CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA"

Transcrição

1 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1

2 AGRADEÇO A OPORTUNIDADE DE PARTICIPAR NESTA MESA DE ABERTURA COMO MEMBRO DO CNRIPD, ÓRGÃO CONSULTIVO E REPRESENTATIVO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO LUCRATIVAS NO DOMÍNIO DA DEFICIÊNCIA, PRESIDIDO COM MUITA DEDICAÇÃO PELO SENHOR CORONEL MANUEL DA COSTA BRÁS. ENTENDO O SIGNIFICADO DESTE CONVITE QUE MUITO NOS HONRA, COMO RECONHECIMENTO PELO EMPENHAMENTO COM QUE AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VÊM INTERVINDO, DESDE O INICIO DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO PASSADO, COM PERCURSOS DIVERSOS MAS CONSENTÂNEOS NO OBJECTIVO COMUM DO RECONHECIMENTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COMO CIDADÃOS DE PLENO DIREITO. POR ESSA RAZÃO, A CELEBRAÇÃO DO DIA 3 DE DEZEMBRO QUE HOJE NOS REÚNE, REVESTE-SE DE PARTICULAR IMPORTÂNCIA, AO ASSINALAR O 1º DIA DE UMA NOVA ETAPA. MAS AO ALCANÇARMOS ESTE PATAMAR PERMITAM-ME AINDA QUE EM NOME DO CNRIPED E EM MEU NOME PESSOAL, SAÚDE VEXA Sª SEAR PELA ATENÇÃO PESSOAL E ENTUSIASMO QUE DEDICOU NA CONDUÇÃO DO PROCESSO INTERNACIONAL E NACIONAL DE NEGOCIAÇÃO, POSSIBILITANDO QUE PORTUGAL FOSSE DOS PRIMEIROS A ASSINAR A CONVENÇÃO E O PROTOCOLO ADICIONAL E JÁ TIVESSE RATIFICADA A CONVENÇÃO. NA PESSOA DE VOSSA EXCELÊNCIA PERMITA AINDA QUE SAÚDE TODOS OS QUE DIRECTA OU INDIRECTAMENTE CONTRIBUÍRAM PARA ESTE RESULTADO, COM PARTICULAR DESTAQUE PARA A Sª. DR.ª ALEXANDRA PIMENTA. MAS SERÁ QUE COM A CONVENÇÃO, AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PODEM EXERCER DE IMEDIATO TODOS OS SEUS DIREITOS E AS SUAS DIFICULDADES DESAPARECERAM? SERÁ QUE A PARTIR DE AGORA, PASSARÃO A TER A VISIBILIDADE SOCIAL TÃO DESEJADA E O SEU LUGAR AO SOL? TODOS SABEMOS QUE NÃO E QUE UM LONGO CAMINHO TERÁ DE SER VENCIDO. ESTAMOS CERTAMENTE CONSCIENTES DE QUE ESSE PERCURSO TERÁ DE SER FEITO, PELOS CIDADÃOS SEM EXCEPÇÃO E PELAS ORGANIZAÇÕES CIVIS, AO RITMO DA CAPACIDADE DE DIÁLOGO E DA VONTADE EM MUDAR COMPORTAMENTOS E ATITUDES. O ESPÍRITO DA CONVENÇÃO JÁ EXISTIA HÁ MUITO TEMPO, PODEREMOS DIZER QUE ESTAVA CONSUBSTANCIADO NA CONVENÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM. NA VERDADE, ESTA NOVA CONVENÇÃO NÃO VEIO ACRESCENTAR NENHUM DIREITO. O QUE MUDA É PROFUNDO PORQUE NÃO SÃO APENAS AS PALAVRAS, MAS O SIGNIFICADO CONCEPTUAL QUE ELAS TRANSPORTAM: DEIXARMOS DE CONSIDERAR A PESSOA COM DEFICIÊNCIA, COMO OBJECTO DE ASSISTÊNCIA E DE PROTECÇÃO PARA A RECONHECER COMO PESSOA SUJEITO DE DIREITO - DIREITO Á PALAVRA E À PARTICIPAÇÃO, À VIDA E À SUA VULNERABILIDADE. A PALAVRA PESSOA, TEM TRÊS SÍLABAS APENAS, MAS UMA DIMENSÃO E UM SENTIDO UNIVERSAL. MAIS DO QUE UMA PALAVRA, É UM CONCEITO QUE NOS DISTINGUE ENTRE OS SERES VIVOS, AO ELEVAR-NOS Á CONDIÇÃO DE SERES SUPERIORES, ÚNICOS E SINGULARES. 2

3 OS HUMANOS SÃO SERES COMPLEXOS. NASCEMOS MUITO DEPENDENTES SEM SABER UTILIZAR AS NOSSAS CAPACIDADES AINDA INCIPIENTES QUE PROGRESSIVAMENTE IREMOS APRENDENDO A DESENVOLVER, DE FORMA E MANEIRA DIFERENTE, UNS MAIS QUE OUTROS, EM DIFERENTES NÍVEIS. PORQUE PARECENDO IGUAIS QUANDO NASCEMOS E APESAR DE HERDARMOS UMA HISTÓRIA GENÉTICA, SOMOS DESDE LOGO ÚNICOS, CRESCEMOS DE FORMA E COM TEMPOS DIFERENTES E SEREMOS SEMPRE DIFERENTES, IGUAIS A NÓS MESMOS, RESULTADO DAS INFLUÊNCIAS E HERANÇAS FAMILIARES E DO QUE CONSEGUIMOS CAPTAR DO MUNDO QUE NOS OLHA, DAS OPORTUNIDADES QUE TIVEMOS E DO QUE REALMENTE QUISEMOS SER PORQUE LUTAMOS OU PORQUE ALCANÇAMOS. OU ATÉ PELO QUE NADA FIZEMOS. NÃO SEREMOS CÓPIA DE OUTROS, NEM MODELOS PARA NINGUÉM. CLARO QUE O NOSSO DESENVOLVIMENTO DEPENDE DOS AFECTOS QUE NOS ACOLHERAM, DOS QUE PARTILHAMOS, DA NOSSA CAPACIDADE DE SONHAR E DE QUERER E NATURALMENTE DAS OPORTUNIDADES QUE TIVERMOS. PARA ALÉM DA DIVERSIDADE FÍSICA, CULTURAL, SOCIAL E ECONÓMICA, CADA HUMANO É EM SI MESMO IRREPETÍVEL E SINGULAR. E ESSA ESPECIFICIDADE, EXPRESSA-SE NA FUNCIONALIDADE FÍSICA E SOCIAL DE CADA PESSOA DE FORMA DIFERENTE EM CADA CONTEXTO TEMPORAL E AMBIENTAL, O QUE FAZ DE CADA UM DE NÓS UM SER ÚNICO, COM CAPACIDADES E LIMITAÇÕES, VARIÁVEIS AO LONGO DA NOSSA VIDA. A DEFICIÊNCIA ACONTECE NA VIDA DE QUASE TODOS NÓS, PELO MENOS NUM QUALQUER MOMENTO. MAS MESMO QUE NUMA SITUAÇÃO MAIS PERMANENTE E GRAVE, PAREÇA QUE NADA PODE FAZER OU DIZER, HÁ SEMPRE UM CONTRIBUTO QUE É POSSÍVEL ENCONTRAR NAQUELA PESSOA ATRAVÉS DO OLHAR, DO AFECTO OU DE OUTRA FORMA INDIRECTA, COMO CHAMA QUE ARDE SEM SE VER E NESSA INTENSIDADE ILUMINA OS SEUS COM UMA PRESENÇA ÚNICA QUE PODE PACIFICAR OU ESTIMULAR E QUE DEIXARÁ SEMPRE, A MARCA DO SEU CONTRIBUTO ENRIQUECEDOR. A DIGNIDADE HUMANA NÃO SE APRESENTA COMO UM PRINCÍPIO EM SI MESMO, MAS COMO UMA UNIDADE INTERDEPENDENTE. É PRIORITÁRIO GANHAR VISIBILIDADE SOCIAL, O QUE SÓ ACONTECERÁ QUANDO A SOCIEDADE NO SEU TODO, RECONHECER A NATUREZA SINGULAR E IRREPETÍVEL DE CADA PESSOA, NA DEPENDÊNCIA CIRCUNSTANCIAL DA SUA FUNCIONALIDADE HUMANA EM EVOLUÇÃO AO LONGO DA VIDA E EM CONTÍNUA INTERDEPENDÊNCIA AMBIENTAL. ACONTECE QUE MUITAS VEZES AS PESSOAS PERANTE CIRCUNSTÂNCIAS ADVERSAS MÚLTIPLAS, DESISTEM, QUASE SEMPRE PELO ISOLAMENTO EM QUE POUCO A POUCO SE REMETEM. É PRECISO ESTIMULAR O POTENCIAL PROFUNDO QUE EXISTE EM CADA SER HUMANO. E ISSO SÓ SE CONSEGUE QUANDO À NOSSA VOLTA SENTIMOS QUE SOMOS RECONHECIDOS PELO OUTRO, TAL COMO NOS APRESENTAMOS, COM AS NOSSAS DIFICULDADES E AS NOSSAS POTENCIALIDADES. É URGENTE QUE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ACREDITEM EM SI MESMAS E ASSUMAM OS SEUS DIREITOS E AS SUAS RESPONSABILIDADES CIVIS, COMO TODAS AS OUTRAS PESSOAS, PRINCIPALMENTE AGORA QUE A CONVENÇÃO PROCLAMA E CONFIRMA QUE SÃO CIDADÃOS DE PLENO DIREITO. 3

4 ESTAMOS CONSCIENTES DE QUE TEREMOS DE ENFRENTAR MUITOS OBSTÁCULOS NA ADEQUAÇÃO DAS MEDIDAS ÀS PRÁTICAS E SOBRETUDO NA APRENDIZAGEM A VIVER E CONVIVER COM A DIVERSIDADE HUMANA. NÃO SERÁ POR UM INSTRUMENTO JURÍDICO QUE ISSO ACONTECERÁ, NEM TÃO POUCO SE PODERÁ RESTRINGIR APENAS A UMA QUESTÃO FINANCEIRA. A MUDANÇA TEM DE SER MAIS PROFUNDA, ENVOLVENDO MUITOS OUTROS FACTORES DE CONSTRANGIMENTO, DESDE OS AMBIENTAIS, OS SOCIAIS E OS CULTURAIS. E SÓ ENTÃO O DIREITO Á PARTICIPAÇÃO SERÁ UMA REALIDADE CONFIRMADA PARA TODOS OS CIDADÃOS. HOJE COMEÇAMOS A TER A CONSCIÊNCIA DE QUE OS AMBIENTES FÍSICOS E SOCIAIS PODEM TORNAR QUALQUER PESSOA MAIS OU MENOS CAPAZ OU MESMO LIMITAR A SUA PARTICIPAÇÃO. MAS PRECISAMOS AINDA DE GENERALIZAR O CONCEITO DA FUNCIONALIDADE HUMANA E A SUA EVOLUÇÃO CONTÍNUA, PARA A COMPREENSÃO DA NOSSA VULNERABILIDADE FÍSICA, EMOCIONAL E SOCIAL. POR ISSO, A ACESSIBILIDADE FÍSICA E CULTURAL É INDISPENSÁVEL PARA A SEGURANÇA E A QUALIDADE DAS NOSSAS VIDAS, PERMITINDO- NOS PARTICIPAR EM QUALQUER CIRCUNSTÂNCIA TEMPORAL E AMBIENTAL, COMO OBREIROS DA COMUNIDADE A QUE PERTENCEMOS, NA SINGULARIDADE IRREPETÍVEL DA NOSSA NATUREZA HUMANA. O RECONHECIMENTO DO DIREITO JURÍDICO DE PARTICIPAR É O QUE NOS PERMITE A ACÇÃO. MAS É A PASSAGEM DA VALIDADE POLÍTICA AO SIGNIFICADO DA ALTERAÇÃO CULTURAL DE RECONHECER AQUELA PESSOA COMO UM ALTER, TAL COMO ELE É, DANDO ESPAÇO PARA QUE EXPRIMA AS SUAS EMOÇÕES E CARÊNCIAS, AS SUAS INABILIDADES E COMPETÊNCIAS, COMO FORMA DE ENRIQUECIMENTO DO OUTRO, O QUE AGORA IMPORTA FAZER ACONTECER. NA MEDIDA EM QUE ME MODIFICO, ESTABELEÇO UMA RELAÇÃO BILATERAL COM O OUTRO SEM AFIRMAÇÃO DE PODER, MAS PELO RECONHECIMENTO DO SEU DIREITO À PARTICIPAÇÃO COMO MEMBRO DAQUELA COMUNIDADE. ESTA É A MUDANÇA CULTURAL QUE A CONVENÇÃO OBRIGA, PARA QUE NÃO SEJA MAIS UM DOCUMENTO LEGISLATIVO, MAS UMA PRATICA ASSUMIDA PELA SOCIEDADE. E É NAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS QUE ENCONTRAMOS A MAIOR CAPACIDADE DE AGIR COMO ACTORES DE MUDANÇA SOCIAL E CULTURAL, PELO PAPEL DE REPRESENTAÇÃO POLÍTICA, PARTICIPANDO NA AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DOS PROGRESSOS CONSEGUIDOS E PELA EXEMPLARIDADE DAS NOSSAS PRÁTICAS DE DIGNIFICAÇÃO DA PESSOA, NO RESPEITO ÀS SUAS OPÇÕES COMO MANIFESTAÇÃO DA SUA AUTONOMIA E NA VALORIZAÇÃO DAS SUAS CAPACIDADES PARA UMA VIDA INDEPENDENTE. PORQUE O NOSSO OLHAR FOI SEMPRE MAIS LONGE, PARA ALÉM DA DISFUNÇÃO VISÍVEL, NA DESCOBERTA DO QUE NELE, NOS COMPLETA E FAZ PROGREDIR. NESTE MOMENTO, EM QUE PELA FRENTE TEMOS O ENORME COMBATE CONTRA O ABSENTISMO SOCIAL QUE PRETENDE RESISTIR À MUDANÇA QUASE SEMPRE POR NÃO SABER LIDAR COM ELA, SERIA OPORTUNO REFORÇAR E VALORIZAR AS PARCERIAS DO SECTOR PÚBLICO COM AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS, RECONHECENDO E AVALIANDO O CONTRIBUTO SOCIAL E CULTURAL DO SEU TRABALHO, COMO PARCEIROS ESSENCIAIS NO ESFORÇO COLECTIVO DE HUMANIZAÇÃO DA SOCIEDADE, COM IMPACTO NA SUA SUSTENTABILIDADE. 4

5 NO PANORAMA NACIONAL A DISTRIBUIÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DIRIGIDAS PARA O ATENDIMENTO ÀS QUESTÕES DA DEFICIÊNCIA, GARANTEM UMA COBERTURA SIGNIFICATIVA. MAS TAMBÉM RECONHECEMOS A NECESSIDADE DE NOS ORGANIZARMOS MELHOR, DE NOS COMPLETARMOS, DE NOS ENRIQUECER COM A TROCA DE EXPERIENCIAS E DE SABERES, NUMA COMPETIÇÃO EM QUE A META NÃO SERÁ INDIVIDUAL, MAS A EXCELÊNCIA CONSEGUIDA COLECTIVAMENTE, NAS RESPOSTAS INOVADORAS E CRIATIVAS QUE CONSEGUIREMOS DAR ÀS QUESTÕES QUE A CONVENÇÃO E O MUNDO EM QUE VIVEMOS NOS COLOCAM. HOJE ENFRENTAMOS TEMPOS DIFÍCEIS PELA GRAVE SITUAÇÃO DE CRISE ECONÓMICA MUNDIAL, COM TODAS AS CONSEQUÊNCIAS NACIONAIS QUE CONHECEMOS, CADA VEZ MAIS GRAVOSAS AO ASSISTIRMOS AO AUMENTO PROGRESSIVO DA ESPERANÇA DE VIDA E DA SOBREVIVÊNCIA DAS PESSOAS COM SITUAÇÕES DE DEPENDÊNCIA FÍSICA E SOCIAL. COMO PODERÃO NESTE CONTEXTO, AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS COM INTERVENÇÃO NESTE DOMÍNIO, CONTRIBUIR PARA A MUDANÇA CULTURAL ESSENCIAL PARA O SUCESSO DA APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO E DESSA FORMA, PARTICIPAR NO PROCESSO DA SUSTENTABILIDADE DO NOSSO PAÍS? A CRISE ECONÓMICA PELA EXTENSÃO GLOBAL E DIMENSÃO PROFUNDA CAUSOU UM IMPACTO NAS SOCIEDADES CONTEMPORÂNEAS DE QUE RESULTA UMA MUDANÇA EM CONTINUIDADE, DIRIA MESMO QUE NADA SERÁ COMO ERA. A CONTENÇÃO GENERALIZADA VEM CAUSANDO NOS CIDADÃOS UMA ENORME PREOCUPAÇÃO NO PRESENTE E GRANDE ANGÚSTIA QUANTO AO FUTURO, SOBRETUDO O DAS GERAÇÕES SEGUINTES. E EM SITUAÇÕES DE MENORES RECURSOS, PARECE AINDA MAIS DIFÍCIL MUDAR OS COMPORTAMENTOS E AS ATITUDES SOCIAIS. MAS É PRECISO RECONHECER QUE ESTES TEMPOS DIFÍCEIS TAMBÉM PODEM GERAR OPORTUNIDADES, PELA NECESSIDADE DE SE CRIAREM RESPOSTAS ADEQUADAS ÀS NOVAS QUESTÕES SOCIAIS E ECONÓMICAS COM QUE A SOCIEDADE GLOBAL SE CONFRONTA. É NESTE CONTEXTO QUE NOS PARECE OPORTUNO REFERIR MAIS UMA VEZ O PAPEL RELEVANTE QUE AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS TÊM QUER PELO SEU COMBATE POLÍTICO E SOCIAL PARA DAR VISIBILIDADE A ESTAS QUESTÕES E ABRIR ACESSOS À PARTICIPAÇÃO QUER PELO ESTIMULO À CAPACITAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PARA A VIA CONTRIBUTIVA, QUER AINDA NAS SITUAÇÕES MAIS GRAVES, MENORIZANDO E RETARDANDO A SUA DEPENDÊNCIA DEFINITIVA, PARA ALÉM DE PERMITIR ÀS FAMÍLIAS MANTER A SUA ACTIVIDADE PROFISSIONAL E SEMPRE COM EXEMPLARIDADE, PROCURAR ADEQUAR OS FRACOS RECURSOS ÀS NECESSIDADES DOS PÚBLICOS-ALVO, CADA VEZ COM SITUAÇÕES MAIS COMPLEXAS E EXIGENTES. PERANTE AS DIFICULDADES ECONÓMICAS E SOB A AMEAÇA FUTURA DO PROGRESSIVO DESEQUILIBRO ENTRE ACTIVOS E DEPENDENTES, PENSAMOS SER RECOMENDÁVEL DAR MAIS ATENÇÃO AO VALOR SOCIAL E ECONÓMICO DESTE NOSSO TRABALHO DE FORMA A MUDAR O OLHAR QUE O ESTADO TEM SOBRE AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS QUE JÁ NÃO SÃO APENAS ORGANIZAÇÕES DEPENDENTES DE SUBSÍDIOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMPLEMENTARIDADE, MAS CADA VEZ MAIS, ENTIDADES PARCEIRAS QUE DEVEM PARTICIPAR NA AVALIAÇÃO DAS QUESTÕES QUE A SOCIEDADE COLOCA E DAS MEDIDAS POLITICAS DE AJUSTAMENTO PARA A APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO, DE FORMA A CONTRIBUÍREM NO DESENHO DE ESTRATÉGIAS QUE FACILITEM A MUDANÇA CULTURAL E CONTRIBUAM PARA A SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA. 5

6 O CNRIPD, COMO ÓRGÃO CONSULTOR REPRESENTATIVO DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NO DOMÍNIO DA DEFICIÊNCIA, ESTARÁ DISPONÍVEL PARA INTENSIFICAR A SUA ACÇÃO POLÍTICA E PARTICIPAR NA MONITORIZAÇÃO DA APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO, E EMPENHO EM COLABORAR PARA A INOVAÇÃO SOCIAL PELA INTRODUÇÃO DE ESTRATÉGIAS MAIS FAVORÁVEIS AO ACESSO À PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E À MENORIZAÇÃO DA DEPENDÊNCIA. RECONHECEMOS EM VOSSA EXCELÊNCIA SENHORA SECRETARIA ADJUNTA E DA REABILITAÇÃO O CONHECIMENTO PROFUNDO DA REALIDADE E A VONTADE POLÍTICA EM CONCRETIZAR O MUITO QUE TEREMOS TODOS DE FAZER, PARA QUE NO PRÓXIMO ANO, NO DIA 3 DE DEZEMBRO, POSSAMOS ASSINALAR OS PROGRESSOS QUE A SOCIEDADE PORTUGUESA FEZ NA APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO. ACREDITAMOS QUE PORTUGAL IRÁ CONFIRMAR O COMPROMISSO ASSUMIDO DE PROMOVER AS MEDIDAS DE AJUSTAMENTO INDISPENSÁVEIS PARA QUE TODOS OS CIDADÃOS TENHAM ACESSO À IGUALDADE DE OPORTUNIDADES NO RECONHECIMENTO PÚBLICO E CULTURAL DA DIVERSIDADE HUMANA. CELEBREMOS OS QUE COM CORAGEM E PERSEVERANÇA LUTARAM DURANTE DÉCADAS POR ESTA CONVENÇÃO. SE TODOS O QUISERMOS, ESTE SERÁ O CAMINHO SEGURO PARA QUE O III MILÉNIO SEJA O SÉCULO DO POTENCIAL HUMANO E DA INOVAÇÃO SOCIAL PELO RECONHECIMENTO DA DIVERSIDADE HUMANA, E DA TRANSFORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ACTUAIS EM COMUNIDADES MAIS HUMANAS, ENRIQUECIDAS PELA PARTICIPAÇÃO PLURAL DOS CIDADÃOS NO PLENO EXERCÍCIO DOS SEUS DIREITOS E RESPONSABILIDADES CÍVICAS. TERMINO COM PALAVRAS DE PAULO FREIRE, ESCRITAS EM 1972 E QUE MANTÉM SENTIDO NA ACTUALIDADE: ENQUANTO A VIOLÊNCIA DOS OPRESSORES FEZ DOS HOMENS PROIBIDOS DE SER, A RESPOSTA DELES À VIOLÊNCIA DAQUELES, SE ENCONTRA INFUNDIDA NO DIREITO DO SER. 6

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO Senhora D. Maria José Ritta, Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional dos Voluntários, Ms. Sharon Capeling, Senhoras e Senhores congressistas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

Alunos do 5º Ano Turma B

Alunos do 5º Ano Turma B Alunos do 5º Ano Turma B Boa tarde e Bem Vindos! 1 Todos conhecem a Prof.ª Isabel O meu nome é Alexandre e trabalho na empresa 2 Estamos aqui para vos apresentar o Projecto Concurso Escola Alerta! 3 O

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

2. Mas este acto representa também o início de uma nova etapa, em Sines com

2. Mas este acto representa também o início de uma nova etapa, em Sines com Câmara Municipal Presidência Exmº Senhor Primeiro-ministro de Portugal Eng.º José Sócrates Sr. Ministro da Economia e da Inovação Dr. Manuel Pinho Em nome da Câmara Municipal de Sines, o meu manifesto

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 63 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago na abertura da Sessão pública de apresentação das actividades do Conselho Europeu de Investigação (ERC) 3 de Julho 2007

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

CÁTEDRA DE PORTUGUÊS LÍNGUA SEGUNDA E ESTRANGEIRA. FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS (UEM) e INSTITUTO CAMÕES

CÁTEDRA DE PORTUGUÊS LÍNGUA SEGUNDA E ESTRANGEIRA. FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS (UEM) e INSTITUTO CAMÕES CÁTEDRA DE PORTUGUÊS LÍNGUA SEGUNDA E ESTRANGEIRA FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS (UEM) e INSTITUTO CAMÕES COLÓQUIO PORTUGUÊS EM CONTEXTO AFRICANO MULTILINGUE: EM BUSCA DE CONSENSOS SESSÃO DE ABERTURA

Leia mais

1-O que é..4. 2-Contexto normativo..4. 3-Articulação com outros instrumentos..4. 4-Conteúdos do projeto educativo...5. 5-Diagnóstico estratégico..

1-O que é..4. 2-Contexto normativo..4. 3-Articulação com outros instrumentos..4. 4-Conteúdos do projeto educativo...5. 5-Diagnóstico estratégico.. 2008/2010 2012/2014 ÍNDICE Introdução 1-O que é..4 2-Contexto normativo..4 3-Articulação com outros instrumentos..4 4-Conteúdos do projeto educativo....5 5-Diagnóstico estratégico..4 6 -Resultados vão

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO 1 1. FUNDAMENTOS DE UMA PROPOSTA O Sector Solidário, neste caso a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), assume que o sistema educativo 1 é um dos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA NACIONAL DE BASE SOBRE GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO Maputo, 27 de Novembro

Leia mais

2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL

2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL Tópicos de Intervenção* *(Só faz fé o discurso efectivamente proferido) Embaixador Isaac Murade Murargy Secretário Executivo da Comunidade

Leia mais

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia ONDE MORAS? Ilustração de Capa, Madalena Matoso, 2009 ONDE MORAS? UMA PROPOSTA Tópicos para a intervenção inicial Maria da Conceição Moita A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

Leia mais

MENSAGEM DE NATAL PM

MENSAGEM DE NATAL PM MENSAGEM DE NATAL PM Boa noite, Como todos sabemos, os últimos 3 anos foram fortemente marcados pela resposta ao colapso financeiro de 2011. Todos sentimos no nosso dia-a-dia as dificuldades e como nos

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

Excelências, Senhores Convidados, nacionais e estrangeiros, Senhores Congressistas, Carlos Colegas, Minhas Senhoras e meus Senhores,

Excelências, Senhores Convidados, nacionais e estrangeiros, Senhores Congressistas, Carlos Colegas, Minhas Senhoras e meus Senhores, Excelências, Senhores Convidados, nacionais e estrangeiros, Senhores Congressistas, Carlos Colegas, Minhas Senhoras e meus Senhores, A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal da Polícia

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTROMINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DO 15º ANIVERSÁRIO DA POLÍCIA NACIONAL DE TIMOR-LESTE

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTROMINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DO 15º ANIVERSÁRIO DA POLÍCIA NACIONAL DE TIMOR-LESTE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTROMINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DO 15º ANIVERSÁRIO DA POLÍCIA NACIONAL DE TIMOR-LESTE Centro de Formação da Polícia em Comoro, Díli 27 de Março

Leia mais

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57 Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Porto, Acto de abertura da Exposição «Álvaro Cunhal Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se Projecta na Actualidade e no Futuro» Em nome do Partido Comunista

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais

Programa. Erro Zero Atraso Zero

Programa. Erro Zero Atraso Zero Programa Erro Zero Atraso Zero Introdução O caso de sucesso da Fatto Soluções Contábeis em parceria com o Nibo A Fatto iniciou suas atividades em 2012 e, desde o início, tinha como objetivo oferecer um

Leia mais

Financiamento do Desporto

Financiamento do Desporto Financiamento do Desporto Para abordar o tema do financiamento do desporto no momento actual e suas prospectivas é conveniente recordarmos as Opções do Plano e o Programa do Governo. De igual modo, consubstanciando

Leia mais

Uma reflexão sobre Desenvolvimento Económico Sustentado em Moçambique

Uma reflexão sobre Desenvolvimento Económico Sustentado em Moçambique Uma reflexão sobre Desenvolvimento Económico Sustentado em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco carlos.castel-branco@iese.ac.mz Associação dos Estudantes da Universidade Pedagógica Maputo, 21 de Outubro

Leia mais

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino Wérica Pricylla de Oliveira VALERIANO 1 Mestrado em Educação em Ciências e Matemática wericapricylla@gmail.com

Leia mais

Liga Nacional Contra a Fome

Liga Nacional Contra a Fome Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública.Relatório de Gestão. Exercício 2015 -Março de 2016- Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública A Liga Nacional Contra a Fome é uma Instituição

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Olhar e Pensar a Deficiência Encontros Temáticos da Rede Social

Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Olhar e Pensar a Deficiência Encontros Temáticos da Rede Social Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Olhar e Pensar a Deficiência Encontros Temáticos da Rede Social O INR O INR, I.P.

Leia mais

PROJETO A FORMAÇÃO NÃO É SÓ O SABER

PROJETO A FORMAÇÃO NÃO É SÓ O SABER PROJETO A FORMAÇÃO NÃO É SÓ O SABER Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos - Pinhal Novo Projeto de Educação para a Cidadania Introdução O Projeto tem como paradigma a valorização do percurso escolar

Leia mais

Divulgação do Evento

Divulgação do Evento organizado por em parceria com Divulgação do Evento Inclusão sobre rodas na EB 2,3 de Lamaçães esta terça-feira 02/12/2014 00:02 Inclusão sobre Rodas é o nome da acção que vai ser hoje promovida na EB

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Bravo Nico Universidade de Évora 1. INTRODUÇÃO Aprendemos em qualquer circunstância. Aprendemos

Leia mais

NERSANT Torres Novas. Apresentação e assinatura do contrato e-pme. Tópicos de intervenção

NERSANT Torres Novas. Apresentação e assinatura do contrato e-pme. Tópicos de intervenção G ABINETE DO M INISTRO NERSANT Torres Novas Apresentação e assinatura do contrato e-pme Tópicos de intervenção Senhor Secretário de Estado Adjunto da Indústria e Inovação, António Castro Guerra Senhor

Leia mais

MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015!

MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015! MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015! Você sabia que 95% das pessoas que traçam planos de Ano Novo NUNCA os seguem adiante? A razão é que a maioria das pessoas não entende o processo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 DE MARÇO DE 1977. IMPROVISO NO

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul 1 A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul Margarida Soares (*) O Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul tem três animadores socioculturais afectos ao Projecto

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL [SLIDE 1] CAPA [SLIDE 2] UM ASSUNTO ATUAL APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 Os conceitos de liberdade de consciência e de expressão têm recebido

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015 Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa 25 de dezembro de 2015 Boa noite. Estamos a chegar ao fim de um ano muito exigente para todos os portugueses. Um ano que ainda impôs às famílias enormes

Leia mais

PROFISSIONALISMO INTERATIVO E ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO

PROFISSIONALISMO INTERATIVO E ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO 15/04/15 PROFISSIONALISMO INTERATIVO E ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Michael Fullan e Andy Hargreaves. Escolas que aprendem são as que

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

w w w. a r c i l. o r g rostos ideias acções

w w w. a r c i l. o r g rostos ideias acções w w w. a r c i l. o r g rostos ideias acções 1 30 anos a desafiar limites Tudo começa em 1976. Um grupo de pessoas, lideradas por um pai e uma assistente social, confrontadas com a dificuldade de educar

Leia mais

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS E JOVENS PROJETO É TEMPO...

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS E JOVENS PROJETO É TEMPO... EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS E JOVENS PROJETO É TEMPO... O que se pensava que era o século XXI Os carros voam por estradas àreas O teletransporte é comum Fazem-se excursões a Marte A economia é sempre

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. 2011 MDados

CÓDIGO DE ÉTICA. 2011 MDados CÓDIGO DE ÉTICA 2011 MDados I N D I C E Introdução. Pág. 2 Âmbito e aplicação... Pág. 2 Objectivos e valores Pág. 3 Código de Ética MDados Sistemas de Informação SA 1 INTRODUÇÃO Os princípios de actuação

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Tomada de posse dos órgãos sociais do Centro de Estudos EuroDefense-Portugal

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Tomada de posse dos órgãos sociais do Centro de Estudos EuroDefense-Portugal INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL Tomada de posse dos órgãos sociais do Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Lisboa, Instituto de Defesa Nacional,

Leia mais

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Camila Lopes Ferreir a (UTFPR) camila@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti (UTFPR) lapilatti@pg.cefetpr.br

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

Os Conceitos Fundamentais da Excelência

Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais são princípios que estão subjacentes ao Modelo de Excelência e esboçam o alicerce da excelência organizacional. Alcançar Resultados Equilibrados

Leia mais

Motivação: Empresarial e Escolar

Motivação: Empresarial e Escolar Motivação: Empresarial e Escolar ISEP 2003/2004 Introdução à gestão aluno: Filipe Costa numero: 1020525 turma: 2ID Introdução A motivação como factor fundamental que dita a produtividade de uma pessoa

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Díli, Timor-Leste. 14 a 17 de abril de 2015 SEMINÁRIO. «Plano Estratégico de Cooperação Multilateral no Domínio da Educação da CPLP (2015-2020)»

Díli, Timor-Leste. 14 a 17 de abril de 2015 SEMINÁRIO. «Plano Estratégico de Cooperação Multilateral no Domínio da Educação da CPLP (2015-2020)» I Reunião Extraordinária de Ministros da Educação da CPLP Díli, Timor-Leste 14 a 17 de abril de 2015 SEMINÁRIO «Plano Estratégico de Cooperação Multilateral no Domínio da Educação da CPLP (2015-2020)»

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Apresentamos hoje a Campanha Especial de Segurança Rodoviária que visa, durante o mês de Dezembro e os primeiros dias de Janeiro, valorizar a prevenção e reforçar a segurança

Leia mais

PEDAGOGO E A PROFISSÃO DO MOMENTO

PEDAGOGO E A PROFISSÃO DO MOMENTO PEDAGOGO E A PROFISSÃO DO MOMENTO Vivemos numa era em que o conhecimento assume novas configurações. Ele se modifica permanentemente, sendo atualizado dia-a-dia pelas descobertas das ciências e pelas inteligências

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Reabilitar. Porquê? Como? Para quê? Para quem? Aveiro, 13 de Julho de 2011 João Azevedo DECivil - IST

Reabilitar. Porquê? Como? Para quê? Para quem? Aveiro, 13 de Julho de 2011 João Azevedo DECivil - IST Reabilitar Porquê? Como? Para quê? Para quem? Aveiro, 13 de Julho de 2011 João Azevedo DECivil - IST Reabilitar - Porquê? Razões Éticas Históricas Económicas Ambientais Sociais Estéticas Éticas Reabilitar

Leia mais

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Com a Comunidade fazemos a ponte; porque a ponte é uma passagem para muitas margens. Maio 2014 Missão O CSPSN, enquanto Centro Comunitário,

Leia mais

20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT

20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT 20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT Fachada restaurada e preservada do Colégio Benjamin Constant (igual de 1924) Neste ano de 2012, o Colégio Benjamin Constant comemora 20 anos de associação

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais

DISCURSO DO SR. PRESIDENTE DA UNIÃO DAS MUTUALIDADES PORTUGUESAS, DR. LUÍS ALBERTO DE SÁ E SILVA

DISCURSO DO SR. PRESIDENTE DA UNIÃO DAS MUTUALIDADES PORTUGUESAS, DR. LUÍS ALBERTO DE SÁ E SILVA DISCURSO DO SR. PRESIDENTE DA UNIÃO DAS MUTUALIDADES PORTUGUESAS, DR. LUÍS ALBERTO DE SÁ E SILVA Exmo. Senhor Secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social, Dr. Marco António Costa; Exmo.

Leia mais

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos 2 3 Artigo 1º, Direito à Igualdade Você nasce livre e igual em direitos como qualquer outro ser humano. Você tem capacidade de pensar e distinguir o certo do errado.você

Leia mais

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico 1 Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores E Entrega de Distinções de Mérito Económico Sala dos Presidentes da Associação Industrial Portuguesa Lisboa, 14 de Outubro de 2010 Celebramos hoje os primeiros

Leia mais

O que veremos. O que tudo mundo quer? Liderança para aumentar a renda! 08/12/2015

O que veremos. O que tudo mundo quer? Liderança para aumentar a renda! 08/12/2015 Liderança para aumentar a renda! Iniciaremos em breve! Quero você me acompanhando porque as informações de hoje são extremamente vitais para seu sucesso! O que veremos 1 -Aprenda o que a liderança pode

Leia mais

Práticas de Responsabilidade Social: Limites e Potencialidades

Práticas de Responsabilidade Social: Limites e Potencialidades Práticas de Responsabilidade Social: Limites e Potencialidades Responsabilidade social, políticas e participação 15/12/08 Hermínia Gonçalves 1. Transformações sociopolíticas nas sociedades ocidentais A

Leia mais

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância 1 Albufeira, Março 2014 Gerência: Índice Índice... 2 Introdução... 3 1. Caracterização da instituição...

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras.

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras. RH SENSÍVEL RH é uma área sensível à mentalidade que em geral predomina nas organizações. A gestão de RH abrange aspectos como a cultura organizacional, satisfação no trabalho e talento. Isis Corrêa Como

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Intervenção do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes 26.08.2014

Intervenção do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes 26.08.2014 Intervenção do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes 26.08.2014 Há exatamente dois meses a Seleção Nacional A efetuou o seu último jogo no Campeonato do Mundo disputado no Brasil.

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Empreendedorismo social

Empreendedorismo social Empreendedorismo social Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista Se há conceito e vocábulo que passou a fazer parte do discurso político é o termo empreendedor ou empreendedorismo. Apesar

Leia mais