de rigorosos critérios estabelecidos por tais resoluções. O conceito de prontuário médico permanece, porém deixa de ser percebido somente como documento tradicional em papel, passando a ser registrado também em suporte eletrônico. O Prontuário Médico é definido pelo CFM como sendo um: Documento único, constituído por informações, sinais e imagens registrados a partir de fatos, acontecimentos e situações sobre a saúde do paciente e a assistência a ele prestada, com caráter legal, sigiloso e científico, utilizado para possibilitar tanto a comunicação entre os membros de uma equipe multiprofissional como a continuidade da assistência prestada ao indivíduo. A novidade promete trazer inúmeras vantagens, entre elas, o acesso rápido, a disponibilidade remota, o uso simultâneo por várias pessoas, a legibilidade absoluta (não se perderá tempo decifrando os hieróglifos dos médicos, enfermeiros ou atendentes), a redução do espaço de armazenamento, maior confiabilidade, segurança e confidencialidade das informações por meio da utilização de senhas digitais, a extinção das pilhas de papéis que muitas vezes devido às más condições de acondicionamento acabam por se deteriorar acarretando a perda de dados e informações. No entanto, a literatura apresenta opiniões que se contrapõem à adoção dos PEP s e defendem o papel de forma incisiva, alegando que o mesmo é bem mais fácil de manusear, nunca sai do ar, é mais difícil de ser adulterado, etc. Enfim, ainda não existe um consenso quanto à questão. RAZZOUK (2002) [7] afirma que uma das maiores contribuições que as NTIC s podem dar a área da saúde é a comunicação, pois através dos PEP s e até mesmo de s é possível se obter elementos que facilitam a interação entre profissionais, um melhor planejamento e utilização dos dados sobre o paciente. As informações podem circular com maior facilidade e assim servirem de insumo a diversas pesquisas que tratam de diferentes casos. Torna-se mais fácil e mais barato para os médicos e pesquisadores o intercâmbio dados e informações sobre um tipo raro de doença, por meios eletrônicos do que por qualquer outro. Em seu artigo intitulado Preservando a confiabilidade médica na Internet, SABATTINI (2002:1) [8] escreve que: o registro médico deixa de ser um documento passivo, difícil de entender, afastado do paciente, para ser um instrumento ativo, uma central de serviços de informação, um promotor de saúde e de prevenção de problemas, e um educador de pacientes e divulgador de informações confiáveis sobre medicina e Contudo, deve-se lembrar, antes de qualquer coisa, que tudo isso só adquirirá real importância no momento em que venha facilitar a vida do cliente, ou seja, o paciente que se encontra em algum tipo de tratamento/acompanhamento. Sabemos que o fazer sentido é essencial, que a compreensão

4 que o indivíduo têm ou não de determinada coisa pode ser decisiva em sua vida. No caso da saúde, em especial, isto faz a diferença. GOMES (2000:61) [9] diz que ao abordar a construção dos sentidos e significados, deve-se necessariamente refletir a respeito do papel da linguagem e da comunicação nesse processo. O conhecimento veiculado nos PEP s deve ser comunicável. Mas tal comunicação só poderá ocorrer entre a equipe de saúde e o cliente (paciente) se houver entendimento dos sujeitos participantes deste processo. Portanto, se não há entendimento, tal conhecimento apesar de estar disponível ao público interessado, não lhes fará sentido e muito menos lhes despertará interesse mesmo que tais informações possam lhes ser úteis. Processamento da Informação A área da saúde ao incorporar a informática em suas práticas fez com que um número cada vez maior de informação fosse gerado. Para atender as demandas informacionais deste novo contexto de atuação, a área da saúde passou a necessitar cada vez mais da utilização de tecnologias da informação que sejam capazes de dar conta de tais demandas. De acordo com SIGULEM (2004) [10] o objetivo fundamental da Informática Médica é o de colocar à disposição do médico a informação, onde e quando ela for necessária. No entanto, é necessário que a informação seja processada antes de ser disponibilizada. No tocante ao processamento da informação em Prontuários Eletrônicos as etapas de seleção, organização, armazenagem, gerenciamento e disseminação deverão ser necessariamente compreendidas. Em termos práticos temos num primeiro momento, o médico que seleciona as informações relativas ao paciente (anamnese). Posteriormente, tais informações deverão ser organizadas e armazenadas nos Prontuários Eletrônicos. Estas informações deverão ser gerenciadas e disseminadas e sobretudo compartilhadas no sentido de subsidiar pesquisas, tomadas de decisão e adoção de políticas públicas, no caso brasileiro, de fortalecimento do Sistema Único de Saúde - SUS. Neste sentido, a Ciência da Informação possui uma abordagem das questões e problemas relacionados ao fluxo de informação e gerenciamento de sistemas de informação que pode contribuir sobremaneira para o bom andamento das atividades na área da A interdisciplinaridade entre estas duas áreas pode ser considerada como um grande avanço para a resolução dos problemas que surgem em decorrência do não gerenciamento correto dos fluxos informacionais oriundos da inserção das tecnologias da informática no âmbito da Compartilhamento da Informação O Sistema Único de Saúde SUS, por exemplo, possui demandas sociais e de gestão que podem inviabilizar e levar ao colapso do sistema. Assim, os novos modelos de compartilhamento da informação encontram pela frente um processo de desordem social com problemas estruturais herdados. Diante desse ambiente de crise é vital escrever uma nova história, um novo processo para salvaguarda do sistema. Mudanças fazem-se necessárias para a evolução e o desenvolvimento estrutural como um todo. A criação de uma cultura de compartilhamento da informação, sua validação com novas dinâmicas, integração do fluxo de informação apontam para novos modelos e processos que contemplem aspectos físicos, espaciais, tecnológicos e culturais. A abordagem utilizada até hoje tem sido a de tratar as questões com soluções periféricas não-integradas que, utilizando técnicas e normas inflexíveis, engessam o sistema e geram descontinuidades 1 e desequilíbrio na cadeia de informação global. A resolução, destas questões, demanda abordagens e soluções estruturadas. A abordagem estrutural, segundo DAVENPORT (1998) [11], é dinâmica, fluida, complexa, simples, pró-ativa e até informal e, leva em consideração seus atores e contextos. O Sistema de Saúde é dotado de grande complexidade crítica, mas na essência seus padrões são de simplicidade e podem ser considerados como semelhantes aos padrões fractais da matemática, que são simples na sua composição mas, formam um sistema complexo. Ecossistema de informação, de acordo com a literatura consultada, é uma metodologia de compartilhamento. Neste sentido a tecnologia trabalha para o todo, gerando efeitos de sinergia, reduzindo custos e erros do sistema causados em decorrência da sobrecarga de trabalho, otimizando recursos e a mão de obra especializada, capacitando parceiros ao longo de toda a cadeia de compartilhamento de informação, proporcionando treinamento contínuo, contribuindo para gestão de recurso e das demandas de compra e venda de estoque, pagamentos de maneira pontual e precisa, ferramentas de prospecção de demandas e eventos para prevenção (Data Mining), licitações segundo demandas reais (just in time) compra em consórcio, integração da rede privada e particular, ampliação da base de atendimento do SUS, fortalecimento da demanda de universalização acesso e atendimento. 1 Entende-se por descontinuidades eventos como erros médicos, fraudes, etc.

5 No âmbito da saúde, é fundamental a criação de um novo ecossistema de informação que tenha como fundamento um sistema que identifique os atores, facilite o processo de comunicação, troca e compartilhamento de informações (transações), um sistema que utilize tecnologias de redes híbridas para integrar a comunicação (que atenda a dimensão territorial do Brasil e sua diversidade cultural), com linguagens que suporte o fluxo e demandas e sistemas de software abertos, que atendam aos pré-requisitos do SUS, CFM, clausulas éticas, funcionais e demandas sociais a eles relacionadas. A criação desse ecossistema de informação permitirá avanços em escala para a cidadania, a gestão pública e governabilidade estatal, com ganhos sociais para todos. Principalmente para os profissionais de saúde que terão a possibilidade de ampliar o número de ferramentas de trabalho e recursos disponíveis, em uma rede de cooperação que desonera o fluxo de informação, permitindo assim que o profissional se atenha ao processo de tomadas de decisão e avaliação atendendo as demandas de suas práticas diárias. Para isso a informação deve ser colocada em um ambiente colaborativo de comunicação, seguro, em rede integrada, aberta e modular, que atenda as condições de veracidade, confiabilidade e usabilidade. Os PEP s podem viabilizar tal ecossistema. Segundo a resolução 1.639/2002 do CFM, para uso de sistemas informatizados para guarda e manuseio dos Prontuários Médicos, tais sistemas devem preencher os seguintes requisitos: Integridade da informação e qualidade do serviço; Cópia de Segurança (segurança da informação, sua fidelidade e preservação); Banco de dados; Privacidade e confidencialidade; Autenticação (identidade digital); Auditoria (Transmissão de dados, Certificação de software e digitalização de prontuários). Dentro desse contexto de processo de integração e universalização, os PEP s podem ser considerados como base e peças-chave para a construção de um sistema que contemple e atenda as demandas sociais e políticas de compartilhamento e utilização da informação no âmbito da É preciso entender que o prontuário eletrônico é um documento dinâmico e relacional, cuja complexidade vai muito além da digitalização de dados e documentos impressos em papel. Ele pode gerar demandas e eventos não previstos no início do processo e em toda a sua cadeia de eventos e existência. Os PEP s possuem na sua configuração uma característica: ele é marcado pela simplicidade do seu conceito. Mas, na medida em que as informações vão sendo geradas a complexidade do sistema aumenta e a utilização das informações cresce em escala exponencial. Isto demanda um novo modelo que suporte e processe tais informações. Os PEP s podem ser entendidos como objeto e processo ao mesmo tempo pois, descreve e registra toda a cadeia de eventos desde a entrada do usuário no sistema até os serviços prestados, receitas médicas, alertas, imagens, procedimentos, estatísticas, exames, com o usuário e seus vínculos. Isto conduz ao registro do fluxo de trabalho no hospital, onde nesse ecossistema informacional ele altera a lógica do fluxo de informação do módulo hierárquico e passivo para o compartilhado e próativo. Os PEP s devem ser vinculados e implantados dentro de um modelo de compartilhamento e integração de informação. A base tecnológica de construção que permite a implementação, dentro dos requisitos do CFM, é um conjunto de linguagens, como Xml-Java, Smart Card, Criptografia, web semânticas, redes exclusivas e híbridas de compartilhamento de dados, software livre, banco de dados XQL, rede de armazenamento. Para que o PEP e seu sistema de gestão realmente atenda aos objetivos aos quais ele se propõe, é necessário primeiramente que se fale a mesma língua, independente da estrutura de hardware e software. A este respeito, o XML 2, pode ser considerado, como uma das mais eficientes linguagens para definição de estruturas e conteúdo de documentos eletrônicos, permitindo compartilhamento, armazenamento, segurança dos dados em rede de trabalho. O XML é uma linguagem simples que associado a processos como o DOM, SAX, Soap, XML-RPC, Corba, Java Script, Java ou Asp permite o gerenciamento das informações e criar outras linguagens de marcações personalizadas combinando-as com algoritmos específicos para determinadas finalidades no tocante a formatação e processamento dos documentos já existentes. Para tanto se faz necessário, que a isto se agregue à utilização de ontologias comuns à área da Discussão e Conclusões Diante de tudo o que foi exposto, no decorrer deste texto, cabem aqui, tão somente, algumas importantes considerações: A literatura sobre telemedicina e prontuários eletrônicos pode ser considerada ampla e expressiva. No 2 é uma linguagem da família SGML pai do HTML, padrão ISSO 8879.

6 Referências entanto, maiores reflexões ainda se fazem necessárias; As discussões em torno dos aspectos que envolvem os PEP s por serem recentes, necessitam de estudos mais aprofundados; Devido ao grande número de informações disponibilizadas em um PEP, se faz necessária à utilização de ferramentas, não só, para o tratamento, como também, para o gerenciamento de tais informações; O compartilhamento das informações é essencial para subsidiar pesquisas, tomadas de decisão e adoção de políticas públicas na área de saúde; A parceria entre profissionais da saúde e profissionais da informação muito pode contribuir para a utilização adequada das tecnologias da informação na área da [1] FRANÇA, G. V. Telemedicina: uma abordagem ético-legal. Capítulo extraído do livro Direito Médico. In: 22.htm. Consultado em 07/11/2002. [2] CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução 1.639/2002. In: consultado em: 20/04/2004 [3] ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. In: site consultado em 24/09/2003 [4] SANTOS, F Breve história dos registros hospitalares. In: d=7730&cat=artigos Site consultado em 07/11/2002. [5] FOUCAULT, M. Surveiller et punir: naissance de la prision. Paris: Éditions Gallimard: htm. Site consultado em 07/11/2002. [9] GOMES, H. F. O ambiente informacional e suas tecnologias na construção dos sentidos e significados. Ci. Inf., Brasília, v.29, n.1, p.61-70, jan./abr [10] SIGULEM, D.; ANÇÃO, M. S.; RAMOS, M. P.; LEÃO, B. F. Sistemas de apoio à decisão em medicina. [11] DAVENPORT, Thomas. H. Ecologia da Informação. São Paulo: Futura, Contato Francisca Rosaline Leite Mota Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Consultora em Gerenciamento Eletrônico de Documentos. Endereço: Rua Rio de Janeiro, 1.062, ap Centro Belo Horizonte MG CEP: Fone: (31) Héberle Sales Babêtto Consultor em GED, estudante do Programa de Graduação em Biblioteconomia da Universidade Federal de Minas Gerais. Endereço: Rua Tupis, 250, ap. 703 Centro Belo Horizonte MG CEP: Fone: (31) [6] CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução 1.639/2002. In: Site consultado em: 20/04/2004 [7] RAZZOUK, D Tecnologia e psiquiatria: da bruxaria à cibernética. In: Psyhiatry On-Line, 2, julho In: Site consultado em 07/11/2002. [8] SABBATINI, Renato M. E Preservando a confiabilidade médica na Internet. In: Revista Check-up. In:

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

MUDANÇA NO PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO, ARQUIVAMENTO DA INFORMAÇÃO E REGISTRO DOS PACIENTES: O PEP EM QUESTÃO

MUDANÇA NO PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO, ARQUIVAMENTO DA INFORMAÇÃO E REGISTRO DOS PACIENTES: O PEP EM QUESTÃO MUDANÇA NO PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO, ARQUIVAMENTO DA INFORMAÇÃO E REGISTRO DOS PACIENTES: O PEP EM QUESTÃO Francisca Rosaline Leite Mota Universidade Federal de Alagoas Escola de Ciência da Informação -

Leia mais

Web2Doctors: Saúde Fora da Caixa

Web2Doctors: Saúde Fora da Caixa Com uma interface intuitiva feita com recursos da Web 2.0, pela qual se acessa um Prontuário Eletrônico do Paciente configurável com um workflow para todos os departamentos de uma clínica ou hospital,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC NUCLEO CONSULTORIA EM SEGURANÇA Artigo SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BRASIL, São Paulo Novembro, 2013 V.1.0 1. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Psicoterapia e Internet: Terapia à Distância

Psicoterapia e Internet: Terapia à Distância Psicoterapia e Internet: Terapia à Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR Flávio Osete Gonçalves da Silva, Camila Ramos de Moura Diretoria de Operações e Tecnologia da Informação Instituto do Câncer

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português, espanhol ou inglês, atendendo

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2014, do Senador Roberto Requião, que autoriza o armazenamento eletrônico dos prontuários dos pacientes.

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente?

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? CONCEITO Prontuário do Paciente é o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados ao registro dos cuidados profissionais, prestados ao paciente

Leia mais

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Aspectos do Prontuário Eletrônico Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Sumário Complexidade da Informação em Saúde Declaração de Convicção Aspectos Éticos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura OEI/TOR/MEC/DTI nº 003/2009 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 4 3.1 Módulo Conceitual - Diretrizes

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente

Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente Graduação em Engenharia da Computação 2013.2 Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente Proposta de Trabalho

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Informações em Saúde Clínicas Administrativas Operacionais Financeiras Os Focos

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 489 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 24760001 0461 Promoção da Pesquisa e do Desenvolvimento Científico

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso

Leia mais

White Paper. O que é o People Grow? Soluções fundamentais:

White Paper. O que é o People Grow? Soluções fundamentais: O que é o People Grow? White Paper People Grow é um software organizador para rotinas de processos de coaching e de desenvolvimento humano. Nós pensamos em criar para os profissionais da área uma ferramenta

Leia mais

POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral

POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral 1 INTRODUÇÃO POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Ernesto Carlos Bodê A Preservação Digital é um problema

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Manual do usuário Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Apresentação 03 O que é um Certificado Digital? 04 Instalando

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação Daniela Sardá da Conceição Juliana Ribeiro Letícia Jansen Gonçalves IMPLEMENTAÇÃO SOFTWARE EMPRESA

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais