Parcerias Entre Concorrentes na logística de transporte: estudo de caso no mercado financeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parcerias Entre Concorrentes na logística de transporte: estudo de caso no mercado financeiro"

Transcrição

1 Parcerias Entre Concorrentes na logística de transporte: estudo de caso no mercado financeiro Heitor José Pereira (PUC Pr.) Luiz Carlos Sanzovo (FGV) Resumo Este trabalho destaca a importância das parcerias como fator determinante na busca de benefícios mútuos entre as partes envolvidas, enfatizando o modelo de coopetição, ou seja, o processo no qual empresas concorrentes entre si cooperam na infraestrutura e competem simultaneamente junto ao cliente-alvo do mercado. O artigo destaca o estudo de caso da associação entre instituições financeiras concorrentes no Estado do Paraná, que tinha por objetivo a redução de custos com transporte de documentos bancários. A conclusão do artigo mostra que mesmo entre competidores os resultados de trabalhos conjuntos são promissores, sobretudo com relação à redução de custos e otimização da estrutura operacional. Palavras-chave: Parcerias redução de custos logística 1 - Introdução A era da competitividade iniciada nos anos 90 obrigou as empresas a buscarem relações maduras e consolidadas entre si. As associações com fornecedores são comuns, havendo uma mútua consciência de estar no mesmo negócio em qualquer lugar do mundo. O deslocamento de uma empresa no mercado global, acompanhada de suas associadas; a expansão do sistema de franquias; acordos interempresariais através de terceirização ou joint venture passaram a ser temas de destaque na literatura gerencial nos últimos anos. Simultaneamente o aumento da quantidade e escopo das informações disponíveis aos consumidores faz com que estes se tornem mais exigentes em relação à qualidade, à tecnologia e ao preço dos produtos. Diante da necessidade de adaptação a esse novo ambiente de acirrada competição, as empresas têm recorrido cada vez mais a estratégias colaborativas como forma de adquirirem habilidades que ainda não possuem. A necessidade de recursos tem forçado as empresas a formar alianças cooperativas, inclusive com concorrentes. Este trabalho analisa teoricamente e relata a experiência de uma situação que contempla esforços de tradicionais concorrentes no mercado financeiro na busca de redução de custos com o sistema de transporte de documentos bancários. 2. Referências Teóricas 2.1 Gestão das alianças Embora as palavras associação, joint venture, parcerias e alianças sejam utilizadas como sinônimos, as diferenças entre elas são significativas e importantes. Tradicionalmente estas expressões são afluentes, na medida em que significam processos de interação nos quais interesses devem ser compartilhados em prol de objetivos comuns. Os termos carregam em si a decisão estratégica de que as empresas devem permanecer unidas para o bem do mercado, desejando alcançar através de ações utilitaristas, de cálculos de meios e fins, ganhos de ENEGEP 2003 ABEPRO 1

2 produtividade sem os quais as empresas não sobreviveriam neste novo mundo de negócios. Segundo PEREIRA (2000:04), há três conceitos básicos nas relações interempresariais: Associação é uma palavra que designa todo esforço conjunto entre duas ou mais empresas, ambas visando ganhar vantagens competitivas no mercado - gerar mais valor. As associações podem assumir diversas formas ou categorias, dependendo do objetivo comum buscado pelas empresas e do tipo e número de agentes envolvidos (fornecedores, clientes, colaboradores, concorrentes, governo). Parceria é a associação de duas ou mais empresas, por tempo indeterminado, que têm os mesmos ideais e valores e compartilham suas respectivas competências. Na parceria, o compromisso entre as partes representa a principal condição para o resultado ganha-ganha, ou seja, as metas econômicas e operacionais geram benefícios mútuos para as empresas envolvidas. Aliança é a associação de duas ou mais empresas que reconhecem suas diferenças essenciais, mas estão dispostas a compartilhar objetivos temporários. Uma aliança nunca pretende ou promete ser duradoura, diferentemente de uma parceria. Tem duração determinada, ou seja, define-se o horizonte temporal para que os objetivos propostos sejam atingidos. (PEREIRA, 2000:04) Nas alianças, por exemplo, duas empresas podem unir-se para concorrer com uma terceira. As empresas podem compartilhar habilidades e riscos, com acordo para alcançar um objetivo comum. Quando obtêm o sucesso esperado, as empresas retornam à condição inicial, onde cada uma atuava independente da outra. O mesmo não acontece nas parcerias, onde as empresas contribuem continuamente em uma ou mais áreas estratégicas cruciais, como tecnologia ou desenvolvimento de produtos. Normalmente as parcerias dividem recursos humanos, tecnológicos e financeiros, combinando elementos competitivos e cooperativos em um ambiente de controle compartilhado. Com visão semelhante, YOSHINO (1997) vê as alianças como associações para fomentar interesses comuns dos membros, ou os acordos entre empresas, que abrangem uma gama de funções, que vão desde suprimento de componentes à pesquisa e desenvolvimento e à produção e comercialização, num prazo limitado contratualmente. Já as parcerias, na visão do autor, são associações que definem a competitividade como estratégia de atuação de longo prazo, buscando a perpetuação das empresas no mercado. Por aliança estratégica, segundo PEREIRA (2000:5), entende-se quando duas ou mais empresas aliam-se para compartilhar investimentos ou custos, procurando competir juntas no mesmo mercado, usando cada qual sua competência essencial. As alianças estratégicas estão disseminando-se rapidamente e podem ser encontradas em todos os segmentos de mercados e setores empresariais. As alianças bilaterais ainda são a maioria no ambiente empresarial. Porém, com a crescente globalização dos mercados, as empresas não podem mais atuar de forma isolada, o que normalmente implica em processos verticalizados de produção e as participações bilaterais podem não ser suficientes. Assim, as alianças multilaterais, envolvendo mais de duas empresas, marcam uma nova geração de associações, forçando as organizações a aprender a se movimentar entre mais sócios estratégicos. Diante disso, novos termos precisam ser definidos para o correto entendimento das novas alianças diante do grande número de firmas envolvidas. (PEREIRA: 2000,6) Vários autores têm formulado diferentes proposições conceituais sobre estas alianças entre concorrentes, com nomenclaturas diferentes mas com entendimentos semelhantes ou complementares. Entre tais autores e conceitos, destacam-se: Aliança horizontal é a associação que se estabelece com outras companhias para se ter acesso a competências complementares. Essas competências costumam estar vinculadas às informações, à pesquisa, desenvolvimento e são importantes para aproveitar alguma oportunidade específica de negócio. As redes ou alianças horizontais de cooperação introduzem conceitos e práticas revolucionárias na gestão empresarial. O compartilhamento de investimentos e benefícios coletivos reduz os custos, amplia a diversificação de bens ou serviços, preservando a ENEGEP 2003 ABEPRO 2

3 competitividade de cada empresa. O que seria inviável para uma empresa pode ser viável para um conjunto delas, cada qual retirando os benefícios proporcionais à sua participação. (HAMEL-DOZ, 1999: 70) Nalebuff (1996: 14) referencia as palavras de Ray Noorda, fundador da Novell: Você tem que competir e cooperar ao mesmo tempo. Segundo o autor, a combinação estabelece um relacionamento mais dinâmico do que as palavras competição e cooperação sugerem individualmente. Daí ele propõe a palavra co-opetição (sic) como título de sua obra. Por outro lado, DOZ (2000: 4) chama do cooptação a transformação de concorrentes potenciais em aliados e fornecedores de bens e serviços complementares que permitem que novos negócios se desenvolvam. Assim, empresas com bens complementares para contribuir são cortejadas, criando economias de rede em favor da coalizão. O autor cita também que rivais potenciais são neutralizados como ameaças ao aproximarem-se de uma aliança: como príncipes e guerreiros observaram através dos séculos, freqüentemente a forma menos dolorosa de neutralizar inimigos potenciais é reuni-los em seu próprio campo. 2.2 Gestão da Logística Para o setor de serviços, a correta definição dos canais de distribuição é vital para a manutenção dos negócios. Segundo LAS CASAS (1994: 24), as principais características dos serviços são a intangibilidade, a inseparabilidade, a dificuldade de padronização, o alto grau de envolvimento do cliente e a rápida perecibilidade. Um banco precisa mais do que nunca localizar adequadamente suas agências, armazenar dinheiro e distribuí-lo através de seus pontos de vendas; assim, as rotas de transporte de documentos de crédito geram custos de deslocamento de produtos e serviços, sendo portanto uma área de oportunidade para redução de custo. BALLOU (1993) afirma que o transporte é a mais importante atividade da logística. Refere-se aos vários métodos para se movimentar produtos e que a atividade agrega valor de lugar ao produto. Decisões quanto ao método do transporte, aos roteiros de transporte e à capacidade podem significar o sucesso e o fracasso de um negócio. De um modo geral, na visão do autor, um melhor sistema de transporte contribui para aumentar a competição no mercado, garantir a economia de escala na produção e reduzir preços de mercadorias e serviços. SLACK (1999) prevê que a gestão da distribuição física deve considerar o modo de transporte. Os gerentes precisam decidir qual o melhor modo de transporte para distribuir seus produtos/serviços a seus clientes. Por exemplo, as rotas terrestres são mais indicadas quando as distâncias entre produtores e consumidores são menores, para produtos acabados ou semiacabados. Em geral, as cargas são de volumes e pesos menores, sendo esta alternativa indicada para entregas do tipo porta-a-porta. O transporte aéreo passa a ser recomendado quando tempo, distância e velocidade são fatores críticos, com desvantagens quando as condições climáticas não são favoráveis. Logo, o meio de transporte escolhido afetará as decisões estratégicas tomadas pela empresa que afetarão o dia-a-dia da produção de bens e serviços e a vida de seus clientes. 3 ESTUDO DE CASO - PARCERIAS ENTRE CONCORRENTES BREVE HISTÓRICO No início dos anos 80, a economia brasileira apresentava um desequilíbrio na balança comercial acumulado em US$ 5,7 bilhões. O governo passou a sofrer, por parte do FMI, pressões no sentido de obter com urgência um reordenamento das finanças públicas. Por ter o controle majoritário do Governo Federal, o Banco do Brasil (BB) foi submetido a uma redução severa de recursos com a perda da chamada Conta Movimento. ENEGEP 2003 ABEPRO 3

4 Internamente, no BB, a reestruturação acontecia rapidamente para atendimento às exigências governametais. Para obter ganhos de escala, em nível de processamento de serviços, foram criados os CESECs - Centros de Processamento de Serviços e Comunicações, localizados em regiões eqüidistantes com raio médio de 100 quilômetros das agências vinculadas. No Estado do Paraná, foram criados tais serviços nas cidades de Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Pato Branco, Umuarama e Guarapuava. Todas as dependências localizadas em torno destes centros deveriam remeter os documentos para processamento aos respectivos CESECs. 3.2 O INÍCIO DO SISTEMA COMPARTILHADO Ao final de 1991, percebendo que vários veículos transitavam pelos mesmos roteiros entre cidades, surgiu a idéia do uso compartilhado de um mesmo carro, para transporte de documentos. Da observação de que seis veículos distintos faziam simultaneamente o mesmo percurso, entre Ponta Grossa e Curitiba, cada um atendendo um banco diferente, iniciou-se um estudo que visava a redução de custos com transporte de documentos. O BB efetuou levantamento preliminar e através dos dados obtidos, verificou a viabilidade do projeto. Utilizando-se de carta-convite aos bancos de grande porte da rede privada, o BB apresentou a idéia de um novo modelo de parceria, antes nunca imaginada. Como resultado, reuniram-se em Curitiba representantes do BB, Bradesco, Itaú, Banestado (hoje Itaú), CEF, Bamerindus (hoje HSBC) e Unibanco, possuidores dos maiores números de agências no Estado do Paraná, quando se analisou a possibilidade de, através de um projeto conjunto, obterem ganhos consideráveis com transporte de documentos bancários. Constituiu-se um grupo, mais tarde conhecido como Grupo de Implantação e Avaliação (GIA), que através de atas em reuniões, elaborou o que seria um futuro projeto para o sistema de transporte de documentos bancários. O projeto inicial propunha manter a logística que permitiu ganhos de escala para o BB. Formava-se uma rede de centros de processamento (CESECs) interconectados, em regiões estrategicamente definidas dentro do Estado do Paraná, possibilitando o processamento de papéis em tempo hábil. Aproveitando a idéia, os bancos privados também puderam utilizar a rede de CESECs, seguindo padrões do BB, possibilitando fornecer uma posição segura de seu caixa e simultaneamente informar ao BACEN a situação de liquidez de cada representante. Nas reuniões iniciais, foi possível levantar que, por exemplo, o Bamerindus dispunha de planilhas muito confiáveis para levantamento do custo operacional de um veículo. O Bradesco e Itaú dispunham de bons conhecimentos da área de logística para o levantamento de trajetos e condições de estrada. O BB, a partir da primeira reunião, passaria a coordenar e gerenciar o estudo como um todo, efetuando atas de cada reunião para manter e uniformizar as informações coletadas e acrescentadas a cada nova reunião. Da soma e compartilhamento de conhecimentos, implantava-se uma nova visão para transporte de documentos DEFINIÇÕES DAS ÁREAS DE ESTUDO Do entendimento conjunto, e pela melhor posição geográfica, foram escolhidos os municípios de Curitiba, Londrina, Maringá, Guarapuava, Pato Branco e Umuarama, como pólos de regiões que teriam cidades vizinhas eqüidistantes em aproximadamente 100 quilômetros, distância ideal para transporte de documentos com uma hora e meia de viagem no máximo. Círculos imaginários foram traçados, com raios médios de 110 quilômetros e, a partir do estudo da malha rodoviária do Estado, começava-se a esboçar os futuros roteiros para cada cidade centralizadora. Ao final dos roteiros traçados, escolheu-se a cidade de Pato Branco como centralizadora inicialmente para teste, por possuir uma quantidade mediana de roteiros, alguns de difícil acesso (pavimentação com cascalho) e número equilibrado de municípios para a quantidade de trajetos definidos BUSCA DE PARCERIAS COM PRESTADORES DE SERVIÇOS ENEGEP 2003 ABEPRO 4

5 Adequados os roteiros hipotéticos, a carga (em volume e peso) a etapa seguinte consistia na busca de transportadoras que pudessem executar o transporte com custo e confiabilidade que a situação exigia (BALLOU, 1993; SLACK, 1999). Os documentos necessitavam ser processados entre 19:00 e 23:30 horas para permitir a correta atualização dos saldos em conta corrente, recolhimento de tributos, disponibilização de valores a débito/crédito e posição final diária de cada banco. Várias empresas de transporte foram identificadas, de acordo com o conhecimento que cada banco dispunha dos prestadores de serviço nesta área de atividade. Como na época a EBCT (hoje Correios) detinha o monopólio do transporte de correspondência, para não violar a lei, somente documentos bancários poderiam ser movimentados, ficando restrito a cheques e documentos compensáveis. Para qualificar os parceiros para execução dos serviços, consensuou-se que a melhor proposta não consideraria apenas preço, mas também a qualidade dos serviços a serem prestados, a estrutura de atendimento técnico operacional e a idoneidade. Da seleção inicial através de carta-convite entre dez participantes, surgiria o principal colaborador para transporte de documentos, a V. Weiss Transportes, para execução de uma simulação inicial na região de Pato Branco. A qualificação de parceiros passava por uma determinação dos objetivos do serviço, preço de execução do projeto, definição dos custos envolvidos, confiabilidade dos serviços e tipos de veículos. Mesmo sem um contrato inicial, a confiança e a cooperação prevaleceram, com o que a V. Weiss demonstrava inicialmente um comprometimento forte para com o projeto. Na simulação inicial, com custos assumidos pela transportadora, houve redução nos roteiros graças ao espírito de parceria, permitindo a eliminação de dois veículos da quantidade proposta pelos bancos. Assim, teve início o Sistema Compartilhado de Malotes, nascido na cidade de Pato Branco e que atualmente está presente em todos os Estados brasileiros. A V. Weiss seria a vencedora da tomada de preços para as centralizadoras de Curitiba, Pato Branco e Cascavel. Para Londrina, Umuarama e Guarapuava a escolha recairia sobre a Gritsch Transportes, enquanto que a centralizadora de Maringá ficaria a cargo da Trancen Transportes. Fechava-se com isso uma malha de transportes compartilhada que possibilitaria ganhos para os bancos participantes e crescimento para as transportadoras A REDUÇÃO DE CUSTOS OBTIDA INICIALMENTE A Tabela 1 ilustra os ganhos obtidos com transporte para o Estado do Paraná, com a implantação do Sistema Compartilhado de Malotes. Os valores foram atualizados para o mês de maio/2003, para uma melhor avaliação do impacto econômico, com uso de veículos a um custo médio unitário de R$ 3.500,00. Como resultado, é possível verificar uma redução de custo de R$ , ,00 = ,00 mensais (aproximadamente 4,62 milhões anuais) para o sistema como um todo dentro do Estado. Praças no Estado do Paraná Nº veículos antes do projeto Nº veículos com o compartilhamento Ganhos em R$ e veículos, ref 05/2003 Curitiba ,00-29 Londrina ,00-23 Maringá ,00-18 Cascavel ,00-11 Pato Branco ,00-10 Umuarama ,00-11 Guarapuava ,00-10 Totais , Tabela 1: Redução da quantidade de veículos/valor ENEGEP 2003 ABEPRO 5

6 3.6 - DIVISÃO DOS BENEFÍCIOS OBTIDOS - Criação de Regulamento Do bom entendimento da equipe de criação do projeto, o sistema evoluiria disciplinando direitos e deveres dos bancos e transportadoras envolvidas. Criava-se um regulamento que definiria como objetivo e filosofia que "O sistema prestaria atendimento às agências bancárias e aos centros de processamento de dados mediante o compartilhamento do transporte e seu respectivo custo. Utilizando-se veículos para transporte de papéis compensáveis, materiais de expediente e equipamentos de pequeno porte. O objetivo principal é a otimização dos prazos e recursos envolvidos, visando a redução de custos". Ficou definido que a administração seria a cargo do BB. As formalizações dos contratos de transporte ficariam a cargo do Sindicatos dos Bancos. Estes contratos normalmente possuem em anexo planilhas que estabelecem horários de coleta e entrega de documentos, os locais onde isto ocorre, a quilometragem diária, viagem única de ida (manhã) e volta (tarde), uso dos modelos de veículos e estado de conservação. A remuneração é baseada na quilometragem rodada e através de contratos também se define a forma de rateio. A proposta inicial, após exaustiva discussão, definiria a divisão das despesas conjuntas em duas partes distintas. Numa primeira, 25% dos custos totais seriam rateados entre todos os participantes (exemplificando para o custo de R$ 385 mil ilustrados, R$ ,00 (25%): 52 bancos participantes na época = R$ 1.850,96 de custo fixo para cada representante), e uma segunda parte variável, com os 75% restantes (269,5 mil), pelo número de dependências que cada banco possuía no Estado (718 ao todo). No caso, como o BB detinha 112 dependência em 1991, para um custo unitário por dependência de R$ 375,35 (75% restantes no valor de ,00: 718 = 375,35), representava um custo total mensal de R$ ,20 ( 1.850,96 fixa ,20 parte variável de acordo com nº de agências) para o Estado como um todo. Comparativamente para o ano de 1991, os valores eram de R$ ,09 somente para os roteiros de Curitiba. A Tabela 2 ilustra estes valores para alguns bancos. Principais Bancos participantes Custo fixo 25% por representante 75% Número de agências no estado Custo total após o projeto Custo anterior Ganhos mensais em R$ BB 1.850, x 375, , , ,22 Banestado 1.850, x 375, , , ,82 Bamerindus 1.850,96 98 x 375, , , ,16 CEF 1.850,96 93 x 375, , , ,57 Tabela 2: Redução de Custos Do entendimento obtido entre os parceiros, passou-se a organizar o Sistema Compartilhado de Malotes. Definiu-se como centralizadora as dependências do Banco do Brasil, com espaço próprio para esta finalidade, denominada Câmara de Malotes, e quando da sua inexistência, são utilizadas caixas coletoras. Por exemplo, para a cidade de Toledo, estavam presentes em 1991 os Bancos: BB, CEF, Banestado, Itaú, Bamerindus e Unibanco. Cada representante coletava seus documentos, acondicionava em malotes e depositava na dependência do BB Toledo. No horário acordado, a V. Weiss (transportadora responsável pelo roteiro) coletava e dirigia-se para o Cesec Cascavel (centralizador do processamento) A EVOLUÇÃO DO PROJETO Transporte Aéreo de Documentos Seis anos após a implantação do projeto, iniciava-se um novo estudo, desta vez para promover a centralização de todo o processamento no Estado. A idéia consistia no deslocamento de toda a documentação para Curitiba, via aérea, com permanência de apenas um centro processador responsável para todo o Estado. Guardadas as exigências iniciais para horários de processamento, entre 19:00 as 23:00, os roteiros do interior necessitaram de ajustes. ENEGEP 2003 ABEPRO 6

7 Em 1997, o Paraná foi o primeiro Estado brasileiro a implementar em 100% o processo de centralização de processamento em Curitiba. A idéia consistia na utilização da logística terrestre implantada anteriormente, nas proximidades das centralizadoras, porém não mais com deslocamento dos documentos para os centros de processamento (CESECs), mas sim para os aeroportos de Londrina, Maringá, Cascavel, Pato Branco, Guarapuava e Umuarama. O projeto de estudos iniciou-se com a colaboração de uma equipe conjunta formada por representantes de bancos. Coordenados pelo BB, contou com a participação de HSBC, CEF, Bradesco, Meridional, Unibanco, Itaú, representantes de Bancos de pequeno e médio porte, juntamente com suas Associações (ASBACE). Os estudos contemplavam as condições climáticas e aeroportuárias do estado. Definidos e adequados os ajustes terrestres, passou-se à definição dos roteiros aéreos. Como conclusão final, estabeleceram-se quatro roteiros aéreos: Curitiba - Londrina; Curitiba - Maringá - Umuarama; Curitiba - Cascavel - Foz do Iguaçu e Curitiba - Guarapuava - Pato Branco. A nova configuração exigia três modelos de aeronaves turbo-hélice e uma quarta com menos capacidade de carga modelo (Sêneca ou semelhante). Estrutura aérea e terrestre definida, passou-se através do GIA à pré-qualificação das empresas para tomada de preços. Foram selecionadas 14 empresas que atendiam as condições iniciais e disponibilizariam aeronaves, exclusivamente para os Bancos, para transporte de documentos. Da seleção final, a Táxi Aéreo Weiss seria a vencedora, possuindo melhor preço, qualidade nos serviços prestados e estrutura adequada tanto em nível terrestre quanto aeroportuária (hangares, oficinas, abastecimento, comunicação, entre outros fatores avaliados). A importância da atuação em nível de parcerias com fornecedores de serviços pode ser evidenciada. Após a divulgação dos resultados, a Táxi Aéreo Weiss passou a atuar junto a Prefeituras do interior de Estado visando obter a melhoria dos aeroportos. Forneceu equipamentos (rádios e sinalizadores), melhorou pistas de pouso e decolagens, consertou alambrados e balizamento, em conjunto com os Bancos, mas com iniciativa própria, que permitiram, por exemplo, a homologação para vôos noturnos nas cidades de Umuarama, Arapongas, Apucarana e Toledo (os três últimos são utilizados como aeroportos alternativos, caso não seja possível o pouso em situações normais nos aeroportos base de Londrina, Maringá e Cascavel). Graças à atuação da Transportadora V.Weiss, foram possíveis melhorias, inclusive no sistema terrestre onde não detinha base de atuação, como é o caso de Maringá (Transportadora Trancen), Londrina, Umuarama e Guarapuava (Gritsch Transportes), onde coordenou ações que permitem até momento uma ação articulada com o transporte aéreo, evitando desta forma que os Bancos sofram atraso no processamento dos papéis e gerem elevado número de horas extras. A adequação do transporte aéreo provocou o encerramento dos centros de processamentos de dados no interior do Paraná para os 52 Bancos existentes em Comparativamente, a Tabela 3 ilustra, para os dois maiores bancos do Paraná, o que foi obtido somente em nível de recursos humanos, nas localidades onde foram desativados aqueles centros. Banco Londrina Maringá Umuarama Cascavel Pato Branco Guarapuava Total de funcion. Ganhos reais BB ,5 milhões Banestado ,2 milhões Tabela 3: Redução de custo com pessoal Na tabela acima não foram computados os ganhos obtidos com energia, telefonia, contratos de segurança, limpeza, manutenção de equipamentos, uso de linhas de transmissão, custos das manutenções físicas das instalações prediais, entre outros, com a desativação dos CESECs. em ENEGEP 2003 ABEPRO 7

8 A Tabela 4 mostra os custos envolvidos para a inclusão do transporte aéreo atualizados, de 1997 até maio/2003, resultando em 10% de custos médios incrementados em relação ao total economizado. O custo unitário referente a maio/2003 é de R$ 389,64 por agência. Banco Participante Quantidade de agências - Pr Valor pago mensalmente Banco do Brasil 244 R$ ,16 Banestado 185 R$ ,40 Caixa E. Federal 125 R$ ,00 Bradesco 140 R$ ,60 Itau 208 R$ ,12 HSBC 173 R$ ,72 Bansicredi 92 R$ ,88 Tabela 4: Custo com transporte aéreo 4 CONCLUSÃO A estratégia de parceria conjunta de instituições do mercado financeiro no Estado do Paraná, utilizando o conceito de co-opetição, aliada à logística integrada permitiu redução de custos significativos no transporte de malotes de documentos bancários. Este resultado foi viabilizado pelas decisões conjuntas de concorrentes que decidiram buscar benefícios mútuos através de parceria e com extensão deste conceito para os fornecedores de serviços, ou seja, as empresas de transporte. A estratégia de utilizar redes locais de transporte e posterior integração em nível estadual minimizou os riscos da operação, pela participação conjunta de todos os Bancos, oferecendo níveis mais competitivos de serviços e unindo rivais num mesmo campo de batalha. O importante é que, apesar da consciência dos bancos participantes da operação analisada de que são concorrentes no mercado, este aspecto competitivo não impediu a postura da cooperação para atingir o objetivo comum, ou seja, reduzir o custo da logística de transporte de malotes. O estudo de caso não só comprova que as estratégias de parceria e de logística integrada de transportes (rodoviário e aéreo) tiveram resultados positivos para as organizações envolvidas, como também tornou-se marco para a implantação em nível estadual e nacional desta mesma operação. Portanto, não só no segmento financeiro, mas em qualquer setor da economia é possível reproduzir experiências semelhantes, buscando melhores indicadores de excelência operacional das empresas, conciliando as culturas de cooperação e de competição. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial. São Paulo: Editora Atlas S.A, DOZ, Yves L. & Gary Hamel. A Vantagem das alianças. Rio de Janeiro: Qualitymark, HAMEL, Gary & Prahalad, C. K. Competindo pelo Futuro. Rio de Janeiro: Campus, LAS CASAS, Alexandre L. Qualidade Total em Serviços. São Paulo: Atlas, NALEBUFF, Barry J. & BRANDENBURGER, Adam M. Co-opetição. Rio de Janeiro: Rocco, PEREIRA, Heitor José, Parcerias e Alianças. Programa de Profissionalização do Banco do Brasil: Brasília, SLACK, Nigel & Associados. Administração da Produção. São Paulo: Editora Atlas, YOSHINO Michael Y. Alianças Estratégicas Uma abordagem Empresarial à Globalização. São Paulo: Makron Books, 1997 ENEGEP 2003 ABEPRO 8

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2013

Brasília, 9 de maio de 2013 Brasília, 9 de maio de 2013 Discurso do Diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na reunião ordinária do Conselho Consultivo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR suas finanças Ascent MISSÃO Prestar serviços profissionais diferenciados que sejam uma ferramenta útil para a tomada de decisões e agreguem valor ao cliente, baseada

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO VANTAGENS FISCAIS A LOCAÇÃO REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO A 100% SEM ENTRADA INICIAL EVITA REDUZIR O CUSTO

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais