Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos"

Transcrição

1 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric Processo Plnejr, Amplir e Melhorr Rede Elétric Atividde Elbor Projetos e Orçmentos / Obrs de Distribuição Código Edição Dt VR ª Folh 1 DE 20 19/12/2014 Edição Dt Alterções em relção à edição nterior 1ª 19/12/2014 Este normtivo substitui o SM ª edição, cnceldo por migrção de código. GRUPOS DE ACESSO Nome dos grupos DIRETOR-PRESIDENTE, SUPERINTENDENTES, GERENTES, GESTORES, COLABORADORES OU PRESTADORES DE SERVIÇOS. NORMATIVOS ASSOCIADOS Nome dos normtivos VR Projeto de Rede de Distribuição Aére Compct - 13,8 kv VR Projeto de Rede de Distribuição Aére com Condutores nus - 13,8 kv VR Projeto de Rede de Distribuição Aére Multiplexd em Bix Tensão - 380/220 V

2 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ÍNDICE Págin 1. OBJETIVO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES CRITÉRIOS DISPOSIÇÕES GERAIS DISTÂNCIAS PARA OCUPAÇÃO TRAVESSIAS SOB LINHA DE TRANSMISSÃO FAIXAS DE OCUPAÇÃO NO POSTE CONDIÇÕES TÉCNICAS PARA A OCUPAÇÃO INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DO OCUPANTE EM POSTES DA COSERN PROJETO EXECUÇÃO IDENTIFICAÇÃO REFERÊNCIAS APROVAÇÃO ANEXO I - COMPARTILHAMENTO EM POSTES DA REDE DE BAIXA TENSÃO (FAIXAS DE OCUPAÇÃO)...11 ANEXO II - COMPARTILHAMENTO EM POSTES DA REDE DE MÉDIA TENSÃO COMPACTA (FAIXAS DE OCUPAÇÃO) ANEXO III - COMPARTILHAMENTO EM POSTES DA REDE DE MÉDIA TENSÃO NUA (FAIXAS DE OCUPAÇÃO) ANEXO IV - AFASTAMENTOS MÍNIMOS EDIFICAÇÕES SOB AS REDES ANEXO V - CAIXA DE EMENDA OU RESERVA TÉCNICA INSTALADA EM CAIXA SUBTERRÂNEA ANEXO VI - CAIXA DE EMENDA DE CABO DE FIBRA ÓTICA INSTALADA NO MEIO DO VÃO ANEXO VII - INSTALAÇÃO DE RESERVA TÉCNICA DE CABO DE FIBRA ÓPTICA NO MEIO DO VÃO 17 ANEXO VIII ESPAÇAMENTOS MÍNIMOS E ATERRAMENTO DOS EQUIPAMENTOS DOS OCUPANTES NOS POSTES DA COSERN ANEXO IX - INSTALAÇÃO DE FONTE DE TENSÃO PARA EQUIPAMENOS DE TV A CABO NA REDE DE ENERGIA ELÉTRICA ANEXO X - MODELO DE PLAQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DO CABO DO OCUPANTE...20 VR ª Edição 19/12/ de 20

3 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric 1.OBJETIVO Estbelecer critérios pr provção de projetos de uso comprtilhdo de postes d rede de distribuição de energi elétric por empress prestdors de serviços de telecomunicções (telefoni fix, TV cbo, operdors de telecomunicções). 2.RESPONSABILIDADES Compete os órgãos de plnejmento, segurnç, engenhri, projeto, construção, ligção, operção e mnutenção, ssim como os interessdos, cumprir o estbelecido nest norm. 3.DEFINIÇÕES 3.1 Cordolh Cbo de ço utilizdo pr sustentr equipmentos e demis cbos do ocupnte, que nele estiverem presos ou espindos. 3.2 Detentor Concessionári ou permissionári de energi elétric que detém, dministr ou control, diret ou indiretmente, um infr-estrutur de rede de distribuição de energi elétric e que no Rio Grnde do Norte é Cosern. 3.3 Equipmento Dispositivo de propriedde d Cosern ou do ocupnte, com função de trnsformção, regulção, mnobr, medição, limentção, distribuição, emend e comodção d reserv técnic, necessário à prestção de serviços. 3.4 Fix de ocupção Espço n infrestrutur d rede de distribuição de energi elétric, onde são definidos pel Cosern os pontos de fixção destindos o comprtilhmento com gentes do setor de telecomunicções. 3.5 Infrestrutur Postes, dutos e subdutos de propriedde d Cosern. 3.6 Linh de Trnsmissão Linhs que interligm subestções d Cosern e consumidores de lt tensão. As tensões nominis desss linhs no sistem d Cosern são 69 e 138 kv. 3.7 Ocupnte Pesso jurídic possuidor de concessão, utorizção ou permissão pr explorr serviços de telecomunicções e outros serviços públicos ou de interesse coletivo, prestdos pel dministrção públic ou por empress prticulres que ocupm infrestrutur disponibilizd pel Cosern. 3.8 Ponto de fixção Ponto de instlção do suporte de sustentção mecânic do cbo, fio ou cordolh d rede de telecomunicções do ocupnte dentro d fix de ocupção destind o comprtilhmento, no poste d Cosern. 3.9 Rede de Distribuição de Bix Tensão Rede utilizd pr distribuição de energi elétric os consumidores e que no sistem d Cosern utiliz postes com ltur mínim de 9 metros e tensão nominl de 380/220 V Rede de Distribuição de Médi Tensão Rede utilizd pr distribuição de energi elétric os consumidores de médi tensão e os trnsformdores de distribuição, e que no sistem d Cosern utiliz postes com ltur mínim de 11 metros e tensão nominl de 13,8 kv. VR ª Edição 19/12/ de 20

4 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric 4.CRITÉRIOS 4.1 Disposições Geris Apens os postes d rede de distribuição de bix e médi tensão d Cosern podem ser comprtilhdos Os dutos d rede subterrâne d Cosern não estão disponíveis pr comprtilhmento A plicção dest norm não dispens o ocupnte d responsbilidde qunto os spectos técnicos que envolvm instlção d rede e de equipmentos de telecomunicções, tis como projeto, construção, qulidde dos serviços e dos mteriis empregdos O comprtilhmento d fix de ocupção deve ser feito de form ordend e uniforme, de modo que instlção de um ocupnte não utilize pontos de fixção nem invd áre destind outros ocupntes, bem como o espço de uso exclusivo ds redes de energi elétric e de iluminção públic N eventulidde d cessão do uso de postes mis de um empres ocupnte, Cosern se exime de qulquer responsbilidde com relção possíveis interferêncis entre os sistems Os csos omissos, bem como s situções não prevists nest norm devem ser objeto de nálise prévi pel Cosern. 4.2 Distâncis pr Ocupção As distâncis mínims entre os condutores d rede de distribuição de energi elétric d Cosern e os condutores ou cordolhs ds demis redes ds ocupntes, ns condições mis crítics (flech máxim tempertur de 50º C), devem ser de cordo com Tbel 1 bixo: Tbel 1 Distâncis mínims entre condutores d rede de distribuição d Cosern e condutores ou cordolhs ds redes de telecomunicções Tensão Nominl d Rede de Energi Elétric d Cosern Até V VR ª Edição 19/12/ de 20 Distânci Mínim 0,6 metros De V V 1,5 metros Not: Ns redes urbns ou ruris que não possum rede secundári deve ser mntid reserv de espço pr instlção futur dess rede, observndo os respectivos fstmentos As distâncis mínims de segurnç entre os condutores ds redes de telecomunicções e o solo, em situções de flech mis crític dos cbos (flech máxim 50º C), devem ser s seguintes d Tbel 2 bixo: Tbel 2 Distâncis mínims entre os condutores d ocupnte e o solo Distânci Mínim o Condições de Trvessi Solo Sobre ferrovis Sobre pists de rolmento de rodovis Sobre pists de rolmento de rus e venids Sobre rus e vis exclusivs pr trânsito pedestres Sobre pssgem de veículos prticulres em entrds de prédios e demis locis de uso restrito veículos Sobre locis cessíveis o trânsito de veículos e trvessis sobre estrds prticulres n áre rurl 6,0 metros 7,0 metros 5,0 metros 3,0 metros 4,5 metros 4,5 metros

5 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric Sobre locis cessíveis o trânsito de máquins e equipmentos grícols n áre rurl 6,0 metros 4.3 Trvessis sob Linh de Trnsmissão No cso de trvessi de um cbo d ocupnte sob um linh de trnsmissão, distânci verticl mínim em metros ser obedecid, ns condições mis desfvoráveis de proximção dos condutores é dd pel equção: D=1,8+0,01*(DU-35) Onde: D = Distânci entre condutores em metros; DU = Distânci em metros, numericmente igul à tensão d linh em kv, respeitndo o mínimo de 1,80 metros pr tensões inferiores 35 kv A trvessi deve ser perpendiculr à linh de trnsmissão e qundo for efetud com uxílio de cordolh metálic, ess deve ser secciond e terrd nos postes djcentes à trvessi. Admite-se um resistênci de terr máxim de 20 Ω pr esse terrmento ns piores condições de solo. 4.4 Fixs de Ocupção no Poste O poste deve ser ocupdo, considerndo s distâncis prtir do primeiro ocupnte em relção à rede secundári, conforme Tbel 3 bixo e figurs dos Anexos I, II, III e IV: Objeto do Ocupnte Iluminção Públic Fixs destinds às Operdors de Telecomunicção, TV cbo, Internet e Órgãos públicos Tbel 3 - Fixs de ocupção do poste 1ª Posição 4.5 Condições Técnics pr Ocupção Fix de ocupção Distânci mínim pr Rede superior 250 mm 300 mm 100 mm 600 mm 2ª Posição 100 mm 100 mm 3ª Posição 500 mm 100 mm 100 mm 4ª Posição 100 mm 100 mm 5ª Posição 100 mm 100 mm As redes e equipmentos do ocupnte devem possuir terrmentos e proteções pr que conttos cidentis dos condutores de energi elétric não trnsfirm tensão pr s instlções de seus clientes Os terrmentos dos cbos ds ocupntes devem ser independentes dos terrmentos dos cbos Cosern Não é permiti instlção de terrmento d ocupnte no mesmo poste em que estiver instldo o terrmento d Cosern O condutor de descid do terrmento d ocupnte deve ser protegido com mteril resistente, de form impedir quisquer dnos ele e conttos eventuis de terceiros. Ess proteção deve possuir no mínimo 3,00 metros de comprimento em relção o solo, conforme figur do Anexo VIII. VR ª Edição 19/12/ de 20

6 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric A instlção dos cbos ds ocupntes deve situr-se n posição definid pel Cosern, dentro d fix de ocupção de 500 mm, permitid pr s instlções de redes ds ocupntes, conforme estbelecido n Tbel 3 dest norm. Permite-se um número máximo de té cinco cordolhs nest fix de ocupção Os cbos mensgeiros ds ocupntes devem ser independentes As brçdeirs ou cints pr fixção de cbos d rede d ocupnte não podem ser instlds sobre condutores e/ou equipmentos d Cosern e cbos e/ou equipmentos de outrs ocupntes O diâmetro do conjunto de cbos espindos d ocupnte, por ponto de fixção, não deve ser superior 65 mm, bem como seu peso não deve ultrpssr kg/km As cixs de derivção do ocupnte e os demis equipmentos metálicos devem ser isoldos do poste d Cosern Cd ocupnte não pode projetr mis de um Terminl de Acesso de Redes TAR por poste, nem terrá-lo em postes que já possum terrmento d Cosern A distânci entre cix de derivção, no poste, e o ponto de fixção do(s) ssinnte(s), d ocupnte, loclizdos n áre urbn, não deve ser superior 160 metros As derivções de ssinntes, instlds nos postes com fio externo fe (fio drop) e CCE, n su som não devem exceder quntidde de 10 (dez), por poste, por ocupnte. N su instlção, os fios fe devem ser tensiondos e grupdos (não necessrimente mrrdos entre si), de modo grntir um mesm ctenári, mntendo uniformidde o longo do vão A emend do cbo d ocupnte deve estr loclizd no ldo oposto do poste, no sentido longitudinl, em relção à outr emend de cbo de telecomunicção, porventur já existente A cix de emend e reserv técnic do cbo óptico de telecomunicção não devem ficr nos postes d Cosern, podendo serem instlds no vão d rede, um distânci mínim de mm do poste, ou devem ser instlds em cixs subterrânes conforme s figurs dos Anexos V, VI e VII Deve ser evitd coincidênci de ponto de ncorgem d cordolh ou cbo d rede d ocupnte com o fim de linh d rede de energi elétric d Cosern e/ou d rede de outro ocupnte, bem como coincidênci de emends de cbos no mesmo poste em que houver emend de cbo de outro ocupnte As redes ds ocupntes não podem ser instlds em disposição horizontl (em cruzets, vigs, etc) Não podem ser instlds ferrgens fstdors horizontis de rede d ocupnte nos postes d Cosern Não é permitid relocção de postes d Cosern que tenhm derivções subterrânes, entrds de mufl e equipmentos de difícil remoção O ocupnte não pode utilizr mteriis pr ncorgem e mrrção que ultrpssem o espço delimitdo pr seu uso O cbo de fibr ótic do ocupnte deve sempre ser projetdo espindo em cordolh A distânci mínim entre os postes de telecomunicções e os postes d Cosern é de mm, conforme figur do Anexo IV Em função de lterções n configurção d rede elétric, reserv-se à Cosern o direito de, qulquer tempo e seu critério, retirr e/ou remnejr qulquer equipmento do ocupnte que se fizer necessário. VR ª Edição 19/12/ de 20

7 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric Cbe à Cosern comunicr previmente o ocupnte relizção do serviço, pr que o mesmo tome s providêncis necessáris à lterção do seu sistem. 4.6 Instlção de Equipmentos do Ocupnte em Postes d Cosern Não podem ser instldos equipmentos d ocupnte em postes d Cosern que já contenhm equipmentos de outr ocupnte Não podem ser instldos equipmentos energizáveis d ocupnte em postes d Cosern loclizdos em esquins, bem como nqueles que contenhm entrds subterrânes ou equipmentos d Cosern, tis como: chves, trnsformdores, religdores, seccionlizdores, cpcitores, pr-rios, uniddes terminis remots de supervisão e controle e reguldores de tensão, dentre outros Qundo provdos pel Cosern, os equipmentos ds ocupntes devem ser instldos no espço compreendido entre 200 mm e 1.800mm bixo do limite inferior d fix de ocupção. No cso ds montgens ds fontes de tensão de TV cbo, devem ser observds s distâncis conforme figur do Anexo IX As dimensões dos equipmentos ds ocupntes, qundo instldos nos postes d Cosern, não devem exceder 600mm de lrgur, 600mm de ltur e 450mm de profundidde Não é permitid instlção de pltforms, suportes ou poios pr operção de equipmentos de telecomunicções, nos postes d Cosern Os equipmentos ds ocupntes instldos o longo do vão, exceto cixs de emends do cbo óptico, devem ser fixdos n cordolh, um distânci mínim de 600 mm do poste, respeitndo-se os espços destindos os demis ocupntes, conforme figur do Anexo VIII Os equipmentos do sistem do ocupnte limentdos pel rede de energi elétric devem possuir proteção dequd contr curto-circuito e sobre tensão e devem possuir identificção com o nome do ocupnte O ocupnte deve presentr projetos eletro-eletrônicos ds fontes de limentção, visndo grntir proteção e o não prlelismo em cso de flt de energi As uniddes de fontes de limentção (trnsformdores) d ocupnte, serem instlds o longo d su rede, não podem ter potênci individul superior wtts, devendo ser dotds de proteção utomátic contr sobre corrente Pr cd crg ser limentd pel rede de distribuição deve ser solicitd à Cosern correspondente instlção do equipmento de medição, ntes de conectr est crg à rede. Pr tnto, o ocupnte deve instlr cix de medição e cessórios destindos brigr o equipmento de medição, obedecendo o pdrão técnico d Cosern. 4.7 Projeto A Cosern e o ocupnte devem firmr um contrto entre si, estbelecendo s bses pr o uso comprtilhdo dos postes ntes de qulquer execução de projetos de instlção de cbos do ocupnte n rede elétric existente, modificção ou extensão d rede de distribuição de energi elétric. VR ª Edição 19/12/ de 20

8 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric O ocupnte deve presentr projeto à Cosern contendo os seguintes elementos: - Anotção de Responsbilidde Técnic (ART) do projeto; - Memoril técnico descritivo; - Plnt detlhd do locl (escl 1:1000 ou 1:500); - Desenho dos equipmentos d ocupnte serem instldos no poste d Cosern, em escl 1:50 ou cotds; - Licenç mbientl emitid por órgão responsável pel preservção do meio mbiente, qundo o projeto loclizr-se em áre de proteção mbientl O Memoril Técnico Descritivo deve conter: - Objetivo d obr - Crcterístics mecânics e trções de projeto ds cordolhs e dos condutores serem utilizdos, bem como s crcterístics dimensionis e mss dos equipmentos serem instldos nos postes; - Resumo informtivo do projeto constndo o número de pontos serem utilizdos, crescentdos ou retirdos; - Quisquer outrs informções de interesse pr perfeit compreensão do projeto A Plnt detlhd do locl deve conter: - Rus e venids; - Seção e tipo dos condutores e cordolhs projetdos; - Postes existentes, utilizr, substituir, deslocr e implntr; - Número do poste (plc de identificção ou PG do poste); - Altur dos postes; - Crg nominl dos postes de concreto; - Estimentos existentes e projetdos (áre rurl); - Equipmentos instldos d Cosern; - Aterrmentos existentes e projetdos; - Equipmentos serem instldos e terrdos; - Indicção de rede e equipmentos de outr ocupnte, qundo houver; - Cálculo e indicção d intensidde e sentido de esforço individul d rede d Cosern e dos demis ocupntes em cd poste, bem como som do esforço resultnte em deflexões e finl de rede O ocupnte deve solicitr à Cosern ou consultr ns tbels de flechs e trções d compnhi, informções reltivs os vlores de trções e flechs de cbos elétricos, pr utilizção em seus projetos e construção. VR ª Edição 19/12/ de 20

9 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric O projeto elétrico deve obedecer os documentos de normlizção dos órgãos de licencimento mbientl, de uso e ocupção do solo, de regulção, d ABNT, do Corpo de bombeiros e do Ministério do Trblho e Emprego, e estr em conformidde com s norms d Cosern A simbologi utilizd deve estr de cordo com d Cosern no que se refere os seus mteriis e equipmentos Os critérios de projeto ds redes d ocupnte (cálculo do esforço resultnte, flech máxim dmissível, vriáveis como tempertur e velocidde do vento e distâncis mínims entre os cbos do ocupnte e o solo e entre os cbos ds redes de energi elétric) são de responsbilidde do ocupnte. 4.8 Execução O ocupnte somente pode dr início à execução d obr de instlção dos seus cbos e equipmentos pós liberção do projeto pel Cosern Cso o ocupnte instle os cbos ntes d provção, Cosern se reserv no direito de remover s redes, não cbendo o ocupnte qulquer ressrcimento por eventuis dnos às sus instlções ou por reclmções de seus consumidores N execução dos serviços, o ocupnte deve observr s condições estbelecids n Norm regulmentdor NR10 e outrs plicáveis, que fixem s condições mínims exigíveis pr grntir segurnç dos empregdos que trblhm em instlções elétrics, dos usuários e de terceiros O ocupnte deve fornecer à Cosern relção ds sus contrtds, bem como o cronogrm de execução. Durnte relizção ds trefs, os empregdos d empres contrtd devem portr todos os equipmentos de segurnç EPI e EPC, bem como identificção pessol e dos veículos de poio Todos os serviços que envolvm desligmentos devem ser previmente genddos junto à Cosern A liberção d instlção não implic em quisquer responsbiliddes à Cosern, no que diz respeito eventuis dnos que venhm ocorrer o sistem do ocupnte, decorrentes de blromentos de veículos ou qulquer outr ocorrênci infligid os postes por terceiros Nos csos de extensão de rede e/ou interclção de postes, os mesmos são incorpordos o ptrimônio d Cosern. Estes devem seguir o mesmo pdrão d rede n qul estão sendo implntdos (tipo do poste, esforço e ltur), fim de mnter uniformidde, estbilidde e condições de segurnç d mesm No processo de lnçmento ds cordolhs e cbos do ocupnte, contrtd deve observr ltur d rede secundári e/ou rede de iluminção públic, em relção o solo, visndo mnter os fstmentos mínimos, conforme disposto ness Norm. A cordolh deve seguir em prlelo com rede de bix tensão d Cosern O ocupnte pode utilizr, em princípio, pens um ponto de fixção dentro d fix de ocupção no poste, pr seus cbos. Cso opte pel ocupção de ponto dicionl, deve formlizr o pedido junto Cosern, pr fins de cálculo do custo dicionl O ocupnte deve sempre utilizr-se de meios dequdos (dinmômetro, tbels de flechs e trções, etc) pr que montgem d cordolh ou cbo d rede de telecomunicções nos postes d Cosern sej executd de cordo com s flechs e trções estbelecids no projeto de ocupção provdo, de modo grntir estbilidde d infrestrutur e os fstmentos mínimos especificdos. VR ª Edição 19/12/ de 20

10 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric O fiscl d Cosern pode exigir do ocupnte ou de su contrtd, qulquer tempo, o dinmômetro pr verificção do esforço mecânico d cordolh e/ou do cbo, tlh mnul (ctrc) pr o tensionmento do cbo, tbel de flechs e trções, o termômetro e escl métric isold (vr telescópic) pr conferênci d ltur dos cbos. Cso sej detectd flt desses itens n obr, Cosern pode prlisá-l té su regulrizção Em cso de ocorrênci de interrupções no fornecimento de energi cujo fto gerdor foi um serviço de responsbilidde do ocupnte, cberá s penliddes prevists em contrto. 4.9 Identificção O ocupnte deve identificr seus cbos em todos os postes por onde pss su rede Ess identificção deve ser feit trvés de um plquet de plástico ou PVC crílico resistente os rios ultrviolet e intempéries, com tmnho de 100mm x 50mm e espessur de 3mm, com o fundo em cor mrel e letrs em cor pret, conforme figur do Anexo X Ness plquet deve constr o tipo de cbo, o nome do ocupnte e o telefone de contto pr emergêncis 24 hors. A Plquet deve ser fixd 0,60m de cd poste e inclind 45 pr o ldo d ru. 5.REFERÊNCIAS As instlções devem tender às exigêncis d últim revisão ds norms d ABNT, resoluções dos órgãos regulmentdores oficiis, em especil s listds seguir: NBR Rede de Distribuição de Energi Elétric Comprtilhmento de infrestrutur com redes de telecomunicções; NBR Redes de Distribuição Aére com Condutores Nus; NBR ISO 9001-Sistems de Gestão d Qulidde; NR10 Segurnç em Instlções e Serviços em Eletricidde; Instrução de Serviço/DG Nº08 de 19 de mio de 2008 do DNIT. N usênci de norms específics d ABNT ou em csos de omissão ds mesms, devem ser observdos os requisitos ds últims edições ds norms e recomendções ds seguintes instituições: ANSI - Americn Ntionl Stndrd Institute, inclusive o Ntionl electric Sfety Code (NESC); NEMA - Ntionl Electricl Mnufcturers Assocition; NEC - Ntionl Electricl Code; IEEE - Institute of Electricl nd Electronics Engineers; IEC - Interntionl Electrotechnicl Commission.. 6.APROVAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO DE S. BRITO Gerente do Deprtmento de Engenhri Corportivo SEC VR ª Edição 19/12/ de 20

11 REDE DE BAIXA TENSÃO MULTIPLEXADA DA COSERN CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA MULTIPLEXADO BAIXA TENSÃO MULTIPLEXADA COM IP MULTIPLEXADA FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES BAIXA TENSÃO NUA COM IP NUA NEUTRO CONTROLE DE IP 600 FASE A FASE B FASE C CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA MULTIPLEXADO BAIXA TENSÃO NUA COM IP MULTIPLEXADA NEUTRO FASE A FASE B FASE C FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES b = 100 milímetros; b= no mínimo 100 milímetros; f = flex máxim; "h" mínimo = ltur mínim do condutor em relção o solo (ver tbel 2 d norm). "h" mínimo "h" mínimo "h" mínimo f f f b b Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO I. COMPARTILHAMENTO EM POSTES DA REDE DE BAIXA TENSÃO (FAIXAS DE OCUPAÇÃO) VR ª Edição 19/12/ de 20

12 REDE DE BAIXA TENSÃO MULTIPLEXADA DA COSERN CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA MULTIPLEXADO MÉDIA TENSÃO COMPACTA COM BAIXA TENSÃO MULTIPLEXADA E IP MULTIPLEXADA FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES MÉDIA TENSÃO COMPACTA COM BAIXA TENSÃO NUA E IP NUA FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA MULTIPLEXADO MÉDIA TENSÃO COMPACTA COM BAIXA TENSÃO NUA E IP MULTIPLEXADA b b b FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES f f f = 100 milímetros; b= no mínimo 100 milímetros; f = flex máxim; "h" mínimo = ltur mínim do condutor em relção o solo (ver tbel 2 d norm). "h" mínimo "h" mínimo "h" mínimo Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO II - COMPARTILHAMENTO EM POSTES DA REDE DE MÉDIA TENSÃO COMPACTA (FAIXAS DE OCUPAÇÃO) VR ª Edição 19/12/ de 20

13 REDE DE BAIXA TENSÃO MULTIPLEXADA DA COSERN 250 CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA MULTIPLEXADO MÉDIA TENSÃO NUA COM BAIXA TENSÃO MULTIPLEXADA E IP MULTIPLEXADA FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES MÉDIA TENSÃO NUA COM BAIXA TENSÃO NUA E IP NUA FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA MULTIPLEXADO MÉDIA TENSÃO NUA COM BAIXA TENSÃO NUA E IP MULTIPLEXADA b b b FAIXA DESTINADA ÀS OCUPANTES "h" mínimo "h" mínimo "h" mínimo f f f = 100 milímetros; b= no mínimo 100 milímetros; f = flex máxim; "h" mínimo = ltur mínim do condutor em relção o solo (ver tbel 2 d norm). Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO III - COMPARTILHAMENTO EM POSTES DA REDE DE MÉDIA TENSÃO NUA (FAIXAS DE OCUPAÇÃO) VR ª Edição 19/12/ de 20

14 CALÇADA REDE TELEFÔNICA Limite inferior d fix de ocupção 500 REDE TELEFÔNICA mín mín. PONTOS COMERCIAIS Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO IV - AFASTAMENTOS MÍNIMOS EDIFICAÇÕES SOB AS REDES Rio = mín. Rio = mín. Dimensões em milímetros OUT-DOORS, RELÓGIOS, SEMÁFOROS E RADARES (VER NOTA) EDIFICAÇÕES DE PARADAS DE ÔNIBUS NOTA: O RAIO DE SE APLICA A QUALQUER ESTRUTURA, INCLUSIVE POSTES DE TELECOMUNICAÇÕES E TV A CABO. VR ª Edição 19/12/ de 20

15 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO V - CAIXA DE EMENDA OU RESERVA TÉCNICA INSTALADA EM CAIXA SUBTERRÂNEA VR ª Edição 19/12/ de 20

16 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO VI - CAIXA DE EMENDA DE CABO DE FIBRA ÓTICA INSTALADA NO MEIO DO VÃO VR ª Edição 19/12/ de 20

17 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO VII - INSTALAÇÃO DE RESERVA TÉCNICA DE CABO DE FIBRA ÓPTICA NO MEIO DO VÃO VR ª Edição 19/12/ de 20

18 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO VIII ESPAÇAMENTOS MÍNIMOS E ATERRAMENTO DOS EQUIPAMENTOS DOS OCUPANTES NOS POSTES DA COSERN VR ª Edição 19/12/ de 20

19 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO IX - INSTALAÇÃO DE FONTE DE TENSÃO PARA EQUIPAMENOS DE TV A CABO NA REDE DE ENERGIA ELÉTRICA VR ª Edição 19/12/ de 20

20 Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric ANEXO X - MODELO DE PLAQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DO CABO DO OCUPANTE VR ª Edição 19/12/ de 20

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES ANEXO 1 COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia - 2 - COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

3.4 Equipamento Dispositivo de propriedade da Distribuidora ou da Ocupante, com forma, dimensões e massa perfeitamente definidos e especificados.

3.4 Equipamento Dispositivo de propriedade da Distribuidora ou da Ocupante, com forma, dimensões e massa perfeitamente definidos e especificados. Norma: ENERGIA ELÉTRICA Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDORES 1/16 Primeira Edição: Edição: Data: 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para aprovação de projetos

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1 ND-5.1 7-1 TBEL 1 DIMENSIONMENTO DOS RMIS DE LIGÇÃO E D MEDIÇÃO PR UNIDDES CONSUMIDORS URBNS OU RURIS TENDIDS POR REDES SECUNDÁRIS TRIFÁSICS (127/220V) FORNECIMENTO TIPO B C D E FIX 1 2 3 B1 B2 Ramal de

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 1 / 3 SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO 3 - NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4 - DEFINIÇÕES 5 - CONDIÇÕES

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES 29.09.2000 3/18 PÁG. 1. OBJETIVO... 3/18 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3/18 3. S COMPLEMENTARES... 3/18 4. TERMINOLOGIA...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA NORMA TÉCNICA CELG D Compartilhamento de Infraestrutura com Redes de Telecomunicações e Demais Ocupantes NTC-15 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece os procedimentos e condições técnicas mínimas para permitir o compartilhamento da infra-estrutura da Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. CEMAT com empresa prestadora

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

TÉCNICO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNIOR ELÉTRICA

TÉCNICO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNIOR ELÉTRICA 36 TARDE MARÇO / 2010 TÉCNCO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNOR ELÉTRCA CONHECMENTOS OS ESPECÍFCOS LEA ATENTAMENTE AS NSTRUÇÕES ABAXO. 01 - Você recebeu do fiscl o seguinte mteril: ) este cderno, com os enuncidos

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

NORMA TÉCNICA NT-006/2010 R-02

NORMA TÉCNICA NT-006/2010 R-02 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT NORMA TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma tem por objetivo estabelecer os procedimentos aplicáveis ao compartilhamento de

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

CARTILHA BÁSICA PARA ATENDIMENTO A ALGUNS REQUISITOS DAS NORMAS REGULAMENTADORAS. NR04, NR05, NR07, NR09, NR10, NR12, NR13, NR17, NR24 e NR26

CARTILHA BÁSICA PARA ATENDIMENTO A ALGUNS REQUISITOS DAS NORMAS REGULAMENTADORAS. NR04, NR05, NR07, NR09, NR10, NR12, NR13, NR17, NR24 e NR26 CARTILHA BÁSICA PARA ATENDIMENTO A ALGUNS REQUISITOS DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR04, NR05, NR07, NR09, NR10, NR12, NR13, NR17, NR24 e NR26 PREZADOS INDUSTRIAIS, Ambientes seguros e sudáveis oferecem

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

BARRAMENTO BLINDADO (sistema de linha elétrica pré-fabricada) tipo. MBB e MBBA. edição - 2014 SISTEMA DE EMENDA MONOBLOCO

BARRAMENTO BLINDADO (sistema de linha elétrica pré-fabricada) tipo. MBB e MBBA. edição - 2014 SISTEMA DE EMENDA MONOBLOCO edição - 2014 SISTEM DE EMEND MONOBLOCO BRRMENTO BLINDDO (sistema de linha elétrica pré-fabricada) tipo MBB e MBB COFRES PLUG-IN INTERCMBIÁVEIS DERIVÇÕES MBB e MBB Próprios para distribuição e transporte

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O - A G O S T O 2 0 1 0

ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O - A G O S T O 2 0 1 0 C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O A G O S T O 0 0 AGOSTO.00 ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC ( ) CASA DA MÚSICA * A IMPORTÂNCIA DO SILÊNCIO ( ) *

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

1. O item 3 da Instrução n. 009, de 02/05/2011, publicada no DOE de 03/05/2011, passa a vigorar com a seguinte redação:

1. O item 3 da Instrução n. 009, de 02/05/2011, publicada no DOE de 03/05/2011, passa a vigorar com a seguinte redação: INSTRUÇÃO N. 15 DE 3 DE NOVEMBRO DE 211 Alter Instrução n. 9/211, que orient os órgãos e entiddes d Administrção Públic do Poder Executivo Estdul, qunto os procedimentos licittórios e contrtções de serviços

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões.

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões. AICAES Mior Vid Útil do Corte Design do corte perfeiçodo e trtdo termicmente pr mior vid útil do licte. Cbo Ergonômico Cbo ntidesliznte fbricdo em duplo mteril pr mior conforto. Mior Durbilidde Fbricdo

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO PREGÃO ELETRÔNICO 010/2010 ITEM 15.1.5 NEXO V DOCUMENTOS SEREM OBRIGTORIMENTE PRESENTDOS PR LIBERÇÃO DOS PGMENTOS NOME D EMPRES CONTRTD: Nº DO CONTRTO: NO Item DOCUMENTOS DETLHMENT O QUNDO EXIGIR DOCUMENTO

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA - NORMA REGULAMENTADORA Nº COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA Aprovd pel Portri GM/MTB nº. - DOU //. DO OBJETIVO Título do item. d NR crescido pelo rt. º d Portri SSMT nº - DOU //.. - Comissão

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Controlador de Temperatura Modular

Controlador de Temperatura Modular Controldor de Tempertur Modulr E5ZN Novo Controldor de tempertur de montgem em clh DIN Possui dois cnis de controlo de tempertur, pesr de ter um lrgur de pens,5 mm. O Controldor de tempertur pode ser substituído

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2012

TABELA DE PREÇOS 2012 TABELA DE PREÇOS 01 PORTAS SECCIONADAS Residenciis FRAME GROOVE WHITE FLAT WOOD WOOD FLAT SLIDE DOOR Industriis BIG BIG ICE BIG ALU AUTOMATISMOS PARA PORTAS SECCIONADAS PROL BRAVO SLIDE BARMOR ELLARD LIFT

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais