CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA"

Transcrição

1 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1

2 AGRADEÇO A OPORTUNIDADE DE PARTICIPAR NESTA MESA DE ABERTURA COMO MEMBRO DO CNRIPD, ÓRGÃO CONSULTIVO E REPRESENTATIVO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO LUCRATIVAS NO DOMÍNIO DA DEFICIÊNCIA, PRESIDIDO COM MUITA DEDICAÇÃO PELO SENHOR CORONEL MANUEL DA COSTA BRÁS. ENTENDO O SIGNIFICADO DESTE CONVITE QUE MUITO NOS HONRA, COMO RECONHECIMENTO PELO EMPENHAMENTO COM QUE AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VÊM INTERVINDO, DESDE O INICIO DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO PASSADO, COM PERCURSOS DIVERSOS MAS CONSENTÂNEOS NO OBJECTIVO COMUM DO RECONHECIMENTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COMO CIDADÃOS DE PLENO DIREITO. POR ESSA RAZÃO, A CELEBRAÇÃO DO DIA 3 DE DEZEMBRO QUE HOJE NOS REÚNE, REVESTE-SE DE PARTICULAR IMPORTÂNCIA, AO ASSINALAR O 1º DIA DE UMA NOVA ETAPA. MAS AO ALCANÇARMOS ESTE PATAMAR PERMITAM-ME AINDA QUE EM NOME DO CNRIPED E EM MEU NOME PESSOAL, SAÚDE VEXA Sª SEAR PELA ATENÇÃO PESSOAL E ENTUSIASMO QUE DEDICOU NA CONDUÇÃO DO PROCESSO INTERNACIONAL E NACIONAL DE NEGOCIAÇÃO, POSSIBILITANDO QUE PORTUGAL FOSSE DOS PRIMEIROS A ASSINAR A CONVENÇÃO E O PROTOCOLO ADICIONAL E JÁ TIVESSE RATIFICADA A CONVENÇÃO. NA PESSOA DE VOSSA EXCELÊNCIA PERMITA AINDA QUE SAÚDE TODOS OS QUE DIRECTA OU INDIRECTAMENTE CONTRIBUÍRAM PARA ESTE RESULTADO, COM PARTICULAR DESTAQUE PARA A Sª. DR.ª ALEXANDRA PIMENTA. MAS SERÁ QUE COM A CONVENÇÃO, AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PODEM EXERCER DE IMEDIATO TODOS OS SEUS DIREITOS E AS SUAS DIFICULDADES DESAPARECERAM? SERÁ QUE A PARTIR DE AGORA, PASSARÃO A TER A VISIBILIDADE SOCIAL TÃO DESEJADA E O SEU LUGAR AO SOL? TODOS SABEMOS QUE NÃO E QUE UM LONGO CAMINHO TERÁ DE SER VENCIDO. ESTAMOS CERTAMENTE CONSCIENTES DE QUE ESSE PERCURSO TERÁ DE SER FEITO, PELOS CIDADÃOS SEM EXCEPÇÃO E PELAS ORGANIZAÇÕES CIVIS, AO RITMO DA CAPACIDADE DE DIÁLOGO E DA VONTADE EM MUDAR COMPORTAMENTOS E ATITUDES. O ESPÍRITO DA CONVENÇÃO JÁ EXISTIA HÁ MUITO TEMPO, PODEREMOS DIZER QUE ESTAVA CONSUBSTANCIADO NA CONVENÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM. NA VERDADE, ESTA NOVA CONVENÇÃO NÃO VEIO ACRESCENTAR NENHUM DIREITO. O QUE MUDA É PROFUNDO PORQUE NÃO SÃO APENAS AS PALAVRAS, MAS O SIGNIFICADO CONCEPTUAL QUE ELAS TRANSPORTAM: DEIXARMOS DE CONSIDERAR A PESSOA COM DEFICIÊNCIA, COMO OBJECTO DE ASSISTÊNCIA E DE PROTECÇÃO PARA A RECONHECER COMO PESSOA SUJEITO DE DIREITO - DIREITO Á PALAVRA E À PARTICIPAÇÃO, À VIDA E À SUA VULNERABILIDADE. A PALAVRA PESSOA, TEM TRÊS SÍLABAS APENAS, MAS UMA DIMENSÃO E UM SENTIDO UNIVERSAL. MAIS DO QUE UMA PALAVRA, É UM CONCEITO QUE NOS DISTINGUE ENTRE OS SERES VIVOS, AO ELEVAR-NOS Á CONDIÇÃO DE SERES SUPERIORES, ÚNICOS E SINGULARES. 2

3 OS HUMANOS SÃO SERES COMPLEXOS. NASCEMOS MUITO DEPENDENTES SEM SABER UTILIZAR AS NOSSAS CAPACIDADES AINDA INCIPIENTES QUE PROGRESSIVAMENTE IREMOS APRENDENDO A DESENVOLVER, DE FORMA E MANEIRA DIFERENTE, UNS MAIS QUE OUTROS, EM DIFERENTES NÍVEIS. PORQUE PARECENDO IGUAIS QUANDO NASCEMOS E APESAR DE HERDARMOS UMA HISTÓRIA GENÉTICA, SOMOS DESDE LOGO ÚNICOS, CRESCEMOS DE FORMA E COM TEMPOS DIFERENTES E SEREMOS SEMPRE DIFERENTES, IGUAIS A NÓS MESMOS, RESULTADO DAS INFLUÊNCIAS E HERANÇAS FAMILIARES E DO QUE CONSEGUIMOS CAPTAR DO MUNDO QUE NOS OLHA, DAS OPORTUNIDADES QUE TIVEMOS E DO QUE REALMENTE QUISEMOS SER PORQUE LUTAMOS OU PORQUE ALCANÇAMOS. OU ATÉ PELO QUE NADA FIZEMOS. NÃO SEREMOS CÓPIA DE OUTROS, NEM MODELOS PARA NINGUÉM. CLARO QUE O NOSSO DESENVOLVIMENTO DEPENDE DOS AFECTOS QUE NOS ACOLHERAM, DOS QUE PARTILHAMOS, DA NOSSA CAPACIDADE DE SONHAR E DE QUERER E NATURALMENTE DAS OPORTUNIDADES QUE TIVERMOS. PARA ALÉM DA DIVERSIDADE FÍSICA, CULTURAL, SOCIAL E ECONÓMICA, CADA HUMANO É EM SI MESMO IRREPETÍVEL E SINGULAR. E ESSA ESPECIFICIDADE, EXPRESSA-SE NA FUNCIONALIDADE FÍSICA E SOCIAL DE CADA PESSOA DE FORMA DIFERENTE EM CADA CONTEXTO TEMPORAL E AMBIENTAL, O QUE FAZ DE CADA UM DE NÓS UM SER ÚNICO, COM CAPACIDADES E LIMITAÇÕES, VARIÁVEIS AO LONGO DA NOSSA VIDA. A DEFICIÊNCIA ACONTECE NA VIDA DE QUASE TODOS NÓS, PELO MENOS NUM QUALQUER MOMENTO. MAS MESMO QUE NUMA SITUAÇÃO MAIS PERMANENTE E GRAVE, PAREÇA QUE NADA PODE FAZER OU DIZER, HÁ SEMPRE UM CONTRIBUTO QUE É POSSÍVEL ENCONTRAR NAQUELA PESSOA ATRAVÉS DO OLHAR, DO AFECTO OU DE OUTRA FORMA INDIRECTA, COMO CHAMA QUE ARDE SEM SE VER E NESSA INTENSIDADE ILUMINA OS SEUS COM UMA PRESENÇA ÚNICA QUE PODE PACIFICAR OU ESTIMULAR E QUE DEIXARÁ SEMPRE, A MARCA DO SEU CONTRIBUTO ENRIQUECEDOR. A DIGNIDADE HUMANA NÃO SE APRESENTA COMO UM PRINCÍPIO EM SI MESMO, MAS COMO UMA UNIDADE INTERDEPENDENTE. É PRIORITÁRIO GANHAR VISIBILIDADE SOCIAL, O QUE SÓ ACONTECERÁ QUANDO A SOCIEDADE NO SEU TODO, RECONHECER A NATUREZA SINGULAR E IRREPETÍVEL DE CADA PESSOA, NA DEPENDÊNCIA CIRCUNSTANCIAL DA SUA FUNCIONALIDADE HUMANA EM EVOLUÇÃO AO LONGO DA VIDA E EM CONTÍNUA INTERDEPENDÊNCIA AMBIENTAL. ACONTECE QUE MUITAS VEZES AS PESSOAS PERANTE CIRCUNSTÂNCIAS ADVERSAS MÚLTIPLAS, DESISTEM, QUASE SEMPRE PELO ISOLAMENTO EM QUE POUCO A POUCO SE REMETEM. É PRECISO ESTIMULAR O POTENCIAL PROFUNDO QUE EXISTE EM CADA SER HUMANO. E ISSO SÓ SE CONSEGUE QUANDO À NOSSA VOLTA SENTIMOS QUE SOMOS RECONHECIDOS PELO OUTRO, TAL COMO NOS APRESENTAMOS, COM AS NOSSAS DIFICULDADES E AS NOSSAS POTENCIALIDADES. É URGENTE QUE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ACREDITEM EM SI MESMAS E ASSUMAM OS SEUS DIREITOS E AS SUAS RESPONSABILIDADES CIVIS, COMO TODAS AS OUTRAS PESSOAS, PRINCIPALMENTE AGORA QUE A CONVENÇÃO PROCLAMA E CONFIRMA QUE SÃO CIDADÃOS DE PLENO DIREITO. 3

4 ESTAMOS CONSCIENTES DE QUE TEREMOS DE ENFRENTAR MUITOS OBSTÁCULOS NA ADEQUAÇÃO DAS MEDIDAS ÀS PRÁTICAS E SOBRETUDO NA APRENDIZAGEM A VIVER E CONVIVER COM A DIVERSIDADE HUMANA. NÃO SERÁ POR UM INSTRUMENTO JURÍDICO QUE ISSO ACONTECERÁ, NEM TÃO POUCO SE PODERÁ RESTRINGIR APENAS A UMA QUESTÃO FINANCEIRA. A MUDANÇA TEM DE SER MAIS PROFUNDA, ENVOLVENDO MUITOS OUTROS FACTORES DE CONSTRANGIMENTO, DESDE OS AMBIENTAIS, OS SOCIAIS E OS CULTURAIS. E SÓ ENTÃO O DIREITO Á PARTICIPAÇÃO SERÁ UMA REALIDADE CONFIRMADA PARA TODOS OS CIDADÃOS. HOJE COMEÇAMOS A TER A CONSCIÊNCIA DE QUE OS AMBIENTES FÍSICOS E SOCIAIS PODEM TORNAR QUALQUER PESSOA MAIS OU MENOS CAPAZ OU MESMO LIMITAR A SUA PARTICIPAÇÃO. MAS PRECISAMOS AINDA DE GENERALIZAR O CONCEITO DA FUNCIONALIDADE HUMANA E A SUA EVOLUÇÃO CONTÍNUA, PARA A COMPREENSÃO DA NOSSA VULNERABILIDADE FÍSICA, EMOCIONAL E SOCIAL. POR ISSO, A ACESSIBILIDADE FÍSICA E CULTURAL É INDISPENSÁVEL PARA A SEGURANÇA E A QUALIDADE DAS NOSSAS VIDAS, PERMITINDO- NOS PARTICIPAR EM QUALQUER CIRCUNSTÂNCIA TEMPORAL E AMBIENTAL, COMO OBREIROS DA COMUNIDADE A QUE PERTENCEMOS, NA SINGULARIDADE IRREPETÍVEL DA NOSSA NATUREZA HUMANA. O RECONHECIMENTO DO DIREITO JURÍDICO DE PARTICIPAR É O QUE NOS PERMITE A ACÇÃO. MAS É A PASSAGEM DA VALIDADE POLÍTICA AO SIGNIFICADO DA ALTERAÇÃO CULTURAL DE RECONHECER AQUELA PESSOA COMO UM ALTER, TAL COMO ELE É, DANDO ESPAÇO PARA QUE EXPRIMA AS SUAS EMOÇÕES E CARÊNCIAS, AS SUAS INABILIDADES E COMPETÊNCIAS, COMO FORMA DE ENRIQUECIMENTO DO OUTRO, O QUE AGORA IMPORTA FAZER ACONTECER. NA MEDIDA EM QUE ME MODIFICO, ESTABELEÇO UMA RELAÇÃO BILATERAL COM O OUTRO SEM AFIRMAÇÃO DE PODER, MAS PELO RECONHECIMENTO DO SEU DIREITO À PARTICIPAÇÃO COMO MEMBRO DAQUELA COMUNIDADE. ESTA É A MUDANÇA CULTURAL QUE A CONVENÇÃO OBRIGA, PARA QUE NÃO SEJA MAIS UM DOCUMENTO LEGISLATIVO, MAS UMA PRATICA ASSUMIDA PELA SOCIEDADE. E É NAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS QUE ENCONTRAMOS A MAIOR CAPACIDADE DE AGIR COMO ACTORES DE MUDANÇA SOCIAL E CULTURAL, PELO PAPEL DE REPRESENTAÇÃO POLÍTICA, PARTICIPANDO NA AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DOS PROGRESSOS CONSEGUIDOS E PELA EXEMPLARIDADE DAS NOSSAS PRÁTICAS DE DIGNIFICAÇÃO DA PESSOA, NO RESPEITO ÀS SUAS OPÇÕES COMO MANIFESTAÇÃO DA SUA AUTONOMIA E NA VALORIZAÇÃO DAS SUAS CAPACIDADES PARA UMA VIDA INDEPENDENTE. PORQUE O NOSSO OLHAR FOI SEMPRE MAIS LONGE, PARA ALÉM DA DISFUNÇÃO VISÍVEL, NA DESCOBERTA DO QUE NELE, NOS COMPLETA E FAZ PROGREDIR. NESTE MOMENTO, EM QUE PELA FRENTE TEMOS O ENORME COMBATE CONTRA O ABSENTISMO SOCIAL QUE PRETENDE RESISTIR À MUDANÇA QUASE SEMPRE POR NÃO SABER LIDAR COM ELA, SERIA OPORTUNO REFORÇAR E VALORIZAR AS PARCERIAS DO SECTOR PÚBLICO COM AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS, RECONHECENDO E AVALIANDO O CONTRIBUTO SOCIAL E CULTURAL DO SEU TRABALHO, COMO PARCEIROS ESSENCIAIS NO ESFORÇO COLECTIVO DE HUMANIZAÇÃO DA SOCIEDADE, COM IMPACTO NA SUA SUSTENTABILIDADE. 4

5 NO PANORAMA NACIONAL A DISTRIBUIÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DIRIGIDAS PARA O ATENDIMENTO ÀS QUESTÕES DA DEFICIÊNCIA, GARANTEM UMA COBERTURA SIGNIFICATIVA. MAS TAMBÉM RECONHECEMOS A NECESSIDADE DE NOS ORGANIZARMOS MELHOR, DE NOS COMPLETARMOS, DE NOS ENRIQUECER COM A TROCA DE EXPERIENCIAS E DE SABERES, NUMA COMPETIÇÃO EM QUE A META NÃO SERÁ INDIVIDUAL, MAS A EXCELÊNCIA CONSEGUIDA COLECTIVAMENTE, NAS RESPOSTAS INOVADORAS E CRIATIVAS QUE CONSEGUIREMOS DAR ÀS QUESTÕES QUE A CONVENÇÃO E O MUNDO EM QUE VIVEMOS NOS COLOCAM. HOJE ENFRENTAMOS TEMPOS DIFÍCEIS PELA GRAVE SITUAÇÃO DE CRISE ECONÓMICA MUNDIAL, COM TODAS AS CONSEQUÊNCIAS NACIONAIS QUE CONHECEMOS, CADA VEZ MAIS GRAVOSAS AO ASSISTIRMOS AO AUMENTO PROGRESSIVO DA ESPERANÇA DE VIDA E DA SOBREVIVÊNCIA DAS PESSOAS COM SITUAÇÕES DE DEPENDÊNCIA FÍSICA E SOCIAL. COMO PODERÃO NESTE CONTEXTO, AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS COM INTERVENÇÃO NESTE DOMÍNIO, CONTRIBUIR PARA A MUDANÇA CULTURAL ESSENCIAL PARA O SUCESSO DA APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO E DESSA FORMA, PARTICIPAR NO PROCESSO DA SUSTENTABILIDADE DO NOSSO PAÍS? A CRISE ECONÓMICA PELA EXTENSÃO GLOBAL E DIMENSÃO PROFUNDA CAUSOU UM IMPACTO NAS SOCIEDADES CONTEMPORÂNEAS DE QUE RESULTA UMA MUDANÇA EM CONTINUIDADE, DIRIA MESMO QUE NADA SERÁ COMO ERA. A CONTENÇÃO GENERALIZADA VEM CAUSANDO NOS CIDADÃOS UMA ENORME PREOCUPAÇÃO NO PRESENTE E GRANDE ANGÚSTIA QUANTO AO FUTURO, SOBRETUDO O DAS GERAÇÕES SEGUINTES. E EM SITUAÇÕES DE MENORES RECURSOS, PARECE AINDA MAIS DIFÍCIL MUDAR OS COMPORTAMENTOS E AS ATITUDES SOCIAIS. MAS É PRECISO RECONHECER QUE ESTES TEMPOS DIFÍCEIS TAMBÉM PODEM GERAR OPORTUNIDADES, PELA NECESSIDADE DE SE CRIAREM RESPOSTAS ADEQUADAS ÀS NOVAS QUESTÕES SOCIAIS E ECONÓMICAS COM QUE A SOCIEDADE GLOBAL SE CONFRONTA. É NESTE CONTEXTO QUE NOS PARECE OPORTUNO REFERIR MAIS UMA VEZ O PAPEL RELEVANTE QUE AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS TÊM QUER PELO SEU COMBATE POLÍTICO E SOCIAL PARA DAR VISIBILIDADE A ESTAS QUESTÕES E ABRIR ACESSOS À PARTICIPAÇÃO QUER PELO ESTIMULO À CAPACITAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PARA A VIA CONTRIBUTIVA, QUER AINDA NAS SITUAÇÕES MAIS GRAVES, MENORIZANDO E RETARDANDO A SUA DEPENDÊNCIA DEFINITIVA, PARA ALÉM DE PERMITIR ÀS FAMÍLIAS MANTER A SUA ACTIVIDADE PROFISSIONAL E SEMPRE COM EXEMPLARIDADE, PROCURAR ADEQUAR OS FRACOS RECURSOS ÀS NECESSIDADES DOS PÚBLICOS-ALVO, CADA VEZ COM SITUAÇÕES MAIS COMPLEXAS E EXIGENTES. PERANTE AS DIFICULDADES ECONÓMICAS E SOB A AMEAÇA FUTURA DO PROGRESSIVO DESEQUILIBRO ENTRE ACTIVOS E DEPENDENTES, PENSAMOS SER RECOMENDÁVEL DAR MAIS ATENÇÃO AO VALOR SOCIAL E ECONÓMICO DESTE NOSSO TRABALHO DE FORMA A MUDAR O OLHAR QUE O ESTADO TEM SOBRE AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS QUE JÁ NÃO SÃO APENAS ORGANIZAÇÕES DEPENDENTES DE SUBSÍDIOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMPLEMENTARIDADE, MAS CADA VEZ MAIS, ENTIDADES PARCEIRAS QUE DEVEM PARTICIPAR NA AVALIAÇÃO DAS QUESTÕES QUE A SOCIEDADE COLOCA E DAS MEDIDAS POLITICAS DE AJUSTAMENTO PARA A APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO, DE FORMA A CONTRIBUÍREM NO DESENHO DE ESTRATÉGIAS QUE FACILITEM A MUDANÇA CULTURAL E CONTRIBUAM PARA A SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA. 5

6 O CNRIPD, COMO ÓRGÃO CONSULTOR REPRESENTATIVO DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NO DOMÍNIO DA DEFICIÊNCIA, ESTARÁ DISPONÍVEL PARA INTENSIFICAR A SUA ACÇÃO POLÍTICA E PARTICIPAR NA MONITORIZAÇÃO DA APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO, E EMPENHO EM COLABORAR PARA A INOVAÇÃO SOCIAL PELA INTRODUÇÃO DE ESTRATÉGIAS MAIS FAVORÁVEIS AO ACESSO À PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E À MENORIZAÇÃO DA DEPENDÊNCIA. RECONHECEMOS EM VOSSA EXCELÊNCIA SENHORA SECRETARIA ADJUNTA E DA REABILITAÇÃO O CONHECIMENTO PROFUNDO DA REALIDADE E A VONTADE POLÍTICA EM CONCRETIZAR O MUITO QUE TEREMOS TODOS DE FAZER, PARA QUE NO PRÓXIMO ANO, NO DIA 3 DE DEZEMBRO, POSSAMOS ASSINALAR OS PROGRESSOS QUE A SOCIEDADE PORTUGUESA FEZ NA APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO. ACREDITAMOS QUE PORTUGAL IRÁ CONFIRMAR O COMPROMISSO ASSUMIDO DE PROMOVER AS MEDIDAS DE AJUSTAMENTO INDISPENSÁVEIS PARA QUE TODOS OS CIDADÃOS TENHAM ACESSO À IGUALDADE DE OPORTUNIDADES NO RECONHECIMENTO PÚBLICO E CULTURAL DA DIVERSIDADE HUMANA. CELEBREMOS OS QUE COM CORAGEM E PERSEVERANÇA LUTARAM DURANTE DÉCADAS POR ESTA CONVENÇÃO. SE TODOS O QUISERMOS, ESTE SERÁ O CAMINHO SEGURO PARA QUE O III MILÉNIO SEJA O SÉCULO DO POTENCIAL HUMANO E DA INOVAÇÃO SOCIAL PELO RECONHECIMENTO DA DIVERSIDADE HUMANA, E DA TRANSFORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ACTUAIS EM COMUNIDADES MAIS HUMANAS, ENRIQUECIDAS PELA PARTICIPAÇÃO PLURAL DOS CIDADÃOS NO PLENO EXERCÍCIO DOS SEUS DIREITOS E RESPONSABILIDADES CÍVICAS. TERMINO COM PALAVRAS DE PAULO FREIRE, ESCRITAS EM 1972 E QUE MANTÉM SENTIDO NA ACTUALIDADE: ENQUANTO A VIOLÊNCIA DOS OPRESSORES FEZ DOS HOMENS PROIBIDOS DE SER, A RESPOSTA DELES À VIOLÊNCIA DAQUELES, SE ENCONTRA INFUNDIDA NO DIREITO DO SER. 6

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Olhar e Pensar a Deficiência Encontros Temáticos da Rede Social

Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Olhar e Pensar a Deficiência Encontros Temáticos da Rede Social Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Olhar e Pensar a Deficiência Encontros Temáticos da Rede Social O INR O INR, I.P.

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

-Senhor Reitor da Universidade do Minho

-Senhor Reitor da Universidade do Minho -Senhor Reitor da Universidade do Minho - Senhor Presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência. - Senhor Arcebispo Primaz - Digníssimas Autoridades Académicas, Civis, Militares e Religiosas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Alunos do 5º Ano Turma B

Alunos do 5º Ano Turma B Alunos do 5º Ano Turma B Boa tarde e Bem Vindos! 1 Todos conhecem a Prof.ª Isabel O meu nome é Alexandre e trabalho na empresa 2 Estamos aqui para vos apresentar o Projecto Concurso Escola Alerta! 3 O

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

2. Mas este acto representa também o início de uma nova etapa, em Sines com

2. Mas este acto representa também o início de uma nova etapa, em Sines com Câmara Municipal Presidência Exmº Senhor Primeiro-ministro de Portugal Eng.º José Sócrates Sr. Ministro da Economia e da Inovação Dr. Manuel Pinho Em nome da Câmara Municipal de Sines, o meu manifesto

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia ONDE MORAS? Ilustração de Capa, Madalena Matoso, 2009 ONDE MORAS? UMA PROPOSTA Tópicos para a intervenção inicial Maria da Conceição Moita A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago na abertura da Sessão pública de apresentação das actividades do Conselho Europeu de Investigação (ERC) 3 de Julho 2007

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL Numa altura em que tanto se fala de Estado social, de desenvolvimento económico, de solidariedade, de coesão social, de crise, estas jornadas sobre Economia Social podem ser

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Bravo Nico Universidade de Évora 1. INTRODUÇÃO Aprendemos em qualquer circunstância. Aprendemos

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO 1 1. FUNDAMENTOS DE UMA PROPOSTA O Sector Solidário, neste caso a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), assume que o sistema educativo 1 é um dos

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Apresentamos hoje a Campanha Especial de Segurança Rodoviária que visa, durante o mês de Dezembro e os primeiros dias de Janeiro, valorizar a prevenção e reforçar a segurança

Leia mais

Práticas de Responsabilidade Social: Limites e Potencialidades

Práticas de Responsabilidade Social: Limites e Potencialidades Práticas de Responsabilidade Social: Limites e Potencialidades Responsabilidade social, políticas e participação 15/12/08 Hermínia Gonçalves 1. Transformações sociopolíticas nas sociedades ocidentais A

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 25 Junho 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 25 Junho 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 25 Junho 2013 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Página da SPC Júlio Soares Leite Presidente da Sociedade Portuguesa de Cirurgia

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Um poderoso instrumento de mudança

Um poderoso instrumento de mudança Um poderoso instrumento de mudança José Tribolet Professor Catedrático de Sistemas de Informação do Instituto Superior Técnico Presidente do INESC, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Há

Leia mais

EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO

EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO Clima e cultura organizacional 1 PROBLEMÁTICA Quem cuida dos idosos em Portugal? AUXILIARES Fora das instituições Instituições Sociais e Privadas TÉCNICOS

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES

SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES Hilmar, Califórnia, 29 de Agosto de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Começo

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57 Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Porto, Acto de abertura da Exposição «Álvaro Cunhal Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se Projecta na Actualidade e no Futuro» Em nome do Partido Comunista

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Intervenção da Ministra da Saúde de Portugal, Ana Jorge (PECS) Caros Colegas, As vossas intervenções são demonstrativas da nossa

Leia mais

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Comendador Mário Pereira Gonçalves Minhas Senhoras e meus senhores, O Turismo é um setor estratégico para a economia nacional. Representa cerca de 9,5% do

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

CÁTEDRA DE PORTUGUÊS LÍNGUA SEGUNDA E ESTRANGEIRA. FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS (UEM) e INSTITUTO CAMÕES

CÁTEDRA DE PORTUGUÊS LÍNGUA SEGUNDA E ESTRANGEIRA. FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS (UEM) e INSTITUTO CAMÕES CÁTEDRA DE PORTUGUÊS LÍNGUA SEGUNDA E ESTRANGEIRA FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS (UEM) e INSTITUTO CAMÕES COLÓQUIO PORTUGUÊS EM CONTEXTO AFRICANO MULTILINGUE: EM BUSCA DE CONSENSOS SESSÃO DE ABERTURA

Leia mais

Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmos. Senhores Membros dos Corpos Directivos da Ordem dos Advogados de Moçambique,

Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmos. Senhores Membros dos Corpos Directivos da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmos. Senhores Membros dos Corpos Directivos da Ordem dos Advogados de Moçambique, Caros Convidados, Caros Colegas, Permitam-me que comece

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico 1 Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores E Entrega de Distinções de Mérito Económico Sala dos Presidentes da Associação Industrial Portuguesa Lisboa, 14 de Outubro de 2010 Celebramos hoje os primeiros

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

1-O que é..4. 2-Contexto normativo..4. 3-Articulação com outros instrumentos..4. 4-Conteúdos do projeto educativo...5. 5-Diagnóstico estratégico..

1-O que é..4. 2-Contexto normativo..4. 3-Articulação com outros instrumentos..4. 4-Conteúdos do projeto educativo...5. 5-Diagnóstico estratégico.. 2008/2010 2012/2014 ÍNDICE Introdução 1-O que é..4 2-Contexto normativo..4 3-Articulação com outros instrumentos..4 4-Conteúdos do projeto educativo....5 5-Diagnóstico estratégico..4 6 -Resultados vão

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Os Jogos Olímpicos no RIO uma oportunidade a aproveitar

Os Jogos Olímpicos no RIO uma oportunidade a aproveitar Os Jogos Olímpicos no RIO uma oportunidade a aproveitar Numa economia global os eventos desportivos e a sua projeção para patamares de elevado nível assumem uma dimensão que está muito para além da componente

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados Introdução Reunimos aqui, num único volume, os contributos de vários psicólogos e investigadores nacionais que desenvolvem trabalho teórico e empírico nos domínios da aprendizagem e do desenvolvimento

Leia mais

2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL

2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL Tópicos de Intervenção* *(Só faz fé o discurso efectivamente proferido) Embaixador Isaac Murade Murargy Secretário Executivo da Comunidade

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA NACIONAL DE BASE SOBRE GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO Maputo, 27 de Novembro

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

Discurso de Abertura do Presidente da APAVT no 40º Congresso da Associação Pedro Costa Ferreira Évora, 5 de dezembro de 2014

Discurso de Abertura do Presidente da APAVT no 40º Congresso da Associação Pedro Costa Ferreira Évora, 5 de dezembro de 2014 Discurso de Abertura do Presidente da APAVT no 40º Congresso da Associação Pedro Costa Ferreira Évora, 5 de dezembro de 2014 (protocolo) Exmo. Senhor Vice Primeiro Ministro de Portugal, cumprimento o,

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

MANIFESTO dos 5 + n Cidadãos. "País que faz sempre o mesmo percurso é um país que vê sempre, mas sempre, a mesma paisagem!"

MANIFESTO dos 5 + n Cidadãos. País que faz sempre o mesmo percurso é um país que vê sempre, mas sempre, a mesma paisagem! DECLARAÇÃO INICIAL Este manifesto constitui-se no culminar da Caminhada promovida pelo Movimento Revolução Branca, "REFUNDAR Portugal" - Devolver a dignidade. O Estado ao serviço dos Cidadãos. A sua entrega

Leia mais

Europa e África: que futuro comum? Conferência Sala 1 da Fundação Gulbenkian, Lisboa, 12 de Março de 2014. Declaração Final

Europa e África: que futuro comum? Conferência Sala 1 da Fundação Gulbenkian, Lisboa, 12 de Março de 2014. Declaração Final Europa e África: que futuro comum? Conferência Sala 1 da Fundação Gulbenkian, Lisboa, 12 de Março de 2014 Declaração Final Nós, representantes das Entidades 1 de referência para as diversas áreas específicas

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul 1 A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul Margarida Soares (*) O Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul tem três animadores socioculturais afectos ao Projecto

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Coaching Para a EXCELÊNCIA

Coaching Para a EXCELÊNCIA Coaching Para a EXCELÊNCIA António Santos António Santos Coaching ferramenta que permite elevar o nível de lucidez Mudanças que alargam horizontes. COACHING para a EXCELÊNCIA Mudanças que alargam horizontes.

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

Caracterização do Sector Português da Água

Caracterização do Sector Português da Água Caracterização do Sector Português da Água ÁGUAGLOBAL A Internacionalização do Sector Português da Água AEP - Edifício de Serviços 19 de Abril de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca,

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais